PLANO DE AÇÃO ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA CASTROLANDA AFCC

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE AÇÃO ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA CASTROLANDA AFCC"

Transcrição

1 ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA CASTROLANDA AFCC PLANO DE AÇÃO GESTÃO 2012/2013

2 Apresentação A Diretoria Executiva da Associação dos Funcionários da Cooperativa Castrolanda AFCC objetiva apresentar aos sócios a sua ferramenta de gestão com múltiplas aplicações, como: descrever o que é a AFCC, entender e estabelecer diretrizes para o seu desenvolvimento, gerenciar de forma eficaz, monitorar o dia-a-dia da AFCC, identificar oportunidades e transformá-las em benefício a todos os demais sócios.

3 ÍNDICE 1 DADOS IDENTIFICAÇÃO ESTRUTURA OBJETO SOCIAL HISTÓRICO ATRIBUIÇÕES DA AFCC SOCIAL, ESPORTE E LAZER PLANO DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE PLANO DE ASSISTÊNCIA FINANCEIRA CAFUCOCA ASPECTOS ORGANIZACIONAIS ORGANOGRAMA MEMBROS DA DIRETORIA E COMITÊS MISSÃO VISÃO OBJETIVOS AMBIENTE... 11

4 1 DADOS 1.1 IDENTIFICAÇÃO Razão Social: Associação dos Funcionários da Cooperativa Castrolanda CNPJ: / Sigla: AFCC Forma Jurídica: A Associação dos Funcionários da Cooperativa Castrolanda é pessoa jurídica de natureza civil, de proveito comum, sem objetivo de lucro e duração ilimitada, rege-se pelas disposições legais, pelas normas adotadas e por seu estatuto. Sede e Foro: A AFCC tem sede social e foro jurídico no município de Castro - PR. Endereço da sede: Travessa Florisval Ribeiro de Moraes, s/n Vila Rio Branco Castro Paraná CEP: Fone: FAX: Página Web:

5 2 ESTRUTURA 2.1 OBJETO SOCIAL O objetivo institucional da AFCC é integrar os funcionários da Cooperativa Agropecuária Castrolanda, promovendo o desenvolvimento sócio-cultural através de atividades sociais, esportivas e educativas, além de manter intercâmbio artístico, cultural, social e desportivo com entidades congêneres. Gerenciando também os Planos de Assistência Financeira e da Saúde. 2.2 HISTÓRICO A Associação dos Funcionários da Cooperativa Castrolanda foi fundada em 09 de fevereiro de 1981, com o objetivo de integrar os funcionários da Cooperativa Agropecuária Castrolanda, promovendo o desenvolvimento sócio-cultural. Inicialmente contou apenas com uma pequena sala cedida pela própria Cooperativa para atender as necessidades da administração da AFCC. Desde a sua fundação a AFCC esteve trabalhando em conjunto, Diretoria e associados, além de contar com a participação expressiva de Popke Ferdinand van der Vinne, que participou diretamente desde a sua fundação, com o intuito de realizar a construção de sua sede social. No ano de 2.000, foi concretizado o antigo sonho idealizado desde o nascimento da AFCC, sendo realizada a inauguração de sua sede em 30 de setembro do ano de Hoje a sede da AFCC conta com áreas de lazer e de esportes, tendo projetos para incrementar as suas atuais estruturas, possibilitando aos seus sócios maior integração e bem estar. A atual Diretoria atua no sentido de reestruturação na área administrativa buscando o desenvolvimento sustentável social, econômico e ambiental. Fortalecendo os laços de integração entre os colaboradores da Cooperativa Castrolanda. Com destaque para os eventos que acontecem todos os anos com a participação crescente de seus sócios; no Plano de Assistência a Saúde busca-se a eficiência em proporcionar e aprimorar os benefícios existentes; e no Plano de Assistência Financeira foi priorizada em primeiro momento a diminuição das taxas praticadas nos empréstimos, dando a oportunidade do associado fazer uso de maneira consciente do crédito, no momento que achar oportuno, onde a rentabilidade do capital social alcançou no primeiro ano da atual gestão o melhor índice de sua história. Dessa maneira a atual gestão mostra-se comprometida com os objetivos inicialmente estabelecidos desde a sua fundação, buscando aprimorar sempre a forma de administração voluntária e com a participação de todos. Hoje registra a sua história inaugurando um novo meio de comunicação com seus sócios, entrando deste modo na era digital.

6 3 ATRIBUIÇÕES DA AFCC A AFCC congrega as atribuições Na área Social, de Esporte e Lazer, Plano de Assistência a Saúde e no Plano de Assistência Financeira. SOCIAL, ESPORTES E LAZER PLANO DE ASSISTÊNCIA FINANCEIRA PLANO DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE 3.1 SOCIAL, ESPORTE E LAZER Integrar os funcionários da Cooperativa Agropecuária Castrolanda, promovendo o desenvolvimento sócio-cultural através de atividades sociais, esportivas e educativas, além de manter intercâmbio artístico, cultural, social e desportivo com entidades congêneres. 3.2 PLANO DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE O Plano de Assistência a Saúde, denominado PLANO DE SAÚDE, é um fundo mútuo de assistência mantido pelos seus sócios e contribuição da Castrolanda. Tem por objetivo prestar benefícios, garantindo a cobertura de custos (gastos) com assistência médica, hospitalar e ambulatorial, onde a AFCC dentro de suas condições financeiras firmará convênio com médicos das mais variadas especialidades, odontólogos, fisioterapeutas, clínicas, hospitais, laboratórios e etc. O Plano de Saúde é administrado pela Diretoria da AFCC, Comitê do Plano de Saúde composto de 4 membros efetivos.

7 3.3 PLANO DE ASSISTÊNCIA FINANCEIRA CAFUCOCA O Plano de Assistência Financeira, ora denominado CAFUCOCA - Caixa dos Funcionários da Cooperativa Castrolanda é um fundo mútuo de assistência financeira, constituído pela AFCC, que tem por objetivo a defesa da economia de seus associados, através da ajuda mútua. A CAFUCOCA, para consecução de seus objetivos sociais, poderá efetuar empréstimos aos seus associados, administrar o capital social integralizado, bem como praticar todas as operações ativas, passivas e acessórias típicas de sua modalidade social.

8 4 ASPECTOS ORGANIZACIONAIS 4.1 ORGANOGRAMA

9 4.2 MEMBROS DA DIRETORIA E COMITÊS A atual Diretoria da AFCC foi eleita em Assembléia Geral Ordinária AGO, em 29/03/2012, para um período de mandato de 2 anos.

10 4.3 MISSÃO Proporcionar aos seus sócios, uma associação participativa, com atuação competente; oferecendo um ambiente propício para atividades sócio-culturais, esportivas, de recreação e lazer; contribuindo para uma melhor qualidade de vida. 4.4 VISÃO Promover um ambiente de desenvolvimento de relações interpessoais, propiciando o crescimento integrado. Estimular a criatividade e a iniciativa, incentivando ainda o espírito participativo. Buscar o engajamento, a satisfação, a responsabilidade, a solidariedade estes são valores indispensáveis para se obter um ambiente de mais saúde, maior produtividade e, sobretudo, maior qualidade de vida. 4.5 OBJETIVOS Para a consecução dos seus objetivos Sociais, do Plano de Saúde e da CAFUCOCA, a AFCC poderá: a) Promover atividades sócio-culturais, esportivas, de recreação e lazer; b) Ser órgão facilitador para realizações de atividades que envolvam ações em grupo para atender a nossa missão; c) Apoiar, incentivar e implementar projetos de cunho social, como ações voluntárias e de responsabilidade social; d) Realizar estudos e projetos com intuito de aprimorar os atuais benefícios na área do Plano de Saúde, sem comprometer suas finanças, bem como buscar novos convênios, aprimorando o sistema atual; e) Buscar aprimoramento na área de Assistência Financeira (CAFUCOCA), através de estudos que viabilizem novas formas de capitalização, proporcionando o equilíbrio financeiro do grupo; f) Criar um ambiente cooperativo de interação social, com o desenvolvimento de projetos que atendam aos diversos segmentos de nossa sociedade.

11 4.6 AMBIENTE Diretoria Gestão 2012/2013

Estatutos da Aliança Francesa

Estatutos da Aliança Francesa Estatutos da Aliança francesa Estatutos da Aliança Francesa Preâmbulo A Aliança francesa é um movimento internacional criado em 1883, apolítico e não confessional, que se deu por missão ensinar a língua

Leia mais

Associativismo e Cooperativismo. Diego Neves de Sousa Analista do setor de Transferência de Tecnologia

Associativismo e Cooperativismo. Diego Neves de Sousa Analista do setor de Transferência de Tecnologia Associativismo e Cooperativismo Diego Neves de Sousa Analista do setor de Transferência de Tecnologia O QUE É COOPERAR? Cooperar é trabalhar junto, é ajudar-se mutuamente, é tentar conseguir, com ajuda

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVO E FOCO TEMÁTICO INSCRIÇÕES 14º DIA DO VOLUNTARIADO 2015.

1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVO E FOCO TEMÁTICO INSCRIÇÕES 14º DIA DO VOLUNTARIADO 2015. REV.: 03 Pág.: 1 de 6 A Manaus Ambiental torna público que estão abertas as inscrições para a seleção de Instituições e Projetos Sociais para o 14º Dia do Voluntariado. A empresa realizará o processo de

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO...

Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO... Manual do Cooperado Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO... 3 5 COOPERHIDRO... 3 6 RECONHECIMENTO PARA FUNCIONAMENTO...

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE GOIÁS

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE GOIÁS CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE GOIÁS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA REGISTRO DE OPERADORA DE PLANO DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE CREMEGO 1) Cópia do Contrato Social e Alterações Contratuais, devidamente

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO Cooperativismo Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO GESTÃO: Samuel José dos Santos Diretor Presidente Marco Antonio da C.Guimarães - Diretor Operacional João Gonçalves dos Santos Diretor

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL DOC I CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO Art. 1º: SOCIALCRED S/A SOCIEDADE DE CRÉDITO AO MICROEMPREENDEDOR E À EMPRESA DE PEQUENO PORTE rege-se pelo presente estatuto social

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR PROGRAMA DE MUNICIPALIZAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR É com satisfação que a Fundação Procon/SP apresenta o novo Programa de Municipalização que tem como objetivo fortalecer o Sistema Estadual

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Banco Cooperativo Sicredi S.A. Versão: Julho/2015 Página 1 de 1 1 INTRODUÇÃO O Sicredi é um sistema de crédito cooperativo que valoriza a

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Escola Técnica de Saúde Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 Proposta de trabalho apresentada como pré-requisito para inscrição no processo

Leia mais

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono Foto: istockphoto.com/propagcomunica Aqui você é dono A UNICRED/ASACRED tem como seus pilares dois importantes institutos: o cooperativismo, que vem promover a gestão participativa, equitativa e igualitária,

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Projeto Execução Expositores

Projeto Execução Expositores Projeto Execução Expositores Realização: Cooperativa Agropecuária Petrópolis PIA EMATER RS ASCAR Prefeitura Municipal de Nova Petrópolis A ENTIDADE PROMOTORA DO RURALSHOW 2014. COOPERATIVA AGROPECUÁRIA

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

6.633 hospitais espalhados pelo Brasil* 2,6 milhões de colaboradores atuam hoje na área da saúde 494 mil leitos hospitalares

6.633 hospitais espalhados pelo Brasil* 2,6 milhões de colaboradores atuam hoje na área da saúde 494 mil leitos hospitalares PROJETO PROMOVENDO CULTURA NOS HOSPITAIS - 2016 O PROBLEMA A fragilidade da humanização no ambiente hospitalar. O CONTEXTO 6.633 hospitais espalhados pelo Brasil* 2,6 milhões de colaboradores atuam hoje

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º 1. O Departamento de Educação, adiante

Leia mais

A SANTANA FINANCEIRA

A SANTANA FINANCEIRA A SANTANA FINANCEIRA QUEM SOMOS A Santana Financeira surgiu com o firme propósito de oferecer soluções de crédito para pessoas físicas e jurídicas. Seu principal diferencial é o relacionamento estreito

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção para a Salvaguarda do patrimônio Cultural Imaterial Assunto: Proteção do Patrimônio Cultural Imaterial Decreto: 5208 Entrada

Leia mais

Anexo II CARGOS DE DCA

Anexo II CARGOS DE DCA Anexo II CARGOS DE DCA CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE EDUCAÇÃO INFANTIL COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE ENSINO FUNDAMENTAL Coordenar atividades específicas de área, participando

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

MODELO DO PROJETO DE RESOLUÇÃO. Projeto de Resolução nº /20 Data: de de 20. Autoria:

MODELO DO PROJETO DE RESOLUÇÃO. Projeto de Resolução nº /20 Data: de de 20. Autoria: MODELO DO PROJETO DE RESOLUÇÃO Projeto de Resolução nº /20 Data: de de 20. Autoria: Ementa: Autoriza a Presidência da Câmara Municipal de a filiar-se e firmar convênio com a Uvesp (União de Vereadores

Leia mais

Índice. Do Objetivo... pág. 04. Dos Princípios e Valores... pág. 04. Do Conflito de Interesses... pág. 09. Das Disposições Finais... pág.

Índice. Do Objetivo... pág. 04. Dos Princípios e Valores... pág. 04. Do Conflito de Interesses... pág. 09. Das Disposições Finais... pág. Código de Ética O Código de Ética da FACEB foi idealizado com o intuito de orientar a conduta profissional de todos os colaboradores da Fundação, bem como conselheiros, dirigentes, estagiários e prestadores

Leia mais

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I AULA 02 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema Operativo I Subsistema Operativo No Sistema Financeiro Nacional, o subsistema operativo trata da intermediação, do suporte operacional e da administração.

Leia mais

Projeto: PEQUENOS OLHARES, GRANDES CAMINHOS

Projeto: PEQUENOS OLHARES, GRANDES CAMINHOS Projeto: PEQUENOS OLHARES, GRANDES CAMINHOS FLORIANÓPOLIS, 2014 1 Identificação: Nome: AEBAS ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Início das Atividades: 1955 CNPJ: 83.932.608/0001-81

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br Psicologia Intensiva uma especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br PSICOLOGIA INTENSIVA O intensivismo é uma especialidade que apresenta um caráter interdisciplinar voltado

Leia mais

A sua referência em compromisso, ética e eficiência em todas as áreas do direito.

A sua referência em compromisso, ética e eficiência em todas as áreas do direito. A sua referência em compromisso, ética e eficiência em todas as áreas do direito. INTRODUÇÃO Acreditamos no aperfeiçoamento da sociedade pelo Direito e na Advocacia compromissada com a ética, responsabilidade,

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário.

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário. 1. Apresentação O Voluntariado Empresarial é um dos canais de relacionamento de uma empresa com a comunidade que, por meio da atitude solidária e proativa de empresários e colaboradores, gera benefícios

Leia mais

II O contato com culturas distintas constitui-se em um importante instrumento de formação intelectual dos estudantes da IES;

II O contato com culturas distintas constitui-se em um importante instrumento de formação intelectual dos estudantes da IES; CONSIDERANDO QUE: I É de interesse da IES aprimorar o ensino, propiciando aos seus estudantes, estabelecer e desenvolver relações com instituições de ensino localizadas em países distintos através da participação

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

TERMO DE ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA

TERMO DE ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA TERMO DE ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ENTRE O CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO CEARÁ - CRC E O CENTRO DE INTEGRAÇÃO EMPRESA ESCOLA CIEE O CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO CEARÁ CRC inscrita no

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município Estrutura Administrativa e Principais 01. Câmara Municipal - Lei Orgânica do Município de Teresina, de 05 de abril de 1991. - Votar o Orçamento Anual e o Plano Plurianual, bem como autorizar abertura de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE-SPAIS Goiânia Agosto/2011 SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE - SPAIS 6. GERÊNCIA DE

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 016, DE 14 DE MAIO DE 2013. Gabinete da Câmara

RESOLUÇÃO N.º 016, DE 14 DE MAIO DE 2013. Gabinete da Câmara RESOLUÇÃO N.º 016, DE 14 DE MAIO DE 2013. Gabinete da Câmara Cria a FRENTE PARLAMENTAR DE APOIO AO COOPERATIVISMO FRENCOOP na Câmara de Vereadores de Victor Graeff. LAIRTON ANDRÉ KOECHE, Presidente da

Leia mais

Política de Estruturação de Negócios e Gestão de Participações

Política de Estruturação de Negócios e Gestão de Participações Política de Estruturação de Negócios e Gestão de Participações Outubro de 2013 Conteúdo 1. Objetivo... 3 2. Princípios... 4 3. Diretrizes... 5 4. Responsabilidades... 6 5. Conceitos... 7 6. Disposições

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO LEI N 495, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTES E DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTES E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Povo do Município de Nepomuceno, Minas Gerais,

Leia mais

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica CARTA TÉCNICA Nome do Credenciamento: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica ENTIDADES QUE PODEM SE CREDENCIAR: - Entidades beneficentes de assistência social (certificadas como entidades

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Programa Voluntários Bradesco

Programa Voluntários Bradesco 18ª Audiência de Sustentabilidade Programa Voluntários Bradesco Agosto / 2009 Banco Bradesco Um dos maiores Bancos Privados da América Latina 22 Maior Banco no Mundo (Forbes Global 2000) Maior Seguradora

Leia mais

Garantir efetividade na tramitação dos processos judiciais e administrativos e assegurar a razoável duração do processo.

Garantir efetividade na tramitação dos processos judiciais e administrativos e assegurar a razoável duração do processo. Eficiência Operacional. Buscar a efetividade nos trâmites judiciais e administrativos. Garantir efetividade na tramitação dos processos judiciais e administrativos e assegurar a razoável duração do processo.

Leia mais

DDS -D IÁLO GO DIÁRIO DE SEG U RAN Ç A: UM A FERRAM EN TA À SERVIÇO DA PREVEN ÇÃO DE ACID EN TES

DDS -D IÁLO GO DIÁRIO DE SEG U RAN Ç A: UM A FERRAM EN TA À SERVIÇO DA PREVEN ÇÃO DE ACID EN TES DDS -D IÁLO GO DIÁRIO DE SEG U RAN Ç A: UM A FERRAM EN TA À SERVIÇO DA PREVEN ÇÃO DE ACID EN TES José Augusto Viana Engenheiro de Segurança 0xx21(91) - 2161421 / 2161367 ANTECEDENTES I. Indicadores Internos

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1/9 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Princípios... 4 4. Diretrizes... 4 4.1. Estrutura de Governança... 4 4.2. Relação com as partes interessadas...

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA POLÍTICA ESTADUAL DE APOIO AO COOPERATIVISMO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA POLÍTICA ESTADUAL DE APOIO AO COOPERATIVISMO LEI N. 1.598, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2004 Institui a Política Estadual de Apoio ao Cooperativismo. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado do Acre decreta

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA Aprovado em Câmara Municipal a 26 de fevereiro de 2015 Aprovado em Assembleia Municipal a 30 de abril 2015 Projeto de Regulamento

Leia mais

Regulamento para utilização do FATES

Regulamento para utilização do FATES Regulamento para utilização do FATES 1 / 6 Sumário 1. OBJETIVO... 3 2. FINALIDADE... 3 3. DA FORMAÇÃO... 3 4. DA ALOCAÇÃO E APLICAÇÃO DE RECURSOS... 3 4.1- DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA... 3 4.2- DA ASSISTÊNCIA

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO N. 162/2015 Institui o Regimento Interno da Escola Judicial Militar do Estado

Leia mais

Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos

Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos SEMINÁRIO REGIONAL DE SANEAMENTO RURAL Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos Campinas(SP), 23 de Junho 2015 Mobilização

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

UNIMED VALE DO SÃO FRANCISCO COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA Rua do Coliseu nº 123 Centro Petrolina-PE CEP 56.

UNIMED VALE DO SÃO FRANCISCO COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA Rua do Coliseu nº 123 Centro Petrolina-PE CEP 56. UNIMED VALE DO SÃO FRANCISCO COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA Rua do Coliseu nº 123 Centro Petrolina-PE CEP 56.302-390 CNPJ (MF) 40.853.020/0001-20 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31.12.2007 Mutações Capital

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO Norma de serviço n.º 2012/10 CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE GABINETES E GRUPOS A ESEP tem, estatutariamente, como missão nuclear, a oferta formativa no domínio da Enfermagem

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010.

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a transformação da Universidade Virtual do Estado de Roraima UNIVIRR, para a categoria de Fundação Pública e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 027/2014 DE 25 DE ABRIL DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 027/2014 DE 25 DE ABRIL DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 027/2014 DE 25

Leia mais

FORMULÁRIO DE CADASTRAMENTO/ENTIDADES /ORGANIZAÇÕES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

FORMULÁRIO DE CADASTRAMENTO/ENTIDADES /ORGANIZAÇÕES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL FORMULÁRIO DE CADASTRAMENTO/ENTIDADES /ORGANIZAÇÕES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Denominação: Endereço: Número: Bairro: Distrito Município: CEP: Telefone: Fax: Caixa Postal Correio Eletrônico

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Índice. Boas vindas...03. Missão COOPERFEMSA...04. O que é uma Cooperativa de Crédito Mútuo?...05. O que é a COOPERFEMSA?...06

Índice. Boas vindas...03. Missão COOPERFEMSA...04. O que é uma Cooperativa de Crédito Mútuo?...05. O que é a COOPERFEMSA?...06 Guia do Cooperado Índice Boas vindas...03 Missão COOPERFEMSA...04 O que é uma Cooperativa de Crédito Mútuo?...05 O que é a COOPERFEMSA?...06 Quais as vantagens para se associar?...07 De quem é a COOPERFEMSA?...08

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país.

