UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA"

Transcrição

1 CÓDIGO DO DOCUMENTO BEL-B-GR-DE-GER GERAL - LOCALIZAÇÃO E ACESSOS UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA GERAL TÍTULO BEL-B-GR-DE-GER BEL-B-GR-DE-GER BEL-B-GR-DE-GER BEL-B-GR-DE-GER BEL-B-GR-DE-GER BEL-B-GR-DE-GER BEL-B-GR-DE-GER BEL-B-BM-DE-GER BEL-B-PM-DE-GER BEL-B-DQ-DE-GER BEL-B-DQ-DE-GER BEL-B-CA-DE-GER BEL-B-CA-DE-GER BEL-B-CA-DE-GER BEL-B-CA-DE-GER BEL-B-CA-DE-GER BEL-B-CA-DE-GER BEL-B-PM-DE-GER BEL-B-GR-DE-GER BEL-B-GR-DE-GER BEL-B-GR-DE-GER BEL-B-GR-DE-GER GERAL - SITUAÇÃO GEOGRÁFICA DA BACIA HIDROGRÁFICA GERAL - PLANTA GERAL DO RESERVATÓRIO GERAL - ARRANJO GERAL DO EMPREENDIMENTO - PLANTA GERAL - ACESSOS LOCAIS - PLANTA GERAL - LOCALIZAÇÃO DOS CANTEIROS DE OBRAS CARTOGRAFIA E TOPOGRAFIA GERAL - APOIO CARTOGRÁFICO BÁSICO GERAL - BASE CARTOGRÁFICA - PLANTA SÍTIO BELO MONTE - BASE CARTOGRÁFICA - PLANTA SÍTIO PIMENTAL - BASE CARTOGRÁFICA - PLANTA DIQUES - BASE CARTOGRÁFICA - PLANTA DIQUES - BASE CARTOGRÁFICA - PLANTA CANAL DE TRANSPOSIÇÃO PAQUIÇAMBA-TICARUCA - BASE CARTOGRÁFICA - PLANTA CANAL DE TRANSPOSIÇÃO COBAL-SANTO ANTÔNIO - BASE CARTOGRÁFICA - PLANTA CANAL DE DERIVAÇÃO - BASE CARTOGRÁFICA - PLANTA CANAL DE DERIVAÇÃO - LOCALIZAÇÃO DAS SEÇÕES TOPOGRÁFICAS, BATIMÉTRICAS E GEOFÍSICAS - PLANTA CANAL DE DERIVAÇÃO - PERFIS DAS SEÇÕES TOPOBATIMÉTRICAS CANAL DE DERIVAÇÃO - PERFIS DAS SEÇÕES TOPOBATIMÉTRICAS CANAL DE DERIVAÇÃO - PERFIS DAS SEÇÕES GEOFÍSICAS GERAL LEGENDA GEOLÓGICO - GEOTÉCNICA GERAL - MAPA GEOLÓGICO REGIONAL GERAL - MAPA GEOMORFOLÓGICO GERAL - MAPA METALOGENÉTICO GEOLOGIA E GEOTECNIA GERAL BEL-B-GR-DE-GER BEL-B-PM-DE-GER GERAL - MAPA SISMOTECTÔNICO SÍTIO PIMENTAL - MAPA GEOLÓGICO LOCAL SITIO PIMENTAL BEL-B-PM-DE-GER BEL-B-PM-DE-GER BEL-B-PM-DE-GER BEL-B-PM-DE-GER BEL-B-PM-DE-GER SITIO PIMENTAL SEÇÃO LONGITUDINAL E SEÇÕES TRANSVERSAIS SITIO PIMENTAL - SEÇÃO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICA PELAS ESTRUTURAS DE CONCRETO SÍTIO PIMENTAL MATERIAIS NATURAIS DE CONSTRUÇÃO LOCALIZAÇÃO E ESTIMATIVA DE VOLUMES ESTRUTURAS DE CONCRETO TRATAMENTO PROFUNDO DAS FUNDAÇÕES SÍTIO PIMENTAL DIQUES PIM-1 A PIM-6 INVESTIGAÇÕES EXECUTADAS

2 BEL-B-BM-DE-GER SÍTIO BELO MONTE - MAPA GEOLÓGICO LOCAL SÍTIO BELO MONTE BEL-B-BM-DE-GER BEL-B-BM-DE-GER BEL-B-BM-DE-GER BEL-B-BM-DE-GER BEL-B-BM-DE-GER BEL-B-BM-DE-GER BEL-B-CA-DE-GER BEL-B-CA-DE-GER BEL-B-CA-DE-GER BEL-B-DQ-DE-GER BEL-B-DQ-DE-GER GEOLOGIA / GEOTECNIA SÍTIO BELO MONTE ESTRUTURAS DE CONCRETO SEÇÕES GEOLÓGICO GEOTÉCNICAS DE MONTANTE E JUSANTE SÍTIO BELO MONTE ESTRUTURAS DE CONCRETO TRATAMENTOS PROFUNDOS-INJEÇÃO E DRENAGEM GEOLOGIA/GEOTECNIA - TRATAMENTO GEOMECÂNICOS EM TALUDES ROCHOSOS - DETALHES TÍPICOS SÍTIO BELO MONTE ÁREAS DE EMPRÉSTIMO PLANTA DE LOCALIZAÇÃO SÍTIO BELO MONTE JAZIDAS DE AREIA I E II PLANTAS E SEÇÕES SÍTIO BELO MONTE JAZIDAS DE AREIA III PLANTAS E SEÇÕES CANAIS ADUÇÃO - CANAL DE DERIVAÇÃO - LOCALIZAÇÃO DAS INVESTIGAÇÕES GEOLÓGICO GEOTÉCNICAS - PLANTA CANAL DE ADUÇÃO CANAL DE DERIVAÇÃO MAPA GEOLÓGICO LOCAL ADUÇÃO - CANAIS DE TRANSPOSIÇÃO - CTPT-1, CTPT-2, CTPT-3 E CTCS - LOCALIZAÇÃO DAS INVESTIGAÇÕES GEOLÓGICO-GEOTÉCNICAS - PLANTA DIQUES DIQUES DO RESERVATÓRIO INTERMEDIÁRIO - MAPA GEOLÓGICO DIQUES DO RESERVATÓRIO INTERMEDIÁRIO FILTROS E TRANSIÇÕES FAIXAS GRANULOMÉTRICAS HIDRÁULICA E HIDROLOGIA BEL-B-GR-DE-GER BEL-B-GR-DE-GER BEL-B-GR-DE-GER HIDROLOGIA - ESTAÇÕES FLUVIOMÉTRICAS PLANTA LOCALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES FLUVIOMÉTRICAS PLANTA CURVAS CHAVE NO RIO XINGÚ - LOCAIS DE INTERESSE BEL-B-PM-DE-GER SITIO PIMENTAL - ARRANJO GERAL - PLANTA SÍTIO PIMENTAL DESENHOS CIVIS BEL-B-PM-DE-ODR SITIO PIMENTAL - SEQUENCIA CONSTRUTIVA PLANTAS 1/4 BEL-B-PM-DE-ODR SITIO PIMENTAL - SEQUENCIA CONSTRUTIVA PLANTAS 2/4 BEL-B-PM-DE-ODR SITIO PIMENTAL - SEQUENCIA CONSTRUTIVA PLANTAS 3/4 BEL-B-PM-DE-ODR SITIO PIMENTAL - SEQUENCIA CONSTRUTIVA PLANTAS 4/4 BEL-B-PM-DE-ODR BEL-B-PM-DE-ODR BEL-B-PM-DE-ODR BEL-B-PM-DE-BTE BEL-B-PM-DE-BTE BEL-B-PM-DE-BTE BEL-B-PM-DE-BTE BEL-B-PM-DE-MTA BEL-B-PM-DE-MTA BEL-B-PM-DE-VTD BEL-B-PM-DE-VTD BEL-B-PM-DE-CAF SITIO PIMENTAL - DESVIO DO RIO 1ª FASE - ENSECADEIRAS - PLANTAS SITIO PIMENTAL - DESVIO DO RIO 1ª FASE - ENSECADEIRAS - CORTES E DETALHE SITIO PIMENTAL - DESVIO DO RIO 2ª FASE - PLANTA E CORTE SITIO PIMENTAL - BARRAGEM DO CANAL DIREITO PLANTA E CORTE SITIO PIMENTAL - BARRAGEM DO CANAL DIREITO CORTES E DETALHE SITIO PIMENTAL - BARRAGEM LATERAL ESQUERDA - PLANTA, CORTE E DETALHE SITIO PIMENTAL - BARRAGEM LATERAL ESQUERDA - CORTES E DETALHE SITIO PIMENTAL - MURO DE CONCRETO ENTRE OS VERTEDOURO - PLANTA SITIO PIMENTAL - MURO DE CONCRETO ENTRE OS VERTEDOURO - CORTES SITIO PIMENTAL VERTEDOURO ARRANJO GERAL SITIO PIMENTAL VERTEDOURO PLANTA E CORTES SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA E ÁREA DE MONTAGEM - PLANTA A-A

3 BEL-B-PM-DE-CAF BEL-B-PM-DE-CAF BEL-B-PM-DE-CAF BEL-B-PM-DE-CAF SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA E ÁREA DE MONTAGEM - PLANTA B-B SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA E ÁREA DE MONTAGEM - PLANTA C-C SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA E ÁREA DE MONTAGEM - PLANTA D-D SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA E ÁREA DE MONTAGEM - CORTE 1-1 E PLANTA A'-A' BEL-B-PM-DE-CAF SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA E ÁREA DE MONTAGEM - CORTE 2-2 BEL-B-PM-DE-CAF SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA E ÁREA DE MONTAGEM - CORTE 3-3 BEL-B-PM-DE-CAF SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA E ÁREA DE MONTAGEM - PLANTA 4-4 BEL-B-PM-DE-CAF SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA E ÁREA DE MONTAGEM - CORTE 5-5 BEL-B-PM-DE-CAF SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA E ÁREA DE MONTAGEM - CORTE 6-6 BEL-B-PM-DE-EPE BEL-B-PM-DE-EPE BEL-B-PM-DE-EPE BEL-B-PM-DE-ACF BEL-B-GR-DE-GER BEL-B-GR-DE-GER BEL-B-PM-FL-GER BEL-B-PM-FL-CAF BEL-B-PM-FL-CAF BEL-B-PM-FL-CAF BEL-B-PM-FL-CAF BEL-B-PM-FL-CAF BEL-B-PM-FL-CAF BEL-B-PM-FL-CAF BEL-B-PM-FL-CAF BEL-B-PM-FL-CAF BEL-B-PM-FL-CAF BEL-B-PM-FL-CAF BEL-B-PM-FL-CAF BEL-B-PM-FL-CAF BEL-B-GR-DE-GER BEL-B-PM-DE-GER BEL-B-PM-DE-GER BEL-B-PM-DE-GER BEL-B-PM-DE-SUB BEL-B-PM-DE-SUB BEL-B-PM-DE-SUB BEL-B-PM-DE-SUB SISTEMA DE TRANSPOSIÇÃO DE PEIXES - PLANTA E PERFIL SISTEMA DE TRANSPOSIÇÃO DE PEIXES CORTES E DETALHES SITIO PIMENTAL - SISTEMA DE TRANSPOSIÇÃO DE PEIXES - CORTES E DETALHE SITIO PIMENTAL - SISTEMA DE TRANSPOSIÇÃO DE EMBARCAÇÕES - ESQUEMA GERAL DESENHOS ELETROMECÂNICOS GERAL - GERAL - PADRONIZAÇÃO MECÂNICA - SIMBOLOGIA PARA FLUXOGRAMA GERAL - GERAL - PADRONIZAÇÃO MECÂNICA - NOMENCLATURA E CODIFICAÇÃO PARA FLUXOGRAMA SITIO PIMENTAL - GERAL - SISTEMA DE MEDIÇÕES HIDRÁULICAS - FLUXOGRAMA SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE DRENAGEM - FLUXOGRAMA SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE ESGOTAMENTO E ENCHIMENTO - FLUXOGRAMA SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE ÁGUA DE RESFRIAMENTO - FLUXOGRAMA SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE ÁGUA ANTIINCÊNDIO - FLUXOGRAMA SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE ÁGUA TRATADA - FLUXOGRAMA SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE SEPARAÇÃO ÁGUA/ÓLEO ISOLANTE - FLUXOGRAMA SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE ÁGUA DE SERVIÇO - FLUXOGRAMA SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE ESGOTO SANITÁRIO - FLUXOGRAMA SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE AR COMPRIMIDO PARA SERVIÇOS GERAIS - FLUXOGRAMA SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE CONDICIONAMENTO DE AR - FLUXOGRAMA SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE VENTILAÇÃO - FLUXOGRAMA SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÓLEO LUBRIFICANTE - FLUXOGRAMA SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE COMBATE A INCÊNDIO MÓVEL - FLUXOGRAMA APROVEITAMENTO HIDROELÉTRICO BELO MONTE - DIAGRAMA UNIFILAR GERAL SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA - SUBESTAÇÃO - DIAGRAMA UNIFILAR SIMPLIFICADO SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA - VERTEDOURO - SERVIÇOS AUXILIARES CA - DIAGRAMA UNIFILAR SIMPLIFICADO SITIO PIMENTAL - CASA DE FORÇA - VERTEDOURO - SERVIÇOS AUXILIARES CC - DIAGRAMA UNIFILAR SIMPLIFICADO SITIO PIMENTAL - SUBESTAÇÃO KV - PLANTA DE LOCALIZAÇÃO SITIO PIMENTAL - SUBESTAÇÃO KV - ARRANJO - PLANTA SITIO PIMENTAL - SUBESTAÇÃO KV - ARRANJO SEÇÕES A-A, B-B, C-C SITIO PIMENTAL - SUBESTAÇÃO KV ARRANJO SEÇÕES D-D, E-E, F-F, G-G

4 BEL-B-PM-DE-SUB BEL-B-PM-DE-SUB BEL-B-PM-DE-SUB BEL-B-PM-DE-SUB BEL-B-PM-DE-SUB BEL-B-PM-DE-SUB BEL-B-PM-DE-SUB BEL-B-PM-DE-GER BEL-B-PM-DE-CAF BEL-B-PM-DE-SUB BEL-B-PM-DE-SUB BEL-B-PM-DE-GER SITIO PIMENTAL - SUBESTAÇÃO KV DIAGRAMA UNIFILAR GERAL DOS SERVIÇOS AUXILIARES SUBESTAÇÃO ALTAMIRA 230/69/13,8 kv ELN - VÃO DE ENTRADA KV - DIAGRAMA UNIFILAR SIMPLIFICADO SUBESTAÇÃO ALTAMIRA 230/69/13,8 kv ELN - VÃO DE ENTRADA 230 KV - ARRANJO - PLANTA SUBESTAÇÃO ALTAMIRA 230/69/13,8 kv ELN - VÃO DE ENTRADA KV - ARRANJO - SEÇÃO J-J SUBESTAÇÃO ALTAMIRA / CELPA 69 KV PLANTA DE LOCALIZAÇÃO SUBESTAÇÃO ALTAMIRA 69 KV CELPA VÃO DE ENTRADA 69 KV DIAGRAMA UNIFILAR SIMPLIFICADO SUBESTAÇÃO ALTAMIRA 69 KV CELPA VÃO DE ENTRADA 69 KV ARRANJO PLANTA E SEÇÃO SITIO PIMENTAL - SISTEMA DE SUPERVISÃO E CONTROLE - ARQUITETURA GERAL SITIO PIMENTAL - UNIDADE GERADORA - DIAGRAMA UNIFILAR DE PROTEÇÃO SITIO PIMENTAL SUBESTAÇÃO KV DIAGRAMA UNIFILAR DE PROTEÇÃO SUBESTAÇÃO ALTAMIRA 230/69/13,8 KV - ELN - VÃO DE ENTRADA KV - DIAGRAMA UNIFILAR DE PROTEÇÃO SITIO PIMENTAL - SISTEMA DE TELECOMUNICAÇÕES - DIAGRAMA DE BLOCOS CANAIS BEL-B-CA-DE-CDA ADUÇÃO - CANAL DE DERIVAÇÃO - PLANTA BEL-B-CA-DE-CDA ADUÇÃO - CANAL DE DERIVAÇÃO - TRECHO ENTRE EST. 0+0,00 E 66+0,00 - PLANTA BEL-B-CA-DE-CDA ADUÇÃO - CANAL DE DERIVAÇÃO - TRECHO ENTRE EST. 66+0,00 E 136+0,00 PLANTA, PERFIL, CORTE E DETALHE BEL-B-CA-DE-CDA CANAL DE ADUÇÃO - CANAL DE DERIVAÇÃO - TRECHO ENTRE EST ,00 E FINAL - PLANTA BEL-B-CA-DE-CDA ADUÇÃO - CANAL DE DERIVAÇÃO - SEÇÕES BEL-B-CA-DE-CDA ADUÇÃO - CANAL DE DERIVAÇÃO SEÇÕES E DETALHES BEL-B-CA-DE-CDA ADUÇÃO - CANAL DE DERIVAÇÃO - DETALHES TÍPICOS DOS VERTEDOUROS BEL-B-CA-DE-CDA ADUÇÃO - CANAL DE DERIVAÇÃO DIQUES DE CONTENÇÃO BEL-B-CA-DE-CDA ADUÇÃO CANAL DE DERIVAÇÃO DETALHE TÍPICO DOS CANAIS DE DRENAGEM BEL-B-CA-DE-CDA ADUÇÃO - RESERVATÓRIO INTERMADIÁRIO - PLANTA BEL-B-CA-DE-CDA ADUÇÃO - CANAL DE TRANSPOSIÇÃO CTPT-1 - PLANTAS, CORTES E DETALHE BEL-B-CA-DE-CDA CANAL DE ADUÇÃO - CANAL DE TRANSPOSIÇÃO CTPT-2 E CTPT-3 PLANTAS, CORTES E DETALHE BEL-B-CA-DE-CDA ADUÇÃO - CANAL DE TRANSPOSIÇÃO CTCS PLANTAS, CORTES E DETALHE BEL-B-CA-DE-CDA ADUÇÃO RESERVATÓRIO INTERMEDIÁRIO PROTEÇÃO DE TERRENO PLANTAS E CORTE DIQUES BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE DIQUES - VAZÃO SANITÁRIA - ESQUEMA GERAL DIQUES - SEÇÕES TIPICAS E DETALHES DIQUES - DESVIO DO RIO- ESQUEMA GERAL DIQUES 1 E 2 - PLANTAS, PERFIS E CORTES DIQUE 3 - PLANTA, PERFIL E CORTE DIQUE 4 - PLANTA, PERFIL E CORTE DIQUES 6A E 6B - PLANTA, PERFIS E CORTES DIQUE 06C - PLANTA, PERFIL E CORTES DIQUE 07A - PLANTA, PERFIL E CORTE

5 BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-DQ-DE-BTE BEL-B-BM-DE-BTE DIQUE 07B - PLANTA, PERFIL E CORTE DIQUE 07C - PLANTA, PERFIL E CORTE DIQUE 07D - PLANTA, PERFIL E CORTE DIQUE 10A - PLANTA, PERFIL E CORTE DIQUES 11 E 12 - PLANTAS, PERFIL E CORTE DIQUE 13 - PLANTA DIQUE 13 - PERFIL E CORTES DIQUE 14A - PLANTA, PERFIL E CORTES DIQUE 14B - PLANTA, PERFIL E CORTES DIQUE 14C - PLANTA E PERFIL DIQUE 14C- PERFIL E CORTES DIQUE 14D - PLANTA, PERFIL E CORTE DIQUE 14E - PLANTA, PERFIL E CORTE DIQUE 18 - PLANTA, PERFIL E CORTE DIQUES 19B E 19C - PLANTA DIQUES 19B E 19C PERFIL E CORTES DIQUES 19D E 19E PLANTAS, PERFIS E CORTES DIQUE 27 - PLANTA, PERFIL E CORTE DIQUE 28 - PLANTA E PERFIL DIQUE 28 PERFIL E CORTE DIQUE 29 - PLANTA, PERFIL E CORTE SITIO BELO MONTE E DIQUES DO RESERVATÓRIO INTERMEDIÁRIO ÁREAS DE EMPRÉSTIMO PLANTA SÍTIO BELO MONTE DESENHOS CIVIS BEL-B-BM-DE-GER SITIO BELO MONTE - ARRANJO GERAL - PLANTA BEL-B-BM-DE-ODR SITIO BELO MONTE - SEQUENCIA CONSTRUTIVA - PLANTAS BEL-B-BM-DE-ODR SÍTIO BELO MONTE - ENSECADEIRAS NO CANAL DE FUGA - PLANTA E CORTES BEL-B-BM-DE-BTE SÍTIO BELO MONTE - CANAL DE FUGA - PLANTA E CORTES BEL-B-BM-DE-POV SITIO BELO MONTE - PONTE TRANSAMAZÔNICA CORTES E DETALHES BEL-B-BM-DE-BTE SITIO BELO MONTE - BARRAGEM DE SANTO ANTÔNIO - PLANTA E DETALHE BEL-B-BM-DE-BTE SITIO BELO MONTE - BARRAGEM DE SANTO ANTÔNIO - CORTES E DETALHES BEL-B-BM-DE-BTE SITIO BELO MONTE - BARRAGEM DE FECHAMENTO ESQUERDA - PLANTA, DETALHE E CORTE BEL-B-BM-DE-BTE SÍTIO BELO MONTE - BARRAGEM DE FECHAMENTO ESQUERDA - CORTES E DETALHES BEL-B-BM-DE-BTE SÍTIO BELO MONTE - BARRAGEM DE FECHAMENTO DIREITA - PLANTA E DETALHE BEL-B-BM-DE-BTE SÍTIO BELO MONTE - BARRAGEM DE FECHAMENTO DIREITA - CORTES E DETALHES BEL-B-BM-DE-MTA SITIO BELO MONTE - MUROS DE CONCRETO - MURO LATERAL DIREITO BEL-B-BM-DE-MTA SITIO BELO MONTE - MUROS DE CONCRETO - MUROS CENTRAIS 1 E 2 BEL-B-BM-DE-MTA SITIO BELO MONTE - MUROS DE CONCRETO - MURO LATERAL ESQUERDO

6 BEL-B-BM-DE-TDA BEL-B-BM-DE-TDA BEL-B-BM-DE-CAF BEL-B-BM-DE-CAF BEL-B-BM-DE-CAF BEL-B-BM-DE-CAF BEL-B-BM-DE-CAF BEL-B-BM-DE-CAF BEL-B-BM-DE-CAF SITIO BELO MONTE - TOMADA D ÁGUA - PLANTAS SITIO BELO MONTE - TOMADA D ÁGUA - SEÇÕES SITIO BELO MONTE - TOMADA D ÁGUA - CASA DE FORÇA - CIRCUITO DE GERAÇÃO - ESTRUTURAS DE CONCRETO - PLANTA GERAL SITIO BELO MONTE - TOMADA D ÁGUA - CASA DE FORÇA - CIRCUITO DE GERAÇÃO - ESTRUTURAS DE CONCRETO - SEÇÃO TRANSVERSAL TÍPICA SITIO BELO MONTE -TOMADA D ÁGUA - CASA DE FORÇA - CIRCUITO DE GERAÇÃO - ESTRUTURAS DE CONCRETO - SEÇÕES B, C e D SITIO BELO MONTE - TOMADA D ÁGUA - CASA DE FORÇA - CIRCUITO DE GERAÇÃO - ESTRUTURAS DE CONCRETO - VISTAS SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - SEÇÃO TRANSVERSAL NA CL DAS UNIDADES SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - SEÇÃO LONGITUDINAL NA CL DAS UNIDADES SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - SEÇÃO TRANSVERSAL NA ÁREA DE MONTAGEM, POÇOS DE ESGOTAMENTO E DRENAGEM BEL-B-BM-DE-CAF SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - PLANTA EL. 33,00 BEL-B-BM-DE-CAF SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - PLANTA EL. 13,90 BEL-B-BM-DE-CAF SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - PLANTA EL. 5,30 BEL-B-BM-DE-CAF BEL-B-BM-DE-CAF SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - PLANTA NO POÇO DE ACESSO À TURBINA SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA PLANTA NA CL DO DISTRIBUIDOR BEL-B-BM-DE-CAF SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - PLANTA GALERIA DE DRENAGEM EL. 12,70 BEL-B-BM-DE-CAF BEL-B-GR-DE-GER BEL-B-GR-DE-GER BEL-B-BM-FL-GER BEL-B-BM-FL-CAF BEL-B-BM-FL-CAF BEL-B-BM-FL-CAF BEL-B-BM-FL-CAF BEL-B-BM-FL-CAF BEL-B-BM-FL-CAF BEL-B-BM-FL-CAF BEL-B-BM-FL-CAF BEL-B-BM-FL-CAF BEL-B-BM-FL-CAF BEL-B-BM-FL-CAF BEL-B-BM-FL-CAF BEL-B-BM-FL-CAF BEL-B-BM-FL-CAF BEL-B-BM-FL-CAF BEL-B-BM-FL-CAF BEL-B-BM-FL-CAF BEL-B-BM-DE-GER SITIO BELO MONTE CASA DE FORÇA - PLANTA NO TUBO DE SUCÇÃO DESENHOS ELETROMECÂNICOS GERAL - GERAL - PADRONIZAÇÃO MECÂNICA - SIMBOLOGIA PARA FLUXOGRAMA GERAL - GERAL - PADRONIZAÇÃO MECÂNICA - NOMENCLATURA E CODIFICAÇÃO PARA FLUXOGRAMA SITIO BELO MONTE - GERAL - SISTEMA DE MEDIÇÕES HIDRÁULICAS - FLUXOGRAMA SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE DRENAGEM - FLUXOGRAMA SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE DRENAGEM - FLUXOGRAMA SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE ESGOTAMENTO E ENCHIMENTO - FLUXOGRAMA SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE ÁGUA DE RESFRIAMENTO - FLUXOGRAMA SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE ÁGUA ANTIINCÊNDIO - FLUXOGRAMA SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE ÁGUA TRATADA - FLUXOGRAMA SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE ÁGUA TRATADA - FLUXOGRAMA SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE SEPARAÇÃO ÁGUA-ÓLEO ISOLANTE / FLUXOGRAMA SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE ÁGUA DE SERVIÇO - FLUXOGRAMA SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE ESGOTO SANITÁRIO - FLUXOGRAMA SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE ESGOTO SANITÁRIO - FLUXOGRAMA SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE AR COMPRIMIDO PARA SERVIÇOS GERAIS - FLUXOGRAMA SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE AR COMPRIMIDO PARA SERVIÇOS GERAIS - FLUXOGRAMA SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE CONDICIONAMENTO DE AR - FLUXOGRAMA SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE VENTILAÇÃO - FLUXOGRAMA SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÓLEO LUBRIFICANTE - FLUXOGRAMA SITIO BELO MONTE - CASA DE FORÇA - SISTEMA DE COMBATE A INCÊNDIO MÓVEL - FLUXOGRAMA SITIO BELO MONTE CASA DE FORÇA E SUBESTAÇÃO SF6 DIAGRAMA UNIFILAR SIMPLIFICADO

7 BEL-B-BM-DE-GER SITIO BELO MONTE - SERVIÇOS AUXILIARES EM CORRENTE ALTERNADA - DIAGRAMA UNIFILAR SIMPLIFICADO - FL. 1/2 BEL-B-BM-DE-GER SITIO BELO MONTE - SERVIÇOS AUXILIARES EM CORRENTE ALTERNADA - DIAGRAMA UNIFILAR SIMPLIFICADO - FL. 2/2 BEL-B-BM-DE-GER BEL-B-BM-DE-SUB BEL-B-BM-DE-SUB BEL-B-BM-DE-SUB BEL-B-BM-DE-SUB BEL-B-BM-DE-SUB BEL-B-BM-DE-SUB BEL-B-BM-DE-SUB BEL-B-BM-DE-SUB BEL-B-BM-DE-SUB BEL-B-BM-DE-SUB BEL-B-BM-DE-SUB BEL-B-BM-DE-SUB BEL-B-BM-DE-SUB BEL-B-BM-DE-SUB BEL-B-BM-DE-SUB BEL-B-BM-DE-GER BEL-B-BM-DE-CAF BEL-B-BM-DE-CAF BEL-B-BM-DE-SUB BEL-B-BM-DE-SUB BEL-B-BM-DE-SUB BEL-B-BM-DE-SUB BEL-B-BM-DE-SUB BEL-B-BM-DE-GER BEL-B-PM-DE-GER BEL-B-PM-DE-GER BEL-B-GR-DE-GER BEL-B-DQ-DE-GER SITIO BELO MONTE - SERVIÇOS AUXILIARES EM CORRENTE CONTÍNUA - DIAGRAMA UNIFILAR SIMPLIFICADO SUBESTAÇÃO XINGU KV - DIAGRAMA UNIFILAR SIMPLIFICADO SUBESTAÇÃO XINGU KV - PLANTA DE LOCALIZAÇÃO SUBESTAÇÃO XINGU KV - ARRANJO - PLANTA SUBESTAÇÃO XINGU KV - ARRANJO - SEÇÕES A-A, B-B, C-C, D-D, E-E. SÍTIO DE BELO MONTE - SUBESTAÇÃO - 69 KV - DIAGRAMA UNIFILAR SIMPLIFICADO SÍTIO DE BELO MONTE - SUBESTAÇÃO - 69 KV - PLANTA DE LOCALIZAÇÃO SÍTIO DE BELO MONTE - SUBESTAÇÃO - 69 KV - ARRANJO - PLANTA SÍTIO DE BELO MONTE - SUBESTAÇÃO - 69 KV - ARRANJO - SEÇÕES A-A, B-B, C-C, D-D SÍTIO DE BELO MONTE - SUBESTAÇÃO - 69 KV DIAGRAMA UNIFILAR GERAL DOS SERVIÇOS AUXILIARES SUBESTAÇÃO DO CANAL DE DERIVAÇÃO 69 KV DIAGRAMA UNIFILAR GERAL DOS SERVIÇOS AUXILIARES SUBESTAÇÃO XINGU 525 KV DIAGRAMA UNIFILAR GERAL DOS SERVIÇOS AUXILIARES SUBESTAÇÃO DO CANAL DE DERIVAÇÃO - 69 KV - DIAGRAMA UNIFILAR SIMPLIFICADO SUBESTAÇÃO DO CANAL DE DERIVAÇÃO - 69 KV - PLANTA DE LOCALIZAÇÃO SUBESTAÇÃO DO CANAL DE DERIVAÇÃO - 69 KV - ARRANJO - PLANTA SUBESTAÇÃO DO CANAL DE DERIVAÇÃO - 69 KV - ARRANJO - SEÇÕES A-A, B-B, C-C SITIO BELO MONTE - SISTEMA DE SUPERVISÃO E CONTROLE - ARQUITETURA GERAL SITIO BELO MONTE - UNIDADE GERADORA - DIAGRAMA UNIFILAR DE PROTEÇÃO SITIO BELO MONTE - SUBESTAÇÃO SF6-525 KV - DIAGRAMA UNIFILAR DE PROTEÇÃO SUBESTAÇÃO XINGU 525 KV - SISTEMA DE SUPERVISÃO E CONTROLE - ARQUITETURA GERAL SUBESTAÇÃO XINGU KV - DIAGRAMA UNIFILAR DE PROTEÇÃO SITIO BELO MONTE SUBESTAÇÃO 69 KV - DIAGRAMA UNIFILAR DE PROTEÇÃO SUBESTAÇÃO ALTAMIRA 69 KV CELPA VÃO DE ENTRADA 69 KV - DIAGRAMA UNIFILAR DE PROTEÇÃO SITIO BELO MONTE E SE XINGU - SISTEMA DE TELECOMUNICAÇÕES - DIAGRAMA DE BLOCOS CANTEIROS DE OBRAS GERAL - SÍTIO BELO MONTE - CANTEIRO DE OBRAS E ACAMPAMENTO GERAL SITIO PIMENTAL CANTEIRO PIONEIRO E ACAMPAMENTO GERAL - SÍTIO PIMENTAL - CANTEIRO DE OBRAS INDUSTRIAL GERAL - CANAL DE DERIVAÇÃO - CANTEIRO DE OBRAS E ACAMPAMENTO GERAL - BELA VISTA - CANTEIRO DE OBRAS E ACAMPAMENTO INTERLIGAÇÃO ELÉTRICA AO SISTEMA BEL-B-PM-DE-LTM BEL-B-BM-DE-LTM BEL-B-BM-DE-LTM INTERLIGAÇÃO ALTAMIRA (ELETRONORTE) PIMENTAL LINHA DE TRANSMISSÃO 230 KV TRAÇADO ORIENTATIVO INTERLIGAÇÃO CF BELO MONTE/SE XINGU - LINHA DE TRANSMISSÃO 525 KV - TRAÇADO ORIENTATIVO INTERLIGAÇÃO ALTAMIRA (CELPA) BELO MONTE CANAL DE DERIVAÇÃO PIMENTAL LINHAS DE TRANSMISSÃO 69KV TRAÇADO ORIENTATIVO

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO BREVE HISTÓRICO Estudo de Inventário do rio Xingu: realizados na década de 1970 com relatório técnico emitido no final de 1979 Estudos

Leia mais

19 Relatório. Fotográfico. Infraestrutura Vila Residencial Altamira - Jatobá. Vila Jatobá - Vista Aérea. Vila Jatobá - Vista Aérea

19 Relatório. Fotográfico. Infraestrutura Vila Residencial Altamira - Jatobá. Vila Jatobá - Vista Aérea. Vila Jatobá - Vista Aérea Infraestrutura Vila Residencial Altamira - Jatobá Vila Jatobá - Vista Aérea Vila Jatobá - Vista Aérea Vila Jatobá - Vista Aérea 138 Infraestrutura Vila Residencial Altamira - São Joaquim Vila São Joaquim

Leia mais

Anexo 3.1 5 Balanço de materiais dos sítios, referente ao primeiro semestre de 2013

Anexo 3.1 5 Balanço de materiais dos sítios, referente ao primeiro semestre de 2013 4 RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL Anexo 3.1 5 Balanço de materiais dos sítios, referente ao primeiro semestre

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETAPA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10

USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETAPA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10 USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10 CONTATO: TEL.: 1. LOCALIZAÇÃO RIO: XINGU SUB-BACIA: RIO XINGU RIO XINGU

Leia mais

Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9%

Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9% Gerência Técnica Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9% Grupo Construtor Obras Civis e Montagem Eletromecânica Engenharia Contratada: Fornecimentos Eletromecânicos Fornecimentos Eletromecânicos Principais

Leia mais

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A.

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Rogério Sales GÓZ Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Brasil RESUMO

Leia mais

1979 Estudos de Inventário da Bacia Hidrográfica do Rio Xingu ELETRONORTE Estudos de Viabilidade - 1ª Etapa ELETRONORTE

1979 Estudos de Inventário da Bacia Hidrográfica do Rio Xingu ELETRONORTE Estudos de Viabilidade - 1ª Etapa ELETRONORTE HISTÓRICO 1979 Estudos de Inventário da Bacia Hidrográfica do Rio Xingu ELETRONORTE AHE Altamira, à montante da cidade de Altamira (antigo Babaquara) UHE Belo Monte com geração em Kararaô e barramento

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA (UHE) SINOP EXECUTORA: CONSTRUTORA TRIUNFO SETEMBRO/2015

USINA HIDRELÉTRICA (UHE) SINOP EXECUTORA: CONSTRUTORA TRIUNFO SETEMBRO/2015 USINA HIDRELÉTRICA (UHE) SINOP EXECUTORA: CONSTRUTORA TRIUNFO SETEMBRO/2015 O EMPREENDIMENTO LOCALIZAÇÃO POTÊNCIA MUNICÍPIOS RIO BACIA HIDROGRÁFICA TURBINAS POTÊNCIA INSTALADA Itaúba/MT (Margem Esquerda

Leia mais

PROJETOS BÁSICOS DE PCH s. EVERSON BATISTA thever@gmail.com

PROJETOS BÁSICOS DE PCH s. EVERSON BATISTA thever@gmail.com PROJETOS BÁSICOS DE PCH s EVERSON BATISTA thever@gmail.com DEFINIÇÃO DE PCH Pequena Central Hidrelétrica(PCH) É toda Usina Hidrelétrica de pequena porte cuja a capacidade instalada seja superior a 1 MW

Leia mais

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1 Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP Conceitos Gerais As barragens convencionais são estruturas construídas transversalmente aos

Leia mais

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO GGH/006 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

Leia mais

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. marcelle@furnas.com.br

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. marcelle@furnas.com.br FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. USINAS HIDRELÉTRICAS marcelle@furnas.com.br GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EMPREENDIMENTOS DO SETOR ELÉTRICO HIDROELETRICOS CGH PCH UHE Potência Instalada < = 1,0 MW 1,0 MW

Leia mais

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB PROJETOS DE INFRAESTRUTURA URBANA DRENAGEM CANAIS RESERVATÓRIOS MICRODRENAGEM OU DRENAGEM SUPERFICIAL OBRAS

Leia mais

Assunto: AHE Belo Monte. Origem: COHID/CGENE/DILIC/IBAMA. PARECER nº 52/2011

Assunto: AHE Belo Monte. Origem: COHID/CGENE/DILIC/IBAMA. PARECER nº 52/2011 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Diretoria de Licenciamento Ambiental Coordenação Geral de Infraestrutura de Energia Elétrica Coordenação

Leia mais

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes MARÇO/2011 EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM DESVIO DE GRANDES RIOS ERTON CARVALHO COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS - CBDB PRESIDENTE * Desvio - Critérios de Projeto * Etapas de Desvio * Tipos de Desvios: Exemplos

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

U H E S Ã O S A LVA D O R

U H E S Ã O S A LVA D O R SÃO SALVADOR Estudo de impacto ambiental U H E S Ã O S A LVA D O R Anexos Volume IV Anexo A A-1 Anexo A. Capítulo I Caracterização do empreendimento Anexo A A-2 A1. Fases de Desvio do rio Tocantins para

Leia mais

UHE Belo Monte. IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011

UHE Belo Monte. IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011 UHE Belo Monte IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011 LOCALIZAÇÃO Volta Grande do Xingu Pará Altamira Transamazônica Belo Monte Vitória do Xingu Brasil Novo Anapu

Leia mais

ANEXO 01 DO ADITAMENTO N.º 004 NOVA REDAÇÃO PARA AS CLÁUSULAS 18 E 19 DA MINTA DO CONTRATO.

ANEXO 01 DO ADITAMENTO N.º 004 NOVA REDAÇÃO PARA AS CLÁUSULAS 18 E 19 DA MINTA DO CONTRATO. ANEXO 01 DO ADITAMENTO N.º 004 NOVA REDAÇÃO PARA AS CLÁUSULAS 18 E 19 DA MINTA DO CONTRATO. 1 CLÁUSULA 18 EVENTOS GERADORES DE PAGAMENTOS DE SERVIÇOS Para que os SERVIÇOS sejam considerados como eventos

Leia mais

NORTE ENERGIA S.A. -NESA UHE BELO MONTE. Rio Xingu, Brasil

NORTE ENERGIA S.A. -NESA UHE BELO MONTE. Rio Xingu, Brasil NORTE ENERGIA S.A. -NESA UHE BELO MONTE Rio Xingu, Brasil Dezembro 2010 Localização UHE BELO MONTE BREVE HISTÓRICO Estudo de Inventário do rio Xingu: realizados na década de 1970 com relatório técnico

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Casa de força de Belo / vista de montante para jusante. Situação atual

Leia mais

PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO

PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO CUIABÁ MT OUTUBRO DE 2003 1 PCH BARUITO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO Empreendedor : Global Energia Elétrica S/A Empreendimento:

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO MAIO/2015

SUMÁRIO EXECUTIVO MAIO/2015 MAIO/2015 SUMÁRIO EXECUTIVO MAIO/2015 PROJETO DE INTEGRAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO O Projeto de Integração do Rio São Francisco vai garantir a segurança hídrica a 12 milhões de habitantes, em 390 municípios,

Leia mais

PBA BELO MONTE APROVEITAMENTO HIDRELÉTRICO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DA USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE NORTE ENERGIA S.A. Planos, Programas e Projetos

PBA BELO MONTE APROVEITAMENTO HIDRELÉTRICO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DA USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE NORTE ENERGIA S.A. Planos, Programas e Projetos NORTE ENERGIA S.A. APROVEITAMENTO HIDRELÉTRICO BELO MONTE PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DA USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE Planos, Programas e Projetos VOLUME 1 Versão Final PBA PROJETO BÁSICO AMBIENTAL SUMÁRIO

Leia mais

Processo: 02122/2008 Protocolo: 522284/2008

Processo: 02122/2008 Protocolo: 522284/2008 Folha: 1/15 Processo: 02122/2008 Protocolo: 522284/2008 Dados do Requerente/ Empreendedor Nome: SPE BARRA DA PACIÊNCIA ENERGIA S.A. CNPJ: 09.079.142/0001-60 Endereço: AV. BRIGADEIRO FARIA LIMA, N O 1309

Leia mais

SUMÁRIO LISTA DOS QUADROS

SUMÁRIO LISTA DOS QUADROS SUMÁRIO APÊNDICE 4.1 Parâmetros Geotécnicos Considerados nos Estudos de Estabilidade das Obras de Terra e Enrocamento no Sítio Pimental...3 APÊNDICE 4.2 Condições, Tratamentos de Fundação e Resultados

Leia mais

2.1. O Estudo de Inventário da UHE Colíder foi aprovado conforme a seguir discriminado:

2.1. O Estudo de Inventário da UHE Colíder foi aprovado conforme a seguir discriminado: ANEXO VIII AO EDITAL DE LEILÃO Nº. 03/2010-ANEEL ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE FERREIRA GOMES A exploração da UHE Ferreira Gomes, pela Concessionária,

Leia mais

CONVÊNIO ICMS 50/02. Publicado no DOU de 14.05.02 Retificado no DOU de 29.05.02

CONVÊNIO ICMS 50/02. Publicado no DOU de 14.05.02 Retificado no DOU de 29.05.02 Publicado no DOU de 14.05.02 Retificado no DOU de 29.05.02 CONVÊNIO ICMS 50/02 Altera o Convênio ICMS 69/97, de 25.07.97, que autoriza o Estado de Minas Gerais a conceder isenção do ICMS relativo ao diferencial

Leia mais

Aplicações do AutoCAD Plant 3D em Energias Renováveis

Aplicações do AutoCAD Plant 3D em Energias Renováveis Aplicações do AutoCAD Plant 3D em Energias Renováveis Diogenes Paranhos Andritz Hydro Inepar do Brasil S.A. Glycon Barros / Breno Miranda / Phillip Morais - Fluenge Engenharia de Fluídos Benefícios práticos

Leia mais

MADEIRA ENERGIA S.A MESA

MADEIRA ENERGIA S.A MESA MADEIRA ENERGIA S.A MESA MADEIRA ENERGIA S.A MESA SUMÁRIO VOLUME I SEÇÃO 01 - Apresentação SEÇÃO 02 - Programa Ambiental para a Construção - PAC Sistema de Gestão Ambiental - SGA SEÇÃO 03 - Programa de

Leia mais

Serviços. Instalação de Unidades Geradoras. 1. Desvio do Rio: Montagem de guias das comportas; Montagem das comportas de desvio (painéis)

Serviços. Instalação de Unidades Geradoras. 1. Desvio do Rio: Montagem de guias das comportas; Montagem das comportas de desvio (painéis) 1. Desvio do Rio: Montagem de guias das comportas; Montagem das comportas de desvio (painéis) Montagem de estrutura para descida da comporta (pórtico fixo) 2. Vertedouro Montagem das guias das comportas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Projeto executivo para construção do prédio das Promotorias da Infância e Juventude. 2. OBJETIVOS O presente Termo de Referência tem como objetivo nortear a contratação

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPL VII 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 038/2008 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 038/2008 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 038/2008 NOME DA INSTITUIÇÃO: BACAL, BARRAGENS LTDA. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: RESOLUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

MODERNAS PRÁTICAS DE PROJETO

MODERNAS PRÁTICAS DE PROJETO AUTORES Palestrante: Eng Bruno Luiz Castro Martins Eng José Bernardino Botelho Eng José Henrique Rodrigues Lopes Eng Marcelo Miranda Botelho Eng Nathanael Villela de Ávila INTRODUÇÃO Os avanços nas tecnologias

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

Luiz Fernando Rufato CREA-MG 16.918/D Diretor de Construção UHE BELO MONTE 10. SÍTIO BELO MONTE

Luiz Fernando Rufato CREA-MG 16.918/D Diretor de Construção UHE BELO MONTE 10. SÍTIO BELO MONTE 10. SÍTIO BELO MONTE 10.1. CONCEPÇÃO GERAL DO PROJETO Em termos gerais a disposição das estruturas que compõem o sitio Belo Monte não sofreram alterações significativas com relação ao arranjo estabelecido

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Reservatórios e Redes de Distribuição de Água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

- Infra-estrutura em Geral; - Barragens; - Pilhas, Taludes e Escavações; - Transportadores e Plantas Industriais.

- Infra-estrutura em Geral; - Barragens; - Pilhas, Taludes e Escavações; - Transportadores e Plantas Industriais. DOSSIÊ SIMPLIFICADO DOS PRESTADOS NA ÁREA DE MINERAÇÃO: - Infra-estrutura em Geral; - Barragens; - Pilhas, Taludes e Escavações; - Transportadores e Plantas Industriais. Experiência Anterior do Atual Corpo

Leia mais

[APOSTILA DE TOPOGRAFIA]

[APOSTILA DE TOPOGRAFIA] 2009 [APOSTILA DE TOPOGRAFIA] - SENAI-DR/ES CEP HRD APOSTILA DE TOPOGRAFIA Apostila montada e revisada pela Doc. Regiane F. Giacomin em março de 2009. Tal material foi baseado, e recortado em alguns momentos

Leia mais

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.1 Projeto de Monitoramento Batimétrico Revisão 00 NOV/2013 Coordenador da Equipe Carlos Eduardo Alencar Carvalho CRBio 37538/4-D

Leia mais

Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas

Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas Folha 1 de 14 APRESENTAÇÃO Este Anexo é dividido em duas partes: A Seção I introduz a descrição da Infra-estrutura de Irrigação de Uso Comum do Projeto Pontal,

Leia mais

2013 2014 2015 2016 2017 J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J 01/07

2013 2014 2015 2016 2017 J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J 01/07 ESTALEIRO EISA ALAGOAS S.A. - CRONOGRMA DE CONSTRUÇÃO 45,96 meses 1 LICENÇA AMBIENTAL 29,51 meses 1.1 LICENÇA PRÉVIA 0 meses 1.2 LICENÇA DE INSTALAÇÃO 5,33 meses 1.2.1 PROJETOS EXECUTIVOS 4 meses 1.2.2

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Título do Projeto: Reforma e Ampliação das Promotorias de Justiça de Direitos Constitucionais e Patrimônio Público e Promotorias de Justiça de Ações Constitucionais

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

A redução no número de unidades geradoras das Casas de Força Complementar e Intermediária, sem alteração na energia a ser gerada; e

A redução no número de unidades geradoras das Casas de Força Complementar e Intermediária, sem alteração na energia a ser gerada; e 11 1. CARACTERIZAÇÃO DO EMP REENDIMENTO 1.1. Introdução O arranjo geral da Usina Hidrelétrica (UHE) Belo Monte desenvolvido no Projeto Básico de Engenharia, e referência para a elaboração deste Plano Básico

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 Discrimina atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA,

Leia mais

2. CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO

2. CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO 2. CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO 2.1 IDENTIFICAÇÃO O empreendimento objeto destes estudos constitui-se da implantação do AHE Serra do Facão, no rio São Marcos. A barragem está situada no Estado de Goiás,

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação do requerente Pessoa física. Caixa Postal Município UF CEP DDD Fone Fax E-mail

MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação do requerente Pessoa física. Caixa Postal Município UF CEP DDD Fone Fax E-mail 1 Definição: Retirada de minerais (como areia, argila e etc.) do fundo dos rios com a utilização de dragas, para fins industriais ou de comercialização. Nome CPF Endereço MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação

Leia mais

ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE TELES PIRES

ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE TELES PIRES ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE TELES PIRES A exploração da UHE Teles Pires, pela Concessionária, será realizada em conformidade com a legislação em vigor

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 020

Norma Técnica SABESP NTS 020 Norma Técnica SABESP NTS 020 ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Revisão 1 - Maio 2003 NTS 020 : 2003 - rev. 1 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE PROJETO...1

Leia mais

Estrutura Curricular do Curso de Engenharia Civil

Estrutura Curricular do Curso de Engenharia Civil Estrutura Curricular do Curso de Engenharia Civil 1º Semestre 1. Cálculo Diferencial e Integral I 2. Desenho Básico 3. Física I 4. Laboratório de Física I 1º Básica 5. Química Geral 6. Introdução a Engenharia

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Impactos ambientais das hidrelétricas na Amazônia Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Amazônia: alguns dados A Região Amazônica compreende a maior

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 474, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2012.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 474, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2012. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 474, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2012. Estabelece novas taxas anuais de depreciação para os ativos em serviço outorgado no setor elétrico, alterando

Leia mais

EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº

EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 006/2015 PROJETO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA ALTEAMENTO DO NIVEL NOMAL DO RESERVATÓRIO DO CIPÓ E AMPLIAÇÃO DAS USINAS BORTOLAN E VÉU DAS NOIVAS 1 - INTRODUÇÃO Esta

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO 3/3 (terceiro de três) Período: de 10/11/2009 a 18/12/2009 MACROENERGY ENGENHARIA E SERVIÇOS S/A

RELATÓRIO DE ESTÁGIO 3/3 (terceiro de três) Período: de 10/11/2009 a 18/12/2009 MACROENERGY ENGENHARIA E SERVIÇOS S/A Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Mecânica Coordenadoria de Estágio do Curso de Engenharia Mecânica CEP 88040-970 - Florianópolis - SC - BRASIL www.emc.ufsc.br/estagiomecanica

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Aterro do acesso interno (próximo à nova central de britagem): Neste

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

INTRODUÇÃO. Este Relatório de Meio Ambiente descreve o andamento das atividades ambientais no período de Outubro/2003 a Maio/2004.

INTRODUÇÃO. Este Relatório de Meio Ambiente descreve o andamento das atividades ambientais no período de Outubro/2003 a Maio/2004. INTRODUÇÃO Este Relatório de Meio Ambiente descreve o andamento das atividades ambientais no período de Outubro/2003 a Maio/2004. A seguir, estão apresentados os cronogramas gerais das três usinas do Complexo

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO AGOSTO/2015

SUMÁRIO EXECUTIVO AGOSTO/2015 AGOSTO/2015 SUMÁRIO EXECUTIVO AGOSTO/2015 PROJETO DE INTEGRAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO O Projeto de Integração do Rio São Francisco vai garantir a segurança hídrica a 12 milhões de habitantes, em 390 municípios,

Leia mais

CATEGORIAS E GRUPOS PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE. 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria;

CATEGORIAS E GRUPOS PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE. 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria; CATEGORIAS E PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria; 2.- Os atestados deverão: 2.1.- Ser apresentados rigorosamente de acordo com

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - SEP PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA Visão global de um sistema

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

Pela presente apresento as Sugestões referentes à Proposta para Aperfeiçoamentos à Resolução nº 395/1998.

Pela presente apresento as Sugestões referentes à Proposta para Aperfeiçoamentos à Resolução nº 395/1998. BACAL, BARRAGENS LTDA. OTIMIZAÇÃO DE PROJETOS, ENGENHARIA CIVIL, CUSTOS Rua Murillo Furtado nº 117/402, Bairro Petrópolis Porto Alegre/RS CEP 90470-440 Fone/Fax: (51) 3334.7883 - (21) 2540-4809 (21) 9871-6692

Leia mais

INSPEÇÃO FORMAL DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA DA BARRAGEM, ESTRUTURAS CIVIS ANEXAS E TALUDES

INSPEÇÃO FORMAL DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA DA BARRAGEM, ESTRUTURAS CIVIS ANEXAS E TALUDES INSPEÇÃO FORMAL DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA DA BARRAGEM, ESTRUTURAS CIVIS ANEXAS E TALUDES UHE ROSAL CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS AG/SB 1. OBJETO Realização de inspeção

Leia mais

Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova. (Venda Nova II) Relatório de Visita de Estudo.

Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova. (Venda Nova II) Relatório de Visita de Estudo. ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova (Venda Nova II) Relatório

Leia mais

Processo: 9502/2008 Protocolo: 639621/2008. Modo de Uso do Recurso Hídrico 20 - APROVEITAMENTO DE POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Processo: 9502/2008 Protocolo: 639621/2008. Modo de Uso do Recurso Hídrico 20 - APROVEITAMENTO DE POTENCIAL HIDRELÉTRICO Processo: 9502/2008 Protocolo: 639621/2008 Dados do Requerente/ Empreendedor Nome: HIDRELÉTRICA CACHOEIRÃO S/A CPF/CNPJ: 08596628/0001-03 Endereço: RUA AURÉLIO GATTI, 22 Bairro: BAIRRO ESPLANADA Município:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS EDITAL Nº 073, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS EDITAL Nº 073, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS EDITAL Nº 073, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2011 RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 068/2011 DO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS

Leia mais

HIDRÁULICA E ELÉTRICA APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

HIDRÁULICA E ELÉTRICA APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL HIDRÁULICA E ELÉTRICA APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL SOBRE A TECNOCON Empresa 100% nacional e com mais de 24 anos de experiência e prática de campo, garantem o sucesso no fornecimento de turn keys para os

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Mecânica Coordenadoria de Estágio do Curso de Engenharia

Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Mecânica Coordenadoria de Estágio do Curso de Engenharia Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Mecânica Coordenadoria de Estágio do Curso de Engenharia Mecânica CEP 88040-970 - Florianópolis - SC - BRASIL www.emc.ufsc.br/estagiomecanica

Leia mais

A seguir, são fornecidas informações básicas sobre as características técnicas da UHE e de sua operação.

A seguir, são fornecidas informações básicas sobre as características técnicas da UHE e de sua operação. ANEXO II CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DAS UHE A exploração das Usinas Hidrelétricas, por cada uma das Concessionárias, será feita em conformidade com a legislação em

Leia mais

ESTUDOS PARA LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO

ESTUDOS PARA LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO ESTUDOS PARA LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO UHE JIRAU (Rio Madeira) ESTUDO DE VIABILIDADE OTIMIZAÇÃO DO PROJETO DE ENGENHARIA Ministério de Minas e Energia GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

Leia mais

DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS. Carlos Nadalutti Filho

DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS. Carlos Nadalutti Filho DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS 22.11.2011 - Tucuruí,, Brasil Carlos Nadalutti Filho APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE CAPANDA Início:

Leia mais

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL PROGRAMA PRELIMINAR CENTRO ESCOLAR DE S.JULIÃO/TAVAREDE PROJECTOS DE ESPECIALIDADES 1 1. Introdução Pretende a Câmara Municipal da Figueira da Foz, desenvolver

Leia mais

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais:

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais: - Conceitos Básicos de Terraplenagem - Elaboração do Projeto de terraplenagem - Movimento de terra Cálculo de volumes, DMT e notas de serviço - Diagrama de Bruckner - Execução de terraplenagem- equipamentos

Leia mais

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Semi-árido Brasileiro - População Eixo Norte PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SEMI-ÁRIDO E DA BACIA

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTALAÇÕES E MONTAGENS INDUSTRIAIS QUALIDADE QUE SUPERA EXPECTATIVAS

APRESENTAÇÃO INSTALAÇÕES E MONTAGENS INDUSTRIAIS QUALIDADE QUE SUPERA EXPECTATIVAS QUALIDADE QUE SUPERA EXPECTATIVAS APRESENTAÇÃO A Munhoz Instalações Industriais é uma empresa referência no mercado, com forte atuação em engenharia elétrica e hidráulica. Reconhecimento resultado de dedicação

Leia mais

ASSUNTO: CO.APR.T.013.2004 CONSTRUÇÃO CIVIL E MONTAGEM ELETROMECÂNICA, COM FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SISTEMAS, DA SE IVAIPORÃ 7ª AMPLIAÇÃO.

ASSUNTO: CO.APR.T.013.2004 CONSTRUÇÃO CIVIL E MONTAGEM ELETROMECÂNICA, COM FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SISTEMAS, DA SE IVAIPORÃ 7ª AMPLIAÇÃO. ASSUNTO: CONSTRUÇÃO CIVIL E MONTAGEM ELETROMECÂNICA, COM FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SISTEMAS, DA SE IVAIPORÃ 7ª AMPLIAÇÃO. ESCLARECIMENTOS N 04 1) Transcrevemos abaixo, perguntas de empresas participantes

Leia mais

C:\Documents and Settings\Usuario\Desktop\Júlio\Arquivos finais_esa\grade-eng.sanitária-v.final_17.02.12.doc

C:\Documents and Settings\Usuario\Desktop\Júlio\Arquivos finais_esa\grade-eng.sanitária-v.final_17.02.12.doc 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Curso de Graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental Grade Curricular válida a partir de 29/11/2011 Natureza Créditos Horas-aula Disciplinas Obrigatórias 210 3.150

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO 1) APRESENTAÇÃO DO CONSÓRCIO ENER REDE COUTO MAGALHÃES

CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO 1) APRESENTAÇÃO DO CONSÓRCIO ENER REDE COUTO MAGALHÃES REDE COUTO MAGALHÃES ENERGIA S.A. CAPÍTULO II) CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO 1) APRESENTAÇÃO DO CONSÓRCIO ENER REDE COUTO MAGALHÃES O empreendimento em estudo, AHE Couto Magalhães, tem como concessionário

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO Assunto: NOTA DE ESCLARECIMENTO N.º 03 Processo: CONCORRÊNCIA N.º 001/2010 Objeto: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS BÁSICOS E EXECUTIVOS DE SUBESTAÇÕES E LINHAS DE TRANSMISSÃO DO SISTEMA

Leia mais

ABINEE TEC MINAS 2008 - SINAEES. Seminário Vendas para Áreas de Petróleo e Gás, Inovação, Qualidade, Aspectos Ambientais e Controle PCH s

ABINEE TEC MINAS 2008 - SINAEES. Seminário Vendas para Áreas de Petróleo e Gás, Inovação, Qualidade, Aspectos Ambientais e Controle PCH s ABINEE TEC MINAS 2008 - SINAEES Seminário Vendas para Áreas de Petróleo e Gás, Inovação, Qualidade, Aspectos Ambientais e Controle PCH s SISTEMAS DE TRANSPOSIÇÃO DE PEIXES EM BARRAGENS DE RIOS CASO DA

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO PARA O CONTROLE DE PCHs - COACH JOSE LUIZ BOZZETTO,FLAVIO C. BIANCHI BCM ENGENHARIA

SISTEMA INTEGRADO PARA O CONTROLE DE PCHs - COACH JOSE LUIZ BOZZETTO,FLAVIO C. BIANCHI BCM ENGENHARIA SISTEMA INTEGRADO PARA O CONTROLE DE PCHs - COACH JOSE LUIZ BOZZETTO,FLAVIO C. BIANCHI BCM ENGENHARIA Este trabalho descreve em linhas gerais o sistema integrado para o controle, automação e integração

Leia mais

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 ESTABELECE OS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS PARA EMISSÃO DA DECLARAÇÃO DE RESERVA DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA E DE OUTORGA PARA USO DE POTENCIAL

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA Este case apresenta a aplicação do Elipse E3 para controlar

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓREITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Fase Cód. Disciplina I II III IV V VI Matriz Curricular do curso de Engenharia Civil PréReq.

Leia mais

ANEXO I - CONDIÇÕES GERAIS DO PROJETO BÁSICO (jan/2009)

ANEXO I - CONDIÇÕES GERAIS DO PROJETO BÁSICO (jan/2009) ANEXO I - CONDIÇÕES GERAIS DO PROJETO BÁSICO (jan/2009) Conforme previsto no art. 9º, da Resolução ANEEL nº 343, de 9 de dezembro de 2008, listam-se abaixo as Condições Gerais do Projeto Básico para que

Leia mais

CAPÍTULO 18 ERRATA DE 14/01/2011 RELAÇÃO DE DESENHOS

CAPÍTULO 18 ERRATA DE 14/01/2011 RELAÇÃO DE DESENHOS CAPÍTULO 18 ERRATA DE 14/01/2011 RELAÇÃO DE DESENHOS 18.1 ESTRUTURA - EST... 2 18.2 ARQUITETURA - ARQ... 5 18.3 INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS - ÁGUA IHA... 6 18.4 IRRIGAÇÃO - IRR... 8 18.5 INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS

Leia mais

Anexo 3.4.1-2 Registro Fotográfico das Atividades de Segurança do Trabalho

Anexo 3.4.1-2 Registro Fotográfico das Atividades de Segurança do Trabalho 5 RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL Anexo 3.4.1-2 Registro Fotográfico das Atividades de Segurança do Trabalho

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ÁGUA NEBULIZADA (MULSIFYRE)

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ÁGUA NEBULIZADA (MULSIFYRE) ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC)

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

PAULO ROBERTO JUREMA DUTRA - Companhia Hidro Eletrica do Sao Francisco.

PAULO ROBERTO JUREMA DUTRA - Companhia Hidro Eletrica do Sao Francisco. MODIFICACAO DA FILOSOFIA OPERACIONAL DO VERTEDOR DA UHE XINGO ANTONIO EURIDES CONTE - Promon Engenharia Ltda. CASSIO GUIDO MARCHETTI - Promon Engenharia Ltda. ALBERTO JORGE C.T. CAVALCANTI - Companhia

Leia mais