Título do trabalho: Uma visão do Sistema Geral de Preferências no Comércio Interancional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Título do trabalho: Uma visão do Sistema Geral de Preferências no Comércio Interancional"

Transcrição

1 Título do trabalho: Uma visão do Sistema Geral de Preferências no Comércio Interancional Mês e ano da elaboração ou atualização do trabalho: Fevereiro de 2004 Nome completo do autor: Rangel Garcia Barbosa Profissão e titulação do autor: Professor de Direito Internacional Público da PUC-MG Unidade São Gabriel. Mestre em Direito Internacional pela Faculdade de Direito da UFMG. Doutorando em Direito Internacional na Faculdade de Direito da UFMG. do autor:

2 8PD9LVmRGR6LVWHPD*HUDOGH3UHIHUrQFLDVQR &RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO $XWRU5DQJHO*DUFLD%DUERVD Belo Horizonte - Fevereiro/2004

3 ³1HQKXPDDPSOLDomRGRFRPpUFLRH[WHULRUDXPHQWDUiLPHGLDWDPHQWHRPRQWDQWH GR YDORU HP XP SDtV HPERUD FRQWULEXD SRGHURVDPHQWH SDUD DPSOLDU R YROXPH GH PHUFDGRULDVHSRUWDQWRDVRPDGHVDWLVIDo}HV 1 David Ricardo 1 (RICARDO, 1996:96)

4 5(6802 Este artigo procura apenas dar uma visão geral do que seja o Sistema Geral de Preferências (SGP) e sua aplicabilidade no sistema comércial mundial, utilizando uma análise do seu contexto jurídico e econômico.

5 $%675$&7 This paper only aims to show a general vision of what a General Preference System (GPS) is and its aplicability in the world trade system, using an analisys of its legal and economic context.

6 6XPiULR 1. As Relações Econômicas Internacionais no pós-2.ªguerra; 2. O Sistema Geral de Preferências; 3. A Atuação do SGP na Prática Comercil; 4. Bibliografia. $V5HODo}HV(FRQ{PLFDV,QWHUQDFLRQDLVQRSyV *XHUUD $&DUWDGR$WOkQWLFRHD&RQIHUrQFLDGH%UHWWRQ:RRGV Em 1941, quando o sol ainda silenciava as bombas da última noite, Theodore Roosevelt e Winston Churchill ergueram o pilar daquelas que seriam as maiores e mais duradouras construções do pós-guerra. Nesta nova ordem econômica internacional,...vhvjudqghvoljqhvghydlhqw HQHIIHW rwuhsrvphvsduohv(wdwv8qlvhwod*udqgh%uhwdjqhdoruvprphtxhodghx[lqphjxhuuh PRQGLDOHpWDLWORLQG rwuhwhuplqphod&kduwhgho $WODQWLTXHGHO DFFRUGG DLGH PXWXHOOH GH HW O DFFRUG ILQDQFLHU GH (CARREAU, 1998: 41), junta-se a 2 Deve ser feita a ressalva de que todas as citações serão feitas em sua língua de origem para que assim não se percam em uma tradução as particularidades dos institutos jurídicos citados pelo autor.

7 estes acordos o início de duas negociações paralelas em : a primeira, referente à instituição de uma organização internacional para a regulação monetária e financeira do mercado mundial; a segunda, objetivando a constituição de uma organização internacional atuante no âmbito do comércio internacional (BELANGER, 1997: 12). A primeira das negociações a terminar foi aquela que versava sobre o sistema monetário internacional. Após um longo embate entre os negociadores norte-americanos e ingleses, chegou-se a um consenso, em 1943, no qual prevaleceu a posição norteamericana, defensora da formação de um fundo monetário comum das nações superveninentes à guerra 4. No dia 1º de julho de 1944, foram assinados os acordos de Bretton-Woods, na verdade, os estatutos de duas novas instituições internacionais: o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Internacional para a Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD). Ambos entraram em vigor no ano de 1945, entretanto, as atividades destas organizações internacionais somente se iniciaram em Tendo por base os acordos comerciais realizados por si na década de 30 (RAINELLI, 1998: 17), os Estados Unidos buscaram a constituição de um ente internacional que tivesse por principal escopo a liberalização do comércio internacional. 3 Estas negociações, antecessoras ao fim da guerra, ocorreram graças ao medo americano de que houvessem novamente os problemas de convetibilidade de moeda e GXPSLQJPRQHWiULR, além da corrida protecionista na esfera comercial, ambos corriqueiros no início da década de Para maiores detalhesde uma das maiores discussões econômicas do século: (LELART, 1997).

8 Esta empreitada originou o plano de constituição da Organização Internacional do Comércio, por meio da chamada Carta de Havana. Contudo, após sondar o congresso norte-americano, e saber que o projeto da Carta não seria aprovado nos moldes em que se encontrava, sendo que as negociações para uma possível mudança do acordo - de uma maneira que satisfizesse o congresso - seriam impossíveis, este país buscou a negociação da parte IV da Carta, coincidentemente, aquela que mais lhe era interessante: expressão dos diferentes compromissos concernentes à liberalização do comércio mundial. Para tanto, em 1947, os Estados Unidos sugeriu uma rodada de negociações, realizada em Genebra, ansiando a adoção desta interessante fatia da Carta de Havana, tendo por base a alegação que as outras partes da mesma seriam adotadas no ano seguinte (TAMAMES, 1995: 121). Assinado em 30 de outubro de 1947, para entrar em vigor no dia 1º de janeiro de 1948, o GATT 5 foi o primeiro acordo referente a livre circulação de mercadorias sombreando os cinco continentes. 6 Um quarto acordo internacional pode ser acrescentado a esta tríade, na formação do quadro econômico mundial do pós-guerra, a Carta das Nações Unidas. O essencialismo econômico contido no art. 1º, par. 3º, e no art. 55, al. a) e c), não pode ser 5 General Agreement for Tarifs and Trade. 6 A Carta de Havana foi assinada pelos mesmos signatários do GATT no dia 24 de março de Todavia, por ter sido ratificada apenas pela Austrália e Libéria, ela nunca entrou em vigor, consequentemente, não houve a

9 descartado enquanto grande impulsionador da ordem econômica internacional, já que este era o único elo jurídico-econômico que ligava os países capitalistas aos socialistas. No seu conjunto, estas entidades internacionais pretendiam zelar, no linguajar de Dominique Carreau, pela FRQVpFUDWLRQ G XQ OLEUHpFKDQJH RUJDQLVp, através de uma empenhada defesa do princípio da vantagem comparada, no quadro comercial, e da estabilidade e convertibilidade monetária, na seara monetária. Nesta tarefa, de regular a ordem econômica internacional, foi o GATT quem mais efetivamente se sobressaiu. 2V3RQWRV&DUGHDLVGR&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO Apesar do pequeno número de signatários, 23 países 7, o GATT foi um marco na história do comércio internacional por proporcionar, pela primeira vez, uma abordagem multilateral na busca da liberalização do comércio internacional 8. constituição da talanteada organização internacional do comércio. Para aprofundar esta questão: (JACKSON, 1992: ) 7 África do Sul, Austrália, Bélgica, Brasil, Burma, Cánada, Ceilão, Chile, China, Cuba, Estados Unidos da América, França, Grã-Bretanha, Holanda, Índia, Líbano, Luxemburgo, Noruega, Nova Zelândia, Paquistão, Rodésia, Síria, e a Tchecoslováquia. 8 A liberdade de comércio foi definida pelo Tribunal Permanente Internacional de Justiça como...a faculdade, em princípio ilimitada, de empreender toda a atividade comercial, quer ela tenha por objeto o negócio propriamente dito, isto é a venda e a compra de mercadorias, ou se aplique à indústria..., quer se exerça no interior ou se exerça com o exterior por importação ou exportação. (acórdão de 12 de Dezembro de 1934, caso 2VFDU&KLQQ, série A/B nº 63, p.84)

10 Este alastramento de uma nova filosofia comercial pelo mundo proporcionou aos princípios basilares do GATT o estatuto de novos orientadores do comércio internacional. Nesta medida, para melhor entender este novo paradigma econômico-comercial das décadas de 50, 60 e início de 70, faz-se necessário o elenco destes princípios: - a diminuição constante das barreiras comerciais, sejam elas de toda e qualquer natureza, tarifárias ou não-tarifárias. Como principais expoentes: art. XI e art. XXVIII bis; - o princípio da não-discriminação entre as partes contratantes 9. Desdobra-se em duas esferas diferentes: a não-discriminação de um país terceiro em relação a outro Estado exportador para este mesmo mercado; a não-discriminação entre as mercadorias importadas de uma parte contratante e as mercadorias nacionais. O primeiro sobressai-se através do art. I, a claúsula da nação mais favorecida, enquanto, o segundo por meio do art. III, 4º, a claúsula do tratamento nacional; - O princípio da reciprocidade, de acordo com o qual um Estado não pode dar concessões senão em contrapartida de concessões feitas por parte dos outros integrantes do GATT, ou não as aplicar aos Estados que não solidifiquem suas negociadas concessões. Isto está atestado nos vários protocolos de entrada das 9 Esta denominação foi dada aos países constituidores do GATT por este não constituir uma organização internacional VWULFWRVHQVX. Maiores informações sobre este tema: (JACKSON, 1997: 31-79)

11 partes contratantes e nas várias negociações realizadas no decorrer URXQGV 10 que preencheram toda a existência do GATT. À primeira vista, este princípios aparentam uma grande harmonia e plena funcionabilidade, todavia, após os ver por sete anos, muitos países não concordaram com isso. $$SDULomRGRV39'V Com o encerrar da segunda guerra mundial, o mundo deflagrou-se com uma profusão de novos países na África e Ásia, que vieram a se juntar com os já independentes na Ámerica, para formar, na década de 50, o chamado, inicialmente pela escola francesa de geografia, terceiro mundo (BONIFACE, 1995: 25). 10 Nome dado as negociações multilaterais sazonais que ocorriam a sombra do GATT. 11 Consideram-se países em via de desenvolvimento, para efeito deste texto, todos aqueles que não faziam parte da OCDE até a década de 90 (quando acenderam a esta organização internacional, vários países, dentro de um conceituação puramente econômica, subdesenvolvidos) - todavia, no momento adequado, iremos ressaltar as disparidades que dividem países como a Coréia do Sul e o Paraguai dentro desta qualificação. Por seu lado, os países menos avançados- PMAs - estão definidos, em número de 48, em uma lista, nos termos de Pellet, movediça, publicada pela CNUCED - resolução 2564 (XXIV) - e é esta enumeração que será adotada ao se fazer referência aos PVDs.

12 No ano de 1955, acontece a primeira manifestação global de cooperação dos países subdesenvolvidos 12, a conferência de Bandung (ALMEIDA, 1978: 41). Nesta, eles estabeleceram a necessidade da criação de um foro internacional para as suas discussões 13, e afirmaram a carência de ajuda financeira para conseguir o seu desenvolvimento. Atendendo o anseio inicial, o primeiro decêncio das Nações Unidas para o desenvolvimento, em 1961, testemunhou o novo interesse atribuído pelas Nações Unidas aos problemas próprios do Estados de Perfiferia : um ensaio para a futura formação da Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento (CNUCED). Já na sua busca por ajuda financeira, os PVDs alcançaram os empréstimos por parte do FMI. Não obstante, este sucesso não se repetiu na esfera comercial, o que corroborou para a criação do slogan, 7UDGHQRW$LG, adotado por estes países no início da década de 60. Com efeito, a CNUCED veio como uma tentativa de solucionar este último problema, tanto que, em sua primeira realização, 1964, foram adotados alguns princípios que constituiram o esboço dos fundamentos da futura nova ordem econômica 12 Deve ressaltar-se que o Clube de Paris - grupo constituído pelos países desenvolvidos - existe desde o séc. XIX. 13 Este foro foi denominado grupo dos setenta e sete (G-77), e passou a se reunir periodicamente para discutir os assuntos relevantes para os PVDs. Hoje, possui 131 membros. Para maiores informações:

13 internacional ; neste mesmo ano, afetando esta mesma seara, deve-se destacar a atitude paralela da adoção da parte IV do GATT 14. Nos dois decênios seguintes, a CNUCED protelou o discurso, sem maiores implicações práticas 15. Esta relapsa atitude contribuiu para impulsionar a redação da Declaração de Argel na quarta conferência dos não-alinhados, em 1973, e a ofensiva feita pela OPEP 16 : diminuindo a produção de pétroleo para forçar a elevação dos preços, objetivando na verdade uma maior flexibilazação dos países desenvolvidos em outros nichos econômicos. Contudo, os grandes prejudicados com a primeira crise do petróleo foram os países do terceiro mundo, já que estes eram os dependentes do combustível não detentores de fontes de renda para adquiri-lo após o aumento do preço do barril(angelopoulos, 1977: 76). O desencadeamento destas reações levou a ONU a refletir sua postura, e, nesta medida, a mudança da mesma. No dia 1º de maio de 1974, a Assembléia Geral das Nações Unidas adota a Declaração 17 e o Programa de Ação relativo à Instauração de uma 14 Esta parte do GATT consagra uma exceção aos PVDs na medida em que prega a inexigibilidade da reciprocidade dos mesmos nas negociações multilaterais, art. XXXVI. Esta não era nenhuma novidade, pois na, já referida, Carta de Havana, havia a previsão de um tratamento preferencial para os países em desenvolvimento, na sua parte VII. 15 A questão do SGP será tratada no capítulo seguinte. 16 Organização dos Países Produtores e Exportadores de Petróleo. Para maiores informações: fundada na equidade, na igualdade soberana, na interdependência, no interesse mútuo e na cooperação entre todos os Estados, independentemente do seu sistema econômico e social, que corrigirá as desigualdades e retificará as injustiças atuais, permitirá eliminar o fosso crescente entre os países desenvolvidos eos países em via de

14 Nova Ordem Econômica Internacional (NOEI), seguida pela apreciação e votação da Carta dos Direitos e Deveres Econômicos do Estado 18, em Dezembro do mesmo ano 19. Este é considerado o início da NOEI Este novo paradigma deveria ser mais equitativo que o seu anterior, por meio de uma simbiose entre dois aportes: a independência efetiva e a interdependência operante (BEDJAOUI, 1979: 36). A primeira urge do princípio tradicional da igualdade soberana, expressa, principalmente, na reivindicação da institucionalização da prática um Estado - um voto 20 ; e do desaparecimento dos órgãos onde os países em desenvolvimento não beneficiam de igualdade 21. A segunda anuência aconteceria no que tange a criação de uma estrutura que tornasse a interdependência entre os países mundiais direcionada para o desenvolvimento dos PVDs, usando, no campo do comércio mundial, da discriminação e não reciprocidade. A incompatibilidade entre estes dois anseios, apontada por alguns autores (BOULARES, 1980: 10), é apenas aparente, por ser isso, na verdade, o reconhecimento desenvolvimento, e assegurará na paz e justiça às gerações presentes e futuras um desenvolvimento económico e social que se irá acelerando... (DINH, 1994: 907) 18 Deve Constar que nenhum país desenvolvido foi signatário desta carta, não reconhecendo, assim, a sua condição de codificação de novos costumes internacionais. Sendo este o ponto fulcral no questionamento da existência, ou não, de uma nova ordem econômica internacional. 19 Resoluçôes 3201 e 3202 (S-VI), respectivamente. 20 Como exemplo adverso, o sistema de votos ponderados institucionalizado no FMI. 21 Conselho de Segurança das Nações Unidas.

15 de princípios de natureza coligada, distinta e compatível; na medida em que um país pede o reconhecimento de sua autonomia e a atenção sobre a sua condição de inferioridade econômica, ele não opõe uma a outra, mas sim tenta demonstrar que apesar da segunda, a primeira sustenta-se SHUVH. Como exemplo de alguns frutos desta nova filosofia: a Organização pela Agricultura e Comida 22, 1978, e a Organização das Nações Unidas do Desnvolvimento e Indústria (ONUDI), no seio da ONU; os diversos Acordos no comércio dos produtos de base; o Sistema Geral de Preferências (SGP); alguns atos da OCDE, no sentido de ajuda financeira 23 ; uma maior cooperação entre os PVDs 24. De todos estes programas, os únicos que propunham um programa de desenvolvimento sustentável, e não de simples doações e mudanças na condição jurídica internacional, eram aqueles ligados à seara comercial. 22 Mais conhecida por FAO - Food and Agricultural Organization. Para maiores informações: 23 Nomeadamente a criação do Comitê de Ajuda ao Desenvolvimento - CAD - na sua estrutura institucional. Para maiores informações: 24 Na terceira reunião do G-77, a Convenção de Manila, em 1976, adotou-se a resolução sobre a Cooperação Econômica entre Países em Desenvolvimento que objetivava a construção do conceito de autosuficiência coletiva, VHOIUHOLDQFH.

16 26LVWHPD*HUDOGH3UHIHUrQFLDV6*3 8P'LVFXUVR Desde a descolonização, muitas ex-metrópoles perpetuaram suas relações comerciais preferênciais com as ex-colônias, o que foi reconhecido pelo GATT, em Todavia, como a maioria dos países subdesenvolvidos estava fora deste esquema, além de terem percebido que não poderiam competir no eixo comercial Norte-Norte, a partir da supracitada Conferência de Bandung, o discurso por relações comerciais diferenciadas começou a formar coro. Seus primeiros ecos foram sentidos no GATT, em 1964, quando da, já citada, adoção da parte VI do acordo, reconhecendo a não-reciprocidade nas relações comerciais. Contudo, a pedra angular deste novo conceito comercial foi fundada em Neste ano, o então secretário geral da CNUCED sugeriu que se constituísse um sistema comercial preferencial que beneficiasse os países em desenvolvimento ; para o seu desenvolvimento foi criado o Comitê Especial de Preferências. 25 Ressalta-se o fato de a URSS e a Austrália já terem seus SGPs desde 1965 e 1966, respectivamente. O segundo país, mesmo sendo signatário do GATT, nunca ter recebido uma reclamação neste sentido, perante o Conselho das Partes Contratantes, até o ano de 1971, ano de aprovação da derrogação acerca do SGP.

17 Este Comitê terminou seus trabalhos em 12 de Outubro de 1970, quando emitiu suas conclusões concertadas, que serviriam de base para os trabalhos que passaram a ser desenvolvidos no GATT. Nos ajustes do grupo de discussão formado no berço do GATT em 1947, relevouse a incompatibilidade do SGP com a claúsula da nação mais favorecida. Para solucionar esta antítese, as Partes Contratantes decidiram aprovar o SGP sob forma de derrogação ao GATT com base no art. XXV, 5º do acordo, tendo como prazo de vigência, dez anos. 26 Resolução 21 (II) da Assembléia Geral das Nações Unidas. 27 Como intrumentos básicos deste mecanismo de importação tem-se: -a auto-elegibilidade organizada: o SGP de cada país enumera os seus possíveis requerentes, não podendo ser constestado o seu método de escolha; -as listas dos produtos abrangidos pelas reduções tarifárias, e o valor percentual destas reduções, anexas à lei consituidora do SGP. Conjuntamente estão as regras de origem que devem ser atentidas pelos produtos dos países beneficiários para a obtenção das reduções tarifárias; -claúsulas de encerramento unilateral, nas quais os países dadores afirmam poder reiscindir o SGP a qualquer tempo; -a existência de previsões no tocante a: claúsulas de salvaguarda, excepções gerais, restrições quantitativas e, principalmente, as FRPSHWLWLYHQHHGOLPLWDWLRQV e as claúsulas GHPLQLPLV, que impossiblitam a eligibilidade de certos produtos na medida em que estes estiverem competitindo com produtos nacionais, ou ao passo que assumem uma posição monopolística no quadro de importações. Assim percebe-se que algumas dessas medidas diminuem a amplitude do caráter beneficiante dotado por este sistema.

18 Após este ato das Partes Contratantes do GATT, chegaram a existir 20 SGPs 28 por todo mundo, no final da década de No Tóquio Round ( ), os países constituidores do GATT voltaram a discutir este tema, devido a proximidade do término do prazo de derrogação. Buscando não propriciar infindas renovações de derrogações vindouras acerca do tema, eles propuseram a instituição de uma claúsula de habilitação, em 1979, na qual afirmavam: ³1RQREVWDQWOHVGLVSRVLWLRQVGHO DUWLFOH SUHPLHUGHO $FFRUG *pqpudoohv3duwlhv&rqwudfwdqwhvshxyhqwdffrughuxqwudlwhphqw GLIIpUHQFLp HW SOXV IDYRUDEOH DX[ SD\V HQ YRLH GH GpYHORSSHPHQW VDQVO DFFRUGHUjG DXWUHVSDUWLHVFRQWUDFWDQWHV 31 A claúsula de habilitação definiu muito bem os paramêtros no qual poderiam se desenvolver os SGPs, e deixou muito clara a sua condição de exceção ao art. I do GATT, todavia, esqueceu-se de definir o que ela mesmo seria. 23UREOHPDGHVXD1DWXUH]D-XUtGLFDQR4XDGURGR$FRUGR,QVWLWXLGRUGD20& ³7KH VLWXDWLRQ LQ WKH :72 DIWHU WKH 8UXJXD\ 5RXQG FRQWLQXHV ZLWK HYHQPRUHDPELJXLW\7KH8UXJXD\5RXQGWH[WSURYLGHVWKDWPRVWRIWKH 28 Entretanto, existiram reações adversas dos países desenvolvidos, como: o Acordo Multifibras, as restrições voluntárias às exportações e a multiplicação das medidas `anti-dumping. 29 Ainda, existem apenas 10 SGPs em vigor. 30 Os exemplos dos SGPs dos EUA, Comunidade Européia (CE) e Austrália serão analisados mais detidamente D SRVWHULRUL. 31 Em: Doc., GATT/1234 de 12 de abril de (p. 10)

19 OHJDOLQVWUXPHQWVXQGHU*$77 32 VWLOOLQIRUFHZKHQWKH:72FDPH LQWR H[LVWHQFH ZRXOG EH FDUULHG RYHU DV SDUW RI *$77 7KXV LW DSSHDUV WKDW WKHVH PHDVXUHV FRQWLQXH WR DSSO\ DOWKRXJK WKH VSHFLDO SURYLVLRQV IRU GHYHORSLQJ FRXQWULHV GLVWULEXWHG LQ PDQ\8UXJXD\5RXQG WH[WV PD\ ODUJHO\ VXSHUVHGH WKH 7RN\R 5RXQG 'HFODUDWLRQ (JACKSON, 1997: 324) Então, para se entender a natureza jurídica do SGP na OMC, deve ser feito o retorno a contextualização da claúsula de habilitação dentro do GATT Na ausência de regulação sobre esta matéria no Direito Internacional, acredita-se que esta imiscuização somente poderá derivar da conceituação: de suas características, procurando verificar se existe alguma similitude com os outros instrumentos jurídicos do GATT, e da sua natureza jurídica, para que, partindo deste ponto, possa-se definir o seu regime jurídico ideal. ³/D FODXVH G KDELOLWDWLRQ GX *$77 Q HQJOREH SDV OH WUDLWHPHQW GLIIpUHQFLpHWSOXVIDYRUDEOHGDQVVDJpQpUDOLWp6RQFKDPSG DSSOLFDWLRQ HVWFLUFRQVFULWjODJDPPHGHVLQVWUXPHQWVHWPHVXUHVVXLYDQWVV\VWqPHV GH SUpIpUHQFHV WDULIDLUHV JpQpUDOLVpHV DUUDQJHPHQWV SUpIpUHQWLHOV HQWUH 39'HWWUDLWHPHQWVSpFLDORFWUD\pDX[SD\VOHVPRLQVDYDQFpVGXJURXSH GHV ³ PHVXUHV QRQWDULIDLUHV UpJLHV SDU OHV GLVSRVLWLRQV GHV FRGHV QpJRFLpVVRXVOHVDXVSLFHVGX*$77 (LEBULLENGER, 1982: 286) A partir desta citação, pode-se atestar que a claúsula de habilitação não cobre as preferências especiais arranjadas por acordos específicos entre países desenvolvidos e 32 O GATT chamado de GATT 1947 é aquele aprovado em Genebra neste mesmo ano, vigorando em 1948; já o GATT 1994 é o texto contido no anexo 1A do acordo constituinte da OMC. Este é formado pelo GATT 1947, mais instrumentos adotados a partir da vigência deste e outras declarações - sua plena constituição está descrita em seu primeiro parágrafo. Assim, quando se adota, neste texto, a partir de agora, o termo GATT, enquanto acordo, quer se referir ao GATT 1994.

20 certos PVDs. Devido a isto, a Comunidade Européia (CE) aprovava seus sucessivos acordos 33 tendo como base jurídica a parte IV do GATT. Outro intrincado fato é que, ³/D FODXVH G KDELOLWDWLRQ LQWqJUH pjdohphqw OHV PHVXUHV WDULIDLUHV HW QRQ WDULIDLUHV pfkdqjphv HQWUH SD\V HQ YRLH GH GpYHORSSHPHQW,O V DJLW WRXW G DERUG GHV µduudqjhphqwv UpJLRQDX[ RX PRXQGLDX[FRQFOXVHQWUHSDUWLHVFRQWUDFWDQWHVSHXGpYHORSSpHVHQYXHGH OD UpGXFWLRQ RX GH O polplqdwlrqd GH GURLWV GH GRXDQH VXU XQH EDVH PXWXHOOH (LEBULLENGER, 1982: 287) Isso fomenta a dúvida sobre qual deve ser a base jurídica sob a qual os países subdesenvolvidos devem submeter os seus acordos de integração para a aprovação, se a claúsula de habiltação ou o art XXIV do GATT 34. Para finalizar o elenco de suas características, sublinha-se a primeira citação do prof. Lebullenger,LQ ILQH, ao expressar que a claúsula de habilitação engloba os acordos responsáveis pela regulação das barreiras não tárifárias, podendo, destarte, afetar a claúsula da nação mais favorecida em outros tratados 35, sem ter a previsão de sua derrogação nos mesmos. Após atentar para o fato de que uma vista em suas características mais confundiram o SGP com outros mecanismos jurídicos do GATT do que esclareceram 33 Menciona-se, como exemplo, as sucessivas Convenções de Lomé. 34 A prática tem demonstrado a opção por esta última alternativa. 35 A OMC é constituída por um grande número de acordos adotados sob a forma de um VLQJOHXQGHUWDNLQJ. Muitos desses acordos contém a claúsula da nação mais favorecida dentro de seu corpo de normas - GATS (Geral Agreement of Trade of Services) e TRIPS (Trade Related Intellectual Property).

21 suas particularidades; resta apenas o seu estudo comparado com as outras exceções do GATT tocantes à claúsula da nação mais favorecida, para poder-se afirmar, se existe conceituação possível. A única pista, neste sentido, dada pelos instrumentos do seu ato de aprovação é a possibilidade de alargamento do campo da claúsula de habilitação, dentro do processo de aprovações de derrogações do art. XXV no entanto, não se diz se esta será temporária ou não. Deve-se notar que, apesar do que foi descrito no parágrafo acima, a claúsula de habilitação não pode ser definida enquanto uma derrogação especial de caráter intermitente, já que se aplica a um pedido singular e não se conforma a figura de um arcabouçopara uma pluralidade de situações. De acordo com John Jackson (JACKSON, 1992: ), estas exceções são: as medidas de salvaguarda (art. XIX), a possibilidade de constituição de uma zona de livre comércio ou uma união aduaneira (art. XXIV), as exceções gerais (art. XX), exceções por motivos de segurança (art. XXI). Após um estudo mais aprofundado das características de uma medida de salvaguarda, pode-se afirmar que não existe compatibilidade alguma entre esta e a claúsula de habilitação, a primeira foi instituída como medida a ser adotada em situações de dano a indústria nacional, que poderiam ser resolvidas em um pequeno espaço de tempo, situação em nada parecida àquela passível de usufruir da segunda.

22 Pela leitura dos artigos acima citados, claramente atesta-se a ausência de semelhanças entre a claúsula de habilitação e o art XXIV, pois este cobre um âmbito muito menor que aquele coberto pela claúsula de habilitação. A única ligação, que se percebe entre estes dois instrumentos, é a já discutida possibilidade de imparcimônia no enquadramento dos movimentos de integração dos PVDs. Apesar de versarem sobre diferentes temas, os arts. XX e XXI possuem um mesmo modo de aplicação e interpretação 36. Na sua confrontação com a claúsula de habilitação extraem-se algumas semelhanças: o regime de exceção; o prazo indeterminado de aplicação; a possibilidade de aplicação unilateral destas medidas desde que esta não impeça ou anule a aplicação de outras partes do acordo, ou atente contra os objetivos do acordo (art. XXIII). Por maioria de razão, optando pela classificação da claúsula de habilitação como um conjunto de excepções gerais, resta definir a sua natureza jurídica. Não conseguindo verificar qualquer remissão à claúsula de habilitação dentro do GATT; nem a previsão, dentro dos instrumentos da sua adoção e de sua submissão ao regime de resolução de controvérsias estabelecido pelos arts XXII e XXIII do acordo, 36 Para uma melhor definição do modo de interpretação destes artigos: Shrimp Case, USA vs. México - Appelate Body Report.

23 acredita-se que, tal como o acordo que lhe foi berço, a claúsula de habilitação dentro do direito internacional configure-se como um H[HFXWLYHDJUHHPHQW de natureza especial 37. Isto deve ter assim se sucedido para que os países desenvolvidos não tivessem os seus SGPs submetidos à possibilidade de serem analisados por3dqhov, nos termos do art. XXIII, e, desta maneira, pudessem ter plena discricionariedade nos seus atos circunspectos aos limites do SGP. Agora, para melhor entender o SGP e suas particularidades, faz-se necessária a sua comparação com outros sistemas de preferência comercial: os Acordos sobre o comércio de produtos de base, as Convenções de Lomé e o SGP estabelecido na Convenção de Belgrado, em *3HVHXV3DUHV Os três modelos comerciais acima citados são denominados de SGP. Mesmo se falando em considerar a existência de um conceito amplo de SGP, isso não seria possível. As particularidades de cada um destes modelos não permitem que possam ser colocados em um mesmo conceito, por mais ODWRque este seja. Os Acordos sobre o Comércio de Produtos de Base (ACPB) são 37 Ou seja, um acordo realizado de maneira paralela ao acordo principal, e que não necessitou de ratificação para a sua entrada em vigor.

24 ³/HV$FFRUGVGHSURGXLWVGHEDVHVRQWGHVWUDLWpVHQWUH(WDWVFRQFOXV SRXU XQH SpULRGH OLPLWpH HW UHQRXYDEOHYLVDQW j UHJOHPHQWHU OH PDUFKp G XQ SURGXLW GpWHUPLQp HW UpXQLVVDQW VXU XQH EDVH SDULWDLUH SD\V SURGXFWHXUV HW SD\V FRQVRPPDWHXUV GDQV XQH 2UJDQLVDWLRQ LQWHUQDWLRQDOH VSHFLDOHPHQW FUpH SRXU HQ IDFLOLWHU OD PLVH HQ RHXYUH (PELLET, 1978: 108) Destarte, a primeira divergência entre o SGP e o ACPB é a sua fonte: enquanto o primeiro tem sua força derivada de um ato unilateral, o segundo urge de um tratado bilateral. A segunda característica a ser relevada nesta comparação é, no entanto, uma semelhança. Apesar da claúsula de habilitação ser feitadsulrul e de caráter perpétuo, a inclusão do país na lista de beneficiários não o é, desta maneira, ambos possuem um efeito capacitadamente temporário. A próxima diferença reside no objetivo perseguido por cada um deles: o SGP busca o beneficiamento tarifário de uma lista definida de diversos produtos provenientes de um determinado país subdesenvolvido; já o fim do ACPB é a estabilização do mercado mundial de um determinado produto. A quarta dicotomia entre estes instrumentos do comércio internacional é a existência de reciprocidade nas estipulações do ACPB, e a ausência 38 da mesma no SGP. A necessidade de uma organização intenacional específica para a tutela do ACPB é a última diferença entre eles, o SGP é regido pelo país que o aplica, mesmo tendo que observar as regras da OMC. 38 Ressalte-se o caso norte-americano a ser analisado abaixo.

25 Por outro lado, as Convenções de Lomé, para alguna autores 39, sempre foram SGPs. Contudo, ao se certificar do último texto, Convenção de Lomé IV 40, não é umsgp que se configura perante os olhos, mas sim um acordo de cooperação econômica, por demais abrangente para ser conceituado como um SGP. Tomando por parte alguns exemplos: O fato de ser um acordo plurilateral já distancia sua natureza jurídica daquela detida pelo SGP. ³$UWLFOH,Q RUGHU WR SURPRWH DQG GLYHUVLI\ WUDGH EHWZHHQ WKH &RQWUDFWLQJ3DUWLHVWKH&RPPXQLW\DQGWKH$&36WDWHVDUHDJUHHGRQ JHQHUDOWUDGHSURYLVLRQVVSHFLDODUUDQJHPHQWVIRU&RPPXQLW\LPSRUWRI FHUWDLQ$&3SURGXFWVDUUDQJHPHQWVWRSURPRWHWKHGHYHORSPHQWRIWKH $&36WDWHVWUDGHDQGVHUYLFHVLQFOXGLQJWRXULVPDV\VWHPRIUHFLSURFDO LQIRUPDWLRQ DQG FRQVXOWDWLRQ GHVLJQHG WR KHOS DSSO\ WKH WUDGH FRRSHUDWLRQSURYLVLRQVRIWKLV&RQYHQWLRQHIIHFWLYHO\. A leitura do art. 24 proporciona uma visão da amplitude do leque de medidas comerciais presentes no texto da Convenção,e que em muito distanciam-se de tudo que já foi dito a respeito do SGP e do ACPB. Outro marcante diferencial é o Título V da Parte I da Convenção, versando sobre o desenvolvimento industrial dos países componentes da ACP. Neste momento, ressalta-se que em vulgares acordos comerciais internacionais não se tem como objeto qualquer medida concernente a indústria em si mesma. Evitando uma maçante enumeração de artigos e títulos da Convenção de Lomé IV, citar-se-á a mais importante particularidade deste acordo de cooperação econômica, que 39 Em: (GAKUNU, 1999: 26-28). 40 O texto pode ser obtido no site:

Capitulo 5: O Comércio Internacional

Capitulo 5: O Comércio Internacional Capitulo 5: O Comércio Internacional O comércio nacional é regido por leis e diretrizes que regulamentam as negociações de bens e serviços entre duas ou mais pessoas, sejam físicas ou jurídicas. Dessa

Leia mais

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 1 1G203 - ECONOMIA INTERNACIONAL A regulação das trocas internacionais: do GATT à OMC 1.3 OMC: Objectivos e princípios. Perspectiva histórica da liberalização

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS (Programa e bibliografia geral seleccionada) Revista em 05/11/2014 5.º Ano Ano Lectivo 2014/2015 Regente Rui Pedro de Carvalho

Leia mais

&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV

&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV &RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV 3RU 'HQLV &RUWL] GD 6LOYD $QGHUVRQ 1RYDHV 9LHLUD 5RGROIR )DUDK 9DOHQWH )LOKR 'DQLHO5XGUD)HUQDQGHV,QWURGXomR A criação da OMC (Organização Mundial do Comércio) foi um grandioso

Leia mais

Organização Mundial do Comércio I. Histórico

Organização Mundial do Comércio I. Histórico Organização Mundial do Comércio I Histórico No final da Segunda Guerra Mundial, diversos países resolveram reunir- -se, sob a influência norte-americana, para formular as diretrizes do sistema econômico-financeiro

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller.

http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller. http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller.html Celso Lafer, A OMC e a regulamentação do comércio internacional.

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

ACORDO CONSTITUTIVO DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE COMÉRCIO

ACORDO CONSTITUTIVO DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE COMÉRCIO ACORDO CONSTITUTIVO DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE COMÉRCIO As Partes do presente Acordo, Reconhecendo que as suas relações na esfera da atividade comercial e econômica devem objetivar a elevação dos níveis

Leia mais

Master em Regulação do Comércio Global. Master in International Trade Regulation (MITRE)

Master em Regulação do Comércio Global. Master in International Trade Regulation (MITRE) Proposta de curso de pós-graduação Escola de Economia de São Paulo da FGV Master em Regulação do Comércio Global Master in International Trade Regulation (MITRE) OU Coordenadores: Vera Thorstensen (EESP)

Leia mais

OMC: suas funções e seus acordos de comércio

OMC: suas funções e seus acordos de comércio OMC: suas funções e seus acordos de comércio Prof.Nelson Guerra Surgiu para combater o protecionismo criado pelos países no período entreguerras. O GATT (Acordo Geral de Tarifas e Comércio) surgiu em 1947

Leia mais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Mundo está fragmentado em centenas de países, mas ao mesmo tempo, os países se agrupam a partir de interesses em comum. Esses agrupamentos, embora não deixem de refletir

Leia mais

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de março de 2007 OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de

Leia mais

EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL. Germano Mendes de Paula *

EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL. Germano Mendes de Paula * EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL Germano Mendes de Paula * No dia 5 de março de 2002, o Presidente George W. Bush anunciou a adoção de medidas de salvaguardas, com vistas

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo.

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior A ALCA E OS INTERESSES BRASILEIROS Thomas Benes Felsberg Agnes Borges O Brasil no Mercado Internacional Respondemos hoje por menos de 1% do comércio mundial. Exportações brasileiras não superam a marca

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

Bruxelas, 18 de Março de 2002

Bruxelas, 18 de Março de 2002 Bruxelas, 18 de Março de 2002 O tratado da UE institui uma política comercial comum cuja execução é da competência da Comissão Europeia : A política comercial comum assenta em princípios uniformes, designadamente

Leia mais

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Especial Perfil Wesley Robert Pereira 08 de setembro de 2005 Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral

Leia mais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Sandra Polónia Rios 20 de maio de 2014 Roteiro 1. Antecedentes 2. O Pacote de Bali: agricultura, questões de desenvolvimento e facilitação de comércio

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

regulamentadores dos negócios internacionais

regulamentadores dos negócios internacionais 1.1 Operações e órgãos regulamentadores dos negócios internacionais DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTES: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo:

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade 1 de 5 Princípios de conduta, de igualdade e equidade OBJECTIVO: Assumir condutas adequadas às instituições e aos princípios de lealdade comunitária. 1 No seu relacionamento social como se posiciona face

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Euro-Latin American Parliamentary Assembly Assemblée Parlementaire Euro-Latino Américaine Asamblea Parlamentaria Euro-Latinoamericana Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana ASSEMBLEIA PARLAMENTAR

Leia mais

LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO PREVISTA NAS CONCLUSÕES DE GRUPOS DE TRABALHO DA SUBCOMISSÃO COMERCIAL MERCOSUL UNIÃO EUROPÉIA

LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO PREVISTA NAS CONCLUSÕES DE GRUPOS DE TRABALHO DA SUBCOMISSÃO COMERCIAL MERCOSUL UNIÃO EUROPÉIA MERCOSUL/GMC/RES Nº 16/97 LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO PREVISTA NAS CONCLUSÕES DE GRUPOS DE TRABALHO DA SUBCOMISSÃO COMERCIAL MERCOSUL UNIÃO EUROPÉIA TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de

Leia mais

Saber mais. Comércio & Desenvolvimento

Saber mais. Comércio & Desenvolvimento Comércio & Desenvolvimento Saber mais O comércio tem sido um poderoso motor de crescimento para vários países, contribuindo para tirar milhões de pessoas de situações de pobreza. A política comercial da

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

Maio 2005 geral@economia-internacional.org. Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços - GATS

Maio 2005 geral@economia-internacional.org. Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços - GATS Maio 2005 geral@economia-internacional.org Acordo Geral sobre o Comércio - GATS de Serviços I. Enquadramento (histórico) O GATS entrou em vigor em 01/01/1995; juntamente com o GATT e o TRIPS, completam

Leia mais

ACORDO MARCO ENTRE BANCO DO BRASIL S.A. E UNION NETWORK INTERNATIONAL PARA AS AMÉRICAS

ACORDO MARCO ENTRE BANCO DO BRASIL S.A. E UNION NETWORK INTERNATIONAL PARA AS AMÉRICAS ACORDO MARCO ENTRE BANCO DO BRASIL S.A. E UNION NETWORK INTERNATIONAL PARA AS AMÉRICAS Entre BANCO DO BRASIL S.A. e UNION NETWORK IN'TERNATIONAL PARA AS AMÉRICAS firma-se o presente acordo marco que será

Leia mais

Suplemento II ao «Acordo de Estreitamento das Relações Económicas e Comerciais entre o Continente Chinês e Macau»

Suplemento II ao «Acordo de Estreitamento das Relações Económicas e Comerciais entre o Continente Chinês e Macau» Suplemento II ao «Acordo de Estreitamento das Relações Económicas e Comerciais entre o Continente Chinês e Macau» Com o objectivo de reforçar o intercâmbio e a cooperação económica e comercial entre o

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

www.caparroz.com Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz

www.caparroz.com Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz 51- A participação no comércio internacional é importante dimensão das estratégias de desenvolvimento econômico dos países,

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 7.4.2015 COM(2015) 150 final 2015/0075 (NLE) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura, em nome da União Europeia, do Protocolo de Alteração do Acordo entre a Comunidade

Leia mais

RODADA DE NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS MULTILATERAIS: RODADA DO URUGUAI

RODADA DE NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS MULTILATERAIS: RODADA DO URUGUAI RODADA DE NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS MULTILATERAIS: RODADA DO URUGUAI Andréia Nádia Lima de Sousa 1 RESUMO: O trabalho tem por objeto estudar a origem da Organização Mundial do Comércio dentro do cenário econômico

Leia mais

(artigo 7.º (9) da Diretiva 2002/21/CE Diretiva-Quadro, alterada pela Diretiva 2009/140/CE Diretiva Legislar Melhor)

(artigo 7.º (9) da Diretiva 2002/21/CE Diretiva-Quadro, alterada pela Diretiva 2009/140/CE Diretiva Legislar Melhor) Adoção de medidas provisórias e urgentes ao abrigo do artigo 9.º da Lei n.º 5/2004, de 10 de fevereiro, alterada pela Lei n.º 51/2011, de 13 de setembro Lei das Comunicações Eletrónicas (LCE) relativas

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

Sumário. Capítulo 3 Dois Vetores Fundamentais da OMC: Cláusula da Nação Mais Favorecida e Tratamento Nacional 25

Sumário. Capítulo 3 Dois Vetores Fundamentais da OMC: Cláusula da Nação Mais Favorecida e Tratamento Nacional 25 Uô / Comércio erior Sumário Capítulo I Negociações Internacionais I Introdução 1 Definição: Negociação 1 Negociação Distributiva ou Posicionai 3 Negociação Cooperativa 4 Negociações Internacionais 7 Leitura

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Recomendação de Bruxelas, 16.10.2009 COM(2009) 570 final 2009/0158 (CNB) DECISÃO DO CONSELHO sobre o parecer a adoptar pela Comunidade Europeia relativamente

Leia mais

ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO

ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO Os Membros, Considerando que os Ministros acordaram em Punta del Este que "em seguida a um exame da operação dos Artigos do GATT relacionados

Leia mais

PROGRAMA DE DIREITO DA INTEGRAÇÃO ECONÓMICA

PROGRAMA DE DIREITO DA INTEGRAÇÃO ECONÓMICA Licenciatura de Direito em Língua Portuguesa PROGRAMA DE DIREITO DA INTEGRAÇÃO ECONÓMICA 4º ANO ANO LECTIVO 2010/2011 Regente: Diogo de Sousa e Alvim 1 ELEMENTOS DE ESTUDO Bibliografia Básica: João Mota

Leia mais

O PRINCÍPIO DA SUBSIDIARIEDADE

O PRINCÍPIO DA SUBSIDIARIEDADE O PRINCÍPIO DA SUBSIDIARIEDADE No âmbito das competências não exclusivas da União, o princípio da subsidiariedade, inscrito no Tratado da União Europeia, define as condições em que esta última tem prioridade

Leia mais

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da

Leia mais

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Breve referência aos acordos da OMC OTC e SPS Sumário GATT Origem dos acordos OTC e SPS OMC funções e acordos Propósitos

Leia mais

Acordo OMC - Acordo Que Cria a Organização Mundial do Comércio.

Acordo OMC - Acordo Que Cria a Organização Mundial do Comércio. Resolução da Assembleia da República n.º 75-B/94 Acordo Que Cria a Organização Mundial do Comércio, seus anexos, decisões, declarações ministeriais e o Acto Final, que consagra os resultados das negociações

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS www.observatorioasiapacifico.org A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS Ignacio Bartesaghi 1 O debate na América Latina costuma focar-se no sucesso ou no fracasso dos processos

Leia mais

O IMPACTO DO DIREITO OHADA E DOS ACORDOS DA OMC NO DIREITO FISCAL SÃO-TOMENSE. Jaime de Oliveira

O IMPACTO DO DIREITO OHADA E DOS ACORDOS DA OMC NO DIREITO FISCAL SÃO-TOMENSE. Jaime de Oliveira O IMPACTO DO DIREITO OHADA E DOS ACORDOS DA OMC NO DIREITO FISCAL SÃO-TOMENSE Jaime de Oliveira 1 PLANO DA APRESENTAÇÃO I. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE: OHADA, OMC E DIREITO FISCAL SÃO-TOMENSE II. DIFICULDADES

Leia mais

74/CNECV/2013 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA

74/CNECV/2013 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA 74/CNECV/2013 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA PARECER SOBRE O PROTOCOLO ADICIONAL À CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM E A BIOMEDICINA, RELATIVO À INVESTIGAÇÃO BIOMÉDICA (Julho de

Leia mais

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos,

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos, O Acordo de Madrid relativo ao Registro Internacional de Marcas e o Protocolo referente a este Acordo: Objetivos, Principais Características, Vantagens Publicação OMPI N 418 (P) ISBN 92-805-1313-7 2 Índice

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 3.034,DE 2011 Dispõe sobre a assistência internacional prestada pelo Brasil sobre matéria de valoração aduaneira e dá outras

Leia mais

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com Prof. Esp. Lucas Cruz www.proflucas.com O principal discípulo de Smith, David Ricardo, sofisticou um pouco mais essa teoria. Segundo ele, ainda que uma economia fosse mais eficiente em todos os produtos,

Leia mais

PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS

PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS MERCOSUL/CMC/DEC N 16/98 PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção e o Protocolo de Ouro Preto e a Decisão Nº 8/95 do Conselho do Mercado

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial BRICS Monitor A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial Outubro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento, Comércio, Finanças

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Prof.Nelson Guerra Políticas Comerciais Conceito: São formas e instrumentos de intervenção governamental sobre o comércio exterior, e sempre

Leia mais

AVII 8º ANO Globalização Qual é a mais próxima da realidade? Como será o futuro? Escola do futuro de 1910 Cidade-prédio de 1895 A era das redes aumentou ou diminuiu o tamanho do mundo?

Leia mais

O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR

O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR Durval de Noronha Goyos Jr. Aula Magna - Universidade de

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

ACORDOS INTERNACIONAIS

ACORDOS INTERNACIONAIS Direito Internacional Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 53 ACORDOS INTERNACIONAIS ONU SDN (Sociedade ou Liga das Nações) Foi criada com a intenção de manter a paz. No seu período de atividade, contudo,

Leia mais

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças 28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças Os Estados signatários da presente Convenção, Firmemente convictos de que os interesses da criança são de primordial importância

Leia mais

DECRETO Nº 91.332, DE 14 DE JUNHO DE 1985

DECRETO Nº 91.332, DE 14 DE JUNHO DE 1985 PORTUGAL Acordo de Co-Produção Brasil - Portugal - 03/02/1981 Decreto Nº 91.332, de 14 de junho de 1985 DECRETO Nº 91.332, DE 14 DE JUNHO DE 1985 Promulga o Acordo de Co-Produção Cinematográfica entre

Leia mais

(AICL, ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL COLÓQUIOS DA LUSOFONIA) REGULAMENTO INTERNO AICL

(AICL, ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL COLÓQUIOS DA LUSOFONIA) REGULAMENTO INTERNO AICL REGULAMENTO INTERNO AICL 1) Foi constituída em 28 outubro e legalizada em 6 de dezembro 2010, com início fiscal de atividades em 1 de janeiro de 2011, uma ASSOCIAÇÃO CULTURAL DE FINS NÃO- LUCRATIVOS, denominados

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Tunísia Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Tunísia Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Tunísia Condições Legais de Acesso ao Mercado Fevereiro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 Dispõe sobre medidas de suspensão e diluição temporárias ou extinção de da proteção de direitos de propriedade

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Considerando que a criação da OIT procede da convicção de que a justiça social é essencial para garantir uma paz universal e permanente;

Leia mais

Bens remanufaturados e as negociações em curso na OMC. Nota Técnica

Bens remanufaturados e as negociações em curso na OMC. Nota Técnica Bens remanufaturados e as negociações em curso na OMC Nota Técnica 1. Introdução O comércio internacional de bens usados tem sido, em muitos países, objeto de um tratamento diferenciado em comparação com

Leia mais

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago QUINTA CÚPULA DAS AMÉRICAS OEA/Ser.E 17 a 19 de abril de 2009 CA-V/DP-1/09 Port of Spain, Trinidad e Tobago 19 abril 2009 Original: inglês Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor

Leia mais

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES.

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES. Resolução da Assembleia da República n.º 30/98 Acordo sobre Privilégios e Imunidades Celebrado entre o Governo da República Portuguesa e a Organização Internacional para as Migrações, assinado em Lisboa

Leia mais

POR QUE AS SUBVENÇÕES SOCIAIS NÃO SÃO ALCANÇADAS PELO MROSC

POR QUE AS SUBVENÇÕES SOCIAIS NÃO SÃO ALCANÇADAS PELO MROSC artigo POR QUE AS SUBVENÇÕES SOCIAIS NÃO SÃO ALCANÇADAS PELO MROSC Mariana Moreira * Kleyton Rogério Machado Araújo ** A Lei federal 13.019/2014, ou Marco Regulatório das Organizações Sociais (MROSC),

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos MERCOSUL e ALCA Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos Tendência recente, com origens na década de 50, com a CEE Comunidade Econômica Européia Em 2007 fez 50 anos Objetivos Fortalecer

Leia mais

1. O Comitê de Promoção, presidido pelo Dr. Ernesto Illy, reuniu-se pela nova vez sob a égide do Convênio de 2001 em 25 de maio de 2006.

1. O Comitê de Promoção, presidido pelo Dr. Ernesto Illy, reuniu-se pela nova vez sob a égide do Convênio de 2001 em 25 de maio de 2006. PC 37/06 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 5 junho 2006 Original: inglês P Decisões e Resoluções

Leia mais

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial ONU A ONU (Organização das Nações Unidas) foi fundada no dia 24 de outubro de 1945, em São Francisco, Estados Unidos. O encontro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.310, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados

Leia mais

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO Instituições de Direito Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 41 IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO O imposto de importação é de competência da União, é também conhecido como tarifa aduaneira. Sua função é predominantemente

Leia mais

"DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta "DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO Este Regimento Interno dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos 1 CONVENÇÃO N. 134 Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos I Aprovada na 55ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1970), entrou em vigor no plano internacional em 17 de fevereiro

Leia mais

A China como Membro da OMC VERA THORSTENSEN Missão do Brasil junto das Organizações Internacionais, Genebra

A China como Membro da OMC VERA THORSTENSEN Missão do Brasil junto das Organizações Internacionais, Genebra A Nova Fronteira? A China na Arena Mundial A China como Membro da OMC VERA THORSTENSEN Missão do Brasil junto das Organizações Internacionais, Genebra I - Introdução A acessão da China à OMC Organização

Leia mais

ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA ROMÉNIA SOBRE PROMOÇÃO E PROTECÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS

ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA ROMÉNIA SOBRE PROMOÇÃO E PROTECÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS Decreto n.º 23/94 de 26 de Julho Aprova o Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Roménia sobre Promoção e Protecção Recíproca de Investimentos Nos termos da alínea c) do n.º 1 do

Leia mais

Reabilitação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes

Reabilitação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes 1 CONVENÇÃO N. 159 Reabilitação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes I Aprovada na 69ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1983), entrou em vigor no plano internacional em

Leia mais

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL O Japão e a República Federativa do Brasil, Desejosos de regular suas relações mútuas na área de Previdência Social, Acordaram

Leia mais

CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA A REPÚBLICA DA TUNÍSIA

CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA A REPÚBLICA DA TUNÍSIA CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA TUNÍSIA DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA DEFESA A República Portuguesa e a República da Tunísia, doravante designadas conjuntamente por "Partes" e separadamente

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção para a Salvaguarda do patrimônio Cultural Imaterial Assunto: Proteção do Patrimônio Cultural Imaterial Decreto: 5208 Entrada

Leia mais

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar 2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar Nome: N.º: Classificação: Ass.Professor: GRUPO I Este grupo é constituído

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno

Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno Aprova, para ratificação, a Convenção n.º 171 da Organização Internacional

Leia mais

ACORDO QUADRO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA TURQUIA SOBRE COOPERAÇÃO MILITAR

ACORDO QUADRO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA TURQUIA SOBRE COOPERAÇÃO MILITAR ACORDO QUADRO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA TURQUIA SOBRE COOPERAÇÃO MILITAR A República Portuguesa e o Governo da República da Turquia, doravante designados individualmente

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR ACORDO INTERGOVERNAMENTAL SOBRE A REDE TRANSAFRICANA DE AUTOESTRADAS

VERSÃO PRELIMINAR ACORDO INTERGOVERNAMENTAL SOBRE A REDE TRANSAFRICANA DE AUTOESTRADAS VERSÃO PRELIMINAR ACORDO INTERGOVERNAMENTAL SOBRE A REDE TRANSAFRICANA DE AUTOESTRADAS ACORDO INTERGOVERNAMENTAL SOBRE A REDE TRANSAFRICANA DE AUTOESTRADAS PREÂMBULO Considerando o Ato Constitutivo da

Leia mais

unidades consumidoras com o mesmo CGC, independentemente de sua localização, desde que integrante do SIN

unidades consumidoras com o mesmo CGC, independentemente de sua localização, desde que integrante do SIN Campinas/SP, 08 de abril de 2004 Ao senhor José Mario Miranda Abdo M.D. Diretor Geral da Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL Ref.: Aviso de Audiência Pública nº 011/2004 Senhor Diretor Geral,

Leia mais

Geografia: ROCHA Globalização A globalização é a mundialização da economia capitalista que forma o aumento do processo de interdependência entre governos, empresas e movimentos sociais. Globalização Origens

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais