VIII Jornada de Estágio de Serviço Social VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE COMO CAMPO DE ESTÁGIO PARA O SERVIÇO SOCIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIII Jornada de Estágio de Serviço Social VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE COMO CAMPO DE ESTÁGIO PARA O SERVIÇO SOCIAL"

Transcrição

1 VIII Jornada de Estágio de Serviço Social VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE COMO CAMPO DE ESTÁGIO PARA O SERVIÇO SOCIAL ALMEIDA, Mayara Rodrigues 1 ARAÚJO, Sâmela Keren de Carvalho 2 CARVALHO, Sherryl Cristina 3 GOES, Liriane Pires de 4 LUZ, Flávia Bueno da 5 MALAINE, Andréa do Rocio 6 ELACHE, Sônia Maia 7 PITELA, Célia Regina G. 8 PINTO, Roseni Inês Marconato 9 TRENTINI, Fabiana Vosgerau 10 Resumo: As atividades das profissionais e estagiárias junto a Vara da Infância e da Juventude se desenvolvem cumprindo os preceitos estabelecidos no Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA. As ações das assistentes sociais e das estagiárias visam a operacionalização de direitos, a compreensão dos fenômenos em suas expressões particulares e as suas inter-relações com o sistema judiciário. O trabalho dos profissionais e estagiárias desenvolve-se junto ao Serviço Auxiliar da Infância - SAI, que foi criado para fornecer suporte à Vara da Infância e Juventude, de acordo com suas competências preconizadas no ECA. A principal demanda atendida neste setor pelo Serviço Social advêm de crianças e adolescentes em situação de acolhimento institucional, acompanhamento em casos de reinserção no contexto familiar, adoção e crianças/adolescentes que sofrem situações de vulnerabilidades As ações dos profissionais de Serviço Social desenvolvem-se de maneira a priorizar o bem estar da criança e ou adolescente, garantindo o acesso a seus direitos, especialmente o direito à convivência familiar e comunitária, priorizando o retorno a família de origem ou em última instância a colocação em família substituta. Para tanto, o profissional assistente social utiliza diversos instrumentais cabíveis a cada ação, como visita domiciliar, entrevista, relatório, dentre outros. Palavras-Chave: Serviço Social; Adoção; Acolhimento Institucional. 1 Acadêmica do 3º Ano do Curso Serviço Social UEPG. 2 Acadêmica do 3º Ano do Curso Serviço Social UEPG. 3 Acadêmica do 4º Ano do Curso Serviço Social UEPG. 4 Acadêmica do 3º Ano do Curso Serviço Social UEPG. 5 Acadêmica do 4º Ano do Curso Serviço Social UEPG. 6 Acadêmica do 3º Ano do Curso Serviço Social UEPG. 7 Graduada em Serviço Social pela UEPG 8 Graduada em Serviço Social pela UEPG 9 Professora do Dep. de Serviço Social e Mestre em Ciências Sociais Aplicadas - UEPG 10 Professora do Dep. de Serviço Social e Mestre em Ciências Sociais Aplicadas - UEPG

2 Introdução A elaboração deste trabalho tem o objetivo de apresentar o campo de estágio junto a Vara da Infância e da Juventude como espaço de estágio para acadêmicos do curso de Serviço Social e também expor informações referentes ao Serviço Auxiliar da Infância - SAI, presente neste campo de estágio, o que consequentemente, possibilitou novas áreas de atuação para o assistente social. A Vara da Infância e da Juventude realiza um trabalho conjunto com o SAI, onde o profissional atua, visando à garantia dos direitos das crianças e adolescentes, estabelecidos pelo ECA. Contextualização do Campo de Estágio Identificação do Campo: Fórum Estadual Desembargador Joaquim Ferreira Guimarães da Comarca de Ponta Grossa. Endereço: Rua Leopoldo da Cunha, 590, Oficinas, Ponta Grossa - Paraná. Telefone: (42) Site: Supervisoras de Campo: Sônia Maia Elache e Célia Regina G.Pitela Número do CRESS: 0748 e e SAI Serviço Auxiliar da Infância e Juventude O SAI - Serviço Auxiliar da Infância e Juventude surgiu a partir do Decreto Judiciário nº 1057, de 09 de dezembro de 1991, com atuação junto a Vara da Infância e Juventude e está diretamente subordinado ao Corregedor de Justiça. De acordo com a regulamentação do SAI, tem função de assessorar a Justiça da Vara da Infância e Juventude, atendendo ao Juiz de Direito competente, no desempenho de suas funções e atribuições, previstos pelo ECA. Segundo o ECA, mais especificamente no Art. 151, o SAI deve ser formado por uma equipe interprofissional e cabe a esta equipe fornecer subsídios por escrito, através de laudos e/ou verbalmente, orientar, encaminhar, entre outras ações subordinadas à autoridade judiciária, levando-se em consideração o parecer técnico. O assistente social desenvolve suas atividades junto ao SAI visando atender os preceitos preconizados pelo ECA. Esta intervenção do profissional deve possuir sempre um embasamento teórico. Na prática profissional utiliza instrumentais como

3 a visita domiciliar, entrevista, encaminhamento, relatório, parecer social, dentre outros. Com conhecimento específico, o assistente social contribui para a criação de novas alternativas de ação no campo jurídico. A prática deve ser vista através da operacionalização de direitos, de compreensão dos fenômenos em suas expressões particulares e as suas inter-relações com o sistema de justiça. O SAI tem como demanda crianças e adolescentes que sofrem situações de vulnerabilidades como violência física, abuso sexual, negligencia ou abandono material. O público alvo são crianças e adolescentes com medidas de orientação e acompanhamento temporário bem como seus familiares, indivíduos pretendentes à adoção, equipe técnica e funcionários das entidades de abrigo. Atualmente, o SAI da Comarca de Ponta Grossa conta com o seguinte quadro de funcionários: cinco assistentes sociais, duas comissárias, dois psicólogos, duas agentes sociais, seis estagiárias de serviço social e um motorista. Atribuições do Serviço Social O profissional de Serviço Social possui a função de realizar leitura e análise dos autos, estabelecer contatos com a comunidade em geral, acompanhar e tomar providências quanto ao andamento dos processos, encaminhar ofícios, realizar encaminhamentos, informações e declarações. O Serviço Social, no caso da adoção, deve realizar o processo de forma a garantir o melhor para a criança e para a família que pretende adotar. Deve pautar-se pela desconstrução de noções estereotipadas ou meramente caritativas sobre a adoção, reforçando a cidadania, a singularidade e a identidade da criança, que é a prioridade. De acordo com MARTINS (2001) o assistente social deve oferecer subsídios ao estudo de casos, utilizando os instrumentais: orientação, encaminhamento, visita domiciliar, parecer social, relatório, entre outros; baseando-se sempre no ECA. Compete ao profissional, orientar os requerentes à habilitação para adoção, sobre os procedimentos para concretizar a adoção. Realizar estudo socioeconômico do casal, utilizando-se de alguns instrumentais como entrevistas e visitas domiciliares, conhecendo também as pretensões dos pretendentes quanto à criança desejada.

4 Após este estudo, deve elaborar um relatório com o seu parecer, que possibilitará direcionamento ao juiz, quanto seu parecer final, habilitando ou não os pretendentes. Quando a habilitação for concedida, cabe ao assistente social inserilos na listagem de pretendentes e no Cadastro Nacional de Adoção (CNA), comunicando-os de tais procedimentos. Quanto a crianças e adolescentes em situação de acolhimento institucional, cabe ao assistente social buscar a reinserção dos mesmos em suas famílias de origem. A destituição do poder familiar e a possível colocação em família substituta entendida enquanto última alternativa. Quando a criança e ou adolescente for colocada em família substituta, o assistente social deve realizar o acompanhamento da família, a fim de verificar a adaptação da criança/adolescente a este novo contexto. O assistente social deve intervir de maneira eficiente, visando sempre o bem-estar social dos adotantes e dos adotados, para que o direito da criança ou adolescente de ter uma família seja efetivado. Para melhor intervenção, utilizam-se de instrumentais como: entrevistas, visitas domiciliares, encaminhamentos sociais, estudo social, acompanhamentos de casos, documentação, averiguação de denúncias, investigação, abordagem individual, escuta ativa e qualificada, orientação, informação, dentre outras. Projetos de Intervenção O Projeto de intervenção Capacitação para profissionais de Serviço Social das entidades de abrigo, junto a Vara da Infância e da Juventude prevê a criação de uma portaria (92), que visa estabelecer meios para uma relação mais eficaz entre o SAI e as entidades de acolhimento institucional de Ponta Grossa, visto a dificuldade que a equipe encontra no repasse de informações por parte das entidades. São realizados contatos e palestras para as profissionais da área, a fim de repassar informações e orientações acerca do Art. 92 do Estatuto da Criança e do Adolescente. Para tal, contamos com a colaboração da supervisora do campo. Também está em desenvolvimento pela Vara da Infância e da Juventude o Projeto de Intervenção Valorizando a Mãe Social.

5 Observando as dificuldades que as entidades têm em estabelecer relações duradouras com as mães sociais, o projeto visa a capacitação dessas mães, diminuindo a rotatividade das mesmas, para que as crianças não vivenciem com frequência a experiência de separação, pois a mãe social é uma figura de referência para as crianças. A realização do projeto visa propiciar uma capacitação das mães sociais, dentro da entidade abrigo, proporcionando uma qualificação do trabalho das mesmas junto com as crianças e adolescentes; orientar sobre a importância fundamental do papel da mãe social na dinâmica da instituição. A entidade selecionada foi a Instituição de Acolhimento Protetor Aldeia Espírita da Criança Dr. David Federmann Serão elaboradas dinâmicas e rodas de conversa, com espaços para discussão de aspectos relevantes no cotidiano dessas mulheres, bem como reflexão do trabalho realizado. Pretende-se também trabalhar questões referentes a autoestima para que elas se sintam realmente valorizadas, desenvolvendo com amor e responsabilidade suas funções. Todas as atividades serão acompanhadas pelas supervisoras de campo. Referências Bibliográficas ARQUIVOS E DOCUMENTAÇÕES, do Serviço Auxiliar da Infância e Juventude. BRASIL, Estatuto da Criança e do Adolescente. Curitiba: Imprensa Oficial do Estado, Disponível em: &scrip t=sci_arttext Acesso em 30 de agosto de 2012 MARTINS, Ângela Maria De Vilhena. A Adoção E A Intervenção Do Assistente Social Numa Decisão Irrevogável Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade da Amazônia.

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NO PROCESSO DE ADOÇÃO NO SERVIÇO AUXILIAR DA INFÂNCIA E JUVENTUDE DE PONTA GROSSA-PR

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NO PROCESSO DE ADOÇÃO NO SERVIÇO AUXILIAR DA INFÂNCIA E JUVENTUDE DE PONTA GROSSA-PR A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NO PROCESSO DE ADOÇÃO NO SERVIÇO AUXILIAR DA INFÂNCIA E JUVENTUDE DE PONTA GROSSA-PR BARROS, Fabiéli Barbosa Figueira de (supervisora), e-mail: fbfb@tjpr.jus.br

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria 1 BONOMETO, Tatiane Caroline 2 TRENTINI, Fabiana Vosgerau 3 Apresentador (es): Claudia

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ATUAÇÃO DO

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 Disciplina a Política Municipal de Enfrentamento à Violência Sexual e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR.

VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR. VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR. Resumo: CARNEIRO, Alana Caroline 1. SIVEIRA, Adriane 2. SOUZA,

Leia mais

Palavras-chave: adolescente, risco pessoal, prática profissional

Palavras-chave: adolescente, risco pessoal, prática profissional PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL E ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL NA CASA SANTA LUIZA DE MARILLAC. SOMER, Diana Galone (estagio I), e-mail: dianassomer@gmail.com BOMFATI, Adriana (supervisor), e-mail:

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

LEI Nº. 1917 LEI. Art. 2º. O Programa será vinculado ao Departamento Municipal de Ação Social e tem por objetivos:

LEI Nº. 1917 LEI. Art. 2º. O Programa será vinculado ao Departamento Municipal de Ação Social e tem por objetivos: LEI Nº. 1917 SÚMULA: Institui o Programa de Guarda Subsidiada de Crianças e Adolescentes, denominado "Programa Família Acolhedora e dá outras providências. A Câmara Municipal de Palmas, Estado do Paraná,

Leia mais

VARAS DE FAMÍLIA ESPAÇO DE PRÁTICA PROFISSIONAL PARA O SERVIÇO SOCIAL

VARAS DE FAMÍLIA ESPAÇO DE PRÁTICA PROFISSIONAL PARA O SERVIÇO SOCIAL VARAS DE FAMÍLIA ESPAÇO DE PRÁTICA PROFISSIONAL PARA O SERVIÇO SOCIAL BARROS, Maria Angélica Mercer de. (Supervisora de campo), e-mail: mamb@tjpr.jus.br HOLLZMANN, Liza (Supervisora Acadêmica), e-mail:

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Padrinhos Acolhedores

Mostra de Projetos 2011. Padrinhos Acolhedores Mostra de Projetos 2011 Padrinhos Acolhedores Mostra Local de: Dois Vizinhos Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal de

Leia mais

Projeto de Lei Municipal dispondo sobre programa de guarda subsidiada

Projeto de Lei Municipal dispondo sobre programa de guarda subsidiada Projeto de Lei Municipal dispondo sobre programa de guarda subsidiada LEI Nº..., DE... DE... DE... 1. Dispõe sobre Programa de Guarda Subsidiada para Crianças e Adolescentes em situação de risco social

Leia mais

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Prezada, NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Florianópolis, 18 de abril de 2012. Interessados: Secretarias

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DO DEFICIENTE VISUAL - APADEVI

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DO DEFICIENTE VISUAL - APADEVI VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DO DEFICIENTE VISUAL - APADEVI RUDNIK, Jéssica Abreu 1 SCHMITKE, Joclena do Rocio 2 SCHONS, Selma Maria

Leia mais

CDJA: UM NOVO CAMPO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO TJDFT Thaís Botelho Corrêa 1

CDJA: UM NOVO CAMPO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO TJDFT Thaís Botelho Corrêa 1 CDJA: UM NOVO CAMPO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO TJDFT Thaís Botelho Corrêa 1 O estágio supervisionado é o momento reservado para o aluno de graduação experimentar e exercitar a prática profissional

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

IX JORNADA DE ESTÁGIO: FORMAÇÃO E PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL.

IX JORNADA DE ESTÁGIO: FORMAÇÃO E PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL. IX JORNADA DE ESTÁGIO: FORMAÇÃO E PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA COMUNIDADE TERAPEUTICA MARCOS FERNANDES PINHEIRO SILVA, Pollyane Ditoza (estagio II), CORREIA, Valeria

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES PARA FINS DE ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES)

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES PARA FINS DE ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES PARA FINS DE ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES PARA FINS

Leia mais

Serviço que organiza o acolhimento, em residências de famílias acolhedoras cadastradas, de crianças e adolescentes afastados do convívio familiar por

Serviço que organiza o acolhimento, em residências de famílias acolhedoras cadastradas, de crianças e adolescentes afastados do convívio familiar por Serviço que organiza o acolhimento, em residências de famílias acolhedoras cadastradas, de crianças e adolescentes afastados do convívio familiar por meio de medida protetiva (ECA, Art. 101), em função

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

EDITAL No. 01/ 2014- NEDDIJ Programa UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS Subprograma INCUBADORA DOS DIREITOS SOCIAIS

EDITAL No. 01/ 2014- NEDDIJ Programa UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS Subprograma INCUBADORA DOS DIREITOS SOCIAIS EDITAL No. 01/ 2014- NEDDIJ Programa UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS Subprograma INCUBADORA DOS DIREITOS SOCIAIS A Coordenadora do NÚCLEO DE ESTUDOS E DEFESA DE DIREITOS DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE vinculado

Leia mais

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes Manual do Voluntário O Projeto Correspondentes A ação proposta pelo projeto Correspondentes é a troca regular de correspondências entre voluntários e crianças ou adolescentes que residem em abrigos ou

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

1. Apresentação Curso de Serviço Social

1. Apresentação Curso de Serviço Social PROJETO NÚCLEO DE PRÁTICAS DE JURIDICAS E DE SERVIÇO SOCIAL Responsável Técnica As. Social Tatiane Ferreira CRESS/SC 3207 CRESS/PR 6425 Prof. Ms. As. Social Josiane Bortoluzzi 1. Apresentação O Curso de

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA PRÓ- REITORIA DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA- UEPG

A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA PRÓ- REITORIA DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA- UEPG A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA PRÓ- REITORIA DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA- UEPG MAYER, Maria Fernanda (estagio I), e-mail: mariaf@onda.com.br NADAL, Isabela Martins (supervisora

Leia mais

Associação dos Assistentes Sociais e Psicólogos do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo

Associação dos Assistentes Sociais e Psicólogos do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo Estudo sobre o Atendimento realizado pelos Assistentes Sociais e Psicólogos Judiciários admitidos a partir de junho de 2007 Conforme decidido em Assembléia Geral da AASPTJ-SP, em 08/08/09, diante da aprovação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO Divisão de Apoio Técnico Interdisciplinar Serviço de Apoio aos Psicólogos A) PROJETOS SÍNTESE

Leia mais

Núcleo de Apoio Profissional ao Serviço Social e de Psicologia. Programa Família Acolhedora no Município de São Paulo -Projeto Piloto

Núcleo de Apoio Profissional ao Serviço Social e de Psicologia. Programa Família Acolhedora no Município de São Paulo -Projeto Piloto Introdução Programa Família Acolhedora no Município de São Paulo -Projeto Piloto O projeto se propôs a realizar mais uma ação para a efetivação da Política de Proteção as Crianças e Adolescentes em situação

Leia mais

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa)

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa) Projeto de Decreto Dispõe sobre as atribuições e competência do Programa de Execução de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto, atendendo à Resolução do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente,

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA.

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. SILVA, Jessica Da¹. NADAL, Isabela Martins². GOMES, R.C. Ana³. RESUMO: O presente trabalho é referente à prática

Leia mais

O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA. Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário

O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA. Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário PROTEÇÃO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA E JUVENTUDE Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário Medidas Protetivas Lei 12.010 de 03/08/2009 Lei Nacional de Adoção Altera

Leia mais

CADASTRO DE ENTIDADE DE ACOLHIMENTO

CADASTRO DE ENTIDADE DE ACOLHIMENTO Nome da Instituição Endereço (Rua/Av/Pça) Complemento: Tribunal de Justiça do Estado da Bahia Coordenadoria da Infância e Juventude Tribunal de Justiça do Estado da Bahia, 5ª Avenida do CAB, CEP 41746-900

Leia mais

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO MANUAL DO JUIZ E AUXILIAR DE JUIZ Versão 1.0 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 USUÁRIOS...4 1. ACESSO AO SISTEMA...5 2. TELA DE LOGIN DO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO:...7 3. TELA INICIAL

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DA INFÂNCIA E JUVENTUDE CIJ

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DA INFÂNCIA E JUVENTUDE CIJ XXI CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MAGISTRADOS E PROMOTORES DE JUSTIÇA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE ABMP EXPERIÊNCIA PROGRAMA DE ASSESSORIA PSICOLÓGICA NOS PROCEDIMENTOS JUDICIAIS E EXTRA JUDICIAIS

Leia mais

Carta Unir para Cuidar Apresentação

Carta Unir para Cuidar Apresentação Carta Unir para Cuidar Apresentação Durante o 17º Encontro Nacional de Apoio à Adoção (ENAPA), na capital federal, de 07 a 09 de junho de 2012, as entidades participantes assumem, com esta carta de compromisso,

Leia mais

Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC

Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC Serviço de Família acolhedora definição Serviço que organiza o acolhimento de crianças

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA Apresentador: Mayara Lucia Martins. MARTINS, Mayara

Leia mais

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012.

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO PROGRAMA FAMÍLIA ACOLHEDORA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACRUZ, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS,

Leia mais

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Proposta para Implementação de Serviço de Responsabilização e Educação de Agressores Grupo Paz em Casa

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA PROLAR: BUSCANDO A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À MORADIA.

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA PROLAR: BUSCANDO A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À MORADIA. VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA PROLAR: BUSCANDO A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À MORADIA. LIMA Evelyn Paula Soares Matioski de 1 RIBEIRO Juliana 2 SANTOS Marcia Pedroso dos 3 SCHIMANSKI

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES)

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL

Leia mais

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa.

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. IX Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria¹ BONOMETO, Tatiane Caroline² PREUSS, Lislei Teresinha³ Apresentador (a): Tatiane Caroline

Leia mais

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário.

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário. PROGRAMA ULBRASOL Irmo Wagner RESUMO Com a intenção e o propósito de cada vez mais fomentar e solidificar a inserção da Universidade na Comunidade em que encontra-se inserida, aprimorando a construção

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ EDITAL N. 01/2013

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ EDITAL N. 01/2013 MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ EDITAL N. 01/2013 Teste seletivo para ingresso ao quadro de Assessor Jurídico DAS-5 do Ministério Público do Estado do Paraná. A Promotora de Justiça, Dra. FABIANA

Leia mais

Procedimentos para a indicação das crianças e dos adolescentes e de suas famílias de origem/extensa para o Projeto Piloto Família Acolhedora

Procedimentos para a indicação das crianças e dos adolescentes e de suas famílias de origem/extensa para o Projeto Piloto Família Acolhedora Procedimentos para a indicação das crianças e dos adolescentes e de suas famílias de origem/extensa para o Projeto Piloto Família Acolhedora 1) A indicação de casos para o Projeto poderá ser realizada

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E O GRUPO DE MULHERES DA LEGIÃO DA BOA VONTADE (LBV) DO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA

O SERVIÇO SOCIAL E O GRUPO DE MULHERES DA LEGIÃO DA BOA VONTADE (LBV) DO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA O SERVIÇO SOCIAL E O GRUPO DE MULHERES DA LEGIÃO DA BOA VONTADE (LBV) DO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA FIDUNIV, Gisele Regiane (estágio I), e-mail: isele34@yahoo.com.br KRAVICZ, Gisele Ferreira (supervisora

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08 Por Leonardo Rodrigues Rezende 1 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária Os casos encaminhados à modalidade

Leia mais

CMAS Conselho Municipal de Assistência Social CMDDCA Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente

CMAS Conselho Municipal de Assistência Social CMDDCA Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente Resolução Conjunta 002/2013 CMAS/ de 12/06/2013 Dispõe sobre os parâmetros para o funcionamento das Entidades de acolhimento institucional e familiar da Criança e do Adolescente do município de Divinópolis

Leia mais

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO ÓRGÃO RESPONSÁVEL: Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulher NOME: PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO Código Descrição FUNÇÃO: 14 Direitos

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE VARA CÍVEL DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE PORTARIA N 001/2010

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE VARA CÍVEL DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE PORTARIA N 001/2010 DJe de 17/06/2010 (cópia sem assinatura digital) DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE VARA CÍVEL DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE PORTARIA N 001/2010 Dispõe quanto ao procedimento de habilitação de pretendentes

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CRAS JARDIM PARAÍSO: EQUIPAMENTO DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CRAS JARDIM PARAÍSO: EQUIPAMENTO DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CRAS JARDIM PARAÍSO: EQUIPAMENTO DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA DIAS, Jessica Eloise Volski 1 PEREIRA, Aline Dayane 2 RUTHES, Pamela Caroliny

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA EDITAL Nº 001/2012

CHAMADA PÚBLICA EDITAL Nº 001/2012 CHAMADA PÚBLICA EDITAL Nº 001/2012 Convênio: 757399/2011 SDH/PR Programa 0153 - Fortalecimento do Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente Objeto: Disseminar o curso de preparação para

Leia mais

Guia do Usuário. Guia do Usuário

Guia do Usuário. Guia do Usuário Guia do Usuário APRESENTAÇÃO...1 I ESCLARECIMENTOS PRELIMINARES...2 Do Cadastro Nacional de Adoção CNA...2 Do Acesso e utilização do Cadastro Nacional de Adoção CNA...2 II. ESPECIFICAÇÕES GERAIS DO CNA

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA LEGIÃO DA BOA VONTADE - LBV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA LEGIÃO DA BOA VONTADE - LBV VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA LEGIÃO DA BOA VONTADE - LBV Apresentador: Jordana Oliveira OLIVEIRA, Jordana 1. KRAVICZ, Gisele Ferreira 2. TRENTINI, Fabiana Vosgerau. 3 RESUMO:

Leia mais

Aspectos psicológicos presentes na avaliação da adoção de crianças M S P A TR ÍC IA D E LB O U X R O D R IG U E S

Aspectos psicológicos presentes na avaliação da adoção de crianças M S P A TR ÍC IA D E LB O U X R O D R IG U E S Aspectos psicológicos presentes na avaliação da adoção de crianças M S P A TR ÍC IA D E LB O U X R O D R IG U E S Sumário Especificidades do trabalho do psicólogo na área jurídica. Avaliação do cadastro

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Curso de Serviço Social Manual do estagiário

Curso de Serviço Social Manual do estagiário Curso de Serviço Social Manual do estagiário I - Apresentação Caro aluno, A disciplina denominada Supervisão Acadêmica em Serviço Social, objetiva contribuir na compreensão das atividades relativas ao

Leia mais

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES FERREIRA, M.F.J.A. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo TJSP - BRASIL A perspectiva deste trabalho consiste em

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Rede de Proteção. Criança e adolescente. Direitos Humanos. Violência

PALAVRAS-CHAVE Rede de Proteção. Criança e adolescente. Direitos Humanos. Violência 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA (X) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

Equipe Interprofissional no Ministério Público: O Setor Psicossocial da PJIJ-DF

Equipe Interprofissional no Ministério Público: O Setor Psicossocial da PJIJ-DF XXIII Congresso da Associação Brasileira de Magistrados, Promotores de Justiça e Defensores Públicos da Infância e da Juventude Brasília, 6 de maio de 2010 Equipe Interprofissional no Ministério Público:

Leia mais

Encontro das Instituições: Potencializando Parcerias

Encontro das Instituições: Potencializando Parcerias ÁREA TEMÁTICA: DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA Encontro das Instituições: Potencializando Parcerias Gisele Alves de Sá Quimelli Rosiane Henneberg Roseni Marconato Pinto Thalita Arnaud de Souza Camila Silva

Leia mais

PROJETO TERAPIA COMUNITÁRIA NA JUSTIÇA

PROJETO TERAPIA COMUNITÁRIA NA JUSTIÇA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO AMAZONAS VARA DE EXECUÇÕES DE MEDIDAS E PENAS ALTERNATIVAS DA COMARCA DE MANAUS VEMEPA PROJETO TERAPIA COMUNITÁRIA NA JUSTIÇA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO AMAZONAS VARA DE EXECUÇÕES DE

Leia mais

Acolhimento Familiar de Proteção Alternativa à Política Pública A experiência do Programa SAPECA

Acolhimento Familiar de Proteção Alternativa à Política Pública A experiência do Programa SAPECA Acolhimento Familiar de Proteção Alternativa à Política Pública A experiência do Programa SAPECA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SP Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência e Inclusão Social Acolhimento

Leia mais

Juventude com Arte, Saúde e Cidadania Autores: Ellen da Silva Mourão; Giovanna Grasiane de Sousa; Preceptora de Serviço: Maria Regina de Paula Fagundes Netto; Preceptora Acadêmica: Lêda Maria Leal de Oliveira.

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

APROVEITO PARA INFORMAR QUE EM BREVE LANÇAREI PELA EDITORA FERREIRA - O LIVRO ESTATUTO DO IDOSO COMENTADO.

APROVEITO PARA INFORMAR QUE EM BREVE LANÇAREI PELA EDITORA FERREIRA - O LIVRO ESTATUTO DO IDOSO COMENTADO. PREZADO(A)S CANDIDATO(A)S, PRIMEIRAMENTE GOSTARIA DE PARABENIZAR A TODOS OS GUERREIROS E GUERREIRAS QUE PARTICIPARAM DO TÃO ESPERADO E CONCORRIDO CONCURSO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

Leia mais

Promotoria de Justiça da Infância e Juventude de Amélia Rodrigues Promotora de Justiça: Roberta Rezende Barbosa Data de assunção: 12/02/03

Promotoria de Justiça da Infância e Juventude de Amélia Rodrigues Promotora de Justiça: Roberta Rezende Barbosa Data de assunção: 12/02/03 "O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE JUNTO À COMUNIDADE" Promotoria de Justiça da Infância e Juventude de Amélia Rodrigues Promotora de Justiça: Roberta Rezende Barbosa Data de assunção: 12/02/03 A)

Leia mais

Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente

Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente Conceito Onde denunciar Procedimentos Renato Rodovalho Scussel Juiz de Direito Simone Costa Resende

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Exmo. Sr. Dr. Juiz Auxiliar da Corregedoria Geral de Justiça Assunto: Consulta realizada por assistentes sociais da comarca de [...] que versam sobre diferentes temas: busca e apreensão; diferentes registros;

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006 CARLOS CABRAL CABRERA Membro do Ministério Público do Estado de São Paulo. Professor de Direito Constitucional da Faculdade de Direito da Universidade Paulista UNIP. ROBERTO MENDES DE FREITAS JUNIOR Membro

Leia mais

Uma análise preliminar do perfil demográfico das crianças e adolescentes cadastrados para adoção no município de São Paulo

Uma análise preliminar do perfil demográfico das crianças e adolescentes cadastrados para adoção no município de São Paulo Uma análise preliminar do perfil demográfico das crianças e adolescentes cadastrados para adoção no município de São Paulo Paulo José Pereira 1 Maria Coleta Ferreira Albino de Oliveira 2 Introdução Pesquisar

Leia mais

EDITAL PROEX Nº 094/2015

EDITAL PROEX Nº 094/2015 EDITAL PROEX Nº 094/2015 (Edital NEDDIJ nº 001/2015) A PRO REITORA DE EXTENSÃO e a COORDENADORA DO NEDDIJ - NÚCLEO DE ESTUDOS E DEFESA DE DIREITOS DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE da UNIVERSIDADE ESTADUAL DE

Leia mais

Ref. Isonomia de jornada de trabalho entre Psicólogos e Assistentes Sociais Judiciários.

Ref. Isonomia de jornada de trabalho entre Psicólogos e Assistentes Sociais Judiciários. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Ref. Isonomia de jornada de trabalho entre Psicólogos e Assistentes Sociais Judiciários. AASPTJ-SP - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Inclusão. Construindo o Futuro

Inclusão. Construindo o Futuro Inclusão. Construindo o Futuro Mostra Local de: Irati Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Conselho da Comunidade da Comarca de Irati

Leia mais

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente - FUMCAD

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente - FUMCAD Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente - FUMCAD O Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (FUMCAD) aprovou três projetos do Instituto Saúde e Sustentabilidade para serem

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GUARUJÁ 2013 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º - O Estágio

Leia mais

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo.

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo. Conforme o Estatuto da Criança e do Adolesecente Art. 98. As medidas de proteção à criança e ao adolescente são aplicáveis sempre que os direitos reconhecidos nesta Lei forem ameaçados ou violados: I -

Leia mais

PROJETO CONHECENDO ABRIGOS

PROJETO CONHECENDO ABRIGOS Centro de Apoio Op era cional da In fâ ncia, Juven tude e Educaçã o PROJETO CONHECENDO ABRIGOS 1. Introdução O abrigo é uma medida de proteção provisória, prevista no Estatuto da Criança e do Adolescente,

Leia mais

Ana Lúcia Maciel Francisco Kern Maria da Graça Türck Regina Martins Rosa Maria Castilhos Fernandes

Ana Lúcia Maciel Francisco Kern Maria da Graça Türck Regina Martins Rosa Maria Castilhos Fernandes 1 A Graturck é uma empresa especializada nas áreas de consultoria, assessoria e cursos em Serviço Social. Contando com uma equipe técnica qualificada, está lançando uma oportunidade para aqueles alunos

Leia mais

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011 DJe de 29/09/2011 (cópia sem assinatura digital) DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011 Esclarece quanto ao procedimento de ajuizamento da ação de adoção, diretamente pelos requerentes

Leia mais

Estadual de Ponta Grossa -Pró-Reitora de Extensão e Assuntos Culturais gquimelli@uepg.br.

Estadual de Ponta Grossa -Pró-Reitora de Extensão e Assuntos Culturais gquimelli@uepg.br. 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA (X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

Reordenamento Institucional Desafios da Proteção Integral para Crianças e Adolescentes.

Reordenamento Institucional Desafios da Proteção Integral para Crianças e Adolescentes. Reordenamento Institucional Desafios da Proteção Integral para Crianças e Adolescentes. Fórum Construindo vidas despatologizadas Centro de Convenções, Unicamp 17/10/2014 1 Arquivo AST: 1927 2 Extrato do

Leia mais

VIDA E JUVENTUDE Centro Popular de Formação da Juventude CNPJ: 03.612.569/0001-04 EDITAL Nº 02/2015

VIDA E JUVENTUDE Centro Popular de Formação da Juventude CNPJ: 03.612.569/0001-04 EDITAL Nº 02/2015 VIDA E JUVENTUDE Centro Popular de Formação da Juventude CNPJ: 03.612.569/0001-04 EDITAL Nº 02/2015 O Centro Popular de Formação da Juventude Vida e Juventude (Brasília/DF), no uso de suas atribuições

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais