CARACTERIZAÇÃO DE UMA CIDADE PEQUENA INSERIDA NO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO MATO-GROSSENSE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARACTERIZAÇÃO DE UMA CIDADE PEQUENA INSERIDA NO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO MATO-GROSSENSE"

Transcrição

1 IXI ENCONTRO NACIONAL DE GEOGRAFIA AGRÁRIA, São Paulo, 2009, pp CARACTERIZAÇÃO DE UMA CIDADE PEQUENA INSERIDA NO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO MATO-GROSSENSE CARACTERIZACIÓN DE UMA CIUDAD PEQUEÑA EN EL CONTEXTO DE AGRONEGOCIO MATO-GROSSENSE André Luiz Santos Portela Universidade Federal de Mato Grosso Natalya Loverde Parpinelli Universidade Federal de Mato Grosso Resumo: Esse trabalho tem por objetivo caracterizar a dinâmica de uma cidade pequena inserida no contexto do agronegócio Mato-Grossense, tomaremos como exemplo o município de Campo Novo do Parecís, localizado a noroeste do estado de Mato Grosso na área de expansão da fronteira agrícola nos anos 70 e 80. A mesma apresenta altos índices de produção agrícola, filiais de grandes empresas multinacionais, e ainda destaca-se em capacidade de armazenagem de grãos, SEPLAN (2006). Segundo Carlos (1996), existem inúmeros exemplos de cidades pequenas que se especializaram produtivamente, fazendo parte da rede urbana globalizada, possuindo assim uma dinâmica própria dentro deste contexto. A metodologia utilizada constou de levantamentos bibliográficos e coleta de dados primários. Concluindo-se que a forma de ocupação e o momento histórico em que isso ocorre, influenciam diretamente na dinâmica e economia destas cidades pequenas, inseridas em área de expansão da fronteira agrícola, fazendo com que a economia destas se voltem exclusivamente para a agricultura de exportação, e fortalecimento do capital. Palavras Chaves: Cidade pequena; Agronegócio; Fronteira Resumen: Este trabajo tuvo como objetivo caracterizar la dinámica de una ciudad pequeña inserta en el contexto de agronegocios Mato-Grossense, tomar como ejemplo la ciudad de Campo Novo de Parecis, ubicada al noroeste del estado de Mato Grosso en el área de expansión de la frontera agrícola en los años 70 y 80. Se muestra altos

2 2 XIX ENGA, São Paulo, 2009 PORTELA, A. L. S. e PARPINELLI, N. L. índices de la producción agrícola, filiales de grandes empresas multinacionales, y, sin embargo, hay una capacidad de almacenamiento de grano, SEPLAN (2006). De acuerdo con Carlos (1996), hay innumerables ejemplos de ciudades pequeñas que se han especializado productiva como parte de la red urbana globalizada, por lo tanto, tener un gran dinamismo dentro de este contexto. La metodología consistió en encuestas bibliográfica y la recopilación de datos primarios. Concluyendo que la forma de ocupación y el momento histórico en que esto ocurre, una influencia directa sobre la dinámica y la economía de estas pequeñas ciudades incluidas en la zona fronteriza de la expansión agrícola, causando la economía de una vuelta exclusivamente para la agricultura, la exportación, y el fortalecimiento de la capital. Palabras clave: Pequeñas Ciudad; Agronegocio; Frontera. Introdução Observamos que está ocorrendo uma rápida mudança no uso do solo em escala global, principalmente nos trópicos, onde os diversos fatores, dentre os quais o clima, favorece a produção agrícola. O estado do Mato Grosso vem ganhado cada vez mais destaque no cenário nacional e internacional, principalmente no aspecto econômico graças ao elevado índice apresentado pela produção agropecuária dos últimos anos. Vários municípios destacam-se a nível estadual / nacional pela sua produção agrícola, como exemplo Campo Novo do Parecís, criado em julho de 1988, localizado a Noroeste do estado de Mato Grosso, na mesorregião Norte mato-grossense, microrregião do Parecís. As mudanças ocorridas nos ecossistemas estão fortemente associadas aos processos de desenvolvimento socioeconômico, a intensificação do uso agrícola, degradação e uso indevido da terra, principalmente em países subdesenvolvidos. Lambin (apud Anderson et al, 2002) relata que o conhecimento e o entendimento necessário para se compreender estes processos ainda estão muito fragmentados para estimar o vasto impacto destas mudanças nos sistemas naturais e sociais. (ANDERSON et al, 2003).

3 Caracterização de uma cidade pequena inserida no contexto do agronegócio matogrossense, pp Distante aproximadamente 397 km da capital - Cuiabá, a uma altitude media de 572 m e área de 9.448,38 km² ( ,40 ha.), contando com uma população de habitantes (IBGE, 2007). Apresenta altos índices de produção agrícola, e através do cultivo da soja se mantém há alguns anos, nos primeiros lugares do ranking dos maiores produtores deste grão no estado, alem disso ainda destaca-se em capacidade de armazenagem da produção (62 armazéns convencionais e 03 graneleiros), segundo dados fornecidos pelo Anuário Estatístico de Mato Grosso (SEPLAN, 2006), destacando-se assim como uma cidade pequena de dinâmica agrícola tecnificada. Sendo assim este artigo tem como intuito caracterizar a dinâmica de uma cidade pequena inserida no contexto do agronegócio e da fronteira agrícola Mato Grossense. Procedimentos Metodológicos Para que os objetivos sejam alcançados será realizado um levantamento de dados secundários que Segundo Lakatos (2006), pesquisa de dados secundários, e aquela que abrange toda a literatura publica em relação ao tema em estudo. Na segunda fase foi realizada pesquisa de campo, que de acordo com os autores citados anteriormente é o momento da observação empírica do pesquisador no próprio campo, onde ocorre o fenômeno a ser pesquisado e seja relacionado o método da observação assistemática que se baseia em uma técnica de observação espontânea, informal, livre, simples, ocasional, que consiste em recolher e registrar os fatos da realidade sem que o pesquisador utilize técnicas especiais ou faça perguntas diretas. (MARCONI; LAKATOS, 2003). Na tentativa de se analisar algo que correspondesse à expectativa deste artigo buscou-se as bases cartográficas disponibilizadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE e imagens de satélite LANDSAT, BANDAS 3, 4 e 5, nas Órbitas 227 e pontos 071, 072 e 228 pontos 069 e 070 dos anos de 2000 a 2006; sendo que as imagens do ano 2000 foram captadas nos dias 09, 18 e 27 de setembro e as do ano de 2006 nos dias 05, 12 e 21 de agosto disponibilizadas pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE. Para análise das imagens utilizou-se o software de georreferenciamento ArcGis 9.2 (ArcMap, ArcCatalog) e para o cálculo de área o Microsoft Excel. Desta forma se buscou compreender melhor a realidade abordada, facilitando na compreensão do objeto estudado. 3

