Estruturas supramoleculares: agregados protéicos e os vírus

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estruturas supramoleculares: agregados protéicos e os vírus"

Transcrição

1 Estruturas supramoleculares: agregados protéicos e os vírus Objetivos Nesta aula vamos explorar dois temas interessantes nos quais você vai aplicar os conhecimentos, adquiridos até agora, a respeito de proteínas. Inicialmente, você vai conhecer as proteínas amiloidogênicas. Em seguida, você vai compreender como as estruturas virais são formadas, explorando o arranjo das proteínas estruturais dos vírus nos capsídeos virais. No final, você compreenderá por quê podemos chamar os vírus e as fibras amilóides de complexos supramolecualres. Pré-requisitos Para esta aula vamos precisar de vários conceitos já apresentados e discutidos em aulas passadas, tais como estrutura tridimensional de proteínas, forças envolvidas na manutenção desta estrutura e fatores que determinam as mudanças conformacionais e o enovelamento protéico. 1ª Parte - Proteínas amiloidogênicas Já estudamos vários aspectos sobre a estrutura das proteínas, desde sua estrutura primária representada pela seqüência de aminoácidos, até aspectos relacionados à organização destes aminoácidos no espaço que dá origem à estrutura secundária e terciária das proteínas. Na Aula 14, vimos como as proteínas se dobram e se montam na sua forma final dotada de estrutura e função. Estudando as proteínas fibrosas (queratina, fibroína e colágeno) e globulares (mioglobina e hemoglobina) vimos como a estrutura das proteínas podem explicar sua função. No caso das proteínas fibrosas, aprendemos que uma grande resistência pode ser adquirida quando, por exemplo, várias hélices se enovelam umas sobre as outras, como no caso do colágeno. No caso das proteínas globulares, vimos que a presença do grupo prostético heme garante com que a mioglobina e hemoglobina transportem oxigênio com grande eficiência. Agora, vamos conhecer um novo aspecto relacionado ao estudo das proteínas um pouco mais sombrio do que aquele que vimos até então. Trata-se das doenças amiloidogênicas e veremos a seguir como certas proteínas podem causá-las

2 BIOQUÍMICA I Estruturas supramoleculares: agregados protéicos e os vírus Mas que doenças são essas? Certamente você já ouviu falar da doença da Vaca Louca, doença de Alzheimer e doença de Parkinson. Todas essas doenças fazem parte de uma classe de doenças ocasionadas pelo mau enovelamento de uma determinada proteína sendo também chamadas amiloidoses. Estes nomes "amiloidose" lembra amido. É. De fato, os primeiros estudos feitos com algumas das proteínas envolvidas nessas doenças mostraram a presença de depósitos fibrilares presentes em alguns tecidos ou orgãos (Figura 17.1) que, por serem corados por reagentes com iodo, imaginou-se serem constituídos por amido, um açúcar. Posteriormente, percebeu-se que esses depósitos fibrilares não eram de amido, mas sim de proteínas. O nome amiloidose, no entanto, permaneceu. Figura 17.1: Fibra amilóide. Mas, afinal, o que há de especial com este grupo de doenças? Como já sabemos, a maioria das doenças é causada por um agente ou microorganismo. Desse modo, o resfriado é causado por um vírus chamado rinovírus; a pneumonia é causada por uma bactéria conhecida como Pneumococcos pneumoniae; a Doença de Chagas é causada por um protozoário conhecido como Trypanossoma cruzi, e assim por diante. Enfim, a grande maioria das doenças, principalmente as contagiosas, é causada por um agente, seja uma bactéria, um vírus ou um protozoário. Esses agentes possuem material genético na forma de DNA ou RNA. Eles se reproduzem no organismo hospedeiro graças à replicação do seu material genético, conforme você verá na disciplina de Genética. Desta forma, quando entramos em contato com uma pessoa resfriada, por exemplo, podemos receber alguns rinovírus que invadem nossas células, se reproduzem e causam os sintomas desagradáveis que conhecemos. E no caso das doenças amiloidogênicas? Quem é o agente responsável pelas mesmas? Conforme já mencionamos, essas doenças são ocasionadas por proteínas que, ao adquirir uma conformação alterada, formam agregados e depósitos fibrilares que causam danos aos tecidos e órgãos onde se acumulam. Veja a Figura 17.2:

3 Proteína enovelada incorretamente Figura 17.2: Mecanismo de agregação de proteínas amiloidogênicas. Podemos perceber que, quando uma proteína se enovela de maneira incorreta deixando segmentos de aminoácidos apolares voltados para o lado de fora, há possibilidade de que esses segmentos se associem uns com os outros formando agregados protéicos ou fibras, conforme visto acima. Mas por que isto ocorre? Lembre-se que discutimos que os aminoácidos apolares ou hidrofóbicos não gostam da água e tendem a se esconder dentro da proteína ocupando seu miolo. Por outro lado, os aminoácidos polares ou hidrofílicos, por gostarem do contato com a água, ficam mais voltados para o lado de fora da proteína, é a ideal, pois todos os aminoácidos ficam felizes! Entretanto, por mecanismos ainda não bem compreendidos, algumas proteínas não se enovelam direito deixando de fora aminoácidos apolares que deveriam ficar escondidos no miolo da proteína. Para evitar o contato com a água, essas proteínas fazem, então, contato umas com as outras, de modo a esconder esses aminoácidos do contato com a água. Desta forma, aparecem fibras como aquelas vistas na Figura Entretanto, um dos aspectos mais surpreendentes sobre essas doenças, principalmente no que diz respeito às chamadas encefalopatias espongiformes transmissíveis (e aqui se incluem a Doença da Vaca Louca que acomete as vacas; e um grupo de doenças que acomete o homem dentre as quais uma doença de nome estranho Creutzfeldt-Jakob) é que elas são contagiosas. É. Isso mesmo! Uma proteína que se enovela errado e forma fibrilas amilóides em um organismo, se for introduzida num organismo saudável pode levar este indivíduo ao estado enfermo. E aí é que está a surpresa, pois é possível termos contágio sem haver um microrganismo ou um material genético envolvido. Apenas uma proteína mal enovelada!

4 BIOQUÍMICA I Estruturas supramoleculares: agregados protéicos e os vírus Doença da Vaca Louca A doença da Vaca Louca já dizimou mais de cabeças de gado na Grã-Bretanha, desde 1985 quando teve início uma grande epidemia desta doença. Ela é causada pela agregação de uma proteína chamada prion ou PrP (prion protein). A proteína PrP é uma proteína encontrada na membrana das células, em especial dos neurônios. A função exata que ela exerce nos organismos ainda é desconhecida, mas sabe-se que aves, répteis e mamíferos a possuem. O que se sabe é que a proteína PrP, quando presente na membrana, possui um alto conteúdo de α-hélices e um baixo conteúdo de folhas β. Nesta conformação não patogênica, a proteína do prion é conhecida como PrP C, onde C quer dizer "celular". Entretanto, por um mecanismo ainda não completamente elucidado, esta proteína sofre o que chamamos mudança conformacional, isto é, sua conformação muda. Tal mudança de conformação dá origem a uma proteína PrP com alto conteúdo de folhas β e um baixo conteúdo de α-hélices. Nesta conformação, a proteína do prion é patogênica sendo conhecida como PrPsc, onde SC quer dizer scrapie. Em conseqüência, esta nova forma da proteína apresenta grande propensão em formar fibrilas, como as mostradas na Figura Estas fibras se acumulam no cérebro causando danos ao funcionamente deste tecido. O cérebro fica com aspecto esponjoso e, por isso, essa doença também é chamada encefalopatia espongiforme bovina. Mas como, então, iniciou-se este tipo de doença? O que se imagina é que as vacas adquiriram esta doença a partir de ovelhas doentes. As ovelhas também desenvolvem um tipo de encefalopatia espongiforme conhecida como "scrapie". A doença das ovelhas é assim chamada, pois as ovelhas ficam se roçando nas cercas quando doentes. Postula-se que, devido ao fatos de as vacas na Inglaterra serem alimentadas com uma ração enriquecida com uma farinha preparada com as vísceras das ovelhas, tenha se iniciado o contágio. Desta forma, ovelhas acometidas com o scrapie teriam sido utilizadas inadvertidamente no preparo da ração. As vacas, ao comerem a ração contaminada, adquiriram a doença. Mas qual seria, então, o mecanismo molecular de transmissão desta doença se não há material genético envolvido no processo? O que se imagina, e existem evidências experimentais para tal, é que as ovelhas afetadas com scrapie possuem suas proteínas do prion na conformação rica em folhas β, ou seja, a conformação patogênica PrP SC. Esta conformação alterada, ao entrar em contato com a proteína celular PrP C presente no cérebro da vacas sadias, por exemplo, causaria uma mudança conformacional nesta última convertendo-a na forma PrP SC

5 Veja o esquema: Mas será que existem encefalopatias espongiformes que afetam os homens? Sim. Existem quatro doenças que afetam os homens e que são causadas por mudanças conformacionais na proteína PrP. Todas são raras, afetam o sistema nervoso e são fatais. Já se conhecem algumas mutações na proteína PrP que favorecem a conversão da proteína celular em scrapie. A partir do estudo destas doenças, a biologia moderna deparou-se com um problema novo, até então sem precedente, que é um grupo de doenças transmissíveis onde não há um patógeno convencional como agente responsável, mas sim uma simples proteína. Ao sofrer uma alteração de conformação, esta proteína passa da forma celular e inofensiva, para a forma patogênica e deletéria. Como poderíamos imaginar que uma estrutura tão "ingênua" como uma proteína poderia causar tantos problemas... Doença de Alzheimer Diferente das encefalopatias espongiformes transmissíveis que são bastante raras em humanos, a doença de Alzheimer afeta 25% das pessoas acima de 80 anos. Isto significa que uma em cada quatro pessoas que atinge 80 anos tem a possibilidade de adquirir a doença de Alzheimer. À medida que a expectativa de vida vai aumentando, principalmente nos países ricos, a doença de Alzheimer pode vir a representar um grave problema de saúde pública. Na verdade, já é alarmante o número de pessoas afetadas por essa doença nos Estados Unidos. Estima-se que pessoas estejam afetadas por esta doença e que, nos próximos cinco anos, este número suba para A doença de Alzheimer é fatal e de curso lento. A pessoa acometida pode ficar doente de 2 a anos. As funções cognitivas são perdidas lentamente, tais como memória, raciocínio, fala, comportamento etc. Como ocorre então esta doença? Cortes histológicos do cérebro de pessoas que faleceram de Alzheimer, apresentados na figura 17.3, mostram a presença de placas conhecidas como placas senis. Nesta placa, encontramos fibras de um peptídeo conhecido com β amilóide. Obviamente, a presença destas placas atrapalha o funcionamento do cérebro e, em conseqüência, aparecem os sintomas antes descritos

6 BIOQUÍMICA I Estruturas supramoleculares: agregados protéicos e os vírus Figura 17.3: Placas senis que se formam no cérebro de pessoas acometidas com a doença de Alzheimer. Já se sabe que o peptídeo β amilóide é derivado de uma proteína maior chamada APP (amyloid precursor protein ou proteína precursora de amilóide). Esta proteína está presente na membrana de várias células, inclusive na dos neurônios. Sua função precisa ainda é incerta, mas ela parece estar relacionada com o crescimento celular. A proteína APP é clivada por proteases. Proteases são enzimas que quebram as proteínas gerando fragmentos menores das mesmas. No caso da APP, duas secretases conhecidas como β e γ quebram esta proteína gerando o peptídeo β amilóide. Este peptídeo é liberado da célula e, devido a sua alta propensão em agregar, forma fibras, conforme mostrado na Figura Além disso, este peptídeo é neurotóxico, isto é, ao ser adicionado a uma cultura de neurônios que cresce numa placa, ele causa a morte dessas células. Acredita-se que ele também cause a morte de neurônios no organismo. Vale a pena chamar a atenção para o fato de que, diferente das encefalopatias espongiformes transmissíveis, a doença de Alzheimer não é transmissível. Ainda não existe tratamento para as doenças causadas pelos prion ou pelo peptídeo β amilóide. Os cientistas têm procurado desenvolver drogas que inibam a formação das fibrilas visando, com isto, impedir a progressão das doenças. Outras estratégias estão sendo adotadas, como por exemplo, a descoberta de inibidores para as secretases que geram o peptídeo β amilóide, por exemplo. Acredita-se que inibindo-se estas secretases, o peptídeo não se forme e com isto a doença não progrida. No caso dos prions, como já é bem aceito que a doença das ovelhas tenha migrado para as vacas, diversos países da Europa tem diminuído o consumo de carne de vaca, pois é possível que a doença da vaca possa passar para o homem. Esta doença tem causado graves problemas em diversos países influenciando, desde de o cardápio das pessoas, até a política e relações comerciais. Estas doenças nos mostram então, a necessidade de conhecermos muito bem a estrutura e o funcionamento das proteínas. Desta forma, é possível desenhar ou descobrir drogas capazes de impedir o avanço destas doenças fatais e enigmáticas

7 2ª Parte - Os vírus Introdução Todos nós já ouvimos falar dos vírus. Muitas vezes ficamos doentes e após uma consulta médica escutamos a seguinte frase: "É uma virose" (Figura 17.4). Figura 17.4: A presença dos vírus nas nossas vidas. Mas o que são vírus e como eles podem causar tantas doenças? Os vírus são estruturas incapazes de se replicar por conta própria, necessitando da maquinaria enzimática e dos suprimentos energéticos de uma célula hospedeira para se propagarem. Assim, sua perpetuação na natureza depende de sua capacidade de infectar alguns tipos celulares. Por isso, os vírus não são considerados seres vivos, embora esta seja uma definição mais semântica do que científica. Por outro lado, quando os vírus atingem o interior de determinadas células, podem replicar seus genes e produzir uma numerosa prole. Além disso, podem sofrer mutações durante sua replicação, sendo, portanto, capazes de evoluir e de se adaptar às mais diferentes condições. A diversidade dos vírus Os vírus apresentam uma grande diversidade estrutural (Figura 17.5). Eles são formados por um material genético, que pode ser DNA ou RNA, e ocorre em fita dupla ou simples, segmentada ou não. Este material genético, que é o genoma viral, pode permanecer longos períodos de tempo fora do ambiente intracelular, graças à presença de uma capa protéica, o capsídeo, que protege o ácido nucléico de possíveis danos ou degradação. Os capsídeos virais são estruturas extremamente estáveis enquanto os vírus se encontram no meio extracelular /17/2004, 8:26 AM

8 BIOQUÍMICA I Estruturas supramoleculares: agregados protéicos e os vírus Por outro lado, ao entrarem em contato com sua célula hospedeira, os capsídeos virais devem se desestabilizar, permitindo a exposição do genoma ao meio intracelular onde ele será replicado, transcrito e traduzido. Os mecanismos envolvidos nesta mudança de estabilidade constituem o tema de nossa próxima aula. Figura 17.5: Diversidade estrutural dos vírus. BACTERIÓFAGO Vírus que infecta bactérias. GLICOPROTEÍNAS Proteínas que apresentam carboidratos (açúcares) ligados a sua estrutura. Na Figura 17.5, podemos observar que os vírus também apresentam grande variação quanto ao tamanho, forma e composição. Os menores vírus conhecidos, os vírus satélites, possuem diâmetro de 18 nm, apresentando apenas um gene. Estes vírus são tão simples, que só podem se replicar caso infectem uma célula juntamente com outro vírus. Já outros vírus, como o bacteriófago T4, os rabdovírus (como o vírus da raiva) e os poxvírus (como o vírus da varíola e o vírus vaccínia) apresentam mais de 200 nm e uma complexa estrutura genômica, que pode chegar, no caso dos poxvírus, a mais de 200 genes. O capsídeo protéico viral pode ou não ser envolvido por uma membrana lipídica. Esta membrana é, na verdade, uma bicamada de fosfolipídeos proveniente da membrana plasmática da célula hospedeira, que apresenta glicoproteínas codificadas pelo vírus em sua superfície. Os vírus que possuem essa membrana são denominados vírus envelopados, enquanto os vírus sem membrana são chamados não-envelopados /17/2004, 8:26 AM

9 A estrutura dos capsídeos virais Veja na Figura 17.6 imagens de microscopia eletrônica obtidas para vários vírus. Repare que os capsídeos apresentam sempre forma tubular ou esférica. De fato, os vírus de estrutura conhecida apresentam seu ácido nucléico contido em capsídeos cujas subunidades protéicas estão arranjadas simetricamente de forma helicoidal ou icosaédrica, como veremos a seguir. Figura 17.6: Imagens de microscopia eletrônica de vários capsídeos virais. Na década de 50, os estudos de Francis Crick e James Watson contribuíram enormemente para a compreensão da estrutura dos vírus. Estes cientistas propuseram que os capsídeos virais, sejam de vírus que infectam animais, sejam dos que infectam vegetais superiores ou, ainda, dos que infectam bactérias, consistiam em poliedros regulares. Como não é possível que um ácido nucléico codifique para uma proteína grande o bastante para envolvê-lo e protegê-lo, a informação genética contida no genoma viral é suficiente para codificar para uma proteína cuja massa molecular seja apenas uma fração da massa do capsídeo íntegro. Assim, é preciso que o capsídeo seja formado por muitas cópias de uma ou de poucas proteínas diferentes. Além disso, estas subunidades protéicas devem se reconhecer com precisão, formando uma interface exata de interações não-covalentes, uma vez que as partículas têm de se montar espontaneamente dentro da célula, a partir de seus componentes individuais. Desta forma, dois princípios básicos governam o arranjo das subunidades protéicas nos capsídeos virais: 1) o da economia genética os vírus são formados por poucos tipos protéicos; 2) e o da especificidade proteínas virais apresentam alto grau de reconhecimento. Francis Crick e James Watson. Estes pesquisadores ganharam o Prêmio Nobel por decifrarem a estrutura do DNA. Eles também contribuíram decisivamente para os estudos acerca da estrutura dos vírus /17/2004, 8:26 AM

10 BIOQUÍMICA I Estruturas supramoleculares: agregados protéicos e os vírus Economia genética e especificidade - princípios básicos que governam o arranjo das proteínas nos capsídeos virais. Você aprenderá mais sobre estas técnicas na disciplina Biologia Celular. Estes dois princípios implicam a ocorrência de estruturas de simetria, uma vez que padrões repetidos de partes idênticas levam a uma estrutura final simétrica. Assim, os capsídeos virais consistem em poliedros formados por subunidades simetricamente arranjadas. Na verdade, há apenas três poliedros simétricos cujos elementos constituintes são indistinguíveis entre si: o tetraedro, o cubo e o icosaedro. Dentre estes poliedros, o icosaedro é aquele que compreende o maior volume por subunidade, apresentando uma estrutura compatível com o número de subunidades necessárias para a formação de um capsídeo viral. De fato, outro cientista, chamado Paul Kaesberg, também na década de 50, analisando estudos de microscopia com sombreamento, difração de raios X e microscopia eletrônica (Figura 17.7), propôs que os vírus ditos "esféricos", estudados até então, na verdade eram icosaédricos, o que posteriormente se tornou evidente para todos os capsídeos protéicos dos vírus "esféricos". Figura 17.7: Microscopia eletrônica com sombreamento retirada do artigo de Paul Kaesberg (1956). A relação entre a estrutura das proteínas virais e a entrada dos vírus nas células hospedeiras A estrutura das proteínas virais e sua flexibilidade conformacional permitem aos vírus possam reconhecer sua célula hospedeira, à qual se ligam. A interação destas proteínas com a superfície celular desencadeia uma série de eventos que culminam com a entrada do vírus na célula e na exposição do genoma viral ao meio intracelular. Os mecanismos envolvidos neste processo variam muito de vírus para vírus. Na próxima aula analisaremos o processo de entrada de uma importante família de vírus os picornavírus da qual fazem parte vírus de grande importância médica, como o poliovírus, vírus causador da poliomielite, o FMDV (foot and /17/2004, 8:26 AM

11 mouth disease virus), vírus causador da febre aftosa, o rinovírus, vírus causador do resfriado comum, e o vírus da hepatite A. Em seguida, entenderemos as estratégias usadas pelos vírus envelopados, aqueles que possuem uma membrana lipídica em volta de seu capsídeo, para atingirem o interior de suas células hospedeiras. Para isso, usaremos como exemplo o HIV, o vírus que causa a AIDS. Resumo Nesta aula, você conheceu os vírus e descobriu como suas estruturas são diversas. Você aprendeu também que os capsídeos virais são poliedros regulares formados por subunidades protéicas arranjadas de forma simétrica, que envolvem o genoma viral. Exercícios e auto-avaliação A próxima aula será um estudo dirigido que tem como objetivo aplicar os conhecimentos adquiridos nesta aula acerca do papel das proteínas virais no processo de infecção. Assim, não teremos exercícios nesta aula. Aproveite seu tempo para reler a aula e fazer um pequeno resumo do que você aprendeu /17/2004, 8:26 AM

As bactérias operárias

As bactérias operárias A U A UL LA As bactérias operárias Na Aula 47 você viu a importância da insulina no nosso corpo e, na Aula 48, aprendeu como as células de nosso organismo produzem insulina e outras proteínas. As pessoas

Leia mais

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe!

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Aula: 2 Temática: Ácidos Nucléicos Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Introdução: Os ácidos nucléicos são as moléculas com a função de armazenamento e expressão da informação

Leia mais

ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS

ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS Aminoácidos ligam-se por ligações peptídicas = reação de condensação entre: OH do grupo carboxila de um aminoácido H do grupo amina do outro aminoácido ( liberação de uma molécula

Leia mais

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são Atividade extra Fascículo 2 Biologia Unidade 4 Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais

Leia mais

VÍRUS (complementar o estudo com as páginas 211-213 do livro texto)

VÍRUS (complementar o estudo com as páginas 211-213 do livro texto) COLÉGIO E CURSO INTELECTUS APOSTILA NOME: MAT.: Biologia I PROFº: EDUARDO SÉRIE: TURMA: DATA: VÍRUS (complementar o estudo com as páginas 211-213 do livro texto) Os vírus são os únicos organismos acelulares,

Leia mais

Replicação Quais as funções do DNA?

Replicação Quais as funções do DNA? Replicação Quais as funções do DNA? Aula nº 4 22/Set/08 Prof. Ana Reis Replicação O DNA é a molécula que contém a informação para todas as actividades da célula. Uma vez que as células se dividem, é necessário

Leia mais

INTRODUÇÃO À VIROLOGIA MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO VIRAL. Larissa dos Santos Professora Auxiliar de Virologia larissa.ss@gmail.com

INTRODUÇÃO À VIROLOGIA MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO VIRAL. Larissa dos Santos Professora Auxiliar de Virologia larissa.ss@gmail.com INTRODUÇÃO À VIROLOGIA MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO VIRAL Larissa dos Santos Professora Auxiliar de Virologia larissa.ss@gmail.com APRESENTAÇÃO Site: virologia UFF http://www.proac.uff.br/virologia/ Livros:

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X

DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X Disciplina: Engenharia de Proteínas Ma. Flávia Campos Freitas Vieira NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS PROTEÍNAS Fonte: Lehninger, 2010.

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

Bioinformática Aula 01

Bioinformática Aula 01 Bioinformática Aula 01 Prof. Ricardo Martins Ramos * * Doutorando em Genética e Toxicologia Aplicada CEFET-PI/ULBRA-RS Linha de Pesquisa Bioinformática Estrutural E-mail: ricardo@cefetpi.br Visão Holística

Leia mais

Projeto Genoma e Proteoma

Projeto Genoma e Proteoma Projeto Genoma e Proteoma Grupo 3: *Artur S. Nascimento *Bárbara S. Costa *Beatrice Barbosa *Tamyres S. E. Guimarães *Yara Cavalcante O que é genoma? O genoma é o conjunto de todo o material genético que

Leia mais

Bases Moleculares da Hereditariedade

Bases Moleculares da Hereditariedade UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROG. DE PÓS GRAD. EM GENET. E MELHORAMENTO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GENET. E MELHORAMENTO Bases Moleculares da Hereditariedade Ministrante: João Paulo

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

As proteínas transportadoras

As proteínas transportadoras As proteínas transportadoras 10 A U L A objetivos Ao final desta aula, você deverá compreender o que são: Proteínas transportadoras: carreadores e canais. Aquaporinas. Biologia Celular As proteínas transportadoras

Leia mais

BIOFÍSICA DAS RADIAÇÕES IONIZANTES

BIOFÍSICA DAS RADIAÇÕES IONIZANTES BIOFÍSICA DAS RADIAÇÕES IONIZANTES DANOS RADIOINDUZIDOS NA MOLÉCULA DE DNA Por ser responsável pela codificação da estrutura molecular de todas as enzimas da células, o DNA passa a ser a molécula chave

Leia mais

A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o

A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o 1 A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o capsídeo de um vírion é denominado de nucleocapsídeo.

Leia mais

TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático)

TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático) TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático) VIRUS CONCEITOS E DEFINIÇÕES Características: 1. Não têm estrutura celular, mas multiplicam-se»

Leia mais

Painéis Do Organismo ao Genoma

Painéis Do Organismo ao Genoma Painéis Do Organismo ao Genoma A série de 5 painéis do organismo ao genoma tem por objetivo mostrar que os organismos vivos são formados por células que funcionam de acordo com instruções contidas no DNA,

Leia mais

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR) Uma das dificuldades dos pesquisadores frente à análise baseada no DNA é a escassez deste. Na medicina forense pode-se ter

Leia mais

Esse raciocínio é correto e não serve apenas para a espécie humana. Todas as espécies de seres vivos realizam a reprodução para a continuação da vida.

Esse raciocínio é correto e não serve apenas para a espécie humana. Todas as espécies de seres vivos realizam a reprodução para a continuação da vida. Você sabe qual é a importância da reprodução humana? Se alguém lhe perguntasse isso você responderia rapidamente: Para a manutenção ou perpetuação da espécie. Esse raciocínio é correto e não serve apenas

Leia mais

> ESTUDO DO RNA. (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes.

> ESTUDO DO RNA. (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes. Biologia > Citologia > Sintese Protéica > Alunos Prof. Zell (biologia) (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes. > ESTUDO

Leia mais

O fluxo da informação é unidirecional

O fluxo da informação é unidirecional Curso - Psicologia Disciplina: Genética Humana e Evolução Resumo Aula 3- Transcrição e Tradução Dogma central TRANSCRIÇÃO DO DNA O fluxo da informação é unidirecional Processo pelo qual uma molécula de

Leia mais

VIRUS O QUE SÃO VIRUS São as menores entidades biológicas: têm DNA e proteínas. Medem entre 15 e 300 nm. São seres acelulares: São parasitas intracelulares obrigatórios: Só se reproduzem dentro de células.

Leia mais

O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS? QUAL A FUNÇÃO BIOLÓGICA DE CADA UMA?

O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS? QUAL A FUNÇÃO BIOLÓGICA DE CADA UMA? O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS ORGÂNICAS? O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS? QUAL A FUNÇÃO BIOLÓGICA DE CADA UMA? SUBSTÂNCIAS ORGÂNICAS: CARBONO, HIDROGÊNIO, OXIGÊNIO E NITROGÊNIO FORMAM CADEIAS LONGAS E COMPLEXAS

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html VÍRUS Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html RESUMO -Os vírus não pertencem a nenhum reino específico, são estudados como um caso à parte. -Os vírus são

Leia mais

VÍRUS. DISCIPLINA: BIOLOGIA http://danutaw.webnode.com.br

VÍRUS. DISCIPLINA: BIOLOGIA http://danutaw.webnode.com.br VÍRUS DISCIPLINA: BIOLOGIA 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS VÍRUS - 20 a 300 nm; Micrômetro Nanômetro UNIDADE REPRESENTAÇÃO / VALOR 1 μm = 0,001 milímetro 1 nm = 0,001 micrômetro - Ácido nucléico + proteína

Leia mais

Vírus - conceito (Enciclopédia Britânica)

Vírus - conceito (Enciclopédia Britânica) Vírus - conceito (Enciclopédia Britânica) Partículas infecciosas de tamanho pequeno e composição simples que multiplicam-se somente em células vivas (animais, plantas, insetos, peixes, bactérias, etc)

Leia mais

Por outro lado, na avaliação citológica e tecidual, o câncer tem seis fases, conhecidas por fases biológicas do câncer, conforme se segue:

Por outro lado, na avaliação citológica e tecidual, o câncer tem seis fases, conhecidas por fases biológicas do câncer, conforme se segue: 8 - O câncer também tem fases de desenvolvimento? Sim, o câncer tem fases de desenvolvimento que podem ser avaliadas de diferentes formas. Na avaliação clínica feita por médicos é possível identificar

Leia mais

Introdução à Bioinformática. Prof. IVAné@

Introdução à Bioinformática. Prof. IVAné@ Introdução à Bioinformática Prof. IVAné@ Bioinformática União da ciência da computação com a biologia molecular É uma área nova Há 10 anos atrás o termo nem existia Depois da descoberta de Watson e Crick

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DOENÇA DE PRÍON: CREUTZFELDT-JAKOB CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS AUTOR(ES):

Leia mais

Princípios moleculares dos processos fisiológicos

Princípios moleculares dos processos fisiológicos 2012-04-30 UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aula 5: Princípios moleculares dos processos fisiológicos (Fisiologia Vegetal, Ano

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz MEDICINA VETERINÁRIA Disciplina: Genética Animal Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz Gene, é a unidade fundamental da hereditariedade. Cada gene é formado por uma sequência específica de ácidos nucléicos

Leia mais

Equipe de Biologia. Biologia

Equipe de Biologia. Biologia Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Ácidos nucléicos Os ácidos nucléicos são moléculas gigantes (macromoléculas), formadas por unidades monoméricas menores

Leia mais

Estrutura e função dos ácidos nucléicos. Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva

Estrutura e função dos ácidos nucléicos. Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva Estrutura e função dos ácidos nucléicos Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva > Polímeros de nucleotídeos Funções: DNA (ácido desoxirribonucléico) : > Armazenar as informações necessárias para a construção

Leia mais

A descoberta da célula

A descoberta da célula A descoberta da célula O que são células? As células são a unidade fundamental da vida CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula, no que diz respeito à sua estrutura e funcionamento. Kytos (célula)

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS ECOLOGIA GERAL Aula 05 Aula de hoje: FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS Sabemos que todos os organismos necessitam de energia para se manterem vivos, crescerem, se reproduzirem e, no caso

Leia mais

A natureza química do material genético Miescher nucleínas. ácidos nucleicos. ácido desoxirribonucleico ácido ribonucleico Avery MacLeod McCarty

A natureza química do material genético Miescher nucleínas. ácidos nucleicos. ácido desoxirribonucleico ácido ribonucleico Avery MacLeod McCarty UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL COLÉGIO DE APLICAÇÃO Departamento de Ciências Exatas e da Natureza Disciplina: Biologia Professora: Lauren Valentim A natureza química do material genético A natureza

Leia mais

AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS

AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS Apesar da diversidade entre os seres vivos, todos guardam muitas semelhanças, pois apresentam material genético (DNA) em que são encontradas todas as informações

Leia mais

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS Prof.Dr. Paulo Cesar Naoum Diretor da Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP Sob este título o leitor poderá ter duas interpretações

Leia mais

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia Transformações Bioquímicas (BC0308) Prof Luciano Puzer http://professor.ufabc.edu.br/~luciano.puzer/ Propriedades e funções de proteínas: Mioglobina / Hemoglobina

Leia mais

Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos

Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos A U L A Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos Introdução Você já sabe que peças da área da Mecânica têm formas e elementos variados. Algumas apresentam rebaixos, outras rasgos,

Leia mais

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica A U L A 3 Metas da aula Descrever a experiência de interferência por uma fenda dupla com elétrons, na qual a trajetória destes

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 10

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 10 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 10 Índice 1. A Organização do Computador - Continuação...3 1.1. Memória Primária - II... 3 1.1.1. Memória cache... 3 1.2. Memória Secundária... 3 1.2.1. Hierarquias de

Leia mais

Professor Fernando Stuchi M ETABOLISMO DE C ONSTRUÇÃO

Professor Fernando Stuchi M ETABOLISMO DE C ONSTRUÇÃO M ETABOLISMO DE C ONSTRUÇÃO P ROTEÍNAS P ROPRIEDADE BÁSICA São grandes moléculas (macromoléculas) constituídas por aminoácidos, através de ligações peptídicas. É o composto orgânico mais abundante no corpo

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com ÁCIDOS NUCLEICOS ÁCIDOS NUCLÉICOS: são substâncias formadoras de genes, constituídas por um grande

Leia mais

4 Segmentação. 4.1. Algoritmo proposto

4 Segmentação. 4.1. Algoritmo proposto 4 Segmentação Este capítulo apresenta primeiramente o algoritmo proposto para a segmentação do áudio em detalhes. Em seguida, são analisadas as inovações apresentadas. É importante mencionar que as mudanças

Leia mais

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO)

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Parte: 1 Prof. Cristóvão Cunha Objetivos de aprendizagem

Leia mais

Resposta: Interbits SuperPro Web

Resposta: Interbits SuperPro Web 1. (Fuvest 2012) Uma mutação, responsável por uma doença sanguínea, foi identificada numa família. Abaixo estão representadas sequências de bases nitrogenadas, normal e mutante; nelas estão destacados

Leia mais

Utilizando a ferramenta de criação de aulas

Utilizando a ferramenta de criação de aulas http://portaldoprofessor.mec.gov.br/ 04 Roteiro Utilizando a ferramenta de criação de aulas Ministério da Educação Utilizando a ferramenta de criação de aulas Para criar uma sugestão de aula é necessário

Leia mais

Cuidando da Minha Criança com Aids

Cuidando da Minha Criança com Aids Cuidando da Minha Criança com Aids O que é aids/hiv? A aids atinge também as crianças? Como a criança se infecta com o vírus da aids? Que tipo de alimentação devo dar ao meu bebê? Devo amamentar meu bebê

Leia mais

Módulo Intérfase. Tarefa de Fixação 1) Analise o esquema a seguir e depois RESPONDA as questões propostas.

Módulo Intérfase. Tarefa de Fixação 1) Analise o esquema a seguir e depois RESPONDA as questões propostas. Módulo Intérfase Exercícios de Aula 1) A interfase é a fase em que ocorre o repouso celular. A afirmativa está: a) correta, porque praticamente não há atividade metabólica celular. b) correta, pois ocorrem

Leia mais

O conceito de probabilidade

O conceito de probabilidade A UA UL LA O conceito de probabilidade Introdução Nesta aula daremos início ao estudo da probabilidades. Quando usamos probabilidades? Ouvimos falar desse assunto em situações como: a probabilidade de

Leia mais

5 Equacionando os problemas

5 Equacionando os problemas A UA UL LA Equacionando os problemas Introdução Nossa aula começará com um quebra- cabeça de mesa de bar - para você tentar resolver agora. Observe esta figura feita com palitos de fósforo. Mova de lugar

Leia mais

Dra. Maria Izabel Gallão. Matriz Extracelular

Dra. Maria Izabel Gallão. Matriz Extracelular Matriz Extracelular - a matriz extracelular (MEC) corresponde aos complexos macromoleculares relativamente estáveis, formados por moléculas de diferentes naturezas que são produzidas, exportadas e complexadas

Leia mais

Ferrarezi News. Setembro/2015. News. Ferrarezi. Onda de virose? Tudo é Virose? Programa - PRO Mamãe & Bebê. Depressão

Ferrarezi News. Setembro/2015. News. Ferrarezi. Onda de virose? Tudo é Virose? Programa - PRO Mamãe & Bebê. Depressão Setembro/2015 3 Onda de virose? 6 Tudo é Virose? 10 Programa - PRO Mamãe & Bebê 11 Depressão Setembro/2015 Onda de virose? O virologista Celso Granato esclarece Ouço muita gente falar em virose. Procurei

Leia mais

DICAS DE SAÚDE Proteja sua família

DICAS DE SAÚDE Proteja sua família DICAS DE SAÚDE Proteja sua família Elaborado: Apoio: Saúde e o Sistema Imunológico Saber como o organismo combate os agressores e se protege, assim como conhecer os fatores que o levam a um funcionamento

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ==============================================================================================

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== PROFESSOR: Leonardo Mariscal BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== Ácidos Nucleicos 01- Os

Leia mais

BASES MACROMOLECULARES DA CONSTITUIÇÃO CELULAR

BASES MACROMOLECULARES DA CONSTITUIÇÃO CELULAR BASES MACROMOLECULARES DA CONSTITUIÇÃO CELULAR As moléculas que constituem as células são formadas pelos mesmos átomos encontrados nos seres inanimados. Todavia, na origem e evolução das células, alguns

Leia mais

Exercícios de Monera e Principais Bacterioses

Exercícios de Monera e Principais Bacterioses Exercícios de Monera e Principais Bacterioses 1. (Fuvest) O organismo A é um parasita intracelular constituído por uma cápsula protéica que envolve a molécula de ácido nucléico. O organismo B tem uma membrana

Leia mais

A patroa quer emagrecer

A patroa quer emagrecer A patroa quer emagrecer A UU L AL A Andando pela rua, você passa em frente a uma farmácia e resolve entrar para conferir seu peso na balança. E aí vem aquela surpresa: uns quilinhos a mais, ou, em outros

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

3 Classificação. 3.1. Resumo do algoritmo proposto

3 Classificação. 3.1. Resumo do algoritmo proposto 3 Classificação Este capítulo apresenta primeiramente o algoritmo proposto para a classificação de áudio codificado em MPEG-1 Layer 2 em detalhes. Em seguida, são analisadas as inovações apresentadas.

Leia mais

o hemofílico. Meu filho também será?

o hemofílico. Meu filho também será? A U A UL LA Sou hemofílico. Meu filho também será? Nas aulas anteriores, você estudou alguns casos de herança genética, tanto no homem quanto em outros animais. Nesta aula, analisaremos a herança da hemofilia.

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

Documento Explicativo

Documento Explicativo Decisão de Preço do Suco de Laranja 13 de junho de 2013 Visão Geral O Comitê de Critérios tomou uma decisão em relação ao projeto de Revisão de Preços do Suco de Laranja. O resultado disso é que novos

Leia mais

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia Computacional e Sistemas. Seleção de Mestrado 2012-B

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia Computacional e Sistemas. Seleção de Mestrado 2012-B Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia Computacional e Sistemas Seleção de Mestrado 2012-B INSTRUÇÕES (LEIA ATENTAMENTE ANTES DE PREENCHER A PROVA): a. Identifique sua prova unicamente com

Leia mais

Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio

Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio 1. Substitua as palavras destacadas (ou mesmo aquelas que não estejam), de forma que os fragmentos abaixo fiquem mais elegantes, conforme à língua

Leia mais

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe!

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Aula: 31 Temática: Vitaminas parte I Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Introdução O termo vitamina refere-se a um fator dietético essencial requerido por um organismo em

Leia mais

Sistemas Críticos. Resumo do Cap.3 por Rossana M. C. Andrade. 2007 by Pearson Education

Sistemas Críticos. Resumo do Cap.3 por Rossana M. C. Andrade. 2007 by Pearson Education Sistemas Críticos Resumo do Cap.3 por Rossana M. C. Andrade Objetivos Explicar o que significa um sistema crítico, e onde a falha de sistema pode ter conseqüência severa humana ou econômica. Explicar quatro

Leia mais

objetivos Complexidade dos genomas II AULA Pré-requisitos

objetivos Complexidade dos genomas II AULA Pré-requisitos Complexidade dos genomas II AULA 31 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Explicar os fatores envolvidos com a complexidade dos genomas de eucariotos. Descrever as principais características

Leia mais

MOTIVAÇÃO PESSOAL E PROFISSIONAL

MOTIVAÇÃO PESSOAL E PROFISSIONAL MOTIVAÇÃO PESSOAL E PROFISSIONAL Eduardo Bianchi MOTIVAÇÃO PESSOAL E PROFISSIONAL Primeira Edição São Paulo 2012 Sumário A Importância da Motivação...7 As Formas de Manifestação da Motivação...9 As Causas

Leia mais

IESA-ESTUDO DIRIGIDO 1º SEMESTRE 8º ANO - MANHÃ E TARDE- DISCIPLINA: CIÊNCIAS PROFESSORAS: CELIDE E IGNÊS. Aluno(a): Turma:

IESA-ESTUDO DIRIGIDO 1º SEMESTRE 8º ANO - MANHÃ E TARDE- DISCIPLINA: CIÊNCIAS PROFESSORAS: CELIDE E IGNÊS. Aluno(a): Turma: IESA-ESTUDO DIRIGIDO 1º SEMESTRE 8º ANO - MANHÃ E TARDE- DISCIPLINA: CIÊNCIAS PROFESSORAS: CELIDE E IGNÊS Aluno(a): Turma: Querido (a) aluno (a), Este estudo dirigido foi realizado para que você revise

Leia mais

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Células e Membranas As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Organelas são compartimentos celulares limitados por membranas A membrana plasmática é por si só uma organela.

Leia mais

TIPOS DE BRINCADEIRAS E COMO AJUDAR A CRIANÇA BRINCAR

TIPOS DE BRINCADEIRAS E COMO AJUDAR A CRIANÇA BRINCAR TIPOS DE BRINCADEIRAS E COMO AJUDAR A CRIANÇA BRINCAR As crianças precisam atravessar diversos estágios no aprendizado de brincar em conjunto, antes de serem capazes de aproveitar as brincadeiras de grupo.

Leia mais

O processo fisiológico que está representado no gráfico é

O processo fisiológico que está representado no gráfico é Questão 01) Analise o gráfico a seguir. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2014. O processo fisiológico que está representado no gráfico é a) o efeito do aumento

Leia mais

ESTRUTURA DOS VÍRUSV

ESTRUTURA DOS VÍRUSV Departamento de Microbiologia Disciplina de Virologia Básica ESTRUTURA DOS VÍRUSV Fabrício Souza Campos Mestrando do PPG em Microbiologia Agrícola e do Ambiente Adaptado Prof. Dr. Paulo Roehe EXISTEM VÍRUS

Leia mais

unidade básica da vida

unidade básica da vida unidade básica da vida Na hierarquia de organização da vida, a célula ocupa um lugar particular, pois constitui a mais pequena unidade estrutural e funcional em que as propriedades da vida se manifestam.

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 3

7.012 Conjunto de Problemas 3 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 3 Data estelar 7.012.10.4.00 Diário Pessoal do Oficial Médico Responsável do USS Hackerprise Depois de voltar de uma missão em Europa, Noslen, um dos membros da tripulação,

Leia mais

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Síndrome de Down - Parte I

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Síndrome de Down - Parte I Síndrome de Down - Parte I Conteúdos: Tempo: Síndrome de Down 5 minutos Objetivos: Auxiliar o aluno na compreensão do que é síndrome de Down Descrição: Produções Relacionadas: Neste programa de Biologia

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

Voluntário em Pesquisa: informe-se para decidir! Qual documento garante que os meus direitos serão respeitados?

Voluntário em Pesquisa: informe-se para decidir! Qual documento garante que os meus direitos serão respeitados? Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde Voluntário em Pesquisa: O que é uma pesquisa, afinal de contas? Eu, um sujeito de pesquisa? Qual documento garante que os meus direitos serão respeitados?

Leia mais

O mundo à nossa volta é povoado de formas as mais variadas tanto nos elementos da natureza como nos de objetos construídos pelo homem.

O mundo à nossa volta é povoado de formas as mais variadas tanto nos elementos da natureza como nos de objetos construídos pelo homem. TRIDIMENSIONALIDADE O mundo à nossa volta é povoado de formas as mais variadas tanto nos elementos da natureza como nos de objetos construídos pelo homem. As formas tridimensionais são aquelas que têm

Leia mais

Áudio GUIA DO PROFESSOR. Idéias evolucionistas e evolução biológica

Áudio GUIA DO PROFESSOR. Idéias evolucionistas e evolução biológica Teoria sintética da evolução Parte II Conteúdos: Tempo: Objetivos: Idéias evolucionistas e evolução biológica Duração do áudio 5 minutos O objetivo deste programa é tratar das idéias neodarwinistas e mostrar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR ESTUDO DIRIGIDO FLUXO DA INFORMAÇÃO GÊNICA págs:

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Atividade 3 os anos Marcos/Juliano ago/09

Atividade 3 os anos Marcos/Juliano ago/09 Biologia Atividade 3 os anos Marcos/Juliano ago/09 Nome: Nº: Turma: Caríssimas e caríssimos! Dando continuidade ao nosso trabalho, mantida a distância corporal entre nós (prevenção), mas preservada a lembrança

Leia mais

Avanços na transparência

Avanços na transparência Avanços na transparência A Capes está avançando não apenas na questão dos indicadores, como vimos nas semanas anteriores, mas também na transparência do sistema. Este assunto será explicado aqui, com ênfase

Leia mais

Pesquisa Etnográfica

Pesquisa Etnográfica Pesquisa Etnográfica Pesquisa etnográfica Frequentemente, as fontes de dados têm dificuldade em dar informações realmente significativas sobre a vida das pessoas. A pesquisa etnográfica é um processo pelo

Leia mais

Entendendo como funciona o NAT

Entendendo como funciona o NAT Entendendo como funciona o NAT Vamos inicialmente entender exatamente qual a função do NAT e em que situações ele é indicado. O NAT surgiu como uma alternativa real para o problema de falta de endereços

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

Correlação e Regressão Linear

Correlação e Regressão Linear Correlação e Regressão Linear A medida de correlação é o tipo de medida que se usa quando se quer saber se duas variáveis possuem algum tipo de relação, de maneira que quando uma varia a outra varia também.

Leia mais

EXERCÍCIOS DE CIÊNCIAS (7 ANO)

EXERCÍCIOS DE CIÊNCIAS (7 ANO) EXERCÍCIOS DE CIÊNCIAS (7 ANO) 1- Uma das etapas do ciclo de vida é o processo da reprodução. O comportamento reprodutivo varia muito entre os seres vivos e é por meio dele que uma espécie de ser vivo

Leia mais

Água e Solução Tampão

Água e Solução Tampão União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Água e Solução Tampão Prof. Dra. Narlize Silva Lira Cavalcante Fevereiro /2015 Água A água é a substância

Leia mais

A importância do tratamento contra a aids

A importância do tratamento contra a aids dicas POSITHIVAS A importância do tratamento contra a aids Por que tomar os medicamentos (o coquetel) contra o HIV? A aids é uma doença que ainda não tem cura, mas tem tratamento. Tomando os remédios corretamente,

Leia mais

Exercício 2 DNA e Eletroforese

Exercício 2 DNA e Eletroforese Exercício 2 DNA e Eletroforese Você já aprendeu sobre as enzimas de restrição e como elas clivam o DNA em fragmentos. Você também deve ter notado que, em alguns mapas de restrição, uma enzima pode produzir

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Estrutura do IP... 3 1.3 Tipos de IP... 3 1.4 Classes de IP... 4 1.5 Máscara de Sub-Rede... 6 1.6 Atribuindo um IP ao computador... 7 2

Leia mais

DNA: Passado, Presente e Futuro

DNA: Passado, Presente e Futuro DNA: Passado, Presente e Futuro O passado O modelo do DNA que hoje nos é tão familiar foi divulgado em abril de 1953 na revista científica Nature pelos cientistas James Watson e Francis Crick. Eles afirmaram

Leia mais