Guia de Orientação relativo à

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia de Orientação relativo à"

Transcrição

1 Lista Europeia de s Padronizadas relativas a Papel e Cartão para Reciclar Guia de Orientação relativo à EN 643 revista Revisão

2 Todos os direitos reservados. CEPI 2013

3 Conteúdo Objetivo Nova terminologia Definições Papel e cartão para reciclar Materiais proibidos Material indesejado (materiais para deitar fora) Papel e cartão não conformes à definição da categoria Papel e cartão prejudiciais à produção Requisitos gerais Requisitos específicos para categorias de destintagem Trituração Listas de categorias Grupo Grupo Grupo Grupo Grupo Anexo: Tabela com as diferenças entre as versões de 2002 e 2013 da EN 643, por

4

5 Lista Europeia de s Padronizadas relativas a Papel e Cartão para Reciclar Objetivo A EN 643 é a lista Europeia de s Padronizadas relativas a Papel e Cartão para Reciclar e foi revista em As partes interessadas deverão requerer a EN 643 através do seu respetivo organismo nacional de normalização. 1 O presente documento de orientação foi criado para aconselhar os compradores e vendedores de papel para reciclar relativamente às alterações à EN 643, da sua versão de 2002 para a versão revista de Este documento deverá auxiliar o mercado e facilitar a propagação da EN 643 revista. Nova terminologia O termo Papel e Cartão Recuperado foi substituído pelo termo Papel e Cartão para Reciclar, para salientar o uso pretendido desta matéria-prima secundária apenas para a reciclagem de papel. Além disso, o Conselho Europeu de Papel Recuperado também alterou de forma similar a sua terminologia, nos termos da nova Declaração sobre Reciclagem de Papel

6 Definições Papel e cartão para reciclar O termo papel e cartão para reciclar é definido como fibra natural baseada em papel e cartão adequados para reciclagem; consistindo em papel e cartão com qualquer forma ou num produto essencialmente feito de papel ou cartão, que poderá conter outros constituintes não removíveis através de triagem seca, tais como revestimentos, laminados, encadernações em espiral, etc. Materiais proibidos A EN 643 revista define materiais proibidos como quaisquer materiais que representem um perigo para a saúde, a segurança e o ambiente, tais como resíduos de índole médica, produtos de higiene pessoal contaminados, resíduos perigosos, resíduos orgânicos, incluindo géneros alimentícios, betume, pós tóxicos e materiais similares. Contrariamente aos materiais indesejados, para os quais foram introduzidos níveis máximos de tolerância, os materiais proibidos não são de todo permitidos. A sua presença deverá ser diretamente notificada ao fornecedor e a carga devolvida. Material indesejado (materiais para deitar fora) O material indesejado (materiais para deitar fora) significa material não apropriado para a produção de papel e cartão e poderá compreender os seguintes elementos: Componentes não papel Papel e cartão não conformes à definição da categoria Papel e cartão prejudiciais à produção Papel não apropriado para destintagem (se aplicável). 4

7 Papel e cartão não conformes à definição da categoria O papel e o cartão não conformes à definição da categoria são caracterizados da seguinte forma: quando o papel e o cartão presentes na carga não correspondem à descrição específica da categoria de papel para reciclar da EN 463, o comprador e o vendedor da carga deverão acordar na devolução do material ou na reclassificação (para outra categoria da EN 643 ou para uma entrega não padronizada). Papel e cartão prejudiciais à produção A definição de papel e cartão prejudiciais à produção especifica agora que: para categorias destinadas a destintagem, todo o papel que contenha fibras castanhas, não branqueadas, é considerado prejudicial à produção. Requisitos gerais Existe agora uma recomendação constante da EN 643 para utilização do Sistema Europeu de Identificação de Papel Recuperado (RPID). Este sistema permite estabelecer a identificação do papel para reciclar comprado, recebido, armazenado e consumido em fábricas de papel. O objetivo último do RPID é o de melhorar a rastreabilidade do fornecimento às fábricas de papel, para melhorar os processos e os produtos provenientes de uma produção de papel segura. Este sistema e o seu funcionamento estão explicados em maior detalhe no site: Neste site, os fornecedores de papel para reciclar podem registar-se no sistema e obter códigos pessoais de fornecedores. A EN643 continua a referir que o papel para reciclar oriundo de sistemas de recolha multimaterial deverá ser especificamente marcado. Isto pode ser feito, por exemplo, através de uma menção no documento de entrega ou através de uma adenda ao código EN 643 contido no Sistema de Identificação de Papel Recuperado. A forma de marcação deverá ser acordada bilateralmente entre o comprador e o vendedor. A EN 643 continua a referir que o papel retirado de recolhas de resíduos indiferenciados não é adequado para utilização na indústria de papel. A EN643 explica que o material indesejado (materiais para deitar fora) significa o material não adequado para produção de papel e cartão e clarifica que este poderá compreender os diferentes elementos delineados na definição de material indesejado (materiais para deitar fora). 5

8 Requisitos específicos para categorias de destintagem A EN 643 contém especificamente novos requisitos para as categorias de papel para reciclar destinados a destintagem, estabelecendo uma lista das categorias que são maioritariamente utilizadas para destintagem. Nestas categorias, os produtos de papel que não são adequados para destintagem fazem parte da percentagem de material indesejado. As fábricas de papel deverão avisar os seus fornecedores de papel para reciclar quando as categorias adquiridas são destinadas a um processo de destintagem e dar-lhes conhecimento da avaliação da reciclabilidade dos produtos impressos pontuação relativa a destintagem, disponível em As categorias geralmente destinadas a destintagem são as seguintes: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , e Trituração A EN 643 refere agora o problema crescente da trituração do papel para reciclar e aconselha a deixar os pedaços retalhados com o maior tamanho possível. Para orientar os fornecedores, estes deverão ser reportados para as normas pertinentes relativas à segurança de dados para especificação do tamanho mínimo dos pedaços de papel triturados. 6

9 Listas de categorias Uma alteração importante na nova EN 643 é a introdução de níveis máximos de tolerância para componentes não papel (máximo de 1,5% para a maioria das categorias) e para materiais não desejáveis. As listas de categorias englobadas na EN 643 contêm agora duas colunas adicionais que definem os níveis máximos de tolerância em cada categoria de papel para reciclar relativamente a componentes não papel e a materiais indesejados. Nota: A tolerância dos componentes não papel é incluída como parte da tolerância de materiais indesejados; não são exclusivos e não podem ser adicionados em conjunto. As percentagens referem-se a massa por massa. O seu peso no produto deverá ser testado através de um método acordado de recolha de amostras e medição. Se o nível de componentes que não são papel e/ou de materiais indesejados exceder o nível de tolerância na lista de categorias, a carga não deverá ser aceite sob a designação da categoria indicada. Orientações suplementares poderão ser obtidas nas Linhas de orientação para as fábricas de papel para controlo do conteúdo de materiais não utilizáveis em papel recuperado. 3 Uma outra alteração de grande importância é a descrição das categorias em função da sua composição em vez da sua origem. Para algumas categorias, apenas o título foi alterado, enquanto a descrição se manteve idêntica. 3 7

10 Grupo 1 Foram introduzidas alterações nas categorias 1.04, 1.05, 1.06, 1.08, 1.09, 1.10, 1.11 O Grupo 1 contém menos categorias do que na anterior EN 643, mas foram incluídas subcategorias para 1.04, 1.05, 1.06, facto que acompanha a forma como o mercado se tem desenvolvido nos últimos anos e especialmente o modo como as categorias a granel têm sido comercializadas. Quando medidas, as diferenças no conteúdo de cartão canelado nas subcategorias 1.04 e 1.05 deverão ser respeitadas. Existem soluções técnicas para determinar o nível exato do cartão canelado (p. ex., através de dispositivos de perfuração do núcleo). A categoria corresponde à antiga categoria e , e admite também material que não seja de embalagem na fração que não é cartão canelado. A categoria considera o aumento da existência de amostras de produtos anexados a revistas. A capacidade de lidar com estes produtos difere consideravelmente entre as fábricas de papel e deverá ser acordada bilateralmente entre o comprador e o fornecedor. A percentagem permitida destes componentes não papel relacionados com o produto precisa de ser acordada entre o comprador e o vendedor, além das percentagens presentes nas colunas relativas aos componentes não papel e ao total de material indesejado. A categoria 1.09 substitui as anteriores categorias 1.08, 1.09 e A categoria única não especifica as percentagens exatas de jornais ou revistas e este facto está relacionado com os diferentes hábitos de leitura nos países europeus. Apenas especifica percentagens mínimas de 30% cada. As percentagens exatas correspondentes a jornais e revistas acima de 30% deverão ser bilateralmente acordadas entre os compradores e os vendedores. A categoria 1.11 foi adaptada às alterações e diferenças existentes nos hábitos de leitura. Comparada com a categoria 1.11 anterior, a nova categoria tem uma percentagem mínima inferior para jornais: 30% em vez de 40%. Os jornais e revistas têm ainda, no seu conjunto, de atingir uma percentagem mínima de 80%. As fábricas de papel que necessitem de percentagens mais elevadas de um ou de outro tipo deverão entrar em acordo com os fornecedores. 8

11 Grupo 2 Foram introduzidas alterações nas categorias 2.02, 2.05, 2.06, 2.07, 2.09, 2.13, 2.14 As categorias 2.02 (nova: ) e foram sujeitas a nova redação sem que o seu conteúdo tenha sido substancialmente alterado. Pela exclusão da impressão flexográfica, já a versão anterior de indicava que a categoria se destinava a destintagem. A inclusão de nas categorias geralmente destinadas a destintagem cumpre ainda melhor o objetivo de excluir os produtos de papel não destintáveis. A existência da sub-categoria relativa a destintagem, implica que a categoria principal não é necessariamente destinada a destintagem. Para tornar clara esta diferença, a categoria principal é agora denominada jornais não vendidos não destinados a destintagem. A categoria 2.05 tem agora uma descrição, com o objetivo de descrever a qualidade, em vez da origem. A distinção entre as subcategorias reside na percentagem mínima de papel isento de pasta mecânica e na percentagem máxima de fibras não branqueadas. A categoria encontra-se agora dividida em duas subcategorias: a permite um máximo de 5% de papel de jornal e de embalagem, enquanto o não contém nenhum destes itens. A categoria 2.06 também foi dividida de acordo com o nível mínimo de papel isento de pasta mecânica. A categoria 2.07 também foi dividida em duas subcategorias: isento de pasta mecânica e livros rejeitados à base de pastas mecânicas. A anterior categoria 2.09 foi colocada no Grupo 5 (s Especiais). As categorias 2.13, 2.14 e foram adicionadas à lista, uma vez que atualmente são comercializadas com estas especificações em quantidades consideráveis. 9

12 Grupo 3 Foram introduzidas alterações nas categorias 3.03, 3.05, 3.07, 3.10, 3.11, 3.16, 3.18, 3.20 A categoria 3.03, encadernações isentas de pasta mecânica, podem agora conter até 2% de papel com camadas de plástico. A categoria 3.05 contém agora uma subcategoria para distinguir qualidades não impressas também abrange a anterior categoria A categoria 3.10 contém agora uma subcategoria para distinguir o grau de impressão. A 3.11 contém uma subcategoria para distinguir qualidades brancas das qualidades que contêm até 20% de telas (folhas) castanhas e cinzentas. A 3.16 contém agora uma subcategoria. A 3.16 abrange apenas papel estucado isento de pasta mecânica, enquanto a pode conter papel isento de pasta mecânica, estucado e não estucado. A 3.18 contém agora dois tipos de subcategorias. Enquanto a 3.18 poderá conter até 5% de papel estucado, ambas as subcategorias não podem ter papel estucado. Enquanto a não tem cola na sua composição, a poderá conter alguma cola. A 3.20 e a foram acrescentadas, uma vez que o papel tissue branco e colorido na massa (integral) são atualmente comercializados em quantidades consideráveis. Grupo 4 Foram introduzidas alterações nas categorias 4.01, 4.04, 4.05 A anterior subcategoria foi removida da lista de categorias. As anteriores subcategorias e foram colocadas no Grupo 5 (5.12 e 5.13). 10

13 Grupo 5 Foram introduzidas alterações nas categorias 5.01, 5.03, 5.05, 5.06, 5.07, 5.08, 5.09, 5.10, 5.11, 5.12, 5.13, 5.14 O Grupo 5 também foi alargado: Reflete a existência de produtos de papel mais complexos mas também a melhoria dos processos de reciclagem que conseguem lidar com essas categorias. A sua inclusão nas categorias especiais do grupo 5 tem também o objetivo de reduzir a sua presença nos grupos 1 a 4. A 5.01 (juntamente com a ) são as únicas categorias com um nível máximo de componentes não papel superior a 1,5%. Esta circunstância deve-se ao facto de estes materiais não serem frequentemente submetidos a triagem adicional entre a recolha e a fábrica de papel. A 5.03 tem agora uma subcategoria para cartão de embalagem de líquidos não utilizado, uma vez que este mercado aumentou significativamente. A tem um limite máximo de 3% para componentes não papel. A diferença significativa em relação ao limite máximo habitual de 1,5% é devida à forma como o material é recolhido, muitas vezes em conjunto com outros materiais de embalagem que não papel. A corresponde a cartão de embalagem de líquidos não utilizado. A 5.05 tem agora três subcategorias adicionais além da , que permanece inalterada. A respetiva composição encontra-se descrita na EN 643. A 5.06 e a 5.07 têm agora subcategorias para separar os papéis brancos resistentes à humidade dos coloridos. As categorias 5.08 a 5.14 e as respetivas subcategorias foram acrescentadas à lista, quer provindo de outras categorias (tais como as 5.09, 5.12, 5.13) quer tendo sido acrescentadas de novo à lista devido à existência considerável de volumes destas qualidades e às oportunidades de reciclagem efetiva para criação de novos produtos. 11

14

15 Tabela com as diferenças entre as versões de 2002 e 2013 da EN 643, por

16 Nota: Apenas se encontram listadas as categorias cujo título e/ou descrição foram alteradas. Foram introduzidos níveis de tolerância máxima para componentes não papel (máximo de 1,5% para a maioria das categorias) e para materiais não desejáveis, para todas as categorias. Grupo 1 Número da Título Descrição Novo Número da Novo Título Descrição da Nova 1.04 Papel e cartão canelado de supermercado Embalagens usadas de papel e cartão, contendo um mínimo de 70% de cartão canelado, sendo o restante cartão sólido e papéis de embrulho Embalagens de papel e cartão canelado Embalagens usadas de papel e cartão, contendo um mínimo de 70% de cartão canelado, sendo o restante outros papéis e cartões de embalagens Papel e cartão canelado comum Embalagens usadas de papel e cartão, contendo um mínimo de 70% de cartão canelado, sendo o restante outros papéis e cartões Papel e cartão canelado Embalagens usadas de papel e cartão, contendo um mínimo de 80% de cartão canelado, sendo o restante outros papéis e cartões Recipientes canelados antigos Caixas e folhas usadas de cartão canelado de diversas qualidades Cartão canelado comum Caixas e folhas usadas de cartão canelado de diversas qualidades, podendo incluir 10% de outros papéis e cartões de embalagens Cartão canelado Caixas e folhas usadas de cartão canelado de diversas qualidades, podendo incluir 5% de outros papéis e cartões de embalagens Revistas não vendidas Revistas não vendidas, com ou sem cola Revistas Revistas, com ou sem cola

17 Grupo 1 Número da Título Descrição Novo Número da Novo Título Descrição da Nova Revistas não vendidas sem cola Revistas não vendidas, sem cola Revistas sem cola Revistas sem cola Revistas com amostras de produtos Revistas, com ou sem cola, podendo conter componentes não papel como amostras de produtos anexas Mistura de jornais and revistas Uma mistura de jornais e revistas, contendo um mínimo de 50% de jornais, com ou sem cola Mistura de jornais e revistas Uma mistura de jornais e revistas, contendo um mínimo de 60% de jornais, com ou sem cola Jornais e revistas Mistura de jornais e revistas (predominantemente não vendidos); cada tipologia com um mínimo de 30 % Mistura de revistas e jornais Uma mistura de jornais e revistas, contendo um mínimo de 60% de revistas, com ou sem cola 1.11 Papel gráfico triado para destintagem Papel gráfico triado, de proveniência doméstica, jornais e revistas, cada tipologia com um mínimo de 40%. A percentagem de papel e cartão não destintável deverá ser reduzida gradualmente para um nível máximo de 1.5%. A percentagem tem de ser negociada entre o comprador e o vendedor Papel gráfico triado para destintagem Papel gráfico triado, consistindo num mínimo de 80 % de jornais e revistas. Tem de conter pelo menos 30 % de jornais e 40 % de revistas. Os produtos impressos que não sejam, adequados para destintagem são limitados a 1,5 %. 15

18 Grupo 2 Número da Título Descrição Novo Número da Novo Título Descrição da Nova 2.02 Jornais não vendidos Jornais diários não vendidos, sem inserções adicionais ou material ilustrado colorido na massa Jornais não vendidos, não destinados a destintagem Jornais não vendidos, podendo conter inserções originalmente circuladas com a publicação. Não são permitidas inserções adicionais. São permitidos produtos de papel não adequados para destintagem Jornais não vendidos, não é permitida impressão flexográfica Jornais diários não vendidos, livres de inserções adicionais ou material ilustrado colorido na massa, sendo permitidos cordéis. Não é permitida material com impressão flexográfica Jornais não vendidos Jornais não vendidos que possam conter inserções originalmente circuladas com a publicação. Não são permitidas inserções adicionais Papel de escritório triado Papel de escritório triado papel de escritório triado comum Papel, tipicamente proveniente de escritórios, retalhado ou não retalhado, impresso, podendo conter papéis coloridos, com um mínimo de 60 % de papel fino (isento de pasta mecânica), isento de carbono e principalmente papel autocopiativo (ccp)/sem necessidade de carbono (NCR), menos de 10 % de fibras não branqueadas, incluindo envelopes-pastas e capas de ficheiros, menos de 5 % de jornais e embalagens Papel de escritório triado Papel, tipicamente proveniente de escritórios, retalhado ou não retalhado, impresso, podendo conter papéis coloridos, com um mínimo de 80 % de papel fino (isento de pasta mecânica), isento de carbono e principalmente papel autocopiativo (ccp)/sem necessidade de carbono (NCR), menos de 5 % de fibras não branqueadas, incluindo envelopes-pastas e capas de ficheiros.

19 Grupo 2 Número da Título Descrição Novo Número da Novo Título Descrição da Nova 2.06 Papéis de carta coloridos Correspondência, em mistura de papéis coloridos na massa, com ou sem impressão, em papel para impressão ou para escrita. Isento de papel carbono (químico) e de capas duras papéis de carta coloridos comuns, triados Papel, tipicamente proveniente de escritórios, retalhado ou não retalhado, ligeiramente impresso, sendo permitido papel colorido na massa, mas não papéis intensamente coloridos, com um mínimo de 70 % de papel fino (isento de pasta mecânica), isento de carbono e principalmente papel autocopiativo (ccp)/sem necessidade de carbono (NCR), sem envelopes-pastas, capas de ficheiros, jornais e cartão Papéis de carta coloridos triados Papel, tipicamente proveniente de escritórios, retalhado ou não retalhado, ligeiramente impresso, sendo permitido papel colorido na massa, mas não papéis intensamente coloridos, com um mínimo de 90 % de papel fino (isento de pasta mecânica), isento de carbono e principalmente papel autocopiativo (ccp)/sem necessidade de carbono (NCR), sem envelopespastas, capas de ficheiros, jornais e cartão Livros em papel branco, isento de pasta mecânica Livros, incluindo livros com erros de impressão, sem capas duras, maioritariamente em papel branco isento de pasta mecânica, só com impressão a preto, contendo um máximo de 10% de papel estucado Livros rejeitados, de papel branco, isento de pasta mecânica Livros ou as suas aparas, sem capas duras, maioritariamente em papel branco isento de pasta mecânica, maioritariamente com impressão a preto, contendo um máximo de 10 % de papel estucado Livros rejeitados, à base de pasta mecânica branca Livros ou as suas aparas, maioritariamente em papel à base de pasta mecânica branca, sem capas duras, maioritariamente impressos a preto, contendo um máximo de 10 % de papel estucado. 17

20 Grupo 2 Número da Título Descrição Novo Número da Novo Título Descrição da Nova 2.09 Papel autocopiativo Papel autocopiativo múltipla Uma mistura de papel de carta colorido e branco, revistas de papel colorido isento de pasta mecânica e outros papéis e aparas de papel fino (isento de pasta mecânica). Isento de papel de jornal, sendo permitidos 10% de outros papéis com madeira. Poderá conter 2 % de papel com camada de plástico Papel tissue colorido log end Papel tissue colorido não utilizado, incluindo mandris macios. Poderá conter material impresso Papel tissue branco log end Papel tissue branco não utilizado, incluindo mandris macios. Poderá conter material impresso. 18

21 Grupo 3 Número da 3.03 Título Novo Número da Encadernações isentas de pasta mecânica Descrição Aparas de papel branco isento de pasta mecânica ligeiramente impresso, com cola, isento de papel colorido na massa. Poderá conter um máximo de 10% de pasta de papel mecânica Novo Título Encadernações isentas de pasta mecânica Encadernações especiais isentas de pasta mecânica Descrição da Nova Aparas de papel branco, isento de pasta mecânica, ligeiramente impresso, com cola, isento de papel colorido na massa. Poderá conter 2 % de papel com camada plástica e um máximo de 10 % de pasta de papel mecânica. Aparas de papel branco isento de pasta mecânica, ligeiramente impresso, com cola, isento de papel colorido na massa. Não são permitidos papéis com camadas de plástico e pastas de papel mecânicas Papéis de carta brancos, isento de pasta mecânica Papéis para escrever triados, brancos, isento de pasta mecânica, provenientes de registos administrativos, isentos de livros-caixa, papel carbono (químico) e de adesivos não solúveis em água Papéis de carta brancos, isento de pasta mecânica Papéis para escrever e imprimir, brancos, isento de pasta mecânica, não estucados, triados, impressos, isentos de livros-caixa, papel carbono (químico) e adesivos não solúveis em água. Poderá conter 5 % de pasta de papel mecânica Documentos impressos por via electrónica, em papel branco, isento de pasta mecânica Documentos impressos por via electrónica, em papel branco, isento de pasta mecânica, isento de papel auto copiativo e de cola Papéis de carta isento de pasta mecânica e sem impressão, brancos Papéis para escrever e imprimir, brancos, isento de pasta mecânica, não estucados, triados, não impressos, isentos de papel carbono (químico), papel autocopiativo, que não papel carbono (químico), papel auto copiativo (NCR) e adesivos não solúveis em água Impressão múltipla Isento de pasta mecânica, revestida, ligeiramente impressa, isenta de papel resistente em meio húmido ou de papel colorido na massa Impressão múltipla Papéis isento de pasta mecânica, estucados, ligeiramente impressos, em folhas ou cortado, isento de papel resistente em meio húmido ou de papel colorido na massa Impressão média Impressão múltipla Papéis estucados, isento de pasta mecânica, medianamente ou fortemente impressos, em folhas ou cortados, isentos de papel resistente em meio húmido e de papel colorido na massa. 19

22 Grupo 3 Número da 3.11 Título Cartão múltiplo branco, fortemente impresso Descrição Novos cortes de cartão múltiplo branco fortemente impresso, contendo telas de pasta (celulose), isento de pasta mecânica, mecânicas ou termomecânicas, mas sem telas cinzentas. Novo Número da Novo Título Cartão múltiplo branco fortemente impresso Descrição da Nova Novos cortes de cartão múltiplo branco, fortemente impresso, contendo telas com ou isento de pasta mecânica, mas sem telas cinzentas e castanhas Cartão múltiplo misto, branco, fortemente impresso Novos cortes de cartão múltiplo, branco, fortemente impresso, contendo telas com ou isento de pasta mecânica, com um máximo de 20 % de telas cinzentas e castanhas Papel branco, estucado, isento de pasta mecânica, sem cola Aparas e folhas de papel branco, não impresso, isento de pasta mecânica, estucado e sem cola Papel branco, estucado, isento de pasta mecânica Aparas e folhas de papel branco, não impresso, isento de pasta mecânica, estucado e sem cola Papéis brancos, isento de pasta mecânica Aparas e folhas de papéis brancos, não impressos, isento de pasta mecânica, estucados e sem cola Aparas de papel branco, isento de pasta mecânica Aparas de papel branco, isento de pasta mecânica, não estucado Aparas e folhas de papel branco, isento de pasta mecânica, sem impressão, podendo conter um máximo de 5% de papel estucado. Sem cola. Aparas e folhas de papel branco, isento de pasta mecânica, sem impressão, isento de papel estucado. Sem cola Aparas de papel branco isento de pasta mecânica Aparas de papel branco, isento de pasta mecânica, não estucado. Envelopes brancos cortados Papel tissue sem impressão, colorido na massa Aparas e folhas de papel, isento de pasta mecânica, sem impressão, podendo conter um máximo de 5% de papel estucado. Sem cola. Aparas e folhas de papel branco, isento de pasta mecânica, sem impressão, isento de papel estucado. Sem cola. Aparas e folhas de papel branco, isento de pasta mecânica, sem impressão, isento de papel estucado. Poderá conter alguma cola. Papel tissue não utilizado, sem impressão, colorido na massa, isento de materiais de embalagem Papel tissue branco, sem impressão Papel tissue não utilizado, sem impressão, isento de materiais de embalagem.

23 Grupo 4 Número da Título Descrição Novo Número da Novo Título Descrição da Nova Material canelado não utilizado Caixas, folhas e aparas de cartão canelado, não utilizado, com kraftliners (papéis ou cartões para cobertura) ou testliner Sacos de papel kraft, com papéis polirevestidos Sacos de papel kraft usados, limpos. Resistentes e não resistentes em meio húmido. Poderão incluir papéis polirevestidos Sacos de papel kraft, com papéis polirevestidos Sacos de papel kraft não utilizados.resistentes e não resistentes em meio húmido, podendo incluir papéis polirevestidos. - 21

24 Grupo 5 Número da Título Mistura de papel e cartão recuperados Cartão para embalagem de líquidos Etiquetas de colagem húmida Descrição Papel e cartão não triados, separados na fonte. Embalagem de líquidos, usado, incluindo cartão para embalagem de líquidos revestido a PE (com ou sem teor de alumínio), contendo um mínimo de 50% em peso de fibras, e sendo o fator de equilíbrio o alumínio ou os revestimentos. Etiquetas de colagem húmida, a partir de papéis resistentes em meio húmido, usadas, contendo um máximo de 1% de teor de vidro e um máximo de 50% de humidade, sem quaisquer outros materiais não utilizáveis. Novo Número da Novo Título Mistura de papéis Cartão para embalagem de líquidos, usado Cartão para embalagem de líquidos, não utilizado Etiquetas de colagem húmida Etiquetas secas Descrição da Nova Uma mistura de várias categorias de papel que podem ser encontradas nos grupos 1 a 5. Cartão para embalagem de líquidos, usado, com camada de plástico (com ou sem teor de alumínio), contendo um mínimo de 50% em peso de fibras. Aparas ou folhas de cartão para embalagem de líquidos, impresso ou sem impressão, (com ou sem alumínio e/ou camada de plástico), contendo um mínimo de 50 % em peso de fibras. Etiquetas de colagem húmida, a partir de papéis resistentes em meio húmido, usadas, contendo um máximo de 1% de teor de vidro e um máximo de 50% de humidade, sem quaisquer outros materiais não utilizáveis. Etiquetas feitas de papéis resistentes em meio húmido Etiquetas com uma camada de base Papel de etiquetagem, papel anti-adesivo e etiquetas, bem como provenientes da conversão e distribuição de etiquetas Películas de papel amovíveis para etiquetas auto-adesivas Materiais para películas amovíveis provenientes da conversão e distribuição de etiquetas auto-adesivas. Os materiais devem estar isentos de etiquetas, mandris e outros contaminantes.

Mercado da reciclagem: a qualidade dos materiais

Mercado da reciclagem: a qualidade dos materiais Mercado da reciclagem: a qualidade dos materiais Cinthia Versiani Scott Varella Ms. Engenheira de Produção Pesquisadora do Núcleo Alternativas de Produção Consultora INSEA Objetivo Qualidade da matéria

Leia mais

Certificação 3R6 das lojas próprias MEO. Sustentabilidade

Certificação 3R6 das lojas próprias MEO. Sustentabilidade Certificação 3R6 das lojas próprias MEO Sustentabilidade 2014 AGENDA ENQUADRAMENTO CERTIFICAÇÃO 3R6 ENQUADRAMENTO A Ponto Verde Serviços é uma empresa de consultoria ambiental criada em 2011 pela Embopar

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE VIDRO

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE VIDRO RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE VIDRO Documentos de referência: Despacho n.º15370/2008 (Alteração à licença concedida à Sociedade Ponto Verde em 7 de Dezembro de 2004); Ajustamento, de 24 de Novembro de 2008,

Leia mais

Informação sobre a Recuperação e Reciclagem de Papel e Cartão em Portugal 2011

Informação sobre a Recuperação e Reciclagem de Papel e Cartão em Portugal 2011 Informação sobre a Recuperação e Reciclagem de Papel e Cartão em Portugal 2011 Índice A RECUPERAÇÃO EM PORTUGAL DE PAPEL E CARTÃO PARA RECICLAR... 3 DADOS GLOBAIS 2011... 4 PAPEL E CARTÃO PARA RECICLAR...

Leia mais

plástico papel vidro minerais O Seu Parceiro nos sectores de: Triagem de Tecnologia de triagem com sensor Triagem de Triagem de Triagem de

plástico papel vidro minerais O Seu Parceiro nos sectores de: Triagem de Tecnologia de triagem com sensor Triagem de Triagem de Triagem de www.redwave.at POR O Seu Parceiro nos sectores de: plástico papel Tecnologia de triagem com sensor REDWAVE é uma marca registada da BT-Wolfgang Binder GmbH, aplicada no sector da tecnologia de triagem

Leia mais

Benchmarking de Fábricas de Celulose e Papel Tipos de Papéis Rev. 29.01.13

Benchmarking de Fábricas de Celulose e Papel Tipos de Papéis Rev. 29.01.13 Benchmarking de Fábricas de Celulose e Papel Tipos de Papéis Rev. 29.01.13 PAPÉIS PARA IMPRIMIR E ESCREVER 1. PAPÉIS DE IMPRIMIR BÍBLIA Papel fabricado com pasta química branqueada, gramatura máxima de

Leia mais

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc.

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc. Ciclo de Vida Papel Há divergência quanto ao período de surgimento do papel, pois foi um processo que foi sendo desenvolvido ao longo dos anos, porém há registros deste sendo utilizado primeiramente pelos

Leia mais

Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC) Revitalização dos Programas de Coleta Seletiva e de Minimização de Resíduo Sólido na FEC

Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC) Revitalização dos Programas de Coleta Seletiva e de Minimização de Resíduo Sólido na FEC Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC) Revitalização dos Programas de Coleta Seletiva e de Minimização de Resíduo Sólido na FEC mar. 2013 Programa de Coleta seletiva na FEC Iniciado

Leia mais

FAQ. Regulamento CLP

FAQ. Regulamento CLP FAQ Regulamento Questões mais frequentes no âmbito do Regulamento n.º 1272/2008 () Versão 2.1 novembro 2012 Índice Âmbito 3 O que é o? 3 Quem é afetado pelo? 3 O que acontece à anterior legislação sobre

Leia mais

Por favor, separe os seus resídous/lixo!

Por favor, separe os seus resídous/lixo! Por favor, separe os seus resídous/lixo! Preste atenção às seguintes regras de separação dos resíduos de Salzburgo e apoe-nos na redução e reciclagem de resíduos/lixo! A sua contribuição para a protecção

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA FARMÁCIA COMUNITÁRIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA FARMÁCIA COMUNITÁRIA PROCEDIMENTO Luis Figueiredo 2014.02.06 16:30:46 Z 1. OBJECTIVO Definição de procedimentos a realizar nas farmácias comunitárias aderentes ao SIGREM. 2. ÂMBITO A VALORMED tem por objectivo a implementação

Leia mais

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO SERVIÇO EXTRA URBANO O Serviço extra Urbano corresponde ao serviço a ser prestado aos produtores de resíduos não urbanos de embalagens, de forma a garantir a esses produtores um destino final adequado

Leia mais

Perguntas Frequentes 1. O que é uma embalagem da Tetra Pak ou Longa Vida? 2. O alumínio da embalagem entra em contato com o alimento?

Perguntas Frequentes 1. O que é uma embalagem da Tetra Pak ou Longa Vida?  2. O alumínio da embalagem entra em contato com o alimento? Perguntas Frequentes 1. O que é uma embalagem da Tetra Pak ou Longa Vida? R: A embalagem da Tetra Pak é composta por várias camadas de materiais. Estas criam uma barreira que impede a entrada de luz, ar,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 Regulamentação do descarte de resíduos comuns, recicláveis, pilhas e baterias e lâmpadas no Centro de Ciências da Saúde da UFRJ - CCS-UFRJ. 1 Objetivo e aplicação Com o

Leia mais

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 Capítulo I CONCEITOS GERAIS SOBRE EMBALAGEM 1. Introdução 2 2. As funções da embalagem 2 3. Classificação das embalagens 5 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 5. O ambiente e a embalagem

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00013/2014-000 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00013/2014-000 SRP 26422 - INST.FED. DE EDUC., CIENC. E TEC. CATARINENSE 158459 - INST.FED.CATARINENSE/CAMPUS ARAQUARI RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00013/2014-000 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - Confecção Materiais

Leia mais

Directiva 94/62/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de Dezembro de 1994, relativa a embalagens e resíduos de embalagens

Directiva 94/62/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de Dezembro de 1994, relativa a embalagens e resíduos de embalagens Directiva 94/62/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de Dezembro de 1994, relativa a embalagens e resíduos de embalagens O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado

Leia mais

PAPEL PARA IMPRENSA PAPÉIS DE IMPRIMIR

PAPEL PARA IMPRENSA PAPÉIS DE IMPRIMIR TIPOS DE PAPEIS: PAPEL PARA IMPRENSA Papel de impressão de jornais e periódicos, fabricado principalmente com pasta mecânica ou mecano-química, com 45 a 56 g/m2, com ou sem linhas d'água no padrão fiscal,

Leia mais

Professora. Trabalhar com a reciclagem de materiais, além de valorizar as instalações escolares já feitas com esse tipo de material.

Professora. Trabalhar com a reciclagem de materiais, além de valorizar as instalações escolares já feitas com esse tipo de material. Professora 1. Objetivos Gerais A partir do maior conhecimento do trabalho do professor, fazer com que os alunos percebam a importância de se trabalhar com papel e demais materiais reciclados. Outro assunto

Leia mais

CONDIÇÕES DE VENDA. 1. Prazo de entrega O prazo de entrega é o referido na confirmação da encomenda, salvo acordo em contrário.

CONDIÇÕES DE VENDA. 1. Prazo de entrega O prazo de entrega é o referido na confirmação da encomenda, salvo acordo em contrário. CONDIÇÕES DE VENDA A venda de produtos da Portucel Soporcel Fine Paper S.A. ( vendedor ) é regulada pelas condições abaixo descritas, em conformidade com as práticas em vigor na indústria e comércio de

Leia mais

Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA

Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA COLETA SELETIVA Conheça algumas medidas importantes para não poluir o meio ambiente na hora de jogar fora o seu lixo Já é inquestionável hoje a importância da reciclagem

Leia mais

A ATIVIDADE DE RECICLAGEM DE PAPEL NO BRASIL

A ATIVIDADE DE RECICLAGEM DE PAPEL NO BRASIL Associação Nacional dos Fabricantes de Papel e Celulose BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social A Questão Florestal e o Desenvolvimento A ATIVIDADE DE RECICLAGEM DE PAPEL NO BRASIL

Leia mais

REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR. O caminho para um futuro melhor.

REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR. O caminho para um futuro melhor. R R R REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR O caminho para um futuro melhor. A FGR se preocupa com o planeta. v Reduza o quanto puder; Reutilize tudo que puder; Recicle o máximo que puder. 2 A qualidade de vida

Leia mais

Tipos de papéis e substratos

Tipos de papéis e substratos Tipos de papéis e substratos O tipo de papel e de substrato influencia diretamente no resultado final do trabalho. Suas características podem acentuar ou desvalorizar uma informação e prejudicar acabamentos.

Leia mais

INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA!

INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA! INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA! LANÇAMENTOS 2012 LINHA APLIKCAR- para envelopamento de veículos VINIL BRANCO BRI.LHANTE - vinil para envelopamento de veículos e impressão digital. VINIL BLACK PIANO

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes Embalagens e Resíduos de Embalagens 1. Qual o enquadramento legal para embalagens e resíduos de embalagens? 2. Na adesão à entidade gestora do sistema integrado de embalagens e resíduos

Leia mais

METODOLOGIA. Preparado para: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ALUMÍNIO - ABAL

METODOLOGIA. Preparado para: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ALUMÍNIO - ABAL METODOLOGIA Preparado para: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ALUMÍNIO - ABAL Março de 2010 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PESQUISA DE PREÇOS... 3 3. PRINCIPAIS CONCEITOS... 4 3.1. Especificação dos Insumos... 4

Leia mais

Município: São Pedro do Ivaí e-mail: nilsonmarquedeoliveira@seed.pr.gov.br Fone: (43) 3451 1241

Município: São Pedro do Ivaí e-mail: nilsonmarquedeoliveira@seed.pr.gov.br Fone: (43) 3451 1241 NRE: Ivaiporã Nome do Professor: Nilson Marques de Oliveira Município: São Pedro do Ivaí e-mail: nilsonmarquedeoliveira@seed.pr.gov.br Fone: (43) 3451 1241 Escola: Escola Estadual Vicente Machado Ensino

Leia mais

Características do papel. Escolhendo formulários préimpressos. Escolhendo papel préperfurado

Características do papel. Escolhendo formulários préimpressos. Escolhendo papel préperfurado A qualidade da impressão e a confiabilidade da alimentação de sua impressora e as opções podem variar de acordo com o tipo e tamanho do material de impressão utilizado. Esta seção fornece as diretrizes

Leia mais

7 fornos solares ÍNDICE

7 fornos solares ÍNDICE ÍNDICE constituição e tipologias -2 materiais -3 orientação do forno -4 concentração da radiação e armazenamento de calor -5 avaliação de desempenho -6 experiência 1 - experiência 2-8 experiência 3-9 para

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

Reciclagem do papel: como é feita e qual a sua importância?

Reciclagem do papel: como é feita e qual a sua importância? Reciclagem do papel: como é feita e qual a sua importância? Cristina Pereira Num anterior artigo falámos-lhe da história do papel. Hoje propomo-nos contar como é feito o aproveitamento de papel usado,

Leia mais

BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES

BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES 3 Definições de lixo: No dicionário: sujeira, imundice, coisa(s) inúteis, velhas, sem valor. Na linguagem técnica: sinônimo

Leia mais

Características do papel. Escolhendo formulários préimpressos

Características do papel. Escolhendo formulários préimpressos A qualidade de impressão e a confiabilidade da alimentação da impressora e dos opcionais podem variar de acordo com o tipo e tamanho da mídia de impressão utilizada. Esta seção fornece diretrizes para

Leia mais

Lista de Verificação de Cantinas Escolares

Lista de Verificação de Cantinas Escolares Lista de Verificação de Cantinas Escolares Nome do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis pelo estabelecimento e NIF Morada do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis

Leia mais

Conceito de Comerciante e Corretor nos termos do Regime Geral de Gestão de Resíduos

Conceito de Comerciante e Corretor nos termos do Regime Geral de Gestão de Resíduos Comerciante/Corretor Versão 2: 08 de julho de 2014 Conceito de Comerciante e Corretor nos termos do Regime Geral de Gestão de Resíduos Índice 1. Enquadramento legislativo e pressupostos... 1 1.1 Pressupostos

Leia mais

LASERJET PRO CM1410 COLORIDA MFP SÉRIE. Guia de referência rápida

LASERJET PRO CM1410 COLORIDA MFP SÉRIE. Guia de referência rápida LASERJET PRO CM1410 COLORIDA MFP SÉRIE Guia de referência rápida Imprimir em papel especial, etiquetas ou transparências 1. No menu Arquivo do programa de software, clique em Imprimir. 2. Selecione o produto

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICADA AOS MATERIAIS DE EMBALAGEM. ADAPTAÇÃO À ROLHA DE CORTIÇA.

LEGISLAÇÃO APLICADA AOS MATERIAIS DE EMBALAGEM. ADAPTAÇÃO À ROLHA DE CORTIÇA. LEGISLAÇÃO APLICADA AOS MATERIAIS DE EMBALAGEM. ADAPTAÇÃO À ROLHA DE CORTIÇA. Sérgio Moutinho Centro Tecnológico da Cortiça IVDP (Porto), 02 de Abril de 2015 Embalagem Definição - Directiva 94/62/CE: todos

Leia mais

Semi-Máscaras Descartáveis

Semi-Máscaras Descartáveis Proteção Respiratória Semi-Máscaras Descartáveis Uvex Silv-Air C Classes FFP1/FFP2/FFP3 CONCEITO Para filtragem de partículas atóxicas ou tóxicas, sólidas, liquidas e fumos, dependendo das variantes em

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS nas Empresas.

Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS nas Empresas. MANUAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Gerência de Desenvolvimento Sustentável Núcleo de Saúde, Segurança e Meio Ambiente (NSSMA/SGI) Apresentação Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação

Leia mais

Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra. A Câmara Municipal das Lajes do Pico convida todos os munícipes a aderir à

Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra. A Câmara Municipal das Lajes do Pico convida todos os munícipes a aderir à Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra A Câmara Municipal das Lajes do Pico convida todos os munícipes a aderir à Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra, e a

Leia mais

Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro

Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro A Portaria n.º 313/96, de 29 de Julho, regulamentou o Decreto-Lei n.º 322/95, de 28 de Novembro, que estabelecia os princípios e as normas aplicáveis à gestão de embalagens

Leia mais

25.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 310/11

25.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 310/11 PT 25.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 310/11 DECISÃO DA COMISSÃO de 18 de Novembro de 2011 que estabelece regras e métodos de cálculo para verificar o cumprimento dos objectivos estabelecidos

Leia mais

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto.

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto. Ficha de Produto Edição 02/09/2010 Identificação n 02 04 01 04 001 0 000001 Sikadur 30 Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação Características / Vantagens Testes Sikadur

Leia mais

OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL

OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL Que resíduos produz? Segundo o Decreto-Lei nº178/2006, de 5 de Setembro, entende-se por resíduos quaisquer substâncias ou objectos de que o detentor se desfaz ou tem a intenção

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE CORPORATIVA Da APA, S.A.

MANUAL DE IDENTIDADE CORPORATIVA Da APA, S.A. MANUAL DE IDENTIDADE CORPORATIVA Da APA, S.A. Manual de Identidade Corporativa da APA, S.A. Versão Controlada 0 Página 1 de 26 1. NORMAS BÁSICAS 1.1. Logotipo DESCRIÇÂO O Logotipo da Administração do Porto

Leia mais

Brochura Institucional

Brochura Institucional Brochura Institucional INTERFILEIRAS A INTERFILEIRAS representa as organizações - Fileiras de material - criadas ao abrigo de legislação específica com a missão de assegurar a retoma e reciclagem de resíduos

Leia mais

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM 1 2 Introdução História da limpeza; Educação Ambiental; Campanhas de Sensibilização, Publicidade; Reciclagem antigamente; Materiais reutilizáveis; Processos

Leia mais

Serviços de Implementação HP: Serviço de instalação

Serviços de Implementação HP: Serviço de instalação Ficha técnica Serviços de Implementação HP: Serviços HP para Computadores e Impressoras Vantagens do serviço Instalação de computadores e impressoras preparados para TI e utilizadores Instalação padrão

Leia mais

CENÁRIO BRASILEIRO. Latas de alumínio e plásticos vão para a indústria de reciclagem.

CENÁRIO BRASILEIRO. Latas de alumínio e plásticos vão para a indústria de reciclagem. CENÁRIO BRASILEIRO O Brasil gera aproximadamente 250 mil toneladas de lixo por dia. Assim, imagine duas filas de caminhões de 5 toneladas de capacidade, ocupando uma distância equivalente a 10 pontes Rio-Niterói.

Leia mais

Programa de Gestão. Ambiental. Cartilha. Ambiental

Programa de Gestão. Ambiental. Cartilha. Ambiental Programa de Gestão Ambiental Cartilha Ambiental Índice Responsabilidade Ambiental 1. Responsabilidade Ambiental 2. Organograma 4. Política Ambiental 6. Coleta Seletiva Interna 12. Dicas Importantes A preocupação

Leia mais

. 03 01 05 Serradura, aparas, fitas de aplainamento, madeira, aglomerados e folheados não

. 03 01 05 Serradura, aparas, fitas de aplainamento, madeira, aglomerados e folheados não Lista de códigos - Lista Europeia de A Semural recepciona os seguintes tipos de resíduos, de acordo com os Códigos - Lista Europeia de Resíduos. Para resíduos perigosos ou outros contacte-nos pois temos

Leia mais

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP Resíduos Hospitalares e a sua Perigosidade Segurança a e Higiene na Produção e Tratamento de Resíduos Hospitalares Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP 1. Gestão de Resíduos O Tratamento dos RSH é um

Leia mais

Papelão Ondulado. Ronildo Peroti Outubro/2012 São Paulo

Papelão Ondulado. Ronildo Peroti Outubro/2012 São Paulo Papelão Ondulado Ronildo Peroti Outubro/2012 São Paulo Ronildo Peroti Experiência no setor nas áreas de Desenvolvimento de Produtos, Produção e Manutenção; Gerente de Desenvolvimento de Produtos da Cartonagem

Leia mais

A reciclagem de papel no Brasil 2014

A reciclagem de papel no Brasil 2014 1 A reciclagem de papel no Brasil 2014 II Encontro Nacional dos Aparistas de Papel São Paulo, 22 outubro 2015 Associação Nacional dos Aparistas de Papel 2 Aparas definidas na Norma Refile de papelão ondulado

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Lote nº 01 01 Agenda permanente com fita em tecido para marcação de datas Unidade 50 02 Bobina para máquina de calcular em papel apergaminhado 57mm x 30m. Modelo de referência:

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. JUSTIFICATIVA: A eventual e futura aquisição de itens gráficos através deste Registro de Preços tem por finalidade a utilização interna desse material nas áreas administrativas

Leia mais

Transporte e eliminação dos Resíduos de Construção e Demolição contendo Amianto. Seminário sobre Amianto

Transporte e eliminação dos Resíduos de Construção e Demolição contendo Amianto. Seminário sobre Amianto Transporte e eliminação dos Resíduos de Construção e Demolição contendo Amianto Seminário sobre Amianto Maia, 26 de novembro de 2015 Portaria n.º 40/2014, de 17 de fevereiro RESÍDUOS DL n.º 46/2008, 12

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823

Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823 LISTA DE OPERADORES DE GESTÃO DE RESÍDUOS LICENCIADOS EM SÃO JORGE ATUALIZADA A 31.07.2012 Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823 - Armazenagem dos seguintes resíduos: LER Alvará n.º 5/DRA/2012 (validade:

Leia mais

ABNT/CB29 Comitê Brasileiro de Celulose e Papel

ABNT/CB29 Comitê Brasileiro de Celulose e Papel ABNT/CB29 Comitê Brasileiro de Celulose e Papel de Papéis Reciclados CB29-0575/2008rev1 1 CE Papéis Reciclados Sugestão de roteiro para a reunião de 11/9/2008 Considera os dados, textos internacionais

Leia mais

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos Humberto Marques e Humberto Gonçalves Tomar, 3 de Março 2012 INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO A indústria da construção

Leia mais

FAQ FISCALIDADE VERDE CONTRIBUIÇÃO SOBRE OS SACOS DE PLÁSTICO LEVES

FAQ FISCALIDADE VERDE CONTRIBUIÇÃO SOBRE OS SACOS DE PLÁSTICO LEVES FAQ FISCALIDADE VERDE CONTRIBUIÇÃO SOBRE OS SACOS DE PLÁSTICO LEVES 1. Porquê a introdução de uma contribuição sobre os sacos de plástico leves (mais comummente designados por sacos de compras )? Para

Leia mais

Notas sobre o Novo Regulamento de Monitorização. e Comunicação de Emissões

Notas sobre o Novo Regulamento de Monitorização. e Comunicação de Emissões Notas sobre o Novo Regulamento de Monitorização 1. Terminologia e Comunicação de Emissões Entrada em vigor a 01.01.2013 O novo Regulamento (UE) N.º 601/2012 da Comissão, de 21 de junho de 2012 (MRR) contém

Leia mais

IMACOAT VERNIZ UV. IMAGRAF Indústria de Tintas Gráficas Ltda. Página 1 de 8. : Rua D Oro, 201 Jd. Cruzeiro Distrito Industrial

IMACOAT VERNIZ UV. IMAGRAF Indústria de Tintas Gráficas Ltda. Página 1 de 8. : Rua D Oro, 201 Jd. Cruzeiro Distrito Industrial Página 1 de 8 IMACOAT VERNIZ UV IMAGRAF Indústria de Tintas Gráficas Ltda Vendas : Rua D Oro, 201 Jd. Cruzeiro Distrito Industrial Mairinque SP Brasil CEP 18120-000 Telefone : (55+11) 4718 1745 Fax : (55+11)

Leia mais

Consultora da Futurepack e Instituto de Embalagens

Consultora da Futurepack e Instituto de Embalagens Consultora da Futurepack e Instituto de Embalagens Mestre em embalagens pela Michigan State University em Michigan/EUA; Engenheira Química pela Escola de Engenharia Mauá. Participação de cursos na área

Leia mais

ETIQUETAS AUTOCOLANTES

ETIQUETAS AUTOCOLANTES ETIQUETAS AUTOCOLANTES Domino. Do more. Etiquetas Autocolantes A nossa experiência Desde 2006 que a MARQUE TDI produz e comercializa etiquetas brancas autocolantes, como complemento à sua gama de soluções

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O USO SUSTENTÁVEL DO PAPEL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ORIENTAÇÕES PARA O USO SUSTENTÁVEL DO PAPEL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ORIENTAÇÕES PARA O USO SUSTENTÁVEL DO PAPEL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental SAIC Departamento de Cidadania e Responsabilidade

Leia mais

FAQ s. Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n.

FAQ s. Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n. FAQ s Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n.º 02/INFARMED/ACSS Versão Versão Data FAQ s Introduzidas FAQ s Retificadas 1.0 2012-06-01

Leia mais

RESULTADO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 37/2012

RESULTADO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 37/2012 RESULTADO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 37/2012 Objeto: O PRESENTE PREGÃO PRESENCIAL TEM POR OBJETO A SELEÇÃO DAS MELHORES PROPOSTAS PARA O FORNECIMENTO DE MATERIAIS DE EXPEDIENTE UTILIZADOS NO CISAMUSEP. Item

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA DESAFIOS Estabelecer a logística reversa Regulamentar planos de gerenciamento de resíduos Implantação

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES APLICÁVEL A PARTIR DA COLHEITA DE 2014 Visão Geral Este documento explica como usar os modelos fornecidos pela BCI, para

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Adequação às Normas e Legislações Vigentes... 3 3. Definições de Obrigações e Responsabilidades... 3 4. Diretrizes Mínimas Exigidas...

Leia mais

O que acontece com o teu Lixo?

O que acontece com o teu Lixo? VIDRARIA FABRICANTE DE PAPEL COMPOSTAGEM O que acontece com o teu Lixo? Cada um tem seu próprio rumo... O orgânico.. O compost O compostagem de residuos umido reproduz o processo natural de decomposição

Leia mais

ENplus Handbook, Part 3 - Pellet Quality Requirements. ENplus. Sistema de Certificação de Qualidade para Pellets de Madeira.

ENplus Handbook, Part 3 - Pellet Quality Requirements. ENplus. Sistema de Certificação de Qualidade para Pellets de Madeira. ENplus Handbook, Part 3 - Pellet Quality Requirements ENplus Sistema de Certificação de Qualidade para Pellets de Madeira Manual ENplus Parte 3: Requisitos de Qualidade do Pellet Versão 3.0, Agosto 2015

Leia mais

DO MEIO AMBIENTE. Transporte seguro. Contentores, enterrados e semi-enterrados. Recolha selectiva. Prevenção de fugas

DO MEIO AMBIENTE. Transporte seguro. Contentores, enterrados e semi-enterrados. Recolha selectiva. Prevenção de fugas DO MEIO AMBIENTE Transporte seguro Contentores, enterrados e semi-enterrados Prevenção de fugas Recolha selectiva Menos resíduos, menos poluição, mais futuro ao serviço da logística e de um ambiente melhor

Leia mais

Tabela 6.1 Pessoas responsáveis e equipamento auxiliar utilizado no manuseamento e separação dos resíduos sólidos na fonte

Tabela 6.1 Pessoas responsáveis e equipamento auxiliar utilizado no manuseamento e separação dos resíduos sólidos na fonte Tabela 6.1 Pessoas responsáveis e equipamento auxiliar utilizado no manuseamento e separação dos resíduos sólidos na fonte Fonte Residencial Pequena dimensão Média dimensão Grande dimensão Comercial Industrial

Leia mais

COLETA SELETIVA VIDRO

COLETA SELETIVA VIDRO PROJETO COLETA SELETIVA VIDRO Florianópolis, 29 de abril de 2013 Assessoria Técnica - ASTE Departamento Técnico DPTE 2 1. CONTEXTUALIZAÇÃO As obrigações impostas pela Política Nacional de Resíduos Sólidos

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS NATURAIS Direção Regional do Ambiente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS NATURAIS Direção Regional do Ambiente 5ª ADENDA AO ALVARÁ DE LICENÇA DE FUNCIONAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 9/DRA/2008 Nos termos do Decreto-Lei nº 152/2002, de 23 de maio, a atribuiu o alvará nº 9/DRA/2008

Leia mais

EM398x-R1 UPS 600-1000-1600VA

EM398x-R1 UPS 600-1000-1600VA EM398x-R1 UPS 600-1000-1600VA EM398X-R1 - UPS 600-1000-1600VA 2 PORTUGUÊS Índice 1.0 Introdução... 2 1.1 Funções e funcionalidades... 2 1.2 Conteúdo da embalagem... 3 1.3 Ligar a UPS... 3 2.0 Software

Leia mais

NORMAS DE ROTULAGEM. Com o Logotipo da Marca Registrada Demeter e Biodinâmico. Revisão junho 2013

NORMAS DE ROTULAGEM. Com o Logotipo da Marca Registrada Demeter e Biodinâmico. Revisão junho 2013 NORMAS DE ROTULAGEM Com o Logotipo da Marca Registrada e Biodinâmico Revisão junho 2013 A ser executado por cada país membro até 1 de julho de 2014 Internacional Normas de Rotulagem Internacional junho

Leia mais

ANEXO PAPRU Resiestrela

ANEXO PAPRU Resiestrela 0 RESIESTRELA, SA Situação Actual 1. Universo de Intervenção O Sistema Multimunicipal de Valorização e Tratamento dos Resíduos Sólidos da Cova da Beira, criado pelo Decreto-Lei n.º 128/2008, de 21 de Julho,

Leia mais

BS 29. Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) Tel. +49 (0) 731 / 39 89-144 Fax: +49 (0) 731 / 39 89-255 www.beurer.de Mail: kd@beurer.

BS 29. Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) Tel. +49 (0) 731 / 39 89-144 Fax: +49 (0) 731 / 39 89-255 www.beurer.de Mail: kd@beurer. BS 29 P P Espelho de bolso iluminado Instruções de utilização Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) Tel. +49 (0) 731 / 39 89-144 Fax: +49 (0) 731 / 39 89-255 www.beurer.de Mail: kd@beurer.de

Leia mais

Meio-ambiente INFORMAÇÕES DA KODAK

Meio-ambiente INFORMAÇÕES DA KODAK Text-block 1 Meio-ambiente INFORMAÇÕES DA KODAK O Destino e os Efeitos da Prata no Meio-ambiente Os despejos provenientes das instalações de processamento fotográfico são comumente regulamentados através

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA PROGRAMA DE COLETA SELETIVA PROGRAMA DE COLETA SELETIVA Usando Bem Ninguém Fica Sem. PROGRAMA DE COLETA SELETIVA 1. O QUE É COLETA SELETIVA 2. DESTINO FINAL DO LIXO DE SÃO PAULO 3. COMPOSIÇÃO DO LIXO SELETIVO

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

CAMEX - Câmara de Comércio Exterior

CAMEX - Câmara de Comércio Exterior CAMEX - Legislação- Resolução /13 Page 1 of 9 26/02/13 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior CAMEX - Câmara de Comércio Exterior RETIFICAÇÃO (Publicada no D.O.U. de 22/02/13) Na

Leia mais

Boletim Estatístico Nº 2 Outubro de 2009

Boletim Estatístico Nº 2 Outubro de 2009 Boletim Estatístico Nº 2 Outubro de 2009 1. Evolução da Reciclagem em 2008 - Actualização Conforme anunciado, republica-se a informação estatística relativa a 2008, depois de efectuadas diversas correcções

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA

CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA I. Aplicabilidade Estas Condições Gerais serão aplicáveis a todas as compras efetuadas pela Nefab e suas afiliadas (COMPRADOR) junto aos seus fornecedores (VENDEDOR). Desvios

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção

Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação: 03.114 Versão nº 1 Sika MonoTop -412 S Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção Descrição do produto Sika MonoTop

Leia mais

Consulta Pública nº 03, de 24 de janeiro de 2012

Consulta Pública nº 03, de 24 de janeiro de 2012 Consulta Pública nº 03, de 24 de janeiro de 2012 O Secretário Municipal de Saúde, no uso das atribuições adota a seguinte Consulta Pública e determina a sua publicação: Art. 1º Fica aberto, a contar da

Leia mais

UASG. folhas. 300 un 200 un 500 un 2.000 un 300 un 150 un 150 un 200 un

UASG. folhas. 300 un 200 un 500 un 2.000 un 300 un 150 un 150 un 200 un UASG UASG UASG 440001 UASG UASG UASG 130126 UASG Participante 170116 170386 183038 Participante 254420 443020 Ministério Participante Participante Participante Lavoura Participante itens material reciclado

Leia mais

O Secretário de Vigilância Sanitária d Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando:

O Secretário de Vigilância Sanitária d Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando: título: Portaria nº 27, de 18 de março de 1996 ementa não oficial: Aprova o regulamento técnico sobre embalagens e equipamentos de vidro e cerâmica em contato com alimentos, conforme Anexo da presente

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

1 de 5 13/11/2013 11:20

1 de 5 13/11/2013 11:20 1 de 5 13/11/2013 11:20 Licitação : PE013/2013 Data e Hora da Entrega das Propostas: 29/11/2013-10:00 Grupo :035-Materiais de Limpeza e Higiene Pessoal Órgão/Entidade : SECRETARIA DA EDUCACAO idade Licitação

Leia mais

Tork Papel de Remoção. benefício. propriedades do produto. descrição. Cor: Branco Formato: Rolo Alimentação Central Mini

Tork Papel de Remoção. benefício. propriedades do produto. descrição. Cor: Branco Formato: Rolo Alimentação Central Mini benefício Multiusos cobre a maioria das tarefas de remoção Ideal para remoção de vidro Adequado para remoção de mãos Certificado para contacto alimentar Tork Easy Handling, embalagem fácil de carregar,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA REMOÇÃO, ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE DE PARA-RAIOS RADIOATIVOS

INSTRUÇÕES PARA REMOÇÃO, ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE DE PARA-RAIOS RADIOATIVOS INSTRUÇÕES PARA REMOÇÃO, ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE DE PARA-RAIOS RADIOATIVOS ATENÇÃO A REMOÇÃO E O TRANSPORTE DE PARA-RAIOS RADIOATIVOS NÃO APRESENTAM RISCOS RADIOLÓGICOS DESDE QUE SEJAM SEGUIDAS AS

Leia mais