GERAÇÃO CÉU AZUL S.A. UHE BAIXO IGUAÇU Rio Iguaçu Capanema/Capitão Leônidas Marques - PR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERAÇÃO CÉU AZUL S.A. UHE BAIXO IGUAÇU Rio Iguaçu Capanema/Capitão Leônidas Marques - PR"

Transcrição

1 GERAÇÃO CÉU AZUL S.A. UHE BAIXO Rio Iguaçu Capanema/Capitão Leônidas Marques - PR PROJETO DE INSTALAÇÃO DE ESTAÇÕES HIDROMÉTRICAS EM ATENDIMENTO À RESOLUÇÃO CONJUNTA ANEEL/ANA N 03/2010 REV. DATA TIPO DESCRIÇÃO PROJ. VER. APR. AUT. EMISSÕES TIPOS DE EMISSÃO A - PRELIMINAR D - P/ COTAÇÃO G - CONFORME CONSTRUÍDO B - P/ APROVAÇÃO E - P/ CONSTRUÇÃO H - CANCELADO N - P/ CONHECIMENTO F - CONFORME COMPRADO C - CONSOLIDADO NOME DATA PROJ. ALE 01/2013 DES. ARI 01/2013 VERIF. ALE 01/2013 PROJETO DEINSTALAÇÃO DA REDE HIDROMÉTRICA RESOLUÇÃO CONJUNTA ANEEL/ANA Nº03/2010 APROV. Nº. DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 PÁGINA: 01/45

2 GERAÇÃO CÉU AZUL S.A. UHE BAIXO RIO CAPANEMA/CAPITÃO LEÔNIDAS MARQUES - PR PROJETO DE INSTALAÇÃO DE ESTAÇÕES HIDROMÉTRICAS EM ATENDIMENTO À RESOLUÇÃO CONJUNTA ANEEL/ANA Nº 03/2010 JANEIRO / 2013 NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 2/46

3 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO ANÁLISES E RESULTADOS ASPECTOS DA RESOLUÇÃO CONJUNTA N 03/ CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO CARACTERIZAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA POTAMOGRAFIA CLIMATOLOGIA QUANTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES PARA ATENDIMENTO À RESOLUÇÃO LOCALIZAÇÃO DE ESTAÇÕES HIDROLÓGICAS EXISTENTES NA BACIA PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DA REDE HIDROLÓGICA PARA ATENDIMENTO À RESOLUÇÃO CONJUNTA Estação Limnimétrica UHE BAIXO BARRAMENTO Estação Fluviométrica e Pluviométrica UHE BAIXO JUSANTE Estação Fluviométrica e Pluviométrica UHE BAIXO MONTANTE I RIO CAPANEMA Estação Fluviométrica e Pluviométrica UHE BAIXO MONTANTE II RIO ANDRADA Estação de Monitoramento de Qualidade da Água UHE BAIXO M.Q.A REDE HIDROLÓGICA PROPOSTA CRONOGRAMA DISPONIBILIZAÇÃO DOS DADOS HIDROLÓGICOS TELEMÉTRICOS CAMPANHAS DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO HIDROLÓGICA ANEXOS NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 3/46

4 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 - Esquema da Resolução Conjunta... 7 Figura 2 - Bacia 6 - Rio Paraná Figura 3 - Bacia do Rio Iguaçu Figura 4 - Dados climáticos na região da UHE Baixo Iguaçu Figura 5 - Balanço Hídrico Figura 6 - Reposição Hídrica Figura 7 - Distribuição das usinas no Rio Iguaçu Figura 8 - Localização das estações e usinas na área de influência da UHE Baixo Iguaçu Figura 9 - Localização das estações de monitoramento propostas Figura 10 - Cronograma de desenvolvimento Figura 11 - Cronograma das campanhas anuais de operação e manutenção NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 4/46

5 1. INTRODUÇÃO A UHE BAIXO (350 MW) Contrato de Concessão n 02 de 20/08/2012 está em implantação no Rio Iguaçú, entre os municípios de Capanema e Capitão Leônidas Marques, no Estado do Paraná, nas coordenadas de latitude "S e longitude 53 40'18"O. Tendo em vista a necessidade de atendimento à Resolução Conjunta ANEEL/ANA Nº 03/2010, seus textos e instruções complementares, que estabelece as condições e os procedimentos a serem observados pelos concessionários e autorizados de geração de energia hidrelétrica para a instalação, operação e manutenção de estações hidrométricas visando ao monitoramento pluviométrico, limnimétrico, fluviométrico, sedimentométrico e de qualidade da água associado a aproveitamentos hidrelétricos, será definido neste projeto todas as características da rede hidrométrica como quantidades, tipo e localizações. Com base nas análises realizadas das características como área de drenagem e tamanho de reservatório da UHE BAIXO, foram definidos a quantidade e a localização das estações hidrométricas, conforme será apresentado ao longo deste relatório. Os trabalhos de locação de cada estação hidrométrica foram no sentido de atendimento à Resolução Conjunta ANEEL/ANA Nº 03/2010, mas também, de forma a fornecer dados hidrológicos que possam atender e prover informações para a programação hidroenergética da UHE BAIXO. O acesso ao local do empreendimento, partindo-se de Cascavel, é feito pela BR- 227, na saída para Foz do Iguaçu, onde à esquerda, na PR-182 segue-se por 57 km até o município de Capitão Leônidas Marques. NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 5/46

6 2. ANÁLISES E RESULTADOS 2.1. ASPECTOS DA RESOLUÇÃO CONJUNTA N 03/2010 A Resolução Conjunta ANEEL/ANA Nº 03/2010, estabelece as condições para implantação, manutenção e operação de estações fluviométricas e pluviométricas associadas a empreendimentos hidrelétricos. Conforme pode ser visto na tabela abaixo, em referência ao Artigo 2 da Resolução que estabelece as faixas e quantidades de estações: Área de Drenagem Incremental Tipo de De a Acima de De 0 a De 501 a De a Monitoramento 500 km km km km 2 km 2 Pluviométrico Limnimétrico Fluviométrico Sedimentométrico Além disso, a Resolução cita que todas as estações a serem instaladas para monitoramento fluviométrico, pluviométrico e limnimétrico, de acordo com o Artigo 5º, devem ser automatizadas e telemetrizadas. Ainda, em aproveitamentos com área inundada superior a 3 km 2, o monitoramento da qualidade da água deverá ser realizado em um local do reservatório, considerando os parâmetros Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO), Fósforo Total, Nitrogênio Total, Clorofila A, Transparência, ph e Temperatura. NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 6/46

7 forma: Esquematicamente, a Resolução Conjunta pode ser representada da seguinte Figura 1 - Esquema da Resolução Conjunta NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 7/46

8 2.2. CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO A UHE BAIXO possui as seguintes características construtivas : Informações Gerais Localização: Rio Iguaçu, Sub-bacia 65 Rio Iguaçu, Bacia 6 Rio Paraná Distancia da foz: 174 km Área de drenagem total: km² Área de drenagem incremental: km² Município margem direita/esquerda: Capitão Leônidas Marques/Capanema, PR Reservatório: N.A. de Montante Maxímum Maxímorum : 260,60m N.A. de Montante Máximo Normal: 259,00m N.A. de Montante Mínimo Normal: 258,00m N.A. de Jusante Máximo Normal : 255,76m N.A. de Jusante Normal: 241,98m Vida Útil do Reservatório: >1000 anos Perímetro: 225km Profundidade Média: 13,60m Profundidade Máxima: 26,00m Municípios Interferidos: Capanema, Capitão Leônidas Marques, Planalto, Realeza e Nova Prata do Iguaçu Áreas Inundadas: 31,63 km² NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 8/46

9 Barragem: Tipo de estrutura/material: Enrocamento Comprimento total da crista: 600 m Crista da barragem: 263 m Vertedouro: Cota da Soleira: 241,60m Comprimento total: 480m Número de Vãos: 20 Largura do Vão: 20m Concreto (convencional): m³ Energia: Potência da usina: 350 MW Turbina tipo: Kaplan Número de Turbinas: 3 unidades Potência Nominal Unitária: 119,29 MW Rotação Sincrona: 69,23 r.p.m. Queda de Referência: 16,58 m Vazão Nominal Unitária: 785,26 m³/s Rendimento Máximo: 93,9 % NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 9/46

10 2.3. CARACTERIZAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA POTAMOGRAFIA A bacia do rio Paraná está localizada entre as latitudes 14º e 27º S e longitudes 43º e 60º W. Abrange os estados de São Paulo, Paraná, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Santa Catarina e Distrito Federal. A bacia do Paraná limita-se com as seguintes bacias hidrográficas brasileiras: a Bacia Amazônica e a Bacia do Tocantins-Araguaia, ao norte, Bacia do Rio São Francisco, a nordeste, Bacia do Atlântico Trecho Leste, a sudeste, com a Bacia do Uruguai, ao Sul. Grande parte de sua área está na região sudeste do Brasil. Possui uma vazão média anual de m 3 /s, volume médio anual de 495 Km 3 em uma área de drenagem calculada em Km 2. Figura 2 - Bacia 6 - Rio Paraná. NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 10/46

