PROJETO E CONSTRUÇÃO DE EMBARCAÇÕES MILITARES E CIVIS NA BASE NAVAL DE VAL-DE-CÃES (BNVC):

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO E CONSTRUÇÃO DE EMBARCAÇÕES MILITARES E CIVIS NA BASE NAVAL DE VAL-DE-CÃES (BNVC):"

Transcrição

1 RICARDO BARBOSA DE BARROS PROJETO E CONSTRUÇÃO DE EMBARCAÇÕES MILITARES E CIVIS NA BASE NAVAL DE VAL-DE-CÃES (BNVC): uma ferramenta para o desenvolvimento da Região Amazônica Oriental Trabalho de Conclusão de Curso - Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia. Orientador: CMG RM-1 Luiz Fernando Pereira da Cruz. Rio de Janeiro 2013

2 C2013 ESG Este trabalho, nos termos de legislação que resguarda os direitos autorais, é considerado propriedade da ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (ESG). É permitido a transcrição parcial de textos do trabalho, ou mencioná-los, para comentários e citações, desde que sem propósitos comerciais e que seja feita a referência bibliográfica completa. Os conceitos expressos neste trabalho são de responsabilidade do autor e não expressam qualquer orientação institucional da ESG. Assinatura do autor Biblioteca General Cordeiro de Farias Barros, Ricardo Barbosa de Projeto e construção de lanchas de combate e transporte na Base Naval de Val-de-Cães: uma ferramenta para o desenvolvimento da Região Amazônica / CMG Ricardo Barbosa de Barros. - Rio de Janeiro: ESG, f.: il. Orientador: CMG RM-1 Luiz Fernando Pereira da Cruz. Trabalho de Conclusão de Curso Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia (CAEPE), Lanchas militares. 2. Lanchas civis. 3. Construção naval. I.Título.

3 RESUMO O presente trabalho apresenta a Base Naval de Val-de-Cães (BNVC) como uma oportuna ferramenta para o desenvolvimento da região oriental amazônica, como consequência das atividades voltadas ao projeto e construção de embarcações leves para diferentes aplicações. Relaciona esta monografia os estudos efetuados pela Marinha do Brasil e Exército Brasileiro, sobre o tipo, quantidade e distribuição das embarcações militares a serem utilizadas por ambas as Forças Singulares, bem como o perfil e a demanda das embarcações para fins civis, efetuados pelos Ministérios da Saúde, Educação e Bem Estar Social, sendo todos estes meios destinados ao ambiente fluvial amazônico e encomendados a Marinha do Brasil / BNVC. Enumera e descreve as características técnicas das embarcações concebidas para o modal fluvial, em atendimento as exigências requeridas pelos diversos órgãos civis e militares solicitantes, na medida em que analisa qualitativamente e quantitativamente a formação do material humano em todos os níveis, requisitado na região para a aplicação na construção naval. Analisa o preparo logístico, a viabilidade técnica e a capacitação de pessoal necessários à realização da parceria para construção, na BNVC, das lanchas Combat Boat 90 concebidas pelo estaleiro sueco Dockstavarvet. Avalia os efeitos da construção naval sobre o homem da região do nordeste amazônico sob o viés de agente organizador, executor e beneficiário do processo produtivo, à luz das Expressões Política, Econômica, Psicossocial, Militar e Cientifico Tecnológica do Poder Nacional. Palavras chave: Lanchas militares. Lanchas civis. Construção naval.

4 ABSTRACT This work presents the Base Naval de Val-de-Cães (BNVC) as an efficient tool to boost the development of the Oriental Amazon Region, as a result from the activities engaged in designing and building light ships for a variety of applications. This monograph details studies concluded by the Brazilian Navy and the Brazilian Army about type, number and apportionment of the military boats to be used by both Military Services, as well as the profile and the demand for ships of civil purposes made by Ministries of Health, Education and Welfare, all of them concerning to the fluviomarine amazon environment, and ordered to the Brazilian Navy/BNVC. It numbers and describes the technical typical trait of the crafts designed to fluvial purposes, according to the requirements made by the various demanding civil and military organisms, while analyzing in quality and quantity the composition of the human element in all its levels, as required in the region for the application in naval engineering. It analyzes the logistics, technical workability and the staff capability needed to accomplish the jointure to build at BNVC of the Combat Boat 90, conceived by the Swedish shipyard Dockstavarvet. It evaluates the effects of shipyards over the people of the Northeast Region of the Amazon, under the aspects of organizing agent, executive and beneficiary of the productive process, according to Political, Economical, Psychosocial, Military and Scientific-Technological meanings of the National Power. Keywords: Military speedboats. Civil boats. Naval construction.

5 À minha querida esposa Cláudia e meu filho Guilherme, agradeço o apoio e incentivo para a realização deste trabalho. Ao mesmo tempo, reconheço, igualmente, a compreensão por minhas ausências na convivência rotineira do lar, fruto do tempo dedicado à realização desta monografia.

6 AGRADECIMENTO Dentre os inúmeros trabalhos desenvolvidos pela Base Naval de Val-de- Cães, um em especial sobressaiu pelo brilho próprio. Diferenciadamente belo fruto de uma abençoada e singela missão que é a de transportar em segurança para a escola, pequenos brasileirinhos residente em longínquos povoados ribeirinhos, isolados na imensidão da nossa região amazônica. Coube as briosas Lanchas Escolares a nobre missão de conferir dignidade aqueles jovens cidadãos, propiciando segurança e conforto do início ao fim de sua jornada diária de estudos, contribuindo de maneira ímpar para o futuro destas valorosas crianças. Assim sendo, agradeço a todos os homens e mulheres, militares e civis da BNVC, que com seu nobre trabalho, pontuaram as vias fluviais do norte do nosso país, com trezentas e setenta e quatro Lanchas Escolares, deixando orgulhosa e envaidecida a nossa querida MARINHA DO BRASIL! Foto 1: Estudante a bordo da Lancha Escolar Fonte: Arquivo pessoal Desembargador Marcos Cavalcante estagiário CAEPE 2013.

7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO EMBARCAÇÕES FLUVIAIS MILITARES QUANTIDADE, QUALIDADE E ADEQUABILIDADE REQUISITOS CONSOLIDADOS Emprego das LC Tarefas básicas em situação de conflito no âmbito da Marinha Tarefas básicas em situação de conflito no âmbito da Exército Tarefas básicas em situação de paz no âmbito da Marinha Tarefas básicas em situação de paz no âmbito do Exército LOGÍSTICA DE MANUTENÇÃO COMBAT BOAT LANCHA DE AÇÃO RÁPIDA LAR padrão Lancha de Ação Rápida Especial (LAR-E) EMBARCAÇÕES FLUVIAIS CIVIS LANCHA DE APOIO MÉDICO (LAM) LANCHA ESCOLAR (LE) LANCHA SOCIAL (LS) CAPACITAÇÃO DA BNVC PARA CONSTRUÇÃO DE LANCHAS MILITARES E CIVIS INFRAESTRUTURA DA BNVC DEDICADA A CONSTRUÇÃO NAVAL HABILITAÇÃO DO PESSOAL PARA A CONSTRUÇÃO NAVAL CONSTRUÇÃO DAS COMBAT BOAT 90 NA BNVC CONCLUSÃO EXPRESSÃO POLÍTICA EXPRESSÃO ECONÔMICA EXPRESSÃO PSICOSSOCIAL EXPRESSÃO MILITAR EXPRESSÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA REFERÊNCIAS... 42

8 7 1 INTRODUÇÃO Os reflexos resultantes do desenvolvimento do setor industrial para uma determinada região impactam, de maneira positiva, em praticamente todas as expressões do Poder Nacional, quais sejam: a política (aumento do foco e representatividade da região), a econômica (melhoria nos índices macroeconômicos), a psicossocial (geração de serviços sociais e melhora do poder aquisitivo), a expressão militar (aumento dissuasório), e a científico - tecnológica (absorção de capacitações direta e indiretamente ligadas às atividades industriais desenvolvidas); dentre outros vetores resultantes de progresso. A região norte oriental do Brasil apresenta aguda ausência de significativas instalações industriais de referência que poderiam vir a contribuir para alavancar o desenvolvimento daquele importante espaço. Destarte, a pluralidade das riquezas naturais abundantes na região, e o contraste da incipiência industrial regional, se comparados a outras áreas do território nacional, particularizam, negativamente, este rincão do país. Deve-se a acanhada realidade do setor industrial na supracitada região, à falta de empreendimentos e uma concreta política de investimentos diretos significativos por parte dos setores público e privado, ao contrário do que é visto no lado ocidental da Amazônia, onde o empreendedorismo é largamente observado, citando como exemplo as ações desenvolvidas por Órgãos como a Superintendência da Zona Franca de Manaus (SUFRAMA) e o fortalecimento do Polo Industrial de Manaus (PIM). A Base Naval de Val-de-Cães (BNVC), Organização Militar Prestadora de Serviços Industriais da Marinha do Brasil, por intermédio de suas atividades precípuas, no contexto do que estabelece a sua missão 1, poderá prestar ao desenvolvimento da região norte oriental do país, significativa contribuição, resultante do incremento da produção industrial, atrelada ao projeto e à construção de embarcações militares, bem como aquelas destinadas ao transporte de pessoal e prestação de serviços à sociedade civil (ambas de até 5 ton. de deslocamento). 1 Missão da BNVC: Prestar apoio logístico fixo às Forças e unidades navais da Marinha do Brasil que operem nas águas marítima, fluvial ou ribeirinha, sob jurisdição do Comando do 4º Distrito Naval, a fim de contribuir para a defesa da navegação de interesse nacional e para o controle dessas áreas.

9 8 O modal preponderantemente fluvial da Amazônia e o potencial advindo de tal condicionante apontam para possíveis e desejáveis benefícios afeitos às características da citada região, a partir do oportuno projeto e produção na BNVC, dos meios anteriormente elencados voltados ao atendimento das missões operativas militares, conforme preconizado nos estudos estratégicos realizados pelo Comando de Operações Navais (CON) e de carências sociais ainda existentes na região, apontadas nos levantamentos de demandas realizadas por outros órgãos governamentais pertencentes a demais Ministérios. Assim sendo, as ações de P & D (Pesquisa e Desenvolvimento) advindos das atividades industriais relacionadas à construção naval na Amazônia Oriental, refletirão na melhoria do patamar tecnológico da região em foco, na medida em que novas técnicas existentes na construção de embarcações forem transferidas, absorvidas e desenvolvidas pela BNVC, que acabará por responder como um significativo centro polarizador de qualificação profissional diferenciada, obtendo consequentemente, como vetor resultante, o aprimoramento do nível técnico requerido a ser demandado pelo mercado de trabalho dessa região do país. Nesse sentido, estudar-se-á o perfil desejável atinente à quantidade e ao tipo de embarcações militares aplicáveis ao modal fluvial amazônico, avaliadas como instrumento operacional da Estratégia Nacional de Defesa (END) para a região, verificando-se, em paralelo, as demandas sociais da população ribeirinha, e a variedade de embarcações civis necessárias, utilizadas e a serem concebidas, no atendimento de serviços e facilidades carentes na região. Por oportuno, será efetuada a avaliação do apropriado modus faciendi para a captação no mercado de trabalho regional, do quantitativo necessário e suficiente em todos os níveis profissionais requeridos, a ser empregado no empreendimento prospectivo da construção naval na BNVC, no escopo das atividades de CT & I (Ciência, Tecnologia e Inovação) refletidas na produção plena das linhas de montagem e serem estabelecidas. Por conseguinte, o presente trabalho propõe-se a abordar, destacadamente, a demanda logística regional atinente ao campo da expressão militar e os subsequentes reflexos multiplicados no campo psicossocial, avaliando-se nesse contexto, as capacitações e esforços decorrentes, necessários à implementação e continuidade dos projetos de construção de lanchas militares e de lanchas de

10 9 aplicação civil na BNVC, em consonância com as diretrizes da END, respectivamente. A defesa do Brasil requer a reorganização da Base Industrial de Defesa (BID) - formada pelo conjunto integrado de empresas públicas e privadas, e de organizações civis e militares, que realizem ou conduzam pesquisa, projeto, desenvolvimento, industrialização, produção, reparo, conservação, revisão, conversão, modernização ou manutenção de produtos de defesa (Prode) no País (BRASIL, 2008, p. 21). No segundo capítulo será efetuado o levantamento do perfil e quantidade estratégica das embarcações do tipo fluvial militar, pautado no Relatório Complementar do Grupo de Trabalho de Lanchas de Combate e Embarcações Anfíbias do CON. Este estudo foi baseado na característica dos meios elencados no Programa de Articulação e Equipamentos da Marinha do Brasil (PAEMB), bem como considera as avaliações semelhantes do Plano de Equipamento do Exército Brasileiro, elaborado por intermédio do Programa de Articulação Braço Forte, que igualmente aborda o emprego de meios fluviais militares na Região Amazônica. De maneira complementar, no capítulo três serão avaliadas as características e demandas sociais de embarcações para uso civil, particularmente emanadas do Ministério da Saúde (MS), Ministério da Educação (MEC) e do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome (MDS), voltadas exclusivamente à Região Amazônica. No capítulo quatro será efetuada a análise da capacidade, atual e a ser instalada, do parque industrial da BNVC e o correspondente quantitativo e níveis de formação profissional da força de trabalho requerida para a execução do projeto de construção de lanchas militares e embarcações aplicáveis ao meio civil. No quinto capítulo será avaliada a pertinência quanto à parceria e respectiva transferência de tecnologia com o Estaleiro Sueco Dockstavarvet, visando a construção da Combat Boat 90 e o aporte material, pessoal, operacional e técnico requeridos nesse empreendimento, em consonância ao atendimento dos objetivos estratégicos identificados pela Marinha do Brasil e pelo Exército Brasileiro. No capítulo seis (conclusão) serão avaliados os desejáveis efeitos multiplicadores que influenciarão positivamente todas as expressões do Poder Nacional advindos do incremento da atividade industrial da BNVC, Organização Militar Prestadora de Serviços Industriais (OMPS-I), relacionados à construção de

11 10 embarcações fluviais militares e de aplicação civil destinadas ao atendimento das demandas estratégicas e sociais da região norte oriental amazônica.

12 11 2 EMBARCAÇÕES FLUVIAIS MILITARES 2.1 QUANTIDADES, QUALIDADE E ADEQUABILIDADE dita que: A Estratégia Nacional de Defesa (END) (BRASIL, 2008, p. 11, grifo nosso), A Marinha contará, também, com embarcações de combate, de transporte e de patrulha, oceânicas, litorâneas e fluviais. Serão concebidas e fabricadas de acordo com a mesma preocupação de versatilidade funcional que orientará a construção das belonaves de alto mar. A Marinha adensará sua presença nas vias navegáveis das duas grandes bacias fluviais, a do Amazonas e a do Paraguai-Paraná [...] A Lancha de Combate (LC) e a Lancha de Ação Rápida (LAR), meios relacionados pela MB no Programa de Articulação e Equipamentos da Marinha do Brasil (PAEMB), ou Embarcação Tática de Pelotão (ETP) e Embarcação Tática de Grupo de Combate (ETG), meios relacionados pelo Exército Brasileiro em seu Plano de Equipamento, apresentaram-se como as embarcações apropriadas para a execução das tarefas relacionadas às operações ribeirinhas. Essas lanchas deverão possuir capacidade para abrigar um Grupo de Combate (GC) de Fuzileiros Navais e apresentar, como principais características, rapidez e agilidade em manobras com pequeno calado, bem como deverão ser blindadas e dotadas de Lançadores de Granadas e/ou Metralhadoras Pesadas. Desta forma, poderão oferecer adequado poder de fogo e proteção balística para o Movimento-Navio-Terra das tropas dos Batalhões de Operações Ribeirinhas (BtlOpRib), em proveito de ações de infiltração, retirada e controle das margens de rios, e para as tarefas de Inspeção Naval e demais atividades pertinentes a Marinha na Região Amazônica. Assim sendo, o Ministério da Defesa (MD), por meio da Diretriz Ministerial nº 15, de 09NOV2009, estabeleceu a criação de Grupos de Trabalho que procedessem à análise dos Planos de Articulação e Equipamento das Forças e identificassem programas e projetos comuns as Forças Singulares (MB e EB), bem como as possibilidades de desenvolvimento, sob a supervisão do MD, de ações conjuntas para as suas implementações. Coube então, ao nominado Grupo de Trabalho 14 (GT 14), composto por representantes da MB e EB, a responsabilidade pelo estudo do perfil das Embarcações Anfíbias e Lanchas de Combate a serem adotadas pelas Forças Armadas.

13 12 Dentre os seis tipos de embarcações relacionadas pelo GT 14, destacaramse as LC/ETP e LAR/ETG, cujas coincidências de características, empregos e áreas de operação, permitem o desenvolvimento de ações conjuntas pelas Forças no que se refere à concepção, projeto e adoção de programas de obtenção comum, para meios que atendam à MB e ao EB. Verificando os requisitos afins, é possível adequá-los às necessidades operacionais e logísticas de ambas as citadas Forças Singulares, com a proposição de melhorias nos projetos já existentes, e o estabelecimento de um cronograma físico-financeiro capaz de atender às necessidades conjuntas em conformidades com as prioridades estabelecidas pelo MD. Em referência às LC/ETP, diante das ações descritas no PAEMB, o Grupo Tarefa responsável verificou que a quantidade estratégica necessária totalizaria 72 unidades, sendo destinadas: 34 para o BtlOpRib-Manaus, 17 para o BtlOpRib- Belém, 17 para o BtlOpRib-Ladário e 4 para o BtlOpRib-Tabatinga. O Plano ainda estabelece o seguinte cronograma para recebimento dos meios conforme a moldura temporal: 8 LC a serem incorporadas até 2014; 32 LC entre 2015 e 2022; e as demais 32 LC, entre 2023 e Diante das ações descritas nos Planos de Equipamentos do EB, igualmente foi verificado que a quantidade estratégica necessária totalizaria 135 unidades, sendo destinadas: 27 para 1º BIS-Manaus, 27 para o 5º BIS-São Gabriel da Cachoeira, 27 para o 17º BIS-Tefé, 27 para o 2º BIS-Belém e 27 para o 17º BFron- Corumbá. A LC tipo Combat 90 (CB 90) concebida e construída pelo Estaleiro sueco Dockstavarvet, foi a embarcação apontada pelo GT 14 como a que detém, em sua concepção, as melhores características operacionais requeridas, em especial: capacidade de transporte de fração de tropa até 20 militares equipados, alta velocidade, pequeno calado, grande manobrabilidade, blindagem, armamento orgânico e sistema de direção de tiro. O projeto das CB 90 foi adotado com êxito pelas Marinhas Reais da Noruega, Finlândia e Suécia, Armada Mexicana, Marinha dos EUA e Malásia e Guarda Costeira da Grécia. No ano de 2004, esta embarcação foi testada em rios da região amazônica pelo Exército Brasileiro, obtendo aprovação operacional para utilização nas vias fluviais da Região Norte e do Pantanal.

14 13 Em referência à LAR, trata-se de uma embarcação já existente e em ampla operação pela MB na região amazônica, destinada à projeção de fração de tropa em margens de rio, podendo ser transportada pelos Navios de Patrulha Fluvial (NaPaFlu) que operam na região. Suas características estão em consonância com os requisitos apresentados pelo EB específicos às ETG, possuindo, ainda, semelhança operacional as embarcações utilizadas por alguns países amazônicos, observadas por ocasião da ocorrência de situações de enfrentamento envolvendo ameaças assimétricas eventuais, existentes na referida região fluvial. As melhorias implementadas nas LAR ao longo de duas décadas, projetadas e construídas pela BNVC desde o início dos anos 90 relacionadas, particularmente, aos aspectos atinentes à blindagem da embarcação, estabilidade, armamento orgânico e sistema de propulsão, já contemplam praticamente todos os requisitos levantados pelo GT 14, a exceção da motorização por hidrojato (requisito almejado pelo EB), já em implementação. Uma vez atendidos, integralmente, os requisitos comuns desejados pelas Forças, será possível o emprego pleno deste meio, com a vantagem da redução significativa do aporte de recursos estimados, que inicialmente considerou a aquisição da embarcação Riverine Patrol Boat fabricada pela empresa americana Safe Boats International, dotada de propulsão a hidrojato. Como grande vantagem estratégica, o projeto da BNVC é integralmente nacional e de propriedade da MB, sendo ainda de fácil execução por estaleiros nacionais, ressaltando-se a possibilidade quanto à diminuição em até vinte por cento no custo final da embarcação em virtude da economia de produção em escala. 2.2 REQUISITOS CONSOLIDADOS Segundo preconizado no Relatório sobre Lanchas de Combate e Embarcações Anfíbias (Comando de Operações Navais. CON. Lanchas de Combate e Operações Anfíbias - Relatório GT 14, Rio de Janeiro, RJ, p. 1 a 9): O propósito do estabelecimento de requisitos para a embarcação em tela é dotar a Marinha do Brasil e o Exército Brasileiro de embarcações de combate fluviais, concebidas com foco no emprego versátil, em consonância com o disposto na Estratégia Nacional de Defesa.

15 Emprego das LC Na MB, as LC serão empregadas pelos Fuzileiros Navais em Operações Ribeirinhas para o transporte operacional de fração de tropa de até 20 militares equipados (além de controle das margens durante essas operações), e nas operações típicas do Poder Naval em tempo de paz, previstas na Doutrina Básica da Marinha (DBM), nos rios e afluentes navegáveis da Bacia Amazônica. No EB, as Lanchas de Combate destinam-se ao transporte operacional de fração de tropa de até 20 militares equipados, em um curso de água, para a realização do patrulhamento fluvial e de operações ribeirinhas, visando a manter o controle das margens e da aquavia, negar o uso do curso de água ao inimigo, controlar a população ribeirinha e coletar informes Tarefas Básicas em situação de conflito no âmbito da Marinha A LC deverá executar tarefas inerentes à Força-Tarefa Ribeirinha, isoladamente ou em conjunto com outros meios disponíveis na área, por meio das seguintes ações: a) Controle de área ribeirinha ou negação de uso pelo inimigo; b) Comando e Controle; c) Esclarecimento; d) Transporte e desembarque de tropa, limitado ao valor de um Grupo de Combate de Fuzileiros Navais, com meios próprios; e) Apoio de fogo naval; f) Interdição, desobstrução, busca de informações, contramedidas de minagem e patrulha; e g) Tratamento de baixas e evacuação médica Tarefas Básicas em situação de conflito no âmbito do Exército No âmbito do EB, a LC deverá executar tarefas inerentes à marcha para o combate fluvial de Companhia de Fuzileiros, por meio das seguintes ações: a) Reconhecimento fluvial na marcha de aproximação; b) Realizar patrulhamento fluvial;

16 15 c) Operações ofensivas para realizar o desembarque terrestre da tropa; d) Realizar a segurança das Embarcações Base de Pelotão; e) Bloqueio Fluvial; f) Desembarque ribeirinho; e g) Segurança de flanco e retaguarda da Companhia Tarefas Básicas em situação de paz no âmbito da Marinha paz: e No âmbito da MB, a LC deverá executar as seguintes tarefas em tempo de a) Contribuir para o adestramento e formação de pessoal; b) Contribuir nas atividades de Inspeção Naval; c) Colaborar com órgãos governamentais em ações de apoio e fiscalização; d) Contribuir com o aumento do conhecimento operacional da região Tarefas Básicas em situação de paz no âmbito do Exército No âmbito do EB, a LC deverá executar as seguintes tarefas em tempo de paz: a) Reconhecimento fluvial operacional da região; b) Contribuir para o adestramento e a formação de pessoal; c) Contribuir com a MB nas atividades de Inspeção Naval, quando solicitado; e d) Colaborar com os órgãos governamentais em ações de apoio e fiscalização. 2.3 LOGÍSTICA DE MANUTENÇÃO A Lancha de Combate possui, tecnicamente, uma vida útil de até 30 anos, sendo seu ciclo de atividades de 39 meses no qual o ciclo operativo compreenderá um período de 37 meses, permeados por Períodos de Manutenção Extraordinários (PME) de 15 dias a cada 4 meses de operação e um Período de Manutenção Geral (PMG) de 2 meses após o ciclo operativo.

17 16 É desejável que a estrutura de manutenção das LC utilizadas pelas Forças Singulares seja compartilhada de forma a otimizar e reduzir custos e gerar escala de produção. Dessa forma, os Períodos de Manutenção Geral das LC poderão ficar a cargo da Base Naval de Val-de-Cães (estaleiro construtor dos meios), abrangendo as embarcações sediadas em Manaus e Belém respectivamente: BtlOpRib, 1º e 17º BIS; e GptFNBe e 2º BIS. 2.4 COMBAT BOAT 90 O início do projeto da Combat Boat 90 teve origem no ano de 1989, e desde então, vem sofrendo continuada modernização. No período compreendido entre 1989 e 2012 já foram construídas e entregues cerca de 250 unidades para Forças Armadas de vários países. Algumas das características da CB-90 tonaram-na excelente opção para atuação na área da região amazônica, sendo as principais: Propulsão independente do sistema de geração de energia, caso o sistema elétrico sofra avarias (pois os motores possuem alternadores capazes de gerar energia para operação básica dos comandos de navegação e combate); Capacidade de operação em baixas profundidades, provendo proteção contra choques mecânicos para a embarcação; Capacidade de operar em águas com partículas em suspensão (condições adversas), já testadas em diversos países, tais como: Brasil (Região Amazônica em 2004), Malásia, África e Arábia Saudita; Excelente manobrabilidade para velocidades elevadas; Utilização do sistema com hidrojato, permitindo a parada e reversão de máquinas sem inversão do sentido de rotação dos motores, reduzindo os esforços de engrazamento na redutora e MCP, aumentando sua vida útil; e Capacidade de operação em manobras de transporte e desembarque anfíbio, associada a outras embarcações de maior porte, como os Navios Desembarque Doca, Navios Desembarque de Carros de Combate e Fragatas.

18 17 Figura 1: Vista esquemática e característica técnica lancha CB-90. Fonte: apresentação técnica The Docksta Group CB-90 Suécia, Lancha de Ação Rápida Como pode ser observado na figura 1, as Lanchas de Ação Rápida apresentam alta velocidade e calado reduzido, sendo projetadas segundo o conceito de casco planador com estrutura em alumínio naval e sistema de propulsão com motor diesel de torque elevado tipo centro rabeta e hélice duplo, potência de até 270 HP visando obter maior velocidade e eficiência hidrodinâmica. Podendo abicar em margens e praias ribeirinhas, as LAR são apropriadas para operações de patrulha, policiamento e controle de área. É projeto concebido pela BNVC em duas versões: as LAR Padrão (blindagem baixa), e as LAR Especial (blindagem cabinada).

19 LAR Padrão Foto 2: Lancha de Ação Rápida Padrão Fonte: Apresentação técnica Deptº Industrial BNVC LAR Padrão, 2012 a) Características principais: comprimento total 7,58m; comprimento do casco 6,91m; boca moldada 2,30m; pontal moldado 1,00m; calado 0,60m; e lotação 12 homens (piloto mais onze homens); b) Aplicação principal: patrulhamento e ações de apoio em águas interiores, podendo realizar operações e abicagem em margens e praias ribeirinhas, com desembarque pela proa. Apesar de não serem projetadas para operar em mar aberto, apresentam-se com bom comportamento em mar de estado semi-abrigado; c) Material: Alumínio Naval (Liga ASTM 5052) PA; d) Fabricante: Base Naval de Val-de-Cães; e) Acabamento Interno: acabamento interno todo em alumínio, incluindo os bancos com assento rebatível. Não há duplo-fundo, mas duas anteparas transversais estanques;

20 19 f) Acabamento Externo: verdugo de mangote de borracha em volta da embarcação, com exceção da popa; 04 (quatro) cunhos instalados na extensão do casco sobre o trincaniz; Olhais para içamento disposto também no trincaniz. Mastro na targa com luz de alcançado acoplado; Suporte para metralhadora na proa; Defletores de fluxo laterais e aleta defletora na quilha a ré para proteção dos hélices e rabeta; g) Pintura Interna e Externa: pintura geral com tinta primer de alta aderência e acabamento com tinta de alta espessura e semi-brilho. (O grafismo será efetuado de acordo com a especificação fornecida pelo cliente); h) Deslocamento Leve: 3,10 Toneladas; i) Sistema Elétrico: sistema elétrico (CC) de 12V com alternador acionado pelo motor principal gerando 12V/110A de saída. (Possui 02 (duas) baterias de 12V/150Ah); j) Propulsão: Rabeta Bravo Three X (Mercruiser), com direção hidráulica, sistema de power trim e hélices de aço inox; k) Motor: Diesel centro-rabeta QSD HP RPM (Mercruiser); l) Velocidade Máxima: 35 nós (aproximadamente 65 km/h); m) Tanque de Combustível: capacidade de 400 litros, removível e localizado na área central, sendo o seu teto o próprio piso interno da lancha; n) Raio de Ação: 400 milhas náuticas; o) Hidráulica: bomba de esgoto com acionamento automático através de sensor tipo boia e chave seletora no painel de comando (2000gph); p) Acessórios: farol de longo alcance 50W/12V; sirene (alarme sonoro); luz de sinalização policial; ancorote Danforth de 15Kg; seis defensas verticais tipo fender em PVC vinil flexível tamanho G5 688mm X 216mm; croque em madeira com ponteira de metal não corrosivo; extintor de CO² de 04Kg; luzes de navegação e buzina; q) Equipamentos Náuticos: Rádio VHF (frequência de 156 MHZ a 163 MHZ e potência de 25W); GPS modelo com base fixa e painel removível; Ecobatímetro modelo digital e visor gráfico e Agulha Magnética auto-compensável e removível; r) Compartimentagem: Peak tanque de proa estanque; porão central e praça de máquinas; e s) Blindagem: proteção balística do patrão (nível III); proteção da Tripulação (nível III); proteção da praça de máquinas (Nível III-A).

21 Lancha de Ação Rápida Especial (LAR-E) Foto 3: Lancha de Ação Rápida Especial (LAR-E) Fonte: Panfleto técnico da Assessoria Extra Marinha da BNVC, 2012 a) Características principais: comprimento total 7,56 m; boca moldada 2,30 m; pontal 1,00 m; calado 0,70 m (incluindo a aleta defletora); lotação 06 homens (piloto mais cinco homens); b) Aplicação principal: patrulhamento e ações de apoio em águas interiores, podendo realizar operações e abicagem em margens e praias ribeirinhas; c) Material: Alumínio Naval (liga ASTM 5052); d) Fabricante: Base Naval de Val-de-Cães, Belém PA; e) Acabamento interno: em alumínio, com assentos de encosto rebatível e duas anteparas transversais estanques; f) Acabamento externo: verdugo em mangote de borracha em volta de toda a embarcação, com exceção da popa. Mastro de popa com luz de alcançado. Cunhos instalados na extensão do casco sobre o trincaniz. Porta de acesso pela popa e escotilha no teto; g) Pintura interna e Externa: conforme o grafismo fornecido pelo cliente;

22 21 h) Deslocamento leve: 3,0 toneladas; i) Sistema elétrico: sistema elétrico (CC) de 12 V, com alternador acionado pelo motor principal, gerando 60ª; j) Propulsão: Rabeta com sistema DP de contra-rotação; k) Motor: Diesel marítimo de alta rotação, com sistema de partida e direção, turbo compressor e aftercooler, painel de instrumentos com indicador de RPM e resfriamento a água com admissão pelo casco. Faixa de potência 200 a 270 HP; l) Velocidade máxima: 40 nós (com motor de 270 HP); m) Tanque de Combustível: capacidade de 400 litros; n) Raio de Ação: 350 milhas náuticas; o) Hidráulica: bomba de esgoto com acionamento automático através de sensor tipo boia e chave seletora no painel de comando (2000gph); p) Acessórios: Ferro tipo Danforth, defensas, extintor de incêndio, luzes de navegação, buzina, holofote de busca, sirene, luz de sinalização giroflex, aparelho de ar condicionado marítimo com btu para climatização da cabine; q) Equipamentos Náutico: VHF- Rádio VHF/FM SOLARA MOD. 25W; GPS- Fixo, marinizado; Eco-sonda; Agulha magnética; r) Compartimentagem: Peak tanque de proa estanque; porão central e praça de máquinas; e s) Blindagem: blindagem balística em Aramida (Nível IIIA - Kevlar) ou em Polietileno de Alta Performance (Nível III - Dyneema); vidros balísticos e seteiras.

