Mark Stroetzel Glasberg. ActivePresentation Um Sistema para Apresentações Distribuídas em Ambientes de DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mark Stroetzel Glasberg. ActivePresentation Um Sistema para Apresentações Distribuídas em Ambientes de DISSERTAÇÃO DE MESTRADO"

Transcrição

1 Mark Stroetzel Glasberg ActivePresentation Um Sistema para Apresentações Distribuídas em Ambientes de Computação Ubíqua DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Pós graduação em Ciência da Computação Rio de Janeiro Novembro de 2005

2 Mark Stroetzel Glasberg ActivePresentation Um Sistema para Apresentações Distribuídas em Ambientes de Computação Ubíqua Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo Programa de Pós graduação em Ciência da Computação do Departamento de Informática da PUC Rio Orientador: Prof. Renato Cerqueira Rio de Janeiro Novembro de 2005

3 Mark Stroetzel Glasberg ActivePresentation Um Sistema para Apresentações Distribuídas em Ambientes de Computação Ubíqua Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo Programa de Pós graduação em Ciência da Computação do Departamento de Informática do Informática da PUC Rio.Aprovada pela Comissão Examinadora abaixo assinada. Prof. Renato Cerqueira Orientador Departamento de Informática PUC Rio Prof. Luiz Fernando Gomes Soares PUC-Rio Prof. Marcelo Gattass PUC-Rio Prof. Clarisse Sieckenius de Souza Coordenador Setorial do Informática PUC Rio Rio de Janeiro, 9 de Novembro de 2005

4 Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do trabalho sem autorização da universidade, do autor e do orientador. Mark Stroetzel Glasberg Em 1993 formou-se técnico em eletrônica em conjunto com o científico. Graduou-se em Engenharia de Computação na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro em Atuou como analista de sistemas no Tecgraf, laboratório de computação gráfica da PUC- Rio, onde coordenou diversos projetos. Em 2003 iniciou o mestrado na PUC-Rio. Ainda no Tecgraf, com patrocínio da Petrobrás, desenvolveu um projeto de pesquisa relacionado com a sua dissertação. Lecionou disciplinas na PUC-Rio para o curso de graduação em Engenharia de Computação e Engenharia Elétrica. Finalmente, concluiu parte de seu mestrado na Universidade de Illinois em Urbana-Champaign com suporte do grupo de sistemas distribuídos, onde desenvolveu sistemas para a execução de apresentações multimídia distribuídas. Atualmente pesquisa e desenvolve sistemas de software para análise e automação de comércio eletrônico de alta freqüência atuando nos principais mercados de futuros dos Estados Unidos e da Europa. Glasberg, Mark Ficha Catalográfica ActivePresentation/ Mark Stroetzel Glasberg; orientador: Renato Cerqueira. Rio de Janeiro : PUC Rio, Departamento de Informática, v., 77 f: il. ; 29,7 cm 1. Dissertação (mestrado) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Departamento de Informática. Inclui referências bibliográficas. I. Cerqueira, Renato. II. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Departamento de Informática. III. Título. CDD: 510

5 Agradecimentos Com grande admiração, agradeço ao meu orientador Professor Renato Cerqueira, com quem já venho trabalhando há muitos anos e com quem muito aprendi. Aos meus co-orientadores Marcelo Gattass, Luiz Fernando Gomes Soares e Roy Campbell pelos ensinamentos, apoio, simpatia e incentivo para a realização deste trabalho. À minha família, que sofreu minha ausência durante o tempo que passei fora do Brasil e, em memória, ao meu pai. Aos meus colegas da PUC-Rio e da Universidade de Illinois que me fizeram adorar ambos ambientes de trabalho. Ao Tecgraf/PUC-Rio e ao Departamento de Computação da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign que me ofereceram os recursos para o desenvolvimento deste trabalho. A CAPES e à PUC-Rio pelos auxílios concedidos, sem os quais este trabalho não poderia ter sido realizado. Finalmente, gostaria de agradecer a pessoas que auxiliaram e participaram do desenvolvimento deste trabalho: Klara Nahrstedt, Guy Garnett, Frederico Abraham, Pedro Ponce, Pablo Bioni, Rogério Ferreira Rodrigues, Carolina Alfaro, Jalal Al-Muhtadi, Dulcineia Carvalho, Vinicius Almendra, Henrique Pinheiro, Luiz Gustavo Nogara e Reinaldo Mello.

6 Resumo Glasberg, Mark; Cerqueira, Renato. ActivePresentation. Rio de Janeiro, p. Dissertação de Mestrado Departamento de Informática, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. A diminuição do custo e a diversificação dos dispositivos computacionais vêm criando ambientes de computação cada vez mais completos e sofisticados, mas que ainda carecem de softwares de integração que simplifiquem sua utilização e que melhor explorem seu potencial. Para responder a esta questão, vêm sendo desenvolvidos sistemas de computação ubíqua para criar mecanismos de controle remoto e unificado de aplicações e dispositivos. Além disso, grupos de pesquisa na área de multimídia abordam outras questões, como sincronização entre dispositivos, gerência de recursos e definição de padrões de documentos. Este trabalho visa unificar os esforços de ambas as áreas com o objetivo de realizar apresentações multimídia através do paradigma de computação ubíqua. Nele apresentamos a infra-estrutura de execução de apresentações ActivePresentation, desenvolvida e baseada em diferentes protótipos. Além disso, propomos um formato de documento multimídia chamado NCLua para orquestrar tais apresentações. Palavras chave Apresentações Multimídia Distribuídas; Espaços Ativos; Documentos Multimídia

7 Abstract Glasberg, Mark; Cerqueira, Renato. ActivePresentation: A System for Distributed Multimedia Presentations in Ubiquitous Computing Environments. Rio de Janeiro, p. MSc. Dissertation Departamento de Informática, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. The diminishing costs and the diversity of computational devices are creating increasingly complex and sophisticated computational environments. Nonetheless, such environments still lack integration software to simplify their use and to better explore their potential. In response to this issue, ubiquitous computing systems are being developed to create remote control mechanisms of applications and devices. At the same time, research groups in the area of multimedia deal with other issues, such as synchronization between devices, resource management and document standard definitions. The purpose of this work is to join the efforts of both areas in order to build presentations using the ubiquitous computing paradigm. In this work, we introduce the ActivePresentation infrastructure, based and developed through the study of different prototypes. In addition, we propose a multimedia document standard called NCLua to orchestrate such presentations. Keywords Distributed Multimedia Presentation; Active Spaces; Multimedia Documents

8 Conteúdo 1 Introdução Objetivos e Contribuições 13 2 Apresentações em Espaços Ativos 16 3 Protótipos Primeiro Protótipo Segundo Protótipo Terceiro Protótipo Quarto Protótipo Quinto Protótipo 25 4 A Infra-estrutura de Execução ActivePresentation Arquitetura Geral 28 5 Requisitos e Formatos de Documentos Multimídia Requisitos O Formato SMIL O Formato NCL 37 6 NCL em Ambientes de Computação Ubíqua Dispositivos de Execução O Tipo Replica Novas Aplicações Conexão Entre as Aplicações Limitações do NCLua Representações NCLua 48 7 Trabalhos Relacionados 63 8 Conclusões e Trabalhos Futuros 67 9 Apêndice Conector starts.xml Conector finishes.xml Conector meets-start.xml 71 Referências Bibliográficas 71

9 Lista de Figuras 3.1 Uma apresentação PowerPoint R sendo acompanhada em um emulador de aparelho celular Ambiente Virtual de visualização e controle de uma apresentação PowerPoint R real Arquitetura Geral do Sistema Nós de composição com ligações do tipo map e port Conector hipermídia interligando alguns participantes 40

10 The single biggest problem in communication is the illusion that it has taken place. George Bernard Shaw, , crítico literário irlandês, escritor e ensaísta, Prêmio Nobel de literatura em

11 1 Introdução Avanços computacionais evidentes, como maior poder de processamento e armazenamento, miniaturização, interconectividade, maior capacidade de baterias, redes sem fio e tecnologias de software, vêm tornando o computador cada vez mais integrado à vida cotidiana, e um modelo a que chamamos computação ubíqua 1 vem sendo vislumbrado há alguns anos [2, 3, 7, 13, 22, 23]. Cada vez mais freqüentemente salas de trabalho estão sendo dotadas de muitos e variados dispositivos computacionais que aumentam a percepção e a imersão do usuário com informações e processamento digital. Dispositivos computacionais disponíveis em grande quantidade oferecem novas funcionalidades, aumentam a produtividade dos usuários e facilitam as tarefas do cotidiano. Em casa, no trabalho e em áreas públicas, uma infra-estrutura computacional ubíqua é capaz de otimizar o ambiente do usuário para atender às necessidades de suas atividades de trabalho e recreativas. Os usuários podem ter acesso em qualquer lugar e a qualquer instante à rede e a recursos computacionais. Neste contexto, as aplicações devem fazer uso efetivo dos recursos disponíveis para dar suporte às atividades dos usuários. Entretanto, a heterogeneidade, a mobilidade e o grande número de dispositivos tornam o desenvolvimento de aplicações uma tarefa muito mais complexa. Com o intuito de facilitar esse desenvolvimento, foi definido o conceito de espaço ativo [22], que é um espaço físico estendido por uma série de dispositivos computacionais e uma infra-estrutura de software responsável por gerenciar os recursos disponíveis e coordenar as atividades que se desenvolvem nesse espaço. Essa infra-estrutura de software desempenha um papel similar ao de um sistema operacional em um computador convencional, definindo 1 O termo computação ubíqua vem do inglês ubiquitous computing e conota onipresença, mas já ganhou outros nomes como pervasive computing, referente à sua característica invasiva, e seamless computing, em tradução literal computação sem emendas, relativo ao seu aspecto de integração de sistemas.

12 ActivePresentation 11 um ambiente computacional genérico que converte um espaço físico e seus dispositivos em um sistema programável. Um exemplo de espaço físico que carece de tal infra-estrutura de software e que vem se tornando cada vez mais comum são as salas de trabalho multifuncionais, ambientes de trabalho que contam com uma série de recursos computacionais e de multimídia para dar apoio a atividades como reuniões, apresentações e sessões de trabalho colaborativo. Essas atividades podem se desenvolver com todos os participantes presentes no mesmo ambiente de trabalho, com alguns participantes remotos ou até mesmo com participantes distribuídos por salas em diferentes localidades. Diversos trabalhos [22, 23, 42] oferecem uma infra-estrutura genérica para o desenvolvimento de aplicações para espaços ativos. O projeto Gaia [22], desenvolvido pelo Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign, é um meta-sistema operacional que objetiva a criação de um novo nível de abstração para a operação e o controle de múltiplos dispositivos e aplicações. Tal infra-estrutura de software visa solucionar diversas questões comuns ao uso de ambientes de computação ubíqua. Início e término remoto de aplicações, integração entre diferentes middlewares [6, 14], operações sobre o sistema de arquivos [24, 35], detecção de erros, segurança [25] e alocação de recursos são alguns dos serviços que se fazem necessários em tais ambientes. Além disso, o projeto Gaia [22] vem estudando a criação de novos tipos de aplicações para a realização de diferentes tarefas sobre tal infra-estrutura, como por exemplo trabalho colaborativo [8, 43, 42], antecipação e adaptação da execução de aplicações [36], obtenção e recuperação de contextualização de execução [44, 37], adaptação de execução de aplicações entre salas [52], integração de aplicações single-user para controle remoto [43] e a integração de diferentes redes de espaços ativos criando a noção de superspaces. Outra aplicação possível é a utilização de tais ambientes ricos em dispositivos para a execução coordenada de apresentações multimídia compostas por vídeo, som, imagens estáticas, páginas web ou até mesmo aplicações convencionais que não estejam diretamente ligadas a conteúdo multimídia. O uso de múltiplos dispositivos e aplicações para compor uma apresentação distribuída oferece diversos desafios, mas ao mesmo tempo grandes resultados. A combinação de diversas telas em uma apresentação normalmente causa um grande impacto na audiência. Mais ainda, dispositivos como os Ubisensors [53, 54, 15], câmeras que podem ser remotamente controladas, telefones celulares e PDAs podem incrementar uma apresentação. Finalmente, aplicações single-user já estabelecidas, como Microsoft PowerPoint,

13 ActivePresentation 12 Windows Media Player e Internet Explorer, facilitam ao usuário a criação de conteúdo para apresentações. A variedade de recursos disponíveis em salas multifuncionais permite que o mesmo conteúdo seja apresentado em diferentes dispositivos. De forma similar, tal conteúdo pode ser apresentado simultaneamente em dispositivos de outros espaços ativos, ou até mesmo no computador de um participante remoto. Esse contexto de trabalho naturalmente propicia o desenvolvimento de atividades colaborativas, nas quais vários usuários interagem simultaneamente com o ambiente, sejam esses usuários locais ou remotos. Desta forma, a distinção entre a realização de um trabalho colaborativo e de uma apresentação multimídia se torna bastante difícil. Como exemplo, considere um cenário de uma sala multifuncional com múltiplas telas, cada uma acoplada a um computador diferente. Uma apresentação multimídia foi construída de forma a utilizar duas telas para a reprodução de um vídeo de forma sincronizada. Isto permite ao espectador olhar para qualquer tela para acompanhar o vídeo, o que além de trazer maior conforto também cria um efeito de imersão na apresentação. Em um terceiro computador, slides PowerPoint R são apresentados fazendo referência ao conteúdo do vídeo. À medida que diferentes tópicos são abordados no vídeo, os slides avançam automaticamente. Em outro computador, é executado um navegador web que também é sincronizado com o vídeo de forma a mostrar páginas que contêm tópicos relativos ao conteúdo do vídeo. Em um segundo cenário, considere uma apresentação multimídia distribuída onde alunos assistem a uma aula através de seus espaços ativos. Em uma tela são apresentados slides PowerPoint R relativos ao conteúdo da aula. Uma segunda tela mostra uma aplicação que recebe mensagens instantâneas para onde é enviado um texto relativo ao conteúdo de cada slide. O texto enviado também é lido através de uma aplicação de TTS (Text To Speech). Cada vez que o aluno clica para receber uma mensagem a aula prossegue, avançando o slide PowerPoint. Além disso, em determinados pontos da apresentação vídeos que enfatizam o conteúdo que está sendo exposto podem ser iniciados e terminados em telas auxiliares. Em um diferente cenário desejamos controlar diversos dispositivos em uma peça teatral. Nesta situação, computadores controlam som, vídeo, iluminação, entre outros efeitos durante a peça. Além disso, dispositivos de rastreamento da posição dos atores [53, 54, 15] podem auxiliar a coordenar a performance, criando efeitos baseados em suas posições. Por exemplo, o controle do volume do som pode ser ligado à posição de um ator. Tal efeito poderia ser utilizado, por exemplo, para interromper uma música quando o

14 ActivePresentation 13 ator deixa o palco. Em outro exemplo, a posição dos atores pode guiar uma luz direcional para sua atual posição ou até mesmo iniciar a reprodução de um vídeo. O projeto CyberOpera que vem sendo desenvolvido pela Universidade de Illinois em Urbana-Champaign tem como objetivo a construção de uma peça teatral controlada por computadores. Este projeto piloto e seus resultados servirão para direcionar a criação de um novo modelo de teatro automatizado. O Krannert Center e o Departamento de Computação desta universidade vêm buscando patrocínio para a construção de um prédio com este objetivo. Finalmente, o trabalho de Camille Utterback [1] vem explorando novas tecnologias de computação para a criação de obras de arte através da geração de efeitos visuais e sonoros com base na movimentação de pessoas e objetos em um espaço físico. Galerias de arte, museus de ciência e museus para crianças vêm se interessando por este tipo de trabalho tanto como forma de arte quanto de entretenimento. Como exemplos dos efeitos criados através da posição de espectadores, temos diversas brincadeiras com linhas e cores, a variação da velocidade de reprodução de segmentos de um vídeo, uso de projeções no piso para a criação de efeitos, entre outros. 1.1 Objetivos e Contribuições Um dos objetivos deste trabalho é a definição dos requisitos necessários para a construção de um sistema que possa executar tais apresentações. Isso foi feito através da construção de diversos protótipos e cenários que apontam a necessidade de certos componentes de software e de determinados serviços. Nota-se contudo que, em um sistema de computação ubíqua, diversos componentes já estão disponíveis para utilização. Nas próximas seções é feito um levantamento de exatamente quais componentes de software são necessários e como a infra-estrutura ActivePresentation faz uso deles. Um segundo passo da construção do sistema é a representação das apresentações. Tais representações têm como objetivo tornar possível que um software coordene uma apresentação baseado em diretivas. Nosso objetivo é utilizar um documento multimídia que permita ao usuário descrever as aplicações a serem utilizadas, o conteúdo de cada aplicação (a mídia) e a ligação entre cada componente. Um dos benefícios dessa estratégia é o desacoplamento do desenvolvimento de duas partes independentes: a plataforma de execução e o sistema de autoria do documento. O segundo permiti-

15 ActivePresentation 14 ria auxiliar usuários menos experientes na construção de suas apresentações distribuídas. A inclusão de novas aplicações permite que novos tipos de mídia e conteúdo possam ser apresentados, oferecendo extensibilidade ao sistema. Mais ainda, a inclusão de novas aplicações provê ao sistema liberdade para a criação de apresentações com aplicações que não foram criadas para este fim, tal como uma aplicação de renderização tridimensional em tempo real. Além disso, diferentes aplicações oferecem uma variedade de mecanismos de entrada de dados e comandos, além da possibilidade de múltiplas interfaces de entrada como teclados, mice, voz e gestos. Da mesma forma, as aplicações podem ter à sua disposição uma série de dispositivos de saída, tais como monitores de vídeo, telas de PDAs, projetores, telões e altofalantes. Dispositivos e componentes de software também podem ser adicionados ou removidos do ambiente a qualquer instante, e assim as aplicações precisam ser capazes de se adaptar dinamicamente a novos ambientes de execução. Muitos aspectos do contexto físico, computacional e comportamental que circundam o usuário podem ter impacto no comportamento da apresentação, devido a requisitos de disponibilidade de recursos, segurança e privacidade. Através das aplicações é possível relacionar futuros requisitos, dispositivos e tecnologias à reprodução de uma apresentação. Para auxiliar na inclusão de novas aplicações, assim como ocorre em sistemas computacionais tradicionais, faz-se necessário o uso de infraestruturas de software (frameworks) especializadas. Através de um framework para construção e inclusão de aplicações em apresentações multimídia distribuídas é possível facilitar ainda mais o desenvolvimento de componentes de mídia neste ambiente. Além da infra-estrutura de execução, é necessário um sistema para guiar tais apresentações multimídias. Atualmente muitas aplicações usam formatos de documentos para descrever apresentações em uma máquina [16, 9, 17, 45, 46]. Apesar de alguns desses trabalhos servirem de base para a representação de um documento, nota-se uma diferença no objetivo final de cada formato bem como no uso das aplicações, como é descrito no Capítulo 7. Outro obstáculo na descrição do documento é como flexibilizá-lo para a inclusão de novas aplicações. Cada aplicação possui características e interface de acesso completamente diferentes. Além disso, a relação entre cada aplicação (e sua forma de controle) precisa também ser representada. Idealmente gostaríamos que não fosse necessário alterar o formato cada vez que uma nova aplicação precisa ser adicionada.

16 ActivePresentation 15 Outro objetivo do documento é a descrição da apresentação de forma a possibilitar uma adaptação automática entre diferentes salas multifuncionais. Para tanto, faz-se necessária a generalização dos dispositivos e das aplicações. Como principais contribuições deste trabalho podemos mencionar o levantamento de requisitos para um sistema de execução de apresentações multimídia distribuído, a utilização de resultados de sistemas de computação ubíqua (em particular do projeto Gaia [22]), a construção da infra-estrutura de software ActivePresentation para a construção de protótipos de diversas apresentações multimídia distribuídas e a definição de um modelo de documento para descrever tais apresentações chamado NCLua, baseado na linguagem NCL [10, 38]. Esta dissertação está organizada da seguinte forma: no Capítulo 2, analisamos algumas características e desafios para o desenvolvimento de aplicações para salas multifuncionais sob o ponto de vista de espaços ativos [22], comentando e comparando seus objetivos e soluções; o Capítulo 3 apresenta protótipos de aplicações construídas com esta infra-estrutura; descrevemos no Capítulo 4 a infra-estrutura de execução para a construção de apresentações multimídia distribuídas, apresentando algumas de nossas decisões de projeto e sua arquitetura; o Capítulo 5 apresenta SMIL, uma linguagem bastante utilizada para a representação de apresentações multimídia, e NCL, uma linguagem com maior poder de representação que por fim optamos por utilizar. Neste capítulo também propomos modificações à linguagem NCL para adequá-la a ambientes de computação ubíqua, e apresentamos exemplos de documentos. No Capítulo 7 apresentamos trabalhos relacionados. Finalmente o Capítulo 8 fecha esta dissertação com conclusões e trabalhos futuros.

17 2 Apresentações em Espaços Ativos A comunicação entre computadores e dispositivos através da Internet, Intranet, redes com e sem fio, Bluetooth, infra-vermelho e outras tecnologias os torna cada vez mais ligados, criando a noção de um sistema monolítico composto por diversos dispositivos especializados. Para explorar de forma plena o potencial desse paradigma é necessária uma estrutura de software que organize e coordene a comunicação e operação desses dispositivos. O projeto Gaia [22] define um conjunto de serviços e características que criam a base de software necessária para a utilização deste sistema monolítico. Esta base assume a forma de um sistema operacional sobre o qual é possível criar e executar aplicações. Este trabalho não visa a elucidação completa do funcionamento interno de um espaço ativo e também não objetiva explicar serviços relativos ao sistema Gaia. Apresentamos abaixo serviços comuns a espaços ativos e que consideramos úteis para a criação de uma aplicação multimídia distribuída. Descoberta utiliza eventos para rastrear componentes de software, pessoas e entidades físicas presentes no espaço. As informações são coletadas e armazenadas através dos seguintes serviços: Serviço de Localização provê informações sobre a localização espacial dentro de um ambiente através de diversas tecnologias, como Ubisensor [53], cartões de identificação, Bluetooth, entre outras. Banco de Dados Espaciais armazena informações relativas à organização física de um ambiente. Através do Banco de Dados Espacial o sistema pode relacionar objetos e pessoas, expandindo assim sua capacidade de contextualização. Serviço de Presença é responsável por manter informações capturadas sobre a disponibilidade dos recursos no ambiente. Os recursos se dividem entre digitais, como aplicações e serviços, e

18 ActivePresentation 17 físicos, como pessoas e mobílias (capturadas pelo Serviço de Localização). Através de um mecanismo de heartbeat é possível verificar constantemente se uma entidade ainda está disponível. Repositório do Espaço Ativo armazena e disponibiliza informações do Serviço de Presença. Este nível de indireção permite que as aplicações sejam descritas de forma genérica e independente do espaço ativo. Detecção Semântica cria uma abstração acima do nível do Repositório do Espaço Ativo para que a representação dos dispositivos e dos serviços seja feita através de um nível de descrição mais alto. Por exemplo, esse serviço pode responder a perguntas sobre a disponibilidade de som no espaço ativo sem precisar saber qual é a máquina que controla o som. O Repositório do Espaço Ativo conhece a máquina que controla o som enquanto o Serviço de Presença verifica se ela está disponível. Serviço de Naming armazena as referências dos serviços internos ao sistema. Repositório de Componentes é responsável por armazenar e fornecer informações a respeito dos componentes de software que podem ser executados em um determinado dispositivo. Eventos são mecanismos de troca de mensagens baseados no modelo de fornecedor/consumidor ou de canais. São particularmente úteis para notificações de grupo sem a antecipação dos receptores e para aumentar a confiabilidade do sistema devido ao desacoplamento da troca de mensagens. Sistema de Arquivos é uma peça fundamental para a troca de dados entre computadores e dispositivos, seja através da montagem de diretórios ou da transferência via sockets. Serviços mais sofisticados também podem ser empregados, por exemplo utilizando streaming e contexto [35]. Provedores de Contexto criam a possibilidade de adaptação de aplicações através da discretização e obtenção de contexto pelo sistema. Ontologias permitem que o sistema descreva recursos e capacidades em um nível de abstração mais alto. Através desse nível de abstração

19 ActivePresentation 18 as aplicações para espaços ativos podem se adaptar melhor entre diferentes espaços físicos. Identificação e Autenticação permite que sejam implementados mecanismos de segurança para a obtenção de informações e o controle de acesso aos dispositivos. A identificação garante que o sistema consiga identificar qual usuário realiza determinadas tarefas. A autenticação é considerada uma identificação mais forte, na qual a identidade do usuário é comprovada através de mecanismos mais seguros. Controle de Acesso automatiza a criação e aplicação de políticas de acesso dinamicamente com base em diferentes configurações do espaço ativo. O sistema é capaz de reconhecer os diferentes modos de cooperação entre usuários e a dependência entre aspectos físicos e virtuais de forma a adaptar as políticas de segurança. A grande quantidade e variedade de serviços necessários para a criação de um espaço ativo se deve à diversidade de dispositivos e aplicações e à heterogeneidade dos diferentes ambientes físicos. Os serviços apresentados visam solucionar questões como localização dos serviços básicos de um ambiente, aumento da capacidade de contextualização, adaptação de execução entre diferentes espaços físicos, novos paradigmas de utilização de recursos computacionais, comunicação entre dispositivos, aumento de captura e interpretação de informações, medidas de segurança para garantir a privacidade do usuário, entre outros. Um sistema de apresentação de conteúdo multimídia de forma distribuída pode fazer proveito de muitos dos serviços descritos. Em tal sistema, o Serviço de Naming pode ser utilizado para armazenar referências iniciais a serviços específicos de uma aplicação multimídia, como um gerente de grupo (descrito posteriormente no Capítulo 4). Além disso, pode ser utilizado para consultas a certas aplicações em execução no espaço ativo que fazem parte de uma apresentação multimídia. O Serviço de Localização fornece informações que podem ser utilizadas para a configuração de uma apresentação ou então podem ser capturadas de forma a modificar uma apresentação. O Serviço de Presença, através do mecanismo de heartbeat, pode adaptar uma apresentação a falhas e desconexões em tempo de execução. O Repositório do Espaço Ativo pode armazenar e disponibilizar informações do Serviço de Presença para que se possa relacionar e adaptar apresentações entre os diferentes espaços físicos. O Banco de Dados Espacial pode oferecer informações de localização ao serviço de

20 ActivePresentation 19 Detecção Semântica. Desta forma, pode-se relacionar componentes de uma apresentação a dispositivos através de alguma lógica de posicionamento entre os diferentes ambientes físicos. Isso pode auxiliar, por exemplo, na escolha autônoma dos dispositivos de saída. O Repositório de Componentes permite localizar os componentes de software para a execução de aplicações. A adaptação de uma apresentação também dependerá das informações contidas nesse serviço para que sejam escolhidos os dispositivos de execução mais apropriados. O mecanismo de Eventos permite que as aplicações troquem informações sobre sua execução através de comunicação entre dispositivos. Algumas informações relevantes são: fim da apresentação de um conteúdo, aplicação preparada para iniciar, chegada em um determinado estado de execução e interações do usuário. Além disso, a averiguação e adaptações devido a variações de qualidade de rede poderiam ser empregadas em uma apresentação para garantir sua execução [26]. A execução de aplicações, principalmente as de apresentação de conteúdo multimídia, requer o uso de arquivos de dados. Um Sistema de Arquivos se faz necessário para a transferência de arquivos entre dispositivos. Diferentes trabalhos tratam de variadas questões relativas à transmissão de dados em apresentações multimídia para ambientes de computação ubíqua. Por exemplo, a mobilidade de dispositivos pode causar problemas de desconectividade [47], a heterogeneidade dos dispositivos pode exigir a conversão do tipo de dado [55] e questões de streaming e QoS para a previsão de alocação e uso de recursos [27]. Serviços Provedores de Contexto criam a possibilidade de adaptação de execução do conteúdo multimídia para as diversas atividades desempenhadas pelos usuários. Por exemplo, quando o usuário deixa um ambiente, uma apresentação pode ser automaticamente pausada; ou um sistema de reprodução de vídeo sincronizado em múltiplas telas pode ser coordenado através do foco de visão de um determinado usuário, de modo que, quando o foco de visão está voltado para uma tela, o número de imagens por segundo do vídeo apresentado é máximo e para todos os outros vídeos este valor é menor. Desta forma, a utilização de recursos de tais ambientes pode ser controlada em uma apresentação [28]. O uso de Ontologias ajuda a descrever a capacidade computacional de ambientes ubíquos. Essa descrição auxilia na adaptação, no uso de recursos e na representação de uma apresentação. Através de uma linguagem de alto nível é possível descrever as necessidades e características requeridas para a execução de uma apresentação.

21 ActivePresentation 20 A Identificação e Autenticação dos usuários permite a criação de mecanismos automáticos para individualizar a configuração de uma apresentação. Por exemplo, um usuário pode preferir que o brilho de seu dispositivo seja mais intenso para a apresentação de um vídeo ou que o tom de vermelho seja mais forte. Além disso, é possível controlar o conteúdo de determinadas apresentações para que possam existir políticas de restrição entre diferentes usuários, adaptando o conteúdo para diferentes platéias. Finalmente, o Controle de Acesso permite, por exemplo, que a política de interação com a apresentação seja diferente para os diferentes usuários. Usuários não autenticados no sistema podem ser impedidos de retroceder a apresentação, porém podem ser autorizados a avançá-la.

22 3 Protótipos Desenvolvemos diversos protótipos para a realização de apresentações multimídia distribuídas. Os protótipos auxiliaram na construção da infraestrutura de execução apresentada no Capítulo 4 e também na definição dos objetivos da representação do documento multimídia distribuído apresentado no Capítulo 5. Neste capítulo apresentamos protótipos que integram aplicações como o Microsoft PowerPoint R e o Windows Media Player R, dois programas comerciais de código fechado que oferecem automação através de COM [5] e portanto nos permitem apenas o controle externo de execução. Uma adaptação da interface COM dessas aplicações nos permitiu distribuí-las através de CORBA [60]. Utilizamos para essa adaptação a linguagem de colagem LuaOrb [6, 14], que facilita a interoperabilidade entre diferentes middlewares, convertendo tipos de dados e oferecendo rápida prototipação. Além dessas aplicações comerciais, integramos o Navegador 3D, uma ferramenta de código aberto construída para permitir ao usuário a navegação em modelos tridimensionais. Utilizamos também um sensor chamado Ubisensor [53], capaz de captar a posição espacial de sensores através de tecnologia de banda de alta freqüência. 3.1 Primeiro Protótipo O Microsoft PowerPoint R, como componente de uma apresentação, se mostrou bastante atraente pela facilidade de composição de conteúdo. Esta característica, aliada à facilidade de uso pelos usuários, a torna uma ferramenta interessante tanto para o trabalho colaborativo quanto para a composição de apresentações multimídia. Nosso objetivo principal com este protótipo era experimentar a flexibilidade de controle da infra-estrutura. Para tanto, testamos controladores

23 ActivePresentation 22 Figura 3.1: Uma apresentação PowerPoint R sendo acompanhada em um emulador de aparelho celular de grupo variados, como aplicações stand-alone, páginas Web, reconhecedores de voz, aparelhos de celular e a própria interface com o usuário que o PowerPoint R oferece. A interface de automação do PowerPoint R nos permitiu obter bons resultados de integração com a infra-estrutura ActivePresentation. Funcionalidades como início e término de aplicações, transferência de arquivos e controle em grupo nos auxiliaram na construção de um sistema de trabalho colaborativo no qual é feita uma execução sincronizada entre máquinas, permitindo operação em conjunto através de múltiplos controladores. Em um ambiente de trabalho com debates e interação, o controle distribuído de uma apresentação PowerPoint R pode obedecer a seguinte semântica: todas as operações de troca de slides são enviadas para o grupo e o slide final será o resultante da união de todas as ações. Através da ferramenta Brew [18] de desenvolvimento de aplicativos para celulares CDMA, construímos um visualizador e controlador diferente para grupos de PowerPoints R. Uma imagem do protótipo é vista na figura 3.1, na qual um emulador Brew mostra os controles e a imagem de uma apresentação PowerPoint R em execução. Por ser uma ferramenta para dispositivos móveis, Brew oferece uma infra-estrutura de software reduzida, permitindo a comunicação entre dispositivos apenas através de sockets. Desta forma, para integrar o aparelho de celular à infra-estrutura ActivePresentation utilizamos um serviço intermediário que, através de um simples protocolo de comunicação com o

24 ActivePresentation 23 aparelho de celular, integra os dois sistemas. 3.2 Segundo Protótipo Após a construção do primeiro protótipo com o Microsoft PowerPoint R, integramos o Windows Media Player R utilizando a mesma infra-estrutura de execução. O objetivo de integrar o Windows Media Player R é utilizá-lo como componente de reprodução de áudio e vídeo, peça fundamental para a composição de apresentações multimídia. Como ocorreu com o Microsoft PowerPoint R, utilizamos a interface de automação COM oferecida por este componente para controlar e observar eventos ocorridos no decorrer da sua execução. Nosso objetivo com este protótipo foi, em primeiro lugar, averiguar a generalidade da infra-estrutura. Através dos bons resultados obtidos, principalmente pela agilidade com que o Windows Media Player R foi inserido na infra-estrutura, concluímos que obtivemos êxito neste propósito. Nosso segundo objetivo era interligar os dois protótipos de forma a construir uma apresentação multimídia distribuída. Para interligar as aplicações, construímos uma terceira aplicação para coordenar a execução do PowerPoint R em sincronia com a reprodução do vídeo. Utilizamos o formato de vídeo ASF [39], que permite inserir marcas de tempo nos arquivos de vídeo as quais são reconhecidas pelo Windows Media Player R que informa através de sua interface de automação quando elas são atingidas durante a reprodução de um vídeo. Através da notificação da ocorrência desses eventos pela infra-estrutura ActivePresentation, a aplicação controladora muda o slide do PowerPoint R. 3.3 Terceiro Protótipo Ambientes tridimensionais presentes em jogos, simulações e projetos de engenharia já fazem parte do cotidiano de trabalho de muitas empresas. Em nosso terceiro protótipo, investigamos o uso de aplicações de visualização 3D em apresentações multimídia distribuídas. Para isso, utilizamos o Navegador 3D, uma aplicação de visualização tridimensional desenvolvida em nosso laboratório que oferece facilidades como navegação, carga de modelos e interação sobre objetos 3D.

25 ActivePresentation 24 Figura 3.2: Ambiente Virtual de visualização e controle de uma apresentação PowerPoint R real Em nosso protótipo, inserimos o Navegador 3D como uma aplicação dentro de nossa infra-estrutura. A figura 3.2 mostra um modelo tridimensional de um computador que executa um PowerPoint R fictício. A imagem de um slide, vista nessa figura, é retirada de uma apresentação que ocorre em um computador real. A apresentação PowerPoint R real pode ser manipulada através das setas virtuais, que podem ser selecionadas dentro do ambiente virtual. Além disso, quando ocorre uma troca de slide na apresentação, a imagem exibida no ambiente virtual é atualizada. Futuramente, essa idéia pode ser estendida para controlar remotamente sistemas complexos através de uma representação virtual do sistema, oferecendo um alto grau de semelhança com a interface real. 3.4 Quarto Protótipo Em nosso quarto protótipo experimentamos o uso de um sistema comum em ambientes de computação ubíqua: um sistema de localização. Utilizamos um sensor chamado Ubisensor [53], que capta valores tridimensionais da posição de receptores através de sinais de rádio de alta freqüência. Nossa idéia era interligar o navegador 3D com o Ubisensor para representar o posicionamento tridimensional de um receptor no ambiente de visualização. Nosso objetivo principal era obter informações quanto à dificuldade de representação deste cenário através de um documento

Nesta seção apresentamos protótipos que desenvolvemos com o objetivo de levantar os requesitos necessários para um sistema para apresentações

Nesta seção apresentamos protótipos que desenvolvemos com o objetivo de levantar os requesitos necessários para um sistema para apresentações 3 Protótipos Nesta seção apresentamos protótipos que desenvolvemos com o objetivo de levantar os requesitos necessários para um sistema para apresentações multimídia distribuídas. Os protótipos auxiliaram

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Um Modelo de Componentes de Software com Suporte a Múltiplas Versões

Um Modelo de Componentes de Software com Suporte a Múltiplas Versões Hugo Roenick Um Modelo de Componentes de Software com Suporte a Múltiplas Versões Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós graduação em Informática do Departamento de Informática

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Motivação

1 Introdução. 1.1. Motivação 1 Introdução A adoção do Ginga-NCL como middleware declarativo do SBTVD (Sistema Brasileiro de Televisão Digital) estabeleceu um marco no desenvolvimento de aplicações interativas para TV Digital terrestre

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

Multimídia para Web e Intranet Prof. M. Sc. Carlos de Salles

Multimídia para Web e Intranet Prof. M. Sc. Carlos de Salles Multimídia para Web e Intranet Prof. M. Sc. Carlos de Salles Curso de Especialização em Redes de Computadores Departamento de Informática Universidade Federal do Maranhão www.deinf.ufma.br/~csalles/disciplinas.htm

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

CAPTURA SINCRONIZADA DE VÍDEO NO ENSINO DE CIÊNCIAS

CAPTURA SINCRONIZADA DE VÍDEO NO ENSINO DE CIÊNCIAS CAPTURA SINCRONIZADA DE VÍDEO NO ENSINO DE CIÊNCIAS INTRODUÇÃO A imagem e o áudio têm ocupado cada vez mais espaço na constituição e expressão do conhecimento humano, seja no âmbito da informação, do entretenimento

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Antônio Carlos Theóphilo Costa Júnior. Soluções para a Travessia de Firewalls/NAT usando CORBA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Antônio Carlos Theóphilo Costa Júnior. Soluções para a Travessia de Firewalls/NAT usando CORBA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Antônio Carlos Theóphilo Costa Júnior Soluções para a Travessia de Firewalls/NAT usando CORBA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Pós graduação em Informática Rio de Janeiro

Leia mais

3 Requisitos não-funcionais de ferramentas de autoria hipermídia

3 Requisitos não-funcionais de ferramentas de autoria hipermídia Requisitos não-funcionais de ferramentas de autoria hipermidia 34 3 Requisitos não-funcionais de ferramentas de autoria hipermídia Na literatura são vários os trabalhos que discutem os requisitos funcionais

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Luiz Marques Afonso. Um Estudo Sobre Contratos em Sistemas de Componentes de Software. Dissertação de Mestrado

Luiz Marques Afonso. Um Estudo Sobre Contratos em Sistemas de Componentes de Software. Dissertação de Mestrado Luiz Marques Afonso Um Estudo Sobre Contratos em Sistemas de Componentes de Software DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Pós graduação em Informática Rio de Janeiro Setembro

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Objetos distribuídos e invocação remota Introdução Comunicação entre objetos distribuídos Chamada de procedimento remoto Eventos e notificações Objetos

Leia mais

Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque. Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados. Dissertação de Mestrado

Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque. Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados. Dissertação de Mestrado Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs)

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) A UU L AL A Uma empresa fabrica clipes em três tamanhos: grande, médio e pequeno. Seus clientes consomem os produtos dos três tamanhos, mas a empresa nunca conseguiu

Leia mais

Distributed Systems Concepts and Design

Distributed Systems Concepts and Design Distributed Systems, Cap 2, Coulouris Pag. 1 de 1 Distributed Systems Concepts and Design 2 Modelos de Sistemas Modelos de arquitetura de sistemas distribuídos, estão relacionado com o local onde estão

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Otavio Rezende da Silva Uma Arquitetura para Sistemas Multi- Agentes Baseada em Espaços de Tuplas Reflexivos DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Programa de Pós-Graduação em Informática Rio de Janeiro, dezembro de

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Evolução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Componentes de um sistema computacional Conceituação Características desejáveis Organização

Leia mais

Ricardo Gomes Clemente. Uma arquitetura para processamento de eventos de log em tempo real. Dissertação de Mestrado

Ricardo Gomes Clemente. Uma arquitetura para processamento de eventos de log em tempo real. Dissertação de Mestrado 1 Ricardo Gomes Clemente Uma arquitetura para processamento de eventos de log em tempo real Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Exemplos de Sistemas Distribuídos Compartilhamento de Recursos e a Web Principais Desafios para a Implementação

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

Uma Especificação de Máquina de Registradores para Java

Uma Especificação de Máquina de Registradores para Java Guilherme Campos Hazan Uma Especificação de Máquina de Registradores para Java Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo Programa de

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos

Tipos de Sistemas Distribuídos (Sistemas de Informação Distribuída e Pervasivos) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Livia Pires Chaves. Gestão de Estoque na Indústria de Manutenção de Motores Aeronáuticos: Estudo de Caso. Dissertação de Mestrado

Livia Pires Chaves. Gestão de Estoque na Indústria de Manutenção de Motores Aeronáuticos: Estudo de Caso. Dissertação de Mestrado Livia Pires Chaves Gestão de Estoque na Indústria de Manutenção de Motores Aeronáuticos: Estudo de Caso Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 35 3 Trabalhos Relacionados Alguns trabalhos se relacionam com o aqui proposto sob duas visões, uma sobre a visão de implementação e arquitetura, com a utilização de informações de contexto em SMA, outra

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Capítulo 1 Introdução Material de suporte às aulas de Sistemas Distribuídos de Nuno Preguiça Copyright DI FCT/ UNL / 1 NOTA PRÉVIA A apresentação utiliza algumas das figuras do livro

Leia mais

MY HOME INTRODUÇÃO TOUCH SCREEN. Comando de Automação

MY HOME INTRODUÇÃO TOUCH SCREEN. Comando de Automação TOUCH SCREEN Comando de Automação Central de Cenário 54 ÍNDICE DE SEÇÃO 56 A casa como você quer 62 As vantagens de 66 Dispositivos BUS 68 Integração das funções My Home 70 Vantagens da instalação BUS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal AULA Informática: Aplicações e Benefícios Advocacia

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Hardware e Software. Exemplos de software:

Hardware e Software. Exemplos de software: Hardware e Software O hardware é a parte física do computador, ou seja, é o conjunto de componentes eletrônicos, circuitos integrados e placas, que se comunicam através de barramentos. Em complemento ao

Leia mais

Serviço de Controle e Programação para Dispositivos Remotos para Aplicações Interativas e Imersivas na TV Digital

Serviço de Controle e Programação para Dispositivos Remotos para Aplicações Interativas e Imersivas na TV Digital Serviço de Controle e Programação para Dispositivos Remotos para Aplicações Interativas e Imersivas na TV Digital Eduardo Agostinho¹, Victor Nogueira³, Samuel Azevedo³, Luiz Marcos Gonçalves³, Anelisa

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores Gerência de Redes de Computadores As redes estão ficando cada vez mais importantes para as empresas Não são mais infra-estrutura dispensável: são de missão crítica, ou

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais Computação em Nuvem Computação em nuvem: gerenciamento de dados Computação em nuvem (Cloud Computing) é uma tendência recente de tecnologia cujo objetivo é proporcionar serviços de Tecnologia da Informação

Leia mais

ShoeSystem 1.0 Sistema para loja de calçados

ShoeSystem 1.0 Sistema para loja de calçados Artigo apresentado ao UNIS, como parte dos requisitos para obtenção do título de tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1 ShoeSystem 1.0 Sistema para loja de calçados André Luis dos Reis Revair,

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil José Monteiro Lysandro Junior Light Serviços de Eletricidade S/A jose.monteiro@light.com.br

Leia mais

Bancos de Dados Móveis

Bancos de Dados Móveis Agenda Bancos de Dados Móveis Acadêmicas: Anete Terezinha Trasel Denise Veronez Introdução Banco de Dados Móveis (BDM) Projetos de BDM SGBD Móveis Conclusão Referências Bibliográficas Introdução Avanços

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução

Sistemas Distribuídos. Introdução Sistemas Distribuídos Introdução Definição Processos Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes, interligados por uma rede de conexão, executando um software distribuído. Executados

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

Sistemas de controle para processos de bateladas

Sistemas de controle para processos de bateladas Sistemas de controle para processos de bateladas Por Alan Liberalesso* Há algum tempo os processos de batelada deixaram de ser um mistério nas indústrias e no ambiente de automação. O cenário atual nos

Leia mais

Collaboration Map Collaboration Map. Figura 6.1: Arquitetura da aplicação

Collaboration Map Collaboration Map. Figura 6.1: Arquitetura da aplicação 6 Estudo de caso A utilização de um modelo de componentes orientado a serviços possibilita a construção de aplicações por meio da conexão entre componentes em tempo de execução. O middleware Kaluana utiliza-se

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac RS (FATEC/RS) Porto Alegre RS Brasil. {fdalosto, hunderc, Smayres}@gmail.com

Faculdade de Tecnologia Senac RS (FATEC/RS) Porto Alegre RS Brasil. {fdalosto, hunderc, Smayres}@gmail.com Validação de modelo para registro de freqüência utilizando computação pervasiva e tecnologia RFID Camila San Martin Ayres, Fábio Dal Osto, Hunder Everton Correa Jr. Faculdade de Tecnologia Senac RS (FATEC/RS)

Leia mais

LINHAS TEMÁTICAS. EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil. Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas

LINHAS TEMÁTICAS. EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil. Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas (Anexo IV) LINHAS TEMÁTICAS EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas Metodologia, blocos e ferramentas específicas de projeto que

Leia mais

Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) Layout da MP em Sistemas de Lotes. Minimizar o tempo de resposta

Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) Layout da MP em Sistemas de Lotes. Minimizar o tempo de resposta 1 Mono e multiprogramação Introdução Classificação (Aula 2) Recap Sistemas Máquina Profa. Patrícia Gerenciador D. CostaLPRM/DI/UFES Provê Fornece Compartilhamento programador máquina justa recursos Operacionais

Leia mais

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Fabrício Brasiliense Departamento de Informática e Estatística(INE) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Campus Universitário Trindade-

Leia mais

4 Arquitetura do middleware

4 Arquitetura do middleware 4 Arquitetura do middleware Ao utilizar um modelo de componentes orientado a serviços, o middleware Kaluana divide o processo de desenvolvimento de aplicações em duas etapas: a primeira é o desenvolvimento

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores REPORT 04 e fevereiro de 2013 INFRAESTRUTURA FÍSICA E DATA CENTERS SUMÁRIO Introdução O que são data centers Padrões construtivos para data centers Sistemas a serem considerados na construção de data centers

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Abertos Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Caracterização de Sistemas Distribuídos Coulouris, Dollimore and Kindberg. Distributed Systems: Concepts and

Leia mais

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Este tutorial apresenta uma visão geral da arquitetura para implantação de aplicações móveis wireless. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME

Leia mais

Soluções completas de segurança em vídeo IP

Soluções completas de segurança em vídeo IP Soluções completas de segurança em vídeo IP Soluções completas de segurança em vídeo IP www.indigovision.com IndigoVision Visão geral A solução empresarial de segurança IP IndigoVision garante o monitoramento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO Fred Paulino Ferreira, Leonardo Couto, Renato Maia, Luiz G. Montanha Departamento

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA EE Odilon Leite Ferraz PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA AULA 1 APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA Apresentação dos Estagiários Apresentação do Programa Acessa

Leia mais

Apresentação de de Monografia

Apresentação de de Monografia O Apresentação de de Monografia Projeto Projeto Oxygen Oxygen Marcelo Ferreira Moreno moreno@telemidia.puc-rio.br moreno@telemidia.puc-rio.br Slide 2 Motivação Homem e Computador Computação centrada na

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos I: Threads, virtualização e comunicação via protocolos Prof. MSc. Hugo Souza Nesta primeira parte sobre os Processos Distribuídos iremos abordar: Processos e a comunicação

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

Como Iniciar. Nokia N76

Como Iniciar. Nokia N76 Como Iniciar Nokia N76 Nokia N76 Introdução Teclas e componentes (frente e parte interna) Neste manual denominado Nokia N76. 1 Tecla externa direita 2 Tecla central 3 Tecla externa esquerda 4 Câmera secundária

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

Automatizando o Data Center

Automatizando o Data Center Este artigo examina uma arquitetura alternativa que suporte a automação do data center e o provisionamento dinâmico sem a virtualização do sistema operacional. por Lori MacVittie Gerente Técnico de Marketing,

Leia mais

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Raquel Jauffret Guilhon Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo

Leia mais

Modelos de Redes em Camadas

Modelos de Redes em Camadas Modelos de Redes em Camadas Prof. Gil Pinheiro 1 1. Arquitetura de Sistemas de Automação Sistemas Centralizados Sistemas Distribuídos Sistemas Baseados em Redes Arquitetura Cliente-Servidor 2 Sistemas

Leia mais

GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira

GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira 1 of 6 23/6/2010 22:40 GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira Autor: Paulo Roberto Junior - WoLF Data: 13/04/2009 O que é GINGA Posso falar com minhas próprias indagações

Leia mais

Especificação Suplementar

Especificação Suplementar Especificação Suplementar Versão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/10/2014 2.0 2.1 funcionalidade e segurança de M. Vinícius acesso 30/10/2014

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N

Leia mais

Gerenciamento de Rede Baseado em Políticas

Gerenciamento de Rede Baseado em Políticas Gerenciamento de Rede Baseado em Políticas (Policy-Based Networking) Ademir José de Carvalho Junior Recife, Fevereiro de 2007 Resumo: A complexidade das redes baseadas em IP atualmente segue crescendo

Leia mais

Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica

Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica Mairon de Araújo Belchior Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA Palestrante: Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc. eduardo@quaddract.com.br 25/08/2009 1 Objetivo Geral APL Brasília Capital Digital Desenvolver entre as empresas

Leia mais

Relatório final de INF2607 - Animação por Computador e Jogos

Relatório final de INF2607 - Animação por Computador e Jogos Relatório final de INF2607 - Animação por Computador e Jogos Rafael Diniz Lab. Telemídia, PUC-Rio rafaeldiniz@telemidia.puc-rio.br 3 de fevereiro de 2014 Resumo Este é o relatório final do trabalho desenvolvido

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Serviços de Mídia Contínua Em Redes de Pacotes

Serviços de Mídia Contínua Em Redes de Pacotes Serviços de Mídia Contínua Em Redes de Pacotes Caracterização das Aplicações e Requisitos PUC -Rio Departamento de Informática Luiz Fernando Gomes Soares lfgs@inf.puc-rio.br Tópicos Aplicações de Banda

Leia mais

Uma visão mais detalhada do software HP LoadRunner

Uma visão mais detalhada do software HP LoadRunner Boletim técnico Uma visão mais detalhada do software HP LoadRunner Índice Um novo enfoque no teste de desempenho: a solução HP LoadRunner 3 A solução HP LoadRunner e a terminologia dos testes de desempenho

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Explorando a interatividade com entrada de dados textuais em ambiente de TV Digital

Explorando a interatividade com entrada de dados textuais em ambiente de TV Digital Explorando a interatividade com entrada de dados textuais em ambiente de TV Digital Herlon Silva Santos¹, Samuel Azevedo², Aquiles Medeiros Filgueira Burlamaqui¹, Luiz Marcos Garcia Gonçalves², Luiz Eduardo

Leia mais