11 Rio Iguaçu é um afluente do rio Paraná e é o maior rio do estado do Paraná, formado pelo encontro dos rio Iraí e rio Atuba em Curitiba, junto a divisa deste com os municípios de Pinhais e São José dos Pinhais.O curso do rio segue o sentido geral leste/oeste com algumas partes servindo de divisa natural entre o Paraná e Santa Catarina, bem como em certo trecho do seu baixo curso faz a fronteira entre o Brasil e Argentina. A Bacia do rio Iguaçu abrange os estados do Paraná e de Santa Catarina, além de áreas da província de Misiones, na Argentina. No Estado do Paraná, cobre uma superfície de km². No Estado de Santa Catarina cobre uma uma superfície de km². Assim sendo, em território brasileiro a área abrangida pela sua bacia (rio principal e seus afluentes) perfaz um total de km². Em território argentino, na Província de Misiones a área abrangida pelos seus afluentes é de mais ou menos 1.837,5 km². Considerando a soma das áreas do Brasil e da Argentina, a bacia hidrográfica do rio Iguaçu deve chegar a cobrir uma superfície de terra próxima a ,5 km². Figura 3 - Bacia do Rio Iguaçu NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 11/46

12 CLIMATOLOGIA Segundo a classificação climática de Koeppen, baseada em dados mensais pluviométricos e termométricos, o tipo dominante na maior área é o Cfa, clima temperado úmido, com Verão quente. Precipitação anual média de mm, com intensidade máxima em janeiro, fevereiro e março. Temperatura média 21,4º C, maior máxima média em 25º C, e menor mínima média em 16,6º C. Planalto-Pr. Para analise hídrica foram usados os dados da Embrapa da cidade de Figura 4 - Dados climáticos na região da UHE Baixo Iguaçu. NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 12/46

13 Figura 5 - Balanço Hídrico Figura 6 - Reposição Hídrica NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 13/46

14 2.4. QUANTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES PARA ATENDIMENTO À RESOLUÇÃO De acordo às pesquisas efetuadas em toda a bacia hidrográfica do Rio Iguaçu, à montante da UHE BAIXO, foram encontrados os seguintes aproveitamentos: Coordenada Geográfica (localização) Área de Drenagem Rio PCH Burro Branco 855 km² Areia PCH Foz do Turvo km² Areia PCH Pinhalzinho km² Areia PCH São Jerônimo 225 km² São Jerônimo UHE Salto Curucaca II km² Jordão PCH Santa Clara I km² Jordão UHE Santa Clara km² Jordão PCH Salto São Pedro km² Jordão PCH Fundão I km² Jordão UHE Fundão km² Jordão PCH Derivação do Rio Jordão km² Jordão UHE Barra km² Jordão PCH Cavernoso km² Cavernoso PCH Cavernoso II km² Cavernoso PCH Vitorino 578 km² Vitorino PCH Alto Chopim km² Chopim PCH Rancho Grande km² Chopim PCH Salto Claudelino km² Chopim PCH Foz do Curucaca km² Chopim UHE São João km² Chopim NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 14/46

15 UHE Cachoeirinha km² Chopim PCH Chopim I km² Chopim PCH Bela Vista km² Chopim PCH Júlio de Mesquita Filho (Foz do Chopim) km² Chopim UHE Bento Munhoz da Rocha Neto (Foz do Areia) km² Iguaçu UHE Ney Aminthas de Barros Braga (Segredo) km² Iguaçu UHE Salto Santiago km² Iguaçu UHE Salto Osório km² Iguaçu UHE Governador José Richa (Salto Caxias) km² Iguaçu Com base nas informações de projeto da UHE BAIXO, temos as seguintes características/informações técnicas: Coordenada Geográfica Área de Área de Drenagem Área do (localização) Drenagem Incremental Reservatório "S / 53 40'18"O km² km² 31,63 km² Assim, analisando as informações técnicas do quadro acima, observamos que esta UHE se estabelece na faixa 02 De 501 a 5000 km 2 da Resolução Conjunta ANEEL/ANA Nº 03/2010, sendo portanto, necessário a instalação e operação de: 03 (três) estações pluviométricas 03 (três) estações fluviométricas 01 (uma) estação limnimétrica (barramento) 02 (duas) estações sedimentométricas NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 15/46

16 Ainda, conforme a resolução, todas as estações devem ser telemetrizadas, sendo que 01 (uma) das estações pluviométricas e fluviométricas deve se instalada obrigatoriamente à jusante da casa de força da UHE, além da estação limnimétrica que deverá ser instalada em seu barramento para monitoramento do nível do seu reservatório. Ainda com base na resolução, é obrigatório o Monitoramento da Qualidade da Água do reservatório desta Usina, pois seu reservatório é superior a 3 km 2. Figura 7 - Distribuição das usinas no Rio Iguaçu. NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 16/46

17 2.5. LOCALIZAÇÃO DE ESTAÇÕES HIDROLÓGICAS EXISTENTES NA BACIA Em uma busca detalhada no documento Inventário das Estações Fluviométricas e Pluviométricas ANA HIDROWEB foram localizadas, Sub-bacia 65 Rio Iguaçu - as estações abaixo citadas: Estações Fluviométricas Código Nome Sub-bacia Rio Estado Município Responsável Operadora RIO EM GUAJUVIRA PONTE BR ETA CURITIBA MONTANTE FOZ DO RIO BELÉM JUSANTE DO BELÉM ETE - SANEPAR CIDADE JARDIM CACHOEIRA PONTE UMBARAZINHO PONTE BR MONTANTE DO RIO MAURÍCIO UNICENP - CAMPUS II JUSANTE DO RIO BARIGUI ETE - ARAUCÁRIA BELA VISTA - ARAUCÁRIA GUAJUVIRA BALSA NOVA ARAUCÁRIA AGUAS AGUAS SÃO JOSÉ DOS PINHAIS AGUAS AGUAS CURITIBA SANEPAR SANEPAR CURITIBA AGUAS AGUAS CURITIBA AGUAS AGUAS CURITIBA AGUAS AGUAS SÃO JOSÉ DOS PINHAIS SÃO JOSÉ DOS PINHAIS SÃO JOSÉ DOS PINHAIS AGUAS AGUAS AGUAS AGUAS AGUAS AGUAS MANDIRITUBA AGUAS AGUAS MANDIRITUBA AGUAS AGUAS CURITIBA AGUAS AGUAS ARAUCÁRIA AGUAS AGUAS ARAUCÁRIA AGUAS AGUAS ARAUCÁRIA AGUAS AGUAS ARAUCÁRIA ANA AGUAS BALSA NOVA AGUAS AGUAS NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 17/46

18 ENGENHEIRO BLEY PORTO AMAZONAS PORTO AMAZONAS SÃO MATEUS DO SUL SÃO MATEUS DO SUL PAULA PEREIRA FLUVIÓPOLIS FLUVIÓPOLIS FELIPE SCHMIDT IRINEÓPOLIS LANCA FAZENDA SANTA MARTA ETA UNIÃO DA VITÓRIA UNIÃO DA VITÓRIA UNIÃO DA VITÓRIA R1 UNIÃO DA VITÓRIA R2 COLONIA CEL AMAZONAS R3 PORTO AREIA - RESSACA BARRA DO ESPINGARDA PORTO VITÓRIA (rio iguaçu) PORTO VITÓRIA R5 - JUSANTE / IAP R6 BARRA DO JANGADA SALTO GRANDE SALTO GRANDE DO BALSA NOVA AGUAS AGUAS SANTA CATARINA SANTA CATARINA SANTA CATARINA SANTA CATARINA PORTO AMAZONAS PORTO AMAZONAS SÃO MATEUS DO SUL SÃO MATEUS DO SUL AGUAS SIMEPAR AGUAS SIMEPAR CANOINHAS CEESC CEESC SÃO MATEUS DO SUL SÃO MATEUS DO SUL NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 18/46 ANA AGUAS SIMEPAR IRINEÓPOLIS AGUAS IRINEÓPOLIS AGUAS UNIÃO DA VITÓRIA ANA ANA PORTO UNIÃO AGUAS UNIÃO DA VITÓRIA UNIÃO DA VITÓRIA UNIÃO DA VITÓRIA UNIÃO DA VITÓRIA SANEPAR ANA SANEPAR AGUAS SIMEPAR AGUAS PORTO VITÓRIA AGUAS PORTO VITÓRIA AGUAS PORTO VITÓRIA AGUAS PORTO VITÓRIA AGUAS PORTO VITÓRIA SIMEPAR PORTO VITÓRIA AGUAS PORTO VITÓRIA PORTO VITÓRIA CRUZ MACHADO ELETROBRÁS ELETROBRÁS

19 BARRA DO AREIA FOZ DO AREIA UHE Gov.Bento Munhoz da Rocha Neto BARRAGEM UHE FOZ DO AREIA UHE FOZ DO AREIA - JUSANTE RFA UHE FOZ DO AREIA - RESERVATÓRIO UHE Gov.Bento Munhoz da Rocha Neto DEFLUENCIA JUSANTE FOZ DO IRATIM BARRA DO IRATIM PORTO SANTO ANTÔNIO EIXO E - SALTO SEGREDO UHE Gov. Ney Aminthas de Barros Braga BARRAGEM UHE Gov. Ney Aminthas de Barros Braga DEFLUENCIA ARROIO DIVISA POMAR ÁGUAS MORNAS BARRA DO JORDÃO RG PORTO FANOR RG5 JUSANTE SEGREDO - BAIXADA SCHMIDT PONTE BR PORTO SANTA MARIA PINHÃO AGUAS AGUAS BITURUNA AGUAS AGUAS BITURUNA SIMEPAR PINHÃO BITURUNA ANA ANA BITURUNA AGUAS PINHÃO PINHÃO PALMAS AGUAS AGUAS CORONEL DOMINGOS SOARES AGUAS AGUAS MANGUEIRINHA AGUAS AGUAS PINHÃO AGUAS MANGUEIRINHA SIMEPAR MANGUEIRINHA MANGUEIRINHA AGUAS AGUAS PINHÃO AGUAS AGUAS FOZ DO JORDÃO AGUAS AGUAS GUARAPUAVA PINHÃO MANGUEIRINHA AGUAS AGUAS CHOPINZINHO AGUAS CHOPINZINHO ANA ANA SALTO SANTIAGO LARANJEIRAS NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 19/46

