Rede IP II: Melhores Práticas de Migração de Rede IPv4 para IPv6

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rede IP II: Melhores Práticas de Migração de Rede IPv4 para IPv6"

Transcrição

1 Rede IP II: Melhores Práticas de Migração de Rede IPv4 para IPv6 Com o crescimento de aplicações como Ponto a Ponto e videoconferência, e com a necessidade de computadores sempre conectados e disponíveis, o novo protocolo IPv6 fará a substituição gradual do atual IPv4 que, num futuro próximo, se tornará inviável por escassez de endereços. Esta série de tutoriais tem como finalidade servir de referência ao processo de migração da tecnologia IPv4 para IPv6 de uma rede local gerenciada, de tamanho médio ou grande, e aos problemas relacionados à mesma. Configura-se, portanto, como conjunto de documentos para subsidiar as ações de um administrador de rede. O protocolo IPv6 não só aumenta a quantidade de endereços como também possui diversos benefícios sobre o IPv4, sendo esses descritos neste documento. A abordagem adotada neste trabalho trata, especificamente, da implantação em uma rede com serviços comumente utilizados, mostrando de forma prática e com análises a sua migração. Os tutoriais foram preparados a partir do trabalho de graduação Melhores Práticas de Migração de uma Rede IPv4 para IPv6, elaborado pelos autores, e apresentado ao Curso de Engenharia Elétrica com ênfase em Telecomunicações do Instituto de Educação Superior de Brasília como requisito parcial à obtenção do título de Engenheiro Elétrico. Foi orientador do trabalho o Prof. Eduardo Wolski. Este tutorial parte II apresenta os 8 cenários previstos para os testes realizados no laboratório e as configurações adotadas, os resultados dos testes realizados e, por fim, as melhores práticas para que a migração seja feita de forma estável, segura e eficiente. Alexandre José Camilo Gomes.. 1

2 Carlos Botelho da Trindade.. Categoria: Banda Larga Nível: Introdutório Enfoque: Técnico Duração: 20 minutos Publicado em: 13/02/2012 2

3 Rede IP II: Introdução Em 1969, a ARPANET foi criada com a intenção de interligar centros de pesquisa nos Estados Unidos e foi o grande marco para o avanço das redes de telecomunicações, culminando na criação do que hoje é conhecido como Internet e na utilização extensiva do IPv4. O IPv4 suportou a interligação entre redes em nível global, tendo a Internet atingido a dimensão que hoje se conhece. Devido ao recente crescimento exponencial da Internet e seus usuários e equipamentos on-line e do surgimento da Web2.0, o IPv4 não será mais capaz de suprir esse potencial aumento do número de utilizadores ou das necessidades geográficas da expansão da Internet. Segundo a Internet Assigned Numbers Authority (IANA), restam cerca de 11% de endereços IPv4 disponíveis no mundo (fonte: O tempo de vida do IPv4 vem se estendendo pelo uso de técnicas paliativas para a reutilização de endereços, tais como o Network Address Translation (NAT), Classless Interdomain Routing (CIDR), e atribuições de endereços de forma temporária com o serviço Dynamic Host Configuration Protocol (DHCP). Essas técnicas surgiram para aumentar o espaço de endereçamento e satisfazer o tradicional modelo cliente/servidor, mas não cumprem os requisitos da verdadeira mobilidade entre rede e utilizador, assim como o novo modelo emergente de serviços voltados ao Peer to Peer (P2P), onde todos passam a serem clientes e servidores em determinado nível de serviço. Às aplicações têm sido fornecidas maiores larguras de banda, e delas é demandada melhor desempenho. A necessidade de ambientes sempre disponíveis proíbe estas técnicas de conversão e de alocação temporária de endereços IP, feitas hoje pelo DHCP. Além disso, o plug and play requerido pelas aplicações aumentam, significativamente, o requisito do protocolo, de forma a facilitar a utilização dos equipamentos. Milhões de novos dispositivos tecnológicos não serão capazes de obter endereços IPv4 globais, e isso é inapropriado para os novos serviços emergentes. O IPv4 chegará, brevemente, à fase em que tem de ser feita a escolha entre novas capacidades ou uma rede maior, mas não as duas. Por outras palavras, faz-se necessário um novo protocolo para fornecer características novas e melhoradas, além de resolver o problema da escassez de endereços IP. Esse novo protocolo é o IPv6. O IP versão 6, ou na sua forma abreviada IPv6, é a nova versão do protocolo de Internet para substituir o atual IPv4. Apesar da escassez do espaço de endereçamento IPv4 ter sido a razão principal para o desenvolvimento de um novo protocolo, os arquitetos do IPv6 adicionaram novas características em um conjunto de aperfeiçoamentos críticos do IPv4. Neste trabalho serão apresentados os vários aspectos do protocolo, incluindo endereçamento, autoconfiguração e coexistência entre IPv4 e IPv6. Considerando o cenário apresentado, este trabalho tem como escopo a elaboração e verificação, por meio de estudo, observação, implantação e testes, de regras de melhores práticas para uma migração de uma rede IPv4 para uma rede mista (IPv4/IPv6) e, futuramente, IPv6 pura, minimizando os impactos e falhas de segurança, considerando os serviços mais comumente usados em uma rede, assim como a interação com equipamentos legados IPv4 puros. O objetivo geral do trabalho é, portanto, elaborar e verificar regras de melhores práticas na migração de uma rede IPv4 para IPv6, tanto na questão executiva, quanto na questão de segurança, considerando que será necessário que se tenha um ambiente de convivência entre as duas versões do protocolo. Os objetivos específicos são os seguintes: Estudar a arquitetura do IPv6 e suas diferenças em relação ao IPv4; Estudar as formas de interação de coexistência entre as duas tecnologias; Estudar quais são os serviços que sofrem alterações com a migração; 3

4 Implementar, em laboratório, os serviços que interagem, diretamente, com endereçamento da camada de redes: DNS, DHCP; Avaliar o impacto da migração na segurança da rede; Avaliar o impacto da migração no desempenho da rede; Levantar requisitos importantes para as mudanças em um projeto de migração; Elaborar um documento para auxiliar uma migração de forma estável e segura, tendo como público-alvo os administradores de redes. Tutoriais O tutorial para I apresentou um histórico da evolução do protocolo IPv6, comparando com o protocolo IPv4, de utilização atual, demonstrando as características do novo protocolo, como a nova formação do endereçamento, mudança do cabeçalho, dos serviços básicos, aumento da segurança e a coexistência entre os dois protocolos. Foram vistos, também, os processos de uma migração, mecanismos de interoperação e tradução, desempenho e problemas conhecidos da migração. Este tutorial parte II apresenta os 8 cenários previstos para os testes realizados no laboratório e as configurações adotadas, os resultados dos testes realizados e, por fim, as melhores práticas para que a migração seja feita de forma estável, segura e eficiente. 4

5 Rede IP II: Configurações do Ambiente de Teste Os cenários que impulsionam a migração de IPv4 para IPv6 serão descritos a seguir, assim como as configurações realizadas nos ativos do laboratório para execução dos testes e será considerada a implantação dos serviços relevantes à migração. Cenários Os cenários e os desenvolvimentos propostos a seguir consideram os seguintes aspectos: Os interessados neles são os administradores de rede do cliente e a operadora de Telecom; A abrangência interna (LAN) é de inteira responsabilidade do administrador de rede do cliente; A abrangência do Link Dedicado, roteadores do backbone e a interface externa do roteador CPE são de inteira responsabilidade da operadora de Telecom; Toda a parte de tratamento dos dados assim como a tradução dos endereços nas duas versões no backbone da operadora não fará parte do escopo do trabalho; O túnel Broker (exemplo: Freenet), que é utilizado para acesso externo e que suporta o Link IPv6 do cliente, é de responsabilidade de terceiros, já que não temos influências em seu funcionamento; As configurações dos SO s e equipamentos estão delimitadas à interface interna do CPE; Todos os cenários são considerados como etapas de um processo maior, que tem por objetivo migrar todos os hosts IPv4 para uma rede IPv6 pura. A tabela a seguir representa as possíveis variações dos cenários em relação ao domínio do administrador de rede (ADM) e da operadora de Telecom (OP). As siglas v6, v4 e v4v6 significam as interações utilizadas e significam, respectivamente, IPv6, IPv4 e dual-stack IPv4/IPv6. Os números na tabela denotam o número do cenário. Tabela 1: Cenários para implantação de redes ADM V4 ADM V4V6 ADM V6 OP v OP v4v OP v O seguinte ambiente foi montado em laboratório para os testes dos cenários apresentados. As configurações dos ativos foram alteradas para se encaixarem em cada tipo de cenário e serão descritas em cada caso, respectivamente. 5

6 Figura 1: Ambiente de Laboratório O ambiente montado no laboratório possui os seguintes equipamentos sistemas operacionais: Tabela 2: Configuração dos ativos NOME DO ATIVO OS VERSÃO IPV4 IPV6 FINALIDADE Gandalf Linux SIM SIM Roteador/Servidor/Firewall Legolas ix Embedded Dlink XXXX SIM NÃO* Access-Point Pippin HUB Aragorn ix Embedded 3Com SIM SIM SWITCH - GERENCIAVEL Gimli ix Embedded HP SIM NÃO Impressora de rede Frodo Linux 2.6 SIM SIM Desktop Sam Linux 2.4 SIM SIM Desktop Arwen Linux 2.6 SIM SIM Desktop/Sniffer Faramir Windows Vista SIM SIM Desktop Isildur Windows XP SP3 SIM SIM** Desktop * Para suporte ao protocolo IPv6 é necessário upgrade de firmware do fabricante. **Suporte parcial a serviços IPv6 (Não suporta DHCPv6). Cenário 0 Administrador utiliza IPv4 e a operadora fornece IPv4. 6

7 Este é um cenário mais utilizado hoje em dia, e mostra exatamente, a situação que precede o início de uma migração. Este cenário considera que o administrador utiliza, em sua rede, IPv4, e a operadora fornece também IPv4, sendo a solução mais utilizada no funcionamento das redes e do backbone das operadoras. Por decisão do administrador, configura-se a utilização de um túnel Broker para ter acesso à rede IPv6 e, assim, prover acesso à rede IPv6 para sua LAN, através de um tradutor (4to6) configurado em seu CPE (Cliente Provider Equipament). Sua configuração, neste caso, está baseada somente no CPE. Cenário 1 Figura 2: Cenário 0 Rede Interna e operadora IPv4 - túnel Broker IPv6 Administrador utiliza IPv4 e a operadora fornecerá IPv4 e IPv6 (dual-stack). Neste cenário, o ADM continua operando com sua rede v4 pura e a operadora passa a fornecer v6 e v4, tendo que configurar um tradutor no CPE, para que ele possa ter comunicação com as redes IPv6, tendo como origem as máquinas internas IPv4, fazendo a tradução (4to6), de IPv4 para IPv6. O administrador, neste caso, não fará nenhuma alteração em sua rede, mas terá acesso aos sites/serviços IPv6 puros através da configuração (dual-stack) feita em seu CPE pela operadora de Telecom. Cenário 2 Figura 3: Cenário 1 Rede Interna IPv4 e operadora IPv4 e IPv6 (dual-stack) Administrador só utilizará IPv4 mas a operadora só poderá fornecer IPv6. Neste cenário, a operadora fornecerá para o cliente somente endereçamentos IPv6 e deverá configurar, na interface externa do CPE, um tradutor (4to6) para a rede IPv4 do cliente. A operadora terá, também, a 7

8 responsabilidade de fazer o tunelamento (6to4), caso o cliente deseje algum site/serviços que seja IPv4 puro, e este seja externo ao backbone da operadora. Neste caso será necessária a funcionalidade de um Broker dentro da operadora de Telecom. Entretanto, consideramos que este é um cenário futurista onde o link disponibilizado pela operadora fornecerá apenas IPv6 puro, já que o processo de migração será gradativo e ainda existirão diversos sites/serviços com acessos apenas em IPv4. Figura 4: Cenário 2 Rede Interna IPv4 e operadora IPv6 Cenário 3 Administrador inicia migração de sua rede IPv4 para IPv6 utilizando-se do recurso de dual-stack e a operadora ainda fornece somente IPv4. Neste caso, a configuração de dual-stack da rede interna é de inteira responsabilidade do administrador de rede. Ele também será o responsável pela configuração das rotas e contas para a utilização do túnel Broker IPv6, já que a operadora fornecerá apenas endereços IPv4, e sua responsabilidade se limita às rotas e configurações IPv4. Para acesso aos sites IPv6, os hosts internos que possuírem dual-stack configurados sairão pela rota obtida com o túnel Broker, e poderão ter acessos aos sites IPv6 puros, assim como aos sites IPv4 puros. Os hosts internos que são IPv4 puros só conseguirão acesso à rede IPv6 se o administrador configurar um tunelamento no CPE para esses hosts. Esse cenário é montado por iniciativa tão somente do administrador, visando preparar sua rede para o futuro, quando a operadora passará a fornecer endereços IPv6, porém, nestas circunstâncias, a configuração será transparente para a operadora de Telecom. Figura 5: Cenário 3 Rede Interna IPv4 e IPv6 (dual-stack) e operadora IPv4 8

9 Cenário 4 Administrador utiliza IPv6 e IPv4 em dual-stack enquanto a operadora fornece IPv4 e IPv6 também em dual-stack. Neste cenário, tanto o Administrador quanto a operadora utilizam dual-stack IPv4/IPv6 em suas redes. A responsabilidade de migração, neste caso, é igualmente dividida entre as duas partes, e ela acontece sem a necessidade da utilização de tradutores (4to6 ou 6to4), pois tanto a rede LAN quanto o CPE terão os dois endereçamentos. Essa abordagem será a mais comum em uma transição conjunta, já que os sites redes IPv4 continuarão a existir por um longo período e serão criadas novas rede IPv6. Cenário 5 Figura 6: Cenário 4 Rede Interna e operadora IPv4 e IPv6 (dual-stack) Administrador utiliza IPv6 e IPv4 em dual-stack enquanto a operadora fornece somente IPv6. Neste cenário, a operadora fornecerá para o cliente somente endereçamentos IPv6, e deverá configurar na interface externa do CPE um tradutor (4to6) para a rede IPv4 do cliente. O administrador migrará sua rede e fará uso da funcionalidade dual-stack. A operadora terá a responsabilidade de fazer a tradução (6to4), caso o cliente necessite acessar sites/serviços que sejam IPv4 puro, e esteja externo ao backbone da operadora, sendo necessária a utilização de um Broker dentro da operadora de Telecom. Este, no entanto, é também um cenário futurista, em que o backbone da operadora opere apenas com IPv6 puro. Figura 7: Cenário 5 Rede Interna IPv4 e IPv6 (dual-stack) e operadora IPv6 Cenário 6 Administrador utiliza somente IPv6 em sua rede e a operadora fornece somente IPv4. Neste cenário, a configuração IPv6 da rede interna é de inteira responsabilidade do Administrador. Ele 9

10 também é responsável pela configuração das rotas e contas para a utilização do Broker IPv6, já que a operadora fornecerá apenas endereçamentos IPv4 e sua responsabilidade se limita às rotas e configurações IPv4. Para acesso aos sites/serviços IPv6 os hosts internos sairão pela rota obtida com o túnel Broker e poderão ter acessos aos sites IPv6 puros, assim como a redes IPv4, através de um tradutor (6to4) configurado no CPE pelo Administrador. Esse cenário é montado por iniciativa tão somente do Administrador sendo transparente para a operadora de Telecom. Cenário 7 Figura 8: Cenário 6 Rede Interna IPv6 e operadora IPv4 Administrador utiliza somente IPv6 em sua rede e a operadora fornece IPv6 e IPv4 em dual-stack. Neste cenário, a operadora fornecerá para o cliente somente o IPv6 e deverá configurar, na interface externa do CPE, um tradutor (6to4) para acessos às redes IPv4 externas ao backbone. O Administrador migrará sua rede para IPv6 puro. A operadora terá, também, a responsabilidade de fazer a tradução (6to4), caso o cliente esteja tentando acessar algum site que seja IPv4 puro e seja externo ao backbone da operadora. Um Broker deverá funcionar dentro da operadora de Telecom. Cenário 8 Figura 9: Rede Interna IPv6 e operadora IPv4 e IPv6 (dual-stack) Administrador utiliza somente IPv6 em sua rede e a operadora fornece somente IPv6. Neste cenário, tanto o Administrador quanto a operadora utilizam IPv6 em suas redes. A responsabilidade de migração, neste caso, é igualmente dividida entre as duas partes. A operadora terá a responsabilidade de fazer a tradução (6to4), caso o cliente necessite acessar algum site/serviço que seja IPv4 puro e seja externo ao backbone da operadora. Um Broker deverá funcionar dentro da operadora de Telecom. Este, no entanto, é também um cenário futurista, em que o backbone da operadora opera apenas com IPv6 puro. 10

11 Configurações Realizadas Figura 10: Cenário 8 Rede Interna e operadora IPv6 Foram efetuadas configurações nos equipamentos do laboratório, considerando o layout físico apresentado na topologia da figura 1 e os layout s lógicos apresentados, referentes aos possíveis cenários descritos acima. Para que todos estes cenários fossem devidamente testados, as configurações feitas tiveram o intuito de facilitar a diferenciação de um cenário para outro, para isso bastando apenas retirar ou inserir alguns dos equipamentos, de forma a simular os diferentes aspectos de cada cenário. No laboratório, o servidor DNS, DHCPv4, DHCPv6, cliente Broker, Firewall (IPv4 e IPv6) e Gateway NAT estão agrupados na mesma máquina, que chamamos de Roteador de Borda. Nesta seção, será detalhada somente a configuração desta máquina, por ser o equipamento de maior importância e relevância nos testes de migração realizados nos laboratórios. Para a rede interna, chamada de LAN do laboratório, a técnica adotada de interação entre as duas versões de IP foi o do dual-stack (configurado somente nos equipamentos que a suportam). Para a saída WAN, interface externa do roteador de borda, foi adotada a saída pública IPv4 com apenas um endereço IP e o Broker IPv6 com um prefixo /48. A técnica utilizada na parte WAN, apesar de se utilizar o Broker, pode ser considerada também como de dual-stack, pois, apesar de se utilizar um túnel para alcançar a Internet IPv6, para o roteador de borda é como se ele possuísse também as duas versões de IP em sua pilha. Roteador de Borda Sistema Operacional utilizado e sua distribuição O roteador de borda foi configurado em uma máquina com sistema operacional LINUX da distribuição Gentoo (www.gentoo.org). O Gentoo é uma distribuição Linux muito utilizada para servidores dedicados, por ser uma distribuição completamente moldada ao hardware utilizado. Todo o sistema operacional e programas podem ser instalados a partir dos fontes e as opções referentes aos mesmos podem ser habilitadas ou não a critério da necessidade do administrador do sistema. O Gentoo utiliza um sistema de árvore, atualizado online, conhecido como Portage, com a finalidade de buscar o código-fonte dos programas e suas dependências, habilitar ou desabilitar parâmetros e diversas outras opções e, então, fazer a sua instalação no sistema operacional. Tudo isso é feito de forma automática e transparente e, com isso, os programas e o próprio sistema operacional se tornam mais secos e limpos, diminuindo a opção de suporte às características desnecessárias e aumentando, assim, a disponibilidade, a escalabilidade e a robustez do sistema como um todo. O Portage possui uma classificação para determinar a estabilidade do programa referente, conjuntamente com a arquitetura do processador do sistema. A arquitetura utilizada no laboratório é para processadores padrão x86, apesar de suportar diversos padrões de arquitetura como o x64, 11

12 ppc, hppa, entre outros. Os parâmetros de arquitetura observados no Portage para os programas é o x86 para programas estáveis, e ~x86 para programas que ainda não foram considerados estáveis pela comunidade desenvolvedora do GENTOO. Configuração do Roteador de Borda O roteador de borda deverá possuir, ao final, as configurações como demonstrada na figura abaixo e, para tanto, as configurações do sistema operacional, assim como dos serviços, serão mostradas neste tópico. Figura 11: Roteador de borda A figura acima representa o roteador de borda e suas interfaces de rede em suas respectivas zonas de atuação. A interface eth1 juntamente com a interface virtual associada sit1 estão na zona LAN da máquina, ou seja, são as interfaces ligadas diretamente com a rede local do laboratório. Repare que a interface eth1 possui o sistema de pilha-dupla. A interface virtual sit1, apesar de estar associada à eth1, é considerada pelo sistema como uma interface independente. Esta interface é criada pelo script do Broker e mais informações sobre seu funcionamento serão dadas mais a frente. A interface de loopback está associada à zona interna do roteador, e se refere aos serviços internos do próprio sistema. Repare que a interface de loopback possui, também, dual-stack. A interface eth0 está associada à zona WAN. Esta interface está ligada à operadora de Telecom e possui um IPv4 público. O endereço IPv6 existente na interface é somente o endereço criado pelo sistema, automaticamente, com o endereço MAC da interface eth0. 12

13 Para ter as configurações e os recursos necessários para se montar o layout lógico do roteador de borda como o da figura 11, primeiramente, foi sincronizada a árvore de fontes dos programas da distribuição Gentoo. Sincronia da árvore do Portage Emerge Sync A sincronia da árvore do Portage pode ser feita diariamente, caso se queira, pois as versões estáveis dos softwares são atualizadas constantemente, sendo que as versões instaladas no servidor para a implementação do laboratório têm data de 07 de agosto de 2008, e o arquivo obtido através do comando de sincronia da árvore do Portage é portage tar.bz2. Ocorre, então, que os programas utilizados na montagem do roteador de borda no laboratório foram configurados com as suas versões como as colocadas nos itens de configuração a seguir. Deve ser observado, também, que os arquivos de configurações são relacionados as suas respectivas versões, e os arquivos de configuração podem sofrer alterações no decorrer da mudança das versões. Outro fato a ser observado é referente à estabilidade da versão disponível no Portage. As versões instaladas no laboratório são as versões mais recentes e consideradas estáveis dos aplicativos. Obviamente, existem versões mais recentes no Portage, porém não são consideradas estáveis e podem existir softwares, como o DHCPv6, que não possuem versões consideradas estáveis e, neste caso, foram instaladas as versões mais atuais disponíveis. Finalizada a sincronia da árvore, alguns serviços (softwares) foram instalados com o seguinte comando: # USE= IPv6 emerge vanilla-sources udhcp radvd bind dhcpv6 freenet6 shorewall iptables Note que, no comando acima o parâmetro USE= IPv6 serve para adicionar suporte ao IPv6, caso existente, na compilação dos fontes dos programas a serem instalados. A partir de então, os softwares instalados, que possuírem suporte à IPv6, estarão com o mesmo habilitado. Os programas instalados com o comando acima serão descritos a seguir, junto com o seu versionamento, utilidade e configurações: Programas Instalados Kernel sys-kernel/vanilla-sources Versão x86 O kernel vanilla é o kernel puro, como o encontrado no site de desenvolvimento do kernel (www.kernel.org), sem qualquer patch ou modificações, muito comuns nos kernel das distribuições Linux. A forma de se compilar um kernel não será tratado por não fazer parte do escopo deste trabalho. Note que, apesar da opção IPv6 fornecida no comando de instalação, habilitar suporte ao IPv6, no caso do kernel, esse suporte deve ser atribuído e compilado manualmente. DHCPv4 net-misc/udhcp r3 x86 O UDHCP é um servidor simples de DHCPv4, em sua implementação. Basta somente indicar a interface de 13

14 rede no qual o serviço DHCP vai ficar ouvindo as requisições e o pool de endereços que serão disponibilizados para os clientes DHCP. No laboratório foi utilizado o pool /24, o servidor DNS foi configurado como (o próprio firewall), e o gateway padrão foi configurado como A figura abaixo mostra as partes do arquivo de configuração udhcp.conf que contêm essas configurações. Router Advertisement Daemon net-misc/ radvd-1.1 x86 Figura 12: Configuração UDHCP O RADVd é o daemon responsável pelo serviço de RA emitido pelo roteador de borda para os clientes IPv6 da rede interna. Não é necessária sua configuração direta, já que todos os parâmetros colocados no arquivo gw6c-rtadvd.conf, que substitui o arquivo padrão de configuração do RADVd, o radvd.conf, são criados, e suas configurações são inseridas, automaticamente, pelo programa do túnel Broker, o Freenet6, como mostrado na figura 13. Figura 13: Configuração Gateway6 Note que o prefixo 2001:05c0:1105:0900::/64 foi inserido pelo cliente do túnel Broker ao arquivo de configuração, de forma que o RA enviado aos clientes IPv6 da rede sempre possuam o prefixo fornecido pelo Broker. Apesar da configuração do arquivo do RADVd ser feita pelo cliente do Broker, a responsabilidade do envio do prefixo correspondente, além dos parâmetros de configuração automática de IP (Stateless ou Statefull) é de responsabilidade do RADVd. Para que os clientes IPv6 da rede buscassem algumas configurações do DHCPv6 (no caso, a única configuração imprescindível é o endereço do Servidor DNS), foram feitas configurações no cliente do Túnel Broker e que serão descritas no tópico a seguir. Sua inicialização é feita, automaticamente, pelo script linux.sh executado pelo cliente Freenet6. Túnel Broker (freenet6) net-misc/ freenet6-5.1 x86 14

15 O Freenet6 é um cliente para o Tunnel Broker da organização Go6 chamado Freenet6 (http://go6.net /4105/freenet.asp). O Freenet6 é um Broker para a Internet IPv6, utilizando a tecnologia de tunelamento descrita no tutorial parte I. Diferentemente da maioria dos túneis Broker s gratuitos disponíveis, o Freenet6 utiliza um modelo cliente/servidor para a autenticação e manutenção do túnel, ao invés de páginas WEB de autenticação. Uma conta (usuário e senha) é necessária ser criada no site do Broker de forma gratuita, e os parâmetros passados pelo site devem ser colocados no cliente Freenet6, instalados no Roteador de borda da rede. A instalação do programa Freenet6 fornece dois arquivos importantes para a configuração do cliente do túnel e, por consequência, do RADVd. Os arquivos são: Gw6c.conf arquivo no qual as configurações do comportamento e parâmetros de funcionamento do cliente do túnel Broker são configuradas, como, por exemplo, a verbosidade do arquivo de log e sua localização, o usuário e senha da conta com o Broker, a configuração do keepalive da conexão, e diversos outros parâmetros. Linux.sh o arquivo linux.sh é encontrado na pasta /etc/freenet6/templates/ e se refere aos parâmetros do RADVd e de sua inicialização efetuado pelo cliente Freenet6, após a sua autenticação e o fechamento do túnel com o Broker. Este arquivo é de suma importância apesar de não se falar muito a respeito do mesmo nos sites de referência, devendo-se adicionar uma linha ao arquivo, para que o RA emitido pelo Roteador de borda possua a flag do DHCPv6 habilitada, permitindo, assim, que os clientes IPv6 da rede interna procurem mais configurações de rede (no caso, o endereço do servidor DNS) junto ao DHCPv6. Figura 14: Configuração RADVd Com a inserção da opção AdvOtherConfigFlag, acima mostrada, os pacotes RA emitidos pelo RADVd passaram a ter a flag de configuração pelo DHCPv6, como mostrado nas figuras abaixo, referentes à captura dos pacotes RA pelo sniffer. 15

16 Figura 15: Indicação do pacote RA desabilitado A figura acima mostra a flag desabilitada e, abaixo, a diferença quando se é adicionada a linha de configuração para a habilitação da flag: Figura 16: Indicação do pacote RA habilitado O serviço de túnel então é inicializado através do comando: # /./etc/ini.d/gw6c start Na tela de Log do RADVd (figura 17) é mostrada a inicialização do túnel, assim como a criação das rotas, utilizando-se o prefixo obtido pelo Broker: 16

17 Figura 17: Inicialização do túnel Broker Uma observação importante sobre a figura acima é a habilitação do roteamento no IPv6. Este roteamento é totalmente independente do IPv4 que, no caso, já estava previamente habilitado, caracterizando a independência das duas pilhas, ou seja, as regras e procedimentos criados para o IPv4 são completamente separados das regras e procedimentos para o IPv6. Efetuada, então, a inicialização do túnel, a tabela de endereçamento IP dada pelo comando ifconfig será mostrada a seguir, porém ela estará dividida de forma a um melhor entendimento e explanação: Figura 18: Configuração da interface Eth0 rede WAN Executado o comando ifconfig, a primeira interface mostrada é a eth0. Como visto no layout do Firewall, é a interface de rede WAN e a que recebe um endereço IPv4 público da operadora. Como o kernel compilado possui suporte à IPv6, a interface é também inicializada com um IPv6 montado pelo próprio sistema, através do prefixo escopo link local (que não é roteável) FE80::2, e, no resto, do endereço MAC da interface de rede. Note que, depois de um endereço IPv6, vem sempre uma referência ao escopo a que ele pertence que, no caso acima, é Link, ou seja, é um endereço de rede local. A figura 19 mostra a parte da interface eth1. Essa é a interface interna (LAN) do firewall, e é nessa interface que o túnel junto ao Broker é associado. É nessa interface, também, que o RADVd (gerador de RA s) emite os pacotes referentes ao endereço IPv6 recebido pelo Broker. O primeiro endereço que aparece na interface eth1 é o IPv /24. Esse endereço faz parte da pilha dupla IPv4/IPv6 dessa máquina. O segundo endereço é um IPv6. Esse é o endereço recebido pelo Broker e totalmente construído pelo mesmo (não tem nenhuma parte do endereço MAC da interface). Os próximos 3 endereços que aparecem na figura são endereços IPv6, inseridos de forma manual para a interface. Esses endereços são necessários para o Windows XP, que não possui suporte ao DHCPv6, e assume, automaticamente, esses endereços como sendo o do DNS da rede. O ultimo endereço é o link local, montado com o prefixo fe80::2 e o MAC da interface de rede. 17

18 Figura 19: Configuração da interface eth1 A figura abaixo referencia a interface virtual SIT1. Essa interface virtual é criada no sistema operacional pelo script linux.sh e é associada, virtualmente, à interface física eth1. Na linha destinada ao tipo de encapsulamento, a tela mostra IPv6-in-IPv4 que, neste caso, é exatamente o encapsulamento no protocolo 41 para o tunelamento utilizado pelo Broker. Essa interface recebe um IPv6 de Escopo Global com máscara 128, ou seja, este IP é recebido pela interface do Broker, e não faz qualquer modificação no mesmo. Este IP serve somente para indicar o ponto-a-ponto do túnel IPv6. Figura 20: Configuração da interface SIT1 A figura a seguir mostra a última interface, que é a de loopback. A única observação é a existência do endereço de loopback, tanto em IPv4 como em IPv6 (condizente com a usada no dual-stack). Figura 21: Configuração da interface Loopback Para testar o funcionamento do túnel foi utilizado o comando Ping6 (versão IPv6 do comando ping) e foi tentado mandar pacotes ICMPv6 para o site (www.kame.net), que é um site conhecidamente IPv6: Figura 22: Teste de ping versão 6 Repare na figura que o endereço (www.kame.net) é resolvido em IPv6, mesmo este site tendo um endereço correspondente em IPv4. Outro ponto a se observar é o tempo de latência de resposta do pacote ICMPv6 que, no exemplo acima, é consideravelmente alto. Esses valores são obtidos devido ao uso do Broker para atingir a internet IPv6 e, sendo assim, o pacote viaja por diversas redes até chegar ao seu destino. Possivelmente, se a operadora em questão possuísse seu próprio Broker, os valores de desempenho do tráfego seriam bem melhores. Como não se dispõe de um provedor com um Broker, não é possível realizar sua comparação. 18

19 Figura 23: Tabela de roteamento do servidor IPv4 Verificou-se, então, que o comando route mostra, exclusivamente, a saída somente da tabela de roteamento da pilha IPv4, pois não faz referência alguma à interface SIT1, além dos endereços e rotas IPv6. Para tanto, o comando que deve ser executado para se ver todas as rotas do sistema, ao invés do route, sendo elas IPv4 ou IPv6, é o routel. A figura, a seguir, mostra a rota default para a internet IPv4 (exatamente como a saída o comando route (figura 23), no campo destacado como 1 : Figura 24: Roteamento default Eth0 Porém, em continuação, na saída do comando routel, são obtidas, também, as seguintes informações: Figura 25: Roteamento comando routel O endereço IPv6 associado à interface Sit1 e à interface eth1 no campo 1. A adição da rota de saída padrão para a rede IPv6 pela interface sit1 como mostrada nos campos 2 e 3. DNS (BIND9) net-dns/bind-9.4.3_p2 x86 O Berkeley Internet Name Domain - Name Server (BIND) desenvolvido e mantido pela Internet Systems Consortium (ISC) é o servidor DNS disponibilizado, gratuitamente, bastante utilizado na Internet, por sua estabilidade e robustez. O serviço de DNS é de suma importância para a migração e funcionamento da rede IPv6, uma vez que os endereçamentos se tornarão praticamente inviáveis de serem administrados, em sua forma numérica, no modelo IPv6. O BIND, para funcionar com o IPv6, deve ser compilado com suporte a IPv6. Devem ser configuradas, separadamente, as zonas IPv6 e IPv4 para a utilização pelo DNS, assim como os arquivos de resolução reversa. Depois de configurado, basta inicializar o serviço de DNS com o comando: 19

20 # /./etc/ini.d/named start As sinalizações na tela a seguir mostram, no arquivo de log do named, que o servidor DNS está ouvindo requisições DNS nas interfaces IPv6, porém não faz distinção de qual interface IPv6, como é mostrado para os endereços IPv4: DHCPv6 net-misc/dhcpv ~x86 Figura 26: Arquivo de log do named O DHCPv6 é um servidor DHCP para IPv6, porém nenhuma versão dele disponível no momento da instalação era considerada estável pelo Portage, ou seja, todos os pacotes dos fontes estavam marcados com a flag ~x86. As configurações feitas no DHCPv6 são mínimas e, apesar de ser colocada referência do pool de endereços e do prefixo (fornecido pelo Broker), no laboratório, não gerencia os endereços dos hosts (configuração adotada), cabendo somente enviar para os clientes que o requisitarem (que tiverem suporte ao DHCPv6 / IPv6 Ready Fase 2), o endereço do DNS. Repare que, mesmo assim, foi necessário configurar um pool de endereços para o funcionamento do serviço, pois, sem essa configuração, o servidor não aceita ser inicializado. A figura 27 mostra os campos configurados no arquivo dhcp6s.conf (arquivo referente ao servidor DHCPv6): 20

IPv6 A nova versão do Protocolo IP

IPv6 A nova versão do Protocolo IP IPv6 A nova versão do Protocolo IP A internet precisa continuar crescendo... Agenda A Internet e o TCP/IP Entendendo o esgotamento do IPv4 Por que IPv6? O que melhorou? Nova estrutura do IPv6 Técnicas

Leia mais

A Internet e o TCP/IP

A Internet e o TCP/IP A Internet e o TCP/IP 1969 Início da ARPANET 1981 Definição do IPv4 na RFC 791 1983 ARPANET adota o TCP/IP 1990 Primeiros estudos sobre o esgotamento dos endereços 1993 Internet passa a ser explorada comercialmente

Leia mais

Recursos de transição para IPv6

Recursos de transição para IPv6 Recursos de transição para IPv6 Andrey Vedana Andreoli, Leandro Márcio Bertholdo, Liane M. R. Tarouco POP-RS / UFRGS Rua Ramiro Barcelos, 2574 - Porto Alegre RS {andrey, berthold, liane}@penta.ufrgs.br,

Leia mais

Cássio Geraldo Freitas. Teste prático com acesso a câmera IP, pela Internet, usando exclusivamente IPv6.

Cássio Geraldo Freitas. Teste prático com acesso a câmera IP, pela Internet, usando exclusivamente IPv6. Cássio Geraldo Freitas Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado no Curso de IPv6 a Distância - Turma 3, ministrado pela equipe do IPv6.br. Teste prático com acesso a câmera IP, pela Internet, usando

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

1 ENDEREÇAMENTO IP. 1.1 Quem gerencia a numeração IP no mundo?

1 ENDEREÇAMENTO IP. 1.1 Quem gerencia a numeração IP no mundo? ENDEREÇAMENTO IP Cada máquina na Internet possui um ou mais endereços de rede que são únicos, ou seja, não podem haver dois endereços iguais. Este endereço é chamado de número Internet, Endereço IP ou

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Configurações para utilização de IPv6.

Configurações para utilização de IPv6. Configurações para utilização de IPv6. Devido a escassez de endereços IPv4 muitos países começaram a utilizar o IPv6 para solucionar este problema. Entretanto, para continuar utilizando os recursos do

Leia mais

Proxyarp O Shorewall não exige qualquer configuração

Proxyarp O Shorewall não exige qualquer configuração SEGURANÇA Firewall fácil com o Shorewall Domando o fogo, parte 2 Na segunda parte de nosso tutorial de uso do poderoso Shorewall, aprenda a criar um firewall mais complexo e a proteger sua rede com muita

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. IPv6. Prof. Claudemir

Fundamentos de Redes de Computadores. IPv6. Prof. Claudemir Fundamentos de Redes de Computadores IPv6 Prof. Claudemir Implantação do IPv6 Implantação do IPv6 Implantação do IPv6 Implantação do IPv6 RIR Regional Internet Registries (Registrador Regional de Internet)

Leia mais

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo:

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo: DIRETORIA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DA ÁREA DE INFORMÁTICA! Atividade em sala de aula. 1) A respeito de redes de computadores, protocolos TCP/IP e considerando uma rede

Leia mais

A Camada de Rede. Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II

A Camada de Rede. Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II A Camada de Rede Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II A Camada de Rede e o protocolo IP... 2 O protocolo IP... 2 Formato do IP... 3 Endereçamento IP... 3 Endereçamento com Classes

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Faixas de endereços IP, CIDR e máscaras de tamanho variável

Faixas de endereços IP, CIDR e máscaras de tamanho variável Faixas de endereços IP, CIDR e máscaras de tamanho variável Por Carlos E. Morimoto em 26 de setembro de 2007 às 09h16 Introdução O endereçamento IP é sempre um tema importante, já que é ele que permite

Leia mais

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto.

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto. Endereçamento IP Para que uma rede funcione, é necessário que os terminais dessa rede tenham uma forma de se identificar de forma única. Da mesma forma, a interligação de várias redes só pode existir se

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Uma Rede de Computadores consistem em dois ou mais dispositivos, tais como computadores, impressoras e equipamentos relacionados, os

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Prof.: Roberto Franciscatto TCP/IP, endereçamento e portas TCP/IP? Dois protocolos TCP = Transfer Control Protocol IP = Internet Protocol

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

Laboratório - Identificação de Endereços IPv6

Laboratório - Identificação de Endereços IPv6 Laboratório - Identificação de Endereços IPv6 Topologia Objetivos Parte 1: Identificar os diferentes tipos de endereços IPv6 Analisar os diferentes tipos de endereço IPv6. Corresponder o endereço IPv6

Leia mais

Interligando duas redes IPV6 através de rede pública IPV4 (internet) utilizando a ferramenta OpenVPN

Interligando duas redes IPV6 através de rede pública IPV4 (internet) utilizando a ferramenta OpenVPN Interligando duas redes IPV6 através de rede pública IPV4 (internet) utilizando a ferramenta OpenVPN Rafael Amarantes, Joecir de Oliveira Pinto Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas

Leia mais

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Segurança em Redes Prof. Rafael R. Obelheiro Semestre: 2009.1 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Endereçamento IP Endereços IP possuem 32 bits, o que possibilita 2 32 = 4.294.967.296 endereços Na

Leia mais

Princípios de desenho do nível IP na Internet

Princípios de desenho do nível IP na Internet Princípios de desenho do nível IP na Internet 1. Ter a certeza que funciona. 2. Manter os protocolos simples. 3. Fazer escolhas claras. 4. Tirar proveito da modularidade. 5. Esperar heterogeneidade. 6.

Leia mais

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma "mini-tabela" de roteamento:

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma mini-tabela de roteamento: Tutorial de TCP/IP - Parte 6 - Tabelas de Roteamento Por Júlio Cesar Fabris Battisti Introdução Esta é a sexta parte do Tutorial de TCP/IP. Na Parte 1 tratei dos aspectos básicos do protocolo TCP/IP. Na

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.!

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.! Laboratório wireshark Número de sequencia: syn syn ack ack Cisco Packet Tracer Roteador trabalha em dois modos de operação: - Modo Normal - símbolo > - Modo Root - símbolo # ##################################################################

Leia mais

1. Considerações...3. 2. Introdução...3. 3. Arquitetura...3. 3.1. Topologia Básica...4. 3.2. Hardware mínimo recomendado...5

1. Considerações...3. 2. Introdução...3. 3. Arquitetura...3. 3.1. Topologia Básica...4. 3.2. Hardware mínimo recomendado...5 ÍNDICE 1. Considerações...3 2. Introdução...3 3. Arquitetura...3 3.1. Topologia Básica...4 3.2. Hardware mínimo recomendado...5 3.3. Sistemas Operacionais...5 4. Configurações Necessárias...6 4.1. Nas

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

Ipv6. Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Brasília. Campus Taguatinga. PROFESSOR: Bruno Pontes ALUNAS: Clésia da Silva Rosane M.

Ipv6. Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Brasília. Campus Taguatinga. PROFESSOR: Bruno Pontes ALUNAS: Clésia da Silva Rosane M. Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Brasília Campus Taguatinga Matéria: REDES Professor: Frederico PROFESSOR: Bruno Pontes ALUNAS: Clésia da Silva Rosane M. da Silva Ipv6 Taguatinga-DF 2012 INTRODUÇÃO

Leia mais

Segurança de Redes de Computadores

Segurança de Redes de Computadores Segurança de Redes de Computadores Aula 8 Segurança nas Camadas de Rede, Transporte e Aplicação Firewall (Filtro de Pacotes) Prof. Ricardo M. Marcacini ricardo.marcacini@ufms.br Curso: Sistemas de Informação

Leia mais

Técnicas de Transição em 45 minutos

Técnicas de Transição em 45 minutos Capacitação IPv6.br Técnicas de Transição em 45 minutos Agenda Introdução Classificação das Técnicas Pilha Dupla DS-Lite e DS-Lite + A+P 6rd 6PE e 6VPE NAT64 e DNS64 464XLAT IVI, divi e divi-pd Considerações

Leia mais

Fundamentos dos protocolos internet

Fundamentos dos protocolos internet Fundamentos dos protocolos internet - 2 Sumário Capítulo 1 Fundamentos dos protocolos internet...3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 14 2.1. Objetivos... 14 2.2. Troubleshooting...

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

Versão 1.3 Abril de 2009. Suplemento do IPv6: Definir Configurações IP e Filtro IP

Versão 1.3 Abril de 2009. Suplemento do IPv6: Definir Configurações IP e Filtro IP Versão 1.3 Abril de 2009 Suplemento do IPv6: Definir Configurações IP e Filtro IP 2009 Xerox Corporation. Todos os direitos reservados. Xerox e o desenho da esfera de conectividade são marcas da Xerox

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

CPE Soft Manual. 125/400mW 2.4GHz. CPE Soft

CPE Soft Manual. 125/400mW 2.4GHz. CPE Soft CPE Soft Manual 125/400mW 2.4GHz CPE Soft Campinas - SP 2010 Indice 1.1 Acessando as configurações. 2 1.2 Opções de configuração... 3 1.3 Wireless... 4 1.4 TCP/IP 5 1.5 Firewall 6 7 1.6 Sistema 8 1.7 Assistente...

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores ÍNDICE Capítulo 1: Introdução às redes de computadores Redes domésticas... 3 Redes corporativas... 5 Servidor... 5 Cliente... 7 Estação de trabalho... 8 As pequenas redes... 10 Redes ponto-a-ponto x redes

Leia mais

01 - Entendendo um Firewall. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

01 - Entendendo um Firewall. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com 01 - Entendendo um Firewall. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com O que são Firewalls? São dispositivos constituídos por componentes de hardware (roteador capaz de filtrar

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores edes de Computadores edes de Computadores Nível de ede edes de Computadores 2 1 Esquema de endereçamento original: cada rede física tem seu endereço de rede, cada host em uma rede tem o endereço de rede

Leia mais

Engenheiro de Computação pela Universidade São Francisco USF (Itatiba SP, 2012).

Engenheiro de Computação pela Universidade São Francisco USF (Itatiba SP, 2012). Redes IP II: Técnicas de Migração de Ambientes de Redes IPv4 para IPv6 O IPv6 possui uma capacidade de endereçamentos de 128 bits contra apenas 32 bits do IPv4 (Endereço de protocolo utilizado hoje na

Leia mais

Endereçamento e Roteamento IP

Endereçamento e Roteamento IP Endereçamento e Roteamento IP Redes TCP/IP O objetivo deste módulo é explicar como funciona a atribuição de endereços IP com classe e sem classe e como configurar logicamente tabelas de roteamento. Obs.

Leia mais

Firewall - IPTABLES. Conceitos e Prática. Tópicos em Sistemas de Computação 2014. Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.

Firewall - IPTABLES. Conceitos e Prática. Tópicos em Sistemas de Computação 2014. Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity. Firewall - IPTABLES Conceitos e Prática Tópicos em Sistemas de Computação 2014 Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Estagiário Docente: Vinícius Oliveira viniciusoliveira@acmesecurity.org

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

PROJETO DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR FIREWALL LIVRE UTILIZANDO IPTABLES

PROJETO DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR FIREWALL LIVRE UTILIZANDO IPTABLES PROJETO DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR FIREWALL LIVRE UTILIZANDO IPTABLES 1. Introdução O IPTABLES é um software usado para analisar os pacotes que passam entre redes. A partir desse princípio podemos

Leia mais

FormaçãoIPv6-Maputo. Autoconfiguração Maputo 26 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga

FormaçãoIPv6-Maputo. Autoconfiguração Maputo 26 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga FormaçãoIPv6-Maputo Autoconfiguração Maputo 26 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga Autoconfiguração Agenda/Índice Autoconfiguração sem estados Autoconfiguração com estados Autoconfiguração sem

Leia mais

LABORATÓRIO V. NAT E FIREWALL Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135

LABORATÓRIO V. NAT E FIREWALL Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 LABORATÓRIO V NAT E FIREWALL Documento versão 0.1 Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 Orientado pela Professora Kalinka Regina Lucas Jaquie Castelo Branco Julho / 2010 Laboratório V NAT e Firewall

Leia mais

Técnicas de Transição

Técnicas de Transição Capacitação IPv6.br Técnicas de Transição Agenda Introdução 464XLAT Cenários 4rd Classificação das Técnicas 6PE e 6VPE Pilha Dupla 6rd 6in4 e 6over4 6to4 GRE Teredo Tunnel Brokers ISATAP DS-Lite e DS-Lite

Leia mais

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Introdução: Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Prezados leitores, esta é a primeira parte, desta segunda etapa dos tutoriais de TCP/IP. As partes de 01 a 20, constituem o módulo

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Administração de Redes Redes e Sub-redes

Administração de Redes Redes e Sub-redes 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administração de Redes Redes e Sub-redes Prof.

Leia mais

cio Roteamento Linux

cio Roteamento Linux Exercício cio Roteamento Linux Edgard Jamhour Exercícios práticos para configuração de roteamento usando Linux Esses exercícios devem ser executados através do servidor de máquinas virtuais: espec.ppgia.pucpr.br

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Sumário 1. Fundamentos e Infraestrutura de Redes de Computadores... 5 1.1. Laboratório 01 IP... 6 1.2. Laboratório 02 IP... 8 1.3. Laboratório 03 DHCP... 10 1.4. Laboratório 04 NAT... 13 1.5. Laboratório

Leia mais

Técnicas de Transição

Técnicas de Transição IPv6.br Técnicas de Transição Agenda Introdução 4rd Classificação das Técnicas 6PE e 6VPE Pilha Dupla 6rd 6in4 e 6over4 6to4 GRE Teredo Tunnel Brokers ISATAP DS-Lite e DS-Lite + A+P A+P IVI, divi e divi-pd

Leia mais

PRÁTICA DE IPV6: ENDEREÇAMENTO, AUTOCONFIGURAÇÃO E ROTEAMENTO 1. APRESENTAÇÃO DO CENÁRIO DIFERENÇAS NO ROTEIRO EM RELAÇÃO A IMAGEM DO DVD

PRÁTICA DE IPV6: ENDEREÇAMENTO, AUTOCONFIGURAÇÃO E ROTEAMENTO 1. APRESENTAÇÃO DO CENÁRIO DIFERENÇAS NO ROTEIRO EM RELAÇÃO A IMAGEM DO DVD PRÁTICA DE IPV6: ENDEREÇAMENTO, AUTOCONFIGURAÇÃO E ROTEAMENTO O objetivo dessa prática é ilustrar o processo de atribuição de endereços, roteamento e auto-configuração do IPv6. Como veremos, o IPv6 adota

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS Se todos os computadores da sua rede doméstica estiverem executando o Windows 7, crie um grupo doméstico Definitivamente, a forma mais

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Topologia Objetivos Parte 1: Acessar a tabela de roteamento de host Parte 2: Examinar as entradas da tabela de roteamento de host IPv4 Parte

Leia mais

Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A

Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1 CNC...3 2.1.1. Configuração...3 2.2 PC...6 2.2.1 Configurar a rede Microsoft...6 2.2.2. Inibir o Firewall da rede

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

Pós Graduação Tecnologia da Informação UNESP Firewall

Pós Graduação Tecnologia da Informação UNESP Firewall Pós Graduação Tecnologia da Informação UNESP Firewall Douglas Costa Fábio Pirani Fernando Watanabe Jefferson Inoue Firewall O que é? Para que serve? É um programa usado para filtrar e dar segurança em

Leia mais

Endereçamento IP. S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04

Endereçamento IP. S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04 Endereçamento IP S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04 2.1 Endereçamento IP...04 2.2 Conversão decimal/binário...05 2.3 Endereçamento IPv4...06 2.4 Endereços

Leia mais

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 ETI/Domo 24810180 www.bpt.it PT Português ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 Configuração do PC Antes de realizar a configuração de todo o sistema, é necessário configurar o PC para que esteja pronto

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Segurança de Redes. Firewall. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br

Segurança de Redes. Firewall. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Segurança de Redes Firewall Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Introdução! O firewall é uma combinação de hardware e software que isola a rede local de uma organização da internet; Com ele é possível

Leia mais

Guia de configuração para liberar Portas no DSLink 260E para acesso via PPPoE Rev. 3.3

Guia de configuração para liberar Portas no DSLink 260E para acesso via PPPoE Rev. 3.3 Guia de configuração para liberar Portas no DSLink 260E para acesso via PPPoE Rev. 3.3 http://www.dslink.com.br/ Índice Como conectar o modem DSLink 260E ao meu computador?... 3 Configurando o modem como

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Internet Protocol version 6 (IPv6) Aula 19 Com crescimento da Internet IPv4 apresenta alguns problemas Esgotamento de endereços

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA ELETRÔNICA IV - REDES 4 MÓDULO

CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA ELETRÔNICA IV - REDES 4 MÓDULO CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA ELETRÔNICA IV - REDES 4 MÓDULO 2011 SUMÁRIO 1 PROTOCOLOS (CONTINUAÇÃO) ÇÃO)... 1 1.1 O que é DHCP...1 1.1.1 Funcionamento do DHCP...2 1.1.2 Breve histórico do DHCP...3 1.1.3

Leia mais

IPTABLES. Helder Nunes Haanunes@gmail.com

IPTABLES. Helder Nunes Haanunes@gmail.com IPTABLES Helder Nunes Haanunes@gmail.com Firewall Hoje em dia uma máquina sem conexão com a internet praticamente tem o mesmo valor que uma máquina de escrever. É certo que os micros precisam se conectar

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Ponto de Presença da RNP na Bahia Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração de Redes,

Leia mais

Projeto de Redes de Computadores. Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes

Projeto de Redes de Computadores. Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes Lembrar a estrutura organizacional do cliente ajuda a planejar a atribuição de endereços e nomes O mapa topológico também ajuda, pois indica onde há hierarquia

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES I LINUX. Firewall. Frederico Madeira LPIC 1, CCNA fred@madeira.eng.br www.madeira.eng.br

ADMINISTRAÇÃO DE REDES I LINUX. Firewall. Frederico Madeira LPIC 1, CCNA fred@madeira.eng.br www.madeira.eng.br ADMINISTRAÇÃO DE REDES I LINUX Firewall Frederico Madeira LPIC 1, CCNA fred@madeira.eng.br www.madeira.eng.br São dispositivos que têm com função regular o tráfego entre redes distintas restringindo o

Leia mais

Questionário de RC Nota3

Questionário de RC Nota3 Questionário de RC Nota3 Entrega: Individual e escrita à mão. Data de entrega: 30/10. Em todas as questões deverão constar o desenvolvimento da sua resposta, caso contrário a questão será desconsiderada.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores CAMADA DE REDE DHCP NAT IPv6 Slide 1 Protocolo DHCP Protocolo de Configuração Dinâmica de Hospedeiros (Dynamic Host Configuration Protocol DHCP), RFC 2131; Obtenção de endereço de

Leia mais

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL ARP Protocolo de resolução de endereços (Address Resolution Protocol) Descrito na RFC 826 Faz a tradução de endereços IP para endereços MAC da maioria das redes IEEE 802 Executado dentro da sub-rede Cada

Leia mais

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Endereços IP Arquitetura TCP/IP DHCP Redes classe A, B e C Protocolos TCP/IP Estudos complementares 3 Estudos complementares Consulte os capítulos 5 e 12 do livro: Capítulo

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Guia do TCP/IP Entendendo o IPv4 e IPv6

Guia do TCP/IP Entendendo o IPv4 e IPv6 2010 Guia do TCP/IP Entendendo o IPv4 e IPv6 3ª Edição Daniel Donda Mcsesolution.com 01/10/2010 Sumário O IPv4... 2 Sobre este documento... 2 Um pouco da história do IP... 2 O Endereçamento IP... 3 Controle

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE. Documento de Projeto Lógico e Físico de Rede

BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE. Documento de Projeto Lógico e Físico de Rede BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE Documento de Projeto Lógico e Físico Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição Localização 1.0 20/OUT/2010

Leia mais

Obs: Endereços de Rede. Firewall em Linux Kernel 2.4 em diante. Obs: Padrões em Intranet. Instalando Interface de Rede.

Obs: Endereços de Rede. Firewall em Linux Kernel 2.4 em diante. Obs: Padrões em Intranet. Instalando Interface de Rede. Obs: Endereços de Rede Firewall em Linux Kernel 2.4 em diante Classe A Nº de IP 1 a 126 Indicador da Rede w Máscara 255.0.0.0 Nº de Redes Disponíveis 126 Nº de Hosts 16.777.214 Prof. Alexandre Beletti

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Curso Técnico em Informática Estrutura de Endereçamento IP e Mascara de Subrede Endereçamento IP e Classes Autoridade para Atribuição de Números da Internet http://www.iana.org/

Leia mais