Prof. Sérgio Rebelo. Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. Sérgio Rebelo. Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando"

Transcrição

1 Prof. Sérgio Rebelo Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando

2 Eletricidade e Eletrónica - Elenco 2 Modular

3 3 Módulo 1 Corrente Contínua

4 4 Módulo 1 Corrente Contínua

5 5 Módulo 1 Corrente Contínua

6 Potências de base 10 6 Convém recordar como efetuar cálculos utilizando as potências de base 10. Com o expoente positivo a potência transforma-se num número com o número de zeros igual ao expoente Com o expoente negativo a potência transforma-se num número com casas decimais igual ao número do expoente , Produto de potências da mesma base somam-se os expoentes. 0, Divisão de potências da mesma base subtraem-se os expoentes

7 Eletrónica Fundamental Prefixos 7 Prefixos: São utilizados antecedendo o nome da unidade fundamental de uma grandeza, para designar os diferentes múltiplos e submúltiplos da dita unidade. Nome do prefixo (Múltiplo) TERA Símbolo (T ) Tradução Matemática x = GIGA (G ) x =10 +9 MEGA (M ) x =10 +6 KILO (K ) x1000=10 +3 Unidade Fundam. ( ) x1 Nome do prefixo(sub múltiplo) Unidade Fundam. Símbolo ( ) Tradução Matemática x1 mili (m ) /1000=10-3 micro ( ) / =10-6 nano (n ) / =10-9 pico (p ) / =10-12 Tabela 1 - Representação de alguns dos múltiplos da unidade. Tabela 2 - Representação de alguns dos submúltiplos da unidade.

8 Eletrónica Fundamental Prefixos (2) 8 Pode escrever-se as seguintes igualdades que representam as passagens de múltiplos e submúltiplos para a unidade fundamental. Múltiplo ou submúltiplo Conversão na unidade fundamental 10 ma 10x10-3 A 50 V 50x10-6 V 3 K 3x10 +3 Tabela 3 - Representação de conversões de múltiplos ou submúltiplos na unidade fundamental Deste modo pode efetuar-se as seguintes simplificações: K 4710 K K , A A 810 A A A 80A , 005 V 510 V mv mv 5mV 3 10

9 Eletrónica Fundamental Prefixos (3) 9 Efectue as seguintes simplificações utilizando potências de base 10 e os múltiplos e submúltiplos da unidade fundamental: Completar as seguintes igualdades utilizando as potências de base 10: a) 6 mh= H b) 10 KHz= Hz c) 200 nf= F d) 5 A= A e) 4,7 K= f) 10 KV= mv g) 120 F= nf h) 18 A= ma a) 6 mh=6x10-3 H b) 10 KHz= 10x10 3 Hz c) 200 nf= 200x10-9 F d) 5 A= 5A e) 4,7 K= 4,7x10 3 f) 10 KV= 10x10 6 mv g) 120 F= 120x10 3 nf h) 18 A= 18x10-3 ma Completar as seguintes igualdades utilizando os múltiplos e submúltiplos da unidade i) = K j) 0,006 H= mh k) 5800 V= KV l) 450 = K m) 0,01 A= ma n) 0,00013 A= ma o) 0,38 V= mv p) 0,2 A= A i) = 38 K j) 0,006 H= 6 mh k) 5800 V= 5,8 KV l) 450 = 0,45 K m) 0,01 A= 10 ma n) 0,00013 A=0,13 ma o) 0,38 V= 380 mv p) 0,2 A= 0,2 A

10 Electricidade e Electrónica Componentes 10 Electrónica: Estudo do fluxo de electricidade em circuitos eletrónicos. Esta área do conhecimento esta ligada por exemplo ao desenvolvimento da Informática (Hardware de computadores), as Telecomunicações, etc. Componentes Eletrónicos: Resistências e Potenciómetro Bobines e Condensadores: Semicondutores(Díodos e Transístores):

11 Constituição da matéria 11 Eletricidade: Estudo dos fenómenos que resultam da presença de cargas elétricas. As cargas estacionárias são a matéria da eletricidade estática e as cargas em movimento dizem respeito à corrente elétrica. Este ramo da física trata das propriedades elétricas das substâncias, da geração de eletricidade e das suas aplicações práticas. A maioria das substâncias encontradas na natureza, em qualquer estado físico, são constituídas por um aglomerado de partículas minúsculas, chamadas moléculas. As moléculas podem ainda ser subdivididas em partículas menores (os átomos) que já não apresentam as mesmas propriedades da substância original. Se se subdividir uma molécula de água, obtêm-se três partículas, sendo duas iguais entre si (átomos de hidrogénio) e a terceira diferente (átomo de oxigénio). A molécula de água (H 2 O) é constituída por dois átomos de hidrogénio (H) e um de oxigénio (O). Figura 1 - Representação esquemática da estrutura de 5 moléculas de água (Em interação ).

12 Estrutura do átomo 12 O átomo (a menor partícula constituinte da matéria) é uma palavra de origem grega e significa não divisível. Este nome foi atribuído na sua descoberta, quando realmente pensava-se que fosse impossível dividi-lo. Sabe-se actualmente que o átomo é formado por três tipos de partículas elementares: eletrões, protões e neutrões. Destas, os protões e os neutrões formam a parte central (núcleo). Os eletrões giram em redor do núcleo, em altas velocidades e distribuem-se em várias regiões (camadas). Forças de atração (eletrostática) entre os protões e os eletrões mantêm os eletrões nas suas órbitas. O eletrão possui carga elétrica negativa (-) e o protão carga elétrica positiva (+). O neutrão não possui carga eléctrica, isto é, a sua carga eléctrica é nula. Figura 2 - Representação esquemática da estrutura de um átomo (Modelo de Bohr.)

13 Camadas e Eletrões de Valência 13 Os eletrões gravitam em volta do núcleo segundo regras complexas e precisas. Esquematicamente, organizam-se em órbitas. A forma como os eletrões estão distribuídos por cada órbita em torno do núcleo não é aleatória. O número máximo de eletrões de cada nível é limitado segundo de acordo com a regra 2n 2 onde n é o número do nível. Figura 3 - Representação esquemática das camadas ou subníveis de um átomo. Assim 1º nível é constituído, no máximo, por 2 eletrões; e o 2º por 8 eletrões e assim sucessivamente; É regra geral na natureza a estabilização na menor energia possível. Os níveis são preenchidos na sequência do menor para o maior e um nível só poderá conter eletrões se o anterior estiver completo. (Válido para elementos representativos Grupos I,II,XIII até ao XVIII).

14 14 Camadas e Eletrões de Valência (2) Em todos os átomos, a camada mais afastada do núcleo (camada externa), é chamada de camada de valência, e os eletrões dessa camada são chamados de electrões de valência. Os átomos com orbitais que estão saturadas, isto é, orbitais com o número máximo de electrões, são extremamente estáveis e não se ligam a outros átomos: são os casos dos gases raros (hélio, o néon, o árgon, o xénon,...). Pelo contrário, todos os outros átomos têm tendência a organizar a sua órbita periférica de maneira a atingir maior estabilidade. Portanto, um átomo, poderá ganhar (receber) ou perder (ceder) eletrões. Quando este ganha um ou mais eletrões, transforma-se num ião negativo (ou anião). Quando um átomo perde um ou mais eletrões, transforma-se num ião positivo (ou catião). Esta tendência espontânea para configurações electrónicas mais estáveis determina a associação dos átomos em moléculas.

15 Tabela Periódica 15 Os átomos com 6 e 7 eletrões de valência têm facilidade em ganhar eletrões, transformando-se em iões negativos; como o oxigénio (O O 2- ), o cloro (Cl Cl - ). Os átomos com 1, 2 e 3 electrões de valência têm facilidade em cedê-los, transformando-se em iões positivos; Como o alumínio (Al Al 3+ ), o cálcio (Ca Ca 2+ ), o Sódio (Na Na + ). Os átomos com 4 eletrões de têm tendência para partilhar eletrões para atingir uma configuração mais estável, é o que ocorre com o Carbono (C), o Silício (Si), o Germânio (Ge). Figura 4 - Representação da Tabela Periódica.