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. OBJETIVO GERAL Estabelecer cooperação técnica para desenvolver e implementar ações que visem a fortalecer o ciclo da gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. IMPORTANTE:

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE O Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE visa fortalecer a missão de desenvolver a nossa terra e nossa gente e contribuir para

Leia mais

As partes acima qualificadas celebram entre si o presente convênio de estágio para estudantes, mediante as seguintes condições:

As partes acima qualificadas celebram entre si o presente convênio de estágio para estudantes, mediante as seguintes condições: CONVÊNIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL MÉDIO PROFISSIONAL, DE ACORDO COM A LEI Nº 11.788 DE 25 DE SETEMBRO DE 2008, COM A LEI Nº 9.394 DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996 LEI DE DIRETRIZES

Leia mais

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA ARESMUM- ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E ESPORTIVA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MAMBORÊ PARANÁ CAPÍTULO I

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA ARESMUM- ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E ESPORTIVA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MAMBORÊ PARANÁ CAPÍTULO I PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA ARESMUM- ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E ESPORTIVA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MAMBORÊ PARANÁ CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO, DENOMINAÇÃO E FINALIDADES Artigo 1º - A Associação Recreativa

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE GARANTIA DE CRÉDITO APRESENTAÇÃO BNDES

ASSOCIAÇÃO DE GARANTIA DE CRÉDITO APRESENTAÇÃO BNDES ASSOCIAÇÃO DE GARANTIA DE CRÉDITO APRESENTAÇÃO BNDES COREDE SERRA 33 municípios PIB US$ 4.554.089.388,94 (FEE-2001) 11,04% do PIB do RS PIB Per Capita US$ 6.029,60 População 767.528 habitantes (FEE-2002)

Leia mais

Cooperativismo - Forma ideal de organização

Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo é modelo socioeconômico capaz de unir desenvolvimento econômico e bem-estar social. Seus referenciais fundamentais são: participação democrática,

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971

ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971 ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971 ATA SUMÁRIA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO DE 2014 DATA, HORA E LOCAL: Em 7 de fevereiro de

Leia mais

Os Consórcios Públicos como Ferramenta de Gestão de Serviços Públicos

Os Consórcios Públicos como Ferramenta de Gestão de Serviços Públicos Os Consórcios Públicos como Ferramenta de Gestão de Serviços Públicos Silvio Barros Prefeito de Maringa prefeito@maringa.pr.gov.br Conceito Reunião de pessoas físicas ou jurídicas que por meio de uma administração

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

Título : Estrutura organizacional (estrutura, atribuições e competências) 2 Capítulo : Índice Seção : Subitem Descrição

Título : Estrutura organizacional (estrutura, atribuições e competências) 2 Capítulo : Índice Seção : Subitem Descrição Título : Estrutura organizacional (estrutura, atribuições e competências) 2 Capítulo : Índice Seção : Capítulo Seção Item Subitem Descrição Estrutura Organizacional (estrutura, atribuições e competências)

Leia mais

Comunidades preparadas e comprometidas com a superação de seus desafios.

Comunidades preparadas e comprometidas com a superação de seus desafios. Apresentação O Instituto Camargo Corrêa, criado em dezembro de 2000 para orientar o investimento social privado das empresas do Grupo Camargo Corrêa, é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social Junho/2014 Desenvolvimento Sustentável Social Econômico

Leia mais

A Importância de Parcerias Estratégicas para a Transformação Social. Ilda Ribeiro Peliz Setembro 2008

A Importância de Parcerias Estratégicas para a Transformação Social. Ilda Ribeiro Peliz Setembro 2008 A Importância de Parcerias Estratégicas para a Transformação Social Ilda Ribeiro Peliz Setembro 2008 Responsabilidade Social O conceito da RSA não está mais entre as quatro paredes dos escritórios. A sociedade

Leia mais

Instruções Especiais para o Curso de Direito, relativas ao registro de Atividades Complementares

Instruções Especiais para o Curso de Direito, relativas ao registro de Atividades Complementares FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG Curso de Direito Av. das Torres, 500 Fone: (45) 3321-3900 Fax: (45) 3321-3902 CEP: 85800-000 Cascavel Paraná E-mail: direito@fag.edu.br Instruções Especiais para o Curso de

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais