P R É - H I S T Ó R I A À P Ó S - H I S T Ó R I A emanuel dimas de melo pimenta

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "P R É - H I S T Ó R I A À P Ó S - H I S T Ó R I A emanuel dimas de melo pimenta 1 9 9 6"

Transcrição

1 D A P R É - H I S T Ó R I A À P Ó S - H I S T Ó R I A

2 também conferência em Video Conférence sur MBONE Fundação para a Computação Científica Nacional, Lisboa, Portugal École Polytechnique Fédérale de Lausanne, Suíça l Institut National de l Audiovisuel, Paris, França Berkeley University, California, Estados Unidos Da pré-história à pós-história, a emergência de uma transcultura Emanuel Dimas de Melo Pimenta título: DA PRÉ-HISTÓRIA À PÓS-HISTÓRIA, A EMERGÊNCIA DE UMA TRANSCULTURA autor: Emanuel Dimas de Melo Pimenta ano: Arquiitectura, estética editor: ASA Art and Technology UK Limited Emanuel Dimas de Melo Pimenta ASA Art and Technology Todos os direitos reservados. Nenhum texto, fragmento de texto, imagem ou parte desta publicação poderá ser utilizada com objectivos comerciais ou em relação a qualquer uso comercial, mesmo indirectamente, por qualqueis meios, electrónicos ou mecânicos, incluindo fotocópia, qualquer tipo de impressão, gravação ou outra forma de armazenamento de informação, sem autorização prévia por escrito do editor. No caso do uso ser permitido, o nome do auto deverá ser sempre incluído.

3 A história, enquanto tecnologia fundamental para a compreensão do fenómeno Ocidente, conheceu a sua, certamente, primeira derrapagem com Karl Popper em 1957, quando lançou o clássico The Poverty of Historicism. Embalado na forma de uma feroz crítica aos seus parceiros teleológicos, cientistas de carácter e forma intensamente aristocráticos, independentemente da cor política, o texto revelou o impacte que a primeira corrente da termodinâmica exerceu principalmente com as ideias de Werner Heinsenberg e a sua célebre Teoria da Incerteza. Mas, revelou também aquilo que viria a emergir como uma segunda corrente termodinâmica, pouco tempo depois. Em geral, envolvidas pela ilusão da contiguidade produzida pelo uso intensivo da visão, uso que conheceu uma excelente representação no alfabeto fonético e na imprensa de Gutenberg as pessoas não perceberam o que realmente acontecia e se deixaram levar, Popper inclusive, pela ideia de uma disputa política. Naquele mesmo ano era lançado o Sputnik o primeiro satélite de telecomunicações do planeta. Apenas cinco anos mais tarde, Licklider prepararia para as forças armadas Americanas aquilo que viria ser a Internet.

4 Popper se questionava sobre qual seria o verdadeiro motivo da investigação científica: o desejo de saber ou a luta pela sobrevivência, isto é: o conhecimento sistematizado ou uma Selecção Natural? Uma década depois, Gerald Edelman estabelecia o modelo segundo o qual nosso sistema imunológico e provavelmente também o nosso sistema cognitivo não operariam através de funções instrucionistas, mas sim por auto regulação, selecção e acaso. Muitos historiadores de grande reconhecimento, como Georges Duby, consideram que o grande traço que diferencia o Ocidente é isso a que chamamos de história: cadeia de elementos discretos interconectados polar e diacronicamente. Nem tanto a hierarquia, pois existem diferentes histórias, mas a estrutura do universo auditivo. Parece que, ao intensificarmos fortemente o sentido da visão, resgatamos na audição um princípio eficiente para a elaboração de um modelo de compreensão para a estrutura última dos acontecimentos. Napoleão Bonaparte afirmava que «a política de um Estado» estava «na sua geografia». Não haverá, entretanto, uma ligação essencial entre política, no sentido de polis, história e geografia?

5 A instituição da polis Grega coincide com a ideia de isonomia, com o surgimento do livro como acumulador de ideias de uma única pessoa com a intensificação da visão através da leitura, com a inauguração da história por Heródoto enquanto espécie de religião e com uma ideia já menos tribal de território. O milagre grego! O fim da história é agora anunciado como o excesso de informação através do imenso crescimento de recursos para o armazenamento de dados. Isto é: se a pré-história se caracterizou por um limitado armazenamento de informações a longo prazo, a pós-história seria o máximo em termos de estocagem de dados em tempo real. Assim, diante de um gigantesco contingente de informações nada mais poderia ser história, pois haveriam a priori as mais variadas situações de verdade. Mas, a exemplo do modelo estabelecido pela navegação ciberespacial, o fim da história coincide também com o fim da ideia clássica de território, e com o início de uma nova geografia. Esta imagem do fim da história tem pouco a ver com a do Professor Fukuyama que, ainda preso às velhas tecnologias, considerava que o mundo pós-histórico permaneceria constituído em Estados Nações.

6 Rapidamente, as fronteiras se desintegram para terror das autoridades de controlo, que ainda precisam conter fluxos migratórios de tudo aquilo que significa capital, inclusive pessoas. Para o pânico dos políticos ainda acostumados com a velha ideia de território mas, em geral, desacostumados com o ambiente empresarial, como se permanecessem com os pés na era pré-industrial o antigo papel do Estado vai sendo rapidamente deslocado para as empresas multinacionais, que deveriam adoptar o termo de transnacionais. Aliás, um dos únicos e mais fortes vínculos que ainda privilegiam as relações entre políticos e empresas parecem ser os tributos, geradores em última instância de benefícios para as próprias empresas, como se invertêssemos definitivamente os papéis. Culturas são misturadas, produzindo uma interessante e turbulenta bricolage para desespero dos nacionalistas que ainda acreditam na ideia de nação, ou para o desencontro de artistas que ainda acreditam e defendem uma arte padrão e literariamente uniforme. O antigo ethos local se transforma no ethos planetário, global, projectando uma nova ética, turbulenta e não linear, com a qual ainda não estamos acostumados a lidar. 6

7 O mesmo sistema de supercomunicação e superpolulação produz o fenómeno das megacidades, que em poucos anos serão cerca de cinquenta! imensas colónias sociais com mais de dez milhões de habitantes que funcionam como verdadeiras Cidades Estado. Sem as redes de redes de telecomunicação as megacidades simplesmente não seriam possíveis. Não seria possível um megacomplexo de nanodecisões! As megacidades revelam um interessante processo de organização sem ordem, no sentido de ordem literária. Por isso praticamente a totalidade das megacidades que surgirão nos próximos dez anos estarão localizadas nos chamados países do Terceiro Mundo, isto é: países com baixa taxa de alfabetização. Mas, essas mesmas redes produzem as máfias nas suas mais variadas cores, tomando de empréstimo o nome utilizado por famílias do sul da Itália, que formavam redes de poder através do controle de informação para actividades criminosas. Aliás, a palavra crime tem sua origem etimológica mais distante no Indo Europeu *krei, que significava julgamento. Ora, qualquer julgamento é feito com base num determinado ethos!

8 Aí certamente está uma chave para a compreensão da razão pela qual o nosso planeta parece constantemente mergulhar em ondas de criminalidade e corrupção, principalmente quando tratamos de megacidades: livres de um ethos padrão, preciso e uniforme, toda a ordem de valores passa a ser questionável. As redes possibilitam, ainda e nesse universo de profunda metamorfose ética a geração imediata de grupos informais de pessoas. Grupos de interesse que constituem praticamente todas as instituições deste fim de milénio. Por isso, em diversas línguas e em diferentes países as pessoas se referem a tais grupos de defesa de privilégios grande parte das vezes grupos fechados utilizando termos como máfia ou igreja. O facto é que apenas no século XX é que a agricultura deixou de ser a principal actividade planetária, que a Idade Média durou praticamente 75% dos últimos dois mil anos e que o mundo branco parece rapidamente perder a posição privilegiada que deteve desde o século XV pelo menos. Hoje, dia 18 de Janeiro de, estarão em actividade no World Wide Web mais de dois milhões de sites, o que representa quase três mil pessoas por site dos quase trinta e três milhões de habitantes da Internet. Prevê-se que no ano 2000, isto é: em apenas cinco anos, haverá mais de um bilião de usuários da Internet, significando quase 17% da população mundial.

9 Essa nova geografia virtual expõe dois personagens humanos que parecem existir em permanente conflito: a ignorância e o saber. Este, na figura do teleantropos ideia magnificamente delineada por René Berger: o ser humano constituído à distância, feito por encadeamentos de diferentes culturas, aberto e nómada, espécie de Frankenstein contemporâneo, certamente horrível aos olhos da mediocridade. E a ignorância, que surge poderosa na imagem dos analfabetos secundários: indivíduos que, embora tenham frequentado escolas, perderam o hábito e o prazer dos livros, da música, do teatro, da arte em geral. Para estes, cinema virou entretenimento. Pessoas que desprezam a educação, muitas vezes para os próprios filhos, defendendo um mundo dos espertos e da vantagem sobre o semelhante. Como mostra Platão em Teaeteto, tratam-se de duas personagens que estavam presentes já no tempo de Sócrates. Personagens que dominavam a cena do milagre Grego e que parecem ressurgir no meio de uma nova metamorfose. 9

emanuel dimas de melo pimenta 1 9 9 7

emanuel dimas de melo pimenta 1 9 9 7 J A N U S 1 9 9 7 também conferência em CiberFestival Lisboa Exposição Janus Lisboa, Portugal, Janus Emanuel Dimas de Melo Pimenta título: JANUS autor: Emanuel Dimas de Melo Pimenta ano: Arte, estética

Leia mais

A R Q U I T E C T U R A V I R T U A L emanuel dimas de melo pimenta 1 9 9 3

A R Q U I T E C T U R A V I R T U A L emanuel dimas de melo pimenta 1 9 9 3 A R Q U I T E C T U R A V I R T U A L 1 9 9 3 título: ARQUITECTURA VIRTUAL autor: Emanuel Dimas de Melo Pimenta ano: Arquitectura, estética editor: ASA Art and Technology UK Limited Emanuel Dimas de Melo

Leia mais

C O N H E C I M E N T O E N A T U R E Z A emanuel dimas de melo pimenta 1 9 9 5

C O N H E C I M E N T O E N A T U R E Z A emanuel dimas de melo pimenta 1 9 9 5 C O N H E C I M E N T O E N A T U R E Z A 1 9 9 5 também conferência em Symmetry: Natural and Artificial Third Interdisciplinary Symmetry Congress and Exhibition of the International Society for the Interdisciplinary

Leia mais

emanuel dimas de melo pimenta 1 9 9 5

emanuel dimas de melo pimenta 1 9 9 5 U T O P I A 1 9 9 5 também conferência em Projecto Utopia, Cascais Cascais, Portugal, Fevereiro Utopia Emanuel Dimas de Melo Pimenta título: UTOPIA autor: Emanuel Dimas de Melo Pimenta ano: Filosofia,

Leia mais

R A W W A R emanuel dimas de melo pimenta 2 0 0 5

R A W W A R emanuel dimas de melo pimenta 2 0 0 5 R A W W A R 2 0 0 5 também conferência em Festival Música Nova Misomusic Lisboa, Portugal, RAWWAR Emanuel Dimas de Melo Pimenta título: RAWWAR autor: Emanuel Dimas de Melo Pimenta ano: editor: ASA Art

Leia mais

CLC5 Formador: Vítor Dourado

CLC5 Formador: Vítor Dourado 1 A designação da Internet advém de Interconnected Network, ou seja, rede interligada. A Internet é uma gigantesca teia mundial de redes de computadores, em constante crescimento e evolução, oferecendo

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações:

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: CÓDIGO DE ÉTICA Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: APDIS Associação Portuguesa de Documentação e Informação na Saúde BAD Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas

Leia mais

Regulamento do EDP University Challenge 2011. EDP como empresa global de energia, líder em criação de valor, inovação e sustentabilidade.

Regulamento do EDP University Challenge 2011. EDP como empresa global de energia, líder em criação de valor, inovação e sustentabilidade. Regulamento do EDP University Challenge 2011 EDP como empresa global de energia, líder em criação de valor, inovação e sustentabilidade 2ª Edição Artigo 1º Objectivo do prémio 1. O EDP University Challenge

Leia mais

IPAM reforça no Porto. Pdg. 76. Por M." João Vieira Pinto

IPAM reforça no Porto. Pdg. 76. Por M. João Vieira Pinto IPAM reforça no Porto Pdg. 76 Por M." João Vieira Pinto IPAM reforça no Porto Afirma-se como lhe Marketing School e ambiciona ser a referência do ensino nesta área. Por isso, ejá a partir do próximo ano,

Leia mais

Cursos de Licenciatura

Cursos de Licenciatura DLLM Cursos de Licenciatura 2009-2010 1 Cursos de Licenciatura 2009/2010 1º Ciclo Bolonha DLLM Departamento de Línguas e Literaturas Modernas 2 Cursos de Licenciatura 2009-2010 DLLM DLLM Cursos de Licenciatura

Leia mais

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Este ponto é aqui. É a nossa casa. Somos nós, numa imagem tirada a partir de 6 mil milhões de quilómetros da Terra pela sonda Voyager

Leia mais

Paula Almozara «Paisagem-ficção»

Paula Almozara «Paisagem-ficção» Rua da Atalaia, 12 a 16 1200-041 Lisboa + (351) 21 346 0881 salgadeiras@sapo.pt www.salgadeiras.com Paula Almozara «Paisagem-ficção» No âmbito da sua estratégia internacional, a Galeria das Salgadeiras

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 RESUMO Resumo dos princípios fundamentais A Securitas acredita num mercado livre para a prestação dos seus serviços, e num ambiente competitivo

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET INTERNET O QUE É A INTERNET? O QUE É NECESSÁRIO PARA ACEDER À INTERNET? QUAL A DIFERENÇA ENTRE WEB E INTERNET? HISTÓRIA DA INTERNET SERVIÇOS BÁSICOS DA INTERNET 2 1 INTERCONNECTED NETWORK INTERNET A Internet

Leia mais

Dia_Logos. café teatral

Dia_Logos. café teatral café Café Teatral Para esta seção do Caderno de Registro Macu, a coordenadora do Café Teatral, Marcia Azevedo fala sobre as motivações filosóficas que marcam esses encontros. Partindo da etimologia da

Leia mais

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002 História da Internet? No final dos anos 50, os EUA formaram uma instituição de investigação, a qual designaram por ARPA (Advanced Research Projec Agency). O objectivo desta instituição, parte integrante

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

A World Wide Web é um repositório gigantesco de informação gratuita em permanente crescimento e actualização

A World Wide Web é um repositório gigantesco de informação gratuita em permanente crescimento e actualização Procurar informação na WEB internet Procurar Informação na Web A World Wide Web é um repositório gigantesco de informação gratuita em permanente crescimento e actualização Sem qualquer custo adicional,

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

Introdução à Internet

Introdução à Internet Tecnologias de Informação e Comunicação Introdução Internet? Introdução 11-03-2007 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 2 Internet Introdução É uma rede global de computadores interligados que comunicam

Leia mais

Trabalho realizado por: Gonçalo Santos Nº9 João Silva Nº16 Vasco Franco Nº26

Trabalho realizado por: Gonçalo Santos Nº9 João Silva Nº16 Vasco Franco Nº26 Trabalho realizado por: Gonçalo Santos Nº9 João Silva Nº16 Vasco Franco Nº26 Telecomunicações Introdução Nós neste trabalho vamos falar de telecomunicações: -Alguns Meios e Serviços de Telecomunicações

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

OS SISTEMAS GEOGRÁFICA DE INFORMAÇÃO NOS NEGÓCIOS INFRA-ESTRUTURA DE INFORMAÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO DE APLICAÇÕES NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO

OS SISTEMAS GEOGRÁFICA DE INFORMAÇÃO NOS NEGÓCIOS INFRA-ESTRUTURA DE INFORMAÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO DE APLICAÇÕES NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO 22 B&S DOSSIER SIG Por Marco Painho, Professor Associado, Director do Instituto Superior de Estatística e Gestão de Informação da Universidade Nova de Lisboa. OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NOS NEGÓCIOS

Leia mais

World Wide Web. Disciplina de Informática PEUS, 2006 - U.Porto. Disciplina de Informática, PEUS 2006 Universidade do Porto

World Wide Web. Disciplina de Informática PEUS, 2006 - U.Porto. Disciplina de Informática, PEUS 2006 Universidade do Porto World Wide Web Disciplina de Informática PEUS, 2006 - U.Porto Redes de Comunicação Nos anos 60 surgem as primeiras redes locais destinadas à partilha de recursos fisicamente próximos (discos, impressoras).

Leia mais

Colecções fotográficas da Biblioteca de Arte: políticas de acesso e difusão

Colecções fotográficas da Biblioteca de Arte: políticas de acesso e difusão Disponibilizar informação na Web : problemáticas e desafios Porto, CPF, 30 Outubro 2007 Colecções fotográficas da Biblioteca de Arte: políticas de acesso e difusão Fundação Calouste Gulbenkian- Biblioteca

Leia mais

Objectivos Proporcionar experiências musicais ricas e diversificadas e simultaneamente alargar possibilidades de comunicação entre Pais e bebés.

Objectivos Proporcionar experiências musicais ricas e diversificadas e simultaneamente alargar possibilidades de comunicação entre Pais e bebés. O estudo do desenvolvimento musical da criança é um campo de trabalho privilegiado pela CMT, tendo em conta o perfil curricular de alguns dos seus elementos, com ligações ao meio universitário. Um pouco

Leia mais

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES)

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS ASSOCIAÇÃO DOS BOLSEIROS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS 2003 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2003 A Associação dos Bolseiros de Investigação Científica, doravante denominada

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 Domínios de referência Competências Conteúdos Calendarização Conceitos Essenciais e

Leia mais

Uma história de sucesso do Programa Marie Curie em Portugal

Uma história de sucesso do Programa Marie Curie em Portugal Ref.: MTKD-CT-2004-014312 Uma história de sucesso do Programa Marie Curie em Portugal por Suhita Osório-Peters CEIFA ambiente Lda Sessão de Divulgação do 7º Programa-Quadro de ID&T Lisboa, 20 de Outubro

Leia mais

OBJECTIVOS PARA O BIÉNIO 2005/2006

OBJECTIVOS PARA O BIÉNIO 2005/2006 OBJECTIVOS PARA O BIÉNIO 2005/2006 Objectivos Gerais: Continuar a lutar pela criação de Emprego Científico; o Organizar uma nova conferência sobre o Emprego Científico; Exigir a regulamentação do novo

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita;

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita; MÉTODO CIENTÍFICO CONCEITO: palavra de origem grega, significa o conjunto de etapas e processos a serem vencidos ordenadamente na investigação da verdade; IMPORTÃNCIA DO MÉTODO: pode validar ou invalidar

Leia mais

Prova bimestral. história. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto a seguir e responda

Prova bimestral. história. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto a seguir e responda Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 1 o Bimestre 5 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia o texto a seguir e responda Na

Leia mais

LABORATÓRIO DE ARTE DIGITAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VISEU REGULAMENTO

LABORATÓRIO DE ARTE DIGITAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VISEU REGULAMENTO LABORATÓRIO DE ARTE DIGITAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VISEU REGULAMENTO Artigo 1º (Definição) O Laboratório de ArteDigital adiante designado por LAD, é um dos laboratórios adstritos à Área Científica

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 05 ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 26 à 30 1 AULA 05 DESAFIOS GERENCIAIS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1

Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1 Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1 Monica Aiub filósofa clínica e-mail: monica_aiub@uol.com.br Vendo o que não se vê, tema do Congresso, suscita, imediatamente, a pergunta: o que se vê e

Leia mais

CALENDÁRIO DE EXAMES DA ÉPOCA NORMAL. Ano Letivo 2014/2015-2º SEMESTRE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO

CALENDÁRIO DE EXAMES DA ÉPOCA NORMAL. Ano Letivo 2014/2015-2º SEMESTRE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO 1º ANO Cultura Literária 19.06 10h00 2.21 Métodos e Técnicas de Investigação 15.06 14h30 2.26 Língua Estrangeira II Inglês 18.06 10h00 94 Língua Estrangeira II Francês 18.06 10h00

Leia mais

Novo curso da Univesp inicia processo seletivo

Novo curso da Univesp inicia processo seletivo Edição 12 de 1 a 7 de junho de 2010 VISITE A PÁGINA DA SALA DE IMPRENSA DA EACH. ALÉM DO CLIPPING SEMANAL, VOCÊ PODERÁ ENCONTRAR OUTRAS NOTÍCIAS IMPORTANTES SOBRE A NOSSA ESCOLA http://each.uspnet.usp.br/each/sala-imprensa.php

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

emanuel dimas de melo pimenta 1 9 9 5

emanuel dimas de melo pimenta 1 9 9 5 T E L E A N T R O P O S 1 9 9 5 também conferência em Colóquio Arte no Século XXI Departamento de Semiótica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Museu de Arte Contemporânea da Cidade Universitária

Leia mais

Procura de Planetas Extra-Solares

Procura de Planetas Extra-Solares Objectivos* Observação através do método de fotometria, planetas extra-solares. Público-alvo * Alunos do 12º Ano do ramo Científico-Natural. Introdução Este projecto foi levado a cabo por um grupo de 6

Leia mais

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados Norma contabilística e de relato financeiro 14 Concentrações de actividades empresariais Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 3

Leia mais

SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp.

SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp. SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp. 31-50 2º Ano ASE Sociologia do Desenvolvimento e da Mudança

Leia mais

Đ ŕňĉòă. g esſ tã o d e r e d esſ sſo ciaisſ

Đ ŕňĉòă. g esſ tã o d e r e d esſ sſo ciaisſ Đ ŕňĉòă g esſ tã o d e r e d esſ sſo ciaisſ Em todas as empresas há um segredo Na nossa o segredo passa a ser você quem somos? Quando acabarem a licenciatura, o desemprego espera-vos. Enganaram se! Se

Leia mais

Fundação Altran para a Inovação Prémio 2012 Portugal. Regras

Fundação Altran para a Inovação Prémio 2012 Portugal. Regras Fundação Altran para a Inovação Prémio 2012 Portugal Tecnologia e Inovação ao serviço da inclusão social Regras I/ Contexto Criada em Junho de 1996, a Fundação Altran para a Inovação (doravante denominada

Leia mais

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO Janeiro 2004 INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO 1 - OBJECTIVOS O Conhecimento é fonte de Desenvolvimento. A criação e transmissão do Conhecimento

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IFRS 3 Concentrações

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 Índice 1. Ética empresarial...3 2 1. ÉTICA EMPRESARIAL É neste contexto, e com o objetivo de o mundo empresarial recuperar a confiança, que vai surgindo a ética Empresarial.

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social Semana da Liberdade de Escolha da Escola / School Choice Week & I Conferência da Liberdade de Escolha da Escola / 1st School Choice Conference Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Leia mais

sistemas de informação nas organizações

sistemas de informação nas organizações sistemas de nas organizações introdução introdução aos sistemas de objectivos de aprendizagem avaliar o papel dos sistemas de no ambiente empresarial actual definir um sistema de a partir de uma perspectiva

Leia mais

PROJECTO DESENVOLVENDO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS

PROJECTO DESENVOLVENDO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Projecto do PNUD financiado pela Cooperação Espanhola Ministério da Hotelaria e Turismo República de Angola Angola PROJECTO DESENVOLVENDO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO PNUD / CNUCED "GESTÃO DE PROJECTOS

Leia mais

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS III COLÓQUIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS TERMOS DE REFERÊNCIA

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS III COLÓQUIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS TERMOS DE REFERÊNCIA UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS III COLÓQUIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS ESTADO, NAÇÃO, NACIONALISMO E IDENTIDADE NACIONAL NOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA

Leia mais

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Heidi Strecker* A filosofia é um saber específico e tem uma história que já dura mais de 2.500 anos. A filosofia nasceu na Grécia antiga - costumamos dizer - com

Leia mais

(Parceria: EBEN - European Business Ethics Network PT)

(Parceria: EBEN - European Business Ethics Network PT) Ética nos Negócios, Confiança e Redes de Valor (Parceria: EBEN - European Business Ethics Network PT) 4º FÓRUM RSO E SUSTENTABILIDADE Estamos a construir REDES DE VALOR Centro de Congressos de Lisboa 21

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS Intervenção do Senhor Presidente da CIP Confederação da Indústria Portuguesa, Eng.º Francisco van Zeller, na Audição Pública (CCB, 04/04/2008)

Leia mais

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS!

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! FINISPORTUGAL! PRIVATIZAÇÕES. (Publicado em 20 Dezembro 2012) 1- Conceito Estratégico de Defesa Naciona

Leia mais

Arquivos dos Serviços de Informações em Portugal. Leonor Calvão Borges

Arquivos dos Serviços de Informações em Portugal. Leonor Calvão Borges Arquivos dos Serviços de Informações em Portugal Leonor Calvão Borges A omnipresença da PIDE levanta obrigatoriamente a questão de quem informou. Nos meses a seguir ao 25 de Abril de 1974, a Comissão de

Leia mais

Um modo de ser. em educação a distância. dinâmica do meio educacional

Um modo de ser. em educação a distância. dinâmica do meio educacional dinâmica do meio educacional 1 :: marilú fontoura de medeiros professora doutora em Educação/UFRGS Um modo de ser em educação a distância Percorrer o atual contexto da Educação a Distância é trilhar um

Leia mais

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Palestra para a divulgação no Dia de Defesa Nacional sobre Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Carlos R. Rodolfo, Calm (Ref.) Presidente da AFCEA Portugal Proferida no MDN em 02 Set 2011 1 AGENDA

Leia mais

TOPEX/POSEIDON Jason 1

TOPEX/POSEIDON Jason 1 SISMOLOGIA Um dos primeiros terremotos a ser analisado cientificamente foi o terremoto de Lisboa, em novembro de 1755. Esse terremoto, que foi seguido de um tsunami, praticamente destruiu a cidade de Lisboa.

Leia mais

Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS

Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS Porquê Portugal? Portugal é um país dinâmico, seguro, com uma taxa de criminalidade baixa, trabalhadores altamente

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES QUESTÕES 01) A Administração recebeu influência da Filosofia e diversos filósofos gregos contribuíram para a Teoria da Administração. A forma democrática de administrar os negócios públicos é discutida

Leia mais

Estrutura da Prova. Classificação Final

Estrutura da Prova. Classificação Final Estrutura da Prova 1. A Prova (P) é constituída por duas componentes: a) Cultura Geral e Expressão Escrita (CG) - esta parte (escrita) da prova é comum a todos os candidatos e vale 30% da classificação

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa

Universidade Fernando Pessoa Objectivos da cadeira reconhecer, criar e explorar um recurso de informação usar tecnologias de informação emergentes para a gestão eficaz do recurso informação discutir o impacto das tecnologias de informação

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto de Vida MACHADO, Nilson José. Projeto de vida. Entrevista concedida ao Diário na Escola-Santo André, em 2004. Disponível em: .

Leia mais

ACORDO QUADRO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA TURQUIA SOBRE COOPERAÇÃO MILITAR

ACORDO QUADRO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA TURQUIA SOBRE COOPERAÇÃO MILITAR ACORDO QUADRO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA TURQUIA SOBRE COOPERAÇÃO MILITAR A República Portuguesa e o Governo da República da Turquia, doravante designados individualmente

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD ATIVIDADE INTEGRADORA ASSOCIADA A PRÁTICA DE ENSINO Módulo IV Desenvolvimento e Crescimento Estudo do desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

Planeamento Estratégico para Sociedades de Advogados ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planeamento Estratégico para Sociedades de Advogados ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planeamento Estratégico para Sociedades de Advogados ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 LEXDEBATA - PORTUGAL Fundada em Lisboa no ano de 2006, a LexDebata Seminários

Leia mais

RESUMO DO EVENTO. IDC Portugal

RESUMO DO EVENTO. IDC Portugal RESUMO DO EVENTO IDC Portugal PATROCINADORES GOLD + GOLD SILVER PARCEIRO TECNOLÓGICO APOIO PUBLIC RELATIONS & MEDIA PARTNER AGENDA 09h00 Recepção aos participantes & Welcome-coffee 09h30 The Future of

Leia mais

A percepção da responsabilidade social em Portugal

A percepção da responsabilidade social em Portugal A percepção da responsabilidade social em Portugal Estudo concebido pela Sair da Casca e realizado pela Multivária entre Julho de 2003 e Janeiro de 2004 _ Índice _ Introdução.............................................................

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT 1 Janeiro de 2014 a 31 de Dezembro de 2014 Construir um mundo melhor começa num Sonho. Quem sonha, partilha o sonho e envolve os outros para agirem. E como diz o poeta a obra nasce! 2 Índice 1. Introdução

Leia mais

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo Introdução Co-habitamos uma sociedade de informação universal, aliados ao paradigma da evolução tecnológica que se verifica e se revela como um meio

Leia mais

Pais e Professores em Formação / Ação Agrupamentos de Escolas Infante D. Henrique

Pais e Professores em Formação / Ação Agrupamentos de Escolas Infante D. Henrique crianças e jovens na Internet: tensões entre potencialidades e perigos Pais e Professores em Formação / Ação Agrupamentos de Escolas Infante D. Henrique Belmiro Rego brego@esev.ipv.pt Cristina Azevedo

Leia mais

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores,

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores, Assunto: Consulta Pública nº1/2010 Exmos. Senhores, Fundada em 13 de Outubro de 1994 por diversas empresas de Rádio e Televisão e Associações de Imprensa e de Rádio, a Confederação Portuguesa dos Meios

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Amarante Oliveira, Wellington Em busca

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Ministério da Educação Brasília 2006 Artigo publicado, em 06 de dezembro de 2006, no Observatório da Sociedade

Leia mais

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS Saída Profissional 03.01 TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS O Técnico de Artes Gráficas é um profissional qualificado, conhecedor do fluxo de produção gráfica, e apto para o exercício de profissões ligadas à composição,

Leia mais

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta Design Web - Percepção Elisa Maria Pivetta GESTALT Percepção Visual Elisa Maria Pivetta Percepção visual No sentido da psicologia e das ciências cognitivas é uma de várias formas de percepção associadas

Leia mais

Geração Z: a nova «cara» dos próximos dez anos

Geração Z: a nova «cara» dos próximos dez anos 5.131 Domingo, 02/12/2010 Geração Z: a nova «cara» dos próximos dez anos João Montanaro tem apenas 14 anos e há dois trabalha como chargista no maior jornal de circulação nacional do país, a "Folha de

Leia mais

Decreto n.º 87/81 Acordo de Cooperação Cultural, Científica e Técnica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Árabe do Egipto

Decreto n.º 87/81 Acordo de Cooperação Cultural, Científica e Técnica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Árabe do Egipto Decreto n.º 87/81 Acordo de Cooperação Cultural, Científica e Técnica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Árabe do Egipto O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo

Leia mais

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO Maria Regina Tavares da Silva Perita em Igualdade de Género Consultora das Nações Unidas Nesta Conferência de celebração dos

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Janeiro de 2004

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Janeiro de 2004 MANTENHA-SE INFORMADO Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para ser informado sempre que existirem actualizações a esta colecção ou outras notícias importantes sobre o Outlook Express 6. Reservados

Leia mais

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO SUMÁRIO Apresentação Prefácio Introdução 1. Da história da pedagogia à história da educação 2. Três revoluções em historiografia 3. As muitas histórias educativas 4. Descontinuidade na pesquisa e conflito

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Newton Bignotto. Maquiavel. Rio de Janeiro

Newton Bignotto. Maquiavel. Rio de Janeiro Newton Bignotto Maquiavel Rio de Janeiro Introdução No ano em que nasceu Maquiavel, 1469, Florença vivia um período agitado. Embora ainda fosse formalmente uma república, a cidade era de fato administrada

Leia mais

SERVIÇOS PÚBLICOS ONLINE E PLANO TECNOLÓGICO

SERVIÇOS PÚBLICOS ONLINE E PLANO TECNOLÓGICO SERVIÇOS PÚBLICOS ONLINE E PLANO TECNOLÓGICO SÍNTESE DE RESULTADOS DO ESTUDO NOVEMBRO 2006 Sobre a Netsonda A Netsonda, em actividade desde Julho de 2000, é líder e pioneira em Portugal na recolha e análise

Leia mais