23 22 3 EMBARCAÇÕES FLUVIAIS CIVIS A infraestrutura industrial instalada na BNVC, necessária à manutenção dos meios marítimos e fluviais sediados em sua área de responsabilidade na região amazônica, como preconizado em sua missão precípua, bem como o conhecimento adquirido na construção de embarcações leves, notadamente as LAR, dotaram a BNVC de capacitação necessária para a construção de embarcações fluviais (ou em águas abrigadas) para transporte de pessoal e material destinado ao uso não militar. Assim sendo, o MD e a MB, por meio de acordos efetuados concretizados pela da Empresa Gerencial de Projetos Navais (EMGEPRON) 2, respectivamente com o MS, para a construção da Lancha de Apoio Médico (LAM); MEC, para a construção da Lancha Escolar (LE); e do MDS, para a construção da Lancha Social (LS), atribuíram à BNVC a missão de projetar e produzir as referidas embarcações dentro das especificações requeridas por aqueles Ministérios. Mediante habilitação obtida conforme o Certificado FM , expedido pela BSI (British Standards Institution) 3, a BNVC pautou o seu sistema de gestão da qualidade conforme requisitos e especificações internacionais da ISO 9001:2008 voltada à construção, ao reparo e à manutenção de embarcações de pequeno e médio porte com capacidade de até 5 toneladas. Deste modo, centenas de lanchas para aplicação civil foram concebidas e fabricadas pela BNVC, notadamente as LAM, LE e LS, cujas aplicações, demandas e características serão apresentadas a seguir. 2 A Empresa Gerencial de Projetos Navais - EMGEPRON é uma empresa pública, vinculada ao Ministério da Defesa por intermédio do Comando da Marinha do Brasil, que tem como finalidades principais: Promover a Indústria Militar Naval Brasileira; Gerenciar projetos integrantes de programas aprovados pelo Comando da Marinha; e Promover e executar atividades vinculadas à obtenção e manutenção de material militar naval. 3 O Grupo BSI oferece aos seus clientes, dentre outros serviços, a certificação e auditoria de sistemas de gestão, e testes e certificação de produtos e serviços.

24 LANCHA DE APOIO MÉDICO (LAM) Foto 4: Lancha de Apoio Médico (LAM) Fonte: Panfleto técnico da Assessoria Extra Marinha da BNVC, 2012 A partir da assinatura, no ano de 2006, do Acordo de Cooperação entre o MD (MB) e o MS, a BNVC recebeu a encomenda de sete LAM, apelidadas de Ambulancha, sendo as mesmas, depois de construídas, entregues à Secretaria Municipal de Saúde de Belém (SESMA/PMB). Conforme descrição constante na Ficha Técnica da LAM, disponibilizada no site da Empresa Gerencial de Projetos Navais (EMGEPRON), empresa responsável pela divulgação e comercialização da embarcação, trata-se de um meio versátil, projetado para remoções de pacientes e assistência pré-hospitalar em rios e lagoas, provendo apoio médico de urgência e emergência, no atendimento às comunidades ribeirinhas da região amazônica. Confeccionada em alumínio naval, a LAM transporta até dois pacientes e quatro tripulantes, possuindo, ainda, diversas facilidades tais como: maca removível com trava, sistema fixo e móvel para dois cilindros de oxigênio, padiola para adultos

25 24 e crianças e poltronas reversíveis, podendo dotar de variado material médicohospitalar, caso necessário. Seu ótimo desempenho e facilidade de manutenção a tornam ideal para emprego por instituições de saúde, Corpos de Bombeiros, Defesa Civil e empresas privadas. Possui, ainda, as seguintes características técnicas: Comprimento total - 7,80 m / Boca moldada - 2,80 m / Pontal moldado - 1,20 m / Calado máximo - 0,60 m / Fabricada em alumínio naval ASTM 5052 / Tanques com capacidade para 400 litros de diesel e 250 litros d água / Velocidade máxima de 30 nós / Raio de ação de 370 milhas náuticas / Deslocamento de 2,1 t. Dotada dos seguintes equipamentos: Motor Diesel Volvo Penta 230 HP KAD 43P-DP / Rádio VHF-FM 52 canais / GPS Garmin 128 com 12 canais / Ecobatímetro Matrix 10 / Bomba de esgoto GPH / Duas baterias de 12V - 150Ah. 3.2 LANCHA ESCOLAR (LE) Foto 5: Lancha Escolar (LE) Fonte: Panfleto técnico da Assessoria Extra Marinha da BNVC, 2012

26 25 A partir da assinatura, no ano de 2009, do Acordo de Cooperação entre o MD (MB) e o MEC por intermédio do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), a BNVC recebeu a encomenda para confeccionar, até o final de 2012, um total de 374 Lanchas Escolares (LE), sendo as mesmas depois de construídas, destinadas a diversas prefeituras da região amazônica, onde a prioridade na distribuição estabelecida pelo FNDE baseou-se no caráter de urgência ao atendimento das demandas em localidades que apresentavam maior carência no transporte escolar. O projeto das LE originou-se de estudos realizados pelo MEC no escopo do programa Caminho da Escola 4 com o foco no transporte escolar efetuado no modal hidroviário/aquaviário, quando foi verificado que aproximadamente 180 mil estudantes do ensino público residentes nas regiões ribeirinhas da Amazônia, usualmente seguiam para a escola em barcos artesanais a remo, frágeis e vulneráveis à colisão com outras embarcações de maior porte, tendo ainda sido registrado a constante utilização de barqueiros contratados pelas prefeituras locais que realizam serviço precário, desconfortável, inseguro e demorado. Invariavelmente expostos às intempéries, como vento e chuvas torrenciais tão comuns na Amazônia, os estudantes chegam às salas de aula desmotivados e desgastados para o início da jornada de estudo, fato que contribui, sobremaneira, para a significativa evasão escolar na região. A LE foi concebida para prover condições satisfatórias ao estudante ribeirinho em seu translado casa-escola-casa. Construída em alumínio naval, medindo 7,30m de comprimento, é dotada de itens de segurança, tais como: coletes salva-vidas, extintor de incêndio, sirene, luzes de navegação, rádio comunicador, defensas, e capacidade para transportar até 20 alunos, incluindo assento apropriado para portadores de necessidades especiais. Quando destinada ao transporte geral de pessoas em águas abrigadas, a LE pode ser configurada e disponibilizada com a denominação de Lancha de Transporte de Pessoal (LTP). 4 O programa Caminho da Escola foi criado em 2007 com o objetivo de renovar a frota de veículos escolares, garantir segurança e qualidade ao transporte dos estudantes e contribuir para a redução da evasão escolar, ampliando, por meio do transporte diário, o acesso e a permanência na escola dos estudantes matriculados na educação básica da zona rural das redes estaduais e municipais. O programa também visa à padronização dos veículos de transporte escolar, à redução dos preços dos veículos e ao aumento da transparência nessas aquisições.

27 26 Conforme descrição constante na Ficha Técnica da LE (LTP), disponibilizada no site da EMGEPRON, empresa responsável pela divulgação e comercialização da embarcação, a mesma possui as seguintes características técnicas: comprimento total - 7,30 m / boca moldada - 2,20 m / pontal moldado - 1,00 m / calado máximo - 0,35 m / fabricada em alumínio naval ASTM 5052 / tanques com capacidade para 150 litros de gasolina / velocidade máxima de 12 nós / deslocamento de 1,5 t. Dotada dos seguintes equipamentos: motor de popa a gasolina 4t (90HP) ou motor-rabeta diesel (150HP) / rádio comunicador / bomba de esgoto GPH / duas baterias de 12V - 150Ah. 3.3 LANCHA SOCIAL (LS) Foto 6: Lancha Social (LS) Fonte: Panfleto técnico da Assessoria Extra Marinha da BNVC, 2012

28 27 A partir da assinatura, em fevereiro de 2012, do Acordo de Cooperação entre o MD (MB) e o MDS (MDS), no âmbito do plano Brasil sem Miséria 5, a BNVC recebeu a encomenda para confeccionar até final de 2014, um total 100 Lanchas Sociais (LS), sendo as mesmas, após construídas, destinadas a diversas prefeituras da região amazônica, onde a prioridade na distribuição estabelecida, será baseada no caráter de urgência ao atendimento das demandas em localidades que apresentem maior carência no atendimento de políticas de assistência social. O projeto das LS visa propiciar o contato das longínquas populações ribeirinhas aos serviços sociais prestados pelos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), que executam programas e ações como a identificação de situações de vulnerabilidade e risco social, acolhida e reuniões familiares, visitas domiciliares, atendimentos particularizados e em grupo, ações comunitárias e parcerias com outras políticas no atendimento a população. A LS possibilitará ainda, as ações de busca ativa das famílias ainda não inseridas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, e que estejam à margem das políticas públicas socioassistenciais, permitindo assim uma abrangência mais completa dos usuários do Sistema Único de Assistência Social. As LS são capazes de transportar até dez profissionais de assistência social, sendo operadas por dois tripulantes. Conforme descrição constante na Ficha Técnica da LS, disponibilizada no site da EMGEPRON, empresa responsável pela divulgação e comercialização da embarcação, a mesma possui as seguintes características técnicas: comprimento total - 7,70 m / boca moldada - 2,50 m / pontal moldado - 1,10 m / calado máximo - 0,55 m / fabricada em alumínio naval ASTM 5052 / tanques com capacidade para 100 litros de gasolina / velocidade máxima de 12 nós / deslocamento de 2,0 t. Dotada dos seguintes equipamentos: motor marítimo à diesel de 120 HP e 2500 rpm / rádio comunicador / bomba de esgoto GPH / duas baterias de 12V - 150Ah. 5 O Plano Brasil Sem Miséria tem a finalidade de superar a situação de extrema pobreza da população em todo o território nacional, por meio da integração e articulação de políticas, programas e ações, sendo executado pela União em colaboração com Estados, Distrito Federal, Municípios e com a sociedade.

29 28 4 CAPACITAÇÕES DA BNVC PARA CONSTRUÇÃO DE LANCHAS MILITARES E CIVIS Foto 7: Lancha de Ação Rápida Especial (LAR-E) Fonte: Site da BNVC em https://www.mar.mil.br/bnvc/omps-i.html Desde o início dos anos 2000, a BNVC vem, paulatinamente, agregando à sua capacitação industrial, uma infraestrutura dedicada à construção de embarcações leves em alumínio, sob a responsabilidade da Divisão de Construção Naval cujas instalações localizam-se atualmente em um amplo galpão da Base denominado Oficina nº4. Dispondo, atualmente, de uma experiente equipe de engenheiros e técnicos, particularmente familiarizados com as etapas da construção naval de estrutura em alumínio; a BNVC conta, ainda, com um recém-concluído espaço, cuja área coberta é de 800m 2, igualmente destinado à produção naval de embarcações de porte médio, que poderá receber uma segunda linha de construção dedicada à produção das Combat Boat 90. Os principais setores instalados que oferecem suporte a construção de embarcações em alumínios pertencentes à BNVC são os de corte de chapas,

30 29 montagem e soldagem de casco e superestrutura, instalação de motores e eletroeletrônica, estufa para pintura e instalação de acessórios. A construção naval da BNVC é, ainda, apoiada por diversas oficinas responsáveis por etapas específicas, destacando-se as de mecânica, soldagem, elétrica, eletrônica, além do setor responsável pelos projetos a serem realizados. 4.1 INFRAESTRUTURA DA BNVC DEDICADA A CONSTRUÇÃO NAVAL A BNVC, conta com oficinas específicas de apoio a construção naval sob a responsabilidade de divisões diversas, tais como as de Reparos de Eletrônica e Armamento, Mecânica, Eletricidade, Estrutura e Metalurgia, Diques e Oficinas complementares. Atualmente, a infraestrutura instalada na BNVC é suficiente para a produção das LAR, LAM, LE e LS, sendo necessário, entretanto, complementar o aporte de capacitações voltadas à pretendida produção das CB 90, uma vez que requerem algum investimento para a conclusão de sua implementação, particularmente no tocante ao redimensionamento das instalações elétricas voltadas à alimentação dos novos maquinários a serem necessariamente adquiridos como os de corte e solda, conformação mecânica e sistemas de iluminação. Por ocasião da visita dos representantes da Dockstavarvet (construtor da CB 90) às novas instalações (galpão de 800m 2 ) da BNVC, em novembro de 2011, foi observada (SANTOS, 2012) a necessidade de se implantar uma estrutura completa de sistemas e máquinas capaz de permitir a realização de todos os serviços necessários para fabricação da CB-90H, entre estes foram citados os seguintes: Maquinário independente da Oficina 4; Escritório; Almoxarifado com controle de umidade; Sistema de Exaustão; Sistema de ar comprimido; Sistema de Combate a Incêndio; Plataforma de Trabalho (JIG); Ponte rolante (02 pontes de 7 Ton cada); Bancadas de Trabalho móveis;

31 30 Carreira automatizada; Qualificação de pessoal; Aquisição de ferramentas especiais; Setor individualizado para pintura; Carros sobre rodas para transporte de cada lancha; Trator para movimentação da embarcação por terra; Bancada de corte plasma CNC. A administração da BNVC vem envidando esforços no sentido de providenciar a infraestrutura restante necessária para a construção da CB 90, tendo sido iniciado o processo licitatório para aquisição e instalação de duas pontes rolantes de 7 Ton, apropriadas para a construção de embarcações do porte da CB 90 e de outras embarcações de dimensão similar. 4.2 Habilitações do pessoal para a Construção Naval Foto 8: Construção naval da BNVC Fonte: Panfleto técnico da Assessoria Extra Marinha da BNVC, 2012 O aporte de profissionais dentro da demanda requerida ao trabalho em todos os níveis nas linhas de produção da construção naval da BNVC provem do planejamento de novas metas nas quais se observa consequente mudança na

32 31 dinâmica do perfil quantitativo e qualitativo do pessoal componente da Divisão de Construção Naval. Atualmente, a composição do quadro de engenheiros e técnicos da Base ocorre por intermédio do serviço de militares (concursados ou pertencentes a reserva não remunerada), profissionais contratados por intermédio da FEMAR 6 (Fundação de Estudos do Mar) e da EMGEPRON. No que se refere aos militares, particularmente os da reserva não remunerada, são os mesmos em sua maioria oriundos de estabelecimentos de formação de nível superior e técnico localizados no estado do Pará. Os civis contratados via FEMAR e EMGEPRON são, invariavelmente, oriundos de estaleiros ou instalações industriais de pequeno porte, com atividades afins da região norte que migram para a BNVC, normalmente em busca de melhores condições de trabalho. Conforme verificado no efetivo atual constante nos registros da Diretoria de Pessoal Militar da Marinha (DPMM), a Base possui em seu quantitativo de militares com formação superior, engenheiros nos campos da mecânica, eletrônica, eletricidade, construção naval, química, informática e produção. No que se refere ao pessoal de perfil técnico, oriundo dos quadros militares e civis contratados, observa-se como principais formações, as de estruturas navais, eletroeletrônica, mecânica, carpintaria e solda e marcenaria. 5 CONSTRUÇÃO DAS COMBAT BOAT 90 NA BNVC 6 A FEMAR destina-se a contribuir para o conhecimento dos aspectos sócio-econômicos e políticos do mar, bem como dos problemas a ele referentes; valorizar a pessoa do trabalhador da indústria de construção naval, do transporte aquaviário e da pesca, promovendo a maior produtividade dessas atividades comerciais e industriais; procurar os meios para racionalização do trabalho nos portos; através de estudos, buscar soluções para o incremento do transporte aquaviário, promover o conhecimento e a difusão dos problemas atinentes ao complexo aquaviário, transportes, portos, pesca, navegação, construção naval, ciências do mar e legislação pertinente, tudo com vistas a contribuir para difundir a mentalidade marítima no Brasil.

33 32 Uma das técnicas atuais de gerenciamento de empresas na busca do seu aperfeiçoamento é conhecida como benchmarking. De acordo com a Wikipédia, benchmarking é: a busca das melhores práticas na indústria que conduzem ao desempenho superior. É visto como um processo positivo e proativo por meio do qual uma empresa examina como outra realiza uma função específica a fim de melhorar como realizar a mesma ou uma função semelhante. O processo de comparação do desempenho entre dois ou mais sistemas é chamado de benchmarking. Figura 2: Vista interna da lancha Combat Boat 90 Fonte: apresentação técnica The Docksta Group CB-90 Suécia, 2012 Conforme já verificado, é possível o estaleiro Dockstavarvet fornecer a embarcação Combat Boat 90 sem os sistemas de armas e comunicações a um custo estimado de US$ 2,5 milhões. Estes sistemas seriam especificados e instalados com o apoio da indústria nacional, objetivando a redução de custos de obtenção da embarcação completa, estimado inicialmente em US$ 4,5 milhões. O custo para produção em escala das embarcações seria negociado em razão da quantidade adquirida, assim como os treinamentos operacionais, de manutenção e de construção. O contrato de manutenção seria revisado a cada três anos. Em uma obtenção de maior escala da CB 90, é desejável que a construção das seis primeiras embarcações ocorresse na Suécia e, paralelamente, o treinamento das técnicas de construção em estaleiro no Brasil. O treinamento

34 33 operacional e de manutenção deve ser oferecido pelo estaleiro Dockstavarvet em conjunto com a Marinha Sueca. Foi, também, apresentada a possibilidade da construção em estaleiro privado no Brasil, sob licença e supervisão do construtor, ou a assinatura de contratos para aquisição de kits de construção sob licença, tal como é realizado atualmente no Estaleiro Astimar do México. Para tal, é necessária a aprovação pelo construtor da infraestrutura ferramental e capacitação profissional requerida. Deve, ainda, serem disponibilizados pelo estaleiro sueco os planos e arquivos eletrônicos para a construção, e fornecidos os certificados e garantias do material e dos principais sistemas. Independente da modalidade de contrato, o estaleiro Dockstavarvet disponibilizará os manuais de operação e manutenção de sistemas individuais e da embarcação em geral. Os materiais e sistemas terão garantia e sendo provisionados pacotes de sobressalentes de acordo com o número de embarcações. Também haverá suporte de manutenção no país para os sistemas de propulsão, navegação, comunicação e outros, sendo provido para cada quatro LC adquiridas, um contêiner de apoio contendo sobressalente e materias especiais. Considerando que o EB avaliou, em 2004, a lancha COMBAT 90H à luz dos seus requisitos particulares, e que também é importante a MB igualmente reavaliar operacionalmente a embarcação no ambiente amazônico, de forma a ratificar a padronização da referida lancha como a Lancha de Combate de utilização comum às duas Forças e, consequentemente, atender concomitantemente às necessidades estabelecidas pelo PAEMB e pelo Programa de Articulação Braço Forte, é pertinente que o MD, por intermédio da Secretaria de Produtos de Defesa (SEPROD), coordene a obtenção de ao menos quatro CB 90 do estaleiro Dockstarvarvet, destinando duas unidades à MB e duas ao EB. No que se refere às embarcações da MB, as mesmas devem ser incorporadas ao Batalhão de Operações Ribeirinhas em Manaus e ao Grupamento de Fuzileiros Navais em Belém, ambas mantidas sob a coordenação e supervisão da BNVC, local onde o contêiner de apoio ficará instalado. A manutenção das quatro LC será realizada de maneira integrada pelo pessoal da MB em conjunto com o do EB.

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratar consultoria por produto para formular

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª RM 60 ANOS 1944/2004

PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª RM 60 ANOS 1944/2004 PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª RM 60 ANOS 1944/2004 Neste mês de junho está sendo comemorado os 60 anos de criação do Parque Regional de Manutenção da 1ª Região Militar PqRMnt/1, no Rio de Janeiro.

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Segundo substitutivo do PNE, apresentado pelo Deputado Angelo Vanhoni, Abril de 2012 Profa. Dra. Rosilene Lagares PPGE/PET PedPalmas Palmas,

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE PARELHAS, ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, usando das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município.

O PREFEITO MUNICIPAL DE PARELHAS, ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, usando das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município. DECRETO Nº 011/2014, DE 09 DE ABRIL DE 2014. Altera o Anexo I do Decreto n 007/2014, que dispõe sobre as atribuições, escolaridade e salários dos cargos destinados ao Concurso Público do Município de Parelhas/RN.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO Chamamento para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

TRATOR ARTICULADO BV-206D O MAIS ESTRANHO VEÍCULO DO CORPO DE FUZILEIROS NAVAIS

TRATOR ARTICULADO BV-206D O MAIS ESTRANHO VEÍCULO DO CORPO DE FUZILEIROS NAVAIS TRATOR ARTICULADO BV-206D O MAIS ESTRANHO VEÍCULO DO CORPO DE FUZILEIROS NAVAIS Sem sombra de dúvida o trator articulado BV-206D é o veículo mais estranho atualmente em uso pelo Corpo de Fuzileiros Navais

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural 1. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural no bioma Amazônia... 2 2. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento

Leia mais

Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4

Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4 Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4 Sumário Assistência Social Saúde Educação Infraestrutura - Comunicação e Energia Moradia Bolsa Família Bolsa Verde Direitos Culturais A

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico SIBRATEC Instituído por meio do Decreto 6.259, de 20 de novembro de 2007 e complementado pela Resolução do Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008, para atender as demandas específicas de

Leia mais

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Termo de Referência para Contratação de Consultoria - TR Modalidade Pessoa Física Vaga Código TR/PF/IICA-005/2010 PCT BRA/09/001 - Acesso e uso da energia elétrica como fator de desenvolvimento de comunidades

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR JÚNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado ODAIR CUNHA PT/MG

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado ODAIR CUNHA PT/MG PROGRAMAS ABERTOS MINISTÉRIO DA PESCA Código do Programa 5800020130061 Administração Pública Estadual ou do Distrito Federal Programa 20.122.2113.2000.0001.0001 - Adminstração da Unidade - Nacional A atividade

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO

AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO 1 / 23 OBJETIVO

Leia mais

MUTIRÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA: UMA AÇÃO INTEGRADA COM EMPREGADOS, CONTRATADOS E A COMUNIDADE

MUTIRÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA: UMA AÇÃO INTEGRADA COM EMPREGADOS, CONTRATADOS E A COMUNIDADE MUTIRÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA: UMA AÇÃO INTEGRADA COM EMPREGADOS, CONTRATADOS E A COMUNIDADE Autores Carmem Lúcia Carneiro Rolim Antiógenes José Freitas Cordeiro José Clóves Fernandes COMPANHIA ENERGÉTICA

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

Desenvolvimento Agrícola e Meio Ambiente

Desenvolvimento Agrícola e Meio Ambiente p Relatório Consulta Bico do Papagaio Oficinas 279 pessoas se credenciaram para participar das oficinas na cidade de Tocantinópolis. Foi solicitado à elas que elencassem as demandas e problemas regionais.

Leia mais

Capacitação e Qualificação Profissional do Trabalhador Portuário elementos para formulação de uma política em um cenário pós Lei 12.815/13.

Capacitação e Qualificação Profissional do Trabalhador Portuário elementos para formulação de uma política em um cenário pós Lei 12.815/13. Capacitação e Qualificação Profissional do Trabalhador Portuário elementos para formulação de uma política em um cenário pós Lei 12.815/13. 1ª REUNIÃO FORUM A nova Lei dos Portos (Lei nº 12.815/2013),

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Excelência. locações e transporte Ltda. www.excelenciaguindastes.com.br

Excelência. locações e transporte Ltda. www.excelenciaguindastes.com.br www.excelenciaguindastes.com.br A Guindastes e uma empresa de Goiânia Goiás QUEM SOMOS que presta serviço em todo território nacional no segmento de Locação de Guindastes, Locação de Munck, Grupo Geradores,

Leia mais

II.10.3 PROJETO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

II.10.3 PROJETO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL II.10.3 PROJETO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 1. Justificativa Este Projeto de Comunicação Social (PCS) refere-se à atividade de perfuração marítima no Bloco BS-4, empreendimento da Queiroz Galvão Exploração e

Leia mais

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO Requisitos: graduação em qualquer curso da área de Tecnologia da Informação - Elaborar

Leia mais

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 GESTÃO PÚBLICA Garantir ampla participação popular na formulação e acompanhamento das políticas públicas; Criação do SOS Oprimidos, onde atenda desde pessoas carentes

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Art. 1º Aprovar a Diretriz de Implantação do Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos (SPED) no âmbito do Exército Brasileiro.

Art. 1º Aprovar a Diretriz de Implantação do Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos (SPED) no âmbito do Exército Brasileiro. PORTARIA Nº 002-EME, DE 17 DE JANEIRO DE 2012. Aprova a Diretriz de Implantação do Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos (SPED) no âmbito do Exército Brasileiro. O CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO,

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Trans 2015 VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia e VI Feira Internacional de Transportes da Amazônia. Belém 03 de Setembro de 2015

Trans 2015 VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia e VI Feira Internacional de Transportes da Amazônia. Belém 03 de Setembro de 2015 Trans 2015 VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia e VI Feira Internacional de Transportes da Amazônia Belém 03 de Setembro de 2015 TURISMO NÁUTICO Caracteriza-se pela utilização de embarcações

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DA ÁREA ADMINISTRATIVA DO INSTITUTO EMATER - REGIÃO DE CORNÉLIO PROCÓPIO

PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DA ÁREA ADMINISTRATIVA DO INSTITUTO EMATER - REGIÃO DE CORNÉLIO PROCÓPIO CONCURSO: PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL EXTENSIONISTA GESTÃO PARA RESULTADOS. RECONHECIMENTO CATEGORIA: INOVAÇÃO EM PROCESSOS ADMINISTRATIVOS AUTOR: VALDIMIR DE JESUS PASSOS CO-AUTOR PRINCIPAL: WANDER ADRIANO

Leia mais

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem 1) COMO FUNCIONA? O PROBLEMA OU SITUAÇÃO ANTERIOR Anteriormente, todos os resíduos recicláveis ou não (com exceção do papelão), ou seja, papel, plásticos, vidros,

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único Instrução Operacional nº 35 SENARC/MDS Brasília, 15 de abril de 2010. Assunto: Divulga as orientações necessárias para a solicitação de cadastramento de usuários municipais no novo sistema de Cadastro

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

Case de Sucesso. Integrando CIOs, gerando conhecimento. COM PLATAFORMA DE MOBILIDADE, SEPLAN AMPLIA NÚMERO E QUALIDADE DOS SERVIÇOS PÚBLICOS

Case de Sucesso. Integrando CIOs, gerando conhecimento. COM PLATAFORMA DE MOBILIDADE, SEPLAN AMPLIA NÚMERO E QUALIDADE DOS SERVIÇOS PÚBLICOS Case de Sucesso Integrando CIOs, gerando conhecimento. COM PLATAFORMA DE MOBILIDADE, SEPLAN AMPLIA NÚMERO E QUALIDADE DOS SERVIÇOS PÚBLICOS Perfil O Decreto nº 32.716/2011 fixou a nova estrutura do Poder

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA APRESENTAÇÃO 1. CARGA HORÁRIA DE ESTÁGIO 2. A COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS 2.1. SUPERVISÃO GERAL DE ESTÁGIOS 2.2. COORDENADORES DE CURSO 2.3. PROFESSORES

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO

BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO Belo Horizonte 2009 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 Geral... 3 2.2 Específicos... 3 3 FORMAÇÃO DO ACERVO...

Leia mais

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS COMPANHIA DOCAS DO CEARÁ Secretaria de

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

Programa de Educação Ambiental e de Comunicação Social. Projeto de Implantação de Depósito de Celulose. Klabin S.A

Programa de Educação Ambiental e de Comunicação Social. Projeto de Implantação de Depósito de Celulose. Klabin S.A Programa de Educação Ambiental e de Comunicação Social Projeto de Implantação de Depósito de Celulose Klabin S.A Ref.: Condicionante para obtenção de Licença de Instalação Telêmaco Borba, 12 de janeiro

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

A MARINHA DO BRASIL E SUA PROJEÇÃO NO CONTINENTE AFRICANO

A MARINHA DO BRASIL E SUA PROJEÇÃO NO CONTINENTE AFRICANO A MARINHA DO BRASIL E SUA PROJEÇÃO NO CONTINENTE AFRICANO Com o fim da Guerra Fria e o colapso da União Soviética, os conflitos africanos em sua grande maioria deixaram de ter aquele cunho ideológico leste-oeste

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS

EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS Objetivos da apresentação Exposição dos principais detalhes do edital,

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria de pessoa física para realizar ações e organizar atividades

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para desenvolver o Plano de Uso Público para a visitação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro concentrando na análise

Leia mais

PROGRAMA CAMINHO DA ESCOLA

PROGRAMA CAMINHO DA ESCOLA PROGRAMA CAMINHO DA ESCOLA Parte l Rev TRANSPORTE DE ALUNOS ATIVIDADES DIDÁTICAS EM TRÂNSITO ATIVIDADES DIDÁTICAS TEMÁTICAS Arquitetura Naval catamarã para transporte de passageiros/alunos embarcação de

Leia mais

Standards Online. Acesso à informação direto de seu computador

Standards Online. Acesso à informação direto de seu computador Standards Online Acesso à informação direto de seu computador Comentário dos clientes sobre o BSOL A utilização é fácil e o sistema de download é excelente, quando necessito de uma norma que não se encontra

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Operação Cisne Branco 2015. Imagem: CB SEVERIANO

Operação Cisne Branco 2015. Imagem: CB SEVERIANO Operação Cisne Branco 2015 Imagem: CB SEVERIANO Operação Cisne Branco O que é e quem participa; Como participar; Concurso de Redação; Prêmios; Conhecendo a Marinha do Brasil; e Como ingressar na Marinha.

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

Disjuntores de média tensão IEC a vácuo de 12kV, 17.5kV e 24kV. Disjuntores W-VACi Uma escolha segura de uma fonte confiável

Disjuntores de média tensão IEC a vácuo de 12kV, 17.5kV e 24kV. Disjuntores W-VACi Uma escolha segura de uma fonte confiável Disjuntores de média tensão IEC a vácuo de 12kV, 17.5kV e 24kV Disjuntores W-VACi Uma escolha segura de uma fonte confiável Potência para os negócios no mundo todo Automotivo A Eaton fornece energia para

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

ANEXO II ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS

ANEXO II ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS ANEXO II ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS Roteiro Pedagógico e Metodológico Parte 1. Identificação do Projeto 1.1. Instituição de ensino proponente, com a respectiva identificação 1.2. Título do Projeto/Objeto

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

TEATRO SOCIAL: VALORES PARA A VIDA

TEATRO SOCIAL: VALORES PARA A VIDA TEATRO SOCIAL: VALORES PARA A VIDA Utilizando o Teatro como Ferramenta de Ensino e Transformação Social CONEXÃO SOCIAL REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOEMOCIONAL IASEA 2015 1. APRESENTAÇÃO TEATRO SOCIAL é

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL (arquivo da Creche Carochinha) Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil é dever do Estado e direito de todos, sem qualquer

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

EDITAL Seleção para apoio a implantação de projetos que contribuam com o Desenvolvimento Territorial

EDITAL Seleção para apoio a implantação de projetos que contribuam com o Desenvolvimento Territorial FUNDO MULTILATERAL DE INVESTIMENTOS PROGRAMA REGIONAL DE FORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL COM INCLUSÃO SOCIAL- ConectaDEL EDITAL Seleção para apoio a implantação de projetos que contribuam

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. PROJETO IDF SAÚDE Nº 06/2014 2. TÍTULO Consultoria individual especializada em Engenharia Clínica/Biomédica. 3. ENQUADRAMENTO NO PROJETO Componente

Leia mais

Prefeitura Municipal de Botucatu

Prefeitura Municipal de Botucatu I- Identificação: Projeto Empresa Solidária II- Apresentação : O Fundo Social de Solidariedade é um organismo da administração municipal, ligado ao gabinete do prefeito, que atua em diversos segmentos

Leia mais

Painel 13. Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica e Aquaviária.

Painel 13. Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica e Aquaviária. Senado Federal AUDIÊNCIA PÚBLICA P DA COMISSÃO DE INFRAESTRUTURA Painel 13 Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica e Aquaviária Luiz Felipe

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

Ensino público, gratuito e de qualidade

Ensino público, gratuito e de qualidade CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA público, gratuito e de qualidade 1 Rua Américo Davim Filho, s/ nº Vila São Paulo São João Del Rei MG Fone: (3) 337-5367 / Ramal 03 pronatec.sjdr@ifsudestemg.edu.br

Leia mais

GP18-050LX. Fabricadas no Brasil. As empilhadeiras ideais para as mais variadas operações com carga de 1.800 até 2.500kg

GP18-050LX. Fabricadas no Brasil. As empilhadeiras ideais para as mais variadas operações com carga de 1.800 até 2.500kg GP18-050LX As empilhadeiras ideais para as mais variadas operações com carga de 1.800 até 2.500 Fabricadas no Brasil Empilhadeiras Contrabalançadas Nova família Yale LX contrabalançada com operador sentado

Leia mais

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE 1. INTRODUÇÃO A ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE LUZIA LOPES GADÊLHA, por meio do Termo Convênio nº 05/2015, como parte integrante do Projeto Fortalecendo

Leia mais

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social SEMINÁRIOS TEMÁTICOS Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão 00-fevereiro de 2014 1/11 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO... 3 2. OBJETIVOS DO SISTEMA DE GESTÃO... 3 3. ORGANIZAÇÃO... 4 4. HISTÓRICO... 6 5.

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO

EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO I. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO PROJETO BRA/11/021 - PROGRAMA DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS COM INCLUSÃO SOCIAL (PSA)

Leia mais