20 RG211A DO SUL SALTO SANTIAGO RG211B SALTO SANTIAGO RG211B SALTO SANTIAGO RG211C SALTO SANTIAGO SALTO SANTIAGO RG212A SALTO SANTIAGO RG212B SALTO SANTIAGO UHE SALTO SANTIAGO UHE SALTO SANTIAGO USINA SALTO SANTIAGO (DEFLUENTE) SALTO SANTIAGO - JUSANTE UHE SALTO OSÓRIO SALTO SANTIAGO RGII SALTO SANTIAGO RGIII SALTO SANTIAGO RGIV SALTO SANTIAGO RGV UHE SALTO OSÓRIO UHE SALTO OSÓRIO USINA SALTO OSÓRIO (DEFLUENTE) SALTO OSÓRIO JUSANTE PIOLHO L PIOLHO L FOZ DO CHOPIM LARANJEIRAS DO SUL LARANJEIRAS DO SUL LARANJEIRAS DO SUL LARANJEIRAS DO SUL LARANJEIRAS DO SUL LARANJEIRAS DO SUL LARANJEIRAS DO SUL LARANJEIRAS DO SUL SAUDADE DO LARANJEIRAS DO SUL LARANJEIRAS DO SUL QUEDAS DO LARANJEIRAS DO SUL LARANJEIRAS DO SUL LARANJEIRAS DO SUL LARANJEIRAS DO SUL QUEDAS DO QUEDAS DO QUEDAS DO QUEDAS DO QUEDAS DO QUEDAS DO TRACTEBEL TRACTEBEL AGUAS AGUAS NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 20/46 ANA TRACTEBEL ANA TRACTEBEL AGUAS AGUAS ANA ANA AGUAS AGUAS AGUAS AGUAS DOIS VIZINHOS AGUAS FAZENDA FANTIN DOIS VIZINHOS AGUAS

21 BALSA DO CHOPIM CRUZEIRO DO BALSA JARACATIÁ BOA VISTA DA APARECIDA SALTO CAXIAS - L SALTO CAXIAS L SALTO CAXIAS L UHE Gov. José Richa (Salto Caxias)BARRAGEM UHE Gov. José Richa (Salto Caxias)DEFLUENCIA SALTO CAXIAS SALTO CAXIAS JUS. - L1 - MD SALTO CAXIAS - JUS - L ESTREITO DO CAPANEMA ESTREITO DO NOVO PORTO CAPANEMA PORTO CAPANEMA PORTO LUPION ANDREZITO (AYEE) PUERTO ANDRESITO POÇO PRETO DOIS VIZINHOS AGUAS DOIS VIZINHOS AGUAS AGUAS TRÊS BARRAS DO BOA VISTA DA APARECIDA NOVA PRATA DO NOVA PRATA DO CAPITÃO LEÔNIDAS MARQUES CAPITÃO LEÔNIDAS MARQUES CAPITÃO LEÔNIDAS MARQUES CAPITÃO LEÔNIDAS MARQUES CAPITÃO LEÔNIDAS MARQUES CAPITÃO LEÔNIDAS MARQUES SIMEPAR SIMEPAR AGUAS AGUAS ITAIPU SIMEPAR AGUAS ITAIPU CÉU AZUL ANA ANA CAPANEMA CAPANEMA ANA AGUAS SERRANÓPOLIS DO ITAIPU ITAIPU CAPANEMA SIMEPAR CAPANEMA AGUAS AGUAS GUAÍRA ANA ANA ARGENTINA ARGENTINA ARGENTINA ARGENTINA FOZ DO ITAIPU ITAIPU HOTEL CATARATAS FOZ DO ITAIPU ITAIPU NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 21/46

22 SALTO CATARATAS SALTO CATARATAS ESCALA TIPO (308 - DNCPVN) PARQUE NACIONAL - MUSEU PUERTO AGUIRRE PORTO MEIRA FOZ DO FOZ DO AGUAS SIMEPAR ARGENTINA ARGENTINA ARGENTINA ARGENTINA FOZ DO ITAIPU ITAIPU ARGENTINA ARGENTINA ARGENTINA ARGENTINA FOZ DO ITAIPU ITAIPU Estações Pluviométrica Código Nome Sub-bacia Rio Estado Município Responsável Operadora CAPITÃO LEONIDAS MARQUES 65 - CAPITÃO LEÔNIDAS MARQUES ALTO ALEGRE 65 - CAPITÃO LEÔNIDAS MARQUES SÃO SEBASTIÃO 65 - CAPITÃO LEÔNIDAS MARQUES UHE SALTO CAXIAS BARRAGEM 65 - CAPITÃO LEÔNIDAS MARQUES SALTO CAXIAS - JUS. - L CAPITÃO LEÔNIDAS MARQUES SALTO CAXIAS - JUS - L CAPITÃO LEÔNIDAS MARQUES UHE Gov. José Richa (Salto Caxias)BARRAGEM 65 - CAPITÃO LEÔNIDAS MARQUES NOVA PRATA DO 65 - NOVA PRATA DO NOVA PRATA DO 64 - NOVA PRATA DO AGUAS AGUAS AGUAS AGUAS NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 22/46 ANA ITAIPU AGUAS ITAIPU SIMEPAR AGUAS AGUAS SIMEPAR SIMEPAR FLOR DA SERRA 65 - DOIS VIZINHOS AGUAS QUEDAS DO (CAMPO NOVO) 65 - QUEDAS DO LINHA MIRIM 65 - QUEDAS DO ANA AGUAS AGUAS AGUAS QUEDAS DO - SE 65 - QUEDAS DO

23 SALTO OSÓRIO 65 - QUEDAS DO QUEDAS DO - US SANTO OSÓRIO SALTO OSÓRIO - JUSANTE UHE 65 - QUEDAS DO 65 - QUEDAS DO NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 23/46 ANA IAPAR PORTO SANTA MARIA 65 - CHOPINZINHO ANA ANA ANA ANA IAPAR CHOPINZINHO 65 - CHOPINZINHO ANA AGUAS BUGRE 65 - CHOPINZINHO AGUAS AGUAS SÃO LUIZ DO OESTE 65 - CHOPINZINHO AGUAS AGUAS BAIA 65 - CHOPINZINHO AGUAS AGUAS SEGREDO - ACAMPAMENTO ANA 65 - FOZ DO JORDÃO FOZ DO JORDÃO 65 - FOZ DO JORDÃO TRACTEBEL TRACTEBEL USINA TROMBINI 65 - FOZ DO JORDÃO TROMBINE TROMBINE PEDRO LUSTOSA 65 - RESERVA DO BARRA DO BUTIA 65 - RESERVA DO RESERVA DO 65 - RESERVA DO PORTO SANTO ANTÔNIO 65 - RESERVA DO FOZ DO JORDÃO 65 - RESERVA DO AGUAS AGUAS AGUAS AGUAS AGUAS AGUAS AGUAS AGUAS POÇO GRANDE 65 - PINHÃO AGUAS AGUAS SANTA CRUZ 65 - PINHÃO AGUAS AGUAS FAXINAL DOS RIBEIROS 65 - PINHÃO AGUAS AGUAS PIMPÃO 65 - PINHÃO AGUAS AGUAS PINHÃO 65 - PINHÃO ANA AGUAS ZATARLÂNDIA (BOM RETIRO) 65 - PINHÃO AGUAS AGUAS REPETIDORA FAXINAL 65 - PINHÃO GUARAPUAVINHA 65 - PINHÃO AGUAS GUARAPUAVINHA 65 - PINHÃO ELEJOR SIMEPAR UHE SANTA CLARA BARRAGEM PIMPÃO BAIRRO CACHOEIRINHA 65 - PINHÃO ELEJOR SIMEPAR 65 - PINHÃO AGUAS BARRA DO AREIA 65 - PINHÃO AGUAS AGUAS UHE FOZ DO AREIA 65 - PINHÃO UHE FOZ DO AREIA - JUS PINHÃO ANA ANA FOZ DO AREIA 65 - PINHÃO SIMEPAR SIMEPAR UHE Gov.Bento Munhoz da Rocha Neto BARRAGEM 65 - PINHÃO SIMEPAR

24 Figura 8 - Localização das estações e usinas na área de influência da UHE Baixo Iguaçu. Rua TaufficFarran, 379 Distrito Industrial Três Lagoas MS NÚMERO DO DOCUMENTO: ASSINATURA: PÁGINA: 24/46

25 2.6. PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DA REDE HIDROLÓGICA PARA ATENDIMENTO À RESOLUÇÃO CONJUNTA Para definir a rede hidrológica da UHE BAIXO, de modo a atender às suas necessidades hidroenergéticas e também atender a Resolução Conjunta em questão, foi feita uma análise da área incremental do aproveitamento e da rede de monitoramento existente na bacia hidrográfica onde está inserida a Usina. Esta análise foi apoiada em consultas a imagens de satélite, cartas do IBGE, e em análises de campo, tendo em vista os requisitos necessários à instalação de estações fluviométricas e pluviométricas de qualidade. Os locais de interesse foram primeiramente identificados e locados na imagem de satélite e posteriormente vistoriados no campo, tendo em vista a quantidade de estações informadas no item 2.4. Uma das estações fluviométrica/pluviométrica será instalada à jusante da casa de força da usina, de modo a acompanhar a vazão defluente da mesma. Nesta estação também serão realizadas as campanhas de medição de descarga sólida (em conjunto com a medição de descarga líquida). Nos estudos efetuados para a instalação das estações fluviométricas/pluviométricas de montante (convencional e telemétrica), constatou-se que o intervalo do Rio Iguaçu entre os barramentos da UHE BAIXO e UHE SALTO CAXIAS (imediatamente à montante) é inapropriado para tal devido às condições hidráulicas (remanso). Isto ocorre devido a ação do reservatório da UHE BAIXO que se localiza imediatamente à jusante da UHE SALTO CAXIAS. Isto é claramente NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 25/46

26 demonstrado na informação abaixo, onde são apresentados os níveis operacionais de cada usina: UHE SALTO CAXIAS N.A. Operação Jusante: 258,62 m UHE BAIXO N.A. Operação Montante: 259,00 m Devido a esta partição de queda do Rio Iguaçu, isto impossibilita a realização de medições de descarga líquidas e sólidas no segmento do Rio Iguaçu entre UHE BAIXO e UHE SALTO CAXIAS. Também foi verificado esta mesma condição nos aproveitamentos à montante da UHE SALTO CAXIAS no Rio Iguaçu. Desta forma foram escolhidos locais nos rios afluentes imediatamente à montante da UHE BAIXO : Rio Capanema e Rio Andrada. Estes rios afluem diretamente ao reservatório da usina. Assim, as duas estações de montante serão locadas nos rios acima informadas, completando as informações de vazão afluente para a UHE BAIXO. NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 26/46

27 Figura 9 - Localização das estações de monitoramento propostas. Junto ao barramento da UHE BAIXO será instalada a estação limnimétrica telemetrizada para acompanhamento/monitoramento do nível do reservatório. A estação de Monitoramento da Qualidade da Água será locada nas proximidades do barramento da usina. Assim, após os estudos de locação das estações, tendo em vista as características da bacia hidrográfica do Rio Iguaçu até o barramento da UHE, determinou-se então a localização das estações hidrológicas associadas à esta Usina, sendo: NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 27/46

28 Estação Limnimétrica UHE BAIXO BARRAMENTO A estação de barramento será instalada nas coordenadas abaixo: Coordenada Geográfica (localização) "S / 53 40'18"O Tipo da Estação FT Estação Fluviométrica e Pluviométrica UHE BAIXO JUSANTE A estação pluviométrica e fluviométrica de jusante será instalada nas coordenadas abaixo, onde também será realizado o monitoramento das descargas sólidas defluentes da usina. Coordenada Geográfica (localização) "S / 53 41'01"O Tipo da Estação PFDST Estação Fluviométrica e Pluviométrica UHE BAIXO MONTANTE I RIO CAPANEMA Umas das estações de montante (pluviométrica e fluviométrica) será instalada nas coordenadas abaixo. Nesta estação será realizado o monitoramento das descargas sólidas afluentes à usina. Coordenada Geográfica (localização) "S / 53 37'32"O Tipo da Estação PFDST NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 28/46

29 Estação Fluviométrica e Pluviométrica UHE BAIXO MONTANTE II RIO ANDRADA A outra estação de montante (pluviométrica e fluviométrica) será instalada nas coordenadas abaixo: Coordenada Geográfica (localização) "S / 53 32'40"O Tipo da Estação PFDT Estação de Monitoramento de Qualidade da Água UHE BAIXO M.Q.A Para atendimento às solicitações da Resolução, o local de monitoramento de qualidade da água será realizado no local abaixo: Coordenada Geográfica (localização) "S / 53 40'1"O Tipo da Estação Q 2.7. REDE HIDROLÓGICA PROPOSTA Visando atender à Resolução Conjunta ANEEL/ANA Nº 03/2010, e da mesma forma, atender as necessidades de informações hidrológicas, que para uma Usina Hidrelétrica é a base do seu negócio, as estações a serem instaladas associadas à UHE BAIXO foram locadas nas seguintes coordenadas: NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 29/46

30 NOME DA ESTAÇÃO TIPO COORDENADAS MUNICIPIO RIO ALTITUDE m AD Km 2 UHE BAIXO BARRAMENTO FT "S 53 40'18"O CAPITÃO LEÔNIDAS MARQUES UHE BAIXO JUSANTE PFDST "S 53 41'01"O CAPANEMA UHE BAIXO MONTANTE I RIO CAPANEMA PFDST "S 53 37'32"O CAPANEMA CAPANEMA UHE BAIXO MONTANTE II RIO ANDRADA PFDT "S 53 32'40"O CAPITÃO LEÔNIDAS MARQUES ANDRADA UHE BAIXO M.Q.A. Q "S 53 40'1"O CAPITÃO LEÔNIDAS MARQUES CRONOGRAMA Desta forma, com base no que foi descrito neste relatório de Projeto de Implantação das Estações Hidrométricas associadas à UHE BAIXO, segue abaixo o cronograma de instalação das estações hidrométricas convencionais e telemétricas: NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 30/46

31 Figura 10 - Cronograma de desenvolvimento 4. DISPONIBILIZAÇÃO DOS DADOS HIDROLÓGICOS TELEMÉTRICOS Conforme a legislação vigente e já citado anteriormente neste relatório, as estações hidrológicas (fluviometria e pluviometria) serão telemetrizadas, constituindo a Rede de Telemetria Hidrológica da UHE BAIXO. Os dados fluviométricos e pluviométricos das estações instaladas serão transmitidos, via rede telemétrica, para os servidores dedicados definidos para o devido processamento e disponibilização dos dados hidrométricos, tanto para a equipe de operação da Usina (via WEB), como para a ANA. Os dados disponíveis como cota de nível d água, valores de precipitação pluviométrica e vazão (em função da curva chave definida) estarão disponíveis no website da CONSTRUSERV para acesso online das informações das estações. NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 31/46

32 Ainda, conforme cito na Resolução Conjunta em seu Art 5, as informações coletadas devem ser disponibilizadas à ANA. Essa disponibilização será realizada tendo como base os procedimentos descritos no texto Procedimentos Para Envio Dos Dados Hidrológicos Em Tempo Real Das Estações Telemétricas Revisão_Mar12. Conforme descrito no texto acima, os dados deverão ser enviados pela Internet, utilizando o serviço de comunicação denominado Web Service, disponibilizado pelo Sistema de Recepção de dados da ANA. 5. CAMPANHAS DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO HIDROLÓGICA Atendendo às instruções da resolução conjunta, serão efetuadas 04 (quatro) campanhas anuais às estações, que podem ser divididas trimestralmente ou conforme a necessidade de dados hidrológicos. Para tanto, segue abaixo o cronograma de medições a serem realizadas bem como as manutenções nas estações telemétricas. NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 32/46

33 Figura 11 - Cronograma das campanhas anuais de operação e manutenção 6. ANEXOS ANEXO 01 Dados Básicos do Aproveitamento Hidrelétrico ANEXO 02 Imagens de satélite dos locais de instalação das estações hidrométricas ANEXO 03 Mapa topológico da bacia hidrográfica NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 33/46

34 Três Lagoas - MS, 29 de Janeiro de Alessandro Pereira Garcia CREA CONSTRUSERV - MS4574 NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 34/46

35 ANEXO 01 DADOS BÁSICOS DO APROVEITAMENTO HIDRELÉTRICO NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 35/46

36 NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 36/46

37 FICHA-RESUMO ESTUDOS DE VIABILIDADE E PROJETO BÁSICO NOME DA USINA: BAIXO DATA: out/2004 ETAPA: ESTUDO DE VIABILIDADE Potência (MW): 350 NOME DO INTERESSADO: DESENVIX S. A. CONTATO: José Antunes Sobrinho / TEL.: (48) LOCALIZAÇÃO RIO: BACIA: 6 SUB-BACIA: 65 DIST. DA FOZ: 174 km MUNICÍPIOS: ME: Capanema UF: PR COORDENADAS GEOGRÁFICAS: (BARRAGEM) MD: Capitão Leonidas Marques UF: PR BARRAGEM: LATITUDE: 25º 30' 12 LONGITUDE: 53º 40' 18 MUNICÍPIO CASA DE FORÇA: LATITUDE: 25º 30' 29 LONGITUDE: 53º 40' 43 (C.DE FORÇA) Capanema UF: PR 2. CARTOGRAFIA / TOPOGRAFIA PROJEÇÃO CARTOGRÁFICA: ZONA: 22/23 DATUM: SAD 69 DATUM LOCAL: - CARTAS E PLANTAS TOPOGRÁFICAS: DATA: 1980 ESCALA: 1: FONTE: DSG FOTOS AÉREAS: DATA: 28/04/2004 ESCALA: 1: FONTE: AEROMAPA ESCALA: 1:8.000 FONTE: AEROMAPA RESTITUIÇÃO AEROFOTOGRAMÉTRICA: ESCALA: 1:5.000 FONTE: AEROMAPA 1:2.000 FONTE: AEROMAPA 3. HIDROMETEOROLOGIA POSTOS FLUVIOMÉTRICOS DE REFERÊNCIA: CÓD.: NOME: Porto Amazonas RIO: Iguaçu AD: 3662 km² CÓD.: NOME: São Mateus do Sul RIO: Iguaçu AD: 6065 km² CÓD.: NOME: União da Vitória RIO: Iguaçu AD: km² CÓD.: NOME: Salto Osório Jusante UHE RIO: Iguaçu AD: km² CÓD.: NOME: Estreito do Iguaçu RIO: Iguaçu AD: km² CÓD.: NOME: Estreito do Iguaçu Novo RIO: Iguaçu AD: km² CÓD.: NOME: Salto Cataratas RIO: Iguaçu AD: km² VAZÕES MÉDIAS MENSAIS (m 3 /s) PERÍODO: JAN/1931 A DEZ/2001 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ EVAPOR. MÉDIA MENSAL (mm) JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ PREC. MÉDIA ANUAL: mm VAZÃO MLT PERÍODO: (JAN/1931 A DEZ/2001) m³/s EVAP. MÉDIA ANUAL: mm VAZÃO PERÍODO CRÍTICO (JUN/1949 A NOV/1956) m³/s EVAP. MÉDIA MENSAL: 112 mm VAZÃO MÁX. REGISTRADA m³/s ÁREA DE DRENAGEM: km ² VAZÃO MÍN. REGISTRADA 143 m³/s VAZÃO Q 7, m³/s 4. RESERVATÓRIO CARACTERÍSTICAS GERAIS NA NORMAL de JUSANTE: 241,98 m VIDA ÚTIL DO RESERVATÓRIO: > 1000 anos NA MÁX. de JUSANTE: 255,76 m PERÍMETRO: 225 km CRISTA DA BARRAGEM: 263,00 m PROFUNDIDADE MÉDIA: 13,60 m ALTURA DA BARRAGEM: 22,00 m PROFUNDIDADE MÁXIMA: 26,00 m VOLUMES TEMPO DE FORMAÇÃO: 4,0 dias No NA MÁX. NORMAL: 211,92 x10 6 m³ TEMPO DE RESIDÊNCIA: 1,7 dias No NA MÍN. NORMAL: 183,00 x10 6 m³ NÍVEIS ÁREA INUNDADA TOTAL NA MÁX. NORMAL: 259,00 m NA MÁX. NORMAL: 31,63 km² NA MÁX. MAXIMORUM: 260,60 m NA MÁX. MAXIMORUM: 35,36 km² NA MÍN. NORMAL: 258,00 m NA MÍN. NORMAL: 31,63 km² ÁREAS INUNDADAS POR MUNICÍPIO (em ha) - NA MÁX MAXIMORUM MUNICÍPIOS UF SEM A CALHA DO RIO LEITO DO RIO TOTAL Capanema PR 539,7 273,6 813,3 Capitão Leônidas Marques PR 700,6 835,3 1535,9 Planalto PR 18,0 9,1 27,1 Realeza PR 458,8 673,7 1132,5 Nova Prata do Iguaçu PR 27,9 0,0 27,9 5. TURBINAS TIPO: Kaplan QUEDA DE REFERÊNCIA: 16,58 m NÚMERO DE UNIDADES: 3 - VAZÃO NOMINAL UNITÁRIA: 785,26 m³/s POTÊNCIA UNITÁRIA NOMINAL: 119,29 MW RENDIMENTO MÁXIMO: 93,9 % NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 37/46

38 ROTAÇÃO SÍNCRONA: 69,23 r.p.m. PESO TOTAL POR UNIDADE: kn 6. GERADORES POTÊNCIA UNITÁRIA NOMINAL: 129,7 MVA RENDIMENTO MÁXIMO: 97,8 % TENSÃO NOMINAL: 13,8 kv PESO DO ROTOR: kn FATOR DE POTÊNCIA: 0,90-7. INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO DE INTERESSE RESTRITO À CENTRAL GERADORA SUBESTAÇÃO ELEVATÓRIA - DADOS DO TRANSFORMADOR SUBESTAÇÃO DE INTERLIGAÇÃO NÚMERO DE UNIDADES: 3 - A CONSTRUIR? (sim ou não): Não POTÊNCIA UNITÁRIA NOMINAL: 130 MVA NOME: Cascavel Oeste TENSÃO ENR. PRIM.: 230 kv CONCESSIONÁRIA: - TENSÃO ENR. SEC.: 13,8 kv NÚMERO DE UNIDADES: - LINHA DE TRANSMISSÃO POTÊNCIA UNITÁRIA NOMINAL: - kva EXTENSÃO: 60 km TENSÃO ENR. PRIM.: - kv TENSÃO: 230 kv TENSÃO ENR. SEC.: - kv CIRCUITO (Simples ou Duplo): Simples 8. ESTUDOS ENERGÉTICOS QUEDA BRUTA: 17,40 m RENDIMENTO DO CONJ. TURBINA/GERADOR: 90 % PERDA HIDRÁULICA: 2 % VAZÃO REMANESCENTE: - m³/s FATOR DE INDISP. FORÇADA: 2,533 % ENERGIA GERADA: 189,48 MW médios FATOR DE INDISP. PROGRAMADA: 8,091 % ENERGIA FIRME: 167,89 MW médios 9. CUSTOS OBRAS CIVIS: 396,6 X 10 6 R$ EQUIPAMENTOS ELETROMECÂNICOS: SISTEMA DE TRANSMISSÃO ASSOCIADO: 84,1 X 10 6 R$ 460,2 X 10 6 R$ JUROS ANUAIS: 12 % MEIO AMBIENTE: 110,6 X 10 6 R$ PERÍODO DE UTILIZAÇÃO DA USINA: 30 anos OUTROS CUSTOS: - X 10 6 R$ C.O.M. ANUAL: 4,41 X 10 6 R$ CUSTO DIRETO TOTAL: 895,5 X 10 6 R$ CUSTO DA ENERGIA GERADA: 107,54 R$/MWh CUSTOS INDIRETOS: 91,6 X 10 6 R$ CUSTO TOTAL S/ JDC: 1059,0 X 10 6 R$ DATA DE REFERÊNCIA: CUSTO TOTAL C/ JDC: 1336,7 X 10 6 R$ TAXA DE CÂMBIO: 3,05 R$/US$ 10. IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS POPULAÇÃO ATINGIDA (N HABITANTES): FAMÍLIAS ATINGIDAS: URBANA: - URBANA: - RURAL: RURAL: 359 TOTAL: TOTAL: 359 QUANTIDADE DE NÚCLEOS URBANOS ATINGIDOS: INTERFERÊNCIA EM ÁREAS LEGALMENTE PROTEGIDAS? (sim ou não) Não INTERFERÊNCIA EM ÁREAS INDÍGENAS? (sim ou não) não TRIBO (S): - RELOCAÇÃO DE ESTRADAS? (sim ou não) não EXTENSÃO: - km RELOCAÇÃO DE PONTES? (sim ou não) sim EXTENSÃO: 0,1 km EMPREGOS GERADOS DURANTE A CONSTRUÇÃO: DIRETOS: INDIRETOS: CRONOGRAMA - PRINCIPAIS FASES INÍCIO DAS OBRAS ATÉ O DESVIO: 15 meses TOTAL: 44 meses DESVIO ATÉ O FECHAMENTO/ GERAÇÃO (1ª UNID.): 23 meses MONTAGEM ELETROMECÂNICA (1 UNID.): 32 meses OPERAÇÃO PRIMEIRA UNIDADE: 38 meses 12. ASPECTOS CRÍTICOS DO EMPREENDIMENTO PARQUES NACIONAIS? (sim ou não) sim Parque Nacional do Iguaçu a Jusante do Barramento ÁREAS DE PROTEÇÃO AMBIENTAL - APA? (sim ou não) não RESERVAS ECOLÓGICAS? (sim ou não) não RESERVAS MINERAIS? (sim ou não) sim 5 direitos minerários SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS? (sim ou não) sim CAVERNAS? (sim ou não) não CANOAGEM NO LEITO DO RIO? (sim ou não) não OUTROS? (sim ou não) não 13. DESCRIÇÃO SOBRE OS OUTROS USOS DA ÁGUA NAVEGAÇÃO (sim ou não) não NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 38/46

39 ABASTECIMENTO PÚBLICO (sim ou não) sim Marmelândia TURISMO LOCAL (sim ou não) não LAZER (sim ou não) sim Ilha Malvária OUTROS (sim ou não) não 14. OBSERVAÇÕES DADOS DE ARRANJO 15. DESVIO TIPO: Ensecadeira (2 fases) ESCAVAÇÃO COMUM: m³ VAZÃO DE DESVIO: (TR = 25 ANOS) m³/s ESCAVAÇÃO EM ROCHA A CÉU ABERTO: m³ NÚMERO DE UNIDADES: 1 - ESCAVAÇÃO EM ROCHA SUBTERRÂNEA: 0 m³ SEÇÃO: CANAL 976 m 2 CONCRETO (CONVENCIONAL): 0 m³ COMPRIMENTO: m ENSECADEIRA: m³ 16. BARRAGEM TIPO DE ESTRUTURA / MATERIAL: Enrocamento FILTROS E TRANSIÇÕES: m³ COMPRIMENTO TOTAL DA CRISTA: 600 m NÚCLEO DE ARGILA: m³ ENROCAMENTO: m³ CONCRETO COMPACTADO A ROLO - CCR: m³ ATERRO COMPACTADO: m³ VOLUME TOTAL: m³ 17. DIQUES TIPO DE ESTRUTURA / MATERIAL: - ATERRO COMPACTADO: - m³ COMPRIMENTO TOTAL DA(S) CRISTA(S): - m FILTROS E TRANSIÇÕES: - m³ ALTURA MÁXIMA: - m CONCRETO CONVENCIONAL: - m³ COTA DA CRISTA: - m CONCRETO COMPACTADO A ROLO - CCR: - m³ ENROCAMENTO: - m³ VOLUME TOTAL: - m³ 18. VERTEDOURO TIPO: CONCRETO (CONVENCIONAL): m³ VAZÃO DE PROJETO: VMP m³/s COMPORTAS: COTA DA SOLEIRA: 241,60 m TIPO: Segmento COMPRIMENTO TOTAL: 480 m ACIONAMENTO: Hidráulico NÚMERO DE VÃOS: 20 - LARGURA: 20,0 m LARGURA DO VÃO: 20 m ALTURA: 17,6 m ESCAVAÇÃO COMUM: - m³ ESCAVAÇÃO EM ROCHA A CÉU ABERTO: m³ ESCAVAÇÃO EM ROCHA A SUBTERRÂNEA: - m³ 19. SISTEMA ADUTOR CANAL DE ADUÇÃO: TOMADA D ÁGUA: COMPRIMENTO: 640 m TIPO: Gravidade LARGURA / SEÇÃO: 100/1010 m / m 2 COMPRIMENTO TOTAL: - m ESCAVAÇÃO COMUM: m³ NÚMERO DE VÃOS: 3 - ESCAVAÇÃO EM ROCHA A CÉU ABERTO: m³ ESCAVAÇÃO COMUM: - m³ ESCAVAÇÃO EM ROCHA SUBTERRÂNEA: - m³ ESCAVAÇÃO EM ROCHA A CÉU ABERTO: - m³ CONCRETO: - m³ ESCAVAÇÃO EM ROCHA A SUBTERRÂNEA: - m³ CONDUTO FORÇADO: CONCRETO: m³ NÚMERO DE UNIDADES: - - COMPORTAS: DIÂMETRO INTERNO: - m TIPO: Vagão COMPRIMENTO MÉDIO: - m ACIONAMENTO: Óleo Hidráulico LARGURA: 8,0 m ALTURA: 15,22 m 20. CASA DE FORÇA TIPO: Abrigada ESCAVAÇÃO COMUM: m³ NÚMERO DE UNIDADES: 3 - ESCAVAÇÃO EM ROCHA A CÉU ABERTO: m³ LARGURA DOS BLOCOS: 35 m ESCAVAÇÃO EM ROCHA A SUBTERRÂNEA: - m³ ALTURA DOS BLOCOS: 70 m CONCRETO: m³ COMPRIMENTO DOS BLOCOS: 77,62 m NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 39/46

40 21. OBRAS ESPECIAIS TIPO: - ESCAVAÇÃO EM ROCHA A SUBTERRÂNEA: - m³ ESCAVAÇÃO COMUM: - m³ CONCRETO CONVENCIONAL: - m³ ESCAVAÇÃO EM ROCHA A CÉU ABERTO: - m³ CONCRETO COMPACTADO A ROLO - CCR: - m³ 22. VOLUMES TOTAIS ESCAVAÇÃO COMUM: m³ ATERRO COMPACTADO: m³ ESCAVAÇÃO EM ROCHA A CÉU ABERTO: m³ CONCRETO S/ CIMENTO: m³ ESCAVAÇÃO EM ROCHA A SUBTERRÂNEA: - m³ CONCRETO COMPACTADO A ROLO - CCR: - m³ ENROCAMENTO: m³ NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 40/46

41 ANEXO 02 IMAGENS DE SATÉLITE DE CAMPO DOS LOCAIS DAS ESTAÇÕES NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 41/46

42 Localização Mapa Localização da estação UHE Baixo Iguaçu Localização Mapa Localização da estação UHE Baixo Iguaçu Jusante NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 42/46

43 Localização Mapa Localização da estação UHE Baixo Iguaçu Montante I Rio Capanema Localização Mapa Localização da estação UHE Baixo Iguaçu Montante II Rio Andrada NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 43/46

44 Localização Mapa Localização da estação de Monitoramento da Qualidade da Água - UHE Baixo Iguaçu M.Q.A. NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 44/46

45 ANEXO 03 MAPA TOPOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 45/46

46 NÚMERO DO DOCUMENTO: PROJ-RC-REV0 ASSINATURA: PÁGINA: 46/46

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETAPA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10

USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETAPA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10 USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10 CONTATO: TEL.: 1. LOCALIZAÇÃO RIO: XINGU SUB-BACIA: RIO XINGU RIO XINGU

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO BREVE HISTÓRICO Estudo de Inventário do rio Xingu: realizados na década de 1970 com relatório técnico emitido no final de 1979 Estudos

Leia mais

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A.

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Rogério Sales GÓZ Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Brasil RESUMO

Leia mais

PEQUENA CENTRAL HIDRELÉTRICA BOA VISTA PROJETO BÁSICO

PEQUENA CENTRAL HIDRELÉTRICA BOA VISTA PROJETO BÁSICO PEQUENA CENTRAL HIDRELÉTRICA BOA VISTA PROJETO BÁSICO PROCESSO N 48500.000923/2016-22 CEG PCH.PH.MG. 035139-3.01 VOLUME I TEXTOS CAPÍTULO 11 FICHA TÉCNICA DEZEMBRO, 2016 ÍNDICE 11 - FICHA TÉCNICA... 1

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 2,5 Campinas. SP. Brasil. 13088-900 cpfl@cpfl.com.br www.cpfl.com.br CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

Sociedade da Água Consultoria Ambiental Ltda. UHE Baixo Iguaçu Estudo de Impacto Ambiental - EIA. Capitulo III Caracterização do empreendimento

Sociedade da Água Consultoria Ambiental Ltda. UHE Baixo Iguaçu Estudo de Impacto Ambiental - EIA. Capitulo III Caracterização do empreendimento Sociedade da Água Consultoria Ambiental Ltda. UHE Baixo Iguaçu Estudo de Impacto Ambiental - EIA Capitulo III Caracterização do empreendimento Curitiba, abril de 2008 III 2 Sumário p. 1 - Localização e

Leia mais

Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9%

Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9% Gerência Técnica Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9% Grupo Construtor Obras Civis e Montagem Eletromecânica Engenharia Contratada: Fornecimentos Eletromecânicos Fornecimentos Eletromecânicos Principais

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens

Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens Mesa redonda: Mudanças Climáticas (ClimateChanges) XXVIII Seminário Nacional de Grandes Barragens Rio de Janeiro.

Leia mais

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes MARÇO/2011 EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM DESVIO DE GRANDES RIOS ERTON CARVALHO COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS - CBDB PRESIDENTE * Desvio - Critérios de Projeto * Etapas de Desvio * Tipos de Desvios: Exemplos

Leia mais

AHE SALTO PILÃO. Estações Hidrológicas Implantadas em Atendimento à Resolução 396/98. Revisão 0

AHE SALTO PILÃO. Estações Hidrológicas Implantadas em Atendimento à Resolução 396/98. Revisão 0 AHE SALTO PILÃO Estações Hidrológicas Implantadas em Atendimento à Resolução 396/98 Revisão 0 Serviços contratados junto a FUNDAGRO Fundação de Apoio ao Desenvolvimento Rural Sustentável do Estado de Santa

Leia mais

MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação do requerente Pessoa física. Caixa Postal Município UF CEP DDD Fone Fax E-mail

MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação do requerente Pessoa física. Caixa Postal Município UF CEP DDD Fone Fax E-mail 1 Definição: Retirada de minerais (como areia, argila e etc.) do fundo dos rios com a utilização de dragas, para fins industriais ou de comercialização. Nome CPF Endereço MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação

Leia mais

UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA

UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA CÓDIGO DO DOCUMENTO BEL-B-GR-DE-GER-000-0001 GERAL - LOCALIZAÇÃO E ACESSOS UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA GERAL TÍTULO BEL-B-GR-DE-GER-000-0002 BEL-B-GR-DE-GER-000-0003 BEL-B-GR-DE-GER-000-0004

Leia mais

HIDROGRAFIA DO PARANÁ

HIDROGRAFIA DO PARANÁ HIDROGRAFIA DO PARANÁ CONCEITOS Rios: cursos de águas naturais, mais ou menos caudalosos que deságuam em outro rio, no oceano ou num lago. Denominações para os rios: regatos, córregos, ribeirões e rios.

Leia mais

PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO

PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO CUIABÁ MT OUTUBRO DE 2003 1 PCH BARUITO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO Empreendedor : Global Energia Elétrica S/A Empreendimento:

Leia mais

FICHA DESCRITIVA DE ESTAÇÃO FLUVIOMÉTRICA

FICHA DESCRITIVA DE ESTAÇÃO FLUVIOMÉTRICA FICHA DESCRITIVA DE ESTAÇÃO FLUVIOMÉTRICA Prefeitura Porto Acre Fluviométrica 13610000 Curso d água Bacia Hidrográfica Área de Drenagem REFERÊNCIA CARTOGRÁFICA Carta Folha Escala Ano Latitude Longitude

Leia mais

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros Carlos Alexandre Cernach Silveira 2 Gabrielle Rodrigues de Macedo 2 Ludimila Lima da Silva 1 Mauro Silvio Rodrigues 2

Leia mais

ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 008/2014

ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 008/2014 ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 008/2014 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS AMBIENTAIS PARA O PROCESSO DE LICENÇA DE INSTALAÇÃO DO ALTEAMENTO DO VERTEDOURO DA BARRAGEM DO CIPÓ 1)

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras O Brasil possui o maior volume de água potável em estado liquido do globo. Isso se deve as suas extensas e caudalosas bacias hidrográficas. Por sua vez essas bacias devem

Leia mais

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro Superintendência de Regulação dos Serviços de Geração - SRG Workshop: Repotenciação de Usinas Hidrelétricas Brasília-DF 14 de julho de 2011 Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP

Leia mais

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI v.6, n. 01, jan. 2011 Bol. Mon. Bacia do Alto Paraguai, Brasília, v. 6, n. 01, p. 1-21, jan. 2011 República Federativa do Brasil Dilma Vana Rousseff Presidenta

Leia mais

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. marcelle@furnas.com.br

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. marcelle@furnas.com.br FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. USINAS HIDRELÉTRICAS marcelle@furnas.com.br GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EMPREENDIMENTOS DO SETOR ELÉTRICO HIDROELETRICOS CGH PCH UHE Potência Instalada < = 1,0 MW 1,0 MW

