Mercado da reciclagem: a qualidade dos materiais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mercado da reciclagem: a qualidade dos materiais"

Transcrição

1 Mercado da reciclagem: a qualidade dos materiais Cinthia Versiani Scott Varella Ms. Engenheira de Produção Pesquisadora do Núcleo Alternativas de Produção Consultora INSEA

2 Objetivo Qualidade da matéria prima recuperada Qualidade do produto reciclado Eficiência dos processos produtivos Quais são os critérios de qualidade da matéria prima reciclada exigido pela indústria recicladora?

3 Esquema da cadeia da reciclagem Coleta pública Associações de catadores Gerador Catador Grande depósito Recicladoras Coleta privada Depósito

4 Cadeia da reciclagem Atender aos requisitos de qualidade da indústria transformadora é o máximo de agregação de valor na cadeia da reciclagem que um material pode atingir via triagem Como nem sempre as Acs atendem os critérios de qualidade e quantidade dos processos industriais, é necessário outras etapas de triagem para garantir as características desejadas, que são feitas pelos intermediários ou pelas próprias indústrias recicladoras, representando custos, mas também ganhos, a esses atores.

5 As cadeias de reciclagem PLÁSTICOS VIDROS PAPEIS METAIS

6 PLÁSTICOS CLASSIFICAÇÃO DOS PLÁSTICOS ABNT - NBR PET 2 PEAD 3 PVC 4 PEBD 5 PP 6 PS 7 OUTROS As características físicas, como as propriedades óticas destes materiais (transparência e opacidade), a rigidez, a resistência e a densidade, são, via de regra, diferentes, porém elas podem se apresentar de forma semelhante, o que dificulta tanto a separação mecânica como a separação manual

7 PLÁSTICOS Dificuldade na separação dos plásticos: Alguns produtos são fabricados a partir da mistura de mais de um tipo plástico; É comum adicionar aditivos nas resinas plásticas; Um mesmo produto poder ser fabricado a partir de diferentes tipos de plásticos, como é o caso da garrafa de água mineral, dos utensílios domésticos e dos brinquedos; É comum nos plásticos rígidos a presença de outros plásticos aderidos no produto, na forma de tampas e rótulos; Alguns plásticos também se apresentarão com impressão de marcas e outras informações no próprio plástico, muito comum nas sacolinhas de supermercado.

8 PLÁSTICOS PET PEAD PP PEBD PVC PS

9 PAPEIS Na indústria de reciclagem dos papeis quase sempre a separação é orientada por normas da ABNT (NBR de 2007): Esta norma classifica os diferentes tipos de papel e para cada tipo determina: Graus de impureza, Graus de proibitivos e teor máximo de umidade. No setor de celulose, 75% das indústrias de papel utilizam mais de 50% de matéria prima reciclada (BRACELPA,2007).

10 PAPEIS Quanto maior a separação e o grau de pureza, maior o preço da apara (por exemplo, o papelão tipo I é mais caro que o II, que é mais caro que o III e assim sucessivamente). A contaminação das aparas de papel é influenciada pela sua proveniência, ou seja, se elas foram geradas nos domicílios, nas indústrias, nas gráficas, nos supermercados ou em órgão públicos. A depender das características de qualidade eles poderão ou não ser utilizados em um determinado processo de transformação.

11 PAPEIS PAPELÃO PAPEL REVISTA EMBALAGENS LONGA VIDA PAPEL BRANCO PAPEL JORNAL

12 OBRIGADA!!!

13

14 PP - polipropileno Como o PP é processado: 1. Por tipo de produto: PP água mineral, PP balde/bacia, PP pára-choque, PP caixaria, PP toddy, PP filme etc 2. Separados por cor: tons azuis, amarelos, vermelhos, branco, transparente Obs.: é muito comum a contaminação do PE no PP, que até determinados teores são admitidos em alguns processos

15 PEAD polietileno de alta densidade Como o PEAD é processado: 1. Separados por cor: tons azuis, amarelos, vermelhos, brancos e transparentes 2. Separados por produto: o que é frasco pode misturar, porém as bombonas normalmente devem ser separadas Obs.: A separação mecânica do PP e do PEAD é complicada, pois ambos flutuam na água (a densidade é próxima)

16 PEBD polietileno de baixa densidade Como o PEBD é processado: 1. Separados por cor: plástico colorido e plástico incolor Obs: Materiais contaminado com restos de alimentos é necessário produtos químicos para remover a gordura, o que complica o sistema de tratamento de água. A mistura do PEAD e do PEBD é possível em qualquer proporção para que se obtenha produtos de flexibilidade intermediária

17 PET tereftalato de etileno Como o PET é processado: 1. Separados por cor e produto: verde, transparente e óleo OBS.: A contaminação com o PVC, mesmo que em quantidade ínfima (partes por milhão) é muito maléfico para o processo Não é comum encontrar outros materiais plásticos no PET verde, o mesmo não acontece no PET transparente que tem mais contaminante (a incidência de não PET é mais comum no Branco).

18 PVC policloreto de vinila Como o PVC é processado: 1. Separados por cor: preto, cinza, coloridos, leitosos e transparentes 2. Separados por tipo: tubos e conexões, mangueiras, encartelados, filme etc 3. Densidade (aditivos) Obs: O PVC é uma material que tem muitos aditivos, o que exige um controle de qualidade. É necessário uma etapa de homogeinização para misturar materiais de diferentes proveniências. A separação do PET e do PVC não é possível via decantação, pois a densidade é muito próxima.

19 PS poliestireno Como o PS é processado: 1. Separados por cor: branco, colorido, azul, amarelo, vermelho, preto 2. Separados por tipo: copinho, rolos de filme, estandes publicitários etc Obs: o problema da reciclagem do PS expandido (isopor) é o custo logístico.

20 PAPELÃO Como o PAPELÃO é processados: - Critérios de separação: de acordo com as normas da ABNT - Contaminantes: plásticos, metais, fitas adesivas, grampos, sujeira (areia, restos de alimento) - Proibitivos: graxa, parafina, hot melt, betume, papel higiênico, óleo, ticket de metrô (possui tinta mineral que não é absorvida no processo), caixa de ovo, carbono.

21 PAPELÃO NORMAS ABNT NBR 15483:2007 Material Especificação Teor máximo de umidade 13% Apara de refile de papelão Teor máximo de impurezas 0% ondulado Teor máximo de materiais proibitivos 0% Apara de papelão ondulado I Apara de papelão ondulado II Apara de papelão ondulado III Teor máximo de umidade 15% Teor máximo de impurezas 3% Teor máximo de materiais proibitivos 0% Teor máximo de umidade 15% Teor máximo de impurezas 5% Teor máximo de materiais proibitivos 1% Teor máximo de umidade 15% Teor máximo de impurezas 5% Teor máximo de materiais proibitivos 3%

22 PAPEL REVISTA Como o papel revista é processado: - São processados o papel revista (separado de outros tipos de papel) e o encarte (papel que se assemelha com o papel revista, porém tem menos carga mineral) - Contaminantes: plásticos, metais, fitas adesivas, grampos, sujeira (areia, restos de alimento), tetrapack, papel manteiga e papel moeda. - Os contaminantes são separados mecanicamente ao longo do processo (até 10%) - A carga mineral que está contida no papel revista é bom para o processo de fabricação das telhas pois ajuda na fixação do betume. Já na reciclagem de papel higiênico, em alguns casos, a carga mineral é vista de forma negativa, pois é preciso removê-la do processo, encarecendo-o.

23 PAPEL REVISTA NORMAS ABNT NBR 15483:2007 Material Descrição Especificação Aparas de revista I Aparas de revista II Aparas de revistas novas, sem cola, em papel revestido ou não, branco ou colorido em massa, isentos de capas duras, etiquetas e de papel jornal Aparas de revistas com ou sem revestimento, cola e com presença de até 10% de jornal e/ou papeis coloridos em massa. Teor máximo de umidade 12% Teor máximo de impurezas 2% Teor máximo de materiais proibitivos 0% Teor máximo de umidade 12% Teor máximo de impurezas 2% Teor máximo de materiais proibitivos 1%

24 EMBALAGEM LONGA VIDA Como a embalagem longa vida é processada: - Embalagens longa vida separadas de outros tipos de material - Contaminantes: plásticos, papeis, metais, fitas adesivas, grampos, sujeira (areia, restos de alimento), fitilhos de amarrar fardos. - Parte dos contaminantes é retirada por inspeção visual no inicio do processo e parte mecanicamente ao longo do processo. - Como a indústria de alimentos não pode utilizar em seu processo papel reciclado (de acordo com as normas da ANVISA), o papel cartão presente nas embalagens longa vida é o único papel pós-consumo que se consegue ter certeza de que será a primeira reciclagem da fibra. - A separação do alumínio do papel tem que ser bem feita, pois o alumínio é um contaminante na indústria de reciclagem do papelão

25 EMBALAGEM LONGA VIDA NORMAS ABNT NBR 15483:2007 Material Descrição Especificação Aparas de embalagens de cartão para alimentos tipo longa vida Aparas de embalagens usadas ou não de cartão fabricado com fibra longa e laminado com polietileno e alumínio para alimentos. Teor máximo de umidade 15% Teor máximo de impurezas 3% Teor máximo de materiais proibitivos 1%

26 PAPEL BRANCO Como o papel branco é processado: - Critérios de separação: de acordo com as normas da ABNT - Contaminantes: plásticos, outros tipos de papeis, metais, fitas adesivas, grampos, sujeira (areia, restos de alimento). - Proibitivos: graxa, parafina, hot melt, betume, papel higiênico, óleo, ticket de metrô (possui tinta mineral que não é absorvida no processo), caixa de ovo, carbono. - Não pode haver adesivos e colas ( veneno para o processo). A cola utilizada em revistas não tem problema, mas as utilizadas nos livros e em bloquinhos são problemáticas. - Não pode haver contaminação de papel Kraft e papelão. - fardo com predominância de uma cor não é desejável porque passa a coloração para o papel.

27 PAPEL BRANCO Material Aparas de papel branco revestido Aparas de papel branco I Aparas de papel branco II Aparas de papel branco III NORMAS ABNT NBR 15483:2007 Especificação Teor máximo de umidade 10% Teor máximo de impurezas 1% Teor máximo de materiais proibitivos 0% Teor máximo de umidade 10% Teor máximo de impurezas 0% Teor máximo de materiais proibitivos 0% Teor máximo de umidade 10% Teor máximo de impurezas 3% Teor máximo de materiais proibitivos 0% Teor máximo de umidade 10% Teor máximo de impurezas 3% Teor máximo de materiais proibitivos 0%

28 PAPEL JORNAL Como os materiais são processados: - Papel jornal independente da classificação da ABNT - Contaminantes: plásticos, outros tipos de papeis, metais, fitas adesivas, grampos, sujeira (areia, restos de alimento) - Proibitivos: graxa, parafina, hot melt, betume, papel higiênico, óleo, ticket de metrô (possui tinta mineral que não é absorvida no processo), caixa de ovo, carbono. - Catálogo e o hot melt atrapalham o processo. Material com carga também é indesejável. O encalhe (que vem da gráfica) vem com plástico e encarte dentro do jornal, o que não é desejável

