Fórmula para Captação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fórmula para Captação"

Transcrição

1 MANUAL DE SIMULAÇÃO DO POTENCIAL DE ARRECADAÇÃO COM A COBRANÇA PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS DAS UNIDADES DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DE MINAS GERAIS A equipe da Gerência de Cobrança pelo Uso da Água, do IGAM, elaborou uma planilha que tem como objetivo simular, com base nas outorgas concedidas pelo IGAM até novembro de 2006, a arrecadação com a cobrança pelo uso de recursos hídricos de cada unidade de planejamento e gestão de recursos hídricos - UPGRHs do Estado de Minas Gerais. Para tal simulação, foi adotada a nova metodologia aprovada no comitê federal do Rio Paraíba do Sul (CEIVAP), a qual entrou em vigor no início do ano de Com o intuito de permitir que o usuário dessa planilha possa utilizar parâmetros mais condizentes com a realidade da UPGRH (ou UPGRHs, no caso de mais de uma unidade ser atendida por uma mesma agência de bacia ou entidade equiparada) cujo potencial de arrecadação é simulado, é possível a alteração tanto dos parâmetros definidos pelo CEIVAP, como, por exemplo, os valores dos PPU s, quanto das quantidades médias de lançamento ou consumo. Seguem alguns esclarecimentos importantes para o melhor uso da planilha: - A planilha Outorgas mostra apenas dados gerais de cada UPGRH, incluindo quantidade de vazão outorgada por tipo de uso, população, PIB, etc. - A planilha Fórmulas é apenas uma planilha auxiliar à planilha Simulação Agência - A planilha Pib e Pop e a planilha Arrecadação mostram alguns gráficos dos dados obtidos das UPGRHs escolhidas para pertencerem à área da bacia na planilha Simulação Agência. - A planilha Bacias federais mostra o potencial de arrecadação com a cobrança pelo uso da água de cada bacia federal em Minas Gerais e de suas UPGRHs. Logicamente, foram respeitados os parâmetros definidos na planilha Simulação Agência. - A planilha mais importante é a planilha Simulação Agência, pois é nela que o usuário poderá simular o potencial de arrecadação de uma UPGRH ou de mais de uma UPGRH, no caso de mais de uma unidade ser atendida por uma mesma agência de bacia ou entidade a

2 ela equiparada. Para isso, é importante conhecer a metodologia adotada pelo CEIVAP para a cobrança pelo uso dos recursos hídricos. A seguir, serão explicadas as fórmulas para captação, consumo e diluição adotadas pelo CEIVAP, assim como os parâmetros que podem ser alterados na planilha. É importante informar que, nesta planilha, as cédulas em que é permitida alteração por parte do usuário encontram-se na cor verde-claro, como mostra figura a baixo: Fórmula para Captação Valorcap = [Kout x Qcap out + Kmed x Qcap med + Kmed extra x (0,7xQcap out - Qcap med)] x PPUcap x Kcap classe (Qcap med/qcap out ) = Qcap med, volume anual de água captado, em m3/ano, segundo dados de medição/ Qcap out, volume anual de água outorgado para captação, em m3/ano. Observe-se que essa divisão vezes 100 permite saber quantos por cento do valor outorgado foi efetivamente captado. Nas simulações, foi considerado como padrão 0%. Essa relação, na fórmula para captação do Ceivap, é muito importante porque, quando o usuário capta 100%

3 da vazão outorgada, ele vai pagar por 100% da vazão outorgada. Porém, quando o mesmo usuário capta 0% da vazão outorgada, mesmo assim, ele paga por 90% dessa vazão, o que o inibe a solicitar outorgas de uso dos recursos hídricos incompatíveis com os seus reais usos. A tabela a seguir mostra como a relação (Qcap med/qcap out) interfere no Valorcap. Tabela I: Relação entre (Qcap med/qcap out) e VALORcap (Qcap med / Qcap out ) Valorcap 0% 90% 10% 88% 20% 86% 30% 84% 40% 82% 50% 80% 60% 78% 70% 76% 80% 84% 90% 92% 100% 100% 110% 110% Kout = peso atribuído ao volume anual de captação outorgado; quando (Qcap med/qcap out ) é menor do que 1, o Ceivap adota Kout = 0,2 e, quando (Qcap med/qcap out ) é maior do que 1, adota Kout = 0 Kmed = peso atribuído ao volume anual de captação medido; quando (Qcap med/qcap out ) é menor do que 1, o Ceivap adota Kmed = 0,8 e, quando (Qcap med/qcap out ) é maior do que 1, adota Kmed = 1,0 Kmed extra = peso atribuído ao volume anual disponibilizado no corpo d água; quando (Qcap med/qcap out ) é menor do que 0,7, o Ceivap adota Kmed extra = 1 e, quando (Qcap med/qcap out ) é maior do que 0,7, adota Kmed extra = 0

4 PPUcap = Preço publico unitário atribuído pelo comitê de bacia à captação de 1m³. Esse valor, na deliberação do Ceivap N 65, é de R$ 0,01. Kcap classe = desconto dado para a captação de água de acordo com a classe em que o curso de água se enquadra. A tabela II mostra qual é o desconto adotado no Ceivap de acordo com a classe em que o curso de água se enquadra. Tabela II: Kcap por Classe do corpo d água Classe de uso do corpo d'água Kcap classe ,9 3 0,9 4 0,7 SaneamentoPop = se igual a zero, a captação do setor saneamento é baseada nas outorgas concedidas pelo IGAM para esse fim. Se igual a um, a captação do setor de saneamento é igual à metodologia apresentada na nota técnica da ANA de 11 de fevereiro de 2004, que estabelece a captação pelo setor de saneamento através de uma estimativa da população urbana da região. Consumo Valorcons = (QcapT QlançT) x PPUcons x (Qcap / QcapT) Valorcons = pagamento anual pelo consumo de água em R$/ano; QcapT = volume anual de água captado total, em m3/ano, igual ao Qcap med ou igual ao Qcap out, se não existir medição, em corpos d água de domínio da União e dos estados, mais aqueles captados diretamente em redes de concessionárias dos sistemas de distribuição de água. Nessa simulação, foi considerado o QcapT = Qcap out Qcap = volume anual de água captado, em m3/ano, igual ao Qcap med ou igual ao Qcap out, se não existir medição, por dominialidade. Nesta simulação foi considerado o Qcap = QcapT = Qcap out

5 QlançT = volume anual de água lançado total, em m3/ano, em corpos de água de domínio dos estados, da União, em redes públicas de coleta de esgotos ou em sistemas de disposição em solo. Nessa simulação, foi considerado o QlançT = (1 Kcons) x Qcap out. PPUcons = Preço Público Unitário atribuído pelo comitê de bacia para o consumo de 1m³. Esse valor, na deliberação do Ceivap N 65, é de R$ 0,02 As outorgas do IGAM disponibilizam apenas o Qcap out. Para essa simulação, foi considerado como padrão que o QlançT é de 80% do valor do Qcap out. para todos os setores de usuários. Kcons saneamento = é a porcentagem do Qcap out. que é consumida pelo setor de saneamento. Nessa planilha de simulação, foi considerado um consumo de 20% do que foi captado, ou seja, Kcons saneamento = (1- (QlançT/ Qcap out)) x 100 Kcons indústria = é a porcentagem do Qcap out. que é consumida pelo setor industrial. Nessa planilha de simulação foi considerado um consumo de 20% do que foi captado, ou seja, Kcons industria = (1- (QlançT/ Qcap out)) x 100 Para o caso especifico da irrigação, a metodologia do CEIVAP adota outra fórmula para calcular o consumo dos usuários. Valorcons = Qcap x PPUcons x Kconsumo Kconsumo = Kcons irrig = é a porcentagem do Qcap out. que é consumida pelo setor de irrigação. Nessa planilha de simulação, foi considerado um consumo de 20% do que foi captado, ou seja, Kcons irrig = (1- (QlançT/ Qcap out)) x 100 Diluição ValorDBO = CDBO x QlançT x PPUDBO ValorDBO = pagamento anual pelo lançamento de carga orgânica, em R$/ano; PPUdil = Preço Público Unitário para diluição de carga orgânica, em R$/m3. Na simulações dessa planilha foi adotado como padrão PPUdil, já empregado pelo CEIVAP segundo resolução CEIVAP N 65. O valor cobrado é R$ 0,07. CDBO = Concentração média anual de DBO5,20 lançada, em kg/m3,

6 QlançT = Volume anual de água lançado, em m3/ano, segundo dados de medição ou, na ausência dessa, segundo dados outorgados, ou por verificação do organismo outorgante em processo de regularização. DBOindústria = é o CDBO do setor industrial. Nessa simulação de arrecadação, foi utilizado como padrão 150g/m³ de DBO. DBOsaneamento = é o CDBO do setor de saneamento. Nessa simulação de arrecadação, foi utilizado como padrão 300g/m³ de DBO. Dados Gerais Nos setores de saneamento e industrial, o valor anual arrecadado será igual a: Arrecadação Anual = (Valorcap + Valorcons + ValorDBO) x Desconto PPU s x Inadimplência Desconto PPU s = é a porcentagem de desconto que a agência de Bacia ou entidade a ela equiparada pode conceder para os usuários que pagam os boletos da cobrança antes do seu vencimento. Nessa simulação foi considerado 0% de desconto. Inadimplência = é a porcentagem do total cobrado que não foi arrecadado devido à inadimplência dos usuários. Nessa simulação, foi considerado como padrão 0% de inadimplência. Para o setor agropecuário, o valor anual arrecadado será igual a: ValorAgropec = (Valorcap + Valorcons) x Kagropec x Desconto PPU s x Inadimplência Kagropec = coeficiente que leva em conta as boas práticas de uso e conservação da água na propriedade rural onde se dá o uso de recursos hídricos. O CEIVAP adota o Kagropec = 0,05 ou 5%. Nessa simulação foi adotado o mesmo valor utilizado pelo CEIVAP para o Kagropec.

7 Agência Nesse campo existem exatas 36 cédulas. Em cada cédula, é possível inserir o código de uma unidade de planejamento ou um grupo de unidades de planejamento. As UPGRH s incluídas nessas cédulas serão a área de abrangência da Agência de Bacia ou entidade a ela equiparada. Seguem todos os códigos de cada unidade de planejamento: DO1: Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Piranga DO2: Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Piracicaba DO3: Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Santo Antônio DO4: Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Suaçuí DO5: Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Caratinga DO6: Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Manhuaçu. GD1: Comitê da Bacia Hidrográfica do Alto rio Grande GD2: Comissão Pró-Comitê das Bacias dos Rios das Mortes e Jacaré GD3: Comitê da Bacia Hidrográfica do Entorno do Reservatório de Furnas GD4: Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Verde GD5: Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Sapucaí GD6: Comitê da Bacia Hidrográfica dos Afluentes Mineiros dos Rios Mogi-Guaçu/Pardo GD7: Comitê da Bacia Hidrográfica dos Afluentes Mineiros do Médio Rio Grande GD8: Comitê da Bacia Hidrográfica dos Afluentes Mineiros do Baixo Rio Grande JQ1: Comissão Pró-Comitê do Alto Rio Jequitinhonha JQ2: Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Araçuaí JQ3: Comissão Pró-Comitê do Médio e Baixo Rio Jequitinhonha MU1: Comissão Pró-Comitê do Rio Mucuri. PA1: Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Mosquito PN1: Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Dourados PN2: Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Araguari PN3: Comitê da Bacia Hidrográfica dos Afluentes Mineiros do Baixo Rio Paranaíba PS1: Comitê da Bacia Hidrográfica dos Afluentes Mineiros dos Rios Preto e Paraibuna PS2: Comitê da Bacia Hidrográfica dos Afluentes Mineiros dos Rios Pomba e Muriaé

8 SF1: Comitê da Bacia Hidrográfica do Alto Rio São Francisco SF2: Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Pará SF3: Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Paraopeba SF4: Comitê da Bacia Hidrográfica do Entorno da Represa de Três Marias SF5: Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas SF6: Comitê da Bacia Hidrográfica dos Rios Jequitaí e Pacuí SF7: Comitê da Sub-bacia Hidrográfica Mineira do Rio Paracatu SF8: Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Urucuia SF9: Comissão Pró-Comitê dos Rios Pandeiros e Calindó SF10: Comissão Pró-Comitê dos Afluentes Mineiros do Rio Verde Grande. SM1: Comissão Pró-Comitê do Rio São Mateus

RESOLUÇÃO N o 52, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 (Publicada no DOU em 30/11/05)

RESOLUÇÃO N o 52, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 (Publicada no DOU em 30/11/05) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 52, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 (Publicada no DOU em 30/11/05) Aprova os mecanismos e os valores para a cobrança pelo uso

Leia mais

Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos

Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos Informações iniciais para obtenção da outorga de direito de uso de recursos hídricos Buscando atender a uma necessidade das empresas associadas, a Assessoria

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 15, DE 14 DE ABRIL DE 2011

DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 15, DE 14 DE ABRIL DE 2011 DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 15, DE 14 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre mecanismos e valores de cobrança pelo uso de recursos hídricos na bacia hidrográfica do rio Piracicaba-MG. O Comitê da Bacia Hidrográfica

Leia mais

Relatório Final RT4 Fase C Plano de Bacia

Relatório Final RT4 Fase C Plano de Bacia PROCESSO DE PLANEJAMENTO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOS SINOS FASE C. Edital de concorrência 004/CELIC/2013 Relatório Final RT4 Fase C Plano de Bacia PROFILL ENGENHARIA E AMBIENTE LTDA. CNPJ: 03.164.966/0001-52

Leia mais

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini A Gestão de Recursos Hídricos H e a Regulação da Medição de Água Situação

Leia mais

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS Avenida Professor Frederico Hermann Jr. 345 - São Paulo/SP - CEP 05459-900 - Tel (11) 3133-4157 Deliberação CRH n ọ 88, de 10 de dezembro

Leia mais

2ª Seminário Internacional de Biotecnologia Bacia Hidrográfica: Unidade de Gerenciamento para Ações Descentralizadas

2ª Seminário Internacional de Biotecnologia Bacia Hidrográfica: Unidade de Gerenciamento para Ações Descentralizadas 2ª Seminário Internacional de Biotecnologia Bacia Hidrográfica: Unidade de Gerenciamento para Ações Descentralizadas Mesa Redonda Cobrança pelo Uso da Água e Aplicação Recursos Arrecadados Cláudia Hornhardt

Leia mais

A COBRANÇA A PELO USO DE DA UNIÃO. de Cobrança a do Comitê das Bacias do Alto Iguaçu u e Afluentes do Alto Ribeira CT-COB

A COBRANÇA A PELO USO DE DA UNIÃO. de Cobrança a do Comitê das Bacias do Alto Iguaçu u e Afluentes do Alto Ribeira CT-COB 3º Reunião da Câmara Técnica T de Cobrança a do Comitê das Bacias do Alto Iguaçu u e Afluentes do Alto Ribeira CT-COB COB A COBRANÇA A PELO USO DE RECURSOS HÍDRICOS H DE DOMÍNIO DA UNIÃO PATRICK THOMAS

Leia mais

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 Primeiro Termo Aditivo Contrato nº 003/ANA/2011 INDICADOR 4 OPERACIONALIZAÇÃO DA COBRANÇA Indicador 4B Cadastro de Usuários ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 4B - Cadastro

Leia mais

COMISSÃO TÉCNICA DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DOS CONTRATOS DE GESTÃO CTACG Constituída pela Resolução Conjunta SEMAD / SEPLAG / SEF / IGAM nº

COMISSÃO TÉCNICA DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DOS CONTRATOS DE GESTÃO CTACG Constituída pela Resolução Conjunta SEMAD / SEPLAG / SEF / IGAM nº COMISSÃO TÉCNICA DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DOS CONTRATOS DE GESTÃO CTACG Constituída pela Resolução Conjunta SEMAD / SEPLAG / SEF / IGAM nº RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO - EXERCÍCIO 2010 CONTRATO DE GESTÃO

Leia mais

Cobrança pelo Uso da Água

Cobrança pelo Uso da Água Oficina de Capacitação dos Convênio Membros SEMA do Comitê / METROPLAN Pardo Convênio SEMA / METROPLAN Oficina de Capacitação dos Membros do Comitê Pardo Cobrança pelo Uso da Água Santa Cruz do Sul, 29/maio/2012

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 782, DE 27 DE OUTUBRO DE 2009 (Revogada pela Resolução n.º 603, de 26 de maio de 2015)

RESOLUÇÃO N o 782, DE 27 DE OUTUBRO DE 2009 (Revogada pela Resolução n.º 603, de 26 de maio de 2015) RESOLUÇÃO N o 782, DE 27 DE OUTUBRO DE 2009 (Revogada pela Resolução n.º 603, de 26 de maio de 2015) Estabelece critérios para o envio dos dados dos volumes medidos em pontos de interferência outorgados

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DA COMISSÃO EXTRAORDINÁRIA DAS ÁGUAS

RELATÓRIO FINAL DA COMISSÃO EXTRAORDINÁRIA DAS ÁGUAS RELATÓRIO FINAL DA COMISSÃO EXTRAORDINÁRIA DAS ÁGUAS 1 - INTRODUÇÃO Segundo os cientistas, a vida teve início no planeta Terra há aproximadamente 3,8 bilhões de anos, em condições extremamente adversas,

Leia mais

DISCUSSÃO SOBRE ALTERAÇÃO RH II -GUANDU. Seropédica 03de março de 2016

DISCUSSÃO SOBRE ALTERAÇÃO RH II -GUANDU. Seropédica 03de março de 2016 DISCUSSÃO SOBRE ALTERAÇÃO DO VALOR DA COBRANÇA NA RH II -GUANDU Seropédica 03de março de 2016 As Bacias Hidrográficas no Estado de Minas Gerais Agências de Bacias Hidrográficas no Estado de Minas Gerais

Leia mais

Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006

Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006 Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006 Aprova a proposta para implementação da cobrança pelo uso dos recursos hídricos de domínio do Estado de São Paulo, nas bacias hidrográficas

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5 Bacias Hidrográficas de Minas Gerais O desenvolvimento dos recursos hídricos não pode ser visto dentro de um sistema limitado onde a complexidade dos usos múltiplos

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS DELIBERAÇÃO CBH RIO DAS VELHAS Nº 001, de 05 de fevereiro de 2014 Estabelece procedimentos para o acompanhamento e a avaliação de projetos hidroambientais, planos e projetos municipais de saneamento, para

Leia mais

Desafios do Setor MineroMetalúrgico Impactos das crises hídrica e energética na mineração e siderurgia. Patrícia Boson tita@uaigiga.com.

Desafios do Setor MineroMetalúrgico Impactos das crises hídrica e energética na mineração e siderurgia. Patrícia Boson tita@uaigiga.com. Desafios do Setor MineroMetalúrgico Impactos das crises hídrica e energética na mineração e siderurgia Patrícia Boson tita@uaigiga.com.br Outubro de 2015 CENÁRIO DA ESCASSEZ HÍDRICA Fórum Econômico Mundial

Leia mais

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ Dalto Favero Brochi Consórcio PCJ Rio de Janeiro Novembro / 2008 LOCALIZAÇÃO DAS BACIAS PCJ CARACTERIZAÇÃO DAS BACIAS

Leia mais

BOLETIM SOBRE A COBRANÇA PELO USO DE RECURSOS HÍDRICOS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ E PARAÍBA DO SUL EXERCÍCIO 2008

BOLETIM SOBRE A COBRANÇA PELO USO DE RECURSOS HÍDRICOS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ E PARAÍBA DO SUL EXERCÍCIO 2008 BOLETIM SOBRE A COBRANÇA PELO USO DE RECURSOS HÍDRICOS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ E PARAÍBA DO SUL EXERCÍCIO 2008 v.2, n.1, 2009 VVV.1,V N. 1, AVVVVVVBR. 2008 República

Leia mais

LEI Nº 12.183, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005.

LEI Nº 12.183, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005. LEI Nº 12.183, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005. Dispõe sobre a cobrança pela utilização dos recursos hídricos do domínio do Estado de São Paulo, os procedimentos para fixação dos seus limites, condicionantes

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Reconhecer a água como bem econômico e dar ao usuário uma indicação de seu real valor Incentivar

Leia mais

http://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=dec&num...

http://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=dec&num... Página 1 de 9 DECRETO 44945, DE 13/11/2008 - TEXTO ORIGINAL Altera o Decreto nº 44.046, de 13 de junho de 2005, que regulamenta a cobrança pelo uso de recursos hídricos de domínio do Estado, e o Decreto

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS DELIBERAÇÃO NORMATIVA CBH-Velhas nº 03/2009 de 20 de março 2009 (Texto com alterações promovidas pela DN CBH-Velhas nº 04, de 06 de julho de 2009) (Aprovadas pela DN CERH nº 185 de 26 de agosto de 2009)

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 5, DE 10 DE ABRIL DE

RESOLUÇÃO Nº 5, DE 10 DE ABRIL DE RESOLUÇÃO Nº 5, DE 10 DE ABRIL DE 2000 (Publicada no D.O.U de 11 de abril de 2000) (Modificada pela Resolução nº18, de 20 de dezembro de 2001, e pela Resolução nº 24, de 24 de maio de 2002) O Conselho

Leia mais

DELIBERAÇÃO CBH-TG Nº.203 /2012 DE 04/12/2012

DELIBERAÇÃO CBH-TG Nº.203 /2012 DE 04/12/2012 DELIBERAÇÃO CBH-TG Nº.203 /2012 DE 04/12/2012 Aprova a proposta dos mecanismos e valores para cobrança pelos usos urbano e industrial dos recursos hídricos de domínio do Estado de São Paulo, no âmbito

Leia mais

RELATÓRIO 2009. Cobrança pelo Uso de Recursos Hídricos na Bacia Hidrográfica do rio Paraíba do Sul

RELATÓRIO 2009. Cobrança pelo Uso de Recursos Hídricos na Bacia Hidrográfica do rio Paraíba do Sul RELATÓRIO 2009 Cobrança pelo Uso de Recursos Hídricos na Bacia Hidrográfica do rio Paraíba do Sul AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS MINISTÉRO DO MEIO AMBIENTE RELATÓRIO 2009 Cobrança pelo Uso de Recursos Hídricos

Leia mais

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta:

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta: DECRETO Nº 50.667, DE 30 DE MARÇO DE 2006 Regulamenta dispositivos da Lei nº 12.183 de 29 de dezembro de 2005, que trata dacobrança pela utilização dos recursos hídricos do domínio do Estado de São Paulo,e

Leia mais

RELATÓRIO FINAL INTEGRANDO E CONSOLIDANDO OS PRODUTOS APRESENTADOS NO ESTUDO

RELATÓRIO FINAL INTEGRANDO E CONSOLIDANDO OS PRODUTOS APRESENTADOS NO ESTUDO RELATÓRIO FINAL INTEGRANDO E CONSOLIDANDO OS PRODUTOS APRESENTADOS NO ESTUDO ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE METODOLOGIA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DA COBRANÇA PELO USO DE RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA

Leia mais

AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ PARECER TÉCNICO Nº: 01/2007. Assunto: SOLICITAÇÃO DE ABATIMENTO DO VALOR DBO - 2006 1. IDENTIFICAÇÃO

AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ PARECER TÉCNICO Nº: 01/2007. Assunto: SOLICITAÇÃO DE ABATIMENTO DO VALOR DBO - 2006 1. IDENTIFICAÇÃO AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ CONSÓRCIO PCJ COMITÊS PCJ PARECER TÉCNICO Nº: 01/2007 Assunto: SOLICITAÇÃO DE ABATIMENTO DO VALOR DBO - 2006 1. IDENTIFICAÇÃO Tomador: Companhia de Saneamento Básico do Estado de São

Leia mais

DECRETO Nº 58.791, DE 21 DE DEZEMBRO DE

DECRETO Nº 58.791, DE 21 DE DEZEMBRO DE DECRETO Nº 58.791, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012 Aprova e fixa os valores a serem cobrados pelo uso dos recursos hídricos de domínio de Estado de São Paulo na Unidade de Gerenciamento de Recursos Hídricos

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

UM ESTUDO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA PARA A CIDADE DE CAMPINA GRANDE PB.

UM ESTUDO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA PARA A CIDADE DE CAMPINA GRANDE PB. UM ESTUDO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA PARA A CIDADE DE CAMPINA GRANDE PB. Elton Silva Cruz, Engenheiro Civil; Djalena M. de Melo, Engenheira Civil; Melissa F. da Silveira, Graduanda da UFCG. Departamento

Leia mais

Distribuição da água no planeta

Distribuição da água no planeta Água A água é fundamental para a preservação da vida em todos os ecossistemas e é indispensável para o desenvolvimento e manutenção das atividades econômicas em suas múltiplas possibilidades. Distribuição

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FRANKLIN DE ALMEIDA COSTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FRANKLIN DE ALMEIDA COSTA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FRANKLIN DE ALMEIDA COSTA O PROCESSO DE OUTORGA DE DIREITO DE USO: análise das captações subterrâneas e o estudo de caso da bacia do Ribeirão Araras Uberlândia 2007 2

Leia mais

- Dezembro, 2010 - Organismos de Bacia Estado da arte, Brasil

- Dezembro, 2010 - Organismos de Bacia Estado da arte, Brasil - Dezembro, 2010 - Organismos de Bacia Estado da arte, Brasil ASPECTOS CONSTITUCIONAIS Organismos de bacia Histórico Constituição de 1988 estabeleceu, entre outros aspectos, que as águas são bens públicos,

Leia mais

Ao Senhor Superintendente de Apoio à Gestão de Recursos Hídricos

Ao Senhor Superintendente de Apoio à Gestão de Recursos Hídricos Nota Técnica nº 019/2007/SAG Documento: 006044/2007 Em 28 de março de 2007 Ao Senhor Superintendente de Apoio à Gestão de Recursos Hídricos Assunto: Estudo prognóstico sobre a viabilidade econômico-financeira

Leia mais

RUA CARLOS CHAGAS N.º 55-8.º ANDAR CENTRO - PORTO ALEGRE - RS TELEFONE: (51) 3228-9457 www.fepam.rs.gov.br MAURO GOMES DE MOURA

RUA CARLOS CHAGAS N.º 55-8.º ANDAR CENTRO - PORTO ALEGRE - RS TELEFONE: (51) 3228-9457 www.fepam.rs.gov.br MAURO GOMES DE MOURA RUA CARLOS CHAGAS N.º 55-8.º ANDAR CENTRO - PORTO ALEGRE - RS TELEFONE: (51) 3228-9457 www.fepam.rs.gov.br MAURO GOMES DE MOURA maurogm@fepam.rs.gov.br PROBLEMAS AMBIENTAIS PROBLEMAS ÉTICOS Quem contamina

Leia mais

NOTA ORIENTATIVA CHECK-LIST RECURSOS HÍDRICOS

NOTA ORIENTATIVA CHECK-LIST RECURSOS HÍDRICOS NOTA ORIENTATIVA CHECK-LIST RECURSOS HÍDRICOS Estabelece instruções para fiscalização da dos usos e intervenções em Recursos Hídricos. 1. Definições: A Outorga de Direito de Uso da Água é um instrumento

Leia mais

LEI Nº 4.247 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 4.247 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003 LEI Nº 4.247 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003 DISPÕE SOBRE A COBRANÇA PELA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DE DOMÍNIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 35 DE 11 DE MAIO DE 2012

DELIBERAÇÃO Nº 35 DE 11 DE MAIO DE 2012 DELIBERAÇÃO Nº 35 DE 11 DE MAIO DE 2012 Aprova o Primeiro Termo Aditivo ao Contrato de Gestão nº 001/2011 celebrado entre o Instituto Mineiro de Gestão das Águas IGAM e o Instituto BioAtlântica IBIO/AGB

Leia mais

Instituto Mineiro de Gestão das Águas

Instituto Mineiro de Gestão das Águas 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 ATA DA V REUNIÃO DO FÓRUM MINEIRO DE COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Aos dezesseis

Leia mais

A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL.

A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL. XII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL. Marcos Antonio Barbosa da Silva Junior (UPE)

Leia mais

ENTENDA O QUE SÃO OS COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

ENTENDA O QUE SÃO OS COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS ENTENDA O QUE SÃO OS COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS O que são Os Comitês foram criados para gerenciar o uso dos recursos hídricos de forma integrada e descentralizada com a participação da sociedade.

Leia mais

Enquadramento dos Corpos de Água em Classes segundo os Usos Preponderantes. Correlação com Plano de Bacia, Sistema de Informação e Monitoramento

Enquadramento dos Corpos de Água em Classes segundo os Usos Preponderantes. Correlação com Plano de Bacia, Sistema de Informação e Monitoramento Enquadramento dos Corpos de Água em Classes segundo os Usos Preponderantes Correlação com Plano de Bacia, Sistema de Informação e Monitoramento Plano de Recursos Hídricos Plano diretor de longo prazo que

Leia mais

COBRANÇA PELO USO DE RECURSOS HÍDRICOS

COBRANÇA PELO USO DE RECURSOS HÍDRICOS COBRANÇA PELO USO DE RECURSOS HÍDRICOS Renata Maria de Araújo Belo Horizonte, agosto de 2014. Caracterização Hidrográfica do Estado de Minas Gerais Gestão dos Recursos Hídricos em Minas Gerais Comitês

Leia mais

DISCUSSÃO SOBRE ALTERAÇÃO DO VALOR DA COBRANÇA NA RH II -GUANDU. Seropédica 05 de maio de 2016

DISCUSSÃO SOBRE ALTERAÇÃO DO VALOR DA COBRANÇA NA RH II -GUANDU. Seropédica 05 de maio de 2016 DISCUSSÃO SOBRE ALTERAÇÃO DO VALOR DA COBRANÇA NA RH II -GUANDU Seropédica 05 de maio de 2016 Cobrança no Estado de São Paulo HISTÓRICO 1991 1993 1990 Criação da Lei paulista nº 7.663, de 1991, que instituiu

Leia mais

O Enquadramento em nível nacional

O Enquadramento em nível nacional 1º Seminário Estadual sobre Enquadramento dos Corpos d água O Enquadramento em nível nacional Marcelo Pires da Costa Gerente Superintendência de Planejamento de Recursos Hídricos Agência Nacional de Águas

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARÁ REUNIÃO SEGMENTO SANEAMENTO

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARÁ REUNIÃO SEGMENTO SANEAMENTO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARÁ REUNIÃO DA CÂMARA TÉCNICA DE OUTORGA E COBRANÇA - CTOC REUNIÃO SEGMENTO SANEAMENTO Divinópolis, 22 de novembro de 2011 Política Nacional de Recursos Hídricos Lei

Leia mais

ÁGUA SUBTERRÂNEA E MEIO AMBIENTE OUTORGAS E LICENCIAMENTO Palestrante: Maricene Paixão

ÁGUA SUBTERRÂNEA E MEIO AMBIENTE OUTORGAS E LICENCIAMENTO Palestrante: Maricene Paixão 2º SEMINARIO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CBH ARAGUARI ÁGUA SUBTERRÂNEA E MEIO AMBIENTE OUTORGAS E LICENCIAMENTO Palestrante: Maricene Paixão 22 de agosto de 2014 FUNDAMENTOS DA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS I

Leia mais

COPPETEC. Agência Nacional de Águas (ANA) - Fundação COPPETEC Execução: Laboratório de Hidrologia e Estudo de Meio Ambiente da COPPE/UFRJ

COPPETEC. Agência Nacional de Águas (ANA) - Fundação COPPETEC Execução: Laboratório de Hidrologia e Estudo de Meio Ambiente da COPPE/UFRJ Agência Nacional de Águas (ANA) - Fundação COPPETEC Execução: Laboratório de Hidrologia e Estudo de Meio Ambiente da COPPE/UFRJ Projeto Gestão dos Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba

Leia mais

TÍTULO: O IMPACTO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA NA LUCRATIVIDADE E NO CUSTO DOS PRINCIPAIS SETORES USUÁRIOS INDUSTRIAL, AGROPECUÁRIO E HIDROELÉTRICO

TÍTULO: O IMPACTO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA NA LUCRATIVIDADE E NO CUSTO DOS PRINCIPAIS SETORES USUÁRIOS INDUSTRIAL, AGROPECUÁRIO E HIDROELÉTRICO TÍTULO: O IMPACTO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA NA LUCRATIVIDADE E NO CUSTO DOS PRINCIPAIS SETORES USUÁRIOS INDUSTRIAL, AGROPECUÁRIO E HIDROELÉTRICO Área: 5- Economia e Meio Ambiente. AUTORES: 1) Lídia

Leia mais

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Beatriz Durazzo Ruiz CETESB bruiz@sp.gov.br Fábio Netto Moreno CETESB eqai_cetesb@sp.gov.br Nelson Menegon Jr CESTESB eqa_cetesb@sp.gov.br Resumo O monitoramento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS Av. Prof. Frederico Hermann Jr., 345 - São Paulo/SP - CEP 05459-900 - Tel (011) 3133-3000 Deliberação

Leia mais

OUTORGA DE ÁGUA E LICENÇA PARA IMPLANTAÇÃO DE OBRA HÍDRICA

OUTORGA DE ÁGUA E LICENÇA PARA IMPLANTAÇÃO DE OBRA HÍDRICA ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA E DO MEIO AMBIENTE SECTMA AGÊNCIA EXECUTIVA DE GESTÃO DAS ÁGUAS DO ESTADO DA PARAÍBA - AESA OUTORGA DE ÁGUA E LICENÇA PARA IMPLANTAÇÃO DE

Leia mais

DELIBERAÇÃO CBH-PS - 05/2006

DELIBERAÇÃO CBH-PS - 05/2006 DECRETO Nº 51.450, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Aprova e fixa os valores a serem cobrados pela utilização dos recursos hídricos de domínio do Estado de São Paulo nas Bacias Hidrográficas do Rio Paraíba do

Leia mais

2. Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí

2. Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Nota Informativa nº 03/2011/SAG Documento nº 030178/2011-46 Em 23 de novembro de 2011 Ao Senhor Superintendente de Apoio à Gestão de Recursos Hídricos Assunto: Resumo dos resultados da pesquisa de impacto

Leia mais

"Experiências Internacionais de Gestão de Recursos Hídricos: lições para a implementação da Lei sobre Cobrança pelo Uso da Água no Brasil".

Experiências Internacionais de Gestão de Recursos Hídricos: lições para a implementação da Lei sobre Cobrança pelo Uso da Água no Brasil. 1 "Experiências Internacionais de Gestão de Recursos Hídricos: lições para a implementação da Lei sobre Cobrança pelo Uso da Água no Brasil". Autora: Regina Cavini, mestranda do Curso de Desenvolvimento,

Leia mais

Relatório de Avaliação Contrato de Gestão nº. 03/2010 Inea Agevap (3º e 4 º ano)

Relatório de Avaliação Contrato de Gestão nº. 03/2010 Inea Agevap (3º e 4 º ano) Relatório de Avaliação Contrato de Gestão nº. 03/200 Inea Agevap (3º e 4 º ano) Comissão de AvaliaçãoPortaria Inea nº 496/203 : Giselle de Sá Muniz Inea, Airton Alves dos Santos Inea, João Batista Dias

Leia mais

DELIBERAÇÃO CEIVAP Nº 226/2015 DE 24 DE MARÇO DE 2015.

DELIBERAÇÃO CEIVAP Nº 226/2015 DE 24 DE MARÇO DE 2015. DELIBERAÇÃO CEIVAP Nº 226/2015 DE 24 DE MARÇO DE 2015. Aprova a Deliberação CEIVAP ad referendum nº 225/2015 e dispõe complementarmente sobre à criação do Subcomponente: Ações Emergenciais Estresse Hídrico

Leia mais

O Sistema Integrado de Gerenciamento de Recursos Hídricos Jaboticabal, 25 de Julho de 2008

O Sistema Integrado de Gerenciamento de Recursos Hídricos Jaboticabal, 25 de Julho de 2008 Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Coordenadoria de Recursos Hídricos O Sistema Integrado de Gerenciamento de Recursos Hídricos Jaboticabal, 25 de Julho de 2008 Carlos Eduardo Beato cebeato@ambiente.sp.gov.br

Leia mais

MESA REDONDA ÁGUA: ESCASSEZ, USO RACIONAL

MESA REDONDA ÁGUA: ESCASSEZ, USO RACIONAL MESA REDONDA ÁGUA: ESCASSEZ, USO RACIONAL IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA Rodrigo Flecha Superintendente de Gestão de Recursos Hídricos 18 de março de 2013 Belo Horizonte/MG ESTRUTURA

Leia mais

Artigo 2º - Esta Deliberação entra em vigor na data de sua aprovação pelo CBH-AP.

Artigo 2º - Esta Deliberação entra em vigor na data de sua aprovação pelo CBH-AP. Deliberação CBH-AP 022/2000 de 04/02/00. Aprova critérios para fins de hierarquização e seleção dos investimentos a serem indicados ao FEHIDRO. O Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Aguapeí e Peixe,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS EM UM CENÁRIO DE CRISE HÍDRICA

GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS EM UM CENÁRIO DE CRISE HÍDRICA GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS EM UM CENÁRIO DE CRISE HÍDRICA A ÁGUA NO MUNDO E NO BRASIL Um sexto da população mundial, mais de um bilhão de pessoas, não têm acesso a água potável; Segundo a ONU,

Leia mais

A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA NAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DO PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ APLICAÇÃO E PERSPECITIVAS.

A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA NAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DO PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ APLICAÇÃO E PERSPECITIVAS. A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA NAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DO PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ APLICAÇÃO E PERSPECITIVAS. Francisco Martinez Jr. 1 & Francisco Carlos Castro Lahoz 2 RESUMO --- Este trabalho discute

Leia mais

A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA COMO UM PROBLEMA DE RATEIO DE CUSTO

A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA COMO UM PROBLEMA DE RATEIO DE CUSTO A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA COMO UM PROBLEMA DE RATEIO DE CUSTO Jaildo Santos Pereira 1 e Antônio Eduardo Lanna 1 Resumo - Este trabalho apresenta uma metodologia de cobrança pelo uso da água como um problema

Leia mais

GUILHERME FERNANDO PENTEADO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS VISANDO A MANUTENÇÃO DO SITE DA AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ RELATÓRIO 2

GUILHERME FERNANDO PENTEADO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS VISANDO A MANUTENÇÃO DO SITE DA AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ RELATÓRIO 2 GUILHERME FERNANDO PENTEADO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS VISANDO A MANUTENÇÃO DO SITE DA AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ RELATÓRIO 2 Piracicaba 12 de outubro de 2009 1 CONTRATO AGÊNCIA PCJ Nº 03/09 CONTRATANTE:

Leia mais

HIDROGRAFIA DO RIO SÃO FRANCISCO BANCO DE DADOS SUPERINTENDENTE DE PLANEJAMENTO EQUIPE TÉCNICA DA SPR APOIO DO GEOPROCESSAMENTO

HIDROGRAFIA DO RIO SÃO FRANCISCO BANCO DE DADOS SUPERINTENDENTE DE PLANEJAMENTO EQUIPE TÉCNICA DA SPR APOIO DO GEOPROCESSAMENTO HIDROGRAFIA DO RIO SÃO FRANCISCO BANCO DE DADOS SUPERINTENDENTE DE PLANEJAMENTO EQUIPE TÉCNICA DA SPR APOIO DO GEOPROCESSAMENTO Base de Dados das Regiões Hidrográficas Brasileiras Superintendência de Planejamento

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República Polo em Petrolina/Juazeiro

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República Polo em Petrolina/Juazeiro Ref.: Inquérito Civil Público n.º 1.26.006.000008/2009-09 PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO EGRÉGIA 3ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Trata-se de Inquérito Civil Público instaurado

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 02 DE 18 DE ABRIL DE 2012

DELIBERAÇÃO Nº 02 DE 18 DE ABRIL DE 2012 DELIBERAÇÃO Nº 02 DE 18 DE ABRIL DE 2012 Institui o Plano de Aplicação Plurianual da Bacia Hidrográfica do Rio Manhuaçu e ratifica o Plano de Aplicação Plurianual da Bacia Hidrográfica do Rio Doce 1, para

Leia mais

Instituto Mineiro de Gestão das Águas. INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS IGAM Cleide Izabel Pedrosa de Melo Diretora Geral

Instituto Mineiro de Gestão das Águas. INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS IGAM Cleide Izabel Pedrosa de Melo Diretora Geral INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS IGAM Cleide Izabel Pedrosa de Melo Diretora Geral DIRETORIA DE GESTÃO DE RECUSOS HÍDRICOS DGRH Luíza de Marillac Moreira Camargos - Diretora PARECER TÉCNICO - PROPOSIÇÃO

Leia mais

COPPETEC. Agência Nacional de Águas (ANA) Fundação COPPETEC Execução: Laboratório de Hidrologia e Estudos de Meio Ambiente da COPPE/UFRJ

COPPETEC. Agência Nacional de Águas (ANA) Fundação COPPETEC Execução: Laboratório de Hidrologia e Estudos de Meio Ambiente da COPPE/UFRJ Agência Nacional de Águas (ANA) Fundação COPPETEC Execução: Laboratório de Hidrologia e Estudos de Meio Ambiente da COPPE/UFRJ Relatório Parcial Cobrança pelo uso da água bruta na bacia do rio Paraíba

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRH N o 109, DE 13 DE ABRIL DE 2010

RESOLUÇÃO CNRH N o 109, DE 13 DE ABRIL DE 2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO CNRH N o 109, DE 13 DE ABRIL DE 2010 (Publicada no D.O.U. em 12/08/2010) Cria Unidades de Gestão de Recursos Hídricos de Bacias

Leia mais

Principais Competências dos CBHs

Principais Competências dos CBHs Representação Institucional e Cobrança pelo Uso dos Recursos Hídricos 08 de outubro de 2008 REPRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS Coordenação de Gestão Institucional de Recursos Hídricos TAH

Leia mais

Palavras-chave: Gestão da Água; Cobrança do Uso da Água; Comunicação Social

Palavras-chave: Gestão da Água; Cobrança do Uso da Água; Comunicação Social METODOLOGIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PARA A IMPLANTAÇÃO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA NAS BACIAS PJ INTEGRANDO O SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ Francisco Carlos Castro Lahóz 1 ; Elaine

Leia mais

Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança

Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança Seminário Cobrança pelo Uso dos Recursos Hídricos Urbanos e Industriais Comitê da Bacia Hidrográfica Sorocaba e Médio Tietê Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança Sorocaba, 10 de setembro

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria DECRETO Nº 5.327, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2000. Dispõe sobre o Conselho Estadual de Recursos Hídricos- CERH e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE GOIÁS, no uso de suas atribuições constitucionais

Leia mais

ÁGUA DE QUALIDADE PARA TODOS, HOJE E SEMPRE. Saiba o que é a cobrança. pelo uso de recursos hídricos.

ÁGUA DE QUALIDADE PARA TODOS, HOJE E SEMPRE. Saiba o que é a cobrança. pelo uso de recursos hídricos. ÁGUA DE QUALIDADE PARA TODOS, HOJE E SEMPRE. Saiba o que é a cobrança pelo uso de recursos hídricos. Os seres vivos e as atividades humanas dependem da água, mas o uso inadequado e o desperdício desse

Leia mais

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia 26 de novembro de 2015 10h às 17h30 Sistema FIRJAN Rio de Janeiro Outorga e Cobrança de Recursos Hídricos Cátia Siqueira - INEA Encontro Gestão Eficiente de

Leia mais

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro.

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Nós, membros do poder público, usuários e sociedade civil organizada, estudantes e profissionais da educação, reunidos

Leia mais

Parecer Técnico GPARH/DGRH Nº 009/08

Parecer Técnico GPARH/DGRH Nº 009/08 Avaliação dos Produtos Finais gerados pela empresa Monte Plan Projetos Técnicos Rurais para a Bacia Hidrográfica do Rio Araguari Data: 17 de Julho de 2008 Técnicos do IGAM: Rodolfo Carvalho Salgado Penido

Leia mais

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2014

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2014 Primeiro Termo Aditivo Contrato nº 003/ANA/2011 INDICADOR 4 OPERACIONALIZAÇÃO DA COBRANÇA Indicador 4B Cadastro de Usuários Manter atualizado o cadastro dos usos e usuários de recursos hídricos de corpos

Leia mais

Desafios do enquadramento e Objetivos da oficina

Desafios do enquadramento e Objetivos da oficina Oficina sobre Estratégias para o Enquadramento de Corpos d Água: Aspectos Técnicos e Institucionais PARCERIA: ANA E CTPNRH/CNRH Desafios do enquadramento e Objetivos da oficina Brasília DF, 09 de Setembro

Leia mais

O Contexto Hídrico Atual da Bacia do Paraíba do Sul: Influência dos Agentes e Demandas da Sustentabilidade. Eng Edson G L Fujita MSc AGEVAP

O Contexto Hídrico Atual da Bacia do Paraíba do Sul: Influência dos Agentes e Demandas da Sustentabilidade. Eng Edson G L Fujita MSc AGEVAP O Contexto Hídrico Atual da Bacia do Paraíba do Sul: Influência dos Agentes e Demandas da Sustentabilidade. Eng Edson G L Fujita MSc AGEVAP 17 de novembro de 2010 CEIVAP AGEVAP Contexto hídrico atual Quanto

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE OUTORGA COM SUBSÍDIOS PARA AÇÕES DE MELHORIA DA GESTÃO NA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE OUTORGA COM SUBSÍDIOS PARA AÇÕES DE MELHORIA DA GESTÃO NA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE OUTORGA COM SUBSÍDIOS PARA AÇÕES DE MELHORIA DA GESTÃO NA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL 2010 Vallenge Consultoria Projetos e Obras Ltda. 1 Novembro 2010 Vallenge Consultoria Projetos

Leia mais

44205 - Agência Nacional de Águas

44205 - Agência Nacional de Águas 44205 - Agência Nacional de Águas Quadro Síntese Código / Especificação PLO. Lei+Créditos Empenhado PLO. PLO. 2003 2003 2003 2004 2005 Total 182.208.110 184.474.152 81.937.092 146.948.417 180.684.897

Leia mais

Perspectivas de Efetivação da Cobrança pelo Uso da Água no Brasil com Base no Caso da Porção Mineira da Bacia do Paraíba do Sul

Perspectivas de Efetivação da Cobrança pelo Uso da Água no Brasil com Base no Caso da Porção Mineira da Bacia do Paraíba do Sul RBRH Revista Brasileira de Recursos Hídricos Volume 14 n.3 Jul/Set 2009, 17-26 Perspectivas de Efetivação da Cobrança pelo Uso da Água no Brasil com Base no Caso da Porção Mineira da Bacia do Paraíba do

Leia mais

Regulamentação do SIGERH Decreto nº 13.284, de 22/03/1997

Regulamentação do SIGERH Decreto nº 13.284, de 22/03/1997 Regulamentação do SIGERH Decreto nº 13.284, de 22/03/1997 Regulamenta o Sistema Integrado de Gestão de Recursos Hídricos - SIGERH, e dá outras providências. O Governador do Estado do Rio Grande do Norte,

Leia mais

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ RELATÓRIO SOBRE A EXECUÇÃO DO CONTRATO DE GESTÃO (CONTRATO N.º 030/ANA/2005) PERÍODO: 01 DE JANEIRO A 30 DE JUNHO DE PIRACICABA

Leia mais

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco Antônio Thomaz Gonzaga da Matta Machado Projeto Manuelzão/UFMG Conceito de Revitalização Caráter técnico-científico Legislação

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

Reflexão. Kofi Annan, Ex-Secretário Geral da ONU

Reflexão. Kofi Annan, Ex-Secretário Geral da ONU Reflexão O acesso à água segura é uma necessidade humana fundamental e, portanto, um direito básico. A água contaminada coloca em risco a saúde física e mental das pessoas. É uma afronta à dignidade humana.

Leia mais

Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas

Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas Congresso Internacional de Segurança da Água Brasília,

Leia mais

6 0 RELATÓRIO SOBRE A EXECUÇÃO DO CONTRATO DE GESTÃO

6 0 RELATÓRIO SOBRE A EXECUÇÃO DO CONTRATO DE GESTÃO ASSOCIAÇÃO PRÓ-GESTÃO DAS ÁGUAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL AGEVAP 6 0 RELATÓRIO SOBRE A EXECUÇÃO DO CONTRATO DE GESTÃO Exercício 2007 CONTRATO 014/ANA/2004 ÍNDICE Apresentação...3 1. Informações

Leia mais

Joema Gonçalves de Alvarenga Secretária Executiva do CBH-Doce

Joema Gonçalves de Alvarenga Secretária Executiva do CBH-Doce Joema Gonçalves de Alvarenga Secretária Executiva do CBH-Doce A BACIA DO RIO DOCE 2 Características Gerais da Bacia do Rio Doce Área da bacia 86.715 km² Extensão do curso principal Aprox. 850 km População

Leia mais

7. CADASTRO DE USUÁRIOS E OUTORGA. 7.1 Outorgas na Bacia do Rio Paraíba do Sul. 7.2 Cadastro Unificado - Antecedentes

7. CADASTRO DE USUÁRIOS E OUTORGA. 7.1 Outorgas na Bacia do Rio Paraíba do Sul. 7.2 Cadastro Unificado - Antecedentes 7. CADASTRO DE USUÁRIOS E OUTORGA 7.1 Outorgas na Bacia do Rio Paraíba do Sul O panorama das outorgas na bacia nas quatro esferas outorgantes é bastante variado. A atividade em São Paulo é muito intensa,

Leia mais

Aplicação de Recursos Obtidos com a Cobrança pelo Uso da Água Bruta: um Olhar para a Bacia do Paraíba do Sul

Aplicação de Recursos Obtidos com a Cobrança pelo Uso da Água Bruta: um Olhar para a Bacia do Paraíba do Sul Aplicação de Recursos Obtidos com a Cobrança pelo Uso da Água Bruta: um Olhar para a Bacia do Paraíba do Sul Rogério Gutierrez Gama (ENCE/IBGE) Geógrafo, Mestrando da Escola Nacional de Ciências Estatística

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

Observando os Rios. Programa de Educação Ambiental e Mobilização para Gestão em Recursos Hídricos, desenvolvido pela Fundação SOS Mata Atlântica

Observando os Rios. Programa de Educação Ambiental e Mobilização para Gestão em Recursos Hídricos, desenvolvido pela Fundação SOS Mata Atlântica Observando os Rios Programa de Educação Ambiental e Mobilização para Gestão em Recursos Hídricos, desenvolvido pela Fundação SOS Mata Atlântica OBJETIVO: Capacitar cidadãos, usuários de água, sociedade

Leia mais