Participação nos Concurso Aparato de Proteção ao Ovo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Participação nos Concurso Aparato de Proteção ao Ovo"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA Participação nos Concurso Aparato de Proteção ao Ovo Professores: Antônio Sérgio Ramos de Silva (DCTM) Tatiana Bittencourt Dumêt (DCE) Alunos: Aline Freitas Junqueira Aloísio Sthefano Corrêa Silva Ártano Silva dos Santos Flávia Magali Carneiro Pimenta Leandro de Santana Souza Luís Marinho Cavalcanti Uesley Antunes de Carvalho Vânia Conceição da Silva Batista Salvador, 2011

2 1 SUMÁRIO RESUMO HISTÓRICO ATIVIDADES DESENVOLVIDAS EM EQUIPE PARTICIPANTE CRONOGRAMA DE AÇÕES RECURSOS NECESSÁRIOS RESULTADOS ESPERADOS CONCLUSÕES...14 REFERÊNCIAS...15

3 2 RESUMO Este relatório tem como objetivo principal apresentar o histórico de participações dos alunos da Escola Politécnica da UFBA, do Curso de Engenharia Civil, nos concursos nacionais e internacionais na área de concreto, as atividades desenvolvidas pela equipe APO-UFBA 2011 e garantir condições para a sua participação no concurso nacional do IBRACON Instituto Brasileiro de Concreto no evento 53º Congresso Brasileiro do Concreto, a ser realizado de 01 a 04 de novembro de 2011, em Florianópolis, Santa Catarina.

4 3 1 Histórico O Concreto de Elevado Desempenho (CED) é um dos materiais com ecelente potencial para uso na Construção Civil. Entende-se como CED, o concreto que procura atender à necessidade de resistência à compressão, bem como contemplar outras propriedades tais como alto módulo de elasticidade, alta densidade, baia permeabilidade e resistência a meios agressivos. Muitos são os benefícios decorrentes da utilização do CED, aplicado em edifícios altos, pontes, recuperação de estruturas, construções submetidas a condições de agressividade e ataque severos, entre outras, contribuindo para a obtenção de construções resistentes e duráveis e reduzindo as taas de desperdícios durante a eecução. Por mais de um século, o concreto estrutural tem sido produzido para obtenção de resistências à compressão aos 28 dias de idade, na faia de 20 MPa a 35 MPa. Há 30 anos o termo alta resistência contemplava concretos com resistências maiores que 40 MPa. Atualmente tem sido comum a utilização de concretos com resistências de 50 MPa a 60 MPa em obras de edificação, portuárias e de recuperação de estruturas na da cidade de Salvador. Eistem ainda concretos com resistências de 90 MPa a 120 MPa sendo empregados na construção de edifícios altos, em pontes e de maneira quase rotineira em alguns países como Noruega, EUA, França, Canadá, Japão. O Brasil obteve recorde mundial de resistência à compressão do concreto (125 MPa), utilizado em pilares do edifício comercial E Tower, situado na Vila Olímpia SP, inaugurado em A partir deste mesmo ano, a cidade de Salvador eperimenta uma epansão no mercado da Construção Civil, como resultado dos investimentos governamentais em financiamento e programas habitacionais. Desta maneira, os terrenos estão ficando mais valorizados e as edificações, cada vez mais altas, eigindo maior desempenho das estruturas. Frente a essa realidade, o Engenheiro Civil deve ser capaz de aliar o CED com a geometria das peças estruturais e dimensionamento da armadura, para que as estruturas de concreto armado, ou mistas de concreto e aço, sejam capazes de resistir às mais variadas combinações de esforços, incluindo as torções, além dos mais comuns como momentos fletores e esforços cortantes.

5 4 No Brasil, o IBRACON - Instituto Brasileiro do Concreto (www.ibracon.org.br), entidade sem fins lucrativos que congrega os profissionais atuantes na área de tecnologia do concreto e estruturas, tem procurado disseminar o conhecimento e a aplicação do CED nas estruturas de concreto armado e protendido. Com o objetivo de incentivar as Instituições de Ensino a pesquisar, absorver e a divulgar esta nova tecnologia, promovendo todos os anos, durante o Congresso Brasileiro do Concreto concursos técnicos nacionais que visam incentivar os profissionais das áreas de tecnologia, estruturas e construções especializadas e, principalmente, fomentar a participação dos estudantes dos cursos de Engenharia Civil para que adquiram conhecimento através de investigações e de pesquisas cientificas e tecnológicas. A partir de 1994, ocorre o Concurso Técnico do IBRACON - PRÊMIO PROF. TELEMACO HYPOLLITO DE MACEDO VAN LANGENDONCK. Desde que foi instituído, esse concurso técnico propiciou a divulgação, a ampliação do conhecimento e a aplicação do CED nas estruturas de concreto no Brasil. Neste período, sob a orientação da equipe de professores especializados em tecnologia do concreto e estruturas, dos Departamentos de Ciência e Tecnologia dos Materiais (DCTM) e Construção e Estruturas (DCE) da Escola Politécnica, estudantes do Curso de Engenharia Civil vêm participando das 12 edições do referido concurso, obtendo epressivo sucesso na conquista de alguns dos prêmios oferecidos. Vale ressaltar que até 1998, a UFBA conquistou vinte e cinco dos trinta e seis prêmios disputados, num esforço iniciado pelo saudoso professor João Guilherme Cerqueira Valois. Nos concursos, os temas apresentados foram os mais variados e contemplaram o uso de fibras no concreto, adições especiais, aditivos superplastificantes, cimentos de ecelente desempenho, estruturas de concreto armado, entre outros, mas sempre com o objetivo de avaliar aquele que obtivesse as maiores resistências, de acordo com o regulamento específico estabelecido pelo IBRACON. A partir de 1999, o concurso PRÊMIO PROF. TELEMACO HYPOLLITO DE MACEDO VAN LANGENDONCK passou a aliar a tecnologia do concreto ao cálculo estrutural, através da eecução do modelo denominado Aparato de Proteção ao Ovo (APO). O objetivo desse concurso foi o de construir uma peça de concreto armado (APO) para resistir à carga de impacto imposta em ensaio. A Figura 1 apresenta um eemplo do modelo. Esse concurso é feito nos moldes do concurso internacional do

6 5 ACI - American Concrete Institute (Instituto Americano do Concreto - e desde a sua instalação, a Universidade Católica de Goiás (UCG) vinha conquistando a maioria dos prêmios. Figura 1 Detalhes do APO durante e após o ensaio de rompimento. No ano de 2002, foi implementado pelo IBRACON, um concurso regional, na Reunião Regional do IBRACON 2002 Tendências do Concreto para o Século XXI, intitulado CONCREBOL, no qual a UFBA obteve os 1º, 2º e 3º lugares. A partir daí, o concurso do CONCREBOL passou a ser nacional, também objetivando o desenvolvimento de um método construtivo e a produção de um concreto de elevado desempenho. No concurso do APO de 2005, os estudantes de engenharia civil da Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia, Francisco Viana, Leila Barros, Luís Armando Botelho, Marcelo Vilas boas e Tiago Botelho, orientados pelos Professores Antônio Sérgio Ramos de Silva, Tatiana Bittencourt Dumêt e Adailton de Oliveira Gomes, venceram o 12º Concurso Técnico do IBRACON - PRÊMIO PROF. TELEMACO HYPOLLITO DE MACEDO VAN LANGENDONCK, realizado durante o 47º Congresso do IBRACON, em Recife / PE no período de 2 a 7 de setembro de A conquista deste prêmio nacional garantiu um lugar no concurso internacional do American Concrete Institute - ACI, que foi realizado de 26 a 30 de março de 2006, na cidade de Charlotte, na Carolina do Norte, nos Estados Unidos, como parte do evento ACI Spring 2006 Convention, onde esta mesma equipe obteve o segundo lugar (http://www.concrete.org/students/2006epdresults.pdf). Vale ressaltar que nesse concurso participam equipes de diversos países. A Figura 2 ilustra a participação da UFBA no concurso internacional.

7 6 Figura 2 Fotos da participação da UFBA no concurso do ACI, nos Estados Unidos. Em 2008, o regulamento sofreu reformulações e o pórtico, que antes deveria resistir apenas a esforços de impacto que causavam esmagamento do concreto e fleão na viga, é alterado, e surgem novas solicitações na peça. As peças então não falham apenas por impacto e fleão, mas, principalmente por torção. E esse novo desafio é ainda mais estimulante para os estudantes de todo o País. Em 2009, dois estudantes do curso de Engenharia Civil da Escola Politécnica da UFBA, Luis Henrique Paz de Souza e Suzan Adriana Barbosa dos Santos, sob a orientação dos Professores Antônio Sérgio Ramos de Silva e Tatiana Bittencourt Dumêt, com o apoio das empresas Vedacit do Nordest S.A, Cimento Mizu e MC. Bauchemir desenvolveram o Primeiro Pórtico da Universidade Federal da Bahia capaz de resistir aos esforços de torção. Além desses estudantes, apenas a equipe da Escola de Engenharia de Piracicaba (campeã de 2009) conseguiu tal feito. Infelizmente a Equipe UFBA foi desclassificada, pois o pórtico ecedeu 266g do limite de massa permitido pelo regulamento, como mostra a figura 3. Mantendo o espírito esportivo, a comissão organizadora e as equipes participantes do evento permitiram que o pórtico fosse submetido aos impactos. O pórtico da UFBA obteria o segundo maior desempenho entre as equipes participantes.

8 7 Figura 3 Fotos da participação da UFBA no concurso do APO 2009, em Curitiba/PR. Em 2010, os estudantes do curso de Engenharia Civil da Escola Politécnica da UFBA, Luis Marinho, Ênio Silva Costa, Ártano Silva dos Santos, Raquel Sanches Cambuí, Daniel Bonfim, Suzan Adriana Barbosa dos Santos e Fábio Rodrigo Juchum, sob a orientação dos Professores Antônio Sérgio Ramos de Silva e Tatiana Bittencourt Dumêt, com o apoio da empresa Vedacit do Nordeste S.A, Cimento Mizu e MC. Bauchemir, participaram do 52º congresso IBRACON, realizado na cidade de Fortaleza, no Ceará, onde participaram do concurso APO, conquistando a 6ª posição. Figura 4 Fotos da participação da UFBA no concurso do APO 2010, em Fortaleza/CE. Durante a competição os membros da equipe observaram que o pórtico levava grande vantagem sobre os outros participantes em relação à resistência ao impacto, podendo se notar pelos pequenos danos sofridos por este. Devido isso, a equipe teria grandes chances de ganhar o primeiro lugar, o que não ocorreu devido o pórtico não ter ficado em pé depois do terceiro golpe, o que só veio a ocorrer depois do término do tempo estipulado pela comissão julgadora. Com esses resultados obtidos a equipe APO tem grandes chance e confiança de obter resultados