16 Carga Elétrica AC: Thales (Matemático grego) verificou que o Âmbar (resina vegetal) ao ser friccionado com pele um animal adquiria a capacidade de atrair pequenos fragmentos de material seco DC: William Gilbert (Médico Inglês) verificou que muitos outros materiais adquiriam comportamento semelhante ao do Âmbar, ou seja, adquiriam carga elétrica DC: Charles Coulomb, descobre a Lei da força electrostática (Lei de Coulomb) Expressão matemática das forças eletrostáticas entre cargas pontuais. Lei de Coulomb A força entre duas F r partículas carregadas a uma distância r é proporcional ao produto das cargas e inversamente proporcional ao quadrado da Q 1 distância que as separa. A lei rege-se de acordo com a equação 1: F Q1 Q 4 r 2 2 o Permeabilidade do vácuo: (Equação 1) 12 o 8, F / m Q 2 Figura 5 Representação de duas partículas carregadas a uma distância r. F

17 Carga Elétrica (2) 17 A carga elétrica uma a propriedade fundamental da matéria e base dos fenómenos elétricos, incluindo a eletricidade. As cargas elétricas podem ser positivas ou negativas. Figura 6 - Representação das linhas de força do campo elétrico formado por duas cargas opostas e duas positivas. Um corpo com igual número de cargas positivas e negativas diz-se eletricamente neutro. Dois corpos que tenham cargas do mesmo sinal repelem-se, enquanto corpos com cargas opostas atraem-se, porque cada uma delas esta sob a influência do campo eléctrico do outro corpo. A unidade S.I. de medida da carga elétrica é o Coulomb (representado por C) e 1 Coulomb é igual a 6,25x10 18 electrões. Campo Eléctrico: Região em torno de uma carga eléctrica na qual um corpo electricamente carregado é sujeito a uma força.

18 Corrente elétrica 18 Uma corrente eléctrica é um movimento ordenado e orientado de partículas com carga. No núcleo de cobre de um cabo estas partículas são eletrões, que têm liberdade para deslocarem-se. Os eletrões que circundam um átomo só podem ocupar certas órbitas, cada uma com um nível energético específico. Num cristal de metal existem alguns eletrões, que estão nos níveis mais interiores que estão ligados aos núcleos mas há muitos com uma energia suficientemente elevada para libertarem-se de um determinado núcleo. Estes acumulam-se em faixas de níveis energéticos com intervalos muito pequenos. Trata-se das faixas de valência totalmente ocupadas(cor-de-rosa), que dão coesão ao cristal, ou das faixas de condução (amarelo), que permitem que os eletrões se desloquem por todo o cristal. Figura 7 - Representação do movimento de eletrões num condutor

19 Figura 8 - Representação do movimento no sentido real de eletrões um circuito elétrico. Corrente elétrica (2) 19 Os eletrões fracamente ligados aos núcleos passam a pertencer ao metal como um todo, ficando "livres" para movimentarem-se sob a açcão de campos eléctricos exteriores. Fornecendo energia ao sistema (Diferença de potencial), este movimento de partículas origina uma corrente elétrica. Antes de os cientistas do século XX terem descoberto o papel chave que os eletrões desempenhavam no fenómeno elétrico, houve necessidade de atribuir uma direcção ao fluxo de corrente e estabeleceu-se por convenção de que flui de um ponto de carga positiva para um de carga negativa. Na realidade os eletrões de carga negativa fluem exactamente ao contrário num circuito, do negativo para o positivo, mas a convenção acerca da direção da corrente elétrica manteve-se.

20 Corrente elétrica (3) 20 Para obter-se uma corrente elétrica é portanto necessário criar-se um campo elétrico num condutor. Com esse campo eléctrico tem-se diferentes níveis de energia. Esses diferentes níveis de energia provocarão o que é conhecido como diferença de potencial (d.d.p.), ou tensão elétrica. Em cada ponto da região submetida ao campo eléctrico uma carga fica sujeita a uma força, o que por consequência originará o seu movimento A intensidade de corrente elétrica é medida em ampere [A] e é a razão entre a quantidade de carga elétrica, em coulomb [C], que atravessa a seção transversal de um condutor durante um intervalo de tempo, em segundos [s] e calcula-se de acordo com a equação 2. I Q t Quantidade de eléctricidade 1Coulomb Ampere 1 A Unidade de tempo 1 s (Equação 2) Figura 9 - Representação de um circuito eléctrico básico

21 Corrente elétrica (4) 21 Figura 10 - Representação de um condutor: a) Sem Fluxo de electrões; b) Com Fluxo de electrões (Corrente Eléctrica); c) Com Fluxo de electrões e elevada resistência. a) b) c) Nos metais para além dos eletrões em órbita em redor dos núcleos dos átomos, há um certo número de eletrões livres que se deslocam aleatoriamente. Fornecendo energia ao sistema (Diferença de potencial), este movimento de partículas origina uma corrente elétrica que é constituída por um movimento ordenado e orientado de partículas com carga (electrões). Num metal com elevada resistência, existem menos electrões para transportarem a corrente e uma parte da energia eléctrica faz aumentar a vibração dos átomos. Este fenómeno provoca o aquecimento do metal e emite radiação infravermelha ou raios de calor.

22 Exercício 22 Qual a intensidade da corrente elctrica em um fio condutor, sabendo-se que uma carga de 3600 μc leva 12 segundos para atravessar a sua seção transversal? I Q t I A Calcule a quantidade de eletricidade que atravessa a seção um fio condutor de um circuito durante 5 minutos sendo a intensidade da corrente de 50 ma. Q t I A t s 3 I Q I t Q Q 15 C

23 Potencial Elétrico 23 Quando se ligam dois corpos carregados, as cargas positivas fluem daquele que tem um potencial maior para o que apresenta um potencial menor. Quanto maior a diferença de potencial entre os dois corpos, tanto mais prontamente flui a carga entre eles. Um outro termo para diferença de potencial é tensão ou voltagem. A unidade da diferença de potencial (ou tensão) é o Volt Potencial Eléctrico: Energia necessária para levar uma unidade de carga do infinito (Potencial zero) até ao ponto num campo eléctrico para o potencial especificado. Diferença de potencial: A diferença de valor do potencial eléctrico entre dois pontos e é equivalente ao trabalho necessário para deslocar a carga unitária de um ponto para o outro. Em cada ponto da região representada na figura 11, submetida ao campo eléctrico uniforme, uma carga fica sujeita a uma força, que origina o seu movimento. Há então um Potencial Eléctrico para realizar trabalho. E 1 F E 2 E 3 Q- Q + Figura 11 - Representação de uma região submetida a um campo elétrico, das linhas de campo e do movimento de cargas. F F

24 24 Condutores, Isolantes e Semicondutores Nem todos os metais conduzem a eletricidade igualmente bem, dependendo esta característica da sua disponibilidade de electrões livres. Os melhores condutores incluem o alumínio, o cobre, a prata e o ouro. Quanto ao aspecto correspondente à condução de corrente eléctrica, os materiais podem ser classificados como condutores, isolantes e semicondutores. Condutores: São materiais que possuem uma resistividade muito baixa, não oferecendo, praticamente, nenhuma oposição à passagem da corrente elétrica. Num material condutor os eletrões de valência são atraídos pelo núcleo dos átomos, por uma força muito fraca, existindo maior facilidade de movimentarem-se "livremente". Isolantes: São materiais que possuem uma resistividade muito alta, opondo-se a passagem da corrente elétrica. O vidro, a borracha são exemplos de materiais isolantes. Num material isolante, os electrões de valência estão rigidamente ligados ao núcleo dos átomos, sendo que pouquíssimos eletrões conseguem desprender-se dos seus átomos para transformarem-se em eletrões livres.

25 Condutores, Isolantes e Semicondutores (2) 25 Semicondutores: Materiais que apresentam uma resistividade Intermediária, isto é, uma resistividade maior que a dos condutores e menor que a dos isolantes. Como exemplo, pode-se citar o Carbono, o Silício, o Germânio. Em relação à condução da corrente elétrica, os semicondutores conduzem mais que os isolantes, porém menos que os condutores. Dos materiais semicondutores, o Silício e o Germânio, são os mais usados na fabricação de dispositivos de estado sólido. Sabe-se que o átomo de Germânio possui 32 electrões e portanto, é maior que o de Silício, em que há apenas 14 (ver Tabela Periódica ). Ambos possuem 4 electrões de valência, sendo, por esta razão chamados de átomos tetravalentes (tetra=quatro) e podem ser considerados semelhantes sob o ponto de vista elétrico. A resistividade do Silício é maior que a do Germânio, porque o átomo de Silício é menor que o átomo de Germânio e portanto possui os seus eletrões de valência mais rigidamente ligados ao núcleo, o que aumenta a sua resistividade.

26 Noção de Resistividade 26 A resistividade é portanto uma característica intrínseca de cada material, isto é, depende da estrutura atómica de cada matéria específica. As resistividades típicas para diversos materiais, a uma temperatura constante são apresentadas na tabela 4. A resistividade dos condutores é muito menor do que a dos materiais isolantes. A resistividade a uma dada temperatura apresenta um valor constante, mas a resistência eléctrica de uma material varia, dependendo: Do comprimento do condutor; Da secção do condutor; Tabela 4 - Representação das resistividades típicas de diversos materiais

27 Resistência Elétrica 27 Verifica-se que a resistência eléctrica de um corpo qualquer, isto é, a oposição (ou dificuldade) que este oferece à passagem de corrente eléctrica, depende das suas dimensões físicas e do material de que é constituído. A oposição da passagem da corrente elétrica é devida a dificuldade que os eléctrões livres têm em movimentarem-se pela estrutura atómica dos materiais. A resistência elétrica dissipa a energia eléctrica, produzindo calor. Na maioria dos circuitos este calor não é desejável e tem de ser libertado com segurança. Noutros dispositivos, como os secadores de cabelo, a resistência é deliberadamente grande para produzir-se uma saída de calor máximo.

28 Resistência Eléctrica (2) 28 Um material condutor de comprimento l, seção s e de resistividade, diz-se que este oferece à passagem da corrente elétrica uma certa Resistência Elétrica de acordo com a equação 3. R s (Equação 3) L s L s Diametro 4 I 2 s Raio R 1 R 1 =R 2 2 A resistência é um bipolo passivo, isto é, consome e/ou dissipa a energia eléctrica fornecida por uma fonte de alimentação, provocando uma queda de potencial eletrico no circuito. V D Figura 12 - Representação de Resistências Eléctricas V V D Queda de potencial em R 1 Queda de potencial em R 2 Figura 13 - Representação das quedas de potencial em resistências

29 Exercício 29 Qual a resistência de um fio cilindrico de cobre, com 4 mm de diâmetro e comprimento de 10Km? Resistividade do cobre igual a 1, m 2 Diametro s 4 R S L s , , , R 13, 54 3 m

30 Resistência elétrica - código de cores Resistência elétrica : Característica de cada material, representa a dificuldade que um material apresenta a passagem de corrente elétrica. Unidades S.I. : 30 Código de Cores das Resistências Cor ohm Algarismos Significativos 1ª e 2ª cor Multiplicador 3ª cor Tolerância (% 4 cor Preto Castanho Vermelho Laranja Amarelo Verde ,5 Azul ,25 Violeta 7-0,1 Cinzento Branco Dourado - 0,1 5 Prateado - 0,01 10 Tabela 5 - Representação do código de cores das Resistências Eléctricas Série de valores E 24 Tolerância 5 (%) E 12 Tolerância 10 (%) E 6 Tolerância 20(%) Tabela 6 - Representação das séries de valores nominais das Resistências Eléctricas

31 31 Resistência elétrica - código de Exemplos práticos: cores(2) Considere a resistência com as seguintes cores: Castanho; Preto; Amarelo; Dourado Calcular o valor da resistência em questão e os seus valores limite( inferior e superior) Castanho 1 Preto 0 Amarelo (Factor multiplicador) Dourado (Tolerância ) ± 5% Valor da resistência 100 kω = Ω Limite superior: (0,05 x 100) = 105 kω Limite inferior: 100 (0,05 x100 )= 95 kω

32 32 Resistência elétrica - código de Exemplos práticos: cores(3) Considere a resistência com as seguintes cores: Laranja; Azul; Vermelho; Dourado Calcular o valor da resistência em questão e os seus valores limite( inferior e superior) Laranja 3 Azul 6 Vermelho (Factor 100 multiplicador) Dourado (Tolerância ) ± 5% Valor da resistência 3,6 kω =3600 Ω Limite superior: 3,6 + (0,05 x 3,6) = 3,78 kω Limite inferior: 3,6 (0,05 x3,6) = 3,42 kω

33 33 Resistência elétrica - código de Exemplos práticos: cores(4) Considere a resistência com as seguintes cores: Castanho; Preto; Laranja; Prateado Calcular o valor da resistência em questão e os seus valores limite( inferior e superior) Castanho 1 Preto 0 Laranja(Factor 1000 multiplicador) Prateado (Tolerância ) ± 10% Valor da resistência 10 kω =10000 Ω Limite superior: 10 + (0,1 x 10) = 11 kω Limite inferior: 10 (0,1 x 10) = 9 kω

34 Nota: Se as resistências possuírem 5 ou 6 cores (resistências de precisão), a 1ª, 2ª e 3ª cor correspondem a algarismos significativos, a 4ª cor ao multiplicador e a 5ª cor à tolerância. A 6ª interfere no valor nominal, indica o coeficiente de temperatura. Resistência eléctrica - código de 34 Exemplos práticos: cores(5) Calcular o valor da resistência em questão e os seus valores limite( inferior e superior) Vermelho 2 Laranja 3 Violeta 7 Preto(Factor multiplicador) 1 Castanho (Tolerância ) ± 1% Valor da resistência Limite superior: Limite inferior: 237Ω 237+ (0,01 x 237) = 239 Ω 237- (0,01 x 237) = 234 Ω

35 Temperatura e Resistência Elétrica 35 É característica dos materiais o coeficiente de temperatura que mostra como a resistividade de acordo com a equação 4 e consequentemente, a resistência (como mostra a equação 5), variam com a temperatura: ( 1 T) 0 ρ Resistividade do material à temperatura T em [Ωxm] ρ 0 Resistividade em uma temperatura de referência T 0 em [Ωxm] T = T T 0 Variação da temperatura em [ º C] R R (Equação 4) (Equação 5) 0 ( 1 T) α Coeficiente de temperatura do material, em [ºC -1 ] Figura 14 - Representação do efeito da variação da temperatura no valor da Resistência Elétrica.

36 Lei de Ohm 36 A Lei de Ohm diz que as grandezas elétricas: Intensidade da corrente, tensão e resistência estão relacionadas. Lei de Ohm Tradução matemática da lei de ohm Em qualquer resistência o valor da diferença de potencial nos seus terminais é igual ao produto da intensidade da corrente pela sua resistência. Verifica-se pelo enunciado da Lei de Ohm que: V RI Tabela 7 Enunciado da lei de Ohm e a representação matemática da lei de Ohm Existe uma relação linear entre tensão e corrente. A intensidade da corrente que atravessa a resistência é directamente proporcional a tensão aplicada aos seus terminais, assim aumentando a tensão tem-se um aumento de corrente. Intensidade da corrente e resistência são grandezas inversamente proporcionais, se a corrente aumenta a resistência baixa, se a resistência aumenta a corrente baixa, de modo a manter constante o produto.

37 Lei de Ohm (2) 37 Aplicação da lei de Ohm: Para o circuito da figura 15, variou-se o valor da tensão elétrica fornecida ao circuito entre os 5 e os 25 Volt, e mediu-se o valor da corrente do circuito. O procedimento foi realizado para 3 valores diferentes de resistência (1; 2,5 e 1,25 K), sendo os valores de tensão e intensidade da corrente representados na tabela 8. Tensão Resistência Resistência Resistência Elétrica de 5 K de 2,5 K de 1,25 K V(Volt) I(mA) I(mA) I(mA) V I R R Figura 15 - Representação do circuito. V R Tabela 8 Valores de tensão e intensidade da corrente medidos.

38 Exercícios 38 Uma resistência é percorrida por uma intensidade da corrente de 150μA, provocando uma queda de tensão de 1,8 V. Qual é o valor da resistência em questão? V 6 R I 18 R15010 I R =150 A 18,, R K R Calcular a intensidade da corrente que atravessa uma resistência de 3 K sabendo que esta sujeita a diferença de potencial de 300 V. V V 300 R I I 0,1 A 3 I R 310 Do circuito eléctrico da figura, com o auxílio de um amperímetro e de um voltímetro criou-se o seguinte quadro de valores: V(Volt) I(mA) 4 4,8 6,4 8 Qual será o valor da tensão eléctrica aplicada a resistência quando o amperímetro registar o valor de 11 ma? V I R R V R

39 Associação de Resistências 39 Tipo de Associação Representação simplificada do circuito Cálculo da resistência equivalente Série Paralelo Misto R 1 R 2 R 3 R 1 R 2 R 3 R 1 R 4 R 2 R 3 R 5 R R EQ R R R... EQ R n R EQ 1 R R 2 Combinações dos outros tipos de associação de resistências, permitem calcular-se a resistência equivalente total de qualquer circuito. R // R R3 Rn R1 R2 R R 1 2 Tabela 9 - Representação dos tipos de associação de resistências eléctricas

40 Associação em série de geradores 40 Uma fonte de tensão contínua (DC) ideal independente é um dipólo com capacidade para impor uma diferença de potencial aos seus terminais constante, independentemente do valor da intensidade da corrente que a percorre. As Tipo fontes de de tensão Representação podem associar-se em série de acordo com a tabela 10. Cálculo da tensão equivalente Associação simplificada do circuito V 1 V 2 V 3 Série Aditiva V V V V... EQ V n Série Subtractiva V 1 V 2 V EQ V 1 V 2 Com a fonte equivalente com a polaridade da fonte com potencial elétrico maior. Tabela 10 - Representação dos tipos de associação de geradores eléctricos

41 41 Associação em paralelo de geradores A associação de geradores em paralelo com valores iguais de tensão assume as seguintes características. A intensidade da corrente total será dada pela soma das intensidades das correntes fornecidas por cada gerador. O valor de tensão elétrica total é igual ao valor de cada um dos elementos. I 1 I 2 I 3 I T =I 1 +I 2 +I 3 V V V V V Figura 16 - Representação da associação em paralelo de três geradores ideais. Neste tipo de associação é pretende-se que os valores de tensão de cada gerador sejam iguais, para que a corrente fornecida por cada um dos elementos ao circuito seja igual.

42 Geradores e Recetores 42 Nos cálculos elétricos é necessário estabelecer-se um sentido para as tensões e correntes elétricas, representadas de acordo com a figura 17. V I=0 V R V R No circuito da figura 17, não existe uma ligação física, entre o gerador e a resistência (circuito em aberto), pelo que a corrente do circuito é igual a zero. Figura 17 - Representação de um circuito elétrico em aberto e dos sentidos das tensões e corrente. Com base nos sentidos convencionados para as tensões e correntes as fontes de tensão (geradores), podem considerar-se como geradores ou recetores. I I V V V V Figura 18 - Representação de fonte de tensão ideal geradora. Figura 19 - Representação de fonte de tensão ideal recetora.

43 Força electromotriz de um gerador 43 Como referido um gerador ideal mantêm aos seus terminais uma tensão constante, independente da corrente fornecida ao circuito. A esta diferença de potencial aos terminais do gerador dá-se o nome de força electromotriz do gerador (E) expressa em Volt. Na figura 20 está representado o esquema equivalente de um gerador (incluindo a resistência interna ri). De acordo com a figura 20, utilizando a lei de Ohm pode escrever-se a equação 6: Com : E E Força electromotriz (V) U r i I T (Equação 6) U Tensão de saída do gerador (V) ri Resistência interna do gerador (Ω) IT Intensidade da corrente de saída do gerador (A) I T Gerador r i E U=E IT = 0 Figura 20 - Representação equivalente de um gerador

44 44 Força electromotriz de um gerador (2) Assim de acordo com a equação 6 pode afirmar-se: Qualquer gerador apresenta sempre uma determinada resistência interna (ri), com valor reduzido. Esta resistência provoca uma queda de tensão interna. A queda de tensão interna no gerador é tanto mais elevada quanto maior for a resistência interna ou a intensidade da corrente fornecida (IT). Se o gerador apresenta uma determinada queda de tensão interna quando fornece uma corrente, então a tensão (U) aos seus terminais, não é igual ao valor da sua força electromotriz (E).

45 Potência e Energia Elétrica 45 Uma resistência eléctrica, que dispõe aos seus terminais uma tensão V e é atravessada por uma corrente I, recebe uma potência eléctrica, que pode calcular-se, em corrente contínua, de acordo com a equação 7. Esta potência elétrica, recebida pelas resistências é dissipada sob a forma de calor e é medida em Watt (W). P V I (Equação 7) A expressão para o cálculo da potência elétrica pode tomar outros aspectos de acordo com o apresentado na tabela 10. I V R Lei de Ohm R V I V R I P V R Potência Eléctrica 2 P V Tabela 10 Representações diversas do cálculo da potência eléctrica I P R I 2

46 Potência e Energia Elétrica (2) 46 Segundo a lei de Joule, sempre que um condutor, com resistência R é percorrido por uma corrente elétrica de intensidade I, durante um intervalo de tempo t, liberta-se nele uma energia calorífica W. W Pt (Equação 8) A expressão que permite calcular-se esta energia é dada de acordo com a equação 8. A unidade fundamental da energia eléctrica é o Joule (J), existindo outras unidades praticas relevantes como o kw/h. A expressão para o cálculo da energia elétrica pode tomar outros aspectos de acordo com o apresentado na tabela 11. Energia Eléctrica W V I t W R I 2 t Tabela 11 Representações diversas do cálculo da energia elétrica

47 Potência eléctrica de um gerador 47 A equação 6 relaciona a força electromotriz (E) de um gerador com a tensão (U) aos seus terminais. Multiplicando todos os membros da equação 6 pela corrente que percorre o gerador, de acordo com a equação 9 fica igual a: E I T U ri IT I (Equação 9) T Onde: Define-se potência eléctrica total fornecida pelo gerador como sendo: Define-se potência de perdas (por efeito de joule) por: Define-se potência eléctrica útil fornecida à carga, como sendo: P I r i P I P E EL I T 2 T U U I T Portanto só parte da potência elétrica total produzida (PEL) é utilizada pelo receptor (PU), sendo a restante potência desperdiçada (PI). Pode então escrever-se a equação 10, que relaciona as potências num gerador e definir o rendimento do gerador como o quociente entre a potência útil e a potência eléctrica total (equação 11). P EL P U (Equação 10) P I P U 100% (Equação 11) P

48 Exercícios 48 Uma resistência é atravessada por 50 ma quando se lhe aplica uma tensão de 10 V. Calcule o valor da potência dissipada na resistência. 3 3 P V I P P W 500 mw Uma resistência de 0,5 K é atravessada por 0,2 A, calcule a potência por ela dissipada P R I P 0,510 0, 2 20 W Uma resistência dissipa 100 mw quando se aplica uma tensão de 6 V. Se a tensão subir para 7,5 V, qual será a potência dissipada. 2 2 V P 6 P R R R R V V 7,5 I I I 0, 208 A 20,8 ma R P R I P ,8 10 0,155 W 155mW

Eletricidade Aula 1. Profª Heloise Assis Fazzolari

Eletricidade Aula 1. Profª Heloise Assis Fazzolari Eletricidade Aula 1 Profª Heloise Assis Fazzolari História da Eletricidade Vídeo 2 A eletricidade estática foi descoberta em 600 A.C. com Tales de Mileto através de alguns materiais que eram atraídos entre

Leia mais

APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA

APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA Prof. Andryos da Silva Lemes Esta apostila é destinada

Leia mais

U = R.I. Prof.: Geraldo Barbosa Filho AULA 06 CORRENTE ELÉTRICA E RESISTORES 1- CORRENTE ELÉTRICA

U = R.I. Prof.: Geraldo Barbosa Filho AULA 06 CORRENTE ELÉTRICA E RESISTORES 1- CORRENTE ELÉTRICA AULA 06 CORRENTE ELÉTRICA E RESISTORES 1- CORRENTE ELÉTRICA Movimento ordenado dos portadores de carga elétrica. 2- INTENSIDADE DE CORRENTE É a razão entre a quantidade de carga elétrica que atravessa

Leia mais

Exemplos de condutores: cobre, alumínio, ferro, grafite, etc. Exemplos de isolantes: vidro, mica, fenolite, borracha, porcelana, água pura, etc.

Exemplos de condutores: cobre, alumínio, ferro, grafite, etc. Exemplos de isolantes: vidro, mica, fenolite, borracha, porcelana, água pura, etc. Condutores e Isolantes Condutores: São materiais caracterizados por possuírem no seu interior, portadores livres de cargas elétricas (elétrons livres), desta forma, permitindo a passagem de uma corrente

Leia mais

Disciplina: Eletricidade Básica. Prof. Flávio Ribeiro

Disciplina: Eletricidade Básica. Prof. Flávio Ribeiro 1 Disciplina: Eletricidade Básica Prof. Flávio Ribeiro Princípios básicos de Eletricidade : A eletricidade é a forma de energia mais utilizada na sociedade atual. Transformada facilmente em outros tipos

Leia mais

Sistemas eléctricos e magnéticos

Sistemas eléctricos e magnéticos Sistemas eléctricos e magnéticos A corrente eléctrica como forma de transferência de energia Prof. Luís Perna 2010/11 Geradores de corrente eléctrica Um gerador eléctrico é um dispositivo que converte

Leia mais

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Num metal os electrões de condução estão dissociados dos seus átomos de origem passando a ser partilhados por todos os iões positivos do sólido, e constituem

Leia mais

1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores

1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores 1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores 1. Objetivos Ler o valor nominal de cada resistor por meio do código de cores; Determinar a máxima potência dissipada pelo resistor por meio de suas

Leia mais

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico Eletrodinâmica Circuito Elétrico Para entendermos o funcionamento dos aparelhos elétricos, é necessário investigar as cargas elétricas em movimento ordenado, que percorrem os circuitos elétricos. Eletrodinâmica

Leia mais

FÍSICA 12 Marília Peres. A corrente eléctrica é um movimento orientado. só ocorre se houver diferença de potencial.

FÍSICA 12 Marília Peres. A corrente eléctrica é um movimento orientado. só ocorre se houver diferença de potencial. CIRCUITOS ELÉCTRICOS FÍSICA 12 1 CORRENTE ELÉCTRICA A corrente eléctrica é um movimento orientado de cargas eléctricas através de um condutor e só ocorre se houver diferença de potencial. O sentido convencional

Leia mais

Correção da ficha de trabalho N.º3

Correção da ficha de trabalho N.º3 Correção da ficha de trabalho N.º3 1- Classifique as afirmações seguintes em verdadeiras ou falsas, corrigindo estas últimas: A. A passagem de um átomo de um estado excitado ao estado fundamental é acompanhada

Leia mais

Electricidade e magnetismo

Electricidade e magnetismo Electricidade e magnetismo Circuitos eléctricos 3ª Parte Prof. Luís Perna 2010/11 Corrente eléctrica Qual a condição para que haja corrente eléctrica entre dois condutores A e B? Que tipo de corrente eléctrica

Leia mais

Física Experimental II. Instrumentos de Medida

Física Experimental II. Instrumentos de Medida Física Experimental II Instrumentos de Medida Conceitos Básicos I 1. Corrente Elétrica: chamamos de corrente elétrica qualquer movimento de cargas de um ponto a outro. Quando o movimento de cargas se dá

Leia mais

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores RESISTORES 1.Resistencia elétrica e Resistores Vimos que, quando se estabelece uma ddp entre os terminais de um condutor,o mesmo é percorrido por uma corrente elétrica. Agora pense bem, o que acontece

Leia mais

Circuitos de Corrente Contínua

Circuitos de Corrente Contínua Circuitos de Corrente Contínua Conceitos básicos de eletricidade Fundamentos de Eletrostática Potencial, Diferença de Potencial, Corrente Tipos de Materiais Circuito Elétrico Resistores 1 Circuitos de

Leia mais

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA)

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) 1. (Fuvest) O plutônio ( Pu) é usado para a produção direta de energia elétrica em veículos espaciais. Isso é realizado em um gerador que possui

Leia mais

RESISTORES ELÉTRICOS

RESISTORES ELÉTRICOS RESISTORES ELÉTRICOS São dispositivos utilizados para limitar a passagem da corrente elétrica nos circuitos São feitos com material condutor de alta resistividade elétrica Transformam a energia elétrica

Leia mais

Resistência elétrica

Resistência elétrica Resistência elétrica 1 7.1. Quando uma corrente percorre um receptor elétrico (um fio metálico, uma válvula, motor, por exemplo), há transformação de ia elétrica em outras formas de energia. O receptor

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Sistemas Lógicos - Elementos de Electricidade e Electrónica. Pedro Araújo

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Sistemas Lógicos - Elementos de Electricidade e Electrónica. Pedro Araújo UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Sistemas Lógicos - Elementos de Electricidade e Electrónica Pedro Araújo ------------------------------------------------ PRELIMINAR 1 - Introdução A electricidade é um conjunto

Leia mais

TÉCNICO EM REDE DE COMPUTADORES

TÉCNICO EM REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL TÉCNICO EM REDE DE COMPUTADORES Fundamentos de Eletricidade e Telecomunicações Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Eletricidade

Leia mais

Exercícios Leis de Kirchhoff

Exercícios Leis de Kirchhoff Exercícios Leis de Kirchhoff 1-Sobre o esquema a seguir, sabe-se que i 1 = 2A;U AB = 6V; R 2 = 2 Ω e R 3 = 10 Ω. Então, a tensão entre C e D, em volts, vale: a) 10 b) 20 c) 30 d) 40 e) 50 Os valores medidos

Leia mais

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 1

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 1 Introdução Teórica: Aula 1 Fontes de Tensão e Resistores Materiais condutores Os materiais condutores caracterizam- se por possuírem elétrons que estão sujeitos a pequenas forças de atração de seu núcleo,

Leia mais

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente OBJETIVOS 9 contínua NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA Familiarizar-se com o multímetro, realizando medidas de corrente, tensão e resistência. INTRODUÇÃO Corrente elétrica FÍSICA ELETRICIDADE: CIRCUITOS

Leia mais

Fig. 2.2 - Painel do multímetro com a função ohmímetro em destaque.

Fig. 2.2 - Painel do multímetro com a função ohmímetro em destaque. 2 MULTÍMETRO 2.1 - Objetivos Aprender a manusear o multímetro na realização de medidas de tensões e correntes elétricas, contínuas e alternadas, bem como medir resistências elétricas. 2.2 - Introdução

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL MÉDIO CARGO: Técnico da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Técnico 1 Padrão I (TM11) CADERNO DE PROVAS PROVA DISCURSIVA

Leia mais

Prof. Sergio Abrahão 17

Prof. Sergio Abrahão 17 DIFERENÇA DE POTENCIAL - DDP (U) (Tensão Elétrica) Vamos aqui definir diferença de potencial (d.d.p) ou tensão elétrica de duas maneiras. O de forma científica utilizará aquela adotada por Tipler em que

Leia mais

Capítulo 1: Eletricidade. Corrente continua: (CC ou, em inglês, DC - direct current), também chamada de

Capítulo 1: Eletricidade. Corrente continua: (CC ou, em inglês, DC - direct current), também chamada de Capítulo 1: Eletricidade É um fenômeno físico originado por cargas elétricas estáticas ou em movimento e por sua interação. Quando uma carga encontra-se em repouso, produz força sobre outras situadas em

Leia mais

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Nesta secção, estuda-se o comportamento ideal de alguns dos dipolos que mais frequentemente se podem encontrar nos circuitos

Leia mais

Física Experimental B Turma G

Física Experimental B Turma G Grupo de Supercondutividade e Magnetismo Física Experimental B Turma G Prof. Dr. Maycon Motta São Carlos-SP, Brasil, 2015 Prof. Dr. Maycon Motta E-mail: m.motta@df.ufscar.br Site: www.gsm.ufscar.br/mmotta

Leia mais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais LEI DE OHM Conceitos fundamentais Ao adquirir energia cinética suficiente, um elétron se transforma em um elétron livre e se desloca até colidir com um átomo. Com a colisão, ele perde parte ou toda energia

Leia mais

Análise de Circuitos com Díodos

Análise de Circuitos com Díodos Teoria dos Circuitos e Fundamentos de Electrónica 1 Análise de Circuitos com Díodos Teresa Mendes de Almeida TeresaMAlmeida@ist.utl.pt DEEC Área Científica de Electrónica T.M.Almeida IST-DEEC- ACElectrónica

Leia mais

Evolução do modelo atómico

Evolução do modelo atómico Os neutrões só foram descobertos em 1932 por Chadwick. Evolução do modelo atómico Demócrito (400 a.c.) Enunciou a primeira ideia de átomo como sendo a partícula elementar que constitui toda a matéria.

