Warehouse para Monitoramento on-line de Eventos em

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Warehouse para Monitoramento on-line de Eventos em"

Transcrição

1 Sistema de Informação Geográfica baseado em Data Warehouse para Monitoramento on-line de Eventos em Sistemas Elétricos de Potência Jaily Vanzeler, Jonathas Pinheiro, Andrey Maia, Emily Araujo Yomara Pires, Jefferson Morais e Aldebaro Klautau 1 Universidade Federal do Pará (UFPA) Caixa Postal Belém PA Brazil Abstract. The electric power industry has a reasonably sophisticated technology to meet power quality requirements increasingly stringent. However, mining such data to infer, e.g, cause-effect relations is an incipient activity. Establish this relation is main goal of the companies. The aim of this paper is to present a geographic information system prototype with Web interface based on data warehouse for on-line monitoring of electrical power system events by processing multiple data sources. Although it is a prototype their application in the electric power industry can contribute to these move forward in the search for Excellence in attending strict quality requirements. Resumo. O setor elétrico dispõe de tecnologia avançada para atender requisitos de qualidade de energia elétrica cada vez mais rigorosos. Entretanto, minerar tais dados para inferir, e.x, relações de causa-efeito é ainda uma atividade incipiente. Estabelecer esta relação é, hoje, um dos principais objetivos das empresas do setor. Assim, o objetivo deste trabalho é apresentar um protótipo de um sistema de informação geográfica com interface Web baseado em data warehouse para o monitoramento on-line de eventos no sistema elétrico pelo processamento de múltiplas fontes de dados. Apesar de ser um protótipo sua aplicação nas empresas do setor elétrico pode contribuir para que estas avancem na busca por excelência no atendimento de requisitos de qualidade cada vez mais rigorosos. 1. Introdução O aumento da demanda por energia elétrica nos últimos tempos, a interligação dos sistemas elétricos existentes, a privatização das concessionárias de energia, a maior exigência dos consumidores juntamente com o aumento da quantidade de equipamentos eletroeletrônicos mais sensíveis aos distúrbios de cargas elétricas são fatores que implicam diretamente em requisitos de qualidade de energia elétrica (QEE) cada vez mais rigorosos. Atualmente, para atender a esses requisitos, o setor elétrico dispõe de tecnologia avançada para aquisição e armazenamento de informações, as quais incluem os chamados distúrbios ou eventos de interesse [Bollen et al. 2009]. Um típico exemplo dessa tecnologia, são os equipamentos de oscilografia que implementam algoritmos relativamente Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

2 simples que detectam se as formas de onda de tensão desviam dos seus valores de amplitude nominal. Apesar da tecnologia avançada, minerar tais dados para inferir, por exemplo, relações de causa-efeito é ainda uma atividade incipiente [Morais et al. 2010]. Uma das razões é a falta de ações para relacionar os eventos com dados adicionais que poderiam ajudar a inferir a causa. Estabelecer esta relação é, hoje, um dos principais objetivos das indústrias de energia elétrica. Isto requer que as empresas do setor implementem um data warehouse (DW) para integrar seus sistemas legados SCADA (Controle e Aquisição de Dados Supervisórios) com outras fontes de informações disponíveis nas próprias empresas, tais como dados de oscilografia e qualimetria e de fontes externas como por exemplo informações meteorológicas e climatológicas. Além de depender de um DW para estabelecer relações de causa-efeito, ou nexocausal, as empresas do setor elétrico, principalmente em seus centros supervisórios, necessitam de sistemas computacionais com interface amigável baseada em sistema de informação geográfica que possibilite o monitoramento on-line de eventos que ocorrem nos sistemas elétricos de potência (SEPs). Com base nesse contexto, o presente trabalho apresenta um protótipo de um sistema de informação geográfica com interface Web baseado em data warehouse para o monitoramento on-line de eventos no sistema elétrico pelo processamento de múltiplas fontes de dados. Este trabalho está organizado da seguinte maneira. Na Seção 2 é descrita a arquitetura geral do sistema. Na Seção 3 descreve-se as bases de dados utilizadas para compor o data warehouse. Na Seção 4 mostra-se o protótipo do sistema desenvolvido e a Seção 5 apresenta as conclusões e trabalhos futuros. 2. Arquitetura do Sistema Em sistemas elétricos de potência, um grande número de mensagens e alarmes são gerados no momento da ocorrência de um evento. Esta grande quantidade de informação proveniente de múltiplas fontes dificulta a atividade dos especialistas da área no que tange ao monitoramento desses eventos. Assim, no cotidiano da supervisão, proteção e operação do sistema elétrico brasileiro, existem eventos cujas causas não são identificadas. Para equipar as empresas do setor elétrico com tecnologia suficiente para monitorar os eventos de interesse, este trabalho propõe o desenvolvimento de um sistema computacional com arquitetura conforme ilustrado na Figura 1. Como mandatório o sistema depende de uma etapa de integração de dados em um repositório intermediário denominado de staging area. O staging area, segundo [Kimball 2004], é parte integrante do data warehouse responsável por receber a extração, transformação e carga (ETL) das informações das múltiplas fontes de dados do sistema, para posterior geração dos dados de destino para o data warehouse. O modelo multidimensional do DW adotado é o estrela (star schema) [Kimball 2004, Machado 2004, Inmon 2005]. Neste modelo no centro da estrela encontra-se a tabela fato e, ao seu redor, as dimensões. A Figura 2 mostra o modelo multidimensional para identificação de ocorrências (eventos) em sistemas elétricos de potência. Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

