Universidade Estadual de Maringá Disciplina de Embriologia Material organizado e elaborado pela professora LUZMARINA HERNANDES GAMETOGÊNESE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Estadual de Maringá Disciplina de Embriologia Material organizado e elaborado pela professora LUZMARINA HERNANDES GAMETOGÊNESE"

Transcrição

1 Universidade Estadual de Maringá Disciplina de Embriologia Material organizado e elaborado pela professora LUZMARINA HERNANDES GAMETOGÊNESE Os gametas são os veículos de transferência dos genes para as próximas gerações. A gametogênese é o processo de formação dos gametas masculino (espermatogênese) e feminino (ovogênese ou ovulogênese) e pode ser caracterizada por três etapas distintas denominadas (1) multiplicação, (2) crescimento e (3) maturação, que se diferenciam em vários aspectos na espermatogênese e na ovogênese. A gametogênese ocorre nas gônadas, os ovários, no sexo feminino, ou nos testículos, no sexo masculino. Neste local as células germinativas masculina e feminina devem passar por sucessivas divisões mitóticas e meióticas para formar um gameta maduro (óvulo e espermatozóide), ambos com a metade do número de cromossomos da espécie. Aparelho reprodutor masculino e gametogênese masculina (espermatogênese) O aparelho reprodutor masculino é constituído pelos (a) testículos, (b) vias genitais e (c) glândulas acessórias (Figura 1). As gônadas masculinas, os testículos, são em número de dois, e se localizam no interior do escroto. Cada testículo (Figura 2) é constituído por uma cápsula de tecido conjuntivo, a túnica albugínea, da qual partem septos que dividem o órgão em compartimentos menores os lóbulos testiculares. Cada lóbulo contém de um a três túbulos enovelados, os túbulos seminíferos. No interior dos túbulos se localizam as células da linhagem germinativa em diversos estágios de maturação: espermatogônias, espermatócitos primários, espermatócitos secundários, espermátides e espermatozóides e as células de Sertoli, que sustentam fisicamente,

2 nutrem as células da linhagem germinativa e fagocitam restos celulares resultantes da espermatogênese (Figura 3a). As células de Sertoli são as únicas células somáticas do epitélio dos túbulos seminíferos. Encontram-se apoiadas na lâmina basal junto com as espermatogônias (Figura 3b). O espaço existente entre os tubulos seminíferos é preenchido por tecido conjuntivo propriamente dito, rico em vasos sanguíneos e aí estão localilzadas as células intersticiais ou de Leydig, células endócrinas diferenciadas responsáveis pela produção de testosterona (Figura 3c). A maturidade fisiológica destas células só ocorre na puberdade, quando iniciam a produção de testosterona que é lançada nos capilares circundantes. A testosterona atua como principal estímulo na diferenciação das células germinativas durante a espermatogênese. Sua produção é regulada pela hipófise pelo hormônio luteinizante (LH). Vias genitais masculinas e glândulas anexas Os túbulos seminíferos são contínuos com um sistema de canalículos, as vias genitais masculinas, que transportam os espermatozóides. As vias compreendem os tubulos retos, rede testicular, ductos eferentes, epidídimo, canal deferente e uretra, conforme ilustrado nas figuras 2a e b). As glândulas anexas compreendem um par de vesículas seminais, a próstata e duas glândulas bulbo uretrais. As gândulas acessórias se abrem no caminho das vias genitais e produzem líquido seminal que é acrescido aos espermatozóides, constituindo o sêmen. Uma vez formados durante o processo de espermatogênese, os espermatozóides são destacados das paredes dos túbulos seminíferos e liberados na luz do órgão. Dos túbulos seminíferos são deslocados por movimentos peristálticos até o epidídimo, um canal longo e espiralado que armazena os espermatozóides e os torna aptos a fertilizar. O canal deferente é ascendente e liga o epidídimo à uretra. Neste percurso desembocam os ductos de glândulas que produzem o líquido seminal. A uretra percorre o interior do pênis (uretra peniana), e se abre na extremidade da glande.

3 Espermatozóide O espermatozóide é uma célula móvel, especializada no transporte da informação genética. É formado por três partes: (1) cabeça, (2) região intermediária, o colo e uma (3) cauda (Figura 2c). A cabeça contém o núcleo haplóide e o acrossoma, uma organela derivada do Complexo de Golgi, em forma de capuz, que contém várias enzimas importantes para a fertilização. A cauda ou flagelo é formada por três segmentos: a peça intermediária, a peça principal e a peça terminal. A peça intermediária contém mitocôndrias, que fornecem o ATP necessário para a motilidade do espermatozóide. Espermatogênese No sexo masculino, as células germinativas primordiais se originam de células do endoderma do saco vitelino que migram em direção e para dentro dos testículos em desenvolvimento. As espermatogônias diplóides derivam das células germinativas masculinas primordiais, que permanecem quiescentes até próximo da adolescência, quando proliferam por mitose. Algumas das células resultantes servem como uma fonte de reserva das células proliferativas, enquanto outras começam a espermatogênese na puberdade. A espermatogênese inclui todos os eventos pelos quais as espermatogônias são transformadas em espermatozóides. Inicia-se na puberdade e continua até a velhice. Cada espermatogônia diplóide dará origem, ao final do processo, que demora cerca de dois meses, a quatro espermatozóides haplóides (Figura 3a) Aparelho reprodutor feminino e gametogênese feminina (ovogênese) O sistema reprodutor feminino é formado por dois ovários e pelas vias genitais, constituídas por tubas uterinas, útero e vagina (Figura 4).

4 Os ovários são as gônadas femininas, responsáveis pela produção dos gametas e dos hormônios sexuais, estrógeno e progesterona. O parênquima ovariano se divide em duas regiões: uma zona periférica, a cortical, que contém os folículos ovarianos e uma zona central, medular, rica em tecido conjuntivo frouxo, onde encontram-se nervos, vasos sanguíneos e linfáticos. A maturação dos gametas femininos ocorre no córtex ovariano, ao nível dos folículos ovarianos. Cada folículo é constituídos por um gameta (ovócito) envolvido por células foliculares. A maturação folicular se dá de modo cíclico e representa o ciclo folicular ou ovariano. A ovogênese, é a sequência de eventos pelos quais as ovogõnias são transformadas em ovócitos maduros. Inicia-se antes do nascimento e é completada depois da puberdade, continuando-se até a menopausa (Figura 5). Ovogênese No sexo feminino a gametogênese é denominada ovogênese ou ovulogênese. Inicia-se antes do nascimento e completa-se após o início da puberdade. Maturação pré-natal: Depois de chegarem na gônada as células germinativas primordiais se diferenciam em ovogônias. Ao alcançarem à região cortical do parênquima ovariano essas células sofrem algumas divisões mitóticas e ao final do terceiro mês arranjam-se em grupos, circundadas por uma camada de células epiteliais achatadas, as células foliculares, que se originam do epitélio ovariano. A maioria das ovogônias (2n) continua a se multiplicar, porém algumas deles se diferenciam em ovócitos primários. Imediatamente após a diferenciação os ovócitos primários duplicam seu DNA e entram em prófase da primeira meiose. Os ovócitos primários permanecem em prófase e só terminam sua primeira divisão meiótica depois do início da puberdade. As ovogônias atingem seu número máximo, de cerca de 7 milhões, no quinto mês do desenvolvimento pré-natal. Nesta época tem início a morte celular e

5 ocorre atresia de muitas ovogônias e ovócitos primários. No sétimo mês a maioria das ovogônias sofreu atresia e todos os ovócitos primários já passaram à prófase I. Tão logo o ovócito primário se forma, cada célula é circundada por uma única camada de células achatadas, as células foliculares. Esta estrutura se denomina folículo primordial (Figura 6). Portanto, ao nascimento, as meninas apresentam em seus ovários somente folículos primordiais com ovócitos primários bloqueados em prófase da meiose 1. Maturação pós-natal: completa-se após a puberdade e vai até a menopausa. A partir da puberdade as mulheres começam a apresentar ciclos reprodutivos mensais regulares. Estes ciclos sexuais são controlados pelo hipotálamo. O hormônio de liberação da gonadotrofina (GnRH, gonadotripin-realising hormone), produzido por neurônios hipotalâmicos, é o principal mediador do processo reprodutivo. O GnRH é levado via sistema porta hipotálamo-hipofisário até a hipófise anterior, onde se liga aos receptores específicos da membrana de células produtoras de dois hormônios gonadotróficos, o hormônio luteinizante (LH) e o hormônio folículo-estimulante (FSH). Essas gonadotrofinas são liberadas pela hipófise anterior na circulação sistêmica e alcançarão as gônadas onde estimularão a continuidade do processo de produção de gametas que se iniciou na fase pré-natal e também estimularão a produção de hormônios gonadais (estrógeno e progesterona). No início de cada ciclo reprodutivo mensal, o FSH estimula o desenvolvimento do folículo ovariano, e no meio do ciclo, o FSH junto com o LH estimulam a ovulação e o desenvolvimento do corpo lúteo. Morfologia dos folículos ovarianos: Folículos primordiais: medem cerca de 50 m de diâmetro. São constituídos por um ovócito bloqueado na prófase da primeira divisão meiótica e por uma camada única de 3 a 4 células foliculares achatadas.

6 Folículos primários: medem de 60 a 80 m. O ovócito central (bloqueado em prófase 1) está envolvido por uma membrana hialina, a zona pelúcida e por uma camada de células foliculares cúbicas. Folículos secundários: medem de 80 a 180 m. O ovócito I central, é envolvido por 3 a 4 camadas de células foliculares (granulosa). O conjunto do folículo está envolvido pela teca interna, que resulta de modificações do estroma ovariano circundante. A teca interna é um tecido ricamemente vascularizado e contém células cúbicas produtoras de esteróides. Folículos antrais: entre as células foliculares formam-se cavidades contendo líquido. Estas cavidades confluem dando origem a uma cavidade única, o antro, que é uma cavidade assimétrica e, portanto, desloca o ovócito para um dos pólos do folículo. As células foliculares que permanecem circundando o ovócito constituem a corona radiata. Em torno da teca interna forma-se a teca externa, rica em tecido conjuntivo e vasos sanguíneos. O desenvolvimento do folículo ovariano até o estágio antral ocorre em um conjunto de folículos, cerca de 65 dias antes do início do ciclo ovariano. No transcorrer do ciclo, apenas um destes folículos alcançará a maturidade e será ovulado. O tamanho dos folículos varia de 80 m a 5mm. Folículos selecionados e folículo dominante: Vários folículos em cada um dos ovários são selecionados para se desenvolver. Após a menstruação, o folículo maior torna-se dominante e inibe o crescimento dos demais selecionados anteriormente. A seleção dos folículos corresponde ao início do ciclo mensal e coincide com o primeiro dia de menstruação (Figura 6). Fases de maturação dos folículos: A partir da puberdade, e subseqüentemente, até a menopausa, os folículos primordiais entram na (a) fase de iniciação ou recrutamento. Neste período o folículo primordial se diferencia em folículo primário e a seguir em folículo secundário. Esta etapa demora vários meses. Os folículos secundários entram, então, na (b) fase de crescimento folicular basal, na qual passam por graus de maturação que vão desde o folículo classe 1 (pré-

7 antral) até folículos classe 4. Este estágio demora cerca de 70 dias. A (c) fase de seleção ocorre a cada mês, com 3 a 11 folículos em crescimento basal, por ovário. Corresponde ao início do ciclo mensal. Na (d) fase de dominânia um dos folículos torna-se dominante e o desenvolvimento dos outros é interrompido. O folículo dominante (folículo maduro ou de Graaf) aumenta de tamanho até a fase ovulatória (Figura 7). Ciclo sexual Compreende alterações cíclicas, mensais que ocorrem nos ovários e no útero feminino. As alterações no ovário correspondem ao ciclo ovariano e são mediadas pelos hormônios hipofisários, FSH e LH. O ciclo uterino corresponde às alterações cíclicas que ocorrem no endométrio uterino e são mediadas pelos hormônios ovarianos, estrógeno e progesterona. Ciclo ovariano: Os eventos do ciclo ovariano são: a) Crescimento e desenvolvimento dos folículos ovarianos. Compreende o crescimento e o desenvolvimento dos folículos ovarianos, anteriormente descritos. b) Ovulação Ocorre por volta da metade do ciclo e corresponde ao processo de expulsão do ovócito II promovido por um aumento da pressão interna folicular. Vários folículos em cada um dos ovários são selecionados para se desenvolverem. Após a menstruação, o folículo maior torna-se dominante e inibe o crescimento dos demais selecionados anteriormente. No 12º dia do ciclo as células foliculares começam expressar o receptor de membrana para o LH. A ovulação ocorre até 36 horas após o pico de LH e o ovócito I retoma a meiose bloqueada concluindo a primeira divisão meiótica. O ovócito II inicia a segunda divisão meiótica que novamente fica bloqueada na fase de metáfase II. A secreção de prostaglandinas pelas células foliculares possibilita a rotura do folículo e do epitélio ovariano. O ovócito