9 8 satisfatórios nas próimas competições. Apesar das dificuldades e imprevistos enfrentados pelos membros, foi possível adquirir uma gama de conhecimento e eperiência, que poderão ser passados a novos membros, podendo assim dar continuidade ao projeto. 2 ATIVIDADES A SEREM DESENVOLIDAS EM 2011 Com a vitória no concurso nacional do IBRACON e a segunda colocação no concurso internacional do ACI em 2006, a UFBA atestou o seu potencial. A mudança na geometria e, conseqüentemente, nos esforços solicitantes que atuam no pórtico é um novo desafio a ser vencido, que instiga estudantes e orientadores. A equipe de 2009, entendendo as causas de falha da estrutura, se empenhou em desenvolver um pórtico resistente aos esforços de torção ocorridos nos engastes entre a viga e os pilares, que contribuem para a falência do sistema de apoio dos pórticos, impedindo que fiquem de pé. Por se tratar de uma equipe pequena, cujas atividades só foram iniciadas 3 meses antes da competição, ocorreram falhas de cálculo de massa específica e de eecução, devido ao esbojamento da forma, que fez com que o pórtico ficasse com massa acima da permitida pelo regulamento. Em 2010, avanços mais significativos foram alcançados, a equipe conquistou a seta posição no concurso, entre 14 equipes participantes, apesar das dificuldades encontradas ao longo do período de preparação para o concurso, como por eemplo, a dificuldade para obtenção de patrocínio, equipamentos e materiais. Em 2011, a equipe UFBA almeja novos desafios, vindo a calhar com a participação em mais dois concursos: Concrebol e High Performance Color Concrete - HPCC. Concrebol: Este concurso tem como objetivo construir uma esfera (bola) de concreto simples, com dimensões pré-estabelecidas, que seja capaz de rolar em uma trajetória retilínea. Este concurso pretende testar a habilidade dos competidores no desenvolvimento de um método construtivo e produção de concreto com parâmetros de resistência determinados.

10 9 High Performance Color Concrete HPCC: Moldar um corpo-de-prova com concreto de alto desempenho colorido, com dimensões pré-estabelecidas que seja capaz de atingir altas resistências no ensaio à compressão aial. Este concurso pretende testar a habilidade dos competidores na produção de concreto resistente e colorido. Materiais A equipe de materiais estuda a influência dos agregados graúdos na tenacidade e distribuição de tensões no concreto. Está responsável por desenvolver um traço de concreto com maior módulo de elasticidade e que seja capaz de absorver parte da energia de impacto. Estrutura e Forma Estuda uma forma geométrica capaz de resistir melhor às cargas de impacto, além de desenvolver uma armadura capaz de suportar melhor aos esforços de tração sofridos pela viga. Tais estudos estruturais podem culminar numa estrutura eficiente, com menor massa e mais resistente. Após a definição da geometria da estrutura, de posse dos dados de massa específica e o módulo de elasticidade, serão feitas simulações através de software de elementos finitos, a fim de visualizar a atuação das tensões na estrutura. Ensaios métodos e procedimentos Estuda maneiras de ensaiar as vigas e os pilares em separado, considerando a hipótese de validade da superposição dos efeitos, além de analisar a forma mais eficaz de ensaiar a resistência do concreto ao impacto. A continuidade das atividades e a participação num evento desta natureza certamente propiciarão uma complementação à formação profissional desses estudantes, além da divulgação das empresas colaboradoras. O projeto se desenvolverá com a compilação dos dados disponíveis e a pesquisa bibliográfica para consolidar os conhecimentos adquiridos neste período. Para desenvolver os trabalhos práticos, os estudantes e os professores orientadores utilizarão os laboratórios, a equipe de técnicos e os equipamentos disponíveis nos

11 10 Departamentos de Ciência e Tecnologia dos Materiais (DCTM) e de Construção e Estruturas (DCE) da Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia. 3 EQUIPE APO UFBA 2011 A equipe participante deste projeto é a seguinte: Antônio Sérgio Ramos de Silva Professor do Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais (DCTM); Orientador Tatiana Bittencourt Dumêt Professora do Departamento de Construção e Estruturas (DCE); Orientadora Aline Freitas Junqueira - Aluna de graduação do Curso de Engenharia Civil da UFBA; Ártano Silva dos Santos Aluno de graduação do Curso de Engenharia Civil da UFBA; Ênio Silva Costa Aluno de graduação do Curso de Engenharia Civil da UFBA; Flávia Magali Carneiro Pimenta - Aluna de graduação do Curso de Engenharia Civil da UFBA; Leandro de Santana Souza - Aluno de graduação do Curso de Engenharia Civil da UFBA; Luis Marinho Cavalcanti Aluno de graduação do Curso de Engenharia Civil da UFBA; Uesley Antunes de Carvalho - Aluno de graduação do Curso de Engenharia Civil da UFBA; Vânia Conceição da Silva Batista - Aluna de graduação do Curso de Engenharia Civil da UFBA

12 4 CRONOGRAMA DE AÇÕES 11 As etapas a serem cumpridas neste projeto estão listadas a seguir: Etapas Planejamento Prévio 2011 Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Revisão Bibliográfica Estudo da Geometria do APO Desenvolvimento de traços Dosangens eperimentais Divulgação do Projeto para captação de recursos Determinação da massa específica do concreto armado Escolha da geometria do APO Estudo e desenvolvimento da Armadura da viga Ensaios e escolha do traço Fardamentos e material de publicidade Moldagem de eemplares de APO, Concrebol e HPCC. Ensaios destrutivos de um APO, Concrebol e HPCC por eemplares. Produção de Relatório Final Apresentação do Projeto à comunidade acadêmica

13 5 RECURSOS NECESSÁRIOS 12 Os recursos necessários para a realização deste projeto são: O projeto será desenvolvido nas instalações da Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia (EP-UFBA), como já citado anteriormente. Com o objetivo de viabilizar a participação da equipe da UFBA no Concurso APO 2011, viemos propor a esta empresa que integre este projeto como colaboradora, através de contribuição financeira. Sugerimos que a veiculação da imagem das empresas colaboradoras, em fardamentos e material de divulgação, seja através de imagem em tamanho proporcional à cota ofertada pela mesma. A tabela abaio epressa uma possibilidade de trabalho.

14 6 RESULTADOS ESPERADOS 13 Os trabalhos de pesquisa, realizados pelos estudantes, visam, de modo geral, segundo BAZZO & PEREIRA (1996), o seguinte: Permitir melhor fiação dos conhecimentos abordados nas aulas teóricas; Desenvolver a sensibilidade na avaliação dos parâmetros da engenharia; Contribuir para o desenvolvimento do estudante na aplicação dos princípios básicos teóricos para a solução de problemas; Familiarizar o estudante com o uso da instrumentação empregada na engenharia; Desenvolver o espírito crítico na interpretação e avaliação dos resultados eperimentais; Desenvolver a habilidade para a eecução de relatórios técnicos, bem como a apresentação de resultados através de gráficos, tabelas e equações; Ensinar a tirar conclusões a partir de resultados numéricos e eperimentais; Contribuir para desenvolver a capacidade criativa; Contribuir para a familiarização de manuais e normas técnicas de engenharia; Desenvolver o espírito de trabalho em grupo. Esses objetivos têm sido alcançados, pelos alunos que têm participado desses concursos, ao longo desses 14 anos de trabalho. Com a realização deste projeto em particular, além dos já citados anteriormente, os resultados esperados são: Aumentar o interesse dos alunos na busca pelos trabalhos de pesquisa; Permitir a troca de tecnologia com outras instituições, nacional e internacional; Adquirir conhecimentos técnicos sobre cimento, agregados, adições, aditivos, dosagem, produção de CED; Adquirir conhecimentos técnicos sobre dimensionamento e análise estrutural; Desenvolver a atividade de pesquisa com os estudantes; Organizar e promover seminário técnico sobre Concreto de Alto Desempenho. Elaboração e publicação de artigo científico contendo os resultados deste trabalho.

15 7 CONCLUSÕES 14 A realização deste projeto é de etrema importância, não só para o crescimento profissional dos alunos diretamente ligados a ele e para a instituição, como também para todo o corpo discente da Escola Politécnica, em especial os alunos do Curso de Engenharia Civil, como incentivo aos futuros pesquisadores. Além disso, a participação da nossa Instituição como representante do nosso estado em eventos nacionais e internacionais é um motivo de grande orgulho para todos nós.

16 REFERÊNCIAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (2004). NBR 6118 Projeto de estruturas de concreto Procedimento. Rio de Janeiro, 2004; ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (2004). NBR Eecução de estruturas de concreto Procedimento. Rio de Janeiro, 2004; FUSCO, P. B. (1995) Técnica de armar as estruturas de concreto. São Paulo: PINI; HELENE, P. (2002). Manual para Reparo, Reforço e Proteção de struturas de Concreto. São Paulo: Pini; HELENE, P. & TERZIAN, P. (2001). Manual de Dosagem e Controle do Concreto. São Paulo: Pini; INSTITUTO BRASILEIRO DO CONCRETO IBRACON Acesso em 03 de outubro de 2005; LEONHARDT, F.; MONNING, E. (1977/78) - Construções de concreto. Rio de Janeiro, Interciência. v. 1 a 6; MACGREGOR, J. G. (1988) Reinforced concrete: mechanics and design. Englewood Cliffs, New Jersey, Prentice-Hall; MEHTA, P. K.; MONTEIRO, P. J. M. (1994) Concreto: estrutura, propriedades e materiais. São Paulo: PINI; NEVILLE, A. M. (1982). Propriedades do Concreto. São Paulo: Pini; PETRUCCI, E. G. R. (1971). Concreto de Cimento Portland. Porto Alegre: Globo; PICOLLI, V. M. R. (19--). Concreto Armado. Salvador: UFBA; SOBRAL, H. S. (1970). Dosagem dos Concretos. São Paulo: Associação Brasileira de Cimento Portland; TARTUCE, R. (1999). Princípios Básicos sobre Concreto de Cimento Portland. São Paulo: Pini. 15 Salvador, 05 de março de Ártano Silva dos Santos GRADUANDO ENGENHARIA CIVIL - UFBA Profª Tatiana Bittencourt Dumêt PROFESSORA ORIENTADORA DCE - UFBA Prof. Antônio Sérgio R. da Silva PROFESSOR ORIENTADOR DCTM - UFBA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU VIVIANE DA COSTA CORREIA 1, JOSÉ DAFICO ALVES 2, CÍRIO JOSÉ COSTA 3 1 Bolsista PBIC/UEG, acadêmico do curso de Engenharia Agrícola da UnUCET - UEG

Leia mais

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO Marcos ANJOS (1); Walney SILVA (2); Alexandre PEREIRA (3); Hoffman RODRIGUES (4); Valtencir

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS Lucas Palma Tasca 1 ; Francislaine Facina 2, Janaina de Melo Franco³, Judson Ribeiro RESUMO: O concreto é um dos materiais mais utilizados

Leia mais

CONCRETO COLORIDO DE ALTA RESISTÊNCIA COCAR 2015

CONCRETO COLORIDO DE ALTA RESISTÊNCIA COCAR 2015 REGULAMENTO DO 2º CONCURSO CONCRETO COLORIDO DE ALTA RESISTÊNCIA COCAR 2015 1/11 1 OBJETIVO 1.1 Este Concurso tem por objetivo testar a habilidade dos competidores na preparação de concretos resistentes

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes II Materiais de Construção CONCRETO Definição:

Leia mais

APARATO DE PROTEÇÃO AO OVO APO 2014

APARATO DE PROTEÇÃO AO OVO APO 2014 1/11 REGULAMENTO DO 21º CONCURSO APARATO DE PROTEÇÃO AO OVO APO 2014 1 OBJETIVO 1.1 Este Concurso tem por objetivo testar a capacidade dos competidores no desenvolvimento de elementos estruturais que resistam

Leia mais

Instruções de Plano Individual de Estágio

Instruções de Plano Individual de Estágio UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Instruções de Plano Individual de Estágio Fortaleza Ceará O Plano Individual de Estágio deverá ser composto das

Leia mais

APARATO DE PROTEÇÃO AO OVO APO 2015

APARATO DE PROTEÇÃO AO OVO APO 2015 REGULAMENTO DO 22º CONCURSO 1/12 APARATO DE PROTEÇÃO AO OVO APO 2015 1 OBJETIVO 1.1 Este Concurso tem por objetivo testar a capacidade dos competidores no desenvolvimento de elementos estruturais que resistam

Leia mais

USO DO AÇO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

USO DO AÇO NA CONSTRUÇÃO CIVIL 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ADEMILSO PINTO BRUNO TEIXEIRA DOCE USO DO AÇO NA CONSTRUÇÃO CIVIL OSASCO 2012 2 ADEMILSO PINTO BRUNO TEIXEIRA DOCE USO DO AÇO NA CONTRUÇÃO CIVIL

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. CARGA HORÁRIA: 80 h/a TURNO: Manhã TURMA: EDI 01/T6 DIRETOR(A) GERAL DO Marcelo Eder Lamb

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. CARGA HORÁRIA: 80 h/a TURNO: Manhã TURMA: EDI 01/T6 DIRETOR(A) GERAL DO Marcelo Eder Lamb EIXO TECNOLÓGICO: CURSO: Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial ( ) PROEJA (

Leia mais

PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ESTRUTURAS E FUNDAÇÕES LABORATÓRIO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTA MULTIMÍDIA PARA

Leia mais

Doutorando do Departamento de Construção Civil PCC/USP, São Paulo, SP paulo.barbosa@poli.usp.br 2

Doutorando do Departamento de Construção Civil PCC/USP, São Paulo, SP paulo.barbosa@poli.usp.br 2 Influência de ciclos de molhamento e secagem, da altura e do posicionamento de pilares no teor de íons cloreto presentes no concreto de estrutura com 30 anos de idade Paulo Barbosa 1, Paulo Helene 2, Fernanda

Leia mais

Estudo do Cisalhamento em Vigas de Concreto Armado

Estudo do Cisalhamento em Vigas de Concreto Armado Estudo do Cisalhamento em Vigas de Concreto Armado Luiz Alves ramos 1, Antonio Alves da Silva 2, luizalvesramos@gmail.com 1 deca_univap@yahoo.com.br 2, guido@univap.br 3, carlos@univap.br 4 Universidade

Leia mais

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS Benedito Rabelo de Moura Junior 1, Denis da Silva Ponzo 2, Júlio César Moraes 3, Leandro Aparecido dos Santos 4, Vagner Luiz Silva

Leia mais

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS PARA O CONTROLE TECNOLÓGICO E DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Engº.. Roberto José Falcão Bauer JUNHO / 2006 SUMÁRIO 1. DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 2. PREMISSAS VISANDO

Leia mais

AULA INTRODUTÓRIA Gerson Moacyr Sisniegas Alva

AULA INTRODUTÓRIA Gerson Moacyr Sisniegas Alva UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto AULA INTRODUTÓRIA Gerson Moacyr Sisniegas Alva Elementos estruturais em edifícios de concreto

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático FEVEREIRO 0 TEO 05 09 11 TEO 1 Definir as regras do curso. Histórico do. P&D e avanços da tecnologia do. tipos e aplicações do cimento. Contexto da indústria do cimento Materiais de Construção Civil II

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Ensaios de Stuttgart Reprodução em Laboratório Consorte, Anna Karlla G. Oliveira,

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO SIMPLES PARA CASAS POPULARES. Jean Fred Guimarães dos Santos Roberto Redondo Perez. Prof. Carlos Augusto Gomes (Orientador) 1

ESTRUTURAS DE CONCRETO SIMPLES PARA CASAS POPULARES. Jean Fred Guimarães dos Santos Roberto Redondo Perez. Prof. Carlos Augusto Gomes (Orientador) 1 ESTRUTURAS DE CONCRETO SIMPLES PARA CASAS POPULARES Jean Fred Guimarães dos Santos Roberto Redondo Perez Prof. Carlos Augusto Gomes (Orientador) 1 1 Universidade do Vale do Paraíba, Faculdade de Engenharia,

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO. Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2

ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO. Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2 ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT);

Leia mais

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 NOME: AVALIAÇÃO DO USO DE AGREGADO MIÚDO OBTIDO ATRAVÉS DA RECICLAGEM DE ENTULHOS EM CONCRETO DE CIMENTO

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

NOME 6TRU009 CONSTRUÇÕES EM CONCRETO ESTRUTURAL II CURSO ENGENHARIA CIVIL 4ª 1º 2º SEMESTRAL

NOME 6TRU009 CONSTRUÇÕES EM CONCRETO ESTRUTURAL II CURSO ENGENHARIA CIVIL 4ª 1º 2º SEMESTRAL ANO LETIVO Centro: DE TECNOLOGIA E URBANISMO Departamento: DE ESTRUTURAS 2009 PLANO DE CURSO CÓDIGO NOME 6TRU009 CONSTRUÇÕES EM CONCRETO ESTRUTURAL II CURSO ENGENHARIA CIVIL 4ª SÉRIE CARGA HORÁRIA SEM.

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER O comportamento do concreto de alto desempenho com sílica ativa e metacaulim como adições químicas minerais quanto à sua resistência à compressão utilizando agregados provenientes da região metropolitana

Leia mais

ENSAIOS DE STUTTGART REPRODUÇÃO EM LABORATÓRIO

ENSAIOS DE STUTTGART REPRODUÇÃO EM LABORATÓRIO ENSAIOS DE STUTTGART RERODUÇÃO EM LABORATÓRIO Andrea Corrêa Rocha (1); Maria das Graças Duarte Oliveira (1); aulo Sérgio Oliveira Resende (1); Alberto Vilela Chaer (2) (1) Acadêmicos de Engenharia Civil,

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Divisão de Pós-Graduação

Universidade Estadual de Ponta Grossa Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Divisão de Pós-Graduação PROGRAMA DE DISCIPLINA SETOR: Ciências Agrárias e de Tecnologia DEPARTAMENTO: Engenharia Civil DISCIPLINA: Inovações Tecnológicas e Qualidade Carga horária total: 32 horas Destina-se ao Curso de Especialização

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

poder de compra x custo da construção poder de compra:

poder de compra x custo da construção poder de compra: w ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO poder de compra x custo da construção poder de compra: - Conceito Geral - Engenheiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalberto1@terra.com.br custo

Leia mais

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Junior, Byl F.R.C. (1), Lima, Eder C. (1), Oliveira,Janes C.A.O. (2), 1 Acadêmicos de Engenharia Civil, Universidade Católica

Leia mais

ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS

ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS Tatiana Pereira Jucá (1), Fernando Alves Teixeira (1),Cláudio Henrique de Almeida Feitosa Pereira (1), Keila Regina Bento de Oliveira

Leia mais

Materiais de Construção Civil II

Materiais de Construção Civil II Materiais de Construção Civil II ENG 2301 2015/1 [C01-1/2/3] Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: CNPQ PUC Goiás Planejamento Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Contexto atual da Engenharia 3/26 Contexto atual

Leia mais

Parecer Técnico de Análise das Causas do Desabamento do Ed. Coroa do Meio RESUMO 1

Parecer Técnico de Análise das Causas do Desabamento do Ed. Coroa do Meio RESUMO 1 Parecer Técnico de Análise das Causas do Desabamento do Ed. Coroa do Meio RESUMO 1 1 OBJETIVO / FINALIDADE / INTERESSADO O Parecer Técnico tem por objetivo identificar as causas do desabamento do edifício

Leia mais

Concretos de Alto Desempenho

Concretos de Alto Desempenho Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Concretos de Alto Desempenho Conceito Alto Desempenho ACI:... que atende

Leia mais

TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO.

TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO. TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Efeitos dinâmicos do Vento em Edifícios Altos. Byl Farney Rodrigues da CUNHA JR¹; Frederico Martins Alves da SILVA²;

Efeitos dinâmicos do Vento em Edifícios Altos. Byl Farney Rodrigues da CUNHA JR¹; Frederico Martins Alves da SILVA²; Efeitos dinâmicos do Vento em Edifícios Altos Byl Farney Rodrigues da CUNHA JR¹; Frederico Martins Alves da SILVA²; 3 Zenón José Guzmán Nuñez DEL PRADO 1,2,3 Escola de Engenharia Civil UFG 1 farneyjr@hotmail.com,

Leia mais

ÁREA DO CONCURSO: TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

ÁREA DO CONCURSO: TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL PONTUAÇÃO-LIMITE DOS QUESITOS DA PROVA DE TÍTULOS DO CONCURSO PARA PROVIMENTO DE VAGA DE PROFESSOR ASSISTENTE EM REGIME DE 20 HORAS SEMANAIS PARA O DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia ENG 1072 - Estruturas de Concreto Armado II 4 CR Prof. Alberto Vilela Chaer

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia ENG 1072 - Estruturas de Concreto Armado II 4 CR Prof. Alberto Vilela Chaer Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia ENG 1072 - Estruturas de Concreto Armado II 4 CR Prof. Alberto Vilela Chaer Plano de Ensino 2015.1 Turma A02 1. Objetivos Educacionais

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Definição de concreto hidráulico e de argamassa. Componentes; indicação das proporções

Leia mais

A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho

A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho Paredes de Concreto: Cálculo para Construções Econômicas A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho Sistema Construtivo Sistema Construtivo

Leia mais

2 Materiais e Métodos

2 Materiais e Métodos 1 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS REFORÇADAS POR ACRÉSCIMO DE CONCRETO À FACE COMPRIMIDA EM FUNÇÃO DA TAXA DE ARMADURA LONGITUDINAL TRACIONADA PRÉ-EXISTENTE Elias Rodrigues LIAH; Andréa Prado Abreu REIS

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Propriedades do Concreto Referência desta aula Agosto - 2008 1 Propriedades

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN Daniele Kochem (PIBIC/Fundação Araucária-UNIOESTE), Jeferson Marinho Camboin, Lennon Biancato Runke, Maxer Antonio da Rosa, Giovanna

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC LODI, Victor Hugo 1 ; PRUDÊNCIO JUNIOR, Luiz Roberto 2 RESUMO O esgotamento das jazidas

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa.

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa. Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons Dosar um concreto é compor os materiais constituintes em proporções convenientemente

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

Como ocorrem e como evitar patologias em pisos de concreto? Veja as recomendações para escolha de materiais e reparo de falhas mais comuns

Como ocorrem e como evitar patologias em pisos de concreto? Veja as recomendações para escolha de materiais e reparo de falhas mais comuns Piso novo Como ocorrem e como evitar patologias em pisos de concreto? Veja as recomendações para escolha de materiais e reparo de falhas mais comuns Método "extremo" de recuperação, o overlay é praticamente

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10

Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10 C U R S O D E A R Q U I T E T U R A E U R B A N I S M O Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10 Componente Curricular: TÉCNICAS DE EDIFICAÇÕES II Código: ARQ 055 Pré-requisito:

Leia mais

Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3

Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3 Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3 1 Prof. Emérito / Instituto Militar de Engenharia / Seção de Engenharia de Fortificação

Leia mais

Estudo sobre a utilização do ensaio de dureza superficial no controle tecnológico de fundações rasas do tipo radier

Estudo sobre a utilização do ensaio de dureza superficial no controle tecnológico de fundações rasas do tipo radier PROCEDIMENTOS Estudo sobre a utilização do ensaio de dureza superficial no controle tecnológico de fundações rasas do tipo radier VALIN JR, Marcos de Oliveira(1); CUNHA DA SILVA, Roberto Sampaio (2); (1)

Leia mais

PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS RESUMO

PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS RESUMO PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS *Acadêmicos do Centro Universitário Filadélfia UniFil **Docente do Centro Universitário Filadélfia UniFil. faganello.adriana@unifil.br

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 8ª Série Estrutura do Concreto II Engenharia Civil A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 27 DETERMINAÇÃO DAS CAUSAS DE FISSURAÇÃO EM VIGA DE CONCRETO PROTENDIDO USANDO SIMULAÇÃO NUMÉRICA Savaris, G.*, Garcia, S.

Leia mais

07/02/2014. Professor

07/02/2014. Professor UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Disciplina: Introdução à Engenharia Aspectos Gerais sobre a Eng. Eng. Dr. André Luís Gamino Professor Aspectos Gerais da

Leia mais

A realidade do concreto mudou. Mudou nas características do material disponíveis para projeto, mudou na forma de executar concretagens.

A realidade do concreto mudou. Mudou nas características do material disponíveis para projeto, mudou na forma de executar concretagens. . A Nova Engenharia do Concreto Egydio Hervé Neto (SP, 29/08/2002) A realidade do concreto mudou. Mudou nas características do material disponíveis para projeto, mudou na forma de executar concretagens.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO ENSAIO DE ULTRASSONOGRAFIA PARA A INVESTIGAÇÃO DE PATOLOGIA ESTRUTURAL

UTILIZAÇÃO DO ENSAIO DE ULTRASSONOGRAFIA PARA A INVESTIGAÇÃO DE PATOLOGIA ESTRUTURAL PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES UTILIZAÇÃO DO ENSAIO DE ULTRASSONOGRAFIA PARA A INVESTIGAÇÃO DE PATOLOGIA ESTRUTURAL Rodrigo Moysés Costa (1); Ubirajara Alvim Camargos (2) (1) Professor Doutor, Departamento

Leia mais

Concreto Convencional

Concreto Convencional TIPOS DE CONCRETO Concreto Convencional Pode-se dizer que o Concreto Convencional é aquele sem qualquer característica especial e que é utilizado no dia a dia da construção civil. Seu abatimento (Slump)

Leia mais

MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT

MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT Bibliografia de Referência Manual de Dosagem

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T Hevânio D. de Almeida a b, Rafael A. Guillou a,, Cleilson F. Bernardino

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Analise de Tensões em Perfil Soldado Comparação de Resultados em Elementos Finitos Aluno: Rafael Salgado Telles Vorcaro Registro:

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. O Concreto de 125 MPa do

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. O Concreto de 125 MPa do CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO O Concreto de 125 MPa do e-tower SÃO PAULO O QUE É CAD?! Concreto com propriedades de resistência e durabilidade superiores às dos concretos comuns;! Qualquer concreto com características

Leia mais

Análise experimental do efeito da fluência e retração em pilares de concreto armado

Análise experimental do efeito da fluência e retração em pilares de concreto armado Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE01 FEUP, 4-6 de outubro de 01 Análise experimental do efeito da fluência e retração em pilares de concreto armado Luciana T. Kataoka 1 Túlio N. Bittencourt RESUMO

Leia mais

O objeto de pesquisa que se pretende investigar é, portanto inicialmente, um estudo bibliográfico sobre o uso do Concreto de Alto Desempenho.

O objeto de pesquisa que se pretende investigar é, portanto inicialmente, um estudo bibliográfico sobre o uso do Concreto de Alto Desempenho. CAD: CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO OLIVEIRA, João Miguel Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva Professor Orientador: Hugo Cardoso Esteves RESUMO Trabalho foca uma apresentação do Concreto de

Leia mais

Plano de Trabalho da Disciplina: Estruturas de Concreto 2

Plano de Trabalho da Disciplina: Estruturas de Concreto 2 Universidade Federal de Alagoas UFAL Centro de Tecnologia CTEC Departamento de Engenharia Estrutural EES Cidade Universitária Campus A. C. Simões Tabuleiro do Martins CEP 57072-970 Maceió Alagoas Tel:

Leia mais

Teoria das Estruturas

Teoria das Estruturas Teoria das Estruturas Aula 02 Morfologia das Estruturas Professor Eng. Felix Silva Barreto ago-15 Q que vamos discutir hoje: Morfologia das estruturas Fatores Morfogênicos Funcionais Fatores Morfogênicos

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

FABRICAÇÃO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM TIRAS DE BAMBU

FABRICAÇÃO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM TIRAS DE BAMBU UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA FABRICAÇÃO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM TIRAS DE BAMBU Alba Pollyana Silva Josiane

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

Palavras-chave Concreto Armado; Análise e Dimensionamento Estrutural; Vigas; Aplicativo Android.

Palavras-chave Concreto Armado; Análise e Dimensionamento Estrutural; Vigas; Aplicativo Android. Desenvolvimento de um Aplicativo Android de Auxílio no Dimensionamento de Vigas de Concreto Armado Jonathas Iohanathan Felipe de Oliveira 1, Eric Mateus Fernandes Bezerra 2, Raimundo Gomes de Amorim Neto

Leia mais

TT32 REFORÇO ESTRUTURAL COM FIBRA DE CARBONO

TT32 REFORÇO ESTRUTURAL COM FIBRA DE CARBONO TT32 REFORÇO ESTRUTURAL COM FIBRA DE CARBONO GILBERTO COURI ENGENHEIRO CIVIL (PUC/RJ), MESTRE EM CIÊNCIAS EM ENGENHARIA (PUC/RJ), DOUTORADO EM ENGENHARIA (COPPE/UFRJ). PROFESSOR TITULAR NA FACULDADE DE

Leia mais

POLÍMEROS REFORÇADOS COM FIBRA (PRF) Um dos maiores desafios para a indústria da construção civil e para a sociedade em

POLÍMEROS REFORÇADOS COM FIBRA (PRF) Um dos maiores desafios para a indústria da construção civil e para a sociedade em POLÍMEROS REFORÇADOS COM FIBRA (PRF) AUTORES: Correia, M.M. (manuel.correia@stin-eng.com) Gonilha, J.A. (jose.gonilha@stin-eng.com) Nunes, F. (francisco.nunes@stin-eng.com) 1. INTRODUÇÃO Um dos maiores

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Fundamentos do concreto armado

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Fundamentos do concreto armado Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas Fundamentos do concreto armado Notas de aula da disciplina AU414 - Estruturas IV Concreto armado Prof. Msc. Luiz

Leia mais

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE 1. OBJETIVO Esta norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas

Leia mais

UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS

UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS -ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS PREPARO, CONTROLE E RECEBIMENTO DO CONCRETO NBR 12655 Unidade III Continuação Pro. Adailton

Leia mais

I- Sumário Executivo (Laboratório de Ensaios Mecânicos)

I- Sumário Executivo (Laboratório de Ensaios Mecânicos) Escopo de Serviços I- Sumário Executivo (Laboratório de Ensaios Mecânicos) A SCiTec aparece como uma empresa de base tecnológica apta para prestar serviços de forma integrada com o setor empresarial. Constituída

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO Jéssica Spricigo da Rocha Bonifácio (1), Daiane dos Santos da Silva Godinho (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO RESUMO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Diego de Medeiros Machado (1), Marcio Vito (2); UNESC

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

AULA A TIPOS DE LAJES

AULA A TIPOS DE LAJES AULA A TIPOS DE LAJES INTRODUÇÃO Lajes são partes elementares dos sistemas estruturais dos edifícios de concreto armado. As lajes são componentes planos, de comportamento bidimensional, utilizados para

Leia mais

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II Dosagem de concreto Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Histórico - Egípcios e os etruscos empregava argamassa na construção

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Adailton de O. Gomes; (2) Cleber M. R. Dias; (3) Alexandre T. Machado; (4) Roberto J. C. Cardoso;

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 CONCEITOS QUE INFLUENCIAM NA ELABORAÇÃO DO PROJETO ESTRUTURAL Marco Antônio Nunes de Melo 1 ; Carolina Oliveira Pinto n 1 Universidade de Uberaba marconunes_eng@outlook.com 1; carolina.pinto@uniube.br

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

O que é durabilidade?

O que é durabilidade? DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 Conceito de Durabilidade O que é durabilidade? A durabilidade é a capacidade que um produto, componente ou construção possui

Leia mais

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água.

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 1 Libânio M. Pinheiro; Cassiane D. Muzardo; Sandro P. Santos Março de 2004 INTRODUÇÃO Este é o capítulo inicial de um curso cujos objetivos são: os fundamentos do concreto;

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1)

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia

Leia mais

COMPORTAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM ESCÓRIA DE ACIARIA PARA ALVENARIAS

COMPORTAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM ESCÓRIA DE ACIARIA PARA ALVENARIAS COMPORTAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM ESCÓRIA DE ACIARIA PARA ALVENARIAS Tatiana Nunes Oliveira CEFET-MG Ricardo André Fiorotti Peixoto CEFET-MG Viviane de Jesus Gomes Alves CEFET - MG Introdução

Leia mais

Blocos e Alicerces CONCEITO

Blocos e Alicerces CONCEITO CONCEITO Os blocos são elementos estruturais de grande rigidez que são ligados pelas vigas baldrame. Sua profundidade varia de 0,5 a 1 metro. São utilizados quando há atuação de pequenas cargas, como em

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS DE AÇO E CONCRETOS ESPECIAIS. Mariana Passos de Pádua 1 ; Cassia Silveira Assis 2

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS DE AÇO E CONCRETOS ESPECIAIS. Mariana Passos de Pádua 1 ; Cassia Silveira Assis 2 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS DE AÇO E CONCRETOS ESPECIAIS Mariana Passos de Pádua 1 ; Cassia Silveira Assis 2 1 Aluna de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT); 2 Professora

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS Curso de Graduação em Engenharia Civil ALESSANDRO ZENZEN COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DE CÁLCULO

Leia mais

6 Vigas: Solicitações de Flexão

6 Vigas: Solicitações de Flexão 6 Vigas: Solicitações de Fleão Introdução Dando seqüência ao cálculo de elementos estruturais de concreto armado, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas à fleão. Ações As ações geram

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais