Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos"

Transcrição

1 Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos Informações iniciais para obtenção da outorga de direito de uso de recursos hídricos Buscando atender a uma necessidade das empresas associadas, a Assessoria Ambiental do SICEPOT-MG elaborou uma compilação de Informações sobre a Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos. A finalidade destas informações é fornecer o auxílio inicial ao associado, listando, resumidamente, os procedimentos a serem adotados para a obtenção da outorga de direito de uso de recursos hídricos exigida pelo Estado de Minas Gerais. Ressaltamos que outros elementos deverão ser considerados de acordo com as especificidades de cada empreendimento, sendo recomendável o assessoramento por técnico capacitado e mesmo a consulta específica à Assessoria Ambiental do SICEPOT-MG. Atendimento da : Advogados: Guilherme Doval e Márcio Chaves 3ª e 5ª feiras 10 às 12h tel. (31) no SICEPOT-MG Demais dias: tel. (31) s: e 1

2 Sumário 1. Considerações iniciais Aspectos práticos e procedimentos Agência Nacional de Águas ANA Procedimentos para solicitação da Outorga Instituto Mineiro de Gestão de Águas IGAM Documentos Necessários Etapas para o requerimento da Outorga de Uso de Águas Tabela de Valores Cobrança pelo Uso de Recursos Hídricos em Minas Gerais Usos de recursos hídricos dispensados da outorga Penalidades pelo descumprimento

3 INFORMAÇÕES PARA OBTENÇÃO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DE RECURSOS HÍDRICOS 1. Considerações iniciais A outorga de direito de uso de recursos hídricos, um dos seis instrumentos da Política Nacional de Recursos Hídricos, estabelecidos na Lei Federal N.º 9.433, e no âmbito estadual pela Lei Estadual , tendo sido regulamentada pelo Decreto , de 13 de junho de 2005, visa assegurar o controle quantitativo e qualitativo dos usos da água e o efetivo exercício dos direitos de acesso à água. As modalidades de outorga se subdividem em concessão, quando as obras, serviços ou atividades forem desenvolvidas por pessoa jurídica de direito público ou quando destinarem-se a finalidade de utilidade pública e autorização, quando as obras, serviços ou atividades forem desenvolvidos por pessoa física ou jurídica de direito privado e quando não se destinarem a finalidade de utilidade pública (prazo máximo de 5 anos). Estão sujeitas a outorga pelo poder público, independente da natureza pública ou privada dos usuários, as acumulações, as derivações ou a captação de parcela de água existente em um corpo de água para consumo final, abastecimento público, insumo de processo produtivo e outros usos e ações que alterem o regime, a quantidade ou qualidade da água existente em um corpo de água. 2. Aspectos práticos e procedimentos Em Minas Gerais o pedido de outorga deve ser feito perante o IGAM Instituto Mineiro de Gestão das Águas (IGAM) para a outorga de águas de domínio do Estado (águas subterrâneas e as águas superficiais dos cursos de água que escoam desde sua nascente até a foz passando apenas por um Estado) e, para o uso de águas de rios de domínio da União (águas dos rios e lagos que banham mais de um estado, fazem limite entre estados ou entre o território do Brasil e o de um país vizinho), perante a Agência Nacional de Águas (ANA). A outorga assegurará ao usuário o direito de utilizar os recursos hídricos, podendo, portanto, ser suspensa, parcial ou totalmente, em casos extremos de escassez, de não cumprimento pelo outorgado dos termos de outorga, por necessidade premente de se atenderem os usos prioritários e de interesse coletivo, dentre em outras hipóteses previstas na legislação vigente. 3

4 3. Agência Nacional de Águas ANA 3.1. Procedimentos para solicitação da Outorga Os pedidos de outorga perante a ANA estão previstos na Resolução Nº 707/2004, sendo que o usuário interessado em obter a outorga deverá proceder da seguinte forma: Etapas 4

5 No momento do cadastro, além de dados administrativos, o usuário deverá fornecer os dados do componente ou finalidade de uso da água (ex: população atendida por sistema de água/esgoto, produção industrial mensal e atual, produtos produzidos, etc.) e ainda os dados de interferência (ex: vazão de captação de água e/ou de lançamento de efluentes, coordenadas geográficas do ponto de captação de água e/ou de lançamento de efluentes, etc.). Dependendo da finalidade do uso da água, serão exigidos documentos e estudos complementares, que consistirão em informações técnicas que irão possibilitar a definição, para cada bacia hidrográfica envolvida no procedimento de outorga, dos impactos previstos a serem causados nos recursos hídricos. Ressaltamos que a solicitação de outorga junto a ANA é gratuita, e poderá ser renovada, alterada ou ter sua titularidade transferida mediante requerimentos específicos, encontrados no link Procedimentos de Outorga. No caso de empreendimentos complexos ou de grande porte, que demandem longa fase de planejamento e que ainda não estejam implantados, poderá ser solicitada a outorga preventiva, que deverá solicitada por requerimento contido no mesmo link acima referido. Este tipo de outorga não dá direito de uso dos recursos hídricos, mas reservará as vazões passíveis de outorga. A outorga preventiva é indicada para empreendimentos que estão em fase de estudo, sendo assim, seu prazo de validade deve ser compatível com o período de planejamento. Após o início das obras ou intervenção, deve ser solicitada a emissão da outorga de direito de uso de recursos especifica O prazo de validade máximo da outorga preventiva é de três anos, quando deverá ser transformada em outorga de direito de uso. 4. Instituto Mineiro de Gestão de Águas IGAM 4.1. Procedimentos para solicitação da Outorga Conforme informado acima, deve-se pedir a outorga antes da implantação de qualquer intervenção venha alterar o regime, a quantidade ou a qualidade do corpo de água. Os usos e/ou intervenções sujeitos a outorga são: 5

6 4.2. Documentos Necessários 6

7 4.3. Etapas para o requerimento 1 da Outorga de Uso de Águas 4.4. Tabela de Valores Os valores cobrados com os custos de análise e publicações por modo de uso de recurso hídrico pelo IGAM podem ser encontrados abaixo, lembrando-se que para o uso coletivo os valores serão diversos dos individuais: Código Uso Recurso Hídrico Valor Análise/Publicação Valor Insignificante 01 Captação em corpos de água (rios, lagoas R$ 645,00 R$ 22,00 naturais,etc.) 02 Captação em barramento em curso de água, R$ 852,00 R$ 22,00 sem regularização de vazão Captação em barramento em curso de água, R$ 1.474,00 R$ 22,00 03 com regularização de vazão (Área máxima inundada menor ou igual 5,00 HA) Captação em barramento em curso de água, R$ 2.511,00-04 com regularização de vazão (Área máxima inundada maior 5,00 HA) 05 Barramento em curso de água, sem captação R$ 852,00 R$ 22,00 06 Barramento em curso de água, sem captação R$ 852,00 R$ 22,00 para regularização de vazão 07 Autorização para perfuração de poço tubular R$ 65,40-08 Captação de água subterrânea por meio de R$ 645,00 - poço tubular já existente 09 Captação de água subterrânea por meio de R$ 645,00 R$ 22,00 poço manual (cisterna) 10 Captação de água subterrânea para fins de R$ 7.518,31 - rebaixamento de nível de água em mineração 11 Captação de água em surgência (nascente) R$ 645,00 R$ 22,00 12 Desvio parcial ou total de curso de água R$ 645,00-13 Dragagem, limpeza ou desassoreamento de R$ 645,00-1 Os endereços das SUPRAMs onde os pedidos devem ser protocolados podem ser encontrados no site da SEMAD: 7

8 Código Uso Recurso Hídrico Valor Análise/Publicação Valor Insignificante curso de água 14 Dragagem de curso de água para fins de R$ 645,00 - extração mineral 15 Canalização e/ou retificação de curso de água R$ 645,00-16 Travessia rodo-ferroviária (pontes e bueiros) R$ 645,00-17 Estrutura de transposição de nível (Eclusa) R$ 645,00-18 Lançamento de efluente em corpo de água R$ 1.979,00-20 Aproveitamento de potencial hidrelétrico R$ 5.059,05-21 Água fornecida pela concessionária de água - - local 22 Uso de recurso hídrico em corpo de água de - - domínio da União 23 Captação de água subterrânea para fins de R$ 4.758,38 - pesquisa hidrogeológica 24 Rebaixamento de nível de água subterrânea de R$ 779,07 - obras civis 25 Uso Coletivo Processo único de outorga Ver próxima tabela* - 26 Dragagem em cava aluvionar para fins de R$ 779,07 - extração mineral 30 Retificação R$ 555,64 93,00 * Código Quantidade Inicial Quantidade Final Valor Análise R$ 3.233, R$ 3.709, R$ 6.467, R$ 6.943, R$ 9.700, R$ , R$ , R$ , R$ , R$ , R$ , R$ , R$ , R$ , R$ , R$ , R$ , R$ , R$ , R$ ,06 8

9 4.5. Cobrança pelo Uso de Recursos Hídricos em Minas Gerais Em 2010, iniciou-se em Minas Gerais a Cobrança pelo Uso de Recursos Hídricos, divididos por Bacia Hidrográfica e de forma gradativa, competindo ao respectivo Comitê de Bacia Hidrográfica definir a metodologia de cálculo e os valores a serem cobrados pelos usos da água em sua região. Os procedimentos e prazos relativos à Cobrança pelo Uso de Recursos Hídricos no Estado de Minas Gerais foram aprovados por meio da Portaria IGAM nº 45/2010 a Nota Técnica (NT) GECOB nº 01/2010. Segundo a norma, o valor anual da Cobrança devido em cada exercício terá como base as informações de uso da água constantes no CNARH atualizadas até 31 de janeiro do referido ano de exercício e será ajustado considerando créditos e débitos do exercício anterior decorrentes de diferenças entre as vazões previstas e efetivamente medidas informadas na DAURH (Declaração Anual de Uso de Recursos Hídricos). O usuário deverá declarar a medição no mesmo período (1º a 31 de janeiro) do ano seguinte para fins de ajuste, transcorrido esse prazo será realizado o cálculo para fins de compensação ou acréscimo, conforme o caso, nas demais parcelas do exercício. Caso o usuário não declare a sua medição no período estabelecido, o ajuste será feito considerando a vazão outorgada. Consulte a NT para maiores informações. A Cobrança pelo Uso de Recursos Hídricos ocorre em três Unidades de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos do Estado de Minas Gerais, quais sejam UPGRH: Bacia Hidrográfica do Rio Araguari (UPGRH PN2), Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas (UPGRH SF5) e Bacia Hidrográfica dos Rios Piracicaba e Jaguari (UPGRH PJ1). Os valores cobrados variam de acordo com a Bacia Hidrográfica e apresentam diferenças em relação aos seus critérios, normas, mecanismos e quantitativos adotados, haja vista as particularidades de cada local. Entretanto, de uma forma geral, o valor anual a ser pago pelos usuários de recursos hídricos é obtido por uma fórmula de cálculo composta, basicamente, por três parcelas referentes à captação e ao consumo de água, e ao lançamento de carga orgânica nos corpos d água). Para facilitar a previsão do valor a ser pago pelo usuário, o site do IGAM disponibiliza aos usuários o Simulador para Apoio à Cobrança pelo Uso da Água SAQUA que pode ser acessado no endereço: 9

10 O simulador consiste em uma planilha de cálculo do potencial de arrecadação de cada Unidade de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos do Estado de Minas Gerais (UPGRH), tendo por objetivo estimar os valores cobrados pelos usos de recursos hídricos mediante as respectivas metodologias aprovadas pelos Comitês das Bacias Hidrográficas do Rio Araguari e do Rio das Velhas. Abaixo, exemplo do simulador para outros usos, tais como abastecimento público, indústria e mineração: IGAM Simulador para Apoio à Cobrança pelo Uso da Água - SAQUA - versão final - Bacia do rio das Velhas apenas células em branco podem ser alteradas Setor Saneamento (S) ou Mineração (M)? Abastecimento, Indústria e Mineração [S/M] s Assinalar S (Saneamento) ou M (Mineração) para aplicação da fórmula específica Captação de água superficial? x Captação de água subterrânea? Nota: se não for água superficial, automaticamente é marcada a água subterrânea Classe enquadramento captação? 2 Nota: classe enquadramento do corpo hídrico da captação 1 (m 3 /ano) 1 = (m 3 /ano) 2 = (m 3 /ano) 3 = (m 3 /ano) 4 = (kg/ano) 5 = Q cap out Q cap med Q Cons Q Lanç DBO 5,20 100,00 Cobrança pelos usos da água 80,00 Captação de água $ Cap (R$/ano)= 20,00 Consumo de água $ Cons (R$/ano)= 80,00 Carga orgânica $ DBO (R$/ano)= 50,00 Cobrança Total - $ Total (R$/ano)= 0,84 0,40 3,50 4,74 Indicadores para análise do impacto da cobrança pelo uso da água Custo unitário da água captada 0,05 (R$/m 3 ) 10

11 Custo unitário da água consumida (R$/m 3 ) 0,24 Onde: 1 Qc ap out é volume total de água captada em um ano em m 3, segundo valores da outorga. 2 Q Cap é volume total de água captada em um ano em m 3, segundo valores de medição. 3 Q Cons é o volume total consumido, dado pela diferença entre Q Cap e Q Lanç ; se Q Lanç >Q Cap, Q Cons =0. 4 Q Lanç é volume total de água lançado em um ano em m 3. 5 DBO 5,20 é a carga orgânica efetivamente lançada em um ano, em kg. Na planilha "PPU+Ks" estão os valores dos Preços Públicos Únicos - PPU e os coeficientes Ks adotados na bacia do rio das Velhas, e que podem ser alterados para fins de teste. PREÇOS PÚBLICOS ÚNICOS Tipo de uso Unid. PPU (R$) Captação água subterrânea m 3 R$ 0,0100 Captação água superficial m 3 R$ 0,0100 Consumo de água bruta m 3 R$ 0,0200 Lançamento DBO kg R$ 0,0700 COEFICIENTES DE CAPTAÇÃO Classes Unid. K Cap Água Subterrânea 1,15 1 1,10 Adim. 2 1,00 3 0,90 4 0,80 CONDIÇÃO PARA SANEAMENTO Uso medido: outorgado K out K med K med_extra Qmed< 0,7.Qout 0,20 0,80 1,00 0,7.Qout<Qmed<Qout 0,20 0,80 0,00 COEFICIENTES DE LANÇAMENTO Classes Unid. K Lanç 1 Adim. 1,0 2 1,0 3 1,0 4 1,0 Nota: enquanto coeficientes foram idênticos e unitários essa condição não está implantada COEFICIENTES DE CONSUMO Tipo de uso da água Unid. K Cons Todos setores, menos meio rural Adim. 1, Usos de recursos hídricos dispensados da outorga 11

12 Algumas captações de águas superficiais e/ou subterrâneas, bem como acumulações de águas superficiais, podem ser consideradas de uso insignificante e, portanto, não estão sujeitas à outorga (conforme definido pela Deliberação Normativa CERH-MG n.º 09/2004 ( Espécies de Uso Condições para Dispensa A norma mencionada acima possibilitou ainda que os próprios comitês de bacia hidrográfica definam os usos insignificantes, caso em que haverá a suspensão a definição dada anteriormente, valendo os valores definidos pelos comitês, em suas respectivas áreas de atuação. Além disso, a Deliberação Normativa CERH nº. 33, de 20 de novembro de 2009, definiu como uso insignificante os poços tubulares situados nos municípios da região semi-árida constantes do Estado. O procedimento inicial para o cadastro de uso insignificante é o mesmo para a solicitação de outorga, e pode ser realizado no próprio site do Instituto Mineiro de Gestão de Águas IGAM, sendo cobrada a taxa de R$ 22,00 (vinte e dois reais) para análise dos pedidos Penalidades pelo descumprimento O cadastro é importante para iniciar a regularização do uso de água do empreendimento mediante outorga de direito de uso de recursos hídricos, assim como para conhecimento da demanda de água da região em que está localizado o empreendimento. Os documentos comprobatórios das informações declaradas pelo requerente devem ser mantidos em seu poder durante o prazo de vigência da outorga e deverão ser a expressão da verdade, ficando o requerente sujeito às penalidades da lei. 12

13 Tais infrações e penalidades por descumprimento das normas previstas pela Lei /99 em razão da utilização de recursos hídricos estão disciplinadas no Decreto Estadual nº , de 25 de junho de 2008, sendo aplicadas punições desde multas diárias, que serão definidas de acordo com o tipo da infração, até o embargo da obra ou atividade. Em caso de dúvidas com relação aos procedimentos de obtenção da outorga de direito de uso de recursos hídricos às demais questões ambientais de sua empresa, procure a Assessoria Ambiental SICEPOT-MG. 13

DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 15, DE 14 DE ABRIL DE 2011

DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 15, DE 14 DE ABRIL DE 2011 DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 15, DE 14 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre mecanismos e valores de cobrança pelo uso de recursos hídricos na bacia hidrográfica do rio Piracicaba-MG. O Comitê da Bacia Hidrográfica

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1175, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 1175, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 1175, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre critérios para definição de derivações, captações e lançamentos de efluentes insignificantes, bem como serviços e outras interferências em corpos

Leia mais

Fórmula para Captação

Fórmula para Captação MANUAL DE SIMULAÇÃO DO POTENCIAL DE ARRECADAÇÃO COM A COBRANÇA PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS DAS UNIDADES DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DE MINAS GERAIS A equipe da Gerência de Cobrança

Leia mais

OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS

OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS Buscando atender a uma necessidade das empresas associadas, a Assessoria Ambiental do SICEPOT-MG elaborou uma compilação de Informações sobre a Outorga de

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA SOLICITAÇÃO DE OUTORGA DE DIREITO DE USO DA ÁGUA DE DOMÍNIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

ORIENTAÇÃO PARA SOLICITAÇÃO DE OUTORGA DE DIREITO DE USO DA ÁGUA DE DOMÍNIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS ORIENTAÇÃO PARA SOLICITAÇÃO DE OUTORGA DE DIREITO DE USO DA ÁGUA DE DOMÍNIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 43 2. OBJETIVO 54 3. OUTORGA 54 4. COMO SOLICITAR A OUTORGA 65 4.1 Usos de recursos

Leia mais

OUTORGA DE DIREITO DE USO DA ÁGUA. Ivo Heisler Jr. SUDERHSA

OUTORGA DE DIREITO DE USO DA ÁGUA. Ivo Heisler Jr. SUDERHSA Ivo Heisler Jr. SUDERHSA agosto de 2007 O que é outorga? Segundo o dicionário Aurélio Buarque de Holanda Ferreira OUTORGA Ato ou efeito de outorgar, consentimento, concordância, aprovação, beneplácito.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 SALVADOR, BAHIA - QUARTA-FEIRA 12 DE MARÇO DE 2014 ANO - XCVIII - N O 21,375 RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 Estabelece diretrizes e critérios gerais para a outorga do direito de uso dos recursos

Leia mais

Legislação Ambiental e Outorga de RH Assessoria de Meio Ambiente. Guilherme S. Oliveira Assessoria de Meio Ambiente

Legislação Ambiental e Outorga de RH Assessoria de Meio Ambiente. Guilherme S. Oliveira Assessoria de Meio Ambiente Legislação Ambiental e Outorga de RH Assessoria de Meio Ambiente Guilherme S. Oliveira Assessoria de Meio Ambiente Comparação Carro X Fazenda CARRO FAZENDA RENAVAM IPVA DPVAT TAXA DE LICENCIAMENTO CIDE

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007. Dispõe sobre a emissão de outorga de direito de uso dos recursos hídricos de domínio do Estado da Bahia, assim como a sua renovação, ampliação, alteração,

Leia mais

http://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=dec&num...

http://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=dec&num... Página 1 de 9 DECRETO 44945, DE 13/11/2008 - TEXTO ORIGINAL Altera o Decreto nº 44.046, de 13 de junho de 2005, que regulamenta a cobrança pelo uso de recursos hídricos de domínio do Estado, e o Decreto

Leia mais

PORTARIA DAEE nº 2292 de 14 de dezembro de 2006. Reti-ratificada em 03/08/2012

PORTARIA DAEE nº 2292 de 14 de dezembro de 2006. Reti-ratificada em 03/08/2012 Ref.: Autos DAEE nº 49.559, prov. 1 PORTARIA DAEE nº 2292 de 14 de dezembro de 2006 Reti-ratificada em 03/08/2012 O Superintendente do Departamento de Águas e Energia Elétrica - DAEE, no uso de suas atribuições

Leia mais

ÁGUA SUBTERRÂNEA E MEIO AMBIENTE OUTORGAS E LICENCIAMENTO Palestrante: Maricene Paixão

ÁGUA SUBTERRÂNEA E MEIO AMBIENTE OUTORGAS E LICENCIAMENTO Palestrante: Maricene Paixão 2º SEMINARIO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CBH ARAGUARI ÁGUA SUBTERRÂNEA E MEIO AMBIENTE OUTORGAS E LICENCIAMENTO Palestrante: Maricene Paixão 22 de agosto de 2014 FUNDAMENTOS DA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS I

Leia mais

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 Primeiro Termo Aditivo Contrato nº 003/ANA/2011 INDICADOR 4 OPERACIONALIZAÇÃO DA COBRANÇA Indicador 4B Cadastro de Usuários ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 4B - Cadastro

Leia mais

Mauro Medeiros Gerente de Licenciamento de Recursos Hídricos mauromedeiros.inea@gmail.com. Créditos: Geol. Elisa Fernandes Geol.

Mauro Medeiros Gerente de Licenciamento de Recursos Hídricos mauromedeiros.inea@gmail.com. Créditos: Geol. Elisa Fernandes Geol. Mauro Medeiros Gerente de Licenciamento de Recursos Hídricos mauromedeiros.inea@gmail.com Créditos: Geol. Elisa Fernandes Geol. Alexandre Cruz 1 Documentos Emitidos Autorização Ambiental para Perfuração

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 52, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 (Publicada no DOU em 30/11/05)

RESOLUÇÃO N o 52, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 (Publicada no DOU em 30/11/05) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 52, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 (Publicada no DOU em 30/11/05) Aprova os mecanismos e os valores para a cobrança pelo uso

Leia mais

2ª Seminário Internacional de Biotecnologia Bacia Hidrográfica: Unidade de Gerenciamento para Ações Descentralizadas

2ª Seminário Internacional de Biotecnologia Bacia Hidrográfica: Unidade de Gerenciamento para Ações Descentralizadas 2ª Seminário Internacional de Biotecnologia Bacia Hidrográfica: Unidade de Gerenciamento para Ações Descentralizadas Mesa Redonda Cobrança pelo Uso da Água e Aplicação Recursos Arrecadados Cláudia Hornhardt

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. Estabelece as diretrizes e os critérios para requerimento e obtenção de outorga do direito de uso dos recursos hídricos por meio de caminhão-pipa em corpos de água

Leia mais

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte IGARN Natal maio/2014 BASE LEGAL PARA A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Art. 1º Fundamentos: LEI 9.433/1997 a água é bem de domínio

Leia mais

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS Avenida Professor Frederico Hermann Jr. 345 - São Paulo/SP - CEP 05459-900 - Tel (11) 3133-4157 Deliberação CRH n ọ 88, de 10 de dezembro

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FCEI 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR/REQUERENTE

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FCEI 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR/REQUERENTE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FCEI 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR/REQUERENTE Empreendedor/requerente pessoa física ou jurídica responsável pelos empreendimentos ou atividades objeto do requerimento.

Leia mais

Distribuição da água no planeta

Distribuição da água no planeta Água A água é fundamental para a preservação da vida em todos os ecossistemas e é indispensável para o desenvolvimento e manutenção das atividades econômicas em suas múltiplas possibilidades. Distribuição

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. MINUTA (versão 3)

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. MINUTA (versão 3) RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. MINUTA (versão 3) Estabelece as diretrizes e critérios para requerimento e obtenção de outorga do direito de uso dos recursos hídricos superficiais para fins de captação por

Leia mais

Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006

Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006 Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006 Aprova a proposta para implementação da cobrança pelo uso dos recursos hídricos de domínio do Estado de São Paulo, nas bacias hidrográficas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 008, DE 10 DE JULHO DE 2007 (Publicada no Diário Oficial do Espírito Santo em 11 de julho de 2007)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 008, DE 10 DE JULHO DE 2007 (Publicada no Diário Oficial do Espírito Santo em 11 de julho de 2007) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 008, DE 10 DE JULHO DE 2007 (Publicada no Diário Oficial do Espírito Santo em 11 de julho de 2007) Estabelece procedimentos administrativos e critérios técnicos referentes à Declaração

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE OUTORGA COM SUBSÍDIOS PARA AÇÕES DE MELHORIA DA GESTÃO NA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE OUTORGA COM SUBSÍDIOS PARA AÇÕES DE MELHORIA DA GESTÃO NA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE OUTORGA COM SUBSÍDIOS PARA AÇÕES DE MELHORIA DA GESTÃO NA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL 2010 Vallenge Consultoria Projetos e Obras Ltda. 1 Novembro 2010 Vallenge Consultoria Projetos

Leia mais

Deivid Oliveira Analista Ambiental

Deivid Oliveira Analista Ambiental Deivid Oliveira Analista Ambiental Gestão da água e efluentes e alternativas de reuso Escassez Hídrica - Impacto na indústria O impacto sobre o setor possui uma abrangência ampla considerando o porte,

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31770 de 11/10/2010

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31770 de 11/10/2010 Page 1 of 5 DIÁRIO OFICIAL Nº. 31770 de 11/10/2010 SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 55/2010 Número de Publicação: 166363 Instrução Normativa n o _55_/2010 Dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 ESTABELECE OS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS PARA EMISSÃO DA DECLARAÇÃO DE RESERVA DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA E DE OUTORGA PARA USO DE POTENCIAL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS Resolução n 09, de 04 de maio de 2005. Estabelece o Regulamento do Sistema de outorga das águas de domínio do Estado de Goiás e dá outras providências. O Conselho Estadual de Recursos Hídricos CERH-GO,

Leia mais

AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ PARECER TÉCNICO Nº: 01/2007. Assunto: SOLICITAÇÃO DE ABATIMENTO DO VALOR DBO - 2006 1. IDENTIFICAÇÃO

AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ PARECER TÉCNICO Nº: 01/2007. Assunto: SOLICITAÇÃO DE ABATIMENTO DO VALOR DBO - 2006 1. IDENTIFICAÇÃO AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ CONSÓRCIO PCJ COMITÊS PCJ PARECER TÉCNICO Nº: 01/2007 Assunto: SOLICITAÇÃO DE ABATIMENTO DO VALOR DBO - 2006 1. IDENTIFICAÇÃO Tomador: Companhia de Saneamento Básico do Estado de São

Leia mais

MANUAL TÉCNICO E ADMINISTRATIVO DE OUTORGA DE DIREITO DE USO DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DE MINAS GERAIS

MANUAL TÉCNICO E ADMINISTRATIVO DE OUTORGA DE DIREITO DE USO DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DE MINAS GERAIS GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS MANUAL TÉCNICO E ADMINISTRATIVO DE OUTORGA DE DIREITO DE USO DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DE MINAS GERAIS Belo Horizonte 2010 Governador

Leia mais

Política de Recursos Hídricos do Brasil

Política de Recursos Hídricos do Brasil Política de Recursos Hídricos do Brasil Código de Águas (Decreto n.º 24.643, de 1934 ) Constituição Federal de 1988 Art. 21, XIX - SNGRH e Critérios de Outorga Art. 20, III (bens da União) e Art. 26, I

Leia mais

- Dezembro, 2010 - Organismos de Bacia Estado da arte, Brasil

- Dezembro, 2010 - Organismos de Bacia Estado da arte, Brasil - Dezembro, 2010 - Organismos de Bacia Estado da arte, Brasil ASPECTOS CONSTITUCIONAIS Organismos de bacia Histórico Constituição de 1988 estabeleceu, entre outros aspectos, que as águas são bens públicos,

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 782, DE 27 DE OUTUBRO DE 2009 (Revogada pela Resolução n.º 603, de 26 de maio de 2015)

RESOLUÇÃO N o 782, DE 27 DE OUTUBRO DE 2009 (Revogada pela Resolução n.º 603, de 26 de maio de 2015) RESOLUÇÃO N o 782, DE 27 DE OUTUBRO DE 2009 (Revogada pela Resolução n.º 603, de 26 de maio de 2015) Estabelece critérios para o envio dos dados dos volumes medidos em pontos de interferência outorgados

Leia mais

Cobrança pelo Uso da Água

Cobrança pelo Uso da Água Oficina de Capacitação dos Convênio Membros SEMA do Comitê / METROPLAN Pardo Convênio SEMA / METROPLAN Oficina de Capacitação dos Membros do Comitê Pardo Cobrança pelo Uso da Água Santa Cruz do Sul, 29/maio/2012

Leia mais

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini A Gestão de Recursos Hídricos H e a Regulação da Medição de Água Situação

Leia mais

I - disciplinar, controlar, harmonizar e assegurar os usos múltiplos da água;

I - disciplinar, controlar, harmonizar e assegurar os usos múltiplos da água; RESOLUÇÃO CERHI Nº 09 DE 13 DE NOVEMBRO DE 2003 Estabelece critérios gerais sobre a outorga de direito de uso de recursos hídricos de domínio do Estado do Rio de Janeiro. O CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 001, de 30/07/2007

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 001, de 30/07/2007 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 001, de 30/07/2007 Atualizada em 01/04/2013 Objeto: Esta Instrução tem por objeto complementar o item 6 da Norma da Portaria DAEE nº 717/96. Trata dos requerimentos, documentação

Leia mais

A COBRANÇA A PELO USO DE DA UNIÃO. de Cobrança a do Comitê das Bacias do Alto Iguaçu u e Afluentes do Alto Ribeira CT-COB

A COBRANÇA A PELO USO DE DA UNIÃO. de Cobrança a do Comitê das Bacias do Alto Iguaçu u e Afluentes do Alto Ribeira CT-COB 3º Reunião da Câmara Técnica T de Cobrança a do Comitê das Bacias do Alto Iguaçu u e Afluentes do Alto Ribeira CT-COB COB A COBRANÇA A PELO USO DE RECURSOS HÍDRICOS H DE DOMÍNIO DA UNIÃO PATRICK THOMAS

Leia mais

OUTORGA DE ÁGUA E LICENÇA PARA IMPLANTAÇÃO DE OBRA HÍDRICA

OUTORGA DE ÁGUA E LICENÇA PARA IMPLANTAÇÃO DE OBRA HÍDRICA ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA E DO MEIO AMBIENTE SECTMA AGÊNCIA EXECUTIVA DE GESTÃO DAS ÁGUAS DO ESTADO DA PARAÍBA - AESA OUTORGA DE ÁGUA E LICENÇA PARA IMPLANTAÇÃO DE

Leia mais

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia 26 de novembro de 2015 10h às 17h30 Sistema FIRJAN Rio de Janeiro Outorga e Cobrança de Recursos Hídricos Cátia Siqueira - INEA Encontro Gestão Eficiente de

Leia mais

LEI Nº 12.183, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005.

LEI Nº 12.183, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005. LEI Nº 12.183, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005. Dispõe sobre a cobrança pela utilização dos recursos hídricos do domínio do Estado de São Paulo, os procedimentos para fixação dos seus limites, condicionantes

Leia mais

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ Dalto Favero Brochi Consórcio PCJ Rio de Janeiro Novembro / 2008 LOCALIZAÇÃO DAS BACIAS PCJ CARACTERIZAÇÃO DAS BACIAS

Leia mais

COMISSÃO TÉCNICA DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DOS CONTRATOS DE GESTÃO CTACG Constituída pela Resolução Conjunta SEMAD / SEPLAG / SEF / IGAM nº

COMISSÃO TÉCNICA DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DOS CONTRATOS DE GESTÃO CTACG Constituída pela Resolução Conjunta SEMAD / SEPLAG / SEF / IGAM nº COMISSÃO TÉCNICA DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DOS CONTRATOS DE GESTÃO CTACG Constituída pela Resolução Conjunta SEMAD / SEPLAG / SEF / IGAM nº RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO - EXERCÍCIO 2010 CONTRATO DE GESTÃO

Leia mais

A PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DE RIOS E LAGOAS - SERLA, no uso de suas atribuições legais;

A PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DE RIOS E LAGOAS - SERLA, no uso de suas atribuições legais; PORTARIA SERLA N 567, de 07 de maio de 2007 ESTABELECE CRITÉRIOS GERAIS E PROCEDIMENTOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS PARA CADASTRO, REQUERIMENTO E EMISSÃO DE OUTORGA DE DIREITO DE USO DE RECURSOS HÍDRICOS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Reconhecer a água como bem econômico e dar ao usuário uma indicação de seu real valor Incentivar

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL.

A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL. XII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL. Marcos Antonio Barbosa da Silva Junior (UPE)

Leia mais

Portaria DAEE nº 2407, de 31 de Julho de 2015

Portaria DAEE nº 2407, de 31 de Julho de 2015 Portaria DAEE nº 2407, de 31 de Julho de 2015 O Superintendente do Departamento de Águas e Energia Elétrica - DAEE, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no artigo 11, incisos I e XVI do Decreto

Leia mais

CNARH CADASTRO NACIONAL DE USUÁRIOS DE RECURSOS HÍDRICOS MANUAL DO USUÁRIO

CNARH CADASTRO NACIONAL DE USUÁRIOS DE RECURSOS HÍDRICOS MANUAL DO USUÁRIO CNARH CADASTRO NACIONAL DE USUÁRIOS DE RECURSOS HÍDRICOS MANUAL DO USUÁRIO BRASÍLIA, NOVEMBRO DE 2008 SUMÁRIO PÁGINA APRESENTAÇÃO 3 1 - OBRIGATORIEDADE DE EFETIVAR O CADASTRO 4 2 - FORMAS DE PREENCHIMENTO

Leia mais

NORMA DE OUTORGA. Assunto: Instrução Documental para Requerimentos de Outorga INTERVENÇÕES E OBRAS

NORMA DE OUTORGA. Assunto: Instrução Documental para Requerimentos de Outorga INTERVENÇÕES E OBRAS Dezembro de 2010 1/... A seguir serão descritos os documentos necessários para abertura de processos administrativos de Outorga para Intervenções e Obras. Cabe salientar que o AGUASPARANÁ a seu critério

Leia mais

Lei nº 13.199, de 29 de janeiro de 1999. (Publicação - Diário do Executivo - "Minas Gerais" - 30/01/1999)

Lei nº 13.199, de 29 de janeiro de 1999. (Publicação - Diário do Executivo - Minas Gerais - 30/01/1999) Lei nº 13.199, de 29 de janeiro de 1999. Dispõe sobre a Política Estadual de Recursos Hídricos e dá outras providências. (Publicação - Diário do Executivo - "Minas Gerais" - 30/01/1999) O Povo do Estado

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

LEI Nº 9433, DE 08 DE JANEIRO DE 1997. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9433, DE 08 DE JANEIRO DE 1997. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: O PRESIDENTE DA REPÚBLICA LEI Nº 9433, DE 08 DE JANEIRO DE 1997. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema

Leia mais

BOLETIM SOBRE A COBRANÇA PELO USO DE RECURSOS HÍDRICOS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ E PARAÍBA DO SUL EXERCÍCIO 2008

BOLETIM SOBRE A COBRANÇA PELO USO DE RECURSOS HÍDRICOS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ E PARAÍBA DO SUL EXERCÍCIO 2008 BOLETIM SOBRE A COBRANÇA PELO USO DE RECURSOS HÍDRICOS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ E PARAÍBA DO SUL EXERCÍCIO 2008 v.2, n.1, 2009 VVV.1,V N. 1, AVVVVVVBR. 2008 República

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Avaliação de Impactos Ambientais e Licenciamento Ambiental Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Avaliação de Impactos Ambientais CONAMA 01/1986 estabeleceu

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP. Crise Hídrica-Realidade e Reflexos. Setor Industrial. Priscila Rocha Especialista Ambiental- Fiesp

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP. Crise Hídrica-Realidade e Reflexos. Setor Industrial. Priscila Rocha Especialista Ambiental- Fiesp Crise Hídrica-Realidade e Reflexos Setor Industrial Priscila Rocha Especialista Ambiental- Fiesp O PROBLEMA NA RMSP DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP População RMSP : 20 milhões (50%) População

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA. Portaria DAEE nº 2850, de 20 de dezembro de 2012

DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA. Portaria DAEE nº 2850, de 20 de dezembro de 2012 Portaria DAEE nº 2850, de 20 de dezembro de 2012 Ref.: Autos DAEE nº 49.177 O SUPERINTENDENTE DO, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no Artigo 11, incisos I e XVI do Decreto Estadual nº

Leia mais

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro 3º Congresso Científico do Projeto SWITCH Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro Gestão Integrada de Águas Urbanas em Diferentes Escalas Territoriais: a Cidade e a Bacia Hidrográfica

Leia mais

ENTENDA O QUE SÃO OS COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

ENTENDA O QUE SÃO OS COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS ENTENDA O QUE SÃO OS COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS O que são Os Comitês foram criados para gerenciar o uso dos recursos hídricos de forma integrada e descentralizada com a participação da sociedade.

Leia mais

Relatório Final RT4 Fase C Plano de Bacia

Relatório Final RT4 Fase C Plano de Bacia PROCESSO DE PLANEJAMENTO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOS SINOS FASE C. Edital de concorrência 004/CELIC/2013 Relatório Final RT4 Fase C Plano de Bacia PROFILL ENGENHARIA E AMBIENTE LTDA. CNPJ: 03.164.966/0001-52

Leia mais

Palavras-chave: Gestão da Água; Cobrança do Uso da Água; Comunicação Social

Palavras-chave: Gestão da Água; Cobrança do Uso da Água; Comunicação Social METODOLOGIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PARA A IMPLANTAÇÃO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA NAS BACIAS PJ INTEGRANDO O SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ Francisco Carlos Castro Lahóz 1 ; Elaine

Leia mais

Mesa Redonda 5: Monitoramento de Águas Subterrâneas, Estratégias para Implantação de um Modelo Cooperativo

Mesa Redonda 5: Monitoramento de Águas Subterrâneas, Estratégias para Implantação de um Modelo Cooperativo Mesa Redonda 5: Monitoramento de Águas Subterrâneas, Estratégias para Implantação de um Modelo Cooperativo Adriana Niemeyer Pires Ferreira Gerência de Águas Subterrâneas Superintendência de Implementação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FRANKLIN DE ALMEIDA COSTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FRANKLIN DE ALMEIDA COSTA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FRANKLIN DE ALMEIDA COSTA O PROCESSO DE OUTORGA DE DIREITO DE USO: análise das captações subterrâneas e o estudo de caso da bacia do Ribeirão Araras Uberlândia 2007 2

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 09.00 GRUPO/ATIVIDADES 09.07 Postos de Revenda de Combustíveis e Derivados de Petróleo com ou sem lavagem e ou lubrificação de veículos PPD M AGRUPAMENTO NORMATIVO

Leia mais

RESUMO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

RESUMO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS RESUMO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

GERENCIAMENTO 12 DAS SUBTERRÂNEAS. Elcio Linhares Silveira 6 14

GERENCIAMENTO 12 DAS SUBTERRÂNEAS. Elcio Linhares Silveira 6 14 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO EXPERIÊNCIA E CASOS PRÁTICOS NO GERENCIAMENTO DAS ÁGUAS 15 8 18 GERENCIAMENTO 12 DAS 19 SUBTERRÂNEAS 4 16 20 21 22 17 X ÁREA CONTAMINADA 13 11 5 1 10 2 Elcio Linhares Silveira

Leia mais

GUILHERME FERNANDO PENTEADO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS VISANDO A MANUTENÇÃO DO SITE DA AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ RELATÓRIO 2

GUILHERME FERNANDO PENTEADO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS VISANDO A MANUTENÇÃO DO SITE DA AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ RELATÓRIO 2 GUILHERME FERNANDO PENTEADO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS VISANDO A MANUTENÇÃO DO SITE DA AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ RELATÓRIO 2 Piracicaba 12 de outubro de 2009 1 CONTRATO AGÊNCIA PCJ Nº 03/09 CONTRATANTE:

Leia mais

Instituto Mineiro de Gestão das Águas. INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS IGAM Cleide Izabel Pedrosa de Melo Diretora Geral

Instituto Mineiro de Gestão das Águas. INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS IGAM Cleide Izabel Pedrosa de Melo Diretora Geral INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS IGAM Cleide Izabel Pedrosa de Melo Diretora Geral DIRETORIA DE GESTÃO DE RECUSOS HÍDRICOS DGRH Luíza de Marillac Moreira Camargos - Diretora PARECER TÉCNICO - PROPOSIÇÃO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS Av. Prof. Frederico Hermann Jr., 345 - São Paulo/SP - CEP 05459-900 - Tel (011) 3133-3000 Deliberação

Leia mais

ÁGUA DE QUALIDADE PARA TODOS, HOJE E SEMPRE. Saiba o que é a cobrança. pelo uso de recursos hídricos.

ÁGUA DE QUALIDADE PARA TODOS, HOJE E SEMPRE. Saiba o que é a cobrança. pelo uso de recursos hídricos. ÁGUA DE QUALIDADE PARA TODOS, HOJE E SEMPRE. Saiba o que é a cobrança pelo uso de recursos hídricos. Os seres vivos e as atividades humanas dependem da água, mas o uso inadequado e o desperdício desse

Leia mais

RELATÓRIO 2009. Cobrança pelo Uso de Recursos Hídricos na Bacia Hidrográfica do rio Paraíba do Sul

RELATÓRIO 2009. Cobrança pelo Uso de Recursos Hídricos na Bacia Hidrográfica do rio Paraíba do Sul RELATÓRIO 2009 Cobrança pelo Uso de Recursos Hídricos na Bacia Hidrográfica do rio Paraíba do Sul AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS MINISTÉRO DO MEIO AMBIENTE RELATÓRIO 2009 Cobrança pelo Uso de Recursos Hídricos

Leia mais

Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas

Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas Congresso Internacional de Segurança da Água Brasília,

Leia mais

ATIVIDADES DE MINERAÇÃO. A FMMA coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas sobre esta instrução normativa.

ATIVIDADES DE MINERAÇÃO. A FMMA coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas sobre esta instrução normativa. IN-08 ATIVIDADES DE MINERAÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS: A FMMA coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas sobre esta instrução normativa. Sempre que julgar necessário a FMMA solicitará

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU P.32818/99 LEI Nº 4553, DE 08 DE JUNHO DE 2000 Dispõe sobre Perfuração de Poços para Captação de Águas Subterrâneas no Município de Bauru e dá outras providências. NILSON COSTA, Prefeito Municipal de Bauru,

Leia mais

XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA.

XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA. XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA. Águas Subterrâneas e a Legislação Mineira de Recursos Hídricos Breno

Leia mais

DECRETO. nº 41.258, de 31 de outubro de 1996. (*) Alterado pelo Decreto nº 50.667, de 30de março de 2006

DECRETO. nº 41.258, de 31 de outubro de 1996. (*) Alterado pelo Decreto nº 50.667, de 30de março de 2006 1 de 6 DECRETO nº 41.258, de 31 de outubro de 1996 (*) Alterado pelo Decreto nº 50.667, de 30de março de 2006 Aprova o Regulamento dos artigos 9 o a 13 da Lei n o 7.663, de 30 de dezembro de 1991 Mário

Leia mais

Instituto do Meio Ambiente ESTADO DE ALAGOAS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS

Instituto do Meio Ambiente ESTADO DE ALAGOAS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS LICENÇA PRÉVIA - Documentação necessária 1. Requerimento Padrão definido pelo IMA, devidamente preenchido e assinado; 2. Cadastro do empreendimento, definido

Leia mais

LEI Nº 4.247 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 4.247 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003 LEI Nº 4.247 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003 DISPÕE SOBRE A COBRANÇA PELA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DE DOMÍNIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

O Povo do Estado de Minas Gerais, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome, sanciono a seguinte Lei: Capítulo I Disposição Preliminar

O Povo do Estado de Minas Gerais, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome, sanciono a seguinte Lei: Capítulo I Disposição Preliminar Lei 13199 de 29 de Janeiro de 1999. Dispõe sobre a Política Estadual de Recursos Hídricos e dá outras providências. O Povo do Estado de Minas Gerais, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome,

Leia mais

LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997

LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997 LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre a conservação e a proteção das águas subterrâneas no Estado de Pernambuco e dá outras providências Capítulo I - Da conservação e proteção das águas subterrâneas

Leia mais

RESOLUÇÃO/ADASA Nº. 01, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011.

RESOLUÇÃO/ADASA Nº. 01, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011. RESOLUÇÃO/ADASA Nº. 01, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011. Define as disponibilidades hídricas dos aquíferos subterrâneos no território do Distrito Federal. O DIRETOR PRESIDENTE DA AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 5, DE 10 DE ABRIL DE

RESOLUÇÃO Nº 5, DE 10 DE ABRIL DE RESOLUÇÃO Nº 5, DE 10 DE ABRIL DE 2000 (Publicada no D.O.U de 11 de abril de 2000) (Modificada pela Resolução nº18, de 20 de dezembro de 2001, e pela Resolução nº 24, de 24 de maio de 2002) O Conselho

Leia mais

Diretoria de Gestão das Águas e do Território (Digat) Rosa Maria Formiga Johnsson Diretora

Diretoria de Gestão das Águas e do Território (Digat) Rosa Maria Formiga Johnsson Diretora Governo do Estado do Rio de Janeiro Sérgio Cabral Governador Secretaria de Estado do Ambiente Marilene Ramos Secretária Instituto Estadual do Ambiente Luiz Firmino Martins Pereira Presidente Paulo Schiavo

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUA

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUA AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUA SUPERINTENDÊNCIA DE COBRANÇA E CONSERVAÇÃO JOAQUIM GABRIEL MACHADO NETO 29.11.2001 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Programa de Modernização

Leia mais

DECRETO N. 41.258, DE 31 DE OUTUBRO DE 1996

DECRETO N. 41.258, DE 31 DE OUTUBRO DE 1996 DECRETO N. 41.258, DE 31 DE OUTUBRO DE 1996 Aprova o Regulamento dos artigos 9º a 13 da Lei n. 7.663, de 30 de dezembro de 1991 Alterações: Decreto n. 50667, de 30.03.06 Decreto n. 61117, de 06.02.15 MÁRIO

Leia mais

Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow

Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO 120 anos Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow Pesquisadora Científica Dra. Daercy Mª M. de Rezende Ayroza Polo Regional Médio Paranapanema Regularização

Leia mais

COMITÊ DE BACIAS PCJ SISTEMA CANTAREIRA CONDICIONANTES DE 2004 CONDICIONANTES PARA 2014 BARRAGENS DE PEDREIRA E DUAS PONTES TRANSPOSIÇÃO DO RIO

COMITÊ DE BACIAS PCJ SISTEMA CANTAREIRA CONDICIONANTES DE 2004 CONDICIONANTES PARA 2014 BARRAGENS DE PEDREIRA E DUAS PONTES TRANSPOSIÇÃO DO RIO COMITÊ DE BACIAS PCJ SISTEMA CANTAREIRA CONDICIONANTES DE 2004 CONDICIONANTES PARA 2014 BARRAGENS DE PEDREIRA E DUAS PONTES TRANSPOSIÇÃO DO RIO PARAÍBA DO SUL ADENSAMENTO POPULACIONAL DA RMC COMITÊ DE

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS DELIBERAÇÃO CBH RIO DAS VELHAS Nº 001, de 05 de fevereiro de 2014 Estabelece procedimentos para o acompanhamento e a avaliação de projetos hidroambientais, planos e projetos municipais de saneamento, para

Leia mais

Oficina Preparatória para Captação FEHIDRO. Cronograma e Anexos

Oficina Preparatória para Captação FEHIDRO. Cronograma e Anexos Oficina Preparatória para Captação de Recursos das Cobranças PCJ e FEHIDRO Cronograma e Anexos Comitês PCJ 14/12/2012 Itapeva -MG Deliberação dos Comitês PCJ nº 164/12 Cronograma Relação das Ações Financiáveis

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 05, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 05, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011. Estabelece as diretrizes e critérios para concessão de outorgas de direito de uso de águas subterrâneas e define as disponibilidades hídricas dos aquíferos

Leia mais

República Federativa do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva Presidente. Ministério do Meio Ambiente MMA Marina Silva Ministra

República Federativa do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva Presidente. Ministério do Meio Ambiente MMA Marina Silva Ministra Cadernos de Recursos Hídricos DIAGNÓSTICO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DE RECURSOS HÍDRICOS NO PAÍS Diretrizes e Prioridades República Federativa do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva Presidente Ministério

Leia mais

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta:

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta: DECRETO Nº 50.667, DE 30 DE MARÇO DE 2006 Regulamenta dispositivos da Lei nº 12.183 de 29 de dezembro de 2005, que trata dacobrança pela utilização dos recursos hídricos do domínio do Estado de São Paulo,e

Leia mais

OUTORGA 19 DE RECURSOS 4 16 20 HÍDRICOS E O LICENCIAMENTO AMBIENTAL

OUTORGA 19 DE RECURSOS 4 16 20 HÍDRICOS E O LICENCIAMENTO AMBIENTAL GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 15 8 18 12 OUTORGA 19 DE RECURSOS 4 16 20 HÍDRICOS E O LICENCIAMENTO 9 21 13 22 AMBIENTAL 17 NO ESTADO DE SÃO PAULO 10 2 6 Leila de 14 Carvalho Gomes 3 7 Diretora da Diretoria

Leia mais

DECRETO N 40.156, DE 17 DE OUTUBRO DE 2006

DECRETO N 40.156, DE 17 DE OUTUBRO DE 2006 DECRETO N 40.156, DE 17 DE OUTUBRO DE 2006 ESTABELECE OS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS PARA A REGULARIZAÇÃO DOS USOS DE ÁGUA SUPERFICIAL E SUBTERRÂNEA, BEM COMO, PARA AÇÃO INTEGRADA DE FISCALIZAÇÃO

Leia mais