3 Anais do Encontro Regional de Computa o e Sistemas de Informa o!"#$%&"'(#')%*+",#'!"#$%&'(%'()("&' 0;<' *+,-,'.' *,/0' 1&234"56)7)' 89)43:%$63)' 0%$+%)!"#$%&'()!"#"$%"&'()*+'$!"#$%&'() *#%+,-+).$/%)!"#$%&'#(&"(+,-"#.)/"*(!"#$%&'#(&"(&)&'*(!"#$%&'#(&"(0)1)*( *=>,?' =<>0'!"#$%&'()& Figura 1. Arquitetura geral do sistema proposto. Outro mo dulo do sistema, ainda em fase experimental, e o de classificac a o das distintas causas dos eventos. O desenvolvimento deste mo dulo e sem du vida uma tarefa difı cil. Mesmo a concepc a o de um conjunto razoa vel de classes (ou seja, uma taxonomia) para as causas e motivo de ponderac a o. Por exemplo, caso se queira distinguir eventos causados por queimadas de eventos causados por descargas atmosfe ricas provenientes de chuva, deve-se levar em conta qual a assinatura que os mesmos podem imprimir nas formas de onda de tensa o e corrente, visto que se assume na maior parte dos casos que na o ha sensores especiais (por exemplo, de temperatura) posicionados ao longo do sistema de transmissa o. Por fim o terceiro mo dulo trata-se de um sistema de informac a o geogra fica (SIG) para visualizac a o e o monitoramento on-line de eventos em sistemas ele tricos de pote ncia. O proto tipo do sistema desenvolvido e descrito na Sec a o 4. A pro xima sec a o descreve as bases de dados de interesse para o sistema. 3. Descric a o das Bases de Dados Esta sec a o trata da descric a o de uma maneira geral das bases de dados utilizadas para compor o data warehouse Dados provenientes do Sistema Nacional de Dados Ambientais (SINDA) SINDA e o sistema de coleta de dados por sate lite do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) 1 para monitoramento ambiental. Este sistema fornece dados para instituic o es nacionais governamentais e do setor privado que desenvolvem aplicac o es e pesquisas em diferentes a reas. Entre elas, podem ser citadas o monitoramento de bacias hidrolo gicas, a previsa o meteorolo gica e clima tica, o estudo da quı mica da atmosfera, o controle da poluic a o, a previsa o e mitigac a o de cata strofes e a avaliac a o do potencial de 1 Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

4 Figura 2. Modelo multidimensional do DW para identificação de eventos em sistemas elétricos de potência. energias renováveis. A coleta dos dados se faz por meio de Estações Ambientais Automáticas, também denominadas de Plataformas de Coleta de Dados (PDCs), compondo assim os Serviços Integrados de Dados Ambientais. Os PDCs são modernas estações destinadas à aplicações com satélites, munidas com células solares e baterias para o seu suprimento de energia, possibilitando estender de forma quase indefinidamente sua vida útil. Existem vários satélites com equipamentos apropriados para receber transmissões de PCDs e retransmiti-las para a Terra, onde podem ser disponibilizadas aos usuários de diversas maneiras. Para este trabalho os dados coletados são do período junho de 2007 à janeiro de 2013 obtidos do banco de dados de PCDs localizados no município de Altamira, sudoeste do Pará. Os dados coletados foram: Temperatura do Ar em Graus Celsius coletada instantaneamente a cada 3 horas. Temperaturas Máxima e Mínima do ar, em Graus Celsius Umidade Relativa do Ar, em %, coletada instantaneamente a cada 3 horas. Precipitação Acumulada, em mm, coletada a cada 3 horas. Pressão Atmosférica em mb, coletada instantaneamente a cada 3 horas. Velocidade do Vento em m/s. Média de 600 amostras com 1 segundo de intervalo entre as mesmas, coletadas durante 10 minutos que precedem a cada 3 horas. Alturas do nível do solo do sensor: 2, 3, 5 e 10 metros. Direção do Vento em Graus NV. Velocidade do Vento Máxima em m/s (Rajada) ocorrida nas últimas 3 horas, com intervalo de amostragem de 1 segundo. Direção em Graus NV para a qual ocorreu a máxima velocidade do vento nas últimas 3 horas (Direção da Rajada), com intervalo de amostragem de 1 segundo BDMEP O banco de dados de domínio público BDMEP 2 (Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa) armazena dados meteorológicos diários, referentes a séries históricas 2 Disponível em Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

5 da rede de estação do INMET (Instituto Nacional de Meteorologia) constituída de 291 estações com um total de cerca de três milhões de informações. Todas as medições são realizadas conforme determinação da Organização Meteorológica Mundial (OMM), com leituras diárias e simultâneas na rede de estações meteorológicas em todo o Globo, em três horários padrões, chamados sinóticos (12:00 TMG, 18:00 TMG e 00:00 TMG - TMG: Tempo Médio de Greenwich) correspondendo às 09:00h, 15:00h e 21:00h, horário de Brasília, respectivamente. Para a composição do DW foram coletados os dados de todas as subestações da região Norte. Da base original de dados climáticos definiu-se a extração das seguintes variáveis: precipitação acumulada em 24 horas, temperaturas máxima e mínima, umidade relativa do ar e velocidade do vento. Ambas as base de dados do BDMEP e do INPE são consideradas fontes externas às empresas do setor elétrico. Entre as fontes internas de dados, isto é, de domínio das próprias empresas do setor, foram disponiblizadas por uma concessionária de energia elétrica as bases de dados SAGE e PMU SAGE O SAGE, segundo [A.C.Pereira et al. 2004], é um Sistema Aberto de Gerenciamento de Energia que abrange desde a instalação de distribuição até um centro de operações. Por ser um sistema aberto, o SAGE contempla os conceitos de portabilidade, modularidade, interconectividade, interoperabilidade e escalabilidade. O SAGE pode ser configurado para um modelo de dados EMS (Energy Management System) ou simplesmente para um modelo de dados SCADA (Supervisory Control and Data Acquisition System). Sistemas SCADA são compostos por dispositivos conversores de parâmetros físicos para analógicos (sensores), atuadores (dispositivos capazes de ligar e desligar equipamentos), redes de comunicação, estações remotas e monitoração central (unidades principais dos sistemas SCADA). A base do SAGE é composta pelas seguintes bases: base fonte, responsável pela configuração do sistema; base de referência que serve de interface entre a base fonte e a base de operação, que contém informações em tempo real (base on-line). A base de referência contém dados cadastrais e provenientes do tempo real. Possui também diversas tabelas dentre as quais podemos citar a PAS-R (ponto analógico) e PDS-R (ponto digital); base histórica, que contém o histórico do sistema monitorado. Da base de dados do SAGE foram coletadas informações dos eventos ocorridos no período de setembro de 2010 à setembro de As subestações analisadas foram: Tucuruí, Rurópolis e Altamira todas localizadas no Estado do Pará. Entre as informações dos eventos analisados destacam-se: o timestamp do evento, o tipo de evento (por exemplo, desligamento ou alarme) e a identificação do ponto onde ocorreu o evento PMUs PMUs (Phasor Measurement Units) são equipamentos baseados em unidades de medição fasorial. Estes equipamentos são capazes de realizar a medição de grandezas fasoriais em instalações geograficamente distribuídas, a uma taxa de até 60 amostras por segundo [Ree et al. 2010]. Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

6 As PMUs são tecnologias recentes e representam um novo conceito para a supervisão e controle dos SEPs em tempo real. Essa característica só é possível, pois todas as medidas nas PMUs são realizadas com base no mesmo instante de tempo, a partir da fonte de sincronização fornecida por um sinal GPS (Global Positioning System). A estrutura de um sistema de medição fasorial depende, além da PMU, de outros equipamentos tais como as estações de recepção do sinal de GPS, os links de comunicação e o concentrador de dados. No contexto deste trabalho foram coletados os dados de PMUs das subestações de Tucuruí, Rurópolis e Altamira. Os dados foram coletados a uma taxa de amostragem de 10 amostras por segundo no período de setembro à novembro de Dos dados fornecidos pelas PMUs foram extraídos a magnitude e fase dos valores de tensão e corrente das três fases (A, B e C) incluindo o neutro que compõe um sistema típico de transmissão. 4. Protótipo do Sistema Desenvolvido Um Sistema de Informação Geográfica (SIG) é um sistema computacional projetado para coletar, armazenar, integrar, manipular, analisar e exibir dados em um ambiente espacialmente referenciado [Câmara et al. 1996]. Tais sistemas permitem analisar dados visualmente e observar padrões, tendências e relacionamentos que podem não ser visíveis em uma forma tabular ou escrita. SIGs representam diferentes tipos de dados e aplicações em várias áreas do conhecimento. Por exemplo, na otimização de tráfego, no controle cadastral, no gerenciamento de serviços de utilidade pública. Neste trabalho o SIG é utilizado para o monitoramento on-line de eventos que ocorrem nos sistemas elétricos de potência. Atualmente, com o expressivo avanço científico e tecnológico, já é possível disponibilizar, em ambiente Web, os recursos antes oferecidos somente em SIGs voltados à máquina local. Neste sentido, o protótipo do sistema foi desenvolvido com uma interface toda voltada para a Web. Para isso foram utilizadas algumas das principais tecnologias Web dentre a quais destacam-se: PrimeFaces 3 e Modest Maps 4. O PrimeFaces é um framework que oferece um conjunto de componentes RIA (Rich Interface Applications) para o padrão Java Server Faces (JSF) 5. Algumas de suas vantagens são: 30 temas incorporados, extensa documentação de suporte para o usuário e a utilização da API AJAX nativo. Este framework foi utilizado principalmente na tarefa de implementação dos gráficos estatísticos acerca de informações climáticas. O Modest Maps é uma biblioteca pequena, extensível e gratuita para designers e desenvolvedores que querem usar mapas interativos em seus próprios projetos. Ele fornece um pacote de recursos para implementação de mapas interativos com suporte a adição de novas funcionalidades. Para o protótipo do sistema a inferface Web consiste em uma tela inicial de login e senha conforme ilustra a Figura 3. Nessa tela, se o usuário tiver um cadastro no banco de dados ele terá acesso ao sistema onde poderá visualizar as informações acerca dos eventos ocorridos no sistema elétrico, das condições climatológicas e das medições fasorais Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

7 Figura 3. Tela inicial do protótipo desenvolvido. Após logar no sistema o usuário é conduzido a uma nova página (Figura 4) que consiste em um mapa interativo indicando os pontos(subestações) de coleta de informações. Figura 4. Tela com o mapa interativo indicando os pontos(subestações) de medição do sistema. Quando o usuário direciona o mouse sobre o marcador, o nome da subestação é apresentado e ao clicar em uma delas o usuário é redirecionado para uma página, onde as variáveis de interesse tais como média bimestral da temperatura máxima são apresentadas em forma gráfica para o usuário como mostra a Figura Conclusões Este trabalho apresentou os aspectos relacionados ao desenvolvimento do protótipo de um sistema de informação geográfica com interface Web integrado a um data waherouse para Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

