DATA: / / DIA DA SEMANA: PERÍODO: ALUNO (A) : CURSO: Esta atividade será realizada no 2º horário de aula,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DATA: / / DIA DA SEMANA: PERÍODO: ALUNO (A) : CURSO: Esta atividade será realizada no 2º horário de aula,"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ Atividade Presencial: estudo através de Textos e Questionários realizado em sala de aula SOBRE A FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO CADA ESTUDANTE DEVERÁ IMPRIMIR E LEVAR PARA SALA DE AULA ESTE MATERIAL PARA REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE: LEITURA INDIVIDUAL E REALIZAÇÃO DOS EXERCÍCIOS DATA: / / DIA DA SEMANA: PERÍODO: ALUNO (A) : CURSO: Esta atividade será realizada no 2º horário de aula, Orientações: 1- Cada aluno deverá imprimir e levar para sala de aula o seu próprio material; 2- A atividade poderá ser desenvolvida em grupos (+/- 6 alunos por grupo), daí organizaremse em pequenos círculos; colaborar fazendo silêncio para que todos do grupo possam ler e realizar os exercícios propostos; 3- Cada aluno deverá LER INDIVIDUALMENTE os textos relacionados sobre a fisiologia do sistema reprodutor masculino com atenção, eles abordam a espermatogênese, o ato sexual masculino e o controle hormonal; 4- O objetivo deste estudo dirigido proposto pelos professores de morfo-1 é estimular a leitura, a interpretação de texto, instigar a correlação da função (fisiologia) à forma do órgão genital, revisando anatomia e histologia, e praticar exercícios de múltipla escolha; 5- São 30 exercícios que deverão ser realizados individualmente em sala de aula com a supervisão do professor. 6- Esta Atividade de Aprendizagem é Presencial, portanto, NÃO PODERÁ SER VISTADA EM OUTRA DATA OU HORÁRIO. No término da aula, cada aluno deverá entregar para o professor presente em sala de aula (Lillian, Ricardo, Darléia ou Clarissa). O gabarito será divulgado na próxima aula. 1

2 INTRODUÇÃO As funções reprodutivas masculinas podem ser divididas em três grandes subdivisões: (1) espermatogênese, que significa simplesmente a produção do espermatozóide; (2) desempenho do ato sexual masculino; e (3) regulação das funções reprodutivas por vários hormônios. Associados a essas funções reprodutivas estão os efeitos dos hormônios sexuais masculinos sobre os órgãos sexuais acessórios, metabolismo celular, crescimento, e outras funções do organismo. ANATOMIA FISIOLÓGICA DOS ÓRGÃOS SEXUAIS MASCULINOS O testículo é composto por até 900 túbulos seminíferos enrolados, onde é formado o esperma; cada um tem em média, mais de um metro de comprimento. O esperma, então, é despejado no epidídimo,outro tubo enrolado de aproximadamente 6 metros de comprimento. O epidídimo conduz ao canal deferente, que se alarga na ampola do canal deferente imediatamente antes de o canal entrar no corpo da glândula prostática. Duas vesículas seminais, uma de cada lado da próstata, desembocam na terminação prostática da ampola, e os conteúdos tanto da ampola como das vesículas seminais passam para o ducto ejaculatório, são conduzidos através do corpo da glândula prostática e, então, deságuam na uretra prostática. ESPERMATOGÊNESE Os espermatozóides são produzidos nos túbulos seminíferos. A parede desses túbulos são formadas por um epitélio germinativo ou seminífero que é envolto por uma lâmina basal e por uma bainha de tecido conjuntivo formado de algumas camadas de fibroblastos. A camada mais interna, aderida a lamina basal consiste em células mioides achatadas e contrateis que tem características de células musculares lisas. As células intersticiais ou de Leydig ocupam a maior parte do espaço entre os túbulos seminíferos. O epitélio seminífero consiste em dois tipos de células: células de Sertoli e células da linhagem germinativa ou espermatogênica. Estas últimas se dispõem na ultima camada e a função das mesmas é produzir os espermatozóides. A produção dos espermatozóides é chamada espermatogênese, um processo que inclui mitose e meiose e a diferenciação final em espermatozóides, chamada espermiogênese. O processo começa com uma célula primitiva germinativa chamada espermatogônia, que é uma célula relativamente pequena. Por ocasião da puberdade as espermatogônias começam a se dividir por mitose e produzem sucessivas gerações de células. As células filhas podem seguir dois caminhos: elas podem continuar se dividindo mantendo-se como células tronco de outras espermatogônias, e são chamadas espermatogônias de tipo A. o segundo caminho possível das células filhas é diferenciarem-se em durante sucessivos ciclos de divisão para se tornarem espermatogônias do tipo B. Estas são as células progenitoras que se diferenciarão em espermatócitos primários. Logo após a sua formação as espermatócitos primários entram na primeira divisão meiótica, e desta divisão são formadas duas células menores chamadas espermatócitos secundários, que logo entram na segunda divisão meiótica. A divisão de cada um dos espermatócitos secundários resulta na formação de duas células, as espermátides. A espermiogênese é a parte final na produção dos espermatozóides e é o processo pelo qual as espermátides se transformam em espermatozóides, células altamente especializadas para transferir o DNA masculino ao ovócito. Nenhuma divisão celular ocorre durante este processo. A espermiogênese é um processo 2

3 complexo que inclui a formação do acrossomo, condensação e alongamento do núcleo, desenvolvimento do flagelo e perda da maior parte do citoplasma. O resultado final é a formação do espermatozóide, que é liberado no lúmen do túbulo seminífero. A espermiogênese pode ser dividida em três etapas: Etapa do complexo de Golgi - Grânulos pré-acrossômicos acumulados no complexo de golgi se fundem, formando um grânulo acrossomático no interior da vesícula acrossomática. Etapa do acrossomo - A vesícula e o grânulo acrossômico se estendem como um capuz sobre a face anterior do núcleo, que se torna alongado e condensado. Formação do flagelo; Há um acúmulo de mitocôndrias na porção proximal do flagelo. O acrossomo contém enzimas hidrolíticas e proteases, e portanto, assemelha-se a um lisossomo. São importantes para a digestão da corona radiata e dissociam a zona pelúcida do óvulo durante a reação acrossômica na fecundação. Etapa de maturação Ocorre o desprendimento de parte do citoplasma e a liberação dos espermatozóides na luz do túbulo seminífero. Os espermatozóides são transportados ao epidídimo através do fluido testicular produzido pelas células de Sértoli e da rede testicular. As células de Sertoli espermatogênese e a As células de Sértoli são essenciais para a função dos testículos. Envolvem parcialmente as células da linhagem espermatogênica, suas bases se aderem à lâmina basal e seus ápices se voltam para a luz do túbulo seminífero. São extremamente resistentes à desnutrição, infecções, radiações. Suas funções incluem suporte, proteção e nutrição dos espermatozóides em desenvolvimento; fagocitose, secreção, produção do hormônio antimulleriano e ainda forma a barreira hematotesticular. 3

4 Ao final da espermiogênese, os espermatozóides são imóveis e devem passar por um processo de maturação, no epidídimo. Este processo inclui alterações na motilidade, metabolismo e morfologia do gameta masculino. É durante este processo que o espermatozóide adquire motilidade e capacidade de fecundação. Contribuição das glândulas acessórias para a viabilidade dos espermatozóides As glândulas acessórias genitais são as vesículas seminais, a próstata e as glândulas bulbouretrais, produtoras de secreções essenciais para a função reprodutiva no homem. As vesículas seminais não são reservatórios para os espermatozóides. Elas produzem uma secreção amarelada que contém substâncias importantes para a viabilidade dos gametas masculinos, como por exemplo, a frutose, citrato, inositol, prostaglandinas e várias proteínas. A secreção prostática contém diversas substâncias, entre elas o lactato, responsável por neutralizar o ph ácido vaginal. Por sua vez, as glândulas bulbouretrais secretam uma secreção lubrificante. FISIOLOGIA DO ESPERMATOZÓIDE MADURO Velocidade de movimentação é de cerca de 1 a 4 mm/min., sendo que a mesma é aumentada em meio levemente alcalino, daí a grande importância da secreção prostática, já que o ph vaginal é ácido. Do mesmo modo, o aumento da temperatura aumenta a motilidade do espermatozóide, mas reduz sua vida média que no trato genital feminino é de 24 a 48 horas. 4

5 EXERCÍCIOS RESPONDIDOS PELO(A) ALUNO(A) DIA / / Agora que você já leu o texto responda as questões que se seguem. As respostas de todas as questões encontram-se no texto. Qualquer dúvida volte no texto, releia, interprete, pois a informação que você procura certamente está incluída nas linhas acima. 1) O órgão de cópula masculino é: A) Próstata B) Vesícula seminal C) Glândula bulbouretral D) Pênis E) Corpo cavernoso 2) A função da próstata é: A) Armazenar os espermatozóides B) É local de maturação dos espermatozóides C) É o local de produção dos espermatozóides D) Produção de uma secreção de ph alcalino (básico) E) Produção de uma secreção lubrificante 3) Assinale a opção que indica uma célula que não pertence à linhagem espermatogênica: A) Espermátide B) Espermatócito primário C) Espermatócito secundário D) Célula de Sértoli E) Espermatogônia tipo A 4) O processo pelo qual as espermátides se transformam em espermatozóides recebe o nome de: A) Espermatogênese B) Primeira divisão meiótica C) Segunda divisão meiótica D) Espermiogenese E) Espermatocitogênese 5) Sobre o processo citado na questão anterior, é correto afirmar que: A) Ocorrem divisões celulares somente por mitose B) Ocorrem divisões celulares somente por meiose C) Ocorrem divisões celulares por mitose e meiose D) Seu resultado é a formação do espermatozóide, que é liberado na luz do túbulo seminífero E) É dividido em 4 etapas principais 6) Ainda sobre o processo descrito na questão número 4, é possível dizer corretamente que durante o mesmo não ocorre: A) Formação do acrossomo B) Condensação e alongamento do núcleo C) Desenvolvimento do flagelo D) Perda da maior parte do citoplasma E) Divisão celular 7) As células progenitoras que se diferenciarão em espermatócitos primários a partir da puberdade são: A) Espermatogônias tipo A B) Espermatogônias tipo B C) Espermatócitos secundários D) Espermátides E) Espermatozóides 8) As espermátides resultam da divisão de qual célula? A) Espermatogônias tipo A B) Espermatogônias tipo B C) Espermatócitos secundários D) Espermatócitos primários E) Espermatozóides 9) A formação da barreira hematotesticular é função: A) Da célula de Leydig B) Das espermatogônias C) Da célula de Sertoli D) Dos túbulos seminíferos E) Do tecido intersticial 10) A motilidade e a capacidade de fecundação são adquiridos pelos espermatozóides: A) Durante a maturação, no epidídimo. B) Durante a segunda divisão celular, no túbulo seminífero. C) Durante a capacitação, na luz do túbulo seminífero. D) Durante a maturação, no ducto deferente. E) Durante a ejaculação, no canal ejaculatório. 11) A glândula acessória que secreta um muco lubrificante contendo galactose é a: A) Próstata B) Vesícula seminal C) Bulbouretral D) Epidídimo E) De Sertoli 12) A glândula que possui grande importância para a neutralização do ph acido vaginal é a: A) Próstata B) Vesícula seminal C) Bulbouretral D) Epidídimo E) De Sertoli 13) A maior parte do volume do sêmen é dado: A) Pela secreção prostática B) Pelos espermatozóides C) Pela secreção das glândulas bulbouretrais D) Pela secreção das vesículas seminais E) Pela secreção dos túbulos seminiferos 5

6 O ATO SEXUAL MASCULINO A fonte mais importante de sinais sensoriais neurais para iniciar o ato sexual masculino é a glande do pênis. A glande contém um sistema órgão terminal sensorial especialmente sensível que transmite uma modalidade especial de sensação para o sistema nervoso central: a sensação sexual. Os impulsos podem também entrar na medula espinhal a partir de áreas adjacentes ao pênis, contribuindo para estimular o ato sexual. Por exemplo, a estimulação do epitélio anal, do escroto e de estruturas perineais em geral pode enviar sinais para a medula espinhal que aumentam a sensação sexual. As sensações sexuais podem se originar mesmo em estruturas internas, tais como a uretra, bexiga, próstata, vesículas seminais, testículos e canal deferente. De fato, uma das causas do impulso sexual é o preenchimento dos órgãos sexuais com secreções. Uma inflamação e uma infecção suaves desses órgãos algumas vezes provocam um desejo sexual quase contínuo, e algumas drogas afrodisíacas induzem o desejo sexual por causar irritação da bexiga e da mucosa uretral, induzindo inflamação e congestão vascular. Além do mais, estímulos psíquicos apropriados podem aumentar em muito a habilidade de uma pessoas manter um ato sexual. Estágios do ato sexual masculino 1. Ereção peniana a ereção peniana é o primeiro efeito do estímulo sexual masculino, e o grau da ereção é proporcional ao estímulo seja ele físico ou psíquico. A ereção é causada pelos impulsos parassimpáticos que passam da região sacral da medula espinal através dos nervos pélvicos para o pênis. Estas fibras (nervos) parassimpáticas liberam oxido nítrico como neurotransmissor além da acetilcolina. O óxido nítrico relaxa as artérias penianas, promovendo a entrada de sangue nos tecidos eréteis, assim como relaxa as malhas no tecido erétil dos corpos cavernosos e no corpo esponjoso no pênis. Este tecido se torna extremamente dilatado quando o fluxo sanguíneo arterial flui para seu interior. O enchimento do tecido erétil em tal extensão faz com que o pênis se torne enrijecido e alongado. Este é o fenômeno da ereção. 2. Lubrificação os impulsos parassimpáticos, durante a estimulação sexual, além de promover a ereção, induzem a secreção de muco pelas glândulas bulbouretrais. Este muco flui através da uretra auxiliando a lubrificação durante o ato sexual e a movimentação dos espermatozóides. No entanto, a maior parte da lubrificação do coito é dada pelas secreções femininas. 3. Emissão e Ejaculação a emissão e a ejaculação são o clímax do ato sexual masculino e dependem da função dos nervos do sistema simpático. A emissão é o enchimento da uretra interna com o muco das glândulas bulbouretrais, os fluidos da vesícula seminal e da próstata, que ocorrem após a contração da ampola do ducto deferente que expulsa os espermatozóides para o interior da uretra. Este preenchimento induz a contração dos tecidos que compõem a base dos tecidos penianos, desencadeando a ejaculação do sêmen para o exterior do organismo masculino. Este período de emissão e ejaculação é o orgasmo masculino. No final, a excitação sexual desaparece quase inteiramente em 1 ou 2 minutos e a ereção cessa, um processo chamado de resolução. 6

7 EXERCÍCIOS RESPONDIDOS PELO(A) ALUNO(A) DIA / / Do mesmo modo como feito na etapa anterior, responda os exercícios a seguir. Caso não saiba a resposta de imediato, retorne ao texto! Todas as respostas estão presentes nas linhas que você acabou de ler. 14) A fonte mais importante de sinais sensoriais para o estímulo do ato sexual é: A) A glande do pênis B) A uretra C) O escroto D) O testículo E) O bulbo do pênis 18) A emissão e ejaculação são funções exercidas: A) Pelo sistema nervoso simpático B) Pelo sistema nervoso parassimpático C) Pelo sistema músculo-esquelético D) Pelas secreções das glândulas acessórias E) Pelos músculos pélvicos 15) O primeiro efeito da estimulação sexual masculina é: A) A emissão B) A ejaculação C) A ereção peniana D) A contração da ampola do ducto deferente E) Os estímulos simpáticos 16) As fibras parassimpáticas que fazem a inervação peniana liberam como neurotransmissor: A) Adrenalina B) Noradrenalina C) Epinefrina D) Óxido nítrico E) Oxido nitroso 19) Ao final do ato sexual a ereção cessa. Este fenômeno recebe o nome de: A) Ejaculação B) Emissão C) Orgasmo D) Ejeção E) Resolução 20) A ereção é resultado direto: A) Da lubrificação B) Do enchimento dos tecidos eréteis com sangue C) Da emissão D) Do enchimento da uretra de secreções E) Da resolução 17) A ereção peniana é função: A) Do sistema nervoso simpático B) Do sistema nervoso parassimpático C) Da contração do músculo estriado peniano D) Da ação da próstata E) Da liberação de adrenalina 7

8 CONTROLE HORMONAL DAS FUNÇÕES SEXUAIS MASCULINAS Os testículos secretam muitos hormônios sexuais masculinos que são chamados coletivamente de andrógenos, sendo o mais importante deles a testosterona. Entretanto, existem outros hormônios de grande importância para a função sexual masculina. A testosterona, produzida pelas células de Leydig no tecido intersticial do testículo, é essencial para o crescimento e a divisão das células da linhagem espermatogênica. O hormônio luteinizante (LH), secretado pela hipófise anterior, estimula as celulas de Leydig a produzir testosterona. A hipófise anterior ainda produz um outro hormônio, chamado hormônio folículo estimulante (FSH), que estimula as células de Sertoli durante a espermatogênese. Sem esta estimulação, a transformação das espermátides em espermatozóides (espermiogênese) não ocorreria. Para estudá-los e entender como estes hormônios interagem entre si, acompanhe a figura ao lado, que será explicada nos parágrafos seguintes. O hormônio liberador de gonadotropina (GnRH) é produzido pelo hipotálamo e atua na hipófise anterior (na figura está indicada como pituitária anterior). Sob o efeito do GnRH, a hipofise anterior produz dois hormônios: LH e FSH. O hormônio luteinizante atua no testículo sobre as células de Leydig, fazendo com que estas células secretem a testosterona. O hormônio folículo estimulante também atua no testículo, só que desta vez, as células-alvo são as células de Sertoli. Sob o efeito do FSH, as células de sertoli auxiliam a espermatogênese. Como Observado na figura ao lado, a testosterona também estimula as células de Sertoli a participarem da espermatogênese. Portanto, podemos afirmar que as células de Sertoli recebem dois estímulos para realizarem suas funções durante a espermatogênese: o FSH e o LH. A testosterona em excesso inibe a produção do GnRH, e isto causa a redução da produção dos demais hormônios envolvidos, incluindo a própria testosterona. Por isso, indivíduos que fazem uso de testosterona exógena cessam a produção de testosterona endógena, o que causa diversos problemas de ordem reprodutiva e sexual. O ultimo hormônio é a inibina, que é produzida pelas células de Sertoli com a função de regular a espermatogênese. 8

9 Veja os resumos a seguir: Em geral, a testosterona é responsável pelas características que diferenciam o organismo masculino do feminino. Ela atua em diversos sistemas orgânicos, conforme podemos ver nesta ilustração 9

10 EXERCÍCIOS RESPONDIDOS PELO(A) ALUNO(A) DIA / / Responda as questões a seguir. Volte ao texto sempre que necessário, lembre-se todas as respostas estão contidas nos parágrafos acima!!! 21) Assinale a alternativa que indica um hormônio que inibe a espermatogênese: 22) É um hormônio produzido pelo hipotálamo: 23) São hormônios que atuam no testículo: A) LH e FSH B) LH e GnRH C) Inibina e testosterona D) GnRH E) Inibina 24) É um hormônio produzido pelas células de Leydig: 25) Assinale a alternativa que cita o hormônio cujas características são descritas a seguir: É produzido pela hipófise anterior em resposta a ação do GnRH. Sua ação se dá sobre as células de Leydig no tecido intersticial do testículo. 26) Assinale a alternativa que cita corretamente o hormônio descrito a seguir: É produzido pelas células de Leydig e atua nas células de Sertoli e em vários sistemas orgânicos. O excesso deste hormônio, induz o controle por feedback negativo, reduzindo a produção dele mesmo. 27) É um hormônio produzido pela hipófise anterior e que exerce sua ação nas células de Sertoli: 28) Não é um efeito da testosterona: A) Estímulo da espermatogênese B) Estímulo para a produção de hemácias C) Desenvolvimento muscular D) Redução do metabolismo basal E) Aumento da espessura da pele 10

11 29) Assinale a alternativa que indica respectivamente, o local de produção e de atuação do hormônio FSH: A) Hipófise anterior; células de Leydig B) Hipófise anterior; células de Sertoli C) Hipotálamo, células intersticiais do testículo D) Célula de Leydig, células de Sertoli E) Hipófise anterior, células intersticiais do testículo 30) Assinale a alternativa que indica os dois hormônios que atuam sobre a célula de Sertoli: A) FSH e LH e inibina e inibina D) FSH e testosterona E) GnRH e LH REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Tratado de Fisiologia Médica. Guyton & Hall. 11ª Edição. Ed. Elsevier 2. Fisiologia Humana - Uma Abordagem Integrada. Silverthorn. 5º Edição. Ed. ARTMED 3. Histologia Básica. Junqueira e Carneiro. 10ª Edição. Ed. Guanabara. EXERCITE PREENCHER O GABARITO DE RESPOSTAS COMO SE FOSSE UMA PROVA ou CONCURSO Utilizando apenas LETRAS MAIÚSCULAS como respostas Respondendo com CANETA AZUL OU PRETA Após a divulgação do Gabarito, corrija observando que: respostas rasuradas anulam a questão! Caso responda certo na própria questão mas marque errado no gabarito, vale sempre a resposta do gabarito! Gratos pela compreensão! Professores: Ricardo, Lillian e Clarissa Gabarito de respostas do Estudo de Textos sobre a Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino: Dia da semana ª feira /Período Data: / / Nota:

GAMETOGÊNESE MASCULINA: ESPERMATOGÊNESE ESPERMATOGÊNESE

GAMETOGÊNESE MASCULINA: ESPERMATOGÊNESE ESPERMATOGÊNESE GAMETOGÊNESE MASCULINA: ESPERMATOGÊNESE Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano 1 ESPERMATOGÊNESE Definição Processo pelo qual se formam os gametas masculinos, os espermatozóides, a partir de células germinativas

Leia mais

Reprodução humana. Aula 01. Sistema genital masculino Sistema genital feminino Gametogênese. Espermatogênese Ovogênese UNIDADE 3 ESPÉCIE HUMANA

Reprodução humana. Aula 01. Sistema genital masculino Sistema genital feminino Gametogênese. Espermatogênese Ovogênese UNIDADE 3 ESPÉCIE HUMANA Reprodução humana UNIDADE 3 ESPÉCIE HUMANA Sistema genital masculino Sistema genital feminino Gametogênese CAPÍTULO 11 Espermatogênese Ovogênese Aula 01 1. SISTEMA GENITAL MASCULINO ÓRGÃOS DO SISTEMA GENITAL

Leia mais

Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo

Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo Profa. Letícia Lotufo Função Reprodutiva: Diferenciação sexual Função Testicular Função Ovariana Antes e durante a gravidez 1 Diferenciação sexual Sexo Genético

Leia mais

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos SISTEMA GENITAL MASCULINO Testículos - São as gônadas ou glândulas sexuais masculinas. Estes encontram-se alojados numa bolsa de pele, o escroto (saco escrotal); - Na fase embrionária estão dentro da cavidade

Leia mais

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO. É constituído pelos testículos, dutos genitais, glândulas acessórias e pênis.

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO. É constituído pelos testículos, dutos genitais, glândulas acessórias e pênis. REPRODUÇÃO HUMANA APARELHO REPRODUTOR MASCULINO É constituído pelos testículos, dutos genitais, glândulas acessórias e pênis. TESTÍCULO O testículo produz espermatozóides e hormônio masculino e localiza-se

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 37 REPRODUTOR MASCULINO

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 37 REPRODUTOR MASCULINO BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 37 REPRODUTOR MASCULINO Bexiga urinária Vesícula seminal Canal deferente Osso Púbis Pênis Uretra Corpos cavernosos Glande peniana Prepúcio Escroto Testículo Glândula bulbouretal

Leia mais

SISTEMAS ENDÓCRINO E REPRODUTOR

SISTEMAS ENDÓCRINO E REPRODUTOR SISTEMAS ENDÓCRINO E REPRODUTOR Jatin Das Funções Reprodutivas e Hormônios Sexuais Masculinos A funções sexuais masculinas podem ser divididas em 3 subníveis principais: a espermatogênese, a realização

Leia mais

Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino. Carla Cristina Zeppenfeld Doutoranda Zootecnia

Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino. Carla Cristina Zeppenfeld Doutoranda Zootecnia Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino Carla Cristina Zeppenfeld Doutoranda Zootecnia Introdução Durante a gestação, a diferenciação sexual se dá ou não pela presença do hormônio antimülleriano e da

Leia mais

BIOLOGIA 12ºano Parte I Reprodução Humana. A estrutura anatómica reprodutiva do homem

BIOLOGIA 12ºano Parte I Reprodução Humana. A estrutura anatómica reprodutiva do homem BIOLOGIA 12ºano Parte I Reprodução Humana Mitose / Meiose Mitose Processo que decorre na divisão do núcleo das células eucarióticas, pelo que se formam núcleos com o mesmo número de cromossomas do núcleo

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO 1 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ Atividade Presencial: estudo através de Textos e Questionários realizado em sala de aula SOBRE A FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO CADA ESTUDANTE DEVERÁ IMPRIMIR E LEVAR

Leia mais

Resumo Aula 5- Estrutura e Função dos Sistemas Endócrino e Reprodutor. Funções corporais são reguladas por dois sistemas principais: Sistema Nervoso

Resumo Aula 5- Estrutura e Função dos Sistemas Endócrino e Reprodutor. Funções corporais são reguladas por dois sistemas principais: Sistema Nervoso Curso - Psicologia Disciplina: Bases Biológicas do Comportamento Resumo Aula 5- Estrutura e Função dos Sistemas Endócrino e Reprodutor Sistema Endócrino Funções corporais são reguladas por dois sistemas

Leia mais

Sistema reprodutor masculino

Sistema reprodutor masculino Sistema reprodutor masculino O sistema reprodutor masculino é composto por: Testículos Vias espermáticas Glândulas anexas Pênis Saco escrotal Assim como o pênis está localizado externamente ao corpo,

Leia mais

Testículos Epidídimos URI Campus de Santo Ângelo Curso de Psicologia - Anatomofisiologia Prof. Claudio Alfredo Konrat. Prof. Claudio A.

Testículos Epidídimos URI Campus de Santo Ângelo Curso de Psicologia - Anatomofisiologia Prof. Claudio Alfredo Konrat. Prof. Claudio A. Aparelho Reprodutor Masculino Sistema Reprodutor Testículos Epidídimos URI Campus de Santo Ângelo Curso de Psicologia - Anatomofisiologia Prof. Claudio Alfredo Konrat Canais Deferentes Vesículas Seminais

Leia mais

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO APARELHO REPRODUTOR MASCULINO Aparelho Reprodutor Masculino 250 (partem septos fibrosos) TESTÍCULOS Ä Funções: produzir espermatozóides e hormônio (testosterona) Ä Desenvolvem-se dentro da cavidade abdominal,

Leia mais

Sistema genital feminino pudendo feminino lábios maiores lábios menores clitóris vestíbulo vaginal clitóris uretra

Sistema genital feminino pudendo feminino lábios maiores lábios menores clitóris vestíbulo vaginal clitóris uretra Sistema Reprodutor 1. Sistema genital feminino a) Órgãos - Clítoris - Vagina - Útero - Tubas uterinas - Ovários b) Hormônios sexuais femininos c) Controle hormonal do ciclo menstrual d) Fecundação O sistema

Leia mais

Isabel Dias CEI Biologia 12

Isabel Dias CEI Biologia 12 Ciclo biológico do Homem A espécie humana reproduz-se sexuadamente com participação de indivíduos de sexo diferente. A recombinação genética assegura descendência com grande variabilidade. O ciclo de vida

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO É constituído por: uma vulva (genitália externa), uma vagina, um útero, duas tubas uterinas (ovidutos ou trompas de Falópio),

Leia mais

FISIOLOGIA. 7. Sistema Reprodutor Masculino. Anatomia e Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino

FISIOLOGIA. 7. Sistema Reprodutor Masculino. Anatomia e Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino FISIOLOGIA 7. Sistema Reprodutor Masculino Sistema Reprodutor Masculino Anatomia e Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino Espermatogênese e condução do espermatozóide Função da Vesícula Seminal Função

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin REPRODUÇÃO HUMANA Profª Fernanda Biazin Puberdade: período de transição do desenvolvimento humano, correspondente à passagem da fase da infância para adolescência. Alterações morfológicas e fisiológicas

Leia mais

GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO

GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO GAMETOGÊNESES O processo de formação de gametas, na maioria dos animais, se dád através s da meiose e recebe a denominação de gametogênese..

Leia mais

Módulo de Embriologia Geral

Módulo de Embriologia Geral Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP Módulo de Embriologia Geral Responsável: Prof. Ricardo G. P. Ramos -Introdução à Embriologia Humana -Gametogênese e Fertilização Bibliografia recomendada Aspectos

Leia mais

e) O indivíduo X é o esporófito proveniente da multiplicação celular mitótica.

e) O indivíduo X é o esporófito proveniente da multiplicação celular mitótica. Aula n ọ 05 01. A meiose é um processo de divisão celular que ocorre na natureza e que visa à produção de esporos ou gametas. Esta divisão celular produz células-filhas com a metade dos cromossomos da

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Sistema Urinário

ANATOMIA HUMANA II. Sistema Urinário ANATOMIA HUMANA II Educação Física Sistema Genito-urinário Prof. Me. Fabio Milioni Sistema Urinário Função Excretar substâncias do corpo urina (Micção) (ác. úrico, ureia, sódio, potássio, etc) Órgãos rins

Leia mais

Biologia 12ºAno. Autor: Francisco Cubal. Unidade da Reprodução Humana até Anexos Embrionários

Biologia 12ºAno. Autor: Francisco Cubal. Unidade da Reprodução Humana até Anexos Embrionários Biologia 12ºAno Autor: Francisco Cubal Unidade da Reprodução Humana até Anexos Embrionários 1. Aparelho Reprodutor Masculino Aparelho Reprodutor Masculino Órgãos Externos Órgãos Internos Escroto (Envolve

Leia mais

FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO

FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO O sistema reprodutivo masculino é constituído de diversos órgãos peculiares que atuam em conjunto para produzir espermatozóides e liberá- los no sistema reprodutor

Leia mais

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA GLÂNDULAS SEXUAIS GÔNADAS MASCULINAS = TESTÍCULOS GÔNADAS FEMININAS = OVÁRIOS PRODUZEM GAMETAS E HORMÔNIOS SEXUAIS CONTROLE HORMONAL DO SISTEMA TESTÍCULOS

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR. Sistema reprodutor feminino

SISTEMA REPRODUTOR. Sistema reprodutor feminino SISTEMA REPRODUTOR A reprodução é de importância tremenda para os seres vivos, pois é por meio dela que os organismos transmitem suas características hereditariamente e garantem a sobrevivência de suas

Leia mais

FECUNDAÇÃO FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO

FECUNDAÇÃO FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO FECUNDAÇÃO Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO Processo pelo qual o gameta masculino (espermatozóide) se une ao gameta feminino (ovócito) para formar

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Disciplina de Embriologia Material organizado e elaborado pela professora LUZMARINA HERNANDES GAMETOGÊNESE

Universidade Estadual de Maringá Disciplina de Embriologia Material organizado e elaborado pela professora LUZMARINA HERNANDES GAMETOGÊNESE Universidade Estadual de Maringá Disciplina de Embriologia Material organizado e elaborado pela professora LUZMARINA HERNANDES GAMETOGÊNESE Os gametas são os veículos de transferência dos genes para as

Leia mais

Posso fazer a barba?

Posso fazer a barba? A UU L AL A Posso fazer a barba? Você estudou na Aula 6 as transformações que acontecem durante a puberdade feminina. Agora chegou a hora de falarmos da puberdade masculina. Para os meninos, a puberdade

Leia mais

SISTEMAS ENDÓCRINO E REPRODUTOR

SISTEMAS ENDÓCRINO E REPRODUTOR SISTEMAS ENDÓCRINO E REPRODUTOR Jatin Das Funções Reprodutivas e Hormônios Sexuais Masculinos A funções sexuais masculinas podem ser divididas em 3 subníveis principais: a espermatogênese, a realização

Leia mais

Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana

Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana Nome: Data: / / 1. Os sistemas reprodutores masculino e feminino são diferentes apesar de serem constituídos por estruturas com

Leia mais

GAMETOGÊNESE E INTERAÇÃO HORMONAL: ESPERMATOGÊNESE E OVOGÊNESE

GAMETOGÊNESE E INTERAÇÃO HORMONAL: ESPERMATOGÊNESE E OVOGÊNESE GAMETOGÊNESE E INTERAÇÃO HORMONAL: ESPERMATOGÊNESE E OVOGÊNESE Professora: Valeska Silva Lucena valeskasl@hotmail.com OBJETIVOS Conhecer o que é gametogênese; Reconhecer a importância da gametogênese e

Leia mais

O que é gametogênese?

O que é gametogênese? O que é gametogênese? É o processo pelo qual os gametas são produzidos nos organismos dotados de reprodução sexuada. Nos animais, a gametogênese acontece nas gônadas, órgãos que também produzem os hormônios

Leia mais

Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto

Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto Transmissão da Vida... - Morfologia do Aparelho Reprodutor Feminino Útero Trompa de Falópio Colo do útero Vagina

Leia mais

Classificação: valores

Classificação: valores ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO 1º Teste Sumativo DISCIPLINA DE BIOLOGIA 12ºano Turma A TEMA : Reprodução Humana 20 de Outubro de 2011 90 minutos Nome: Nº Classificação: valores A professora:

Leia mais

Anatomia da Reprodução Masculina

Anatomia da Reprodução Masculina FUPAC Fundação Presidente Antônio Carlos Faculdade Presidente Antônio Carlos de Uberlândia CURSO: MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: FISIOPATOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Anatomia da Reprodução Masculina Prof.

Leia mais

Sistema reprodutor masculino e feminino

Sistema reprodutor masculino e feminino ANATOMIA E FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS Sistema reprodutor masculino e feminino Valdirene Zabot valdirene@unochapeco.edu.br Introdução O sistema genital masculino está constituído principalmente por:

Leia mais

SISTEMAS GENITAIS HUMANOS

SISTEMAS GENITAIS HUMANOS https://naturalmath.wikispaces.com/birds+and+learning SISTEMAS GENITAIS HUMANOS Maximiliano Mendes 2015 maxaug.blogspot.com Youtube.com/maxaug 1 Somos uma espécie: Dioica: cada organismo possui apenas

Leia mais

CIÊNCIAS DA NATUREZA REVISÃO 1 REVISÃO 2 INTERATIVIDADE SISTEMA SOLAR

CIÊNCIAS DA NATUREZA REVISÃO 1 REVISÃO 2 INTERATIVIDADE SISTEMA SOLAR SISTEMA SOLAR 2 Aula de Revisão 1 Planeta terra Somos todos habitantes do planeta Terra. É nosso dever mantê-lo habitável. 3 Planeta Terra habitável 4 Planeta Terra não habitável 5 Dicas para cuidar melhor

Leia mais

Ereção: inundação dos corpos cavernosos e esponjoso com sangue, tornando o pênis rijo, com considerável aumento do tamanho excitação sexual e durante

Ereção: inundação dos corpos cavernosos e esponjoso com sangue, tornando o pênis rijo, com considerável aumento do tamanho excitação sexual e durante 1 2 Ereção: inundação dos corpos cavernosos e esponjoso com sangue, tornando o pênis rijo, com considerável aumento do tamanho excitação sexual e durante o sono é comum ereções noturnas durante o sono

Leia mais

Outubro 2013 VERSÂO 1. 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino.

Outubro 2013 VERSÂO 1. 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. BIOLOGIA 1 12º A Outubro 2013 VERSÂO 1 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. Figura 1 1.1. Complete a legenda da figura 1. 1.2. Identifique a estrutura onde ocorre a

Leia mais

Biologia 12ºA Outubro 2013

Biologia 12ºA Outubro 2013 Biologia 12ºA Outubro 2013 1 VERSÂO 2 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. Figura 1 1.1. Complete a legenda da figura. 1.2. Identifique a estrutura onde ocorre a maturação

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR. Prof. André Maia

SISTEMA REPRODUTOR. Prof. André Maia SISTEMA REPRODUTOR Denomina-se reprodução a capacidade que os seres vivos possuem de produzir descendentes. Ocorre a reprodução sexuada no homem, ou seja, para que esta reprodução aconteça é necessário

Leia mais

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios OVÁRIOS Fonte de gametas e hormônios OVOGÊNESE No feto células germinativas multiplicamse ovogônias Cresce meiose I para na prófase I ovócito I nascimento milhares de ovócitos primários. Ovócito primário

Leia mais

ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGICA DE SÃO JOSÉ DE RIO PRETO SP

ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGICA DE SÃO JOSÉ DE RIO PRETO SP ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGICA DE SÃO JOSÉ DE RIO PRETO SP Tema Citológico: Morfologia da Espermatogênese Autor: Joeder

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO

SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO Anatomia Genitália externa: pênis e bolsa escrotal; Órgãos reprodutores internos: testículos culos, epidídimos dimos, ductos(deferente, ejaculador e uretra) e as glândulas

Leia mais

ANATOMIA I Profª Ingrid Frederico Barreto ICA 1 ESTUDO DIRIGIDO: OSSOS. Objetivo: Ajudar o estudante a rever os conteúdos de forma aplicada.

ANATOMIA I Profª Ingrid Frederico Barreto ICA 1 ESTUDO DIRIGIDO: OSSOS. Objetivo: Ajudar o estudante a rever os conteúdos de forma aplicada. ANATOMIA I Profª Ingrid Frederico Barreto ICA 1 ESTUDO DIRIGIDO: OSSOS Objetivo: Ajudar o estudante a rever os conteúdos de forma aplicada. 1. Liste todos os ossos do esqueleto axial. 2. Liste todos os

Leia mais

Sistema reprodutivo Alexandre P. Rosa

Sistema reprodutivo Alexandre P. Rosa Fisiologia das aves Sistema reprodutivo Aparelho Reprodutor da Fêmea Espécie Gallus gallus domesticus Até o sétimo dia do desenvolvimento embrionário não existe uma diferenciação entre macho e fêmea. As

Leia mais

Professor Fernando Stuchi

Professor Fernando Stuchi REPRODUÇÃO Aulas 2 a 5 1º Bimestre Professor Fernando Stuchi Seres Vivos Segundo a Teoria Celular, todos os seres vivos (animais e vegetais) são constituídos por células (exceção dos vírus que não possuem

Leia mais

Bom trabalho! FICHA DE TRABALHO BIOLOGIA 12ºANO. Grupo I ESCOLA SECUNDÁRIA DOM MANUEL MARTINS 2007/08. Tigres vs. Alunos (Descubra as diferenças!

Bom trabalho! FICHA DE TRABALHO BIOLOGIA 12ºANO. Grupo I ESCOLA SECUNDÁRIA DOM MANUEL MARTINS 2007/08. Tigres vs. Alunos (Descubra as diferenças! ESCOLA SECUNDÁRIA DOM MANUEL MARTINS 2007/08 BIOLOGIA 12ºANO FICHA DE TRABALHO Bom trabalho! Tigres vs. Alunos (Descubra as diferenças! ) Grupo I Nos estudos efectuados nos últimos anos verificou-se a

Leia mais

GAMETOGÊNESE. especializadas chamadas de GAMETAS. As células responsáveis pela formação desses gametas são chamadas de GÔNIAS

GAMETOGÊNESE. especializadas chamadas de GAMETAS. As células responsáveis pela formação desses gametas são chamadas de GÔNIAS Embriologia GAMETOGÊNESE É o processo de formação e desenvolvimento de células especializadas chamadas de GAMETAS As células responsáveis pela formação desses gametas são chamadas de GÔNIAS Espermatogônias

Leia mais

Fisiologia humana 0 (parte IV) Hormônios e reprodução. Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.

Fisiologia humana 0 (parte IV) Hormônios e reprodução. Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms. Fisiologia humana 0 (parte IV) Hormônios e reprodução Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ Sistema Endócrino Composto pelas glândulas endócrinas integra e regula

Leia mais

Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo???

Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo??? Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo??? Lembre-se que os seres humanos só podem ter 46 cromossomos, sendo um par sexual, por exemplo: se dois espermatozóides com cromossomo sexual X e

Leia mais

Sistema Endócrino: controle hormonal

Sistema Endócrino: controle hormonal Sistema Endócrino: controle hormonal Todos os processos fisiológicos estudados até agora, como digestão, respiração, circulação e excreção, estão na dependência do sistema que fabrica os hormônios. O sistema

Leia mais

EMBRIOLOGIA HUMANA. -Disciplina: Genética e Embriologia. -Profª: Ana Cristina Confortin -2014/1

EMBRIOLOGIA HUMANA. -Disciplina: Genética e Embriologia. -Profª: Ana Cristina Confortin -2014/1 EMBRIOLOGIA HUMANA -Disciplina: Genética e Embriologia -Profª: Ana Cristina Confortin -2014/1 ÚTERO * Compreender a estrutura do tero é base para compreensão dos ciclos reprodutivos e da implantação do

Leia mais

GAMETOGÊNESE. Processo de formação e desenvolvimento das células germinativas especializadas OS GAMETAS.

GAMETOGÊNESE. Processo de formação e desenvolvimento das células germinativas especializadas OS GAMETAS. GAMETOGÊNESE 1 GAMETOGÊNESE Processo de formação e desenvolvimento das células germinativas especializadas OS GAMETAS. Gameta masculino Espermatozóide. Gameta feminino Ovócito. Os gametas possuem metade

Leia mais

Gametogênese (espermatogênese)

Gametogênese (espermatogênese) Gametogênese (espermatogênese) Células germinativas (2n) Epidídimo (armazena espermatozóides) Período germinativo Período de crescimento Mitose 2n Mitoses Crescimento sem divisão celular 2n 2n 2n Túbulo

Leia mais

ESTUDO BASE 8 ANO. Prof. Alexandre

ESTUDO BASE 8 ANO. Prof. Alexandre ESTUDO BASE 8 ANO Prof. Alexandre FORMA E FUNÇÃO Natureza FORMA E FUNÇÃO Artificiais FORMA E FUNÇÃO Todos os objetos apresentam uma relação intíma entre sua forma e função Relação = FORMA/FUNÇÃO BIOLOGIA

Leia mais

3º ano-lista de exercícios-reprodução humana

3º ano-lista de exercícios-reprodução humana 1. (Udesc) Observe o gráfico a seguir em que estão representadas as curvas de crescimento (médias) de diferentes partes do corpo. (HARRISON, G. A. et al., apud SANTOS, M. A. dos. BIOLOGIA EDUCACIONAL.

Leia mais

Exercícios de Biologia Divisões Celulares - Gametogênese

Exercícios de Biologia Divisões Celulares - Gametogênese Exercícios de Biologia Divisões Celulares - Gametogênese Esta lista foi feita para complementar as vídeo-aulas sobre Divisões Celulares disponibilizadas em Parceria com O Kuadro www.okuadro.com TEXTO PARA

Leia mais

Reprodução Humana Assistida 2011/2012

Reprodução Humana Assistida 2011/2012 Reprodução Humana Assistida 2011/2012 HORMONAS SEXUAIS HIPOFIOTRÓFICAS HORMONAS PRODUZIDAS PELA HIPÓFISE ANTERIOR Reprodução Humana Assistida (2011-2012) Acção das Hormonas Sexuais Fisiologia da Reprodução

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO. Prof. Dr. José Gomes Pereira

SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO. Prof. Dr. José Gomes Pereira Prof. Dr. José Gomes Pereira 1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES 2. CONSTITUINTES 2.1. Testículos 2.2. Ductos Genitais 2.3. Glândulas Genitais Acessórias 2.4. Uretra 2.5. Pênis Testículos Envoltórios testiculares

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR. Profª Talita Silva Pereira

SISTEMA REPRODUTOR. Profª Talita Silva Pereira SISTEMA REPRODUTOR Profª Talita Silva Pereira O sistema reprodutor masculino é formado: Testículos Vias espermáticas: epidídimo, canal deferente, uretra. Pênis e Escroto Glândulas anexas: próstata, vesículas

Leia mais

Quais hormônios regulam a ovogênese?

Quais hormônios regulam a ovogênese? Controle Endócrino da Ovogênese Ciclo Sexual Feminino Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 Quais hormônios regulam a ovogênese? 2 1 CONTROLE HORMONAL DA OVOGÊNESE A ovogênese

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA: FECUNDAÇÃO

REPRODUÇÃO HUMANA: FECUNDAÇÃO Autores: Priscila Mayumi Kashiwabara Ana Beatriz Vitiritti Débora Frigi Rodrigues Dimitson Ferreira de Oliveira Elisama Silva de Oliveira Márcio Moreno REPRODUÇÃO HUMANA: FECUNDAÇÃO Contexto: Esta aula

Leia mais

Glândulas endócrinas:

Glândulas endócrinas: SISTEMA ENDOCRINO Glândulas endócrinas: Funções: Secreções de substâncias (hormônios) que atuam sobre célula alvo Regulação do organismo (homeostase) Hormônios: Substâncias químicas que são produzidas

Leia mais

Sistema Nervoso. Divisão Anatômica e Funcional 10/08/2010. Sistema Nervoso. Divisão. Funções gerais. Sistema nervoso central (SNC)

Sistema Nervoso. Divisão Anatômica e Funcional 10/08/2010. Sistema Nervoso. Divisão. Funções gerais. Sistema nervoso central (SNC) Sistema Nervoso Divisão Anatômica e Funcional Sistema Nervoso Divisão Sistema nervoso central (SNC) Sistema nervoso periférico (SNP) Partes Encéfalo Medula espinhal Nervos Gânglios Funções gerais Processamento

Leia mais

ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL

ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL Sistema Endócrino Prof. Fernando Stuchi Introdução à Endocrinologia As múltiplas atividades das células, tecidos e órgãos do corpo são coordenadas pelo inter-relacionamento

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 41 APARELHO REPRODUTOR MASCULINO

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 41 APARELHO REPRODUTOR MASCULINO BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 41 APARELHO REPRODUTOR MASCULINO Como pode cair no enem? (PUC) A produção do hormônio luteinizante estimula as células intersticiais ou de Leydig a liberar um hormônio que,

Leia mais

SISTEMA UROGENITAL MASCULINO: ASPECTOS EMBRIOLÓGICOS. Profa. Dra. Maria. Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA

SISTEMA UROGENITAL MASCULINO: ASPECTOS EMBRIOLÓGICOS. Profa. Dra. Maria. Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA SISTEMA UROGENITAL MASCULINO: ASPECTOS EMBRIOLÓGICOS Profa. Dra. Maria Angélica Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA Sistema Urogenital Sistema urinário: Excreção Sistema genital: Reprodução Origem

Leia mais

Puberdade Normal. Mª Joana Santos, Olinda Marques Serviço de Endocrinologia - Hospital de Braga

Puberdade Normal. Mª Joana Santos, Olinda Marques Serviço de Endocrinologia - Hospital de Braga Puberdade Normal Mª Joana Santos, Olinda Marques Serviço de Endocrinologia - Hospital de Braga Definição Fase do processo contínuo de desenvolvimento, que vai desde o início dos primeiros sinais pubertários

Leia mais

Aparelho Genital Masculino

Aparelho Genital Masculino Aparelho Genital Masculino Função Produz, nutre e transporta os espermatozóides; Produção de hormonas; Reprodução sexuada. Constituição Testículos; Epidídimo e canal deferente; Vesícula seminal; Canal

Leia mais

Fisiologia do Sistema Reprodutivo

Fisiologia do Sistema Reprodutivo Fisiologia do Sistema Reprodutivo Profa. Geanne Matos de Andrade Depto de Fisiologia e Farmacologia Objetivos ajudar o estudante a: Descrev er em linhas gerais o papel dos hormônios e fatores relacionados

Leia mais

Resumo Aula 5- Estrutura e Função dos Sistemas Endócrino e Reprodutor. Funções corporais são reguladas por dois sistemas principais: Sistema Nervoso

Resumo Aula 5- Estrutura e Função dos Sistemas Endócrino e Reprodutor. Funções corporais são reguladas por dois sistemas principais: Sistema Nervoso Curso - Psicologia Disciplina: Bases Biológicas do Comportamento Resumo Aula 5- Estrutura e Função dos Sistemas Endócrino e Reprodutor Sistema Endócrino Funções corporais são reguladas por dois sistemas

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Licenciatura em Educação Física Disciplina: Fisiologia Humana Professor: Ricardo Marques Nogueira Filho e-mail: ricardonogfilho@ig.com.br Código: Carga Horária:

Leia mais

DIFERENCIAÄÅO DIFERENCIAÄÅO SEXUALSEXUAL

DIFERENCIAÄÅO DIFERENCIAÄÅO SEXUALSEXUAL DIFERENCIAÄÅO DIFERENCIAÄÅO SEXUALSEXUAL Desenvolvimento de gçnadas e de sexuais internos e externos sexo genütico - sexo gonádico - sexo fenotàpico ÉrgÑos 1 Os cromossomos sexuais determinam o sexo genético

Leia mais

Sistema Endócrino. Introdução. Glândulas e suas secreções. 1. Hipotálamo: 2. Hipófise anterior (adeno-hipófise):

Sistema Endócrino. Introdução. Glândulas e suas secreções. 1. Hipotálamo: 2. Hipófise anterior (adeno-hipófise): Introdução Sistema Endócrino O sistema endócrino é composto por um grupo de tecidos especializados (glândulas) cuja função é produzir e liberar na corrente sanguínea substâncias chamadas Hormônios. Os

Leia mais

Recuperação Final CFB 8º ano do EF

Recuperação Final CFB 8º ano do EF COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II SEÇÃO TÉCNICA DE ENSINO Recuperação Final CFB 8º ano do EF Aluno: Série: 8º ano Turma: Data: de dezembro de 2015 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Esta prova é um documento

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA. Lásaro Henrique

REPRODUÇÃO HUMANA. Lásaro Henrique REPRODUÇÃO HUMANA Lásaro Henrique GAMETOGÊNESE Processo de formação de gametas. Pode ser: Espermatogênese Ovulogênese ESPERMATOGÊNESE Ocorre nos tubos seminíferos,das paredes para a luz de cada tubo. ETAPAS

Leia mais

Perpetuando a vida - 2

Perpetuando a vida - 2 A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Perpetuando a vida - 2 Atenção - Maria, olhe só o resultado do exame: positivo para gonadotrofina coriônica! Alberto e Maria olharam um para o outro, sem

Leia mais

002 Biologista. Valor de cada questão: 2 pontos

002 Biologista. Valor de cada questão: 2 pontos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS 002 Biologista Valor de cada questão: 2 pontos Essa Prova Objetiva terá

Leia mais

ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL

ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL Sistema Endócrino Prof. Fernando Stuchi Introdução Os mensageiros químicos do corpo (hormônios) são produzidos pelas glândulas endócrinas ou glândulas de secreção interna,

Leia mais

COLÉGIO SÃO PAULO Rio de Janeiro, junho/2014.

COLÉGIO SÃO PAULO Rio de Janeiro, junho/2014. COLÉGIO SÃO PAULO Rio de Janeiro, junho/2014. ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA PARCIAL ORIENTAÇÃO DE ESTUDO DISCIPLINA: Biologia (2ª série) PROFESSOR: Priscila Temas/Capítulos - Cap 12 Núcleo, divisões

Leia mais

Abstinência sexual: acto de privar-se temporária ou permanentemente da actividade sexual.

Abstinência sexual: acto de privar-se temporária ou permanentemente da actividade sexual. Glossário A Abstinência sexual: acto de privar-se temporária ou permanentemente da actividade sexual. Afrodisíaco: substância que se acredita excitar o desejo sexual e aumentar a capacidade para a actividade

Leia mais

Sistema Reprodutor Humano

Sistema Reprodutor Humano Agradecimento: Ao Professor Paulo Roberto que disponibilizou esta aula: http://pt.slideshare.net/biologia_ PreFederal/aula-sistemareprodutor-14165294 Muito Obrigado! Introdução O sistema reprodutor humano

Leia mais

II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares:

II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares: Capítulo 1: Parte 3 1 II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares: O epitélio que participa principalmente da secreção está geralmente disposto em estruturas denominadas glândulas. As substâncias

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO Fixação 1) (UERJ) O gráfico abaixo ilustra um padrão de níveis plasmáticos de vários hormônios durante o ciclo menstrual da mulher. a) Estabeleça

Leia mais

PUBERDADE. Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual

PUBERDADE. Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual Puberdade PUBERDADE Transição entre a infância e a vida adulta Transformações físicas e psíquicas complexas Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual Desenvolvimento

Leia mais

VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EMBRIOLOGIA. Ana Cristina Casagrande Vianna

VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EMBRIOLOGIA. Ana Cristina Casagrande Vianna VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EMBRIOLOGIA Conteudista Ana Cristina Casagrande Vianna Rio de Janeiro / 2009 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE

Leia mais

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente.

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e identificar as condições ambientais externas e as condições internas do organismo 1 LOCALIZAÇÃO: SISTEMA NERVOSO - CORPOS CELULARES:

Leia mais

ACERVO DIGITAL FASE II. Histologia do Sistema Reprodutor Masculino

ACERVO DIGITAL FASE II. Histologia do Sistema Reprodutor Masculino ACERVO DIGITAL FASE II Histologia do Sistema Reprodutor Masculino I-Testículo Material: Testículo Maduro Método: HE Observação com aumento total de 40x: Neste aumento são observados os túbulos seminíferos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA GERAL HORMÔNIOS MASCULINOS

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA GERAL HORMÔNIOS MASCULINOS UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA GERAL HORMÔNIOS MASCULINOS Andiara Onizzolo Marques Isadora Schmachtenberg Manoela Zaccani Maristela Ullrich

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Ciências Aeronáuticas. Sistema Endócrino. Prof. Raimundo Júnior M.Sc.

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Ciências Aeronáuticas. Sistema Endócrino. Prof. Raimundo Júnior M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Ciências Aeronáuticas Sistema Endócrino Prof. Raimundo Júnior M.Sc. Sistema Hormonal atua como um sistema de controle e regulação (assim como o

Leia mais