8 II é expelido juntamente com a zona pelúcida e as células da corona radiata (Figura 6a). c) Formação do corpo lúteo Todo o restante do folículo (células foliculares e tecas) permanece no ovário e sofre a ação do LH. Este hormônio estimula e mantém a secreção das células das tecas que formam agora uma glândula temporária denominada corpo lúteo e que secretam os hormônios ovarianos: estrógeno e progesterona. Na ausência da gravidez, ao fim do ciclo, o corpo lúteo se atrofia e dá lugar a uma cicatriz fibrosa, o corpo albicans. Ciclo uterino O endométrio é constituído de três camadas: (a) compacta, que consiste em tecido conjuntivo densamente compactado em torno do colo das glândulas uterinas; (b) esponjosa, espessa, composta de tecido conjuntivo edematoso, contendo os corpos dilatados e retorcidos das glândulas uterinas e (c) basal, delgada, contendo a extremidade em fundo de saco das glândulas uterinas. A camada basal tem seu próprio suprimento sanguíneo e não descama durante a menstruação. As camadas compacta e esponjosa, denominadas em conjunto de camada funcional, desintegram-se e descamam durante a menstruação e após o parto. As mudanças cíclicas no trato reprodutor feminino, particularmente no endométrio dependem das alterações nos níveis de estrógeno e progesterona produzidos pelos ovários (Figura 6b). Fase menstrual: o ciclo uterino se inicia no primeiro dia da menstruação. A camada funcional do útero descama e é eliminada com o fluxo menstrual. Este período dura de 4 a 5 dias. Fase de crescimento, proliferativa ou estrogênica: dura cerca de 9 dias. Este período caracteriza-se pela ocorrência de regeneração do endométrio descamado na fase menstrual. O epitélio superficial se refaz, as glândulas uterinas aumentam de número e comprimento e as artérias

9 espiraladas se alongam. Este processo depende da secreção de estrógeno no ovário e coincide com o crescimento dos folículos ovarianos. Fase secretora ou progestacional: dura cerca de 13 dias. Depende da progesterona secretada pelo corpo lúteo. A progesterona estimula o aumento da secreção de glicogênio pelas glândulas uterinas, as glândulas tornam-se largas, retorcidas e saculares e o endométrio torna-se espesso e edemaciado. As artérias espiraladas se tornam cada vez mais sinuosas. Quando ocorre fertilização, ocorre formação do blastocisto que começa a implantar-se no endométrio por volta do sexto dia da fase secretora. O hcg (Gonadotrofina Coriônica Humana), hormônio produzido pelo córion (futura placenta) em desenvolvimento mantém o corpo líuteo secretando estrógeno e progesterona, portanto, a fase secretora continua e a menstruação não ocorre. Quando não ocorre fertilização, o corpo lúteo degenera, os níveis de estrógeno e progesterona caem e o endométrio secretor entra em uma fase isquêmica durante o último dia da fase secretora. Ocorre então a menstruação, reiniciando-se o ciclo. Referências bibliográficas: Catala M. Embriologia: desenvolvimento inicial. Editora Guanabara Koogan Frohman L, Cameron J, Wise P. Neuroendocrine system II: growth, reproduction and lactation.in: Zigmond MJ, Bloom FE, Landis SC, Roberts JL, Squire LR, editors. Fundamental neuroscience. London: Academic Press; p Sadler TW. Langman Embriologia Médica. Editora Guanabara Koogan. 9a ed., Moore KL, Persaud TVN. Embriologia Clínica. Elsevier Ed.,8ª ed., 2008.

10 Figura 1. Esquema representando (a) o aparelho reprodutor masculino; (b) o testículo em corte longitudinal e (c) o espermatozóide humano.

11 Figura 2. (a) Esquema representativo do túbulo seminífero. Espermatogônias e espermátides iniciais ocupam depressões nas faces basais da célula de Sertoli; espermátides avançadas encontram-se nos recessos profundos próximos ao ápice; (b) corte transversal de túbulo seminífero, com as células da linhagem germinativa e Sertoli. O tecido conjuntivo localizado entre os túbulos contem as células intersticiais produtoras de testosterona.

12 Figura 3. Esquema representativo do processo de espermatogênese.

13 Figura 4. Esquema representando o aparelho reprodutor feminino.

14 Figura 5. Esquema representando o processo de gametogênese feminina (ovogênese).

15 Figura 6. Representação esquemática e fotográfica dos diferentes estágios de maturação dos folículos ovarianos.

16 Figura 7. Esquema ilustrativo do ciclo ovariano e ciclo uterino

GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO

GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO GAMETOGÊNESES O processo de formação de gametas, na maioria dos animais, se dád através s da meiose e recebe a denominação de gametogênese..

Leia mais

GAMETOGÊNESE MASCULINA: ESPERMATOGÊNESE ESPERMATOGÊNESE

GAMETOGÊNESE MASCULINA: ESPERMATOGÊNESE ESPERMATOGÊNESE GAMETOGÊNESE MASCULINA: ESPERMATOGÊNESE Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano 1 ESPERMATOGÊNESE Definição Processo pelo qual se formam os gametas masculinos, os espermatozóides, a partir de células germinativas

Leia mais

O que é gametogênese?

O que é gametogênese? O que é gametogênese? É o processo pelo qual os gametas são produzidos nos organismos dotados de reprodução sexuada. Nos animais, a gametogênese acontece nas gônadas, órgãos que também produzem os hormônios

Leia mais

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO. É constituído pelos testículos, dutos genitais, glândulas acessórias e pênis.

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO. É constituído pelos testículos, dutos genitais, glândulas acessórias e pênis. REPRODUÇÃO HUMANA APARELHO REPRODUTOR MASCULINO É constituído pelos testículos, dutos genitais, glândulas acessórias e pênis. TESTÍCULO O testículo produz espermatozóides e hormônio masculino e localiza-se

Leia mais

EMBRIOLOGIA HUMANA. -Disciplina: Genética e Embriologia. -Profª: Ana Cristina Confortin -2014/1

EMBRIOLOGIA HUMANA. -Disciplina: Genética e Embriologia. -Profª: Ana Cristina Confortin -2014/1 EMBRIOLOGIA HUMANA -Disciplina: Genética e Embriologia -Profª: Ana Cristina Confortin -2014/1 ÚTERO * Compreender a estrutura do tero é base para compreensão dos ciclos reprodutivos e da implantação do

Leia mais

GAMETOGÊNESE. especializadas chamadas de GAMETAS. As células responsáveis pela formação desses gametas são chamadas de GÔNIAS

GAMETOGÊNESE. especializadas chamadas de GAMETAS. As células responsáveis pela formação desses gametas são chamadas de GÔNIAS Embriologia GAMETOGÊNESE É o processo de formação e desenvolvimento de células especializadas chamadas de GAMETAS As células responsáveis pela formação desses gametas são chamadas de GÔNIAS Espermatogônias

Leia mais

Quais hormônios regulam a ovogênese?

Quais hormônios regulam a ovogênese? Controle Endócrino da Ovogênese Ciclo Sexual Feminino Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 Quais hormônios regulam a ovogênese? 2 1 CONTROLE HORMONAL DA OVOGÊNESE A ovogênese

Leia mais

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Controle Hormonal da Gametogênese Feminina Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Ovários Formato

Leia mais

Reprodução humana. Aula 01. Sistema genital masculino Sistema genital feminino Gametogênese. Espermatogênese Ovogênese UNIDADE 3 ESPÉCIE HUMANA

Reprodução humana. Aula 01. Sistema genital masculino Sistema genital feminino Gametogênese. Espermatogênese Ovogênese UNIDADE 3 ESPÉCIE HUMANA Reprodução humana UNIDADE 3 ESPÉCIE HUMANA Sistema genital masculino Sistema genital feminino Gametogênese CAPÍTULO 11 Espermatogênese Ovogênese Aula 01 1. SISTEMA GENITAL MASCULINO ÓRGÃOS DO SISTEMA GENITAL

Leia mais

GAMETOGÊNESE E INTERAÇÃO HORMONAL: ESPERMATOGÊNESE E OVOGÊNESE

GAMETOGÊNESE E INTERAÇÃO HORMONAL: ESPERMATOGÊNESE E OVOGÊNESE GAMETOGÊNESE E INTERAÇÃO HORMONAL: ESPERMATOGÊNESE E OVOGÊNESE Professora: Valeska Silva Lucena valeskasl@hotmail.com OBJETIVOS Conhecer o que é gametogênese; Reconhecer a importância da gametogênese e

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO 1 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ Atividade Presencial: estudo através de Textos e Questionários realizado em sala de aula SOBRE A FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO CADA ESTUDANTE DEVERÁ IMPRIMIR E LEVAR

Leia mais

BIOLOGIA 12ºano Parte I Reprodução Humana. A estrutura anatómica reprodutiva do homem

BIOLOGIA 12ºano Parte I Reprodução Humana. A estrutura anatómica reprodutiva do homem BIOLOGIA 12ºano Parte I Reprodução Humana Mitose / Meiose Mitose Processo que decorre na divisão do núcleo das células eucarióticas, pelo que se formam núcleos com o mesmo número de cromossomas do núcleo

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA GLÂNDULAS SEXUAIS GÔNADAS MASCULINAS = TESTÍCULOS GÔNADAS FEMININAS = OVÁRIOS PRODUZEM GAMETAS E HORMÔNIOS SEXUAIS CONTROLE HORMONAL DO SISTEMA TESTÍCULOS

Leia mais

e) O indivíduo X é o esporófito proveniente da multiplicação celular mitótica.

e) O indivíduo X é o esporófito proveniente da multiplicação celular mitótica. Aula n ọ 05 01. A meiose é um processo de divisão celular que ocorre na natureza e que visa à produção de esporos ou gametas. Esta divisão celular produz células-filhas com a metade dos cromossomos da

Leia mais

Isabel Dias CEI Biologia 12

Isabel Dias CEI Biologia 12 Ciclo biológico do Homem A espécie humana reproduz-se sexuadamente com participação de indivíduos de sexo diferente. A recombinação genética assegura descendência com grande variabilidade. O ciclo de vida

Leia mais

Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo

Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo Profa. Letícia Lotufo Função Reprodutiva: Diferenciação sexual Função Testicular Função Ovariana Antes e durante a gravidez 1 Diferenciação sexual Sexo Genético

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO É constituído por: uma vulva (genitália externa), uma vagina, um útero, duas tubas uterinas (ovidutos ou trompas de Falópio),

Leia mais

Sistema genital feminino pudendo feminino lábios maiores lábios menores clitóris vestíbulo vaginal clitóris uretra

Sistema genital feminino pudendo feminino lábios maiores lábios menores clitóris vestíbulo vaginal clitóris uretra Sistema Reprodutor 1. Sistema genital feminino a) Órgãos - Clítoris - Vagina - Útero - Tubas uterinas - Ovários b) Hormônios sexuais femininos c) Controle hormonal do ciclo menstrual d) Fecundação O sistema

Leia mais

Sistema reprodutor masculino

Sistema reprodutor masculino Sistema reprodutor masculino O sistema reprodutor masculino é composto por: Testículos Vias espermáticas Glândulas anexas Pênis Saco escrotal Assim como o pênis está localizado externamente ao corpo,

Leia mais

HISTOLOGIA. Folículos ovarianos

HISTOLOGIA. Folículos ovarianos HISTOLOGIA No ovário identificamos duas porções distintas: a medula do ovário, que é constituída por tecido conjuntivo frouxo, rico em vasos sangüíneos, célula hilares (intersticiais), e a córtex do ovário,

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin REPRODUÇÃO HUMANA Profª Fernanda Biazin Puberdade: período de transição do desenvolvimento humano, correspondente à passagem da fase da infância para adolescência. Alterações morfológicas e fisiológicas

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR. Sistema reprodutor feminino

SISTEMA REPRODUTOR. Sistema reprodutor feminino SISTEMA REPRODUTOR A reprodução é de importância tremenda para os seres vivos, pois é por meio dela que os organismos transmitem suas características hereditariamente e garantem a sobrevivência de suas

Leia mais

Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo???

Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo??? Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo??? Lembre-se que os seres humanos só podem ter 46 cromossomos, sendo um par sexual, por exemplo: se dois espermatozóides com cromossomo sexual X e

Leia mais

Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto

Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto Transmissão da Vida... - Morfologia do Aparelho Reprodutor Feminino Útero Trompa de Falópio Colo do útero Vagina

Leia mais

Módulo de Embriologia Geral

Módulo de Embriologia Geral Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP Módulo de Embriologia Geral Responsável: Prof. Ricardo G. P. Ramos -Introdução à Embriologia Humana -Gametogênese e Fertilização Bibliografia recomendada Aspectos

Leia mais

Outubro 2013 VERSÂO 1. 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino.

Outubro 2013 VERSÂO 1. 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. BIOLOGIA 1 12º A Outubro 2013 VERSÂO 1 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. Figura 1 1.1. Complete a legenda da figura 1. 1.2. Identifique a estrutura onde ocorre a

Leia mais

Biologia 12ºA Outubro 2013

Biologia 12ºA Outubro 2013 Biologia 12ºA Outubro 2013 1 VERSÂO 2 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. Figura 1 1.1. Complete a legenda da figura. 1.2. Identifique a estrutura onde ocorre a maturação

Leia mais

Histologia e Embriologia do Sistema Genital Feminino

Histologia e Embriologia do Sistema Genital Feminino Universidade Federal do Pampa Campus Uruguaiana - Curso de Medicina Veterinária Disciplina de Histologia e Embriologia Animal II Histologia e Embriologia do Sistema Genital Feminino Daniela dos Santos

Leia mais

Testículos Epidídimos URI Campus de Santo Ângelo Curso de Psicologia - Anatomofisiologia Prof. Claudio Alfredo Konrat. Prof. Claudio A.

Testículos Epidídimos URI Campus de Santo Ângelo Curso de Psicologia - Anatomofisiologia Prof. Claudio Alfredo Konrat. Prof. Claudio A. Aparelho Reprodutor Masculino Sistema Reprodutor Testículos Epidídimos URI Campus de Santo Ângelo Curso de Psicologia - Anatomofisiologia Prof. Claudio Alfredo Konrat Canais Deferentes Vesículas Seminais

Leia mais

SISTEMAS ENDÓCRINO E REPRODUTOR

SISTEMAS ENDÓCRINO E REPRODUTOR SISTEMAS ENDÓCRINO E REPRODUTOR Jatin Das Funções Reprodutivas e Hormônios Sexuais Masculinos A funções sexuais masculinas podem ser divididas em 3 subníveis principais: a espermatogênese, a realização

Leia mais

GAMETOGÊNESE. Processo de formação e desenvolvimento das células germinativas especializadas OS GAMETAS.

GAMETOGÊNESE. Processo de formação e desenvolvimento das células germinativas especializadas OS GAMETAS. GAMETOGÊNESE 1 GAMETOGÊNESE Processo de formação e desenvolvimento das células germinativas especializadas OS GAMETAS. Gameta masculino Espermatozóide. Gameta feminino Ovócito. Os gametas possuem metade

Leia mais

Classificação: valores

Classificação: valores ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO 1º Teste Sumativo DISCIPLINA DE BIOLOGIA 12ºano Turma A TEMA : Reprodução Humana 20 de Outubro de 2011 90 minutos Nome: Nº Classificação: valores A professora:

Leia mais

FECUNDAÇÃO FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO

FECUNDAÇÃO FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO FECUNDAÇÃO Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO Processo pelo qual o gameta masculino (espermatozóide) se une ao gameta feminino (ovócito) para formar

Leia mais

Biologia 12ºAno. Autor: Francisco Cubal. Unidade da Reprodução Humana até Anexos Embrionários

Biologia 12ºAno. Autor: Francisco Cubal. Unidade da Reprodução Humana até Anexos Embrionários Biologia 12ºAno Autor: Francisco Cubal Unidade da Reprodução Humana até Anexos Embrionários 1. Aparelho Reprodutor Masculino Aparelho Reprodutor Masculino Órgãos Externos Órgãos Internos Escroto (Envolve

Leia mais

Resumo Aula 5- Estrutura e Função dos Sistemas Endócrino e Reprodutor. Funções corporais são reguladas por dois sistemas principais: Sistema Nervoso

Resumo Aula 5- Estrutura e Função dos Sistemas Endócrino e Reprodutor. Funções corporais são reguladas por dois sistemas principais: Sistema Nervoso Curso - Psicologia Disciplina: Bases Biológicas do Comportamento Resumo Aula 5- Estrutura e Função dos Sistemas Endócrino e Reprodutor Sistema Endócrino Funções corporais são reguladas por dois sistemas

Leia mais

Exercícios de Biologia Divisões Celulares - Gametogênese

Exercícios de Biologia Divisões Celulares - Gametogênese Exercícios de Biologia Divisões Celulares - Gametogênese Esta lista foi feita para complementar as vídeo-aulas sobre Divisões Celulares disponibilizadas em Parceria com O Kuadro www.okuadro.com TEXTO PARA

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 37 REPRODUTOR MASCULINO

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 37 REPRODUTOR MASCULINO BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 37 REPRODUTOR MASCULINO Bexiga urinária Vesícula seminal Canal deferente Osso Púbis Pênis Uretra Corpos cavernosos Glande peniana Prepúcio Escroto Testículo Glândula bulbouretal

Leia mais

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO APARELHO REPRODUTOR MASCULINO Aparelho Reprodutor Masculino 250 (partem septos fibrosos) TESTÍCULOS Ä Funções: produzir espermatozóides e hormônio (testosterona) Ä Desenvolvem-se dentro da cavidade abdominal,

Leia mais

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos SISTEMA GENITAL MASCULINO Testículos - São as gônadas ou glândulas sexuais masculinas. Estes encontram-se alojados numa bolsa de pele, o escroto (saco escrotal); - Na fase embrionária estão dentro da cavidade

Leia mais

(www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais que ocorrem no ciclo menstrual, é correto afirmar que

(www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais que ocorrem no ciclo menstrual, é correto afirmar que 01 - (Unicastelo SP) O gráfico representa os níveis de concentração dos diferentes hormônios femininos, no organismo, durante o ciclo menstrual. (www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais

Leia mais

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios OVÁRIOS Fonte de gametas e hormônios OVOGÊNESE No feto células germinativas multiplicamse ovogônias Cresce meiose I para na prófase I ovócito I nascimento milhares de ovócitos primários. Ovócito primário

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO Fixação 1) (UERJ) O gráfico abaixo ilustra um padrão de níveis plasmáticos de vários hormônios durante o ciclo menstrual da mulher. a) Estabeleça

Leia mais

FISIOLOGIA DO EIXO HIPOTÁLAMO - HIPÓFISE OVÁRIO. Rosy Ane de Jesus Pereira Araujo Barros

FISIOLOGIA DO EIXO HIPOTÁLAMO - HIPÓFISE OVÁRIO. Rosy Ane de Jesus Pereira Araujo Barros FISIOLOGIA DO EIXO HIPOTÁLAMO - HIPÓFISE OVÁRIO Rosy Ane de Jesus Pereira Araujo Barros CICLO MENSTRUAL A menstruação é um sangramento genital periódico e temporário na mulher. É um importantes marcador

Leia mais

Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana

Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana Nome: Data: / / 1. Os sistemas reprodutores masculino e feminino são diferentes apesar de serem constituídos por estruturas com

Leia mais

CICLO OVARIANO. Estas alterações estão sob influencia dos hormônios gonadotrópicos da hipófise anterior.

CICLO OVARIANO. Estas alterações estão sob influencia dos hormônios gonadotrópicos da hipófise anterior. CICLO OVARIANO Formado por várias alterações em um ovário, os quais se repetem a intervalos mensais Estas alterações estão sob influencia dos hormônios gonadotrópicos da hipófise anterior. Principais fases

Leia mais

Professor Fernando Stuchi

Professor Fernando Stuchi REPRODUÇÃO Aulas 2 a 5 1º Bimestre Professor Fernando Stuchi Seres Vivos Segundo a Teoria Celular, todos os seres vivos (animais e vegetais) são constituídos por células (exceção dos vírus que não possuem

Leia mais

Embriologia humana: primeira semana de desenvolvimento embrionário

Embriologia humana: primeira semana de desenvolvimento embrionário Embriologia humana: primeira semana de desenvolvimento embrionário Prof. Dr. Daniel F. P. Vasconcelos (Professor Adjunto de Histologia e Embriologia Colegiado de Biomedicina Campus de Parnaíba - UFPI )

Leia mais

DATA: / / DIA DA SEMANA: PERÍODO: ALUNO (A) : CURSO: Esta atividade será realizada no 2º horário de aula,

DATA: / / DIA DA SEMANA: PERÍODO: ALUNO (A) : CURSO: Esta atividade será realizada no 2º horário de aula, UNIVERSIDADE DE CUIABÁ Atividade Presencial: estudo através de Textos e Questionários realizado em sala de aula SOBRE A FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO CADA ESTUDANTE DEVERÁ IMPRIMIR E LEVAR

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO SEXO E DESENVOLVIMENTO DOS ÓRGÃOS SEXUAIS

DETERMINAÇÃO DO SEXO E DESENVOLVIMENTO DOS ÓRGÃOS SEXUAIS DETERMINAÇÃO DO SEXO E DESENVOLVIMENTO DOS ÓRGÃOS SEXUAIS ROSA, Bruna Regina Teixeira da FERREIRA, Manoela Maria Gomes MARTINS, Irana Silva Acadêmicos da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de

Leia mais

ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL

ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL Sistema Endócrino Prof. Fernando Stuchi Introdução à Endocrinologia As múltiplas atividades das células, tecidos e órgãos do corpo são coordenadas pelo inter-relacionamento

Leia mais

VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EMBRIOLOGIA. Ana Cristina Casagrande Vianna

VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EMBRIOLOGIA. Ana Cristina Casagrande Vianna VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EMBRIOLOGIA Conteudista Ana Cristina Casagrande Vianna Rio de Janeiro / 2009 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE

Leia mais

DIFERENCIAÄÅO DIFERENCIAÄÅO SEXUALSEXUAL

DIFERENCIAÄÅO DIFERENCIAÄÅO SEXUALSEXUAL DIFERENCIAÄÅO DIFERENCIAÄÅO SEXUALSEXUAL Desenvolvimento de gçnadas e de sexuais internos e externos sexo genütico - sexo gonádico - sexo fenotàpico ÉrgÑos 1 Os cromossomos sexuais determinam o sexo genético

Leia mais

Sistema Reprodutor MASCULINO

Sistema Reprodutor MASCULINO SISTEMA REPRODUTOR Sistema Reprodutor MASCULINO Pênis Órgão copulador masculino; Corpos cavernosos e corpo esponjoso enchem de sangue ereção; Pênis Glande: rica em terminações nervosas e sensível à estimulação

Leia mais

Reprodução Humana Assistida 2011/2012

Reprodução Humana Assistida 2011/2012 Reprodução Humana Assistida 2011/2012 HORMONAS SEXUAIS HIPOFIOTRÓFICAS HORMONAS PRODUZIDAS PELA HIPÓFISE ANTERIOR Reprodução Humana Assistida (2011-2012) Acção das Hormonas Sexuais Fisiologia da Reprodução

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA. Lásaro Henrique

REPRODUÇÃO HUMANA. Lásaro Henrique REPRODUÇÃO HUMANA Lásaro Henrique GAMETOGÊNESE Processo de formação de gametas. Pode ser: Espermatogênese Ovulogênese ESPERMATOGÊNESE Ocorre nos tubos seminíferos,das paredes para a luz de cada tubo. ETAPAS

Leia mais

FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO

FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO O sistema reprodutivo masculino é constituído de diversos órgãos peculiares que atuam em conjunto para produzir espermatozóides e liberá- los no sistema reprodutor

Leia mais

Fisiologia do Sistema Reprodutivo

Fisiologia do Sistema Reprodutivo Fisiologia do Sistema Reprodutivo Profa. Geanne Matos de Andrade Depto de Fisiologia e Farmacologia Objetivos ajudar o estudante a: Descrev er em linhas gerais o papel dos hormônios e fatores relacionados

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR. Prof. André Maia

SISTEMA REPRODUTOR. Prof. André Maia SISTEMA REPRODUTOR Denomina-se reprodução a capacidade que os seres vivos possuem de produzir descendentes. Ocorre a reprodução sexuada no homem, ou seja, para que esta reprodução aconteça é necessário

Leia mais

CURSOS ESPECIAIS MED - 03

CURSOS ESPECIAIS MED - 03 Méd Aplicada - Profa. Emanuelli CURSOS ESPECIAIS MED - 03 REPRODUÇÃO HUMANA 01-(UNIFESP-08) Louise Brown nasceu em julho de 1978, em Londres, e foi o primeiro bebê de proveta, por fecundação artificial

Leia mais

GENÉTICA APLICADA AO MELHORAMENTO ANIMAL

GENÉTICA APLICADA AO MELHORAMENTO ANIMAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL GENÉTICA APLICADA AO MELHORAMENTO ANIMAL 1. DIVISÃO DO MATERIAL

Leia mais

Ciclo Menstrual. Ciclo Menstrual. Ciclo ovariano. Ciclo ovariano 17/08/2014. (primeira menstruação) (ausência de menstruação por 1 ano)

Ciclo Menstrual. Ciclo Menstrual. Ciclo ovariano. Ciclo ovariano 17/08/2014. (primeira menstruação) (ausência de menstruação por 1 ano) CICLO MENSTRUAL Ciclo Menstrual A maioria das mulheres passará por 300 a 400 ciclos menstruais durante sua vida Os ciclos variam entre 21 a 36 dias, em média 28 dias O sangramento dura de 3 a 8 dias A

Leia mais

Gametogênese. Meiose 18/05/2015. Espermatogênese: desenvolvimento, maturação e estrutura das células germinativas masculinas

Gametogênese. Meiose 18/05/2015. Espermatogênese: desenvolvimento, maturação e estrutura das células germinativas masculinas Espermatogênese: desenvolvimento, maturação e estrutura das células germinativas masculinas MSc. André Teves Aquino Gonçalves de Freitas Supervisão: Prof. Adj. Wellerson Rodrigo Scarano Gametogênese Processo

Leia mais

CIÊNCIAS DA NATUREZA REVISÃO 1 REVISÃO 2 INTERATIVIDADE SISTEMA SOLAR

CIÊNCIAS DA NATUREZA REVISÃO 1 REVISÃO 2 INTERATIVIDADE SISTEMA SOLAR SISTEMA SOLAR 2 Aula de Revisão 1 Planeta terra Somos todos habitantes do planeta Terra. É nosso dever mantê-lo habitável. 3 Planeta Terra habitável 4 Planeta Terra não habitável 5 Dicas para cuidar melhor

Leia mais

Ciclo Menstrual. Uma das queixas mais comuns, na clínica ginecológica, são as irregularidades do ciclo menstrual. 400 a 500 óvulos durante a sua vida.

Ciclo Menstrual. Uma das queixas mais comuns, na clínica ginecológica, são as irregularidades do ciclo menstrual. 400 a 500 óvulos durante a sua vida. Profª. Keyla Ruzi Ciclo Menstrual Uma das queixas mais comuns, na clínica ginecológica, são as irregularidades do ciclo menstrual. 400 a 500 óvulos durante a sua vida. Ciclo Menstrual Conceitos iniciais

Leia mais

Aparelho Genital Feminino

Aparelho Genital Feminino Aparelho Genital Feminino Função : Produz óvulos; Secreção de hormonas; Nutre e protege o desenvolvimento do feto. Constituição: Ovários; Trompas uterinas; Útero; Vagina; Órgãos genitais externos; Mamas.

Leia mais

Biologia 1 aula 6 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS SISTEMA REPRODUTOR I

Biologia 1 aula 6 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS SISTEMA REPRODUTOR I Biologia 1 aula 6 SISTEMA REPRODUTOR I 1. A espermatogênese está ligada, como qualquer outro fenômeno metabólico, ao acionamento de hormônios, mediante o comando da hipófise e dos testículos. É uma sequência

Leia mais

Posso fazer a barba?

Posso fazer a barba? A UU L AL A Posso fazer a barba? Você estudou na Aula 6 as transformações que acontecem durante a puberdade feminina. Agora chegou a hora de falarmos da puberdade masculina. Para os meninos, a puberdade

Leia mais

Resumo Aula 5- Estrutura e Função dos Sistemas Endócrino e Reprodutor. Funções corporais são reguladas por dois sistemas principais: Sistema Nervoso

Resumo Aula 5- Estrutura e Função dos Sistemas Endócrino e Reprodutor. Funções corporais são reguladas por dois sistemas principais: Sistema Nervoso Curso - Psicologia Disciplina: Bases Biológicas do Comportamento Resumo Aula 5- Estrutura e Função dos Sistemas Endócrino e Reprodutor Sistema Endócrino Funções corporais são reguladas por dois sistemas

Leia mais

A neurohipófise tem comunicação

A neurohipófise tem comunicação A aula de hoje é sobre o eixo hipotálamohipófise - ovário. Porque que nós vamos falar desse eixo? Porque é ele que rege toda a fisiologia hormonal feminina, então pra nós falarmos do ciclo menstrual, nós

Leia mais

Sistema Endócrino: controle hormonal

Sistema Endócrino: controle hormonal Sistema Endócrino: controle hormonal Todos os processos fisiológicos estudados até agora, como digestão, respiração, circulação e excreção, estão na dependência do sistema que fabrica os hormônios. O sistema

Leia mais

Aparelho Reprodutor Feminino

Aparelho Reprodutor Feminino Aparelho Reprodutor Feminino Profa Elaine C. S. Ovalle Aparelho Reprodutor Feminino Composto por: - ovários - tubas uterinas - útero - vagina - glândulas mamárias 1 Ovários Funções do Sistema Genital Feminino

Leia mais

Unidade 1 REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

Unidade 1 REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE Unidade 1 REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE A formação dos gâmetas implica a ocorrência de meiose e designa-se por gametogénese. Os gâmetas são as células reprodutoras, contendo n cromossomas (23)

Leia mais

Gametogênese e Aberrações cromossômicas. Profº MSc. Leandro Felício

Gametogênese e Aberrações cromossômicas. Profº MSc. Leandro Felício Gametogênese e Aberrações cromossômicas Profº MSc. Leandro Felício Gametogênese (espermatogênese) EPIDÍDIMO (armazena espermatozóides ) (em corte transversal) Ampliação de um TESTÍCULO Túbulo seminífero

Leia mais

Excreção. Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas.

Excreção. Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas. Fisiologia Animal Excreção Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas. Sistema urinario Reabsorção de açucar, Glicose, sais, água. Regula volume sangue ADH: produzido pela

Leia mais

Sistema reprodutivo Alexandre P. Rosa

Sistema reprodutivo Alexandre P. Rosa Fisiologia das aves Sistema reprodutivo Aparelho Reprodutor da Fêmea Espécie Gallus gallus domesticus Até o sétimo dia do desenvolvimento embrionário não existe uma diferenciação entre macho e fêmea. As

Leia mais

Fecundação, desenvolvimento embrionário e gestação. Isabel Dias CEI Biologia 12

Fecundação, desenvolvimento embrionário e gestação. Isabel Dias CEI Biologia 12 Fecundação, desenvolvimento embrionário e gestação Formação de um novo ser encontro do oócito II com espermatozóides Fecundação formação de um ovo desenvolvimento contínuo e dinâmico, com a duração em

Leia mais

Exercícios de Reprodução Comparada

Exercícios de Reprodução Comparada Exercícios de Reprodução Comparada Material de apoio do Extensivo 1. (PUC) Os seres vivos podem reproduzir-se sexuada ou assexuadamente. Sobre este assunto, destaque a afirmativa correta: a) A reprodução

Leia mais

Núcleo Celular. Carlos Moura

Núcleo Celular. Carlos Moura Núcleo Celular Carlos Moura Características do núcleo: Descoberta do núcleo celular por Robert Brown 1833; Presente nas células eucariontes; Delimitado pelo envoltório celular Carioteca. Regular as reações

Leia mais

PUBERDADE. Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual

PUBERDADE. Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual Puberdade PUBERDADE Transição entre a infância e a vida adulta Transformações físicas e psíquicas complexas Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual Desenvolvimento

Leia mais

O sistema reprodutor feminino. Os ovários e os órgãos acessórios. Aula N50

O sistema reprodutor feminino. Os ovários e os órgãos acessórios. Aula N50 O sistema reprodutor feminino. Os ovários e os órgãos acessórios. Aula N50 Sistema reprodutor feminino Ovários = produz óvulos Tubas uterinas = transportam e protegem os óvulos Útero = prove meio adequado

Leia mais

SISTEMA UROGENITAL MASCULINO: ASPECTOS EMBRIOLÓGICOS. Profa. Dra. Maria. Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA

SISTEMA UROGENITAL MASCULINO: ASPECTOS EMBRIOLÓGICOS. Profa. Dra. Maria. Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA SISTEMA UROGENITAL MASCULINO: ASPECTOS EMBRIOLÓGICOS Profa. Dra. Maria Angélica Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA Sistema Urogenital Sistema urinário: Excreção Sistema genital: Reprodução Origem

Leia mais

TD DE CIÊNCIAS 8ª. série PROFa. Marjory Tôrres. INTRODUÇÃO À GENÉTICA Os princípios básicos da Hereditariedade

TD DE CIÊNCIAS 8ª. série PROFa. Marjory Tôrres. INTRODUÇÃO À GENÉTICA Os princípios básicos da Hereditariedade TD DE CIÊNCIAS 8ª. série PROFa. Marjory Tôrres INTRODUÇÃO À GENÉTICA Os princípios básicos da Hereditariedade Todas as pessoas são diferentes, cada um é único, apresentam características que são próprias

Leia mais

3º ano-lista de exercícios-reprodução humana

3º ano-lista de exercícios-reprodução humana 1. (Udesc) Observe o gráfico a seguir em que estão representadas as curvas de crescimento (médias) de diferentes partes do corpo. (HARRISON, G. A. et al., apud SANTOS, M. A. dos. BIOLOGIA EDUCACIONAL.

Leia mais

Glândulas endócrinas:

Glândulas endócrinas: SISTEMA ENDOCRINO Glândulas endócrinas: Funções: Secreções de substâncias (hormônios) que atuam sobre célula alvo Regulação do organismo (homeostase) Hormônios: Substâncias químicas que são produzidas

Leia mais

Minha filha está ficando uma moça!

Minha filha está ficando uma moça! Minha filha está ficando uma moça! A UU L AL A O que faz as meninas se transformarem em mulheres? O que acontece com seu corpo? Em geral, todos nós, homens e mulheres, somos capazes de lembrar muito bem

Leia mais

Sistema reprodutor masculino e feminino: origem, organização geral e histologia

Sistema reprodutor masculino e feminino: origem, organização geral e histologia Sistema reprodutor masculino e feminino: origem, organização geral e histologia CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DOS SISTEMAS TEGUMENTAR, LOCOMOTOR E REPRODUTOR Profa. Msc. Ângela Cristina Ito Sistema reprodutor

Leia mais

SISTEMAS ENDÓCRINO E REPRODUTOR

SISTEMAS ENDÓCRINO E REPRODUTOR SISTEMAS ENDÓCRINO E REPRODUTOR Jatin Das Funções Reprodutivas e Hormônios Sexuais Masculinos A funções sexuais masculinas podem ser divididas em 3 subníveis principais: a espermatogênese, a realização

Leia mais

REPRODUÇÃO GERAL NOS MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Ismar Araújo de Moraes Fisiologia Veterinária

REPRODUÇÃO GERAL NOS MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Ismar Araújo de Moraes Fisiologia Veterinária REPRODUÇÃO GERAL NOS MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Ismar Araújo de Moraes Fisiologia Veterinária INTRODUÇÃO REVISÃO DOS ASPECTOS ANATÔMICOS http://www.fao.org/wairdocs/ilri/x5442e/x5442e05.gif 1- corno uterino

Leia mais

Sistema Reprodutor 1

Sistema Reprodutor 1 Sistema Reprodutor 1 APARELHO REPRODUTOR MASCULINO 2 Funções Reprodutivas Espermatogênese: formação do esperma Regulação das funções sexuais masculinas pelos diversos hormônios Ato sexual masculino 3 Anatomia

Leia mais

ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL

ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL Sistema Endócrino Prof. Fernando Stuchi Introdução Os mensageiros químicos do corpo (hormônios) são produzidos pelas glândulas endócrinas ou glândulas de secreção interna,

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR. Profª Talita Silva Pereira

SISTEMA REPRODUTOR. Profª Talita Silva Pereira SISTEMA REPRODUTOR Profª Talita Silva Pereira O sistema reprodutor masculino é formado: Testículos Vias espermáticas: epidídimo, canal deferente, uretra. Pênis e Escroto Glândulas anexas: próstata, vesículas

Leia mais

hipófise hipotálamo GnRH

hipófise hipotálamo GnRH Ciclo Menstrual hipófise hipotálamo GnRH Ciclo Menstrual Neurônios dopaminérgicos GnRH Fator liberador das gonadotrofinas hipofisárias Hipófise anterior Hipófise posterior ACTH TSH GH LH FSH PRL Vasopressina(ADH)

Leia mais