CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM"

Transcrição

1 CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM João A. Rossignolo Professor outor, epartamento de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos USP, Ismael L. Oliveira Graduando em Engenharia Civil da Escola de Engenharia de São Carlos USP, Resumo Este trabalho apresenta os resultados da avaliação das modificações promovidas pelo Metacaulim no desempenho das propriedades do concreto leve estrutural. Foi analisado o efeito do Metacaulin na resistência à compressão, na resistência à tração por compressão diametral, no módulo de deformação, na absorção de água por imersão e na carbonatação do concreto com agregados leves. Nos resultados obtidos verificou-se que a adição de % de Metacaulim melhorou significativamente o desempenho da resistência à compressão, da resistência à tração por compressão diametral e, especialmente, da absorção de água por imersão e da carbonatação dos concretos leves. No entanto, a adição de Metacaulim não promoveu alterações significativas no valor do módulo de deformação dos concretos. Palavra-chave: concreto leve, agregado leve, Metacaulim. Introdução Nas três últimas décadas houve grande desenvolvimento na tecnologia dos concretos estruturais devido, especialmente, à evolução das técnicas e equipamentos para estudo dos concretos e ao uso de novos materiais componentes. Esses novos materiais, dentre os quais se destacam os aditivos redutores de água e as adições minerais pozolânicas, possibilitaram melhorias significativas nas propriedades relacionadas à resistência mecânica e à durabilidade dos concretos. O desenvolvimento desses novos materiais resultou em incremento da utilização dos chamados concretos de alto desempenho (CA) (Zhang & Gjφrv, 99; Almeida, 99; Paulon, 99; Helene, 999; Aïtcin, 000). Nos últimos anos, foram realizadas pesquisas com o intuito de otimizar ainda mais algumas propriedades dos concretos de alto desempenho. entre elas destaca-se a união das características otimizadas do CA com a baixa massa específica dos concretos leves estruturais (CLE), obtendo-se, assim, o concreto leve de alto desempenho (CLA). A redução da massa específica do concreto, com a manutenção da resistência mecânica, propicia a redução do peso próprio da estrutura e, conseqüentemente, das cargas na fundação, reduzindo, assim, o custo final da obra, especialmente com a utilização da tecnologia da pré-fabricação (Slate et al., 98; Moreno, 98; Berner, 99; Zhang & Gjørv, 99; Holm & Bremner, 99; Ikeda, 000; Vieira & Gonçalves, 000; Rossignolo & Agnesini, 00, 00, 00; Rossignolo, 00). Entretanto, além da redução da massa específica, a substituição dos agregados convencionais por agregados leves pode ocasionar alterações significativas em outras importantes características do concreto, com destaque especial para: resistência mecânica, absorção de água e módulo de deformação. entre as formas de ajustar o desempenho do concreto leve, compensando eventuais alterações nas propriedades citadas em decorrência do uso do agregado leve, destaca-se a utilização de adições minerais pozolânicas, como o Metacaulim (Rossignolo & Agnesini, 00). O Metacaulim, produzido no Brasil desde o final da década de 990 na região de Jundiaí (SP), é obtido pela calcinação de um tipo específico de argila. Essa adição mineral proporciona reatividade com o hidróxido de cálcio presente na pasta de cimento, efeito esse denominado de reação pozolânica. A reação pozolânica reduz a porosidade e o teor de hidróxido de cálcio na matriz de cimento, assim como melhora a qualidade da zona de transição agregado-matriz, promovendo a melhora de desempenho das propriedades do concreto estrutural leve relacionadas à resistência mecânica e à durabilidade. Minerva, (): -8

2 8 ROSSIGNOLO & OLIVEIRA iante desse cenário, o presente trabalho dedicase ao melhor entendimento das modificações nas propriedades e características do concreto estrutural leve em função da utilização de Metacaulim. Foram analisados a massa específica, a resistência à compressão, a resistência à tração por compressão diametral, o módulo de deformação, a absorção de água por imersão e a carbonatação de concretos leves estruturais com % de Metacaulim, em relação à massa de cimento, com abatimento do tronco de cone de 0 ± mm e consumo de cimento variando entre 0 e 00 kg/m. Foi analisada também a influência da dimensão do agregado leve e do Metacaulim na Resistência ótima do concreto leve. Materiais e Programa Experimental Para a produção dos concretos leves foi utilizado o cimento Portland composto com escória de alto-forno (CPIIE), fabricado pela empresa CIMINAS S.A. (grupo Holdercim), com massa específica de,9 g/cm e área específica Blaine de.0 cm /g. O Metacaulim empregado apresentou massa específica de, g/cm, área específica em torno de.000 cm /g e teor de SiO de,%. Os agregados utilizados foram areia natural quartzosa e dois tipos de argila expandida, Cinexpan 0 ( =,mm) e Cinexpan ( = 9,0 mm) (Tabela ). O superplastificante empregado foi do tipo SPA (melamina sulfonato formaldeídico), segundo classificação da NBR8, com massa específica de, g/cm e teor de sólidos de,%. Na dosagem dos concretos foi utilizado o teor de % de Metacaulim em relação à massa total de aglomerante, em substituição ao CPIIE. essa forma, foram obtidos traços com a mesma dosagem de aglomerante, mas com teores diferentes de Metacaulim (0 e %). Fixou-se o slump em 0 ± mm para todas as dosagens, e, em casos em que não se atingiu esse parâmetro, utilizou-se o aditivo superplastificante para que essa exigência fosse cumprida. Os traços dos concretos analisados são apresentados nas Tabelas e. Os materiais foram misturados em uma betoneira do tipo planetária com capacidade de 0 dm. Os agregados leves foram adicionados à mistura sem saturação prévia. Os corpos-de-prova foram moldados em moldes de aço e adensados com vibrador de imersão. A argamassa utilizada para a moldagem dos corpos-de-prova foi retirada do concreto utilizando peneira metálica com abertura de,8 mm para eliminar os agregados graúdos. Após horas da moldagem, os corpos-de-prova foram acondicionados em uma sala monitorada com 9% de umidade relativa (UR) e ± ºC, até a data do ensaio. Foram utilizados corpos-de-prova cilíndricos com 0 mm de diâmetro e 00 mm de altura na idade de 8 dias (com exceção da carbonatação) para todas as análises. Para cada dosagem foram moldados cinco corpos-de-prova para a determinação da resistência à compressão do concreto e cinco para a argamassa (NBR 9), três para a resistência à tração por compressão diametral (NBR ), dois para a absorção de água por imersão (NBR 98) e três para o módulo de deformação tangente inicial (NBR 8). A verificação da espessura de carbonatação aos 80 dias de idade foi realizada utilizando três corpos-de-prova cilíndricos com 0 mm de diâmetro e 00 mm de altura, que foram rompidos por compressão diametral (NBR ) e em seguida submetidos a uma solução de fenolftaleína. Apresentação e iscussão dos Resultados Os valores da massa específica no estado fresco (Tabela ) variaram entre 90 e 0 kg/m, ou seja, cerca de 0% a 0% abaixo dos valores obtidos usualmente para os concretos com agregados tradicionais. Os valores do teor de ar incorporado obtidos para os concretos leves estiveram entre,% e,0%. Tipo de agregado NBR (mm) Massa específica NBR 9 (g/cm ) Massa unitária Absorção de água * (em massa) NBR (g/cm ) 0 min. 0 min. h Areia,,,9 Cinexpan 0,, 0,9,,,0 Cinexpan 9,0 0, 0,,0,0, * Método proposto por Tezuka (9). Tabela Características dos agregados. Minerva, (): -8

3 CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM 9 Tabela osagem dos concretos leves de alto desempenho ( =, mm). Metacaulim Proporcionamento Agl: A: 0 (em massa) Consumo de aglomerante (kg/m ) Relação a/(agl) Consumo de aditivo superplastificante :,9:,8,9 0, 0,% :,:,0,9 0,0 0,0% :,0:, 8, 0, 0,% :,9: 0,9 0, 0, 0,% :,9: 0,8 8, 0, 0,% :,: 0,, 0, 0,0% :,0: 0,0, 0,8 0,% Aglomerante: areia: Cinexpan 0. Relação a/(agl) efetiva (em massa), em que a = quantidade total de água presente na mistura. Tabela osagem dos concretos leves de alto desempenho ( = 9,0 mm). Metacaulim Proporcionamento Agl: A: :0 (em massa) Consumo de aglomerante (kg/m ) Relação a/(agl) Consumo de aditivo superplastificante :,: 0,: 0,9, 0, 0,00% :,9: 0,: 0,8 0,9 0,0 0,9% :,: 0,8: 0,, 0, 0,% :,9: 0,: 0,8 90, 0, 0,% :,: 0,: 0,, 0, 0,9% :,: 0,0: 0,, 0, 0,0% :,0: 0,8: 0, 0,8 0,8 0,% Aglomerante: areia: Cinexpan : Cinexpan 0. Relação a/(agl) efetiva (em massa), em que a = quantidade total de água presente na mistura. Minerva, (): -8

4 80 ROSSIGNOLO & OLIVEIRA Os valores obtidos de resistência à compressão e massa específica seca dos concretos com agregados leves com dimensão ima característica ( ) de 9,0 e, mm são apresentados nas Tabelas e, respectivamente. Comparados aos concretos com agregados tradicionais que, usualmente, apresentam valores de massa específica próximos a 00 kg/m, os concretos leves analisados apresentaram redução dos valores da massa específica entre 0% e 0%. A Figura ilustra a relação entre resistência à compressão do concreto leve e da argamassa aos 8 dias de idade. Observa-se nessa figura a deflexão na curva de desenvolvimento da resistência à compressão do concreto com agregados leves no ponto denominado de Resistência ótima (fg). Nesse ponto, o valor do módulo de deformação da argamassa supera o valor do módulo de deformação do agregado leve, dividindo a curva em duas fases. Na primeira, a resistência à compressão do concreto aumenta de forma proporcional à elevação da resistência à compressão da argamassa, uma vez que o agregado é a fase mais resistente do material. Na segunda fase, o módulo de deformação do agregado leve é menor do que o da argamassa e a resistência do concreto leve é controlada pela resistência do agregado. Assim, o acréscimo nos valores de resistência à compressão da argamassa não contribui de forma proporcional para o aumento do valor de resistência à compressão do concreto (Rossignolo & Pereira, 00; Chen et al., 998). entre os fatores que influenciam o valor da Resistência ótima do concreto leve, a dimensão ima característica ( ) do agregado leve apresenta-se como um dos mais importantes, como mostra o comportamento da curva da Figura, em que se observa a diferença relativa de % entre os valores de Resistência ótima dos concretos com os dois tipos de agregados leves utilizados. As Figuras e ilustram o efeito da adição de Metacaulim no valor da resistência à compressão dos concretos leves. Observa-se nessas figuras que a adição de % de Metacaulim, em substituição ao cimento Portland (em massa), proporcionou aumento significativo no valor da Resistência ótima, sendo de,% para = 9 mm e de 8,% para =, mm. Essa melhoria no desempenho dos concretos leves com adição de Metacaulim, em relação aos concretos de referência, pode ser atribuída à melhoria da zona de transição agregado-matriz e ao refinamento dos poros da argamassa, conseqüência da reação pozolânica e do efeito filler promovido por essa adição mineral. Os resultados apresentados na Tabela indicam que a relação entre a resistência à tração por compressão diametral e a resistência à compressão dos concretos leves sem Metacaulim aos 8 dias foi, em média, de 8,%. Já nos concretos leves com adição de % de Metacaulim (Figuras e ) observou-se que a relação entre resistência à tração por compressão diametral e resistência à compressão aos 8 dias aumentou para,0%, em média. Tabela Propriedades dos concretos leves no estado fresco. Metacaulim Massa específica fresca (kg/m ) Incorporação de ar =, mm = 9 mm =, mm = 9 mm 0 89,, 80 0,8, 0 0,, 8,9, ,, 8,, 0 0,,8,, 0 0 9,9, 0,9, ,, 8,, 0 9 0,,9 9 80,, Minerva, (): -8

5 CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM 8 Resistência à compressão do concreto aos 8 dias (MPa) 0 0 R = 0,99 R = 0,9 fg fg = 9 mm =, mm Resistência à compressão da argamassa (MPa) Figura Relação entre resistência à compressão do concreto leve e da argamassa aos 8 dias (com Metacaulim). Tabela Resultados de resistência à compressão e massa específica seca dos concretos leves com = 9,0 mm. Metacaulim Massa específica seca (kg/m ) (8 dias) Resist. compr. concreto (MPa) (8 dias) Resist. compr. argamassa (MPa) (8 dias) 0 0,0, 9,, 0,8,8 08,,0 0 9,0 8,,, 0,9,,, 0,8 8, 8,,8 0, 0, 80,,8 0 8,,9 9 8,, Minerva, (): -8

6 8 ROSSIGNOLO & OLIVEIRA Tabela Resultados de resistência à compressão e massa específica seca dos concretos leves com =, mm. Metacaulim Massa específica seca (kg/m ) (8 dias) Resist. compr. concreto (MPa) (8 dias) Resist. compr. argamassa (MPa) (8 dias) 0 0,9, 8,, ,, 9,, 0 0, 8,8 9,, 0 0 0,0, 9 0,,0 0 0,,0 0,9 0, ,,,, ,8, 9,, 0 Resistência à compressão do concreto aos 8 dias (MPa) 0 R = 0,9 R = 0, Resistência à compressão da argamassa (MPa) = 9 mm Com Metacaulim Figura Relação entre resistência à compressão do concreto leve e da argamassa aos 8 dias ( = 9,0 mm). Minerva, (): -8

7 CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM 8 Resistência à compressão do concreto aos 8 dias (MPa) 0 0 R = 0,99 R = 0,9 =, mm Com Metacaulim Resistência à compressão da argamassa (MPa) Figura Relação entre resistência à compressão do concreto leve e da argamassa aos 8 dias ( =, mm). A melhora de desempenho da resistência à tração por compressão diametral dos concretos leves com Metacaulim, em relação aos concretos de referência, pode ser atribuída, especialmente, à atuação da adição na melhora da qualidade da zona de transição agregado-matriz e na alteração da microestrutura da matriz de cimento, reduzindo o teor de poros e de hidróxido de cálcio (CH). A Tabela 8 apresenta os resultados de módulo de deformação obtidos para os concretos leves: na média, a adição de Metacaulim apresentou pouca influência nos valores do módulo de deformação dos concretos leves. Com relação à absorção de água por imersão, os resultados (Figuras e ) indicam que a adição de % de Metaculin, em substituição ao cimento Portland, reduz significativamente o valor dessa propriedade. Essa redução do valor da absorção de água foi, em média, de 0% para os dois tipos de agregados utilizados, no entanto, foi mais pronunciado nos concretos leves com elevado consumo de aglomerante, chegando a 0% para concreto com =, mm (traço ) e % para concreto com = 9,0 mm (traço ). Analisando os resultados apresentados nas Figuras e, observou-se, ainda, a redução expressiva da espessura da carbonatação dos concretos leves com a utilização de % de Metacaulin, indicando, assim, que essa adição mineral apresenta atuação efetiva na redução da porosidade permeável do concreto, melhorando o desempenho de durabilidade desse material. Conclusões Nos resultados obtidos nesta pesquisa foi possível observar que o aumento da dimensão ima característica do agregado leve (argila expandida) promove significativa redução do desempenho de algumas propriedades dos concretos leves, como a resistência à compressão, resistência à tração por compressão diametral e módulo de deformação. essa forma, esse efeito deve ser considerado no momento da escolha do agregado leve para a dosagem dos concretos leves, preferencialmente analisando a Resistência ótima da dosagem para determinar a dimensão ideal do agregado. Esse procedimento resulta na obtenção de traços de concreto leve mais eficientes e com menor consumo de aglomerante. Verificou-se, ainda, nesta pesquisa que a adição de % de Metacaulim (em substituição ao cimento Portland, em massa) resultou na melhoria significativa do desempenho da resistência à compressão, da resistência à tração por compressão diametral e, especialmente, da absorção de água por imersão e da carbonatação dos concretos leves. No entanto, a adição de Metacaulim não promoveu alterações significativas no valor do módulo de deformação dos concretos leves. Minerva, (): -8

8 8 ROSSIGNOLO & OLIVEIRA Tabela Valores da resistência à tração dos concretos leves. Metacaulim Resistência à tração por compressão diametral aos 8 dias (MPa) =, mm = 9 mm 0,,,0,9 0,9,9,, 0,,0,, 0,,,8, 0,,,0,9 0,,,, 0,,,,8 Tabela 8 Valores do módulo de deformação dos concretos leves. Metacaulim Módulo de deformação tangente inicial aos 8 dias NBR 8 (GPa) =, mm = 9 mm 0,8,0, 9,8 0,9,,, 0,,0,8, 0,9,,,9 0,,,, 0,9, 8,, 0,,8 0,8 9, Minerva, (): -8

9 CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM 8 Absorção de água por imersão horas 9 8 Com Metacaulim =, mm R = 0,8 R = 0, Consumo de aglomerante (kg/m³) Figura Relação entre absorção de água por imersão e consumo de aglomerante dos concretos leves aos 8 dias ( =, mm). Absorção de água por imersão horas 9 8 R = 0,9 R = 0,9 Com Metacaulim = 9 mm Consumo de aglomerante (kg/m³) Figura Relação entre absorção de água por imersão e consumo de aglomerante dos concretos leves aos 8 dias ( = 9,0 mm). Esses resultados indicam que, mesmo nos concretos leves, em que o agregado é o principal fator limitante do desempenho da resistência mecânica do concreto, as alterações promovidas pelo Metacaulim na matriz de cimento resultam na melhoria de desempenho dessas propriedades. Em relação à durabilidade do concreto leve, propriedade que tem pouca influência do agregado leve, verificado nesta pesquisa por meio da análise da absorção de água por imersão e da carbonatação, observa-se que a adição de Metaculim resultou em aumento expressivo da melhora de desempenho dessa propriedade. Minerva, (): -8

10 8 ROSSIGNOLO & OLIVEIRA Espessura de carbonatação (mm) ( meses) 0 % de Metacaulim =, mm Figura Valores da espessura de carbonatação aos meses de idade dos concretos leves com =, mm. Espessura de carbonatação (mm) ( meses) 0 % de Metacaulim = 9 mm Figura Valores da espessura de carbonatação aos meses de idade dos concretos leves com = 9,0 mm. Referências Bibliográficas ALMEIA, I. R. Superplastificantes, microssílica e durabilidade dos concretos. Revista Téchne, v., p. 0-, set./out. 99. AÏTCIN, P. C. Concreto de alto desempenho. São Paulo: Pini, 000. BERNER,. E. High ductility, high strength lightweight aggregate concrete. In: ACI SYMPOSIUM ON PERFORMANCE OF STRUCTURAL LIGHTWEIGHT CONCRETE, 99, atas. Anais... allas, Texas, 99. HELENE, P. R. L. Concreto de alto desempenho: o melhor está por vir. Rev. Cimento Hoje, n. 0, fev HOLM, T. A.; BREMNER, T. W. High strength lightweight aggregate concrete. In: SHAH, S. P.; AHMA, S. H., (Eds.). High performance concrete: properties and applications. New York: Ed. McGraw-Hill, 99. Cap., p. -. IKEA, S. Recent developments in LWAC in Japan. In: INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON STRUCTURAL LIGHTWEIGHT AGGREGATE CONCRETE,., 000, Kristiansand. Anais... Kristiansand, Noruega, a de Junho, pp. -. Minerva, (): -8

11 CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM 8 MORENO, J. Lightweight concrete ductility. etroit, Michigan: Concrete International, American Concrete Institute, November, 98. PAULON, V. A. Interface entre a pasta de cimento e agregado. In: REUNIÃO O IBRACON,., 99, Goiana. Anais... Goiânia, 99. v., p ROSSIGNOLO, J. A.; AGNESINI, M. V. C. Concreto estrutural leve. Concreto: Ensino, Pesquisas e Realizações, Instituto Brasileiro do Concreto, 00. ROSSIGNOLO, J. A.; PEREIRA, J. R. Influência do agregado no desempenho da resistência à compressão do concreto: comparação entre basalto e argila expandida. V Encontro Tecnológico da Engenharia Civil e Arquitetura ENTECA, 00. ROSSIGNOLO, J. A. Concreto leve de alto desempenho modificado com SB para pré-fabricados esbeltos dosagem, produção, propriedades e microestrutura. 00. Tese (outorado) Interunidades EESC/IFSC/IQSC da Universidade de São Paulo. São Carlos. ROSSIGNOLO, J. A.; AGNESINI, M. V. C. Mechanical properties of polymer-modified lightweight aggregate concrete. Cement and Concrete Research, v., n., p. 9-, 00. ROSSIGNOLO, J. A.; AGNESINI, M. V. C. urability of polymer-modified lightweight aggregate concrete. In: Composites in constructions. Lisse, Holanda: Ed. A. A. Balkema Publishers, 00. p. -. SLATE, F. O.; NILSON, A. H.; MARTÍNEZ, S. Mechanical properties of high-strength lightweight concrete. ACI Materials Journal, v. 8, n., p. 0-, 98. TEZUKA, Y. Concreto leve à base de argila expandida. 9. issertação (Mestrado) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo. VIEIRA, M.; GONÇALVES, A. urability of high performance LWAC. In: INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON STRUCTURAL LIGHTWEIGHT AGGREGATE CONCRETE,., 000, Kristiansand. Anais... Kristiansand, Noruega, 000. pp. -. ZHANG, M. H.; GJφRV, O. E. Mechanical properties of high-strength lightweight concrete. ACI Materials Journal, v. 88, n., p. 0-, 99. Minerva, (): -8

MÓDULO DE DEFORMAÇÃO DO CONCRETO LEVE ESTRUTURAL DE ALTO DESEMPENHO

MÓDULO DE DEFORMAÇÃO DO CONCRETO LEVE ESTRUTURAL DE ALTO DESEMPENHO MÓDULO DE DEFORMAÇÃO DO CONCRETO LEVE ESTRUTURAL DE ALTO DESEMPENHO 99 MÓDULO DE DEFORMAÇÃO DO CONCRETO LEVE ESTRUTURAL DE ALTO DESEMPENHO João Adriano Rossignolo Professor Doutor do Depto. de Arquitetura

Leia mais

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER O comportamento do concreto de alto desempenho com sílica ativa e metacaulim como adições químicas minerais quanto à sua resistência à compressão utilizando agregados provenientes da região metropolitana

Leia mais

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência Thiago Catoia 1, Bruna Catoia 2, Tobias Azevedo

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo Esta pesquisa tem como proposta

Leia mais

ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DE CONCRETOS LEVES PRODUZIDOS COM ARGILA EXPANDIDA NACIONAL

ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DE CONCRETOS LEVES PRODUZIDOS COM ARGILA EXPANDIDA NACIONAL ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DE CONCRETOS LEVES PRODUZIDOS COM ARGILA EXPANDIDA NACIONAL Study of compressive stregth of lightweight concrete produced with national expanded clay Resumo Maycá, Jeferson

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA EM CONCRETOS PRODUZIDOS COM AGREGADOS LEVES DE ARGILA CALCINADA. Bruno Carlos de Santis 1. João Adriano Rossignolo 2

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA EM CONCRETOS PRODUZIDOS COM AGREGADOS LEVES DE ARGILA CALCINADA. Bruno Carlos de Santis 1. João Adriano Rossignolo 2 ENTECA 2013 IX Encontro Tecnológico da Engenharia Civil e Arquitetura 1 a 3 de outubro de 2013 AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA EM CONCRETOS PRODUZIDOS COM AGREGADOS LEVES DE ARGILA CALCINADA Bruno Carlos de Santis

Leia mais

Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade

Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade Eduardo Mesquita Cortelassi

Leia mais

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP Paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo

Leia mais

ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS

ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS Tatiana Pereira Jucá (1), Fernando Alves Teixeira (1),Cláudio Henrique de Almeida Feitosa Pereira (1), Keila Regina Bento de Oliveira

Leia mais

Caracterização reológica e mecânica de concretos leves autoadensáveis

Caracterização reológica e mecânica de concretos leves autoadensáveis 3º Congresso Ibéroamericano sobre betão auto-compactável Avanços e opórtunidades Madrid, 3 e 4 de Dezembro de 2012 Caracterização reológica e mecânica de concretos leves autoadensáveis T. M. Grabois Programa

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA

ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA KREUZ, Anderson Luiz (1); CHERIAF, Malik (2); ROCHA, Janaíde Cavalcante (3) (1) Engº. Civil, Mestrando do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO

CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM SUBSTITUIÇÃO À AREIA (PARTE 1) SELF-COMPACTING CONCRETE: EVALUATION OF INDUSTRIAL WASTES REPLACING THE SAND (PART 1) Silva, Cláudia

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

Sistemas de Cura em Concretos Produzidos com Cimento Portland de Alto-Forno com Utilização de Sílica Ativa

Sistemas de Cura em Concretos Produzidos com Cimento Portland de Alto-Forno com Utilização de Sílica Ativa Sistemas de Cura em Concretos Produzidos com Cimento Portland de Alto-Forno com Utilização de Sílica Ativa Curing Systems in Concretes made with Blast Furnace Portland Cement with Silica Fume Bardella,

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC LODI, Victor Hugo 1 ; PRUDÊNCIO JUNIOR, Luiz Roberto 2 RESUMO O esgotamento das jazidas

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Propriedades do Concreto Referência desta aula Agosto - 2008 1 Propriedades

Leia mais

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO Costenaro, F. L. (1); Isa M. M. (2) (1) Graduanda de Eng. Civil. Faculdade de Engenharia de Bauru

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Definição de concreto hidráulico e de argamassa. Componentes; indicação das proporções

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO AGREGADO RECICLADO DE CONCRETO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO COMPÓSITO CIMENTÍCIO

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO AGREGADO RECICLADO DE CONCRETO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO COMPÓSITO CIMENTÍCIO AVALIAÇÃO DO EFEITO DO AGREGADO RECICLADO DE CONCRETO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO COMPÓSITO CIMENTÍCIO Evaluation of the effect of recycled aggregate concrete in mechanical properties of composite cimentitius

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Ensaio de Compressão de Corpos de Prova Resistência do Concreto

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Dario de Araújo Dafico Resumo: Um modelo para explicar a resistência à compressão do concreto de alto desempenho foi

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A CONCRETO Profa. Lia Lorena Pimentel CONCRETO 1. DEFINIÇÃO Aglomerado resultante da mistura de cimento, água, agregados

Leia mais

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais Fonseca, 2010: Aditivos químicos ASTM C125

Leia mais

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO Engº Rubens Curti DOSAGEM DEFINIÇÃO DOSAGEM é o proporcionamento adequado e mais econômico de materiais: cimento, água, agregados, adições e aditivos 2 DOSAGEM

Leia mais

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA AUTORES : Engº Roberto J. Falcão Bauer (Diretor técnico) Engº Rubens Curti (Gerente técnico) Engº Álvaro Martins

Leia mais

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU VIVIANE DA COSTA CORREIA 1, JOSÉ DAFICO ALVES 2, CÍRIO JOSÉ COSTA 3 1 Bolsista PBIC/UEG, acadêmico do curso de Engenharia Agrícola da UnUCET - UEG

Leia mais

HABITAÇÕES MULTIPAVIMENTOS DE INTERESSE SOCIAL: O USO DE VEDAÇÕES EM CONCRETO E A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DO PAINEL NO CONFORTO TÉRMICO

HABITAÇÕES MULTIPAVIMENTOS DE INTERESSE SOCIAL: O USO DE VEDAÇÕES EM CONCRETO E A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DO PAINEL NO CONFORTO TÉRMICO HABITAÇÕES ULTIPAVIENTOS DE INTERESSE SOCIAL... 25 HABITAÇÕES ULTIPAVIENTOS DE INTERESSE SOCIAL: O USO DE VEDAÇÕES E CONCRETO E A INFLUÊNCIA DA ASSA ESPECÍFICA DO PAINEL NO CONFORTO TÉRICO Helenice. Sacht

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA ARGILA EXPANDIDA NACIONAL COMO ALTERNATIVA DE AGREGADO GRÁUDO PARA CONCRETOS LEVES ESTRUTURAIS (CLE)

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA ARGILA EXPANDIDA NACIONAL COMO ALTERNATIVA DE AGREGADO GRÁUDO PARA CONCRETOS LEVES ESTRUTURAIS (CLE) CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA ARGILA EXPANDIDA NACIONAL COMO ALTERNATIVA DE AGREGADO GRÁUDO PARA CONCRETOS LEVES ESTRUTURAIS (CLE) Jeferson Maycá (1), Ruy A. Cremonini (2), Fernando A. P. Recena (3) (1) Aluno

Leia mais

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO Marcos ANJOS (1); Walney SILVA (2); Alexandre PEREIRA (3); Hoffman RODRIGUES (4); Valtencir

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Adailton de O. Gomes; (2) Cleber M. R. Dias; (3) Alexandre T. Machado; (4) Roberto J. C. Cardoso;

Leia mais

Mechanical properties of a lateritic concrete with metakaolin

Mechanical properties of a lateritic concrete with metakaolin Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.17, p.5-31, Maio, 011 Propriedades mecânicas de concreto laterítico com metacaulim Mechanical properties of a lateritic concrete with metakaolin Dênio Ramam Carvalho

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica SUBSTITUIÇÃO DE PARTE DO CIMENTO POR FINOS INERTES DE PEDREIRA EM CONCRETOS COM BAIXO FATOR A/C Tiago Lopes Garcia 1,4 ;Vitor Cunha Naves 1,4 ; José Dafico Alves 2,4 ; Bruno de Carvalho Barros 3,4 ; Cristiano

Leia mais

Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA)

Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA) Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA) GOMES, C.E.M. 1, a e MARTON, L.F.M. 2,b 1 UNICAMP Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Departamento

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa.

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa. Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons Dosar um concreto é compor os materiais constituintes em proporções convenientemente

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

Planejamento experimental

Planejamento experimental 3 Planejamento experimental Essa etapa é composta pela exposição das variáveis de estudo, caracterização dos materiais, consistência do concreto fresco, plano experimental com as famílias de concreto estudadas,

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

agregados leves Anderson de Oliveira Sergio Luis González Garcia Guilherme Chagas Cordeiro

agregados leves Anderson de Oliveira Sergio Luis González Garcia Guilherme Chagas Cordeiro Avaliação do desempenho estrutural em serviço de lajes treliçadas prémoldadas de concretos com agregados leves Evaluation of the structural performance at service of concrete precast truss slabs with lightweight

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO CONCRETO Componentes Fase contínua Pasta de cimento endurecida Zona de transição Interface entre a pasta e o agregado Fase descontínua Agregados Componente cuja principal característica é endurecer quando

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II Dosagem de concreto Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Histórico - Egípcios e os etruscos empregava argamassa na construção

Leia mais

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS Helton Gomes ALVES 1, Kátya Dias NERI 1, Eudésio Oliveira VILAR 1 1 Departamento de Engenharia Química, Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT

MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT Bibliografia de Referência Manual de Dosagem

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas

Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas Wendersen Cássio de Campos Faculdade de Engenharia Civil CEATEC wendersen_campos@puccamp.edu.br Ana Elisabete P. G.

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS Considerations on the production process of high-performance concretes for precast structures Alessandra

Leia mais

Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento

Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento Sidiclei Formagini 1, Matheus Piazzalunga Neivock 1, Paulo Eduardo Teodoro 2, Mario Henrique Quim Ferreira 2, Willian de Araujo Rosa 1, Cristian

Leia mais

Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos

Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos William Fedrigo Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil, williamfedrigo@hotmail.com

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO Jéssica Spricigo da Rocha Bonifácio (1), Daiane dos Santos da Silva Godinho (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL RELATÓRIO CONVÊNIO CAMARGO CORRÊA INDUSTRIAL - NORIE/CPGEC/UFRGS 1996/1997 Porto Alegre 1997 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM 1 Importância A dosagem do concreto: É o processo de obtenção da combinação correta de cimento, agregados, águas, adições e aditivos Os efeitos da dosagem

Leia mais

Propriedades Mecânicas do Concreto Com Adição de Vidro Reciclado

Propriedades Mecânicas do Concreto Com Adição de Vidro Reciclado Propriedades Mecânicas do Concreto Com Adição de Vidro Reciclado Carlos Cabreira Gomes (1), Fernando Pelisser (2). (1) Acadêmico do curso de Engenharia Civil, Universidade do Extremo Sul Catarinense. (2)

Leia mais

Avaliação de propriedades de concretos produzidos com três tipos de cimentos na região Agreste de Pernambuco.

Avaliação de propriedades de concretos produzidos com três tipos de cimentos na região Agreste de Pernambuco. Avaliação de propriedades de concretos produzidos com três tipos de cimentos na região Agreste de Pernambuco. Evaluation of concrete properties produced with three types of cement in the Agreste region

Leia mais

ARGAMASSA COM PARTÍCULAS DE BORRACHA DERIVADA DA RECICLAGEM DE PNEUS INSERVÍVEIS

ARGAMASSA COM PARTÍCULAS DE BORRACHA DERIVADA DA RECICLAGEM DE PNEUS INSERVÍVEIS ARGAMASSA COM PARTÍCULAS DE BORRACHA DERIVADA DA RECICLAGEM DE PNEUS INSERVÍVEIS Mara Regina Pagliuso Rodrigues Escola de Engenharia de São Carlos. USP Brasil marar@sc.usp.br Osny Pellegrino Ferreira Escola

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN Daniele Kochem (PIBIC/Fundação Araucária-UNIOESTE), Jeferson Marinho Camboin, Lennon Biancato Runke, Maxer Antonio da Rosa, Giovanna

Leia mais

ANÁLISE DO EFEITO DE ADIÇÃO DE DIFERENTES TEORES DE PÓ DE GRANITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO MICROCONCRETO RESUMO

ANÁLISE DO EFEITO DE ADIÇÃO DE DIFERENTES TEORES DE PÓ DE GRANITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO MICROCONCRETO RESUMO ANÁLISE DO EFEITO DE ADIÇÃO DE DIFERENTES TEORES DE PÓ DE GRANITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO MICROCONCRETO RESUMO E. Bacarji 1 E. W. Ramirez Perez¹ L. Hamer¹ M. A. Lima¹ M. V. Martins 2 T. F. Campos

Leia mais

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Influência do índice de forma do agregado graúdo na resistência a compressão do concreto Resumo Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Josué A. Arndt(1); Joelcio de

Leia mais

SESSION 3: Mix Design

SESSION 3: Mix Design SESSION 3: Mix Design Prof. Bernardo F Tutikian btutikian@terra.com.br bftutikian@unisinos.br Métodos de Dosagem Brasileiros para o CAA Gomes (2002) Tutikian (2004) Melo-Repette (2005) Tutikian & Dal Molin

Leia mais

Avaliação da Viabilidade Técnica de Concreto Elaborado com Agregado Graúdo Reciclado

Avaliação da Viabilidade Técnica de Concreto Elaborado com Agregado Graúdo Reciclado Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.11, p.43-53, Abril, 2008 Avaliação da Viabilidade Técnica de Concreto Elaborado com Agregado Graúdo Reciclado Analysis of the Concrete Developed With Recycled Coarse

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO EMPACOTAMENTO DE PARTÍCULAS NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO. Caueh Salzedas Teixeira ¹; Heloísa Cristina Fernandes Cordon ²

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO EMPACOTAMENTO DE PARTÍCULAS NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO. Caueh Salzedas Teixeira ¹; Heloísa Cristina Fernandes Cordon ² ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO EMPACOTAMENTO DE PARTÍCULAS NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO Caueh Salzedas Teixeira ¹; Heloísa Cristina Fernandes Cordon ² ¹ Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º.

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Concreto Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.Eng.º Instrutor Abril / 2006 1 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Texto base para o Mini-curso da Comunidade da Construção da Cidade do Recife TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Apresentação Os textos apresentados como base para o este mini-curso são artigos publicados

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO Belarmino Barbosa Lira (1) Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

A técnica de dopagem no tratamento da zona de interface: ligações entre concreto novo e velho

A técnica de dopagem no tratamento da zona de interface: ligações entre concreto novo e velho A técnica de dopagem no tratamento da zona de interface: ligações entre concreto novo e velho The doping technique in the interface zone treatment: fresh and old concrete connections Ana Paula Moreno Trigo

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE METACAULIM NAS PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS INORGÂNICAS

INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE METACAULIM NAS PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS INORGÂNICAS Tema 3 Caracterización de materiales INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE METACAULIM NAS PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS INORGÂNICAS João Manoel Freitas Mota 1,a, Romilde Almeida de Oliveira 2,b, Aluízio Caldas e Silva

Leia mais

Estudo do Mecanismo de Transporte de Fluidos de Concretos Auto-Adensáveis. -Mendes,M.V.A.S.; Castro, A.; Cascudo, O.

Estudo do Mecanismo de Transporte de Fluidos de Concretos Auto-Adensáveis. -Mendes,M.V.A.S.; Castro, A.; Cascudo, O. Estudo do Mecanismo de Transporte de Fluidos de Concretos Auto-Adensáveis -Mendes,M.V.A.S.; Castro, A.; Cascudo, O. Maceió-Alagoas outubro/2012 Objetivos do Trabalho - Avaliar se a trabalhabilidade do

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Anais do XX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1982-0178 DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Caio Henrique Tinós Provasi

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA Alessandra L. de Castro; Rafael F. C. dos Santos; Givani Soares de Araújo 54º Congresso Brasileiro do Concreto

Leia mais

Fundamentos básicos do método

Fundamentos básicos do método MÉTODO DO IPT Fundamentos básicos do método I LEI DE ABRAMS: Para um certo conjunto particular de materiais, a resistência do concreto é função da relação a/c. f cj = K 1 / k 2 (A/C) II LEI DE LYSE: Para

Leia mais

PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO DO LABORATÓRIO PARA A CENTRAL DOSADORA DE CONCRETO

PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO DO LABORATÓRIO PARA A CENTRAL DOSADORA DE CONCRETO PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO DO LABORATÓRIO PARA A CENTRAL DOSADORA DE CONCRETO PRODUCTION OF HIGH PERFORMANCE CONCRETE FROM LABORATORY TO THE READY MIX PLANT Sandro Eduardo da Silveira Mendes

Leia mais

Materiais de Construção II ( TC-031) DOSAGEM DE CONCRETOS

Materiais de Construção II ( TC-031) DOSAGEM DE CONCRETOS Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Construção Civil Materiais de Construção II ( TC-031) DOSAGEM DE CONCRETOS Prof. José de Almendra Freitas Jr. freitasjose@terra.com.br

Leia mais

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação (LAPAV) AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO Prof. Ricardo

Leia mais

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES Prof Dr.Jorge Creso Cutrim Demetrio OBJETIVOS 1. Analisar a viabilidade

Leia mais

A importância da avaliação reológica de pastas com e sem sílica ativa para produção de concretos estruturais com cimento Portland para obras marítimas

A importância da avaliação reológica de pastas com e sem sílica ativa para produção de concretos estruturais com cimento Portland para obras marítimas A importância da avaliação reológica de pastas com e sem sílica ativa para produção de concretos estruturais com cimento Portland para obras marítimas Alessandra Lorenzetti de Castro 1 & Jefferson Liborio

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático FEVEREIRO 0 TEO 05 09 11 TEO 1 Definir as regras do curso. Histórico do. P&D e avanços da tecnologia do. tipos e aplicações do cimento. Contexto da indústria do cimento Materiais de Construção Civil II

Leia mais

PRÉ-MOLDADOS ESBELTOS EM CAD SLENDER PRECAST IN HPC

PRÉ-MOLDADOS ESBELTOS EM CAD SLENDER PRECAST IN HPC ISSN 1809-5860 PRÉ-MOLDADOS ESBELTOS EM CAD Rodrigo Vieira da Conceição 1 & Jefferson Benedicto Libardi Liborio 2 Resumo Até pouco tempo atrás, observou-se que havia uma grande dificuldade no preparo,

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30 ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30 Samara Correa Gomes Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE AGREGADOS GRAÚDOS DE DIFERENTES MINERALOGIAS NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO

A INFLUÊNCIA DE AGREGADOS GRAÚDOS DE DIFERENTES MINERALOGIAS NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO A INFLUÊNCIA DE AGREGADOS GRAÚDOS DE DIFERENTES MINERALOGIAS NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO A. G. Magalhães (1) ; E. P. de França (2) ; M. T. P. Aguilar (3) ; J. M. Calixto (1)

Leia mais

Dosagem dos Concretos de Cimento Portland

Dosagem dos Concretos de Cimento Portland (UFPR) (DCC) Disciplina: Materiais de Construção IV - Laboratório Dosagem dos Concretos de Cimento Portland Eng. Marcelo H. F. de Medeiros Professor Dr. do Professor Dr. do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Aditivos; Concreto Auto-Adensável Adensável (CAA): Definições,

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ADITIVOS PARA O CONCRETO 1) Definição : NBR 11768 (EB-1763/92) - Aditivos para concreto de Cimento Portland. Produtos que adicionados em pequena quantidade a concreto de Cimento Portland modificam algumas

Leia mais

Influência da utilização dos endurecedores de superfície na resistência à abrasão de pisos industriais de concreto

Influência da utilização dos endurecedores de superfície na resistência à abrasão de pisos industriais de concreto Influência da utilização dos endurecedores de superfície na resistência à abrasão de pisos industriais de concreto Influence of dry shake hardeners in the abrasion resistance of industrial concrete floors

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO! " # $! % & & ' ( Sumário 1 INTRODUÇÃO 7 2 PROGRAMA DO EXPERIMENTO 8 2.1 Variáveis Independentes 8 2.2 Variáveis Dependentes 9 3 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA ORDEM DE MISTURA DE AGREGADO GRAÚDO RECICLADO DE CONCRETO (AGRC) NO DESEMPENHO MECÂNICO DE CONCRETO.

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA ORDEM DE MISTURA DE AGREGADO GRAÚDO RECICLADO DE CONCRETO (AGRC) NO DESEMPENHO MECÂNICO DE CONCRETO. ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA ORDEM DE MISTURA DE AGREGADO GRAÚDO RECICLADO DE CONCRETO (AGRC) NO DESEMPENHO MECÂNICO DE CONCRETO. Luciana de Nazaré Pinheiro Cordeiro (1), Edison Estivalete Bilhalva Junior

Leia mais

CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO

CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO CONCRETO É UM PRODUTO VERSÁTIL PR SC PR RS SC SC China SC CONCRETO É UTILIZADO EM TODAS AS CLASSES SOCIAIS Tecnologia Formal Tecnologia

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento

Leia mais

MÉTODOS EXPERIMENTAIS DE DOSAGEM PARA CONCRETO CONVENCIONAL UTILIZANDO AREIA INDUSTRIAL E DEMAIS AGREGADOS DA REGIÃO DE PASSO FUNDO

MÉTODOS EXPERIMENTAIS DE DOSAGEM PARA CONCRETO CONVENCIONAL UTILIZANDO AREIA INDUSTRIAL E DEMAIS AGREGADOS DA REGIÃO DE PASSO FUNDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. MÉTODOS EXPERIMENTAIS DE DOSAGEM PARA

Leia mais

INFLUÊNCIA DO AUMENTO DO ABATIMENTO DO CONCRETO ESTRUTURAL ATRAVÉS DA ADIÇÃO DE ÁGUA OU CALDA DE CIMENTO 1:1 NA PROPRIEDADE DE RESISTÊNCIA MECÂNICA

INFLUÊNCIA DO AUMENTO DO ABATIMENTO DO CONCRETO ESTRUTURAL ATRAVÉS DA ADIÇÃO DE ÁGUA OU CALDA DE CIMENTO 1:1 NA PROPRIEDADE DE RESISTÊNCIA MECÂNICA INFLUÊNCIA DO AUMENTO DO ABATIMENTO DO CONCRETO ESTRUTURAL ATRAVÉS DA ADIÇÃO DE ÁGUA OU CALDA DE CIMENTO 1:1 NA PROPRIEDADE DE RESISTÊNCIA MECÂNICA THE EFFECT OF INCREASING THE SLUMP BY THE ADDITION OF

Leia mais

Estudo da viabilidade de adição de fibras de aço no concreto exposto ao ambiente marítimo: Análise da melhoria das propriedades de resistência

Estudo da viabilidade de adição de fibras de aço no concreto exposto ao ambiente marítimo: Análise da melhoria das propriedades de resistência Estudo da viabilidade de adição de fibras de aço no concreto exposto ao ambiente marítimo: Análise da melhoria das propriedades de resistência Maisson Tasca ¹; Alessandra Migliorini² ; Bianca P. M. Ozório³

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS CONCRETOS FABRICADOS COM AGREGADOS GRAÚDOS DISPONÍVEIS EM SANTARÉM E REGIÃO OESTE DO PARÁ

AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS CONCRETOS FABRICADOS COM AGREGADOS GRAÚDOS DISPONÍVEIS EM SANTARÉM E REGIÃO OESTE DO PARÁ Revista SODEBRAS Volume 10 N 113 MAIO/ 2015 AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS CONCRETOS FABRICADOS COM AGREGADOS GRAÚDOS DISPONÍVEIS EM SANTARÉM E REGIÃO OESTE DO PARÁ CARLOS TADEU ARANTES MAIA¹;

Leia mais

Análise experimental do efeito da fluência e retração em pilares de concreto armado

Análise experimental do efeito da fluência e retração em pilares de concreto armado Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE01 FEUP, 4-6 de outubro de 01 Análise experimental do efeito da fluência e retração em pilares de concreto armado Luciana T. Kataoka 1 Túlio N. Bittencourt RESUMO

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Prof.Dra Vanessa Silveira Silva 1 IMPORTÂNCIA DA CURA

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Disciplina: Materiais de Construção I Assunto: Concreto II Prof. Ederaldo Azevedo Aula 5 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br A trabalhabilidade é influenciada pela consistência e pela coesão. As principais

Leia mais