Leia mais

EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº

EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 006/2015 PROJETO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA ALTEAMENTO DO NIVEL NOMAL DO RESERVATÓRIO DO CIPÓ E AMPLIAÇÃO DAS USINAS BORTOLAN E VÉU DAS NOIVAS 1 - INTRODUÇÃO Esta

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA (UHE) SINOP EXECUTORA: CONSTRUTORA TRIUNFO SETEMBRO/2015

USINA HIDRELÉTRICA (UHE) SINOP EXECUTORA: CONSTRUTORA TRIUNFO SETEMBRO/2015 USINA HIDRELÉTRICA (UHE) SINOP EXECUTORA: CONSTRUTORA TRIUNFO SETEMBRO/2015 O EMPREENDIMENTO LOCALIZAÇÃO POTÊNCIA MUNICÍPIOS RIO BACIA HIDROGRÁFICA TURBINAS POTÊNCIA INSTALADA Itaúba/MT (Margem Esquerda

Leia mais

Processo: 02122/2008 Protocolo: 522284/2008

Processo: 02122/2008 Protocolo: 522284/2008 Folha: 1/15 Processo: 02122/2008 Protocolo: 522284/2008 Dados do Requerente/ Empreendedor Nome: SPE BARRA DA PACIÊNCIA ENERGIA S.A. CNPJ: 09.079.142/0001-60 Endereço: AV. BRIGADEIRO FARIA LIMA, N O 1309

Leia mais

Gerencia de Planejamento do Sistema GPS FORMULÁRIO DE CONSULTA DE ACESSO

Gerencia de Planejamento do Sistema GPS FORMULÁRIO DE CONSULTA DE ACESSO A consulta de acesso deve ser formulada pelo acessante à acessada com o objetivo de obter informações técnicas que subsidiem os estudos pertinentes ao acesso, sendo facultada ao acessante a indicação de

Leia mais

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 ESTABELECE OS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS PARA EMISSÃO DA DECLARAÇÃO DE RESERVA DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA E DE OUTORGA PARA USO DE POTENCIAL

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc.

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. Bacia do Rio São Francisco Reservatório de Furnas Bacia do São Francisco TRÊS MARIAS ITAPARICA SOBRADINHO MOXOTÓ PAULO

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO EM ATENDIMENTO AO CONVÊNIO CASAN BACIA DA LAGOA DO PERI

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO EM ATENDIMENTO AO CONVÊNIO CASAN BACIA DA LAGOA DO PERI RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES MONITORAMENTO HIDROLÓGICO EM ATENDIMENTO AO CONVÊNIO CASAN BACIA DA LAGOA DO PERI ABRIL/2006 CONVÊNIO 09.02.06.00.100.925/2000 CASAN Companhia Catarinense de Águas e Saneamento

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS - ANA RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 03, DE 10 DE AGOSTO DE 2010

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS - ANA RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 03, DE 10 DE AGOSTO DE 2010 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS - ANA RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 03, DE 10 DE AGOSTO DE 2010 Estabelecer as condições e os procedimentos a serem observados pelos concessionários

Leia mais

USINAS E APROVEITAMENTOS HIDROELÉTRICOS

USINAS E APROVEITAMENTOS HIDROELÉTRICOS usina / 1 USINAS E APROVEITAMENTOS HIDROELÉTRICOS Desde início da década de 60, a THEMAG assume a liderança entre as empresas de engenharia brasileiras com capacidade de desenvolver projetos e estudos

Leia mais

Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova. (Venda Nova II) Relatório de Visita de Estudo.

Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova. (Venda Nova II) Relatório de Visita de Estudo. ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova (Venda Nova II) Relatório

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPL VII 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES P.11 Programa de Monitoramento Hidrossedimentológico Relatório Semestral EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELO DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA INTEGRANTES

Leia mais

*MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail. *2. Requerente Pessoa jurídica

*MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail. *2. Requerente Pessoa jurídica 15 - CANALIZAÇÃO E/OU RETIFICAÇÂO DE CURSO D ÁGUA 1 Definição: É toda obra ou serviço que tenha por objetivo dar forma geométrica definida para a seção transversal do curso d'água, ou trecho deste, com

Leia mais

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1 Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP Conceitos Gerais As barragens convencionais são estruturas construídas transversalmente aos

Leia mais

Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética. Novembro/2010

Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética. Novembro/2010 Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética Novembro/2010 Portfólio balanceado de ativos, com localização estratégica Capacidade instalada de 6.469,1 MW em 21 usinas operadas pela Companhia:

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Objetivo: DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Representar o processo, possibilitando identificar todos os equipamentos (bombas, válvulas,...), instrumentos (medidores de vazão, nível, pressão, analisadores,...),

Leia mais

Rio Catucá (Barragem de Botafogo), Cumbe, Pilão, Tabatinga, Conga, Arataca/Jardim e ainda os Rios Pitanga e Utinga.

Rio Catucá (Barragem de Botafogo), Cumbe, Pilão, Tabatinga, Conga, Arataca/Jardim e ainda os Rios Pitanga e Utinga. SISTEMA BOTAFOGO INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1986 (1ª etapa) UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 17% do volume distribuído na Região Metropolitana do Recife, abrangendo Igarassu (parcialmente),

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL São Paulo, 03 de junho de 2008 Sistema Elétrico Brasileiro e o Sistema ELETROBRÁS Linhas de Transmissão SIN Capacidade

Leia mais

CEEE Companhia Estadual de Energia Elétrica. Programa de Investimentos

CEEE Companhia Estadual de Energia Elétrica. Programa de Investimentos CEEE Companhia Estadual de Energia Elétrica Programa de Investimentos Geração de Energia Elétrica no RGS * 79 usinas em operação * Potência instalada de 6 GW * Representando 6,52 % da capacidade total

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC FLORIANÓPOLIS SETEMBRO 2011 1 1. INTRODUÇÃO O Sistema de monitoramento hidrometeorológico é um dos principais instrumentos

Leia mais

PCH SANTA LAURA CONTROLE DO PLANEJAMENTO. Giorgia Zomer Fenili GASPARETTO Engenheira Civil ENGEVIX ENGENHARIA S.A.

PCH SANTA LAURA CONTROLE DO PLANEJAMENTO. Giorgia Zomer Fenili GASPARETTO Engenheira Civil ENGEVIX ENGENHARIA S.A. COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS VI SIMPÓSIO BRASILEIRO SOBRE PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS BELO HORIZONTE MG, 21 A 25 DE ABRIL DE 2008 T23 A01 PCH SANTA LAURA CONTROLE DO PLANEJAMENTO Giorgia

Leia mais

NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda.

NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda. MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2012 2ª FASE NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas

Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas Folha 1 de 14 APRESENTAÇÃO Este Anexo é dividido em duas partes: A Seção I introduz a descrição da Infra-estrutura de Irrigação de Uso Comum do Projeto Pontal,

Leia mais

Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira

Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira São José dos Campos, 15 de abril de 2015 Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira SUMÁRIO A precipitação média espacial, acumulada no mês, até 15 de abril de 2015, baseada

Leia mais

PROJETOS BÁSICOS DE PCH s. EVERSON BATISTA thever@gmail.com

PROJETOS BÁSICOS DE PCH s. EVERSON BATISTA thever@gmail.com PROJETOS BÁSICOS DE PCH s EVERSON BATISTA thever@gmail.com DEFINIÇÃO DE PCH Pequena Central Hidrelétrica(PCH) É toda Usina Hidrelétrica de pequena porte cuja a capacidade instalada seja superior a 1 MW

Leia mais

HIDROGRAFIA DO BRASIL

HIDROGRAFIA DO BRASIL Hidrografia características gerais HIDROGRAFIA DO BRASIL Bacias hidrográficas Reflete as condições de umidade do clima do país Rica em rios,, mas pobre em lagos Predominância de rios de planalto,, favoráveis

Leia mais

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios 1 O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios ESTRUTURA SETORIAL CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 3 PRINCIPAIS

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

VOTO. INTERESSADA: Centrais Elétricas Taboca Ltda. Centrais Elétricas Taboca

VOTO. INTERESSADA: Centrais Elétricas Taboca Ltda. Centrais Elétricas Taboca PROCESSO: 48500.000316/2012-39 VOTO INTERESSADA: Centrais Elétricas Taboca Ltda. Centrais Elétricas Taboca RELATOR: Diretor Julião Silveira Coelho RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações

Leia mais

Campanha de medições de vazão (com uso do ADCP) no rio Paraná em Foz de Iguaçu - PR

Campanha de medições de vazão (com uso do ADCP) no rio Paraná em Foz de Iguaçu - PR DNAEE - CGRH / CNPq ORSTOM HiBAm : Hidrologia da Bacia Amazônica Campanha de medições de vazão (com uso do ADCP) no rio Paraná em Foz de Iguaçu - PR Abril de 1995 Foto Rio Paraná em Foz de Iguaçu (Estação

Leia mais

U H E S Ã O S A LVA D O R

U H E S Ã O S A LVA D O R SÃO SALVADOR Estudo de impacto ambiental U H E S Ã O S A LVA D O R Anexos Volume IV Anexo A A-1 Anexo A. Capítulo I Caracterização do empreendimento Anexo A A-2 A1. Fases de Desvio do rio Tocantins para

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Leia mais

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982.