Leia mais

RESISTORES. Figura 1 - Resistor de Carbono

RESISTORES. Figura 1 - Resistor de Carbono 1 RESISTORES Por Leandro Teodoro 30 jan 2012 Os resistores são componentes facilmente encontrados em circuitos elétricos. Abaixo são comentados sobre os processos de fabricação dos resistores, os principais

Leia mais

Circuitos Elétricos 1º parte. Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento

Circuitos Elétricos 1º parte. Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento Circuitos Elétricos 1º parte Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento Introdução Um circuito elétrico é constituido de interconexão de vários

Leia mais

Resistência Eléctrica

Resistência Eléctrica Resistência Eléctrica Definição de resistência A resistência é uma medida da oposição que a matéria oferece à passagem de corrente eléctrica. Os materiais são designados por condutores, semicondutores

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015

ESTUDO DIRIGIDO DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015 Nome: 3ª série: n o Professor: Luiz Mário Data: / / 2015. ESTUDO DIRIGIDO DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015 Orientações: - Este estudo dirigido poderá ser usado para revisar a matéria que será cobrada

Leia mais

Prof. Marcos Antonio

Prof. Marcos Antonio Prof. Marcos Antonio 1- DEFINIÇÃO É o ramo da eletricidade que estuda as cargas elétricas em movimento bem como seus efeitos. 2- CORRENTE ELÉTRICA E SEUS EFEITOS É o movimento ordenado de partículas portadoras

Leia mais

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO RADIOELETRICIDADE O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO Fonte: ANATEL DEZ/2008 RADIOELETRICIDADE TESTE DE AVALIAÇÃO 635 A maior intensidade do campo magnético

Leia mais

Eletricidade. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica.

Eletricidade. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica. Eletricidade e automação A UU L AL A O operário desperta com o toque do rádiorelógio. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica. Um problema Sai

Leia mais

UNIBRATEC Ensino Superior e Técnico em Informática DHD Desenvolvimento em Hardware

UNIBRATEC Ensino Superior e Técnico em Informática DHD Desenvolvimento em Hardware UNIBRATEC Ensino Superior e Técnico em Informática DHD Desenvolvimento em Hardware 1 Francisco Fechine Borges quinta-feira, 24 de agosto de 2006 UNIBRATEC Ensino Superior e Técnico em Informática DHD Desenvolvimento

Leia mais

Corrente elétrica corrente elétrica.

Corrente elétrica corrente elétrica. Corrente elétrica Vimos que os elétrons se deslocam com facilidade em corpos condutores. O deslocamento dessas cargas elétricas é chamado de corrente elétrica. A corrente elétrica é responsável pelo funcionamento

Leia mais

q = (Unidade: 1 C = 1A) t I m

q = (Unidade: 1 C = 1A) t I m 1 Corrente Elétrica Como visto no modulo anterior, os materiais condutores, devido as suas características físicas, formam elétrons livres quando de suas ligações atômicas. Contudo essas partículas que

Leia mais

Prof.: Geraldo Barbosa Filho

Prof.: Geraldo Barbosa Filho AULA 07 GERADORES E RECEPTORES 5- CURVA CARACTERÍSTICA DO GERADOR 1- GERADOR ELÉTRICO Gerador é um elemento de circuito que transforma qualquer tipo de energia, exceto a elétrica, em energia elétrica.

Leia mais

RESISTORES, TIPOS DE RESISTORES, IDENTIFICAÇÃO E PRÁTICA DE MEDIÇÃO.

RESISTORES, TIPOS DE RESISTORES, IDENTIFICAÇÃO E PRÁTICA DE MEDIÇÃO. RESISTORES, TIPOS DE RESISTORES, IDENTIFICAÇÃO E PRÁTICA DE MEDIÇÃO. O resistor normalmente é encontrado na forma cilíndrica onde temos um material cerâmico enrolado por uma camada espiral de material

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Francisco Erberto de Sousa 11111971 Saulo Bezerra Alves - 11111958 Relatório: Capacitor, Resistor, Diodo

Leia mais

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica PONTIFÍCIA UNIERIDADE CATÓICA DE GOIÁ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍICA Professor: Renato Medeiros MAF 1292 Eletricidade e Eletrônica NOTA DE AUA II Goiânia 2014 Diodos Retificadores Aqui trataremos dos

Leia mais

Os elementos de circuito que estudámos até agora foram elementos lineares. Ou seja, se duplicamos a ddp aos terminais de um

Os elementos de circuito que estudámos até agora foram elementos lineares. Ou seja, se duplicamos a ddp aos terminais de um O Díodo Os elementos de circuito que estudámos até agora foram elementos lineares. Ou seja, se duplicamos a ddp aos terminais de um componente, a intensidade da corrente eléctrica que o percorre também

Leia mais

CAPÍTULO 4 DISPOSITIVOS SEMICONDUTORES

CAPÍTULO 4 DISPOSITIVOS SEMICONDUTORES CAPÍTULO 4 DISPOSITIVOS SEMICONDUTORES INTRODUÇÃO Os materiais semicondutores são elementos cuja resistência situa-se entre a dos condutores e a dos isolantes. Dependendo de sua estrutura qualquer elemento

Leia mais

Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT

Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT Programa de Educação Tutorial PET Grupo PET-Tele Dicas PET-Tele Uma breve introdução à componentes

Leia mais

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO TESTE INTERMÉDIO - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. H vap (H 2O) = 420 4 H vap (H 2O) = 1,69 10 3 H vap (H 2O) = 1,7 10 3 kj kg 1 Tendo em consideração a informação dada no texto o calor

Leia mais

Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade Básica Jones Clécio Otaviano Dias Júnior Curso FIC Aluna:

Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade Básica Jones Clécio Otaviano Dias Júnior Curso FIC Aluna: Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade

Leia mais

Condensadores (capacitores)

Condensadores (capacitores) es (capacitores) O condensador (capacitor) é um componente de circuito que armazena cargas eléctricas. O parâmetro capacidade eléctrica (C) relaciona a tensão aos terminais com a respectiva carga armazenada.

Leia mais

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência.

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência. Ano lectivo: 200-20 Medição de Tensões e Correntes Eléctricas. Leis de Ohm e de Kirchhoff. OBJECTIO Aprender a utilizar um osciloscópio e um multímetro digital. Medição de grandezas AC e DC. Conceito de

Leia mais

Equipe de Física FÍSICA

Equipe de Física FÍSICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10R Ensino Médio Equipe de Física Data: FÍSICA Corrente Elétrica Ao se estudarem situações onde as partículas eletricamente carregadas deixam de estar em equilíbrio

Leia mais

Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando

Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando Disciplina de Eletricidade e Eletrónica Módulo 1 Corrente Contínua Trabalho Prático nº 2 Verificação da lei de Ohm Trabalho realizado por:

Leia mais

Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história CORPOS ELETRIZADOS E NEUTROS CARGA ELÉTRICA

Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história CORPOS ELETRIZADOS E NEUTROS CARGA ELÉTRICA Um pouco de história O conhecimento de eletricidade data de antes de Cristo ~ 600 a.c. Ambar, quando atritado, armazena eletricidade William Gilbert em 1600 conseguiu eletrizar muitas substâncias diferentes

Leia mais

Condensador equivalente de uma associação em série

Condensador equivalente de uma associação em série Eletricidade Condensador equivalente de uma associação em série por ser uma associação em série, a ddp U nos terminais da associação é igual à soma das ddps individuais em cada capacitor. U U U U 1 2 3

Leia mais

- O movimento ordenado de elétrons em condutores

- O movimento ordenado de elétrons em condutores MATÉRIA: Eletrotécnica MOURA LACERDA CORRENTE ELÉTRICA: - O movimento ordenado de elétrons em condutores Os aparelhos eletro-eletrônicos que se encontram nas residências precisam de energia elétrica para

Leia mais

Receptores elétricos

Receptores elétricos Receptores elétricos 1 Fig.20.1 20.1. A Fig. 20.1 mostra um receptor elétrico ligado a dois pontos A e B de um circuito entre os quais existe uma d.d.p. de 12 V. A corrente que o percorre é de 2,0 A. A

Leia mais

Os elétrons possuem cargas elétricas negativas, os prótons possuem cargas elétricas positivas e os nêutrons não possuem cargas elétricas.

Os elétrons possuem cargas elétricas negativas, os prótons possuem cargas elétricas positivas e os nêutrons não possuem cargas elétricas. Sumário 1 - ESTRUTURA ATÔMICA 3 2 - ELETROSTÁTICA 5 3 - DIFERENÇA DE POTENCIAL (d.d.p)... 6 4 - CORRENTE ELÉTRICA 7 5 - RESISTÊNCIA ELÉTRICA E CONDUTÂNCIA... 8 6 - LEI DE OHM 9 7 - ENERGIA ELÉTRICA 9 8

Leia mais

Valores eternos. MATÉRIA. PROFESSOR(A) Hermann ---- ---- 1. Para a associação da figura, a resistência equivalente entre os terminais A e B é igual a:

Valores eternos. MATÉRIA. PROFESSOR(A) Hermann ---- ---- 1. Para a associação da figura, a resistência equivalente entre os terminais A e B é igual a: Valores eternos. TD Recuperação ALUNO(A) MATÉRIA Física III PROFESSOR(A) Hermann ANO SEMESTRE DATA 3º 1º Julho/2013 TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS ---- ---- 1. Para a associação da figura, a resistência

Leia mais

Problemas de eletricidade

Problemas de eletricidade Problemas de eletricidade 1 - Um corpo condutor está eletrizado positivamente. Podemos afirmar que: a) o número de elétrons é igual ao número de prótons. b) o número de elétrons é maior que o número de

Leia mais

Prof. Rogério Eletrônica Geral 1

Prof. Rogério Eletrônica Geral 1 Prof. Rogério Eletrônica Geral 1 Apostila 2 Diodos 2 COMPONENTES SEMICONDUTORES 1-Diodos Um diodo semicondutor é uma estrutura P-N que, dentro de seus limites de tensão e de corrente, permite a passagem

Leia mais

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ----

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ---- Valores eternos. TD Recuperação ALUNO(A) MATÉRIA Física I PROFESSOR(A) Raphael ANO SEMESTRE DATA 2º 1º Julho/2013 TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS ---- ---- 1. Em um determinado local do espaço, existe

Leia mais

A Lei de Ohm estabelece uma relação entre as grandezas elétricas: tensão ( V ), corrente ( I ) e resistência ( R ) em um circuito.

A Lei de Ohm estabelece uma relação entre as grandezas elétricas: tensão ( V ), corrente ( I ) e resistência ( R ) em um circuito. Página 1 de 25 1ª Lei de Ohm Embora os conhecimentos sobre eletricidade tenham sido ampliados, a Lei de Ohm continua sendo uma lei básica da eletricidade e eletrônica, por isso conhecê-la é fundamental

Leia mais

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 2

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 2 Introdução Teórica Aula 2: Lei de Ohm e Associação de Resistores Georg Simon Ohm Georg Simon Ohm (789-854) foi um físico e matemático alemão. Entre 826 e 827, Ohm desenvolveu a primeira teoria matemática

Leia mais

Capítulo 02. Resistores. 1. Conceito. 2. Resistência Elétrica

Capítulo 02. Resistores. 1. Conceito. 2. Resistência Elétrica 1. Conceito Resistor é todo dispositivo elétrico que transforma exclusivamente energia elétrica em energia térmica. Simbolicamente é representado por: Assim, podemos classificar: 1. Condutor ideal Os portadores

Leia mais

E X E R C Í C I O S. i(a) 7,5 10 elétrons

E X E R C Í C I O S. i(a) 7,5 10 elétrons E X E R C Í C I O S 1. O gráfico da figura abaixo representa a intensidade de corrente que percorre um condutor em função do tempo. Determine a carga elétrica que atravessa uma secção transversal do condutor

Leia mais

ELETROSTÁTICA. Ramo da Física que estuda as cargas elétricas em repouso. www.ideiasnacaixa.com

ELETROSTÁTICA. Ramo da Física que estuda as cargas elétricas em repouso. www.ideiasnacaixa.com ELETROSTÁTICA Ramo da Física que estuda as cargas elétricas em repouso. www.ideiasnacaixa.com Quantidade de carga elétrica Q = n. e Q = quantidade de carga elétrica n = nº de elétrons ou de prótons e =

Leia mais

Resistência elétrica e lei de Ohm. Maria do Anjo Albuquerque

Resistência elétrica e lei de Ohm. Maria do Anjo Albuquerque Resistência elétrica e lei de Ohm O que é a resistência elétrica? É uma grandeza física que caracteriza os condutores elétricos; Representa-se pela letra R; Traduz a oposição que um condutor oferece à

Leia mais

Há um conjunto de dispositivos electrónicos que são designados por díodos. Estes dispositivos têm 3 características fundamentais comuns:

Há um conjunto de dispositivos electrónicos que são designados por díodos. Estes dispositivos têm 3 características fundamentais comuns: Díodos Há um conjunto de dispositivos electrónicos que são designados por díodos. Estes dispositivos têm 3 características fundamentais comuns: Têm dois terminais (tal como uma resistência). A corrente

Leia mais

FÍSICA DAS RADIAÇÕES

FÍSICA DAS RADIAÇÕES FÍSICA DAS RADIAÇÕES Curso de Radiologia Escola Superior de Saúde de Faro 2008/2009 1º semestre Docente (aulas teóricas): Carla Quintão Silva DEPARTAMENTO DE FÍSICAF DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA

Leia mais

TÉCNICO EM ELETRÔNICA MTAC-1. Métodos e Técnicas de Análise de Circuitos Prof. Renato P. Bolsoni

TÉCNICO EM ELETRÔNICA MTAC-1. Métodos e Técnicas de Análise de Circuitos Prof. Renato P. Bolsoni TÉCNICO EM ELETRÔNICA MTAC-1 Métodos e Técnicas de Análise de Circuitos Prof. Renato P. Bolsoni Ver 1-11/08/2009 MTAC 1 - Prof. Renato Bolsoni 1 ÍNDICE Conteúdo Pág. O básico da teoria atômica da matéria...

Leia mais

APSA 2 - Tabela Periódica 10º Ano Novembro de 2011

APSA 2 - Tabela Periódica 10º Ano Novembro de 2011 1. Dada a distribuição eletrónica dos elementos a seguir, indique qual deles apresenta maior e menor raio atómico 3Li: 1s 2 2s 1 7N: 1s 2 2s 2 2p 3 9F: 1s 2 2s 2 2p 5 R: Maior raio Atómico = Li Menor raio

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA EXERCÍCIOS NOTAS DE AULA I Goiânia - 014 1. Um capacitor de placas paralelas possui placas circulares de raio 8, cm e separação

Leia mais

Geradores elétricos GERADOR. Energia dissipada. Símbolo de um gerador

Geradores elétricos GERADOR. Energia dissipada. Símbolo de um gerador Geradores elétricos Geradores elétricos são dispositivos que convertem um tipo de energia qualquer em energia elétrica. Eles têm como função básica aumentar a energia potencial das cargas que os atravessam

Leia mais

Apostila de Química Geral

Apostila de Química Geral Cursinho Vitoriano UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Câmpus de São José do Rio Preto Apostila de Química Geral Período noturno Ligações químicas interatômicas Vanessa R.

Leia mais

Resistores. Prof. Ernesto F. F. Ramírez

Resistores. Prof. Ernesto F. F. Ramírez esistores Prof. Ernesto F. F. amírez Sumário 1. ntrodução 2. esistores 3. Classificações de resistores 4. Especificação de resistores 5. Associação de resistores 6. Exercícios cios propostos Slide 2 1.

Leia mais

Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb

Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb Introdução à Eletricidade Eletricidade é uma palavra derivada do grego élektron, que significa âmbar. Resina vegetal fossilizada Ao ser atritado com um pedaço

Leia mais

SISTEMA INTERNACIONAL DE UNIDADES (SI)

SISTEMA INTERNACIONAL DE UNIDADES (SI) Grandezas e Unidades de Base Grandeza física de base (símbolo) Unidade de base (símbolo) Dimensão de base Definição da unidade de base comprimento (l) metro (m) L 1 m é o comprimento do trajecto da luz,

Leia mais

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jonatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jonatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes Curso: Ciências da computação Disciplina: Física aplicada a computação Professor: Benhur Borges Rodrigues Relatório experimental 03: Efeitos da corrente elétrica sobre um fio material; Carga e descarga

Leia mais

Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09

Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09 Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09 2ºTeste Sumativo 1ºPeríodo Duração do Teste:60 minutos Data: 05 / 12 / 08 Prof. Dulce Godinho

Leia mais

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR LIGAÇÕES QUÍMICAS 5 TEORIA CORPUSCULAR 1 INTRODUÇÃO O fato de os gases nobres existirem na natureza como átomos isolados, levou os cientistas KOSSEL e LEWIS a elaborar um modelo para as ligações químicas.

Leia mais

Unidade 12 - Capacitores

Unidade 12 - Capacitores Unidade 1 - Capacitores Capacidade Eletrostática Condutor Esférico Energia Armazenada em um capacitor Capacitor Plano Associação de Capacitores Circuitos com capacitores Introdução Os primeiros dispositivos

Leia mais

Lição 6. Instrução Programada

Lição 6. Instrução Programada Lição 6 Na lição anterior, estudamos os geradores e vimos que a produção de energia elétrica, não poderia ser feita simplesmente a partir do nada. A produção de energia elétrica, só era possível, quando

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade Análise de Circuitos alimentados por fontes constantes Prof. Ilha Solteira,

Leia mais

Eletromagnetismo e Ótica (MEAer/LEAN) Equação de Poisson, Corrente Elétrica

Eletromagnetismo e Ótica (MEAer/LEAN) Equação de Poisson, Corrente Elétrica letromagnetismo e Ótica (Mer/LN) quação de Poisson, orrente létrica 6ª Semana Probl. 1) ois tubos cilindricos de metal, coaxiais e muito compridos, são ligados a uma bateria de forma que o cilindro interior,

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS SEMICONDUTORES Extrato do capítulo 2 de (Malvino, 1986).

INTRODUÇÃO AOS SEMICONDUTORES Extrato do capítulo 2 de (Malvino, 1986). INTRODUÇÃO AOS SEMICONDUTORES Extrato do capítulo 2 de (Malvino, 1986). 2.1. TEORIA DO SEMICONDUTOR ESTRUTURA ATÔMICA Modelo de Bohr para o átomo (Figura 2.1 (a)) o Núcleo rodeado por elétrons em órbita.

Leia mais

CAPÍTULO 2 DIODO SEMICONDUTOR

CAPÍTULO 2 DIODO SEMICONDUTOR CAPÍTULO 2 DIODO SEMICONDUTO O diodo semicondutor é um dispositivo, ou componente eletrônico, composto de um cristal semicondutor de silício, ou germânio, em uma película cristalina cujas faces opostas

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA DISCIPLINA: FÍSICA - Professor: Ronald Wykrota (wykrota@uol.com.br) AULAS 82, 83 e 84

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA DISCIPLINA: FÍSICA - Professor: Ronald Wykrota (wykrota@uol.com.br) AULAS 82, 83 e 84 DISCIPLINA: FÍSICA - Professor: Ronald Wykrota (wykrota@uol.com.br) AULAS 82, 83 e 84 ELETRICIDADE: É a parte da Física que estuda os fenômenos que ocorrem com as Cargas Elétricas. É dividida didaticamente

Leia mais

Lista de Exercícios de Física II Lei de Ohm - circuitos Prof: Tadeu Turma: 3 Ano do Ensino Médio Data: 16/07/2009

Lista de Exercícios de Física II Lei de Ohm - circuitos Prof: Tadeu Turma: 3 Ano do Ensino Médio Data: 16/07/2009 Lista de Exercícios de Física II Lei de Ohm - circuitos Prof: Tadeu Turma: 3 Ano do Ensino Médio Data: 16/07/2009 1ª Questão) Num circuito elétrico, dois resistores, cujas resistências são R 1 e R 2, com

Leia mais

Noções de Eletrostática. tica. Prof. Ernesto F. F. Ramírez

Noções de Eletrostática. tica. Prof. Ernesto F. F. Ramírez Noções de Eletrostática tica Prof. Ernesto Sumário 1. Introdução - Histórico 2. Modelo atômico 3. Eletrização 4. Carga, força a e campo elétrico 5. Distribuição das cargas elétricas... 6. Exercícios cios

Leia mais

REVISÃO ENEM. Prof. Heveraldo

REVISÃO ENEM. Prof. Heveraldo REVISÃO ENEM Prof. Heveraldo Fenômenos Elétricos e Magnéticos Carga elétrica e corrente elétrica. Lei de Coulomb. Campo elétrico e potencial elétrico. Linhas de campo. Superfícies equipotenciais. Poder

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MATO GROSSO DO SUL UEMS CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO DE FÍSICA II. Gerador de Van De Graaff

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MATO GROSSO DO SUL UEMS CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO DE FÍSICA II. Gerador de Van De Graaff UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MATO GROSSO DO SUL UEMS CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO DE FÍSICA II Gerador de Van De Graaff Objetivos gerais: Ao término desta atividade o aluno deverá ser capaz de: - identificar

Leia mais

ABC DOS CIRCUITOS ELÉCTRICOS EM CORRENTE CONTÍNUA

ABC DOS CIRCUITOS ELÉCTRICOS EM CORRENTE CONTÍNUA ABC DOS CIRCUITOS ELÉCTRICOS EM CORRENTE CONTÍNUA Mário Ferreira Alves (malves@dee.isep.ipp.pt) Departamento de Engenharia Electrotécnica Fevereiro de 1999 Prefácio Pretende-se com esta sebenta fornecer

Leia mais

CURSO DE APROFUNDAMENTO FÍSICA ENSINO MÉDIO

CURSO DE APROFUNDAMENTO FÍSICA ENSINO MÉDIO CURSO DE APROFUNDAMENTO FÍSICA ENSINO MÉDIO Prof. Cazuza 1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: Considere nula a resistência elétrica

Leia mais

C mp m o p o Eléctr t ico o Un U i n fo f r o me

C mp m o p o Eléctr t ico o Un U i n fo f r o me Campo Eléctrico Uniforme Tal como o campo gravítico pode ser considerado uniforme numa estreita região perto da superfície da Terra, também o campo eléctrico pode ser uniforme numa determinada região do

Leia mais

Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos

Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos ELETROSTÁTICA Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos Eletrostática Estuda os fenômenos relacionados às cargas elétricas em repouso. O átomo O núcleo é formado por: Prótons cargas elétricas positivas Nêutrons

Leia mais

Sendo n o número de elétrons que constituem a carga elétrica Q e a carga elétrica elementar, temos: Q = n.e.

Sendo n o número de elétrons que constituem a carga elétrica Q e a carga elétrica elementar, temos: Q = n.e. AULA Nº 0 CORRENTE ELÉTRICA a) Corrente elétrica É todo movimento ordenado de cargas elétricas b) Intensidade média da corrente elétrica Seja Q o valor absoluto da carga elétrica que atravessa a secção

Leia mais

Física 3 Turma 99031. Profa. Ignez Caracelli 3/9/2015. Física C. Aula 01 Introdução. Aulas. Leiam! Livro Texto Leiam! Profa. Ignez Caracelli Física 3

Física 3 Turma 99031. Profa. Ignez Caracelli 3/9/2015. Física C. Aula 01 Introdução. Aulas. Leiam! Livro Texto Leiam! Profa. Ignez Caracelli Física 3 Física C Física 3 Turma 99031 Aulas Aula 01 Introdução Profa. Ignez Caracelli 2 Livro Texto Leiam! Livro Texto Leiam! 3 4 1 Material Disponível www.ignez.com Façam e Refaçam os Exercícios! 5 6 Ementa da

Leia mais