Corte transversal da fibra

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Corte transversal da fibra"

Transcrição

1 Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Curso de Arquivologia Disciplina: Conservação e Restauração de Documentos Profa. Lillian Alvares Fabricação do Papel

2 A invenção - Ministro de vários imperadores chineses, Ts ai Lun, é até hoje reconhecido como o inventor do papel, em cerca de 105 d.c.

3 A rota do papel, entre 105 A.C. e 1144

4 Constituição da fibra de madeira Corte transversal da fibra Hemi-celulose Celulose madeira produtos paralelos lignina holo-celulose Ligninai 6 % 22 % 72 % hemi-celulose celulose % 38 %

5 O papel - Suas propriedades químicas e físico-mecânicas permitem inúmeras aplicações. - Aqueles usados para escrita e impressão devem ser bem - Lisos - Opacos. - Aqueles usados na produção de jornais - Não precisam ter grande durabilidade com relação à brancura (na verdade amarelam-se facilmente), - Devem resistir à tração a que são submetidos nas máquinas de impressão.

6 O papel - Papéis sanitários (guardanapos, papéis toalha e higiênicos e os usados em fraldas descartáveis e absorventes) - Devem ser macios. - Papéis usados em embalagens (caixas e sacos) - Devem apresentar boa resistência, pois não podem romper-se com facilidade.

7 O papel - Pode-se estudar o papel pela - Matéria-prima - Reagentes químicos - Pelos processos empregados em sua produção.

8 História - O papiro foi amplamente utilizado na Antigüidade por egípcios, fenícios e gregos e, também, por povos da Europa durante a Idade Média. - Entretanto, o seu escasseamento, associado à impossibilidade de importação em função das guerras, levou à procura de novos materiais para a escrita.

9 História - Os chineses mantiveram por muitos séculos o segredo de sua fabricação.. A expansão para o Ocidente começou em 751, quando prisioneiros chineses introduziram, na Ásia Central, a indústria do papel.

10 História - Daí em diante, o uso do papel foi cada vez mais disseminado e surgiram fábricas em cidades como Bagdá e Damasco. - Na Europa, a primeira fábrica de papel surgiu na Espanha em 1144 e, ao final do século XVI, o papel já era manufaturado em todo o continente europeu. - A Alemanha foi o grande líder na fabricação de papel - Hoje, a empresa alemã Heilderberg é a maior fabricante de equipamentos para impressão.

11 Fabricação - O papel é formado por fibras celulósicas que se entrelaçam umas com as outras, garantindo a sua resistência. - A principal matéria-prima para a obtenção industrial dessas fibras é a madeira, proveniente do tronco das árvores. - Além das fibras da madeira, também podem ser utilizadas as fibras de bambu, bagaço de cana, algodão, linho e sisal. - Trapos de tecido também chegaram a ser empregados pelos chineses na produção de seus primeiros papéis.

12 Fabricação - A madeira é formada por vários tipos de células, cujas funções são: - Sustentação da árvore - Transporte de líquidos - Armazenamento de suprimentos. - As células da madeira são unidas por uma substância chamada lignina, que funciona como um cimento, dando-lhe rigidez e resistência.

13 Fabricação - No Brasil, a produção de celulose e papel utiliza essencialmente espécies de eucalipto, que levam de seis a sete anos para atingir a idade d de corte (muito menos do que em qualquer outro lugar do mundo).

14 Fabricação - Para produzir uma tonelada de papel são consumidas cerca de 20 árvores de eucalipto. - Algumas espécies de pinus também são utilizadas, principalmente na região Sul do país. - A produção de celulose baseia-se principalmente em florestas plantadas, embora alguns países asiáticos, a América do Norte e a Europa ainda utilizem florestas nativas.

15 Fabricação - Aqui no Brasil, as principais i i áreas de reflorestamento t estão localizadas nas regiões Sudeste e Sul, envolvendo os estados de - Minas Gerais, - São Paulo, - Espírito Santo, - Santa Catarina - Rio Grande do Sul. - Também há áreas de reflorestamento nos estados da - Bahia, - Pará e - Maranhão.

16 Fabricação - A fim de evitar alguns problemas relacionados à atividade de reflorestamento, como a fauna, muitas empresas do setor têm preservado áreas de mata nativa próximas à floresta plantada.

17 Fabricação - Essas áreas englobam as margens dos rios e córregos, as nascentes, os lagos e as áreas de declive. - Essa preservação minimiza também os problemas de assoreamento dos cursos d água.

18 Fabricação - Os grandes avanços nos campos da silvicultura e da biotecnologia permitiram que o Brasil se tornasse o - Primeiro produtor mundial de celulose branqueada de eucalipto (também chamada de celulose l de fibra curta), - Sétimo produtor mundial de celulose (incluindo fibras curtas e longas, estas últimas provenientes de pinus) - Décimo segundo produtor mundial de papel.

19 Fabricação Corte das árvores - A obtenção da celulose que será usada na fabricação do papel começa com o corte das árvores nas áreas de reflorestamento. - Após a remoção dos galhos, as toras de madeira são cortadas em tamanhos apropriados p e transportadas para a fábrica.

20 Fabricação - Polpação - Lá, a madeira é descascada e as cascas removidas (são utilizadas para geração de energia, por meio de sua queima). - As toras descascadas são lavadas e picadas em cavacos com dimensões específicas, a fim de facilitar a difusão dos reagentes químicos que serão utilizados. - Na forma de cavacos, a madeira está pronta para ir para a polpação.

21 Fabricação - Polpação - O processo de polpação tem como objetivo facilitar a separação das fibras e melhorar suas propriedades para a fabricação do papel. - Com a utilização desse processo químico, somente 40% a 50% da massa total inicial da madeira é aproveitada. - A polpação pode ser realizada por meio de um processo químico, no qual é retirada da madeira a maior parte da lignina, além de outros constituintes menos abundantes. - O processo químico de polpação mais utilizado no Brasil é o processo kraft.

22 Fabricação Moagem - Para fazer o papel,, a celulose é misturada à água para desagregação das fibras. - Algumas vezes, as fibras são submetidas a tratamentos mecânicos (chamados de refino) semelhantes a uma moagem, para torná-las mais adequadas para a fabricação do papel,, tornando-o o mais macio, liso, resistente ao rasgo ou mais absorvente. - Vários aditivos, como colas, cargas minerais, controladores de ph e corantes, podem ser acrescentados nessa fase.

23 Fabricação Tipos de Papel - De acordo com sua finalidade, os papéis podem ser classificados em - papéis para impressão - acetinado - bíblia - bouffant - couché - imprensa - jornal - mimeógrafo - monolúcido - offset

24 Fabricação Tipos de Papel - De acordo com sua finalidade, d os papéis podem ser classificados em: - papéis p para escrever - apergaminhado - correspondência aérea - segundas-vias

25 Fabricação Tipos de Papel - De acordo com sua finalidade, os papéis podem ser classificados em: - papéis para embalagem

26 Fabricação Tipos de Papel - De acordo com sua finalidade, os papéis podem ser classificados em: - papéis para fins sanitários - higiênico - toalha - guardanapo - lenço

27 Fabricação Tipos de Papel - De acordo com sua finalidade, os papéis podem ser classificados em: - papéis especiais - base para carbono - cigarros e afins - crespado - para desenho - heliográfico - absorventes - filtrantes

28 Fabricação Tipos de Papel - De acordo com sua finalidade, os papéis podem ser classificados em: - papéis não classificados - para cabos elétricos - fios telefônicos - condensadores

29 Fabricação Tipos de Papel - Fibras recicladas, obtidas de papéis que já foram usados, também podem ser adicionadas de elementos para dar as características. - As quantidades de aditivos nas fibras recicladas empregadas dependem da finalidade do papel a ser produzido e das exigências do mercado consumidor. - Na máquina de papel é produzida uma folha única de papel,, que é enrolada em bobinas e, posteriormente, embalada para ser enviada ao mercado consumidor.

30 Fabricação de Papel Questões Ambientais - Os odores característicos dos compostos voláteis de enxofre (mercaptanas) que se formam durante a remoção da lignina pelo. - Mesmo em baixas concentrações, a presença desses compostos pode ser facilmente percebida na região que circunda as fábricas. - As empresas produtoras de celulose utilizam equipamentos de desodorização e caldeiras de recuperação de produtos químicos e realizam o monitoramento contínuo de suas emissões gasosas. - Contudo, o problema ainda não foi totalmente solucionado. É nos estágios de branqueamento que se encontra um dos principais problemas ambientais causados pelas indústrias de celulose.

31 Fabricação Fases da Produção - As cinco fases principais em fabricação de papel,, porém, permanecem inalteradas: 1) Estoque de cavacos 2) Fabricação da Polpa 3) Branqueamento 4) Formação da Folha 5) Acabamento

32 Fabricação Fases da Produção 1. Estoque de cavacos - O eucalipto é uma das principais arvores usada na fabricação do papel - Após sete anos, estão prontos para serem cortadas. - Após o corte as toras são descascadas e estas cascas são recuperadas e usadas como combustível para produzir vapor e eletricidade.

33 Fabricação Fases da Produção 2. Fabricação da Polpa - A madeira é feita principalmente de fibras celulosas aderidas umas às outras com uma "cola" chamada lignina. - Para converter madeira em polpa, devemos então separar estas fibras ou seja remover a lignina.

34 Fabricação Fases da Produção 2. Fabricação da Polpa - Processo Mecânico: - A polpa é obtida na prensagem dos troncos contra pedras de moer na presença de água. - O processo pode ser mais eficiente se antes passar a madeira em refinadores. Muito freqüentemente, este desfibrar é terminado na presença de vapor e o produto é chamado de polpa termomecânica. - A adição de reagente para a separação das fibras celulosas da lignina resulta em polpa p termoquimomecânica. - Podem ser usados estes tipos diferentes de polpas mecânicas, por exemplo, para fabricação de papel jornal.

35 Fabricação Fases da Produção 2. Fabricação da Polpa - Processo Químico: Polpa química (normalmente chamado de processo "Kraft"" que em alemão que dizer "Forte"). - Neste processo os cavacos estão misturados com substâncias químicas e cozido a alta pressão em imensos vasos de pressão chamados digestores. A ação combinada das substâncias químicas e o calor dissolve a lignina e as separa das fibras. Papéis feitos de polpa química são muito fortes. - Por exemplo, eles são usados fazer bolsas de supermercado.

36 Fabricação Fases da Produção 2. Fabricação da Polpa - Processo por reciclagem: Reciclagem do papel é feito com aparas (pedaços de papel) ) misturando água e desintegrando em pulpers (liqüidificadores enormes). - Contaminantes (plástico, metal, copo, polyetileno, etc.) são afastados da mistura usando telas e limpadores. - Se necessário, da polpa resultante é feito a retirada da tinta pela ação combinada de água, substâncias químicas, calor e energia mecânica. - A polpa reciclada é usada freqüentemente para fabricar papel cartão, papel jornal como também papéis usados na industria e nos lares como: papel higiênico, toalhas, lenços e guardanapos de papel,, e assim por diante.

37 Fabricação Fases da Produção 3. Branqueamento - Para a fabricação de certos tipos de papel,, a polpa deve ser branqueada. - Para isso são usados produtos químicos para dissolver ou eliminar a lignina (adesivo natural das fibras) restante. - A polpa resultante não só é mais branca, mas também tem uma tendência menor de amarelar com o passar do tempo. - Pesquisa intensiva e investimentos ajudaram consideravelmente a indústria papeleira e a a reduzir o impacto ambiental do processo de Branqueamento.

38 Fabricação Fases da Produção 4. Formação da Folha - Quando a polpa chegar à caixa de entrada da máquina de papel, seu conteúdo de água excede 97%. - A mistura é lançada sob a forma de um jato fino e uniforme sobre uma tela móvel chamada de tela formadora. - A ação filtrante desta tela formadora, combinada com um sistema de vácuo, extrai a maior parte da água contida na polpa formando assim a folha de papel.

39 Fabricação Fases da Produção 4. Formação da Folha - A folha é prensada entre rolos para remover mais água. - A folha então atravessa a seção de secagem onde entra em contato t com cilindros enormes que estão geralmente aquecido com vapor, extraindo a maior parte da água restante através da evaporação. - No final da máquina, o papel é enrolado em enormes mandris (rolo jumbo), que são rebobinados e segmentados em rolos menores, seguindo para a seção de conversão ou de acabamento.

40 Fabricação Fases da Produção 5. Acabamento - De posse de "pequenas bobinas" (quando comparadas ao rolo jumbo), o acabamento é o setor da fábrica responsável pela conversão em folhas cortadas (tipo expediente) e pela embalagem de todos os produtos acabados. - Para este processo dispõe de modernos equipamentos que são responsáveis pelo corte e empacotamento dos papéis de expediente, onde a bobina é cortada em folhas formato padrão (A4, Ofício II, etc.) - Hoje em dia devido ao alto grau de tecnologia na maioria das fábricas toda a produção é realizada, automaticamente, sem contato manual.

41 Fabricação Fases da Produção

42 Características dos Papéis

43 Até o fim do século XVIII Características: Documentos eram escritos sobre papéis feitos a mão, a partir de trapos de algodão ou linho. O componente principal era pura celulose. Nenhum aditivo com efeito danoso. Resultado: PAPÉIS DE GRANDE RESISTÊNCIA E DURABILIDADE

44 Até o fifim d do século é l XVIII - Algodão e linho: fibras longas e de alta qualidade qualidade. - Processamento suave. - Encolagem g com adesivos naturais. - Carbonato de cálcio como carga principal

45 Depois de 1850 Características: Colagem de breu e alúmen Cargas de silicatos, sulfatos e óxidos Resíduos de produtos não-celulósicos ló Processamento em meio ácido Resíduos químicos do processamento Resultado: PAPEL ÁCIDO, DE BAIXA DURABILIDADE

46 De 1850 a 1990 Milhões de livros e documentos estão sendo ameaçados pela acidificação.

47 Depois de 1990 Características: Indústria reformula os processos de beneficiamento da celulose. Questões ambientais e econômicas. A volta do carbonato de cálcio como carga principal. Resultado: Papel alcalino Celulose com maior teor de pureza Fibras processadas por métodos mais suaves Colagem alcalina Aumento da durabilidade d

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc.

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc. Ciclo de Vida Papel Há divergência quanto ao período de surgimento do papel, pois foi um processo que foi sendo desenvolvido ao longo dos anos, porém há registros deste sendo utilizado primeiramente pelos

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 10 Reciclagem de Papel. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Maio de 2015.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 10 Reciclagem de Papel. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Maio de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 10 Reciclagem de Papel Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Maio

Leia mais

OBTENÇÃO DA PASTA CELULÓSICA E PAPEL

OBTENÇÃO DA PASTA CELULÓSICA E PAPEL OBTENÇÃO DA PASTA CELULÓSICA E PAPEL FIBRAS PARA PAPEL INDÚSTRIA DE CELULOSE E PAPEL O que é polpação? O que é polpação? Polpação é o processo pelo qual a madeira é reduzida a uma massa fibrosa. Isto significa

Leia mais

Opapel é um dos materiais mais

Opapel é um dos materiais mais QUÍMICA E SOCIEDADE Celênia Pereira Santos, Iêda Nunes dos Reis, José Eduardo Borges Moreira e Lilian Borges Brasileiro Diferentes propriedades químicas e físico-mecânicas do papel permitem suas inúmeras

Leia mais

Não compreendo civilização sem papel. Ele se presta aos mais tristes e ignóbeis fins, mas isso não lhe macula a honra intrínseca.

Não compreendo civilização sem papel. Ele se presta aos mais tristes e ignóbeis fins, mas isso não lhe macula a honra intrínseca. Não compreendo civilização sem papel. Ele se presta aos mais tristes e ignóbeis fins, mas isso não lhe macula a honra intrínseca. Carlos Drummond de Andrade ORIGENS SUPORTE Antes do papel, o suporte da

Leia mais

Professora. Trabalhar com a reciclagem de materiais, além de valorizar as instalações escolares já feitas com esse tipo de material.

Professora. Trabalhar com a reciclagem de materiais, além de valorizar as instalações escolares já feitas com esse tipo de material. Professora 1. Objetivos Gerais A partir do maior conhecimento do trabalho do professor, fazer com que os alunos percebam a importância de se trabalhar com papel e demais materiais reciclados. Outro assunto

Leia mais

Benchmarking de Fábricas de Celulose e Papel Tipos de Papéis Rev. 29.01.13

Benchmarking de Fábricas de Celulose e Papel Tipos de Papéis Rev. 29.01.13 Benchmarking de Fábricas de Celulose e Papel Tipos de Papéis Rev. 29.01.13 PAPÉIS PARA IMPRIMIR E ESCREVER 1. PAPÉIS DE IMPRIMIR BÍBLIA Papel fabricado com pasta química branqueada, gramatura máxima de

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEOR DE FIBRAS RECICLADAS NAS PROPRIEDADES FÍSICO- MECÂNICAS DO PAPEL

INFLUÊNCIA DO TEOR DE FIBRAS RECICLADAS NAS PROPRIEDADES FÍSICO- MECÂNICAS DO PAPEL INFLUÊNCIA DO TEOR DE FIBRAS RECICLADAS NAS PROPRIEDADES FÍSICO- MECÂNICAS DO PAPEL Ana Carolina Nascimento, Jean Vinícius Moreira, Rubiane Ganascim Marques, Kelly C. Iarosz Discente do curso de Engenharia

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O USO SUSTENTÁVEL DO PAPEL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ORIENTAÇÕES PARA O USO SUSTENTÁVEL DO PAPEL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ORIENTAÇÕES PARA O USO SUSTENTÁVEL DO PAPEL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental SAIC Departamento de Cidadania e Responsabilidade

Leia mais

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE 1 Wanderlei David Pereira, 2 João Lages Neto 1 Gerente de Recuperação e Utilidades Fibria Unidade Aracruz. 2 Especialista de Meio

Leia mais

PAPEL PARA IMPRENSA PAPÉIS DE IMPRIMIR

PAPEL PARA IMPRENSA PAPÉIS DE IMPRIMIR TIPOS DE PAPEIS: PAPEL PARA IMPRENSA Papel de impressão de jornais e periódicos, fabricado principalmente com pasta mecânica ou mecano-química, com 45 a 56 g/m2, com ou sem linhas d'água no padrão fiscal,

Leia mais

PERCURSO E PERCALÇOS DO PAPEL: UMA HISTÓRIA DE EVOLUÇÃO E PROBLEMÁTICAS DE UM MEIO DE COMUNICAÇÃO

PERCURSO E PERCALÇOS DO PAPEL: UMA HISTÓRIA DE EVOLUÇÃO E PROBLEMÁTICAS DE UM MEIO DE COMUNICAÇÃO PERCURSO E PERCALÇOS DO PAPEL: UMA HISTÓRIA DE EVOLUÇÃO E PROBLEMÁTICAS DE UM MEIO DE COMUNICAÇÃO Letícia Ribeiro Vieira CICRAD - Curso de Introdução à Conservação e Restauro de Acervos Documentais em

Leia mais

Indíce. História e Produção 3. Formatos 4. Características 5. Tipos de Papel 6. Normalização do Paepel 6. Curiosidades 6.

Indíce. História e Produção 3. Formatos 4. Características 5. Tipos de Papel 6. Normalização do Paepel 6. Curiosidades 6. Indíce História e Produção 3 Formatos 4 Características 5 Tipos de Papel 6 Normalização do Paepel 6 Curiosidades 6 Envelopes 7 Referências Bibliográficas 8 Indíce Tabelas Série APapéis independentes 4

Leia mais

A fábrica de celulose do futuro. Resumo sobre a 6ª Conferência Internacional de Novas Tecnologias Disponíveis. 1 a 4 de junho de 1999

A fábrica de celulose do futuro. Resumo sobre a 6ª Conferência Internacional de Novas Tecnologias Disponíveis. 1 a 4 de junho de 1999 A fábrica de celulose do futuro Resumo sobre a 6ª Conferência Internacional de Novas Tecnologias Disponíveis 1 a 4 de junho de 1999 Estocolmo - Suécia A fábrica de celulose do futuro A fábrica de celulose

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Conservação e Restauração

Leia mais

Objetivo: Desenvolver percepção para as questões ambientais numa empresa.

Objetivo: Desenvolver percepção para as questões ambientais numa empresa. EXERCÍCIO 3 Módulo 3 Questões ambientais de uma empresa Objetivo: Desenvolver percepção para as questões ambientais numa empresa. Muitos gerentes têm difi culdades em reconhecer as questões ambientais

Leia mais

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem Papel com Reflorestamento e Reciclagem 49 O setor brasileiro de celulose e papel prima pela utilização de madeiras florestais plantadas exclusivamente para fins industriais. O emprego de técnicas de manejo

Leia mais

Uso Eficiente de Recursos na Indústria de Celulose e Papel. Cesar Leporini Filho

Uso Eficiente de Recursos na Indústria de Celulose e Papel. Cesar Leporini Filho Uso Eficiente de Recursos na Indústria de Celulose e Papel Cesar Leporini Filho 1. Sobre a Evonik Uso Eficiente de 2. Visão Geral do Setor de Celulose e Papel Recursos na Indústria 3. Avanços na base florestal

Leia mais

Significa fazer papel empregando como matéria-prima papéis, cartões, cartolinas e papelões, provenientes de:

Significa fazer papel empregando como matéria-prima papéis, cartões, cartolinas e papelões, provenientes de: O PAPEL São reciclados no Brasil, 38% do papel e 60% do papelão produzidos. Não podemos nos esquecer de diferenciar bem os tipos recicláveis: jornais, revistas, folhas usadas e de rascunho, cartões, envelopes,

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

Embalagem Cartonada Longa Vida

Embalagem Cartonada Longa Vida Embalagem Cartonada Longa Vida 1) Objetivo Geral Saber mais sobre a embalagem cartonada e a conservação de alimentos. 2) Objetivo Específico Adquirir conhecimentos sobre a reciclagem da embalagem e seus

Leia mais

Guia de Orientação relativo à

Guia de Orientação relativo à Lista Europeia de s Padronizadas relativas a Papel e Cartão para Reciclar Guia de Orientação relativo à EN 643 revista Revisão 2013 3 Todos os direitos reservados. CEPI 2013 Conteúdo Objetivo.................................................................

Leia mais

Características do papel. Escolhendo formulários préimpressos. Escolhendo papel préperfurado

Características do papel. Escolhendo formulários préimpressos. Escolhendo papel préperfurado A qualidade da impressão e a confiabilidade da alimentação de sua impressora e as opções podem variar de acordo com o tipo e tamanho do material de impressão utilizado. Esta seção fornece as diretrizes

Leia mais

CARTILHA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIVIRTA-SE E APRENDA SOBRE A RECICLAGEM E AS VANTAGENS DAS EMBALAGENS LONGA VIDA U M P RO J E TO

CARTILHA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIVIRTA-SE E APRENDA SOBRE A RECICLAGEM E AS VANTAGENS DAS EMBALAGENS LONGA VIDA U M P RO J E TO CARTILHA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIVIRTA-SE E APRENDA SOBRE A RECICLAGEM E AS VANTAGENS DAS EMBALAGENS LONGA VIDA U M P RO J E TO O PRIMEIRO PASSO PARA APRENDER A RECICLAR É CONHECER QUAIS MATERIAIS SÃO

Leia mais

DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA

DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA Workshop - Madeira Energética: Principais questões envolvidas na organização e no aperfeiçoamento do uso energético da lenha - 29/05/2007 DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA - O que é briquete e pelete

Leia mais

Morfologia da Fibra x Propriedades do Papel

Morfologia da Fibra x Propriedades do Papel Morfologia da Fibra x Propriedades do Papel Araucaria angustifolia Fibra longa Média 5mm comprimento 28% lignina 58,3 celulose Cross e Bevan 8,6% Pentosanas 0,2% Cinzas Densidade média 520-610 kg/m 3 Araucariaceae

Leia mais

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS 2.1 - Algumas Definições A idéia de se aproveitar resíduos não é nova; ela tem, contudo, se estabelecido de forma expressiva, não só por razões econômicas, mas

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Tijolos de solo-cimento, rochas ornamentais, absorção de água.

PALAVRAS CHAVE: Tijolos de solo-cimento, rochas ornamentais, absorção de água. ESTUDO DO FATOR ÁGUA/CIMENTO PARA A CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS DE SOLO-CIMENTO INCORPORADOS COM RESÍDUOS GERADOS NO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS Natália de Oliveira SANTIAGO 1, Djane de Fátima

Leia mais

Aplicação de caixa de vapor em máquinas de papel

Aplicação de caixa de vapor em máquinas de papel Aplicação de caixa de vapor em máquinas de papel Introdução Centenas de caixas de vapor foram instaladas no mundo inteiro em todo tipo de máquina de papel e celulose desde a década de 1940. As primeiras

Leia mais

Produção de papel. Apoio Técnico para Papel de Publicação da SCA

Produção de papel. Apoio Técnico para Papel de Publicação da SCA Produção de papel Apoio Técnico para Papel de Publicação da SCA Matéria-prima Introdução O objectivo deste guia é proporcionar ao leitor uma perspectiva não só dos materiais utilizados na produção de papel,

Leia mais

O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA.

O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA. O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA. Mensagem da Administração Bem-vindos ao Complexo Industrial da Figueira da Foz do grupo Portucel Soporcel. É com muita satisfação que Vos

Leia mais

Relatório de Estágio Curricular III

Relatório de Estágio Curricular III 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento de Engenharia Mecânica Curso de Graduação de Engenharia de Materiais Acadêmico: Henrique Schmitz Concordo com o conteúdo deste: Relatório de Estágio

Leia mais

Gestão Empresarial para a Sustentabilidade. Wilberto Lima Junior Diretor de Comunicação e Responsabilidade Social

Gestão Empresarial para a Sustentabilidade. Wilberto Lima Junior Diretor de Comunicação e Responsabilidade Social Gestão Empresarial para a Sustentabilidade Wilberto Lima Junior Diretor de Comunicação e Responsabilidade Social Klabin: Uma empresa líder 107 anos de tradição, inovação, liderança e sustentabilidade 17

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

AFCAL Telefone: 21 417 5160 e-mail: info.afcal@iol.pt. Web Sites. AFCAL: www.afcal.pt. RECIPAC: www.recipac.pt

AFCAL Telefone: 21 417 5160 e-mail: info.afcal@iol.pt. Web Sites. AFCAL: www.afcal.pt. RECIPAC: www.recipac.pt AFCAL Telefone: 21 417 5160 e-mail: info.afcal@iol.pt Web Sites AFCAL: www.afcal.pt RECIPAC: www.recipac.pt SOCIEDADE PONTO VERDE: www.pontoverde.pt PROTEGE O QUE É BOM: www.protegeoqueebom.pt ACE: www.ace.be

Leia mais

IMACOAT VERNIZ UV. IMAGRAF Indústria de Tintas Gráficas Ltda. Página 1 de 8. : Rua D Oro, 201 Jd. Cruzeiro Distrito Industrial

IMACOAT VERNIZ UV. IMAGRAF Indústria de Tintas Gráficas Ltda. Página 1 de 8. : Rua D Oro, 201 Jd. Cruzeiro Distrito Industrial Página 1 de 8 IMACOAT VERNIZ UV IMAGRAF Indústria de Tintas Gráficas Ltda Vendas : Rua D Oro, 201 Jd. Cruzeiro Distrito Industrial Mairinque SP Brasil CEP 18120-000 Telefone : (55+11) 4718 1745 Fax : (55+11)

Leia mais

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto.

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. REDUZIR REUTILIZAR RECUPERAR RECICLAR A redução deve ser adaptada por

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

Reciclagem do vidro e resíduos da Constrição em Geral. Bruno - Química Daniela Pereira Marques - Química Maurício De Lima Ciências Contábeis

Reciclagem do vidro e resíduos da Constrição em Geral. Bruno - Química Daniela Pereira Marques - Química Maurício De Lima Ciências Contábeis Reciclagem do vidro e resíduos da Constrição em Geral Bruno - Química Daniela Pereira Marques - Química Maurício De Lima Ciências Contábeis RECICLAGEM DO VIDRO TIPOS DE VIDRO Vidro Acidado: vidros trabalhados

Leia mais

Faculdades Integradas de Mineiros - FIMES Engenharia Florestal

Faculdades Integradas de Mineiros - FIMES Engenharia Florestal Faculdades Integradas de Mineiros - FIMES Engenharia Florestal Disciplina: Papel e Celulose Prof. Gildomar Alves dos Santos Plano de Curso Celulose e papel POLPA = PULP = CELULOSE (BRASIL) PAPEL??????

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

ANTONIO SERGIO ALFANO

ANTONIO SERGIO ALFANO DEZEMBRO DE 2013 ANTONIO SERGIO ALFANO DE 2008 A 2013 REDUÇÃO DE CUSTOS E MUDANÇA DAS PRÁTICAS COMERCIAIS INVESTIMENTOS DE ALTO RETORNO AMPLIAÇÃO DA CONVERSÃO MONTE ALEGRE, PR OTACÍLIO COSTA, SC CORREIA

Leia mais

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010.

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Sustentabilidade da galvanização aplicada à administração interna de resíduos de cinzas e escória na galvanização geral por imersão a quente e da

Leia mais

Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont. Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL

Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont. Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL Maior qualidade, segurança e eficiência nos processos de limpeza profissional. Quem olha para o futuro com vontade

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS 60% exportação 85% Eucalipto 85% Fibra Curta Eucalipto 40% mercado interno CELULOSE CELULOSE 12% Fibra Longa

Leia mais

Papel Reciclado Artesanal Branco com Cascas de Cebola

Papel Reciclado Artesanal Branco com Cascas de Cebola Papel Reciclado Artesanal Branco com Cascas de Cebola 1 Técnica utilizada: reciclagem de papel com cascas de cebola Materiais 2 Papel para reciclar (sulfite, formulário contínuo ou outros papéis que não

Leia mais

CONTROLE AMBIENTAL NO SETOR DE CELULOSE E PAPEL NEI R. LIMA COORDENADOR DA COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE

CONTROLE AMBIENTAL NO SETOR DE CELULOSE E PAPEL NEI R. LIMA COORDENADOR DA COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE CONTROLE AMBIENTAL NO SETOR DE CELULOSE E PAPEL NEI R. LIMA COORDENADOR DA COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE ABTCP Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel é uma instituição criada para dar apoio às empresas

Leia mais

Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823

Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823 LISTA DE OPERADORES DE GESTÃO DE RESÍDUOS LICENCIADOS EM SÃO JORGE ATUALIZADA A 31.07.2012 Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823 - Armazenagem dos seguintes resíduos: LER Alvará n.º 5/DRA/2012 (validade:

Leia mais

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Projeto Nobrecel de Troca de Combustível na Caldeira de Licor Negro (Nobrecel fuel switch in black liquor boiler Project) Introdução: O objetivo deste relatório é o

Leia mais

Mercado da reciclagem: a qualidade dos materiais

Mercado da reciclagem: a qualidade dos materiais Mercado da reciclagem: a qualidade dos materiais Cinthia Versiani Scott Varella Ms. Engenheira de Produção Pesquisadora do Núcleo Alternativas de Produção Consultora INSEA Objetivo Qualidade da matéria

Leia mais

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais Fonseca, 2010: Aditivos químicos ASTM C125

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 40. SEMINÁRIO: Resina de Pinus Implantados no Brasil

CIRCULAR TÉCNICA N o 40. SEMINÁRIO: Resina de Pinus Implantados no Brasil CIRCULAR TÉCNICA N o 40 PBP/3.1.4 SEMINÁRIO: Resina de Pinus Implantados no Brasil IPEF INSTITUTO DE PESQUISAS E ESTUDOS FLORESTAIS Depto. De Silvicultura Curso de Engenharia Florestal ESALQ-USP Piracicaba

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

A ATIVIDADE DE RECICLAGEM DE PAPEL NO BRASIL

A ATIVIDADE DE RECICLAGEM DE PAPEL NO BRASIL Associação Nacional dos Fabricantes de Papel e Celulose BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social A Questão Florestal e o Desenvolvimento A ATIVIDADE DE RECICLAGEM DE PAPEL NO BRASIL

Leia mais

www.crisagua.ind.br www.youtube.com/crisaguaindustria www.slideshare.net/crisaguaindustria www.flickr.com/crisaguaindustria

www.crisagua.ind.br www.youtube.com/crisaguaindustria www.slideshare.net/crisaguaindustria www.flickr.com/crisaguaindustria 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Cris ph - Aplicação: Nome da Empresa: Endereço: Ajustador de ph Marco Antonio Spaca Piscinas EPP Rua: João Paulino dos Santos, 150 Bairro: Atibaia

Leia mais

manual de conservação Você acaba de adquirir um produto Tora Brasil.

manual de conservação Você acaba de adquirir um produto Tora Brasil. manual de conservação Você acaba de adquirir um produto Tora Brasil. Além de adquirir uma peça de qualidade, design diferenciado, você está contribuindo para a conservação da floresta amazônica, pois a

Leia mais

A reciclagem de papel no Brasil 2014

A reciclagem de papel no Brasil 2014 1 A reciclagem de papel no Brasil 2014 II Encontro Nacional dos Aparistas de Papel São Paulo, 22 outubro 2015 Associação Nacional dos Aparistas de Papel 2 Aparas definidas na Norma Refile de papelão ondulado

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

Utilização do rejeito Unbleach Kraft Pulp (UKP), da indústria de celulose, na fabricação de concreto

Utilização do rejeito Unbleach Kraft Pulp (UKP), da indústria de celulose, na fabricação de concreto 1 Utilização do rejeito Unbleach Kraft Pulp (UKP), da indústria de celulose, na fabricação de concreto Renata de Oliveira Gama UnilesteMG renaolgama@yahoo.com.br Fabrício Moura Dias UnilesteMG fmdias2@hotmail.com

Leia mais

CHAPA DE FIBRA. não é tudo igual. PROCURE O RINO.

CHAPA DE FIBRA. não é tudo igual. PROCURE O RINO. CHAPA DE FIBRA não é tudo igual. PROCURE O RINO. Madeira Ecológica Duratex O manejo ambiental é um diferencial para a Duratex, que adota as melhores práticas para alcançar alta produtividade com o mínimo

Leia mais

CONTROLE AMBIENTAL NA INDÚSTRIA DE CELULOSE E PAPEL. Contextualização. tratamento com solução química. dissociação de 50% de seus componentes

CONTROLE AMBIENTAL NA INDÚSTRIA DE CELULOSE E PAPEL. Contextualização. tratamento com solução química. dissociação de 50% de seus componentes CONTROLE AMBIENTAL NA INDÚSTRIA DE CELULOSE E PAPEL Contextualização Fabricação de celulose processo químico digestão da celulose tratamento com solução química dissociação de 50% de seus componentes separação

Leia mais

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA. Salvador Bahia 11 a 16 Julho de 2010

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA. Salvador Bahia 11 a 16 Julho de 2010 I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA Salvador Bahia 11 a 16 Julho de 2010 MONICA SILVA SILVEIRA AVALIAÇÃO DAS CASCAS DE COCO VERDE PARA PRODUÇÃO DE BRIQUETES EM SALVADOR-BA INTRODUÇÃO

Leia mais

Outros materiais que merecem atenção do marceneiro. Introdução

Outros materiais que merecem atenção do marceneiro. Introdução Introdução Existem diversos materiais utilizados pela marcenaria na composição do móvel ou ambiente. Por exemplo os vidros, chapas metálicas, tecidos e etc. O mercado fornecedor da cadeia moveleira lança

Leia mais

MADEIRAS MCC1001 AULA 12

MADEIRAS MCC1001 AULA 12 MADEIRAS MCC1001 AULA 12 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil MADEIRAS É um material

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Fórum Varejo Sustentável Alternativas de Embalagens no Varejo Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber

Leia mais

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A cada dia surgem no mercado novos materiais com o objetivo de tornar a produção mais competitiva, reduzindo as etapas de produção, o tempos de fabricação e os custos. Madeira maciça A madeira

Leia mais

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico 1.2 Papel e Celulose Diagnóstico A indústria de papel e celulose é caracterizada pelo alto grau de investimento e pela longa maturação. A escala de produção das fábricas de pastas celulósicas é, em geral,

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

É hora de fabricar o aço

É hora de fabricar o aço É hora de fabricar o aço Introdução Mesmo quando os métodos de fabricação eram bastante rudimentares os artesãos da Antigüidade, na Ásia e, mais tarde, na Europa medieval, conseguiam fabricar o aço. O

Leia mais

Tipos de papéis e substratos

Tipos de papéis e substratos Tipos de papéis e substratos O tipo de papel e de substrato influencia diretamente no resultado final do trabalho. Suas características podem acentuar ou desvalorizar uma informação e prejudicar acabamentos.

Leia mais

A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal

A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal Francisco Goes Aveiro, 20 de Março de 2014 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel Índice 1. A CELPA 2. O eucaliptal nacional 3.

Leia mais

Por favor, separe os seus resídous/lixo!

Por favor, separe os seus resídous/lixo! Por favor, separe os seus resídous/lixo! Preste atenção às seguintes regras de separação dos resíduos de Salzburgo e apoe-nos na redução e reciclagem de resíduos/lixo! A sua contribuição para a protecção

Leia mais

A origem da rotogravura

A origem da rotogravura A origem da rotogravura Início Iniciada pelos artistas da renascença italiano nos anos 1300 A primeira impressão foi feita a partir de uma chapa metálica em 1446 na Alemanha As chapas metálicas eram entalhadas

Leia mais

Nota Técnica Plano Indústria Papel e Celulose

Nota Técnica Plano Indústria Papel e Celulose Nota Técnica Plano Indústria Papel e Celulose 1 REALIZAÇÃO Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) Centro de Estudos

Leia mais

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRAIS II

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRAIS II Branqueamento da celulose PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRAIS II Objetivos do branqueamento A lignina é responsável pela tonalidade escura da polpa de celulose. Dependendo do grau de cozimento efetuado, a polpa

Leia mais

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO COMPARAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO TIJOLO DE SOLO-CIMENTO INCORPORADO COM RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROVENIENTES DE CATAGUASES - MG E O RESÍDUO DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DAS INDÚSTRIAS PERTENCENTES

Leia mais

Manuais do Utilizador Guia de Papel

Manuais do Utilizador Guia de Papel Manuais do Utilizador Guia de Papel Para uma utilização segura e correcta, certifique-se de que lê as Informações de Segurança em "Leia Este Documento Primeiro" antes de utilizar o equipamento. CONTEÚDO

Leia mais

Para produzir energia elétrica e

Para produzir energia elétrica e Produção de energia elétrica A UU L AL A uma notícia de jornal: Leia com atenção o texto a seguir, extraído de Seca agrava-se em Sobradinho e ameaça causar novo drama social no Nordeste Para produzir energia

Leia mais

REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM DE PAPEL E PAPELÃO

REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM DE PAPEL E PAPELÃO REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM DE PAPEL E PAPELÃO INSTITUTO CENTRO DE CAPACITAÇÃO E APOIO AO EMPREENDEDOR Presidente: Tânia Maria Machado Silva Vice Presidente: Silvia Machado Redação e revisão: Alice de Cassia

Leia mais

TINTAS E DROGARIA. Produtos de Limpeza e Conservação ARTIGOS DIVERSOS DE DROGARIA CATÁLOGO ARMAZENS REIS WWW.ARMAZENSREIS.PT

TINTAS E DROGARIA. Produtos de Limpeza e Conservação ARTIGOS DIVERSOS DE DROGARIA CATÁLOGO ARMAZENS REIS WWW.ARMAZENSREIS.PT CATÁLOGO ARMAZENS REIS WWW.ARMAZENSREIS.PT ARTIGOS DIVERSOS DE DROGARIA Morada: E.N. 2 km 10 Mamodeiro, 3810728 Aveiro Telefone: (+1) 234 941 194 55 Email: geral@armazensreis.pt = 55 ÁLCOOL Classe de compostos

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM LAVANDERIA HOSPITALAR USANDO A METODOLOGIA DA PRODUÇÃO MAIS LIMPA

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM LAVANDERIA HOSPITALAR USANDO A METODOLOGIA DA PRODUÇÃO MAIS LIMPA DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM LAVANDERIA HOSPITALAR USANDO A METODOLOGIA DA PRODUÇÃO MAIS LIMPA Armando Hirohumi Tanimoto (1) Doutorando do Centro de Desenvolvimento Sustentável, da UnB; Mestre em Gerenciamento

Leia mais

Este BREF é composto por uma secção introdutória (informações gerais, capítulo 1) e por cinco partes principais:

Este BREF é composto por uma secção introdutória (informações gerais, capítulo 1) e por cinco partes principais: RESUMO Este documento de referência sobre as melhores técnicas disponíveis na indústria da pasta de papel e do papel reflecte o intercâmbio de informações efectuado de acordo com o número 2 do artigo 16.º

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

QUALIDADE QUE PROTEGE SEU PRODUTO E PRESERVA A NATUREZA

QUALIDADE QUE PROTEGE SEU PRODUTO E PRESERVA A NATUREZA QUALIDADE QUE PROTEGE SEU PRODUTO E PRESERVA A NATUREZA EMPRESA 100% NACIONAL A ARTIVINCO A ARTIVINCO produz papel, chapas e embalagens de papelão. Como uma empresa que atua no mercado há mais de 40 anos

Leia mais

Circular. Técnica TRATAMENTO DE MOURÕES PELO MÉTODO DE SUBSTITUIÇÃO DE SEIVA. Introdução. O Método. ²Graduando do curso de Agronomia do UNIARAXÁ.

Circular. Técnica TRATAMENTO DE MOURÕES PELO MÉTODO DE SUBSTITUIÇÃO DE SEIVA. Introdução. O Método. ²Graduando do curso de Agronomia do UNIARAXÁ. Circular 14 Técnica Araxá, MG Maio, 2015 Autores Paulo R.F. de Fravet 1 Amarildo J. C. Filho. 2 Carlos G. Borges 2 Guilherme Nogueira 2 Mara C. A. Pinto² Paulo de T.V.M. Brando 2 Rafael R. Guimarães 2

Leia mais

PAPEL E CELULOSE. Qualificação profissional básica Operador de Processos de Produção

PAPEL E CELULOSE. Qualificação profissional básica Operador de Processos de Produção PAPEL E CELULOSE SENAI - AMPÉRE SENAI - APUCARANA Planejamento, Programação e Controle de Produção - PPCP SENAI - ARAPONGAS Administração de Materiais Atendimento ao Público para Vigias e Porteiros Desenvolvendo

Leia mais

Universidade Federal do Paraná BIOMASSA. Disciplina: Planejamento de Sistemas Elétricos de Potência Aluno: Paulo Ricardo Vriesman da Silva

Universidade Federal do Paraná BIOMASSA. Disciplina: Planejamento de Sistemas Elétricos de Potência Aluno: Paulo Ricardo Vriesman da Silva Universidade Federal do Paraná BIOMASSA Disciplina: Planejamento de Sistemas Elétricos de Potência Aluno: Paulo Ricardo Vriesman da Silva Curitiba, Julho de 2013 AGENDA - INTRODUÇÃO - BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR

Leia mais

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação Resultados Agosto 2012 Principais Indicadores Indústrias de Transformação JUN JUL AGO

Leia mais

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO.

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. Márcia Cristina O Pereira Enfermeira encarregada da central de material esterilizado HMSL. Especialista em CC, CME, RA USP Mestrado em saúde do adulto - USP FINALIDADE DA

Leia mais

Reciclagem Monte seu jogo e chame a turma para brincar. Corrida da. ANO 7 - Nº7 Caça-palavras Vamos colorir 7 erros e muito mais!

Reciclagem Monte seu jogo e chame a turma para brincar. Corrida da. ANO 7 - Nº7 Caça-palavras Vamos colorir 7 erros e muito mais! ANO 7 - Nº7 Caça-palavras Vamos colorir 7 erros e muito mais! Atividades infantis para resolver e colorir. Uma publicação da Corrida da Reciclagem Monte seu jogo e chame a turma para brincar Vamos colorir?

Leia mais

Pergunte ao Euca Expert / Ask the Euca X Pert

Pergunte ao Euca Expert / Ask the Euca X Pert Pergunte ao Euca Expert / Ask the Euca X Pert www.eucalyptus.com.br www.celso-foelkel.com.br Perguntas / Questions Pergunta nº: 816/Question nº: 816 Título: /Title: Fibras de bambu Por: / By: Prof. Mário

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ) 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Aplicação: Redutor de ph Empresa: Micheloto Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda EPP Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona Rural Fernão/SP

Leia mais

C ELULOS E & P A P E L

C ELULOS E & P A P E L ELULOSE C & P A P E L C ELULOSE & P A P E L APRESENTAÇÃO A Revista CELULOSE & PAPEL surge no segmento para oferecer aos seus leitores uma nova oportunidade na busca da melhor informação do mercado e novos

Leia mais

PAINÉIS CIMENTO-MADEIRA

PAINÉIS CIMENTO-MADEIRA CIMENTO-MADEIRA Prof. Setsuo Iwakiri UFPR - DETF INRODUÇÃO HISTÓRICO 1914 > Áustria > partículas excelsior + aglutinante (óxido magnésio + cloreto magnésio) 1928 > Alemanha > início > uso cimento portland

Leia mais

INOVAÇÃO www.fibria.com.br/r2014/inovacao/

INOVAÇÃO www.fibria.com.br/r2014/inovacao/ INOVAÇÃO www.fibria.com.br/r2014/inovacao/ GOVERNANÇA 52 Com o desafio de explorar a inovação como alavanca para a geração de valor a partir de um trabalho de inteligência competitiva que considera o que

Leia mais

Página 1 de 8-01/04/2014-5:59

Página 1 de 8-01/04/2014-5:59 PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 4 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 LIXO NO LIXO Dá para

Leia mais

PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA

PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE DIRETORIA DE PESQUISAS COORDENAÇÃO DE AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE SILVICULTURA E EXTRAÇÃO VEGETAL PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA CONCEITOS

Leia mais

Boletim Informativo Energia

Boletim Informativo Energia Boletim Informativo 01 A Rio Tinto é uma empresa líder internacionai envolvida em todos os estágios da produção de metais e minerais. O Grupo é composto pela Rio Tinto plc, cujas ações são negociadas

Leia mais