designado "Fundo"). STK Capital Gestora de Recursos Ltda. (adiante designada STK) não distribui ou negocia ações em fundos ou qualquer outro ativo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "designado "Fundo"). STK Capital Gestora de Recursos Ltda. (adiante designada STK) não distribui ou negocia ações em fundos ou qualquer outro ativo"

Transcrição

1 1

2 O material a seguir nã cnstitui uma ferta de venda u subscriçã de investiment em um fund de investiment (adiante designad "Fund"). STK Capital Gestra de Recurss Ltda. (adiante designada STK) nã distribui u negcia ações em funds u qualquer utr ativ financeir. Este relatóri é apenas para fins infrmativs e deve ser utilizad exclusivamente pel seu destinatári e nã para qualquer utra finalidade, cm a preparaçã de dads financeirs, materiais de marketing, u para prestar infrmações a autridades administrativas (regulatórias, fiscais, entre utras), tampuc n estabeleciment d valr d ativ líquid d Fund. As infrmações cntidas neste dcument sã cnfidenciais e nã pderã ser divulgadas a terceirs sem prévi e express cnsentiment da STK. As infrmações utilizadas pela STK derivam de fntes que acredita serem cnfiáveis, mas nã se respnsabiliza pela exatidã das infrmações btidas e utilizadas aqui. A STK nã se respnsabiliza pr qualquer cálcul u utrs errs. Os resultads das perações btidas n passad nã garantem resultads futurs e nã cntêm qualquer garantia pela STK, pr suas afiliadas, pel gerente, u pr qualquer mecanism de segur. A ferta e venda de participações n Fund em certas jurisdições pdem sfrer restrições legais. Recmenda-se a investidr a leitura cuidadsa ds dcuments d Fund antes de investir e dispr de cnsultria júridica quant as assunts legais, regulatóris e financeirs referentes a investiment em vista. Tant a expsiçã a risc e a pssibilidade de uma perda ttal sã inerentes as investiments. 2

3 Resum A STK Capital é uma gestra de recurss independente fcada em ações, que utiliza uma abrdagem fundamentalista de investiments Equipe executiva cm ampla experiência em gestã de ativs Experiência internacinal alinhada às melhres práticas da indústria de gestã de recurss 350 milhões de reais em capital própri alinhand s bjetivs ds sócis cm s investidres 3

4 STK Capital - Equipe Antenr Fernandes CIO / PM Brasil EQUIPE DE INVESTIMENTO RELAÇÃO COM INVESTIDORES OPERACIONAL E RISCO Pedr Quaresma Diretr de Análise Daniel Grzdea PM Glbal Juliana Durante Jã Emíli Ribeir Net CFO/COO Pedr Lins Barbsa Raphael Villela Victr Belmir Eduard Leal Carls Silva Rafael Lavrad Gregóri Camps Rebeca Yang Rgéri Barret Graziela Segard Camilla Tavares Andrezza Tavares 4

5 Filsfia de Investiment ESTRATÉGICO Sólids mdels de negóci cm qualidade de gestã e gvernança Mudanças estruturais n mdel de negóci da empresa DNA Análise Fundamentalista Adaptabilidade Psições táticas e de prtunidade Eventuais instruments de prteçã para riscs extrems TÁTICO Flexibilidade 5

6 Filsfia de Investiment Flux de caixa descntad Múltipls Taxa interna de retrn implícita Valr de liquidaçã Mdels de valr residual Nã depende de alavancagem excessiva AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Excelência em alcaçã de capital Barreiras à entrada que permitem retrns sustentáveis Baixa intensidade de capital = alta geraçã de caixa livre Estrutura de custs flexível SÓLIDO MODELO DE NEGÓCIO BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO E GOVERNANÇA Métricas de remuneçã cm incentivs crrets Alinhament de interesses entre executivs e acinistas Membrs d Cnselh independentes da administraçã Capacidade de aumentar preç Visã estratégica invadra e de lng praz 6

7 Filsfia de Investiment MUDANÇAS ESTRUTURAIS NO MODELO DE NEGÓCIOS DA EMPRESA Melhrias Operacinais Reestruturaçã Crprativa Nvs Mercads, Nvs Prduts Reestruturaçã Financeira Mudança de Gestã Crte de custs Fechament de divisões nã-rentáveis Nvs canais de distribuiçã Revisã de alavancagem Mudança de executivs Melhria na lgística Cisã de divisões Aquisições que geram valr Excess de capital: dividends/recmpra Mudança na cmpsica d cnselh Mair transparência Vendas de Ativs Refinanciament de dívida Prfissinalizaçã Mudanças na plítica de preçs Aquisições Alinhament de incentivs 7

8 Análise Fundamentalista GERAÇÃO DE IDÉIAS & HIPÓTESE INICIAL Experiência da equipe de investiment Cnferências lcais e internacinais de diversas indústrias Alavancagem da base de relacinaments ds sócis e da equipe Filtrs fundamentalistas para identificar prtunidades n univers de cbertura 8

9 Análise Fundamentalista DESENVOLVENDO A TESE DE INVESTIMENTO Avaliaçã preliminar da hipótese para determinar tamanh da prtunidade Abrdagem específica para cada setr e características das empresas Validaçã de hipóteses-chave que percebems cm mal precificadas pel cnsens Prcess de análise investigativ (qualidade da gestã da empresa, cmpetidres listads em blsa e privads, cnsultres, reguladres, experts setriais, acinistas, frnecedres, exfuncináris, etc) Decisões baseadas em análise fundamentalista cnsiderand cenáris de estresse = busca de relações de risc retrn atrativas 9

10 Prcess de Investiment Abrdagem sistemática na pririzaçã das idéias, manutençã e gerenciament de risc. REUNIÃO MATINAL (Discussã de ntícias relevantes) REVISÃO ECONÔMICA QUINZENAL (Onde estams n cicl ecnômic e ptenciais impacts ns Funds) REVISÃO DE CARTEIRAS SEMANAL (Revisã de carteira, definiçã de priridades de análise) REUNIÃO DE RISCO SEMANAL (Inteligência de mercad, cntrle de risc) APRESENTAÇÃO DE TESES DE INVESTIMENTOS 10

11 Cnstruçã de Prtfli A carteira é definida baseada nas teses de investiments individuais de cada empresa Cada cas de investiment é discutid internamente e verificações e mnitraments cnstantes sã realizads Tamanh de cada psiçã n prtfli é determinad avaliand risc-retrn e grau de cnvicçã em cada tese de investiment A carteira é decmpsta em fatres de risc e eventuais expsições nã desejadas sã neutralizadas 11

12 Risc GERENCIAMENTO DE RISCO QUANTITATIVO: VaR & Testes de Estresse Análise de pir cenári e chques de mercad Análise da liquidez Análise ds fatres de risc Acmpanhament ds prtfólis em temp real Cálcul da cta diária pel BNY Melln QUALITATIVO: As psições recebem classificações para mnitrament detalhad e estatístic Análise fundamentalista para quantificar risc de perdas permanentes de capital 12

13 Funds ONSHORE BRAZIL FUNDOS STK LONG ONLY STK DIVIDENDOS STK LONG BIASED STK GLOBAL Estratégia Ações Brasil Lng Only Ações Brasil Lng Biased Ações Lng Only Glbal Subscriçã Diári T+1 Diári T+1 Diári T+1 Diári T+1 Resgate 30 dias crrids 45 dias crrids 45 dias crrids 30 dias crrids Meda Reais R$ Reais R$ Reais R$ Reais R$ Taxa de Administraçã 2,00% 2,75% 2,00% 2,00% Taxa de Perfrmance 20% acima d Ibvespa (cm marda d água) Nenhuma 20% acima de IPCA + 6% (cm marca d água) Nenhuma Investiment Mínim R$ R$ R$ R$ Prestadres de Serviçs Administradr: BNY Melln Custdiante: Bradesc Administradr: BNY Melln Custdiante: Bradesc Administradr: BNY Melln Custdiante: Bradesc Administradr: BNY Melln Custdiante: Bradesc 13

14 STK Lng Biased STK LONG BIASED Ações Brasil Lng Biased ESTRATÉGIA A estratégia é investir em ações utilizand análise fundamentalista cm principal metdlgia de avaliaçã de empresas. As psições sã primrdialmente cmpradas, mas também pdem manter psições vendidas OBJETIVO Gerar rendiments reais superires a IPCA + 6% através de seleçã ativa de ações e cntrle da expsiçã direcinal da carteira EXPOSIÇÃO TÍPICA (BRUTA E LÍQUIDA) Interval de Expsiçã Bruta: 50% 150% / Média: 100% 140% Interval de Expsiçã Líquida: 30% 110% / Média: 60% 100% CONCENTRAÇÃO / NÚMERO DE POSIÇÕES Númer de Psições Cmpradas: ações Cncentraçã Tp 5: 30% 40% Psiçã Típica Cmprada: Pequena 2% 3% / Média 5% / Grande: 8% 10% Psiçã Típica Vendida: 0.5% 3.0% LIQUIDEZ Fc em Ações Líquidas (Mid e Large Caps) 14

15 STK Dividends STK DIVIDENDOS Ações Brasil Lng Only ESTRATÉGIA O STK Dividends investe em ações utilizand análise fundamentalista, também cnsidera a capacidade de distribuiçã de dividends das empresas investidas OBJETIVO Gerar retrns reais n lng praz cm distribuiçã de dividends a lng da trajetória EXPOSIÇÃO TÍPICA Interval de Expsiçã Típica: 67% 100% / Média: 90% 100% CONCENTRAÇÃO / NÚMERO DE POSIÇÕES Númer de Psições: ações Cncentraçã Tp 5: 30% 40% Psiçã Típica: Pequena 2% 3% / Média 5% / Grande: 8% 10% LIQUIDEZ Fc em ações líquidas (mid e large caps) 15

16 STK Lng Only STK LONG ONLY Ações Brasil Lng Only ESTRATÉGIA O STK Lng Only investe em ações utilizand análise fundamentalista, mantend apenas psições cmpradas em empresas. O fund bedece às dispsições da Resluçã CMN nº 3792 OBJETIVO Gerar retrns reais n lng praz acima d Ibvespa através de seleçã ativa de ações EXPOSIÇÃO TÍPICA Interval de Expsiçã Típica: 67% 100% / Média: 90% 100% CONCENTRAÇÃO / NÚMERO DE POSIÇÕES Númer de Psições: ações Cncentraçã Tp 5: 30% 40% Psiçã Típica: Pequena 2% 3% / Média 5% / Grande: 8% 10% LIQUIDEZ Fc em ações líquidas (mid e large caps) 16

17 STK Glbal Lng Only STK GLOBAL LONG ONLY Ações Glbal Lng Only ESTRATÉGIA O STK Glbal Lng Only investe em ações utilizand análise fundamentalista, mantend apenas psições cmpradas em empresas. O fund bedece às dispsições da Resluçã CMN nº 3792 OBJETIVO Gerar retrns reais n lng praz através de seleçã ativa de ações EXPOSIÇÃO TÍPICA Interval de Expsiçã Típica: 67% 100% / Média: 90% 100% CONCENTRAÇÃO / NÚMERO DE POSIÇÕES Númer de Psições: ações Cncentraçã Tp 5: 25% 35% Psiçã Típica: Pequena 2% 3% / Média 5% / Grande: 7% 10% LIQUIDEZ Fc em ações líquidas (mid e large caps) 17

18 Sócis Executivs Antenr Gmes Fernandes Sóci Fundadr Gestr De julh de 2008 a març de 2010: fi vice-presidente d Banc Safra, respnsável pelas áreas de Wealth Management e Private Banking, em Sã Paul. De setembr de 2004 a junh de 2008: fi principal executiv da Safra Asset Management, em Nva Yrk. De abril de 1999 a agst de 2004: fi respnsável pelas áreas de renda variável e funds d Safra Natinal Bank f New Yrk, em Nva Yrk. De agst de 1997 a setembr de 1998: trabalhu cm analista de renda variável d banc Paribas, em Nva Yrk. De març de 1991 a dezembr de 1995: trabalhu n Unibanc na área de Crprate Finance, em Sã Paul. Frmad em ecnmia pela faculdade Cândid Mendes (1990) e pssui MBA pela Clumbia University (1997), em Nva Yrk. Jã Emili Ribeir Net Sóci CFO/COO De fevereir de 2000 a mai de 2010: fi sóci-diretr, CFO/COO, da Investidr Prfissinal Gestã de Recurss e membr da Cmissã de Administradres de Recurss de Terceirs da ANBIMA. De agst de 1998 a fevereir de 2000: fi diretr da Icatu Investiments, respnsável pr reprte a investidres institucinais e middle ffice. De utubr de 1997 a agst de 1998: participu de perações de privatizaçã cm gerente da área de crprate finance d Banc Icatu. De març de 1993 a setembr de 1997: fi diretr financeir e de cntrladria d Grup Lachmann. De junh de 1989 a març de 1993: trabalhu n Banc Pactual cm gerente de cntrle financeir e peracinal e de sistemas. Em fevereir de 1983, ingressu na Andersen Cnsulting (atualmente Accenture), nde, até junh de 1989, desenvlveu e gerenciu prjets de planejament, desenh e implantaçã de sistemas, principalmente em instituições financeiras e seguradras. Frmad em Engenharia Civil pela PUC/RJ (1982). 18

19 Sócis Executivs Pedr Quaresma Sóci Diretr de Análise De mai de 2007 a mai de 2010: fi analista de renda variável sênir da Pllux Capital respnsável pela análise de setres e empresas listadas em blsa ns mercads brasileirs, americans e eurpeus. De nvembr de 2000 a abril de 2007: fi analista e sóci da JGP respnsável pela análise de empresas ds países d G7 cm ênfase em empresas americanas e eurpéias. De nvembr de 1997 a fevereir de 2000: trabalhu n Banc Icatu passand pr diversas áreas envlvend backffice, middle ffice e mesa de captaçã lcal e internacinal d banc. Frmad em Ecnmia pela Universidade Federal d Ri de Janeir UFRJ (2000), Magna Cum Laude. Em 2006 bteve títul de CFA Chartered Financial Analyst. Pedr Lins Barbsa Sóci Analista Sênir De janeir de 2008 a dezembr de 2009: fi sóci da Pllux Capital Administraçã de Recurss. De dezembr de 2003 a janeir de 2008: fi sóci da Gávea Investiments, respnsável pela área de investiments da Gávea Gestã de Patrimôni que incluia seleçã de gestres e alcaçã de ativs n Brasil e Glbalmente. De 1997 a 2003: fi sóci da Argus Advisrs, um multifamily ffice em Nva Yrk, EUA, ande fi membr d cmitê de investiment, respnsável pr seleçã de hedge funds e alcaçã de ativs. Além diss, ele fi gestr d Axin Capital, um hedge fund intern da Argus cm fc em ações lng/shrt. Frmad em Administraçã cm cncentraçã em Finanças pela Schl f Management f Bstn University (1994), Magna Cum Laude. Daniel Grzdea Sóci Gestr De setembr de 2008 a Març de 2010: fi respnsável pelas áreas de captaçã crprativa e relações cm investidres da CR2 Empreendiments Imbiliáris, n Ri de Janeir, Brasil. De setembr de 2003 a fevereir de 2008: fi analista de renda variável cbrind G7 em dis hedge funds em Nva Irque - Fcus Capital (Fev Fev 2008) e Nrth Sea Capital, atualmente 3G Capital, (Set 2003 Jan 2005). De mai de 1997 a mai de 2003: fi analista de renda variável na crretra ds bancs - Sciété Generale em Bstn (Out Mai 2003) cbrind EUA, e n Banc Paribas em Nva Irque (Mai Set 2000) cbrind Latam. Frmad em Administraçã pela Hfstra University, em Nva Yrk (1997) e pssui MBA pela Babsn Cllege, em Massachusetts (2003). 19

20 Equipe Raphael Villela Sóci Analista de Empresas De març 2010 a agst de 2010: fi analista sênir da Kndr Investments, respnsável pela análise de ações brasileiras. De març 2007 a fevereir de 2010: fi analista de renda variável e c-gestr da carteira de ações de médi / pequen prte n Itaú Asset Management. De març 2005 a fevereir de 2007: fi trainee n Itaú Private Bank, em várias divisões, incluind a crretra, cmercial e mesa de tesuraria. Frmad em Ecnmia cm cncentraçã em Finanças pel Institut Brasileir de Mercad de Capitais n Ri de Janeir IBMEC/RJ (2005). Eduard Leal Analista de Empresas De dezembr de 2008 a agst de 2010: fi sóci da Platina Investiments, respnsável pela área de Equity Research em cmpanhias brasileiras. De mai 2008 a dezembr de 2008: fi analista da Plenus Gestã de Recurss. De mai de 2006 a dezembr de 2007: trabalhu na Cian Investiments em váris departaments, incluind Departament de Equity Research e Back Office. Frmad em Engenharia de Prduçã pela PUC/RIO (2008). Em 2011 bteve títul de CFA Chartered Financial Analyst. Rebeca Yang Analista de Empresas De julh 2009 a julh de 2010: fi analista d Banc Paulista - Sciedade Crretra Paulista. De fevereir de 2008 a dezembr de 2008: fi Analista n Banc BBM respnsável pela análise ds setres de Tecnlgia, Educaçã, auxiliand n Setr Imbiliári e utrs Small Caps. De janeir 2009 a junh de 2009: participu d prgrama de intercâmbi cm a University f Virginia, cm Engenheira de Sistemas, tend aulas na Escla de Cmérci McIntire. Frmada em Engenharia de Prduçã cm cncentraçã em Ecnmia, pela Universidade Federal d Ri de Janeir - UFRJ (2009). 20

21 Equipe Carls Silva Analista de Empresas Gregóri Camps Analista de Empresas De agst de 2010 a abril de 2011: fi peradr da mesa de crédit n BBM Investiments. De julh de 2009 a agst de 2010: fi analista de prduts n Banc BBM, respnsável pr análises de cntrats de balcã. De abril de 2008 a setembr de 2008 escreveu seu Trabalh de Graduaçã na University f Twente (NL). Frmad em Engenharia Mecânica-Aernáutica pel Institut Tecnlógic de Aernáutica ITA (2009). De agst de 2011 até mai de 2013 fi gestr e analista sênir de renda variável send respnsável pels funds Phenix e Equity Value da Mdal Asset. Ingressu em setembr de 2010 n Banc Mdal cm respnsável pela alcaçã de renda variável da mesa prprietária. De julh 2008 a agst de 2010: fi analista sênir de renda variável e c-gestr de perações lng&shrt na BRZ Investiments. De març 2004 a junh de 2008: fi analista sênir e respnsável pela carteira de renda variável Brasil e G7 n family ffice Triscrp Investiments. De junh 2003 a fevereir 2004: trabalhu na área de back ffice d Banc Pactual, send respnsável pela liquidaçã de perações próprias e de terceirs. De mai de 2002 a fevereir de 2003: fi respnsável pel acnselhament de clientes de alta renda da Merrill Lynch realizand alcações em Hedge Funds e em carteiras de renda fixa internacinal. Iniciu a carreira em 2001 n UBS fazend analise sell side ns setres de Aviaçã e Cncessões. Frmad em Administraçã de Empresas cm cncentraçã em Finanças pel Institut Brasileir de Mercad de Capitais d Ri de Janeir IBMEC/RJ (2001). MBA em Analise de Investiments pela Pntificia Univerdade Catlica d Ri de Janeir PUC/RJ (2003). Gregóri é candidat a CFA Level II. 21

22 Equipe Juliana Durante Relaçã cm Investidres De Abril de 2011 a Janeir de 2013: respnsável pela área de Business Develpment e Relaçã cm Investidres da 3G Capital. De Agst de 2003 a Abril de 2011: trabalhu n Opprtunity cm head d Private Banking e utras áreas dentr d Cmercial. Març de 2003 a Agst de 2003: analista na Endesa. De Abril 2002 a Març de 2003: trabalhu na Merrill Lynch cm estagiária na área de acnselhament de clients de alta renda. Pssuí Mestrad em Ecnmia pel Institut Brasileir de Mercads de Capitais d Ri de Janeir IBMEC/RJ (2007). Frmada em Ecnmia cm fc em Finanças pel Institut Brasileir de Mercad de Capitais d Ri de Janeir IBMEC/RJ (2004). Rafael Lavrad Analista Quantitativ De mai de 2010 a setembr 2010: trabalhu cm Analista de Dads na IBM, Nva Yrk. De abril de 2008 a julh de 2009: trabalhu cm Analista de Business Intelligence na Orange Business Services, Ri de Janeir. Frmad em Engenharia Eletrônica e de Cmputaçã pela Universidade Federal d Ri de Janeir UFRJ (2009). Mestrad em Engenharia pela King Abdullah University f Science and Technlgy KAUST (2010). Victr Belmir Analista Gerencial De març de 2010 a janeir 2011: trabalhu n Backffice Internacinal da Icap d Brasil, respnsável pel Suprte a clientes estrangeirs em perações de blsa n Brasil. De agst de 2005 a fevereir de 2010: fi analista de Middleffice n Gávea Investiments. Respnsável pr perações de funds nacinais, ffshre e wealth management. Frmad em Administraçã pela PUC/RJ (2007). Mestrand em Ecnmia, UCAM - Universidade Cândid Mendes. 22

23 Equipe Rgéri Barret Analista Quantitativ De julh de 2012 até janeir 2013: Arquitet de Sftware Sr na Cast/PRODERJ - Respnsável pela timizaçã e arquitetura de sluções de alta dispnibilidade para a SEEDUC-RJ De janeir 2009 até junh 2012: G2web - Sóci/CTO - Respnsável pela arquitetura de sftware, metdlgias de gestã, desenvlviment e infraestrutura tecnlógica da empresa De mai 2008 até dezembr 2009: Chice Technlgies - Cnsultr Business Intelligece - Respnsável pel desenvlviment e especificaçã prjets de BI na RGE e CPFL De abril 2007 até abril 2008: DBA/Hermes - Analista Desenvlvedr Senir - Respnsável pela timizaçã d prtal e-cmmerce CmpraFácil e integrações cm sistemas legads de lgística e B2B De junh 2005 até març 2007: G2web - Analista Desenvlvedr Plen - Respnsável pel desenvlviment de diversas sluções web De utubr 2004 até mai 2005: Accenture - Estagiári em Prgramaçã - Respnsável pel desenvlviment de sluções em ambiente de fábrica de sftware Cursand MBA em TI Empresarial pela UFRJ Frmad em Tecnlgia da Infrmaçã pela Universidade Veiga de Almeida (2007). Graziela Segard Assistente Administrativa De agst de 2001 a abril de 2006 trabalhu n UBS Wealth Management na área administrativa e BackOffice n Ri de Janeir. De abril de 1992 a julh de 2001 trabalhu n Banc UBS cm Assistente Administrativa na área Crprate Finance em Sã Paul. De abril de 1989 a abril de 1992 trabalhu n BEAL Banc Eurpeu para América Latina e na BOVESPA na área de Assessria Ecnômica. Frmada em Ecnmia na FAM SP (1992) 23

24 Equipe Camilla Tavares Assistente Financeira De agst de 2007 a julh de 2010 trabalhu na área administrativa da Ipseira Capital, nde era respnsável pela gestã de flux de caixa, cnciliações bancárias, saláris e cntas a pagar frmu-se em Administraçã de Empresas pela Universidade Gama Filh. Andrezza Tavares Recepçã De Agst de 2010 a Janeir de 2014 trabalhu na área administrativa da Nikem Cm. e Ind. de Prduts Químics Rechim Brasil Beneficiament de Metais, nde era respnsável pela cnciliaçã bancária, elabraçã de relatóris para cntabilidade, cntrle de estque e emissã de nta fiscal eletrônica. Cursand Administraçã de Empresas na Universidade Cândid Mendes, cm frmatura prevista para julh de

25 STK Capital R. Gal Venânci Flres º andar Sala Ri de Janeir RJ Brasil 25

Serviços. Consultoria Treinamento Logís5ca Reversa

Serviços. Consultoria Treinamento Logís5ca Reversa Serviçs Cnsultria Treinament Lgís5ca Reversa Cnsul'ng Prjets de Supply Chain Implementaçã de Sistemas Lgís5cs Diagnós5c Operacinal Oprtunidades de Reduçã de Cust Reestruturaçã de Operações Lgís5ca Internacinal

Leia mais

Curso de Extensão: Finanças Corporativas

Curso de Extensão: Finanças Corporativas 1. Apresentaçã Curs de Extensã: Finanças Crprativas Uma crpraçã é, genericamente, caracterizada pela tmada de duas decisões fundamentais, a de financiament e a de investiment. O prcess de seleçã, análise

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL Carga Hrária: 16 hras/atividade Hrári: 8h30 às 18h (cm interval para almç) Brasília, 26 e 27 de nvembr de 2015

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Advisory. Audit. Corporate. BPO / Accounting

Advisory. Audit. Corporate. BPO / Accounting BPO / Accunting Audit Advisry TAX Labr Crprate A JCG Cnsultria Para se trnarem cmpetitivas n mund glbalizad e se estabelecerem num mercad em crescente evluçã, a tendência atual nas empresas é a terceirizaçã

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências O desafi da regulaçã ecnômic-financeira ds peradres públics de serviçs de saneament básic n Brasil: primeiras experiências Karla Bertcc Trindade VI Fr Iber American de Regulación 11/11/2013 - Mntevide,

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

TREINAMENTO. Instrumentos Financeiros, Derivativos e Contabilidade de Hedge para Bancos

TREINAMENTO. Instrumentos Financeiros, Derivativos e Contabilidade de Hedge para Bancos C ésar Rams & Cia Auditria e Cnsultria César Rams & Cia Ltda Edifíci Mnument Avenida Brigadeir Faria Lima nº 1478 CEP 01451-001, Sã Paul, Brasi Telefne: +5511 35897580 TREINAMENTO Instruments Financeirs,

Leia mais

Política de Investimentos. OABPrev-SP

Política de Investimentos. OABPrev-SP Plítica de Investiments OABPrev-SP 2011 1 Intrduçã 2 Objetivs de Investiment 3 Alcaçã Estratégia 4 Limites peracinais para investiment n segment de Renda Fixa 5 Us de Instruments Derivativs 6 Índices de

Leia mais

Cnova N.V. Atividade do Terceiro Trimestre de 2015

Cnova N.V. Atividade do Terceiro Trimestre de 2015 Cmunicad 9 de utubr de 2015 Cnva N.V. Atividade d Terceir Trimestre de 2015 GMV: 1.121 milhões (+17,6% a câmbi cnstante) Participaçã d marketplace: 22,7% (+1.032 bp) Vendas líquidas: 781 milhões (+9,1%

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

O que é sucessão de responsabilidades?

O que é sucessão de responsabilidades? GLOSSÁRIO DO EMPREENDEDOR O que é capital inicial? É capital de gir necessári para iniciar as atividades de seu negóci e "rdar" as perações até cmeçar a gerar receita suficiente para equilibrar este capital.

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Infrmações Institucinais 1.1.1 Caracterizaçã, Missã e Objetivs O BNDES é uma empresa pública federal dtada de persnalidade

Leia mais

VENDAS CONTRATADAS NO 1S10 ULTRAPASSAM R$507 MILHÕES, RESULTADO 73% ACIMA DO OBTIDO NO MESMO PERÍODO DE 2009.

VENDAS CONTRATADAS NO 1S10 ULTRAPASSAM R$507 MILHÕES, RESULTADO 73% ACIMA DO OBTIDO NO MESMO PERÍODO DE 2009. PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA: Sã Paul, 14 de julh de 2010: A CAMARGO CORRÊA DESENVOLVIMENTO IMOBILIÁRIO ( CCDI u Cmpanhia ; Bvespa: CCIM3) anuncia seus resultads peracinais referentes a segund trimestre de

Leia mais

Governação Corporativa e Mercado de Capitais

Governação Corporativa e Mercado de Capitais Gvernaçã Crprativa e Mercad de Capitais A Realidade Anglana Luanda, 4 de Dezembr de 2014 Cnferência da ABANC Assciaçã Anglana de Bancs Gvernaçã Crprativa A Realidade Anglana A Gvernaçã Crprativa diz respeit

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

Recentes Inclusões no Código de Fundos e novos temas supervisionados

Recentes Inclusões no Código de Fundos e novos temas supervisionados Recentes Inclusões n Códig de Funds e nvs temas supervisinads RICARDO AUGUSTO MIZUKAWA Vice-presidente da Cmissã de Acmpanhament de Funds de Investiment da ANBIMA 21 de junh de 2011 Prcediments para aquisiçã

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES Tribunal de Cntas da Uniã Marcel Pachec ds Guaranys Brasília, 22.11.2011 ROTEIRO Dads d setr Infraestrutura aeprtuária: desafis Definiçã da mdalidade

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015 Atualiza a Lista de Prduts, Linhas e Prgramas Passíveis de Outrga de Garantia pel Fund Garantidr para Investiments FGI.

Leia mais

Reunião APIMEC. Novembro de 2015

Reunião APIMEC. Novembro de 2015 Reuniã APIMEC Nvembr de 2015 Agenda SETOR CORPORATIVO e ESTRATÉGIA DESEMPENHO E PERSPECTIVAS CONSIDERAÇÕES FINAIS Palestrantes: Andre B. Gerdau Jhannpeter CEO Harley Lrentz Scardelli CFO e Diretr de RI

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO Encntr de Alt Dirigentes - Viseu 2/3 Dez 2013 Cm Invar para Ser Mais Cmpetitiv ENCONTRO de ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), 2-3 DEZEMBRO 2013 Apresentaçã Crprativa Cnfidencial Cnclusões finais Página

Leia mais

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual Manual O que é capital de risc Índice Intrduçã Pass 1 - Cnhecer s cnceits-base Pass 2 - Cnhecer as frmas de atuaçã Pass 3 - Elabrar um plan de negócis Pass 4 - Apresentar plan de negócis a ptenciais SCR

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT GRUPO HISPASAT Mai de 2014 PRIVADO PRIVADO E CONFIDENCIAL E Dcument Dcument prpriedade prpriedade HISPASAT,S.A. da 1 Prcess de atendiment a cliente

Leia mais

Pós-graduação. em Negócios e Marketing de Moda

Pós-graduação. em Negócios e Marketing de Moda Pós-graduaçã em Negócis e Marketing de Mda Pós-graduaçã em Negócis e Marketing de Mda Intrduçã A Faculdade Santa Marcelina é recnhecida nacinalmente pel seu pineirism pr lançar a primeira graduaçã de mda

Leia mais

MUNICIPAL DE LIMEIRA IPML

MUNICIPAL DE LIMEIRA IPML 1 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE LIMEIRA IPML Plítica Anual de Investiments 2015 TERMO DE REFERÊNCIA 2 Em cnsnância a que determina a Resluçã d CMN n 3.922/2010 n Artig 4, fica estabelecid pr mei

Leia mais

SEMINÁRIO FINANÇAS EFINANCIAMENTO VIABILIZANDO INVESTIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 17 DE NOVEMBRO, 2014

SEMINÁRIO FINANÇAS EFINANCIAMENTO VIABILIZANDO INVESTIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 17 DE NOVEMBRO, 2014 SEMINÁRIO FINANÇAS EFINANCIAMENTO VIABILIZANDO INVESTIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 17 DE NOVEMBRO, 2014 ESTRATÉGIA DESEGMENTAÇÃO ESTRATÉGIA DE SEGMENTAÇÃO Estrutura segmentada vltada a estratégia

Leia mais

GUIA RÁPIDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA

GUIA RÁPIDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA GUIA RÁPIDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GUIA RÁPIDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI Fundada em 1970 cm intuit de ferecer primeir curs superir de Turism d Brasil,

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Everton Saulo Silveira

Everton Saulo Silveira Evertn Saul Silveira 2014 Curriculum Vitae Endereç: Rua Brges Hermidas, 115 Casa 09 Majr Prates E-mails: saul997@yah.cm.br, evertn.silveira@sebraemg.cm.br Celular: (38) 9109-2050 9913-8705 CPF: 053.678.036-60

Leia mais

Reconhecer as ferramentas de sistemas de informação e seu uso na gestão empresarial;

Reconhecer as ferramentas de sistemas de informação e seu uso na gestão empresarial; CURSO: ADMINISTRAÇÃO SEMESTRE: 5 DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO DE CARGA HORARIA: 80 HORAS / AULAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Ementári: Nções de sistemas de infrmaçã e seus cmpnentes, seus tips e principais aplicações

Leia mais

SUMÁRIO DOS AVANÇOS RECENTES NO GERENCIAMENTO DA DÍVIDA PÚBLICA BRASILEIRA

SUMÁRIO DOS AVANÇOS RECENTES NO GERENCIAMENTO DA DÍVIDA PÚBLICA BRASILEIRA SUMÁRIO DOS AVANÇOS RECENTES NO GERENCIAMENTO DA DÍVIDA PÚBLICA BRASILEIRA Crdenaçã-Geral de Planejament Estratégic da Dívida Pública COGEP O an de 2003 tem sid favrável para alcance de avançs significativs

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu MBA em Gestã de Prjets A Faculdade de Tecnlgia SENAI/SC em Flrianóplis

Leia mais

Desempenho de Vendas 1º Trimestre/2015

Desempenho de Vendas 1º Trimestre/2015 Sã Paul, Brasil, 13 de abril de 2015 - O GPA [BM&FBOVESPA: PCAR4 (PN); NYSE: CBD] e Via Varej S.A. [BM&FBOVESPA:VVAR3 e VVAR11] anunciam desempenh das vendas d 1º trimestre de 2015. Desempenh de Vendas

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012 UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Avis Públic Nº 08/Unesc/2012 O Magnífic Reitr da Universidade d Oeste de Santa Catarina - Unesc, pessa jurídica de direit privad, mantida

Leia mais

GUIA RÁPIDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

GUIA RÁPIDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS GUIA RÁPIDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS GUIA RÁPIDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI Fundada em 1970 cm intuit

Leia mais

RESULTADOS SONAE SIERRA DE 2007

RESULTADOS SONAE SIERRA DE 2007 COMUNICADO SONAE - SGPS, S. A. Sede: Lugar d Espid, Via Nrte, Maia Capital scial: 2.000.000.000,00 Matriculada na Cnservatória d Regist Cmercial da Maia sb númer únic de matrícula e identificaçã fiscal

Leia mais

1.1.3.1 Ausência de processo de monitoramento e avaliação da execução do PDTI.

1.1.3.1 Ausência de processo de monitoramento e avaliação da execução do PDTI. Cnstatações 1.1.3.1 Ausência de prcess de mnitrament e avaliaçã da execuçã d PDTI. 1.1.3.2 Cmitê de TI nã atuante e inefetiv. 1.1.3.3 Quantidade insuficiente de servidres para a gestã de TI. 1.1.3.4 Falhas

Leia mais

Seminário de Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Seminário de Gestão Resíduos Sólidos Urbanos Seminári de Gestã Resídus Sólids Urbans EKOS 2015 Brasília, 27 de agst de 2015 Área de Mei Ambiente Martin Inguville martin.inguville@bndes.gv.br O Resídu Sólid Urban é apenas um ds tips de resídus, embra

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

GUIA RÁPIDO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA EAD

GUIA RÁPIDO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA EAD UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI Fundada em 1970 cm intuit de ferecer primeir curs superir de Turism d Brasil, a Universidade Anhembi Mrumbi ampliu sua ferta de curss em diferentes áreas durante a década de.

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Resultados Consolidados 1º Trimestre de 2015

Resultados Consolidados 1º Trimestre de 2015 SAG GEST Sluções Autmóvel Glbais, SGPS, SA Sciedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadra Capital Scial: 169.764.398 Eurs Matriculada na Cnservatória d Regist Cmercial da Amadra sb númer únic de matrícula

Leia mais

Programa de Rádio. Ritmo Económico. Angola!Open!Policy!Initiative

Programa de Rádio. Ritmo Económico. Angola!Open!Policy!Initiative Prgrama de Rádi Ritm Ecnómic AnglaOpenPlicyInitiative 1 Rádi: Kairós da Igreja Metdista de Angla Nme d Prgrama: Ritm Ecnómic Géner: Talk shw Educativ Data da primeira ediçã: (pr definir) Apresentadres:

Leia mais

Prezado Senhor Diretor Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olavo Morales Garcia

Prezado Senhor Diretor Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olavo Morales Garcia Prezad Senhr Diretr Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olav Mrales Garcia O IBRASS INSTITUTO BRASILEIRO DO ASSOCIATIVISMO, entidade sem fins ecnômics, frmada pr

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL...

RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL... RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL... Respnsável pela elabraçã d trabalh: Fernanda Juli Barbsa Camps

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

GUIA RÁPIDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS EAD

GUIA RÁPIDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS EAD UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI Fundada em 1970 cm intuit de ferecer primeir curs superir de Turism d Brasil, a Universidade Anhembi Mrumbi ampliu sua ferta de curss em diferentes áreas durante a década de.

Leia mais

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 OBJETIVO Infraestrutura e tecnlgia d Prtheus sã a base de uma sluçã de gestã empresarial rbusta, que atende a tdas as necessidades de desenvlviment, persnalizaçã, parametrizaçã

Leia mais

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade Institucinal 1 Institucinal 1.1 Sbre a Vensis A Vensis é uma empresa especializada n desenvlviment de sluções integradas para gestã de empresas. Atuand n mercad de tecnlgia da infrmaçã desde 1998, a empresa

Leia mais

GUIA RÁPIDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE EAD

GUIA RÁPIDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE EAD UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI Fundada em 1970 cm intuit de ferecer primeir curs superir de Turism d Brasil, a Universidade Anhembi Mrumbi ampliu sua ferta de curss em diferentes áreas durante a década de.

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro Apresentaçã a mercad d crngrama d prcess de adpçã plena das IAS/IFRS n sectr financeir DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 12 de Junh de 2014 Departament de Supervisã Prudencial

Leia mais

PROJETO: Conferência Ethos 2011

PROJETO: Conferência Ethos 2011 Cnferência Eths 2011 PROJETO: Cnferência Eths 2011 LOCAL DE REALIZAÇÃO: FECOMÉRCIO Bela Vista Sã Paul/SP Data: dias 07, 08 e 09 de Agst de 2011 EXPECTATIVA DE PÚBLICO: 1000 pessas TEMA: Prtagnistas da

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local dos Municípios do Pontal do Paranapanema

Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local dos Municípios do Pontal do Paranapanema Plan de Desenvlviment Ecnômic Reginal e Lcal ds Municípis d Pntal d Paranapanema 1ª Etapa Diagnóstic Ecnômic e Definiçã de Cenáris Apresentaçã as municípis 20/08/2014 Cnvêni: Elabraçã: Plan de Desenvlviment

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet INTEGRAÇÃO Gestã de Frete Embarcadr x Datasul 11.5.3 PLANO DO PROJETO 24/01/2013 Respnsável pel dcument: Jã Victr Fidelix TOTVS - 1 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet ÍNDICE

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designaçã d Curs... 2 Duraçã Ttal d Curs de Frmaçã... 2 Destinatáris... 2 Objetiv Geral... 2 Objetivs Específics... 2 Estrutura mdular e respectiva carga hrária...

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. Dads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE

CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE Institut Instituiçã fcada na geraçã de sluções para a implementaçã e gestã pedagógica de Núcles de Treinament e Capacitaçã de prfissinais e acadêmics

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Relatório de Atividades. Programa de Desenvolvimento das Cadeias Produtivas de Hortaliças, caqui, Nêspera e Cogumelos da Região do Alto Tietê.

Relatório de Atividades. Programa de Desenvolvimento das Cadeias Produtivas de Hortaliças, caqui, Nêspera e Cogumelos da Região do Alto Tietê. Mgi das Cruzes, 24 de setembr de 2008. Relatóri de Atividades. Prgrama de Desenvlviment das Cadeias Prdutivas de Hrtaliças, caqui, Nêspera e Cgumels da Regiã d Alt Tietê. Prcess n.: 3196/2007 Cnveni n.:

Leia mais

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi Benefícis ds serviçs de transprte de táxis cmpartilhads Shared-transprt / Shared-taxi Reuniã de Especialistas sbre Transprte Urban Sustentável: Mdernizand e Trnand Eclógicas as Frtas de Táxis nas Cidades

Leia mais

Todos os direitos reservados Versão 1.2

Todos os direitos reservados Versão 1.2 Guia de Relatóris Tds s direits reservads Versã 1.2 1 Guia de Relatóris Índice 1 Pedids... 3 1.1 Mnitr de Pedids... 3 1.2 Pedids... 4 1.3 Estatísticas de Pedids... 5 1.4 Acess e Cnsum... 7 1.5 Pedids pr

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro Seminári de Acmpanhament SNPG Área 21 APCNs André F Rdacki Marcia Sares Keske Rinald R J Guirr Áreas de Avaliaçã - CAPES Clégi de Humanidades Ciências Humanas Ciências Sciais Aplicadas Linguística, Letras

Leia mais