DURABILIDADE E RESISTÊNCIA MECÂNICA DE CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DURABILIDADE E RESISTÊNCIA MECÂNICA DE CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA 1"

Transcrição

1 DURABILIDADE E RESISTÊNCIA MECÂNICA DE CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA 1 VIEIRA, Fernanda P. (1); KULAKOWSKI, Marlova P.(2) DAL MOLIN, Denise (3); VILELA, Antônio C. F. (4) (1) Eng. Civil, Doutoranda em Engenharia, pesquisadora do NORIE/CPGEC/UFRGS (2) Eng. Civil, Doutoranda em Engenharia, pesquisadora do NORIE/CPGEC/UFRGS (3) Eng. Civil, Dr. em Engenharia, Professora Adjunta do NORIE/CPGEC/UFRGS (4) Eng. Metalúrgico, Dr. Ing., Professor Adjunto do LASID/PPGEM/UFRGS Cx. Postal 33 - CEP Porto Alegre - RS RESUMO A sílica ativa é um subproduto gerado a partir da produção de ferro-ligas e silício metálico, através da redução do quartzo pelo carbono. O alto teor de sílica amorfa das partículas e o tamanho extremamente reduzido torna este material bastante apropriado como adição em concretos e argamassas. O efeito pozolânico da sílica ativa, associado ao efeito microfíler, propicia uma melhora na microestrutura dos materias a base de cimento, diminuindo a porosidade e a permeabilidade, densificando a pasta de cimento e melhorando as características da zona de transição pasta-agregado, o que aumenta o desempenho dos concretos e argamassas, tanto sob o ponto de vista de durabilidade, como das propriedades mecânicas. Este trabalho tem por objetivo apresentar resultados de estudos sobre a durabilidade e reistência mecânica de concretos e argamassas com adição de sílica ativa, que vêm sendo realizados no NORIE/CPGEC/UFRGS. 1. INTRODUÇÃO A conjugação do aço com o concreto de cimento Portland possibilita a construção de estruturas com formas variadas e nos mais diversos locais, sujeitas às condições ambientais distintas. Em função das solicitações mecânicas e do ambiente ao qual estão expostas, as estruturas de concreto devem ser projetadas e executadas para manter condições mínimas de segurança, estabilidade e funcionalidade durante um tempo de vida útil, sem custos não previstos de manutenção e de reparos. No entanto, apesar de o concreto ser o material de construção mais utilizado no mundo e apresentar muitas vantagens como material estrutural, inúmeros problemas têm sido detectados com relação à sua durabilidade. Nos últimos anos, diversos estudos vêm sendo realizados sobre patologias de concretos e deterioração prematura das edificações, citando-se como exemplos mais recentes os levantamentos realizados no Brasil por ANDRADE (1997), NICE (1996) e ARANHA (1994). 1 Sílica Ativa é a terminologia brasileira adotada para a Microssílica ou Silica Fume, que está em processo de aprovação na ABNT.

2 A utilização de pozolanas como sílica ativa nos concretos de cimento Portland têm apresentado inúmeros benefícios às propriedades do concreto, tanto em relação à sua reologia no estado fresco e, principalmente, ao comportamento mecânico e de durabilidade no estado endurecido. A incorporação de sílica ativa promove uma diminuição da porosidade e torna a microestrutura do concreto mais densa e compacta, resultando em um material com desempenho superior ao concreto convencional. A sílica ativa é uma pozolana proveniente da produção de ligas de ferro-silício e de silício metálico em fornos elétricos de redução, onde ocorre a formação de pequenas partículas de sílica amorfa, contendo, na maioria das vezes, um teor de SiO 2 maior do que 8%. No Brasil, no ano de 1995, a captação potencial estimada de sílica ativa foi aproximadamente 14. toneladas (KULAKOWSKI et al,1996). A realização de estudos para desenvolver e aprimorar os materiais empregados em estruturas de concreto armado é de grande importância, melhorando a qualidade dos materiais constituintes, tanto sob o ponto de vista da durabilidade, prolongando a vida útil das estruturas, como sob o ponto de vista do comportamento mecânico. Neste sentido, a Universidade Federal do Rio Grande do Sul, através do Curso de Pós-Graduação em Engenharia Civil, vem, ao longo dos últimos anos, estudando o comportamento de concretos e argamassas com adição de sílica ativa com o objetivo de melhorar a qualidade dos materiais empregados nas estruturas de concreto. O presente trabalho apresenta os resultados obtidos de estudos relativos à durabilidadee comportamento mecânico de concretos e argamassas com adição de sílica ativa. 2. CONCRETOS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA A sílica ativa ao ser adicionada ao concreto atua de duas formas, em função das suas propriedades químicas e físicas. Devido ao alto teor de sílica com estrutura amorfa e à elevada superfície específica das partículas (~ 2. m 2 /kg), a sílica ativa possui efeito químico como material pozolânico de alta reatividade, reagindo rapidamente com o hidróxido de cálcio formado na hidratação do cimento. O composto resistente de silicato de cálcio hidratado, gerado na reação pozolânica, é semelhante ao formado pela reação do cimento, que é o maior responsável pela resistência da pasta. O efeito físico (efeito microfíler) acontece pelo reduzido tamanho das partículas (~,1 µm), que se introduzem entre os grãos de cimento e se alojam nos interstícios da pasta, reduzindo o espaço disponível para a água e atuando como pontos de nucleação dos produtos de hidratação, o que proporciona um refinamento da estrutura de poros. A utilização da sílica ativa no concreto modifica suas propriedades tanto no estado fresco (trabalhabilidade, coesão, estabilidade, segregação, exsudação, etc.) como no estado endurecido (resistência mecânica e durabilidade). O seu efeito microfíler e pozolânico resulta em mudanças consideráveis na microestrutura e nas propriedades macroscópicas do concreto. É consenso, no meio científico, que a adição de sílica ativa ao concreto causa uma melhora notável na resistência à compressão do mesmo. Segundo MONTEIRO e MEHTA (1986), o processo de refinamento dos poros e dos cristais presentes na pasta de cimento tem um papel fundamental no aumento das resistências mecânicas, na medida que aumenta a resistência da matriz na zona de transição. Os resultados do estudo de CARLES-GIBERGUES et al.(1989) indicam que o fator mais importante na determinação da resistência à compressão não é o efeito pozolânico da sílica ativa, mas sim o efeito físico associado às adições ultra-finas.de acordo com MEHTA

3 (1989), a sílica ativa é capaz de contribuir para a resistência de um determinado concreto mesmo no período inicial da hidratação (1 a 3 dias), sendo que a contribuição mais significativa ocorre até os 28 dias de idade. Após este período, a contribuição da sílica ativa para a resistência final é relativamente pequena. Os problemas mais comuns de durabilidade de concretos estão diretamente ligados à porosidade e aos mecanismos de penetração de agentes agressivos. Em geral, quanto maiores forem os fatores que facilitem o ingresso de agentes agressivos na massa de concreto, maior será a deterioração do material. Assim, a porosidade (tamanho e distribuição dos poros) é um fator que muito influi na capacidade do concreto em suportar o efeito destrutivo de agentes agressivos (água, oxigênio, dióxido de carbono, cloretos e soluções agressivas) na massa de concreto. Concretos com adição de sílica ativa apresentam maior resistência e melhor desempenho frente aos ataques agressivos em função de uma menor permeabilidade. De acordo com WOLF (1991), o refinamento da estrutura porosa do concreto com sílica ativa e a conseqüente redução da taxa de transferência de íons agressivos ao concreto, a redução do teor de hidróxido de cálcio e a menor relação CaO/SiO 2 dos produtos da reação pozolânica (o que elevaria a incorporação de íons agressivos ao concreto) são fatores determinantes do melhor desempenho quanto à durabilidade dos concretos com sílica ativa. MALHOTRA (1993) relata que a adição de sílica ativa no concreto proporciona um refinamento da estrutura porosa, com diminuição e descontinuidade dos poros. O uso da sílica ativa como adição sobre a massa e cimento ao concreto pode diminuir a relação vazios/volume, o que diminui a porosidade e, conseqüentemente, a penetração e deslocamento de agentes agressivos no concreto. 3. BENEFÍCIOS DA SÍLICA ATIVA NO COMPORTAMENTO MECÂNICO E NA DURABILIDADE Conforme estudos realizados por DAL MOLIN (1995), a adição de sílica ativa mostrou-se efetiva para fins de elevação da resistência do concreto. O aumento da resistência em concretos com 1 porcento de adição, comparativamente aos concretos de referência (sem adição), pode atingir até 16 porcento (figura 1). Os valores da resistência à compressão não são praticamente alterados com a adição de sílica ativa até 1 dia de idade; a partir deste ponto, o crescimento da resistência nos concretos com sílica ativa é maior, principalmente no período entre 1 e 28 dias. DAL MOLIN (1995) também constatou que a adição de sílica ativa propiciou um aumento médio de 3,6 porcento no módulo de deformação dos concretos, apresentando a mesma eficiência, qualquer que seja o nível da relação água/(cimento + sílica ativa) considerada (figura 2). Com relação à aderência aço/concreto, VIEIRA (1994) concluiu que a adição de 1% de sílica ativa, em concretos com fator água/(cimento + sílica ativa) variando de,25 a,5, ocasiona um aumento médio de 15 a 2% na resistência de aderência em relação a concretos sem adições (figura 3).

4 fc (MPa) ,8% 17,5% 111,1%114,1% % ms 1% ms,25,28,32,37,43,5,58 Relação água/cimento 19,5% 115,9%114,3% Ec (GPa) % 13,6% 1 teor de adição de ms (%) Figura 1 - Resistência à compressão em função da interação entre o teor de adição de sílica ativa e o fator a/(c + ms) (DAL MOLIN, 1995). Figura 2 - Aumento médio do módulo de deformação de concretos com adições de sílica ativa (DAL MOLIN, 1995). Tensão média de aderência (MPa) 2 17, ,5 1 7,5 5,25,28,32,37,43,5,58 Relação água/cimento % ms 1% ms Figura 3 - Efeito do fator água/(cimento + sílica ativa) e do teor de sílica ativa sobre as tensões médias de aderência em barras nervuradas (VIEIRA, 1994). DAL MOLIN e SCHULER (1993) estudaram a aderência de argamassas com adição de sílica ativa, para reparos estruturais, concluindo que a adição confere uma boa aderência ao substrato, mesmo em baixas idades. A resistência à compressão de argamassas com sílica ativa foi estudada por KULAKOWSKI (1994), que obteve um aumento na resistência, com a incorporação do resíduo, de até 17 por cento, conforme a relação água/aglomerante (figura 4). Resistência à compressào (MPa) ,35,45,55 Relaçãoágua/cimento % ms 5% ms 1% ms Figura 4 - Resistência média à compreesão aos 28 dias (KULAKOWSKI, 1994).

5 WOLF (1991), em sua dissertação de mestrado, com o objetivo de avaliar o desempenho de concretos com adição de sílica ativa, realizou ensaios de permeabilidade, absorção total e carbonatação. A figura 5 apresenta os resultados obtidos para permeabilidade à água, conforme o método normalizado pela RILEM CPC Profundidade de penetração(mm) ,28,37,58 Relação água/aglomerante sem ms 5% ms 1% ms 2% ms Figura 5 - Profundidade de penetração de água sob pressão (WOLF, 1991). Os dados apresentados na figura 5 indicam que tanto a diminuição da relação água/aglomerante como a adição de sílica ativa atuam na redução da profundidade de penetração de água. Para os teores de adição estudados, pode-se perceber que quanto maior é a relação água/aglomerante, maior é a eficiência da sílica ativa na diminuição da permeabilidade. A durabilidade de argamassas com adição de sílica ativa, para reparos estruturais, foi avaliada por KULAKOWSKI (1994), que empregou o método de penetração acelerada de íons cloretos segundo a ASTM C Os resultados obtidos para a resistência à penetração de íons cloretos estão apresentados na figura 6. Carga total (C) Teor de microssílica (%) Relação água/aglomerante,35,45,55 Figura 6 - Carga passante do ensaio de penetração de cloretos em argamassas (KULAKOWSKI, 1994).

6 A carga total passante através dos corpos de prova indica a maior ou menor resistência dos materiais frente à penetração de íons cloretos. Os resultados presentes na figura 6 mostram que tanto a redução da relação água/aglomerante quanto o aumento no teor de adição de sílica ativa são significantes na redução da carga total passante, obtendo aumentos de até 6 vezes na resistência à penetração de íons cloretos com adições de 15% de sílica ativa. O mesmo ensaio de penetração acelerada foi conduzido por FORNASIER (1995) para avaliar a durabilidade de concretos com sílica ativa (figura 7). Além deste, o autor também utilizou ensaio de penetração de água sob pressão e de absorção por imersão, com secagem a 5 e 15ºC, cujos resultados estão apresentados nas figuras 8 e 9, respectivamente. Carga (Coulombs) Relação água/aglomerante,28,37, Teor de sílica ativa (%) Figura 7 - Carga passante do ensaio de penetração de cloretos em concretos (FORNASIER, 1995). De acordo com a figura 7, verifica-se que a resistência à penetração acelerada de íons cloretos em concretos aumenta em média 6 vezes quando o teor de adição varia de a 2%, coincidindo com os resultados obtidos por KULAKOWSKI (1994) para argamassas. Secagem a 5 o C Absorção (%) ,28,37,58 Relação água/aglomerante sa (%) Figura 8 - Absorção de água em concretos com sílica ativa - secagem à 5ºC (FORNASIER, 1995).

