O COOPERATIVISMO DE PRODUÇÃO E A CONTRIBUIÇÃO DA COOPERATIVA C. VALE PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DO MUNICÍPIO DE PALOTINA (PR)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O COOPERATIVISMO DE PRODUÇÃO E A CONTRIBUIÇÃO DA COOPERATIVA C. VALE PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DO MUNICÍPIO DE PALOTINA (PR)"

Transcrição

1 O COOPERATIVISMO DE PRODUÇÃO E A CONTRIBUIÇÃO DA COOPERATIVA C. VALE PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DO MUNICÍPIO DE PALOTINA (PR) Resumo Área: Ciências Econômicas Este artigo objetiva apresentar os princípios cooperativistas e a contribuição da Cooperativa Agroindustrial C.Vale para o desenvolvimento econômico do município de Palotina (PR). A pesquisa pautou-se na revisão de literatura e na análise de dados secundários sobre o assunto, e no estudo de caso da Cooperativa C. Vale. Tenta-se associar a sua função social em relação à valorização do produtor e da propriedade, explicitando o seu papel no desenvolvimento socioeconômico local e regional. Constatou-se que, no passado distante, o surgimento do cooperativismo legalmente constituído se deu com a fundação da cooperativa de Rochdale. Já o cooperativismo paranaense tem suas origens junto às comunidades de imigrantes europeus, mas a sua efetiva estruturação tem influência de três fortes ondas colonizadoras regionais. As cooperativas são entidades de livre adesão de pessoas que estejam aptas para participar do objeto para a qual foi constituída. Dessa forma, as cooperativas agropecuárias exercem grande influência no meio rural e no desenvolvimento local. Os resultados apontaram que a C.Vale é uma importante agente geradora de renda aos associados e estes, por sua vez, fazem a utilização dessa renda na própria região. Isso se reflete no aumento do número de empregados formais em Palotina a partir da instalação do Complexo Avícola em Palavras Chave: Cooperativismo; C. Vale; Desenvolvimento. 1. INTRODUÇÃO A trajetória histórica de um povo, bem como seu desenvolvimento, tem como ponto de referência a agricultura. Vista como uma arte para as antigas civilizações (mesopotâmicos, egípcios, incas, maias, astecas, etc.), o início da atividade agrícola é um marco histórico importante. A partir de seu desenvolvimento, o homem deixou de ser nômade e passou a estabelecer novas relações com o meio em que vivia, tornando-se sedentário. Tratada apenas da forma extrativa durante séculos, a agricultura era uma atividade que se resumia apenas aos atos de semear e colher. Somente depois dos avanços do sistema capitalista é que ela passou por grandes transformações. De acordo com Silva (1998, p. 4), a atividade agropecuária deixa de ser uma esperança ao sabor das forças da Natureza e torna-se uma certeza subordinada pelo Capital. É neste contexto que se inseriu a atividade agropecuária do Estado do Paraná. Uma atividade que objetivava inicialmente a ocupação e a colonização do Estado, e, como afirma Trintin (2006), a colonização agrícola do Estado ocorreu por distribuição das propriedades de forma desconcentrada, favorecendo o surgimento de pequenas propriedades. Com o desenvolvimento do capitalismo, essas pequenas propriedades, para serem competitivas, necessitavam se reunir para aumentar seu poder no mercado. Foi nesse contexto que as atividades cooperativas se inseriram no Paraná. Conforme Singer (2002), um grupo

2 cooperativo deve ser capaz de, simultaneamente, preservar o tamanho dos pequenos empreendimentos e eliminar as diferenças de rentabilidade, equalizando os resultados para o grupo de cooperados. Este trabalho tem por objetivo apresentar os princípios cooperativistas e a contribuição da Cooperativa Agroindustrial C.Vale para o desenvolvimento econômico do município de Palotina (PR), analisando os encadeamentos produtivos da variável emprego nesse município, induzidos com a instalação do parque agroindustrial da referida cooperativa. 2. ELEMENTOS METODOLÓGICOS A metodologia da pesquisa pode ser classificada de acordo com o objetivo que o pesquisador deseja, enquadrando-se, de acordo com Richardson (1999), como: estudos exploratórios, quando não se tem informação sobre determinado tema e se deseja conhecer o fenômeno; estudos descritivos, quando se deseja descrever as características de um fenômeno; e estudos explicativos, quando se deseja analisar as consequências de um fenômeno. A metodologia empregada neste estudo tem caráter documental, exploratório e o estudo de caso. Conforme Yin (2002), o estudo de caso é a verificação de um fenômeno atual dentro da realidade pessoal. Uma dissertação associada ao estudo de caso torna-se um importante método de pesquisa principalmente para investigar eventos fora dos limites do laboratório e dos objetivos do conhecimento da ciência laboratorial. Quanto ao objetivo e ao grau em que o problema de pesquisa está cristalizado, o presente estudo foi caracterizado como descritivo, pois descreve a realidade como ela é sem a intenção de querer modificá-la (RICHARDSON, 1999). Segundo Gil (1995), uma das características mais significativas das pesquisas descritivas está na utilização de técnicas padronizadas na coleta de dados. Quanto ao procedimento documental, foi realizada a revisão de literatura sobre o assunto e, no estudo de caso da Cooperativa C.Vale, na tentativa de associar a sua função social em relação à valorização do produtor e da propriedade, explicitando o seu papel para o desenvolvimento econômico. Além disso, fez-se uma análise de dados secundários sobre o município de Palotina, dados coletados principalmente dos seguintes bancos de dados: Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (IPEA), Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) disponibilizado pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 3. HISTÓRICO SOBRE O COOPERATIVISMO Nessa seção será apresentado um pouco da história e das origens do cooperativismo. Primeiramente, é importante ressaltar que a palavra cooperativa deriva do latim cooperativus de cooperari, que significa cooperar, colaborar, trabalho com outros (DE PLÁCIDO & SILVA, 2000, p. 222). A cooperação sempre existiu nas sociedades humanas, desde as eras mais remotas, estando associada às lutas pela sobrevivência, às crises econômicas, políticas e sociais, bem como às mudanças. Os melhores exemplos de cooperação aparecem quando se estuda a

3 organização social dos antigos povos, como babilônios, gregos, chineses, astecas, maias e incas (SCHNEIDER, 1998). O cooperativismo moderno surgiu junto com a Revolução Industrial, como forma de amenizar os traumas econômicos e sociais que a Revolução Industrial trouxe com suas mudanças e transformações nos sistemas de produção. O crescimento industrial, na sua primeira etapa, fez com que os artesãos e os trabalhadores rurais migrassem para as grandes cidades, atraídos pelas fábricas em busca de melhores condições de vida. Essa migração resultou em excesso de mão de obra urbana, na exploração do trabalhador de forma abusiva e desumana, com jornadas de trabalho de até 16 horas/dia, com baixos salários e baixa qualidade de vida, obrigando mulheres e crianças a ingressar no mercado de trabalho, em condições mais desumanas que a dos homens. Com o aumento da industrialização, o trabalho manual passou a ser substituído gradativamente pela maquinaria, aumentando a exclusão social e o excedente de mão de obra. Nesse contexto, começaram a surgir reações contra a doutrina liberal e individualista, como exemplo, as reações socialistas, o socialismo espiritualista, chamado utópico, e o socialismo materialista ou científico, a partir de 1848 com o Manifesto Comunista de Karl Marx. As correntes de pensamento que surgiram nessa época defendiam uma forma mais igualitária na distribuição de bens, pois havia um grande anseio por que todos os trabalhadores fossem beneficiados, de forma a contribuir para a diminuição da debilidade nas condições de vida e de trabalho. Ganharam importância espaços que pudessem ser utilizados para esse fim, e a ideia de formar cooperativas tomou força. A cooperativa, nessa concepção, seria uma organização que pudesse facilitar o combate e a diminuição das desigualdades sociais a partir da ideia de que a produção não poderia ser apenas de propriedade privada, onde a eliminação de intermediários entre o produtor e o consumidor pudesse diminuir os preços dos produtos (PINHO, 1966). Dessa maneira, a exploração coletiva das terras poderia facilitar esse processo e, consequentemente, contribuir para a emancipação dos trabalhadores, que deixariam de servir a terceiros e passariam a produzir para si, tornando-se, assim, donos do resultado final de seu trabalho. Era preciso encontrar novas alternativas, e o que parecia mais coerente naquele momento era criar novos postos de trabalho que absorvessem a grande massa de trabalhadores ociosos, e melhorar as condições de trabalho. Foi então nesse contexto de extremas desigualdades sociais que surgiu a que se considera a primeira cooperativa, a dos Pioneiros de Rochdale (Distrito de Lancashire, na Inglaterra). Essa experiência bem sucedida deu-se graças às iniciativas próprias de 28 tecelões, que buscavam um meio de melhorar suas condições sociais e econômicas. A história do cooperativismo registra que, em Rochdale, no dia 24 de dezembro de 1844, os Pioneiros inauguraram um armazém, organizado e regido por normas estatutárias que, segundo Pinho (1982), objetivavam: a formação de capital para emancipação dos trabalhadores, mediante economias realizadas com a compra em comum de gêneros alimentícios, construção de casas para fornecer habitação a preço de custo, criação de estabelecimentos industriais e agrícolas com duplo objetivo (produzir direta e economicamente tudo o que fosse indispensável às necessidades dos trabalhadores e assegurar trabalho aos operários desempregados), educação e luta contra o alcoolismo (que era muito comum entre os trabalhadores), comercialização (compra e venda) somente a dinheiro, para que os cooperados só assumissem compromissos

4 dentro de suas possibilidades orçamentárias, e evitando o crédito, que consideravam um "mal social", e, por fim, cooperação integral. Embora a experiência dos Pioneiros de Rochdale tenha tido sucesso, é importante deixar claro que nem todas as cooperativas que vieram após a de Rochdale tiveram a mesmo êxito. Muitas dessas experiências não obtiveram sucesso principalmente devido às condições políticas desfavoráveis, pois muitas delas eram fragmentárias e tinham pouca expressividade. Elas se concentrarem em países de estrutura capitalista e conseguiram se multiplicar mais para o final do século XIX e início e a partir do século XX, tornando-se mais importantes depois do período da Primeira Grande Guerra ( ). Ao mesmo tempo em que o meio capitalista estava passando por varias transformações, muitas das cooperativas também passaram por isso, portanto, frente à necessidade se adaptarem às transformações, muitas se desviaram, em parte, dos fins doutrinários. Cercada de forças, em sua grande maioria agressivas e desfavoráveis aos seus interesses, as cooperativas precisaram harmonizar-se com o ambiente em que estavam postas. Essa foi a condição primordial para continuarem a existir. Cabe deixar claro, também, que o cooperativismo, desde o seu surgimento, sempre foi considerado uma alternativa aos modelos socioeconômicos tradicionalistas, pois nasceu como um movimento popular autônomo e acabou por preservar essa característica. E, sendo a experiência histórica testemunha dos fatos, fica evidente que o sistema econômico dominante dificulta o desenvolvimento de empresas que lhe são contrárias, levando-as a se corromper. O ambiente, além de pressionar contrariamente o desenvolvimento do cooperativismo, implica, também, de maneira profunda, interferências no funcionamento interno. Além de existirem os entraves de ordem externa, resultantes do sistema vigente, organizado e fortalecido durante quase dois séculos de experiências, nas cooperativas existem também os entraves internos, como a mentalidade capitalista dos associados e dos próprios dirigentes, a falta de capitais, entre outros. O cooperativismo está organizado em um sistema mundial, que busca garantir a unidade da doutrina e da filosofia cooperativista. Além de defender os interesses do cooperativismo pelo mundo, sua organização máxima mundial é a Aliança Cooperativa Internacional (ACI), uma organização não governamental, independente, que reúne, representa e presta assistência às organizações cooperativas do mundo inteiro. A ACI foi fundada em 1895, por iniciativa de líderes cooperativistas ingleses, franceses e alemães, com o objetivo de criar um órgão representativo mundial, que intensificasse o intercâmbio entre as cooperativas dos diversos países, no campo doutrinário, no educativo e no técnico. A ACI congrega mais de cooperativas e de cooperados. Sua sede fica em Genebra, na Suíça. A fundação da ACI foi precedida por intensos debates entre duas correntes. A primeira era a da Hegemonia do Produtor, que pregava a transformação social por intermédio das cooperativas de produção, que seria o instrumento de libertação dos trabalhadores assalariados, com a participação dos funcionários nos lucros das empresas. A segunda era a da Hegemonia do Consumidor, que pregava a transformação social pela organização das cooperativas de consumo, pois entendiam que todas as pessoas são consumidoras e nem todas são trabalhadoras, por isso as cooperativas de consumo são mais universais nos objetivos que defendem e, portanto, atenderiam aos interesses de todas as pessoas. De acordo com Schneider (1991), a influência de Charles Gide foi decisiva para que a ACI acatasse a "Hegemonia do Consumidor" (que é a vitória da produção cooperativada de

5 consumidores, com retorno proporcional às operações) em detrimento da "Emancipação do produtor" ou produção de trabalhadores cooperativados, em retorno ao trabalho. Segundo ele, as cooperativas de produção, apoiadas pelas cooperativas de crédito, pleiteavam apenas a reconciliação entre o capital e o trabalho, gerando a paz social, defendendo somente os interesses dos pequenos produtores da ameaça de se tornarem assalariados. A representação do sistema cooperativista nacional cabe à Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), sociedade civil, com sede em Brasília, que nasceu durante a realização do IV Congresso Brasileiro de Cooperativismo em Belo Horizonte, no qual se decidiu pela fusão da ABCOOP e da UNASCO e pela existência de apenas uma entidade de representação do cooperativismo no Brasil. Estruturada nos termos da Lei Federal nº 5764/1971, foi definitivamente criada em 1971 para atuar como representante legal do sistema cooperativista nacional e como órgão técnico consultivo ao governo, congregando as organizações estaduais constituídas com a mesma natureza. Representa todos os ramos do cooperativismo brasileiro, composto por mais de cooperativas e mais de cooperados (OCEPAR, 2008). 4. PRINCÍPIOS DO COOPERATIVISMO Iniciada no ano de 1988, a revisão mais recente dos princípios cooperativistas só foi concluída em setembro de 1995, no Congresso Centenário de ACI em Manchester, Inglaterra. Essa revisão foi completamente diferente das primeiras e foi convocada para examinar as mais profundas questões de identidade cooperativa, pois o crescimento quantitativo e empresarial das cooperativas fez com que os valores básicos do cooperativismo fossem substituídos pela eficiência econômico-administrativa e pela necessidade de encontrar respostas eficazes aos crescentes desafios de um mercado extremamente competitivo e monopolista devido à formação de grandes empresas multinacionais. Oficialmente, a definição do termo cooperativa é aquela proveniente do Congresso Mundial da Aliança Cooperativa Internacional (ACI), ocorrido em Manchester, na Inglaterra, em setembro de 1995, e pode ser assim formulada: Cooperativa é uma associação autônoma de pessoas, unidas voluntariamente, para atender suas necessidades e aspirações econômicas, sociais e culturais comuns, através de uma empresa coletiva e democraticamente controlada. A atualização dos "Princípios Cooperativistas dos Pioneiros de Rochdale" também aconteceu no Congresso do Centenário da Aliança Cooperativa Internacional ACI em 1995, e é assim entendida: 1º) Adesão Voluntária e Livre: As cooperativas são organizações voluntárias, abertas a todas as pessoas aptas a utilizar os seus serviços e assumir as responsabilidades como membros, sem discriminações de sexo, sociais, raciais, políticas e religiosas; democráticas, controladas pelos seus membros, que participam ativamente na formulação das suas políticas e na tomada de decisões. 2º) Gestão Democrática pelos Membros: As cooperativas são organizações democráticas, controladas pelos seus membros, que participam ativamente na formulação das suas políticas e na tomada de decisões. 3º) Participação Econômica dos Sócios: Os cooperados devem contribuir igualmente para o capital de sua cooperativa, o qual é controlado democraticamente. Parte deste capital é

6 propriedade comum dos cooperados. O restante poderá ser destinado para investimentos na própria cooperativa ou para outras aplicações, sempre de acordo com a decisão tomada na assembleia. 4º) Autonomia e Independência: As cooperativas são organizações autônomas de ajuda mútua, controladas pelos seus membros. Se estas firmarem acordos com outras organizações, incluindo instituições públicas, ou recorrem ao capital externo, devem fazê-lo em condições que assegurem o controle democrático pelos membros e mantenham a autonomia das cooperativas; 5º) Educação, Formação e Informação: As cooperativas promovem a educação e a formação dos seus membros, dos representantes eleitos e dos trabalhadores de forma que estes possam contribuir, eficazmente, para o desenvolvimento das suas cooperativas; 6º) Intercooperação: As cooperativas devem trabalhar em conjunto, por meio do intercâmbio de informações, produtos e serviços, para atender melhor os seus associados e fortalecer o Cooperativismo. 7º) Interesse pela Comunidade: As cooperativas trabalham para o desenvolvimento sustentado das suas comunidades através de políticas aprovadas pelos membros. Tendo apresentado brevemente o histórico do cooperativismo e seus princípios em um contexto geral, apresenta-se, na próxima seção, o contexto cooperativista brasileiro. 5. O COOPERATIVISMO NO BRASIL Verificando a historiografia, é possível encontrar dados a respeito do cooperativismo brasileiro já no século XVII, mais precisamente a partir de 1610, com a formação das primeiras reduções jesuíticas no Brasil, na região compreendida pela bacia dos Rios Paraguai, Paraná e Uruguai; ocupando áreas de Guaíra, no Paraná; das Missões, no Rio Grande do Sul e terras no Oeste de Santa Catarina, formaram-se Estados cooperativos integrais, onde tudo era de todos e as necessidades eram atendidas de forma grupal, formando uma sociedade solidária, fundamentada no trabalho coletivo, baseado na catequese divina e no auxílio mútuo (PINHO, 1982, p. 30). Podem-se encontrar também referências a fatos ocorridos entre os séculos XVII a XIX, em Quilombos (que se formaram principalmente no Nordeste brasileiro), onde os escravos fugidos também já praticavam alguma forma de cooperativismo. No Estado do Paraná, as cooperativas agropecuárias, bem como as de outros ramos de atividades, surgiram a partir da década de 1940, principalmente nas comunidades de origem alemã e italiana, onde seus habitantes já eram conhecedores do Sistema Cooperativista Europeu (OCB, 1993). O movimento cooperativista demorou a ser aceito pelo povo brasileiro, isso devido à desconfiança provocada por gestões ineficientes. Foi somente após 1960 que se iniciou um movimento que redundou na fundação de várias cooperativas agrícolas, conservando, desde essa época, os princípios que nortearam os operários de Rochdale. O cooperativismo agrícola se desenvolveu com os crescentes desafios impostos pelo governo no sentido de aumentar a produção de alimentos para consumo e para exportação, cujos benefícios resultariam em melhores condições para o desenvolvimento dos centros urbanos industriais, com isso tornando o país mais competitivo. Estas cooperativas prestam serviços de vários tipos aos seus associados: recebem a produção para armazenamento,

7 padronização, industrialização e venda; fornecem implementos para uso profissional, gêneros de consumo e obtêm crédito junto aos bancos, para os associados. Devido às particularidades do desenvolvimento político, econômico, social e cultural, o cooperativismo brasileiro desenvolveu-se à sombra dos subsídios e do paternalismo do governo, onde os interesses do poder econômico dominante prevaleceram sempre em detrimento dos interesses dos pequenos e médios agricultores. Mesmo assim, com todas as adversidades conjunturais, o cooperativismo brasileiro tornou-se um sistema organizado que participa da maioria das atividades da vida humana (CORADINI & FREDERICO, 1982). O movimento cooperativista agrícola brasileiro cresceu consideravelmente no início do século XX em virtude da necessidade de comercialização da produção e do abastecimento dos centros urbanos industriais, que cresciam rapidamente devido à industrialização. Até então o cooperativismo era um instrumento dos pequenos produtores para enfrentar a ação dos intermediários durante o período de comercialização dos excedentes da safra. O objetivo inicial era a defesa da remuneração do trabalho familiar, uma vez que a agricultura camponesa, nessa fase, não possuía nenhum instrumento de proteção (CORADINI & FREDERICO, 1982). A partir da década de 1930, com a crise econômica mundial, que provocou, entre outras ações, o fechamento do comércio mundial, fazendo com que o café brasileiro ficasse sem mercado, houve a necessidade de redirecionar o modelo de desenvolvimento econômico brasileiro, no sentido de substituir a importação de bens duráveis pela industrialização. Isso resultou, em 1932, na promulgação do Decreto Federal , que disciplinava a constituição e o funcionamento das cooperativas, facilitando e simplificando a sua fundação e isentando-as de uma série de impostos. A partir de então, o governo não só passou a regular a constituição de cooperativas, como procurou a incentivar a sua criação e expansão (VALADARES, 1990). Assim, o cooperativismo agrícola deixou de ser um movimento legítimo dos produtores, passando a ser um instrumento governamental, que procurava a organização dos produtores agrícolas de acordo com os padrões do modelo de desenvolvimento econômico adotado pelo governo. Segundo a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) em 2008, o país já contava com cerca de cooperativas congregando o sistema, em 11 diferentes segmentos, com mais de associados. O segmento mais importante do cooperativismo brasileiro ainda é o do cooperativismo agropecuário de produção, que contribui muito para o crescimento econômico das localidades onde as unidades cooperativas estão inseridas. A Tabela 1 mostra a participação das cooperativas de produção agropecuária brasileiras na produção de diversos produtos. A participação das cooperativas agrícolas na produção de alimentos é bastante significativa, principalmente na produção de trigo, cevada, aveia, algodão e soja. Este fato evidencia a importância das cooperativas na produção agropecuária brasileira. As cooperativas de produção, cooperativas operárias de produção ou cooperativas de trabalhadores, segundo Pinho (1966), baseiam-se em uma espécie de síntese do modelo rochdaleanismo e dos sistemas societários de Buchez, de Fourier (livre associação do trabalho, talento e capital), de Louis Blanc e outros. Aos poucos foram se estruturando, com o objetivo de eliminar o patrão, suprimir o assalariado e dar aos operários a posse dos instrumentos de produção e o direito de disposição do produto de seu trabalho. Nesse ramo do

8 cooperativismo, estão concentradas as cooperativas dedicadas à produção de um ou mais tipos de bens e produtos, os meios de produção, explorados pelo quadro social, pertencem à cooperativa e aos cooperados que formam o seu quadro diretivo, técnico e funcional. TABELA 1 - Participação das cooperativas brasileiras na produção agrícola Produtos Agrícolas % Trigo 62,2 % Cevada 44,2 % Aveia 39,2 % Algodão 38,9 % Soja 38,4 % Batata 36,1 % Suínos 31,1 % Café 28,0 % Alho 22,5 % Uva 19,2 % Milho 16,7 % Arroz 11,4 % Feijão 11,2 % Fonte: OCB, in Folha de Londrina, Caderno Economia, 23/12/96 Nesse contexto, na próxima seção são feitas algumas considerações acerca do cooperativismo paranaense. 6. O COOPERATIVISMO PARANAENSE O Paraná é um Estado privilegiado, não só em aspectos naturais, como também em produtivos. Seus campos férteis produzem um quarto da produção de alimentos (grãos) do país. Os agricultores, através de uma ação consciente e preservacionista em lavouras de soja, milho, trigo, café, algodão, feijão e arroz, entremeadas com criações de bovinos, de suínos, de aves, com reservas florestais e com rios, garantem produtos puros de origem. O Estado é exportador de matérias-primas como soja, farelo, óleo, café, milho, fios de algodão e de seda, carnes de aves, de bovinos e de suínos, onde os produtos industrializados já representam metade do valor exportado (COAMO, 2009). Segundo a COAMO (2009), o cooperativismo paranaense deitou suas raízes nos pioneiros esforços cooperativistas nas comunidades de imigrantes europeus, que procuraram organizar suas estruturas de compra e venda em comum, além de suprir suas necessidades de educação e lazer, através de sociedades cooperativistas. Foram os imigrantes que deram significativo impulso ao cooperativismo estadual com as experiências bem sucedidas das cooperativas de colonização, como Witmarsum, de Palmeira; Agrária, de Entre Rios; Batavo e Castrolanda, de Castro, e Capal, de Arapoti, hoje verdadeiros exemplos de comunidades rurais perfeitamente urbanizadas, economicamente prósperas e socialmente integradas às condições de vida urbano-industrial no país. Apoiado na doutrina e na filosofia cooperativista universal, o cooperativismo paranaense contava, em 2008, com mil cooperados, organizados em 238 cooperativas registradas na Organização das Cooperativas do Estado do Paraná OCEPAR (criada em 1971). Essas cooperativas agrupavam mais de 1,5 milhão de postos de ocupação, 55 mil empregos diretos e envolvia 2,2 milhões de pessoas, o que equivalia a 20% da população paranaense ligada ao cooperativismo em As cooperativas também participaram dos diversos ciclos econômicos pelos quais o Paraná passou, expandiram fronteiras agrícolas e

9 passaram a desenvolver-se também nas cidades. Atualmente, no Estado, existem cooperativas nas mais diferentes áreas (saúde, trabalho, serviços, crédito, consumo, educação, habitação), e até no ramo dos transportes, o mais jovem do cooperativismo brasileiro, que se articula para tentar ser a vanguarda de um mercado que demanda cada vez mais soluções profissionais e especializadas (OCEPAR, 2009). Para compreender a capacidade empreendedora das cooperativas paranaenses, é preciso voltar à década de 1970, quando praticamente toda a economia estava voltada para a produção agropecuária. Naquela década as cooperativas se reorganizaram e passaram a ter participação crescente na economia paranaense, baseada fortemente na produção agropecuária. Também passaram a atuar no setor agroindustrial e absorveram diversas empresas agropecuárias em liquidação, mostrando sua aptidão empreendedora e seu compromisso com o setor, garantindo o recebimento e o processamento da produção dos cooperados. Responsabilidade social e ambiental, geração de emprego e renda, promoção de melhoria da qualidade de vida das pessoas, dinamização da economia e a expansão desta nas comunidades onde está inserida, essa é a missão do cooperativismo paranaense. Inúmeras ações objetivam a integração, a educação e a formação de milhares de cooperados e colaboradores das cooperativas. Os investimentos sociais do sistema cooperativista paranaense somam mais de 2 bilhões de reais/ano, segundo a OCEPAR. A responsabilidade social das cooperativas é exercida através de projetos voltados ao aprimoramento cultural artístico de lazer, saúde e às questões assistenciais, bem como em novos projetos e tecnologias para melhorar os processos produtivos e agregar valor aos produtos e serviços dos cooperados (OCEPAR, 2009). Tabela 2 Cooperativas do Paraná Registradas na OCEPAR Dezembro 2008 Ramo Cooperativas Cooperados Agropecuário Crédito Saúde Transporte Educacional Trabalho Infraestrutura/Eletrificação rural Turismo e lazer Consumo Habitacional Mineral Produção Total Fonte: OCEPAR, SEAB Como se pode observar na Tabela 2, as cooperativas agropecuárias (como é o caso da C.Vale, objeto de estudo deste artigo) são as de maior número no Estado do Paraná e, segundo a OCEPAR (2008), cerca de um terço dos produtores rurais paranaenses são cooperados. A expressiva participação dos pequenos e médios produtores com área de até 50 hectares nas cooperativas agropecuárias, representando 70% de seu total de cooperados -- evidencia a importância das cooperativas para essa faixa de produtores. A integração das cooperativas e a agregação dos interesses dos produtores rurais permitiram a montagem de estruturas de armazenagem, apresentando mais de 54% de toda a capacidade de estocagem instalada no Paraná (OCEPAR, 2008).

10 São importantes instrumentos de difusão de tecnologias e implementadoras de políticas desenvolvimentistas, como a difusão de crédito rural, armazenagem, manejo integrado de pragas, manejo e conservação de solos, industrialização, entre outros. Além disso, em vários municípios paranaenses -- como a C. Vale em Palotina, a Copacol em Cafelândia, a Copagril em Marechal Cândido Rondon e a Lar em Medianeira --, essas cooperativas assumem o papel de empresas mais importantes, as maiores empregadoras e também as principais geradoras de receitas (OCEPAR, 2008). Tabela 3 - Participação das Cooperativas na Produção Agropecuária do Paraná Safra 2006/2007 Produtos Produção do Paraná (em toneladas) Participação das cooperativas (%) Cevada ,0 Trigo ,4 Soja ,5 Algodão (em caroço) ,8 Leite comercializado (1000 litros) ,0 Milho (*) ,3 Suínos ,3 Triticale ,8 Canola ,9 Aves ,6 Café em coco ,0 Cana-de-açúcar ,5 Aveia ,3 Maçã ,5 Arroz ,8 Feijão ,2 Mandioca ,4 Fonte: OCEPAR, SEAB e IBGE, (*) Participação das cooperativas na produção e comercialização Conforme mostra a Tabela 3, as cooperativas participam ativamente na produção das principais commodities do Estado, como no caso da soja com 72,5% e do milho com 46,3%, mas também em vários outras atividades agropecuárias, como na produção de cevada, representando 100% e no leite com 48%. As cooperativas agropecuárias são muito importantes no sentido de que estão sempre procurando implantar novos projetos, com o objetivo de agregar valor aos produtos primários, aumentando assim, consideravelmente, o valor desses no mercado. O aumento da renda do cooperado, que, por sua vez, pode reinvestir na atividade produtiva, garante, dessa forma, a oferta de matérias-primas em níveis permanentes. É nesse contexto que ocorre o desenvolvimento da comunidade na qual a cooperativa está inserida (OCEPAR, 2008). O cooperativismo agrícola (agropecuário) é o que mais se tem destacado na geração de renda e nas exportações brasileiras de produtos básicos agropecuários e agroindustrializados (OCEPAR, 1996-a). Essas cooperativas, as agropecuárias, são as responsáveis por exportar produtos elaborados para aproximadamente 70 países, o que gerou ao Estado do Paraná, em 2008, uma receita superior a 1,5 bilhão de dólares (REVISTA OCEPAR, 2009). Na próxima seção serão abordadas informações a respeito da cooperativa de produção agropecuária C.Vale, que, assim como algumas outras cooperativas paranaenses do mesmo ramo, deixou de direcionar seus objetivos apenas à produção de alimentos e se inseriu na

11 industrialização da produção, agregando mais esta atividade ao leque de serviços prestados a seus cooperados (MENEGÁRIO, 2000). 7. O HISTÓRICO DA COOPERATIVA C.VALE Como já foi enfocado acima, a origem do cooperativismo paranaense está ligada aos grupos de imigrantes europeus no Sul do Brasil. O processo de colonização do extremo-oeste paranaense, mais especificamente falando da colonização de Palotina (onde está a sede da Cooperativa C.Vale), envolveu vários tipos de interesses, de cunho político-ideológico, econômico-empresarial e também religioso, presentes durante o governo de Getúlio Vargas de 1930 a 1945 (FREITAG, 2001). Para Freitag (2001), uma das características essenciais do extremo-oeste paranaense foi o processo racional de ocupação e de uso do solo agrícola a partir da década de As atitudes nacionalistas do governo Vargas, atreladas à sua política de segurança nacional, encontraram terreno fértil junto aos grupos de intelectuais na época, que foram os responsáveis, então, por construir aquilo que ficou conhecido como o sentimento de brasilidade para a nação em seus limites territoriais, especialmente aqueles contíguos às fronteiras internacionais. Cooptados pela política varguista, esses intelectuais trabalharam em conjunto, com o único objetivo construir uma nacionalidade forte e coesa. Deram, assim, ao Estado Nacional uma fisionomia econômica e sociopolítica no sentido de nação homogênea. Suas teorias transformaram os territórios, considerados vazios demográficos, em espaços a serem ocupados através de uma cruzada nacional. A política de Marcha para Oeste foi um preciso exemplo desse processo. Foi política elaborada crucialmente depois do golpe que instituiu o Estado Novo em 1937, visava firmar a imagem de uma nação que tinha sua própria autonomia. A região do extremo-oeste paranaense participou efetivamente desse processo chamado de Marcha para Oeste, com políticos, pensadores e empresários (especialmente do Sul do país), já em meados da década de 1930, considerando esta região como vazia, demograficamente falando, sendo assim uma fronteira de importância vital a ser ocupada e colonizada para assegurar a segurança nacional. Mesmo muito antes, ao final do século XIX, houve a fundação da Colônia Militar de Foz do Iguaçu, com o objetivo na época de ocupar e de nacionalizar essa fronteira. Foi nesse momento então que ocorreu o primeiro contato oficial brasileiro com as obrages -- grandes unidades produtivas estrangeiras de extração de madeira e de erva-mate, produtos explorados e remetidos aos Mercados do Prata por grupos econômicos argentinos. Esses grupos se introduziram na região e possuíam o capital necessário para o desenvolvimento das atividades de exploração em suas propriedades, enquanto que os paraguaios faziam parte da mão de obra dessas grandes unidades produtivas. Argentinos e paraguaios, naquele momento, representavam um grande perigo às instituições nacionais e à política nacionalista. Aliados então, os governos federal e paranaense tinham como objetivo principal nacionalizar essa região de fronteira internacional. A ocupação dos vazios demográficos no extremo-oeste paranaense ocorreu, no entanto, décadas depois e feita principalmente por descendentes de ítalos e teuto-brasileiros sulistas, que tinham por tradição o trabalho em pequenas propriedades policultoras. Foram eles a base fundamental para a realização das políticas nacional e estadual de Marcha para Oeste. A ocupação da fronteira extremo-oeste paranaense

12 ocorreu como expansão interna. A política getulista forneceu o substrato ideológico pela via do nacionalismo, provocada pela expressiva presença de estrangeiros nessa área. E, mesmo que a efetiva construção e ocupação do território hoje constituído pelo município de Palotina tenha se concretizado, somente na década de 1950, ele foi resultado das preocupações que foram apontadas e que tiveram início na década de 1930 (FREITAG, 2001). Nesse processo (a partir da década de 1930) estavam inseridas empresas colonizadoras de capital privado. A Companhia Pinho e Terras Ltda. foi a empresa que colonizou a região de Palotina. A empresa procurou criar elementos atrativos à migração, tendo em vista a estrutura de povoamento revestida de um teor sociocultural, e um grande instrumento utilizado foi a propaganda. Era preciso despertar nas pessoas o interesse em adquirir terras nessa região, criaram-se expressões do tipo nova terra, novo mundo, reportagens em jornais e correspondências também foram usadas como tática de propaganda, mas é importante frisar que o interesse dos colonos se deu também por meio de um canal condutor alimentado pela religiosidade. O catolicismo era uma das exigências básicas da Companhia, que se comprometia com os colonos a fim de fornecer, aos núcleos colonizatórios, assistência religiosa e educacional (FREITAG, 2001). A colonização de Palotina iniciou-se no ano de 1953, quando ainda pertencia ao município de Guaíra. Os seus pioneiros eram descendentes de alemães e de italianos e vieram principalmente dos Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. O nome Palotina é uma homenagem aos Padres Palotinos (religiosos e corretores uniram fé à atividade econômica e construíram uma sociedade singular, em consonância com os interesses econômicos da empresa colonizadora Pinho e Terras) (BIPP, 2009). O crescimento acelerado da população permitiu a sua oficialização enquanto município sob a Lei Estadual nº 240, de junho de O primeiro censo de Palotina, realizado em 1970, mostrou um número de pessoas no município, das quais residiam na zona urbana e na zona rural (BIPP, 2009). A falta de locais para armazenar a produção, as dificuldades para o escoamento da safra e a ausência de assistência técnica levaram um grupo de 24 agricultores a fundar, em 7 de novembro de 1963, a Cooperativa Agrícola Mista de Palotina Ltda. (primeiramente denominada Campal). Mas obstáculos no acesso ao crédito impediram que a Campal iniciasse sua estruturação. O início efetivo das atividades da cooperativa ocorreu em 1969, com o recebimento de trigo em armazém de um moinho de Palotina. Em 1970 foi finalizada a construção do primeiro armazém da Campal. O rápido crescimento da produção levou a Campal a iniciar a fase de estruturação física, com a construção de unidades para recebimento de cereais no município de Palotina. Com a divisão territorial da região Oeste entre as cooperativas, a Campal passou a atuar além das fronteiras do município, o que levou os associados a modificar a razão social da empresa, em 1974, para Cooperativa Agrícola Mista Vale do Piquiri Ltda. (Coopervale). Com uma grande produção de trigo, a Coopervale implantou, em conjunto com outras cooperativas, o Moinho Cotriguaçu, em 1992 (C. VALE, 2009). 8. C.VALE E A SUA AGROINDUSTRIALIZAÇÃO A C.Vale é uma cooperativa de produção agropecuária com atuação no Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraguai. As atividades da cooperativa

13 concentram-se no segmento agroindustrial, e destacam-se na produção de soja, milho, trigo, mandioca, leite e suínos. Atua na prestação de serviços, com mais de 150 profissionais que dão assistência agronômica e veterinária aos associados. Para manter os cooperados atualizados tecnologicamente, desenvolve cursos, palestras, treinamentos e dias de campo. Também financia a produção, garantindo crédito aos cooperados, especialmente aos pequenos produtores. A empresa também comercializa insumos, peças, acessórios e revende máquinas agrícolas, assegurando preços mais competitivos aos associados. Produz semente de soja em Santa Catarina, que é comercializada em todo o Brasil. Além disso, a cooperativa mantém uma rede de supermercados, com seis lojas no Paraná e no Mato Grosso. A cooperativa incentiva a produção de leite como alternativa de renda para seus associados. Desde 1983, a cooperativa mantém um Departamento Veterinário para orientar os pecuaristas sobre manejo e tecnologias que melhorem o desempenho da atividade. A produção de leite é entregue à Frimesa, em Medianeira (PR), empresa da qual a C.Vale é sócia, que o industrializa e comercializa. Foi a partir de 1995 que a cooperativa colocou em prática um plano de modernização destinado a tornar a empresa mais competitiva no mercado agroindustrial e a iniciar o processo de agregação de valores aos produtos primários. A agroindustrialização começou em outubro de 1997, quando foi inaugurado o complexo avícola, com alta tecnologia para a produção de frangos. Foi o primeiro sistema de integração avícola brasileiro, em escala comercial, a utilizar processos automatizados para o controle de ambiência. Outro aspecto importante da atividade está na rastreabilidade da cadeia produtiva. A cooperativa mantém um sistema informatizado que permite o acesso aos procedimentos utilizados para a produção da matéria-prima (soja e milho), passando pela fabricação da ração, manejo e industrialização das aves. O objetivo é garantir a segurança alimentar aos consumidores da carne de frango. A agroindustrialização ampliou-se em 2002 com o início das operações de uma amidonaria em Assis Chateaubriand. Em 21 de novembro de 2003, uma alteração estatutária mudou a razão social de Cooperativa Agrícola Mista Vale do Piquiri Ltda. (Coopervale) para C.Vale -- Cooperativa Agroindustrial. Também nesse ano a cooperativa colocou em operação, uma Unidade Produtora de Leitões (UPL) no Distrito Floresta, em Palotina. A unidade abriga matrizes, que produzem leitões por semana, num total de animais/ano. Os animais são entregues aos associados, que fazem a engorda e os enviam para a industrialização. Na fase final, a UPL terá matrizes e produzirá leitões por dia. Assim, a C.Vale dispõe de um processo de crescimento e expansão contínua, procurando sempre diversificar suas atividades tendo em vista conquistar espaços no mercado e ampliar as margens de lucros. Em 2004 começaram as obras de ampliação do abatedouro de aves (inaugurado em outubro de 1998), e também a construção da indústria de termoprocessados de aves, obras que foram inauguradas no dia 8 de abril de A capacidade de produção passou de 150 mil para 500 mil aves/dia. Essa expansão beneficiou o município de Palotina, principalmente quando se fala em ocupação de mão de obra, como será apresentado na próxima seção. Conforme foi apresentado, a C.Vale financia a produção, garantindo crédito aos cooperados, comercializa insumos, peças, acessórios, revende máquinas agrícolas, produz sementes de soja e mantém uma rede de supermercados, ou seja, trata-se de uma empresa com diversificação horizontal.

14 O desempenho da C.Vale, nos cinco primeiros meses de 2009, está sendo superior ao do mesmo período do ano anterior. Os indicadores econômicos e sociais mostram que, apesar da crise econômica internacional e dos problemas climáticos sobre a safra de verão em 2009, a cooperativa segue crescendo, embora a um ritmo menor que em Esse conjunto de fatores permitiu que a C.Vale fechasse os cinco primeiros meses de 2009 com faturamento bruto (soma da vendas) de R$ 961 milhões, cerca de 8% a mais que no mesmo período de A melhoria do desempenho econômico está sendo acompanhada por benefícios sociais. Em 2009, 220 novos postos de trabalho já foram abertos, o que elevou para o número total de funcionários da cooperativa. O número de associados subiu para e a arrecadação de tributos alcançou R$ 35,5 milhões (REVISTA C.VALE, 2009). Esses números apresentam o cenário positivo analisando a cooperativa como um todo, com sua atuação em todos os municípios de abrangência. Cabe perguntar: -- Especificamente em Palotina, quais foram os impactos sociais (na geração de empregos) e econômico, gerados pela C.Vale? A próxima seção objetiva responder a esses questionamentos. 9. CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA DE PALOTINA Conforme mencionado em seção anterior, o município de Palotina foi emancipado na década de A partir dos dados disponibilizados pelos censos demográficos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o município perdeu parte significativa de sua população a partir de Gráfico 1 População total, urbana e rural do município de Palotina 1970/ Total Urbana Rural Fonte: IBGE, Conforme mostra o Gráfico 1, no ano de 1970, a maior parte dos habitantes estavam situados na zona rural do município, representando cerca de 87,87% do total. Esse cenário começa a se alterar rapidamente a partir dessa década. Em 1980, duas características

15 são visualizadas: a primeira é a redução da população total em 34,30% em relação a de 1970 e a segunda é o aumento da participação da população urbana no total, passando de 12,12% em 1970 para 45,50% em A partir de 1980, a população urbana ganha cada vez maior destaque, sendo superior à população rural já em Apesar do aumento da população total de 1980 a 1991, e da diminuição posterior em 1996, de 1996 até 2007 a população total vem crescendo de forma contínua. Nesse período, o crescimento da população total foi de 11,14%, sendo o crescimento da população urbana a maior responsável por esse desempenho. No mesmo período, a população urbana apresentou crescimento de 24,54%, enquanto a população rural diminuiu em -28,61%. Quando se analisa o comportamento do número de empregados formais do município de Palotina, verifica-se uma estabilidade do crescimento do total de empregados até o ano de Comparando o desempenho setorial e total de 1985 até 1997, verifica-se que o total de empregados diminuiu -19,16%, e os desempenhos setoriais foram, na sua maioria, modestos. Em 1996, os setores que mais empregavam eram: o comércio com 782 empregados, a administração pública com 640 e a agropecuária com 506. Tabela 4 - Número de empregados formais no município de Palotina, por setores Ano Ind. de prod. minerais não met. Ind. metal. e mec. Ind. de prod. aliment. Const. civil Outras ativ. ind. Comércio Transp. e comum. Serv. de aloj. e aliment. Adm. Pública Agrop. Outras ativ. terciárias Fonte: RAIS, A partir do ano em que a Cooperativa C.Vale inaugura seu complexo avícola, a situação do emprego setorial começa a se alterar. Inicialmente é possível verificar um aumento contínuo no número total de empregados. Somente entre 1996 até 1997 esse total cresceu 17,58%, estimulado principalmente pelo setor das indústrias de produtos alimentícios, que apresentaram 202,86% de aumento nesse mesmo período. Total

16 O interessante é que o aumento no setor das indústrias de produtos alimentares foi acompanhado pelo desempenho positivo de outros setores, como, por exemplo, os setores do comércio, de transporte e de comunicação, de serviços de alojamento e alimentação, e da agropecuária. O resultado desse processo foi que em 2008 a hierarquia dos setores que mais empregavam em Palotina se alterou completamente. Nesse ano, a ordem dos principais setores era: as indústrias de produtos alimentares com empregados (ou 37,92% em relação ao total), o comércio com (ou 24,62%), o setor da administração pública com 641 (ou 7,36%), e o setor da agropecuária com 638 empregados (e representação de 7,33% do total). De 1997 a 2008 todos os setores apresentaram crescimento no número total de empregados. Os principais destaques foram para o setor das indústrias de produtos alimentares com 523,02%, das outras atividades industriais com 145,67%, do setor de transportes e comunicação com 146,67% e do comércio com 137,96%. A justificativa para o crescimento associado dos setores supracitados é encontrada na afirmação de Hirschmann (1985), que identifica os conceitos de encadeamentos para frente e para trás. Esse autor afirma que esses encadeamentos se evidenciam principalmente através do crescimento interdependente e respectivo de certas indústrias fornecedoras e compradoras de insumos de uma determinada indústria (central), bem como dela própria. Hirschmann reforça que a importância desses efeitos deveria ser analisada por meio de dois enfoques principais: o primeiro diz respeito aos produtos potencialmente induzidos em outros setores pelo investimento inicial, enquanto que, no segundo, deveriam ser analisadas as probabilidades de que esses novos investimentos, corporificados em ampliações da capacidade das empresas ou na criação de outras, realmente aconteçam. Sendo assim, ao buscar caminhos que possam apontar os encadeamentos, o autor propõe que os encadeamentos para frente de um determinado setor sejam medidos pela proporção de seu produto total destinado às outras indústrias, e não à demanda final, enquanto que, para o efeito de encadeamento para trás, através da medida da porcentagem de seu produto, que representa compras de outros produtos do mesmo setor e/ou de outros setores (HIRSCHMAN, 1961, p ). O autor menciona ainda que o caminho mais eficiente de crescimento deve ser aquele onde possam ser combinados os efeitos de encadeamento para trás e para frente (HIRSCHMAN, 1961). A partir disso, entende-se que encadeamento para trás é o resultado de um crescimento autônomo de um determinado setor, motivado basicamente por causa de um novo investimento ou pelo aproveitamento da capacidade produtiva previamente existente. Nesse tipo de encadeamento existe a indução do crescimento de outros setores a ele relacionados, graças, principalmente, às pressões de demanda. Nos encadeamentos para frente, o motivo de sua ocorrência é a existência de um aumento da produção de um determinado fator que provoca a elevação da produção de outros setores em virtude do excesso de oferta do produto do setor inicial (RIPPEL, 1995). No caso analisado neste artigo, pode-se fazer uma analogia com a teoria apresentada de Hirschmann. A partir do momento em que a C.Vale realiza os investimentos necessários para a construção do seu complexo avícola e começa a utilizá-lo, ela necessita continuamente da matéria-prima, de transportar e de comercializar os produtos finais e, com isso, dinamiza o setor rural, que produz os frangos e os suínos, e o setor de comércio e serviços para

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Portal - Acesso do Fornecedor

Portal - Acesso do Fornecedor Portal - Acesso do Fornecedor Créditos Criação, Formatação e Desenvolvimento: Marcos Soares Colaboração: Sergio Priori Dados técnicos: Número de revisões: V1 Número de páginas: 15 Pré-Requisitos Navegação

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

Release conjunto. Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina

Release conjunto. Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina Release conjunto L Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina Alunos e professores das redes pública e privada de ensino receberão 3.899 livros do Atlas Ambiental Mata Viva, projeto

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

Conjuntura e perspectivas. Panorama do mercado de extração de óleos

Conjuntura e perspectivas. Panorama do mercado de extração de óleos Conjuntura e perspectivas Panorama do mercado de extração de óleos I Simpósio Tecnológico PBIO de Extração de Óleos Vegetais Daniel Furlan Amaral Economista Rio de Janeiro - RJ 03 Dezembro 2009 Roteiro

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA CONSTITUIÇÃO DE COOPERATIVAS

ORIENTAÇÃO PARA CONSTITUIÇÃO DE COOPERATIVAS ORIENTAÇÃO PARA CONSTITUIÇÃO DE COOPERATIVAS 1. BREVE HISTÓRICO O cooperativismo objetiva difundir os ideais em que se baseia, para atingir o pleno desenvolvimento financeiro, econômico e social de todas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 3 DE OUTUBRO DE 1975 ABERTURA DO

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

Século XVIII e XIX / Europa

Século XVIII e XIX / Europa 1 I REVOLUÇÃO AGRÍCOLA Século XVIII e XIX / Europa! O crescimento populacional e a queda da fertilidade dos solos utilizados após anos de sucessivas culturas no continente europeu, causaram, entre outros

Leia mais

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL INTEGRAÇÃO CONTRATUAL Uma Estratégia de Acesso ao Mercado Internacional Pedro Viana Borges Esp. Pol. Públicas P e Gestão Governamental Internacionalização de Cooperativas Integração Regional no Mercosul

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012 ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA Brasília outubro de 2012 Agricultura e Armazenagem Produzir até 2050, de forma sustentável e ordenada, + 1 bilhão de toneladas de grãos e + 200 milhões de toneladas de carne,

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL.

O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL. 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL. A CLASSE C IDENTIFICA CINEMA, INTERNET E TV POR ASSINATURA COMO

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas COOPERATIVISMO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o

Leia mais

FINANÇAS E COOPERATIVISMO

FINANÇAS E COOPERATIVISMO O CARREGA NA ESSÊNCIA OS VALORES DA HUMANIDADE Cooperativismo é a união voluntária de pessoas com o objetivo de atender necessidades e aspirações comuns, de natureza econômica, social, cultural ou outras.

Leia mais

Propostas do Sistema Cooperativista para o Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016

Propostas do Sistema Cooperativista para o Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016 Propostas do Sistema Cooperativista para o Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016 Introdução...4 O cooperativismo e a agricultura familiar... 5 Crédito Rural...8 Sugestões para aprimoramento das

Leia mais

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta Dilma Rousseff. É também um desafio administrativo e de gestão ao impor ao setor público metas

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

HISTÓRICO DO MOVIMENTO COOPERATIVISTA BRASILEIRO E SUA LEGISLAÇÃO: UM ENFOQUE SOBRE O COOPERATIVISMO AGROPECUÁRIO

HISTÓRICO DO MOVIMENTO COOPERATIVISTA BRASILEIRO E SUA LEGISLAÇÃO: UM ENFOQUE SOBRE O COOPERATIVISMO AGROPECUÁRIO HISTÓRICO DO MOVIMENTO COOPERATIVISTA BRASILEIRO E SUA LEGISLAÇÃO: UM ENFOQUE SOBRE O COOPERATIVISMO AGROPECUÁRIO Autor: Jackson Eduardo Gonçalves (*) Endereço para correspondência: Rua Juca Escrivão,

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

Cooperativismo > História História do Cooperativismo

Cooperativismo > História História do Cooperativismo Cooperativismo > História História do Cooperativismo A origem do que hoje chamamos cooperativa tem data marcada: 21 de dezembro de 1844. Nesse dia, 27 tecelões e uma tecelã do bairro de Rochdale, em Manchester,

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

PLANO DE REORDENAÇÃO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR DE SANTA CATARINA I. B.

PLANO DE REORDENAÇÃO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR DE SANTA CATARINA I. B. PLANO DE REORDENAÇÃO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR DE SANTA CATARINA SITUAÇÃO AGRICULTURA FAMILIAR Esta errado o pensamento de que agricultura familiar é só de sobrevivência Ela é responsável pela

Leia mais

Apresentação Institucional Sistema Cooperativista

Apresentação Institucional Sistema Cooperativista Apresentação Institucional Sistema Cooperativista 2011 História do Cooperativismo 1844 1899 Déc. 50 Déc. 60 1969 Surge o cooperativismo moderno Inglaterra... Primeira cooperativa brasileira Ouro Preto/MG...

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Infra-estrutura como fator chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Ieda Kanashiro Makiya Rogério Carlos Traballi UNIP BRASIL: 10º PIB mundial (FMI, 2005) x PIB per capita abaixo

Leia mais

A cadeia produtiva do leite, uma possibilidade de comércio justo e solidário no Brasil Arnoldo de Campos 1

A cadeia produtiva do leite, uma possibilidade de comércio justo e solidário no Brasil Arnoldo de Campos 1 A cadeia produtiva do leite, uma possibilidade de comércio justo e solidário no Brasil Arnoldo de Campos 1 A produção de leite no Brasil envolvia quase 1,8 milhão de estabelecimentos produtores, segundo

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL

DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SE É DESENVOLVIMENTO É PRIORIDADE DO SEBRAE LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA REGULAMENTAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA LG REGULAMENTADA LG REGULAMENTADA

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

Preços de alimentos básicos continuam em alta

Preços de alimentos básicos continuam em alta 1 São Paulo, 2 de junho de 2008. NOTA À IMPRENSA Preços de alimentos básicos continuam em alta Apenas duas, das 16 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA

PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA (Coordenação de Agropecuária) E DA GEPAD (Gerência de Planejamento,

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO ECONÔMICA NO TERRITÓRIO NACIONAL

A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO ECONÔMICA NO TERRITÓRIO NACIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO AUP 0270 - PLANEJAMENTO DE ESTRUTURAS URBANAS E REGIONAIS II PROF ANDREÍNA NIGRIELLO A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO

Leia mais

Uma história de sucesso. Sistema cooperativo. Industrialização. Mercado

Uma história de sucesso. Sistema cooperativo. Industrialização. Mercado Uma história de sucesso Desde a fundação, em 1977, a Frimesa sempre procurou oferecer o melhor aos consumidores. Ao longo do tempo a empresa avançou na industrialização de carne suína e leite, diversificando

Leia mais

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R:

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R: Data: / /2014 Bimestre: 3 Nome: 6 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Atividade: 2,0 (Dois) Nota: GRUPO 6 1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB,

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, 2009. p. 24-29. CAPITALISMO Sistema econômico e social

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS Área: ADMINISTRAÇÃO José Lindomir Pezenti EMATER, Cascavel-PR, pezenti@yahoo.com.br Geysler Rogis Flor Bertolini UNIOESTE, Cascavel-PR,

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Políticas Públicas do MAPA para o

Políticas Públicas do MAPA para o Engenheiro Agrônomo ERIKSON CHANDOHA Diretor do Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo - SDC Ministério da Agricultura Pecuária

Leia mais

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades 1 São Paulo, 06 de novembro de 2014. NOTA À IMPRENSA Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades Em outubro, houve aumento dos preços do conjunto de bens alimentícios essenciais em 12 das 18 cidades onde

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

Novo retrato da agricultura familiar em Santa Catarina

Novo retrato da agricultura familiar em Santa Catarina Novo retrato da agricultura familiar em Santa Catarina Resumo Lauro Mattei Professor dos cursos de Graduação e de Pós-Graduação do Departamento de Economia da UFSC. E-mail: mattei@cse.ufsc.br Este artigo

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia Cadeia irá trabalhar unida na implementação das melhores práticas socioambientais

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

Ministério do Trabalho assina portaria que reconhece categoria da agricultura familiar

Ministério do Trabalho assina portaria que reconhece categoria da agricultura familiar Porto Alegre. 21 de maio de 2015. Edição 008 Ministério do Trabalho assina portaria que reconhece categoria da agricultura familiar Dia 20 de maio de 2015 vai ficar marcado de maneira muito positiva para

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

FORÇA FEMINISTA NA CHINA

FORÇA FEMINISTA NA CHINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA DO SECULO XX FORÇA FEMINISTA NA CHINA DÉBORAH PAULA DA SILVA RECIFE

Leia mais

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹ IV Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, IV Jornada Científica, 06 a 09 de dezembro de 2011 Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano D Montanhas Rochosas

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 10 janeiro 2007 Original: inglês P

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA 1. Nós, 350 educadores e educadoras das escolas públicas do campo,

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR.

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR. NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR Área: ECONOMIA LOPES, Janete Leige PEREIRA, Kelli Patrícia PONTILI, Rosangela

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 DE MARÇO ANHEMBI SÃO PÀULO-SP

Leia mais