Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho"

Transcrição

1 Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Dario de Araújo Dafico Resumo: Um modelo para explicar a resistência à compressão do concreto de alto desempenho foi desenvolvido utilizando regressão linear múltipla correlacionando a resistência à compressão com variáveis representando as relações volumétricas entre os materiais da pasta. Os dados usados para o desenvolvimento e validação do modelo vieram de uma gama de 39 concretos contendo misturas binárias e ternárias de cimento com sílica ativa. cinza volante e cinza de casca de arroz, dosadas por Isaia utilizando um mesmo conjunto de materiais. Naquele estudo a relação água/aglomerante em massa variou de 0,30 a 0,50, com taxas de substituição de cimento por pozolana entre 0 e 50%, sendo os concretos ensaiados nas idades de 3, 7, 28 e 91 dias. Foram encontrados altos índices de correlação na maioria das regressões efetuadas e a precisão dos valores estimados em relação aos resultados experimentais pode ser considerada muito boa, especialmente quando obtidos de concretos feitos com adição de somente um tipo de pozolana. Neste caso, a diferença média entre os valores estimados e os resultados experimentais foi de apenas 0,4 MPa na idade de 28 dias. INTRODUÇÃO O uso do concreto de cimento portland tem uma longa história. Inicialmente, o proporcionamento era feito de modo empírico-intuitivo, porque pouco conhecimento sobre as variáveis que influenciam as suas propriedades e, muito menos, sobre como elas se relacionam. Foi Abrams (1) quem, pela primeira vez, teve sucesso em formular uma teoria que tornou possível a dosagem racional do concreto ao explicar a resistência à compressão como função da relação água/cimento da mistura. Somente mais tarde, Powers (2) propôs uma teoria microestrutural que permitiu um melhor entendimento do fenômeno, ao correlacionar a resistência à compressão com a fração volumétrica de poros da pasta hidratada. Contudo, devido à simplicidade e praticidade da Lei de Abrams, ela é, ainda hoje, a principal ferramenta usada nos estudos de dosagem racional do concreto, para definir aquela proporção entre os materiais, que possibilite a obtenção das propriedades mecânicas especificadas no projeto. Entretanto, para a produção do Concreto de Alto Desempenho são necessárias adições pozolânicas e o uso de aditivos químicos superplastificantes, ou seja, são no mínimo mais duas variáveis a serem determinadas no estudo de dosagem. Sendo assim, a equação da Lei de Abrams, em que a variável dependente é função de apenas uma variável independente, já não é mais satisfatória para explicar a resistência de um concreto que varia fortemente em função das novas variáveis. Hoje existem vários métodos para o estudo de dosagem do CAD que permitem a obtenção de maneira satisfatória dos requisitos de resistência mecânica e durabilidade solicitados pelo projeto estrutural. Porém, a despeito de alguns métodos utilizarem complexos modelos matemáticos (3) para prever a resistência à compressão como função de certos

2 parâmetros da mistura, uma teoria matematicamente estruturada, capaz de explicar as propriedades do CAD como sendo função de sua composição, dado um certo conjunto de materiais, ainda se faz necessária. Mas a Lei de Abrams ainda é um interessante ponto de partida para um método de estudo de dosagem. Esta pesquisa teve início com a observação de que quando a curva da Lei de Abrams é modificada pela plotagem da resistência à compressão em função relação cimento/pasta em volume, ela se apresenta com a configuração de uma reta para a uma ampla faixa de relações água/cimento que praticamente abrange todos os concretos possíveis de serem produzidos. Aqui se considera pasta a combinação de cimento, adições pozolânicas, ar, água e aditivos. A figura 1 mostra uma Curva de Abrams de um estudo de dosagem de um concreto típico e a Figura 2 mostra uma curva modificada para o mesmo estudo de dosagem (mesmos materiais), em que a resistência à compressão é função da relação cimento/pasta em volume, considerando um cimento de massa específica 3,15 g/cm 3. Se o fenômeno pode ser considerado linear para o concreto convencional, especialmente quando se trata de concretos de menores relações água/cimento (figura 2), é razoável supor que a curva da função resistência à compressão, quando expressa como dependente das relações volumétricas dos materiais contidos nas misturas de CAD, também deve ser linear. Duas vantagens óbvias ocorrem quando esta estratégia é adotada. Primeiro é a simplificação do estudo já que uma situação complexa é esperada devido ao grande número de variáveis envolvidas no caso do CAD. A segunda vantagem é que, adotando-se uma estratégia baseada nos volumes específicos dos materiais, as diferenças entre as massas específicas de cimentos e pozolanas, que são significativas, não irão produzir uma distorção na função que correlacione a resistência à compressão com as variáveis que representem os volumes dos componentes contidos na pasta. Baseado nessas idéias, foram estudadas regressões lineares múltiplas entre as resistências à compressão obtidas de diferentes misturas de CAD, feitas com materiais de mesma procedência, e certas variáveis que expressam o conteúdo de materiais (em volume) de várias misturas. Os resultados mostraram que a hipótese é válida e o método pode ser útil para encontrar os traços mais econômicos mais facilmente do que se consegue com outros métodos. MODELANDO A PARTIR DE DADOS PROVIDOS POR ISAIA (4) Isaia (4) fez um grande número de misturas para CAD utilizando de adições de diferentes tipos de pozolanas: sílica ativa, cinza de casca de arroz e cinza volante. O autor dosou as misturas em massa e analisou os resultados do seu trabalho de pesquisa baseado nas proporções em massa entre os diversos materiais. A tabela a mostra as características físicas e químicas dos materiais usados na produção dos concretos. A tabela 2 mostra as proporções das 39 misturas estudadas por Isaia. Na tabela 3 são apresentados os resultados dos ensaios de resistência à compressão nas idades de 3, 7, 28 e 91 dias. Como Isaia apresentou os valores da massa específica de todos os materiais utilizados, foi possível para o presente trabalho, encontrar as proporções em volume entre os materiais daquele trabalho, tornando possível a utilização daquela importante massa de dados, de forma a confirmar a validade da hipótese de se correlacionar a resistência à compressão com variáveis que expressam as relações em volume entre os materiais. As variáveis selecionadas,

3 dadas em relações volumétricas, foram as seguintes: Volume de aglomerante/volume de pasta (V aglo /V pasta ), Volume de cimento/volume de aglomerante (V c /V aglo ), Volume de sílica ativa/volume de aglomerante (V sa /V aglo ) e Volume de cinza de casca de arroz/ Volume de aglomerante (V cca /V aglo ) Utilizando os dados disponíveis, uma regressão linear múltipla entre a resistência à compressão (como variável dependente) a certa idade e as variáveis independentes V aglo /V pasta, V c /V aglo, V sa /V aglo, V cca /V aglo, para todas as 39 misturas foram estudadas permitindo-se confirmar a hipótese sugerida por Dafico (5) sobre a existência de uma forte correlação entre as variáveis mencionadas. Na tabela 3 são apresentados os valores calculados para as relações volumétricas V aglo /V pasta, V c /V aglo, V sa /V aglo, V cca /V aglo. A tabela 5 mostra os índices de correlação na regressão múltipla (r) obtidos quando relacionando a resistência à compressão fcj com as variáveis independentes V aglo /V pasta, V c /V aglo, V sa /V aglo, V cca /V aglo. Os índices de correlação variaram de 0,9724 (para fcj de 3 dias) até 0,9459 (para fcj de 91 dias). A mesma tabela ainda mostra os coeficientes k 1, k 2, k 3, k 4 e k 5 de cada equação de regressão encontrada cujo modelo geral é: fcj = k 1 + k 2. V aglo /V pasta + k 3. V c /V aglo + k 4. V sa /V aglo + k 5. V cca /V aglo Como pode ser observado, neste modelo a variável Volume de cinza volante/volume de aglomerante (V cv /V aglo ) não foi utilizada porque ela já está implicita entre as outras variáveis. A tabela 4 apresenta as diferenças entre os dados experimentais e os valores previstos para a resistência à compressão. Considerando todos os 39 traços analisados contendo vários tipos de pozolanas, os valores médios dessas diferenças variaram de 2,1 MPa a 3 dias até 3,6 MPa a 91 dias. De Larrard (6) apresenta um exemplo do uso do modelo matemático por ele proposto onde utilizou resultados de 26 misturas contendo como adição somente cinza volante. Ele obteve uma diferença média entre os dados estimados e os resultados experimentais de 2,1 MPa, o qual ele considerou como muito bom. Considerando que no presente estudo as 39 misturas continham adições de três diferentes pozolanas, a concordância entre os valores estimados e os resultados experimentais também pode ser considerada muito boa. Com o objetivo de melhorar os resultados, novas regressões foram realizadas, excluindo alguns tipos de misturas. Os resultados das regressões efetuadas a partir dos dados das 21 misturas que não continham adição de cinza de casca de arroz é mostrada na tabela 5. As novas diferenças médias entre os valores estimados e os resultados experimentais mostradas na tabela 4 foram de 2,1 MPa e 3,1 MPa para resistências à compressão de 3 e 91 dias respectivamente. Este é um bom resultado considerando a simplicidade do modelo e que eles foram obtidos de concretos que poderiam conter ao mesmo tempo adições de sílica ativa e cinza volante Outros cálculos foram feitos, utilizando somente os dados dos 6 concretos que continham necessariamente adição de sílica ativa. Para essas regressões o modelo foi levemente modificado pela utilização de logarítimo da relação Volume de sílica ativa/volume de aglomerante (log (V sa /V aglo )). Desse o modo a nova equação ficou com a seguinte apresentação: fcj = k 1 + k 2. V aglo /V pasta + k 3. V c /V aglo + k 4. log (V sa /V aglo )

4 A tabela 6 mostra os resultados dos índices de correlação para as diferentes idades, valores estes situados entre r = 0,9918 a 7 dias até r = 0,9978 a 28 dias de idade. Vê-se que são números incontestavelmente excelentes. A nova diferença média entre os valores estimados e os resultados experimentais para a resistência à compressão variaram entre 1,4 MPa a 7 dias até somente 0,4 MPa a 28 dias, mostrando a excelente capacidade de pevisão do modelo matemático. É importante notar que o modelo previu a resistência à compressão de concretos na faixa de 62 a 84,9 MPa com um erro médio de apenas 0,4 MPa. A figura 3 mostra um gráfico com as variações das relações V aglo /V pasta, V c /V aglo e V sa /V aglo observadas nas 6 misturas experimentais, cujos valores foram utilizados nas últimas regressões. O gráfico tem a intenção de enfatizar que essas misturas possuíam características muito diferentes entre si. CONCLUSÃO Foram analisados os dados de vários traços de concreto dosados por Isaia (4) os quais continham misturas binárias ou ternárias de cimento com sílica ativa, cinza de casca de arroz e cinza volante. Os resultados mostraram que o modelo proposto é capaz de explicar, com boa precisão, uma ampla gama de resistências à compressão de concretos, desde que estejam disponíveis os dados de misturas experimentais dosadas com o mesmo conjunto de materiais. Recomenda-se realizar o estudo para obtenção dos coeficientes das equações de regressão a partir de traços de concreto com apenas uma adição pozolânica pois os valores estimados pelo modelo são mais próximos dos valores experimentais que aqueles obtidos quando mais de uma adição é utilizada. Os resultados do trabalho mostraram que o erro médio de previsão pode ser menor que 0,4 MPa para a faixa de resistência à compressão entre 62 a 84,9 MPa. Possivelmente a produção de apenas 6 misturas experimentais devem ser suficientes para obtenção de uma boa equação de regressão linear múltipla para ser usada num estudo de dosagem. Entretanto, maiores estudos ainda devem ser conduzidos para estabelecer um mínimo de misturas necessárias para determinar os coeficientes da equação de modo que possibilite a precisão desejada. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1 - ABRAMS, D.A. Desing of concrete mixtures. Structural Materials Research Laboratory. Lewis Institute Bulletin, n.1. Chicago, 1925, 20 p. 2 - POWERS, C. The properties of fresh concrete. New York, Wiley, 1968, 664 p. 3 - DE LARRARD, F. A method for proportioning high-strength concrete mixtures. Cement, Concrete, and Aggregates. CCAGDP, Vol. 12, N o 2, Summer 1990, p

5 4 - ISAIA, G.C. Efeitos de misturas binárias e ternárias de pozolanas em concreto de elevado desempenho: um estudo de durabilidade com vistas à corrosão da armadura. Doctorate Thesis. EPUSP. São Paulo, 1995, 280 p. 5 DAFICO, D.A. Estudo da dosagem do concreto de alto desempenho utilizando pozolanas provenientes da casca de arroz. Doctorate Thesis. UFSC. Florianópolis, 2001, 191 p. 6 - DE LARRARD, F. A model for predicting the compressive strength of structural fly ash concrete. SP Proceedings: Fly Ash, Silica Fume, Slag, and Natural Pozzolans in Concrete. ACI Fifth International Conference. Milwaukee, USA, b, p Tabela 1 Características físicas e químicas do cimento e pozolanas Cimento Sílica ativa Cinza de casca Ensaios físicos de arroz Cinza volante Massa específica (kg/m 3 ) Finura Blaine (m 2 /kg) Massa retida na peneira 45 µm (%) Índice de atividade pozolânica com cimento (%) Grãos φ < 5 µm (%) Ensaios químicos (%) Perda ao fogo SiO Al 2 O FeO n.a CaO MgO SO Na 2 O K 2 O Equivalente Na 2 O

6 Tabela 2 Quantidades de materiais em massa dos 39 concretos (kg/m 3 ) Código da mistura Cimento sa kg/m 3 cca cv kg/m 3 água kg/m 3 kg/m 3 kg/m 3 Adt kg/m 3 H 2 O+adt /aglo areia kg/m 3 brita kg/m 3 / / / SA10/ SA10/ SA10/ SA20/ SA20/ SA20/ SA10CV15/ SA10CV15/ SA10CV15/ SA20CV30/ SA20CV30/ SA20CV30/ CCA10/ CCA10/ CCA10/ CCA20/ CCA20/ CCA20/ CCA30/ CCA30/ CCA30/ CCA10CV15/ CCA10CV15/ CCA10CV15/ CCA20CV30/ CCA20CV30/ CCA20CV30/ CCA30CV20/ CCA30CV20/ CCA30CV20/ CV25/ CV25/ CV25/ CV50/ CV50/ CV50/ ar %

7 Tabela 3 Resistência à compressão, abatimento e relações volumétricas entre os materiais da pasta Código da mistura fc3 MPa fc7 MPa fc28 MPa Fc91 MPa Abat. mm Aglo/ pasta c/ aglo cv/ aglo cca/ aglo pasta dm 3 /m 3 / / / SA10/ SA10/ SA10/ SA20/ SA20/ SA20/ SA10CCV15/ SA10CV15/ SA10CV15/ SA20CV30/ SA20CV30/ SA20CV30/ CCA10/ CCA10/ CCA10/ CCA20/ CCA20/ CCA20/ CCA30/ CCA30/ CCA30/ CCA10CV15/ CCA10CV15/ CCA10CV15/ CCA20CV30/ CCA20CV30/ CCA20CV30/ CCA30CV20/ CCA30CV20/ CCA30CV20/ SA25/ SA25/ SA25/ SA50/ SA50/ SA50/

8 Tabela 4 Diferenças entre os valores estimados e os resultados experimentais da resistência à compressão de: a) todos os concretos; b) concretos sem adição de cinza de casca de arroz Código da mistura (a) Todos os concretos (b) Concretos sem adição de cinza de casca de arroz 3 dias 7 dias 28 dias 91 dias 3 dias 7 dias 28 dias 91 dias / / / SA10/ SA10/ SA10/ SA20/ SA20/ SA20/ SA10CV15/ SA10CV15/ SA10CV15/ SA20CV30/ SA20CV30/ SA20CV30/ CCA10/ CCA10/ CCA10/ CCA20/ CCA20/ CCA20/ CCA30/ CCA30/ CCA30/ CCA10CV15/ CCA10CV15/ CCA10CV15/ CCA20CV30/ CCA20CV30/ CCA20CV30/ CCA30CV20/ CCA30CV20/ CCA30CV20/ CV25/ CV25/ CV25/ CV50/ CV50/ CV50/ Diferença média (MPa)

9 Tabela 5 Índices de correlação (r) para regressão linear múltipla e coeficientes (k) de cada equação fcj=k 1 +k 2.aglo/pasta+k 3.c/aglo+k 4.sa/aglo+k 5.cca/aglo para: (a) todos os traços de concreto; (b) para as misturas sem cinza de casca de arroz índices de correlação (r) e (a) todas as misturas (b) concretos sem adição de cinza de casca de arroz coeficientes (k) 3 dias 7 dias 28 dias 91 dias 3 dias 7 dias 28 dias 91 dias r 0,9724 0,9563 0,9625 0,9459 0,9720 0,9756 0,9729 0,9648 k k k k k Tabela 6 Diferenças entre os valores estimados e os resultados experimentais para a resistência à compressão, índices de correlação (r) para regressão linear múltipla e coeficientes (k) de cada equação de regressão fcj=k 1 +k 2.aglo/pasta+k 3.c/aglo+k 4.log(sa/aglo) Somente concretos com cimento e sílica ativa Código da mistura 3 days 7 days 28 days 91 days SA10/ SA10/ SA10/ SA20/ SA20/ SA20/ Diferença média (MPa) r K K K K Resistência à compressão (MPa) ,5 1 1,5 2 2,5 3 3,5 a/c (em massa) Figura 1 Curva típica de Abrams construída utilizando a equação fcj=100/10 a/c

10 Resistância à compressão (MPa) ,2 0,4 0,6 0,8 1 1,2 Volume de cimento / Volume de pasta Figura 2 Curva de Abrams modificada relacionando o fcj com a relação V c /V pasta Relações volumétricas entre os materiais da pasta 1 0,8 0,6 0,4 0, Resistência à compressão aos 28 dias (MPa) aglo/pasta c/aglo sa/aglo Figura 3 Alterações nos valores das variáveis V aglo /V pasta, V c /V aglo e V sa /V aglo das 6 misturas experimentais contendo somente cimento e sílica ativa mostrando que elas possuem características bastante distintas

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica SUBSTITUIÇÃO DE PARTE DO CIMENTO POR FINOS INERTES DE PEDREIRA EM CONCRETOS COM BAIXO FATOR A/C Tiago Lopes Garcia 1,4 ;Vitor Cunha Naves 1,4 ; José Dafico Alves 2,4 ; Bruno de Carvalho Barros 3,4 ; Cristiano

Leia mais

ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS

ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS Tatiana Pereira Jucá (1), Fernando Alves Teixeira (1),Cláudio Henrique de Almeida Feitosa Pereira (1), Keila Regina Bento de Oliveira

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa.

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa. Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons Dosar um concreto é compor os materiais constituintes em proporções convenientemente

Leia mais

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES Prof Dr.Jorge Creso Cutrim Demetrio OBJETIVOS 1. Analisar a viabilidade

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA

ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA KREUZ, Anderson Luiz (1); CHERIAF, Malik (2); ROCHA, Janaíde Cavalcante (3) (1) Engº. Civil, Mestrando do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO E CÁLCULO APLICADO

PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO E CÁLCULO APLICADO PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO E CÁLCULO APLICADO Yuri Ivan Maggi ymaggi@unicenp.edu.br Patrícia Lizi de Oliveira Maggi plomaggi@unicenp.edu.br Centro Universitário

Leia mais

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO Engº Rubens Curti DOSAGEM DEFINIÇÃO DOSAGEM é o proporcionamento adequado e mais econômico de materiais: cimento, água, agregados, adições e aditivos 2 DOSAGEM

Leia mais

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Influência do índice de forma do agregado graúdo na resistência a compressão do concreto Resumo Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Josué A. Arndt(1); Joelcio de

Leia mais

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP Paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo

Leia mais

III-057 CONCRETO COM CINZA DE CASCA DE ARROZ CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

III-057 CONCRETO COM CINZA DE CASCA DE ARROZ CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL III-57 CONCRETO COM CINZA DE CASCA DE ARROZ CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Antônio Luiz Guerra Gastaldini (1) Arquiteto pela Escola de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia. Doutor

Leia mais

Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA)

Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA) Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA) GOMES, C.E.M. 1, a e MARTON, L.F.M. 2,b 1 UNICAMP Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Departamento

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC LODI, Victor Hugo 1 ; PRUDÊNCIO JUNIOR, Luiz Roberto 2 RESUMO O esgotamento das jazidas

Leia mais

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER O comportamento do concreto de alto desempenho com sílica ativa e metacaulim como adições químicas minerais quanto à sua resistência à compressão utilizando agregados provenientes da região metropolitana

Leia mais

Dosagem de concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Dosagem de concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Dosagem de concreto Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Método IPT-EPUSP: Fundamentos Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: ELETROBRAS FURNS Lei de Abrams 3/22 Para um certo conjunto particular de materiais, a

Leia mais

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II Dosagem de concreto Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Histórico - Egípcios e os etruscos empregava argamassa na construção

Leia mais

MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT

MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT Bibliografia de Referência Manual de Dosagem

Leia mais

DOSAGEM E CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

DOSAGEM E CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO DOSAGEM E CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO A dosagem do concreto tem por finalidade determinar as proporções dos materiais a empregar de modo a atender duas condições básicas: 1 Resistência desejada; 2

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA ORDEM DE MISTURA DE AGREGADO GRAÚDO RECICLADO DE CONCRETO (AGRC) NO DESEMPENHO MECÂNICO DE CONCRETO.

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA ORDEM DE MISTURA DE AGREGADO GRAÚDO RECICLADO DE CONCRETO (AGRC) NO DESEMPENHO MECÂNICO DE CONCRETO. ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA ORDEM DE MISTURA DE AGREGADO GRAÚDO RECICLADO DE CONCRETO (AGRC) NO DESEMPENHO MECÂNICO DE CONCRETO. Luciana de Nazaré Pinheiro Cordeiro (1), Edison Estivalete Bilhalva Junior

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA SÍLICA DA CASCA DE ARROZ E CINZA VOLANTE EM MISTURAS TERNÁRIAS NA PRODUÇÃO DE CONCRETO USINADO EM CENTRAL.

UTILIZAÇÃO DA SÍLICA DA CASCA DE ARROZ E CINZA VOLANTE EM MISTURAS TERNÁRIAS NA PRODUÇÃO DE CONCRETO USINADO EM CENTRAL. UTILIZAÇÃO DA SÍLICA DA CASCA DE ARROZ E CINZA VOLANTE EM MISTURAS TERNÁRIAS NA PRODUÇÃO DE CONCRETO USINADO EM CENTRAL. Use Of Silica From Rice Husk And Fly Ash In Ternary Mixtures In Ready Mixed Concrete

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Apoio às aulas práticas Joana de Sousa Coutinho FEUP 2002 MC2 0 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Calda de cimento Argamassa Betão Cimento+água (+adjuvantes) Areia+ Cimento+água (+adjuvantes)

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN Daniele Kochem (PIBIC/Fundação Araucária-UNIOESTE), Jeferson Marinho Camboin, Lennon Biancato Runke, Maxer Antonio da Rosa, Giovanna

Leia mais

Informativo técnico SIO2

Informativo técnico SIO2 Informativo técnico SIO2 INFORMATIVO TÉCNICO Sílica Ativa ASTM C494 Active Silic é um produto decorrente do processo de fabricação do sílico metálico ou do ferro sílico, de onde é gerado o gás SiO, que

Leia mais

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Texto base para o Mini-curso da Comunidade da Construção da Cidade do Recife TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Apresentação Os textos apresentados como base para o este mini-curso são artigos publicados

Leia mais

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO Marcos ANJOS (1); Walney SILVA (2); Alexandre PEREIRA (3); Hoffman RODRIGUES (4); Valtencir

Leia mais

CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM

CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM João A. Rossignolo Professor outor, epartamento de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos USP, e-mail:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL RELATÓRIO CONVÊNIO CAMARGO CORRÊA INDUSTRIAL - NORIE/CPGEC/UFRGS 1996/1997 Porto Alegre 1997 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS Considerations on the production process of high-performance concretes for precast structures Alessandra

Leia mais

Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante

Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante Bianca P. Moreira 1, Geraldo C. Isaia 2, Antônio L. G. Gastaldini 3 1

Leia mais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais HOLCIM (BRASIL) S/A Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais Eng. JOSÉ VANDERLEI DE ABREU Patologias Comuns em Pisos Patologias pisos industriais com problemas superficiais

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO (CAD):

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO (CAD): CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO (CAD): aplicação nas construtoras EVOLUÇÃO DA RESISTÊNCIA 2000 2002 1940 1990 25 MPa 45 MPa 125 MPa 16 MPa O QUE É? Concreto com propriedades - resistência e durabilidade -

Leia mais

Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento

Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento Sidiclei Formagini 1, Matheus Piazzalunga Neivock 1, Paulo Eduardo Teodoro 2, Mario Henrique Quim Ferreira 2, Willian de Araujo Rosa 1, Cristian

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

SESSION 3: Mix Design

SESSION 3: Mix Design SESSION 3: Mix Design Prof. Bernardo F Tutikian btutikian@terra.com.br bftutikian@unisinos.br Métodos de Dosagem Brasileiros para o CAA Gomes (2002) Tutikian (2004) Melo-Repette (2005) Tutikian & Dal Molin

Leia mais

CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS

CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS Vicente Coney Campiteli (1); Sérgio Luiz Schulz (2) (1) Universidade Estadual de Ponta Grossa, vicente@uepg.br

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

Influência das adições minerais na durabilidade do concreto

Influência das adições minerais na durabilidade do concreto Influência das adições minerais na durabilidade do concreto A. Castro, UFG; R. Ferreira, UFG; A. Lopes, FURNAS; A. Paula Couto, UFG; V. Braun, UFG; H. Carasek, UFG; O. Cascudo, UFG * Resumo Este trabalho

Leia mais

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência Thiago Catoia 1, Bruna Catoia 2, Tobias Azevedo

Leia mais

MÉTODOS EXPERIMENTAIS DE DOSAGEM PARA CONCRETO CONVENCIONAL UTILIZANDO AREIA INDUSTRIAL E DEMAIS AGREGADOS DA REGIÃO DE PASSO FUNDO

MÉTODOS EXPERIMENTAIS DE DOSAGEM PARA CONCRETO CONVENCIONAL UTILIZANDO AREIA INDUSTRIAL E DEMAIS AGREGADOS DA REGIÃO DE PASSO FUNDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. MÉTODOS EXPERIMENTAIS DE DOSAGEM PARA

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO EMPACOTAMENTO DE PARTÍCULAS NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO. Caueh Salzedas Teixeira ¹; Heloísa Cristina Fernandes Cordon ²

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO EMPACOTAMENTO DE PARTÍCULAS NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO. Caueh Salzedas Teixeira ¹; Heloísa Cristina Fernandes Cordon ² ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO EMPACOTAMENTO DE PARTÍCULAS NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO Caueh Salzedas Teixeira ¹; Heloísa Cristina Fernandes Cordon ² ¹ Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO DO LABORATÓRIO PARA A CENTRAL DOSADORA DE CONCRETO

PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO DO LABORATÓRIO PARA A CENTRAL DOSADORA DE CONCRETO PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO DO LABORATÓRIO PARA A CENTRAL DOSADORA DE CONCRETO PRODUCTION OF HIGH PERFORMANCE CONCRETE FROM LABORATORY TO THE READY MIX PLANT Sandro Eduardo da Silveira Mendes

Leia mais

Fundamentos básicos do método

Fundamentos básicos do método MÉTODO DO IPT Fundamentos básicos do método I LEI DE ABRAMS: Para um certo conjunto particular de materiais, a resistência do concreto é função da relação a/c. f cj = K 1 / k 2 (A/C) II LEI DE LYSE: Para

Leia mais

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO CONCRETO Componentes Fase contínua Pasta de cimento endurecida Zona de transição Interface entre a pasta e o agregado Fase descontínua Agregados Componente cuja principal característica é endurecer quando

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM 1 Importância A dosagem do concreto: É o processo de obtenção da combinação correta de cimento, agregados, águas, adições e aditivos Os efeitos da dosagem

Leia mais

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais Fonseca, 2010: Aditivos químicos ASTM C125

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Definição de concreto hidráulico e de argamassa. Componentes; indicação das proporções

Leia mais

ESTUDO DA RETRAÇÃO AUTÓGENA EM PASTA DE CIMENTO PORTLAND COM ADIÇÃO DE RESÍDUO DO POLIMENTO DO PORCELANATO

ESTUDO DA RETRAÇÃO AUTÓGENA EM PASTA DE CIMENTO PORTLAND COM ADIÇÃO DE RESÍDUO DO POLIMENTO DO PORCELANATO ESTUDO DA RETRAÇÃO AUTÓGENA EM PASTA DE CIMENTO PORTLAND COM ADIÇÃO DE RESÍDUO DO POLIMENTO DO RESUMO PORCELANATO Flávia Cauduro (1); Fernando Pelisser (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Materiais constituintes do Concreto Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Adições Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: Egydio Herve Neto Dario Dafico Silvia Selmo Rubens Curti, 3/42 Adições Adições minerais são

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

Concretos de Alto Desempenho

Concretos de Alto Desempenho Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Concretos de Alto Desempenho Conceito Alto Desempenho ACI:... que atende

Leia mais

O que é durabilidade?

O que é durabilidade? DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 Conceito de Durabilidade O que é durabilidade? A durabilidade é a capacidade que um produto, componente ou construção possui

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo Esta pesquisa tem como proposta

Leia mais

Design of Concrete Mixtures

Design of Concrete Mixtures pág. 1/49 Design of Concrete Mixtures ( Projeto de misturas de concreto ) Duff Andrew Abrams Este artigo de Abrams foi a base da dosagem do concreto. Foi publicado por D. A. Abrams em 1919, após apresentá

Leia mais

Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade

Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade Eduardo Mesquita Cortelassi

Leia mais

Instituto Brasileiro do Concreto 43 º Congresso Brasileiro do Concreto Tema 3- Qualidade da construção em concreto

Instituto Brasileiro do Concreto 43 º Congresso Brasileiro do Concreto Tema 3- Qualidade da construção em concreto Instituto Brasileiro do Concreto 43 º Congresso Brasileiro do Concreto Tema 3- Qualidade da construção em concreto Incrementos no Método de Dosagem IPT para concretos com amplo espectro de desempenho Resumo:

Leia mais

Propriedades Mecânicas do Concreto Com Adição de Vidro Reciclado

Propriedades Mecânicas do Concreto Com Adição de Vidro Reciclado Propriedades Mecânicas do Concreto Com Adição de Vidro Reciclado Carlos Cabreira Gomes (1), Fernando Pelisser (2). (1) Acadêmico do curso de Engenharia Civil, Universidade do Extremo Sul Catarinense. (2)

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS.

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. Alexsandro Luiz Julio (1) Biólogo pela Universidade Comunitária

Leia mais

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação (LAPAV) AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO Prof. Ricardo

Leia mais

CURSO DE AQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE AQUITETURA E URBANISMO 1- Generalidades PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Todas as misturas de concreto devem ser adequadamente dosadas para atender aos requisitos de: Economia; Trabalhabilidade; Resistência; Durabilidade. Esses

Leia mais

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato CIMENTO 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil - Cimento Branco - Cimentos resistentes a sulfato 1.6. Composição química do clínquer do Cimento Portland Embora o cimento Portland consista essencialmente

Leia mais

MIRA TM. Aditivo para Concreto. Aditivo Plastificante Polifuncional Redutor de Água

MIRA TM. Aditivo para Concreto. Aditivo Plastificante Polifuncional Redutor de Água Aditivo para Concreto MIRA TM Aditivo Plastificante Polifuncional Redutor de Água DESCRIÇÃO A linha MIRA TM é uma linha de aditivos redutores de água polifuncional, desenvolvida como aditivo redutor de

Leia mais

Dosagem dos Concretos de Cimento Portland

Dosagem dos Concretos de Cimento Portland (UFPR) (DCC) Disciplina: Materiais de Construção IV - Laboratório Dosagem dos Concretos de Cimento Portland Eng. Marcelo H. F. de Medeiros Professor Dr. do Professor Dr. do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

Módulo de Elasticidade do Concreto Como Analisar e Especificar. Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18

Módulo de Elasticidade do Concreto Como Analisar e Especificar. Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 Módulo de Elasticidade do Concreto Como Analisar e Especificar Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 Módulo de Elasticidade Conceituação Matemático inglês Robert Hooke (1635-1703):

Leia mais

Construções Rurais I IT 462 T 01 T 02 Materiais e Técnicas de Construções IT 461 T 01. Edmundo Rodrigues DOSAGEM DO CONCRETO

Construções Rurais I IT 462 T 01 T 02 Materiais e Técnicas de Construções IT 461 T 01. Edmundo Rodrigues DOSAGEM DO CONCRETO UNIERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO Construções Rurais I IT 462 T 01 T 02 Materiais e Técnicas de Construções IT 461 T 01 Edmundo

Leia mais

CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO

CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM SUBSTITUIÇÃO À AREIA (PARTE 1) SELF-COMPACTING CONCRETE: EVALUATION OF INDUSTRIAL WASTES REPLACING THE SAND (PART 1) Silva, Cláudia

Leia mais

Avaliação da Viabilidade Técnica de Concreto Elaborado com Agregado Graúdo Reciclado

Avaliação da Viabilidade Técnica de Concreto Elaborado com Agregado Graúdo Reciclado Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.11, p.43-53, Abril, 2008 Avaliação da Viabilidade Técnica de Concreto Elaborado com Agregado Graúdo Reciclado Analysis of the Concrete Developed With Recycled Coarse

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento

Leia mais

Mechanical properties of a lateritic concrete with metakaolin

Mechanical properties of a lateritic concrete with metakaolin Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.17, p.5-31, Maio, 011 Propriedades mecânicas de concreto laterítico com metacaulim Mechanical properties of a lateritic concrete with metakaolin Dênio Ramam Carvalho

Leia mais

DURABILIDADE E RESISTÊNCIA MECÂNICA DE CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA 1

DURABILIDADE E RESISTÊNCIA MECÂNICA DE CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA 1 DURABILIDADE E RESISTÊNCIA MECÂNICA DE CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA 1 VIEIRA, Fernanda P. (1); KULAKOWSKI, Marlova P.(2) DAL MOLIN, Denise (3); VILELA, Antônio C. F. (4) (1) Eng. Civil,

Leia mais

Sistemas de Cura em Concretos Produzidos com Cimento Portland de Alto-Forno com Utilização de Sílica Ativa

Sistemas de Cura em Concretos Produzidos com Cimento Portland de Alto-Forno com Utilização de Sílica Ativa Sistemas de Cura em Concretos Produzidos com Cimento Portland de Alto-Forno com Utilização de Sílica Ativa Curing Systems in Concretes made with Blast Furnace Portland Cement with Silica Fume Bardella,

Leia mais

CONCRETO DE PÓS REATIVOS ECOEFICIENTE NA INDÚSTRIA DO CONCRETO PRÉ-MOLDADO*

CONCRETO DE PÓS REATIVOS ECOEFICIENTE NA INDÚSTRIA DO CONCRETO PRÉ-MOLDADO* CONCRETO DE PÓS REATIVOS ECOEFICIENTE NA INDÚSTRIA DO CONCRETO PRÉ-MOLDADO* L.M. Barreto¹ F.L. Da Costa 2 RESUMO Este trabalho trata da confecção de concreto ecoeficiente com baixo consumo de cimento Portland

Leia mais

ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DE CONCRETOS LEVES PRODUZIDOS COM ARGILA EXPANDIDA NACIONAL

ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DE CONCRETOS LEVES PRODUZIDOS COM ARGILA EXPANDIDA NACIONAL ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DE CONCRETOS LEVES PRODUZIDOS COM ARGILA EXPANDIDA NACIONAL Study of compressive stregth of lightweight concrete produced with national expanded clay Resumo Maycá, Jeferson

Leia mais

Introdução. Existem situações nas quais há interesse em estudar o comportamento conjunto de uma ou mais variáveis;

Introdução. Existem situações nas quais há interesse em estudar o comportamento conjunto de uma ou mais variáveis; UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Correlação e Regressão Luiz Medeiros de Araujo Lima Filho Departamento de Estatística Introdução Eistem situações nas quais há interesse em estudar o comportamento conjunto

Leia mais

OBSERVAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO DE ELEVADOS DESEMPENHOS ATRAVÉS DE ENSAIOS IN SITU NÃO-DESTRUTIVOS

OBSERVAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO DE ELEVADOS DESEMPENHOS ATRAVÉS DE ENSAIOS IN SITU NÃO-DESTRUTIVOS Encontro Nacional Betão Estrutural 2004 1 OBSERVAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO DE ELEVADOS DESEMPENHOS ATRAVÉS DE ENSAIOS IN SITU NÃO-DESTRUTIVOS E. N. B. S. JÚLIO Prof. Auxiliar FCTUC Coimbra P. A. FERNANDES

Leia mais

JORGE SUGAMOSTO COMPARATIVO ENTRE CONCRETOS PRODUZIDOS COM SÍLICA ATIVA EM PÓ E SÍLICA ATIVA EM FORMA DE LAMA

JORGE SUGAMOSTO COMPARATIVO ENTRE CONCRETOS PRODUZIDOS COM SÍLICA ATIVA EM PÓ E SÍLICA ATIVA EM FORMA DE LAMA JORGE SUGAMOSTO COMPARATIVO ENTRE CONCRETOS PRODUZIDOS COM SÍLICA ATIVA EM PÓ E SÍLICA ATIVA EM FORMA DE LAMA CURITIBA 2007 i JORGE SUGAMOSTO COMPARATIVO ENTRE CONCRETOS PRODUZIDOS COM SÍLICA ATIVA EM

Leia mais

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS)

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) Janaina de Melo Franco 1, Célia Regina Granhen Tavares 2,

Leia mais

INFLUÊNCIA DO AUMENTO DO ABATIMENTO DO CONCRETO ESTRUTURAL ATRAVÉS DA ADIÇÃO DE ÁGUA OU CALDA DE CIMENTO 1:1 NA PROPRIEDADE DE RESISTÊNCIA MECÂNICA

INFLUÊNCIA DO AUMENTO DO ABATIMENTO DO CONCRETO ESTRUTURAL ATRAVÉS DA ADIÇÃO DE ÁGUA OU CALDA DE CIMENTO 1:1 NA PROPRIEDADE DE RESISTÊNCIA MECÂNICA INFLUÊNCIA DO AUMENTO DO ABATIMENTO DO CONCRETO ESTRUTURAL ATRAVÉS DA ADIÇÃO DE ÁGUA OU CALDA DE CIMENTO 1:1 NA PROPRIEDADE DE RESISTÊNCIA MECÂNICA THE EFFECT OF INCREASING THE SLUMP BY THE ADDITION OF

Leia mais

UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS

UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS -ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS PREPARO, CONTROLE E RECEBIMENTO DO CONCRETO NBR 12655 Unidade III Continuação Pro. Adailton

Leia mais

E.C.S. Thomaz - Susana L.S.Costa - Claudia A. Rocha MICROSÍLICA

E.C.S. Thomaz - Susana L.S.Costa - Claudia A. Rocha MICROSÍLICA E.C.S. - Susana L.S.Costa - Claudia A. Rocha 1 / MICROSÍLICA Microsilica (SiO 2 ) é um sub-produto da fabricação do silício metálico e das ligas de ferrosilício em fornos elétricos a temperaturas de 2000

Leia mais

ESTUDOS DE DURABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE MICROSSÍLICA

ESTUDOS DE DURABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE MICROSSÍLICA ESTUDOS DE DURABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE MICROSSÍLICA VIEIRA, Fernanda P. (1); KULAKOWSKI, Marlova P.(2) DAL MOLIN, Denise (3); VILELA, Antônio C. F. (4) (1) Eng. Civil, Doutoranda

Leia mais

COMPORTAMENTO MECÂNICO E FORMAÇÃO DE FASES DE AGLOMERANTE ALTERNATIVO PARA USO EM BLOCOS DE CONCRETO INTERTRAVADO PARA PAVIMENTAÇÃO

COMPORTAMENTO MECÂNICO E FORMAÇÃO DE FASES DE AGLOMERANTE ALTERNATIVO PARA USO EM BLOCOS DE CONCRETO INTERTRAVADO PARA PAVIMENTAÇÃO COMPORTAMENTO MECÂNICO E FORMAÇÃO DE FASES DE AGLOMERANTE ALTERNATIVO PARA USO EM BLOCOS DE CONCRETO INTERTRAVADO PARA PAVIMENTAÇÃO Eduardo Dering 1, Márcia Silva de Araújo 1, José Alberto Cerri 2 1 Departamento

Leia mais

ESTUDO DO CONCRETO UTILIZANDO AGREGADO MIÚDO RECICLADO: Avaliação da Resistência Mecânica

ESTUDO DO CONCRETO UTILIZANDO AGREGADO MIÚDO RECICLADO: Avaliação da Resistência Mecânica ESTUDO DO CONCRETO UTILIZANDO AGREGADO MIÚDO RECICLADO: Avaliação da Resistência Mecânica Danielle OLIVEIRA(1); Munique LIMA (2); Gibson MEIRA(3) ; Raphaele LIRA (4) Marcos PADILHA(5) (1) Centro Federal

Leia mais

Palavras-chave: Cinza de casca de arroz, Argamassa, Pozonanicidade, Resíduo. 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil

Palavras-chave: Cinza de casca de arroz, Argamassa, Pozonanicidade, Resíduo. 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil Caracterização de Cinza de Casca de Arroz Com e Sem Queima Controlada Utilizadas em Argamassas RIGHI Débora P. 1, a, NAKANISHI Elizabete Y.B. 2, b e MOHAMAD Gihad 3, c 1 Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO OBJETIVO. Materiais Naturais e Artificiais

Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO OBJETIVO. Materiais Naturais e Artificiais Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO Atualmente, no Brasil, são produzidos cerca de 20 milhões de m3 de concreto/ano em Centrais de Concreto, denominadas Empresas de Serviços de Concretagem. Uma economia de

Leia mais

Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada

Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada Módulo de Elasticidade do Concreto Normalização, fatores de influência e interface com o pré-moldado Enga. Inês Laranjeira

Leia mais

Paulo de Araújo Regis (1); Arnaldo M. P. Carneiro (2) João M. F. Mota (3); Rodrigo D. Oliveira (4); Allice P. Silva (5);

Paulo de Araújo Regis (1); Arnaldo M. P. Carneiro (2) João M. F. Mota (3); Rodrigo D. Oliveira (4); Allice P. Silva (5); Anais do 47º Congresso Brasileiro do Concreto - CBC2005 Setembro / 2005 ISBN 85-98576-07-7 Volume V - Inovações Tecnológicas para o Concreto Trabalho 47CBC0186 - p. V125-138 2005 IBRACON. ANÁLISE DAS PROPRIEDADES

Leia mais

+LVWyULFR. mais elevadas em relação aos outros mais regularmente utilizados, denominados concretos comuns.

+LVWyULFR. mais elevadas em relação aos outros mais regularmente utilizados, denominados concretos comuns. &21&5(72'($/72'(6(03(1+2 Inicialmente, é apresentado um breve histórico sobre a utilização do concreto, assim como da evolução do incremento em sua resistência. A partir desta abordagem, poderá ser feita

Leia mais

Ficha Técnica de Produto

Ficha Técnica de Produto Ficha Técnica de Produto GLENIUM 3400 NV Aditivo hiperplastificante. GLENIUM 3400 NV é um aditivo com alto índice de redução de água, pronto para o uso. O GLENIUM 3400 NV é uma nova geração de aditivos

Leia mais

UFSM / UNIPAMPA. Marcelo Dias Oliveira Tatiana Cureau Cervo Geraldo Cechella Isaia

UFSM / UNIPAMPA. Marcelo Dias Oliveira Tatiana Cureau Cervo Geraldo Cechella Isaia UFSM / UNIPAMPA Estudo comparativo entre Resistência à tração na flexão e Resistência à compressão axial empregando diferentes métodos de cura em concreto para pavimentos Marcelo Dias Oliveira Geraldo

Leia mais

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO Costenaro, F. L. (1); Isa M. M. (2) (1) Graduanda de Eng. Civil. Faculdade de Engenharia de Bauru

Leia mais

Estudo da viabilidade da utilização da rocha dunito, proveniente de Catas Altas - MG, como agregado para concreto

Estudo da viabilidade da utilização da rocha dunito, proveniente de Catas Altas - MG, como agregado para concreto 1 Estudo da viabilidade da utilização da rocha dunito, proveniente de Catas Altas - MG, como agregado para concreto Luciano Garcia de Assis lucianogarc@gmail.com Fabrício Moura Dias fmdias2@hotmail.com

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA SÍLICA DA CASCA DE ARROZ NA PRODUÇÃO DE CONCRETO USINADO EM CENTRAL

UTILIZAÇÃO DA SÍLICA DA CASCA DE ARROZ NA PRODUÇÃO DE CONCRETO USINADO EM CENTRAL UTILIZAÇÃO DA SÍLICA DA CASCA DE ARROZ NA PRODUÇÃO DE CONCRETO USINADO EM CENTRAL Use of silica from rice husk in ready mixed concrete production Collatto, Décio (1); Viecili, Fábio A. (2); Arndt, Josué

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS FINOS E DA CAL NAS PROPRIEDADES DAS ARGAMASSAS

INFLUÊNCIA DOS FINOS E DA CAL NAS PROPRIEDADES DAS ARGAMASSAS INFLUÊNCIA DOS FINOS E DA CAL NAS PROPRIEDADES DAS ARGAMASSAS Narciso Gonçalves da Silva (1); Vicente Coney Campiteli (2) (1) Prof. Msc. da Universidade Tecnológica Federal do Paraná e-mail: ngsilva@cefetpr.br

Leia mais

Estudo comparativo do desempenho mecânico da sílica ativa e do metacaulim como adições químicas minerais em estruturas de concreto

Estudo comparativo do desempenho mecânico da sílica ativa e do metacaulim como adições químicas minerais em estruturas de concreto Cerâmica 54 (2008) 309-318 309 Estudo comparativo do desempenho mecânico da sílica ativa e do metacaulim como adições químicas minerais em estruturas de concreto (Comparative study of mechanical performance

Leia mais

A Im p o r t â n c ia d a Es c o l h a d o Ag l o m e r a n t e pa r a Do s a g e m d e Co n c r e t o d e Ci me n t o Po r t l a n d

A Im p o r t â n c ia d a Es c o l h a d o Ag l o m e r a n t e pa r a Do s a g e m d e Co n c r e t o d e Ci me n t o Po r t l a n d A Im p o r t â n c ia d a Es c o l h a d o Ag l o m e r a n t e pa r a Do s a g e m d e Co n c r e t o d e Ci me n t o Po r t l a n d Allison Rosa Castro 1 Sandra Maria de Lima 2 Re s u m o: Este artigo

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Propriedades do Concreto Referência desta aula Agosto - 2008 1 Propriedades

Leia mais