7 Secagem a 15 o C 8 sa (%) Absorção (%) 6 4 2,28,37, Relação água/aglomerante Figura 9 - Absorção de água em concretos com sílica ativa - secagem a 15ºC (FORNASIER, 1995). De forma geral, pela simples observação dos resultados obtidos para o ensaios de absorção, a 5 e 15ºC, pode-se constatar que a absorção de água diminui com a diminuição da relação água/aglomerante e com o aumento do teor de adição de sílica ativa. Ao realizar a análise estatística destes resultados, empregando análise de variância, FORNASIER (1995) verificou que a modificação do valor da relação água/aglomerante e do teor de adição de sílica ativa são significativas nos resultados de absorção a 5 e 15ºC. Como pode ser observado nas figuras 8 e 9, a relação água/aglomerante é o fator que tem maior influência na redução da absorção. O efeito do teor de adição de sílica ativa também é significativo, porém menos intenso do que o efeito da relação água/aglomerante. A adição de sílica ativa pode diminuir a absorção principalmente pela interrupção da conexão entre os poros capilares. A resistividade de concretos com adição de sílica ativa foi estudada por ABREU (1997) através do método de Wenner. A figura 1 apresenta os resultados de resistividade obtidos aos 28 dias de idade. 5 Resistividade (ohm.cm) ,5,65,8 sa (%) 6 12 Relação água/aglomerante Figura 1 - Resistividade de concretos com adição de sílica ativa (ABREU, 1997).

8 Com base na análise de variância dos resultados obtidos por ABREU (1997) fica evidenciada a significância do teor de adição de sílica ativa no aumento da resistividade. À medida que a sílica ativa reage com o hidróxido de cálcio e preenche os poros através do efeito de fíler, ocorre a densificação da matriz de cimento hidratado e conseqüente diminuição de eletrólito disponível, o que leva ao aumento da resistividade do concreto. A resistência do concreto à ação de agentes químicos foi estudada por DAL MOLIN et al. (1996), empregando-se método acelerado, através de ciclos de imersão em solução agressiva e secagem em ambiente de laboratório. A figura 11 apresenta os resultados obtidos para concretos com relações água/aglomerante,37 e,59 com e 6% de adição de sílica ativa, submetidos a soluções de E.D.T.A., ácido lático, ácido fórmico e ácido acético. 35 perda de massa (%) a/agl - %sa,59 - %,59-6%,37 - %,37-6% E.D.T.A. ác. lático ác. fórmico ác. acético solução química Figura 11 - Resultados dos ciclos de agressão química, em perda de massa (%) (DAL MOLIN et al., 1996). A análise dos resultados da figura 11 indica que tanto a diminuição da relação água/aglomerante quanto a adição de sílica ativa melhoram consideravelmente a resistência do concreto frente à ação de agentes agressivos. A adição de 6% de sílica ativa diminui, em média, 2% a perda de massa para os corpos de prova com relação a/agl,37 e 5% para os corpos de prova com relação a/agl,59. Em uma segunda etapa, onde o programa experimental desenvolvido foi mais abrangente, foram realizados ensaios com soluções agressivas de ácido acético, ácido cítrico, ácido fórmico, ácido lático, ácido sulfúrico, refrigerante base cola e água pura para verificar a influência da adição de sílica ativa em concretos com diferentes relações água/aglomerante e dois tipos de cimento (DAL MOLIN et al, 1997). A ação agressiva da solução de ácido fórmico em concretos com adição de sílica ativa é apresentada por KULAKOWSKI et al. (1997) na figura 12.

9 Teor de sílica ativa (%) Perda de massa (g) tipo cimento - a/agl CP V-ARI,37 CP V-ARI,59 CP V-ARI,81 CP II-F,37 CP II-F,59 CP II-F,81-25 Figura 12 - Perda de massa total em função do teor de sílica ativa após 5 ciclos de agressão pelo ácido fórmico (KULAKOWSKI et al., 1997). Os dados obtidos para o ensaio de ataque químico da solução de ácido fórmico foram analisados estatisticamente através de uma regressão linear múltipla, que forneceu um modelo de comportamento para os concretos com adição de sílica ativa. A análise indicou que a relação água/aglomerante, o teor de adição de sílica ativa e o tipo de cimento são efeitos significativos na resistência química do concreto. Observa-se que o cimento tipo CP II-F apresenta um desempenho superior ao CP V-ARI. Quanto às adições de sílica ativa, é possível verificar que quanto maior o teor de adição, menor a perda de massa devida à ação do ácido fórmico. Considerando que o mecanismo de deterioração do concreto pelo ácido fórmico ocorre através da formação de sais solúveis de cálcio, que posteriormente são removidos por lixiviação, a redução da porosidade capilar e a redução do hidróxido de cálcio resultantes da ação da sílica ativa contribuem para aumentar a resistência final do concreto à ação da solução agressiva de ácido fórmico, como pode ser observado na figura CONSIDERAÇÕES FINAIS Uma vez que o desempenho dos concretos está diretamente vinculado à microestrutura e às propriedades que governam os mecanismos de transporte, a adição de sílica ativa que densifica a matriz, altera o tamanho e distribuição dos poros, modificando a microestrutura, resulta em benefícios significativos no comportamento de durabilidade e no comportamento mecânico. Os estudos realizados no NORIE/CPGEC/UFRGS indicam que a adição de sílica ativa em concretos e argamassas proporciona melhorias significativas nas propriedades diretamente relacionadas à durabilidade e ao comportamento mecânico. A fim de elucidar lacunas existentes nas propriedades de concretos com adição de sílica ativa, outros estudos estão em desenvolvimento no NORIE/CPGEC/UFRGS, como corrosão da armadura no concreto, carbonatação, porosidade e penetração de agentes agressivos, incluindo-se análises da microestrutura e análises químicas.

10 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABREU, A.G. Efeito das adições na resistividade elétrica de concretos convencionais: Estudo desenvolvido com vistas à durabilidade das estruturas. Porto Alegre, Dissertação (Mestrado) - Escola de Engenharia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. [A ser defendida] AMERICAN CONCRETE INSTITUTE. Guide to Durable Concrete: reported by ACI committee 21. ACI Materials Journal, v.88, n.5, p , AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS. Standard test method for eletrical indication of concrete s ability to resist chloride ion penetration; C Annual Book of ASTM Standard, v.4.2, p , 199. ANDRADE, J.J.O. Durabilidade das estruturas de concreto armado: análise das manifestções patológicas nas estruturas no estado de Pernanbuco. Porto Alegre, Dissertação (Mestrado) - Escola de Engenharia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. ARANHA, P. M. Contribuição ao estudo das manifestações patológicas em estruturas de concreto armado na região Amazônica. Porto Alegre, p. Dissertação (Mestrado) - Escola de Engenharia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. CARLES-GIBERGUES, A; OLLIVIER, J.B.; HANNA, B. Ultrafine admixtures in high strength pastes and mortars. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON FLY ASH, SILICA FUME, SLAG, AND NATURAL POZZOLANS IN CONCRETE, 3., Trondheim, Norway, Proceedings... Detroit: American Concrete Institute, 1989, v.2, p (ACI Special Publication, 114). DAL MOLIN, D. C. C. Contribuição ao estudo das propriedades mecânicas dos concretos de alta resistência com e sem adições de sílica ativa. São Paulo, Tese (Doutorado em engenharia) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. DAL MOLIN et al. Estudo de concretos com adição de sílica ativa (sílica ativa) frente ao ataque de agentes agressivos para emprego em pisos especiais. In: International congress on high-performance concrete, and performance and quality of concrete structures, 1996, Florianópolis, Brasil: UFSC/UFRGS/USP, Proceedings..., p DAL MOLIN, D.C.C.; KULAKOWSKI, M.P.; VIEIRA, F. Aprimoramento do emprego da sílica ativa SILMIX em cimento e concreto, e verificação de desempenho dos cimentos Eldorado. Porto Alegre, [Relatório técnico de pesquisa do Projeto de Convênio UFRGS/FLE e CAMARGO CORRÊA INDUSTRIAL] (A ser publicado). DAL MOLIN, D.C.C.; SCHULER, A. Estudo a respeito da aderência de argamassas com adição de sílica ativa sobre o concreto endurecido, suas propriedades mecânicas e possibilidade de uso em reforços estruturais. Porto Alegre, [Relatório técnico de pesquisa do Projeto Interação Universidade - Empresa], FAPERGS - UFRGS - ELVECO ENGENHARIA. FORNASIER, R.S. Porosidade e permeabilidade do concreto de alto desempenho com sílica ativa. Porto Alegre, Dissertação (Mestrado). Escola de Engenharia, Curso de Pós-Graduação em Engenharia Civil da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. KULAKOWSKI, M.P. Argamassa com adição de sílica ativa para reparos estruturais: estudo da penetração de cloretos. Porto Alegre, p. Dissertação (Mestrado) - Escola de Engenharia, Curso de Pós-Graduação em Engenharia Civil da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

11 KULAKOWSKI, M.P.; VIEIRA, F.M.P.; DAL MOLIN, D.C.C.; VILELA, A.C.F. Utilização do pó gerada na produção de ligas de ferro-silício e silício metálico em concretos. In: Workshop Reciclagem e reutilização de resíduos como materiais de construção civil, 1996, São Paulo. Anais... São Paulo: Associação Nacional de Tecnologia do ambiente Construído, v. p KULAKOWSKI, M.P.; VIEIRA, F.M.P.; DAL MOLIN, D.C.C.; VILELA, A.C.F. Estudo da ação do ácido fórmico em concretos com adição de sílica ativa com vistas ao emprego em ambiente industrial. In: 39 a Reunião Anual do Instituto Brasileiro do Concreto, Agosto de 1997, São Paulo. [A ser publicado] MALHOTRA, V.M. Fly ash, slag, silica fume and rice husk ash in concrete: a review. Concrete International, Detroit, v.15, n. 4, p apr., MEHTA, P.K. Pozzolanic and cementitions by-products in concrete. Another look. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON THE USE OF FLY ASH, SILICA FUME, SLAG, AND NATURAL POZZOLANS IN CONCRETE, 3., 1989, Trondheim, Norway. Proceedings... Detroit: American Concrete Institute, v.2, p (ACI Special Publication, 114). MONTEIRO, P.J.M.; MEHTA, P.K. Interaction between carbonate rock and cement paste. Cement and Concrete Research, v.16, n.2, p , Mar NICE, A.A. Levantamento de Dados sobre a Deterioração de Estruturas na Região Centro-Oeste. Brasília, p. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-Graduação em Engenharia Civil, Universidade de Brasília. REUNION INTERNATIONALE DE LABORATÓRIES D ÉSSAIS ET RESERCHE SUR LE MATERIALS ET LES CONSTRUCCION C.P.C Absortion of water by imersion under vacuum. Matériaux et Constructions, v. 12, n.69, p , mai/juin VIEIRA, F.M.P. Estudo do comportamento da aderência das barras de aço no concreto de alta resistência com adição de microssílica. Porto Alegre, p. Dissertação (Mestrado) - Escola de Engenharia, Curso de Pós-Graduação em Engenharia Civil da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. WOLF, J. Estudo sobre a durabilidade de concretos de alta resistência com adições de sílica ativa. Porto Alegre, p. Dissertação (Mestrado) - Escola de Engenharia, Curso de Pós-graduação em Engenharia Civil da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

ESTUDOS DE DURABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE MICROSSÍLICA

ESTUDOS DE DURABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE MICROSSÍLICA ESTUDOS DE DURABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE MICROSSÍLICA VIEIRA, Fernanda P. (1); KULAKOWSKI, Marlova P.(2) DAL MOLIN, Denise (3); VILELA, Antônio C. F. (4) (1) Eng. Civil, Doutoranda

Leia mais

ESTUDO DA AÇÃO DO ÁCIDO FÓRMICO EM CONCRETOS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA COM VISTAS AO EMPREGO EM AMBIENTE INDUSTRIAL

ESTUDO DA AÇÃO DO ÁCIDO FÓRMICO EM CONCRETOS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA COM VISTAS AO EMPREGO EM AMBIENTE INDUSTRIAL 39ª REUNIÃO DO INSTITUTO BRASILEIRO DO CONCRETO ESTUDO DA AÇÃO DO ÁCIDO FÓRMICO EM CONCRETOS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA COM VISTAS AO EMPREGO EM AMBIENTE INDUSTRIAL KULAKOWSKI, Marlova P. (1); VIEIRA,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL RELATÓRIO CONVÊNIO CAMARGO CORRÊA INDUSTRIAL - NORIE/CPGEC/UFRGS 1996/1997 Porto Alegre 1997 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO Costenaro, F. L. (1); Isa M. M. (2) (1) Graduanda de Eng. Civil. Faculdade de Engenharia de Bauru

Leia mais

SOLUÇÕES TECNOSIL. Agosto / Setembro 2015. Sílica Ativa. www.tecnosilbr.com.br PEGADA ECOLÓGICA: UM ASSUNTO QUE MERECE TODA A NOSSA ATENÇÃO.

SOLUÇÕES TECNOSIL. Agosto / Setembro 2015. Sílica Ativa. www.tecnosilbr.com.br PEGADA ECOLÓGICA: UM ASSUNTO QUE MERECE TODA A NOSSA ATENÇÃO. SOLUÇÕES TECNOSIL Agosto / Setembro 2015 www.tecnosilbr.com.br Sílica Ativa PEGADA ECOLÓGICA: UM ASSUNTO QUE MERECE TODA A NOSSA ATENÇÃO. e d i t o r i a l Olá, caro leitor! Conscientes dos grandes desafios

Leia mais

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS Helton Gomes ALVES 1, Kátya Dias NERI 1, Eudésio Oliveira VILAR 1 1 Departamento de Engenharia Química, Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

ESTUDO DE CONCRETOS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA (MICROSSÍLICA) FRENTE AO ATAQUE DE AGENTES AGRESSIVOS PARA EMPREGO EM PISOS ESPECIAIS

ESTUDO DE CONCRETOS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA (MICROSSÍLICA) FRENTE AO ATAQUE DE AGENTES AGRESSIVOS PARA EMPREGO EM PISOS ESPECIAIS ESTUDO DE CONCRETOS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA (MICROSSÍLICA) FRENTE AO ATAQUE DE AGENTES AGRESSIVOS PARA EMPREGO EM PISOS ESPECIAIS Dal Molin, Denise C. C. Oliveira, Ana Paula M. Universidade Federal

Leia mais

Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante

Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante Bianca P. Moreira 1, Geraldo C. Isaia 2, Antônio L. G. Gastaldini 3 1

Leia mais

III-057 CONCRETO COM CINZA DE CASCA DE ARROZ CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

III-057 CONCRETO COM CINZA DE CASCA DE ARROZ CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL III-57 CONCRETO COM CINZA DE CASCA DE ARROZ CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Antônio Luiz Guerra Gastaldini (1) Arquiteto pela Escola de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia. Doutor

Leia mais

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais Fonseca, 2010: Aditivos químicos ASTM C125

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS

ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS Tatiana Pereira Jucá (1), Fernando Alves Teixeira (1),Cláudio Henrique de Almeida Feitosa Pereira (1), Keila Regina Bento de Oliveira

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Propriedades do Concreto Referência desta aula Agosto - 2008 1 Propriedades

Leia mais

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Dario de Araújo Dafico Resumo: Um modelo para explicar a resistência à compressão do concreto de alto desempenho foi

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

Doutorando do Departamento de Construção Civil PCC/USP, São Paulo, SP paulo.barbosa@poli.usp.br 2

Doutorando do Departamento de Construção Civil PCC/USP, São Paulo, SP paulo.barbosa@poli.usp.br 2 Influência de ciclos de molhamento e secagem, da altura e do posicionamento de pilares no teor de íons cloreto presentes no concreto de estrutura com 30 anos de idade Paulo Barbosa 1, Paulo Helene 2, Fernanda

Leia mais

Informativo técnico SIO2

Informativo técnico SIO2 Informativo técnico SIO2 INFORMATIVO TÉCNICO Sílica Ativa ASTM C494 Active Silic é um produto decorrente do processo de fabricação do sílico metálico ou do ferro sílico, de onde é gerado o gás SiO, que

Leia mais

O que é durabilidade?

O que é durabilidade? DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 Conceito de Durabilidade O que é durabilidade? A durabilidade é a capacidade que um produto, componente ou construção possui

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER O comportamento do concreto de alto desempenho com sílica ativa e metacaulim como adições químicas minerais quanto à sua resistência à compressão utilizando agregados provenientes da região metropolitana

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A CONCRETO Profa. Lia Lorena Pimentel CONCRETO 1. DEFINIÇÃO Aglomerado resultante da mistura de cimento, água, agregados

Leia mais

DURABILIDADE DURABILIDADE DO CONCRETO

DURABILIDADE DURABILIDADE DO CONCRETO DURABILIDADE DO CONCRETO DEFINIÇÃO Durabilidade é a capacidade do concreto de resistir à ação das intempéries O concreto é considerado durável quando conserva sua forma original, qualidade e capacidade

Leia mais

A durabilidade de concretos de alto desempenho com metacaulim frente à penetração de íons cloreto

A durabilidade de concretos de alto desempenho com metacaulim frente à penetração de íons cloreto A durabilidade de concretos de alto desempenho com metacaulim frente à penetração de íons cloreto Charles Siervi Lacerda (1) ; Paulo Helene (2) (1) Mestrando da Escola Politécnica da Universidade de São

Leia mais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais HOLCIM (BRASIL) S/A Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais Eng. JOSÉ VANDERLEI DE ABREU Patologias Comuns em Pisos Patologias pisos industriais com problemas superficiais

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO

DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO Objetivo Assegurar que a estrutura satisfaça, durante o seu tempo de vida, os requisitos de utilização, resistência e estabilidade, sem perda significativa de utilidade nem excesso de manutenção não prevista

Leia mais

Sistemas de Cura em Concretos Produzidos com Cimento Portland de Alto-Forno com Utilização de Sílica Ativa

Sistemas de Cura em Concretos Produzidos com Cimento Portland de Alto-Forno com Utilização de Sílica Ativa Sistemas de Cura em Concretos Produzidos com Cimento Portland de Alto-Forno com Utilização de Sílica Ativa Curing Systems in Concretes made with Blast Furnace Portland Cement with Silica Fume Bardella,

Leia mais

Avaliação da penetração acelerada de cloretos em concretos moldados com cimento Portland branco estrutural

Avaliação da penetração acelerada de cloretos em concretos moldados com cimento Portland branco estrutural Avaliação da penetração acelerada de cloretos em concretos moldados com cimento Portland branco estrutural A.P. Kirchheim 1, A. Passuelo 2, D.C.C. Dal Molin 3, L. C. P. Silva Filho 4 1 Eng. Civil, MSc.

Leia mais

Influência das adições minerais na durabilidade do concreto

Influência das adições minerais na durabilidade do concreto Influência das adições minerais na durabilidade do concreto A. Castro, UFG; R. Ferreira, UFG; A. Lopes, FURNAS; A. Paula Couto, UFG; V. Braun, UFG; H. Carasek, UFG; O. Cascudo, UFG * Resumo Este trabalho

Leia mais

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO CONCRETO Componentes Fase contínua Pasta de cimento endurecida Zona de transição Interface entre a pasta e o agregado Fase descontínua Agregados Componente cuja principal característica é endurecer quando

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Estruturas de Concreto

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Estruturas de Concreto UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Estruturas de Concreto Concreto Armado Brita Cimento, areia Adições, aditivos + aço Cimento Hidratado Cimento

Leia mais

DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO (CAUSAS QUÍMICAS ATAQUE ÁLCALI/AGREGADO) Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 REAÇÕES ENVOLVENDO A FORMAÇÃO DE PRODUTOS EXPANSIVOS Ataque por sulfatos Ataque

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM

CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM João A. Rossignolo Professor outor, epartamento de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos USP, e-mail:

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO (CAD):

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO (CAD): CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO (CAD): aplicação nas construtoras EVOLUÇÃO DA RESISTÊNCIA 2000 2002 1940 1990 25 MPa 45 MPa 125 MPa 16 MPa O QUE É? Concreto com propriedades - resistência e durabilidade -

Leia mais

Palavras-chave: Cinza de casca de arroz, Argamassa, Pozonanicidade, Resíduo. 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil

Palavras-chave: Cinza de casca de arroz, Argamassa, Pozonanicidade, Resíduo. 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil Caracterização de Cinza de Casca de Arroz Com e Sem Queima Controlada Utilizadas em Argamassas RIGHI Débora P. 1, a, NAKANISHI Elizabete Y.B. 2, b e MOHAMAD Gihad 3, c 1 Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento

Leia mais

+LVWyULFR. mais elevadas em relação aos outros mais regularmente utilizados, denominados concretos comuns.

+LVWyULFR. mais elevadas em relação aos outros mais regularmente utilizados, denominados concretos comuns. &21&5(72'($/72'(6(03(1+2 Inicialmente, é apresentado um breve histórico sobre a utilização do concreto, assim como da evolução do incremento em sua resistência. A partir desta abordagem, poderá ser feita

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo Esta pesquisa tem como proposta

Leia mais

Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento

Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento Sidiclei Formagini 1, Matheus Piazzalunga Neivock 1, Paulo Eduardo Teodoro 2, Mario Henrique Quim Ferreira 2, Willian de Araujo Rosa 1, Cristian

Leia mais

ESTUDO ELETROQUÍMICO PARA DETECTAR A CORROSÃO EM CONCRETO ARMADO DEGRADADO POR CLORETO DE SÓDIO E ÁCIDO SULFURICO. Campina Grande.

ESTUDO ELETROQUÍMICO PARA DETECTAR A CORROSÃO EM CONCRETO ARMADO DEGRADADO POR CLORETO DE SÓDIO E ÁCIDO SULFURICO. Campina Grande. ESTUDO ELETROQUÍMICO PARA DETECTAR A CORROSÃO EM CONCRETO ARMADO DEGRADADO POR CLORETO DE SÓDIO E ÁCIDO SULFURICO K. D. NERI 1, V. C. P. VITORINO 2, E.O.VILAR 3 e G.R.MEIRA 4 1 UAEQ - Mestranda do Programa

Leia mais

E.C.S. Thomaz - Susana L.S.Costa - Claudia A. Rocha MICROSÍLICA

E.C.S. Thomaz - Susana L.S.Costa - Claudia A. Rocha MICROSÍLICA E.C.S. - Susana L.S.Costa - Claudia A. Rocha 1 / MICROSÍLICA Microsilica (SiO 2 ) é um sub-produto da fabricação do silício metálico e das ligas de ferrosilício em fornos elétricos a temperaturas de 2000

Leia mais

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Materiais constituintes do Concreto Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Adições Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: Egydio Herve Neto Dario Dafico Silvia Selmo Rubens Curti, 3/42 Adições Adições minerais são

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

Sumário. 1 Cimento Portland 1

Sumário. 1 Cimento Portland 1 Sumário 1 Cimento Portland 1 Histórico 1 Fabricação do cimento Portland 2 Composição química do cimento Portland 8 Hidratação do cimento 13 Silicatos de cálcio hidratados 14 Aluminato tricálcico hidratado

Leia mais

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO Marcos ANJOS (1); Walney SILVA (2); Alexandre PEREIRA (3); Hoffman RODRIGUES (4); Valtencir

Leia mais

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência Thiago Catoia 1, Bruna Catoia 2, Tobias Azevedo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PENETRAÇÃO ACELERADA DE ÍONS CLORETO EM CONCRETOS

AVALIAÇÃO DA PENETRAÇÃO ACELERADA DE ÍONS CLORETO EM CONCRETOS AVALIAÇÃO DA PENETRAÇÃO ACELERADA DE ÍONS CLORETO EM CONCRETOS CONFECCIONADOS COM DIFERENTES TIPOS DE CIMENTO, RELAÇÃO A/C, TEMPERATURA E TEMPO DE CURA Valéria G. A. Pereira (1); Denise C. C. Dal Molin

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

JORGE SUGAMOSTO COMPARATIVO ENTRE CONCRETOS PRODUZIDOS COM SÍLICA ATIVA EM PÓ E SÍLICA ATIVA EM FORMA DE LAMA

JORGE SUGAMOSTO COMPARATIVO ENTRE CONCRETOS PRODUZIDOS COM SÍLICA ATIVA EM PÓ E SÍLICA ATIVA EM FORMA DE LAMA JORGE SUGAMOSTO COMPARATIVO ENTRE CONCRETOS PRODUZIDOS COM SÍLICA ATIVA EM PÓ E SÍLICA ATIVA EM FORMA DE LAMA CURITIBA 2007 i JORGE SUGAMOSTO COMPARATIVO ENTRE CONCRETOS PRODUZIDOS COM SÍLICA ATIVA EM

Leia mais

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira ADITIVOS 1. OBJETIVO Reforçar ou introduzir certas características 2. UTILIZAÇÃO Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira 3. FUNÇÕES BÁSICAS DOS ADITIVOS CONCRETO

Leia mais

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS PARA O CONTROLE TECNOLÓGICO E DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Engº.. Roberto José Falcão Bauer JUNHO / 2006 SUMÁRIO 1. DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 2. PREMISSAS VISANDO

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE VEDAÇÃO E IMPERMEABILIZAÇÃO DE ESTRUTURAS PRÉ FABRICADAS EM CONCRETO

ORIENTAÇÃO DE VEDAÇÃO E IMPERMEABILIZAÇÃO DE ESTRUTURAS PRÉ FABRICADAS EM CONCRETO ORIENTAÇÃO DE VEDAÇÃO E IMPERMEABILIZAÇÃO DE ESTRUTURAS PRÉ FABRICADAS EM CONCRETO Resumo A utilização de estruturas pré fabricadas em concreto está numa crescente nesses últimos anos. Para a ABCIC (Associação

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Idade do concreto. Verificação da resistência. Módulo de

Leia mais

INFLUÊNCIA DA POROSIDADE NO TRANSPORTE DE ÁGUA EM CONCRETOS

INFLUÊNCIA DA POROSIDADE NO TRANSPORTE DE ÁGUA EM CONCRETOS INFLUÊNCIA DA POROSIDADE NO TRANSPORTE DE ÁGUA EM CONCRETOS SATO, Neide M. N.(1); AGOPYAN, V. (2) (1) Física, Doutora em Engenharia, Consultora do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo

Leia mais

UFSM Dissertação de Mestrado

UFSM Dissertação de Mestrado 1 UFSM Dissertação de Mestrado EFEITOS DA ADIÇÃO DE CAL HIDRATADA EM CONCRETOS COM ALTOS TEORES DE ADIÇÃO MINERAL NA PENETRAÇÃO DE CLORETOS E NA SOLUÇÃO AQUOSA DOS POROS DO CONCRETO Márcia Dal Ri PPGEC

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ASPECTOS MECÂNICOS DE ARGAMASSAS DE REPARO UTILIZADAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

AVALIAÇÃO DE ASPECTOS MECÂNICOS DE ARGAMASSAS DE REPARO UTILIZADAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO AVALIAÇÃO DE ASPECTOS MECÂNICOS DE ARGAMASSAS DE REPARO UTILIZADAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CABRAL, A. E. B. (1); DAL MOLIN, D. C. C. (2); BAUER, E. (3) (1) Eng. Civil, Mestrando em Engenharia,

Leia mais

Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA)

Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA) Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA) GOMES, C.E.M. 1, a e MARTON, L.F.M. 2,b 1 UNICAMP Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Departamento

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA Alessandra L. de Castro; Rafael F. C. dos Santos; Givani Soares de Araújo 54º Congresso Brasileiro do Concreto

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ADITIVOS PARA O CONCRETO 1) Definição : NBR 11768 (EB-1763/92) - Aditivos para concreto de Cimento Portland. Produtos que adicionados em pequena quantidade a concreto de Cimento Portland modificam algumas

Leia mais

ESTUDO DA RETRAÇÃO AUTÓGENA EM PASTA DE CIMENTO PORTLAND COM ADIÇÃO DE RESÍDUO DO POLIMENTO DO PORCELANATO

ESTUDO DA RETRAÇÃO AUTÓGENA EM PASTA DE CIMENTO PORTLAND COM ADIÇÃO DE RESÍDUO DO POLIMENTO DO PORCELANATO ESTUDO DA RETRAÇÃO AUTÓGENA EM PASTA DE CIMENTO PORTLAND COM ADIÇÃO DE RESÍDUO DO POLIMENTO DO RESUMO PORCELANATO Flávia Cauduro (1); Fernando Pelisser (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA

ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA KREUZ, Anderson Luiz (1); CHERIAF, Malik (2); ROCHA, Janaíde Cavalcante (3) (1) Engº. Civil, Mestrando do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS)

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) Janaina de Melo Franco 1, Célia Regina Granhen Tavares 2,

Leia mais

CONCRETOS ESPECIAIS PROPRIEDADES, MATERIAIS E APLICAÇÕES

CONCRETOS ESPECIAIS PROPRIEDADES, MATERIAIS E APLICAÇÕES UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - CAMPUS DE BAURU/SP FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA Bolsa de Iniciação Científica FAPESP Processo n. 06/55978-1

Leia mais

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP Paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo

Leia mais

Potencialidade de uso de concretos especiais em obras marítimas

Potencialidade de uso de concretos especiais em obras marítimas Potencialidade de uso de concretos especiais em obras marítimas Autores: Jefferson Liborio 1 & Alessandra L. de Castro 2 & Fernanda G. da Silva 3 1 Prof. Dr. Coordenador do Laboratório de Materiais Avançados

Leia mais

A importância da avaliação reológica de pastas com e sem sílica ativa para produção de concretos estruturais com cimento Portland para obras marítimas

A importância da avaliação reológica de pastas com e sem sílica ativa para produção de concretos estruturais com cimento Portland para obras marítimas A importância da avaliação reológica de pastas com e sem sílica ativa para produção de concretos estruturais com cimento Portland para obras marítimas Alessandra Lorenzetti de Castro 1 & Jefferson Liborio

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Apoio às aulas práticas Joana de Sousa Coutinho FEUP 2002 MC2 0 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Calda de cimento Argamassa Betão Cimento+água (+adjuvantes) Areia+ Cimento+água (+adjuvantes)

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN Daniele Kochem (PIBIC/Fundação Araucária-UNIOESTE), Jeferson Marinho Camboin, Lennon Biancato Runke, Maxer Antonio da Rosa, Giovanna

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA, RELAÇÃO ÁGUA/AGLOMERANTE, TEMPERATURA E TEMPO DE CURA NO COEFICIENTE DE DIFUSÃO DE CLORETOS EM CONCRETOS

INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA, RELAÇÃO ÁGUA/AGLOMERANTE, TEMPERATURA E TEMPO DE CURA NO COEFICIENTE DE DIFUSÃO DE CLORETOS EM CONCRETOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DISSERTAÇÃO DE MESTRADO INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA, RELAÇÃO ÁGUA/AGLOMERANTE, TEMPERATURA

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL EM ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS COM CUSTOS INFERIORES AO CONCRETO CONVENCIONAL

UTILIZAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL EM ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS COM CUSTOS INFERIORES AO CONCRETO CONVENCIONAL UTILIZAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL EM ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS COM CUSTOS INFERIORES AO CONCRETO CONVENCIONAL 1 OBJETIVOS O presente trabalho tem por objetivo apresentar uma nova técnica para execução

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO! " # $! % & & ' ( Sumário 1 INTRODUÇÃO 7 2 PROGRAMA DO EXPERIMENTO 8 2.1 Variáveis Independentes 8 2.2 Variáveis Dependentes 9 3 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes II Materiais de Construção CONCRETO Definição:

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE TAMARA MIGLIORINI URBAN

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE TAMARA MIGLIORINI URBAN UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE TAMARA MIGLIORINI URBAN ESTUDO DA RETRAÇÃO DO CONCRETO COM A INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA E DE ADITIVO SUPERPLASTIFICANTE São Paulo 2012 1 TAMARA MIGLIORINI

Leia mais

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM 1 Importância A dosagem do concreto: É o processo de obtenção da combinação correta de cimento, agregados, águas, adições e aditivos Os efeitos da dosagem

Leia mais

Carlos Welligton de Azevedo Pires Sobrinho 1,2 Luciana Vieira de Melo 1

Carlos Welligton de Azevedo Pires Sobrinho 1,2 Luciana Vieira de Melo 1 A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DE AGRESSIVIDADE DA ÁGUA DO SOLO NAS ESTRUTURAS DE FUNDAÇÃO EM CONCRETO CONSTRUIDOAS NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE. Carlos Welligton de Azevedo Pires Sobrinho 1,2 Luciana Vieira

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS Considerations on the production process of high-performance concretes for precast structures Alessandra

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Ensaio de Compressão de Corpos de Prova Resistência do Concreto

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

Leia mais

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Prof.: Mayara Moraes CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA TIPO CP XXX RR Cimento Portland Composição Classe - Resistência aos 28 dias(mpa) SIGLA Ex.:

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Consistência Textura Trabalhabilidade Integridade da massa Segregação Poder de retenção de água Exsudação Massa específica TRABALHABILIDADE É a propriedade do concreto fresco

Leia mais

COMPORTAMENTO MECÂNICO E FORMAÇÃO DE FASES DE AGLOMERANTE ALTERNATIVO PARA USO EM BLOCOS DE CONCRETO INTERTRAVADO PARA PAVIMENTAÇÃO

COMPORTAMENTO MECÂNICO E FORMAÇÃO DE FASES DE AGLOMERANTE ALTERNATIVO PARA USO EM BLOCOS DE CONCRETO INTERTRAVADO PARA PAVIMENTAÇÃO COMPORTAMENTO MECÂNICO E FORMAÇÃO DE FASES DE AGLOMERANTE ALTERNATIVO PARA USO EM BLOCOS DE CONCRETO INTERTRAVADO PARA PAVIMENTAÇÃO Eduardo Dering 1, Márcia Silva de Araújo 1, José Alberto Cerri 2 1 Departamento

Leia mais

Vergalhão Galvanizado: Vantagens, Aplicações e Desempenho em Estruturas de Concreto Armado. Luiza Abdala 1, Daniele Albagli 2

Vergalhão Galvanizado: Vantagens, Aplicações e Desempenho em Estruturas de Concreto Armado. Luiza Abdala 1, Daniele Albagli 2 Resumo Vergalhão Galvanizado: Vantagens, Aplicações e Desempenho em Estruturas de Concreto Armado. Luiza Abdala 1, Daniele Albagli 2 1 Votorantim Metais / Desenvolvimento de Mercado / luiza.abdala@vmetais.com.br

Leia mais

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento. Prof. Eduardo Cabral

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento. Prof. Eduardo Cabral Universidade Federal do Ceará Curso de Engenharia Civil Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento Prof. Eduardo Cabral Definições Aglomerantes É o material ligante, ativo, geralmente pulverulento,

Leia mais

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação (LAPAV) AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO Prof. Ricardo

Leia mais

Presa. Difícil de determinar o instante em que se dá a passagem do estado líquido ao estado sólido

Presa. Difícil de determinar o instante em que se dá a passagem do estado líquido ao estado sólido LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Propriedades físicas e mecânicas do cimento Presa Métodos de definição do início de presa: condutibilidade eléctrica viscosidade desenvolvimento de calor, etc. Difícil de determinar

Leia mais

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato CIMENTO 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil - Cimento Branco - Cimentos resistentes a sulfato 1.6. Composição química do clínquer do Cimento Portland Embora o cimento Portland consista essencialmente

Leia mais

corrosão em concreto armado atacados por SO e Cl

corrosão em concreto armado atacados por SO e Cl Artigo Técnico 18 Aplicação da técnica de polarização linear para detectar - - corrosão em concreto armado atacados por SO e Cl 1 2 3 4 5 Helton G. Alves, Kátya D. Neri,Pablo R. R. Ferreira, Eudésio O.

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES ACAL 1. Definição. Generalidades. Características Gerais. Classificação. 2. Aglomerantes

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO Jéssica Spricigo da Rocha Bonifácio (1), Daiane dos Santos da Silva Godinho (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A MICROESTRUTURA DO CONCRETO

CONSIDERAÇÕES SOBRE A MICROESTRUTURA DO CONCRETO 1 CONSIDERAÇÕES SOBRE A MICROESTRUTURA DO CONCRETO Luís Fernando Kaefer 1 Introdução O concreto de cimento Portland é um material poroso, com uma estrutura bastante heterogênea e complexa. Analisando sua

Leia mais

Durabilidade do concreto de alto desempenho com sílica de Fe-Si ou silício metálico em ambientes marinhos

Durabilidade do concreto de alto desempenho com sílica de Fe-Si ou silício metálico em ambientes marinhos Durabilidade do concreto de alto desempenho com sílica de Fe-Si ou silício metálico em ambientes marinhos Fernanda Giannotti da Silva 1 & Jefferson B. L. Liborio 2 1 Mestranda em Ciência e Engenharia dos

Leia mais

ESTUDO DOS COMPONENTES DA MISTURA PARA CONCRETO COMPACTADO COM ROLO (CCR) DE BARRAGEM, COM VISTAS A MELHORAR O SEU DESEMPENHO.

ESTUDO DOS COMPONENTES DA MISTURA PARA CONCRETO COMPACTADO COM ROLO (CCR) DE BARRAGEM, COM VISTAS A MELHORAR O SEU DESEMPENHO. COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXVII SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS BELÉM PA, 03 A 07 DE JUNHO DE 2007 T0 A24 ESTUDO DOS COMPONENTES DA MISTURA PARA CONCRETO COMPACTADO COM ROLO (CCR) DE BARRAGEM,

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES Angelo Just da Costa e Silva (1); João Manoel de Freitas Mota (2); Fred Rodrigues Barbosa (3); José Orlando Vieira Filho (4) (1)

Leia mais

SESSION 3: Mix Design

SESSION 3: Mix Design SESSION 3: Mix Design Prof. Bernardo F Tutikian btutikian@terra.com.br bftutikian@unisinos.br Métodos de Dosagem Brasileiros para o CAA Gomes (2002) Tutikian (2004) Melo-Repette (2005) Tutikian & Dal Molin

Leia mais

RECICLAGEM DE ESCÓRIA DE ALTO FORNO NO BRASIL

RECICLAGEM DE ESCÓRIA DE ALTO FORNO NO BRASIL RECICLAGEM DE ESCÓRIA DE ALTO FORNO NO BRASIL Vanderley M. John (1), Vahan Agopyan (2) (1) Prof. Dr., john@poli.usp.br (2) Prof. Titular, vahan.agopyan@poli.usp.br Departamento de Engenharia de Construção

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais