Sindicato das Seguradoras no RS promove evento de encerramento do ano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sindicato das Seguradoras no RS promove evento de encerramento do ano"

Transcrição

1 IMPRESSO Novembro/Dezembro de Nº 385 Sindicato das Seguradoras no RS promove evento de encerramento do ano Campanha Campanha Natal sem Fome beneficia cinco entidades assistenciais Pág. 03 Entidades e seguradores fazem balanço do ano de 2007 Pág Central Superintendente da Susep fala dos planos para 2008 Pág. 6 Representantes do mercado segurador se reuniram em dezembro no encontro de encerramento das atividades do ano do Sindicato das Seguradoras no RS. O presidente do Conselho de Administração da Companhia de Seguros Previdência do Sul foi o palestrante do evento. Confira na página 07.

2 2 Seguros-RS Novembro/Dezembro 2007 Editorial Os pingos nos is Conclusões densamente amadurecidas devem ser repetidas até o cansaço; sua propagação não só pode sensibilizar outras pessoas como também ser alvo de contestação capaz de modificá-las. Nosso sistema de representação política, por uma necessidade de sustentação, alimenta o pecado fundamental desenhado pelo fato do discurso exaltar só qualidades e virtudes da sociedade brasileira. Razão tinha LYN YUTANG quando disse que A vida social só pode existir na base de uma certa dose de mentira refinada e de que ninguém diga exatamente o que pensa. Por outro lado, está de antemão condenado um sistema que funcione somente com base na generosidade, no heroísmo e na honestidade das pessoas, não reconhecendo ou ignorando as fraquezas dos indivíduos que compõem a sociedade. Predomina entre nós o discurso que deixa a comunidade mais honesta do que ela realmente é. Nossas vaidades impedem que aceitemos nossos defeitos; nós que somos os agentes (aqueles que agem por ações e/ou omissões) ou seja, nós que somos os responsáveis por tudo que acontece ou deixa de acontecer. Somos simultaneamente autores e vítimas. Assim como ninguém pode erguerse do solo puxando seus próprios cabelos, também nenhum governo pode elevar-se acima do material humano de que é constituído. É preciso abandonar o hábito de lançar a culpa em terceiros. O diagnóstico atual não revela toda a verdade, mas a culpa é nossa. Como entender que um país tão vasto e com tantas riquezas se encontre na rabada dos emergentes? Felizmente algumas expressões da comunidade começam a apontar para nossas fraquezas. Cito en passant : Martha Medeiros, Roberto Pompeu de Toledo, André Petry, Lya Luft, Arnaldo Jabor e FHC. Em agosto de 2006 o então Ministro Márcio Thomaz Bastos respondendo sobre crise na segurança pública referiu-se a Montesquieu que dizia: não se constrói uma sociedade baseada na virtude dos homens, mais sim na solidez das instituições e acrescentou: Não se combatem a corrupção e o crime sem instituições fortes e efetivas; aceitando uma tradução livre do pensamento de Montesquieu, finalizou que a pessoa não se detém por ser honesta, mas por ter medo. Enquanto aquele diagnóstico não incluir nossos defeitos, estaremos retardando a tomada de consciência de cada pessoa, estágio imprescindível, para aplicação e aceitação dos remédios adequados. Nesse ínterim, os candidatos continuarão exaltando o povo, sem o que não serão eleitos. A platéia de qualquer discurso de candidato nunca é responsável pelo que acontece. São todos irresponsáveis e inimputáveis. Tudo isto pressupõe uma grande travessia em que cada um esteja ou seja preparado para assumir suas fraquezas e em conseqüência suas responsabilidades. Precisamos reiteradamente colocar os pingos nos is na sociedade de que participamos e que representa a matéria prima disso tudo que está aí. Tem razão quem disse: O caminho que nós seguimos é o que nós merecemos. Miguel Junqueira Pereira Presidente do Sindicato das Seguradoras no RS Quanto mais divulgamos a falta de Segurança, mais pavimentamos a violência Expediente Sindesergs - Sindicato das Empresas de Seguros Privados, de Capitalização, de Resseguros e de Previdência Complementar no Estado do Rio Grande do Sul Comitê Misto Rio-grandense, fundado em 1895 Avenida Otávio Rocha, 115, 7º andar, CEP: Porto Alegre Telefones: (51) Fax: (51) Home page: - Diretoria Executiva Diretor Presidente: Miguel Junqueira Pereira Diretor Vice-Presidente Substituto: Júlio César Rosa Diretor Vice-Presidente Tesoureiro: Antônio Carlos Lorençatto Carneiro Diretor Vice-Presidente Secretário: Alberto Müller da Silva Diretores Vice-Presidentes: Salomar Antenor Osti, Luciano Vicente da Silveira, Sérgio Machado de Oliveira Diretores: César Luiz Salazar Saut, Zatimari Salete Cerutti, Maria Izabel S. Severo, Claudir Couto, Cairo Bueno de Camargo, José Carlos Baistroch Tozzi, Conselho Fiscal: Presidente: Adriano de Oliveira Duarte, Rafael Seidl Alquati, Klaus Alexander Barretta Suplentes: Marcus Vinícius Sobrinho, Alfredo Carvalho Júnior, João Batista Fogaça, Delegados Representantes: Efetivos: Miguel Junqueira Pereira, Júlio César Rosa Suplentes: Antônio Carlos Lorençatto Carneiro, Alberto Müller da Silva, Salomar Antenor Osti, Luciano Vicente da Silveira, Sérgio Machado de Oliveira. EDIÇÃO: Rose Fonseca Scherer - jornalista (Reg. 6175) Colaboração - Insider 2 Comunicação Fotos: Ricardo Machado Pires Editoração: Cia Design Gráfico

3 Novembro/Dezembro 2007 Seguros-RS 3 Solidariedade As entidades gaúchas do segmento de seguros, mais uma vez, se mobilizaram no Natal de 2007 recolhendo donativos que foram distribuídos a instituições carentes. A Campanha Solidária Natal sem Fome arrecadou no final do ano 700 quilos de alimentos, R$ 1.800,00, 200 brinquedos e materiais de higiene. As entidades beneficiadas foram a Sociedade Espírita Francisco de Assis, que atende em Porto Alegre 40 famílias necessitadas, o Lar da Humildade, localizado na Lomba do Pinheiro, que presta atendimento a 76 pacientes psiquiátricos, e à Creche Arco Íris Encantado, na Capital, que cuida de 82 crianças. A Creche Associação Criança Feliz, que atende 100 crianças de 7 a 14 anos, e o Asilo Matusalém, localizados no município de Entidades do seguro se unem na Campanha Natal sem Fome Canoas, também foram beneficiários das doações. Os produtos foram entregues antes do Natal. Participaram da campanha a Agensel Seguros Central de Negócios, a Bradesco Seguros, o Clube da Bolinha/RS, a Escola Nacional de Seguros Funenseg, a JRS Comunicação, o Sindicato dos Securitários do RS e o Sindicato das Seguradoras no RS. Homenagem O administrador e corretor Wilson Ferreira Pereira, 69 anos, foi homenageado na última reunião almoço do ano do Sindicato das Seguradoras no RS, por seus 55 anos de dedicação e trabalho no mercado. Durante 40 anos ele atuou na Previdência Privada, sendo 20 anos na Aspecir seis anos como presidente e 33 anos no extinto Sindepp-RS, sendo 13 como diretor eleito e 20 anos como diretor executivo. Há 16 anos ele presta serviço de assessoria institucional e societária ao grupo MBM de Previdência e Seguros. Clube da Bolinha arrecada mais de 100 quilos de alimentos O Clube da Bolinha do RS arrecadou em dezembro de 2007, para a Campanha Solidária Natal sem Fome, mais de 100 quilos de alimentos não perecíveis e R$ 2.000,00, através de um leilão realizado durante a festa de confraternização de final de ano. Quatro quilos de alimentos foi o ingresso para o evento, que contou com a presença de mais de 60 pessoas, no Grêmio Náutico União, em Porto Alegre. Além dos integrantes do clube, participaram da festa Celso Marini, Presidente do Sincor-RS, Jane Mansur, Coordenadora da Escola Nacional de Seguros Funenseg, Núcleo-RS), José Alberto S. de Sou- Cacete não é santo mas faz milagres. (Salazar) za Júnior, Presidente da Câmara de Corretores de Seguros-RS, Roseli Lustosa de Castro, Presidente do Clube das Gurias-RS, e Carlos Alberto Dolabela, Presidente do Clube da Pedrinha-RS. De acordo com o presidente do Clube da Bolinha, Paulo Tusi Mann, em janeiro de 2008, a entidade realizará o primeiro encontro de verão no Litoral Norte, em Atlântida, integrando bolinhas, luluzinhas e convidados.