29 PAPEL JORNAL Material Aparas de papel jornal I Aparas de papel jornal II Aparas de papel jornal III NORMAS ABNT NBR 15483:2007 Especificação Teor máximo de umidade 10% Teor máximo de impurezas 0% Teor máximo de materiais proibitivos 0% Teor máximo de umidade 12% Teor máximo de impurezas 1% Teor máximo de materiais proibitivos 0% Teor máximo de umidade 12% Teor máximo de impurezas 1% Teor máximo de materiais proibitivos 1%

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO SERVIÇO EXTRA URBANO O Serviço extra Urbano corresponde ao serviço a ser prestado aos produtores de resíduos não urbanos de embalagens, de forma a garantir a esses produtores um destino final adequado

Leia mais

Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA

Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA COLETA SELETIVA Conheça algumas medidas importantes para não poluir o meio ambiente na hora de jogar fora o seu lixo Já é inquestionável hoje a importância da reciclagem

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 Regulamentação do descarte de resíduos comuns, recicláveis, pilhas e baterias e lâmpadas no Centro de Ciências da Saúde da UFRJ - CCS-UFRJ. 1 Objetivo e aplicação Com o

Leia mais

O Setor de Reciclagem de Material Plástico

O Setor de Reciclagem de Material Plástico O Setor de Reciclagem de Material Plástico Características da indústria de reciclagem: Quantas recicladoras existem para Alumínio? Aço? Vidro? Tetrapack? Papelão? Os produtores são quem adquirem a sucata

Leia mais

Consultora da Futurepack e Instituto de Embalagens

Consultora da Futurepack e Instituto de Embalagens Consultora da Futurepack e Instituto de Embalagens Mestre em embalagens pela Michigan State University em Michigan/EUA; Engenheira Química pela Escola de Engenharia Mauá. Participação de cursos na área

Leia mais

POLÍMEROS POLIETILENO DE BAIXA DENSIDADE

POLÍMEROS POLIETILENO DE BAIXA DENSIDADE POLÍMEROS Os polímeros são macromoléculas formada pela união de pequenas unidades que se repetem, os monômeros. Existem basicamente dois tipos de polimerização: adição e condensação. Na polimeirzação por

Leia mais

OFICINA DE IDENTIFICAÇÃO DE PLÁSTICOS. Grupo Pauling Escola José Gomes Filho

OFICINA DE IDENTIFICAÇÃO DE PLÁSTICOS. Grupo Pauling Escola José Gomes Filho OFICINA DE IDENTIFICAÇÃO DE PLÁSTICOS Grupo Pauling Escola José Gomes Filho O QUE SÃO PLÁSTICOS? São polímeros (grandes moléculas) sintéticos, fabricados para suprir nossas necessidades com custo mais

Leia mais

Tipos de papéis e substratos

Tipos de papéis e substratos Tipos de papéis e substratos O tipo de papel e de substrato influencia diretamente no resultado final do trabalho. Suas características podem acentuar ou desvalorizar uma informação e prejudicar acabamentos.

Leia mais

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto.

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. REDUZIR REUTILIZAR RECUPERAR RECICLAR A redução deve ser adaptada por

Leia mais

Plásticos x Meio Ambiente. Jamille Valéria Piovesan Silvane Machado

Plásticos x Meio Ambiente. Jamille Valéria Piovesan Silvane Machado Plásticos x Meio Ambiente Jamille Valéria Piovesan Silvane Machado JUSTIFICATIVA A maioria das invenções modernas estão diretamente relacionadas com nosso conforto e praticidade, porém muitas delas são

Leia mais

13/09/2014. Consiste em usar os recursos do planeta de forma responsável, atendendo às necessidades atuais sem prejudicar as futuras gerações.

13/09/2014. Consiste em usar os recursos do planeta de forma responsável, atendendo às necessidades atuais sem prejudicar as futuras gerações. 6º Anos Prof. Leonardo F. Stahnke Consiste em usar os recursos do planeta de forma responsável, atendendo às necessidades atuais sem prejudicar as futuras gerações. Para se alimentar, o ser humano abate

Leia mais

10/8/2013. Para se alimentar, o ser humano abate animais, colhe frutos, sementes, etc, recursos naturais que podem ser repostos;

10/8/2013. Para se alimentar, o ser humano abate animais, colhe frutos, sementes, etc, recursos naturais que podem ser repostos; 6º Anos Prof. Leonardo F. Stahnke Consiste em assegurar uma gestão responsável dos recursos do planeta de forma a preservar os interesses das futuras gerações e ao mesmo tempo atender às necessidades das

Leia mais

SEPARAÇÃO E PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS

SEPARAÇÃO E PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS SEPARAÇÃO E PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS Planejamento e Gestão de Resíduos Especificações para reuso USO/APLICAÇÃO Reuso Direto Matéria prima para remanufatura reprocessamento e EXEMPLOS Tábuas, pranchas

Leia mais

Programa de Gestão. Ambiental. Cartilha. Ambiental

Programa de Gestão. Ambiental. Cartilha. Ambiental Programa de Gestão Ambiental Cartilha Ambiental Índice Responsabilidade Ambiental 1. Responsabilidade Ambiental 2. Organograma 4. Política Ambiental 6. Coleta Seletiva Interna 12. Dicas Importantes A preocupação

Leia mais

BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES

BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES 3 Definições de lixo: No dicionário: sujeira, imundice, coisa(s) inúteis, velhas, sem valor. Na linguagem técnica: sinônimo

Leia mais

A RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA AMPLIAÇÃO

A RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA AMPLIAÇÃO A RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA AMPLIAÇÃO DSc. Engª Jacqueline Rutkowski M.Sc. Eng. Cinthia V. Varella MSc Eng.Larissa Campos. Instituto Interdisciplinar

Leia mais

Título do experimento: Identificando os plásticos. Conceitos: Química Orgânica: Polímeros A química dos Plásticos.

Título do experimento: Identificando os plásticos. Conceitos: Química Orgânica: Polímeros A química dos Plásticos. Título do experimento: Identificando os plásticos Conceitos: Química Orgânica: Polímeros A química dos Plásticos. Materiais: - Plásticos diversos; - Lamparina; - Pinça; - Tesoura; - Pedaço de fio de cobre;

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA PROGRAMA DE COLETA SELETIVA PROGRAMA DE COLETA SELETIVA Usando Bem Ninguém Fica Sem. PROGRAMA DE COLETA SELETIVA 1. O QUE É COLETA SELETIVA 2. DESTINO FINAL DO LIXO DE SÃO PAULO 3. COMPOSIÇÃO DO LIXO SELETIVO

Leia mais

RESPEITO E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL

RESPEITO E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL RESPEITO E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL A Comissão Ministerial de Gestão Ambiental foi criada através da Portaria POR-PGJ n 204/08, com o fim de estudar, sugerir e acompanhar a implementação de medidas administrativas

Leia mais

RECYCLING EQUIPMENT & MACHINERY COSTRUZIONI MECCANICHE IMPIANTI INDUSTRIALI

RECYCLING EQUIPMENT & MACHINERY COSTRUZIONI MECCANICHE IMPIANTI INDUSTRIALI APRESENTAÇÃO EMPRESARIAL 1 Desde 1976, ano de fundação, TECNOFER projeta e constrói equipamentos para a reciclagem de materiais plásticos como filmes de PEBD, PEBD Linear, PEAD, PP; garrafas e outros recipientes

Leia mais

REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR. O caminho para um futuro melhor.

REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR. O caminho para um futuro melhor. R R R REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR O caminho para um futuro melhor. A FGR se preocupa com o planeta. v Reduza o quanto puder; Reutilize tudo que puder; Recicle o máximo que puder. 2 A qualidade de vida

Leia mais

Quando tratamos das propriedades de um material transformado, segundo muitos pesquisadores, estas dependem de uma reciclagem bem sucedida. Para que isto ocorra, os flocos de PET deverão satisfazer determinados

Leia mais

Reciclagem. É preciso esclarecer que reciclagem é um processo e não uma fase e é composto por três etapas muito bem distintas: Coleta e Separação

Reciclagem. É preciso esclarecer que reciclagem é um processo e não uma fase e é composto por três etapas muito bem distintas: Coleta e Separação Reciclagem É preciso esclarecer que reciclagem é um processo e não uma fase e é composto por três etapas muito bem distintas: Coleta e Separação Revalorização Transformação Fase de Coleta e Separação Coleta

Leia mais

Resíduos Sólidos Redução de Embalagens

Resíduos Sólidos Redução de Embalagens Resíduos Sólidos Redução de Embalagens GUILHERME SCHULZ Ecólogo e Biólogo Mestre em Engenharia Bioma Pampa Ecologia guilherme@biomapampa.com.br www.biomapampa.com.br Gestão Ambiental Considerações: Prevenção

Leia mais

O que acontece com o teu Lixo?

O que acontece com o teu Lixo? VIDRARIA FABRICANTE DE PAPEL COMPOSTAGEM O que acontece com o teu Lixo? Cada um tem seu próprio rumo... O orgânico.. O compost O compostagem de residuos umido reproduz o processo natural de decomposição

Leia mais

Guia de Orientação relativo à

Guia de Orientação relativo à Lista Europeia de s Padronizadas relativas a Papel e Cartão para Reciclar Guia de Orientação relativo à EN 643 revista Revisão 2013 3 Todos os direitos reservados. CEPI 2013 Conteúdo Objetivo.................................................................

Leia mais

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Reciclagem Energética Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Claudio Marcondes Engenheiro de Materiais com especialização em Polímeros pela Universidade Federal de São Carlos. Pós graduado

Leia mais

Benchmarking de Fábricas de Celulose e Papel Tipos de Papéis Rev. 29.01.13

Benchmarking de Fábricas de Celulose e Papel Tipos de Papéis Rev. 29.01.13 Benchmarking de Fábricas de Celulose e Papel Tipos de Papéis Rev. 29.01.13 PAPÉIS PARA IMPRIMIR E ESCREVER 1. PAPÉIS DE IMPRIMIR BÍBLIA Papel fabricado com pasta química branqueada, gramatura máxima de

Leia mais

SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS

SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS CATALO DE PRODUTOS SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO E PINTURA EPOXI VERMELHO MODELO AP E PQS Aba na base que impede

Leia mais

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido 1. Introdução Objetivo da pesquisa: analisar a possibilidade de uma destinação dos resíduos de poliestireno expandido (EPS), utilizados

Leia mais

Papelão Ondulado. Ronildo Peroti Outubro/2012 São Paulo

Papelão Ondulado. Ronildo Peroti Outubro/2012 São Paulo Papelão Ondulado Ronildo Peroti Outubro/2012 São Paulo Ronildo Peroti Experiência no setor nas áreas de Desenvolvimento de Produtos, Produção e Manutenção; Gerente de Desenvolvimento de Produtos da Cartonagem

Leia mais

TÍTULO SEGREGAÇÃO DE RESÍDUO COMUM RECICLÁVEL GERÊNCIA DE ENGENHARIA GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RESÍDUOS

TÍTULO SEGREGAÇÃO DE RESÍDUO COMUM RECICLÁVEL GERÊNCIA DE ENGENHARIA GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RESÍDUOS POP 2 TÍTULO SEGREGAÇÃO DE RESÍDUO COMUM RECICLÁVEL CÓDIGO: DATA ELABORAÇÃO: 01/02/2015 DATA PRÓXIMA REVISÃO: 01/02/2016 DATA ÚLTIMA REVISÃO: 18/04/2014 GERÊNCIA DE ENGENHARIA GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO DE

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Lote nº 01 01 Agenda permanente com fita em tecido para marcação de datas Unidade 50 02 Bobina para máquina de calcular em papel apergaminhado 57mm x 30m. Modelo de referência:

Leia mais

Reciclagem e valorização de resíduos sólidos. Meio Ambiente. Sustentabilidade Silvia Piedrahita Rolim

Reciclagem e valorização de resíduos sólidos. Meio Ambiente. Sustentabilidade Silvia Piedrahita Rolim Reciclagem e valorização de resíduos sólidos. Meio Ambiente. Sustentabilidade Silvia Piedrahita Rolim São Paulo, 24 de maio de 2013 AGENDA Gerenciamento de Resíduos Cenário Mundial da Indústria de Reciclagem

Leia mais

UASG. folhas. 300 un 200 un 500 un 2.000 un 300 un 150 un 150 un 200 un

UASG. folhas. 300 un 200 un 500 un 2.000 un 300 un 150 un 150 un 200 un UASG UASG UASG 440001 UASG UASG UASG 130126 UASG Participante 170116 170386 183038 Participante 254420 443020 Ministério Participante Participante Participante Lavoura Participante itens material reciclado

Leia mais

Soluções em Especialidades Industriais

Soluções em Especialidades Industriais Soluções em Especialidades Industriais Guia de Seleção de Produtos A melhor alternativa para sua empresa Especialidades Industriais Alta qualidade e proteção para seu negócio O Grupo Manuli Fitasa apresenta

Leia mais

Especialista em Soluções

Especialista em Soluções Fita Adesiva de Polipropileno (Empacotamento) Fita adesiva de filme de polipropileno biorientado transparente com adesivo acrílico. Indicada para: - Trabalhos escolares; - Reforço de embalagens; - Fechamento

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Processo: 23083.007972/2015-42 Pregão: 25/2015 - IRP - UASG 153115 Vigência: 22/10/2015-21/10/2016 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Objeto: Material de expediente Nº Item Breve Descrição Valor Status 2 álcool

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE VIDRO

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE VIDRO RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE VIDRO Documentos de referência: Despacho n.º15370/2008 (Alteração à licença concedida à Sociedade Ponto Verde em 7 de Dezembro de 2004); Ajustamento, de 24 de Novembro de 2008,

Leia mais

Reciclagem de plásticos e a melhoria da qualidade de água em mananciais urbanos

Reciclagem de plásticos e a melhoria da qualidade de água em mananciais urbanos Reciclagem de plásticos e a melhoria da qualidade de água em mananciais urbanos Curso: Engenharia Ambiental Aluno: André Lenz de Freitas Disciplina: Ecologia Geral Professor: Ricardo Motta Pinto Coelho

Leia mais

Soluções Inteligentes para o dia a dia

Soluções Inteligentes para o dia a dia Soluções Inteligentes para o dia a dia TELHAS TRANSLÚCIDAS 70 % transmissão de luz =$ Alta durabilidade; Não solta fibras; Melhor custo/benefício; Leveza e flexibilidade; Proteção contra raios UV (economia

Leia mais

Cadeia produtiva dos materiais recicláveis no Brasil: um panorama

Cadeia produtiva dos materiais recicláveis no Brasil: um panorama Cadeia produtiva dos materiais recicláveis no Brasil: um panorama DSc. Engª Jacqueline Rutkowski Instituto SUSTENTAR interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Sustentabilidade OBSERVATÓRIO DA RECICLAGEM

Leia mais

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM 1 2 Introdução História da limpeza; Educação Ambiental; Campanhas de Sensibilização, Publicidade; Reciclagem antigamente; Materiais reutilizáveis; Processos

Leia mais

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados.

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. ECOTELHADO Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. TRANSMISSÃO DE CALOR por condução térmica através de materiais

Leia mais

Edital Pibid n 11 /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Plano de Atividades (PIBID/UNESPAR)

Edital Pibid n 11 /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Plano de Atividades (PIBID/UNESPAR) Edital Pibid n 11 /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Plano de Atividades (PIBID/UNESPAR) Tipo do produto: Plano de aula 1 IDENTIFICAÇÃO NOME DO SUBPROJETO: POPULARIZANDO

Leia mais

Identificação de Plásticos através de Testes Físico-Químicos MANUAL PARA O PROFESSOR

Identificação de Plásticos através de Testes Físico-Químicos MANUAL PARA O PROFESSOR Identificação de Plásticos através de Testes Físico-Químicos MANUAL PARA O PROFESSOR 0 Índice 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 4 3. Material/Equipamento... 5 3.1. Preparação das amostras... 5 3.2. Teste

Leia mais

7. RECICLAGEM 7.1 RECICLAGEM DE EMBALAGENS. 7.1.1 Latas de Alumínio

7. RECICLAGEM 7.1 RECICLAGEM DE EMBALAGENS. 7.1.1 Latas de Alumínio 92 Panorama dos no Brasil 200..1 DE EMBALAGENS Os dados mais recentes disponibilizados pelas associações que congregam as empresas dos segmentos mais diretamente envolvidos na fabricação de embalagens

