CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE"

Transcrição

1 ANTITETÂNICA Indicada para prevenção do tétano. Utilizada para imunização de adultos e idosos, inclusive gestantes (após a 12ª semana). Contraindicação: Não há, exceto àquelas comuns a todas as vacinas: estado febril agudo e intenso ou alergia a um dos componentes da vacina. Esquema de vacinação: a vacinação primária consiste na aplicação de duas doses com intervalo de 60 dias entre elas e uma dose de reforço um ano após a última dose. Recomenda-se dose de reforço a cada 10 anos. Eventos Adversos: Febre, dor e vermelhidão local. Via de aplicação: BCG INTRADERMICA Protege contra formas graves de tuberculose. Indicada para crianças a partir do nascimento. Os adultos que necessitam tomar a vacina BCG ID devem apresentar receita médica. Contraindicação: Pacientes com AIDS e outras imunodeficiências congênitas ou adquiridas, gestantes e recém-nascidos com peso inferior a 2 Kg. Esquema de vacinação: consiste em dose única e será repetida apenas com encaminhamento médico para os casos onde não houver cicatriz vacinal. Eventos Adversos: A reação local à vacina intradérmica é a formação de uma pápula no local da injeção, que aumenta de tamanho após algumas semanas da aplicação, em seguida forma-se uma crosta, que se transforma em uma pequena úlcera, que pode até drenar uma secreção purulenta. Está úlcera deixará uma cicatriz circular que é esperada e deve ocorrer até o sexto mês. Necessário o agendamento. Realizada as segundas e quartas das 08hs às 12hs e as terças e quintas das 14hs às 18hs. BCG PERCUTÂNEA Esta vacina é administrada com indicação médica e mediante apresentação da prescrição. Necessário o agendamento. Realizada as quartas das 13hs às 18hs e as sextas-feiras das 08hs às 12hs. São necessárias TRES DOSES para o tratamento. CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE Prevenção das infecções causadas pelo Vibrio cholerae e pela Escherichia coli, responsáveis, respectivamente, pela cólera e pela maioria dos casos de diarreia em viajantes. A vacina não protege contra gastroenterites causadas por outros agentes ou diarreias de outra natureza. Indicada para indivíduos que vão se dirigir para áreas de risco destas infecções. Quem pode se vacinar: Crianças a partir de 2 anos e adultos. Contraindicação: Hipersensibilidade (anafilaxia) a componentes da vacina ou a doses anteriores da mesma. Precauções: Por ser de administração oral, a ingestão de alimentos, medicamentos ou bebidas pode prejudicar o efeito da vacina. Assim, deve-se evitar a ingestão de alimentos, medicamentos e bebidas 2 horas antes e 1 hora após a vacinação. Esquema de vacinação: 1. Adultos e crianças acima de 6 anos: duas doses com intervalo mínimo de 1 semana e máximo de 6 semanas entre as doses. Caso o período entre doses ultrapasse 6 semanas, o esquema deve ser recomeçado. 2. Crianças entre 2 e 6 anos: Três doses com intervalo mínimo de 1 semana e máximo de 6 semanas entre as doses. A necessidade de reforço após 2 anos deve ser avaliada pelo médico assistente. Eventos adversos: Podem ocorrer sintomas gastrointestinais leves. Via de administração: Oral. FEBRE AMARELA Prevenção da febre amarela. Indicada para crianças a partir de 9 meses de idade, adolescentes e adultos. Para controle de surto ou situação de alto risco, a vacinação de crianças com idade entre 6 e 8 meses pode ser considerada pelo médico. Para viajantes para áreas de risco recomenda-se vacinar com 10 dias de antecedência. Contraindicação: Imunodeprimidos, gestantes, indivíduos com reação de hipersensibilidade ao ovo, proteína de galinha, a qualquer componente da vacina ou hipersensibilidade grave (anafilaxia) após dose anterior de vacina contra a febre amarela. Esquema de vacinação: Dose única e reforço a cada 10 anos. Eventos Adversos: dor no local, dor de cabeça e menos frequente febre. Via de administração: subcutânea. CERTIFICADO INTERNACIONAL DE VACINAÇÃO E PROFILAXIA (CIVP) Para obter o CIVP, o indivíduo deverá ser vacinado no mínimo 10 dias antes de sua viagem para estar protegido contra a febre amarela. Essa vacina e o CIVP têm validade de 10 anos. Atenção: No momento da vacinação, o indivíduo recebe um certificado de vacinação válido apenas no Brasil. Para realizar a troca pelo CIVP, deverá procurar pessoalmente os postos determinados pela ANVISA.

2 FEBRE TIFÓIDE Proteção contra infecção pela Salmonella Typhi, causadora da febre tifóide. Indicada para pessoas que se dirigem para regiões onde a doença ocorre endemicamente ou em surtos. É NECESSÁRIA ORIENTAÇÃO MÉDICA PARA AVALIAÇÃO DA NECESSIDADE DA VACINAÇÃO. Indicada para crianças acima de 2 anos de idade e adultos. Contraindicação: Hipersensibilidade a algum componente da vacina. Esquema de vacinação: Dose única e reforço após 3 anos caso permaneça em área de risco. Eventos adversos: Locais, de intensidade leve e tendem desaparecer espontaneamente em até 48 horas. Via de administração: subcutânea. GRIPE (INFLUENZA) Proteção contra infecções causadas por vírus influenza (gripe). Indicada para crianças a partir de 6 meses, adultos e idosos. Contraindicação: Quadro febril agudo, alergia (anafilaxia) a um dos componentes da vacina, alergia (anafilaxia) à proteína do ovo. Esquema de vacinação: Crianças de 6 a 35 meses: no primeiro ano em que são vacinadas, duas doses de 0,25 ml com intervalo de um mês entre elas. A partir de então, doses únicas anuais. Crianças de 3 a 8 anos: no primeiro ano em que são vacinadas, duas doses 2 doses de 0,5 ml com intervalo de um mês entre elas. A partir de então, doses únicas anuais. Adultos e crianças a partir de 9 anos: dose única anual de 0,5 ml. Recomenda-se vacinação anual, pois a imunidade conferida pela vacinação dura de 6 a 12 meses e também devido às mudanças das cepas constantes nas vacinas. Eventos Adversos: Febre, dor e vermelhidão no local da aplicação até 24/48 horas após a vacinação. Via de aplicação: Intramuscular, ou subcutânea dependendo do laboratório. Haemophilus influenzae tipo b (Hib) Proteção contra infecções invasivas causadas pela bactéria Haemophilus influenzae tipo b, responsável por doenças graves com meningite, epiglotite que podem provocar quadros de pericardite, pneumonia, artrite e osteomielite. A vacina integra a rotina de imunização infantil e pode ser recomendada para adultos e idosos em situações de risco para doenças causadas pelo Haemophilus influenzae tipo b. Contraindicação: Tanto para a vacina simples quanto para a vacina combinada, apenas as Contraindicação gerais de todas as vacinas: quadro febril agudo ou alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina. Esquema de vacinação: Crianças a partir de 2 meses: três doses, aos 2, 4 e aos 6 meses de idade e um reforço aos 18 meses de idade. Para adultos, dose única. Eventos Adversos: As mais comumente observadas são: dor no local da injeção, eritema e edema. Via de aplicação: HEPATITE A Proteção contra a hepatite causada pelo vírus A, que é transmitido por água e alimentos contaminados ou pelo contato pessoa-pessoa. Indicada para crianças a partir de 1 ano de idade, adultos e idosos. Contraindicação: Quadro febril agudo ou alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina. Esquema de vacinação: dose única e uma dose de reforço 6 meses após a vacinação primária. Eventos Adversos: dor no local da aplicação algumas vezes associada a vermelhidão. Via de aplicação: HEPATITE B É utilizada para prevenção ativa da infecção pelo vírus da Heptite B. Indicada para crianças desde o nascimento (primeiras 12 horas de vida), adultos e idosos. Contraindicação: Apenas as contra indicações gerais de todas as vacinas: quadro febril agudo ou alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina. Esquema de vacinação para crianças a termo e adultos: três doses, sendo a segunda um mês após a primeira, e a terceira seis meses após a primeira dose. Prematuros com menos de 2000g ou 33 semanas de gestação: quatro doses, sendo a primeira ao nascer (até 12 horas), a segunda com um mês de idade, a terceira um mês após a segunda dose e a terceira seis meses após a segunda dose. Imunodeprimidos e pacientes renais crônicas: é necessário analisar resposta imunológica para se avaliar necessidade de modificação deste esquema, conforme indicação médica. Eventos Adversos: reações locais como dor, inchaço ou febre baixa raramente ocorrem e desaparecem em 2 dias. Via de aplicação:

3 HEPATITE A+B Proteção contra as hepatites causadas pelo vírus A e pelo vírus B. Indicada para crianças a partir de 1 ano, adultos e idosos não vacinados anteriormente contra estes tipos de vírus. Contraindicação: Apenas as Contraindicação gerais de todas as vacinas: quadro febril agudo ou alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina. Esquema de vacinação: três doses, sendo a segunda um mês após a primeira, e a terceira seis meses após a primeira dose. Eventos Adversos: Reações locais são as mais comuns, até 24 após a aplicação. Via de aplicação: HEXAVALENTE (DTPa-HB-IPV-Hib) É indicada para a vacinação de crianças a partir de 2 meses de idade, contra difteria, tétano, pertussis, hepatite B, poliomielite e haemophilus influenza tipo b. Contraindicação: crianças que apresentam hipersensibilidade às substâncias ativas ou a qualquer um dos excipientes ou resíduos constantes na composição da vacina e para crianças que já demonstraram hipersensibilidade após a administração das vacinas contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B, poliomielite ou haemophilus influenza tipo b. Esquema de vacinação: primeira dose aos 2 meses de idade (quando a criança não recebeu a vacina isolada contra Hepatite B com 30 dias de vida) e a segunda dose aos 6 meses de idade. Reação adversa: Dor, vermelhidão, edema no local, febre e fadiga. Via de aplicação: HPV BIVALENTE Proteção contra lesões precursoras do câncer de colo de útero causado pelo papilomavírus humano (HPV tipos 16 e 18). Indicada para mulheres de 10 a 25 anos. Contraindicação: Hipersensibilidade aos componentes da vacina (anafilaxia), reação alérgica importante após tomar alguma dose anterior desta vacina, gestação (pois não existem estudos de segurança). Esquema de vacinação: 3 doses, sendo a segunda um mês após a primeira e a terceira seis meses após a primeira. Eventos adversos: dores de cabeça, dores musculares e dor no local da injeção. Via de administração: HPV QUADRIVALENTE Utilizada para prevenção de câncer de colo de útero, vulva, vagina, pênis e ânus, além de lesões pré-cancerosas ou displásicas, verrugas genitais e infecções causadas pelo papilomavírus (HPV tipos 6,11,16 e 18). Indicada para mulheres e homens dos 9 aos 26 anos de idade. Pessoas com idade superior a 26 anos devem apresentar prescrição médica. Contraindicação: Hipersensibilidade aos componentes da vacina (anafilaxia), reação alérgica importante após tomar alguma dose anterior desta vacina, gestação (pois não existem estudos de segurança). Esquema de vacinação: 3 doses, sendo a segunda dois meses após a primeira e a terceira seis meses após a primeira. Eventos adversos: Raras e geralmente locais (dor, vermelhidão, inchaço, prurido). Reação sistêmica (febre) também é rara. Via de administração: MENINGOCÓCICA C CONJUGADA A vacina confere proteção contra meningite provocada pela bactéria do meningococo do tipo C. Indicada para crianças a partir de 2 meses, adolescentes, adultos e idosos. Contraindicação: Quadro febril agudo ou alergia grave a um dos componentes da vacina. Esquema de vacinação: Crianças menores de 1 ano: duas doses com intervalo de 60 dias entres elas e uma dose de reforço após 1 ano de idade. Maiores de 1 ano de idade: dose única. Eventos adversos: Dor, vermelhidão, enduração local. Raramente febre e irritabilidade. Via de administração: MENINGOCCÓCICA QUADRIVALENTE (ACWY) Indicada para proteção de adolescentes e adultos contra doenças invasivas causadas pela bactéria Neisseria meningitides dos grupos A, C, W e Y. Podem receber a vacina adolescentes e adultos, sendo a idade mínima recomendada de 11 anos, no entanto, com indicação médica pode ser administrada a partir de 2 anos. Contraindicação: hipersensibilidade a qualquer componente da vacina, incluindo o toxoide diftérico ou reação com risco de vida após administração de vacina contendo componentes semelhantes. Além de quadro febril agudo, que é contraindicação geral comum às vacinas. Esquema de vacinação: consiste na aplicação de uma dose única. Reações Adversas: dor no local da injeção, vermelhidão, mal estar e febre. Via de administração: PENTAVALENTE (DTPa-IPV-Hib) Indicada para crianças a partir dos 2 meses para prevenção da difteria, tétano, pertussis, haemophilus influenzae tipo b, e poliomielite I, II e III. Contraindicação: Alergia a qualquer componente desta vacina ou uma reação alérgica ou anafilática a uma dose anterior desta vacina. Não utilizar em crianças acima de 7 anos de idade ou adultos devido à quantidade de

4 toxóide diftérico e antígenos pertussis não ser adequada para a faixa etária. Esquema de vacinação: 3 doses, sendo a primeira com 2 meses, a segunda aos 4 e a terceira aos 6 meses de vida, mais uma dose de reforço aos 18 meses de idade. Eventos Adversos: Vermelhidão, dor e edema no local da injeção, além de febre e irritabilidade. Via de administração: PNEUMOCÓCICA 23 VALENTE É utilizada para prevenir infecções causadas pela bactéria S. pneumoniae, responsável por doenças graves como pneumonia, meningite, bacteremia e septicemia que pode até levar a morte. Indicada para pacientes a partir de 2 anos de idade com doença de base que os coloquem em risco para a doença (diabetes, cardiopatias, pneumopatias, esplenectomizados, etc) e idosos. Não é a vacina de escolha para a imunização básica de crianças. Deve ser considerada como rotina para maiores de 60 anos. Quem pode se vacinar: Crianças a partir de 2 anos de idade, adultos e idosos. Contraindicação: Quadro febril agudo ou alergia grave a um dos componentes da vacina. Esquema de vacinação: Somente a partir dos 2 anos de idade em dose única. Sob orientação médica, pode ser indicado APENAS UM reforço após 5 anos. Eventos adversos: Dor, vermelhidão e enduração locais. Pode haver febre. Via de administração: PNEUMOCÓCICA 10 VALENTE Indicada para prevenção de doenças invasivas causadas por 10 sorotipos da bactéria Streptococcus pneumoniae para crianças de 6 a 23 meses de idade. Contraindicação: Quadro febril agudo ou alergia grave a um dos componentes da vacina. Esquema de vacinação: para menores de 1 ano, são administradas 3 doses com intervalo de 60 dias entre elas e realizado reforço com 15 meses. Para crianças entre 12 e 24 meses que nunca receberam a vacina antipneumocócica, indica-se 2 doses com intervalo de 60 dias entre elas. Obs: quando a vacinação é iniciada fora desta faixa etária, o esquema de vacinação pode sofrer alterações. Eventos Adversos: Dor, vermelhidão e enduração locais. Pode haver sintomatologia sistêmica, como febre, perda de apetite, irritabilidade. Via de administração: PNEUMOCÓCICA 13 VALENTE É utilizada para prevenir infecções causadas por 13 sorotipos da bactéria Streptococcus pneumoniae, causadora de doenças pneumocócicas, como pneumonia, meningite, otite média, bacteremia, septicemia e até a morte. Indicada a partir dos 2 meses até 6 anos de idade incompletos. É a vacina utilizada para imunização nesta faixa etária. Para maiores de 7 anos é necessário apresentar prescrição médica. Contraindicação: Quadro febril agudo ou alergia grave a um dos componentes da vacina. Esquema de vacinação: para menores de 1 ano, são administradas 3 doses com intervalo de 60 dias entre elas e realizado em reforço com 15 meses.para crianças entre 12 e 24 meses que nunca receberam a vacina antipneumocócica, indica-se 2 doses com intervalo de 60 dias entre elas. Para maiores de 2 anos é necessário apenas uma dose. Obs: quando a vacinação é iniciada fora desta faixa etária, o esquema de vacinação pode sofrer alterações. Eventos Adversos: Dor, vermelhidão e enduração locais. Pode haver sintomatologia sistêmica, como febre, perda de apetite, irritabilidade. Via de administração: ROTAVIRUS PENTAVALENTE Imunização contra infecções gastrointestinais (vômito e diarréia) causadas pelo rotavírus. Indicada somente para crianças com idade entre de 6 e 32 semanas de vida. Contraindicação: Imunodeficiência congênita ou adquirida; uso de imunossupressores (quimioterapia, radioterapia); reação alérgica grave a um dos componentes da vacina; doença gastrintestinal crônica; malformação congênita do trato digestivo; história prévia de invaginação (intussuscepção) intestinal, quadro febril agudo moderado a grave. Esquema de vacinação: três doses. A primeira com 2 meses (entre 6 e 12 semanas), a segunda com 4 meses (entre 10 e 22 semanas) e a terceira com 6 meses, não podendo ser feita com mais de 32 semanas de vida. Eventos adversos: diarréia e vômitos. Via de administração: Oral. TETRA BACTERIANA - ADACEL Proteção contra a difteria, tétano, coqueluche e poliomielite em pessoas acima de 3 anos. Indicada como vacinação de reforço após o esquema primário de imunização. Contraindicação: Quadro febril agudo ou hipersensibilidade aos componentes da vacina (anafilaxia). Esquema de vacinação: dose de reforço, preferencialmente entre 4 a 6 anos de idade. Eventos Adversos: Febre, dor e vermelhidão local. Via de administração:

5 TETRA BACTERIANA INFANTIL (DTPA+HIB) A vacina DTPa-Hib (TETRA) é indicada para crianças a partir dos 2 meses para prevenção da difteria, tétano, pertussis e haemophilus influenzae tipo b. Contraindicação: indivíduos com hipersensibilidade conhecida a qualquer componente da vacina ou em idivíduos que apresentem sinais de hipersensibilidade após administração prévia de vacinas conta difteria, tétano, pertussis ou HIb. Esquema de vacinação: 3 doses, sendo a primeira com 2 meses, a segunda aos 4 e a terceira aos 6 meses de vida, mais uma dose de reforço aos 18 meses de idade. Eventos adversos: Edema, eritema e dor local. Via de administração: Intramuscular profunda. TETRA VIRAL (SARAMPO+CAXUMBA+RUBÉOLA+VARICELA) Proteção contra sarampo, caxumba, rubéola e varicela. Indicada para crianças a partir de 12 meses até 12 anos de idade. Contraindicação: Imunodeprimidos, gestantes, quadro febril agudo e alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina, alergia grave a ovo de galinha (anafilaxia). Esquema de vacinação: Para crianças a partir de 12 meses: uma dose inicial e reforço aos 4 anos. Para crianças a partir de 4 anos até 12 anos de idade: duas doses com intervalo de três meses entre elas. Eventos Adversos: Raros, mas quadro gripal com ou sem exantema, pequeno número de vesículas na pele ou aumento da parótida podem surgir 10 dia após a aplicação. Via de administração: Subcutânea. TRÍPLICE BACTERIANA ACELULAR - (dtpa R) É utilizada para vacinação de reforço contra difteria, tétano e coqueluche. Indicada para indivíduos a partir de 4 anos de idade. Contraindicação: alergia conhecida a qualquer componente de sua fórmula. Esquema de vacinação: comumente utilizada para doses de reforço de indivíduos previamente vacinados com DTP, DT, dt. Gestantes podem receber a dtpa R após a 20ª semana de gestação. Eventos adversos: dor, vermelhidão e inchaço no local da injeção. Via de administração: TRÍPLICE BACTERIANA INFANTIL (DTPa) É utilizada para prevenção contra difteria, tétano e coqueluche, habitualmente administrada como dose de reforço até os 7 anos de idade, porém também pode ser utilizada para vacinação primária em crianças com mais de 2 meses. Contraindicação: Crianças a partir de 7 anos de idade; hipersensibilidade aos componentes da vacina (anafilaxia), alergia grave (anafilaxia) a componentes da vacina. Esquema de vacinação. Para vacinação primária: primeira dose com 2 meses de idade, a segunda com 4 meses e a terceira com 6 meses. Um reforço aos 18 meses e outro reforço entre 4 e 6 anos de idade. Após isso, reforço de 10 em 10 anos com a vacina DT(dupla do tipo adulto) ou, preferencialmente, com a vacina dtpa (tríplice bacteriana acelular do tipo adulto). Eventos Adversos: Febre e reações locais (dor, vermelhidão e edema) são os mais comuns. Raramente pode ocorrer: irritação, choro intenso (bebês). Via de administração: TRÍPLICE VIRAL (SARAMPO, CAXUMBA E RUBÉOLA) Proteção contra sarampo, caxumba e rubéola. Indicada para crianças a partir de 12 meses, adultos e idosos. Contraindicação: Imunodeprimidos, gestantes, quadro febril agudo e alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina, alergia grave a ovo de galinha (anafilaxia). Esquema de vacinação: Para crianças a partir de 12 meses: uma dose e reforço aos 4 anos. Para crianças a partir de 4 anos de idade e adultos até 49 anos: duas doses com intervalo de 30 dias entre elas. Para adultos com mais de 49 anos: dose única. A vacina pode ser aplicada a qualquer momento, em qualquer idade, exceto durante a gestação. É ideal que todo adulto tenha a comprovação de duas doses da vacina, aplicadas em qualquer momento da vida. OBS: para mulheres em idade fértil, é recomendado evitar engravidar nos 90 dias seguintes à vacinação. Eventos Adversos: Dor e vermelhidão no local da injeção e febre. Via de administração: Subcutânea. VARICELA Proteção contra a varicela (catapora). Indicada para crianças a partir de 12 meses de idade e adultos. Em casos especiais e/ou surtos a vacina pode ser administrada em crianças a partir de 9 meses, mediante apresentação de prescrição médica. Contraindicação: Imunodeprimidos, gestantes, crianças menores de 9 meses, alergia grave a componentes da vacina ou a dose prévia da vacina (anafilaxia). Esquema de vacinação: Crianças de 12 meses até 3 anos: 2 doses, a primeira a partir dos 12 meses de idade e a segunda aos 4 anos de idade. Para maiores de 4 anos a segunda dose deve ser administrada 3 meses após a primeira. Eventos Adversos: Podem ocorrer de 5 a 12 dias após a aplicação: febre e quadro brando de lesões na pele semelhantes à varicela. Via de administração: Subcutânea.

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Calendário de Vacinação Infantil 2011 1. BCG (contra Tuberculose); 2. Vacina contra Hepatite B;

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Central de Atendimento: (61) 3329-8000 Calendário de Vacinação do Prematuro Vacinas BCG ID (intradérmica) Hepatite B (HBV) Pneumocócica conjugada Recomendações

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário

Leia mais

IMPORTANTE. Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C.

IMPORTANTE. Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C. Administração de Imunobiológicos IMPORTANTE Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C. Contra indicações gerais: Imunodeficiência congênita ou adquirida Neoplasias

Leia mais

PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO. Prof. Enf. Hygor Elias

PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO. Prof. Enf. Hygor Elias PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Prof. Enf. Hygor Elias PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI 1973 erradicação da varíola no Brasil e instituição do PNI 1975 instituído o Serviço Nacional de Vigilância Epidemiológica

Leia mais

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Institui, em todo o território nacional, o Calendário de vacinação para os Povos Indígenas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013 IDADE Ao 2m 3m 4m 5m 6m 7m 12m 15m 18m 4 a 6 11 14 a 16 Nascer anos anos anos BCG ID 1 Hepatite B 2 DTP / DTPa 3 dt/dtpa 4 Hib 5 VIP / VOP 6 Pneumo

Leia mais

- Vacina monovalente contra a poliomielite (VIP)

- Vacina monovalente contra a poliomielite (VIP) VACINAÇÃO PERTENCENTE AO PNV - A Vacina contra a Tuberculose (BCG) Tipo de vacina: Vacina de bacilos vivos atenuados Mycobacterium bovis : Gravidez Imunodeficiência celular, congénita ou adquirida Tratamentos

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE FRIO GOIÁS EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DA VACINA INATIVADA POLIOMIELITE

Leia mais

Política de Vacinação

Política de Vacinação Rol de s cobertas por esta Política Catapora ou Varicela contra Varicela Biken Crianças de 1 a 12 anos: esquema vacinal em dose única. Pacientes imunocomprometidos: portadores de leucemia linfóide aguda

Leia mais

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação Rev: 03 Data: 19/07/2010 Página 1 de 5 Anexo I - Rol de Vacinas cobertas por esta Política Vacina Nome da Droga Pré-requisitos para cobertura Documentação necessária Observação Crianças de 1 a 12 anos:

Leia mais

Vacina Pentavalente. Nomenclatura. Proteção. Forma Farmacêutica Apresentação

Vacina Pentavalente. Nomenclatura. Proteção. Forma Farmacêutica Apresentação Vacina Pentavalente Nomenclatura Proteção Forma Farmacêutica Apresentação Lab. Produtor Composição Indicação Precauções Contra Indicações - Vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis, hepatite B (recombinante)

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CENTRO DE EPIDEMIOLÓGICA DO PARANÁ PROGRAMA ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO TODO DIA É DIA

Leia mais

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM CALENDÁRIOS VACINAIS Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM VACINA É PARA A VIDA TODA... Oportunidades para a Vacinação criança adolescente adulto Programa infantil Catch up (repescagem)

Leia mais

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NA UNIDADE NEONATAL

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NA UNIDADE NEONATAL USO DE IMUNOBIOLÓGICOS NA ENFERMAGEM UNIDADE NEONATAL Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro A garantia da imunização por meio das vacinas básicas disponibilizadas

Leia mais

Calendário de Vacinas 2011

Calendário de Vacinas 2011 Calendário de Vacinas 2011 Untitled-2 1 4/4/11 4:59 PM Atualizações + atualizações_arquivo.indd 1 2 Atualizações Calendário Básico de Vacinação 2011 Idade Vacina Dose Doenças evitadas Ao nascer BCG-ID

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Agosto - 2012 APRESENTAÇÃO O Sistema Único de Saúde (SUS) altera

Leia mais

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ,

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ, VACINAÇÃO DE GESTANTES Isabella Ballalai (MD) Diretora Médica da VACCINI - Clínica de Vacinação Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ Edimilson Migowski (MD, PhD, MSc) Professor Adjunto de

Leia mais

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família 1º. a 3 de junho de 2004 lourdes.maia@funasa.gov.br PNI. Dados Históricos No Brasil, vacina-se desde 1804. 1973 foi criado um Programa Nacional

Leia mais

vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única.

vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. 1 vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. A vacina tétano deve ser administrada por via intramuscular. Não utilize a vacina

Leia mais

CLINICA PACIORNIK VACINAS PARA VIAJANTES. PREVINA-SE AQUI. FEBRE AMARELA CÓLERA RAIVA

CLINICA PACIORNIK VACINAS PARA VIAJANTES. PREVINA-SE AQUI. FEBRE AMARELA CÓLERA RAIVA FEBRE AMARELA CÓLERA RAIVA CLINICA PACIORNIK VACINAS PARA VIAJANTES. PREVINA-SE AQUI. RUA LOURENÇO PINTO, 65 3015-2015 www.clinicapaciornik.com.br e-mail: centrodevacinas@clinicapaciornik.com.br Transmissão:

Leia mais

IMUNIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS, CALENDÁRIO VACINAL 2014

IMUNIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS, CALENDÁRIO VACINAL 2014 DISCIPLINA: PEDIATRIA III (PED014) IMUNIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS, CALENDÁRIO VACINAL 2014 Jorge A. Pinto Departamento de Pediatria - FMUFMG Imunização Conceitos básicos Calendário de imunização da criança

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro

Calendário de Vacinação do Prematuro Calendário de Vacinação do Prematuro Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2013/2014 RECOMENDAÇÕES, E CUIDADOS ESPECIAIS BCG ID (1) Deverá ser aplicada, preferencialmente ainda na

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição; e

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição; e PORTARIA Nº- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 Institui em todo o território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. O MINISTRO

Leia mais

PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 Institui em todo o território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. O MINISTRO

Leia mais

vacina meningocócica AC

vacina meningocócica AC vacina meningocócica AC Forma farmacêutica e apresentação Pó liofilizado injetável. - Cartucho contendo 1 frasco-ampola de uma dose e uma seringa com 0,5 ml de diluente. A vacina meningocócica AC deve

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005.

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. COORDENADORA Prof Dra. Denise Siqueira de Carvalho EQUIPE EXECUTORA

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE Orientador Empresarial Vacinação - Calendário Básico - Criança, Adolescente, Adulto e Idoso Revogação da Portaria

Leia mais

Imunização. IMUNIZAÇÃO Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS

Imunização. IMUNIZAÇÃO Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS IMUNIZAÇÃO Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS Kelli Santos Enfermeira SES GO Especialista em Saúde Pública, Epidemiologia, PSF e Auditoria dos Sistemas de Saúde Mestre em Gestão dos Serviços de Saúde Membro

Leia mais

Guia Prático de Vacinas 2013

Guia Prático de Vacinas 2013 Guia Prático de Vacinas 2013 Índice 4 7 11 21 27 31 33 37 43 47 51 54 Apresentação Calendário Básico de Vacinação do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde (PNI/MS) 8. Vacina tuberculose

Leia mais

TEXTO DE BULA DA VACINA PNEUMOCÓCICA 13-VALENTE (CONJUGADA) Excipientes: cloreto de sódio, ácido succínico, polissorbato 80 e água para injeção.

TEXTO DE BULA DA VACINA PNEUMOCÓCICA 13-VALENTE (CONJUGADA) Excipientes: cloreto de sódio, ácido succínico, polissorbato 80 e água para injeção. TEXTO DE BULA DA VACINA PNEUMOCÓCICA 13-VALENTE (CONJUGADA) I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES Cartucho com 1 estojo contendo 1 seringa preenchida com 0,5 ml de suspensão injetável (dose única)

Leia mais

PREVENAR 13 VACINA PNEUMOCÓCICA 13-VALENTE (CONJUGADA)

PREVENAR 13 VACINA PNEUMOCÓCICA 13-VALENTE (CONJUGADA) PREVENAR 13 VACINA PNEUMOCÓCICA 13-VALENTE (CONJUGADA) I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES Cartucho com 1 estojo contendo 1 seringa preenchida com 0,5 ml de suspensão injetável (dose única)

Leia mais

FICHA DE SOLICITAÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS

FICHA DE SOLICITAÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - SUVISA GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE DE FRIO GIRF COORDENAÇÃO DE EAPV/CRIE FICHA DE SOLICITAÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS

Leia mais

Responsável Técnico. Dr. José Geraldo Leite Ribeiro - CRMMG 13231

Responsável Técnico. Dr. José Geraldo Leite Ribeiro - CRMMG 13231 Responsável Técnico Dr. José Geraldo Leite Ribeiro - CRMMG 13231 Esta seção destina-se à consulta rápida de profissionais de saúde que indicam e aplicam vacinas. Não visa esgotar cada um dos temas abordados,

Leia mais

QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI

QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI 1 - (Concurso CFO/CQ 2003) A criança C.M.B. tem dois meses e foi encaminhada à unidade de saúde para ser vacinada. Já tomou BCG, a primeira e a segunda dose da vacina contra

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI. Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI. Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com HISTÓRIA DO PNI Desde que foi criado, em 18 de setembro de 1973, o PNI tornou-se ação de governo caracterizada

Leia mais

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS As vacinas conjugadas são aquelas nas quais os antígenos bacterianos são ligados a carreadores protéicos, facilitando o processamento pelos linfócitos T, gerando então,

Leia mais

GUIA PRÁTICO: VACINAÇÃO DO IDOSO

GUIA PRÁTICO: VACINAÇÃO DO IDOSO Autoras Dra. Priscila Gaeta CRM: 133.871 Dra. Carolina Toniolo CRM: 157.464 Médica especialista em Geriatria pela Sociedade Brasileira de Medica residente do Instituto Geriatria e Gerontologia/ Associação

Leia mais

A vacinação com a Pn13, no âmbito do Programa Nacional de Vacinação (PNV), inicia-se no dia 1 de julho de 2015.

A vacinação com a Pn13, no âmbito do Programa Nacional de Vacinação (PNV), inicia-se no dia 1 de julho de 2015. NÚMERO: 008/015 DATA: 01/06/015 ATUALIZAÇÃO 05/06/015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Programa Nacional de Vacinação. Introdução da vacina conjugada de 13 valências contra infeções por Streptococcus

Leia mais

vacina tétano Potência estimada com o limite inferior de confiança em P = 0.95.

vacina tétano Potência estimada com o limite inferior de confiança em P = 0.95. 1 vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. A vacina tétano deve ser administrada por via intramuscular. Não utilize a vacina

Leia mais

MENINGOCÓCICA C (CONJUGADA) DOSE < DE1ANO 1ANO 2a4 ANOS 5 a 8ANOS 9 a 12ANOS 13 a 19ANOS 20 a 59ANOS D1 VIP/VOP (SEQUENCIAL) DTP/HB/HIB (PENTA)

MENINGOCÓCICA C (CONJUGADA) DOSE < DE1ANO 1ANO 2a4 ANOS 5 a 8ANOS 9 a 12ANOS 13 a 19ANOS 20 a 59ANOS D1 VIP/VOP (SEQUENCIAL) DTP/HB/HIB (PENTA) IDENTIFICAÇÃO BOLETIM MENSAL DE S APLICADAS SI - API VERSÃO 10 MÊS ANO CÓDIGO DA UNIDADE NOME DA UNIDADE UF REGIONAL CÓDIGO DO MUNICÍPIO NOME DO MUNICÍPIO BCG ROTINA MENOR DE 1 ANO 1 ANO 2 ANOS 3 ANOS

Leia mais

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE SUPERITENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÃO E REDE FRIO ESQUEMA VACINAL NOTA INFORMATIVA Nº143/CGPNI/DEVIT/SVS/MS/18/122014

Leia mais

13 RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS CRIES, POR IMUNOBIOLÓGICO

13 RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS CRIES, POR IMUNOBIOLÓGICO 13 RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS CRIES, POR IMUNOBIOLÓGICO Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS)/MS Manual dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais 2014 1 Vacina inativada poliomielite (VIP)

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2013 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS 20 de outubro de 2012 Centro de Vacinação SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO

Leia mais

Protocolo. Vacinação em TCTH

Protocolo. Vacinação em TCTH Protocolo Vacinação em TCTH Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Este protocolo envolve: Vacinação em pacientes e familiares candidatos e tratados com transplante de células-tronco hematopoéticas

Leia mais

VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS PREVENÍVEIS POR IMUNIZAÇÃO. Profa. Regina Flauzino Disciplina de Epidemiologia IV

VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS PREVENÍVEIS POR IMUNIZAÇÃO. Profa. Regina Flauzino Disciplina de Epidemiologia IV VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS PREVENÍVEIS POR IMUNIZAÇÃO Profa. Regina Flauzino Disciplina de Epidemiologia IV Tópicos Histórico Doenças Preveníveis por Imunização Crianças Adultos Idosos Vacinação para Profissionais

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ. 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015

COLÉGIO SÃO JOSÉ. 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015 COLÉGIO SÃO JOSÉ 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015 REINO MONERA - Formado por bactérias (heterótrofas) e algas azuis (autótrofas) Célula bacteriana Ribossomos Citoplasma Membrana

Leia mais

IMUNIZAÇÕES. Jacy Amaral Freire de Andrade (*)

IMUNIZAÇÕES. Jacy Amaral Freire de Andrade (*) IMUNIZAÇÕES Jacy Amaral Freire de Andrade (*) Imunização é um campo crescente do conhecimento científico que tem exigido um repensar constante do calendário ideal de vacinação, o qual deve ser adaptado

Leia mais

NOTAS TÉCNICAS. Propostas para 2013. Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS

NOTAS TÉCNICAS. Propostas para 2013. Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS NOTAS TÉCNICAS Propostas para 2013 Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS NT Nº193/2012/ CGPNI/DEVEP/SVS/MS Alteração da idade para

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário Nacional de Vacinação,

Leia mais

Saúde Naval CARTILHA DA CRIANÇA

Saúde Naval CARTILHA DA CRIANÇA Saúde Naval CARTILHA DA CRIANÇA (0-12 ANOS) DICAS DE VACINAÇÃO O calendário vacinal é uma sequência cronológica de vacinas que se administram sistematicamente às crianças de determinada área ou região.

Leia mais

SÍNDROME DE DOWN Diário Oficial do Estado Nº 197, Seção 1 sexta-feira, 17 de outubro de 2014

SÍNDROME DE DOWN Diário Oficial do Estado Nº 197, Seção 1 sexta-feira, 17 de outubro de 2014 Circular 565/2014 São Paulo, 20 de Outubro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) "CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO" PARA OS PORTADORES DA SÍNDROME DE DOWN Diário Oficial do Estado Nº 197, Seção 1 sexta-feira, 17

Leia mais

INFORME TÉCNICO DA VACINA HPV (PAPILOMAVÍRUS HUMANO 6, 11, 16, 18 (RECOMBINANTE)) - 2015

INFORME TÉCNICO DA VACINA HPV (PAPILOMAVÍRUS HUMANO 6, 11, 16, 18 (RECOMBINANTE)) - 2015 INFORME TÉCNICO DA VACINA HPV (PAPILOMAVÍRUS HUMANO 6, 11, 16, 18 (RECOMBINANTE)) - 2015 Apresentação O Ministério da Saúde com o objetivo de reforçar as atuais ações de prevenção do câncer do colo do

Leia mais

PREMATURO. Recomendações, esquemas e cuidados especiais. Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2014/2015

PREMATURO. Recomendações, esquemas e cuidados especiais. Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2014/2015 Calendário do prematuro Comentários numerados devem ser consultados. Vacinas Recomendações, esquemas e cuidados especiais BCG ID (1) Em recém-nascidos com peso maior ou igual a 2.000 g. Hepatite B (2)

Leia mais

vacina febre tifóide (polissacarídica)

vacina febre tifóide (polissacarídica) vacina febre tifóide (polissacarídica) Forma farmacêutica e apresentações: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de uma dose de 0,5 ml; - Cartucho contendo vinte seringas de uma dose de

Leia mais

ALTERNATIVAS PARA O CALENDÁRIO VACINAL 2011

ALTERNATIVAS PARA O CALENDÁRIO VACINAL 2011 ALTERNATIVAS PARA O CALENDÁRIO VACINAL 2011 ANO 2010 MARCO IMPORTANTE PARA A MEDICINA PREVENTIVA UM ANO DE POLÊMICA IMUNOLÓGICA VACINAS CONJUGADAS A tendência é substituir as vacinas monovalentes contra

Leia mais

Imunização ativa x passiva

Imunização ativa x passiva A IMUNIZAÇÃO É DEFINIDA COMO A AQUISIÇÃO DE PROTEÇÃO IMUNOLÓGICA CONTRA UMA DOENÇA INFECCIOSA. Imunização ativa x passiva A imunização ativa ocorre quando o próprio sistema imune da criança, ao entrar

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 35 Departamentos Científicos da SPSP, gestão 2007-2009. Departamento de Pneumologia Infecção respiratória por vírus emergentes Calendário de vacinação 2007 Sociedade

Leia mais

Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil

Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil Ana Goretti Kalume Maranhão Programa Nacional de Imunização/Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde ana.goretti@saude.gov.br Programa Nacional

Leia mais

Imunizações FUNSACO 2009

Imunizações FUNSACO 2009 Imunizações FUNSACO 2009 Vacinação os primórdios Edward Jenner - maio de 1796 - inoculação de criança de 8anos com material retirado da vesícula de uma paciente com varíola. Semanas após, a criança foi

Leia mais

CARTILHA DE VACINAÇÃO. Prevenção não tem idade. Vacine-se!

CARTILHA DE VACINAÇÃO. Prevenção não tem idade. Vacine-se! CARTILHA DE VACINAÇÃO Prevenção não tem idade. Vacine-se! A saúde é o nosso bem mais precioso, e a vacinação é um meio acessível, seguro e efetivo de protegê-la! A vacinação protege não apenas aqueles

Leia mais

Calendário de Vacinação Ocupacional

Calendário de Vacinação Ocupacional Calendário de Vacinação Ocupacional Central de Atendimento: (61) 3329-8000 Calendário de Vacinaçã Profissionais indicados de acordo Vacinas Esquemas Saúde Alimentos e bebidas Militares policiais e bombeiros

Leia mais

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico:

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico: Questionário de avaliação para vacinação de [ Endereço Nome da criança Nome do pai/mãe/responsável M F ポルトガル 語 版 Formulário 2 ] (bebês/crianças em idade escolar) Temperatura corporal antes da entrevista

Leia mais

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012 Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação Brasília - agosto de 2012 18/08/2012 Atualização da Caderneta de Vacinação A campanha será realizada no período de 18 a 24 de agosto Dia da Mobilização

Leia mais

VACINAS A SEREM DISPONIBILIZADAS PARA AS CRIANÇAS MENORES DE CINCO ANOS DE IDADE NA CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO 2016.

VACINAS A SEREM DISPONIBILIZADAS PARA AS CRIANÇAS MENORES DE CINCO ANOS DE IDADE NA CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO 2016. VACINAS A SEREM DISPONIBILIZADAS PARA AS CRIANÇAS MENORES DE CINCO ANOS DE IDADE NA CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO 2016. VACINAS BCG ESQUEMA VACINAL Dose única ao nascer. Disponível para crianças menores de

Leia mais

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE)

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) SUBPAV/SVS COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÕES INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) VACINA INATIVADA CONTRA POLIOMIELITE (VIP) Crianças imunocomprometidas (com deficiência imunológica congênita ou

Leia mais

Vacinas contra o pneumococo

Vacinas contra o pneumococo .... Simpósio Nacional de Doença Pneumocócica e Influenza São Paulo, 20 e 21 de Setembro de Vacinas contra o pneumococo Lúcia Helena de Oliveira Assessora Regional para Novas Vacinas Unidade de Imunizações

Leia mais

vacina pneumocócica 23-valente (polissacarídica)

vacina pneumocócica 23-valente (polissacarídica) 1 vacina pneumocócica 23-valente (polissacarídica) Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável. - Cartucho com uma seringa contendo uma dose de 0,5 ml. - Cartucho com um frasco-ampola contendo

Leia mais

vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular)

vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular) vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular) Forma farmacêutica e apresentações: Suspensão injetável. - Cartucho contendo 1 frasco de dose única; - Cartucho contendo 5 frascos de dose única;

Leia mais

Vacinas. Tem na Previnna? Ao nascer 1 mês. 24 meses 4 anos. 18 meses 2 anos/ 12 meses. 15 meses. 5 meses. 4 meses. 8 meses. 3 meses. 6 meses.

Vacinas. Tem na Previnna? Ao nascer 1 mês. 24 meses 4 anos. 18 meses 2 anos/ 12 meses. 15 meses. 5 meses. 4 meses. 8 meses. 3 meses. 6 meses. Dos 2 aos 1 1 BCG ID Dose única Hepatite B, TANTO A VACINA HEPATITE B QUANTO A VACINA HEXAVALENTE (DIFTERIA, TÉTANO, Tríplice Bacteriana (Difteria, Tétano e Coqueluche) Haemophilus influenzae b, TANTO

Leia mais

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Residência Pediátrica 2014;4(3)(Supl. 1):S10-S22. RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Artigo de revisão: Vacinação da criança e adolescente Immunization of children and the adolescents Aroldo Prohmann de Carvalho 1,

Leia mais

{ Idade } { Vacinas e respectivas doenças } { Outras Imunizações } 5 meses. Dieta e exercício. Dieta e exercício. Uso de substâncias nocivas

{ Idade } { Vacinas e respectivas doenças } { Outras Imunizações } 5 meses. Dieta e exercício. Dieta e exercício. Uso de substâncias nocivas { Idade } recém-nascido 2 meses { Vacinas e respectivas doenças } DTPa = 1.ª dose (Difteria, Tétano, Tosse Convulsa) : regularmente ao longo da infância*; tensão arterial: periodicamente ao longo da infância*;

Leia mais

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DA REDE PÚBLICA DE SANTA CATARINA Última atualização em 05 de janeiro de 2016

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DA REDE PÚBLICA DE SANTA CATARINA Última atualização em 05 de janeiro de 2016 Grupo alvo Idade BCG Hepatite B (1) VIP e VOP (10) Pentavalente Pneumo 10 Rotavírus (2) Meningo C Hepatite A Febre Amarela (3) Tríplice Viral (4) Tetraviral (5) HPV dtpa (8) Influenza (gripe) (9) Dupla

Leia mais

Dra. Tatiana C. Lawrence PEDIATRIA, ALERGIA E IMUNOLOGIA

Dra. Tatiana C. Lawrence PEDIATRIA, ALERGIA E IMUNOLOGIA Vacinação As vacinas são as ferramentas mais poderosas e inofensivas que temos para combater as doenças. Protegem milhões de crianças e adultos das doenças que ameaçam nossas vidas, como poliomielite (paralisia

Leia mais

Vacina pneumocócica polissacárida conjugada (13-valente, adsorvida)

Vacina pneumocócica polissacárida conjugada (13-valente, adsorvida) EMA/90006/2015 EMEA/H/C/001104 Resumo do EPAR destinado ao público Vacina pneumocócica polissacárida conjugada (13-valente, adsorvida) Este é um resumo do Relatório Público Europeu de Avaliação (EPAR)

Leia mais

RESUMO DAS INDICAÇÕES DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS E ESQUEMAS RECOMENDADOS PELO CRIE/MINISTÉRIO DA SAÚDE

RESUMO DAS INDICAÇÕES DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS E ESQUEMAS RECOMENDADOS PELO CRIE/MINISTÉRIO DA SAÚDE RESUMO DAS INDICAÇÕES DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS E ESQUEMAS RECOMENDADOS PELO CRIE/MINISTÉRIO DA SAÚDE Procedimentos para Avaliação e Indicação de Imunobiológicos Especiais: 1. Avaliar histórico vacinal

Leia mais

CRIE CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS

CRIE CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CRIE CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS Os Centros de referência de Imunobiológicos Especiais (CRIE) têm como finalidade facilitar o acesso à população, em especial

Leia mais

SBP - Calendário ideal para a Criança SBP lança Calendário de Vacinação 2008

SBP - Calendário ideal para a Criança SBP lança Calendário de Vacinação 2008 SBP - Calendário ideal para a Criança 2008 SBP lança Calendário de Vacinação 2008 Nota s: 1. A vacina contra hepatite B deve ser aplicada nas primeiras 12 horas de vida. A segunda dose pode ser feita com

Leia mais

VACINA PENTAVALENTE CADERNO DO TREINANDO

VACINA PENTAVALENTE CADERNO DO TREINANDO SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE DE FRIO Av. Anhanguera, 5195 Setor Coimbra Goiânia GO Fone: (62) 3201-4547/4543 FAX: (62) 3201-4545 E-mail: pnigoias@gmail.com VACINA

Leia mais

PREMATURO. Recomendações, esquemas e cuidados especiais. Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2014/2015

PREMATURO. Recomendações, esquemas e cuidados especiais. Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2014/2015 Calendário de vacinação do prematuro Comentários numerados devem ser consultados. Vacinas Recomendações, esquemas e cuidados especiais BCG ID (1) Em recém-nascidos com peso maior ou igual a 2.000 g. Hepatite

Leia mais

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada)

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) Modelo de Bula Página 1 de 6 vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável. - Cartucho com 1 seringa

Leia mais

DOENÇAS PREVENÍVEIS NA INFÂNCIA.

DOENÇAS PREVENÍVEIS NA INFÂNCIA. DOENÇAS PREVENÍVEIS NA INFÂNCIA. Calendário de Vacinação da CRIANÇA Comentários numerados Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações devem ser consultados. (SBIm) - 2014/2015 CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010.

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010. UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010 Vacinas SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO LEIA ATENTAMENTE AS

Leia mais

2) Qual a importância da vacina conter as duas linhagens de vírus B?

2) Qual a importância da vacina conter as duas linhagens de vírus B? VACINAS INFLUENZA NO BRASIL EM 2015 Renato Kfouri Vice-presidente da SBIm Juarez Cunha Diretor da SBIm 1) Como são as novas vacinas quadrivalentes? As vacinas influenza utilizadas em nosso país até o ano

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

AVAXIM 80U vacina hepatite A (inativada) - 80U. A vacina hepatite A (inativada) - 80U - AVAXIM 80U deve ser administrada por VIA INTRAMUSCULAR.

AVAXIM 80U vacina hepatite A (inativada) - 80U. A vacina hepatite A (inativada) - 80U - AVAXIM 80U deve ser administrada por VIA INTRAMUSCULAR. Modelo de Bula Página 1 de 6 AVAXIM 80U vacina hepatite A (inativada) - 80U FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de 1 dose de 0,5mL; - Cartucho contendo

Leia mais

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular), Haemophilus influenzae b (conjugada) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada)

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular), Haemophilus influenzae b (conjugada) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular), Haemophilus influenzae b (conjugada) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) Formas farmacêuticas e apresentações: Suspensão injetável. - Cartucho contendo

Leia mais

Manual para registro de doses aplicadas no Sistema de Informação online de Avaliação do Programa de Imunizações APIWEB

Manual para registro de doses aplicadas no Sistema de Informação online de Avaliação do Programa de Imunizações APIWEB Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações GT- Análise e Informação em Imunizações Manual para

Leia mais

VACINAÇÃO EM PREMATUROS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES

VACINAÇÃO EM PREMATUROS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES VACINAÇÃO EM PREMATUROS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. VACINAÇÃO EM PREMATUROS... 3 2.1 BCG... 5 2.2 Hepatite B... 5 2.3 Palivizumabe... 5 2.4 Pneumocócica Conjugada... 6 2.5 Influenza...

Leia mais

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite I, II e III (inativada)

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite I, II e III (inativada) 1 vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite I, II e III (inativada) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável. - Cartucho contendo 1 frasco-ampola com 0,5mL de

Leia mais

Calendário. ideal para Adolecentes

Calendário. ideal para Adolecentes Calendário SBP - So c i e d a d e Br a s i l e i r a d e Pediatria ideal para Adolecentes D e p a r t a m e n t o d e In f e c t o l o g i a d a SBP Calendário de Vacinação para Crianças - 2008 Idade Vacina

Leia mais

Preparatório para Concurso do IPASGO

Preparatório para Concurso do IPASGO w w w. i n s t i t u t o c o n s c i e n c i a g o. c o m. b r Preparatório para Concurso do IPASGO Aula: Programa Nacional de Imunização Profª MSc. Marise Ramos de Souza Parte 02 de 03 CALENDÁRIOS BÁSICOS

Leia mais

ADACEL Polio vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite I, II e III (inativada)

ADACEL Polio vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite I, II e III (inativada) MODELO DE BULA Página 1 de 7 ADACEL Polio vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite I, II e III (inativada) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável. - Cartucho

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSO. Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: POP 01. Técnico de. Organizar a Sala de Vacinas. Diariamente UAPS

GERENCIAMENTO DE PROCESSO. Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: POP 01. Técnico de. Organizar a Sala de Vacinas. Diariamente UAPS GERENCIAMENTO DE PROCESSO Pagina:01 Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: O QUE Organizar a Sala de Vacinas RESULTADO DO PROCESSO Melhoria na qualidade de execução de Executar imunização Imunização na Diariamente

Leia mais

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE 2013 IDADE VACINA A PARTIR DO NASCIMENTO 2 MESES BCG 1 HEPATITE B 2 VACINA VIP 3 PENTAVALENTE 7 ROTAVÍRUS

Leia mais