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. SISTEMA TAPACURÁ INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 36% do volume distribuído na Região Metropolitana

Leia mais

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE Previsão de Níveis do Pantanal MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA MME COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM 1. Descrição da Atividade

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação

Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação Roberto Werneck Seara; Benedito de Souza Neto; Fabiano Rossini COPEL

Leia mais

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE Previsão de Níveis do Pantanal MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA MME COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM 1. Descrição da Atividade

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

Município: VARGEM COORD. UTM (km) Prazo USO RECURSO HÍDRICO N E MC (anos) Barramento Rio Jaguari 7.465,00 354,00 45º 10

Município: VARGEM COORD. UTM (km) Prazo USO RECURSO HÍDRICO N E MC (anos) Barramento Rio Jaguari 7.465,00 354,00 45º 10 PORTARIA DAEE N o 1213, DE 06 DE AGOSTO DE 2004 O SUPERINTENDENTE DO, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no artigo 11, incisos I e XVI do Decreto Estadual n o 52.636 de 03/02/71, e à vista

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS Fórum de Debates da agpch LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS RAFAEL VOLQUIND Diretor Técnico 01 de Outubro de 2015 Porto Alegre RS Brasil IMPACTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

Leia mais

Hidrovia Tapajós s / Teles Pires

Hidrovia Tapajós s / Teles Pires MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Hidrovia Tapajós s / Teles Pires Apresentação: Edison de Oliveira Vianna Jr E-mail: edison.vianna@transportes.gov.br Colaboração: Rodrigo Cardoso Paranhos E-mail: rodrigo.paranhos@transportes.gov.br

Leia mais

INSPEÇÃO FORMAL DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA DAS BARRAGENS, ESTRUTURAS CIVIS ANEXAS, TALUDES E TUNELZINHO.

INSPEÇÃO FORMAL DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA DAS BARRAGENS, ESTRUTURAS CIVIS ANEXAS, TALUDES E TUNELZINHO. INSPEÇÃO FORMAL DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA DAS BARRAGENS, ESTRUTURAS CIVIS ANEXAS, TALUDES E TUNELZINHO. UHE SÁ CARVALHO CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS AG/SB 1. OBJETO

Leia mais

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Vulnerabilidades do Nordeste Brasileiro Principais causas: - Instabilidade Climática: Distribuição irregular das chuvas, com

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2012 Boletim n o 18 18/05/2012 Boletim de acompanhamento - 2012 1. Figura 1: Mapa de estações estratégicas 2. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com as tabelas I

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

INSPEÇÃO FORMAL DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA DA BARRAGEM, ESTRUTURAS CIVIS ANEXAS E TALUDES

INSPEÇÃO FORMAL DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA DA BARRAGEM, ESTRUTURAS CIVIS ANEXAS E TALUDES INSPEÇÃO FORMAL DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA DA BARRAGEM, ESTRUTURAS CIVIS ANEXAS E TALUDES UHE ROSAL CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS AG/SB 1. OBJETO Realização de inspeção

Leia mais

ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI

ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI MONITORAMENTO AMBIENTAL 1 - Locais a serem monitorados. 1.1- Quatorze seções transversais de córregos e rios para analise de parâmetros

Leia mais

BRASIL-PERU Modelación cuantitativa de los recursos hídricos

BRASIL-PERU Modelación cuantitativa de los recursos hídricos AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS BRASIL-PERU Modelación cuantitativa de los recursos hídricos Lima, 29 de novembro de 2012 1 Características do Sistema Interligado Nacional (SIN) 2 Estrutura Básica de Referência

Leia mais

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE WORKSHOP Integração de mercados de energia elétrica e formação de preços PAINEL IV Harmonização dos mercados TEMA Impacto da ampliação das fontes renováveis na integração dos mercados Amilcar Guerreiro

Leia mais

HIDRO 1.2 PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO E CADASTRAMENTO DE ESTAÇÕES SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE DADOS HIDROMETEOROLÓGICOS

HIDRO 1.2 PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO E CADASTRAMENTO DE ESTAÇÕES SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE DADOS HIDROMETEOROLÓGICOS HIDRO 1.2 SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE DADOS HIDROMETEOROLÓGICOS PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO E CADASTRAMENTO DE ESTAÇÕES ANA Agência Nacional de Águas SGH Superintendência de Gestão da Rede Hidrometeorológica

Leia mais

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira.

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. 1 Sumário Produção de Energia Elétrica no Brasil e o no Mundo Características de Usinas

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Deodato do Nascimento Aquino Técnico

Leia mais

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA A hidrosfera fonte para a vida A superfície do planeta Terra é constituída predominantemente de água. Os continentes e ilhas constituem cerca de 30% da superfície

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC FLORIANÓPOLIS OUTUBRO 2011 1 O presente documento é o resultado da viagem solicitada pelo chefe do Ciram Edson Silva

Leia mais

Processo: 9502/2008 Protocolo: 639621/2008. Modo de Uso do Recurso Hídrico 20 - APROVEITAMENTO DE POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Processo: 9502/2008 Protocolo: 639621/2008. Modo de Uso do Recurso Hídrico 20 - APROVEITAMENTO DE POTENCIAL HIDRELÉTRICO Processo: 9502/2008 Protocolo: 639621/2008 Dados do Requerente/ Empreendedor Nome: HIDRELÉTRICA CACHOEIRÃO S/A CPF/CNPJ: 08596628/0001-03 Endereço: RUA AURÉLIO GATTI, 22 Bairro: BAIRRO ESPLANADA Município:

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

PCHs: Aspectos Regulatórios e Comerciais. Marcos Cabral

PCHs: Aspectos Regulatórios e Comerciais. Marcos Cabral Universidade Federal de Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Planejamento de Sistemas Elétricos de Potência- TE157 PCHs: Aspectos Regulatórios e Comerciais Marcos Cabral Definição

Leia mais

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.1 Projeto de Monitoramento Batimétrico Revisão 00 NOV/2013 Coordenador da Equipe Carlos Eduardo Alencar Carvalho CRBio 37538/4-D

Leia mais

Anexo 3.1 5 Balanço de materiais dos sítios, referente ao primeiro semestre de 2013

Anexo 3.1 5 Balanço de materiais dos sítios, referente ao primeiro semestre de 2013 4 RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL Anexo 3.1 5 Balanço de materiais dos sítios, referente ao primeiro semestre

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO HIDRELÉTRICAS Definição Originada a partir da energia solar, responsável pela evaporação da água; A água que precipita é armazenada na forma de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO DE 21 DE JUNHO DE 2006. Vide Medida Provisória nº 542, de 2011 Vide Medida Provisória nº 558, de 2012 Cria o Parque Nacional

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

VISITA DA ORDEM DOS ENGENHEIROS REGIÃO NORTE

VISITA DA ORDEM DOS ENGENHEIROS REGIÃO NORTE Reforço de Potência de Bemposta VISITA DA ORDEM DOS ENGENHEIROS REGIÃO NORTE BEMPOSTA, 13 de Novembro de 2010 António Freitas da Costa Agenda 1. Objectivo 2. O Aproveitamento Hidroeléctrico do Douro Internacional

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE NATAL

AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE NATAL AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE NATAL RESOLUÇÃO Nº 002/2011, de 25 de maio de 2011. Dispõe sobre determinações a serem cumpridas pela CAERN, no âmbito do Município do

Leia mais

2.1. O Estudo de Inventário da UHE Colíder foi aprovado conforme a seguir discriminado:

2.1. O Estudo de Inventário da UHE Colíder foi aprovado conforme a seguir discriminado: ANEXO VIII AO EDITAL DE LEILÃO Nº. 03/2010-ANEEL ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE FERREIRA GOMES A exploração da UHE Ferreira Gomes, pela Concessionária,

Leia mais

ANEXO C ESTUDO DE VIABILIDADE

ANEXO C ESTUDO DE VIABILIDADE ANEXO C ESTUDO DE VIABILIDADE ANEXOS ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL AHE PAI QUERÊ USINA HIDRELÉTRICA PAI QUERÊ ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E AMBIENTAL VOLUME I/II RELATÓRIO FINAL ENGEVIX ENGENHARIA

Leia mais

Localização e fotos de satélite das usinas hidrelétricas existentes na bacia do rio Ribeira do Iguape, SP e PR [#]

Localização e fotos de satélite das usinas hidrelétricas existentes na bacia do rio Ribeira do Iguape, SP e PR [#] Localização e fotos de satélite das usinas hidrelétricas existentes na bacia do rio Ribeira do Iguape, SP e PR [#] No rio Juquiá, em SP : 1. Barra CBA 40,4 MW Tapiraí 2. Serraria CBA 24 MW Juquiá 3. Alecrim

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 001, de 30/07/2007

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 001, de 30/07/2007 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 001, de 30/07/2007 Atualizada em 01/04/2013 Objeto: Esta Instrução tem por objeto complementar o item 6 da Norma da Portaria DAEE nº 717/96. Trata dos requerimentos, documentação

Leia mais

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem Bertold Brecht Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 3 Usinas Hidrelétricas

Leia mais

ppt_monumentos_catarat_7quedas_pafonso_vggrande COMPARANDO QUATRO DOS MAIORES MONUMENTOS FLUVIAIS NOS RIOS IGUAÇU, PARANÁ, SÃO FRANCISCO E XINGU

ppt_monumentos_catarat_7quedas_pafonso_vggrande COMPARANDO QUATRO DOS MAIORES MONUMENTOS FLUVIAIS NOS RIOS IGUAÇU, PARANÁ, SÃO FRANCISCO E XINGU ppt_monumentos_catarat_7quedas_pafonso_vggrande COMPARANDO QUATRO DOS MAIORES MONUMENTOS FLUVIAIS NOS RIOS IGUAÇU, PARANÁ, SÃO FRANCISCO E XINGU 1. O médio rio Iguaçu abre as numerosas cataratas ao cair

Leia mais