Leia mais

Antonio Celso da Silva

Antonio Celso da Silva Antonio Celso da Silva Químico, 30 anos de experiência na indústria cosmética, vividos na Avon, Natura, Payot, Embelleze e Corpus Cosméticos. Ministrante de cursos e palestras técnicas em congressos, universidades

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS PRODUTOS COMERCIALIZADOS PELA MIPEL

DESCRIÇÃO DOS PRODUTOS COMERCIALIZADOS PELA MIPEL DESCRIÇÃO DOS PRODUTOS COMERCIALIZADOS PELA MIPEL 1. FITA PARA EMPACOTAMENTO LEVE Fita adesiva de filme de Polipropilento Biorientado com Adesivo Acrílico: Indicado para fechamento de pacotes leves, trabalhos

Leia mais

MATERIAIS RECICLÁVEIS

MATERIAIS RECICLÁVEIS MATERIAIS RECICLÁVEIS Mariana de Moraes Cardoso Luiza Amalia Pinto Cantão Sandro Donnini Mancini Larissa de Lima Pitondo Campus Experimental de Sorocaba Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca da

Leia mais

MODELO DE PLANILHA DE PROPOSTA DE PREÇOS

MODELO DE PLANILHA DE PROPOSTA DE PREÇOS ANEXO VIII PLANILHAS DE PROPOSTA DE S À Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP Pregão Eletrônico nº 16/2013 Processo nº. 12/051-M OBJETO Constituição de Sistema de Registro de Preços

Leia mais

Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso do Sul Sistema Cofen/Conselhos Regionais - Autarquia Federal criada pela Lei Nº 5.

Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso do Sul Sistema Cofen/Conselhos Regionais - Autarquia Federal criada pela Lei Nº 5. COTAÇÃO DE PREÇO PROCESSO Nº. 349/15 NOME DA EMPRESA: DATA: 1. OBJETO Aquisição de materiais de limpeza e higiene para atender as necessidades do Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso do Sul conforme

Leia mais

CARTILHA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIVIRTA-SE E APRENDA SOBRE A RECICLAGEM E AS VANTAGENS DAS EMBALAGENS LONGA VIDA U M P RO J E TO

CARTILHA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIVIRTA-SE E APRENDA SOBRE A RECICLAGEM E AS VANTAGENS DAS EMBALAGENS LONGA VIDA U M P RO J E TO CARTILHA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIVIRTA-SE E APRENDA SOBRE A RECICLAGEM E AS VANTAGENS DAS EMBALAGENS LONGA VIDA U M P RO J E TO O PRIMEIRO PASSO PARA APRENDER A RECICLAR É CONHECER QUAIS MATERIAIS SÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS PLÁSTICOS

INTRODUÇÃO AOS PLÁSTICOS INTRODUÇÃO AOS PLÁSTICOS Antonio Augusto Gorni Editor Técnico, Revista Plástico Industrial - POLÍMEROS: MATERIAIS DE NOSSO DIA A DIA O plástico é um dos materiais que pertence à família dos polímeros,

Leia mais

INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA!

INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA! INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA! LANÇAMENTOS 2012 LINHA APLIKCAR- para envelopamento de veículos VINIL BRANCO BRI.LHANTE - vinil para envelopamento de veículos e impressão digital. VINIL BLACK PIANO

Leia mais

A seguir, sugerimos algumas formas de acondicionamento por tipo de material a ser enviado.

A seguir, sugerimos algumas formas de acondicionamento por tipo de material a ser enviado. Acondicionamento Para o cliente que deseja enviar um objeto via Correios, o correto acondicionamento dos objetos é muito importante para assegurar que as remessas cheguem bem a seus destinos. Recomenda-se

Leia mais

Uso racional de Água, Papel e Copo na Administração Pública

Uso racional de Água, Papel e Copo na Administração Pública Uso racional de Água, Papel e Copo na Administração Pública Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental SAIC Departamento de Cidadania e Responsabilidade Ambiental

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - Farroupilha -

Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - Farroupilha - Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - Farroupilha - 1ª Audiência Pública Convênio de cooperação técnica Prefeitura Municipal de Farroupilha/UCS Farroupilha, 14 de dezembro de 2013.

Leia mais

5 Resultados e Discussões

5 Resultados e Discussões 5 Resultados e Discussões O mercado para reciclagem existe e encontra-se em crescimento, principalmente pelo apelo exercido pela sociedade por produtos e atitudes que não causem agressão ao meio ambiente,

Leia mais

Relatório de Licitação Normal

Relatório de Licitação Normal FORNECEDOR STATUS UNIDADE UN. QTDE. PE-Pregão Eletrônico PE 105/16 5173 - CRACHÁ, Material: PVC flexível, Aplicação: identificação individual, Cor: em policromia de até 16 milhões de cores, Tipo Impressão:

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

Fita Adesiva e Aplicadores

Fita Adesiva e Aplicadores Fita Adesiva e Aplicadores Fita Adesiva Qualitape (Adesivo Acrílico) Medidas: 18x50m, 25x50m, 36x50m, 48x45m, 48x100m. Utilização: Empacotamentos, lacração de pacotes. Fechamento de caixas de papelão,

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

SISTEMA EPOXI Líquido ADESIVO

SISTEMA EPOXI Líquido ADESIVO SISTEMA EPOXI Líquido ADESIVO Endurecedor EL 3252 Epóxi Líquido Média 100 : 45pp Sistema para acabamento e laminação para prancha de surf. Massa RM 3103 Endurecedor EL 3252 Epóxi Líquido Média 100 : 20pp

Leia mais

CUSTOS NA TRIAGEM DE PLÁSTICOS RECICLÁVEIS E ALTERNATIVAS PARA O RESGATE SOCIAL DE CATADORES

CUSTOS NA TRIAGEM DE PLÁSTICOS RECICLÁVEIS E ALTERNATIVAS PARA O RESGATE SOCIAL DE CATADORES XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

As certificações internacionais, normativa ANVISA e a análise de degradação detalhada, atestam a veracidade e qualidade de todos os produtos da Eco

As certificações internacionais, normativa ANVISA e a análise de degradação detalhada, atestam a veracidade e qualidade de todos os produtos da Eco As certificações internacionais, normativa ANVISA e a análise de degradação detalhada, atestam a veracidade e qualidade de todos os produtos da Eco Ventures Bioplastics, que oferece um serviço excepcional

Leia mais

Embalagem Cartonada Longa Vida

Embalagem Cartonada Longa Vida Embalagem Cartonada Longa Vida 1) Objetivo Geral Saber mais sobre a embalagem cartonada e a conservação de alimentos. 2) Objetivo Específico Adquirir conhecimentos sobre a reciclagem da embalagem e seus

Leia mais

Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas

Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas Introdução O objetivo desse trabalho é ajudar as Escolas e demais instituições na implantação do programa da coleta seletiva do lixo e do lixo eletrônico.

Leia mais

Polímeros. Conceitos básicos DQA -- 092 2002

Polímeros. Conceitos básicos DQA -- 092 2002 Polímeros Conceitos básicos DQA -- 092 2002 Plásticos Capaz de ser moldado Materiais artificiais / orgânicos sintéticos Moldados Polímeros / monômeros 1862 - Parkesina 1870 - John Hyatt - celulóide 1950

Leia mais

Polímeros. São macromoléculas constituídas de unidades repetitivas, ligadas através de ligações covalentes.

Polímeros. São macromoléculas constituídas de unidades repetitivas, ligadas através de ligações covalentes. Polímeros 1 São macromoléculas constituídas de unidades repetitivas, ligadas através de ligações covalentes. Celulose Classificação quanto a natureza Naturais (Madeira, borracha, proteínas) Sintéticos

Leia mais

Reciclagem Monte seu jogo e chame a turma para brincar. Corrida da. ANO 7 - Nº7 Caça-palavras Vamos colorir 7 erros e muito mais!

Reciclagem Monte seu jogo e chame a turma para brincar. Corrida da. ANO 7 - Nº7 Caça-palavras Vamos colorir 7 erros e muito mais! ANO 7 - Nº7 Caça-palavras Vamos colorir 7 erros e muito mais! Atividades infantis para resolver e colorir. Uma publicação da Corrida da Reciclagem Monte seu jogo e chame a turma para brincar Vamos colorir?

Leia mais

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos. A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004 Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.br 1 LIVRO: Gestão de Resíduos em Universidades 1. Como foi

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

Catálogo Técnico. PLASTwall. PLASTsport. PLASTfloor. PLASTpiso. PLASTpaver. PLASTdeck. PLASTpot. PLASTwall fit. PLASTchamp.

Catálogo Técnico. PLASTwall. PLASTsport. PLASTfloor. PLASTpiso. PLASTpaver. PLASTdeck. PLASTpot. PLASTwall fit. PLASTchamp. Catálogo Técnico PLASTsport PLASTfloor PLASTpiso PLASTpaver PLASTdeck PLASTpot PLASTwall fit PLASTwall PLASTchamp PLASTtable PLASTfloor Piso Estrutural e Permeável PLASTfloor 30 PLASTfloor 50 PLASTfloor

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni)

PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni) Dispõe sobre obrigatoriedade da fabricação, distribuição e utilização de sacolas plásticas fabricadas em material degradável

Leia mais

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA MADEIRA PLÁSTICA A Madeira Plástica é uma opção sustentável para quem se preocupa com a causa ambiental. O grande diferencial deste produto é que sua fabricação dá-se a partir da reciclagem de toneladas

Leia mais

POLÍMEROS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio

POLÍMEROS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio POLÍMEROS Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio POLI MERO MUITAS PARTES Para pensar... Nossos descendentes, no futuro, talvez se refiram à nossa época como sendo a era dos plásticos. Muitos

Leia mais

ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 1

ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 1 I-055 CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS COMO FERRAMENTA PARA AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UM MUNICÍPIO DA SERRA GAÚCHA - RS Vania Elisabete Schneider

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo.

Leia mais

Marcadores com ponta porosa, retrátil, lavável em água corrente, permitindo o uso imediato quando a ponta estiver ressecada ou com impregnações.

Marcadores com ponta porosa, retrátil, lavável em água corrente, permitindo o uso imediato quando a ponta estiver ressecada ou com impregnações. Marcadores com ponta porosa, retrátil, lavável em água corrente, permitindo o uso imediato quando a ponta estiver ressecada ou com impregnações. Tinta permanente para marcar todos os tipos de metais, plásticos,

Leia mais

Textos de apoio. Ciências. Ensino Fundamental I

Textos de apoio. Ciências. Ensino Fundamental I Textos de apoio Ciências Ensino Fundamental I 1 Latas de aço O mercado para reciclagem No Brasil, assim como no resto do mundo, o mercado de sucata de aço é bastante sólido, pois as indústrias siderúrgicas

Leia mais

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum)

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) OPQ0001 Questões ENADE 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) Materiais metálicos, cerâmicos e poliméricos são amplamente utilizados nos dias de hoje. Suas aplicações estão diretamente relacionadas

Leia mais

SITE DW Made For Minds, 24 de Julho de 2015

SITE DW Made For Minds, 24 de Julho de 2015 SITE DW Made For Minds, 24 de Julho de 2015 BRASIL Data 24.07.2015 Autoria Marcio Pessôa Link permanente http://dw.com/p/1g4a8 Metas de redução de resíduos estão atrasadas no Brasil Movimentos sociais

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos A lei na prática Ago-12 Sonho: ser a melhor empresa de bebidas do mundo, em um mundo melhor. MEIO AMBIENTE CONSUMO RESPONSÁVEL COMUNIDADE Gente e Cultura Resíduos:

Leia mais

RESULTADO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 37/2012

RESULTADO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 37/2012 RESULTADO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 37/2012 Objeto: O PRESENTE PREGÃO PRESENCIAL TEM POR OBJETO A SELEÇÃO DAS MELHORES PROPOSTAS PARA O FORNECIMENTO DE MATERIAIS DE EXPEDIENTE UTILIZADOS NO CISAMUSEP. Item

Leia mais

ANEXO II ATA REGISTRO DE PREÇOS

ANEXO II ATA REGISTRO DE PREÇOS ANEXO II ATA REGISTRO DE PREÇOS ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº. 001/2012/SENAR/AR/RO VINCULADA A LICITAÇÃO NA MODALIDADE CONCORRÊCIA, SOB A FORMA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 001/2012/SENAR/AR/RO, REGISTRAR

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA DESAFIOS Estabelecer a logística reversa Regulamentar planos de gerenciamento de resíduos Implantação

Leia mais

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc.

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc. Ciclo de Vida Papel Há divergência quanto ao período de surgimento do papel, pois foi um processo que foi sendo desenvolvido ao longo dos anos, porém há registros deste sendo utilizado primeiramente pelos

Leia mais

SORTICANTER FLOTTWEG Tecnologia Inovadora de Centrífugas para Reciclagem de Plásticos

SORTICANTER FLOTTWEG Tecnologia Inovadora de Centrífugas para Reciclagem de Plásticos SORTICANTER Tecnologia Inovadora de Centrífugas para Reciclagem de Plásticos RESÍDUOS SE TORNAM RECURSOS Quando reciclamos embalagens leves, fibras e resíduos plásticos provenientes de produção industrial

Leia mais

Recomendações sobre papel fotográfico importado pela MASTERPRINT

Recomendações sobre papel fotográfico importado pela MASTERPRINT Recomendações sobre papel fotográfico importado pela MASTERPRINT Papel Fotográfico Glossy Paper Tipo: 115 gramas / 135 gramas / 150 gramas / 120 gramas / 180 gramas / 180 gramas Premium / 230 gramas /

Leia mais

PROPRIEDADES ESPECÍFICAS E USOS DOS MATERIAIS

PROPRIEDADES ESPECÍFICAS E USOS DOS MATERIAIS SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 PROPRIEDADES ESPECÍFICAS E USOS DOS MATERIAIS Etapa 1 Página 3 Os alunos devem escolher a roupa de algodão, e não a de lã. Além disso, é importante que tentem justificar essa

Leia mais

RECICLAGEM DE GARRAFAS PET CONTRIBUINDO COM O ENSINO DE QUIMICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

RECICLAGEM DE GARRAFAS PET CONTRIBUINDO COM O ENSINO DE QUIMICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA RECICLAGEM DE GARRAFAS PET CONTRIBUINDO COM O ENSINO DE QUIMICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Julia Caroline Ferreira Aguiar (IC) 1 Paula Bonomo Bertola (IC) 2 Lucila Akiko Nagashima (PQ) 3 Sueli Mendes Garcia (PFM)

Leia mais

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Experiências e estratégias para coleta e reciclagem de embalagens longa vida ABSTRACT O gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos é uma das questões ambientais

Leia mais

O QUE É A RECICLAGEM?

O QUE É A RECICLAGEM? O QUE É A RECICLAGEM? A reciclagem é a transformação dos resíduos de embalagens - depois de separados por famílias de materiais (papel/cartão, vidro e embalagens de plástico ou metal) em novos objectos.

Leia mais

Poupando energia e o meio ambiente

Poupando energia e o meio ambiente Poupando energia e o meio ambiente A Metal Work SpA dá sempre grande importância para as questões ambientais e agora após a criação do Sistema de Gestão Ambiental e da obtenção da Certificação UNI EN ISO

Leia mais

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA SUSTENTÁVEL PILARES BRASKEM FUTURO VISÃO E ESTRATÉGIA AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA

Leia mais

CENÁRIO BRASILEIRO. Latas de alumínio e plásticos vão para a indústria de reciclagem.

CENÁRIO BRASILEIRO. Latas de alumínio e plásticos vão para a indústria de reciclagem. CENÁRIO BRASILEIRO O Brasil gera aproximadamente 250 mil toneladas de lixo por dia. Assim, imagine duas filas de caminhões de 5 toneladas de capacidade, ocupando uma distância equivalente a 10 pontes Rio-Niterói.

Leia mais

Outros materiais que merecem atenção do marceneiro. Introdução

Outros materiais que merecem atenção do marceneiro. Introdução Introdução Existem diversos materiais utilizados pela marcenaria na composição do móvel ou ambiente. Por exemplo os vidros, chapas metálicas, tecidos e etc. O mercado fornecedor da cadeia moveleira lança

Leia mais

. 03 01 05 Serradura, aparas, fitas de aplainamento, madeira, aglomerados e folheados não

. 03 01 05 Serradura, aparas, fitas de aplainamento, madeira, aglomerados e folheados não Lista de códigos - Lista Europeia de A Semural recepciona os seguintes tipos de resíduos, de acordo com os Códigos - Lista Europeia de Resíduos. Para resíduos perigosos ou outros contacte-nos pois temos

Leia mais