PERCURSO E PERCALÇOS DO PAPEL: UMA HISTÓRIA DE EVOLUÇÃO E PROBLEMÁTICAS DE UM MEIO DE COMUNICAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERCURSO E PERCALÇOS DO PAPEL: UMA HISTÓRIA DE EVOLUÇÃO E PROBLEMÁTICAS DE UM MEIO DE COMUNICAÇÃO"

Transcrição

1 PERCURSO E PERCALÇOS DO PAPEL: UMA HISTÓRIA DE EVOLUÇÃO E PROBLEMÁTICAS DE UM MEIO DE COMUNICAÇÃO Letícia Ribeiro Vieira CICRAD - Curso de Introdução à Conservação e Restauro de Acervos Documentais em Papel Introdução Atualmente temos ao nosso dispor o papel como forma de registro de informações. Porém, antes da criação do papel, alguns povos utilizavam outros tipos de materiais para registrar e passar informação. Temos o exemplo da Índia que utilizava a folha da palmeira. Na China os livros eram feitos de conchas e cascos de tartarugas, sendo que algum tempo depois evoluiu a forma de feitura de seus livros para o bambu e seda. Outros tipos de materiais para a escrita eram: a pedra, o barro e as cascas das árvores. Antes do surgimento do papel as formas mais próximas dele eram o papiro e o pergaminho. O papiro foi inventado pelos egípcios, era obtido utilizando a parte interna, branca e esponjosa do caule do papiro que é uma planta da família das ciperáceas - cortado em finas tiras que eram molhadas, sobrepostas e cruzadas para serem prensadas. Tem por data de surgimento por volta de 2500 a.c. Este tipo de material é frágil, porém muitos documentos que o utilizaram como suporte chegaram até os dias atuais. Fig.1 O papel de Papiro Fonte: FABETO/livro/livro/egipcios.htm Já o pergaminho era muito mais resistente, porém tinha seu custo mais alto. Era feito de couro de animal, geralmente preferindo-se carneiro, bezerro ou cabra. Tal material tem essa nomenclatura por acreditar-se que sua criação originasse da cidade grega Pérgamo. Ele tinha uma variável que se chamava velino, onde era feito do couro delicado de bezerros e cordeiro proporcionando um material de escrita fina, macio e claro. O papel surgiu por volta do ano 105 a.c. Seu nome original é papyrus. O papel como visto hoje foi criado pelos chineses. Por volta de VI a.c. começou a ser fabricado um papel de seda próprio para pintura e para a escrita. O mérito de criação do papel é dado ao oficial da Corte Imperial Chinesa, T sai Lun, pelo pioneirismo em fazer por meio de polpação de redes de pesca e de trapos e mais tarde usando vegetais. Porém, esta técnica chinesa ficou sendo guardada a sete chaves por séculos. Só em 751 d.c. que esse monopólio foi quebrado. Conta à história que dois chineses que tinha a fórmula do papel haviam sido aprisionados por árabes e, em troca de sua liberdade, entregaram a forma de fazer papel. O papel começou a ter sua criação em Bagdá no ano de 795 d.c. No Brasil o papel só foi introduzido pelos colonizadores no ano de Materiais e métodos Podemos classificar o papel em dois tipos levandose em conta a técnica de fabricação. O primeiro é o papel de trapo. Este é feito de fibras vegetais, com grande porcentagem de celulose, obtidas de restos de tecidos (linho, cânhamo e algodão). Foi utilizado até fins do século XVII. Este tipo de fabricação era manual. Suas folhas eram feitas uma por uma. A polpa era obtida pela maceração de restos de tecidos na água, e quando pronta era adicionada num grande barril com água para a introdução do molde que originaria uma folha de papel. Esse molde se constitui por filetes, onde submersos na tina com a polpa em suspensão aquosa onde, ao molde ser suspenso horizontalmente permitia que a polpa se acomodasse na superfície, formando, então, uma folha de papel. Esses filetes na China eram feitos de bambu e na Europa por fios de cobre. Após a imersão e suspensão do molde, depositava-se entre feltros a folha e levava até a prensa para eliminar a água excedente, e somente após todo esse trabalho era posta para secar ao ar livre. Devido à maceração, as fibras se entrelaçavam, fazendo com isso o papel ser bem mais resistente. As fibras não eram cortadas, por isso continuavam longas, possibilitando assim um melhor enlace entre elas. O segundo tipo de papel é chamado de papel de lenho. Surgiu devido a necessidade de aumentar a fabricação decorrendo do aumento da demanda do século XIX, que fez com que novas matérias primas e novas técnicas para a fabricação do papel fossem sendo desenvolvidas. Este é feito de a partir da madeira que existe nos troncos das árvores. Em 1670 foi inventada a máquina chamada Holandesa que transforma mais rapidamente a fibra em polpa, utilizando-se de um sistema de lâminas e ainda permitia o acréscimo de corantes, cargas e colas na própria máquina. Esta máquina fez uma grande revolução na história do papel, proporcionando um aumento na criação da

2 Revista Brasileira de Arqueometria, Restauração e Conservação - ARC - Vol. 3 - Edição Especial o EditoraCurso de Introdução a Conservação e Restauro de Acervos Documentais - CICRAD - Trabalhos de fim de Curso Convênio AERPA - CFDD do Ministério da Justiça - n /2010 polpa para o surgimento do papel, gerando assim um aumento do número de papel feito. O papel como um veículo de comunicação Desde a pré-história o homem tem necessidade de se expressar graficamente e para isto utilizou as paredes das cavernas, registrando aspectos da sua vida diária. Acredita-se que possam ter sido pintados há mais de anos atrás. O homem da caverna deixou sua marca na rocha das cavernas como forma de expressar o seu poder sobre os animais que deveria capturar para sua sobrevivência. Fig.2 A fabricação do papel Fonte: Porém nem sempre o que vem para aumentar a produção mantém a qualidade. Ao contrário do papel de trapos que tem suas fibras longas já que o processo de maceração desfaz os enlaces, a holandesa cortava as fibras, o que gerava fibras curta que não se entrelaçavam na hora de fazer o papel. Este papel se tornava mais sensível e propício a rasgos. Os acrescimentos que eram feitos durante a elaboração da polpa na holandesa, como por exemplo, a cola, era devido as fibras serem bem curtas. A cola servia como um selante entre as fibras para que o papel pudesse ter seu formato. Não foi só a holandesa que gerou rapidez na elaboração do papel de lenho. Este era fabricado numa máquina de laboração contínua, que funciona com uma cinta transportadora que cobre as diversas fases de fabrico: desde a formação da folha, a sua prensagem, secagem até o acabamento final. O sistema é o de cilindro que submete o papel a determinadas condições de pressão, calor e vapor, dependendo da fase de produção e do tipo de papel. O resultado é uma grande bobina de papel contínuo que apresenta como principal característica fibras em uma única direção. Se na maceração as fibras que são longas ficam sendo trabalhadas para se entrelaçarem por todos os lados, gerando um papel resistente, na máquina de laboração contínua as fibras, que já chegam curta seguem numa mesma direção fazendo com que o papel fique mais propenso a rasgos. Para testarmos, podemos pegar um papel feito com a técnica de maceração e um com a máquina de laboração contínua. Se tentarmos rasgar o primeiro, não será impossível, mas fica bem mais difícil para partir as fibras, e quando isso ocorre é de forma irregular. Já, quando pegamos o segundo exemplo, ele rasga com facilidade e numa mesma direção. Exemplo de ambos, o papel japonês que é utilizado para reparos na restauração de documentos, e o papel de jornal. Fig.3 Folha contínua de papel em fabricação Fonte: Com o tempo, novos suportes foram sendo criados, entre eles a argila, muito utilizada na antiguidade pelos gregos para a feitura de objetos domésticos. Os desenhos que enfeitavam esses objetos domésticos tinham como temas variáveis de animais reais ou cenas familiares. Os primeiros pictogramas eram gravados em tabuletas de argila que podiam ser queimadas para prover um registro permanente, ou então, essas tabuletas eram reaproveitadas quando não havia necessidade de se manter o registro por um longo tempo. Além das paredes, pedras e argila, a madeira também era um tipo de suporte para a fixação da informação. Utilizando-se pequenas tábuas recobertas por uma fina camada de cera onde eram transcritos acontecimentos corriqueiros (parecidos com os jornais de hoje em dia). Atualmente temos muitos meios para registrar a informação. Há tempos as formas mais utilizadas eram a argila, a parede e outros. Com o surgimento do papel e sua técnica sendo feita por mais pessoas, ele se tornou o principal meio para comunicar qualquer informação entre duas ou mais partes. Ao longo dos séculos, houve um aumento da demanda por

3 Revista Brasileira de Arqueometria, Restauração e Conservação - ARC - Vol. 3 - Edição Especial o EditoraCurso de Introdução a Conservação e Restauro de Acervos Documentais - CICRAD - Trabalhos de fim de Curso Convênio AERPA - CFDD do Ministério da Justiça - n /2010 informação causada principalmente pelo aumento da população e pelo invento da imprensa, por Johann Gutenberg por volta de Claro que com tanto jornal sendo comercializado, e por sua validade ser tão pequena, já que a informação impressa nele só tem validade enquanto está ativ. O jornal não tem porque ser feito de material caro. Mas os documentos com valor histórico devem ter um tratamento diferenciado. No caso de diplomas, certidões e outros deve-se trabalhar com papéis de valor permanente, pois são documentos que não tem prazo de validade. Estes contêm informações verdadeiramente importantes que serão uteis tanto hoje quanto daqui a 100 anos. Problemáticas e características do papel Temos como características principais do papel a gramatura, a direção da fibra, o ph, as vergaturas e pontusais e marca d água. Muitas dessas características trazem problemáticas para o papel, como a direção das fibras. Depois que o papel começou a ser mais consumido, e que seus usuários se diversificaram passou a ter uma modificação na estrutura do papel. O que antes era feito com fibras longas decorrentes de um processo manual de desfibramento e reunidas com maceração causando assim o entrelaçamento das fibras, hoje é substituído por laminas que cortam as fibras para gerar um processo mais rápido de produção de polpa para a criação do papel, e no lugar da maceração é utilizado a corrente d água em uma só direção, o que deixa as fibras num mesmo sentido. Temos as colas que são utilizadas para junção das fibras, já que de tão pequenas elas não se entrelaçam. Essas colas são ácidas, o que gera um dano irreversível com o tempo. Já a gramatura é o peso que o papel tem. O papel feio de forma manual tem sua gramatura mais elevada com relação ao feito mecanicamente. O papel manual é mais grosso, como o de gramatura maior. a substancia é alcalina ou básica. Quando uma substância é neutra, ou seja, seu valor de ph é igual a 7, significa que ela apresenta a mesma quantidade de íons de hidrogênio e de hidroxila e quando o número de íons de hidrogênio é superior a substância é ácida e inferior, alcalina. O índice do ph é fundamental, pois um papel ácido tem uma vida útil pequena, principalmente se não for tratado adequadamente. Existe um aparelho que mede o ph das substâncias, peagâmetro. Ele é utilizado para medir as águas de clareamento dos banhos dos livros e documentos. Vergatura é cada linha de cor mais clara que fica marcada no papel fabricado manualmente com a ajuda de um molde cuja malha é constituída por uma sequência de varetas finas quase encostadas umas ás outras sustentadas pelos pontusais, que são varetas transversalmente e mais espaçados, permite a união e a resistência às vergaturas. A marca d água são as filigramas, desenhos, letras, palavras que se observam no papel na contraluz. Observa-se uma espessura ligeiramente inferior no desenho, o que provoca linhas mais luminosas que o resto do papel. Geralmente essa marca d água era utilizada para identificar a fabrica de onde saiu o papel. Fig.4 O papel para testes de ph Fonte: Fig.5 A marca d'água da Coroa Real Fonte: O ph é o valor que se usa para indicar a acidez ou alcalinidade de uma substância. Determina-se calculando os íons de hidrogênio presente nela. Medese o ph numa escala de 0 a 14. Quando a substância está com valor 7, quer dizer que ela está neutra.. Quando estiver entre 0 e 6 indica acidez e, entre 8 e 14 Existe uma diversidade papéis atualmente. Alguns deles são: Papel vegetal sofre um processo de modificação através da ação do ácido sulfúrico, translúcido, muito liso, denso, de textura contínua, com ligeira dureza

4 superficial e algo resistente à umidade, porém o excesso de umidade o afeta grave e irreversivelmente. É usado sobretudo para o desenho e projetos arquitetônicos. Papel jornal é o papel de pobre qualidade, destinado à impressão de jornais. A sua composição é à base de madeira desfibrada mecanicamente e branqueada de imediato, razão pela qual apresenta uma grande quantidade de lignina. Com o tempo tende a tornar-se ácido, quebradiço e amarelecer. Papel Kraft também conhecido como papel de embrulho, é composto por madeira macia desfibrada por meios químicos (processo chamado Kraft) que dissolve a lignina da madeira. Pode ser branqueado ou não é muito resistente, sendo, por isso, usado para embalagens e revestimentos. Papel couché é apresentado muito branco e com revestimento brilhante ou mate, devido a uma camada extra de encolagem superficial, é utilizado na produção de livros que necessita de um bom acabamento, pois permite impressões de alta qualidade. Papel japonês também chamado de papel de arroz, washi ou papel do Japão, apresenta fibra longa, forte, resistente e flexível. Atualmente é fabricado a partir de fibras de três espécies de arbustos: Kozo, mitsumata e gampi. No processo de manufatura é respeitado e conservado o comprimento das fibras e na encolagem o uso materiais naturais (neutros ou alcalinos), o que origina papéis resistentes, embora de pouca gramatura. Papel permanente (alcalino/neutro) é o papel com características físicas e químicas que garantem maior durabilidade que os papéis habituais. Obtém-se através da manutenção em baixas concentrações ou total eliminação de alguns produtos (liginina) e aditivos (branqueadores, colas...). O papel alcalino é resistente à oxidação e ao rasgamento, o que o torna particularmente adequado para arquivar documentos. Resultados Panorama de allgumas datas importantes na história do papel: 105 a.c Invenção do papel atribuída a T sai Lun na China; 611 d.c. Instalação de manufatura do papel na Coreia; 795 Instalação da fabricação de papel para o comércio em Bagdá; 807 Produção do papel em Kioto, no Japão; 900 Início da fabricação do papel no Egito; 950 Chega a Espanha através dos livros o papel; 998 Criação do papel-moeda circulante na China; 1150 Instalação do primeiro ponto de fabricação de papel na Europa; 1282 Introdução da marca d água por Fabriano: cruzes e círculos; 1285 Introdução da marca d água na França: flor de Liz; 1309 Início d utilização do papel na Inglaterra; 1320 O papel chega a Alemanha; 1390 Instalação da primeira indústria de papel na Alemanha; 1440 Invenção da imprensa por Johannes Guttemberg; 1550 Comercialização do papel; 1719 Inicio da utilização da madeira como matéria prima para a fabricação do papel; 1809 O papel começou a ser fabricado no Brasil; 1840 Foi desenvolvido na Alemanha o processo para a trituração de madeira. As fibras são separadas e transformadas no que passou a ser conhecido como pasta mecânica de celulose; 1854 É patenteado na Inglaterra um processo de produção de pasta celulósica através de tratamento com soda cáustica. A liginina, cimento orgânico que une as fibras, é dissolvida e removida, surgindo a primeira pasta química Invenção do papel couché; 1920/1930 Importante década para o desenvolvimento do papel. Depois de toda a leitura, visto tantas formas de registro de informação. Várias técnicas até chegarmos as atuais, podemos perceber que o papel tem um valor enorme na cultura e evolução do homem. Porém, com a evolução da tecnologia, o papel tem sido deixado de lado, e seu fabrico em larga escala para atender a demanda, tem feito sua qualidade cair, com isso gerando papéis inúteis na conservação da informação. Para sabermos bem porque os materiais bibliográficos e arquivísticos se degradam devemos entender os fatores intrínsecos e extrínsecos, isso quer dizer que é necessário conhecer a natureza dos próprios materiais na vida do suporte da informação. Mesmo que surjam novos suportes de fixação de informação, o papel tem a seu favor a agilidade em acessar o seu conteúdo. Conclusões Mesmo com toda a tecnologia informática que nos é imposta, o papel ainda continua sendo o suporte documental mais utilizado e preferido de grande parte da população, pois para ter acesso ao seu conteúdo dependemos exclusivamente de nós, ao contrário de um documento digital que dependemos da existência de uma máquina para decodificar todo o conteúdo de um documento. Independente de onde estejamos registrando a informação, o principal é saber o que estamos registrando, para quem estamos querendo registrar e se haverá a possibilidade de resgate daquela informação após anos. Temos que pensar melhor nos materiais que estamos utilizando. No meio digital tudo tem ficado obsoleto com muita rapidez. O papel pode não ficar ultrapassado, porém se não tiver uma qualidade boa e um tratamento adequado, a informação contida nela ficará sem acesso. Assim não estará exercendo sua principal característica que é transmitir informação.

5 Referências da autora BECK, Ingrid. (coord.) et ali. Manual de preservação de documentos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, (publicações técnicas 46), 75 p. /M3%20Aulas/M3A2.pdf /M4%20Aulas/M4A1.pdf /M4%20Aulas/M4A2.pdf

Não compreendo civilização sem papel. Ele se presta aos mais tristes e ignóbeis fins, mas isso não lhe macula a honra intrínseca.

Não compreendo civilização sem papel. Ele se presta aos mais tristes e ignóbeis fins, mas isso não lhe macula a honra intrínseca. Não compreendo civilização sem papel. Ele se presta aos mais tristes e ignóbeis fins, mas isso não lhe macula a honra intrínseca. Carlos Drummond de Andrade ORIGENS SUPORTE Antes do papel, o suporte da

Leia mais

Corte transversal da fibra

Corte transversal da fibra Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Curso de Arquivologia Disciplina: Conservação e Restauração de Documentos Profa. Lillian Alvares Fabricação do Papel A invenção

Leia mais

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc.

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc. Ciclo de Vida Papel Há divergência quanto ao período de surgimento do papel, pois foi um processo que foi sendo desenvolvido ao longo dos anos, porém há registros deste sendo utilizado primeiramente pelos

Leia mais

O surgimento da escrita, a invenção e a evolução das artes gráficas

O surgimento da escrita, a invenção e a evolução das artes gráficas O surgimento da escrita, a invenção e a evolução das artes gráficas A humanidade sempre dependeu de se comunicar para poder sobreviver melhor, transmitir os conhecimentos acumulados sempre foi algo muito

Leia mais

Professora. Trabalhar com a reciclagem de materiais, além de valorizar as instalações escolares já feitas com esse tipo de material.

Professora. Trabalhar com a reciclagem de materiais, além de valorizar as instalações escolares já feitas com esse tipo de material. Professora 1. Objetivos Gerais A partir do maior conhecimento do trabalho do professor, fazer com que os alunos percebam a importância de se trabalhar com papel e demais materiais reciclados. Outro assunto

Leia mais

Faculdades Integradas de Mineiros - FIMES Engenharia Florestal

Faculdades Integradas de Mineiros - FIMES Engenharia Florestal Faculdades Integradas de Mineiros - FIMES Engenharia Florestal Disciplina: Papel e Celulose Prof. Gildomar Alves dos Santos Plano de Curso Celulose e papel POLPA = PULP = CELULOSE (BRASIL) PAPEL??????

Leia mais

Indíce. História e Produção 3. Formatos 4. Características 5. Tipos de Papel 6. Normalização do Paepel 6. Curiosidades 6.

Indíce. História e Produção 3. Formatos 4. Características 5. Tipos de Papel 6. Normalização do Paepel 6. Curiosidades 6. Indíce História e Produção 3 Formatos 4 Características 5 Tipos de Papel 6 Normalização do Paepel 6 Curiosidades 6 Envelopes 7 Referências Bibliográficas 8 Indíce Tabelas Série APapéis independentes 4

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Conservação e Restauração

Leia mais

OBTENÇÃO DA PASTA CELULÓSICA E PAPEL

OBTENÇÃO DA PASTA CELULÓSICA E PAPEL OBTENÇÃO DA PASTA CELULÓSICA E PAPEL FIBRAS PARA PAPEL INDÚSTRIA DE CELULOSE E PAPEL O que é polpação? O que é polpação? Polpação é o processo pelo qual a madeira é reduzida a uma massa fibrosa. Isto significa

Leia mais

Questão 2: O principal fato histórico que modifica o conhecimento do ser humano é:

Questão 2: O principal fato histórico que modifica o conhecimento do ser humano é: Questão 1: Cesare Brandi, no livro intitulado Teoria da Restauração, afirma que: a) em geral, entende-se por restauração qualquer intervenção voltada a dar novamente eficiência a um produto da atividade

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O USO SUSTENTÁVEL DO PAPEL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ORIENTAÇÕES PARA O USO SUSTENTÁVEL DO PAPEL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ORIENTAÇÕES PARA O USO SUSTENTÁVEL DO PAPEL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental SAIC Departamento de Cidadania e Responsabilidade

Leia mais

Tipos de papéis e substratos

Tipos de papéis e substratos Tipos de papéis e substratos O tipo de papel e de substrato influencia diretamente no resultado final do trabalho. Suas características podem acentuar ou desvalorizar uma informação e prejudicar acabamentos.

Leia mais

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo?

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo? A U A UL LA Por que as vacas mastigam o tempo todo? Nos sítios e fazendas que têm criação de gado, os bois e vacas se espalham pelo pasto e têm hora certa para ir ao cocho receber o trato. O trato pode

Leia mais

LEXOL ph - Limpeza Segura e Fácil para Artigos em Couro, Banco de Carro, Selaria, Botas, Malas, Sapatos e Móveis Estofados - Contém 500 ml.

LEXOL ph - Limpeza Segura e Fácil para Artigos em Couro, Banco de Carro, Selaria, Botas, Malas, Sapatos e Móveis Estofados - Contém 500 ml. LEXOL ph - Limpeza Segura e Fácil para Artigos em Couro, Banco de Carro, Selaria, Botas, Malas, Sapatos e Móveis Estofados - Contém 500 ml. O Limpador Lexol-pH é ideal para todos os cuidados necessários

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO A madeira é um material excepcional como material de construção além de ter qualidades muito grandes como matéria prima para outros produtos industrializados, e que

Leia mais

A origem da rotogravura

A origem da rotogravura A origem da rotogravura Início Iniciada pelos artistas da renascença italiano nos anos 1300 A primeira impressão foi feita a partir de uma chapa metálica em 1446 na Alemanha As chapas metálicas eram entalhadas

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 01

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 LISTA DE EXERCÍCIOS 01 01 - (Unicamp 2014) Desde o período neolítico, os povos de distintas partes do mundo desenvolveram sistemas agrários próprios aproveitando as condições naturais de seus habitats

Leia mais

Morfologia da Fibra x Propriedades do Papel

Morfologia da Fibra x Propriedades do Papel Morfologia da Fibra x Propriedades do Papel Araucaria angustifolia Fibra longa Média 5mm comprimento 28% lignina 58,3 celulose Cross e Bevan 8,6% Pentosanas 0,2% Cinzas Densidade média 520-610 kg/m 3 Araucariaceae

Leia mais

Benchmarking de Fábricas de Celulose e Papel Tipos de Papéis Rev. 29.01.13

Benchmarking de Fábricas de Celulose e Papel Tipos de Papéis Rev. 29.01.13 Benchmarking de Fábricas de Celulose e Papel Tipos de Papéis Rev. 29.01.13 PAPÉIS PARA IMPRIMIR E ESCREVER 1. PAPÉIS DE IMPRIMIR BÍBLIA Papel fabricado com pasta química branqueada, gramatura máxima de

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Conservação e Restauração

Leia mais

1ª Decomposição das cores contínuas em padrões de distribuição de pontos de cor sólidos através de um scanner

1ª Decomposição das cores contínuas em padrões de distribuição de pontos de cor sólidos através de um scanner 1 2 Qualidade na reprodução Originais Qualidade do original Separação de cores Fotolitos Chapas Tinta Papel Esse itens são fundamentais para que as cores não sejam modificadas na reprodução. 1- opacos

Leia mais

ORIGAMI Manual de conservação

ORIGAMI Manual de conservação R e s p e i t a r o s l i m i t e s d e p e s o. T r a n s p o r t a r c o m c u i d a d o. TECIDO S LIMPE SEMANALMENTE A POEIRA DEPOSITADA SOBRE O TECIDO COM UM ASPIRADOR DE PÓ E REALIZE UMA ESCOVAÇÃO

Leia mais

MADEIRAS MCC1001 AULA 12

MADEIRAS MCC1001 AULA 12 MADEIRAS MCC1001 AULA 12 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil MADEIRAS É um material

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEOR DE FIBRAS RECICLADAS NAS PROPRIEDADES FÍSICO- MECÂNICAS DO PAPEL

INFLUÊNCIA DO TEOR DE FIBRAS RECICLADAS NAS PROPRIEDADES FÍSICO- MECÂNICAS DO PAPEL INFLUÊNCIA DO TEOR DE FIBRAS RECICLADAS NAS PROPRIEDADES FÍSICO- MECÂNICAS DO PAPEL Ana Carolina Nascimento, Jean Vinícius Moreira, Rubiane Ganascim Marques, Kelly C. Iarosz Discente do curso de Engenharia

Leia mais

TINTAS E DROGARIA. Produtos de Limpeza e Conservação ARTIGOS DIVERSOS DE DROGARIA CATÁLOGO ARMAZENS REIS WWW.ARMAZENSREIS.PT

TINTAS E DROGARIA. Produtos de Limpeza e Conservação ARTIGOS DIVERSOS DE DROGARIA CATÁLOGO ARMAZENS REIS WWW.ARMAZENSREIS.PT CATÁLOGO ARMAZENS REIS WWW.ARMAZENSREIS.PT ARTIGOS DIVERSOS DE DROGARIA Morada: E.N. 2 km 10 Mamodeiro, 3810728 Aveiro Telefone: (+1) 234 941 194 55 Email: geral@armazensreis.pt = 55 ÁLCOOL Classe de compostos

Leia mais

GRAVURA. www.galeriadegravura.com.br. Compartilhe:

GRAVURA. www.galeriadegravura.com.br. Compartilhe: GRAVURA ÍNDICE 1 - Sobre Gravura 2 Xilogravura 3 Gravura em metal 4 Litogravura 5 Serigrafia 6 Fine Art / Giclée 7-8 Tiragem da gravura 9 História do Papel 10 Papéis de Gravura 11 Estúdio de Gravura GRAVURA

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 10 Reciclagem de Papel. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Maio de 2015.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 10 Reciclagem de Papel. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Maio de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 10 Reciclagem de Papel Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Maio

Leia mais

MANUAL DE CONSERVAÇÃO DE MÓVEIS

MANUAL DE CONSERVAÇÃO DE MÓVEIS MANUAL DE CONSERVAÇÃO DE MÓVEIS CONSERVANDO SEU MÓVEL WORK SOLUTION Seguindo as recomendações abaixo você manterá a funcionalidade e beleza do seu produto Work Solution por muito mais tempo. Por favor

Leia mais

VESTIMENTAS ANTICHAMA

VESTIMENTAS ANTICHAMA VESTIMENTAS ANTICHAMA MANUAL DE INSTRUÇÕES DE LAVAGEM E CONSERVAÇÃO Doméstica e Industrial w w w. i d e a l w o r k. c o m. b r Vestimentas Antichama - Lavagem e Conservação ÍNDICE INTRODUÇÃO...03 MEDIDAS

Leia mais

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho MATERIAIS COMPÓSITOS Histórico Adobes reforçados com palha Egito 5000 anos. Concreto reforçado com barras de metal século XIX. Fibras de vidro 1970 Conceito São materiais formados por dois ou mais constituintes

Leia mais

Oficina de fabricação de sabão a partir de resíduos de óleo doméstico (de cozinha)

Oficina de fabricação de sabão a partir de resíduos de óleo doméstico (de cozinha) Oficina de fabricação de sabão a partir de resíduos de óleo doméstico (de cozinha) Essa cartilha tem como objetivo, auxiliar no processo de ensinoaprendizagem durante a oficina de Fabricação de sabão a

Leia mais

VESTIMENTAS ANTICHAMA MANUAL DE INSTRUÇÕES DE LAVAGEM E CONSERVAÇÃO. www.guardiandx.com.br

VESTIMENTAS ANTICHAMA MANUAL DE INSTRUÇÕES DE LAVAGEM E CONSERVAÇÃO. www.guardiandx.com.br VESTIMENTAS ANTICHAMA MANUAL DE INSTRUÇÕES DE LAVAGEM E CONSERVAÇÃO www.guardiandx.com.br ÍNDICE INTRODUÇÃO...03 MEDIDAS DE SEGURANÇA...03 INSPEÇÃO...03 RASTREABILIDADE E ETIQUETA...04 INSTRUÇÕES DE LAVAGEM

Leia mais

Como se faz uma bicicleta?

Como se faz uma bicicleta? Como se faz uma bicicleta? Como se faz o quadro de uma bicicleta? João Fernandes João Ferraz José Felgueiras José Reis Relatório do Projeto FEUP do grupo 1M8_02 Supervisor: Prof. António Baptista Monitor:

Leia mais

Melhores Práticas de Manejo Poda de Árvores International Society of Arboriculture - ISA

Melhores Práticas de Manejo Poda de Árvores International Society of Arboriculture - ISA Melhores Práticas de Manejo Poda de Árvores International Society of Arboriculture - ISA Missão: Através da pesquisa, tecnologia e educação, a Sociedade Internacional de Arboricultura promove a prática

Leia mais

Bacharelado em Farmácia. Disciplina:Operações Unitárias em Indústria 8 Período Prof.a: Msd. Érica Muniz Filtração

Bacharelado em Farmácia. Disciplina:Operações Unitárias em Indústria 8 Período Prof.a: Msd. Érica Muniz Filtração Bacharelado em Farmácia Disciplina:Operações Unitárias em Indústria 8 Período Prof.a: Msd. Érica Muniz Filtração FILTRAÇÃO Nas indústrias de alimentos e bebidas, a filtração aparece na produção de suco

Leia mais

O que, por que e como etiquetar.

O que, por que e como etiquetar. O que, por que e como etiquetar. (de acordo com o Regulamento Técnico Mercosul sobre Etiquetagem de Produtos Têxteis, aprovado pela Resolução Conmetro nº 2, de 06 de maio de 2008) Adelgicio Leite Engenheiro

Leia mais

ISOLANTES TÉRMICOS. Isolantes Térmicos e Refratários LTDA. catalogofinal25.05.indd 1 25/5/2010 12:56:00

ISOLANTES TÉRMICOS. Isolantes Térmicos e Refratários LTDA. catalogofinal25.05.indd 1 25/5/2010 12:56:00 ISOLANTES TÉRMICOS Isolantes Térmicos e Refratários LTDA. catalogofinal25.05.indd 1 25/5/2010 12:56:00 catalogofinal25.05.indd 2 25/5/2010 12:56:01 ÍNDICE Apresentação 5 Tecido de fibra de vidro 6 Fio

Leia mais

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste.

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Recobrimento metálico Um problema Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Essa proteção pode

Leia mais

Planificação Anual 3º ano

Planificação Anual 3º ano ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DA GRACIOSA Planificação Anual 3º ano Expressões e Cidadania Página1 Desenho de expressão livre Desenhar no chão do recreio; Desenhar no quadro da sala; Planificação Anual de

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300 MANUAL DE OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300 1. INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA Precauções MANUAL OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300 - O processador de alimentos deve ser manipulado

Leia mais

Papel Reciclado Artesanal Branco com Cascas de Cebola

Papel Reciclado Artesanal Branco com Cascas de Cebola Papel Reciclado Artesanal Branco com Cascas de Cebola 1 Técnica utilizada: reciclagem de papel com cascas de cebola Materiais 2 Papel para reciclar (sulfite, formulário contínuo ou outros papéis que não

Leia mais

Vidros para construção civil

Vidros para construção civil Vidros para construção civil Conceito de Vidro: Vidros industriais: Produtos inorgânicos obtidos por fusão e resfriamento sem cristalização Vidro ordinário ou neutro para construção civil: Solução amorfa

Leia mais

MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL SUMÁRIO:

MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL SUMÁRIO: MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL Por Claude E. Boyd, Ph.D. Department of Fisheries and Allied Aquacultures Alburn University Alburn, Alabama 36849 USA Artigo publicado na Revista Advocate

Leia mais

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes Argamassas NBR13281 Histórico 1º. registro de emprego na construção: Pré-História Piso polido de 180 m² feito com pedras e argamassa cal e areia: ~ 7000 a 9000

Leia mais

EXPRESSÃO E EDUCAÇÃO PLÁSTICA

EXPRESSÃO E EDUCAÇÃO PLÁSTICA EXPRESSÃO E EDUCAÇÃO PLÁSTICA PRINCÍPIOS ORIENTADORES A manipulação e experiência com os materiais, com as formas e com as cores permite que, a partir de descobertas sensoriais, as crianças desenvolvam

Leia mais

Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras

Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras Quimgax 2030 Quimgax 2004 Quimgax 2017 Quimgax 2043 Quimgax 2044 Quimgax 2777 Quimgax 2019 Quimgax 2143 Quimgax 2153 Quimgax 2061 e 2062 As gaxetas de fibras sintéticas

Leia mais

Papel Reciclado Artesanal Branco

Papel Reciclado Artesanal Branco Papel Reciclado Artesanal Branco 1 Técnica utilizada: reciclagem de papel Materiais 2 Papel para reciclar (sulfite, formulário contínuo ou outros papéis que não contenham vernizes, plásticos ou laminados)

Leia mais

REAPROVEITAMENTO CELULÓSICO DO PAPEL MOEDA RETIRADO DE CIRCULAÇÃO

REAPROVEITAMENTO CELULÓSICO DO PAPEL MOEDA RETIRADO DE CIRCULAÇÃO Faculdade de Tecnologia, Departamento de Engenharia Florestal, Campus Darcy Ribeiro, Universidade de Brasília / UnB BRASIL REAPROVEITAMENTO CELULÓSICO DO PAPEL MOEDA RETIRADO DE CIRCULAÇÃO LOUREINE RAPÔSO

Leia mais

PAPEL PARA IMPRENSA PAPÉIS DE IMPRIMIR

PAPEL PARA IMPRENSA PAPÉIS DE IMPRIMIR TIPOS DE PAPEIS: PAPEL PARA IMPRENSA Papel de impressão de jornais e periódicos, fabricado principalmente com pasta mecânica ou mecano-química, com 45 a 56 g/m2, com ou sem linhas d'água no padrão fiscal,

Leia mais

TECNOLOGIAS SIMPLIFICADAS DE SANEAMENTO VASO SANITÁRIO DE CIMENTO

TECNOLOGIAS SIMPLIFICADAS DE SANEAMENTO VASO SANITÁRIO DE CIMENTO 1 TECNOLOGIAS SIMPLIFICADAS DE SANEAMENTO VASO SANITÁRIO DE CIMENTO Autor: Cláudio Cardoso* Técnico em Saneamento HISTÓRICO O primeiro Vaso Sanitário de Cimento foi desenvolvido pelo Sr. José Apurinan

Leia mais

Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br

Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Plano de ensino Aula 1 Fundamentos de Tecnologia (4 horas aula) Introdução Informação e Sistemas de

Leia mais

Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO

Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO A Pang do Brasil é uma empresa com 36 anos de experiência na fabricação de peças para revestimento em borracha.

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

Recomendações sobre papel fotográfico importado pela MASTERPRINT

Recomendações sobre papel fotográfico importado pela MASTERPRINT Recomendações sobre papel fotográfico importado pela MASTERPRINT Papel Fotográfico Glossy Paper Tipo: 115 gramas / 135 gramas / 150 gramas / 120 gramas / 180 gramas / 180 gramas Premium / 230 gramas /

Leia mais

EXPERIMENTOS PARA USOS SUSTENTÁVEIS COM FIBRA DE BANANEIRA

EXPERIMENTOS PARA USOS SUSTENTÁVEIS COM FIBRA DE BANANEIRA EXPERIMENTOS PARA USOS SUSTENTÁVEIS COM FIBRA DE BANANEIRA Aluno: Stephanie Dexheimer Caplan Orientador: Fernando Betim Paes Leme Introdução As fibras de bananeira (Musa sp) se destacam por ser de cultivo

Leia mais

RECEITAS DE BOLOS ARQUITETÔNICOS SUSTENTÁVEIS Arquiteto Francisco Lima Arquiteto Edoardo Aranha

RECEITAS DE BOLOS ARQUITETÔNICOS SUSTENTÁVEIS Arquiteto Francisco Lima Arquiteto Edoardo Aranha RECEITAS DE BOLOS ARQUITETÔNICOS SUSTENTÁVEIS Arquiteto Francisco Lima Arquiteto Edoardo Aranha Lembrando que receitas sempre evoluem com nosso toque pessoal baseado em experimentações e pesquisas, então:

Leia mais

Informação Técnica 10.08.01 E 09.2003 Offset Serviços. Molhagem em impressão offset Fatos importantes para o uso nos aditivos de molhagem offset 1/5

Informação Técnica 10.08.01 E 09.2003 Offset Serviços. Molhagem em impressão offset Fatos importantes para o uso nos aditivos de molhagem offset 1/5 Informação Técnica 10.08.01 E 09.2003 Offset Serviços Molhagem em impressão offset Fatos importantes para o uso nos aditivos de molhagem offset 1/5 O processo de impressão offset Offset continua a ser

Leia mais

Cuide dos seus cabelos com Nativa SPA

Cuide dos seus cabelos com Nativa SPA Cuide dos seus cabelos com Nativa SPA 1 momento só seu SenSaçõeS deliciosas de um Nativa SPA identificou as necessidades para os cabelos e trouxe para a Frutoterapia produtos feitos a base de Monoï e Argan,

Leia mais

Aplicação de caixa de vapor em máquinas de papel

Aplicação de caixa de vapor em máquinas de papel Aplicação de caixa de vapor em máquinas de papel Introdução Centenas de caixas de vapor foram instaladas no mundo inteiro em todo tipo de máquina de papel e celulose desde a década de 1940. As primeiras

Leia mais

Tempo de secagem: 30 minutos a 1 hora Tempo de cura: 18 a 24 horas

Tempo de secagem: 30 minutos a 1 hora Tempo de cura: 18 a 24 horas COLAS Conhecer os diversos tipos de materiais é muito importante para o desenvolvimento de um cosplay. Nesse tutorial vamos conhecer um pouco do universo das colas. Encontramos no mercado uma infinidade

Leia mais

Xilogravura. Gravura em Metal

Xilogravura. Gravura em Metal As Artes Gráficas http://commons.wikimedia.org/wiki/file:formschneider.jpg Xilogravura de Jost Amman mostrando um gravador do século 16 em sua mesa de trabalho, 1568. Arte Gráfica é o processo de reprodução

Leia mais

PRENSAGEM COM VÁCUO Owens Corning

PRENSAGEM COM VÁCUO Owens Corning Abril 2001 PRENSAGEM COM VÁCUO Os processos para transformar resinas poliéster reforçadas com fibras de vidro podem ser sofisticados e caros, como a prensagem a quente, ou simples e baratos, como a laminação

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP FUNDAÇÃO 1. TIPO DE SOLO A primeira parte da casa a ser construída são suas fundações, que

Leia mais

PRESENTE NOS EDIFÍCIOS. Parabéns!

PRESENTE NOS EDIFÍCIOS. Parabéns! ANOS PRESENTE NOS EDIFÍCIOS + INTELIGENTES E MODERNOS Parabéns! Você acaba de adquirir um produto de alto padrão, elaborado com matéria-prima de excelente qualidade, tecnologia avançada e design exclusivo.

Leia mais

CHAPA DE FIBRA. não é tudo igual. PROCURE O RINO.

CHAPA DE FIBRA. não é tudo igual. PROCURE O RINO. CHAPA DE FIBRA não é tudo igual. PROCURE O RINO. Madeira Ecológica Duratex O manejo ambiental é um diferencial para a Duratex, que adota as melhores práticas para alcançar alta produtividade com o mínimo

Leia mais

Instruções para instalação das pastilhas Rivesti com cola de contato

Instruções para instalação das pastilhas Rivesti com cola de contato Instruções para instalação das pastilhas Rivesti com cola de contato As pastilhas Rivesti são muito fáceis de instalar. Contudo, requerem alguns cuidados indispensáveis para que você obtenha o acabamento

Leia mais

Manual do Proprietário

Manual do Proprietário Manual do Proprietário Produtos A Salapronta possui uma rigorosa seleção de seus móveis, começando pela qualidade de madeiras maciças, placas de madeira, laminados e outros acessórios. Escolhendo sempre

Leia mais

Valor das Importações e das Exportações, nos Açores, por ano

Valor das Importações e das Exportações, nos Açores, por ano Q.10.01 - Resultados Globais, por ano Unidade: 1 000 Euros 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Importações (CIF) 34 490 773 37 505 656 43 257 180 44 093 881 42 466 265 41 753 699 45

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Curso de Arquivologia Disciplina: Conservação e Restauração de Documentos Profa. Lillian Alvares Conservação de Acervos Documentais

Leia mais

TECNOLOGIAS DEMONSTRADAS NO ECHO: PRENSAS DE BRIQUETES PARA COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS

TECNOLOGIAS DEMONSTRADAS NO ECHO: PRENSAS DE BRIQUETES PARA COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS TECNOLOGIAS DEMONSTRADAS NO ECHO: PRENSAS DE BRIQUETES PARA COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS DE JASON DAHLMAN COM CHARLIE FORST Uma NOTA TÉCNICA de ECHO Publicado 2001 INTRODUÇÃO Briquetes feitos de materiais

Leia mais

OFICINA DE CONSERVAÇÃO DE

OFICINA DE CONSERVAÇÃO DE OFICINA DE CONSERVAÇÃO DE ACERVOS BIBLIOGRÁFICOS Iuri Rocio Franco Rizzi Professor Assistente Curso de Biblioteconomia Universidade Federal de Alagoas Alfenas-MG 5 jun. 2013 PLANO DA OFICINA: Parte I:

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011 1 - PRODUTO: Acrílico Standard mais rendimento Natrielli. 2 - DESCRIÇÃO: É uma tinta acrílica de alto rendimento apresenta um excelente acabamento em superfícies externas e internas de alvenaria, reboco,

Leia mais

Os cereais. Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo

Os cereais. Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo O que são Cereais Integrais? São cereais que não foram processados. Consistem no gérmen, endosperma e casca. Endosperma: Constitui aproximadamente 83% do peso

Leia mais

Ultraestrutura da Parede Celular. Prof. Umberto Klock

Ultraestrutura da Parede Celular. Prof. Umberto Klock Ultraestrutura da Parede Celular Química da Madeira Prof. Umberto Klock - UFPR/DETF AT113 - Química da Madeira Prof. Umberto Klock - EF/UFPR Ultraestrutura da Parede Celular Sob forte magnificência da

Leia mais

A ATIVIDADE DE RECICLAGEM DE PAPEL NO BRASIL

A ATIVIDADE DE RECICLAGEM DE PAPEL NO BRASIL Associação Nacional dos Fabricantes de Papel e Celulose BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social A Questão Florestal e o Desenvolvimento A ATIVIDADE DE RECICLAGEM DE PAPEL NO BRASIL

Leia mais

Normas Técnicas para Etiquetas

Normas Técnicas para Etiquetas Normas Técnicas para Etiquetas Informativo Técnico: Nova Lei das Etiquetas Informações que devem constar nas etiquetas de artigos confeccionados: 1 - Composição têxtil do produto. 2 - Nome ou razão social

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

Bijuterias em papel. Etapas 1. Numa folha de revista ou papel de presente, desenhe com o lápis triângulos de 3 cm de base e pelo menos 6 cm de altura.

Bijuterias em papel. Etapas 1. Numa folha de revista ou papel de presente, desenhe com o lápis triângulos de 3 cm de base e pelo menos 6 cm de altura. Bijuterias em papel O que você precisa: papéis coloridos usados: revistas, papéis de presente, etc. régua lápis tesoura cola branca linha ou fio de nylon agulha grande Etapas 1. Numa folha de revista ou

Leia mais

Qualidade et ecnologia MANUAL DO USUÁRIO PRENSA DIGITAL A VAPOR ELETRÔNICA MODELO QPFB-16 WWW.SUNSPECIAL.COM.BR

Qualidade et ecnologia MANUAL DO USUÁRIO PRENSA DIGITAL A VAPOR ELETRÔNICA MODELO QPFB-16 WWW.SUNSPECIAL.COM.BR Qualidade et ecnologia MANUAL DO USUÁRIO PRENSA DIGITAL A VAPOR ELETRÔNICA MODELO QPFB-16 WWW.SUNSPECIAL.COM.BR Este produto foi projetado para dar ao seu vestuário um aspecto profissional, sem rugas e

Leia mais

PRODUÇÃO DE AMOSTRAS DE AMIDO CATIÔNICO E REALIZAÇÃO DE TESTES DE FLOCULAÇÃO

PRODUÇÃO DE AMOSTRAS DE AMIDO CATIÔNICO E REALIZAÇÃO DE TESTES DE FLOCULAÇÃO PRODUÇÃO DE AMOSTRAS DE AMIDO CATIÔNICO E REALIZAÇÃO DE TESTES DE FLOCULAÇÃO José Carlos Trindade Filho. IC-Fecilcam, Engenharia de Produção Agroindustrial, Fecilcam, jctf_epa@hotmail.com Me. Nabi Assad

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO E CERTIFICADO DE GARANTIA

MANUAL DO PROPRIETÁRIO E CERTIFICADO DE GARANTIA MANUAL DO PROPRIETÁRIO E CERTIFICADO DE GARANTIA sca.com.br Parabéns! Agora, a mudança faz parte da sua vida. Neste manual, você encontrará as principais informações para garantir que seu mobiliário S.C.A.

Leia mais

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar:

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar: COMO INSTALAR : Importante para uma perfeita instalação, obter o resultado especificado pela Revitech Pisos e esperado pelo cliente, a utilização das ferramentas corretas. Ferramentas como a desempenadeira,

Leia mais

História!do!café! O!café!começou!a!ser!consumido!em!meados!do!século!IX!na!Etiópia!e,!esse! é!um!hábito!que!ainda!hoje!se!mantém!atual.!

História!do!café! O!café!começou!a!ser!consumido!em!meados!do!século!IX!na!Etiópia!e,!esse! é!um!hábito!que!ainda!hoje!se!mantém!atual.! Índice Históriadocafé...3 Espéciesbotânicasdecafé...5 OProcessodeTorrefaçãoeMisturadocafé...7 MoagemdoCafé...9 MáquinasdeCafé...10 QueCaféComprar?...11 Qualamelhorformadeguardarocafé?...13 Caféinstantâneo...14

Leia mais

APOSTILA TÈCNICA 18 K

APOSTILA TÈCNICA 18 K 1 APOSTILA TÈCNICA 18 K Colori preziosi A ESTRUTURA DO CABELO O cabelo é composto de três partes: Cutícula, Córtex e Medula. Os principais componentes da fibra capilar são proteínas (Queratina), lipídios,

Leia mais

SOLDAGEM. Figura 1 Lado da solda de uma PCI.

SOLDAGEM. Figura 1 Lado da solda de uma PCI. INSTITUTO FEDERAL SANTA CATARINA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

PARTE II. Genealogia, Experimentos e Resultados.

PARTE II. Genealogia, Experimentos e Resultados. 137 PARTE II Genealogia, Experimentos e Resultados. 138 6. Genealogia das informações disponibilizadas - no campo e no LILD 6.1 Referências técnicas do campo refletidas no trabalho 6.1.1 Obra Paiol de

Leia mais

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características Tintas Um problema Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características e tipos de tintas. Introdução Na aula anterior, vimos

Leia mais

Sika Marine Sistema de Conservação de Convés em Teca. Sistema de conservação de convés em teca A gama Sika Marine

Sika Marine Sistema de Conservação de Convés em Teca. Sistema de conservação de convés em teca A gama Sika Marine Sika Marine Sistema de Conservação de Convés em Teca Sistema de conservação de convés em teca A gama Sika Marine Os produtos de conservação Sika Marine protegem e embelezam os convés em teca novos ou antigos.

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO Belarmino Barbosa Lira (1) Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

CAPACETE DE SEGURANÇA 2000/2010

CAPACETE DE SEGURANÇA 2000/2010 CAPACETE DE SEGURANÇA 2000/2010 DESCRIÇÃO GERAL: O capacete de segurança 2000/2010 é composto de: Casco (com ou sem tira refletiva), Suspensão (com ajuste simples ou com catraca), Tira de absorção de suor,

Leia mais

Universidade Federal do Pampa. Cadeia Produtiva da Laranja

Universidade Federal do Pampa. Cadeia Produtiva da Laranja Universidade Federal do Pampa Cadeia Produtiva da Laranja Acadêmicos: Aline Alóy Clarice Gonçalves Celmar Marques Marcos Acunha Micheli Gonçalves Virginia Gonçalves A laranja é uma fruta cítrica produzida

Leia mais

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 3 Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 Substitui: Dezembro/2000 Página 1 de 14 Introdução: As Rodas Scotch-Brite C&P (Cutting & Polishing) são um eficiente e econômico produto

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

APLICAÇÃO DO SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL: UTILIZANDO O ÁBACO NO ENSINO FUNDAMENTAL

APLICAÇÃO DO SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL: UTILIZANDO O ÁBACO NO ENSINO FUNDAMENTAL APLICAÇÃO DO SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL: UTILIZANDO O ÁBACO NO ENSINO FUNDAMENTAL Wallery de Melo Silva 1 Universidade Católica de Brasília RESUMO Este estudo visa despertar nos futuros professores de

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR

MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR ANTES DA INSTALAÇÃO: Para podermos ter uma excelente apresentação da instalação não dependemos

Leia mais

CRIAÇÃO DE FÓSSEIS. Temporários, o facto de algumas serem contemporâneas dos Dinossauros e como os fósseis são testemunhos desses factos.

CRIAÇÃO DE FÓSSEIS. Temporários, o facto de algumas serem contemporâneas dos Dinossauros e como os fósseis são testemunhos desses factos. CRIAÇÃO DE FÓSSEIS Objectivo: abordar o tema da antiguidade de algumas espécies que ocorrem nos Charcos Temporários, o facto de algumas serem contemporâneas dos Dinossauros e como os fósseis são testemunhos

Leia mais

A HISTÓRIA DO SABONETE

A HISTÓRIA DO SABONETE SABONETES por: Colunista Portal Educação SABONETE BARRA DE OLIVA UMA PRODUÇÃO DE PRECIOSIDADES DO POMAR. CONFIRA NA LOJA www.luciamotta.loja2.com.br Os sabonetes são cosméticos detergentes Na antiguidade,

Leia mais