Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1. Aula 5 SENAC TI Fernando Costa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1. Aula 5 SENAC TI Fernando Costa"

Transcrição

1 Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1 Aula 5 SENAC TI Fernando Costa

2 Agenda Identificar e editar configurações de hardware (/sys, /proc, /dev, modprobe, lsmod, lspci) Dimensionar as partições de disco (/ (raiz), /var, /home, swap, pontos de montagem, partições) Criar partições e sistemas de arquivos (fdisk, mkfs, mkswap) Manutenção da integridade de sistemas de arquivos (du, df, fsck, e2fsck,mke2fs, debugfs, dumpe2fs, tune2fs, xfstools) Controle da montagem e desmontagem do sistema de arquivos (/etc/fstab, /media, mount, umount)

3 101.1 Identificar e editar configurações de hardware /sys /proc /dev modprobe lsmod lspci lsusb

4 /dev O diretório "/dev", que é de longe o exemplo mais exótico de estrutura de diretório no Linux. Todos os arquivos contidos aqui, como, por exemplo, "/dev/sda", "/dev/dsp", "/dev/modem", etc., não são arquivos armazenados no HD, mas sim ponteiros para dispositivos de hardware. O "arquivo" "/dev/mouse" contém as informações enviadas pelo mouse, enquanto o "/dev/dsp" permite acessar a placa de som, por exemplo. Essa organização visa facilitar a vida dos programadores, que podem acessar o hardware do micro simplesmente fazendo seus programas lerem e gravarem em arquivos, deixando que o kernel se encarregue da parte complicada.

5 /dev /dev Dispositivos /dev/hd Discos rígidos /dev/hda1 Primeira partição do disco rígido A /dev/sd Discos SCSI /dev/sdb2 /dev/sda4 Segunda partição do disco rígido SCSI b ZIP drive /dev/fd Disquete /dev/fd0 Disquete a: /dev/null Buraco negro, tudo que é enviado para este dispositivo está perdido para sempre. /dev/tty Terminais /dev/tty1 Terminal 1

6 /proc Complementa o "/dev Não armazena arquivos, mas sim informações sobre o hardware e sobre a configuração do sistema. Estas informações são usadas por utilitários de detecção e configuração do sistema, mas podem ser úteis também quando você quer checar alguma configuração manualmente. O comando "cat /proc/net/dev" mostra informações sobre as interfaces de rede, o "cat /proc/cpuinfo" mostra informações sobre o processador e assim por diante.

7 /sys O diretório /proc faz par com o "/sys", uma novidade introduzida a partir do kernel 2.6 Agrupa informações sobre os dispositivos instalados, incluindo o tipo, fabricante, capacidade, endereços usados e assim por diante. Estas informações são geradas automaticamente pelo kernel e permitem que os serviços responsáveis pela detecção de hardware façam seu trabalho, configurando impressoras e criando ícones no desktop para acesso ao pendrive, por exemplo.

8 modprobe # modprobe [módulo] Exemplo: # modprobe vboxdrv O modprobe lê o arquivo de dependências de módulos gerado pelo comando depmod. Por isso, deve-se executar o comando # depmod a para produzir um novo arquivo contendo as dependências de módulo. Após executá-lo, pode-se usar o comando modprobe para instalar qualquer módulo e ter os outros módulos dos quais ele depende automaticamente instalados. Observações: Para acrescentar um módulo automaticamente a cada inicialização do sistema, inclua o comando correspondente no arquivo /etc/rc.d/rc.local ou no arquivo /etc/rc.sysinit.

9 lsmod Uso: # lsmod Cada linha do exemplo mostra as seguintes informações: nome, tamanho, contador de uso e lista dos módulos que referenciam o módulo em questão (dependem do módulo). A palavra autoclean indica que o módulo é removido automaticamente da memória quando não está sendo utilizado. Module Size Used by parport_pc (autoclean) parport (autoclean) [parport_pc] nfsd (autoclean) lockd (autoclean) [nfsd] sunrpc (autoclean) [nfsd lockd] aic7xxx Na realidade, o comando lsmod apenas exibe o conteúdo do arquivo /proc/modules

10 rmmod # rmprobe [módulo] Exemplo: # rmmod vboxdrv Remove o driver da memória Desabilita o módulo

11 lspci Inspeciona dispositivos PCI conectados Manual: # man lspci # lspci --help Exemplos de uso: lspci -v (informações detalhadas) lspci -vv (informações mais detalhadas) lspci -vvv (informações totalmente detalhadas)

12 lsusb Inspeciona dispositivos USB conectados Manual: # man lsusb # lsusb --help Exemplos de uso: # lspci -v (informações detalhadas) # lsusb -s 001:001 -v (informações detalhadas da porta usb bus:device 001:001)

13 dmesg Mostra as mensagens do kernel, da identificação do hardware em diante. Essa informação está disponível em /var/log/dmesg e /var/log/messages. Exemplo: # dmesg

14 102.1 Dimensionar as partições de disco / (raiz) /var /home swap pontos de montagem partições

15 Estrutura de arquivos / bin etc mnt/ home/ usr Floppy cdrom pedro ana

16 / (raiz) Abriga todos o sistema, todos arquivos que forem criados e não possuírem partição específica, irão buscar recursos nesta pasta. Equivalente ao C:\ do S.O. Windows

17 /var Dados que mudam durante funcionamento do sistema Exemplo: Arquivos de log ( /var/log/messages ) Arquivos de bancos de dados ( /var/lib/mysql ) Arquivos com número de processos ()

18 /home Pasta pessoal dos usuários do sistema. Por exemplo: /home/senacti /home/fernandocosta /home/joao Equivalente ao C:\Document and Settings\ do S.O. Windows

19 Outros diretórios importantes /bin ou /sbin comandos necessários para operção mínima /etc início /lib C /tmp Arquivos de configuração e Bibliotecas para programas Arquivos temporários

20 /usr /usr Programas /usr/local Programas instalados localmente /usr/bin/ Comandos de usuários /usr/sbin Comandos do sistema que não são necessários no sistema de arquivos root /usr/man Páginas de manuais

21

22 swap O swap é uma área de troca usada para aumentar a quantidade de memória RAM do sistema. Até o kernel 2.1, o tamanho máximo de uma partição de swap era de 128MB. A partir do kernel 2.2 essa limitação passou a ser de 2GB. O Linux pode ter mais de 8 áreas de troca ativas ao mesmo tempo. Entretanto, o total da área de swap não pode ultrapassar 16GB. Comandos relacionados mkswap : formata uma área de swap. swapoff : desabilita dispositivos de swap. swapon : habilita dispositivos de swap.

23 Pontos de Montagem O GNU/Linux acessa as partições existente em seus discos rígidos e disquetes através de diretórios. Os diretórios que são usados para acessar (montar) partições são chamados de Pontos de Montagem. No DOS cada letra de unidade (C:, D:, E:) identifica uma partição de disco, no GNU/Linux os pontos de montagem fazem parte da grande estrutura do sistema de arquivos raiz.

24 Partições São divisões existentes no disco rígido que marcam onde começa onde termina um sistema de arquivos. Por causa destas divisões, nós podemos usar mais de um sistema operacional no mesmo computador (como o GNU/Linux, Windows e DOS), ou dividir o disco rígido em uma ou mais partes para ser usado por um único sistema operacional.

25 104.1 Criar partições e sistemas de arquivos Fdisk Mkfs Mkswap

26 fdisk Uso: fdisk [dispositivo] Opções: m lista opções d exclui partição l lista tipos conhecidos n cria nova partição p exibe tabela de parti ões atual q sai sem salvar alterações w grava tabela no disco e sai t troca tipo de sistema de uma partição x Funções adicionais

27 mkfs # mkfs [opções] dispositivo [blocos] Onde: dispositivo : é o arquivo especial correspondente ao dispositivo. blocos : é quantidade de blocos a ser utilizada pelo sistema de arquivos. Opções: -t tipo : especifica o tipo de sistema de arquivos a ser criado. O padrão é ext2. -c : checa o dispositivo a procura de blocos defeituosos durante a criação do sistema de arquivos. Por exemplo: mkfs -t ext2 /dev/fd configura o disquete para o sistema de arquivos ext2.

28 mkswap Uso: mkswap [-c] dispositivo [bloco] Opções: -c pede que se verifique a existência de blocos ruins antes de criar o sistema de arquivos. dispositivo tem normalmente o seguinte formato /dev/hda[1-8] /dev/hdb[1-8] /dev/sda[1-8] /dev/sdb[1-8] bloco corresponde ao número de blocos que a área de swap deve possuir sendo que cada bloco tem 1 Kb. O valor mínimo (MINCOUNT) e o valor máximo (MAXCOUNT) possíveis para este parâmetro é calculado da seguinte forma: MINCOUNT = 10 * tamanho_página / 1024 MAXCOUNT = (tamanho_página - 10) * 8 * tamanho_página / 1024 Caso este parâmetro não seja fornecido, ele é determinado automaticamente pelo mkswap.

29 mkswap Exemplo: # dd if=/dev/zero of=/teste bs=1024 count= (esse comando irá criar um arquivo /teste, com o tamanho de 64MB (count= ). # mkswap /teste (cria dentro desse arquivo um padrão de partição swap) # swapon teste (habilita a partição swap, pronto agora está tudo funcionando!)

30 104.2 Manutenção da integridade de sistemas de arquivos Du Df Fsck E2fsck Mke2fs Debugfs Dumpe2fs Tune2fs xfstools

31 du $ du [opções] [arquivo... ] Opções -a : mostra o espaço ocupado por todos os arquivos (de forma recursiva). -h : mostra o espaço ocupado de forma mais legível para humanos. -b : mostra o espaço ocupado em bytes. -c : mostra o total do espaço ocupado. -k : mostra o espaço ocupado em Kbytes (é o padrão). -s : lista apenas o total para cada argumento. O uso do comando du, sem qualquer opção e sem nome de arquivo ou diretório, fornece a quantidade de espaço ocupada por cada subdiretório que se encontra hierarquicamente abaixo do diretório atual e a totalização dos espaços ocupados por esses subdiretórios.

32 du Por exemplo: para ver o tamanho do arquivo teste.txt em bytes, digite # du -b teste.txt Para obter o tamanho, em Kbytes, de todos os arquivos do diretório corrente com extensão txt e o total de espaço ocupado por estes arquivos, basta digitar # du -c *.txt Experimente: # du -ksh /*

33 df - report file system disk space usage Uso: df [opções] [partição] Opções: -a : inclui também na listagem os sistemas de arquivos com zero blocos. -h : lista o tamanho de forma mais legível para humanos. -k : lista o tamanho dos blocos em kbytes. -m : lista o tamanho dos blocos em Mbytes. -t tipo : especifica o tipo dos sistemas de arquivos a serem listados. -x tipo : especifica o tipo dos sistemas de arquivos que não deve ser listado. Por exemplo, o comando # df /dev/hda1 (exibe as informações sobre o espaço livre da partição /dev/hda1.) # df -h

34 fsck Uso: # fsck [opções] sistema onde sistema pode ser o nome do dispositivo ou o ponto de montagem para o sistema de arquivos. Se mais de um sistema de arquivo for fornecido, o fsck tentará verificá-los em paralelo. Opções: -a : repara automaticamente o sistema de arquivos com defeito. -A : analisa o arquivo /etc/fstab e tenta verificar todos os arquivos listados de uma vez. -N : não executa, apenas mostra o que seria feito. -r : pergunta se o sistema de arquivos deve ser reparado quando detecta alguma falha. -V : produz uma saída detalhada.

35 fsck Observações O fsck é usado para verificar e, opcionalmente, reparar um sistema de arquivos do Linux. O código de erro retornado é a soma das seguintes condições: 0 - nenhum erro. 1 - erros do sistema de arquivos corrigidos. 2 - o sistema deve ser reiniciado. 4 - erros do sistema de arquivos não corrigidos. 8 - erro operacional erro de uso ou de sintaxe erro de biblioteca compartilhada. Na realidade, o fsck é simplesmente um intermediário para os vários verificadores de sistemas de arquivos disponíveis no Linux (por exemplo, fsck.ext4 para sistemas de arquivo do tipo ext4).

36 E2fsck É o FSCK para sistemas de arquivos ext2 e ext3 # e2fsck --help # man e2fsck

37 mke2fs cria um sistemas de arquivos ext2/3 Uso: # mke2fs [opções] [dispositivo] Opções: -b num : especifica num bytes por bloco. -c : verifica e formata o disco usando um método mais rápido. -m num : reserva num% de espaço no disco para o superusuário. Por exemplo: # mke2fs /dev/hda1 formata o dispositivo /dev/hda1 para suportar um sistema de arquivos do tipo ext2. É possível usar o comando mke2fs para formatar e configurar disquetes para o sistema de arquivos ext2. Neste caso, temos uma formatação de alto nível. mke2fs /dev/fd0 Use o comando fdformat para uma formatação de baixo nível e depois use o comando mkfs para configurar o disquete para o sistema de arquivos ext2.

38 debugfs O programa debugfs é um depurador de sistemas de arquivos interativo. Ele pode ser usado para examinar e alterar o estado de um sistema de arquivos. Manual traduzido: Exemplo: Recuperação de arquivos removidos:

39 Dumpe2fs Mostra detalhes sobre uma partição Linux. Uso: dumpe2fs [opções] [partição] Onde: partição Identificação da partição que será usada. opções -b Mostra somente os blocos marcados como defeituosos no sistema de arquivos especificado. Este comando lista diversas opções úteis do sistema de arquivos como o tipo do sistema de arquivos, características especiais, número de inodos, blocos livres, tamanho do bloco, intervalo entre checagens automáticas, etc. Exemplo: dumpe2fs /dev/sda1, dumpe2fs -b /dev/sda1

40 Tune2fs Otimiza performance do sistema de arquivos Uso [opções] [partição] Opções -c montagem-máxima Ajusta o número máximo de montagens entre duas ve-rificações do sistema de arquivos. -e comportamento-em-erro Muda o comportamente do código do kernel quando erros são detectados. comportamento-em-erro pode ser um dos seguintes: continue Continua a execução normal. remount-ro Remonta o sistema de arquivos somente para leitura. panic Causa pânico do kernel. -g grupo Define o grupo de usuários que pode se beneficiar dos blocos reservados. grupo pode ser um gid numérico ou o nome de um grupo. -i intervalo-entre-verificações[d m w] Ajusta o tempo máximo entre duas verificações do sistema de arquivos. Nenhum sufixo ou `d' resulta em dias, `m' em meses e `w' em semanas. Um valor de zero vai desabilitar a verificação dependente do tempo. -l Lista o conteúdo do superbloco do sistema de arquivos. -m número-de-blocos-reservados Ajusta a porcentagem de blocos reservados no dispositivo dado.

41 Tune2fs -r contagem-blocos-reservados Ajusta a quantidade de blocos reservador no dispositivo dado. -s marca-super-esparso Ajusta e reinicia a marca superbloco-esparso. A característica superbloco-esparso economiza espaço em sistemas de arquivos realmente grandes. Aviso: O kernel do Linux 2.0 não suporta corretamente esta característica, nem todos os kernels do Linux 2.1; por favor não use isto a não ser que você saiba o que está fazendo! -u usuário Define o usuário que pode se beneficiar dos blocos reservados. usuário pode ser um uid numérico ou um nome de usuário. -C número-de-montagens Define o número de vezes que o sistema de arquivos foi montado. -L rótulo-do-volume Define o rótudo do volume no sistema de arquivos. -M diretório-da-última-montagem Define o diretório da última montagem do sistema de arquivos. -U UUID Define o UUID do sistema de arquivos. Um exemplo de UUID parece assim: "c1b9d5a2-f162-11cf-9ece-0020afc76f16". O uuid também pode ser "null", o que define o UUID do sistema de arquivos como um UUID nulo. O uuid também pode ser "random", o que gera um UUID aleatório para o sistema de arquivos.

42 xfs tools (xfs_metadump, xfs_info) xfs_metadump Copia um sistemas de arquivos para um arquivo

43 xfs tools (xfs_metadump, xfs_info) xfs_info Amplia o tamanho de um sistemas de arquivos XFS

44 104.3 Controle da montagem e desmontagem do sistema de arquivos Controle da montagem e desmontagem do sistema de arquivos (/etc/fstab, /media, mount, umount)

45 /etc/fstab O arquivo "/etc/fstab" permite configurar o sistema para montar partições, CD-ROMs, disquetes e compartilhamentos de rede durante o boot. Cada linha é responsável por um ponto de montagem. É através do "/etc/fstab" que o sistema é capaz de acessar o seu CD-ROM, por exemplo. O fstab é um dos arquivos essenciais para o funcionamento do sistema, por isso, antes de editá-lo, faça sempre uma cópia de segurança: # cp /etc/fstab /etc/fstab-original.

46 /etc/fstab Colunas 1, 2 e 3 Coluna 1 - É a partição/disco a ser montado. No nosso exemplo temos duas entradas diferentes: LABEL=/ e /dev/hdb1

47 /etc/fstab Coluna 4 A coluna 4 descreve as opções de montagem da partição/disco associadas ao sistema de arquivos. Aqui podemos fazer várias configurações afim de personalizarmos nosso sistema. Vamos as opções: auto, noauto - Diz para o sistema se deve ou não montar automaticamente. Se colocar a opção "auto", o sistema irá montar no boot, se estiver "noauto", terá que montar o disco/partição manualmente. Default: auto. user, nouser - Aqui é onde permitimos ou não os usuários montarem o disco/partição. Colocando "user", qualquer usuário consegue montar, se colocarmos "nouser", apenas o super usuário conseguirá montar (root). Default: user. exec, noexec - Permite ou não a execução de binários no sistema de arquivos. Default: exec (imagine que, por engano, coloque noexec no /). rw - Monta o sistema de ficheiros com a opção Read-Write, ou seja, leitura e escrita. ro - Monta o sistema de ficheiros com a opção Read-Only, ou seja, somente leitura. sync, async - Diz ao sistema como deve ser a sincronização de dados (Input/output). Explicando melhor, diz como o sistema deve proceder quando tem que escrever no disco, se deve guardar em memória primeiro, aguardar confirmação e então escrever ou se escreve directamente (fisicamente) no disco/partição/disquete. Um exemplo, são as "pendrives", quando você escreve um documento de texto na sua pen, se estiver a opção sync, o sistema escreve na hora o documento na pen, se estiver async, o sistema apenas escreve o documento quando você for desmontar a pen. O grande problema coloca-se quando o utilizador esquece de desmontar o drive. Default: async. suid, nosuid - Habilita/desabilita o bit de set-user-identifier ou set-group-identifier. defaults - Diz ao sistema para carregar as opções padrão, que são: rw, suid, dev, exec, auto, nouser e async. Para outras opções, consulte a página de manual do mount.

48 /etc/fstab Coluna 5 - Esta coluna é a opção de dump do sistema, que nada mais é do que um utilitário de backup do sistema. O dump "lê" aqui o número e decide se o sistema deve ou não ser feito backup. Se estiver 0 (zero), o dump simplesmente ignora o disco/partição. Coluna 6 - Esta coluna é utilizada pelo fsck para a verificação dos discos/partições. Partições/discos de sistema normalmente tem esta opção como 1, outras partições do sistema como 2. Sistemas de arquivos no mesmo disco são verificados sequencialmente, enquanto que sistemas de arquivos em discos diferentes são verificados ao mesmo tempo, utilizando a função de paralelismo (se o hardware permitir). Se colocar esta opção como 0 (zero), o fsck conclui não ser necessário a verificação aqui.

49 /media o diretório "/mnt" (de "mount") recebe este nome justamente por servir de ponto de montagem para o drive óptico ("/mnt/cdrom" ou "/mnt/dvd") e outros dispositivos de armazenamento. Na maioria das distribuições atuais ele é substituído pelo diretório "/media", que tem a mesma função. Ao plugar um pendrive no Ubuntu, por exemplo, ele é montado pelo sistema na pasta "/media/disk"; ao plugar um cartão de memória, ele é visto como "/media/card" e assim por diante. Na verdade, o uso do diretório "/media" ou "/mnt" é apenas uma convenção. Você pode perfeitamente montar o seu pendrive dentro da pasta "/home/fulano/pendrive", por exemplo, desde que faça a montagem de forma manual. Os diretórios padrão de montagem das partições são configuráveis através do "/etc/fstab", que é um dos arquivos básicos de configuração do sistema.

50 mount Uso: # mount [opções] dispositivo ponto_de_montagem Em um sistema Linux, os arquivos estão organizados em uma grande árvore, onde o diretório raiz (pai de todos os outros diretórios) é representado como /. Estes arquivos podem estar distribuídos por diversos dispositivos como disquetes, cd-rooms, HDs, etc. O comando mount é usado para incluir o sistema de arquivos, de um dispositivo qualquer, à grande árvore de arquivos. Opções -a : monta todos os sistemas de arquivos especificados no arquivo /etc/fstab. -r : monta a partição somente para leitura. -t tipo : especifica o tipo de sistema de arquivo que será montado. São exemplos de tipos de sistemas: ext2 - para partições Linux. vfat - para partições Windows (permite nomes de arquivos com até 32 caracteres). msdos - para partições DOS. iso para unidades de CD-ROM. umsdos - para partição DOS com alguns recursos de Linux. -v : lista o sistema de arquivo de cada dispositivo montado. -w : monta a partição para leitura/gravação (é o padrão).

51 mount O exemplo abaixo monta uma partição DOS localizada em /dev/hda1 no diretório /mnt/dos # mount -r -t msdos /dev/hda1 /mnt/dos Se o dispositvo já foi descrito no /etc/fstab, mas ainda não foi montado, então basta especificar o nome do dispositivo ou o ponto de montagem ao digitar o comando mount. Por exemplo, suponha que o sistema tenha a seguinte linha no /etc/fstab /dev/fd0 /mnt/floppy vfat exec,dev,suid,rw,noauto 0 0 O comando acima define que o disquete (/dev/fd0) deve ser montado abaixo do diretório /mnt/floppy, sendo que o sistema de arquivos usado é vfat (Windows/DOS). A opção noauto define que o dispositivo não deve ser montado automaticamente durante a inicialização do sistema. Para montar o disquete você deve digitar # mount /mnt/floppy/ ou # mount /dev/fd0 Observações: O arquivo /etc/mtab possui a lista de todos os sistemas de arquivos atualmente montados no Linux. O comando mount, sem parâmetros, faz o sistema listar o conteúdo do arquivo /etc/mtab.

52 umount Uso # umount [opções] dispositivo / ponto de montagem Opções: -a : desmonta todos os sistemas de arquivos especificados em /etc/mtab. -r : no caso da desmontagem falhar, tenta remontar apenas para leitura. -v : exibe mensagens durante o processo de desmontagem da partição. Por exemplo, para desmontar o sistema de arquivos de um disquete, montado no diretório /mn/floppy, basta digitar: # umount /dev/fd0 ou # umount /mnt/floppy/

53 Fernando Costa

Rodrigo Caetano Filgueira

Rodrigo Caetano Filgueira Rodrigo Caetano Filgueira Administração de Sistemas de Armazenamento Linux 40h Gerenciamento de disco Particionamento Quotas Raid Backup Cluster HA - High Availability(Alta Disponiblidade) Beowulf (Alto

Leia mais

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux Apresentação Administração de Sistemas Curso Tecnologia em Telemática Disciplina Administração de Sistemas Linux Professor: Anderson Costa anderson@ifpb.edu.br Assunto da aula Aspectos do Sistema de Arquivos

Leia mais

Gerenciamento de Disco

Gerenciamento de Disco - MBR Master Boot Record Pequena área em disco (geralmente no inicio deste) que contém informações para inicialização do Sistema Operacional. - Tabela de Partição Estrutura de dados que contém informações

Leia mais

Introdução a Administração de Sistemas GNU/Linux

Introdução a Administração de Sistemas GNU/Linux Curso de extensão da Faculdade Ruy Barbosa Introdução a Administração de Sistemas GNU/Linux Dedicasse especial a Rogério Bastos e ao GRACO (Gestores da Rede Acadêmica de Computação) do DCC UFBA Paul Regnier

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Sistema Operacional Conteúdo retirado do livro Sistemas Operacionais Marcos Aurélio Pchek Laureano Diogo Roberto Olsen

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ESTRUTURA DE DIRETÓRIOS LINUX... 3 SISTEMA DE ARQUIVOS E PARTICIONAMENTO...

Leia mais

DESMISTIFICANDO A FSTAB

DESMISTIFICANDO A FSTAB DESMISTIFICANDO A FSTAB Ricardo José Maraschini Graduado em Ciência da Computação LPIC-1 INICIANTE OBJETIVOS. Série LPI. Particionamento do Linux X Windows;. Entender a fstab(o que é);. Conceitos;. Principais

Leia mais

1. Adição de um disco rígido a uma máquina existente. Iremos utilizar uma máquina virtual

1. Adição de um disco rígido a uma máquina existente. Iremos utilizar uma máquina virtual Curso: Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Disciplina: Administração de Sistemas Operacionais Professor: João Medeiros de Araújo Atividade Prática: Formatação e montagem de partições no Linux

Leia mais

Faculdades Senac Pelotas

Faculdades Senac Pelotas Faculdades Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Introdução a informática Alunos Daniel Ferreira, Ícaro T. Vieira, Licurgo Nunes Atividade 4 Tipos de Arquivos Sumário 1 Tipos

Leia mais

Admistração de Redes de Computadores (ARC)

Admistração de Redes de Computadores (ARC) Admistração de Redes de Computadores (ARC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José Prof. Glauco Cardozo glauco.cardozo@ifsc.edu.br ,'*'F"&P'QKDRS'@

Leia mais

>>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard. === Sistemas de arquivos e Partições

>>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard. === Sistemas de arquivos e Partições >>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard === Sistemas de arquivos e Partições >>> FHS - Filesystem Hierarchy Standard >Padrão de organização de pastas e arquivos em Sistemas Unix-Like >organizar

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 8.3 Montagem de dispositivos. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 8.3 Montagem de dispositivos. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 8.3 Montagem de dispositivos Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 MOUNT E UMOUNT... 3 Sintaxe dos comandos... 4 Verificando Sistema de Arquivos... 4 Definindo

Leia mais

Preparatório LPIC-1 Tópico 104

Preparatório LPIC-1 Tópico 104 Preparatório LPIC-1 Tópico 104 Professor M.Sc. Thiago Leite thiago.leite@udf.edu.br 1 Qual comando do fdisk cria uma nova partição no disco atual? a) c b) n c) p d) w 2 Qual comando do fdisk cria uma nova

Leia mais

Capítulo 9 Manipulando Hardware e dispositivos

Capítulo 9 Manipulando Hardware e dispositivos Linux Essentials 450 Slide - 1 Capítulo 9 Manipulando Hardware e Os do mundo Unix trabalham de uma maneira bem diferente do mundo paralelo. Usaremos esta aula para entender como eles funcionam. Linux Essentials

Leia mais

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Sistema de Arquivos Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Introdução É com o sistema de arquivos que o usuário mais nota a presença do sistema operacional.

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Aula 05 Estrutura de diretórios

Aula 05 Estrutura de diretórios 1 Aula 05 Estrutura de diretórios 1.0 Histórico Quando do desenvolvimento do Linux, Linus Torvalds tinha a pretensão de evitar problemas encontrados durante seu uso do Minix. Dessa maneira, o sistema de

Leia mais

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record)

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record). Master Boot Record Primeiro setor de um HD (disco rígido) Dividido em duas áreas: Boot loader

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO O Linux se refere aos itens de hardware como dispositivos (devices), e os referencia como arquivos. Os arquivos de

Leia mais

Recuperando o GRUB após instalação do Windows

Recuperando o GRUB após instalação do Windows Recuperando o GRUB após instalação do Windows PET Engenharia de Computação - http://www.inf.ufes.br/~pet 1 Instruções iniciais Para efetuar as configurações a seguir talvez precisaremos executar comandos

Leia mais

Planejamento e Implantação de Servidores

Planejamento e Implantação de Servidores Planejamento e Implantação de Servidores Professor Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Aula 01 - Servidores Abordagem geral Teoria e práticas Servidores Linux Comandos Linux 2 Bibliografias da apoio

Leia mais

Administração de Redes Linux. Unidade 1 - LINUX

Administração de Redes Linux. Unidade 1 - LINUX Administração de Redes Linux Unidade 1 - LINUX Breve Histórico O Linux é um sistema operacional moderno e gratuito, baseado nos padrões UNIX. Desenvolvido inicialmente em 1991 como um KERNEL PEQUENO E

Leia mais

3.3. Espelhamento (RAID1)

3.3. Espelhamento (RAID1) 3.3. Espelhamento (RAID1) Neste servidor estamos usando dois HDs idênticos, cada um com 160GB de espaço em disco. Nos passos seguintes é importante existir dois HDs idênticos em tamanho. Caso ocorra a

Leia mais

Administração de Sistemas Operacionais

Administração de Sistemas Operacionais Diretoria de Educação e Tecnologia da Informação Análise e Desenvolvimento de Sistemas INSTITUTO FEDERAL RIO GRANDE DO NORTE Administração de Sistemas Operacionais ESTRATÉGIA DE PARTICIONAMENTO Prof. Bruno

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

Treinamento para Manutenção dos Telecentros

Treinamento para Manutenção dos Telecentros Treinamento para Manutenção dos Telecentros Módulo II :: Utilizando o Linux Básico do Sistema Manoel Campos da Silva Filho Professor do IFTO/Palmas 1 2 Código Aberto/Open Source Programas (softwares/aplicativos)

Leia mais

SISTEMAS DE ARQUIVOS

SISTEMAS DE ARQUIVOS SISTEMAS DE ARQUIVOS LINUX E WINDOWS Prof.: Bruno Pinheiro brunodop@gmail.com NING: http://timasters.ning.com/profile/brunodeoliveirapinheiro Mini CV Especialista em Regulação da ANTAQ e gerente de Estudos

Leia mais

RECUPERANDO DADOS COM REDO BACKUP E RECOVERY

RECUPERANDO DADOS COM REDO BACKUP E RECOVERY RECUPERANDO DADOS COM REDO BACKUP E RECOVERY Redo Backup é um programa para a recuperação de arquivos e discos rígidos danificados. Com ele você dispõe de um sistema completo para resolver diversos problemas

Leia mais

Introdução a Administração de Sistemas GNU/Linux

Introdução a Administração de Sistemas GNU/Linux Curso de extensão da Faculdade Ruy Barbosa Introdução a Administração de Sistemas GNU/Linux Dedicasse especial a Rogério Bastos e ao GRACO (Gestores da Rede Acadêmica de Computação) do DCC UFBA Paul Regnier

Leia mais

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação.

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. 1.Todo software livre deve ser desenvolvido para uso por pessoa física em ambiente com sistema

Leia mais

Sistema de Arquivos do Windows

Sistema de Arquivos do Windows Registro mestre de inicialização (MBR) A trilha zero do HD, onde ficam guardadas as informações sobre o(s) sistema(s) operacionais instalados. Onde começa o processo de inicialização do Sistema Operacional.

Leia mais

Certificação Linux: Conhecendo o caminho das pedras

Certificação Linux: Conhecendo o caminho das pedras LPI Linux Professional Institute Certificação Linux: Conhecendo o caminho das pedras Sobre esta apresentação: - Nível: Intermediário - Escopo: Dicas sobre como obter a certificação LPI. - Pré-requisitos:

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba UFPB Departamento de Informática DI. João Filho Matos Figueiredo www.joaomatosf.com

Universidade Federal da Paraíba UFPB Departamento de Informática DI. João Filho Matos Figueiredo www.joaomatosf.com 1 Criptografando seu Disco Universidade Federal da Paraíba UFPB Departamento de Informática DI João Filho Matos Figueiredo www.joaomatosf.com Um usuário que configura todo seu sistema, ou de sua empresa,

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais O Sistema de Arquivos Fabricio Breve O que você encontra no Sistema de Arquivos do Linux... Processos Portas seriais Canais de comunicação entre

Leia mais

Onde vai o Quê em um Sistema Linux?! 1

Onde vai o Quê em um Sistema Linux?! 1 Onde vai o Quê em um Sistema Linux?! 1 Onde vai o Quê em um sistema Linux?! Um sistema Linux típico tem uma grande quantidade de arquivos, dos mais variados tipos, organizados em uma estrutura de árvore

Leia mais

Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1. Aula 3 SENAC TI Fernando Costa

Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1. Aula 3 SENAC TI Fernando Costa Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1 Aula 3 SENAC TI Fernando Costa Agenda Manipulação de arquivos Comandos: cat, cut, expand,fmt, head, join, nl, od, paste, pr, split, tac, tail, tr,

Leia mais

RESUMÃO LPI 101. Tópico 101 Arquitetura de Sistema Sub-Tópico 101.1 Identificar e editar configurações de hardware.

RESUMÃO LPI 101. Tópico 101 Arquitetura de Sistema Sub-Tópico 101.1 Identificar e editar configurações de hardware. Tópico 101 Arquitetura de Sistema Sub-Tópico 101.1 Identificar e editar configurações de hardware. 1. Qual comando é utilizado para verificar dispositivos usb conectados ao computador? lsusb 2. Qual o

Leia mais

Aula 02. Introdução ao Linux

Aula 02. Introdução ao Linux Aula 02 Introdução ao Linux Arquivos Central de Programas do Ubuntu A Central de Programas do Ubuntu é uma loja de aplicativos integrada ao sistema que permite-lhe instalar e desinstalar programas com

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Hierarquia normalizada dos directórios em Linux Hierarquia directórios no Linux : 1/27 Introdução (1) [Def] FHS (File system Hierarchy Standard): norma que pretende normalizar o sistema de ficheiros em

Leia mais

Linux. Quota de disco

Linux. Quota de disco Linux Quota de disco Quota Quotas de disco permitem controlar o uso do disco por usuário ou grupo, ou por ambos (usuário e grupo). São normalmente utilizadas em sistemas com vários usuários e não com 1

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03. Prof. Gabriel Silva

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03. Prof. Gabriel Silva FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03 Prof. Gabriel Silva Temas da Aula de Hoje: Servidores Linux. Conceitos Básicos do Linux. Instalando Servidor Linux.

Leia mais

Sistemas. Arquivos. www.4linux.com.br

Sistemas. Arquivos. www.4linux.com.br Sistemas de Arquivos - 2 Sumário Capítulo 1 Sistemas de Arquivos... 3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 5 2.1. Objetivos... 5... 5 2.2. Troubleshooting... 6 2.2.1. Cfdisk...7

Leia mais

Tutorial Kurumin GNU/Linux 6.0 1/20

Tutorial Kurumin GNU/Linux 6.0 1/20 Tutorial Kurumin GNU/Linux 6.0 1/20 Tutorial para particionamento, instalação do Kurumin GNU/Linux 6.0 e configuração de boot loader. Tutorial Kurumin GNU/Linux 6.0 2/20 Introdução... 3 Requisitos... 4

Leia mais

Aula 01 Visão Geral do Linux

Aula 01 Visão Geral do Linux Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Administração de Redes de Computadores Aula 01 Visão Geral do Linux Prof. Gustavo Medeiros de Araujo Profa.

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DO SETUP E FORMATAÇÃO DO DISCO RÍGIDO

CONFIGURAÇÃO DO SETUP E FORMATAÇÃO DO DISCO RÍGIDO CONFIGURAÇÃO DO SETUP E FORMATAÇÃO DO DISCO RÍGIDO Depois de montar o computador, a próxima etapa é configurá-lo ao nível de software, antes de poder instalar o sistema operacional. Esta segunda etapa

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas

Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso superior de Tecnologia em Redes De Computador UC: Introdução a Informática I Componentes: Everton Perleberg, Arthur Felippe Knapp Madruga, Maicon de Vargas Pereira Atividade 2: Documentação de recursos

Leia mais

Alterna para o primeiro terminal. No Linux você pode ter vários (o padrão é 6) terminais abertos ao mesmo tempo.

Alterna para o primeiro terminal. No Linux você pode ter vários (o padrão é 6) terminais abertos ao mesmo tempo. Alterna para o primeiro terminal. No Linux você pode ter vários (o padrão é 6) terminais abertos ao mesmo tempo. (n=1 a 6) Alterna para o terminal (1 a 6).

Leia mais

RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN DE LIMA, TAMIRES RODRIGUES FERREIRA

RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN DE LIMA, TAMIRES RODRIGUES FERREIRA Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática FRANCIS RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN

Leia mais

.:: SLAX E SEUS SEGREDOS ::.

.:: SLAX E SEUS SEGREDOS ::. Por Hudson Gonçalves Manieri Figueredo (KyNDeR) 1 SUMÁRIO 1 - INTRODUÇÃO 1.1 - Como Funciona o LiveCD? 2 - A INICIALIZAÇÃO(BOOT) 2.1 - Habilitando a característica de configuração web do SLAX. 2.1.1 -

Leia mais

SIMULADO DE INFORMÁTICA BÁSICA TÉCNICO DO MPU PROF. ALEXANDRE LÊNIN / PROF. JUNIOR MARTINS

SIMULADO DE INFORMÁTICA BÁSICA TÉCNICO DO MPU PROF. ALEXANDRE LÊNIN / PROF. JUNIOR MARTINS Olá, pessoal, tudo bem? Vamos fazer um simulado com 10 questões de informática direcionadas para o cargo de TÉCNICO DO MPU? São questões já aplicadas pelo CESPE em certames anteriores, mas que podem ser

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA

INTRODUÇÃO AO SISTEMA MANUAL DE INSTALAÇÃO DE SOFTWARE PÚBLICO BRASILEIRO Nome do Software: Guarux Versão do Software: Guarux Educacional 4.0 INTRODUÇÃO AO SISTEMA O Guarux Educacional 4.0 é uma distribuição idealizada pela

Leia mais

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3 Cesar Kállas - cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 3 Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3 O HD tem espaço livre não particionado...3

Leia mais

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Apresentação do Curso 1 Objetivos do Curso Sistema Operacional Unix/Linux;

Leia mais

Módulos...2 Shell...3

Módulos...2 Shell...3 Cesar Kállas cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 2 O Kernel...2 Módulos...2 Shell...3 Scripts...3 Bourne Shell sh...3 Bourne-Again Shell bash...3 Korn Shell

Leia mais

Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Recursos, Redes e Samba Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo III Módulo III

Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Recursos, Redes e Samba Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo III Módulo III 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Recursos, Redes e Samba 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

GERENCIAMENTO DE DISPOSITIVOS

GERENCIAMENTO DE DISPOSITIVOS 2 SISTEMAS OPERACIONAIS: GERENCIAMENTO DE DISPOSITIVOS E ARQUIVOS Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática

Leia mais

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux Estrutura de um Sistema Linux Por ter sua origem universitária, a forma como o Linux foi concebido é de perfeito agrado para o seu estudo.

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers Instalação de Hardening Nesse curso vamos falar 100% do tempo sobre servidores Linux. Antes de falarmos de Linux, temos que falar um pouco de hardware, especialmente discos rígidos ( hard disk, HD). Os

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Arquivos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Conceituação de arquivos Implementação do sistemas de arquivo Introdução Sistema de

Leia mais

REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA. e) os

REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA. e) os REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA 1 - Em um determinado servidor Linux, a saída do comando "df" aponta 100% de uso no "/". Isso significa que a(o): a) rede atingiu sua capacidade máxima de recepção.

Leia mais

Simulado LPI 101. 5. Qual o comando que exibe a última vez em que o sistema de arquivos foi verificado. dumpe2fs

Simulado LPI 101. 5. Qual o comando que exibe a última vez em que o sistema de arquivos foi verificado. dumpe2fs Simulado LPI 101 1. Quais comandos exibem os processos no Linux? Escolha uma. a. ls e df b. ps e top c. ps e df d. df e top e. du e df 2. O que representa o dispositivo /dev/hdb6? Escolha uma. a. Um partição

Leia mais

GNU/Linux/Bash. Aula 2

GNU/Linux/Bash. Aula 2 GNU/Linux/Bash Aula 2 O que é? Ubuntu GNU Linux Ubuntu 12.04 Ubuntu é um sistema operacional baseado em Linux desenvolvido pela comunidade e é perfeito para notebooks, desktops e servidores. Ele contém

Leia mais

Preparação: Verifique se a máquina virtual já está copiada em sua máquina Execute o VMWare Acesse o Linux com o usuário asa e senha aslinux12

Preparação: Verifique se a máquina virtual já está copiada em sua máquina Execute o VMWare Acesse o Linux com o usuário asa e senha aslinux12 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNC. E TEC. DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO DE TECNOLOGIA EM TELEMÁTICA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS PROFESSOR: ANDERSON COSTA ASSUNTO: MÓDULOS, DISPOSITIVOS DE

Leia mais

Mini curso de GNU/Linux

Mini curso de GNU/Linux Rudson Ribeiro Alves Mestre em Física (Semi Condutores) Usuário Unix de 1991 1998 Usuário Slackware deste 1994 Professor da UVV deste 1998 Mini curso de GNU/Linux Noções básicas sobre GNU/Linux Plataforma

Leia mais

INSTALAÇÃO DO SUSE LINUX ENT. DESKTOP 10

INSTALAÇÃO DO SUSE LINUX ENT. DESKTOP 10 Duração: 02:45 min INSTALAÇÃO DO SUSE LINUX ENT. DESKTOP 10 1. Inicializar o Virtual PC 2007 e criar uma máquina virtual. a. Salvar em C:\Laboratorio b. O nome da máquina virtual será: Linux_Suse_Seunome.vmc

Leia mais

Guia Rápido de Instalação Ilustrado

Guia Rápido de Instalação Ilustrado Livre S.O. Guia Rápido de Instalação Ilustrado Introdução Este guia tem como objetivo auxiliar o futuro usuário do Livre S.O. durante o processo de instalação. Todo procedimento é automatizado sendo necessárias

Leia mais

Laboratório de Hardware

Laboratório de Hardware Laboratório de Hardware Prof. Marcel Santos Responsável por implementar em software um recurso que não existe no hardware. O hardware oferece simplesmente um grande conjunto de bytes contíguos, e a tarefa

Leia mais

Instalação em Dual Boot

Instalação em Dual Boot Manual Instalação em Dual Boot tutorial de instalação Dual boot Windows XP e o Linux Educacional 2.0 Francisco Willian Saldanha Analista de Teste de Sistemas MEC/SEED/DITEC/CETE Manual Instalação em Dual

Leia mais

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Informática - Básico Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Índice Apresentação...06 Quais são as características do Windows?...07 Instalando o Windows...08 Aspectos Básicos...09 O que há na tela do Windows...10

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. GNU / Linux. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009. Unidade 04-002 GNU / Linux

Fundamentos de Sistemas Operacionais. GNU / Linux. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009. Unidade 04-002 GNU / Linux GNU / Linux Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009 Conceitos Básico O S.O. é case sensitive, ou seja, sensível à caixa; Exemplo: o arquivo apple.txt é diferente do arquivo Apple.txt e podem conviver juntos

Leia mais

Gerenciamento de Boot

Gerenciamento de Boot - Gerenciamento de Boot é um meio de você configurar e trabalhar com diversos sistemas operacionais instalados. - Gerenciador de Boot é um pequeno software instalado no Master Boot Record (MBR) nas trilhas

Leia mais

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip Se, assim como a maioria, você possui um único PC ou notebook, uma opção para testar as distribuições Linux sem precisar mexer no particionamento do HD e instalar o sistema em dualboot, é simplesmente

Leia mais

Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1. Aula 2 SENAC TI Fernando Costa

Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1. Aula 2 SENAC TI Fernando Costa Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1 Aula 2 SENAC TI Fernando Costa Agenda Introdução ao Shell Variáveis do shell Usando símbolos coringa Síntese Exercícios O shell Como todo computador

Leia mais

Introdução ao Linux MICHELLE NERY

Introdução ao Linux MICHELLE NERY Introdução ao Linux MICHELLE NERY O que é preciso saber para conhecer o Linux? Entender os componentes de um computador. Conhecimentos básicos de sistemas operacionais. Referência: Sistemas Operacionais

Leia mais

Instalando o Debian em modo texto

Instalando o Debian em modo texto Instalando o Debian em modo texto Por ser composto por um número absurdamente grande de pacotes, baixar os CDs de instalação do Debian é uma tarefa ingrata. Você pode ver uma lista dos mirrors disponíveis

Leia mais

Labgrad. Usúario: Senha: senha

Labgrad. Usúario: <matricula> Senha: senha Suporte A equipe do Suporte é responsável pela gerência da rede do Departamento de Informática, bem como da manutenção dos servidores da mesma, e também é responsável pela monitoria do LabGrad e do LAR.

Leia mais

O Núcleo pode ser classificado quanto à sua arquitetura em três categorias principais:

O Núcleo pode ser classificado quanto à sua arquitetura em três categorias principais: 1. Kernel (Núcleo) O Kernel, em português Núcleo, é o principal componente do sistema operativo da maioria dos computadores. Ele serve de ligação entre os programas e o processamento real de dados feito

Leia mais

Capacitação Vix Linux. Marcos Alessandro By: Jacson RC Silva

Capacitação Vix Linux. Marcos Alessandro <marcos@doctum.edu.br> By: Jacson RC Silva <jacsonrcsilva@gmail.com> Capacitação Vix Linux Marcos Alessandro By: Jacson RC Silva GRUB The GRand Unified Bootloader Gestor de Inicialização GRUB O que é Primeiro programa ao

Leia mais

Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server

Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server Autor: Eder S. G. - edersg@vm.uff.br Versão: 1.2 Data: 21/11/2012 Última atualização: 07/03/2013 Observação: Máquina real: Sistema operacional

Leia mais

Sistemas Embarcados. Filesystem Hierarchy Standard (FHS) Root filesystem. Aula 06

Sistemas Embarcados. Filesystem Hierarchy Standard (FHS) Root filesystem. Aula 06 Introdução Sistemas Embarcados Root File System Linux (kernel) é apenas uma parte de um sistema embarcado Preciso executa a inicialização do sistema e de aplicações Necessário montar o sistema de arquivos

Leia mais

A linha de comando do Unix e GNU/Linux

A linha de comando do Unix e GNU/Linux A linha de comando do Unix e GNU/Linux A linha de comando do Unix e GNU/Linux Michael Opdenacker Free Electrons http://free-electrons.com Traduzido por Klayson Sesana Bonatto Criado com OpenOffice.org

Leia mais

UDPcast Clonagem de HDs via rede utilizando

UDPcast Clonagem de HDs via rede utilizando Manual Clonando Discos com o UDPcast Clonagem de HDs via rede utilizando o UDPCast. Produzido por: Sergio Graças Giany Abreu Desenvolvedores do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Clonando Discos com o UDPcast

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers RAID Objetivo: Entender os principais níveis de RAID, configurar RAID-1, verificar o estado do RAID, simular falhas no RAID. Um servidor deve sofrer muitas manutenções durante seu período de uso? Não!

Leia mais

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação.

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação. Novell Linux Desktop www.novell.com 27 de setembro de 2004 INICIALIZAÇÃO RÁPIDA Bem-vindo(a) ao Novell Linux Desktop O Novell Linux* Desktop (NLD) oferece um ambiente de trabalho estável e seguro equipado

Leia mais

Conteúdo. Wariston Fernando Pereira. MBA Gestão Estratégica e Inteligência em Negócios; Bacharelado em Ciência da Computação;

Conteúdo. Wariston Fernando Pereira. MBA Gestão Estratégica e Inteligência em Negócios; Bacharelado em Ciência da Computação; Conteúdo Wariston Fernando Pereira MBA Gestão Estratégica e Inteligência em Negócios; Bacharelado em Ciência da Computação; Disciplinas: Sistemas de Informação; Estágio Supervisionado; Antes de Começarmos...

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

TRABALHO SOBRE TIPOS DE ARQUIVOS PARA LINUX

TRABALHO SOBRE TIPOS DE ARQUIVOS PARA LINUX TRABALHO SOBRE TIPOS DE ARQUIVOS PARA LINUX FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Devemos considerar que este trabalho aplica-se a todas as distribuições de Linux já que os tipos de arquivos são comuns

Leia mais

Introdução ao Linux: Parte I

Introdução ao Linux: Parte I Data: Introdução ao Linux: Parte I Marcelo Ribeiro Xavier da Silva marceloo@inf.ufsc.br Histórico 3 Origem do GNU Linux Em 1983, Richard Stallman fundou a Free Software Foundation, com o intuito de criar

Leia mais

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS Foram reservados intervalos de endereços IP para serem utilizados exclusivamente em redes privadas, como é o caso das redes locais e Intranets. Esses endereços não devem ser

Leia mais

INTRODUÇÃO A LINUX. Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais 26/11/2013

INTRODUÇÃO A LINUX. Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais 26/11/2013 1 2 INTRODUÇÃO A LINUX ADRIANO SILVEIRA ADR_SILVEIRA@YAHOO.COM.BR Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais Kernel núcleo do

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep Secure em um

Leia mais

Curso Técnico em Informática. Informática Aplicada Rafael Barros Sales

Curso Técnico em Informática. Informática Aplicada Rafael Barros Sales Curso Técnico em Informática Informática Aplicada Rafael Barros Sales A palavra INFORMÁTICA pode ser traduzida como a ciência que trata e usa a INFORMAÇÃO. História dos HD'S O primeiro disco rígido foi

Leia mais

Construindo um Linux Parte 1 - Disk Boot Objetivo: Entender que o Linux é como um LEGO (Pode ser montado).

Construindo um Linux Parte 1 - Disk Boot Objetivo: Entender que o Linux é como um LEGO (Pode ser montado). Construindo um Linux Parte 1 - Disk Boot Objetivo: Entender que o Linux é como um LEGO (Pode ser montado). Os disquetes Linux são úteis em diversas situações, tais como: Testes de um novo kernel; Recuperação

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

International Syst S/A

International Syst S/A As informações contidas neste documento pertencem à International Syst S/A. Qualquer questão referente à utilização deste documento ou informações contidas no mesmo deverão ser dirigidas à International

Leia mais

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Introdução ao Linux Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Sistema Operacional Linux Embora o Sistema Operacional Microsoft Windows ainda seja predominante no mercado de desktops e Notebooks,já é, bastante

Leia mais

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre 22:59:36 Introdução à Informática com Software Livre 1 22:59:36 O Debian é uma distribuição GNU/Linux desenvolvida abertamente por um grupo mundial de voluntários, no esforço de se produzir um sistema

Leia mais