4 4 XIX ENGA, São Paulo, 2009 PORTELA, A. L. S. e PARPINELLI, N. L. A Pequena Cidade do Agronegócio O Brasil é considerado hoje um país altamente urbanizado, depois de superar varias etapas no processo de urbanização. Com criação de atrativos operacionais, principalmente em regiões de expansão de fronteira, novos núcleos populacionais surgiram, e obtiveram como reflexo a criação de cidades de diversas dimensões. Está atração aconteceu, segundo Alves (1995), graças à implementação do melhoramento na agricultura, tanto na modernização quanto na mecanização dos processos agropecuários. Para participarem deste novo mercado, muitas pessoas se deslocaram, principalmente de grandes e médias cidades para estes novos locais de desenvolvimento presentes no campo brasileiro. Antes lugares inóspitos, sem nenhuma infra-estrutura, e que hoje trazem desenvolvimento da infra-estrutura tanto nas comunicações, sistemas de transporte entre outros fatores, e que se tornaram uma nova alternativa para que as pessoas dispostas a deixar os grandes centros, rumo a novas oportunidades (Alves, 1995). Este processo hoje causa a desmetropolização, que consiste no processo recente de diminuição dos excedentes populacionais para as metrópoles, conseqüentemente criando novos centros urbanos. Segundo Alves (1995), o Brasil pode vivenciar um fenômeno hoje presente no primeiro mundo, caracterizado pelo retorno da população para regiões rurais, e que habitem cidades longínquas dos grandes centros, mais próximas dos novos pólos de atração. Isso ocorre hoje graças às forças de dispersão e do interesse do capitalismo, que encontrou nestas novas fronteiras, uma forma de (re) incorporação de áreas produtivas (ENDLICH, 2006). Na realidade das pequenas cidades, o que ocorre é uma nova reestruturação promovida pelo capitalismo, para o qual agora interessa a desconcentração espacial das atividades. Este processo tem sido destacado como forma de impulsionar e viabilizar a instalação de atividades industriais e de serviços em pequenas cidades, trazendo assim novas possibilidades econômicas. Como parte desta reestruturação, tem-se estimulado o uso de estratégias de desenvolvimento local, a partir da convergência de forças políticas para a gestão dos municípios e regiões, valorizando com isso elementos endógenos e impulsionando a participação da sociedade local, atraindo assim investimentos antes destinados a outras regiões, e que

5 Caracterização de uma cidade pequena inserida no contexto do agronegócio matogrossense, pp através de incentivos, e facilidades podem ser empregados em novos locais estes, menos conturbados. O conceito de pequenas cidades é bem complexo. As localidades assim denominadas oferecem elementos para se discutir não só o conceito de pequenas cidades como o próprio conceito de cidade, pois nelas são avaliados os qualificativos que devem compor o limiar entre a cidade e a não-cidade. (ENDLICH, 2006). Mas a cidade como fenômeno universal não surge grande. As primeiras cidades eram aglomerações viabilizadas pela produção de excedente alimentar, divisão espacial do trabalho (campo-cidade) e uma estrutura de controle que procurava manter a drenagem de excedentes (SINGER, 1998). Segundo Endlich (2006), as pequenas cidades e a relação com o campo compõem um primeiro patamar de localidades na rede urbana. Por outro lado, neste mundo cada vez mais articulado, a realidade urbana deve ser compreendida no seu conjunto e com suas contradições.por isso, não é adequado adotar uma tipologia rígida, sendo aconselhável além da flexibilização na classificação, o estabelecimento de áreas comparáveis, ou onde é possível tomar por referência critérios comuns. Para cada Região deve se considerar um patamar demográfico para se classificar cidades pequenas, ou médias. Temos como exemplo a França, que tem como limite o mínimo de dez mil habitantes, enquanto em Quebec (Canadá) o limite proposto é de habitantes, em virtude da diferença de densidade demográfica. (DESMARAIS, 1984). Santos (1989), também sugere o limite de habitantes. As pequenas Cidades se destacam hoje principalmente por suas especialidades, no Brasil existem diversos exemplos. No Estado de Mato Grosso podemos observar uma cidade pequena mais dinâmica, diferente de muitas que se encontram estagnadas e enfrentam um relativo isolamento das cidades maiores. Neste Estado destacamos o município de Campo Novo do Parecís que têm uma população estimada de habitantes (IBGE, 2007), tendo na agricultura moderna e tecnificada sua especialidade, atraindo com isso cada vez mais investimentos ligados a estas atividades, pois o Agronegócio como foi descrito por Jonh Davis e Ray Goldberg (1957), que criaram o termo Agribusiness (agronegócio), definiu como sendo a soma de todas as operações e transações envolvidas no processamento e na 5

6 6 XIX ENGA, São Paulo, 2009 PORTELA, A. L. S. e PARPINELLI, N. L. distribuição de insumos agropecuários, as operações de produção na fazenda e o armazenamento, o processamento e a distribuição de produtos agrícolas e seus derivados FARINA e ZYLBERSZTAJN, (1994). Através destes procedimentos desde a operação no campo até o eventual processamento e armazenamento na cidade, faz com que a relação campo-cidade esteja extremamente presente, além do que a cidade está totalmente ligada à economia globalizada, que mesmo distante dos grandes centros, consegue absorver e viver as tendências das grandes metrópoles. A grande produção de grãos no município reflete na vida da cidade que têm no campo a sua maior força. A Razão para a instalação de grandes empreendimentos agroindustriais neste município está basicamente na questão logística, que é favorecido pela presença de rodovias federais e estaduais que cortam o município: MT 358 Tangará da Serra - Itamarati Norte; MT 170 Itamarati Norte - Campo Novo do Parecís; MT 235 Nova Mutum, além da localização geográfica que privilegia está prática. O Brasil teve nos últimos quarenta anos a criação de diversos novos núcleos de fronteiras de ocupação e de modernização agrícola, que surgiram principalmente nos estados de Mato Grosso, Rondônia, Tocantins, Paraná e Mato Grosso do Sul. (Corrêa, 1999). Em áreas já ocupadas, surgiram novas unidades agrícolas tecnificadas como pode ser notado no Estado de Mato Grosso. O fato da realização da modernização nestas regiões agrícolas foi pensado e programado segundo uma perspectiva global; pois o que é produzido nestas terras é exportado para outros paises, e deve estar dentro totalmente da lógica econômica mundial. Esta nova lógica agrícola, trouxe diversas inovações ao campo, e este capital que se inseriu trazendo consigo contingentes de mão-de-obra para locais antes inóspitos do País, como explicado por Milton Santos, os fixos (O capital), atrai os fluxos (Contingente populacional). Ainda mais no contexto mato-grossense estes fluxos chegaram principalmente pelas rodovias, no caso do médio norte mato-grossense pela Rodovia BR-163 e 364, que trouxe além de tudo o suporte que o capital necessitava. Em busca de novas oportunidades, e agregando a mão-de-obra que estas empresas agrícolas necessitam, chegam a estes núcleos os trabalhadores, que logo em seguida devido ao grande fluxo de pessoas constituem uma cidade; este pode ser

7 Caracterização de uma cidade pequena inserida no contexto do agronegócio matogrossense, pp um paralelo muito expressivo do que ocorre em Mato Grosso. Estas novas cidades por estarem ligadas a esta nova tendência agrícola totalmente globalizada formam redes geográficas, que segundo Santos (1988), em toda a parte a rede urbana sofreu o impacto da globalização cada centro por menor que seja participa. Neste contexto se enquadram as cidades pequenas, que têm toda a sua função direcionada para o agronegócio desde a sua criação. Segundo o Instituto de Geografia e Estatística (IBGE), núcleos urbanos que têm uma população inferior a habitantes pode ser considerada uma cidade pequena. Nestas pequenas cidades globalizadas a economia está voltada diretamente para o campo modernizado, ou para as empresas agrícolas, que segundo Corrêa (1999), influenciam na reestruturação fundiária, nas relações de produção, nos sistemas agrícolas, em novos cultivos e na criação dos complexos agro-industriais. Para Santos (1993), cidades que têm a maioria das suas atividades voltadas para agricultura modernizada, recebem o nome de cidades do campo. Nestas cidades as atividades produtivas são especializadas, além de que mantém relações comerciais com outras cidades distantes, pois no seu território se nota a presença de grandes corporações multinacionais que investem nestas cidades, por serem de locais distantes torna-se necessário a comunicação muito rápida com suas sedes o que demonstra a ligação evidentes destes pequenos núcleos com o comércio globalizado. De acordo com Carlos (1996), existem inúmeros exemplos de pequenas cidades que se especializaram produtivamente, fazendo parte da rede urbana globalizada. O município de Campo Novo do Parecis, retrata bem este paralelo, se especializando na produção e exportação de grãos, o que demonstra a nova tendência das cidades pequenas relacionadas com a produção agro-pastoril, que de acordo com Santos ( 1994) a cidade hoje é, também o fato do campo, onde ciência, tecnologia e informação fazem parte do ambiente modernizado. Campo Novo localiza-se a Noroeste do estado de Mato Grosso ( fig. 01), na mesorregião Norte mato-grossense, microrregião do Parecís. Distante aproximadamente 397 km da capital - Cuiabá, a uma altitude media de 572 m e área de 7

8 8 XIX ENGA, São Paulo, 2009 PORTELA, A. L. S. e PARPINELLI, N. L ,38 km² ( ,40 ha.), contando com uma população de habitantes (IBGE, 2007). Apresenta altos índices de produção agrícola, e através do cultivo da soja se mantém a alguns anos, nos primeiros lugares do ranking dos maiores produtores deste grão no estado, além disso ainda destaca-se em capacidade de armazenagem da produção (62 armazéns convencionais e 03 graneleiros), segundo dados fornecidos pelo Anuário Estatístico de Mato Grosso (SEPLAN, 2006). Campo Novo do Parecís foi criado em julho de 1988 através da Lei Nº de 04/07/1988, após desmembrar-se do município de Diamantino. Localiza-se ao Noroeste do estado de Mato Grosso, na mesorregião Norte mato-grossense, esta compreendendo a microrregião do Parecís. (Longitude e Latitude ). Distante aproximadamente 397 km da capital - Cuiabá, a uma altitude media de 572 m e área de 9.448,38 km² ( ,40 ha.), conta com uma população de habitantes (IBGE, 2007), alem de dois distritos o de Marechal Rondon e Itanorte. A sede do município conta com aproximadamente imóveis urbanos e aproximadamente 500 unidades de imóveis rurais, de acordo com dados da Prefeitura Municipal. A região apresenta clima Tropical Quente e Úmido (com verão chuvoso e inverno seco) e Equatorial, alem de uma pluviosidade de aproximadamente milímetros anuais.

9 Caracterização de uma cidade pequena inserida no contexto do agronegócio matogrossense, pp Fig.01- Localização do Município de Campo Novo do Parecis. Elaboração: PORTELA (2008). O Planalto do Parecís configura-se como o mais extenso divisor de águas das bacias Amazônica e Platina, com interflúvios planos ou suavemente ondulados. A região apresenta solos do tipo Latossolo Vermelho-Amarelo e Vermelho Escuro, além de Areias Quartzosas. Os primeiros com boa aptidão a agricultura mecanizada, no entanto a ultima se apresenta com baixa fertilidade tornando-se assim impróprias pra o 9

10 10 XIX ENGA, São Paulo, 2009 PORTELA, A. L. S. e PARPINELLI, N. L. manejo agrícola. Com cobertura vegetal de Savana Arbórea Aberta e manchas do contato Savana/ Floresta Estacional (fig. 02). (MOREIRA; VASCONCELOS, 2007) O município e cortado por rodovias federais e estaduais: MT 358 Tangará da Serra - Itamarati Norte, MT 170 Itamarati Norte - Campo Novo do Parecís, MT 235 Nova Mutum - Campo Novo do Parecis, BR 364 Diamantino - Itamarati Norte e a ainda a ligação pela estrada Nova Fronteira: Campo Novo do Parecis Sapezal. Fator este que facilita o escoamento da safra, em sua maioria de algodão, arroz, cana de açúcar, milho e soja. (FAY, 2006). Fig.02- Cobertura Vegetal do Município de Campo Novo dos Parecis. Elaboração: PARPINELLI (2008).

11 Caracterização de uma cidade pequena inserida no contexto do agronegócio matogrossense, pp A ocupação do Noroeste Mato- Grossense e a Expansão Agrícola Werle (1996) destaca que nas décadas de 1960 e 1970, ocorreu uma grande transformação na estrutura produtiva no sul do Brasil, passando da policultura familiar e de subsistência, para a monocultura de soja e trigo, estas por sua vez tecníficadas, e com a utilização de implementos e insumos modernos. Neste mesmo período as regiões pioneiras do sul da Amazônia passaram por um processo de crescimento da produção agrícola. As sucessivas marchas ao oeste, efetuadas através da colonização agrícola, e apoiadas por programas governamentais, estes apoiados pelo discurso da integração nacional, geraram um conjunto de situações territoriais e estruturais acerca da produção agrícola. Essa dinâmica foi marcada pela uma intensa migração de colonos do Sul do Brasil, e pela implantação da infra-estrutura necessária ao desenvolvimento econômico cada vez mais voltado aos mercados internacionais. Com isso o estado de Mato Grosso foi incorporado de maneira intensa à economia nacional, tendo a produção de grãos grande destaque, isto graças ao sucesso obtido pelas pesquisas realizadas por órgãos públicos e privados sobre manejo e fertilidade do cerrado. A colonização privada se sobrepôs aos outros tipos de colonização (oficial e espontânea) e as bases para uma agricultura capitalista, tendo a soja como principal produto, estavam inseridas no interior de nosso estado. O PIN (Plano de Integração Nacional), datado de 1970, atribuía importância ao desenvolvimento da nova Amazônia, que surge a partir de uma política de estímulo à formação de pólos agrícolas na área de influência da rodovia BR-364, entre Cuiabá (MT) e Porto Velho (RO). O projeto POLOCENTRO, destinava-se ao bioma Cerrado em especial a Chapada dos Parecis, que apesar de apresentar solo da baixa fertilidade, favorecia o desenvolvimento da agricultura mecanizada, em virtude do relevo ondulado e topografia plana, e também pelas características climáticas da região, com duas estações bem definidas: chuvosa e seca. Alem disso este implantou ainda uma política voltada para a facilitação de créditos a agricultores que desejassem melhorar as condições de uso de suas terras, estas em sua maioria devolutas, investindo ainda na abertura e conservação das vias de comunicação (estradas, linhas elétricas). 11

12 12 XIX ENGA, São Paulo, 2009 PORTELA, A. L. S. e PARPINELLI, N. L. É neste contexto que surgem as grandes fazendas e as grandes sociedades na Chapada dos Parecís, sendo seu estimulo dado principalmente pelas grandes empresas que instalaram filiais na região, aquecendo assim o setor de comercio e serviços, principalmente no município de Tangara da Serra. Seguindo em direção ao planalto, os grandes produtores organizaram-se e em 1981, um novo centro urbano, surge com o nome de Campo Novo, este teve como principal incentivo à instalação da usina e destilaria de álcool COPRODIA, alem do comércio que favoreceu o progresso da nova cidade, esta elevada à categoria de município em Rapidamente esta se torna uma etapa importante para o avanço da frente pioneira, em direção a região norte do estado. ( FAY et al, 2006) O desenvolvimento das atividades agrícolas no planalto foi acompanhado de uma transformação drástica da paisagem: o cerrado deu lugar a grandes parcelas geométricas, retratando principalmente seu deslocamento. Segundo Dubreuil (2005), o grande crescimento populacional vivido pelo município, é comum principalmente em cidades de frentes pioneiras, sendo este atribuído a fatores culturais e políticos da colonização brasileira, nos quais os projetos de colonização privada estão concentrados em torno de um núcleo urbano principal, sendo seu desenvolvimento assegurado pela distribuição casada de um lote urbano para cada aquisição de lote rural. Diferentes fatores favoreceram a degradação existente na região, dentre eles o papel das colonizadoras, e de incentivos fiscais, dados a empresas para a aquisição de grandes parcelas de terras. Diante desta realidade, a degradação ambiental é inevitável, sendo esta uma conseqüência do ritmo acelerado e da extensão de como esta ocupação ocorre. No entanto os efeitos deste processo vão alem dos espaços afetados, parte desse processo seu deu através de incentivos governamentais, no entanto, fazendo com que a superfície desmatada aumentasse cada vez mais. Para Charão (apud MONTEIRO, 2006), a riqueza presente na biodiversidade do cerrado, não consegue superar os valores de seus recursos extrativistas, alem da transformação destas áreas em pastos e plantios principalmente da soja.

13 Caracterização de uma cidade pequena inserida no contexto do agronegócio matogrossense, pp No domínio intertropical, onde a diversidade biológica esta integrada á complexidade, a ruptura causada pela devastação rompe a estabilidade do sistema podendo levar a extinção de espécies, desencadeando uma reação em cadeia prejudicial a todo eco sistema. RODES apud MONTEIRO (2006) Neste contexto surge outro conceito de fronteira, que segundo Monteiro (2006), compreende dois tipos de exploração: uma imediata, aproveitando a vegetação existente, e outra posterior, na qual se explora o solo e o subsolo de forma econômica. O avanço desta fronteira se dá em sua maioria através de posseiros e grileiros, sendo substituídos por extrativistas e produção de subsistência, seguidos por pecuaristas e finalmente atingindo os grandes agricultores com a produção em larga escala, constituindo assim o ultimo processo de ocupação desta fronteira. Estes mesmo sendo os ultimo a ocuparem estas áreas, são os grandes responsáveis pelo desmatamento em larga escala, principalmente no bioma cerrado. A Economia em Novos Campos A atual importância do município de Campo Novo ultrapassa os limites locais, caracterizando assim um dos principais pontos de desenvolvimento de uma região produtora, que abrange ainda os municípios de Brasnorte, Nova Maringá, e Diamantino. Com uma área de 460 mil hectares ocupados por lavouras e aproximadamente 500 imóveis rurais, o município representa aproximadamente 11% da produção e 8% do PIB agrícola do estado. A produção deste e voltada principalmente para a exportação e representa cerca de 10% do que o estado de Mato Grosso produz de soja, e 2,3 % da produção brasileira de grãos. Um dos principais fatores que favorecem a comercialização, e explicado pela qualidade da soja produzida no Chapadão do Parecis. Esta oferece cerca de 2% a mais de óleo e proteínas por tonelada, em relação aos grãos produzidos em outras regiões do estado. Isto se dá devido a uma maior quantidade de luminosidade, clima e o relevo que favorecem o uso de maquinas agrícolas e tecnologia avançadas, apresentando assim uma área plantada de há, de acordo com a Prefeitura Municipal (2006). 13

14 14 XIX ENGA, São Paulo, 2009 PORTELA, A. L. S. e PARPINELLI, N. L. Além da soja, o município também esta entre os maiores produtores estaduais de algodão, com área plantada de ha. contribuindo com 11% da área plantada estadual. Com isso espera-se que em pouco tempo instale-se na cidade usinas de beneficiamento para atender a demanda da produção. Nas próximas representações cartográficas (fig.03 e fig.04) de uso do solo, podemos destacar o avanço da área agricultável no município de 2000 a Fig. 03- Mapa Uso do Solo de Campo Novo do Parecís (Ano 2000). Elaboração: PORTELA (2008).

15 Caracterização de uma cidade pequena inserida no contexto do agronegócio matogrossense, pp Fig.04 - Mapa de Uso do solo do Município de Campo Novo dos Parecís. Elaboração: PORTELA (2008). Nota se claramente que em um intervalo de seis anos houve um crescimento de 16 % na área destinada a Agricultura no município, isso mostra que cada vez menos as áreas de cerrado vão desaparecendo de seu território, talvez esse sejas o grande desafio a ser vencido nas próximas décadas, se produzir cada vez mais, sem aumentar as áreas agrícolas e conseqüentemente preservando a vegetação natural. 15

16 16 XIX ENGA, São Paulo, 2009 PORTELA, A. L. S. e PARPINELLI, N. L. Considerações Finais Diante do exposto neste artigo, foi possível analisar as relações existentes entre uma cidade pequena no contexto do agronegócio do mundial, pois a produção do município é exportada para países Asiáticos, Europeus e Americanos, desta forma criando uma rede logística, de comunicação e serviços, que em sua maioria são representados pelas filiais das multinacionais que se instalam/instalaram na região. Este fato se tornou possível graças ao processo de expansão da fronteira agrícola nas décadas de 1970 e 1980, que em sua maioria tive a participação direta do estado, principalmente no setor de infra-estrutura além da aquisição de terras, propiciando assim o cenário de desenvolvimento econômico presente em vários municípios que fizeram parte deste processo Referências Bibliográficas ALVES, Eliseu. Migração Rural-Urbana. Revista de Política Agrícola, Ano IV, n. 4, out./dez., p , 1995 ANDERSON, Liana Oighenstein. et al. Avanço da soja sobre o ecossistema cerrado e floresta no Estado do Mato Grosso. In: XI SEMINARIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO. Belo Horizonte. Anais Anuário Estatístico de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral. Cuiabá: SEPLAN - MT: Central do Texto, CARLOS, A. F. A.. A Mundialidade do Espaço. In: Ana Fani Alessandri Carlos. (Org.). O LUGAR NO/DO MUNDO. SÃO PAULO: HUCITEC, 1996, v., p CORRÊA, Valmir B., Fronteira Oeste. Campo Grande-MS. Editora UFMS, 1999, Coleção Fontes Novas. CORREA, R. L. A. Globalização e Reestruturação da Rede Urbana - Uma Nota sobre as Pequenas Cidades. Território, Rio de Janeiro, v. 6, p , DESMARAIS, R. Considération sur les notions de petite ville et de ville moyenne. Cahiers de Geógraphie du Québec, Saint-Foy (Quebec) v. 28, n.75, p , dez DUBREUI, Vincent et al. Evolução da fronteira agrícola no centro-oeste de Mato Grosso: municípios de Tangará da Serra, Campo Novo do Parecís e

17 Caracterização de uma cidade pequena inserida no contexto do agronegócio matogrossense, pp Diamantino. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 22, n. 2, p , ENDLICH, Ângela M. Pensando os papéis e significados das Pequenas cidades do noroeste do Paraná. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita. Presidente Prudente, FARINA, E. M. M.Q e ZYLBERZSTAJN, D. Competitividade e organização das cadeias agroindustriais. Costa Rica: IICA, 1994, 62p. FAY, Maria das Graças S. et al. Revivendo Campo Novo do Parecis. 1ª ed. Tangara da Serra: São Francisco, Instituto Brasileiro de Geografia e Estáticas - IBGE. Anuário Estatístico do Brasil Disponível em: Instituto Brasileiro de Geografia e Estáticas - IBGE, Cidades. Disponível em: LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Mariana de Andrade. Fundamentos de metodologia cientifica. 5ª. ed. São Paulo: Atlas, LAKATOS, Eva Maria & MARCONI, Maria de Andrade. Fundamentos de Metodologia Cientifica. (8ª edição). São Paulo: Atlas S. A., Instituto de Geografia e Estatística- IBGE. Disponível em: Acessado em: 22 de agosto de MONTEIRO, Jorge Luiz G. Desmatamento na área de influencia da BR In: BERNARDES; Julia Adão; FILHO, Osni Luna Freire. Geografias da soja: BR 163 fronteiras em mutação. Rio de Janeiro: Arquimedes, MOREIRA, Maria L.C.; VASCONCELOS, Tereza N. N. (orgs). Mato Grosso: Solos e Paisagens. Cuiabá: Entrelinhas, Prefeitura Municipal de Campo Novo do Parecis. Site oficial. Disponível em: SANTOS, W. dos. Cidades locais, contexto regional e urbanização no período técnicocientífico: o exemplo da região de Campinas-SP SANTOS, Milton (1994), Técnica espaço tempo. Hucitec: São Paulo. SINGER, P; MACHADO, J. Economia socialista. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2000, 81p. (Socialismo em discussão). SANTOS, M. A Urbanização Brasileira. Hucitec: São Paulo, SANTOS, M. Metamorfoses do Espaço Habitado. Hucitec: São Paulo,

18 18 XIX ENGA, São Paulo, 2009 PORTELA, A. L. S. e PARPINELLI, N. L. WERLE, Hugo José Scheuer. Meio Ambiente e Recursos Naturais na Globalização. Revista Mato-Grossense de Geografia. Cuiabá: EDUFMT, N. 01/02, 1998.

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. Observe a figura abaixo. Utilizando seus conhecimentos e as informações da figura, assinale a alternativa correta. a) A tundra constitui o bioma mais devastado do

Leia mais

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA RODRIGO ALEXANDRE PEREIRA CALDERARO 1 e EVÂNIO DOS SANTOS BRANQUINHO 2 calderaro.ro@gmail.com; evanio.branquinho@unifal-mg.edu.br

Leia mais

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO É o maior bioma brasileiro depois da Amazônia, com aproximadamente 2 milhões de km² e está concentrado na região Centro Oeste do Brasil;

Leia mais

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ Resumo Patrícia Ladeira Pinheiro¹ Gabriel Pereira² (patricia.ladeira@gmail.com; pereira@ufsj.edu.br) Graduanda em Geografia - UFSJ

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo GEOGRAFIA Professores: Marcus, Ronaldo Questão que trabalha conceitos de cálculo de escala, um tema comum nas provas da UFPR. O tema foi trabalhado no Módulo 05 da apostila II de Geografia I. Para melhor

Leia mais

Principais características geográficas do estado do Goiás

Principais características geográficas do estado do Goiás Principais características geográficas do estado do Goiás Laércio de Mello 1 Para iniciarmos o estudo sobre o estado de Goiás é importante primeiramente localizá-lo dentro do território brasileiro. Para

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

BRASIL REGIONALIZAÇÕES. Mapa II

BRASIL REGIONALIZAÇÕES. Mapa II BRASIL REGIONALIZAÇÕES QUESTÃO 01 - Baseado na regionalização brasileira, apresentados pelos dois mapas a seguir, é INCORRETO afirmar que: Mapa I Mapa II A B D C a. ( ) O mapa II apresenta a divisão do

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO 5 Amanda dos Santos Galeti Acadêmica de Geografia - UNESPAR/Paranavaí amanda_galeti@hotmail.com Kamily Alanis Montina Acadêmica

Leia mais

TRABALHO DE GEOGRAFIA ESTUDOS ORIENTADOS 1º ANO ENSINO MÉDIO NOTURNO

TRABALHO DE GEOGRAFIA ESTUDOS ORIENTADOS 1º ANO ENSINO MÉDIO NOTURNO TRABALHO DE GEOGRAFIA ESTUDOS ORIENTADOS 1º ANO ENSINO MÉDIO NOTURNO 1) O gráfico baixo indica uma forma de organização do espaço rural. Sobre esse gráfico é possível inferir: a) Trata-se da representação

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias. para a conservação e uso sustentável do Cerrado

Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias. para a conservação e uso sustentável do Cerrado Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs Instituto Sociedade, População e Natureza... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias para a conservação e uso sustentável do Cerrado (Mapas elaborados pelo

Leia mais

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil RELEASE 17 de JULHO de 2008. População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil Aumentos de riquezas e de habitantes nas cidades com 100 mil a 500 mil, neste século, superam a média

Leia mais

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA EXECUTIVA

Leia mais

PANORAMA DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM MATO GROSSO

PANORAMA DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM MATO GROSSO PANORAMA DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM MATO GROSSO Gabriela Victória Corrêa da Silva 1, Jessica Maria Klemp Moura, Marcelo Sacardi Biudes, Nadja Gomes Machado 1 Laboratório de Biologia da Conservação,

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Infra-estrutura como fator chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Ieda Kanashiro Makiya Rogério Carlos Traballi UNIP BRASIL: 10º PIB mundial (FMI, 2005) x PIB per capita abaixo

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

RESUMO. Vinicius Carmello. Miriam Rodrigues Silvestre. João Lima Sant Anna Neto

RESUMO. Vinicius Carmello. Miriam Rodrigues Silvestre. João Lima Sant Anna Neto DESIGUALDADE no campo e o risco climático em áreas de produção da soja no sul do brasil Vinicius Carmello Grupo de Pesquisa GAIA; UNESP/FCT - Presidente Prudente, São Paulo, Brasil viniciuscarmello@gmail.com

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais 1. Observe o mapa a seguir. As partes destacadas no mapa indicam: a) Áreas de clima desértico. b) Áreas de conflito. c) Áreas

Leia mais

Fuvest 2014 Geografia 2ª Fase (Segundo Dia) A região metropolitana do litoral sul paulista é constituída pelos municípios representados no mapa:

Fuvest 2014 Geografia 2ª Fase (Segundo Dia) A região metropolitana do litoral sul paulista é constituída pelos municípios representados no mapa: QUESTÃO 3 (Ocupação do território brasileiro) A região metropolitana do litoral sul paulista é constituída pelos municípios representados no mapa: Ao longo do tempo, essa região conheceu diferentes formas

Leia mais

Centro-Sul Brasileiro

Centro-Sul Brasileiro Centro-Sul Brasileiro 1. (UFSC - 2010) Gráfico elaborado a partir de dados do IBGE, Anuário Estatístico do Brasil, jan. 2001. (Adaptado) Com base no gráfico acima, Brasil: Valor da produção industrial,

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia

O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia Bernardo Campolina Universidade Federal do Tocantins Seminário Crise Mundial e Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades para o Brasil BNDES Rio de

Leia mais

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Meta brasileira de redução das emissões até 2020 36,1% a 38,9% das 3.236 MM de tonco2eq de emissões projetadas

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹ IV Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, IV Jornada Científica, 06 a 09 de dezembro de 2011 Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de

Leia mais

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

entretanto, perquirir sobre o destino dos territórios e regiões que recebem em ou vinculam a seu espaço a fixação das obras rodoferroviárias do PAC

entretanto, perquirir sobre o destino dos territórios e regiões que recebem em ou vinculam a seu espaço a fixação das obras rodoferroviárias do PAC SL-78. Novas determinações produtivas, regionais e urbanas na área dos cerrados brasileiro: uma avaliação sobre os efeitos das obras de infraestrutura rodoferroviárias na integração regional. Coordenador:

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Conteúdos Referenciais Para o Ensino Médio

Conteúdos Referenciais Para o Ensino Médio Conteúdos Referenciais Para o Ensino Médio Área de Conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Geografia Ementa Possibilitar a compreensão do conceito, do histórico e contextualização da Geografia.

Leia mais

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista A atividade agrícola e o espaço agrário Prof. Bruno Batista A agropecuária É uma atividade primária; É obtida de forma muito heterogênea no mundo países desenvolvidos com agricultura moderna, e países

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

É CORRETO afirmar que essa modalidade de desemprego é conseqüência. A) da adoção de novas tecnologias de produção e gerenciamento industrial.

É CORRETO afirmar que essa modalidade de desemprego é conseqüência. A) da adoção de novas tecnologias de produção e gerenciamento industrial. PROVA DE GEOGRAFIA QUESTÃO 09 Parcela considerável do desemprego que se verifica, atualmente, no mundo, está associada a mudanças estruturais na economia é o denominado desemprego estrutural. É CORRETO

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA ATENÇÃO: Este trabalho deverá ser realizado em casa, trazendo as dúvidas para serem sanadas durante as aulas de plantão. Aluno (a): 5º ano Turma: Professora:

Leia mais

Complexo regional do Nordeste

Complexo regional do Nordeste Antônio Cruz/ Abr Luiz C. Ribeiro/ Shutterstock gary yim/ Shutterstock Valter Campanato/ ABr Complexo regional do Nordeste Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, MA. Sertão de Pai Pedro, MG. O norte

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R:

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R: Data: / /2014 Bimestre: 3 Nome: 6 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Atividade: 2,0 (Dois) Nota: GRUPO 6 1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão

Leia mais

A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO ECONÔMICA NO TERRITÓRIO NACIONAL

A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO ECONÔMICA NO TERRITÓRIO NACIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO AUP 0270 - PLANEJAMENTO DE ESTRUTURAS URBANAS E REGIONAIS II PROF ANDREÍNA NIGRIELLO A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO

Leia mais

Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes

Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes 1 Conceito de Agronegócio As propriedades rurais tradicionais eram muito diversificadas, com várias culturas e criações

Leia mais

FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO

FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Aluno (a): Disciplina GEOGRAFIA Curso Professor ENSINO MÉDIO FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Série 1ª SÉRIE Número: 1 - Conteúdo: Domínios morfoclimáticos - estudar as interrelações

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

GEOGRAFIA LISTA DE RECUPERAÇÃO - 7º ANO RECUPERAÇÃO FINAL 2015 1. Objetivas:

GEOGRAFIA LISTA DE RECUPERAÇÃO - 7º ANO RECUPERAÇÃO FINAL 2015 1. Objetivas: GEOGRAFIA Objetivas: 01 No último século, o Brasil deixou de ser um país essencialmente rural e se tornou um país urbano-industrial. Nesse processo, foram muitas as mudanças em seu espaço geográfico, especialmente

Leia mais

Urbanização no Brasil

Urbanização no Brasil Urbanização no Brasil Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior

Leia mais

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 2

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 2 Prova 3 QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado 2 GEOGRAFIA 01 No Paraná, a Mata de Araucária,

Leia mais

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 1

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 1 Prova 3 QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado GEOGRAFIA 01 O episódio sobre a exploração

Leia mais

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Uma iniciativa multistakeholder de sucesso no combate ao desflorestamento Conferência da Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima Copenhague, Dinamarca Dezembro

Leia mais

CONTEXTO linha do tempo

CONTEXTO linha do tempo CONTEXTO linha do tempo CONTEXTO - hoje As terras foram subdivididas em 31 lotes, levando em conta: Localização, acesso e proximidade a centros urbanos Aptidão agrícola mapeamento de tipo de solos, topografia

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS LEIA AS INFORMAÇÕES, CONSULTE O LIVRO PARA ADQUIRIR MAIS CONHECIMENTO E RESPONDA OS EXERCÍCIOS EM SEU CADERNO. 1- Quente e frio: um país de extremos O Brasil é

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola.

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola. Implicações da Expansão do cultivo da cana-deaçúcar sobre o município de Goiatuba Washington Pereira Campos8 Márcio Caliari9 Marina Aparecida da Silveira10 Resumo: A partir de 2004, ocorreu um aumento

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Código Florestal Pantanal Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br Ministério da Agricultura, O Código Florestal atual apresenta sérias dificuldades para sua aplicação no Pantanal. A Embrapa

Leia mais

Aplicação da teledetecção à tipologia do desmatamento ao longo da BR-163

Aplicação da teledetecção à tipologia do desmatamento ao longo da BR-163 POR UMA CARTOGRAFIA DA COLONIZAÇÃO AGRÍCOLA NA AMAZÔNIA MATO- GROSSENSE MESSIAS MODESTO DOS PASSOS 1 As décadas de 70 e 80 foram marcadas pelo recuo rápido das superfícies ocupadas pelas florestas tropicais.

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo?

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? 14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? ALAN BOJANIC Ph.D. REPRESENTANTE DA FAO NO BRASIL ALIMENTAR O MUNDO EM 2050 As novas

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1 CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL Sebastião Renato Valverde 1 A economia do setor florestal brasileiro até o ano de 1965 era pouco expressiva, tanto que as atividades de

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO Página 1927 VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ Gerson Henrique da Silva 1 ; Maura Seiko Tsutsui Esperancini 2 ; Cármem Ozana de Melo 3 ; Osmar de Carvalho Bueno 4 1Unioeste Francisco Beltrão-PR,

Leia mais

Geografia. Questão 01. Questão 02. Leia com atenção:

Geografia. Questão 01. Questão 02. Leia com atenção: Questão 01 Leia com atenção: I - Abrange uma superfície considerável do território brasileiro em sua parte central. II - É fortemente influenciado pelo quadro climático marcado por temperaturas médias

Leia mais

REGIÃO NORDESTE. As sub-regiões do Nordeste 2ª unidade

REGIÃO NORDESTE. As sub-regiões do Nordeste 2ª unidade REGIÃO NORDESTE As sub-regiões do Nordeste 2ª unidade NORDESTE Características gerais 9 Estados / 18, 25% do território do Brasil; 2ª maior população regional; Área de colonização mais antiga; A maior

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

www.concursovirtual.com.br

www.concursovirtual.com.br Geografia Professor Marcelo saraiva Principais Temas: Noções básicas de cartografia Natureza e meio ambiente no Brasil As atividades econômicas e a organização do espaço Formação Territorial e Divisão

Leia mais

1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil.

1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil. Marque com um a resposta correta. 1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil. I. A região Nordeste é a maior região do país, concentrando

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 Cria a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica criada a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão, definida

Leia mais

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT Elaine Barbosa da SILVA¹ Laerte Guimarães FERREIRA JÚNIOR¹ Antonio Fernandes dos ANJOS¹ Genival Fernandes

Leia mais

MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO

MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO Régia Estevam ALVES (UFG/Campus Jataí - E-mail: regiaestevam@gmail.com). Raquel Maria de OLIVEIRA (Profa.

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Região Norte e Amazônia não são sinônimos

Região Norte e Amazônia não são sinônimos REGIÃO NORTE Região Norte e Amazônia não são sinônimos Não existe uma Amazônia, e, sim, várias. Amazônia Internacional: região natural coberta pela floresta Amazônica, que se estende por alguns países

Leia mais

Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais

Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais Dois trópicos e dois círculos Polares Tipos de Escalas Gráfica Numérica 1 : 100.000 Principais projeções cartográficas Cilíndrica Cônica Azimutal ou Plana

Leia mais

Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS

Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS Brasília, 21 de fevereiro de 2013 MAPA ESTRATÉGICO: Visão: RETOMAR O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COM EQUIDADE E PARTICIPAÇÃO Sociedade

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais