INTEGRAÇÃO ENTRE XML E OS SBGDs MICROSOFT SQL SERVER 2008 E ORACLE 11G. Resumo: Atualmente existe uma preocupação maior com relação à geração,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTEGRAÇÃO ENTRE XML E OS SBGDs MICROSOFT SQL SERVER 2008 E ORACLE 11G. Resumo: Atualmente existe uma preocupação maior com relação à geração,"

Transcrição

1 INTEGRAÇÃO ENTRE XML E OS SBGDs MICROSOFT SQL SERVER 2008 E ORACLE 11G AGDA COUTINHO GOMIDE 1 IREMAR NUNES DE LIMA 2 Resumo: Atualmente existe uma preocupação maior com relação à geração, manutenção, organização, inclusão, exclusão, importação e exportação de dados através da linguagem XML entre SGBD tais como Oracle 11g e SQL Server 2008 bem como a sua manipulação, consulta e armazenamento. Ambos os SGBD são capazes de adicionar dados ao seu banco, seja através da importação de dados de uma página HTML da Internet a qual contém a linguagem XML ou através da simples importação de um arquivo XML. Este artigo discute a integração da linguagem XML com os SGBDs Microsoft SQL Server 2008 e Oracle 11g. Palavras-chave: Banco de dados; XML; Microsoft SQL Server 2008; Oracle 11g. 1 Especialista em Banco de Dados e Business Intelligence 2 Mestre em informática e professor do Centro Universitário Newton Paiva

2 2 1. INTRODUÇÃO A integração entre as tecnologias XML (extended Markup Language) e os SGBDs (Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados) Oracle 11g e SQL Server 2008 vem chamando a atenção ultimamente para a transferência de dados, principalmente quando uma aplicação precisa se comunicar com outras aplicações distintas. Conseqüentemente, o suporte dado à linguagem XML pelos bancos de dados tem sido maior a cada versão lançada no mercado uma vez que a porcentagem de páginas da Web, segundo a Word Wide Web Consortium (WWW ou W3C) que utilizam a linguagem XML, é de aproximadamente 50% e vem crescendo. São destacados abaixo dois conceitos importantes: XML e SGBD. XML (extended Markup Language) tem suas raízes no gerenciamento de documentos, sendo derivada de uma linguagem para estruturar grandes documentos, conhecida como Standard Generalized Markup Language (SGML). Porém, ao contrário da SGML e HTML, XML pode representar dados de banco de dados, além de outros tipos de dados estruturados. Ela é particularmente útil como um formato de dados quando uma aplicação precisa se comunicar com outra aplicação, ou integrar informações de várias outras aplicações. (SILBERSCHATZ, 2006, p. 263). SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados) é um sistema gerenciador de banco de dados onde diferentes tipos de dados são identificados, e é especificada uma estrutura arquitetônica que define as unidades funcionais que perceberão ou usarão dados de acordo com essas diferentes visões (VALDUREZ; ÖZSU, 2001, p. 81). Anteriormente, a transferência de dados entre os bancos de dados era efetivada basicamente através da geração de arquivos texto. Os arquivos eram impressos e encaminhados ao seu destinatário. Os dados eram redigitados, o que tornava todo o processo muito lento e não isento de erros de digitação, portanto não automatizado por meio de programas. Atualmente existe uma preocupação maior com relação à geração, manutenção, organização, inclusão, exclusão, importação e exportação de dados através

3 3 da linguagem XML entre SGBD tais como Oracle 11g e SQL Server 2008 bem como a sua manipulação, consulta e armazenamento. Ambos os SGBD são capazes de adicionar dados ao seu banco, seja através da importação de dados de uma página HTML da Internet a qual contém a linguagem XML ou através da simples importação de um arquivo XML. O método comum de especificar o conteúdo e de formatar as páginas Web é pelo uso de documentos de hiperlink. Existem várias linguagens para escrever esses documentos, a mais comum é o HTLM (Hypertext Markup Language Linguagem de Marcação de Hipertexto). Embora o HTML seja muito utilizado para formatar e estruturar documentos Web, ele não é adequado para especificar dados estruturados que são extraídos de bancos de dados (ELMASRI; NAVATHE, 2005, p.605). O foco maior do estudo da integração de dados se dá na adequação e manipulação correta das estratégias da linguagem XML de um SGBD com segurança, facilidade e agilidade tendo como suporte os SGBD Oracle 11g e SQL Server 2008 dos quais serão apontadas algumas características específicas. Devido aos fatos acima, este artigo tem como objetivo discutir a integração da linguagem XML com os SGBD Microsoft SQL Server 2008 e Oracle 11g. O restante deste artigo está organizado da seguinte forma: a seção 2 aborda a linguagem XML; a seção 3 trata da utilização da XML no SQL Server 2008; a seção 4 mostra a XML no Oracle 11g; a seção 5 apresenta a conclusão do trabalho. 2. XML A XML não é um aplicativo, é uma tecnologia. A linguagem XML é um padrão de marcação de início e término de dados. Ela tem uma maneira aninhada e não estruturada de representar dados. As marcações efetivadas em um texto podem ser escritas para um jornal, por exemplo, informando que o título da matéria deve ser

4 4 escrito com uma fonte arial, tamanho 20 e disposto em duas colunas no lado direito superior da folha. As instruções do formato e disposição do texto no jornal estão junto do conteúdo a ser lido onde estão as marcações. A linguagem XML utiliza pares de tags para marcar o início e fim de uma parte do documento. O modelo hierárquico ou de árvore utilizado na XML apresenta elementos que estão entre pares de tags e atributos que são strings, o qual aparece uma única vez no final da tag. A codificação da estrutura da linguagem XML é de fácil entendimento uma vez que ela apresenta a estrutura dos dados juntamente com o seu conteúdo. Por exemplo, podemos ter através da estrutura de código um elemento <nome> com o seu atributo tipo_nome: <nome tipo_nome= primeiro_nome > </nome>. Uma consideração importante a fazer é que os dados geralmente trabalhados podem estar em bancos de dados diferentes tais como um arquivo em ORACLE e outro em SQL Server Podemos trocar dados entre sistemas distintos como ASP e PHP. Como é possível trocar dados de formatos diferentes através da Internet utilizando a XML integrada ao banco de dado com celeridade, eficiência e confiança? Por exemplo, imagine que uma empresa vende pela Internet. O sistema que suporta o site de comércio eletrônico é desenvolvido no mainframe. Esta empresa precisa trocar dados com fornecedores e com empresas de cartão de crédito, as quais, no nosso exemplo, utilizam sistemas mais modernos com formatos de dados diferentes do existente no mainframe. Antes do XML, fazer esta comunicação seria um grande desafio, talvez até inviável, devido aos custos de implementação. Com o XML, o site transforma os dados para o padrão XML e os envia neste formato para os fornecedores e empresas de cartão de crédito. Estas empresas recebem os dados no formato XML e convertem para o formato dos sistemas internos da empresa (BATISTTI, 2005, p.755). A maioria dos sistemas como o SQL Server 2008 e o Oracle 11g têm a capacidade de importar e exportar dados no formato padrão XML, tratá-los como um tipo de dados XML ou agregá-los ao banco de dados relacional.

5 5 No que diz respeito ao estudo efetivado do padrão XML na área de informática, podemos dizer que a XML pode representar dados em um SGBD e trocar dados formatados como XML bem como armazená-los. A interatividade da Internet com os bancos de dados deve ser previamente planejada visando principalmente à organização do banco, segurança, confiabilidade e rapidez de acesso aos dados segundo Chang at al (2001, XIV),... como criar sistemas com a agilidade da XML... e os usuários tem o direito de ter sistemas de informação confiáveis.. A linguagem padrão SQL é utilizada nos SGBD e auxilia na distribuição dos dados e comunicação com outros sistemas. É através da utilização de uma ferramenta na linguagem SQL que conseguimos gerar o padrão XML segundo o manual on-line do SQL Server É apresentado no SQL Server Configuration Manager o SQL CLR- Common Language Runtime que dá suporte a XML nativo, incluindo esquemas XQuery e XML. A troca de dados via Web é de grande interesse, principalmente comercial. A motivação de busca de dados não estruturados (quando existe uma indicação limitada do tipo de dado tais como data, caracter ou outro) e semi estruturados (quando a informação da estrutura dos dados está junto com os valores dos dados) encontra-se disponível em vários servidores e em sistemas operacionais diferentes. Além de criar a hierarquia XML apropriada e o documento de esquema XML correspondente, são necessários vários outros passos para se extrair um documento XML em particular a partir de um banco de dados: 1. É necessário criar a consulta correta em SQL para extrair a informação desejada para o documento XML. 2. Uma vez executada a consulta correta, seu resultado precisa ser estruturado a partir da forma relacional plana para a estrutura de árvore XML. 3. A consulta pode ser customizada para selecionar um único objeto ou objetos múltiplos para o documento. (ELMASRI; NAVATHE, 2005, p.621).

6 6 3. XML E O SGBD MICOROFT SQL SERVER 2008 Conforme Chang et al (2001, p. 2) a XML se origina do padrão SGML ratificada pela ISO (International Standards Organization) em 1986 que se baseia na HTML, criada em A XML é um subconjunto de SGML e oferece uma separação clara entre estrutura de conteúdo e apresentação. Com a XML, é possível codificar informações de estrutura em documentos de modo muito mais exato que com a HTML. Além dessa exploração para melhor exibição por navegadores da Web, as informações codificadas em XML também podem ser usadas para pesquisar de modos mais sofisticados, como a SQL. A XML já está exercendo um grande impacto como padrão para acesso a dados (ÖZSU; VALDUREZ, 2001, p. 633). Tem sido um desafio para a equipe Microsoft fazer com que duas linguagens comuniquem-se segundo Lee; Beiker (2008, p.189), pois XML é uma linguagem semi-estruturada hierarquizada através de nós pais e nós filhos, elaborada pela W3C enquanto SQL é uma linguagem relacional utilizada no banco SQL Server 2008 da Microsoft. A organização dos dados relacionais é diferente da hierárquica, são dois formatos distintos que se interagem. A Microsoft introduziu no SQL Server 2000 a capacidade de retornar dados formatados como XML com a finalidade de troca de dados pela internet. Uma aplicação da tecnologia XML é poder gerar um arquivo XML através de um banco de dados relacional ou inversamente importar dados XML e adicioná-los ao banco de dados relacional podendo tratar estes dados através de consultas, inclusões, exclusões e índices. Em uma tabela dentro de uma coluna podemos armazenar dados do tipo XML em uma instrução, por exemplo: CREATE TABLE novatabela (códigonome int, nome varchar(20), datanascimento datetime, relatório xml).

7 7 Segundo Silberschatz et al (2006, p. 719) o tipo XML pode, opcionalmente, ter uma coleção de esquemas XML associada especificando uma restrição de que as instâncias do tipo devem aderir a um dos tipos XML definidos na coleção de esquemas.". O suporte do SQL Server é dado através da linguagem Transact SQL pelas funções FOR XML, OpenXML, viewxml dentre outras. O suporte nativo é baseado no tipo de dado XML o qual é capaz de armazenar, consultar, alterar e selecionar dados. O armazenamento é feito em formato binário interno BLOB - Binary Large Objects que pode ser de imagens, fotos ou objetos grandes. A utilização do suporte nativo a XML é indispensável quando esquemas complexos das estruturas XML são difíceis de serem transformados em dados relacionais. Para transformar um tipo de dados XML em uma tabela de nós é necessário utilizar um índice XML primário. A consulta fica mais eficaz se realizada através de índices secundários path, properties ou value. As consultas e alterações são efetivadas através de expressões XQuery conforme explanações de Silberschatz et al (2006, p. 736). A XQuery é uma linguagem desenvolvida pela W3C com a participação inclusive da Microsoft que efetiva consultas nos dados no formato XML e utiliza a estrutura de árvore. Os métodos de tipos de dados XML são utilizados para consultar uma instância XML que esteja armazenada em uma variável ou consultar uma coluna com o tipo XML. De acordo com o manual on line da Microsoft, podemos utilizar vários métodos de consulta tais como método query, método value, método exist, método modify e método nodes. O SQL Service Broker é usado na troca de mensagens em conversações (base da comunicação entre instâncias) e enfileiramento (um emissor envia mensagens

8 8 ordenadas as quais serão executadas uma única vez para receptores). Ele ajuda os desenvolvedores a fazer aplicativos que tenham componentes independentes para finalizar uma tarefa. O SQL Server pode impor que as mensagens sejam do tipo XML, validá-las e que elas estejam configuradas em um esquema XML. Dentro de uma conversação podemos determinar quais os tipos de mensagens serão enviadas e recebidas, qual emissor pode enviar mensagens do tipo XML e qual receptor poderá recebê-las. Um detalhamento muito rico contendo exemplos é encontrado no manual on line do SQL Server XML E O SGBD Oracle 11g Em 1999 no lançamento da versão ORACLE 8i o SGBD ORACLE torna-se o primeiro banco de dados com suporte nativo para XML. O ORACLE 9i introduziu a habilidade de armazenar, processar e manipular XML. A versão 10g introduziu funções da XML e em 2007 a versão 11g traz aprimoramentos de suporte tais como processamento binário para melhor desempenho das aplicações. A Internet e suas necessidades de acesso distribuído por vários sistemas protegidos por firewalls e por vários meios, conectados ou não, é um ambiente ideal para o transporte de dados e documentos XML, devido a pouca necessidade de acordos tecnológicos que precisam ser feitos entre os servidores e os aplicativos para XML. A XML tornou-se rapidamente o ponto de integração de todos os dados, sejam eles provenientes de data warehouse, comércio eletrônico B2B ou auto-serviço, gerenciamento de conteúdo ou integração de back-office. Portanto, é natural que os bancos de dados relacionais da Oracle usem XML para oferecer suporte a essas necessidades (CHANG, 2001, p. 20). Na versão 8i são apresentados alguns produtos que usam XML para a troca de dados tais como Oracle Integration Server (OIS que oferece uma ferramenta visual para a definição de tipo de dados e transformação entre diferentes tipos de dados,

9 9 podendo importar mensagens XML Data Type Definition - DTD recebidas e enviadas pelos aplicativos), Oracle Reports (acrescenta suporte para os relatórios no formato XML), Oracle Applications Release (aplicativos comerciais) e Self-Service Purchasing (os dados em XML são usados para a troca de informações na compra de mercadorias e para mostrar um catálogo de produtos ao consumidor) além de outros produtos que fornecem API (Application Programming Interfaces) e que usam a XML para configuração, gerenciamento e publicação de conteúdo. Todos estes produtos e aplicativos encontram-se disponíveis e exemplificados no manual da Oracle. Devemos instalar o Kit XDK com a finalidade de utilização da tecnologia XML no Oracle. XDK Oracle XML Developer Kit tem uma série de componentes, aplicações e utilitários para a utilização da XML. Um recurso do ORACLE 11g é o SecureFiles que faz a compactação do arquivo, reduzindo o seu tamanho de 2 a 3 vezes. Os dados podem ser estruturados ou não estruturados (LOB) em forma de imagens e textos grandes. De acordo com Chang et al (2001, p. 133) O conteúdo do documento é armazenado em LOBs (Large Objects) do Oracle 8i para dados grandes não estruturados (textos, elementos gráficos, vídeo etc.), com uma capacidade de até 4 GB. Um exemplo para a utilização deste comando seria criar uma tabela de imagens composta por dois atributos (um identificador do tipo numérico e outra imagem do tipo BLOB), o comando LOB da imagem armazenado como arquivo de segurança (SECUREFILE) e a utilização de uma TABBLESPACE juntamente com o comando COMPRESS. Esses comandos podem ser consultados com mais detalhes no manual da Oracle. Assim obtemos um menor custo de armazenamento, o espaço de armazenamento em disco é menor e melhora a performance da aplicação.

10 10 O XML DB é um recurso mais rápido de armazenamento de dados no Oracle 11g. Ele permite o armazenamento nativo de dados XML bem como a sua manipulação. O Oracle XML DB apresenta privilégios de um banco relacional acrescido das vantagens da XML com alta performance e uma tecnologia de recuperação de dados. O Oracle possui uma ferramenta XML Publisher a qual é utilizada na geração de relatórios criados em Word ou Excel. Estes relatórios podem ser gerados em Excel, PDF ou HTML através de um programa que seleciona os dados integrados ao formato do relatório. Assim como o SQL Server 2008, o Oracle possui o Service Broker Control. Nele podemos ter um processo de negócios que envia demandas e tem a capacidade de receber de volta outro processo, um serviço da Web. 5. CONCLUSÃO A explosão do crescimento da utilização da Internet, seu fácil acesso e utilização, devido à interatividade entre o usuário e os sites disponibilizados na Internet (que são de simples entendimento), faz com que a área de TI esteja em constante desenvolvimento de tecnologias, aplicações e funcionalidades para atender a grande demanda de transferência de dados entre si de acordo com a estrutura que cada empresa apresenta bem como a utilização da XML integrada aos bancos de dados e à W3C. Podemos verificar que a preocupação de aprimorar e adequar a linguagem XML nos SGBS SQL Server 2008 e Oracle 11g é dada no suporte que cada banco oferece, visando aumentar as possibilidades de consultas, maximizar a capacidade de armazenamento em uma área menor de disco, tratar e consultar os dados de acordo com

11 11 cada banco e verificar a necessidade do negócio que é imposta no mercado capitalista. Existe também uma atenção especial para a velocidade de transferência e a segurança das informações a serem tratadas em distâncias maiores. Devemos notar que o custo das aplicações para XML tem sido cada vez menor, inversamente proporcional aos estudos e desenvolvimento também de suas funções. Vem crescendo a utilização da linguagem XML na Web e conseqüentemente nos bancos de dados devido as suas adaptações. A integração da XML com os bancos de dados tem requerido um aumento do suporte dos bancos de dados os quais têm beneficiado o mercado consumidor oferecendo SGBD cada vez mais preparados para a conversão de dados XML e melhor desempenho; usuários dos bancos encontram maior número de opções de controle das ferramentas utilizadas para a manutenção de dados do tipo XML; a maioria das empresas possui interatividade com os servidores Web também devido ao aumento na segurança das transações. REFERÊNCIAS BATISTTI, Julio. SQL Server 2005: administração e desenvolvimento: curso completo. Rio de Janeiro: Axcel Books, CHANG, Bem at al. ORACLE XML: o manual oficial. Rio de Janeiro: Campos, ELMASRI, Ramez; NAVATHE, Shamkant B. Sistemas de banco de dados: fundamentos e aplicações. 4. ed. São Paulo, SP: Pearson Education, LEE, Michael; BIEKER, Gentry. Mastering SQL Server Wiley Publishing, Indiana. Indianápolis, MICROSOFT CORPORATION. Microsoft SQL Server. Disponível em: acesso em 17/06/2009. ORACLE CORPORATION. SGBD 11i. Disponível em: acesso em 17/06/2009. ÖZSU, M. Tamer; VALDUREZ, Patrick. Princípios de sistemas de bancos de dados distribuídos. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

12 SILBERSCHATZ, Abraham at al. Sistema de Banco de Dados. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier,

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução Conceitos

Banco de Dados I. Introdução Conceitos Banco de Dados I Introdução Conceitos Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Conceitos Fundamentais de Banco de Dados; Características

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio formado por acadêmicos

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

Introdução. Unidade 1. Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira

Introdução. Unidade 1. Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Unidade 1 Introdução Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Material base: Banco de Dados, 2009.2, prof. Otacílio José Pereira Contexto

Leia mais

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 Leitura Obrigatória ELMASRI,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SISTEMA GERENCIADOR

Leia mais

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML 1 1. : Conceitos Básicos 2. Aplicação : XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata 2 é um acrônimo para EXtensible Markup Language é uma linguagem de marcação muito parecida com HTML foi designada para descrever

Leia mais

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL SQL APOSTILA INTRODUÇÃO Uma linguagem de consulta é a linguagem por meio da qual os usuários obtêm informações do banco de dados. Essas linguagens são, tipicamente, de nível mais alto que as linguagens

Leia mais

DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s

DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s Dio Rafael Jacobs 1, Juliano Varella de Carvalho 1 1 Centro Universitário Feevale Instituto de Ciência Exatas e Tecnológicas Novo

Leia mais

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD)

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD) Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados Introdução Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre de 2011 Motivação

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi XML e Banco de Dados de Internet Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi Motivação Diversas aplicações Web utilizam Fontes de Dados (BD); Arquitetura Cliente-Servidor (2

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados.

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Hoje é

Leia mais

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL BANCO DE DADOS 2 SQL (CREATE TABLE, CONSTRAINTS, DELETE, UPDATE e INSERT) Prof. Edson Thizon SQL SQL ( structured query language ) é uma linguagem comercial de definição e manipulação de banco de dados

Leia mais

? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase.

? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase. ? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase.? Desde de 1994, a Microsoft lança versões do SQL SERVER

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Internet Internet é o conjunto de diversas redes de computadores que se comunicam entre si Internet não é sinônimo de WWW (World Wide

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

Introdução e motivação SGBD XML Nativo Consultas em SGBDs XML Prática. Bancos de dados XML. Conceitos e linguagens de consulta

Introdução e motivação SGBD XML Nativo Consultas em SGBDs XML Prática. Bancos de dados XML. Conceitos e linguagens de consulta Bancos de dados XML Conceitos e linguagens de consulta Sidney Roberto de Sousa MC536 - Bancos de Dados: Teoria e prática Material base: W3Schools XPath and XQuery Tutorial http://www.w3schools.com/xpath/

Leia mais

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015 SQL - Banco de Dados 1 Disciplina: Banco de Dados Professor: José Antônio 2 Tópicos de discussão Criando um banco de dados Incluindo, atualizando e excluindo linhas nas tabelas Pesquisa básica em tabelas

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 6.1 ARQUIVOS E REGISTROS De um modo geral os dados estão organizados em arquivos. Define-se arquivo como um conjunto de informações referentes aos elementos

Leia mais

08/04/2013. Agenda. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ

08/04/2013. Agenda. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ Agenda Caché Server Pages Uma Aplicação Banco de Dados Fernando Fonseca Ana Carolina Salgado Mestrado Profissional 2 SGBD de alto desempenho e escalabilidade Servidor de dados multidimensional Arquitetura

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

SQL. Histórico BANCO DE DADOS. Conceito. Padrões de SQL (1) Componentes do SQL (1) Padrões de SQL (2) (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS)

SQL. Histórico BANCO DE DADOS. Conceito. Padrões de SQL (1) Componentes do SQL (1) Padrões de SQL (2) (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS) BANCO DE DADOS SQL (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS) Prof. Edson Thizon Histórico Entre 1974 e 1979, o San José Research Laboratory da IBM desenvolveu um SGDB relacional que ficou conhecido como Sistema

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia 1 da Informaçao 2 Figura: Tela do IBM Mainframe Fonte: Arquivo próprio

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

O que é XML? A Linguagem de Marcação Extensível (Extensible Markup Language - XML) é:

O que é XML? A Linguagem de Marcação Extensível (Extensible Markup Language - XML) é: 1.264 Aula 13 XML O que é XML? A Linguagem de Marcação Extensível (Extensible Markup Language - XML) é: Uma recomendação proposta pelo World Wide Web Consortium (W3C) Um formato de arquivo Documentos eletrônicos

Leia mais

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos) Aplicativos SGBD Dados (arquivos) O acesso/gerenciamento

Leia mais

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 NA AULA PASSADA... 1. Apresentamos a proposta de ementa para a disciplina; 2. Discutimos quais as ferramentas computacionais

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD 2 1 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco de dados: metadados armazenados num catálogo ou dicionário de

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz Tecnologia da Informação Prof. Esp. Lucas Cruz Componentes da Infraestrutura de TI Software A utilização comercial da informática nas empresas iniciou-se por volta dos anos 1960. O software era um item

Leia mais

Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica

Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica Tiago A. Gameleira 1, Raimundo Santos Moura 2, Luiz Affonso Guedes 1 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

Roteiro. BCC321 - Banco de Dados I. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. O que é um banco de dados (BD)?

Roteiro. BCC321 - Banco de Dados I. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. O que é um banco de dados (BD)? Roteiro BCC321 - Banco de Dados I Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz Conceitos Básicos Banco

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados

Laboratório de Banco de Dados Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Banco de Dados Prof. Clóvis Júnior Laboratório de Banco de Dados Conteúdo Administração de Usuários de Papéis; Linguagens

Leia mais

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados.

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Histórico Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Sistemas Integrados: racionalização de processos, manutenção dos

Leia mais

ETEC Dr. Emílio Hernandez Aguilar

ETEC Dr. Emílio Hernandez Aguilar ETEC Dr. Emílio Hernandez Aguilar Grupo: Leonardo; Ronaldo; Lucas; Gustavo; Fabio. 2º Informática Tarde 2º Semestre de 2009 Introdução O PostgreSQL é um SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados) objeto-relacional

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ronaldo R. Goldschmidt Hierarquia Dado - Informação - Conhecimento: Dados são fatos com significado implícito. Podem ser armazenados. Dados Processamento Informação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA 1 Linguagem SQL Linguagem de definição de dados (DDL) DISCIPLINA: Banco de Dados

Leia mais

AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS

AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS Curso: Sistemas de Informação (Subseqüente) Disciplina: Administração de Banco de Dados Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu.br História

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Material de Apoio de Informática - Prof(a) Ana Lucia 53. Uma rede de microcomputadores acessa os recursos da Internet e utiliza o endereço IP 138.159.0.0/16,

Leia mais

Bridge para o Integration Server: Guia do Usuário

Bridge para o Integration Server: Guia do Usuário IBM DB2 Cube Views Bridge para o Integration Server: Guia do Usuário Versão 8 S517-7685-00 IBM DB2 Cube Views Bridge para o Integration Server: Guia do Usuário Versão 8 S517-7685-00 Nota Antes de utilizar

Leia mais

Banco de Dados, Integração e Qualidade de Dados. Ceça Moraes cecafac@gmail.com

Banco de Dados, Integração e Qualidade de Dados. Ceça Moraes cecafac@gmail.com Banco de Dados, Integração e Qualidade de Dados Ceça Moraes cecafac@gmail.com Sobre a professora CeçaMoraes Doutora em Computação (UFPE) Áreas de atuação Desenvolvimento de Software e Banco de Dados Experiência

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Programação SQL. Introdução

Programação SQL. Introdução Introdução Principais estruturas duma Base de Dados: Uma BD relacional é constituída por diversas estruturas (ou objectos ) de informação. Podemos destacar: Database: designa a própria BD; Table/Tabela:

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados IBM Systems - iseries Administração de Banco de Dados Versão 5 Release 4 IBM Systems - iseries Administração de Banco de Dados Versão 5 Release 4 Nota Antes de utilizar estas informações e o produto suportado

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

XML (extensible Markup Language)

XML (extensible Markup Language) Sumário 1. Introdução a Aplicações Não-Convencionais 2. Revisão de Modelagem Conceitual 3. BD Orientado a Objetos (BDOO) 4. BD Objeto-Relacional (BDOR) 5. BD Temporal (BDT) 6. BD Geográfico (BDG) 7. BD

Leia mais

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas.

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Introdução Olá! Seja bem-vindo a apostila de Microsoft Access 2010. Access 2010 é um Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados da Microsoft, distribuído no pacote

Leia mais

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com.

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com. Sistemas da Informação Banco de Dados I Edson Thizon (edson@esucri.com.br) 2008 Apresentação (mini-currículo) Formação Acadêmica Mestrando em Ciência da Computação (UFSC/ ) Créditos Concluídos. Bacharel

Leia mais

Banco de Dados II Apresentação da Disciplina

Banco de Dados II Apresentação da Disciplina Banco de Dados II Apresentação da Disciplina Prof. Moser Fagundes Curso TSI Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) Campus Charqueadas Agenda Aulas: Quarta-feira 19:00 20:30 LINF2 Atendimento: Quinta-feira

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1.

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1. Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística Prof. Andre Zanki Cordenonsi Versao 1.0 Março de 2008 Tópicos Abordados Conceitos sobre Banco

Leia mais

WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL

WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL 232 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL Stevan D. Costa1, Alexandre T. Lazzaretti1, Anubis

Leia mais

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas SQL Autor: Renata Viegas A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

Aula 7 Componentes de um Sistema de Informação Recursos e Atividades

Aula 7 Componentes de um Sistema de Informação Recursos e Atividades Aula 7 Componentes de um Sistema de Informação Recursos e Atividades Curso: Gestão de TI - UNIP Disciplina: Sistemas de Informação Professor: Shie Yoen Fang Ementa: Item 11 e Item 12 2ª semestre de 2011

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS. Software livre se refere à liberdade dos usuários com relação ao software, mais precisamente:

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS. Software livre se refere à liberdade dos usuários com relação ao software, mais precisamente: ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS Unidade IV DEFINIR A MELHOR SOLUÇÃO DE BANCO DE DADOS PARA AS NECESSIDADES DA EMPRESA.1 O uso das tecnologias.1.1 O software livre 1 A tecnologia de banco de dados, assim

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações

Leia mais

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli Objetivo; Roteiro da Apresentação Visão Geral sobre Internet,

Leia mais

Banco de Dados. Professor: Rômulo César. romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

Banco de Dados. Professor: Rômulo César. romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Banco de Dados Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos)

Leia mais

MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS RELACIONAIS

MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS RELACIONAIS Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Sistemas de Informação RENATO SULZBACH MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES

Leia mais

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados slide 1 1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como um banco de dados

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

Opções para impressão de códigos de barras para impressoras Zebra em ambientes Oracle WMS e MSCA RELATÓRIO INFORMATIVO SOBRE APLICAÇÃO

Opções para impressão de códigos de barras para impressoras Zebra em ambientes Oracle WMS e MSCA RELATÓRIO INFORMATIVO SOBRE APLICAÇÃO Opções para impressão de códigos de barras para impressoras Zebra em ambientes Oracle WMS e MSCA RELATÓRIO INFORMATIVO SOBRE APLICAÇÃO Direitos autorais 2004 ZIH Corp. Todos os nomes e números de produtos

Leia mais

Elaboração de um Dicionário Eletrônico de MySQL

Elaboração de um Dicionário Eletrônico de MySQL Elaboração de um Dicionário Eletrônico de MySQL Elaine Baltazoni Prof. Cristóvam Emílio Herculiani Tecnologia em Informática para a Gestão de Negócios Faculdade de Tecnologia de Garça (Fatec) Caixa Postal

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n Dois Irmãos 52171-900 Recife-PE Fone: 0xx-81-332060-40 proreitor@preg.ufrpe.br PLANO DE ENSINO

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

Ferramentas de Administração. PostgreSQL

Ferramentas de Administração. PostgreSQL Ferramentas de Administração ao SGBD PostgreSQL Diego Rivera Tavares de Araújo diegoriverata@gmail.com Introdução Mas o que é PostgreSQL? Introdução as ferramentas O PostgreSQL pode ser acessado a partir

Leia mais

Análise da Nova Linguagem HTML5 para o Desenvolvimento Web

Análise da Nova Linguagem HTML5 para o Desenvolvimento Web Análise da Nova Linguagem HTML5 para o Desenvolvimento Web Sergio N. Ikeno¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sergioikn@gmail.com, kessia@unipar.br Resumo.

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 6 OBJETIVOS OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall Qual é a capacidade de processamento e armazenagem

Leia mais

Análise Comparativa dos Recursos e Diferenças das Tecnologias de Programação HTML5 e HTML4

Análise Comparativa dos Recursos e Diferenças das Tecnologias de Programação HTML5 e HTML4 Análise Comparativa dos Recursos e Diferenças das Tecnologias de Programação HTML5 e HTML4 Guilherme Miranda Martins 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br IntroduçãoàTecnologiaWeb TiposdeSites ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br TiposdeSites Índice 1 Sites... 2 2 Tipos de Sites... 2 a) Site

Leia mais

As doze maiores ameaças do mercado intermediário: evitando ataques maliciosos comuns em nível de aplicativo.

As doze maiores ameaças do mercado intermediário: evitando ataques maliciosos comuns em nível de aplicativo. Gerenciamento de segurança on-line White paper Dezembro de 2007 As doze maiores ameaças do mercado intermediário: evitando ataques maliciosos comuns Página 2 Conteúdo 2 Introdução 3 Compreendendo ataques

Leia mais

Microsoft System Center Operations Manager 2007

Microsoft System Center Operations Manager 2007 Microsoft System Center Operations Manager 2007 Visão Geral Microsoft Corporation Publicado: 18 de dezembro de 2006 Atualizado: 5 de abril de 2007 Sumário Executivo O System Center Operations Manager 2007

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais