Presa. Difícil de determinar o instante em que se dá a passagem do estado líquido ao estado sólido

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Presa. Difícil de determinar o instante em que se dá a passagem do estado líquido ao estado sólido"

Transcrição

1 LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Propriedades físicas e mecânicas do cimento Presa Métodos de definição do início de presa: condutibilidade eléctrica viscosidade desenvolvimento de calor, etc. Difícil de determinar o instante em que se dá a passagem do estado líquido ao estado sólido + comum e eficaz aparelho de Vicat NP EN (1990) Mede a resistência da pasta de cimento à penetração de 1 agulha com 1mm 2 de secção sob a acção de 1 peso de 300g Tempos de presa Início tempo decorrido entre a amassadura e a perda de plasticidade Fim tempo necessário para a pasta adquirir a firmeza suficiente para resistir a uma certa pressão 1

2 LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Propriedades físicas e mecânicas do cimento Presa Ensaio de VICAT 1º passo fabrico da pasta normal (de consistência normalizada) Quando entra na pasta até 6±1mm da base 2º passo definição do início de presa 3º passo definição do fim de presa Quando entra na pasta até 4±1mm da base Quando entra na pasta < 0,5 mm 2

3 LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Propriedades físicas e mecânicas do cimento Presa Tempo de início de presa de acordo com a classe de resistência do betão FALSA PRESA Rigidificação prematura da amassadura alguns mns após o fabrico Plasticidade restabelecida por reamassadura, sem perdas de resistência Originada pela desidratação do gesso durante a moagem 3

4 LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Propriedades físicas e mecânicas do cimento Expansibilidade Pode ser causada por hidratação retardada ou lenta de: óxido de cálcio livre óxido de magnésio sulfato de cálcio A evitar pode causar destruição do material o Matéria prima com + CaO do que o necessário o Queima / arrefecimento insatisfatórios CaO em excesso livre Manifestação da expansibilidade devida ao CaO livre Meses ou anos depois do fabrico Hidratação posterior mto lenta Com expansões (extinção da cal livre) Ensaio acelerado 4

5 LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Propriedades físicas e mecânicas do cimento Expansibilidade Ensaio acelerado 1º passo fabrico da pasta normal 2º passo preencher com pasta normal (2 equipamentos) 3º passo ao fim de 24h a 20 ± 1ºC medir o afastamento entre agulhas (e 1 ) 4º passo aumentar T até 100ºC (1h) manter T 100ºC (3 horas) 5º passo medir o afastamento entre agulhas (e 2 ) e 2 -e 1 = EXPANSIBILIDADE < 10mm aceitável 5

6 LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Propriedades físicas e mecânicas do cimento Expansibilidade Óxido de magnésio Reactivo apenas sob a forma cristalina de periclase Portugal e Europa Não é problema devido às Características da matéria prima Periclase cristalização da fase líquida (a evitar) Periclase combina-se com a água de modo semelhante ao CaO Sulfato de cálcio Essencial para evitar a presa instantânea causada pela hidratação do C 3 A em excesso origina sulfaluminato de cálcio expansivo (a evitar) Teor máximo de SO 3 3,5 e 4% (dependendo do tipo de cimento) 4 e 4,5% (cimentos brancos) 6

7 LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Propriedades físicas e mecânicas do cimento Resíduo insolúvel Cimentos bem cozidos % resíduo insolúvel < 1% Parte do cimento insolúvel a quente e, em determinadas condições, em HCl EXIGIDO Cimentos Tipo I e III % resíduo insolúvel < 5% Perda ao fogo É a perda de massa do cimento a 1000ºC Mostra o grau de carbonatação e hidratação, por exposição atmosférica do CaO e do MgO livres Cimento bem cozido e bem conservado Perda ao fogo 3-4% EXIGIDO Cimentos Tipo I e III % resíduo insolúvel < 5% (por causa da adição de filer calcário) 7

8 LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Propriedades físicas e mecânicas do cimento Não são perigosos para o betão simples Cloretos Alteram: - a presa do cimento - a velocidade de endurecimento São perigosos para o betão armado e o pré-esforçado diminuição da secção Oxidação das armaduras - diminuição da secção - expansões expansões 8

9 LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Propriedades físicas e mecânicas do cimento Cloretos Aumento de volume rompimento do revestimento aceleração da corrosão fendilhação descamação delaminação efeito nos cantos EXIGIDO Teor em cloretos no cimento < 0,1% Teor em cloretos agregados + outros constituintes < 1% - betão simples < 0,4% betão armado < 0,2% - betão pré-esforçado 9

10 LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS MODIFICAÇÕES NA COMPOSIÇÃO DO CIMENTO PORTLAND - ADIÇÕES OBJECTIVO obter um cimento com uma propriedade + pronunciada do que outras para satisfazer exigências de construção ALTERAÇÕES QUE PODEM SER LEVADAS A CABO 10

11 LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Modificações na composição do cimento Portland -adições C 3 A é indesejável porque: Além disto: A redução do teor em C 3 A do cimento permite fabricar o cimento resistente aos sulfatos 11

12 LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Modificações na composição do cimento Portland -adições cimento resistente aos sulfatos Difícil de fabricar porque: difícil obter matérias-primas com pouca alumina cozedura do cimento difícil endurecimento do cimento difícil Não utilizar em ÁGUA DO MAR Porque C 3 A do cimento fixa os cloretos atrasando a corrosão das armaduras C 3 A em quantidades limitadas pode ser desvantajoso 12

13 LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Modificações na composição do cimento Portland -adições Ca(OH) 2 livre é indesejável porque soluções sobressaturadas de Ca(OH) 2 são o meio necessário para : C 3 S indesejável também porque Hidratação grande desenvolvimento de calor A redução do teor em C 3 A e do teor em C 3 S do cimento permite fabricar Cimentos de baixo calor de hidratação 13

14 LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Modificações na composição do cimento Portland -adições Cimentos de baixo calor de hidratação em 7 dias libertam < 60 cal/gr Aumento de temperatura Interior do betão em massa Motivado pelo calor de hidratação do cimento + Baixa condutibilidade térmica do betão FISSURAÇÃO % C 3 A + % C 3 S 30% << cimento Portland Matéria-prima sem ferro suficiente para a formação da fase férrica Juntar ferro à matéria-prima para: baixar % C 3 A obter aluminoferrato de cálcio e ferrato de cálcio % C 3 S < % C 2 S > % C 3 S + % C 2 S 70-80% 14

15 LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Modificações na composição do cimento Portland -adições Cimentos de baixo calor de hidratação pren cimento de moderado calor de hidratação (MH) (< 320 J/g, 7dias) cimento de baixo calor de hidratação (LH) (< 270 J/g, 7dias) cimento de muito baixo calor de hidratação (VLH) (< 220 J/g, 7dias) < % C 3 A + % C 3 S desenvolvimento + lento da resistência Resistência a longo prazo mantém-se se S 320 m2/kg Resistência aos 2 dias à dos 7 ou mesmo 28 dias do cimento normal Cimento de elevada resistência inicial 15

16 LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Modificações na composição do cimento Portland -adições Cimento de elevada resistência inicial Obtém-se por meio de: composição química adequada (> C 3 S) preparação + cuidada da matéria-prima (cru + fino) > grau de cozedura (permanência + longa no forno, temperatura + elevada) moendo o clinquer + finamente (esta medida é muitas vezes suficiente) < fluência do que os cimentos normais > susceptibilidade à fissuração, > calor de hidratação Óxido de ferro único componente do cimento responsável pela cor deste Todos os outros componentes são brancos % Fe 2 O 3 < 0,2 % cimentos brancos 16

17 LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Modificações na composição do cimento Portland -adições Tem muitas limitações Alteração das propriedades do cimento Portland por alteração das proporções dos componentes todos os componentes têm de estar presentes alteração de 1 tem vantagens num aspecto, mas desvantagens noutros EXEMPLOS diminuição do calor de hidratação < resistência, por vezes irrecuperável, ou tensões de rotura mto baixas para as exigências construtivas iniciais etringite pode formar-se sem intervenção do aluminato do cimento Portland, ex. agregado com alumina reactiva e ião sulfato em contacto com ela em meio saturado de Ca(OH) 2 Elevada % de Ca(OH) 2 para manter a estabilidade dos principais componenetes hidratados > Desvantagem do cimento Portland para resistir a certas agressões químicas 17

18 LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Modificações na composição do cimento Portland -adições pozolana escória de alto-forno sílica de fumo cinza de casca de arroz xisto cozido, etc. ADIÇÕES Permitem alterações + importantes das propriedades do cimento Portland do que as conseguidas através de alterações da composição química Adição material inorgânico, com finura à do cimento, adicionado ao betão o na amassadura para melhorar certas propriedades ou para adquirir propriedades especiais Tipos de adições 18

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO CONCRETO Componentes Fase contínua Pasta de cimento endurecida Zona de transição Interface entre a pasta e o agregado Fase descontínua Agregados Componente cuja principal característica é endurecer quando

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais Fonseca, 2010: Aditivos químicos ASTM C125

Leia mais

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Prof.: Mayara Moraes CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA TIPO CP XXX RR Cimento Portland Composição Classe - Resistência aos 28 dias(mpa) SIGLA Ex.:

Leia mais

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação (LAPAV) AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO Prof. Ricardo

Leia mais

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Coimbra, 29 e 30 de Março 2012 Índice Enquadramento Norma NP EN 459 Matérias primas Composição Características Produto

Leia mais

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento. Prof. Eduardo Cabral

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento. Prof. Eduardo Cabral Universidade Federal do Ceará Curso de Engenharia Civil Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento Prof. Eduardo Cabral Definições Aglomerantes É o material ligante, ativo, geralmente pulverulento,

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES Profa Lia Lorena Pimentel Aglomerantes: Terminologia (NBR 11172) Aglomerante de origem mineral Produto com constituintes minerais que, para sua aplicação,

Leia mais

E 373 Inertes para Argamassa e Betões. Características e verificação da conformidade. Especificação LNEC 1993.

E 373 Inertes para Argamassa e Betões. Características e verificação da conformidade. Especificação LNEC 1993. 1.1. ÂMBITO Refere-se esta especificação a agregados para betão. Agregados para betão são os constituintes pétreos usados na composição de betões nomeadamente areias e britas. 1.2. ESPECIFICAÇÕES GERAIS

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Apoio às aulas práticas Joana de Sousa Coutinho FEUP 2002 MC2 0 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Calda de cimento Argamassa Betão Cimento+água (+adjuvantes) Areia+ Cimento+água (+adjuvantes)

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira GESSO É um aglomerante natural resultante da queima do CaSO4 2H2O (gipsita). Também chamado de gesso de estucador, gessoparisougessodepegarápida.

Leia mais

O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila.

O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila. Cimento Portland O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila. A calcinação dessa mistura dá origem ao clinker, um produto de natureza granulosa, cuja

Leia mais

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato CIMENTO 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil - Cimento Branco - Cimentos resistentes a sulfato 1.6. Composição química do clínquer do Cimento Portland Embora o cimento Portland consista essencialmente

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A AGLOMERANTES MINERAIS Notas de aula: Material baseado em apostilas dos professores: Ercio Thomaz, Gladis Camarini e

Leia mais

HIDRATAÇÃO. Hidratação e microestrutura

HIDRATAÇÃO. Hidratação e microestrutura LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS HIDRATAÇÃO Hidratação e microestrutura Cimento endurecimento lento Principalmente por causa da belite Por isso, NUNCA se considera que as reacções se completaram, mas sim que

Leia mais

Sumário. 1 Cimento Portland 1

Sumário. 1 Cimento Portland 1 Sumário 1 Cimento Portland 1 Histórico 1 Fabricação do cimento Portland 2 Composição química do cimento Portland 8 Hidratação do cimento 13 Silicatos de cálcio hidratados 14 Aluminato tricálcico hidratado

Leia mais

5.6.1 Presa, endurecimento e hidratação

5.6.1 Presa, endurecimento e hidratação Ciencia de Materiais 1ª Parte 5.6.1 Presa, endurecimento e hidratação Durante um período inicial designado por período dormente ou de indução, após a amassadura de água e cimento, a fluidez ou consistência

Leia mais

PRINCIPAIS COMPONENTES DO CRÚ E DO CLÍNQUER PORTLAND

PRINCIPAIS COMPONENTES DO CRÚ E DO CLÍNQUER PORTLAND PRINCIPAIS COMPONENTES DO CRÚ E DO CLÍNQUER PORTLAND 1 COMPONENTES DA MATÉRIA-PRIMA Inicial Após perder água e CO 2 no forno C S A F Principais _ S Outros H H 2 O 2 COMPONENTES DA MATÉRIA-PRIMA Objectivos:

Leia mais

CIMENTO PORTLAND. A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes.

CIMENTO PORTLAND. A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes. Histórico A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes. Os romanos chamavam e sse s materiais de " caeme ntu m", termo

Leia mais

Cimento Portland branco

Cimento Portland branco JUL 1993 Cimento Portland branco NBR 12989 ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.:

Leia mais

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Materiais constituintes do Concreto Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Adições Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: Egydio Herve Neto Dario Dafico Silvia Selmo Rubens Curti, 3/42 Adições Adições minerais são

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES ACAL 1. Definição. Generalidades. Características Gerais. Classificação. 2. Aglomerantes

Leia mais

DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO

DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO Objetivo Assegurar que a estrutura satisfaça, durante o seu tempo de vida, os requisitos de utilização, resistência e estabilidade, sem perda significativa de utilidade nem excesso de manutenção não prevista

Leia mais

2. MATERIAIS EM ENGENHARIA CIVIL

2. MATERIAIS EM ENGENHARIA CIVIL 2. MATERIAIS EM ENGENHARIA CIVIL 2.1 Considerações gerais O betão e o aço são os materiais estruturais mais usados, por vezes completandose e noutras vezes competindo um com o outro de tal forma que estruturas

Leia mais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais HOLCIM (BRASIL) S/A Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais Eng. JOSÉ VANDERLEI DE ABREU Patologias Comuns em Pisos Patologias pisos industriais com problemas superficiais

Leia mais

ADIÇÕES OU SUBSTITUTOS PARCIAIS DO CIMENTO PORTLAND

ADIÇÕES OU SUBSTITUTOS PARCIAIS DO CIMENTO PORTLAND Adição material inorgânico, com finura à do cimento, adicionado ao betão o na amassadura para melhorar certas propriedades ou para adquirir propriedades especiais Tipos de adições Podem substituir parcialmente

Leia mais

CIMENTO PORTLAND. O que é cimento Portland?

CIMENTO PORTLAND. O que é cimento Portland? CIMENTO PORTLAND O que é cimento Portland? CIMENTO PORTLAND 1. HISTÓRICO 2. PRODUTO 3. FABRICAÇÃO 4. TIPOS 5. APLICAÇÕES 6. QUALIDADE 7. ITAMBÉ HISTÓRIA DO CIMENTO MURALHA DA CHINA PANTEON COLISEU ROMANO

Leia mais

DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO (CAUSAS QUÍMICAS ATAQUE ÁLCALI/AGREGADO) Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 REAÇÕES ENVOLVENDO A FORMAÇÃO DE PRODUTOS EXPANSIVOS Ataque por sulfatos Ataque

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira ADITIVOS 1. OBJETIVO Reforçar ou introduzir certas características 2. UTILIZAÇÃO Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira 3. FUNÇÕES BÁSICAS DOS ADITIVOS CONCRETO

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES - GESSO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES - GESSO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES - GESSO Gesso. Especificações e propriedades. GESSO Definição: Aglomerante inorgânico

Leia mais

Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção

Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação: 03.114 Versão nº 1 Sika MonoTop -412 S Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção Descrição do produto Sika MonoTop

Leia mais

Hidratação do Cimento

Hidratação do Cimento Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Hidratação do Cimento Prof. Mayara Moraes Custódio Pega x Endurecimento Pega: período de fenômenos químicos em que ocorrem desprendimento de calor

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes II Materiais de Construção CONCRETO Definição:

Leia mais

O que é durabilidade?

O que é durabilidade? DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 Conceito de Durabilidade O que é durabilidade? A durabilidade é a capacidade que um produto, componente ou construção possui

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ADITIVOS PARA O CONCRETO 1) Definição : NBR 11768 (EB-1763/92) - Aditivos para concreto de Cimento Portland. Produtos que adicionados em pequena quantidade a concreto de Cimento Portland modificam algumas

Leia mais

DURABILIDADE DURABILIDADE DO CONCRETO

DURABILIDADE DURABILIDADE DO CONCRETO DURABILIDADE DO CONCRETO DEFINIÇÃO Durabilidade é a capacidade do concreto de resistir à ação das intempéries O concreto é considerado durável quando conserva sua forma original, qualidade e capacidade

Leia mais

MATERIAIS COMPONENTES DO CONCRETO

MATERIAIS COMPONENTES DO CONCRETO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios Prof. Fábio Costa Magalhães MATERIAIS COMPONENTES DO CONCRETO

Leia mais

Aditivos para argamassas e concretos

Aditivos para argamassas e concretos Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Aditivos para argamassas e concretos Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Introdução Mehta: Quarto componente do concreto ; Estados

Leia mais

Cimento Portland Fabricação Composição química Propriedades

Cimento Portland Fabricação Composição química Propriedades Cimento Portland Fabricação Composição química Propriedades É um aglomerante hidráulico obtido pela moagem do clínquer Portland com adições de gesso e, eventualmente, escória básica de alto-forno, pozolana

Leia mais

ADJUVANTES PARA AS ARGAMASSAS OU BETÕES

ADJUVANTES PARA AS ARGAMASSAS OU BETÕES 1.1. OBJECTO Os adjuvantes para as argamassas ou betões devem obedecer às condições técnicas gerais relativas a materiais e elementos de construção e ainda aos vários documentos que lhe são aplicáveis.

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 1ª PARTE LIGANTES E CALDAS 2002 actualização 2006

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 1ª PARTE LIGANTES E CALDAS 2002 actualização 2006 Departamento de Engenharia Civil MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 1ª PARTE LIGANTES E CALDAS 2002 actualização Departamento de Engenharia Civil MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 1ª PARTE LIGANTES E CALDAS 2002 actualização

Leia mais

Tabela de preços de ensaios do LREC. Designação do Ensaio

Tabela de preços de ensaios do LREC. Designação do Ensaio do AÇOS AC01-1 Tração de rotura de arames EN ISO 6892-1 30,00 AÇOS AC02-1 Tração de varões (todos os parâmetros) EN ISO 6892-1 53,00 AGREGADOS AG01-1 Agregados - Amostragem para pavimentação (1) LNEC E

Leia mais

Cimento Portland CIMENTO CLÍNQUER. Sumário CIMENTO PORTLAND

Cimento Portland CIMENTO CLÍNQUER. Sumário CIMENTO PORTLAND Universidade Paulista Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil Professora Moema Castro, MSc. TECNOLOGIA DO CONCRETO AULA 02 CAPITULO 2 NEVILLE,

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA MOD.QAS.033 / 03

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA MOD.QAS.033 / 03 1/6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1. Nome: 1.2. Aplicações: Argamassa com fibras para reparação estrutural de betão. 1.2. Entidade Responsável: 1.3. Telefone de Emergência: Saint-Gobain Weber

Leia mais

AULA 4 AGLOMERANTES continuação

AULA 4 AGLOMERANTES continuação AULA 4 AGLOMERANTES continuação Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil O que tem em comum

Leia mais

2 Desta forma, os primeiros capítulos deste trabalho, apresentam uma revisão bibliográfica sobre assuntos de fundamental importância para o

2 Desta forma, os primeiros capítulos deste trabalho, apresentam uma revisão bibliográfica sobre assuntos de fundamental importância para o 1 INTRODUÇÃO Entre os diversos problemas enfrentados atualmente pelo setor industrial, um dos principais é a necessidade de minimizar, quando não é possível eliminar, os efeitos da agressão ambiental que

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

MATERIAIS COMPONENTES DO CONCRETO

MATERIAIS COMPONENTES DO CONCRETO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IFRS LABORATÓRIO DE ESTRUTURAS E MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LEMCC TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL MATERIAIS COMPONENTES DO

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas

Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas António Costa Avaliação do Estado da Estrutura Objectivos: Definir o tipo e as causas da deterioração Definir o nível de deterioração Prever

Leia mais

A Gama Cimpor A Gama Cimpor Esta é a Gama de Produtos que a CIMPOR coloca à sua disposição: cimentos e cal hidráulica com características e comportamentos rigorosamente controlados e de qualidade reconhecida,

Leia mais

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Concreto O preparo do concreto é uma série de operações executadas de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um

Leia mais

FISSURAS NO CONCRETO: PRINCIPAIS CAUSAS E COMO PREVENIR

FISSURAS NO CONCRETO: PRINCIPAIS CAUSAS E COMO PREVENIR FISSURAS NO CONCRETO: PRINCIPAIS CAUSAS E COMO PREVENIR COMITÊ GO 12.211 FISSURAÇÂO DO CONCRETO Coordenador: José Dafico Alves Membro: Luciano Martin Teixeira INTRODUCÃO As fissuras são eventos importantes

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS INTRODUÇÃO O empirismo durante a especificação dos materiais A complexidade do número de variáveis envolvidas

Leia mais

CONCRETOS REFRATÁRIOS PARA CIMENTO E CAL: EVOLUÇÃO, PROPRIEDADES E MÉTODOS DE APLICAÇÃO. Waldir de Sousa Resende IBAR LTDA

CONCRETOS REFRATÁRIOS PARA CIMENTO E CAL: EVOLUÇÃO, PROPRIEDADES E MÉTODOS DE APLICAÇÃO. Waldir de Sousa Resende IBAR LTDA VII ERUR ENCONTRO DE REFRATÁRIOS E USUÁRIOS DE REFRATÁRIOS CONCRETOS REFRATÁRIOS PARA CIMENTO E CAL: EVOLUÇÃO, PROPRIEDADES E MÉTODOS DE APLICAÇÃO Waldir de Sousa Resende IBAR LTDA RESUMO Definição Concretos

Leia mais

Concreto de Cimento Portland

Concreto de Cimento Portland Definição: é o material resultante da mistura, em determinadas proporções, de um aglomerante - cimento Portland - com um agregado miúdo - geralmente areia lavada -, um agregado graúdo - geralmente brita

Leia mais

PROCESSO DE FABRICO DE CIMENTO

PROCESSO DE FABRICO DE CIMENTO PROCESSO DE FABRICO DE CIMENTO Índice Introdução. 2 1 Pedreiras... 3 2 - Furação e rebentamento.. 4 3 - Britagem... 5 4 - Transporte do material britado. 6 5 - Ensilagem e pré-homogeneização 7 6 - Moagem

Leia mais

gases combust CO 17-25% H 2

gases combust CO 17-25% H 2 minérios de ferro Alto Forno (Fe) gusa Ferro fundido Escória (~300Kg/t gusa) Fe 94-95% 95% 3-4,5%C 0,3-0,7% 0,7% Si 0,2-0,8 0,8 Mn

Leia mais

Materiais de Construção I. Gesso e Cal de Construção. Augusto Gomes Ana Paula Ferreira Pinto João Bessa Pinto

Materiais de Construção I. Gesso e Cal de Construção. Augusto Gomes Ana Paula Ferreira Pinto João Bessa Pinto Materiais de Construção I Gesso e Cal de Construção Augusto Gomes Ana Paula Ferreira Pinto João Bessa Pinto 2013 ÍNDICE 1 Introdução... 1 1.1 Presa e endurecimento... 2 1.2 Finura do ligante... 3 1.3 Relação

Leia mais

Especificação de materiais de construção no âmbito do ProNIC. 23 de Outubro 2009

Especificação de materiais de construção no âmbito do ProNIC. 23 de Outubro 2009 Especificação de materiais de construção no âmbito do ProNIC 23 de Outubro 2009 INDÍCE Apresentação geral do projecto ProNIC Objectivos, conteúdos, funcionalidades Contributos do ProNIC para a correcta

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO (CAD):

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO (CAD): CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO (CAD): aplicação nas construtoras EVOLUÇÃO DA RESISTÊNCIA 2000 2002 1940 1990 25 MPa 45 MPa 125 MPa 16 MPa O QUE É? Concreto com propriedades - resistência e durabilidade -

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aulas 7 1º sem.

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU C5-0224/2003. Posição comum. Documento de sessão 2001/0212(COD) 14/05/2003

PARLAMENTO EUROPEU C5-0224/2003. Posição comum. Documento de sessão 2001/0212(COD) 14/05/2003 PARLAMENTO EUROPEU 1999 Documento de sessão 2004 C5-0224/2003 2001/0212(COD) PT 14/05/2003 Posição comum tendo em vista a aprovação do Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho relativo aos adubos

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS 3 Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt novembro 2013 PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO ESTRATÉGIAS DE CONSERVAÇÃO Critérios de decisão, técnicas

Leia mais

PAINÉIS CIMENTO-MADEIRA

PAINÉIS CIMENTO-MADEIRA CIMENTO-MADEIRA Prof. Setsuo Iwakiri UFPR - DETF INRODUÇÃO HISTÓRICO 1914 > Áustria > partículas excelsior + aglutinante (óxido magnésio + cloreto magnésio) 1928 > Alemanha > início > uso cimento portland

Leia mais

A ESPECIFICAÇÃO DO BETÃO

A ESPECIFICAÇÃO DO BETÃO Guia para a utilização da norma NP EN 206-1 A ESPECIFICAÇÃO DO BETÃO Edição: Maio 08 Guia para a utilização da norma NP EN 206-1 A ESPECIFICAÇÃO DO BETÃO 4.ª Edição: Maio 2008 1 A APEB, Associação Portuguesa

Leia mais

2. REQUISITOS DAS ARGAMASSAS PARA REPARAÇÃO

2. REQUISITOS DAS ARGAMASSAS PARA REPARAÇÃO ESTUDO DE ARGAMASSAS DE CAL HIDRAULICA DE REFECHAMENTO DE JUNTAS DE PEDRAS José Domingos Costa Cimpor Argamassas Grupo Cimpor Portugal jdcosta@cimpor.com Ana Pérez Lobato Morteros de Galicia,S.L. Grupo

Leia mais

Aditivos para argamassas e concretos

Aditivos para argamassas e concretos Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Aditivos para argamassas e concretos Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Introdução Mehta: Quarto componente do concreto ; Estados

Leia mais

1. CONCEITO: 2. CLASSIFICAÇÃO: AGLOMERANTES. Ativos. Inertes. Aéreos. Hidráulicos. Endurecem por secagem Ex.: argila (barro cru)

1. CONCEITO: 2. CLASSIFICAÇÃO: AGLOMERANTES. Ativos. Inertes. Aéreos. Hidráulicos. Endurecem por secagem Ex.: argila (barro cru) 1. CONCEITO: É um material ativo (pulverulento), que promove a ligação entre os grãos do material inerte (agregado). Exemplos: gesso, cal e cimento). São usados para a fabricação de: Pastas: aglomerante

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Prof.Dra Vanessa Silveira Silva 1 IMPORTÂNCIA DA CURA

Leia mais

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 Materiais de Construção de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 O QUE SÃO? - Material ativo e ligante - Em geral pulverulento (que se reduz a pó ou se apresenta em estado de pó) - PRINCIPAL FUNÇÃO: formar

Leia mais

REACH na Indústria Cimenteira. Cláudia Neto Secil, S.A.

REACH na Indústria Cimenteira. Cláudia Neto Secil, S.A. REACH na Indústria Cimenteira Cláudia Neto Secil, S.A. Principais desafios para a indústria Identificar e Caracterizar as substâncias; Documentar o uso dessas substâncias (CSR-Relatório de Segurança dos

Leia mais

weber.col classic plus

weber.col classic plus 1/6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1. Nome: 1.2. Aplicações: Cimento-Cola. Este produto destina-se à colagem de cerâmica. 1.2. Entidade Responsável: 1.3. Telefone de Emergência: Saint-Gobain

Leia mais

Sumário. Conceitos. Conceitos Produção e consumo Tipos e aplicações Composição química Características dos compostos Leitura obrigatória

Sumário. Conceitos. Conceitos Produção e consumo Tipos e aplicações Composição química Características dos compostos Leitura obrigatória PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL TR Tecnologia dos Revestimentos Aula 3 Argamassas de revestimento: cimento Sumário Conceitos Produção e consumo Tipos e aplicações Composição química Características

Leia mais

Informativo técnico SIO2

Informativo técnico SIO2 Informativo técnico SIO2 INFORMATIVO TÉCNICO Sílica Ativa ASTM C494 Active Silic é um produto decorrente do processo de fabricação do sílico metálico ou do ferro sílico, de onde é gerado o gás SiO, que

Leia mais

Refratários não formados

Refratários não formados Refratários não formados Os não formados são os que não apresentam forma física definida e são constituídos pelos concretos, massas de socar, plásticos e argamassas, que podem ser fornecidos em baldes,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO GESSO RECICLADO CALCINADO NA TEMPERATURA DE 200ºC

CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO GESSO RECICLADO CALCINADO NA TEMPERATURA DE 200ºC 1 CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO GESSO RECICLADO CALCINADO NA TEMPERATURA DE 200ºC J. A. Roque (1); M. M. T. M. Lima (2); G. Camarini (3) Caixa Postal 6021, CEP: 13.083-852,

Leia mais

GUIA BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DO CIMENTO PORTLAND

GUIA BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DO CIMENTO PORTLAND 0 GUIA BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DO CIMENTO PORTLAND São Paulo dezembro de 2002 Revisão: 7 1 1 a edição - 1989 (com o código de ETE-8) 2 a edição - 1994 (rev. atual.) 3 a edição - 1997 (rev. atual.) 4 a edição

Leia mais

INCORPORAÇÃO DO FOSFOGESSO COMO SUBSTITUTO DO GESSO NATURAL NO PROCESSO DE FABRICO DE CIMENTO PORTLAND

INCORPORAÇÃO DO FOSFOGESSO COMO SUBSTITUTO DO GESSO NATURAL NO PROCESSO DE FABRICO DE CIMENTO PORTLAND Raquel Ramos Pereira INCORPORAÇÃO DO FOSFOGESSO COMO SUBSTITUTO DO GESSO NATURAL NO PROCESSO DE FABRICO DE CIMENTO PORTLAND Lisboa 2010 INCORPORAÇÃO DO FOSFOGESSO COMO SUBSTITUTO DO GESSO NATURAL NO PROCESSO

Leia mais

Yushiro Kihara. Prof Dep. Geociëncia USP Gerente de Tecnologia ABCP. O grande desafio:

Yushiro Kihara. Prof Dep. Geociëncia USP Gerente de Tecnologia ABCP. O grande desafio: Concreteshow 2012 1 Mudanças Climáticas e Sustentabilidade Cenário e Desafios da Indústria Brasileira de Cimento Yushiro Kihara Prof Dep. Geociëncia USP Gerente de Tecnologia ABCP DESAFIOS DA INDÚSTRIA

Leia mais

Adjuvantes para Betão

Adjuvantes para Betão Degussa Construction Chemicals Portugal, S.A. Acção de Formação Adjuvantes para Betão Mais de 138 Centros de produção em 78 países Universidade do Algarve - Maio 2006 Enfrentamos os desafios O Trabalho

Leia mais

Cimento: Uma matéria-prima essencial no fabrico de argamassas

Cimento: Uma matéria-prima essencial no fabrico de argamassas Cimento: Uma matéria-prima essencial no fabrico de argamassas Noel Varela Secil, SA Portugal nvarela@secil.pt Fernando Sales Vieira Secil, SA Portugal sales@secil.pt Sumário: A actual tendência para a

Leia mais

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS 2.1 Condições gerais 1 2 2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS As estruturas de concreto devem atender aos requisitos mínimos de qualidade, durante sua construção e serviço, e aos requisitos adicionais estabelecidos

Leia mais

MEMBRANAS BETUMINOSAS

MEMBRANAS BETUMINOSAS FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO (Em conformidade com o Regulamento REACH (EC) nº 1907/2006) Nº revisão: 08 Data de emissão: 24 de Janeiro de 2014 MEMBRANAS BETUMINOSAS 1. Identificação da substância/mistura

Leia mais

CONCRETO E ARGAMASSAS JAQUELINE PÉRTILE

CONCRETO E ARGAMASSAS JAQUELINE PÉRTILE CONCRETO E ARGAMASSAS JAQUELINE PÉRTILE Concreto O concreto é um dos produtos mais consumidos no mundo, perdendo apenas para a água, o que o torna muito importante para a construção civil. Ele não é tão

Leia mais

AS SUPERFÍCIES E O COMPORTAMENTO DAS PAREDES DE TERRA CRUA

AS SUPERFÍCIES E O COMPORTAMENTO DAS PAREDES DE TERRA CRUA AS SUPERFÍCIES E O COMPORTAMENTO DAS PAREDES DE TERRA CRUA Paulina Faria Rodrigues Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade Nova de Lisboa 2829-516 Caparica, PORTUGAL Tel.: +351 21 2948580; Fax:

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

As argamassas e os concretos serão estudados nos capítulos seguintes. Os aglomerantes podem ser classificados, quanto ao seu princípio ativo, em:

As argamassas e os concretos serão estudados nos capítulos seguintes. Os aglomerantes podem ser classificados, quanto ao seu princípio ativo, em: Materiais de Construção Araujo, Rodrigues & Freitas 18 3. Aglomerantes 1. Definição e Uso Aglomerante é o material ativo, ligante, em geral pulverulento, cuja principal função é formar uma pasta que promove

Leia mais

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS Helton Gomes ALVES 1, Kátya Dias NERI 1, Eudésio Oliveira VILAR 1 1 Departamento de Engenharia Química, Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

Qualificação dos agentes e metodologias de inspecção e ensaio de obras de arte. Carlos Mesquita, Engº. Oz, Lda/DT

Qualificação dos agentes e metodologias de inspecção e ensaio de obras de arte. Carlos Mesquita, Engº. Oz, Lda/DT Qualificação dos agentes e metodologias de inspecção e ensaio de obras de arte Carlos Mesquita, Engº. Oz, Lda/DT 1. INTRODUÇÃO Inspecções e ensaios na manutenção/conservação Boa oferta formativa, comparativamente

Leia mais

Gesso Odontológico. Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB

Gesso Odontológico. Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB Curso de ASB Gesso Odontológico Modelos Modelos Modelos Modelos Moldes para fabricação de dentaduras GESSO Revestimentos Sulfato de cálcio di-hidratado, quimicamente quase puro (Gipsita) (CaSO 4. 2H 2

Leia mais

III-057 CONCRETO COM CINZA DE CASCA DE ARROZ CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

III-057 CONCRETO COM CINZA DE CASCA DE ARROZ CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL III-57 CONCRETO COM CINZA DE CASCA DE ARROZ CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Antônio Luiz Guerra Gastaldini (1) Arquiteto pela Escola de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia. Doutor

Leia mais

ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS ESTABILIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA

ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS ESTABILIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA INTRDUÇÃ Estabilização procedimentos visando a melhoria e estabilidade de propriedades dos solos (resistência, deformabilidade, permeabilidade,...). físico-química ESTABILIZAÇÃ estabilização granulométrica

Leia mais

A Durabilidade das Estruturas de Concreto e o Cimento Egydio Hervé Neto 1

A Durabilidade das Estruturas de Concreto e o Cimento Egydio Hervé Neto 1 A Durabilidade das Estruturas de Concreto e o Cimento Egydio Hervé Neto 1 Num passado recente nossas estruturas correntes usavam concretos com resistências da ordem de 135, 150, no máximo 180 kgf/cm2.

Leia mais

GESSO 1 DEFINIÇÃO 2 DESIDRATAÇÃO DA GIPSITA

GESSO 1 DEFINIÇÃO 2 DESIDRATAÇÃO DA GIPSITA GESSO 1 DEFINIÇÃO É um aglomerante aéreo (endurece pela ação química do CO 2 do ar), obtido pela desidratação total ou parcial da Gipsita aglomerante já utilizado pela humanidade há mais de 4.500 anos,

Leia mais

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Dario de Araújo Dafico Resumo: Um modelo para explicar a resistência à compressão do concreto de alto desempenho foi

Leia mais