8 Figura 5. Tela que mostra os gráficos estatísticos das variáveis de interesse. o monitoramento on-line de eventos que ocorrem em sistemas elétricos de potência. Apesar de ser um protótipo e ainda não ser aplicado atualmente em alguma empresa do setor de energia elétrica, este pode contribuir para que estas avancem na busca por execelência no atendimento de requisitos de qualidade rigorosos. Uma grande dificuldade encontrada foi integrar bases de dados distribuídas, heterogêneas e com um grande volume de informações, muito em função da não utilização aqui de ferramentas especificas que pudessem automatizar este processo. Com isso, como trabalho futuro, pretende-se adaptar este protótipo a ferramentas Open Source de integração dados tais como o Talend 6. Referências A.C.Pereira, L., C.Lima, L., J.R.S.Silva, A., A.Machado, P., F.P.Amorim, M., L.O.Filho, A., P.Azevedo, G., Lambert, N., D.Zarur, P., V.Tavares, V., L.C.Huang, J., Costa, M. R., G.Vidal, C., and E.Iencarelli, C. (2004). SAGE- Um Sistema Aberto para a Evoluç ao. Bollen, M. H. J., Gu, I.-H., Santoso, S., McGranaghan, M., Crossley, P., Ribeiro, M., and Ribeiro, P. (2009). Bridging the gap between signal and power. Signal Processing Magazine, IEEE. Câmara, G., Casanova, M. A., Hemerly, A. S., Magalhães, G. C., and Medeiros, C. M. B. (1996). Anatomia de Sistemas de Informação Geográfica. Inmon, W. H. (2005). Como construir o Data Warehouse. Editora Campus, Rio de Janeiro. Kimball, R. (2004). Data Warehouse Toolkit. Makron Books, São Paulo. Machado, F. N. R. (2004). Tecnologia e Projeto de Data Warehouse. Editora Érica. Morais, J., Pires, Y., Cardoso, C., and Klautau, A. (2010). A framework for evaluating automatic classification of underlying causes of disturbances and its application to short-circuit faults. IEEE Transactions Power Delivery, 25: Ree, J. D. L., Centeno, V., Thorp, J. S., and Phadke, A. G. (2010). Synchronized phasor measurement applications in power systems. IEEE Trans. Smart Grid, 1(1): Disponível em Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

esip- Sistema Integrado de Processo

esip- Sistema Integrado de Processo esip- Sistema Integrado de Processo Geração Distribuição Transmissão www.ecilenergia.com.br Integração dos dispositivos da SE na rede do esip Criação de uma Base de Dados Unificada Otimização no Deslocamento

Leia mais

Rede automática de coleta de dados meteorológicos para utilização em projetos e operação de linhas de transmissão de energia elétrica

Rede automática de coleta de dados meteorológicos para utilização em projetos e operação de linhas de transmissão de energia elétrica Rede automática de coleta de dados meteorológicos para utilização em projetos e operação de linhas de transmissão de energia elétrica Flávio de Carvalho Magina 1 Luiz Edival de Souza 2 1 INPE Instituto

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Disciplina: FLG 0253 - CLIMATOLOGIA I CONCEITOS INICIAIS Professor: Emerson Galvani Atuação do Geógrafo Climatologista: Ensino, pesquisa e profissional

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE Luciana Maria de Castro Mira¹, Bianca Antunes de S. R. Alves 2, Ana Paula Tavares 3, Luíz Henrique

Leia mais

Sistemas Supervisórios

Sistemas Supervisórios Sistemas Supervisórios Prof a. Michelle Mendes Santos michelle@cpdee.ufmg.br Sistemas Supervisórios Objetivos: Apresentação e posicionamento da utilização de sistemas supervisórios em plantas industriais;

Leia mais

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO.

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. J. A. P. MOUTINHO Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A ELETRONORTE Brasil RESUMO

Leia mais

AUTOMAÇÃO DA SUBESTAÇÃO DA USINA TERMELÉTRICA DE LINHARES (ES) COM O ELIPSE POWER

AUTOMAÇÃO DA SUBESTAÇÃO DA USINA TERMELÉTRICA DE LINHARES (ES) COM O ELIPSE POWER AUTOMAÇÃO DA SUBESTAÇÃO DA USINA TERMELÉTRICA DE LINHARES (ES) COM O ELIPSE POWER Este case apresenta a aplicação da solução Elipse Power para controlar a subestação da Usina Termelétrica de Linhares,

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

Palavras chave: Extensão universitária, Aquisição de dados, Observação; Tempo, Serie histórica

Palavras chave: Extensão universitária, Aquisição de dados, Observação; Tempo, Serie histórica MONITORAMENTO DO TEMPO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GERENCIAMENTO E USO DE DADOS METEOROLÓGICOS DA ESTAÇÃO AGROMETEOROLÓGICA DO CAV/UDESC LAGES, SC Célio Orli Cardoso, Centro de Ciências

Leia mais

ESTUDO DE CASO. Monitoramento ambiental remoto no Ártico Canadense (Peregrine Diamonds, Projeto Chidliak)

ESTUDO DE CASO. Monitoramento ambiental remoto no Ártico Canadense (Peregrine Diamonds, Projeto Chidliak) ESTUDO DE CASO Monitoramento ambiental remoto no Ártico Canadense (Peregrine Diamonds, Projeto Chidliak) Symboticware Incorporated www.symboticware.com Telefone: 1-800-519-5496 Monitoramento ambiental

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONDIÇÕES CLIMÁTICAS

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONDIÇÕES CLIMÁTICAS SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONDIÇÕES CLIMÁTICAS SUMÁRIO 1 Introdução...5 2 Sistema de monitoramento climático Ressonare...7 2.1 A rede de monitoramento...8 2.2 A coleta, o armazenamento e o acesso aos

Leia mais

Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia

Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia 56 Apoio Automação de subestações Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) O desenvolvimento das facilidades de comunicação

Leia mais

Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica

Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica Computação Gráfica II Sistemas de Informação Geográfica Prof. Anselmo C. de Paiva Depto de Informática Introdução aos Sistemas de Informação Geografica

Leia mais

Sistema Gestor de Áreas de Transformação (SIGAT): Gerenciando áreas de transformação de concessionárias do setor elétrico

Sistema Gestor de Áreas de Transformação (SIGAT): Gerenciando áreas de transformação de concessionárias do setor elétrico Sistema Gestor de Áreas de Transformação (SIGAT): Gerenciando áreas de transformação de concessionárias do setor elétrico Wagner da Costa Araújo 1, José Flávio Gomes Barros 2 1 Bacharel em Sistemas de

Leia mais

Especificações Técnicas e Funcionais

Especificações Técnicas e Funcionais Introdução Especificações Técnicas e Funcionais A presente Especificação, elaborada pela São Paulo Transporte S.A. SPTrans, tem como objetivo estabelecer os requisitos técnicos, operacionais e funcionais

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho GEOPROCESSAMENTO Herondino Filho Sumário 1. Introdução 1.1 Orientações Avaliação Referência 1.2 Dados Espaciais 1.2.1 Exemplo de Dados Espaciais 1.2.2 Aplicações sobre os Dados Espaciais 1.3 Categoria

Leia mais

Monitoramento e Controle Remotos do Microclima de uma Adega: Interface Programada em Java

Monitoramento e Controle Remotos do Microclima de uma Adega: Interface Programada em Java Monitoramento e Controle Remotos do Microclima de uma Adega: Interface Programada em Java Anderson P. Colvero 1, Guilherme P. Silva 1, Humberto B. Poetini 1 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Sistema de Detecção de Raios

Sistema de Detecção de Raios Tela do Sistema Apresentação Fig A O "Sistema de Detecção de Raios é um sistema de computador desenvolvido em conjunto com um sensor que mede o campo elétrico das descargas atmosféricas e tem a finalidade

Leia mais

Sistema de Detecção de Raios

Sistema de Detecção de Raios Tela do Sistema Apresentação Fig A O "Sistema de Detecção de Raios é um sistema de computador desenvolvido em conjunto com um sensor que mede o campo elétrico das descargas atmosféricas e tem a finalidade

Leia mais

Workshop sobre Soluções de Medição Fasorial Sincronizada. Florianópolis, 27-28/01/2010. openpdc. Marcelo N. Agostini LabPlan UFSC

Workshop sobre Soluções de Medição Fasorial Sincronizada. Florianópolis, 27-28/01/2010. openpdc. Marcelo N. Agostini LabPlan UFSC Workshop sobre Soluções de Medição Fasorial Sincronizada Florianópolis, 27-28/01/2010 openpdc Marcelo N. Agostini LabPlan UFSC Tópicos Principais openpdc Descrição Características Principais Documentação

Leia mais

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Yuri Kaszubowski Lopes Roberto Silvio Ubertino Rosso Jr. UDESC 24 de Abril de

Leia mais

SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG

SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG GPC / 02 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO V TEMA 2 SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG Gomes, N.S.(*) Andrade, S.R.C. Costa, C.A.B. Coutinho, C. E. B. CEMIG

Leia mais

RASTREAMENTO VEICULAR SEGURANÇA & LOGÍSTICA. Funcionalidade Gerenciamento Equipamentos Comunicação Benefícios

RASTREAMENTO VEICULAR SEGURANÇA & LOGÍSTICA. Funcionalidade Gerenciamento Equipamentos Comunicação Benefícios RASTREAMENTO VEICULAR SEGURANÇA & LOGÍSTICA Funcionalidade Gerenciamento Equipamentos Comunicação Benefícios Soluções ICS A ICS desenvolve soluções que utilizam hardware com tecnologia de ponta. Os softwares

Leia mais

Integração do SGBD Oracle Spatial e do Google Earth para disponibilizar informações relacionadas ao Inventário Florestal de Minas Gerais

Integração do SGBD Oracle Spatial e do Google Earth para disponibilizar informações relacionadas ao Inventário Florestal de Minas Gerais Integração do SGBD Oracle Spatial e do Google Earth para disponibilizar informações relacionadas ao Inventário Florestal de Minas Gerais Samuel R. de Sales Campos 1, Adriana Z. Martinhago 1, Thomas C.

Leia mais

SUBESTAÇÕES. SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga

SUBESTAÇÕES. SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga SUBESTAÇÕES SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga SCMS / STRAY CURRENT MONITORING SYSTEM (SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CORRENTE DE FUGA) Definição de corrente de fuga O funcionamento dos sistemas

Leia mais

FAQ 2010. Frequently Asked Questions. Perguntas Frequentes

FAQ 2010. Frequently Asked Questions. Perguntas Frequentes Frequently Asked Questions Perguntas Frequentes FAQ Perguntas Frequentes OCPTEC com o intuito de facilitar a navegação de seus usuários em seu site resolveu criar o FAQ (Frequently Asked Questions), Perguntas

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

CENTRO DE MEDIÇÃO FASORIAL SÍNCRONA

CENTRO DE MEDIÇÃO FASORIAL SÍNCRONA CENTRO DE MEDIÇÃO FASORIAL SÍNCRONA Daniel Martins - 31/03/2011 1. OBJETIVO Este trabalho descreve os procedimentos técnicos adotados para instalação de uma plataforma de aquisição, armazenamento, sincronização

Leia mais

Palavras-chave: On-line Analytical Processing, Data Warehouse, Web mining.

Palavras-chave: On-line Analytical Processing, Data Warehouse, Web mining. BUSINESS INTELLIGENCE COM DADOS EXTRAÍDOS DO FACEBOOK UTILIZANDO A SUÍTE PENTAHO Francy H. Silva de Almeida 1 ; Maycon Henrique Trindade 2 ; Everton Castelão Tetila 3 UFGD/FACET Caixa Postal 364, 79.804-970

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE PARA ACESSO AO BANCO DE DADOS METEOROLÓGICOS DO CPTEC/INPE.

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE PARA ACESSO AO BANCO DE DADOS METEOROLÓGICOS DO CPTEC/INPE. DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE PARA ACESSO AO BANCO DE DADOS METEOROLÓGICOS DO CPTEC/INPE. Bianca Antunes de S. R. Alves 1, Luciana M. C. Mira 2, Ana Paula Tavarez 3, José Alberto Ferreira 4, Luíz Henrique

Leia mais

ELIPSE E3 AGILIZA A DETECÇÃO DE OCORRÊNCIAS QUE VENHAM A ATINGIR A LINHA 4 DO METRÔ DE SÃO PAULO

ELIPSE E3 AGILIZA A DETECÇÃO DE OCORRÊNCIAS QUE VENHAM A ATINGIR A LINHA 4 DO METRÔ DE SÃO PAULO ELIPSE E3 AGILIZA A DETECÇÃO DE OCORRÊNCIAS QUE VENHAM A ATINGIR A LINHA 4 DO METRÔ DE SÃO PAULO Este case apresenta a aplicação do E3 para monitorar e executar comandos junto aos mais diferentes setores,

Leia mais

RETIFICADOR INDUSTRIAL TRIFÁSICO RIT-MP

RETIFICADOR INDUSTRIAL TRIFÁSICO RIT-MP RETIFICADOR INDUSTRIAL TRIFÁSICO RIT-MP Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento Rua da Várzea 379 CEP 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469 engenharia@cp.com.br 1.

Leia mais

Sistema de Processamento de Dados de Radiação Solar (SPDRAD)

Sistema de Processamento de Dados de Radiação Solar (SPDRAD) Sistema de Processamento de Dados de Radiação Solar (SPDRAD) Leandro de Oliveira Macedo *,** e Juan Carlos Ceballos * * Divisão de Satélites e Sistemas Ambientais, CPTEC, INPE Cachoeira Paulista SP. **

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

Sistema de Supervisão de Rede Óptica

Sistema de Supervisão de Rede Óptica WORKSHOP sobre TELECOMUNICAÇÕES DO RIO MADEIRA Soluções para LT de Longa Distância Sistema de Supervisão de Rede Óptica Paulo José Pereira Curado Gerente de Tecnologia de Rede Óptica 17/03/2010 Sumário

Leia mais

Sistemas de controle para processos de bateladas

Sistemas de controle para processos de bateladas Sistemas de controle para processos de bateladas Por Alan Liberalesso* Há algum tempo os processos de batelada deixaram de ser um mistério nas indústrias e no ambiente de automação. O cenário atual nos

Leia mais

Sistema de Entrega para Suporte Varejista Utilizando a Metaheurística GRASP

Sistema de Entrega para Suporte Varejista Utilizando a Metaheurística GRASP Sistema de Entrega para Suporte Varejista Utilizando a Metaheurística GRASP Gil Romeu A. Pereira 1, Ivairton M. Santos 1 1 Universidade Federal de Mato Grosso(UFMT) Campus Universitário do Araguaia Instituto

Leia mais

Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd.

Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd. XXI Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2014-08 a 13 de novembro Santos - SP - Brasil CLOVIS SIMOES Thomas Mach Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd. simoes@spinengenharia.com.br

Leia mais

SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO

SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO 1 SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO VISÃO GERAL O Sistema de Rastreio Óptico, ou simplesmente SISROT, foi desenvolvido com o objetivo de rastrear foguetes nos primeiros instantes de

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO GSE/ 19 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VIII GRUPO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS (GSE) SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO

Leia mais

SAGE- Um Sistema Aberto para a Evolução

SAGE- Um Sistema Aberto para a Evolução SAGE- Um Sistema Aberto para a Evolução Luiz A.C.Pereira, Luiz C.Lima, Antônio J.R.S.Silva, Paulo A.Machado, Maria F.P.Amorim, Ayru L.O.Filho, Gilberto P.Azevedo, Nivaldo Lambert, Pedro D.Zarur, Vladimir

Leia mais

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA.

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. Uma significativa parcela dos sistemas de automação de grandes empresas são legados de tecnologias de gerações anteriores,

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos

Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos Caroline Julliê de Freitas RIBEIRO¹, Vantuil José de OLIVEIRA NETO¹, Gabriel

Leia mais

DQuest. Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless

DQuest. Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless DQuest Localização Localização, controle e gerenciamento de frotas Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless

Leia mais

Automação de Subestações

Automação de Subestações Automação de Subestações Geração Distribuição Transmissão Indústria Produtos e Serviços: Merging Units Gateway DNP -IEC 61850 Projeto, Integração, TAF, TAC Montagem de Painéis Configuração de Sistemas

Leia mais

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 Solução da Elipse Software apresenta rápida integração com os equipamentos da subestação localizada em

Leia mais

SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 467 METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE CORRELAÇÃO ENTRE INTERRUPÇÕES E CAUSAS EM SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA C. C. B. de

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

Seminário Nacional AESBE 30 anos

Seminário Nacional AESBE 30 anos Experiências de Sucesso nas Empresas Estaduais de Saneamento TELEMETRIA 26/08/2015 Silvana Corsaro Candido da Silva de Franco, Gerente do Departamento de Planejamento, Gestão e Operação da Produção Seminário

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos GEOPROCESSAMENTO INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Prof. Esp. André Aparecido da Silva Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Conceitos básicos Componentes de um SIG Entrada de Dados em Geoprocessamento

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A.

SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A. SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A. Carlos Augusto Morales Rodriguez 1, Jojhy Sakuragi 2, Domingos

Leia mais

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local SUBESTAÇÕES Comando de controle e Scada local COMANDO DE CONTROLE E SCADA LOCAL A solução fornecida pela Sécheron para o controle local e para o monitoramento das subestações de tração é um passo importante

Leia mais

Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados. SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition

Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados. SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition São sistemas que utilizam software para monitorar e supervisionar as variáveis e os dispositivos de sistemas

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC FLORIANÓPOLIS OUTUBRO 2011 1 O presente documento é o resultado da viagem solicitada pelo chefe do Ciram Edson Silva

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO Autores: ISABEL GRAZINA Eng.ª Civil, EDIA, Rua Zeca Afonso, 2 7800-522 Beja, 00351284315100, igrazina@edia.pt JOSÉ CARLOS

Leia mais

Comunicado 35 Técnico

Comunicado 35 Técnico Comunicado 35 Técnico ISSN 1516-8638 Jaguariúna, SP Maio, 2006 Estação Meteorológica Automática da Embrapa Meio Ambiente Anderson Soares Pereira 1 A Embrapa Meio Ambiente, localizada no município de Jaguariúna,

Leia mais

Interface Gráfica para Supervisionar Potências de Circuitos Elétricos

Interface Gráfica para Supervisionar Potências de Circuitos Elétricos Interface Gráfica para Supervisionar Potências de Circuitos Elétricos Francisco Carlos Parquet Bizarria fcpbiz@gmail.com UNITAU José Walter Parquet Bizarria jwpbiz@gmail.com UNITAU Rogerio Oliveira de

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

nálise da qualidade de nergia de forma direta

nálise da qualidade de nergia de forma direta Análise da qualidade de energia de forma direta: Log contínuo ciclo a ciclo de todas as variáveis elétricas. Resolução de até 1.024 amostras por ciclo Sem necessidade de ajustes e parametrizações. Memória

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

Curso sobre Medição Fasorial. Sistemas de Medição Fasorial Sincronizada

Curso sobre Medição Fasorial. Sistemas de Medição Fasorial Sincronizada Curso sobre Medição Fasorial Teoria e Prática Sistemas de Medição Fasorial Sincronizada Synchronized Phasor Measurement Systems - SPMS Marcelo N. Agostini LabPlan / UFSC 08-09/11/2007 Tópicos Arquitetura

Leia mais

PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis

PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis Gabriel Galvão da Gama 1 ; Reginaldo Rubens da Silva 2 ; Angelo Augusto Frozza 3 RESUMO Este artigo descreve um projeto

Leia mais

SISTEMA PARA AUTOMATIZAR O MONITORAMENTO DE ROTEADORES DE UM PROVEDOR DE ACESSO

SISTEMA PARA AUTOMATIZAR O MONITORAMENTO DE ROTEADORES DE UM PROVEDOR DE ACESSO FURB Universidade Regional de Blumenau Bacharelado em Ciência da Computação SISTEMA PARA AUTOMATIZAR O MONITORAMENTO DE ROTEADORES DE UM PROVEDOR DE ACESSO Jean Victor Zunino Miguel Alexandre Wisintainer

Leia mais

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Jump Qgis Thuban MapServer

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Visualizador de informações Agro metereológicas para TV de Alta Definição - AgroTV

Visualizador de informações Agro metereológicas para TV de Alta Definição - AgroTV Visualizador de informações Agro metereológicas para TV de Alta Definição - AgroTV Fillipi Truppel Fernandes truppelfernandes@gmail.com Instituto Federal de Santa Catarina Departamento de Metal Mecânica

Leia mais

,96%4(( 3RUWR$OHJUH56DGHDJRVWRGH. 80%$1&2'('$'265(/$&,21$/3$5$2*(5(1&,$0(172'$48$/,'$'('$ (1(5*,$(/e75,&$

,96%4(( 3RUWR$OHJUH56DGHDJRVWRGH. 80%$1&2'('$'265(/$&,21$/3$5$2*(5(1&,$0(172'$48$/,'$'('$ (1(5*,$(/e75,&$ ,96%4(( 3RUWR$OHJUH56DGHDJRVWRGH 80%$1&2'('$'265(/$&,21$/3$5$2*(5(1&,$0(172'$48$/,'$'('$ (1(5*,$(/e75,&$ Délio E. B. Fernandes*, Mário F. Alves 3RQWLItFLD8QLYHUVLGDGH&DWyOLFDGH0LQDV*HUDLV38&0* 5(6802 Com

Leia mais

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Um Único Dispositivo para Monitoramento e Controle Há várias formas de melhorar a eficiência e a confiabilidade

Leia mais

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios 30 Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A principal ferramenta para a operação de uma subestação de energia

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Alerta da Bacia do Itajaí

Sistema de Monitoramento e Alerta da Bacia do Itajaí Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de SC Sistema de Monitoramento e Alerta da Bacia do Itajaí Tecnologia e Sistemas de Informação Lúcia Morais Kinceler Previsão e monitoramento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE

SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE Marcio Jose Mantau,1 Giovane Farias Aita2, Jaison Ademir Savegnani3, Carlos Alberto Barth4 Palavras-chave: Sistemas de

Leia mais

UM SISTEMA OPERACIONAL DE VISUALIZAÇÃO DE PRODUTOS METEOROLÓGICOS

UM SISTEMA OPERACIONAL DE VISUALIZAÇÃO DE PRODUTOS METEOROLÓGICOS UM SISTEMA OPERACIONAL DE VISUALIZAÇÃO DE PRODUTOS METEOROLÓGICOS José Fernando Pesquero Prakki Satyarmurty Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Leia mais

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 CATÁLOGO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Relé de Proteção de Motores RPM foi desenvolvido para supervisionar até 2 (dois) grupos ventiladores/motores simultaneamente, é utilizado

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

Aplicações e Serviços Baseados em Localização

Aplicações e Serviços Baseados em Localização Aplicações e Serviços Baseados em Localização Introdução à Computação Móvel Adolfo Correia Sumário Introdução Taxonomia de Aplicações Arquitetura Técnicas de Localização Conclusão Introdução Integram a

Leia mais

Wireless Solutions BROCHURE

Wireless Solutions BROCHURE Wireless Solutions BROCHURE JUNHO 203 info@novus.com.br www.novus.com.br REV0803 Produto beneficiado pela Legislação de Informática. Transmissor de Temperatura e Umidade RHT-Air ISO 900 EMPRESA CERTIFICADA

Leia mais

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria.

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria. Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro Respostas para a indústria. Percepção, previsão, visão ampliada: SIMOCODE pro integrado no SIMATIC PCS7 O sistema flexível de gerenciamento de motores

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE Fabio Favaretto Professor adjunto - Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

SAD orientado a DADOS

SAD orientado a DADOS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a DADOS DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD orientado a dados Utilizam grandes repositórios

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

Plano Básico Ambiental

Plano Básico Ambiental Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e Plano Básico Ambiental SEÇÃO VI - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO RADIOLÓGICO Projeto 4 Monitoramento Meteorológico 0 Emissão inicial 14/06/2010

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Thiago Locatelli de OLIVEIRA, Thaynara de Assis Machado de JESUS; Fernando José BRAZ Bolsistas CNPq; Orientador IFC Campus Araquari

Thiago Locatelli de OLIVEIRA, Thaynara de Assis Machado de JESUS; Fernando José BRAZ Bolsistas CNPq; Orientador IFC Campus Araquari DESENVOLVIMENTO DE AMBIENTE PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO RELACIONADO AOS DADOS PRODUZIDOS PELO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE TRANSITO DA CIDADE DE JOINVILLE/SC PARTE I Thiago Locatelli de OLIVEIRA, Thaynara

Leia mais

PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA TRÁFEGO URBANO

PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA TRÁFEGO URBANO PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA TRÁFEGO URBANO Ricardo Schmidt Carlos Barros Montez Werner Kraus Junior Keli Cristina Manini Michel Pires de Araújo Departamento de Automação e

Leia mais

Digifort Enterprise A mais completa solução Digifort para monitoramento de câmeras e alarmes.

Digifort Enterprise A mais completa solução Digifort para monitoramento de câmeras e alarmes. Digifort Enterprise A mais completa solução Digifort para monitoramento de câmeras e alarmes. A versão Enterprise é o pacote que compreende todos os recursos disponíveis para o Sistema Digifort, oferecendo

Leia mais

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Contexto As pressões do mercado por excelência em qualidade e baixo custo obrigam as empresas a adotarem sistemas de produção automatizados

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Sistemas de Informação Aplicados a AgroIndústria Utilizando DataWarehouse/DataWebhouse

Sistemas de Informação Aplicados a AgroIndústria Utilizando DataWarehouse/DataWebhouse Sistemas de Informação Aplicados a AgroIndústria Utilizando DataWarehouse/DataWebhouse Prof. Dr. Oscar Dalfovo Universidade Regional de Blumenau - FURB, Blumenau, Brasil dalfovo@furb.br Prof. Dr. Juarez

Leia mais

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA Central de Coleta e Armazenamento de Dados (Especificação) A Central de Coleta e Armazenamento de Dados deverá apresentar as seguintes características: 1. Receber, de forma contínua,

Leia mais

Sistemas de monitoramento on-line aplicados aos diversos segmentos do sistema elétrico. David Scaquetti

Sistemas de monitoramento on-line aplicados aos diversos segmentos do sistema elétrico. David Scaquetti Sistemas de monitoramento on-line aplicados aos diversos segmentos do sistema elétrico David Scaquetti Introdução Importância dos transformadores no sistema de potência Evolução do monitoramento: - Medição

Leia mais

SIGMACast: Sistema de Informação Geográfica focado em aplicações meteorológicas e ambientais

SIGMACast: Sistema de Informação Geográfica focado em aplicações meteorológicas e ambientais SIGMACast: Sistema de Informação Geográfica focado em aplicações meteorológicas e ambientais Cíntia Pereira de Freitas¹; Wagner Flauber Araujo Lima¹ e Carlos Frederico de Angelis¹ 1 Divisão de Satélites

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA. 1. Sistema de Monitoramento da Frota O Sistema de Monitoramento da Frota será implantado pela concessionária para

Leia mais