UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL RELATÓRIO CONVÊNIO CAMARGO CORRÊA INDUSTRIAL - NORIE/CPGEC/UFRGS 1996/1997 Porto Alegre 1997

2 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO ENSAIO DE AGRESSÃO QUÍMICA E ABRASÃO Variáveis Planejamento do experimento Materiais empregados Proporcionamento dos materiais Resistência à compressão Agressão Química Agentes químicos empregados e concentrações: Método Resultados Análise e discussão dos resultados Resistência à Abrasão Método Resultados Análise e discussão dos resultados DURABILIDADE CONFERIDA PELO CIMENTO ARI Variáveis Planejamento dos experimentos Materiais empregados Proporcionamento dos materiais Resistência à compressão Absorção de água pelo concreto - Método Kelham Método Resultados obtidos Análise e discussão dos resultados Penetração de íon Cloreto Método Resultados obtidos Análise e discussão dos resultados RESISTIVIDADE DE CONCRETOS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA Variáveis Planejamento Materiais Proporcionamento dos materiais Método de ensaio Resultados e discussão Considerações finais ENSAIOS ACELERADOS E ENSAIOS DE CAMPO Corrosão de armaduras Método Resultados obtidos Análise e discussão dos resultados Carbonatação Método Resultados obtidos Análise e discussão dos resultados PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS E PUBLICAÇÕES TÉCNICAS RESUMOS ENVIADOS-APROVADOS BIBLIOGRAFIA

3 3 1. INTRODUÇÃO O segundo convênio firmado entre a Camargo Corrêa Industrial S.A. e o NORIE/UFRGS contemplou um estudo bastante abrangente, diretamente relacionado à durabilidade de concretos com adição de sílica ativa e com cimentos Eldorado CP V-ARI e CP II-F, comparando o desempenho destes cimentos com outros, como o CP II-E, o CP V- ARI RS e o CP IV. O programa experimental proposto desenvolvido foi dividido em quatro estudos principais, sendo eles estudo de agressão química, envolvendo sete soluções agressivas, e estudo de abrasão; durabilidade conferida pelo cimento CP V-ARI; ensaios acelerados e ensaios de campo. Salienta-se que nos estudos de durabilidade do cimento CP V-ARI com adição de sílica ativa foram desenvolvidos ensaios de resistividade elétrica do concreto, que não estavam especificados na proposta do convênio. O presente relatório tem por objetivo descrever os métodos empregados na realização da parte experimental do convênio firmado entre a Camargo Corrêa Industrial e o NORIE/CPGEC/UFRGS, os resultados obtidos, análise e discussão dos resultados, esclarecendo a influência da sílica ativa e dos cimentos empregados nas propriedades estudadas.

4 4 2. ENSAIO DE AGRESSÃO QUÍMICA E ABRASÃO Este programa experimental tem como objetivo avaliar a resistência à abrasão e à ação de agentes químicos, através da análise do desempenho de concretos com cimento CP II-F e CP V-ARI, com e sem adição de sílica ativa, nos teores de, 6, 9, 12 e 18%. Para o ensaio de agressão química foram utilizadas sete tipos de soluções, simulando o ambiente agressivo Variáveis As variáveis utilizadas neste programa experimental foram: Relação água/aglomerante (a/agl) -,37,,59 e,81; Teor de sílica ativa -, 6, 9, 12 e 18%; Tipo de cimento - CP II-F e CP V-ARI Planejamento do experimento Os dados apresentados neste trabalho foram obtidos a partir de um programa experimental bastante extenso, onde foi estudado o comportamento do concreto com adição de sílica ativa frente a ação sete soluções agressivas. Desta forma, o planejamento foi realizado de forma a proporcionar um programa enxuto, fracionando o experimento, o que permitiu abranger um número de variáveis maior, representadas em diversos níveis. Este tipo de planejamento exige uma análise estatística mais apurada do que a normalmente utilizada que, na maioria das vezes, contempla apenas média, desvio padrão e coeficiente de variação, não fornecendo a significância dos diversos fatores envolvidos e das suas interações. O planejamento e análise estatística permite detectar comportamentos não observados em análises simples Materiais empregados Os materiais utilizados na confecção dos corpos de prova, comercializados usualmente, estão descritos na seqüência. Cimento No programa experimental foi utilizado cimento Portland composto com fíler (CP II-F) e cimento Portland de alta resistência inicial (CP V-ARI), oriundos do mesmo lote de fabricação.

5 5 Areia Foi utilizada areia quartzosa, encontrada no comércio local, proveniente de afluentes do estuário do Guaíba. As características físicas da areia estão apresentadas na tabela 2.1. Tabela 2.1. Características físicas da areia Peneira Massa retida por % Retida por Massa acumulada % Acumulada peneira (g) peneira (g) Fundo Dimensão máxima característica: 4.8 mm Módulo de finura: 2.39 Zona 2 - Areia fina. Agregado Graúdo Utilizou-se um agregado graúdo de origem basáltica, britado, com diâmetro máximo de 25 mm. As características físicas do agregado graúdo encontram-se na tabela 2.2. Tabela 2.2. Características físicas do agregado graúdo Peneira Massa retida por % Retida por Massa acumulada % Acumulada peneira (g) peneira (g) Fundo Dimensão máxima característica = 25 mm Módulo de finura = 7.1 BRITA 1 Sílica Ativa A sílica ativa utilizada no programa experimental é do tipo não densificada, oriunda de um mesmo lote de fabricação. Aditivo superplastificante Utilizou-se um aditivo superplastificante a base de naftaleno sulfonado.

6 Proporcionamento dos materiais descritos na tabela 2.3. Os traços dos concretos utilizados na confecção dos corpos de prova estão Tabela 2.3. Proporcionamento dos materiais a/agl cimento : areia : brita (em massa),37 1 : 1,2 : 2,34,59 1 : 2,19 : 3,74,81 1 : 3,38 : 5, Resistência à compressão O ensaio de resistência à compressão, conforme NBR 5739, foi realizado para fins de controle dos traços de concretos moldados. Os resultados são apresentados na figura 2.1. Resistência à compressão (MPa) Teor de Sílica Ativa (%) CP V-ARI -,37 CP V-ARI -,59 CP V-ARI -,81 CP II-F -,37 CP II-F -,59 CP II-F -,81 Figura 2.1. Resistência à compressão dos concretos estudados

7 Agressão Química Agentes químicos empregados e concentrações: As soluções para os experimentos de agressão química, definidas pela Camargo Corrêa Industrial, estão relacionadas na seqüência. A concentração de 5% das soluções ácidas empregadas foi estabelecida baseada em dados da literatura. Solução de ácido acético; Solução de ácido cítrico; Solução de ácido fórmico; Solução de ácido lático; Solução de ácido sulfúrico; Refrigerante base cola; Água pura Método O método de ensaio para ataque químico seguiu o apresentado por CAMPS et al. (199).As dimensões dos corpos de prova e avaliação de propriedades físicas dos materiais, após sofrerem o ataque, seguem a prescrição da norma americana ASTM C112 - Test for lenght change of hydraulic-cement mortars exposed to sulfate solution. Os corpos de prova empregados para a realização deste ensaio foram prismáticos, com dimensão de 4 x 4 x 16 cm. Após a moldagem, os corpos de prova foram submetidos à cura submersa por 28 dias, a partir do qual iniciaram-se os ciclos de agressão de 14 dias. Os ciclos de agressão consistiram em períodos de sete dias de imersão e sete dias de secagem. Ao iniciar os ciclos de ataque químico os corpos de prova foram previamente pesados. Após o período de imersão os corpos de prova foram lavados com jatos de água com o objetivo de simular a ação mecânica de desgaste e para remover os produtos de corrosão da superfície do corpo de prova, sendo colocados para secar em ambiente de laboratório. Ao final do período de secagem, os corpos de prova foram pesados, completando o ciclo de 14 dias. A cada novo ciclo a solução de agente agressivo foi renovada, medindo-se o ph da solução antes de imergir os corpos de prova e após retirá-los da solução. Foram previstos cinco ciclos de agressão. A figura 2.2 apresenta o esquema do ciclo de agressão.

8 8 Figura 2.2. Esquema dos ciclos de agressão (CAMPS, et al., 199). Foram utilizados 2 corpos de prova por traço moldado. O volume das soluções agressivas correspondeu a 4 vezes o volume total dos corpos de prova. Os corpos de prova, após o ciclo final de agressão, e os corpos de prova de referência foram submetidos ao ensaio de resistência à tração na flexão, segundo a norma NBR Concreto - Determinação da resistência à tração na flexão em corpos de prova prismáticos - Método de ensaio Resultados As medidas de perda de massa e resistência à tração dos corpos de prova, após a realização dos ciclos de agressão, podem ser observados nas tabelas 2.4 a 2.18, bem como nas figuras 2.3 a 2.17.

9 9 Tabela 2.4. Resultados de perda de massa para ciclos de agressão em solução de ácido acético. Identificação Massa inicial Massa ao final dos ciclos de agressão (g) Perda de massa total (a/agl) / (% s.a.) / (cimento) Mi (g) MC1 MC2 MC3 MC4 MC5 Mi - MC5 (g),37//v 1 647,7 645,3 618,8 598,6 58,1 548,4-99,3,37//V 2 657,5 654,9 627,5 68, 589,2 56, -97,5,37/6/II 1 626, 69,2 587,5 573,1 558,7 54,5-85,5,37/6/II 2 619,2 62,2 58,8 565,4 552,1 528,7-9,5,37/18/V 1 631,4 629,5 64,5 587,7 574,2 56,9-7,5,37/18/V 2 652,3 65,3 624,6 67, 592,3 582,7-69,6,59//II 1 634,6 616,9 597,5 582,2 566,3 538,7-95,9,59//II 2 617,5 598,7 579,8 563, 546,9 52,6-96,9,59/9/II 1 636,8 633,1 614,7 6,7 59,1 58,6-56,2,59/9/II 2 639,1 635,8 616,4 62,8 589,3 577,5-61,6,59/9/V 1 627, 69,5 59,1 576,4 563,3 539,5-87,5,59/9/V 2 625,2 68,2 588,4 573,9 561,7 542,5-82,7,59/18/II 1 614,9 597,8 579,8 567,7 554,7 536,1-78,8,59/18II 2 623,4 65,9 587,7 576,2 568,1 55,1-73,3,81//V 1 629,2 623,7 66,8 594,2 577,9 561,2-68,,81//V 2 623,1 618, 61,1 585,8 57,1 545,3-77,8,81/12/II 1 62,2 616,1 599,9 585,7 568,2 557, -63,2,81/12/II 2 618,2 612,9 597,3 582, 564,6 556,4-61,8,81/18/V 1 67,1 589,9 573,1 559,8 548,7 514,8-92,3,81/18/V 2 69, 591,3 572,8 561,2 548,1 521, -88, Acético - Perda de Massa (g) 37//V 37/6/II 37/18/V 59//II 59/9/V 59/9/II 59/18/II 81//V 81/12/II 81/18/V Figura 2.3. Perda de massa total para ciclos de agressão do ácido acético.

10 1 Tabela 2.5. Resultados de resistência à tração na flexão para concretos submetidos à solução de ácido acético. Identificação ft (MPa) Identificação ft (MPa),37//V 1 2,95,59/9/V 1 1,9,37//V 2 3,13,59/9/V 2 Inválido,37/6/II 1 2,7,59/18/II 1,39,37/6/II 2 3,1,59/18/II 2 1,43,37/18/V 1 1,3,81//V 1,91,37/18/V 2 2,88,81//V 2,46,59//II- 1,99,81/12/II 1,21,59//II 2 1,44,81/12/II 2,2,59/9/II 1 1,52,81/18/V 1 1,12,59/9/II 2 1,81,81/18/V - 2 1, Acético - Resistência à Tração (MPa) 37//V 37/6/II 37/18/V 59//II 59/9/V 59/9/II 59/18/II 81//V 81/12/II 81/18/V Figura 2.4. Resistência à tração de concretos submetidos à ação do ácido acético.

11 11 Tabela 2.6. Resultados de perda de massa para ciclos de agressão em solução de ácido cítrico. Identificação Massa inicial Massa ao final dos ciclos de agressão (g) Perda de massa total (a/agl) / (% s.a.) / (cimento) Mi (g) MC1 MC2 MC3 MC4 MC5 Mi - MC5 (g),37//v 1 646,9 641,8 68,3 572,2 538,8 53,6-143,3,37//V 2 637,3 631,8 6,7 562,8 53,1 495, -142,3,37/12/II 1 642,7 64,1 62,8 584,9 547,1 514,4-128,3,37/12/II 2 644,2 641,4 619,5 583,3 547,7 517,7-126,5,37/18/V 1 639,2 637,2 69,2 57,1 534,2 53,1-136,1,37/18/V 2 641,4 639,2 611, 572,7 537,5 59, -132,4,59//II 1 648,8 641,5 595,7 558,2 527,5 496,7-152,1,59//II 2 641,3 633,9 59,9 553,8 521,9 491,1-15,2,59//V 1 61,7 63,3 559,7 523,4 489,6 455,8-154,9,59//V 2 633,4 626,5 584,7 544,2 59,3 478,9-154,5,59/9/II 1 639,8 634,1 584, 531,1 485,7 443,2-196,6,59/9/II 2 632,3 626,9 577,6 524,3 482,1 445,3-187,,59/18/II 1 62,4 616,2 56,6 54,9 462,2 43,1-19,3,59/18II 2 618,1 613,5 559, 52,7 46,2 428,1-19,,81//V 1 611,9 64,9 554,8 56,1 466,8 436,2-175,7,81//V 2 626,3 619,4 567,2 52,1 484, ,3,81/6/II 1 69,5 62,1 515,5 46,1 49,2 358,8-25,7,81/6/II 2 623,8 616, 536,5 482,4 44,4 397,4-226,4,81/18/V 1 67,9 6,5 58,7 45,8 45,6 364,9-243,,81/18/V 2 69,5 61,9 59,5 454,9 413,2 373,3-236, Cítrico - Perda de Massa (g) B37//V A37/12/II A37/18/V B59//II B59//V A59/9/II A59/18/II A81//V B81/6/II B81/18/V Figura 2.5. Perda de massa total para ciclos de agressão do ácido cítrico.

12 12 Tabela 2.7. Resultados de resistência à tração na flexão para concretos atacados por solução de ácido cítrico. Identificação ft (MPa) Identificação ft (MPa),37//V 1 5,47,59/9/II 1 1,53,37//V 2 Inválido,59/9/II 2 2,66,37/12/II 1 6,12,59/18/II 1 1,96,37/12/II 2 6,9,59/18II 2 2,1,37/18/V 1 Inválido,81//V 1,83,37/18/V 2 Inválido,81//V 2 1,37,59//II 1 2,45,81/6/II 1,74,59//II 2 3,18,81/6/II 2 1,5,59//V 1 2,52,81/18/V 1,78,59//V - 2 5,58,81/18/V - 2 1,13 7, 6, 5, 4, 3, 2, 1,, Cítrico - Resistência à tração (MPa) B37//V A37/12/II B59//II B59//V A59/9/II A59/18/II A81//V B81/6/II B81/18/V Figura 2.6. Resistência à tração de concretos submetidos à ação do ácido cítrico.

13 13 Tabela 2.8. Resultados de perda de massa para ciclos de agressão em solução de ácido fórmico. Identificação Massa inicial Massa ao final dos ciclos de agressão (g) Perda de massa total (a/agl) / (% s.a.) / (cimento) Mi (g) MC1 MC2 MC3 MC4 MC5 Mi - MC5 (g),37//ii 1 661,9 658, 618,2 59,1 542,9 469,6-192,3,37//II 2 659,9 656, 615,8 574,7 553, 471,7-188,2,37/6/V 1 652,7 65,1 61,3 577,6 563,6 518,8-133,9,37/6/V 2 641,4 639, 61,1 578,1 554,7 511,5-129,9,37/18/II 1 638,3 63,4 597,2 576,7 562, 536,4-11,9,37/18/II 2 63,2 622,8 588,3 566,3 548,2 521, -19,2,59//V 1 616,9 66,4 574,5 539,1 48,2 45,3-211,6,59//V 2 635,7 625,5 592,5 531,1 482,7 416,6-219,1,59/9/II 1 634,8 625,2 595,5 57,1 546,5 494,2-14,6,59/9/II 2 628,9 619,4 589,3 565,6 544, 437,8-191,1,59/9/V 1 642,5 638,6 67,3 585,1 564,6 517,1-125,4,59/9/V 2 64, 635,7 64, 584,7 563, 59,4-13,6,59/18/V 1 634, 63,2 599,9 582,4 562,4 531,1-12,9,59/18/V 2 618, 614, 583,6 564,8 548,2 528,1-89,9,81//II 1 657,8 642, 617,5 588,8 544,9 468, -189,8,81//II 2 648,5 642, 617,6 586,7 536, 471,3-177,2,81/12/V 1 61,3 598,8 568,7 54,9 454,6 368,3-242,,81/12/V 2 622,6 611, 582,7 51,7 445,3 398,1-224,5,81/18/II 1 619,9 69,3 58,5 553, 528,7 475,4-144,5,81/18/II 2 635,3 624,4 597,3 57,3 539,6 479,3-156, Fórmico - Perda de Massa (g) A37//II A37/6/V B37/18/II B59//V A59/9/V B59/9/II A59/18/V A81//II B81/12/V B81/18/II Figura 2.7. Perda de massa total para ciclos de agressão do ácido fórmico.

14 14 Tabela 2.9. Resultados de resistência à tração na flexão para concretos atacados por solução de ácido fórmico. Identificação ft (MPa) Identificação ft (MPa),37//II 1 1,7,59/9/V 1 1,,37//II 2 Inválido,59/9/V 2,75,37/6/V 1,9,59/18/V 1,26,37/6/V 2 1,39,59/18/V 2,56,37/18/II 1 2,11,81//II 1,4,37/18/II 2 3,6,81//II 2,4,59//V 1 3,64,81/12/V 1,15,59//V 2 1,7,81/12/V 2,5,59/9/II 1 1,4,81/18/II 1,4,59/9/II 2 1,11,81/18/II - 2,3 3 2,5 2 1,5 1,5 Fórmico - Resistência à tração (MPa) A37//II A37/6/V B37/18/II B59//V A59/9/V B59/9/II A59/18/V A81//II B81/12/V B81/18/II Figura 2.8. Resistência à tração de concretos submetidos à ação do ácido fórmico.

15 15 Tabela 2.1. Resultados de perda de massa para ciclos de agressão em solução de ácido lático. Identificação Massa inicial Massa ao final dos ciclos de agressão (g) Perda de massa total (a/agl) / (% s.a.) / (cimento) Mi (g) MC1 MC2 MC3 MC4 MC5 Mi - MC5 (g),37//ii 1 626, 624,1 63,9 582,4 558,5 524,6-11,4,37//II 2 626,1 624,3 63,5 58,5 554,4 514,2-111,9,37/6/V 1 643,6 641,7 615,6 59,5 565, 523, -12,6,37/6/V 2 646,4 644,7 618,3 595,7 574,5 522,7-123,7,37/18/II 1 631,3 629,9 66,8 588,6 573,2 554,1-77,2,37/18/II 2 626,7 625,4 62, 583,4 568,4 543,8-82,9,59//V 1 635,2 632,3 614,2 595,1 571,6 538,9-96,3,59//V 2 628,7 626,6 66,8 585,3 553,8 518,4-11,3,59/9/II 1 625,4 623,7 66,8 592,1 572,2 551,1-74,3,59/9/II 2 64,9 63,5 586, 569,1 549,5 519,1-85,8,59/9/V 1 628,1 625,3 65,2 574,2 564,4 533,6-94,5,59/9/V 2 632,3 629,6 68,5 587,5 566,1 512,6-119,7,59/18/V 1 633,1 633, 614,9 61,9 586,9 57,5-62,6,59/18/V 2 623,6 623,5 63,7 59,7 577, 559,6-64,,81//II 1 612,7 611,5 595,8 581, 559,8 529,1-83,6,81//II 2 68,7 66,7 591,9 576,9 565,8 536,3-72,4,81/12/V 1 619, 617,9 62, 585,4 568,3 522,4-96,6,81/12/V 2 638,2 635,7 62,9 63,9 578,5 531,8-16,4,81/18/II 1 62,9 597,4 573,7 562,7 547, 482,6-12,3,81/18/II 2 616, 61,8 597,2 577,7 532,7 52,2-113, Lático - Perda de Massa (g) B37//II A37/6/V A37/18/II B59//V A59/9/V B59/9/II B59/18/V A81//II B81/12/V A81/18/II Figura 2.9. Perda de massa total para ciclos de agressão do ácido lático.

16 16 Tabela Resultados de resistência à tração na flexão para concretos atacados por solução de ácido lático. Identificação ft (MPa) Identificação ft (MPa),37//II 1 3,89,59/9/V 1 3,41,37//II 2 Inválido,59/9/V 2 4,3,37/6/V 1 3,78,59/18/V 1 3,35,37/6/V 2 4,22,59/18/V 2 4,2,37/18/II 1 4,2,81//II 1 3,6,37/18/II 2 4,66,81//II 2 1,81,59//V 1 2,57,81/12/V 1 3,33,59//V 2 Inválido,81/12/V 2 1,84,59/9/II 1 2,68,81/18/II 1,77,59/9/II - 2 3,23,81/18/II - 2 1, Lático - Resistência à tração (MPa) B37//II A37/6/V A37/18/II B59//V A59/9/V B59/9/II B59/18/V A81//II B81/12/V A81/18/II Figura 2.1. Resistência à tração de concretos submetidos à ação do ácido lático.

17 17 Tabela Resultados de perda de massa para ciclos de agressão em solução de ácido sulfúrico. Identificação Massa inicial Massa ao final dos ciclos de agressão (g) Perda de massa total (a/agl) / (% s.a.) / (cimento) Mi (g) MC1 MC2 MC3 MC4 MC5 Mi - MC5 (g),37//v 1 639,7 637, 56,7 497, 439,8 393,2-246,5,37//V 2 656, 653,4 577,7 522,2 477,1 422,9-233,1,37/12/II 1 65,4 649,7 576,9 493, 441,4 373, -277,4,37/12/II 2 64,4 64,2 572,9 487,5 433,9 37,3-27,1,37/18/V 1 639,2 638,9 599,8 58,6 449,7 388,4-25,8,37/18/V 2 629, 628,7 59,3 499, 438,4 363,3-266,7,59//II 1 634,1 628,4 579, 53,9 461,3 426,3-27,8,59//II 2 634,4 628,2 576,5 52,7 454,1 415,7-218,7,59/9/II 1 61,2 68,4 574,6 423, 445, 382,4-227,8,59/9/II 2 632,3 63,2 6,3 517,8 476,1 428, -24,3,59/9/V 1 626,6 622,6 587,9 52,7 477,8 421,6-25,,59/9/V 2 618,9 615,1 58,5 511,6 476,7 421,7-197,2,59/18/II 1 624,1 623,3 615,3 54, 447,6 389,1-235,,59/18/II 2 632,9 632,1 62,8 514,6 466,3 411,7 221,2,81//V 1 632,3 628,8 623,8 67,8 587,7 545,2-87,1,81//V 2 634,9 631,3 626,7 616,6 597,6 551,5-83,4,81/6/II 1 61,1 62,9 63,1 587,1 563,3 519,8-9,3,81/6/II 2 615,4 68,1 64,9 586, 56,7 526,7-88,7,81/18/V 1 67,9 62,3 61,9 589,3 553,8 57,4-1,5,81/18/V 2 593,6 588,2 596,4 58,1 541,1 5,7-92, Sulfúrico - Perda De Massa (g) 37//V 37/12/II 37/18/V 59//II 59/9/V 59/9/II 59/18/II 81//V 81/6/II 81/18/V Figura Perda de massa total para ciclos de agressão do ácido sulfúrico.

18 18 Tabela Resultados de resistência à tração na flexão para concretos atacados por solução de ácido sulfúrico. Identificação ft (MPa) Identificação ft (MPa),37//V 1 3,5,59/9/V 1 3,9,37//V 2 1,39,59/9/V 2 2,5,37/12/II 1 2,97,59/18/II 1 3,13,37/12/II 2 1,2,59/18/II 2 1,45,37/18/V 1,92,81//V 1 3,84,37/18/V 2 3,69,81//V 2 2,5,59//II 1 1,,81/6/II 1 1,68,59//II 2 2,53,81/6/II 2 2,33,59/9/II 1 2,49,81/18/V 1,98,59/9/II 2 2,9,81/18/V 2 1,44 3,5 3 2,5 2 1,5 1,5 Sulfúrico - Resistência à tração (MPa) 37//V 37/12/II 37/18/V 59//II 59/9/V 59/9/II 59/18/II 81//V 81/6/II 81/18/V Figura Resistência à tração de concretos submetidos à ação do ácido sulfúrico.

19 19 Tabela Resultados de perda de massa para ciclos de agressão em água pura. Identificação Massa inicial Massa ao final dos ciclos de agressão (g) Perda de massa total (a/agl) / (% s.a.) / (cimento) Mi (g) MC1 MC2 MC3 MC4 MC5 Mi - MC5 (g),37//v 1 648,4 647,2 647,4 646,2 645,9 647,4-1,,37//V 2 636,2 635, 635, 634,1 633,9 635,2-1,,37/6/II 1 622,5 621, 62,4 62,9 621, 619,9-2,6,37/6/II 2 652,2 65,7 65,1 65,5 65,6 649,7-2,5,37/18/V 1 62,7 619,5 619,3 619,8 619,8 619,2-1,5,37/18/V 2 633,3 632,4 632,3 632,6 632,7 632,1-1,2,59//II 1 622,5 621,3 621,8 62,5 62,4 622,2 -,3,59//II 2 63,4 629,3 629,4 628,1 627,8 629,7 -,7,59/9/II 1 622,6 62,3 62,2 618,9 618,8 621, -1,6,59/9/II 2 613,3 61,8 61,4 69,6 69,2 611,3-2,,59/9/V 1 624,6 621,6 62,4 62,5 62,6 618,7-5,9,59/9/V 2 629,7 627,2 625,9 625,9 625,7 623,8-5,9,59/18/II 1 625,4 622,3 621,5 622,1 622,5 62,4-5,,59/18/II 2 625,2 622,5 621,6 622,2 622,3 62,2-5,,81//V 1 637,8 631,3 629,8 629,7 629,9 627,5-1,3,81//V 2 628,6 621,5 62,1 62, 62,1 617,5-11,1,81/12/II 1 644, 64,9 641,4 639,8 639, 641,5-2,5,81/12/II 2 619,3 616,4 616,5 614,8 613,9 616,6-2,7,81/18/V 1 616, 612,7 613,3 611,7 61,9 613,4-2,6,81/18/V 2 616,1 613,1 613,2 611,8 611, 613,5-2, Água-pura - Perda de Massa (g) 37//V 37/6/II 37/18/V 59//II 59/9/II 59/9/V 59/18/II 81//V 81/12/II 81/18/V Figura Perda de massa total para ciclos de agressão da água pura.

20 2 Tabela Resultados de resistência à tração na flexão para concretos atacados por água pura. Identificação ft (MPa) Identificação ft (MPa),37//V 1 6,71,59/9/V 1 4,43,37//V 2 5,9,59/9/V 2 6,69,37/6/II 1 4,49,59/18/II 1 2,84,37/6/II 2 5,15,59/18/II 2 Inválido,37/18/V 1 5,,81//V 1 4,32,37/18/V 2 3,94,81//V 2 2,78,59//II 1 5,15,81/12/II 1 3,6,59//II 2 5,28,81/12/II 2 4,5,59/9/II 1 6,29,81/18/V 1 3,3,59/9/II 2 4,41,81/18/V 2 3,95 4, 3, 2, 1,, Água-pura - Resistência à tração (MPa) 37//V 37/6/II 37/18/V 59//II 59/9/II 59/9/V 59/18/II 81//V 81/12/II 81/18/V Figura Resistência à tração de concretos submetidos à ação da água pura.

21 21 Tabela Resultados de perda de massa para ciclos de agressão em refrigerante base cola. Identificação Massa inicial Massa ao final dos ciclos de agressão (g) Perda de massa total (a/agl) / (% s.a.) / (cimento) Mi (g) MC1 MC2 MC3 MC4 MC5 Mi - MC5 (g),37//ii 1 647,5 644,4 642,9 64,2 636,9 635,8-11,7,37//II 2 637,2 634,1 632,7 629,9 626,7 625,6-11,6,37/12/V 1 64,1 638,2 635,3 633,4 631,4 628,9-11,2,37/12/V 2 656,4 654,9 615,9 65,1 647,9 645,3-11,1,37/18/II 1 627,6 626,4 623,8 622,2 62,3 618,4-9,2,37/18/II 2 625,6 624,2 621,8 62,2 618,4 616,1-9,5,59//V 1 614,3 612,2 69,5 67,4 65,2 6,4-13,9,59//V 2 644,1 641,8 639, 636,5 633,8 628,7-15,4,59/9/II 1 632,5 628,5 627,3 624,6 621,5 62,6-11,9,59/9/II 2 633,6 629,3 628,1 625,3 622,4 621,2-12,4,59/9/V 1 633,9 631,4 628,5 626,5 624,1 618,6-15,3,59/9/V 2 621,2 618,9 615,7 613,5 61,8 65,4-15,8,59/18/V 1 622,9 619,6 618,4 616, 612,6 611,4-11,5,59/18/V 2 636,3 636,1 634,6 613,9 628,9 627,4-11,9,81//II 1 616, 613,7 612,3 61, 67,5 6,6-15,4,81//II 2 613,6 611,1 69,7 67,5 64,8 598,8-14,8,81/6/V 1 619, 615,5 614,9 613,3 67,1 64, -15,,81/6/V 2 617, 613,3 612,1 61, 65,3 61,6-15,4,81/18/II 1 612,5 68,6 67,8 65,3 598,4 593,7-18,8,81/18/II 2 625,2 621, 62, 617,4 611,2 67,1-18, Refrigerante base cola - Perda de Massa (g) 37//II 37/12/V 37/18/II 59//V 59/9/II 59/9/V 59/18/V 81//II 81/6/V 81/18/II Figura Perda de massa total para ciclos de agressão em refrigerante base cola.

22 22 Tabela Resultados de resistência à tração na flexão para concretos atacados por refrigerante base cola. Identificação ft (MPa) Identificação ft (MPa),37//II 1 5,9,59/9/V 1 5,61,37//II 2 6,4,59/9/V 2 4,93,37/12/V 1 6,77,59/18/V 1 5,59,37/12/V 2 7,65,59/18/V 2 3,4,37/18/II 1 5,64,81//II 1 3,48,37/18/II 2 6,,81//II 2 4,6,59//V 1 6,23,81/6/V 1 3,34,59//V 2 6,18,81/6/V 2 3,47,59/9/II 1 3,67,81/18/II 1 2,21,59/9/II 2 3,92,81/18/II 2 4, Refrigerante base cola - Perda de Massa (g) 37//II 37/12/V 37/18/II 59//V 59/9/II 59/9/V 59/18/V 81//II 81/6/V 81/18/II Figura Resistência à tração de concretos submetidos à ação de refrigerante base cola.

23 23 Tabela Resultados de resistência à tração na flexão para concretos de referência. Identificação ft (MPa) Identificação ft (MPa),37//II 1 Inválido,59/9/V 1 3,64,37//II 2 5,19,59/9/V 2 4,25,37//V 1 5,35,59/18/II 1 5,35,37//V 2 Inválido,59/18/II 2 4,23,37/6/II 1 3,31,59/18/V 1 3,31,37/6/II 2 5,8,59/18/V 2 4,82,37/6/V 1 6,6,81//II 1 2,94,37/6/V 2 5,19,81//II 2 3,7,37/12/II 1 5,66,81//V 1 3,59,37/12/II 2 6,7,81//V 2 3,62,37/12/V 1 6,12,81/6/II 1 2,52,37/12/V 2 6,9,81/6/II 2 4,3,37/18/II 1 3,3,81/6/V 1 4,36,37/18/II 2 3,77,81/6/V 2 3,86,37/18/V 1 4,71,81/12/II 1 3,7,37/18/V 2 Inválido,81/12/II 2 3,27,59//II 1 5,17,81/12/V 1 2,98,59//II 2 5,44,81/12/V 2 2,68,59//V 1 5,42,81/18/II 1 2,41,59//V 2 Inválido,817/18/II 2 2,84,59/9/II 1 Inválido,81/18/V 1 2,79,59/9/II 2 3,29,81/18/V 2 3,7 Resistência à tração (MPa) Referência,37,59,81 Relação água/aglomerante CP II-F CP II-F 6 CP II-F 9 CP II-F 12 CP II-F 18 CP V-ARI CP V-ARI 6 CP V-ARI 9 CP V-ARI Figura Resistência à tração dos concretos de referência.

24 Análise e discussão dos resultados A análise dos dados obtidos foi realizada utilizando-se regressão múltipla, obtendo-se um modelo de comportamento que relaciona a perda de massa e a resistência à tração na flexão com os fatores estudados, para os materiais e as condições de ensaio empregadas. ÁCIDO ACÉTICO a) Perda de massa Através da análise dos resultados obtidos, por regressão múltipla, verificou-se que os fatores relação água/aglomerante e número de ciclos de agressão têm isoladamente um efeito significativo sobre a perda de massa. O efeito do teor de adição de sílica ativa e do tipo de cimento aparecem conjugados em interações, conforme apresentado na tabela 2.19 e no modelo de perda de massa para o ácido acético. Tabela Análise de regressão múltipla para a perda de massa - ácido acético. PARÂMETRO COEFICIENTE ERRO T p Constante -46,58 1,88-24,76, aag 2,85 1,62 1,76,823 t -33,58 1,68-19,95, aag 2 4,35 2,44 1,78,781 aag*sa -3,2 1,85-1,63,17 aag*c 4,9 1,63 3,,34 sa*t 3,67 2,13 1,72,888 sa*c 3,46 1,53 2,56,263 O modelo de comportamento para a perda de massa de concretos submetidos à ação do ácido acético, obtido através de regressão múltipla é descrito na equação a seguir: 2 pm = 46,58 + 2,85aag 33,58t + 4,35aag 3,2aag sa + 4,9 aag c + 3,67sa t + 3,46 sa c, r 2 =,82 (coeficiente de determinação), onde: pm = perda de massa (g); c = tipo de cimento (CP V-ARI = -1 e CP II-F = 1); aag = fator água/aglomerante (,37 = -1;,59 = e,81 = 1) sa = sílica ativa (% = -1; 6% = -,33; 9% = ; 12% =,33 e 18% = 1) t = ciclo ou tempo de exposição ( ciclo1 = -1; ciclo2 = -,5; ciclo3 = ; ciclo =,5 e ciclo5 = 1).

25 25 Os termos considerados no modelo proposto apresentam valores de p menor do que,1, informando que são estatisticamente significativos a um nível de confiança de 9%. A tabela 2.2 apresenta a análise de variância do modelo proposto, cujo valor de p menor do que,1 indica que a relação entre as variáveis é estatisticamente significativa a um nível de confiança de 99%. Tabela 2.2. Análise variância para o modelo de regressão perda de massa ácido acético. Fonte SQ GDL MQ F p Modelo 36456, , 11,22, Resíduos 3344, ,47 Total 34897, 99 O valor do parâmetro r 2 de,82 indica que o modelo proposto explica 82% da variabilidade da perda de massa analisada para a agressão do ácido acético. O valor de r 2 também indica que 18% do fenômeno não é explicado pelo modelo proposto, em função de variáveis não controladas no experimento. As figuras 2.18 a 2.2 apresentam a evolução da perda de massa, ao longo do ciclo de agressão, para a relação água/aglomerante,37,,59 e,81, respectivamente, variando-se o tipo de cimento e o teor de adição de sílica ativa. 3 Ciclos (14 dias) A/Agl =,37 Perda de massa (g) -3-6 CP V-ARI % CP V-ARI 9% CP V-ARI 18% CP II % CP II 9% CP II 18% Figura Perda de massa ao longo dos ciclos de agressão com ácido acético para o fator a/agl,37.

26 26 3 Ciclos (14 dias) A/Agl =,59 Perda de massa (g) -3-6 CP V-ARI % CP V-ARI 9% CP V-ARI 18% CP II % CP II 9% CP II 18% Figura Perda de massa ao longo dos ciclos de agressão com ácido acético para o fator a/agl,59. 3 Ciclos (14 dias) A/Agl =,81 Perda de massa (g) -3-6 CP V-ARI % CP V-ARI 9% CP V-ARI 18% CP II % CP II 9% CP II 18% Figura 2.2. Perda de massa ao longo dos ciclos de agressão com ácido acético para o fator a/agl,81. As figuras 2.21 e 2.22 apresentam as curvas do modelo de perda de massa total (ciclo final) para agressão em solução de ácido acético, variando-se a relação água/aglomerante e o teor de sílica ativa, respectivamente.

27 27 Perda de massa (g) Relação a/agl,37,59, CP V-ARI CP V-ARI 9 CP V-ARI 18 CP II-F CP II-F 9 CP II-F Figura Influência da relação água/aglomerante na perda de massa total após 5 ciclos de agressão pelo ácido acético. -5 Teor de sílica ativa (%) Perda de massa (g) CP V-ARI - a/c,37 CP V-ARI - a/c,59 CP V-ARI - a/c,81 CP II-F - a/c,37 CP II-F - a/c,59 CP II-F - a/c, Figura Perda de massa total em função do teor de sílica ativa após 5 ciclos de agressão pelo ácido acético Analisando-se as figuras 2.21 e 2.22 verifica-se que para o cimento CP II-F a adição de sílica ativa diminui a perda de massa dos concretos agredidos. Para o cimento CP V-ARI o efeito benéfico das adições foi observado somente para a relação água/aglomerante,37. b) Resistência à tração na flexão A análise estatística, por regressão múltipla, dos dados de resistência à tração na flexão para os corpos de prova agredidos por solução de ácido acético indica que o fator teor de sílica ativa apresenta um efeito significativo sobre a resistência à tração na flexão. O efeito

28 28 do fator relação água/aglomerante e do tipo de cimento aparece em interações, conforme apresentado na tabela 2.21 e no modelo de resistência à tração obtido para as condições de ensaio estudadas para o ácido acético. Tabela Análise de regressão múltipla para a resistência à tração na flexão - ácido acético. PARÂMETRO COEFICIENTE ERRO T p Constante,65,24 2,72,167 1/aag 1/sa 1,34,17 7,79, 1/sa 2 -,74,2-3,75,22 1/sa c -,79,33-2,36,331 1/aag c,73,23 3,15,71 O modelo de comportamento para a resistência à tração na flexão de concretos submetidos à ação do ácido acético, obtido através de regressão múltipla é descrito na equação a seguir: 2 rt =,65+ 1,34/aag 1/sa,74/sa,79/sa c +,73/aag c, r 2 =,83 (coeficiente de determinação), onde: rt = resistência à tração na flexão (MPa); c = tipo de cimento (CP V-ARI = -1 e CP II-F = 1); aag = fator água/aglomerante (,37 =,5;,59 = 1 e,81 = 1,5) sa = sílica ativa (% =,5; 6% =,83; 9% = 1; 12% = 1,17 e 18% = 1,5). Os termos considerados no modelo proposto apresentam valores de p menor do que,5, informando que são estatisticamente significativos a um nível de confiança de 95%. A tabela 2.22 apresenta a análise de variância do modelo proposto, cujo valor de p menor do que,1 indica que a relação entre as variáveis é estatisticamente significativa a um nível de confiança de 99%. Tabela Análise variância para o modelo de regressão resistência à tração ácido acético. Fonte SQ GDL MQ F p Modelo 14,16 4 3,54 17,16, Resíduos 2,89 14,21 Total 17,5 18

ESTUDO DA AÇÃO DO ÁCIDO FÓRMICO EM CONCRETOS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA COM VISTAS AO EMPREGO EM AMBIENTE INDUSTRIAL

ESTUDO DA AÇÃO DO ÁCIDO FÓRMICO EM CONCRETOS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA COM VISTAS AO EMPREGO EM AMBIENTE INDUSTRIAL 39ª REUNIÃO DO INSTITUTO BRASILEIRO DO CONCRETO ESTUDO DA AÇÃO DO ÁCIDO FÓRMICO EM CONCRETOS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA COM VISTAS AO EMPREGO EM AMBIENTE INDUSTRIAL KULAKOWSKI, Marlova P. (1); VIEIRA,

Leia mais

ESTUDO DE CONCRETOS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA (MICROSSÍLICA) FRENTE AO ATAQUE DE AGENTES AGRESSIVOS PARA EMPREGO EM PISOS ESPECIAIS

ESTUDO DE CONCRETOS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA (MICROSSÍLICA) FRENTE AO ATAQUE DE AGENTES AGRESSIVOS PARA EMPREGO EM PISOS ESPECIAIS ESTUDO DE CONCRETOS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA (MICROSSÍLICA) FRENTE AO ATAQUE DE AGENTES AGRESSIVOS PARA EMPREGO EM PISOS ESPECIAIS Dal Molin, Denise C. C. Oliveira, Ana Paula M. Universidade Federal

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Propriedades do Concreto Referência desta aula Agosto - 2008 1 Propriedades

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

DURABILIDADE E RESISTÊNCIA MECÂNICA DE CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA 1

DURABILIDADE E RESISTÊNCIA MECÂNICA DE CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA 1 DURABILIDADE E RESISTÊNCIA MECÂNICA DE CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA 1 VIEIRA, Fernanda P. (1); KULAKOWSKI, Marlova P.(2) DAL MOLIN, Denise (3); VILELA, Antônio C. F. (4) (1) Eng. Civil,

Leia mais

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS Helton Gomes ALVES 1, Kátya Dias NERI 1, Eudésio Oliveira VILAR 1 1 Departamento de Engenharia Química, Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

ESTUDOS DE DURABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE MICROSSÍLICA

ESTUDOS DE DURABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE MICROSSÍLICA ESTUDOS DE DURABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE MICROSSÍLICA VIEIRA, Fernanda P. (1); KULAKOWSKI, Marlova P.(2) DAL MOLIN, Denise (3); VILELA, Antônio C. F. (4) (1) Eng. Civil, Doutoranda

Leia mais

III-057 CONCRETO COM CINZA DE CASCA DE ARROZ CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

III-057 CONCRETO COM CINZA DE CASCA DE ARROZ CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL III-57 CONCRETO COM CINZA DE CASCA DE ARROZ CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Antônio Luiz Guerra Gastaldini (1) Arquiteto pela Escola de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia. Doutor

Leia mais

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP Paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO Marcos ANJOS (1); Walney SILVA (2); Alexandre PEREIRA (3); Hoffman RODRIGUES (4); Valtencir

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

O que é durabilidade?

O que é durabilidade? DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 Conceito de Durabilidade O que é durabilidade? A durabilidade é a capacidade que um produto, componente ou construção possui

Leia mais

Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante

Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante Bianca P. Moreira 1, Geraldo C. Isaia 2, Antônio L. G. Gastaldini 3 1

Leia mais

DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO

DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO Objetivo Assegurar que a estrutura satisfaça, durante o seu tempo de vida, os requisitos de utilização, resistência e estabilidade, sem perda significativa de utilidade nem excesso de manutenção não prevista

Leia mais

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO CONCRETO Componentes Fase contínua Pasta de cimento endurecida Zona de transição Interface entre a pasta e o agregado Fase descontínua Agregados Componente cuja principal característica é endurecer quando

Leia mais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais HOLCIM (BRASIL) S/A Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais Eng. JOSÉ VANDERLEI DE ABREU Patologias Comuns em Pisos Patologias pisos industriais com problemas superficiais

Leia mais

DURABILIDADE DURABILIDADE DO CONCRETO

DURABILIDADE DURABILIDADE DO CONCRETO DURABILIDADE DO CONCRETO DEFINIÇÃO Durabilidade é a capacidade do concreto de resistir à ação das intempéries O concreto é considerado durável quando conserva sua forma original, qualidade e capacidade

Leia mais

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II Dosagem de concreto Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Histórico - Egípcios e os etruscos empregava argamassa na construção

Leia mais

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER O comportamento do concreto de alto desempenho com sílica ativa e metacaulim como adições químicas minerais quanto à sua resistência à compressão utilizando agregados provenientes da região metropolitana

Leia mais

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO Engº Rubens Curti DOSAGEM DEFINIÇÃO DOSAGEM é o proporcionamento adequado e mais econômico de materiais: cimento, água, agregados, adições e aditivos 2 DOSAGEM

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento

Leia mais

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA AUTORES : Engº Roberto J. Falcão Bauer (Diretor técnico) Engº Rubens Curti (Gerente técnico) Engº Álvaro Martins

Leia mais

Sumário. 1 Cimento Portland 1

Sumário. 1 Cimento Portland 1 Sumário 1 Cimento Portland 1 Histórico 1 Fabricação do cimento Portland 2 Composição química do cimento Portland 8 Hidratação do cimento 13 Silicatos de cálcio hidratados 14 Aluminato tricálcico hidratado

Leia mais

ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS

ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS Tatiana Pereira Jucá (1), Fernando Alves Teixeira (1),Cláudio Henrique de Almeida Feitosa Pereira (1), Keila Regina Bento de Oliveira

Leia mais

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Agregados para concreto Os agregados constituem um componente importante no concreto, contribuindo com cerca de 80% do peso e 20% do custo de concreto

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC LODI, Victor Hugo 1 ; PRUDÊNCIO JUNIOR, Luiz Roberto 2 RESUMO O esgotamento das jazidas

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A CONCRETO Profa. Lia Lorena Pimentel CONCRETO 1. DEFINIÇÃO Aglomerado resultante da mistura de cimento, água, agregados

Leia mais

CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO

CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM SUBSTITUIÇÃO À AREIA (PARTE 1) SELF-COMPACTING CONCRETE: EVALUATION OF INDUSTRIAL WASTES REPLACING THE SAND (PART 1) Silva, Cláudia

Leia mais

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência Thiago Catoia 1, Bruna Catoia 2, Tobias Azevedo

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo Esta pesquisa tem como proposta

Leia mais

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Coimbra, 29 e 30 de Março 2012 Índice Enquadramento Norma NP EN 459 Matérias primas Composição Características Produto

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM 1 Importância A dosagem do concreto: É o processo de obtenção da combinação correta de cimento, agregados, águas, adições e aditivos Os efeitos da dosagem

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Dario de Araújo Dafico Resumo: Um modelo para explicar a resistência à compressão do concreto de alto desempenho foi

Leia mais

Avaliação da penetração acelerada de cloretos em concretos moldados com cimento Portland branco estrutural

Avaliação da penetração acelerada de cloretos em concretos moldados com cimento Portland branco estrutural Avaliação da penetração acelerada de cloretos em concretos moldados com cimento Portland branco estrutural A.P. Kirchheim 1, A. Passuelo 2, D.C.C. Dal Molin 3, L. C. P. Silva Filho 4 1 Eng. Civil, MSc.

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ADITIVOS PARA O CONCRETO 1) Definição : NBR 11768 (EB-1763/92) - Aditivos para concreto de Cimento Portland. Produtos que adicionados em pequena quantidade a concreto de Cimento Portland modificam algumas

Leia mais

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação (LAPAV) AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO Prof. Ricardo

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO! " # $! % & & ' ( Sumário 1 INTRODUÇÃO 7 2 PROGRAMA DO EXPERIMENTO 8 2.1 Variáveis Independentes 8 2.2 Variáveis Dependentes 9 3 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Adailton de O. Gomes; (2) Cleber M. R. Dias; (3) Alexandre T. Machado; (4) Roberto J. C. Cardoso;

Leia mais

ESTUDO ELETROQUÍMICO PARA DETECTAR A CORROSÃO EM CONCRETO ARMADO DEGRADADO POR CLORETO DE SÓDIO E ÁCIDO SULFURICO. Campina Grande.

ESTUDO ELETROQUÍMICO PARA DETECTAR A CORROSÃO EM CONCRETO ARMADO DEGRADADO POR CLORETO DE SÓDIO E ÁCIDO SULFURICO. Campina Grande. ESTUDO ELETROQUÍMICO PARA DETECTAR A CORROSÃO EM CONCRETO ARMADO DEGRADADO POR CLORETO DE SÓDIO E ÁCIDO SULFURICO K. D. NERI 1, V. C. P. VITORINO 2, E.O.VILAR 3 e G.R.MEIRA 4 1 UAEQ - Mestranda do Programa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Anais do XX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1982-0178 DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Caio Henrique Tinós Provasi

Leia mais

CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM

CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM João A. Rossignolo Professor outor, epartamento de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos USP, e-mail:

Leia mais

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO Costenaro, F. L. (1); Isa M. M. (2) (1) Graduanda de Eng. Civil. Faculdade de Engenharia de Bauru

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa.

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa. Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons Dosar um concreto é compor os materiais constituintes em proporções convenientemente

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes II Materiais de Construção CONCRETO Definição:

Leia mais

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS)

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) Janaina de Melo Franco 1, Célia Regina Granhen Tavares 2,

Leia mais

Influência da adição de microfibras de polipropileno no fenômeno da retração por secagem em concretos empregados em pisos

Influência da adição de microfibras de polipropileno no fenômeno da retração por secagem em concretos empregados em pisos PATOLOGÍAS DE LAS CONSTRUCCIONES Influência da adição de microfibras de polipropileno no fenômeno da retração por secagem em concretos empregados em pisos Senisse, Juliana A. de Lima 1,a, Dal Molin, Denise

Leia mais

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS PARA O CONTROLE TECNOLÓGICO E DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Engº.. Roberto José Falcão Bauer JUNHO / 2006 SUMÁRIO 1. DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 2. PREMISSAS VISANDO

Leia mais

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES Angelo Just da Costa e Silva (1); João Manoel de Freitas Mota (2); Fred Rodrigues Barbosa (3); José Orlando Vieira Filho (4) (1)

Leia mais

5 Resultados e Discussões

5 Resultados e Discussões 5 Resultados e Discussões O mercado para reciclagem existe e encontra-se em crescimento, principalmente pelo apelo exercido pela sociedade por produtos e atitudes que não causem agressão ao meio ambiente,

Leia mais

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato CIMENTO 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil - Cimento Branco - Cimentos resistentes a sulfato 1.6. Composição química do clínquer do Cimento Portland Embora o cimento Portland consista essencialmente

Leia mais

E 373 Inertes para Argamassa e Betões. Características e verificação da conformidade. Especificação LNEC 1993.

E 373 Inertes para Argamassa e Betões. Características e verificação da conformidade. Especificação LNEC 1993. 1.1. ÂMBITO Refere-se esta especificação a agregados para betão. Agregados para betão são os constituintes pétreos usados na composição de betões nomeadamente areias e britas. 1.2. ESPECIFICAÇÕES GERAIS

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN Daniele Kochem (PIBIC/Fundação Araucária-UNIOESTE), Jeferson Marinho Camboin, Lennon Biancato Runke, Maxer Antonio da Rosa, Giovanna

Leia mais

Estudo do Mecanismo de Transporte de Fluidos de Concretos Auto-Adensáveis. -Mendes,M.V.A.S.; Castro, A.; Cascudo, O.

Estudo do Mecanismo de Transporte de Fluidos de Concretos Auto-Adensáveis. -Mendes,M.V.A.S.; Castro, A.; Cascudo, O. Estudo do Mecanismo de Transporte de Fluidos de Concretos Auto-Adensáveis -Mendes,M.V.A.S.; Castro, A.; Cascudo, O. Maceió-Alagoas outubro/2012 Objetivos do Trabalho - Avaliar se a trabalhabilidade do

Leia mais

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento. Prof. Eduardo Cabral

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento. Prof. Eduardo Cabral Universidade Federal do Ceará Curso de Engenharia Civil Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento Prof. Eduardo Cabral Definições Aglomerantes É o material ligante, ativo, geralmente pulverulento,

Leia mais

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO João Maurício Fernandes Souza¹; José Dafico Alves² ¹ Bolsista PIBIC/CNPq, Engenheiro Agrícola, UnUCET - UEG 2 Orientador, docente do Curso de Engenharia Agrícola, UnUCET

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

UFSM / UNIPAMPA. Marcelo Dias Oliveira Tatiana Cureau Cervo Geraldo Cechella Isaia

UFSM / UNIPAMPA. Marcelo Dias Oliveira Tatiana Cureau Cervo Geraldo Cechella Isaia UFSM / UNIPAMPA Estudo comparativo entre Resistência à tração na flexão e Resistência à compressão axial empregando diferentes métodos de cura em concreto para pavimentos Marcelo Dias Oliveira Geraldo

Leia mais

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Texto base para o Mini-curso da Comunidade da Construção da Cidade do Recife TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Apresentação Os textos apresentados como base para o este mini-curso são artigos publicados

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1)

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia

Leia mais

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais Fonseca, 2010: Aditivos químicos ASTM C125

Leia mais

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial.

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial. INFLUÊNCIA DO MATERIAL DE CAPEAMENTO NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DOS CORPOS-DE-PROVA DE CONCRETO E ARGAMASSAS: COMPARAÇÃO ENTRE ENXOFRE, PASTA DE CIMENTO E PASTA DE GESSO Rodrigo Boesing (1); Rogério A.

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO Jéssica Spricigo da Rocha Bonifácio (1), Daiane dos Santos da Silva Godinho (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento

Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento Sidiclei Formagini 1, Matheus Piazzalunga Neivock 1, Paulo Eduardo Teodoro 2, Mario Henrique Quim Ferreira 2, Willian de Araujo Rosa 1, Cristian

Leia mais

Doutorando do Departamento de Construção Civil PCC/USP, São Paulo, SP paulo.barbosa@poli.usp.br 2

Doutorando do Departamento de Construção Civil PCC/USP, São Paulo, SP paulo.barbosa@poli.usp.br 2 Influência de ciclos de molhamento e secagem, da altura e do posicionamento de pilares no teor de íons cloreto presentes no concreto de estrutura com 30 anos de idade Paulo Barbosa 1, Paulo Helene 2, Fernanda

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Idade do concreto. Verificação da resistência. Módulo de

Leia mais

Barragem em Concreto Produzida com Agregado Brita Corrida: PCH SANTA FÉ MG

Barragem em Concreto Produzida com Agregado Brita Corrida: PCH SANTA FÉ MG Barragem em Concreto Produzida com Agregado Brita Corrida: PCH SANTA FÉ MG Antônio Eduardo Polisseni 1 Resumo O trabalho tem por objetivo mostrar as características e qualidades da Brita Corrida que foi

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil CONCRETOS TIPOS DE CONCRETOS 1) CONCRETO SIMPLES Define-se concreto como sendo um compósito originado da mistura de pelo menos um aglomerante (cimento), agregados (areias e britas) e água, que tem por

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS DE AÇO E CONCRETOS ESPECIAIS. Mariana Passos de Pádua 1 ; Cassia Silveira Assis 2

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS DE AÇO E CONCRETOS ESPECIAIS. Mariana Passos de Pádua 1 ; Cassia Silveira Assis 2 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS DE AÇO E CONCRETOS ESPECIAIS Mariana Passos de Pádua 1 ; Cassia Silveira Assis 2 1 Aluna de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT); 2 Professora

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Ensaio de Compressão de Corpos de Prova Resistência do Concreto

Leia mais

Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA)

Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA) Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA) GOMES, C.E.M. 1, a e MARTON, L.F.M. 2,b 1 UNICAMP Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Departamento

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2004 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior, a mistura em proporção adequada

Leia mais

Influência do capeamento de corpos-de-prova cilíndricos na resistência à compressão do concreto

Influência do capeamento de corpos-de-prova cilíndricos na resistência à compressão do concreto pesquisa e desenvolvimento controle tecnológico do concreto Influência do capeamento de corpos-de-prova cilíndricos na resistência à compressão do concreto Fred R.Barbosa Pr o f e s s o r João M. F. Mota

Leia mais

ESTUDO DO CONCRETO UTILIZANDO AGREGADO MIÚDO RECICLADO: Avaliação da Resistência Mecânica

ESTUDO DO CONCRETO UTILIZANDO AGREGADO MIÚDO RECICLADO: Avaliação da Resistência Mecânica ESTUDO DO CONCRETO UTILIZANDO AGREGADO MIÚDO RECICLADO: Avaliação da Resistência Mecânica Danielle OLIVEIRA(1); Munique LIMA (2); Gibson MEIRA(3) ; Raphaele LIRA (4) Marcos PADILHA(5) (1) Centro Federal

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. O Concreto de 125 MPa do

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. O Concreto de 125 MPa do CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO O Concreto de 125 MPa do e-tower SÃO PAULO O QUE É CAD?! Concreto com propriedades de resistência e durabilidade superiores às dos concretos comuns;! Qualquer concreto com características

Leia mais

Potencialidade de uso de concretos especiais em obras marítimas

Potencialidade de uso de concretos especiais em obras marítimas Potencialidade de uso de concretos especiais em obras marítimas Autores: Jefferson Liborio 1 & Alessandra L. de Castro 2 & Fernanda G. da Silva 3 1 Prof. Dr. Coordenador do Laboratório de Materiais Avançados

Leia mais

3 Programa Experimental

3 Programa Experimental 3 Programa Experimental 3.1.Planejamento dos experimentos Com o objetivo de quantificar a diferença entre as resistências à compressão de corpos-de-prova moldados e de testemunhos extraídos, e de verificar

Leia mais

E.C.S. Thomaz - Susana L.S.Costa - Claudia A. Rocha MICROSÍLICA

E.C.S. Thomaz - Susana L.S.Costa - Claudia A. Rocha MICROSÍLICA E.C.S. - Susana L.S.Costa - Claudia A. Rocha 1 / MICROSÍLICA Microsilica (SiO 2 ) é um sub-produto da fabricação do silício metálico e das ligas de ferrosilício em fornos elétricos a temperaturas de 2000

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO Belarmino Barbosa Lira (1) Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto CASTRO, M. V. a, ANTUNES, M. L. P. a* a. UNESP, Campus Sorocaba, NATEL Núcleo de Automação e Tecnologias

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

Leia mais

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES Prof Dr.Jorge Creso Cutrim Demetrio OBJETIVOS 1. Analisar a viabilidade

Leia mais

Influência das adições minerais na durabilidade do concreto

Influência das adições minerais na durabilidade do concreto Influência das adições minerais na durabilidade do concreto A. Castro, UFG; R. Ferreira, UFG; A. Lopes, FURNAS; A. Paula Couto, UFG; V. Braun, UFG; H. Carasek, UFG; O. Cascudo, UFG * Resumo Este trabalho

Leia mais

Análise Crítica Sobre Efeito Tamanho Em Estruturas de Concreto. Fathi Darwish 3

Análise Crítica Sobre Efeito Tamanho Em Estruturas de Concreto. Fathi Darwish 3 Análise Crítica Sobre Efeito Tamanho Em Estruturas de Concreto Cláudia V. G. Coura 1, Maria Teresa G. Barbosa 2,* Universidade Federal de Juiz de Fora, UFJF Brasil Fathi Darwish 3 Universidade Federal

Leia mais

MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT

MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT Bibliografia de Referência Manual de Dosagem

Leia mais

ESTUDO DE INIBIDORES DE CORROSÃO RECOMENDADOS PARA CONCRETO

ESTUDO DE INIBIDORES DE CORROSÃO RECOMENDADOS PARA CONCRETO ESTUDO DE INIBIDORES DE CORROSÃO RECOMENDADOS PARA CONCRETO Ana Cecília Vieira da Nóbrega (1) anacecilia@eol.com.br Djalma Ribeiro da Silva (1) djalma@ccet.ufrn.br (1) Laboratório de Corrosão Departamento

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA Alessandra L. de Castro; Rafael F. C. dos Santos; Givani Soares de Araújo 54º Congresso Brasileiro do Concreto

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Consistência Textura Trabalhabilidade Integridade da massa Segregação Poder de retenção de água Exsudação Massa específica TRABALHABILIDADE É a propriedade do concreto fresco

Leia mais