Guia Prático de Vacinas 2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia Prático de Vacinas 2013"

Transcrição

1 Guia Prático de Vacinas 2013

2 Índice

3 Apresentação Calendário Básico de Vacinação do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde (PNI/MS) 8. Vacina tuberculose [BCG ID] 9. Vacina tríplice viral [Vacina sarampo, caxumba e rubéola] Calendário Básico de Vacinação 2012/ Vacinas combinadas pentavalente e hexavalente [difteria, tétano, coqueluche, hemófilos, poliomielite e hepatite B] 13. Vacina meningocócica conjugada C 14. Vacina combinada DTPa e dtpa-ipv [difteria, tétano, coqueluche e poliomielite] 15. Vacina varicela 16. Vacina sarampo, caxumba, rubéola e varicela 17. Vacina rotavírus pentavalente - MSD 18. Vacina pneumocócica 13-valente conjugada Calendário de Vacinação para Adolescentes e Adultos 22. Vacina meningocócica conjugada A, C, W 135 e Y 23. Vacina hepatite A 24. Vacina combinada hepatite A e B Calendário Vacinal da Mulher dos 10 aos 49 anos 28. Vacina papilomavírus humano (HPV) - GSK 29. Vacina quadrivalente HPV (MSD) Avaliação da Situação Vacinal da Mulher a partir de 50 anos Vacinas e Gravidez 34. Vacina dupla tipo adulto (difteria e tétano) e tétano (toxoide tetânico) Calendário Ocupacional 38. Definições 39. Vacina hepatite B 40. Vacina influenza inativada (gripe) Vacinação do Viajante 44. Vacina febre tifoide 45. Vacina febre amarela Calendário do Idoso 48. Vacina pneumocócica polivalente (polissacarídica 23 valente) Vacinas em Situações Especiais 52. Vacina Haemophilus influenzae B Informações Gerais 3

4 APRESENTAÇÃO Responsável Técnica Dra. Marilene Lucinda Silva - CRMMG Inscrição CRM 356-MG. 4

5 Este guia tem a finalidade de fornecer um instrumento de consulta rápida, objetivando o acesso de prescritores e profissionais de sala de vacina. Ao final, apresentamos bibliografias específicas recomendadas para os que se interessarem em estender ou aprofundar seus conhecimentos em vacinação. Apresentamos o calendário básico de imunização do Sistema Único de Saúde (SUS) e listamos as vacinas disponíveis nos serviços privados de vacinação, com as principais características, indicações, esquemas de aplicação, contraindicações e eventos adversos dessas vacinas recomendadas pela Sociedade Brasileira de Imunizações (Sbim) e pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Algumas informações importantes de intervalo mínimo entre vacinas e doses, vias e locais de aplicação são fornecidas no final deste guia. Devemos estar atentos às constantes atualizações de esquemas vacinais e calendários, pois a área de imunização é dinâmica. Para este ano, estão previstas modificações no calendário do SUS, com introdução das vacinas Varicela e Hepatite A. Conforme normas governamentais vigentes, não colocaremos nomes fantasia, sendo citados em cada um dos produtos os nomes dos fabricantes das vacinas. Neste guia, criamos grupos conforme os calendários vigentes: crianças, adolescentes, adultos, idosos, mulheres, gestantes, viajantes e saúde ocupacional, respeitando as peculiaridades de cada grupo. Outras informações podem ser adquiridas via Central de Relacionamento com Clientes (CRC) pelo telefone (31) ou pelo 5

6

7 Calendário Básico de Vacinação do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde (PNI/MS) PNI/MS BÁSICO Idades Vacinas Dose Ao nascer 2 meses BCG - ID Vacina hepatite B (recombinante) Vacina pentavalente (DTP/Hib/HB)* Vacina inativada poliomielite** Vacina oral de rotavírus humano Vacina pneumocócica 10 (conjugada) Dose única Dose única (monovalente) 1ª dose 3 meses Vacina meningocócica C (conjugada) 1ª dose 4 meses Vacina pentavalente (DTP/Hib/HB)* Vacina inativada poliomielite** Vacina oral de rotavírus humano Vacina pneumocócica 10 (conjugada) 2ª dose 5 meses Vacina meningocócica C (conjugada) 2ª dose 6 meses Vacina pentavalente (DTP/Hib/HB)* Vacina oral poliomielite** Vacina pneumocócica 10 (conjugada) 3ª dose 9 meses Vacina febre amarela (atenuada) Dose inicial 12 meses Vacina tríplice viral (SCR) Vacina pneumocócica 10 (conjugada) Vacina tríplice bacteriana (DTP) Vacina oral poliomielite** Vacina meningocócica C (conjugada) Vacina Tetra Viral 1ª dose Reforço 1º reforço 15 meses Reforço Dose única 4 anos Vacina tríplice bacteriana (DTP) 2º reforço 10 anos Vacina febre amarela (atenuada) Uma dose a cada 10 anos Campanhas nacionais de vacinação para as crianças Menores de 5 anos De 6 meses a menores de 2 anos Vacina contra a poliomielite / atualização do esquema vacinal Vacinação contra a Influenza (gripe) * Substituindo a formulação tetra (DTP / Hib) ** Vacinas poliomielite esquema sequencial (VIP / VOP). Duas primeiras doses com a VIP, terceira dose e reforço com VOP. 7

8 Guia Prático de Vacinas 2013 Vacina tuberculose [BCG ID] Indicação Proteção contra formas graves da tuberculose, principalmente nos primeiros cinco anos de vida. Composição Bacilos atenuados do Mycobacterium bovis. Fabricante Fundação Ataulpho de Paiva. Via de administração Intradérmica, no braço direito, inserção inferior do músculo deltoide. Esquema de aplicação A partir do nascimento. A primovacinação acima de 5 anos de idade não deve ser realizada rotineiramente, devendo ser feita avaliação médica do risco/benefício. Não se aplica segunda dose, salvo em contatos de hanseníase. Menor de cinco anos de idade que recebeu BCG há mais de 6 meses e não tem cicatriz vacinal deve ser revacinada, sem indicação de avaliação de PPD. Comunicantes de hanseníase devem receber duas doses de BCG, com intervalo mínimo de seis meses (considerar a presença de cicatriz vacinal como primeira dose). Evolução habitual da cicatriz vacinal 2 semanas, pequena elevação avermelhada e dolorosa de 5 a 15mm; 3-4 semanas, pequena bolha com pus, evoluindo à crosta; 4-5 semanas, úlcera de 4 a 10mm de diâmetro; 6-12 semanas, cicatriz de 4 a 7mm. Alguns casos evoluem mais lentamente e podem ser mais brandos, podendo demorar até 6 meses para a formação da cicatriz vacinal. Enfartamento ganglionar axilar ou supraclavicular podem ocorrer e desaparecer espontaneamente após 1 a 3 meses. Eventos adversos Ocorrem em 0,04% dos vacinados úlceras maiores que 10mm que não cicatrizam; abscessos frios subcutâneos; abscessos quentes subcutâneos; linfoadenite; queloide; e reação lupoide. Contraindicações Peso menor que 2000g; lesão de pele no local de aplicação; HIV positivo (consultar equipe técnica); imunodepressão; tratamento com quimioterapia ou radioterapia; uso de corticoide oral ou parenteral por mais de duas semanas (>2mg/kg/ dia ou 20mg/dia de prednisona); febre; gravidez. Pode ser aplicada simultaneamente ou a qualquer intervalo de outras vacinas. Conservação Entre +2ºC e +8ºC. Não congelar. Inativada pela luz solar direta (não pela artificial). 8

9 Vacina tríplice viral [Vacina sarampo, caxumba e rubéola] Indicação Proteção contra rubéola, sarampo e caxumba. Composição Cepas de vírus atenuados da rubéola, sarampo e caxumba. Contém traços de neomicina e gelatina. Eficácia em torno de 95% para sarampo e rubéola e inferior para a caxumba. Fabricantes GlaxoSmithKline/MSD. Via de administração Subcutânea. Esquema de aplicação Aplicada aos 12 meses de idade e segunda dose aos 15 meses de idade. O PNI colocou uma dose da vacina Varicela aos 15 meses na forma de Quádrupla Viral. A SBIM/SBP recomenda uma dose aos 12 meses e segunda dose aos 15 meses de vacina Sarampo, Caxumba, Rubéola e Varicela. Adolescentes e adultos que nasceram após 1962 devem receber duas doses. Se já receberam uma dose na infância, completa-se com mais uma dose; se nunca foram vacinados, receberão duas doses com intervalo mínimo de 30 dias. Adultos nascidos antes 1962 dose única. Eventos adversos Em geral, entre 3 e 12 dias após a vacinação podem ocorrer dor e edema locais, febre, manchas vermelhas, edema, vermelhidão e calor nas articulações. Raramente: encefalite, pancreatite, orquite, púrpura e parotidite. Contraindicações Anafilaxia aos componentes da vacina (inclusive neomicina e gelatina); gestação; imunodeprimidos; uso de corticosteroides por via oral ou parenteral por mais de duas semanas em doses correspondentes a 2mg/ kg/dia ou 20mg/dia de prednisona; doenças febris agudas; pessoas submetidas a tratamento com derivados do sangue (consultar equipe técnica); quimioterapia e radioterapia nos últimos 3 meses. Após transplante de medula óssea, deve-se aguardar de 1 a 2 anos para aplicação da vacina. É recomendado evitar-se gestação por 30 dias após a aplicação. História clínica de sarampo, caxumba ou rubéola não é contraindicação à vacina. A vacinação no mesmo dia com a vacina contra a febre amarela deve ser evitada, intervalando no mínimo 30 dias. Se não for aplicada no mesmo dia que a vacina contra varicela, deve-se respeitar 30 dias de intervalo entre as mesmas. Pode ser aplicada simultaneamente à qualquer outra vacina. Conservação Entre +2ºC e +8ºC. Inativada pela luz solar direta (não pela artificial). 9

10

11 CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO 2012/2013 SBP/SBIM BÁSICO (BASEADO NO CALENDÁRIO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÕES - SBIM) Idades Vacinas Ao nascer BCG + Hepatite B 2 meses Hepatite B + DTPa + Hemófilos B + Poliomielite inativada (HEXA) + Pneumo 13-valente conjugada + Rotavírus 3 meses Meningocócica C conjugada 4 meses DTPa + Hemófilos B + Poliomielite inativada (PENTA) + Pneumo 13-valente conjugada + Rotavírus 5 meses Meningocócica C conjugada 6 meses Hepatite B+ DTPa + Hemófilos B + Poliomielite inativada (HEXA) 1 + Pneumo 13-valente conjugada + Gripe 2 + Rotavírus 7 meses Gripe 9 meses Febre Amarela 12 meses Hepatite A + Tríplice Viral + Varicela+ Meningocócica C conjugada 15 meses DTPa + Hemófilos B + Poliomielite inativada (PENTA) + Pneumo 13-valente conjugada + Tríplice Viral (2ª dose) + Varicela (2ª dose) 18 meses Hepatite A 2 a 4 anos Tríplice viral + Varicela 3 4 a 6 anos DTPa ou dtpa + Poliomielite + Meningocócica C conjugada 9 anos HPV 10 anos Febre amarela 11 anos Meningocócica conjugada A, C, Y, W anos dtpa-r (Tríplice Bacteriana Acelular Adulto) Observações 1) Crianças menores de 5 anos de idade devem receber a vacina oral contra a Poliomielite nos Dias Nacionais de Vacinação após terem recebido duas doses da vacina inativada. Recomenda-se o total de 5 doses da vacina Poliomielite, somando-se inativada e oral atenuada. 2) Respeitando-se a sazonalidade da vacina e da doença, a partir dos seis meses de idade. 3) Em crianças vacinadas pela primeira vez após 4 anos idade, devem ser aplicadas duas doses com intervalo de 3 meses. 11

12 Guia Prático de Vacinas 2013 Vacinas combinadas Pentavalente e Hexavalente [difteria, tétano, coqueluche, hemófilos, poliomielite e hepatite B] Indicação Vacina pentavalente: proteção contra difteria, tétano, coqueluche, Haemophilus influenza B e poliomielite. Vacina hexavalente: proteção contra difteria, tétano, coqueluche, Haemophilus influenza B, poliomielite e Hepatite B na forma de vacina combinada. Fabricante GlaxoSmithKline (penta e hexa) e Sanofi Pasteur (penta). Recomenda-se que as três primeiras doses da vacina sejam do mesmo fabricante. Via de administração Intramuscular. Não aplicar na região glútea. Composição Três ou dois antígenos purificados de pertussis (acelular); toxoides tetânico e diftérico; 3 tipos de vírus de poliomielite inativados; polissacarídeos do hemófilo conjugado ao toxoide tetânico; na hexavalente, HBsAg purificado produzido por recombinação genética em célula de levedura. Contém alumínio e neomicina. Eficácia comparável às apresentações isoladas com menor incidência de eventos adversos. Observações: - Deve-se respeitar intervalo mínimo entre as doses da vacina hepatite B. - Respeitar intervalo mínimo de 6 meses da terceira dose para a dose de reforço. Eventos adversos Podem ocorrer febre baixa, dor, calor e inchaço local. Ocasionalmente, formase nódulo subcutâneo. Raramente podem ocorrer irritabilidade, sonolência, convulsões febris, febre alta e evento hipotônico hiporresponsivo. Contraindicações Doença febril aguda; história de reação grave após administração anterior de vacinas DTPa, dt, tétano, pólio inativada, hemófilos ou hepatite B; anafilaxia à neomicina; maiores de 7 anos de idade; encefalopatia até 7 dias após vacinação com vacina contendo componente pertussis. Pode ser aplicada simultaneamente ou a qualquer intervalo e outras vacinas. Conservação Entre +2ºC e +8ºC. Não pode ser congelada. Esquema de aplicação 2, 4 e 6 meses de vida. Podem ser intercambiadas, avaliando-se as doses anteriores de hepatite B. 12

13 Vacina meningocócica conjugada C Indicação Proteção para crianças acima de 2 meses, adolescentes e adultos contra o meningococo do sorogrupo C. Composição Polissacarídeos capsulares do meningococo C conjugados a toxina diftérica modificada (Pfizer e Novartis) ou ao toxoide tetânico (Baxter). Contém Alumínio. Eficácia aproximada de 92%. Fabricantes Pfizer, Baxter, Novartis. Via de administração Intramuscular. Eventos adversos Podem ocorrer eritema e dor local, febre, irritabilidade. Diarreia, vômitos e anorexia foram associados temporalmente. Ocasionalmente, forma-se nódulo subcutâneo. Contraindicações Passado de reação alérgica intensa à dose anterior da vacina; doença febril aguda; gravidez (dependendo da situação epidemiológica). Pode ser aplicada simultaneamente ou a qualquer intervalo de outras vacinas. Conservação Entre +2ºC e +8ºC. Não congelar. Esquema de aplicação Entre 2 e 12 meses de idade: duas doses com intervalo de 2 meses entre as doses. Reforço após um ano de idade. Se a vacinação for iniciada entre 10 e 11 meses, não fazer reforço no segundo ano de vida. Maiores de 12 meses de idade: dose única. Recomendado pela SBIm segundo reforço após 5 anos da primovacinação. Adolescentes devem receber um reforço com a vacina conjugada quadrivalente aos 11 anos de idade ou 5 anos após a dose anterior. 13

14 Guia Prático de Vacinas 2013 Vacina combinada DTPa e dtpa-ipv [difteria, tétano, coqueluche e poliomielite] Indicação DTPa proteção contra difteria, tétano e coqueluche para menores de sete anos de idade. dtpa-ipv vacinação de reforço contra difteria, tétano, coqueluche e poliomielite a partir de 3 anos de idade. Composição Três ou dois antígenos purificados de pertussis (acelular); toxoides tetânico e diftérico inativados; e na dtpa-ipv 3 sorotipos do vírus da pólio inativados. O adjuvante é o hidróxido de alumínio. Fabricante GlaxoSmithKline e Sanofi Pasteur. Via de administração Intramuscular. Esquema de aplicação DTpa 2, 4, 6 e 15 meses de vida. Reforço entre 4 e 6 anos e aos 11 anos de idade. Manter reforço de 10/10 anos com dt (Dupla tipo adulto) ou, idealmente, com dtpa-r (Tríplice bacteriana acelular de reforço). Entre a terceira dose e o primeiro reforço, deve-se respeitar intervalo de 6 meses. dtpa-ipv reforço a partir dos 3 anos de idade. Ideal quando há necessidade de um reforço da vacina tríplice bacteriana e um reforço contra a poliomielite e para viajantes em áreas endêmicas de poliomielite. Eventos adversos Podem ocorrer febre baixa, dor, calor e inchaço local. Ocasionalmente, formase nódulo subcutâneo. Raramente podem ocorrer irritabilidade, sonolência, convulsões febris, febre alta e evento hipotônico hiporresponsivo. Contraindicações Doença febril aguda; história de reação grave após administração anterior de vacinas dtpa ou poliomielite; encefalopatia por até 7 dias após vacinação com componente pertussis; Pode ser aplicada simultaneamente ou a qualquer intervalo de outras vacinas. Reações com a vacina de células inteiras (tetravalente/pentavalente do serviço público) não contraindicam a vacinação com a vacina acelular, com exceção das reações neurológicas graves. Conservação Entre +2ºC e +8ºC. Não congelar. 14

15 Vacina varicela Indicação Protege contra a catapora (causada pelo vírus da Varicela-zoster). Composição Vacina de vírus vivos atenuados, Cepa OKA. Contém traços de neomicina, kanamicina ou eritromicina, dependendo do fabricante. Eficácia de 82% a 95%. Fabricantes GlaxoSmithKline/ MSD /Sanofi Pasteur. Via de administração Subcutânea. Esquema de aplicação Aplicada a partir de 12 meses de idade. A vacina do fabricante GSK pode ser aplicada em crianças a partir de 9 meses de idade, sob orientação médica, entretanto esta criança deve receber uma segunda dose da vacina aos 12 meses de idade mais o reforço. A SBIM e a SBP indicam duas doses da vacina, um reforço aos 15 meses, devido às falhas vacinais nesta faixa etária. Nas crianças onde houver atraso vacinal, deve ser respeitado três meses de intervalo entre as doses. A partir de 13 anos de idade, são aplicadas duas doses com intervalo mínimo de um mês. Até 72 horas após contato com portador do vírus (para alguns até cinco dias), a vacina pode evitar a doença. Eventos adversos Dor, vermelhidão e inchaço no local. Ocasionalmente, forma-se nódulo subcutâneo. Após 5 a 7 dias, podem ocorrer: febre baixa, por 2 a 3 dias, e manchas vermelhas (2% dos casos). Cerca de 3% dos vacinados podem apresentar algumas vesículas, principalmente próximas ao local de aplicação. Contraindicações Anafilaxia aos componentes; gestação; imunodeprimidos; uso de corticoide oral ou injetável por mais de 15 dias (>2mg/kg/dia ou 20mg/ dia de prednisona); doenças febris agudas; tratamento com derivados do sangue (consultar equipe técnica); quimioterapia e radioterapia nos últimos 3 meses. Deve-se evitar gestação por 30 dias e uso de ácido acetilsalicílico (AAS) por 6 semanas após a vacinação. Pode ser aplicada simultaneamente a qualquer vacina. Caso não sejam aplicadas no mesmo dia, intervalar 30 dias da vacina contra febre amarela e tríplice viral. Conservação Entre +2ºC e +8ºC. 15

16 Guia Prático de Vacinas 2013 Vacina sarampo, caxumba, rubéola e varicela Indicação Proteção contra rubéola, sarampo, caxumba e varicela. Composição Cepas de vírus atenuados da rubéola, sarampo, caxumba e varicela. Contém traços de neomicina. Eficácia de 95% para sarampo e rubéola e inferior para a caxumba; para a varicela 85% para todas as formas e 95% para formas graves, com uma dose. Fabricante GlaxoSmithKline. Via de administração Subcutânea. Esquema de aplicação Aplicada a partir de 12 meses de idade; uma segunda dose deve ser aplicada aos 15 meses de idade, o intervalo mínimo entre as doses é de 3 meses. Indicada apenas para menores de treze anos incompletos de idade. Eventos adversos Em geral, entre 3 e 12 dias após a vacinação. Podem ocorrer dor e edema local, febre, manchas vermelhas e calor nas articulações. Raramente: encefalite, pancreatite, orquite, púrpura e parotidite. Cerca de 3% dos vacinados podem apresentar algumas vesículas, principalmente próximas ao local da aplicação. Casos de febre alta e convulsão febril foram observados em pequeno número de casos na primeira dose. Contraindicações Anafilaxia aos componentes da vacina (inclusive neomicina e gelatina); gestação; imunodeprimidos; uso de corticosteroides por vias oral ou parenteral por mais de duas semanas em doses correspondentes a 2 mg/ kg/dia ou 20mg/dia de prednisona; doenças febris agudas; pessoas submetidas a tratamento com derivados de sangue (consultar equipe técnica); quimioterapia e radioterapia nos últimos 3 meses. Após transplante de medula óssea, devese aguardar 2 anos para aplicação de vacina. Deve-se evitar gestação por 30 dias e uso de ácido acetilsalicílico (AAS) por 6 semanas após vacinação. História clínica de sarampo, caxumba ou rubéola não é contra indicação a vacina. A vacinação no mesmo dia com a vacina contra febre amarela deve ser evitada, intervalando-se 30 dias de uma vacinação para outra. Pode ser aplicada simultaneamente a qualquer outra vacina. Conservação Entre +2 C e +8 C. Inativada pela luz solar direta (não pela artificial). 16

17 Vacina rotavírus pentavalente - MSD Indicação Indicada para prevenção de gastroenterites (formas graves de diarreia) causadas por rotavírus. Composição Vacina pentavalente de vírus atenuado derivados de cepa bovina com modificação genética expressando G1, G2, G3, G4 e P1A. Eficácia para gastroenterite grave por rotavírus já demonstrada contra rotavírus G1, G2, G3, G4, G9 e P1A, em média, 90%. Fabricante MSD. Via de administração Oral. Esquema de aplicação Três doses com intervalo de dois meses (desejável), podendo ser aplicada com no mínimo 30 dias entre as doses. ATENÇÃO: limite de idade para a primeira dose: 6 a 15 semanas (1 mês e 15 dias a 3 meses e 15 dias). Última dose até 8 meses de idade. IMPORTANTE Caso a criança regurgite NÃO se repete a dose. Pode ser aplicada simultaneamente e a qualquer intervalo com outras vacinas. Contraindicações Hipersensibilidade conhecida à administração prévia da vacina ou a qualquer componente da vacina. Crianças com doenças intestinais crônicas, incluindo malformação congênita do trato gastrointestinal, e crianças com conhecida imunodeficiência primária ou secundária. Observação Não se deve intercambiar com a vacina rotavírus GSK, salvo não havendo alternativa. Conservação Entre +2ºC e +8ºC. Não congelar. Eventos adversos Foram relatados irritabilidade, perda de apetite, diarreia, vômitos, flatulência, dor abdominal, regurgitação de alimentos, febre branda, e fadiga. Não houve ocorrência de eventos adversos quando comparada a placebo. No entanto, é uma nova vacina e merece grande atenção neste aspecto. 17

18 Guia Prático de Vacinas 2013 Vacina pneumocócica 13-valente conjugada Indicação Crianças a partir de 2 meses de idade até 6 anos de idade incompletos e maiores de 50 anos de idade; para proteção contra formas graves da infecção pneumocócica. Em pacientes especiais, com prescrição médica, pode ser utilizada em qualquer faixa etária. Composição Polissacarídeos dos sorotipos 1, 3, 4, 5, 6A, 6B, 7, 9V, 14, 18C, 19A, 19F, 23F; conjugados ao CRM197 (proteína diftérica). Contém látex e alumínio. Eficácia de 92% a 99% para os tipos incluídos na vacina. Fabricante Pfizer. Via de administração Intramuscular. Esquema de aplicação De acordo com a idade de início de vacinação: Início de vacinação abaixo de 7 meses: 4 doses, as 3 primeiras doses com intervalo de 2 meses e a última dose na idade de 15 meses (pode ser aplicada a partir de 12 meses, desde que tenha 2 meses de intervalo da última dose). Início de vacinação entre 7 e 11 meses de idade: 3 doses, as duas primeiras com intervalo de 2 meses e a última na idade de 15 meses (pode ser aplicada a partir de 12 meses, desde que tenha 2 meses de intervalo da última dose). Início de vacinação de 12 a 23 meses de idade: 2 doses com intervalo de 2 meses. Início de vacinação acima de 24 meses: dose única. OBS.: crianças previamente vacinadas com outras vacinas conjugadas (Prevenar/ pneumocócica 10 - valente) devem receber uma dose suplementar de Pneumo 13 - valente. Crianças que iniciaram esquema com Prevenar/ Pneumo 10 - valente podem continuar o esquema com a Pneumo 13 - valente. Nota: crianças e adolescente com risco para doença invasiva podem receber a Pneumo 13 - valente até os 18 anos de idade e, nesses casos, também a vacina Pneumo 23 valente, com intervalo de dois meses entre elas. A vacina foi licenciada pelo FDA para maiores de 50 anos e o CDC recomenda para esta faixa etária, portanto, nos casos identificados como de maior risco para a doença, com prescrição médica, ela pode ser aplicada. Eventos adversos Podem ocorrer febre, calor e inchaço no local da aplicação. Teoricamente, pode estar associada à convulsão febril. Ocasionalmente, forma-se nódulo subcutâneo. Contraindicações Anafilaxia aos componentes da vacina (inclusive ao látex e proteína diftérica); doença febril aguda. Pode ser aplicada simultaneamente ou a qualquer intervalo de outras vacinas. Conservação Entre +2 C e +8 C. Não pode ser congelada. 18

19 19

20

21 CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO PARA ADOLESCENTES E ADULTOS (BASEADO NO CALENDÁRIO DA SBIm) Vacinas Passado vacinal Conduta Hepatite B 1 Não vacinado Menos de três doses Três doses Três doses Completar três doses Considerar vacinado E ADULTOS ADOLESCENTES Hepatite A 1 dtpa Tríplice viral Febre amarela Varicela Meningo conjugada ACWY HPV 2 Pneumo 13-valente conjugada Não vacinado ou ignorado Uma dose Duas doses Três doses ou mais de toxoide tetânico Duas doses Uma dose Não vacinado ou ignorado Nenhuma Uma Duas doses Nenhuma dose nos últimos 10 anos Não vacinado e história negativa para doença Não vacinado Vacinado com C Não vacinado Uma ou duas doses Dose única Duas doses Uma dose Considerar vacinado Reforço aos 11 anos ou 5 anos após a última dose Uma dose de dtpa Uma dtpa + uma dt Uma dtpa + Duas dt Duas doses Uma dose Considerar vacinado Uma dose Duas doses Uma dose Uma dose Três doses Completar três doses Maiores de 50 anos 1. Em não vacinados pode-se optar pela Hepatite A e B combinadas. 2. A vacina MSD está licenciada para homens entre 9 e 26 anos. A critério médico, pode ser considerada acima da faixa etária definida em bula. 21

22 Guia Prático de Vacinas 2013 Vacina meningocócica conjugada A, C, W 135 e Y Indicação Proteção para crianças, adolescentes e adultos, acima de 2 anos, com risco de exposição ao meningococo dos sorogrupos A, C, W 135 e Y, para prevenir doença invasiva. Composição Oligossacarídeos meningocócicos A, C, W 135 e Y conjugados a proteína CRM 197 de C. diphtheriae. Fabricante Novartis. Via de administração Intramuscular. Esquema de aplicação Dose única de 0,5 ml. Crianças que receberam a vacinação com meningo C conjugada devem receber uma dose a partir de 11 anos de idade ou 5 anos após a dose anterior. Eventos adversos Podem ocorrer eritema, dor local, prurido, mal-estar e febre. Contraindicações Hipersensibilidade a qualquer componente da vacina, incluindo toxoide diftérico, doença febril aguda, gravidez, menores de 2 anos. Pode ser aplicada simultaneamente ou a qualquer intervalo de outras vacinas. Conservação Entre +2 C e +8 C. Não congelar. 22

23 Vacina hepatite A Indicação Proteção contra hepatite A. Vacina combinada hepatite A e B também está disponível. Composição Vírus cultivados em células diploides humanas e inativados em formaldeído. Contém alumínio. Eficácia de 95% a 100%. intervalo de outras vacinas. Conservação Entre +2ºC e +8ºC. Não pode ser congelada. Fabricantes GlaxoSmithKline/ Sanofi Pasteur/ MSD /Cristália. Via de administração Intramuscular. Não aplicar na região glútea. Esquema de aplicação Apresentação infantil: 1 a 18 anos de idade; duas doses com intervalos de 6 meses. Apresentação adulta: a partir 19 anos de idade; duas doses com intervalos de 6 meses. Eventos adversos Foram associados temporalmente: mal-estar, vômitos, náuseas, perda de apetite, neuropatia e eritema multiforme. Febre, dor, vermelhidão e inchaço local, podem ocorrer. Ocasionalmente, forma-se nódulo subcutâneo. Contraindicações Anafilaxia aos componentes da vacina; doenças febris agudas; gravidez (por ausência de estudos). Pode ser aplicada simultaneamente ou a qualquer 23

24 Guia Prático de Vacinas 2013 Vacina combinada hepatite A e B Indicação Proteção contra hepatite A e B, podendo consequentemente evitar a hepatite D. Composição Vírus da hepatite A cultivados em células diploides humanas, inativados em formaldeído e combinados ao HBsAg produzido por células de leveduras. Contém alumínio e neomicina. Eficácia superior a 95%. Contraindicações Alergia grave aos componentes da vacina; doenças febris agudas; gestantes (por ausência de estudos). Pode ser aplicada simultaneamente ou a qualquer intervalo de outras vacinas. Conservação Entre +2ºC e +8ºC. Não pode ser congelada. Fabricante GlaxoSmithKline. Via de administração Intramuscular. Não aplicar na região glútea. Esquema de aplicação 1,0 ml de suspensão contém 20 mcg de HBsAg e 720 U.EL VHA. 1 a 15 anos de idade: 2 doses (0 e 6 meses). A partir 16 anos de idade: 3 doses (0, 1, 6 meses). Eventos adversos Foram associados temporalmente: mal-estar, vômitos, náuseas, perda do apetite, neuropatia e eritema multiforme. Febre, dor, vermelhidão e inchaço local podem ocorrer. Ocasionalmente, forma-se nódulo subcutâneo. 24

25 25

26

27 CALENDÁRIO VACINAL DA MULHER DOS 10 AOS 49 ANOS (BASEADO NO CALENDÁRIO DA SBIm) Vacinas Passado vacinal Conduta Hepatite B 1,2 Dupla adulto (dt) 6,7 Tríplice viral 5 Febre amarela 3,5 Varicela 5 Não vacinada Passado vacinal ignorado Menos de 3 doses 3 doses 1 dose e dosar Anti-Hbs em 30 a 60 dias 9 Completar 3 doses 3 doses Considerar vacinada 3 doses ou mais de toxoide tetânico Menos de 3 doses Não vacinada ou ignorado Reforço, se a última dose foi há mais de 10 anos Completar 3 doses 3 doses A vacina tríplice acelular do adulto é a melhor opção para as doses de reforço (dtpa). Uma ou nenhuma dose Duas doses Nenhuma dose nos últimos 10 anos Não vacinada e história negativa para doença Uma dose (para adolescentes, ideal duas doses) Considerar vacinada Uma dose, nas regiões onde é indicada (inclui o Estado de Minas Gerais). Duas doses Hepatite A 2,4 Uma dose Completar duas Duas doses Considerar vacinada Meningocócica conjugada 4,8 Não vacinada ou ignorado Vacinada infância ou a mais de 5 anos Não vacinada Duas doses Uma dose Uma dose HPV 5 Uma ou duas doses Completar três Três doses Considerar vacinada Não vacinada Três doses 10 AOS 49 ANOS MULHER DOS 1. Em caso de gravidez, não aplicar no primeiro trimestre. 2. Em não vacinados, pode-se optar pela Hepatite A e B combinadas. 3. Deve ser adiada na mulher que esta amamentando criança de até 6 meses de idade, salvo situação de grande risco epidemiológico, interrompendo-se, então, a amamentação por 15 dias. 4. Não é usada rotineiramente na gravidez, embora não contraindicada. 5. Contraindicada na gravidez. 6. dtpa na gestante está recomendada após 20ª semana, uma dose em todas as gestações independente do passado vacinal. 7. Considerar dtpa+ipv para mulheres que pretendem viajar para áreas de risco para poliomielite. 8. A vacina meningocócica conjugada ACWY é considerada a melhor opção. 9. Se positivar após uma dose, considerar vacinado, se não positivar completar o esquema. 27

28 Guia Prático de Vacinas 2013 Vacina papilomavírus humano (HPV) - GSK Indicação Indicada para mulheres a partir de 9 anos de idade. Oferece proteção contra cânceres do colo do útero causados pelos tipos 16 e 18 do HPV. Proteção cruzada para outros HPVs, inclusive tipo 45. Proteção em torno de 100% para os tipos contidos na vacina. Composição Subunidades dos tipos de HPV 16 e 18, produzidas em culturas de células de mosquitos por recombinação genética. Contém adjuvante AS04. Fabricante GlaxoSmithKline. mulheres que tenham apresentado reação grave com dose anterior dessa vacina; gestantes; doença febril aguda. Observações Pode ser aplicada no mesmo dia com outras vacinas. A vacinação não possui efeito terapêutico. IMPORTANTE A vacinação não diminui a importância dos exames ginecológicos periódicos (papanicolau/citologia). Conservação Entre +2ºC e +8ºC. Não congelar. Via de administração Intramuscular profunda na região do deltoide. Esquema vacinal Três doses. O intervalo mínimo entre a primeira e segunda dose é de um mês, e de três meses entre a segunda e a terceira. Eventos adversos Dor, vermelhidão e inchaço no local de aplicação. Foram associados temporalmente: febre, desmaio e vômitos. Há possibilidade de ocorrerem reações alérgicas imediatas mais graves, mas o risco conhecido é pequeno. Vacina de reatogenicidade comparável com a vacina hepatite B. Contraindicações Pessoas do sexo masculino; mulheres com menos de 9 anos de idade; 28

29 Vacina quadrivalente HPV (MSD) Indicação Indicada para mulheres e homens entre 9 e 26 anos de idade. Oferece proteção contra cânceres do colo do útero causados pelos tipos 16 e 18 do HPV e protege de verrugas anogenitais causadas por tipos 6 e 11. Proteção cruzada para outros HPVs. Composição Subunidades dos tipos de HPV 6, 11, 16 e 18, produzidas em culturas de S. cerevisiae, por recombinação genética. Contém adjuvante hidroxidofosfato de alumínio. Proteção em torno de 100% para os tipos contidos na vacina. Fabricantes MSD. Contraindicações Menores de 9 anos de idade; pessoas que tenham apresentado reação grave com dose anterior desta vacina; gestantes; doença febril aguda. Observações Pode ser aplicada no mesmo dia com outras vacinas; a vacina não possui efeito terapêutico. Importante A vacinação não diminui a importância dos exames ginecológicos periódicos (papanicolau/citologia). Conservação Entre +2ºC e +8ºC. Não congelar. Via de administração Intramuscular profunda na região do Deltoide. Esquema vacinal Três doses (0, 60, 180 dias). O intervalo mínimo entre a primeira e segunda dose é de um mês e de três meses entre a segunda e a terceira. Eventos adversos Dor, vermelhidão e inchaço no local de aplicação. Foram associados temporalmente: febre, desmaio e vômitos. Como em toda vacina, há possibilidades de reações alérgicas imediatas mais graves, mas o risco conhecido é pequeno. Vacina de reatogenicidade comparável com a vacina contra a hepatite B. 29

30

31 AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO VACINAL DA MULHER A PARTIR DE 50 ANOS (BASEADO NO CALENDÁRIO DA SBIm) Vacinas Passado vacinal Conduta Hepatite B 1 Menos de 3 doses Completar 3 doses Não vacinada 3 doses 3 doses Considerar vacinada Hepatite A 1 Uma dose Completar duas Duas doses Considerar vacinada Não vacinada ou ignorado Duas doses Dupla adulto (dt) Febre amarela Pneumo doses ou mais de toxoide tetânico Menos de 3 doses Não vacinada ou ignorado Reforço, se a última dose foi há mais de 10 anos Completar 3 doses 3 doses A vacina tríplice acelular do adulto é a melhor opção para as doses de reforço (dtpa). Nenhuma dose nos últimos 10 anos Uma ou mais doses Não vacinada ou ignorado Uma dose, nas regiões onde é indicada (inclui o Estado de Minas Gerais). Considerar vacinada Uma dose Meningocócica conjugada 3 Não vacinada Dose única Influenza (gripe) Qualquer Uma dose anual + 50 MULHER 1. Em não vacinados pode-se optar pela hepatite A e B combinadas. 2. A vacina pneumocócica 13 valente deve ser considerada para as mulheres de maior risco para doença pneumocócica. 3. A vacina meningocócica conjugada ACWY é considerada a melhor opção. 31

32

33 VACINAS E GRAVIDEZ Vacinas Passado vacinal Conduta Dupla adulto (dt), dtpa 1 ou tetano Influenza (gripe) Pneumo 23 Hepatite A Hepatite B Três doses ou mais de toxoide tetânico Menos de três doses Não vacinado ou ignorado Nenhuma dose no ano Não vacinada ou ignorado Duas doses no passado Uma ou zero dose no passado Três doses no passado Duas ou uma dose no passado Não vacinada Reforço com dtpa, em toda gestação Completar 3 doses, sendo uma com dtpa 3 doses, sendo uma com dtpa Aplicar uma dose se o 3º trimestre coincidir com a época de maior incidência da doença Aplicar somente em situações especiais Considerar vacinada Aplicar somente em situações especiais Considerar vacinada Completar o esquema a partir do 2º semestre Iniciar o esquema a partir do 2º semestre Dupla viral ou tríplice viral Qualquer Contraindicada Febre amarela Qualquer Contraindicada (excepcionalmente aplicada em casos de epidemia) Varicela Qualquer Contraindicada Meningocócica conjugada Uma dose, há menos cinco anos Não vacinada ou vacinada há mais de cinco anos Considerar vacinada Aplicar somente em situações especiais HPV Qualquer Contraindicada GESTANTE 1. Após a 20ª semana. 33

34 Guia Prático de Vacinas 2013 Vacina dupla tipo adulto (difteria e tétano) e tétano (toxoide tetânico) Indicação Proteção contra difteria e tétano a partir dos 7 anos de idade. A vacina tríplice bacteriana acelular (dtpa) é uma alternativa que deve ser considerada a partir dos 3 anos de idade. A vacinação de gestantes previne o tétano neonatal. Composição Toxoides diftérico e tetânico. Contém alumínio e timerosal. Apresenta menor concentração de toxoide diftérico que a DTP. Fabricante Sanofi Pasteur, Novartis e Butantan. Via de administração Intramuscular. Esquema de aplicação A partir de 7 anos de idade para pessoas que não receberam doses de tríplice bacteriana ou dupla infantil ou que não completaram o esquema básico. É empregada como reforço de DTP e DT após 7 anos de idade. Esquema inicial Três doses (Inicial + 1 mês + 6 meses). Esquema para reforço De 10 em 10 anos. Grávidas não vacinadas previamente ou com histórico duvidoso Caso história vacinal seja desconhecida ou incerta, considera-se como não vacinada previamente. Dois esquemas são possíveis, devendo a última dose ser aplicada preferencialmente até 20 dias antes do parto. O primeiro esquema é composto de três doses durante a gravidez com intervalos de 30 a 60 dias entre as doses, uma dose deve ser de dtpa. No segundo esquema, aplica-se duas doses durante a gravidez, sendo que uma dose deve ser de dtpa, com intervalo mínimo de 30 dias, e reforço 6 meses após dose inicial. Grávidas com esquema completo prévio Uma dose de dtpa durante a gravidez, em toda gestação. Grávidas com uma ou duas doses anteriormente Completar três doses durante a gravidez atual com dtpa. Eventos adversos Podem ocorrer febre, calor, inchaço e dor local. Ocasionalmente, forma-se nódulo subcutâneo. Contraindicações Anafilaxia aos componentes da vacina; doença febril aguda; quadro neurológico (síndrome Guillain- Barré) após vacinação anterior. Pode ser aplicada simultaneamente ou a qualquer intervalo de outras vacinas. Conservação Entre +2ºC e +8ºC. Não congelar. 34

35 35

36

37 CALENDÁRIO OCUPACIONAL (BASEADO na sociedade brasileira de imunizações) Vacinas Saúde Alimentos e bebidas Policiais, militares e bombeiros Dejetos e águas contaminados Crianças Animais Profissionais do sexo Administrativa Aviação Que viajam muito Manicures e pedicures Coletores de lixo Tríplice viral X X X X X X X X X X X X Hepatite A X X X X X X X X X Hepatite B* X X X X X X X X HPV Difteria, Tétano e Coqueluche X X X X X X X X X X Varicela X X X X Influenza (Gripe) X X X X X X X X X X X X Meningocócica conjugada X X X X Febre amarela X X X X Raiva (3 doses) X X Poliomielite inativada X X X OCUPACIONAL 37

38 Guia Prático de Vacinas 2013 Definições Profissionais da saúde Médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, patologistas e técnicos de patologia, dentistas, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, pessoal de apoio, manutenção e limpeza de ambientes hospitalares, maqueiros, motoristas de ambulância, técnicos de radiologia e outros profissionais que frequentam assiduamente os serviços de saúde, tais como representantes da indústria farmacêutica. Profissionais que lidam com alimentos e bebidas Profissionais lotados em empresas de alimentos e bebidas, cozinheiros, garçons, atendentes, pessoal de apoio, manutenção e limpeza, entre outros. Profissionais administrativos Que trabalham em escritórios, fábricas e outros ambientes geralmente fechados. Profissionais que viajam muito Aqueles que por viajarem muito para o exterior se colocam em risco para doenças infeciosas não controladas em outros países. Observações Devem ser respeitadas as contraindicações individuais. A vacinação combinada contra as hepatites A e B é preferível à vacinação isolada contra as hepatites A e B. Dar preferência a vacina Meningocócica conjugada ACWY. Profissionais que lidam com dejetos e/ou águas potencialmente contaminadas Mergulhadores, salva-vidas, guardiões de piscinas, manipuladores de lixo, esgotos e águas fluviais e profissionais da construção civil. Profissionais que trabalham com crianças Professores e outros profissionais lotados em escolas, creches e orfanatos. Profissionais que lidam com animais Veterinários e outros profissionais que lidam com animais e também os frequentadores e visitantes de cavernas. 38

39 Vacina hepatite B Indicação Proteção contra hepatite B e consequentemente hepatite D. Vacina combinada contra hepatites A e B também está disponível. Composição Vacina consiste de subunidades do vírus da hepatite B (HBsAg) produzidas em células de fungo (S. cerevisiae) por recombinação genética. Contém alumínio. Eficácia aproximada de 95%. Fabricante GlaxoSmithKline/MSD /Sanofi Pasteur. Via de administração Intramuscular. Não aplicar na região glútea. Esquema de aplicação Três doses (0, 30 e 180 dias). A 1ª dose deve ser aplicada no recém-nascido nas primeiras 12 horas de vida. A 3ª dose não deve ser aplicada antes dos 6 meses de vida. Apresentação infantil: 0,5ml de suspensão; 0 a 19 anos de idade. Apresentação adulto: 1,0 ml de suspensão; a partir de 20 anos de idade. Esquema em atrasos Devem-se avaliar as datas das doses anteriores e observar intervalos mínimos entre as doses: Entre 1ª e 2ª dose: 30 dias Entre 1ª e 3ª dose: 180 dias (6 meses) Se já passaram 6 meses entre a 1ª e 2ª dose, o intervalo entre 2ª e 3ª dose será de 60 dias (2 meses). Observações A dosagem de anti-hbs (>10mUI/ml) permite avaliação da imunidade e deve ser realizada 30 a 60 dias após a terceira dose. Pessoas com esquema completo, mas com anti-hbs <10mUI/ ml podem receber uma dose da vacina e realizar a dosagem do anti-hbs um mês após para avaliação da imunidade. Não é necessário repetir o esquema completo. A repetição do esquema completo, no caso da não positivação do anti-hbs, não deve ser realizado mais de uma vez. Para pacientes renais crônicos e imunocomprometidos, aplicar esquema de 4 doses (0, 1, 2, 6-12 meses) com dosagem dobrada para a idade. Caso a primeira dose tenha sido aplicada em menores de 2 kg de peso (no primeiro mês de vida), aplica-se uma quarta dose (0, 1, 2 e 6 meses). Eventos adversos Dor, vermelhidão, formação de nódulo e inchaço local. Ocasionalmente, forma-se nódulo subcutâneo. Fadiga, febre baixa, náuseas e cefaleia podem ocorrer, mas em geral trata-se de coincidência temporal. Contraindicações Alergia grave ao S. cerevisiae ou ao alumínio; doenças febris agudas. Pode ser aplicada simultaneamente ou a qualquer intervalo de outras vacinas. Conservação Entre +2ºC e +8ºC. Não congelar. 39

40 Guia Prático de Vacinas 2013 Vacina influenza inativada (gripe) Indicação Protege contra infecção pelos tipos de vírus Influenza contidos na vacina. Indicada prioritariamente para adultos maiores de 50 anos; crianças maiores de 6 meses e menores de 5 anos de idade; pessoas de 2 a 50 anos de idade que tenham contato com idosos ou portadores de doenças cardíacas, pulmonares, diabetes, disfunção renal, hemoglobinopatias ou imunossupressão; trabalhadores da saúde; grávidas que estarão no segundo ou terceiro trimestre de gestação na temporada de Influenza; indivíduos que queiram diminuir o risco de Influenza; viajantes para áreas de alta incidência. Intradérmica: Vacina Trivalente. Indicada a partir de 18 anos de idade (de 18 a 59 anos e 11 meses). Composição Vírus cultivados em ovos embrionados, inativados e fracionados. É produzida anualmente com as cepas dos vírus recomendadas pela Organização Mundial de Saúde para o Hemisfério Sul. Contém traços de neomicina, dependendo do fabricante. Eficácia de 70% a 90%. Fabricante GlaxoSmithKline, Sanofi Pasteur, Abbott, Novartis, Meizler. Via de administração Intramuscular (preferencialmente) ou subcutânea. Intradérmica (apenas a vacina IDFLU ). Esquema de aplicação Apresentação infantil (0,25 ml): 6 a 35 meses de idade; no primeiro ano de vacinação devem ser aplicadas duas doses com intervalos de 30 dias entre cada dose. Após primeiro ano de vacinação, somente uma dose por ano. Caso a criança tenha recebido apenas uma dose no primeiro ano, deve receber duas doses no segundo. A apresentação infantil pode ser substituída por metade da dose da apresentação adulto. Apresentação adulto (0,5 ml): 3 a 8 anos de idade; no primeiro ano de vacinação devem ser aplicadas duas doses com intervalos de 30 dias. Após primeiro ano, uma dose por ano. Caso a criança tenha recebido apenas uma dose no primeiro ano, deve receber duas doses no segundo. Maiores de 9 anos: apenas uma dose a cada ano. Intradérmica: seringa preenchida contendo 0,1ml. Esquema de aplicação: Dose única anual. Eventos adversos Dor localizada, vermelhidão e inchaço no local. Podem ocorrer febre baixa e cansaço muscular. É rara a ocorrência de febre alta, já tendo sido registrada convulsão febril com relação temporal à aplicação da vacina. Contraindicações Anafilaxia aos componentes da vacina (inclusive ovo); doenças febris agudas. Pode ser aplicada simultaneamente ou a qualquer intervalo de outras vacinas. Conservação Entre +2ºC e +8ºC. Não pode ser congelada. 40

41 41

42

43 VACINAÇÃO DO VIAJANTE Difteria, tétano e coqueluche Poliomielite Reforço com a vacina dt ou dtpa a cada 10 anos. Disponível na vacina combinada dtpa+ipv (combinada à vacina Poliomielite inativada). Indicada para os que se têm como destino regiões onde há casos selvagens da doença, como alguns países na Ásia e África, pois a doença pode acometer também adultos. A transmissão é fecal-oral, sobretudo em regiões com condições inadequadas de higiene. Febre amarela Hepatite B Hepatite A Catapora (Varicela) Tríplice viral Meningocócica conjugada Febre tifoide Disponível na vacina combinada dtpa+ipv. Está indicada a todos que residem em Minas Gerais ou que vão viajar para regiões com casos da doença. Aplica-se uma dose a cada 10 anos. É exigida do brasileiro para entrada em vários países, sendo nesse caso necessária a apresentação do Cartão Internacional de Vacinação. Está indicada a todos que desejam se proteger contra este tipo de hepatite. São necessárias três doses. O esquema mais utilizado é realizado dentro de seis meses. Existem regiões que possuem maior incidência da doença. É possível vacinação acelerada em situações de maior risco (0, 7 dias, 21 dias e 12 meses após a primeira dose). Está indicada a todos que desejam se proteger contra este tipo de hepatite. Transmitida por alimentos e água contaminados, é a doença que pode ser prevenida por vacina que mais comumente acomete os viajantes. Normalmente, a infecção é branda, mas em taxas variáveis com a idade pode ser fulminante. A primeira dose já é altamente protetora, sendo a segunda aplicada após 6 meses. Existe vacina combinada contra as hepatites A e B, permitindo uma única aplicação. A vacina contra a varicela está indicada a todos que desejam se proteger contra a doença e que ainda não apresentaram tal infecção. A alta transmissiblildade do sarampo levou a ocorrência de surtos recentes na Europa. Indivíduos que não receberam duas doses contra rubéola, sarampo ou caxumba devem ser vacinados com a vacina Tríplice Viral. A vacina está indicada a todos que desejam se proteger contra meningite meningocócica, principalmente os que se dirigem para o cinturão de meningite da África e para Índia. A vacina é aplicada em dose única para maiores de 1 ano de idade. Recomenda-se a vacina A, C, W, Y para todos os maiores de 11 anos de idade. A vacina é recomendada para viajantes que se dirigem a regiões de alta ocorrência da doença. Medidas de higiene, como consumo de água tratada e o consumo de alimentos preparados adequadamente, são a melhor forma de prevenção. VIAJANTE 43

44 Guia Prático de Vacinas 2013 Vacina febre tifoide Indicação Proteção contra febre tifoide para viajantes a áreas de risco e algumas atividades profissionais. Composição Polissacarídeo capsular Vi purificado de Salmonella typhi (cepa Ty2), fenol, cloreto de sódio, fosfato dissódico diidratado, fosfato monossódico e água para injeção. Fabricante Sanofi Pasteur. Via de administração Intramuscular. Utilizar via subcutânea para portadores de distúrbios da coagulação. Esquema de vacinação Aplicada a partir de 2 anos de idade em dose única. Pode ser feita revacinação após 3 anos, se a indicação persistir. Eventos adversos Principalmente locais (dor, edema, hiperemia). Eventos sistêmicos e alérgicos são raros. Contraindicações Menores de 2 anos de idade. Reação alérgica grave anterior com algum componente da vacina. Conservação Entre +2ºC e +8ºC. Não pode ser congelada. 44

45 Vacina febre amarela Indicação Proteção contra febre amarela para residentes em áreas de risco (inclui Minas Gerais) e viajantes. Composição Vacina de vírus vivo atenuado Cepa 17D-204. Imunogenicidade superior a 95%. A proteção se inicia de sete a dez dias após a vacinação. Fabricantes Sanofi Pasteur. Via de administração Subcutânea. Esquema de aplicação Aplicada a partir de 9 meses de idade, embora seja mais imunogênica a partir de um ano de idade. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda a revacinação após dez anos. Eventos adversos Cerca de 5% dos vacinados apresentam um quadro de febre e dor no corpo, geralmente iniciando-se no quarto dia após a vacinação. Reações fatais já ocorreram, simulando a doença. Encefalite pelo vírus vacinal é rara após 1 ano de idade. sangue (consultar equipe técnica); quimioterapia e radioterapia nos últimos três meses; alergia grave a ovo; doenças autoimunes, doenças do timo; mulheres amamentando crianças menores de seis meses de idade. Dependendo da situação epidemiológica, é aplicada em gestantes e HIV positivos sem imunodeficiência, com autorização das autoridades de vigilância epidemiológica. Não aplicar em pessoas que tenham acima de 60 anos de idade se não preencher as recomendações epidemiológicas do Ministério da Saúde (ver gov.br/svs). Pode ser aplicada simultaneamente a qualquer vacina, evitando-se a vacina contra sarampo, caxumba e rubéola (tríplice viral) em crianças pela possibilidade de interferência, intervalar 30 dias. Pode ser aplicada no mesmo dia da vacina varicela; caso não o seja, recomenda-se intervalo de 30 dias. Conservação Entre +2ºC e +8ºC. Inativada pela luz solar direta (não pela artificial). Contraindicações Anafilaxia aos componentes; gestação; imunodeprimidos; uso de corticoides oral ou parenteral por mais de 15 dias (>2mg/kg/dia ou 20mg/dia de prednisona); doenças febris agudas; tratamento com derivados do 45

46

47 CALENDÁRIO DO IDOSO (BASEADO na sociedade brasileira de imunizações) Vacinas Sarampo, caxumba e rubéola (Triviral) 1 Hepatite A 2 Hepatite B 3 Difteria, tétano e coqueluche Influenza (gripe) Vacinas Pneumocócicas Meningocócica conjugada 5 Esquema e Comentários Dose única para indivíduos com mais de 60 anos. Duas doses, a segunda dose 6 meses após a primeira Três doses, esquema especial (4 doses) para renais crônicos imunocomprometidos, e alguns outros pacientes de alto risco Reforço a cada 10 anos (dtpa, preferencialmente, ou dt) Para adultos não vacinados ou com história vacinal desconhecida, iniciar esquema com três doses (dtpa + dt + dt) Dose única anual Iniciar vacinação com a Vacina Pneumocócia conjugada 13-valente, seguida de Pneumo 23 com intervalo de 2 meses e reforço da Pneumo 23 cinco anos após. Para os que já receberam Pneumo 23, dar intervalo de 1 ano e fazer uma dose da 13-valente. Fazer a segunda dose da Pneumo 23 cinco anos após. Se a segunda dose da Pneumo 23 foi antes dos 65 anos, está indicado uma terceira com intervalo de 5 anos entre elas Dose única Febre amarela Uma dose a cada 10 anos. Contraindicada para imunocomprometidos e gestantes 1. Não deve ser rotina, considerar risco (como surtos e viagens). 2. Após avaliação sorológica ou situação de exposição ou surtos. 3. Deve-se preferir a vacina combinada contra hepatite A e B, quando indicado ambas. 4. Considerar a vacina Pneumo 13-valente para os de maior risco de doença pneumocócica. 5. Em situações de epidemia, preferencialmente ACWY. IDOSO 47

Responsável Técnico. Dr. José Geraldo Leite Ribeiro - CRMMG 13231

Responsável Técnico. Dr. José Geraldo Leite Ribeiro - CRMMG 13231 Responsável Técnico Dr. José Geraldo Leite Ribeiro - CRMMG 13231 Esta seção destina-se à consulta rápida de profissionais de saúde que indicam e aplicam vacinas. Não visa esgotar cada um dos temas abordados,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário

Leia mais

CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE

CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE ANTITETÂNICA Indicada para prevenção do tétano. Utilizada para imunização de adultos e idosos, inclusive gestantes (após a 12ª semana). Contraindicação: Não há, exceto àquelas comuns a todas as vacinas:

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Central de Atendimento: (61) 3329-8000 Calendário de Vacinação do Prematuro Vacinas BCG ID (intradérmica) Hepatite B (HBV) Pneumocócica conjugada Recomendações

Leia mais

Vacina Pentavalente. Nomenclatura. Proteção. Forma Farmacêutica Apresentação

Vacina Pentavalente. Nomenclatura. Proteção. Forma Farmacêutica Apresentação Vacina Pentavalente Nomenclatura Proteção Forma Farmacêutica Apresentação Lab. Produtor Composição Indicação Precauções Contra Indicações - Vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis, hepatite B (recombinante)

Leia mais

Calendário de Vacinação Ocupacional

Calendário de Vacinação Ocupacional Calendário de Vacinação Ocupacional Central de Atendimento: (61) 3329-8000 Calendário de Vacinaçã Profissionais indicados de acordo Vacinas Esquemas Saúde Alimentos e bebidas Militares policiais e bombeiros

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013 IDADE Ao 2m 3m 4m 5m 6m 7m 12m 15m 18m 4 a 6 11 14 a 16 Nascer anos anos anos BCG ID 1 Hepatite B 2 DTP / DTPa 3 dt/dtpa 4 Hib 5 VIP / VOP 6 Pneumo

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE FRIO GOIÁS EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DA VACINA INATIVADA POLIOMIELITE

Leia mais

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CENTRO DE EPIDEMIOLÓGICA DO PARANÁ PROGRAMA ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO TODO DIA É DIA

Leia mais

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NA UNIDADE NEONATAL

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NA UNIDADE NEONATAL USO DE IMUNOBIOLÓGICOS NA ENFERMAGEM UNIDADE NEONATAL Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro A garantia da imunização por meio das vacinas básicas disponibilizadas

Leia mais

Calendário de Vacinas 2011

Calendário de Vacinas 2011 Calendário de Vacinas 2011 Untitled-2 1 4/4/11 4:59 PM Atualizações + atualizações_arquivo.indd 1 2 Atualizações Calendário Básico de Vacinação 2011 Idade Vacina Dose Doenças evitadas Ao nascer BCG-ID

Leia mais

IMPORTANTE. Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C.

IMPORTANTE. Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C. Administração de Imunobiológicos IMPORTANTE Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C. Contra indicações gerais: Imunodeficiência congênita ou adquirida Neoplasias

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Agosto - 2012 APRESENTAÇÃO O Sistema Único de Saúde (SUS) altera

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário Nacional de Vacinação,

Leia mais

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Institui, em todo o território nacional, o Calendário de vacinação para os Povos Indígenas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Calendário de Vacinação Infantil 2011 1. BCG (contra Tuberculose); 2. Vacina contra Hepatite B;

Leia mais

PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO. Prof. Enf. Hygor Elias

PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO. Prof. Enf. Hygor Elias PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Prof. Enf. Hygor Elias PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI 1973 erradicação da varíola no Brasil e instituição do PNI 1975 instituído o Serviço Nacional de Vigilância Epidemiológica

Leia mais

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação Rev: 03 Data: 19/07/2010 Página 1 de 5 Anexo I - Rol de Vacinas cobertas por esta Política Vacina Nome da Droga Pré-requisitos para cobertura Documentação necessária Observação Crianças de 1 a 12 anos:

Leia mais

vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única.

vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. 1 vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. A vacina tétano deve ser administrada por via intramuscular. Não utilize a vacina

Leia mais

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM CALENDÁRIOS VACINAIS Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM VACINA É PARA A VIDA TODA... Oportunidades para a Vacinação criança adolescente adulto Programa infantil Catch up (repescagem)

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro

Calendário de Vacinação do Prematuro Calendário de Vacinação do Prematuro Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2013/2014 RECOMENDAÇÕES, E CUIDADOS ESPECIAIS BCG ID (1) Deverá ser aplicada, preferencialmente ainda na

Leia mais

Política de Vacinação

Política de Vacinação Rol de s cobertas por esta Política Catapora ou Varicela contra Varicela Biken Crianças de 1 a 12 anos: esquema vacinal em dose única. Pacientes imunocomprometidos: portadores de leucemia linfóide aguda

Leia mais

- Vacina monovalente contra a poliomielite (VIP)

- Vacina monovalente contra a poliomielite (VIP) VACINAÇÃO PERTENCENTE AO PNV - A Vacina contra a Tuberculose (BCG) Tipo de vacina: Vacina de bacilos vivos atenuados Mycobacterium bovis : Gravidez Imunodeficiência celular, congénita ou adquirida Tratamentos

Leia mais

IMUNIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS, CALENDÁRIO VACINAL 2014

IMUNIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS, CALENDÁRIO VACINAL 2014 DISCIPLINA: PEDIATRIA III (PED014) IMUNIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS, CALENDÁRIO VACINAL 2014 Jorge A. Pinto Departamento de Pediatria - FMUFMG Imunização Conceitos básicos Calendário de imunização da criança

Leia mais

PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 Institui em todo o território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. O MINISTRO

Leia mais

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012 Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação Brasília - agosto de 2012 18/08/2012 Atualização da Caderneta de Vacinação A campanha será realizada no período de 18 a 24 de agosto Dia da Mobilização

Leia mais

Imunização. IMUNIZAÇÃO Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS

Imunização. IMUNIZAÇÃO Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS IMUNIZAÇÃO Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS Kelli Santos Enfermeira SES GO Especialista em Saúde Pública, Epidemiologia, PSF e Auditoria dos Sistemas de Saúde Mestre em Gestão dos Serviços de Saúde Membro

Leia mais

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ,

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ, VACINAÇÃO DE GESTANTES Isabella Ballalai (MD) Diretora Médica da VACCINI - Clínica de Vacinação Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ Edimilson Migowski (MD, PhD, MSc) Professor Adjunto de

Leia mais

2) Qual a importância da vacina conter as duas linhagens de vírus B?

2) Qual a importância da vacina conter as duas linhagens de vírus B? VACINAS INFLUENZA NO BRASIL EM 2015 Renato Kfouri Vice-presidente da SBIm Juarez Cunha Diretor da SBIm 1) Como são as novas vacinas quadrivalentes? As vacinas influenza utilizadas em nosso país até o ano

Leia mais

vacina febre tifóide (polissacarídica)

vacina febre tifóide (polissacarídica) vacina febre tifóide (polissacarídica) Forma farmacêutica e apresentações: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de uma dose de 0,5 ml; - Cartucho contendo vinte seringas de uma dose de

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição; e

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição; e PORTARIA Nº- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 Institui em todo o território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. O MINISTRO

Leia mais

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família 1º. a 3 de junho de 2004 lourdes.maia@funasa.gov.br PNI. Dados Históricos No Brasil, vacina-se desde 1804. 1973 foi criado um Programa Nacional

Leia mais

VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS PREVENÍVEIS POR IMUNIZAÇÃO. Profa. Regina Flauzino Disciplina de Epidemiologia IV

VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS PREVENÍVEIS POR IMUNIZAÇÃO. Profa. Regina Flauzino Disciplina de Epidemiologia IV VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS PREVENÍVEIS POR IMUNIZAÇÃO Profa. Regina Flauzino Disciplina de Epidemiologia IV Tópicos Histórico Doenças Preveníveis por Imunização Crianças Adultos Idosos Vacinação para Profissionais

Leia mais

vacina tétano Potência estimada com o limite inferior de confiança em P = 0.95.

vacina tétano Potência estimada com o limite inferior de confiança em P = 0.95. 1 vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. A vacina tétano deve ser administrada por via intramuscular. Não utilize a vacina

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005.

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. COORDENADORA Prof Dra. Denise Siqueira de Carvalho EQUIPE EXECUTORA

Leia mais

QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI

QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI 1 - (Concurso CFO/CQ 2003) A criança C.M.B. tem dois meses e foi encaminhada à unidade de saúde para ser vacinada. Já tomou BCG, a primeira e a segunda dose da vacina contra

Leia mais

PREMATURO. Recomendações, esquemas e cuidados especiais. Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2014/2015

PREMATURO. Recomendações, esquemas e cuidados especiais. Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2014/2015 Calendário do prematuro Comentários numerados devem ser consultados. Vacinas Recomendações, esquemas e cuidados especiais BCG ID (1) Em recém-nascidos com peso maior ou igual a 2.000 g. Hepatite B (2)

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE Orientador Empresarial Vacinação - Calendário Básico - Criança, Adolescente, Adulto e Idoso Revogação da Portaria

Leia mais

vacina meningocócica AC

vacina meningocócica AC vacina meningocócica AC Forma farmacêutica e apresentação Pó liofilizado injetável. - Cartucho contendo 1 frasco-ampola de uma dose e uma seringa com 0,5 ml de diluente. A vacina meningocócica AC deve

Leia mais

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE SUPERITENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÃO E REDE FRIO ESQUEMA VACINAL NOTA INFORMATIVA Nº143/CGPNI/DEVIT/SVS/MS/18/122014

Leia mais

SECRETARIA DE VACINAS ESQUEMA PRIMEIRA VISITA PRIMEIRA DOSE A 3 6 MESES APÓS A A CADA 10 ANOS REFORÇO. 4 Disponível na

SECRETARIA DE VACINAS ESQUEMA PRIMEIRA VISITA PRIMEIRA DOSE A 3 6 MESES APÓS A A CADA 10 ANOS REFORÇO. 4 Disponível na CALENDÁRIO PARA CRIANÇAS ATÉ SEIS ANOS DE IDADE IDADE Ao NASCER BCG 1, 2 2 MESESS 3 MESESS 4 MESESS 5 MESESS VIP 3 + PENTAVALENTE (DTP-Hib-HB) + ROTAVÍRUS 4 PNEUMOCÓCICA 10 VALENTE + MENINGOCÓCICA C VIP

Leia mais

Protocolo. Vacinação em TCTH

Protocolo. Vacinação em TCTH Protocolo Vacinação em TCTH Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Este protocolo envolve: Vacinação em pacientes e familiares candidatos e tratados com transplante de células-tronco hematopoéticas

Leia mais

PREVENAR 13 VACINA PNEUMOCÓCICA 13-VALENTE (CONJUGADA)

PREVENAR 13 VACINA PNEUMOCÓCICA 13-VALENTE (CONJUGADA) PREVENAR 13 VACINA PNEUMOCÓCICA 13-VALENTE (CONJUGADA) I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES Cartucho com 1 estojo contendo 1 seringa preenchida com 0,5 ml de suspensão injetável (dose única)

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI. Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI. Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com HISTÓRIA DO PNI Desde que foi criado, em 18 de setembro de 1973, o PNI tornou-se ação de governo caracterizada

Leia mais

AVAXIM 80U vacina hepatite A (inativada) - 80U. A vacina hepatite A (inativada) - 80U - AVAXIM 80U deve ser administrada por VIA INTRAMUSCULAR.

AVAXIM 80U vacina hepatite A (inativada) - 80U. A vacina hepatite A (inativada) - 80U - AVAXIM 80U deve ser administrada por VIA INTRAMUSCULAR. Modelo de Bula Página 1 de 6 AVAXIM 80U vacina hepatite A (inativada) - 80U FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de 1 dose de 0,5mL; - Cartucho contendo

Leia mais

GUIA PRÁTICO: VACINAÇÃO DO IDOSO

GUIA PRÁTICO: VACINAÇÃO DO IDOSO Autoras Dra. Priscila Gaeta CRM: 133.871 Dra. Carolina Toniolo CRM: 157.464 Médica especialista em Geriatria pela Sociedade Brasileira de Medica residente do Instituto Geriatria e Gerontologia/ Associação

Leia mais

Imunizações FUNSACO 2009

Imunizações FUNSACO 2009 Imunizações FUNSACO 2009 Vacinação os primórdios Edward Jenner - maio de 1796 - inoculação de criança de 8anos com material retirado da vesícula de uma paciente com varíola. Semanas após, a criança foi

Leia mais

SÍNDROME DE DOWN Diário Oficial do Estado Nº 197, Seção 1 sexta-feira, 17 de outubro de 2014

SÍNDROME DE DOWN Diário Oficial do Estado Nº 197, Seção 1 sexta-feira, 17 de outubro de 2014 Circular 565/2014 São Paulo, 20 de Outubro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) "CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO" PARA OS PORTADORES DA SÍNDROME DE DOWN Diário Oficial do Estado Nº 197, Seção 1 sexta-feira, 17

Leia mais

TEXTO DE BULA DA VACINA PNEUMOCÓCICA 13-VALENTE (CONJUGADA) Excipientes: cloreto de sódio, ácido succínico, polissorbato 80 e água para injeção.

TEXTO DE BULA DA VACINA PNEUMOCÓCICA 13-VALENTE (CONJUGADA) Excipientes: cloreto de sódio, ácido succínico, polissorbato 80 e água para injeção. TEXTO DE BULA DA VACINA PNEUMOCÓCICA 13-VALENTE (CONJUGADA) I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES Cartucho com 1 estojo contendo 1 seringa preenchida com 0,5 ml de suspensão injetável (dose única)

Leia mais

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS As vacinas conjugadas são aquelas nas quais os antígenos bacterianos são ligados a carreadores protéicos, facilitando o processamento pelos linfócitos T, gerando então,

Leia mais

FICHA DE SOLICITAÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS

FICHA DE SOLICITAÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - SUVISA GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE DE FRIO GIRF COORDENAÇÃO DE EAPV/CRIE FICHA DE SOLICITAÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS

Leia mais

13 RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS CRIES, POR IMUNOBIOLÓGICO

13 RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS CRIES, POR IMUNOBIOLÓGICO 13 RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS CRIES, POR IMUNOBIOLÓGICO Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS)/MS Manual dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais 2014 1 Vacina inativada poliomielite (VIP)

Leia mais

PREMATURO. Recomendações, esquemas e cuidados especiais. Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2014/2015

PREMATURO. Recomendações, esquemas e cuidados especiais. Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2014/2015 Calendário de vacinação do prematuro Comentários numerados devem ser consultados. Vacinas Recomendações, esquemas e cuidados especiais BCG ID (1) Em recém-nascidos com peso maior ou igual a 2.000 g. Hepatite

Leia mais

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada)

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) Modelo de Bula Página 1 de 6 vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável. - Cartucho com 1 seringa

Leia mais

A vacina rotavirus foi lançada no Brasil exclusivamente na rede privada, aplicada em 3 doses

A vacina rotavirus foi lançada no Brasil exclusivamente na rede privada, aplicada em 3 doses rotavírus A vacina rotavirus foi lançada no Brasil exclusivamente na rede privada, aplicada em 3 doses Existem 02 vacinas contra o Rotavírus no Brasil 1. O que é rotavírus? O rotavírus é um vírus da família

Leia mais

IMUNIZAÇÕES. Jacy Amaral Freire de Andrade (*)

IMUNIZAÇÕES. Jacy Amaral Freire de Andrade (*) IMUNIZAÇÕES Jacy Amaral Freire de Andrade (*) Imunização é um campo crescente do conhecimento científico que tem exigido um repensar constante do calendário ideal de vacinação, o qual deve ser adaptado

Leia mais

VACINAÇÃO PRÉ E PÓS-TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS ADULTO

VACINAÇÃO PRÉ E PÓS-TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS ADULTO VACINAÇÃO PRÉ E PÓS-TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS ADULTO Os candidatos a transplantes de órgão sólidos, os receptores, seus comunicantes domiciliares, os doadores e a equipe assistencial devem ter seus esquemas

Leia mais

vacina hepatite B (recombinante)

vacina hepatite B (recombinante) vacina hepatite B (recombinante) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável - Cartucho contendo 1 frasco-ampola com 1 dose de 0,5mL; - Cartucho contendo 20 frascos-ampola com 1 dose de 0,5mL;

Leia mais

vacina pneumocócica 23-valente (polissacarídica)

vacina pneumocócica 23-valente (polissacarídica) 1 vacina pneumocócica 23-valente (polissacarídica) Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável. - Cartucho com uma seringa contendo uma dose de 0,5 ml. - Cartucho com um frasco-ampola contendo

Leia mais

ADACEL Polio vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite I, II e III (inativada)

ADACEL Polio vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite I, II e III (inativada) MODELO DE BULA Página 1 de 7 ADACEL Polio vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite I, II e III (inativada) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável. - Cartucho

Leia mais

VACINA PENTAVALENTE CADERNO DO TREINANDO

VACINA PENTAVALENTE CADERNO DO TREINANDO SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE DE FRIO Av. Anhanguera, 5195 Setor Coimbra Goiânia GO Fone: (62) 3201-4547/4543 FAX: (62) 3201-4545 E-mail: pnigoias@gmail.com VACINA

Leia mais

Preparatório para Concurso do IPASGO

Preparatório para Concurso do IPASGO w w w. i n s t i t u t o c o n s c i e n c i a g o. c o m. b r Preparatório para Concurso do IPASGO Aula: Programa Nacional de Imunização Profª MSc. Marise Ramos de Souza Parte 02 de 03 CALENDÁRIOS BÁSICOS

Leia mais

CARTILHA DE VACINAÇÃO. Prevenção não tem idade. Vacine-se!

CARTILHA DE VACINAÇÃO. Prevenção não tem idade. Vacine-se! CARTILHA DE VACINAÇÃO Prevenção não tem idade. Vacine-se! A saúde é o nosso bem mais precioso, e a vacinação é um meio acessível, seguro e efetivo de protegê-la! A vacinação protege não apenas aqueles

Leia mais

Vacinas contra o pneumococo

Vacinas contra o pneumococo .... Simpósio Nacional de Doença Pneumocócica e Influenza São Paulo, 20 e 21 de Setembro de Vacinas contra o pneumococo Lúcia Helena de Oliveira Assessora Regional para Novas Vacinas Unidade de Imunizações

Leia mais

Manual para registro de doses aplicadas no Sistema de Informação online de Avaliação do Programa de Imunizações APIWEB

Manual para registro de doses aplicadas no Sistema de Informação online de Avaliação do Programa de Imunizações APIWEB Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações GT- Análise e Informação em Imunizações Manual para

Leia mais

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE)

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) SUBPAV/SVS COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÕES INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) VACINA INATIVADA CONTRA POLIOMIELITE (VIP) Crianças imunocomprometidas (com deficiência imunológica congênita ou

Leia mais

Sucessos, Desafios e Perspectivas

Sucessos, Desafios e Perspectivas Sucessos, Desafios e Perspectivas Carla Magda A. S. Domingues Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Cenário Epidemiológico 1970 Doença

Leia mais

vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular)

vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular) vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular) Forma farmacêutica e apresentações: Suspensão injetável. - Cartucho contendo 1 frasco de dose única; - Cartucho contendo 5 frascos de dose única;

Leia mais

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite I, II e III (inativada)

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite I, II e III (inativada) 1 vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite I, II e III (inativada) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável. - Cartucho contendo 1 frasco-ampola com 0,5mL de

Leia mais

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular), Haemophilus influenzae b (conjugada) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada)

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular), Haemophilus influenzae b (conjugada) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular), Haemophilus influenzae b (conjugada) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) Formas farmacêuticas e apresentações: Suspensão injetável. - Cartucho contendo

Leia mais

Paula Távora CRMMG 210501 Diretoria Médica VACSIM Mestre em Imunologia Celular Especialista em Patologia Clinica SBPC/ML

Paula Távora CRMMG 210501 Diretoria Médica VACSIM Mestre em Imunologia Celular Especialista em Patologia Clinica SBPC/ML Paula Távora CRMMG 210501 Diretoria Médica VACSIM Mestre em Imunologia Celular Especialista em Patologia Clinica SBPC/ML Vacinação Ocupacional: Prevenir doenças & Promover saúde o t n e im d n e t A e

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 35 Departamentos Científicos da SPSP, gestão 2007-2009. Departamento de Pneumologia Infecção respiratória por vírus emergentes Calendário de vacinação 2007 Sociedade

Leia mais

Vacina pneumocócica polissacárida conjugada (13-valente, adsorvida)

Vacina pneumocócica polissacárida conjugada (13-valente, adsorvida) EMA/90006/2015 EMEA/H/C/001104 Resumo do EPAR destinado ao público Vacina pneumocócica polissacárida conjugada (13-valente, adsorvida) Este é um resumo do Relatório Público Europeu de Avaliação (EPAR)

Leia mais

20 GERÊNCIA DE SAÚDE-20º SDR PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO(PNI)

20 GERÊNCIA DE SAÚDE-20º SDR PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO(PNI) 20 GERÊNCIA DE SAÚDE-20º SDR PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO(PNI) ENF Msc: JANETE ZANDOMENICO. PROGRAMA IMUNIZAÇÃO A vacinação representa um grande avanço da tecnologia médica sendo uma das medidas mais

Leia mais

INDICAÇÕES PARA USO DOS IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS NOS CENTRO DE REFERÊNCIA CRIE

INDICAÇÕES PARA USO DOS IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS NOS CENTRO DE REFERÊNCIA CRIE INDICAÇÕES PARA USO DOS IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS NOS CENTRO DE REFERÊNCIA CRIE Indicação: para indivíduos suscetíveis: Imunoglobulina humana anti-hepatite B (IGHAHB) - prevenção da infecção perinatal

Leia mais

Vacina hepatite B (recombinante) GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Suspensão injetável 10 mcg/0,5 ml ou 20 mcg/ml.

Vacina hepatite B (recombinante) GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Suspensão injetável 10 mcg/0,5 ml ou 20 mcg/ml. Vacina hepatite B (recombinante) GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Suspensão injetável 10 mcg/0,5 ml ou 20 mcg/ml. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO vacina hepatite B (recombinante) APRESENTAÇÕES A vacina hepatite

Leia mais

Vigilância Epidemiológica Municipal. Campanha de Vacinação contra Influenza A (H1N1)

Vigilância Epidemiológica Municipal. Campanha de Vacinação contra Influenza A (H1N1) Vigilância Epidemiológica Municipal Campanha de Vacinação contra Influenza A (H1N1) 1. Introdução A vacinação contra influenza pandêmica terá como objetivo, manter o funcionamento dos serviços de saúde

Leia mais

CLINICA PACIORNIK VACINAS PARA VIAJANTES. PREVINA-SE AQUI. FEBRE AMARELA CÓLERA RAIVA

CLINICA PACIORNIK VACINAS PARA VIAJANTES. PREVINA-SE AQUI. FEBRE AMARELA CÓLERA RAIVA FEBRE AMARELA CÓLERA RAIVA CLINICA PACIORNIK VACINAS PARA VIAJANTES. PREVINA-SE AQUI. RUA LOURENÇO PINTO, 65 3015-2015 www.clinicapaciornik.com.br e-mail: centrodevacinas@clinicapaciornik.com.br Transmissão:

Leia mais

Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil

Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil Ana Goretti Kalume Maranhão Programa Nacional de Imunização/Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde ana.goretti@saude.gov.br Programa Nacional

Leia mais

vacina febre amarela (atenuada)

vacina febre amarela (atenuada) Modelo de Bula Página 1 de 6 vacina febre amarela (atenuada) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Pó liofilizado para suspensão injetável + diluente para reconstituição. Cartucho contendo 1 frasco-ampola

Leia mais

A vacinação com a Pn13, no âmbito do Programa Nacional de Vacinação (PNV), inicia-se no dia 1 de julho de 2015.

A vacinação com a Pn13, no âmbito do Programa Nacional de Vacinação (PNV), inicia-se no dia 1 de julho de 2015. NÚMERO: 008/015 DATA: 01/06/015 ATUALIZAÇÃO 05/06/015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Programa Nacional de Vacinação. Introdução da vacina conjugada de 13 valências contra infeções por Streptococcus

Leia mais

MENINGOCÓCICA C (CONJUGADA) DOSE < DE1ANO 1ANO 2a4 ANOS 5 a 8ANOS 9 a 12ANOS 13 a 19ANOS 20 a 59ANOS D1 VIP/VOP (SEQUENCIAL) DTP/HB/HIB (PENTA)

MENINGOCÓCICA C (CONJUGADA) DOSE < DE1ANO 1ANO 2a4 ANOS 5 a 8ANOS 9 a 12ANOS 13 a 19ANOS 20 a 59ANOS D1 VIP/VOP (SEQUENCIAL) DTP/HB/HIB (PENTA) IDENTIFICAÇÃO BOLETIM MENSAL DE S APLICADAS SI - API VERSÃO 10 MÊS ANO CÓDIGO DA UNIDADE NOME DA UNIDADE UF REGIONAL CÓDIGO DO MUNICÍPIO NOME DO MUNICÍPIO BCG ROTINA MENOR DE 1 ANO 1 ANO 2 ANOS 3 ANOS

Leia mais

1. Motivos biológicos como imunodepressão, asplenia, transplante, AIDS;

1. Motivos biológicos como imunodepressão, asplenia, transplante, AIDS; IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS São produtos (vacinas e Imunoglobulinas), destinados aos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais CRIES, objetivando facilitar o acesso de usuários portadores de quadros

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSO. Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: POP 01. Técnico de. Organizar a Sala de Vacinas. Diariamente UAPS

GERENCIAMENTO DE PROCESSO. Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: POP 01. Técnico de. Organizar a Sala de Vacinas. Diariamente UAPS GERENCIAMENTO DE PROCESSO Pagina:01 Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: O QUE Organizar a Sala de Vacinas RESULTADO DO PROCESSO Melhoria na qualidade de execução de Executar imunização Imunização na Diariamente

Leia mais

PEDIACEL vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular), Haemophilus influenzae b (conjugada) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada)

PEDIACEL vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular), Haemophilus influenzae b (conjugada) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) MODELO DE BULA 1 PEDIACEL vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular), Haemophilus influenzae b (conjugada) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Suspensão injetável.

Leia mais

Saúde Naval CARTILHA DA CRIANÇA

Saúde Naval CARTILHA DA CRIANÇA Saúde Naval CARTILHA DA CRIANÇA (0-12 ANOS) DICAS DE VACINAÇÃO O calendário vacinal é uma sequência cronológica de vacinas que se administram sistematicamente às crianças de determinada área ou região.

Leia mais

Atualização Imunização 2017

Atualização Imunização 2017 Atualização Imunização 2017 Sala de Vacina Equipamento distante de fonte de calor e raios solares; Afastar o refrigerador da parede, pelo menos 20 cm; Usar tomada exclusiva para cada equipamento; Temperatura

Leia mais

NOTAS TÉCNICAS. Propostas para 2013. Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS

NOTAS TÉCNICAS. Propostas para 2013. Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS NOTAS TÉCNICAS Propostas para 2013 Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS NT Nº193/2012/ CGPNI/DEVEP/SVS/MS Alteração da idade para

Leia mais

Sala de Vacina. Afastar o refrigerador da parede, pelo menos 20 cm; Verificar a temperatura 2 vezes ao dia;

Sala de Vacina. Afastar o refrigerador da parede, pelo menos 20 cm; Verificar a temperatura 2 vezes ao dia; Sala de Vacina Equipamento distante de fonte de calor e raios solares; Afastar o refrigerador da parede, pelo menos 20 cm; Usar tomada exclusiva para cada equipamento; Temperatura interna preferencialmente

Leia mais

TUBERCULOSE O QUE É TUBERCULOSE? UNESC ENFERMAGEM SAÚDE COLETIVA PROFª: FLÁVIA NUNES COMPOSIÇÃO DAS VACINAS COMO SE TRANSMITE A TUBERCULOSE?

TUBERCULOSE O QUE É TUBERCULOSE? UNESC ENFERMAGEM SAÚDE COLETIVA PROFª: FLÁVIA NUNES COMPOSIÇÃO DAS VACINAS COMO SE TRANSMITE A TUBERCULOSE? UNESC ENFERMAGEM SAÚDE COLETIVA PROFª: FLÁVIA NUNES COMPOSIÇÃO DAS VACINAS PRIMEIRA VACINA Foi criada por Edward Jenner em 1789, para a VARÍOLA. A vacina antivariólica é preparada a partir de vírus vivo,

Leia mais

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Residência Pediátrica 2014;4(3)(Supl. 1):S10-S22. RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Artigo de revisão: Vacinação da criança e adolescente Immunization of children and the adolescents Aroldo Prohmann de Carvalho 1,

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2013 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS 20 de outubro de 2012 Centro de Vacinação SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010.

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010. UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010 Vacinas SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO LEIA ATENTAMENTE AS

Leia mais

RESUMO DAS INDICAÇÕES DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS E ESQUEMAS RECOMENDADOS PELO CRIE/MINISTÉRIO DA SAÚDE

RESUMO DAS INDICAÇÕES DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS E ESQUEMAS RECOMENDADOS PELO CRIE/MINISTÉRIO DA SAÚDE RESUMO DAS INDICAÇÕES DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS E ESQUEMAS RECOMENDADOS PELO CRIE/MINISTÉRIO DA SAÚDE Procedimentos para Avaliação e Indicação de Imunobiológicos Especiais: 1. Avaliar histórico vacinal

Leia mais

Calendário de vacinação do prematuro Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2015/2016

Calendário de vacinação do prematuro Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2015/2016 Calendário de vacinação do prematuro Comentários numerados devem ser consultados. Vacinas Recomendações, esquemas e cuidados especiais BCG ID (1) Em recém-nascidos (RNs) com peso maior ou igual a 2.000

Leia mais

Imunização ativa x passiva

Imunização ativa x passiva A IMUNIZAÇÃO É DEFINIDA COMO A AQUISIÇÃO DE PROTEÇÃO IMUNOLÓGICA CONTRA UMA DOENÇA INFECCIOSA. Imunização ativa x passiva A imunização ativa ocorre quando o próprio sistema imune da criança, ao entrar

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais