Imunização. IMUNIZAÇÃO Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Imunização. IMUNIZAÇÃO Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS"

Transcrição

1 IMUNIZAÇÃO Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS

2 Kelli Santos Enfermeira SES GO Especialista em Saúde Pública, Epidemiologia, PSF e Auditoria dos Sistemas de Saúde Mestre em Gestão dos Serviços de Saúde Membro Comitê de Instrução Ética COREn GO Profª. Cursos de Graduação, Pós graduação e Cursos Preparatórios para Concursos Saúde Escritora de apostilas para cursos preparatórios

3 IMUNIZAÇÃO É a capacidade do organismo reconhecer o agente causador da doença e produzir anticorpos por meio da vacinação, ficando protegido temporária e permanentemente. Primeiras vacinações: 1804 no mundo e 1897 no Brasil (varíola) Início PNI: 18 de setembro de 1973 coordenação central que proporcionasse sincronia e racionalização.

4 PNI Programa Nacional de Imunização Atribuições do PNI: definir normas e parâmetros técnicos para as estratégias de utilização de imunobiológicos. Estabelecer as ações de caráter nacional, referentes à aquisição, conservação, manuseio, transporte, distribuição e administração dos imunobiológicos.

5 PNI Programa Nacional de Imunização Rede de Frio: 1977 Estrutura técnico-administrativa orientada pelo PNI, por meio de normatização, planejamento, avaliação e financiamento que visa à manutenção adequada da Cadeia de Frio.

6 IMUNIZAÇÃO A Rede de Frio ou Cadeia de Frio é composta por cinco instâncias: 1) Central Nacional de Distribuição de Insumos (CENADI). 2) Central Estadual pertence à Secretaria Estadual de Saúde 3) Central Regional Estadual pertence à Secretaria Estadual de Saúde (em Municípios estratégicos)

7 IMUNIZAÇÃO A Rede de Frio ou Cadeia de Frio é composta por cinco instâncias: 4) Central Regional Municipal ou Diretoria Regional de Saúde pertence à Secretaria Municipal de Saúde. 5) Local - Defini-se como Sala de Vacinação (SV).

8 Organização Interna do refrigerador

9 Termômetros Imunização Orientações gerais Fixar o termômetro entre a primeira e a segunda prateleira da geladeira em posição vertical na área central do equipamento. Termômetro digital: Após cada leitura e registro das temperaturas máxima, mínima e de momento, pressionar o botão RESET (novo ciclo de aferição.) Quando for observada qualquer alteração, anotar no mapa, no item observações e comunicar o fato ao responsável para adoção das medidas indicadas ao caso.

10 Organização Interna do refrigerador Orientações gerais Na primeira prateleira armazenar as vacinas que podem ser submetidas à temperatura negativa (VOP, SR ou SRC, FA) Na segunda prateleira armazenar as vacinas que NÃO podem ser submetidas à temperatura negativa (dt, DTP, Hepatite B, Hib, influenza, BCG, Pneumococo, VIP, contra a raiva humana) na terceira prateleira colocar diluentes e/ou soros, tendo o cuidado de permitir a circulação do ar entre os mesmos, e entre as paredes da geladeira

11 Organização Interna do refrigerador Imunização Orientações gerais Manter a porta do congelador, a bandeja de degelo e a gaveta de legumes SEM tampa. Preencher a gaveta de legumes com um número suficiente de garrafas com água e corante (tampadas), Recomenda-se um número mínimo de três garrafas de 1 litro. Não substituir as garrafas por bobinas de gelo reutilizável. fazer a leitura da temperatura, diariamente, no início da jornada de trabalho e no final do dia e anotar no formulário de controle diário de temperatura

12 Organização Interna do refrigerador Imunização Orientações gerais fazer degelo e a limpeza a cada 15 dias ou quando a camada de gelo for superior a 0,5 cm; usar tomada exclusiva, instalada a 1,30 m (NBR nº 5.410) do piso, para cada equipamento; instalar distante de fonte de calor, sem incidência de luz solar direta, em ambiente climatizado, bem nivelada e afastada 20 cm da parede e 40 cm entre equipamentos;

13 Organização Interna do refrigerador Orientações gerais colocar na base da geladeira suporte com rodas; não armazenar outros materiais (produtos e materiais de laboratório, odontológicos, medicamentos, alimentos, bebidas, etc.);

14 IMUNIZAÇÃO Após a limpeza: Ligar o refrigerador Recolocar o termômetro, as garrafas e o gelo reciclável ou em sacos plásticos Manter as portas fechadas por uma hora Verificar se após esse tempo a temperatura está entre +2ºC e +8ºC Recolocar as vacinas e soros nos seus devidos lugares. Obs: Falta de energia: geladeira fechada (6 hs) Caixa térmica (8hs)

15 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO O objetivo final da rede de frio é assegurar que todos o simunobiológicos administrados mantenham suas características iniciais a fim de conferir imunidade, haja vista que são produtos termolábeis. Nesse sentido: (A) A rede de frio constitui o processo de fabricação, armazenamento, conservação, manuseio, distribuição e transporte dos imunobiológicos utilizados no Programa Nacional de Imunização (PNI).

16 QUESTÃO DE CONCURSO IMUNIZAÇÃO (B) A rede de frio é composta hierarquicamente de cinco instâncias: Central Nacional de Distribuição de Insumos, Central Regional Estadual, Central Estadual, Central Regional Municipal e Local. (C) Os imunobiológicos são conservados entre +2 ºC e+ 8 ºC na instância local, em refrigeradores do tipo doméstico ou em caixas térmicas devidamente refrigeradas por bobinas de gelo. (D) A verificação da temperatura dos equipamentos da rede de frio, nas instâncias nacional, estadual e local, deve ser feita pelo menos quatro vezes ao dia, distribuídas entre o início e o final da jornada matutina e vespertina.

17 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO Item correto: (C) Os imunobiológicos são conservados entre +2 ºC e+ 8 ºC na instância local, em refrigeradores do tipo doméstico ou em caixas térmicas devidamente refrigeradas por bobinas de gelo.

18 IMUNIZAÇÃO Vacinas Atenuadas Produzidas por cultivo e PURIFICAÇÃO DE MICROORGANISMOS para ELIMINAR SUA PATOGENICIDADE, mantendo, suas características de imunogenicidade. Ex.: sarampo, caxumba, rubéola, poliomielite oral (tipo Sabin), febre amarela e BCG. Vacinas Inativadas MICROORGANISMOS MORTOS. Ex.: poliomielite inativada (tipo Salk), influenza, difteria, tétano, coqueluche e raiva.

19 IMUNIZAÇÃO Vacinas Conjugadas Frações de MICROORGANISMOS PURIFICADAS e CONJUGADAS, por meio de LIGAÇÃO QUÍMICA, COM PROTEÍNAS (toxóides, tetânico ou diftérico), de forma a POTENCIALIZAR A RESPOSTA IMUNE. Ex.: Haemophilus influenzae tipo b conjugada (Hib) e a vacina contra Neisseria meningitidis tipo C conjugada. Vacinas Recombinantes MICROORGANISMO GENETICAMENTE MODIFICADO, CODIFICA UMA PROTEÍNA PROTETORA. Ex.: contra a hepatite B.

20 IMUNIZAÇÃO Vacinas Combinadas Resultam da COMBINAÇÃO DE VACINAS NA AGREGAÇÃO DE DOIS OU MAIS MICROORGANISMOS atenuados, microorganismos inativados ou antígenos purificados combinados no processo de fabricação ou imediatamente antes da administração. Ex.: tríplice bacteriana (DTP), a vacina tríplice viral (SRC), a vacina Pentavalente (DTP + Hib + HB) e Haemophilus influenzae tipo b.

21 IMUNIZAÇÃO CUIDADOS COM IMUNOBIOLÓGICOS Prazo de validade Diluição Tempo de Validade após diluição Conservação (Temperatura) Coloração da Vacina Transporte Armazenamento Dose

22 IMUNIZAÇÃO As vacinas que integram a rotina de vacinação do PNI são as seguintes: Vacina BCG; Vacina hepatite B (recombinante) hepatite B; Vacina adsorvida hepatite A (inativada) hepatite A; Vacina poliomielite 1, 2 e 3 (atenuada) VOP;

23 IMUNIZAÇÃO As vacinas que integram a rotina de vacinação do PNI são as seguintes: Vacina poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) VIP; Vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis, hepatite B recombinante) e Haemophilus influenzae b (conjugada) penta; Vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis DTP;

24 IMUNIZAÇÃO As vacinas que integram a rotina de vacinação do PNI são as seguintes: Vacina adsorvida difteria e tétano adulto dt; Vacina rotavírus humano G1P1 (atenuada) VORH ; Vacina febre amarela (atenuada) FA; Vacina sarampo, caxumba e rubéola tríplice viral;

25 IMUNIZAÇÃO As vacinas que integram a rotina de vacinação do PNI são as seguintes: Vacina sarampo, caxumba, rubéola e varicela (atenuada) tetra viral; Vacina meningocócica C (conjugada) meningo C; Vacina pneumocócica 10-valente (conjugada) pneumo 10; Vacina varicela (atenuada);

26 IMUNIZAÇÃO As vacinas que integram a rotina de vacinação do PNI são as seguintes: Vacina influenza (inativada); Vacina papilomavírus humano 6, 11, 16 e 18 (recombinante) HPV.

27 Vacina BCG (bacilo de Calmette e Guérin) Proteção: contra as formas graves da tuberculose(miliar e meníngea). Composição: bacilos vivos atenuados do Mycobacterium bovis Idade de aplicação: ao nascer (<2kg) Via de administração: 0,1 ML ID, na inserção do deltóide direito. validade depois de aberta: 6 horas

28 Vacina BCG (bacilo de Calmette e Guérin) Esquema vacinal: população em geral: dose única revacinar apenas uma vez em caso de não haver cicatrização vacinal, intervalo 6 meses da vacinação anterior;

29 Vacina BCG comunicantes de hanseníase > 1 ano: < de 1 ano não vacinados- administrar 1 dose. Vacinados - não administrar outra dose vacinados que não apresentam cicatriz vacinal - administrar uma dose de BCG após seis meses após a última dose. comunicantes de hanseníase < 1 ano: < de 1 ano sem cicatriz: administrar 1 dose. Vacinados com 1 dose - administrar outra dose de BCG após seis meses após a última dose. vacinados com duas doses- não administrar outra dose de BCG.

30 Vacina BCG Indivíduos expostos ao HIV: Crianças filhas de mãe HIV positiva podem receber a vacina o mais precocemente possível até os 18 meses de idade, se assintomáticas e sem sinais de imunodeficiência; Crianças com idade entre 18 meses e 4 (quatro) anos 11 meses e 29 dias, não vacinadas, somente podem receber a vacina BCG após sorologia negativa para HIV (revacinação é contraindicada)

31 Vacina BCG A partir dos 5 (cinco) anos de idade, indivíduos portadores de HIV não devem ser vacinados, mesmo que assintomáticos e sem sinais de imunodeficiência.

32 Vacina BCG Notas: A lesão vacinal evolui da seguinte forma: Imunização após a administração, de 3 a 4 semanas, surge um nódulo (caroço) no local; entre 4 a 5 semanas, o nódulo evolui para uma pústula (ferida com pus); em seguida, evolui para uma úlcera (ferida aberta) de 4 a 10 mm de diâmetro; e entre 6 a 12 semanas, finalmente, forma-se uma crosta (ferida com casca em processo de cicatrização).

33 Vacina BCG Notas: Cuidados com a lesão: - não cubra a úlcera que resulta da evolução normal da lesão vacinal; - não faça uso de compressas; - o local deve ser sempre limpo; - não é necessário colocar qualquer medicamento nem realizar curativo.

34 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO Sobre a vacina BCG, assinale a alternativa correta. (A) A vacina BCG é administrada com a finalidade principal de prevenir as formas graves da meningite. (B) A idade de vacinação recomendada é a partir de 02 meses de vida, ou peso superior a 3,0 kg.

35 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO Sobre a vacina BCG, assinale a alternativa correta. (C) A vacina BCG é preparada com vírus vivos, a partir de cepas atenuadas do Mycobacterium bovis. (D) Na ausência da cicatriz vacinal é indicada a revacinação seis meses após a primeira dose. (E) A realização do teste tuberculínico é indispensável, antes da administração da vacina BCG.

36 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO Item correto: (D) Na ausência da cicatriz vacinal é indicada a revacinação seis meses após a primeira dose.

37 Vacina adsorvida hepatite A (inativada) Proteção: contra Hepatite A Composição: vírus inteiro, inativado, altamente purificado(inativada) Idade de aplicação: 12 meses até menores de 2 anos (1 ano, 11 meses e 29 dias) Via de administração: 0,5 ml, via intramuscular, no músculo deltoide. Não deve ser administrada por via intravenosa, intradérmica ou subcutânea.

38 Vacina adsorvida hepatite A (inativada) Esquema vacinal: dose única O PNI irá monitorar a situação epidemiológica da hepatite A, visando a definição de inclusão ou não de uma segunda dose desta vacina no calendário da criança.

39 Vacina contra Hepatite B Proteção: contra Hepatite B Composição: antígeno de superfície do vírus (recombinante) Idade de aplicação: ao nascer (>2kg). Até 49 anos população geral e indígena sem limite de idade. Via de administração: 0,5 ml até os 19 anos de idade e 1mL a partir de 20 anos, via intramuscular.

40 Vacina contra Hepatite B Esquema vacinal: ao nascer, preferencialmente nas primeiras 12 horas após o nascimento, até 30 dias após o nascimento. Criança: completar o esquema de vacinação contra hepatite B com a vacina pentavalente aos 2, 4 e 6 meses através da pentavalente (criança). Adolescente, adulto, idoso e gestante: 3 doses,no dia 0, 30 e 180 (0,1 e 6 meses)

41 Vacina contra Hepatite B Para crianças que iniciam esquema vacinal a partir de 1 (um) mês de idade até 4 (quatro) anos 11 meses e 29 dias: administrar 3 (três) doses da vacina penta, com intervalo de 60 dias entre as doses, mínimo de 30 dias. Nunca reiniciar esquema de vacinação. Para gestantes: administrar 3 (três) doses da vacina hepatite B, considerando o histórico de vacinação anterior após 1º trimestre gestacional.

42 Vacina contra Hepatite B Em recém-nascidos de mães portadoras da hepatite B: administrar a vacina e a imunoglobulina humana antihepatite B, preferencialmente nas primeiras 12 horas, podendo a imunoglobulina ser administrada no máximo até 7 (sete) dias de vida. Para indivíduos integrantes dos grupos vulneráveis: administrar 3 (três) doses com intervalo de 30 dias entre a primeira e a segunda doses e de 6 (seis) meses entre a primeira e a terceira doses. Considerar a história vacinal anterior. (0,30,180)

43 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO De acordo com o atual calendário de vacinação do Ministério da Saúde, é correto afirmar que a criança, ao nascer, deve receber a vacina contra a (A) hepatite B. (B) febre amarela. (C) varicela. (D) rubéola. (E) poliomielite. Imunização

44 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO De acordo com o atual calendário de vacinação do Ministério da Saúde, é correto afirmar que a criança, ao nascer, deve receber a vacina contra a (A) hepatite B. (B) febre amarela. (C) varicela. (D) rubéola. (E) poliomielite. Imunização

45 Pentavalente Proteção: difteria, tétano, pertussis, hepatite B (recombinante) e Haemophilus influenzae B (conjugada) Composição: vacina combinada Idade de aplicação: A partir de 2 meses Via de administração: 0,5mL, IM Esquema vacinal: 3 (três) doses, aos 2 (dois), 4 (quatro) e 6 (seis) meses de idade, com intervalo de 60 dias entre as doses.

46 Pentavalente Considerar o intervalo mínimo de 30 dias entre as doses apenas para as crianças acima de 6 (seis) meses de idade. Na rotina dos serviços, em crianças de até 4 (quatro) anos 11 meses e 29 dias, que vão iniciar esquema vacinal, administrar 3 (três) doses com intervalo de 60 dias entre as doses, mínimo de 30 dias.

47 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO A vacina pentavalente, introduzida no Programa Nacional de Imunizações (PNI) em 2012, é: (A) Indicada para imunização ativa de crianças a partir de dois meses até dez anos de idade contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e doenças causadas por Haemophilusinfluenzae tipo b. (B) Composta de toxoides de difteria e tétano, suspensão celular inativada de Bordetellapertussis, antígeno de superfície do vírus da hepatite B e oligossacarídeos conjugados de Haemophilusinfluenzae do tipo b.

48 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO A vacina pentavalente, introduzida no Programa Nacional de Imunizações (PNI) em 2012, é: (C) Administrada em dose de 0,4 ml, por via intramuscular, no vasto lateral da coxa e no dorso glúteo, em crianças menores de dois anos de idade e na região deltoide nas crianças acima de dois anos de idade. (D) Recomendada pelo Ministério da Saúde, uma vez que a coadministração de múltiplos antígenos em uma única injeção potencializa a imunogenicidade e não apresenta reatogenicidade.

49 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO Item correto (B) Composta de toxoides de difteria e tétano, suspensão celular inativada de Bordetellapertussis, antígeno de superfície do vírus da hepatite B e oligossacarídeos conjugados de Haemophilusinfluenzae do tipo b.

50 POLIOMIELITE (VIP) Proteção: Poliomielite Composição: cepas inativadas (mortas) dos três tipos (1, 2 e 3) de poliovírus. Idade de aplicação: A partir de 2 meses Via de administração: IM, dose de 0,5 ml da vacina Esquema vacinal: 2, 4 meses. indicado para as crianças até 4 (quatro) anos 11 meses e 29 dias. Tempo de validade depois de aberta: 6 horas

51 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO Se armazenada em condições adequadas após aberta, a vacina inativada poliomielite (VIP) pode ser utilizada por até (A) 01 hora. (B) 02 horas. (C) 04 horas. (D) 06 horas. (E) 08 horas.

52 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO Se armazenada em condições adequadas após aberta, a vacina inativada poliomielite (VIP) pode ser utilizada por até (A) 01 hora. (B) 02 horas. (C) 04 horas. (D) 06 horas. (E) 08 horas.

53 POLIOMIELITE (VOP) Proteção: Poliomielite Composição: Contém os 3 tipos de poliovírus vivos atenuados Idade de aplicação: A partir de 6 a > 5 anos Via de administração: Oral, dose de 0,1 ml (2 gotas). Esquema vacinal: dose 6 e reforço 15 meses a > 5 anos (campanhas). Tempo de validade depois de aberta: 5 dias

54 POLIOMIELITE (VOP) Imunização Para não contaminar o bico da bisnaga, evitar que o bico tenha contato com a boca do usuário. Caso isso aconteça, despreze o restante das doses,

55 POLIOMIELITE (VOP) Indivíduos com 5 (cinco) anos de idade ou mais : Sem comprovação vacinal: administrar 3 (três) doses da VOP Com esquema incompleto: completar esquema com a VOP; Não há necessidade de reforço. Repetir a dose se a criança regurgitar, cuspir ou vomitar. contraindicada para crianças imunodeprimidas, contato de pessoa HIV positivo ou com Aids, histórico de paralisia flácida associada à dose anterior da VOP.

56 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO No que se refere à vacina inativada poliomielite (VIP) e a vacina oral contra poliomielite (VOP), informe se é verdadeiro (V) ou falso (F) o que se afirma a seguir e assinale a alternativa com a sequência correta. ( ) A Vacina oral contra poliomielite (VOP) foi retirada do calendário infantil de imunizações, pois foi substituída pela vacina inativada poliomielite (VIP). ( ) Está indicada para a imunização passiva contra a poliomielite causada pelos três sorotipos (1,2 e 3) a partir dos 4 meses de idade. ( ) O Programa Nacional de Imunizações recomenda que a vacina poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) não seja administrada simultaneamente com a vacina de Rotavírus. ( ) A vacina inativada poliomielite não deve ser usada em controle de surtos da doença se a vacina oral poliomielite estiver disponível.

57 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO No que se refere à vacina inativada poliomielite (VIP) e a vacina oral contra poliomielite (VOP), informe se é verdadeiro (V) ou falso (F) o que se afirma a seguir e assinale a alternativa com a sequência correta. (A) F F V V. (B) V V F F. (C) F V F V. (D) V V V F. (E) F F F V.

58 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO No que se refere à vacina inativada poliomielite (VIP) e a vacina oral contra poliomielite (VOP), informe se é verdadeiro (V) ou falso (F) o que se afirma a seguir e assinale a alternativa com a sequência correta. (A) F F V V. (B) V V F F. (C) F V F V. (D) V V V F. (E) F F F V.

59 ROTAVÍRUS (VORH) Proteção: Rotavírus Composição: vírus isolados de humanos e atenuada. Idade de aplicação: a partir de 1m e 15 d Via de administração: Oral, dose de 1,5 ml Esquema vacinal: 02 doses; 2meses (1m e 15 d a 3 m e 15d) e 4meses (3 m e 15d a 7m e 29d). Intervalo mínimo de 30 dias entre as doses.

60 ROTAVÍRUS (VORH) Se a criança regurgitar, cuspir ou vomitar após a vacinação, não repetir a dose. Nenhuma criança poderá receber a segunda dose sem ter recebido a primeira. Esta vacina é contraindicada para crianças com imunodepressão severa ou que tenham histórico de invaginação intestinal ou com malformação congênita não corrigida do trato gastrointestinal.

61 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO A vacina oral de rotavírus humana (VORH) é dirigida a população menor de 8 meses de idade. A primeira e segunda dose deve ser administrada preferencialmente: a) 1ºdose: entre 1 mês e 15 dias à 3 meses e 7 dias e 2º dose: 3 meses e 7 dias à 5 meses e 15 dias. b) 1ºdose: entre 1 mês e 15 dias à 3 meses e 15 dias e 2º dose: 3 meses e 15 dias à 7 meses e 29 dias.

62 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO A vacina oral de rotavírus humana (VORH) é dirigida a população menor de 8 meses de idade. A primeira e segunda dose deve ser administrada preferencialmente: c) 1ºdose: entre 1 mês à 3 meses e 7 dias e 2º dose: 3 meses e 7 dias à 5 meses e 7 dias. d) 1ºdose: entre 1 mês e 15 dias à 3 meses e 2º dose: 3 meses e 7 dias à 7 meses e 29 dias.

63 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO Item correto: b) 1ºdose: entre 1 mês e 15 dias à 3 meses e 15 dias e 2º dose: 3 meses e 15 dias à 7 meses e 29 dias.

64 MENINGOCOCO C Proteção: prevenir as doenças provocadas pela bactéria Neisseria meningitidis do sorogrupo C. Composição: Polissacarídeo do meningococo C conjugado a toxóide tetânico ou CRM197. Via de administração: IM, dose de 0,5 ml Esquema vacinal: dose 3, 5 (intervalo entre doses 60 dias, mínimo 30 dias) e reforço 15 meses.

65 MENINGOCOCO C Imunização Crianças que iniciam o esquema básico após 5 (cinco) meses de idade, considerar o intervalo mínimo entre as doses e administrar a dose de reforço com intervalo de 60 dias após a última dose. Crianças entre 12 e 23 meses de idade sem comprovação vacinal, administrar dose única.

66 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO O Calendário Básico de Vacinação da Criança no Brasil indica administrar a vacina meningocócica C da seguinte forma: A) duas doses (1 e 5 anos) e reforço aos 10 anos de idade. B) três doses (1, 2 e 3 meses) e reforço aos 6 meses de idade. C) duas doses (6 e 9 meses) e reforço aos 12 meses de idade. D) duas doses (3 e 5 meses) e reforço 15 meses de idade. E) três doses (2, 4 e 6 meses) e reforço entre 9 e 12 meses de idade.

67 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO O Calendário Básico de Vacinação da Criança no Brasil indica administrar a vacina meningocócica C da seguinte forma: A) duas doses (1 e 5 anos) e reforço aos 10 anos de idade. B) três doses (1, 2 e 3 meses) e reforço aos 6 meses de idade. C) duas doses (6 e 9 meses) e reforço aos 12 meses de idade. D) duas doses (3 e 5 meses) e reforço 15 meses de idade. E) três doses (2, 4 e 6 meses) e reforço entre 9 e 12 meses de idade.

68 PNEUMOCÓCICA 10-VALENTE Proteção: Streptococcus pneumoniae sorotipos 1, 4, 5, 6B, 7F, 9V, 14, 18C, 19F e 23F Composição: sorotipos de pneumococos e conjugada com a proteína D de Haemophilus influenzae e carreadores de toxóide diftérico (DT) e de toxóide tetânico (TT ou T) Idade de aplicação: A partir de 2 meses Via de administração: IM, dose de 0,5 ml

69 PNEUMOCÓCICA 10-VALENTE Esquema vacinal: 2, 4 e 6 e reforço 12 meses. Administrar o reforço com intervalo mínimo de 60 dias após a última dose em crianças que iniciam o esquema básico após 6 (seis) meses de idade. Crianças entre 12 e 23 meses de idade sem comprovação vacinal, administrar dose única. Pode ser administrada simultaneamente, ou com qualquer intervalo, com outras vacinas do calendário.

70 QUESTÃO DE CONCURSO - PNEUMOCÓCICA 10-VALENTE Ao chegar à sala de vacina de uma unidade básica de saúde, a senhora M.N.J. entregou o cartão de vacina de seu filho de 6 meses de idade na sala de imunização da referida sala para perguntar quais vacinas sua criança deverá tomar. Sabendo que as vacinas anteriores a estas estão todas atualizadas, qual deverá ser a resposta do enfermeiro levando-se em conta o calendário vacinal do Ministério da Saúde:

71 QUESTÃO DE CONCURSO - PNEUMOCÓCICA 10-VALENTE (A) 3ª dose da pentavalente; 2ª dose pólio (vop) e 3ª dose rotavírus. (B) 3ª dose da pentavalente; 3ª dose pólio (vop) e 3ª dose meningocócica. (C) 3ª dose da pentavalente; 2ª dose pólio (vop) e 3ª dose pneumocócica. (D) 3ª dose da pentavalente; 3ª dose pólio (vop) e 3ª dose pneumocócica. (E) 2ª dose da pentavalente; 2ª dose pólio (vop) e 3ª dose pneumocócica.

72 QUESTÃO DE CONCURSO - PNEUMOCÓCICA 10-VALENTE (A) 3ª dose da pentavalente; 2ª dose pólio (vop) e 3ª dose rotavírus. (B) 3ª dose da pentavalente; 3ª dose pólio (vop) e 3ª dose meningocócica. (C) 3ª dose da pentavalente; 2ª dose pólio (vop) e 3ª dose pneumocócica. (D) 3ª dose da pentavalente; 3ª dose pólio (vop) e 3ª dose pneumocócica. (E) 2ª dose da pentavalente; 2ª dose pólio (vop) e 3ª dose pneumocócica.

73 QUESTÃO DE CONCURSO Uma criança de quatro meses de idade deve ser vacinada com (A) vacina pentavalente, pneumocócica10, poliomielite e rotavírus. (B) vacina meningocócica, pneumocócica10 e rotavírus. (C) vacina pentavalente, pneumocócica10, poliomielite e meningocócica. (D) vacina pentavalente, meningocócica, poliomielite e rotavírus. (E) vacina meningocócica, pneumocócica10, rotavírus. Imunização poliomielite e

74 QUESTÃO DE CONCURSO Uma criança de quatro meses de idade deve ser vacinada com (A) vacina pentavalente, pneumocócica10, poliomielite e rotavírus. (B) vacina meningocócica, pneumocócica10 e rotavírus. (C) vacina pentavalente, pneumocócica10, poliomielite e meningocócica. (D) vacina pentavalente, meningocócica, poliomielite e rotavírus. (E) vacina meningocócica, pneumocócica10, poliomielite e rotavírus.

75 Vacina contra Febre Amarela Proteção: contra a Febre Amarela Composição: vírus vivos atenuados Idade de aplicação: 9 meses de idade Via de administração: SC, dose de 0,5 ml Esquema vacinal: conforme quadro a seguir Tempo de validade depois de aberta: 6 horas Imunização

76 Vacina contra Febre Amarela Indicação Crianças de 6 meses a 9 meses de idade incompletos Esquema Imunização A vacina está indicada somente em situações de emergência epidemiológica, vigência de surtos, epidemias ou viagem inadiável para área de risco de contrair a doença. Crianças de 9 meses até 4 anos 11 meses e 29 dias de idade Pessoas a partir de 5 anos de idade, que receberam uma dose da vacina antes de completar 5 anos de idade Administrar 1dose aos 9 meses de idade e 1 dose de reforço aos 4 anos de idade, com intervalo mínimo de 30 dias entre as doses. Administrar uma única dose de reforço, com intervalo mínimo de 30 dias entre as doses.

77 Vacina contra Febre Amarela Indicação Pessoas a partir de 5 anos de idade, que nunca foram vacinadas ou sem comprovante de vacinação Imunização Esquema Administrar a primeira dose da vacina e, 10 anos depois, 1 dose de reforço. Pessoas a partir dos 5 anos de idade que receberam 2 doses da vacina Pessoas com 60 anos e mais, que nunca foram vacinadas ou sem comprovante de vacinação Considerar vacinado. Não administrar nenhuma dose. O médico deverá avaliar o benefício e o risco da vacinação, levando em conta o risco da doença e o risco de eventos adversos nessa faixa etária ou decorrentes de comorbidades.

78 Vacina contra Febre Amarela Indicação estantes, independentemente do estado vacinal Mulheres que estejam amamentando crianças com até 6 meses de idade, independentemente do estado vacinal Esquema A vacinação está contraindicada. Na impossibilidade de adiar a vacinação, como em situações de emergência epidemiológica, vigência de surtos, epidemias ou viagem para área de risco de contrair a doença, o médico deverá avaliar o benefício e o risco da vacinação. A vacinação não está indicada, devendo ser adiada até a criança completar 6 meses de idade. Na impossibilidade de adiar a vacinação, como em situações de emergência epidemiológica, vigência de surtos, epidemias ou viagem para área de risco de contrair a doença, o médico deverá avaliar o benefício e o risco da vacinação. Em caso de mulheres que estejam amamentando e receberam a vacina, o aleitamento materno deve ser suspenso preferencialmente por 28 dias após a vacinação (com um mínimo de 15 dias).

79 Vacina contra Febre Amarela Viajantes Indicação Esquema Viagens internacionais: seguir as recomendações do Regulamento Sanitário Internacional (RSI). Viagens para áreas com recomendação de vacina no Brasil: vacinar, pelo menos 10 dias antes da viagem, no caso de primeira vacinação. O prazo de 10 dias não se aplica no caso de revacinação.

80 Vacina contra Febre Amarela Contraindicada para crianças menores de 6 (seis) meses de idade. Em situação de surto, a dose inicial deve ser antecipada para 6 (seis) meses de idade. Caso a mulher receba inadvertidamente a vacina durante o aleitamento materno este deve ser suspenso 28 dias após a vacinação e no mínimo 15 dias. Não administrar simultaneamente com a vacina tríplice viral e tetra viral, estabelecendo o intervalo mínimo de 30 dias.

81 Vacina contra Febre Amarela Indicada para residentes ou viajantes para as áreas com recomendação da vacina (pelo menos 10 dias anteriores da data da viagem): todos os estados das regiões Norte e Centro Oeste; Minas Gerais e Maranhão; alguns municípios dos estados do Piauí, Bahia, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Indicada também para pessoas que se deslocam para países em situação epidemiológica de risco.

82 Vacina contra Febre Amarela Esta vacina não está indicada para: gestantes, mulheres que estejam amamentando crianças de até 6 (seis) meses de idade indivíduos com 60 anos e mais que ainda não receberam a vacina febre amarela e vai recebê-la a primeira vez.

83 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO Se armazenada em condições adequadas após aberta, a vacina inativada poliomielite (VIP) pode ser utilizada por até (A) 01 hora. (B) 02 horas. (C) 04 horas. (D) 06 horas. (E) 08 horas.

84 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO Se armazenada em condições adequadas após aberta, a vacina inativada poliomielite (VIP) pode ser utilizada por até (A) 01 hora. (B) 02 horas. (C) 04 horas. (D) 06 horas. (E) 08 horas.

85 Vacina Tríplice Viral Imunização Proteção: contra sarampo, rubéola e caxumba Composição: vírus vivos atenuados Idade de aplicação: a partir de 12 meses Via de administração: SC, dose de 0,5 ml Esquema vacinal: dose única, 12 meses. Para indivíduos de 12 meses a 19 anos de idade: administrar 2 (duas) doses, conforme situação vacinal encontrada. Entre 20 e 49 anos 1 (uma). Tempo de validade depois de aberta: 8 horas

86 Vacina Tríplice Viral Esta vacina é contraindicada para gestantes e imunodeprimidos. Mulheres em idade fértil devem evitar a gravidez até 1 ( um) mês após a vacinação. Em situação de bloqueio vacinal em crianças menores de 12 meses, administrar 1 (uma) dose entre 6 (seis) meses e 11 meses de idade e manter o esquema vacinal. Em caso de esquema vacinal incompleto completar o esquema, de acordo com a faixa etária.

87 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO A vacina tríplice viral (SCR) do Programa Nacional de Imunização deve ser aplicada em pessoas maiores de 20 anos com o seguinte esquema: A) Dose única. B) 2 doses, com intervalo de 30 dias. C) 2 doses, com intervalo de 60 dias. D) 3 doses, com intervalos de 30 e 60 dias. E) 3 doses, com intervalos de 60 dias cada.

88 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO A vacina tríplice viral (SCR) do Programa Nacional de Imunização deve ser aplicada em pessoas maiores de 20 anos com o seguinte esquema: A) Dose única. B) 2 doses, com intervalo de 30 dias. C) 2 doses, com intervalo de 60 dias. D) 3 doses, com intervalos de 30 e 60 dias. E) 3 doses, com intervalos de 60 dias cada.

89 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO São vacinas aplicadas de acordo com o calendário vacinal no 2º mês de idade, EXCETO: A) SCR. B) Rotavírus. C) Pneumocócica 10v. D) Poliomielite. E) Pentavalente.

90 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO São vacinas aplicadas de acordo com o calendário vacinal no 2º mês de idade, EXCETO: A) SCR. B) Rotavírus. C) Pneumocócica 10v. D) Poliomielite. E) Pentavalente.

91 Vacina Tretra Viral Proteção: contra sarampo, rubéola, caxumba e varicela Composição: vacina combinada Idade de aplicação: 15 meses Via de administração: SC, dose de 0,5 ml Esquema vacinal: Administrar 1 (uma) dose exclusivamente aos 15 meses de idade, em crianças que já tenham recebido a 1ª dose da vacina tríplice viral (corresponde a uma dose de varicela e a 2ª dose da tríplice viral).

92 DTP Proteção: contra Toxóide diftérico, toxóide tetânico e Bordetella pertussis Composição: inativada Via de administração: IM, dose de 0,5 ml. > 7anos Esquema vacinal: reforço 15 meses e 4 anos. Administrar o primeiro reforço com intervalo mínimo de 6 (seis) meses após a última dose do esquema básico (três doses); intervalo mínimo de 6 (seis) meses entre os reforços (> 4 anos)

93 DTP Crianças entre 4 (quatro) anos de idade e 6 (seis) anos 11 meses e 29 dias, sem nenhum reforço, administrar apenas 1 (um) reforço. Crianças entre 5 (cinco) anos de idade até 6 (seis) anos 11 meses e 29 dias, sem histórico de vacinação, devem receber 3 (três) doses com intervalos de 60 dias entre as doses e mínimo de 30 dias. Nos comunicantes domiciliares e escolares de casos de difteria ou coqueluche menores de 7 (sete) anos, atualizar esquema.

94 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO De acordo com o Programa Nacional de Imunização, o 2º reforço da vacina tríplice bacteriana (DTP) em uma criança em dia com o esquema de vacinação deve ser feita em qual idade? A) 4 anos. B) 5 anos. C) 6 meses. D) 9 meses. E) 12 meses.

95 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO De acordo com o Programa Nacional de Imunização, o 2º reforço da vacina tríplice bacteriana (DTP) em uma criança em dia com o esquema de vacinação deve ser feita em qual idade? A) 4 anos. B) 5 anos. C) 6 meses. D) 9 meses. E) 12 meses.

96 Vacina dt Proteção: contra a difteria e o tétano Composição: toxóides tetânico e diftérico Idade de aplicação: a partir de 7 anos. Via de administração: IM profunda, dose de 0,5 ml Esquema vacinal: 3 doses com intervalo ideal de 60 dias (mínimo 30 dias) entre as mesmas; e reforço a cada 10 anos por toda a vida.

97 Vacina dt Indivíduos sem comprovação vacinal para difteria e tétano, administrar 3 (três) doses com intervalo de 60 dias entre as doses, mínimo de 30 dias. Mulheres grávidas: administrar a vacina considerando o histórico vacinal para difteria e tétano. A última dose ou reforço deve ser administrada pelo menos 20 dias antes da data provável do parto

98 Vacina dt Gestante com comprovação vacinal de 3 (três) doses de vacina com componente tetânico, sendo a última dose feita há mais de 5 (cinco) anos, administrar 1 (um) reforço. Em casos de ferimentos graves, comunicantes de casos de difteria ou gestação, antecipar a dose quando a última foi administrada há mais de 5 (cinco) anos.

99 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO De acordo com a Portaria MS 1498/2013, faz parte do calendário nacional de vacinação do idoso reforço, a cada 10 anos, de (A) vacina hepatite B (recombinante). (B) vacina adsorvida difteria e tétano adulto. (C) vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis, hepatite B (recombinante) e Haemophilus influenzae B (conjugada). (D) vacina febre amarela (atenuada). (E) vacina pneumoco cica 10-valente (conjugada).

100 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO De acordo com a Portaria MS 1498/2013, faz parte do calendário nacional de vacinação do idoso reforço, a cada 10 anos, de (A) vacina hepatite B (recombinante). (B) vacina adsorvida difteria e te tano adulto. (C) vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis, hepatite B (recombinante) e Haemophilus influenzae B (conjugada). (D) vacina febre amarela (atenuada). (E) vacina pneumoco cica 10-valente (conjugada).

101 Vacina DTpa Vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular) tipo adulto-dtpa Proteção: difteria, tétano e pertussis (acelular) tipo adulto-dtpa Composição: toxóides tetânico e diftérico, Toxoide pertussis Idade de aplicação: aplicação da dose entre as 27ª e a 36ª semanas de gestação até, no máximo, 20 dias antes da data provável do parto. Via de administração: IM, seringas preenchidas monodose de 0,5 ml

102 Vacina DTpa Vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular) tipo adulto-dtpa Esquema vacinal: O esquema de vacinação completo da dupla adulto - dt é de três doses, podendo ser tomada a partir dos 10 anos de idade. O reforço deverá ser dado a cada dez anos. Se a mulher não tomou nenhuma dose da vacina antes de engravidar, é necessário tomar duas doses da dupla adulto, com intervalo de no mínimo 30 dias e complementar com a dtpa.

103 Vacina DTpa Vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular) tipo adulto-dtpa Esquema vacinal: Caso a mulher tenha tomado uma dose da dt antes da gestação, ela deverá reforçar o esquema com mais uma dose da dt e outra da dtpa. Já para as mulheres que se preveniram com duas ou mais doses da dt, recomenda-se a administração de apenas uma dose da dtpa. Mulheres grávidas devem tomar uma dose da dtpa em cada gestação, independente de terem tomado anteriormente na rede privada.

104 Vacina DTpa Vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular) tipo adulto-dtpa Esquema vacinal: Profissionais de saúde que atuam em maternidades e em unidades de internação neonatal (UTI/UCI neonatal) devem tomar a vacina a cada dez anos para a proteção dos recém-nascidos. As gestantes que residem em áreas de difícil acesso poderão ser vacinadas a partir da vigésima (20a ) semana de gestação.

105 Vacina DTpa Imunização

106 Vacina DTpa Imunização

107 Vacina DTpa Imunização

108 Vacina influenza - Gripe Proteção: contra a influenza Composição: dois subtipos do sorotipo A e uma cepa do sorotipo B, de vírus inativados. Via de administração: IM, 2 (duas) doses de 0,25 ml em < 3 anos e 1 (uma) dose de 0,5ml > 3 anos Esquema vacinal: Dose anual

109 Vacina influenza - Gripe Aplicação: crianças a partir de 6 meses, gestantes, puérperas, pessoas com 60 anos de idade e mais, trabalhadores de saúde, população privada de liberdade, indivíduos com comorbidades (de acordo com o informe técnico anual da campanha) e povos indígenas.

110 Vacina influenza - Gripe Imunização

111 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO Na campanha de vacinação para Influenza em 2014, o Ministério da Saúde definiu alguns grupos prioritários para receber a vacina, sendo os citados abaixo, EXCETO (A) adolescentes entre 12 e 19 anos. (B) gestantes e puérperas. (C) população privada de liberdade. (D) povos indígenas.

112 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO Na campanha de vacinação para Influenza em 2014, o Ministério da Saúde definiu alguns grupos prioritários para receber a vacina, sendo os citados abaixo, EXCETO (A) adolescentes entre 12 e 19 anos. (B) gestantes e puérperas. (C) população privada de liberdade. (D) povos indígenas.

113 PNEUMOCÓCICA POLIVALENTE 23 Proteção: 23 sorotipos de Streptococus pneumoniae (sorotipos: 1, 2, 3, 4, 5, 6B, 7F, 8, 9N, 9V, 10A, 11A, 12F, 14, 15B, 17F, 18C, 19A, 19F, 20, 22F, 23F, 33F ) Composição: suspensão de antígenos polissacarídicos purificados. Idade de aplicação: A partir de 2 anos (indígena)

114 PNEUMOCÓCICA POLIVALENTE 23 Via de administração: IM, dose de 0,5 ml Esquema vacinal: Administrar 1 (uma) dose na Campanha, nos indivíduos de 60 anos e mais não vacinados que vivem acamados e ou em instituições fechadas. Administrar 1 (uma) dose adicional 5 (cinco) anos após a dose inicial, uma única vez. Administrar aos 2 anos de idade nos povos indígenas (calendário indígena)

115 VARICELA Proteção: varicela Composição: Vírus de varicela zoster (VVZ) atenuado. Idade de aplicação: a partir de 1 ano (mínimo 9 meses de idade profilaxia pré exposição) Via de administração: SC, dose de 0,5 ml Esquema vacinal: dose única, 4 anos (indígena)

116 Vacina contra o papilomavírus humano (HPV) Proteção: HPV Composição: quadrivalente recombinante é inativada, com os sorotipos 6, 11, 16 e 18. Via de administração: IM - 0,5 ml Esquema vacinal: unidose, aplicadas em intervalos de 0, 6m e 60meses.

117 Vacina contra o papilomavírus humano (HPV) Idade de aplicação: 9 a 13 anos - em 2014: meninas com 11, 12 e 13 anos de idade; - em 2015: meninas com 9, 10 e 11 anos de idade; - a partir de 2016: meninas com 9 anos de idade.

118 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO A prevenção do HPV representa potencial para reduzir a carga de doença cervical e lesões precursoras do câncer de colo de útero. Para isto, o Ministério da Saúde adotou a vacina (A) pentavalente contra HPV que confere proteção contra HPV de baixo risco (HPV 16 e 21) e de alto risco (HPV 56, 28 e 33). (B) quadrivalente contra HPV que confere proteção contra HPV de baixo risco (HPV 6 e 11) e de alto risco (HPV 16 e 18).

119 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO A prevenção do HPV representa potencial para reduzir a carga de doença cervical e lesões precursoras do câncer de colo de útero. Para isto, o Ministério da Saúde adotou a vacina (C) bivalente contra HPV que confere proteção contra HPV de baixo risco (HPV 26) e de alto risco (HPV 33). (D) pentavalente contra HPV que confere proteção contra HPV de baixo risco (HPV 16 e 18) e de alto risco (HPV 12, 15 e 23). (E) monovalente que confere proteção contra HPV de alto risco (HPV 16).

120 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO Item correto (B) quadrivalente contra HPV que confere proteção contra HPV de baixo risco (HPV 6 e 11) e de alto risco (HPV 16 e 18).

121 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO Em 2014, o Ministério da Saúde incluiu a vacina contra o HPV no Calendário Nacional de Vacinação e ela será fornecida gratuitamente, pelo Sistema Único de Saúde. Com relação à vacina do HPV, é correto afirmar que (A) é de dose única e deve ser administrada em meninos e meninas. (B) são duas doses e deve ser administrada apenas em meninas. (C) é de dose única e deve ser administrada apenas em meninas. (D) são três doses e de devem ser administradas apenas em meninas. (E) são três doses e devem se administradas em meninas e meninos.

122 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO Em 2014, o Ministério da Saúde incluiu a vacina contra o HPV no Calendário Nacional de Vacinação e ela será fornecida gratuitamente, pelo Sistema Único de Saúde. Com relação à vacina do HPV, é correto afirmar que (A) é de dose única e deve ser administrada em meninos e meninas. (B) são duas doses e deve ser administrada apenas em meninas. (C) é de dose única e deve ser administrada apenas em meninas. (D) são três doses e de devem ser administradas apenas em meninas. (E) são três doses e devem se administradas em meninas e meninos.

123 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO Com a introdução da vacina contra o HPV no calendário básico de vacinação do Programa Nacional de Imunização, a meta do Ministério da Saúde é de vacinar, na primeira fase da campanha, no ano de 2014, meninas na faixa etária entre A) 6 e 10 anos. B) 8 e 11 anos. C) 9 e 11 anos. D) 9 e 13 anos. E) 11 e 13 anos.

124 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO Com a introdução da vacina contra o HPV no calendário básico de vacinação do Programa Nacional de Imunização, a meta do Ministério da Saúde é de vacinar, na primeira fase da campanha, no ano de 2014, meninas na faixa etária entre A) 6 e 10 anos. B) 8 e 11 anos. C) 9 e 11 anos. D) 9 e 13 anos. E) 11 e 13 anos.

125 Reforço

126 avaliar

127 avaliar

128

129

130

131

132

133

134

135 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO O calendário nacional de vacinação dos povos indígenas inclui a vacina de rotavírus humano G1P1 [8] (atenuada), com a administração da 1a e 2a doses, respectivamente, com qual idade? (A) Ao nascer e 3 meses. (B) 2 meses e 4 meses. (C) 2 meses e 6 meses. (D) 6 meses e 1 ano. (E) 9 meses e 15 meses.

136 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO O calendário nacional de vacinação dos povos indígenas inclui a vacina de rotavírus humano G1P1 [8] (atenuada), com a administração da 1a e 2a doses, respectivamente, com qual idade? (A) Ao nascer e 3 meses. (B) 2 meses e 4 meses. (C) 2 meses e 6 meses. (D) 6 meses e 1 ano. (E) 9 meses e 15 meses.

137 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO As vacinas são fundamentais para a saúde pública, prevenindo doenças e reduzindo a mortalidade, evitando a proliferação de epidemias. Marque a alternativa que apresenta doenças que NÃO possuem vacina como prevenção. A) HPV e sarampo. B) Gripe e varicela. C) Tétano e hepatite. D) Dengue e hepatite C. E) Hepatite e febre amarela.

138 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO As vacinas são fundamentais para a saúde pública, prevenindo doenças e reduzindo a mortalidade, evitando a proliferação de epidemias. Marque a alternativa que apresenta doenças que NÃO possuem vacina como prevenção. A) HPV e sarampo. B) Gripe e varicela. C) Tétano e hepatite. D) Dengue e hepatite C. E) Hepatite e febre amarela.

139 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO De acordo com o calendário de vacinação de rotina preconizado pelo Ministério da Saúde as vacinas indicadas no primeiro ano de vida são: A) BCG-ID, Hepatite B, Pentavalente, Poliomielite Inativada, Poliomielite Oral, Rotavírus Humano, Pneumocócica 10, Meningocócica C, Febre Amarela, Tríplice Viral; B) BCG-ID, Hepatite B, Poliomielite Oral, Tríplice Bacteriana, Rotavírus Humano, Meningocócica C e Tríplice Viral. C) BCG-ID, Hepatite B, Poliomielite Oral, Pentavalente, Rotavírus Humano, Tríplice Viral e Dupla Infantil; D) BCG-ID, Hepatite B, Poliomielite Oral, Tríplice Bacteriana, Rotavírus Humano, Pneumocócia 10 e Tríplice Viral.

140 QUESTÃO DE CONCURSO - IMUNIZAÇÃO De acordo com o calendário de vacinação de rotina preconizado pelo Ministério da Saúde as vacinas indicadas no primeiro ano de vida são: A) BCG-ID, Hepatite B, Pentavalente, Poliomielite Inativada, Poliomielite Oral, Rotavírus Humano, Pneumocócica 10, Meningocócica C, Febre Amarela, Tríplice Viral; B) BCG-ID, Hepatite B, Poliomielite Oral, Tríplice Bacteriana, Rotavírus Humano, Meningocócica C e Tríplice Viral. C) BCG-ID, Hepatite B, Poliomielite Oral, Pentavalente, Rotavírus Humano, Tríplice Viral e Dupla Infantil; D) BCG-ID, Hepatite B, Poliomielite Oral, Tríplice Bacteriana, Rotavírus Humano, Pneumocócia 10 e Tríplice Viral.

141 IMUNIZAÇÃO Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS FIM

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário Nacional de Vacinação,

Leia mais

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Institui, em todo o território nacional, o Calendário de vacinação para os Povos Indígenas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Agosto - 2012 APRESENTAÇÃO O Sistema Único de Saúde (SUS) altera

Leia mais

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CENTRO DE EPIDEMIOLÓGICA DO PARANÁ PROGRAMA ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO TODO DIA É DIA

Leia mais

Calendário de Vacinas 2011

Calendário de Vacinas 2011 Calendário de Vacinas 2011 Untitled-2 1 4/4/11 4:59 PM Atualizações + atualizações_arquivo.indd 1 2 Atualizações Calendário Básico de Vacinação 2011 Idade Vacina Dose Doenças evitadas Ao nascer BCG-ID

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE FRIO GOIÁS EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DA VACINA INATIVADA POLIOMIELITE

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição; e

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição; e PORTARIA Nº- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 Institui em todo o território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. O MINISTRO

Leia mais

PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 Institui em todo o território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. O MINISTRO

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE Orientador Empresarial Vacinação - Calendário Básico - Criança, Adolescente, Adulto e Idoso Revogação da Portaria

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Central de Atendimento: (61) 3329-8000 Calendário de Vacinação do Prematuro Vacinas BCG ID (intradérmica) Hepatite B (HBV) Pneumocócica conjugada Recomendações

Leia mais

IMPORTANTE. Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C.

IMPORTANTE. Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C. Administração de Imunobiológicos IMPORTANTE Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C. Contra indicações gerais: Imunodeficiência congênita ou adquirida Neoplasias

Leia mais

PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO. Prof. Enf. Hygor Elias

PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO. Prof. Enf. Hygor Elias PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Prof. Enf. Hygor Elias PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI 1973 erradicação da varíola no Brasil e instituição do PNI 1975 instituído o Serviço Nacional de Vigilância Epidemiológica

Leia mais

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família 1º. a 3 de junho de 2004 lourdes.maia@funasa.gov.br PNI. Dados Históricos No Brasil, vacina-se desde 1804. 1973 foi criado um Programa Nacional

Leia mais

Política de Vacinação

Política de Vacinação Rol de s cobertas por esta Política Catapora ou Varicela contra Varicela Biken Crianças de 1 a 12 anos: esquema vacinal em dose única. Pacientes imunocomprometidos: portadores de leucemia linfóide aguda

Leia mais

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NA UNIDADE NEONATAL

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NA UNIDADE NEONATAL USO DE IMUNOBIOLÓGICOS NA ENFERMAGEM UNIDADE NEONATAL Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro A garantia da imunização por meio das vacinas básicas disponibilizadas

Leia mais

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação Rev: 03 Data: 19/07/2010 Página 1 de 5 Anexo I - Rol de Vacinas cobertas por esta Política Vacina Nome da Droga Pré-requisitos para cobertura Documentação necessária Observação Crianças de 1 a 12 anos:

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013 IDADE Ao 2m 3m 4m 5m 6m 7m 12m 15m 18m 4 a 6 11 14 a 16 Nascer anos anos anos BCG ID 1 Hepatite B 2 DTP / DTPa 3 dt/dtpa 4 Hib 5 VIP / VOP 6 Pneumo

Leia mais

CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE

CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE ANTITETÂNICA Indicada para prevenção do tétano. Utilizada para imunização de adultos e idosos, inclusive gestantes (após a 12ª semana). Contraindicação: Não há, exceto àquelas comuns a todas as vacinas:

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Calendário de Vacinação Infantil 2011 1. BCG (contra Tuberculose); 2. Vacina contra Hepatite B;

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI. Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI. Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com HISTÓRIA DO PNI Desde que foi criado, em 18 de setembro de 1973, o PNI tornou-se ação de governo caracterizada

Leia mais

Enfermagem. Imunização 2016

Enfermagem. Imunização 2016 Enfermagem Imunização 2016 Imunização O tema imunização sempre está presente nas provas de enfermagem, sendo complexo de ser estudado em decorrência dos inúmeros detalhes e atualizações constantes. Esta

Leia mais

Vacina Pentavalente. Nomenclatura. Proteção. Forma Farmacêutica Apresentação

Vacina Pentavalente. Nomenclatura. Proteção. Forma Farmacêutica Apresentação Vacina Pentavalente Nomenclatura Proteção Forma Farmacêutica Apresentação Lab. Produtor Composição Indicação Precauções Contra Indicações - Vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis, hepatite B (recombinante)

Leia mais

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012 Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação Brasília - agosto de 2012 18/08/2012 Atualização da Caderneta de Vacinação A campanha será realizada no período de 18 a 24 de agosto Dia da Mobilização

Leia mais

VACINA PENTAVALENTE CADERNO DO TREINANDO

VACINA PENTAVALENTE CADERNO DO TREINANDO SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE DE FRIO Av. Anhanguera, 5195 Setor Coimbra Goiânia GO Fone: (62) 3201-4547/4543 FAX: (62) 3201-4545 E-mail: pnigoias@gmail.com VACINA

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM CALENDÁRIOS VACINAIS Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM VACINA É PARA A VIDA TODA... Oportunidades para a Vacinação criança adolescente adulto Programa infantil Catch up (repescagem)

Leia mais

Curso Completo de Enfermagem para Concursos Aula nº 8 - Imunização

Curso Completo de Enfermagem para Concursos Aula nº 8 - Imunização Curso Completo de Enfermagem para Concursos Aula nº 8 - Imunização O tema imunização sempre está presente nas provas de enfermagem, sendo complexo em decorrência dos inúmeros detalhes e atualizações constantes.

Leia mais

Saúde Naval CARTILHA DA CRIANÇA

Saúde Naval CARTILHA DA CRIANÇA Saúde Naval CARTILHA DA CRIANÇA (0-12 ANOS) DICAS DE VACINAÇÃO O calendário vacinal é uma sequência cronológica de vacinas que se administram sistematicamente às crianças de determinada área ou região.

Leia mais

Sucessos, Desafios e Perspectivas

Sucessos, Desafios e Perspectivas Sucessos, Desafios e Perspectivas Carla Magda A. S. Domingues Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Cenário Epidemiológico 1970 Doença

Leia mais

Atualização Imunização 2017

Atualização Imunização 2017 Atualização Imunização 2017 Sala de Vacina Equipamento distante de fonte de calor e raios solares; Afastar o refrigerador da parede, pelo menos 20 cm; Usar tomada exclusiva para cada equipamento; Temperatura

Leia mais

QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI

QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI 1 - (Concurso CFO/CQ 2003) A criança C.M.B. tem dois meses e foi encaminhada à unidade de saúde para ser vacinada. Já tomou BCG, a primeira e a segunda dose da vacina contra

Leia mais

Sala de Vacina. Afastar o refrigerador da parede, pelo menos 20 cm; Verificar a temperatura 2 vezes ao dia;

Sala de Vacina. Afastar o refrigerador da parede, pelo menos 20 cm; Verificar a temperatura 2 vezes ao dia; Sala de Vacina Equipamento distante de fonte de calor e raios solares; Afastar o refrigerador da parede, pelo menos 20 cm; Usar tomada exclusiva para cada equipamento; Temperatura interna preferencialmente

Leia mais

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DA REDE PÚBLICA DE SANTA CATARINA Última atualização em 05 de janeiro de 2016

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DA REDE PÚBLICA DE SANTA CATARINA Última atualização em 05 de janeiro de 2016 Grupo alvo Idade BCG Hepatite B (1) VIP e VOP (10) Pentavalente Pneumo 10 Rotavírus (2) Meningo C Hepatite A Febre Amarela (3) Tríplice Viral (4) Tetraviral (5) HPV dtpa (8) Influenza (gripe) (9) Dupla

Leia mais

SÍNDROME DE DOWN Diário Oficial do Estado Nº 197, Seção 1 sexta-feira, 17 de outubro de 2014

SÍNDROME DE DOWN Diário Oficial do Estado Nº 197, Seção 1 sexta-feira, 17 de outubro de 2014 Circular 565/2014 São Paulo, 20 de Outubro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) "CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO" PARA OS PORTADORES DA SÍNDROME DE DOWN Diário Oficial do Estado Nº 197, Seção 1 sexta-feira, 17

Leia mais

NOTAS TÉCNICAS. Propostas para 2013. Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS

NOTAS TÉCNICAS. Propostas para 2013. Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS NOTAS TÉCNICAS Propostas para 2013 Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS NT Nº193/2012/ CGPNI/DEVEP/SVS/MS Alteração da idade para

Leia mais

- Vacina monovalente contra a poliomielite (VIP)

- Vacina monovalente contra a poliomielite (VIP) VACINAÇÃO PERTENCENTE AO PNV - A Vacina contra a Tuberculose (BCG) Tipo de vacina: Vacina de bacilos vivos atenuados Mycobacterium bovis : Gravidez Imunodeficiência celular, congénita ou adquirida Tratamentos

Leia mais

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE SUPERITENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÃO E REDE FRIO ESQUEMA VACINAL NOTA INFORMATIVA Nº143/CGPNI/DEVIT/SVS/MS/18/122014

Leia mais

FICHA DE SOLICITAÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS

FICHA DE SOLICITAÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - SUVISA GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE DE FRIO GIRF COORDENAÇÃO DE EAPV/CRIE FICHA DE SOLICITAÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro

Calendário de Vacinação do Prematuro Calendário de Vacinação do Prematuro Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2013/2014 RECOMENDAÇÕES, E CUIDADOS ESPECIAIS BCG ID (1) Deverá ser aplicada, preferencialmente ainda na

Leia mais

Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil

Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil Ana Goretti Kalume Maranhão Programa Nacional de Imunização/Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde ana.goretti@saude.gov.br Programa Nacional

Leia mais

Manual para registro de doses aplicadas no Sistema de Informação online de Avaliação do Programa de Imunizações APIWEB

Manual para registro de doses aplicadas no Sistema de Informação online de Avaliação do Programa de Imunizações APIWEB Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações GT- Análise e Informação em Imunizações Manual para

Leia mais

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ,

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ, VACINAÇÃO DE GESTANTES Isabella Ballalai (MD) Diretora Médica da VACCINI - Clínica de Vacinação Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ Edimilson Migowski (MD, PhD, MSc) Professor Adjunto de

Leia mais

SECRETARIA DE VACINAS ESQUEMA PRIMEIRA VISITA PRIMEIRA DOSE A 3 6 MESES APÓS A A CADA 10 ANOS REFORÇO. 4 Disponível na

SECRETARIA DE VACINAS ESQUEMA PRIMEIRA VISITA PRIMEIRA DOSE A 3 6 MESES APÓS A A CADA 10 ANOS REFORÇO. 4 Disponível na CALENDÁRIO PARA CRIANÇAS ATÉ SEIS ANOS DE IDADE IDADE Ao NASCER BCG 1, 2 2 MESESS 3 MESESS 4 MESESS 5 MESESS VIP 3 + PENTAVALENTE (DTP-Hib-HB) + ROTAVÍRUS 4 PNEUMOCÓCICA 10 VALENTE + MENINGOCÓCICA C VIP

Leia mais

IMUNIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS, CALENDÁRIO VACINAL 2014

IMUNIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS, CALENDÁRIO VACINAL 2014 DISCIPLINA: PEDIATRIA III (PED014) IMUNIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS, CALENDÁRIO VACINAL 2014 Jorge A. Pinto Departamento de Pediatria - FMUFMG Imunização Conceitos básicos Calendário de imunização da criança

Leia mais

Imunizações FUNSACO 2009

Imunizações FUNSACO 2009 Imunizações FUNSACO 2009 Vacinação os primórdios Edward Jenner - maio de 1796 - inoculação de criança de 8anos com material retirado da vesícula de uma paciente com varíola. Semanas após, a criança foi

Leia mais

Protocolo. Vacinação em TCTH

Protocolo. Vacinação em TCTH Protocolo Vacinação em TCTH Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Este protocolo envolve: Vacinação em pacientes e familiares candidatos e tratados com transplante de células-tronco hematopoéticas

Leia mais

Atualização em Rede de Frio. Ulisses P. Figueiredo Subcoordenação de Capacitação

Atualização em Rede de Frio. Ulisses P. Figueiredo Subcoordenação de Capacitação Atualização em Rede de Frio Ulisses P. Figueiredo Subcoordenação de Capacitação Rede de Frio REDE DE FRIO Processo de armazenamento, conservação, manipulação, distribuição e transporte dos imunobiológicos

Leia mais

MENINGOCÓCICA C (CONJUGADA) DOSE < DE1ANO 1ANO 2a4 ANOS 5 a 8ANOS 9 a 12ANOS 13 a 19ANOS 20 a 59ANOS D1 VIP/VOP (SEQUENCIAL) DTP/HB/HIB (PENTA)

MENINGOCÓCICA C (CONJUGADA) DOSE < DE1ANO 1ANO 2a4 ANOS 5 a 8ANOS 9 a 12ANOS 13 a 19ANOS 20 a 59ANOS D1 VIP/VOP (SEQUENCIAL) DTP/HB/HIB (PENTA) IDENTIFICAÇÃO BOLETIM MENSAL DE S APLICADAS SI - API VERSÃO 10 MÊS ANO CÓDIGO DA UNIDADE NOME DA UNIDADE UF REGIONAL CÓDIGO DO MUNICÍPIO NOME DO MUNICÍPIO BCG ROTINA MENOR DE 1 ANO 1 ANO 2 ANOS 3 ANOS

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005.

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. COORDENADORA Prof Dra. Denise Siqueira de Carvalho EQUIPE EXECUTORA

Leia mais

Fabiano Oliveira Novaes DEGUSTAÇÃO. Nadja de Carvalho Moreira

Fabiano Oliveira Novaes DEGUSTAÇÃO. Nadja de Carvalho Moreira 9 A Vacinação na Saúde da Criança e o Papel da Enfermagem PROTENF Ciclo 7 Volume 2 Resumo Amanda Souza Rodrigues Fabiano Oliveira Novaes Maria Inês Corrêa Cárcamo Nadja de Carvalho Moreira Suzana Curtinhas

Leia mais

IMUNIZAÇÕES. Jacy Amaral Freire de Andrade (*)

IMUNIZAÇÕES. Jacy Amaral Freire de Andrade (*) IMUNIZAÇÕES Jacy Amaral Freire de Andrade (*) Imunização é um campo crescente do conhecimento científico que tem exigido um repensar constante do calendário ideal de vacinação, o qual deve ser adaptado

Leia mais

PREMATURO. Recomendações, esquemas e cuidados especiais. Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2014/2015

PREMATURO. Recomendações, esquemas e cuidados especiais. Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2014/2015 Calendário do prematuro Comentários numerados devem ser consultados. Vacinas Recomendações, esquemas e cuidados especiais BCG ID (1) Em recém-nascidos com peso maior ou igual a 2.000 g. Hepatite B (2)

Leia mais

13 RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS CRIES, POR IMUNOBIOLÓGICO

13 RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS CRIES, POR IMUNOBIOLÓGICO 13 RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS CRIES, POR IMUNOBIOLÓGICO Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS)/MS Manual dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais 2014 1 Vacina inativada poliomielite (VIP)

Leia mais

vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única.

vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. 1 vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. A vacina tétano deve ser administrada por via intramuscular. Não utilize a vacina

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone/fax (11) 4742-6674 Desde 1987 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório

Leia mais

IMUNIZAÇÃO. Luisa Gonçalves Dutra de Oliveira 1 HISTÓRICO

IMUNIZAÇÃO. Luisa Gonçalves Dutra de Oliveira 1 HISTÓRICO IMUNIZAÇÃO Luisa Gonçalves Dutra de Oliveira 1 HISTÓRICO Mesmo antes de se reconhecer a similaridade entre o cowpox (doença que acometia os bovinos) e a varíola e de ter sido criada a vacinação, já se

Leia mais

BEPA 2013;10(120):1-15

BEPA 2013;10(120):1-15 Artigo especial Programa Estadual de Imunização De São Paulo 45 anos Pioneirismo, dedicação e compromisso State Immunization Program of São Paulo - 45 years Pioneering spirit, dedication and commitment

Leia mais

VACINAÇÃO PRÉ E PÓS-TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS ADULTO

VACINAÇÃO PRÉ E PÓS-TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS ADULTO VACINAÇÃO PRÉ E PÓS-TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS ADULTO Os candidatos a transplantes de órgão sólidos, os receptores, seus comunicantes domiciliares, os doadores e a equipe assistencial devem ter seus esquemas

Leia mais

Guia Prático de Vacinas 2013

Guia Prático de Vacinas 2013 Guia Prático de Vacinas 2013 Índice 4 7 11 21 27 31 33 37 43 47 51 54 Apresentação Calendário Básico de Vacinação do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde (PNI/MS) 8. Vacina tuberculose

Leia mais

PREMATURO. Recomendações, esquemas e cuidados especiais. Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2014/2015

PREMATURO. Recomendações, esquemas e cuidados especiais. Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2014/2015 Calendário de vacinação do prematuro Comentários numerados devem ser consultados. Vacinas Recomendações, esquemas e cuidados especiais BCG ID (1) Em recém-nascidos com peso maior ou igual a 2.000 g. Hepatite

Leia mais

Preparatório para Concurso do IPASGO

Preparatório para Concurso do IPASGO w w w. i n s t i t u t o c o n s c i e n c i a g o. c o m. b r Preparatório para Concurso do IPASGO Aula: Programa Nacional de Imunização Profª MSc. Marise Ramos de Souza Parte 02 de 03 CALENDÁRIOS BÁSICOS

Leia mais

Mais de 1,2 milhão de visitantes únicos por mês, com mais de 3,5 milhões de visualizações mensais.

Mais de 1,2 milhão de visitantes únicos por mês, com mais de 3,5 milhões de visualizações mensais. Mais de 1,2 milhão de visitantes únicos por mês, com mais de 3,5 milhões de visualizações mensais. O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que assumiu o desafio de ter um Sistema

Leia mais

Quando do reconhecimento do direito ao salário-família, tomar-se-á como parâmetro o salário-de-contribuição da competência a ser pago o benefício.

Quando do reconhecimento do direito ao salário-família, tomar-se-á como parâmetro o salário-de-contribuição da competência a ser pago o benefício. Benefício - Salário-família Resumo: Este procedimento trata do salário família, o seu direito, o pagamento, as condições para o pagamento e os documentos exigidos, o valor da cota, a forma de reembolso

Leia mais

A vacinação com a Pn13, no âmbito do Programa Nacional de Vacinação (PNV), inicia-se no dia 1 de julho de 2015.

A vacinação com a Pn13, no âmbito do Programa Nacional de Vacinação (PNV), inicia-se no dia 1 de julho de 2015. NÚMERO: 008/015 DATA: 01/06/015 ATUALIZAÇÃO 05/06/015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Programa Nacional de Vacinação. Introdução da vacina conjugada de 13 valências contra infeções por Streptococcus

Leia mais

CARTILHA DE VACINAÇÃO. Prevenção não tem idade. Vacine-se!

CARTILHA DE VACINAÇÃO. Prevenção não tem idade. Vacine-se! CARTILHA DE VACINAÇÃO Prevenção não tem idade. Vacine-se! A saúde é o nosso bem mais precioso, e a vacinação é um meio acessível, seguro e efetivo de protegê-la! A vacinação protege não apenas aqueles

Leia mais

Responsável Técnico. Dr. José Geraldo Leite Ribeiro - CRMMG 13231

Responsável Técnico. Dr. José Geraldo Leite Ribeiro - CRMMG 13231 Responsável Técnico Dr. José Geraldo Leite Ribeiro - CRMMG 13231 Esta seção destina-se à consulta rápida de profissionais de saúde que indicam e aplicam vacinas. Não visa esgotar cada um dos temas abordados,

Leia mais

REVISÃO VACINAS 15/02/2013

REVISÃO VACINAS 15/02/2013 1. De acordo com o calendário básico de vacinação, assinale a alternativa que apresenta a(s) vacina(s) que deve(m) ser administrada(s) em um recém nascido. REVISÃO VACINAS a) Somente a BCG. b) BCG e vacina

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2013 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS 20 de outubro de 2012 Centro de Vacinação SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO

Leia mais

IMUNIZAÇÃO. I Introdução

IMUNIZAÇÃO. I Introdução IMUNIZAÇÃO I Introdução A SMSA/BH desenvolve a atividade de imunização em todos os centros de saúde da rede municipal pública e em 10 serviços conveniados, oferecendo à população todas as vacinas preconizadas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSO. Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: POP 01. Técnico de. Organizar a Sala de Vacinas. Diariamente UAPS

GERENCIAMENTO DE PROCESSO. Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: POP 01. Técnico de. Organizar a Sala de Vacinas. Diariamente UAPS GERENCIAMENTO DE PROCESSO Pagina:01 Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: O QUE Organizar a Sala de Vacinas RESULTADO DO PROCESSO Melhoria na qualidade de execução de Executar imunização Imunização na Diariamente

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 35 Departamentos Científicos da SPSP, gestão 2007-2009. Departamento de Pneumologia Infecção respiratória por vírus emergentes Calendário de vacinação 2007 Sociedade

Leia mais

Calendário de Vacinação da Criança

Calendário de Vacinação da Criança Calendário de Vacinação da Criança Calendário Nacional de Vacinação da Criança (PNI) - 2016 (1) BCG - ID Administrar dose única, o mais precocemente possível, preferencialmente nas primeiras 12 horas após

Leia mais

VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS PREVENÍVEIS POR IMUNIZAÇÃO. Profa. Regina Flauzino Disciplina de Epidemiologia IV

VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS PREVENÍVEIS POR IMUNIZAÇÃO. Profa. Regina Flauzino Disciplina de Epidemiologia IV VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS PREVENÍVEIS POR IMUNIZAÇÃO Profa. Regina Flauzino Disciplina de Epidemiologia IV Tópicos Histórico Doenças Preveníveis por Imunização Crianças Adultos Idosos Vacinação para Profissionais

Leia mais

CALENDÁRIO VACINAL Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Imunizações e Rede de Frio

CALENDÁRIO VACINAL Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Imunizações e Rede de Frio CALENDÁRIO VACINAL 2016 Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Imunizações e Rede de Frio CALENDÁRIO VACINAL 2016 Historicamente, diversos calendários de vacinação foram propostos em função

Leia mais

VACINAS A SEREM DISPONIBILIZADAS PARA AS CRIANÇAS MENORES DE CINCO ANOS DE IDADE NA CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO 2016.

VACINAS A SEREM DISPONIBILIZADAS PARA AS CRIANÇAS MENORES DE CINCO ANOS DE IDADE NA CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO 2016. VACINAS A SEREM DISPONIBILIZADAS PARA AS CRIANÇAS MENORES DE CINCO ANOS DE IDADE NA CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO 2016. VACINAS BCG ESQUEMA VACINAL Dose única ao nascer. Disponível para crianças menores de

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Workshop do Programa Nacional de Imunização IV Encontro de Enfermagem em Hematologia e Hemoterapia Secretaria da Saúde do Estado do Ceará

Leia mais

RESUMO DAS INDICAÇÕES DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS E ESQUEMAS RECOMENDADOS PELO CRIE/MINISTÉRIO DA SAÚDE

RESUMO DAS INDICAÇÕES DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS E ESQUEMAS RECOMENDADOS PELO CRIE/MINISTÉRIO DA SAÚDE RESUMO DAS INDICAÇÕES DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS E ESQUEMAS RECOMENDADOS PELO CRIE/MINISTÉRIO DA SAÚDE Procedimentos para Avaliação e Indicação de Imunobiológicos Especiais: 1. Avaliar histórico vacinal

Leia mais

Calendário. ideal para Adolecentes

Calendário. ideal para Adolecentes Calendário SBP - So c i e d a d e Br a s i l e i r a d e Pediatria ideal para Adolecentes D e p a r t a m e n t o d e In f e c t o l o g i a d a SBP Calendário de Vacinação para Crianças - 2008 Idade Vacina

Leia mais

Calendário de Vacinação Ocupacional

Calendário de Vacinação Ocupacional Calendário de Vacinação Ocupacional Central de Atendimento: (61) 3329-8000 Calendário de Vacinaçã Profissionais indicados de acordo Vacinas Esquemas Saúde Alimentos e bebidas Militares policiais e bombeiros

Leia mais

vacina meningocócica AC

vacina meningocócica AC vacina meningocócica AC Forma farmacêutica e apresentação Pó liofilizado injetável. - Cartucho contendo 1 frasco-ampola de uma dose e uma seringa com 0,5 ml de diluente. A vacina meningocócica AC deve

Leia mais

CADERNO TEMÁTICO VERIFICAÇÃO DA SITUAÇÃO VACINAL

CADERNO TEMÁTICO VERIFICAÇÃO DA SITUAÇÃO VACINAL MINISTÉRIO DA SAÚDE CADERNO TEMÁTICO VERIFICAÇÃO DA SITUAÇÃO VACINAL VERSÃO PRELIMINAR Brasília DF 2015 1 Elaboração, distribuição e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento

Leia mais

Calendário de vacinação do prematuro Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2015/2016

Calendário de vacinação do prematuro Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2015/2016 Calendário de vacinação do prematuro Comentários numerados devem ser consultados. Vacinas Recomendações, esquemas e cuidados especiais BCG ID (1) Em recém-nascidos (RNs) com peso maior ou igual a 2.000

Leia mais

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE 2013 IDADE VACINA A PARTIR DO NASCIMENTO 2 MESES BCG 1 HEPATITE B 2 VACINA VIP 3 PENTAVALENTE 7 ROTAVÍRUS

Leia mais

A vacina rotavirus foi lançada no Brasil exclusivamente na rede privada, aplicada em 3 doses

A vacina rotavirus foi lançada no Brasil exclusivamente na rede privada, aplicada em 3 doses rotavírus A vacina rotavirus foi lançada no Brasil exclusivamente na rede privada, aplicada em 3 doses Existem 02 vacinas contra o Rotavírus no Brasil 1. O que é rotavírus? O rotavírus é um vírus da família

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO ADAPTAÇÃO: NÚCLEO DE IMUNIZAÇÕES/DVE/CEVS/SES

INSTRUÇÃO NORMATIVA CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO ADAPTAÇÃO: NÚCLEO DE IMUNIZAÇÕES/DVE/CEVS/SES INSTRUÇÃO NORMATIVA CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO ADAPTAÇÃO: NÚCLEO DE IMUNIZAÇÕES/DVE/CEVS/SES Porto Alegre, junho de 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO ADAPTAÇÃO RIO GRANDE

Leia mais

Vacinação na Saúde do Trabalhador Portuário

Vacinação na Saúde do Trabalhador Portuário II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança na Área Portuário Brasília/DF Vacinação na Saúde do Trabalhador Portuário Cristiane Pereira de Barros Coordenação-Geral do Programa Nacional de Imunizações

Leia mais

SBP - Calendário ideal para a Criança SBP lança Calendário de Vacinação 2008

SBP - Calendário ideal para a Criança SBP lança Calendário de Vacinação 2008 SBP - Calendário ideal para a Criança 2008 SBP lança Calendário de Vacinação 2008 Nota s: 1. A vacina contra hepatite B deve ser aplicada nas primeiras 12 horas de vida. A segunda dose pode ser feita com

Leia mais

ANALISANDO SITUAÇÕES COTIDIANAS EM SALA DE VACINA

ANALISANDO SITUAÇÕES COTIDIANAS EM SALA DE VACINA ANALISANDO SITUAÇÕES COTIDIANAS EM SALA DE VACINA SESAB / SUVISA DIVEP / CEI AS VACINAS CONTRIBUEM PARA AUMENTAR A EXPECTATIVA DE VIDA AO NASCER, ASSIM COMO, MELHORAR A QUALIDADE DE VIDA. ERRADICANDO E

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO ADAPTAÇÃO: NÚCLEO DE IMUNIZAÇÕES/DVE/CEVS/SES

INSTRUÇÃO NORMATIVA CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO ADAPTAÇÃO: NÚCLEO DE IMUNIZAÇÕES/DVE/CEVS/SES INSTRUÇÃO NORMATIVA CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO ADAPTAÇÃO: NÚCLEO DE IMUNIZAÇÕES/DVE/CEVS/SES Porto Alegre, janeiro de 2016 INSTRUÇÃO NORMATIVA CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO ADAPTAÇÃO RIO GRANDE

Leia mais

CRIE CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS

CRIE CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CRIE CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS Os Centros de referência de Imunobiológicos Especiais (CRIE) têm como finalidade facilitar o acesso à população, em especial

Leia mais

VACINA INATIVADA POLIOMIELITE 1, 2 e 3

VACINA INATIVADA POLIOMIELITE 1, 2 e 3 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE FRIO GOIÁS VACINA INATIVADA POLIOMIELITE 1, 2 e 3 agosto / 2012 A doença poliomielite A poliomielite

Leia mais

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA Ao nascer 2 meses 3 meses BCG-ID (2) vacina BCG vacina adsorvida Vacina Inativada poliomielite (VIP - Salk) (4) vacina poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) Vacina

Leia mais

CLINICA PACIORNIK VACINAS PARA VIAJANTES. PREVINA-SE AQUI. FEBRE AMARELA CÓLERA RAIVA

CLINICA PACIORNIK VACINAS PARA VIAJANTES. PREVINA-SE AQUI. FEBRE AMARELA CÓLERA RAIVA FEBRE AMARELA CÓLERA RAIVA CLINICA PACIORNIK VACINAS PARA VIAJANTES. PREVINA-SE AQUI. RUA LOURENÇO PINTO, 65 3015-2015 www.clinicapaciornik.com.br e-mail: centrodevacinas@clinicapaciornik.com.br Transmissão:

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES

RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES MERCOSUL/GMC/RES. N 23/08 RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Resolução N 22/08 do Grupo Mercado Comum. CONSIDERANDO: Que a Resolução

Leia mais

PORTARIA Nº 069 - DGP, DE 17 DE ABRIL DE 2003

PORTARIA Nº 069 - DGP, DE 17 DE ABRIL DE 2003 PORTARIA Nº 069 - DGP, DE 17 DE ABRIL DE 2003 Aprova as Normas Técnicas sobre Vacinação e Uso de Imunobiológicos no Exército. O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO PESSOAL, de acordo com o art. 117 das Instruções

Leia mais

vacina tétano Potência estimada com o limite inferior de confiança em P = 0.95.

vacina tétano Potência estimada com o limite inferior de confiança em P = 0.95. 1 vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. A vacina tétano deve ser administrada por via intramuscular. Não utilize a vacina

Leia mais

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Residência Pediátrica 2014;4(3)(Supl. 1):S10-S22. RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Artigo de revisão: Vacinação da criança e adolescente Immunization of children and the adolescents Aroldo Prohmann de Carvalho 1,

Leia mais

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica 1 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC Av. Dr. Arnaldo, 351-6º andar SP/SP CEP: 01246-000 Fone: (11)3082-0957 Fax:

Leia mais