4 4 Seguros-RS Novembro/Dezembro 2007 Destaque Empresários gaúchos avaliam as mudanças no mercado segurador O mercado segurador viveu grandes e importantes mudanças em 2007, com a abertura do mercado de Resseguros e a implementação do novo sistema de representação institucional do setor. Foram criadas quatro novas federações, já em funcionamento, e está em fase de constituição uma Confederação, que substituirá a Fenaseg. Para o presidente do Sindicato das Seguradoras no RS, Miguel Junqueira Pereira, a nova estrutura representativa passou a responder, de forma mais racional às necessidades operacionais do mercado. Sobre as mudanças no setor de resseguros ele diz que a abertura do mercado cria expectativas favoráveis para todas as seguradoras. A capilaridade das mudanças será conhecida com o amadurecimento das novas regras, informa. Abertura do mercado de Resseguros e nova representação institucional concentram atenção dos seguradores Abertura e democratização Na avaliação de Júlio César Rosa, vice-presidente substituto do Sindicato das Seguradoras no RS, as mudanças são positivas, uma vez que agora há plataformas especificas para todos os negócios do setor. Isso pode trazer um apoio significativo ao mercado, com novas perspectivas e soluções mais direcionadas. Estas federações podem proporcionar uma aproximação maior com os sindicatos que representam cada região, objetivando crescimento em cada uma das partes, além de fortalecer as entidades que representam as seguradoras, diz. Como Diretor Regional da HDI Seguros, Julio Rosa acredita que as seguradoras locais vão se beneficiar com as mudanças no Resseguro, assim como as demais, nacionais e estrangeiras, já que o segmento vai democratizar as opções de negócios em cada produto junto as seguradoras. Haverá mais concorrência no setor, o que proporciona aberturas de novos negócios e na busca de mais qualidade na prestação de serviços. O consumidor ganha pois os corretores terão mais opções junto as seguradoras, que, com certeza, estarão assessoradas com mais opções para negociar seus excedentes, afirma. Ele completa dizendo que o ressegurador IRB continuará tendo grande participação nesse novo processo. Todos ganharão com essa evolução, que já deveria ter sido aplicada no Brasil há mais tempo. Nunca é tarde para evoluirmos em nossa atividade profissional, complementa. Diminuiçã Já o vice-presidente do ros no Estado, Alberto Mu tivo institucional provocara to que os Sindicatos perd locais tendem a perder p alerta. Ele destaca, no entanto forma diferenciada para se rão de tratar suas renova com o que era feito no pa em grandes risco terão de solicitar informações e rel

5 Novembro/Dezembro 2007 Seguros-RS 5 Ótica política e ótica econômica O diretor Técnico e Comercial da Confiança Cia de Seguros e vice-presidente do Sindicato das Seguradoras no RS, Antonio Carlos Lorençatto Carneiro, diz que as alterações ocorridas no novo sistema de representação institucional devem ser visualizadas sob as seguintes óticas: ótica política e ótica econômica e psicossocial. De acordo com Carneiro na ótica política o mercado segurador conquistou um espaço importante, pois cada área tem acesso direto ao Conselho Nacional de Seguros e Previdência. Ou seja, as federações assessoram este órgão diretamente, que é ligado ao Ministério da Fazenda, esclarece. Na ótica econômica e psicossocial, segundo ele, as federações procurarão legislar e normatizar suas áreas específicas, dentro das diretrizes do Conselho e da SUSEP. Com certeza não só o mercado ganhará com isso mas principalmente o segurado, que é o foco principal. Isto conseqüentemente ensejará e dará maior credibilidade ao mercado como um todo, declara. Quanto a abertura do mercado ressegurador, o executivo aposta que a iniciativa oferecerá às seguradoras um rol elástico de empresas que desejam atuar no mercado, particularmente as multinacionais. Em sua avaliação, afirma que trará reflexos benéficos para o mercado, como geração de divisas, de empregos, troca de conhecimento e elevação cultural do meio segurador. A concorrência permitirá a realização de melhores negócios no ramo, principalmente em face das mudanças a serem implementadas a partir de Este segmento do mercado crescerá assustadoramente, dando consistência e garantia as operadoras do mercado, diz o executivo. o da força dos sindicatos Sindicato das Seguradoras no RS e diretor da Marítima Seguller da Silva, entende que as mudanças no sistema representam uma diminuição na força dos sindicatos regionais. Acredieram um pouco da força que atualmente tem. Os sindicatos articipação e isto pode não ser muito positivo para o RS,, que as empresas no Rio Grande do Sul terão que atuar de adequar as novas regras do Resseguro. As seguradoras teções e seguros com bastante antecedência, muito parecido ssado, no tempo da "tarifa verde". As seguradoras que atuam se adaptar a um nova forma de atuar, cada ressegurador vai atórios diferentes de cada risco. Mercado faz balanço positivo de 2007 O mercado segurador brasileiro vive um momento de intensa união. Assim o presidente da Fenaseg, João Elisio Ferraz de Campos, definiu a fase pela qual passa o setor durante o encontro de fim de ano realizado no Rio de Janeiro. Ele fez uma breve avaliação dos fatos que marcaram o setor em Entre eles, o dirigente destacou a abertura do mercado de Resseguro e a implantação de uma nova representação institucional do setor com a transformação da Fenaseg na confederação do mercado e a criação de quatro federações. Durante o evento, o presidente interino da Fenacap, Norton Glabes Labes, ressaltou que o ano de 2007 foi marcado, principalmente, pela expectativa de mudança na regulamentação de capitalização e que deverá ser aprovada no ano que vem. Tais normativos trarão mais transparência nos processos de venda de capitalização e ajudarão a melhorar a imagem do produto, proporcionando significativo aumento do setor, afirmou Marco Antonio Rossi, vice-presidente da Fenaprevi, disse que 2007 foi especial para o segmento de previdência privada, que atingiu R$ 100 bilhões em reservas técnicas. Ele ressaltou o desempenho do setor, que tem atualmente 7 milhões de participantes, e 40 milhões de pessoas seguradas em Vida. Rossi lembrou ainda a importância da criação de uma federação para tratar das questões relacionadas ao segmento de previdência privada e vida. Isso torna o mercado mais forte, pois podemos cuidar exclusivamente das nossas atividades. O presidente da Fenasaúde, Luiz Carlos Trabuco Cappi, também reafirmou o otimismo dizendo acreditar no crescimento do segmento de Saúde Suplementar em Cappi afirmou ser uma vitória para o setor ter uma federação que congrega as seguradoras e operadoras de saúde, e que hoje a Fenasaúde representa mais de 13 milhões de participantes. O presidente da Fenseg, Jayme Brasil Garfinkel, também apontou a nova representação do setor como o marco de 2007 e disse que o fim do ano foi coroado por um momento histórico: A reunião pública que tratou das minutas de regulamentação do Resseguro que serão apresentadas ao CNSP (Conselho Nacional de Seguros Privados) e que tive a honra de participar. Este foi um momento histórico para o setor, avaliou. (Fenaseg)

6 6 Seguros-RS Novembro/Dezembro 2007 Mercado O mercado segurador brasileiro vai ganhar, até o final do primeiro semestre de 2008, uma tábua biométrica própria, e será o único país da América Latina e o sexto no mundo a possuir o instrumento que promete trazer uma realidade mais precisa para a avaliação de riscos nos seguros de Pessoas. Além disso, a expectativa da Susep é o que o setor cresça 20% no próximo ano. As informações foram dadas pelo superintendente da Susep, Armando Vergílio dos Santos Júnior, numa coletiva de imprensa realizada em dezembro de Superintendente da Susep anuncia novidades para 2008 O superintendente informou também que no início do ano, a superintendência apresentará ao Congresso propostas como a do seguro popular de carro e também a de fundos garantidores e de proteção ao segurado, facultativos, direcionados à saúde e à educação, entre outros. Estas propostas, diz Vergílio, devem fortalecer o setor e contribuir para conquistar cada vez mais a confiança do consumidor. Será um avanço muito grande para a sociedade, comentou. A regulamentação do setor de resseguros no país, publicada no Diário Oficial da União, foi outro tema da entrevista. Vergílio disse que três grupos já manifestaram interesse em se registrar na Susep como resseguradores locais. Em sua opinião, as mudanças neste mercado vão tornar o setor local mais forte e competitivo, com a provável redução de preço a médio e longo prazo. O mercado de resseguro deve dobrar em três anos, previu. Vergilio também aposta no microsseguro como um grande programa de inclusão social. Ele acredita que o produto atinja uma faixa social que jamais faria seguro, alcançando pessoas que ganham de um a três salários mínimos. (Fenaseg) Resumo Museu do Seguro O Museu do Seguro do RS completou, no dia 23 de novembro de 2007, oito anos de existência. A instituição funciona junto a Escola Nacional de Seguros Funenseg, Núcleo RS, na avenida Otávio Rocha, 115, 1 andar. Inaugurado em março de 1999, o museu está aberto para visitações diariamente, das 14h às 22h, apresentando documentos, objetos, livros, revistas e fotografias do setor, retratando a história dos seguros no Estado. As doações podem ser feitas no mesmo endereço. Mudanças no Seguros-RS O informativo Seguros-RS, do Sindicato das Seguradoras no RS, deverá ser renovado no ano de Um novo projeto Editorial e Gráfico está sendo elaborado pela equipe que produz o veículo, em conjunto com a direção do sindicato. Acompanhando as mudanças no mercado segurador, o Seguros-RS será lançado em novo formato já a partir da primeira edição de 2008, programada para circular nos primeiros dias de março. A periodicidade e o número de páginas permanecerá o mesmo, oferecendo aos leitores um conteúdo qualificado e diversificado. Reajuste do DPVAT O superintendente da Susep, Armando Vergílio dos Santos Júnior, falou sobre a Resolução CNSP nº 174, que trata, entre outros pontos, do reajuste do seguro obrigatório DPVAT. Armando Vergílio informou que o reajuste do seguro obrigatório - que este ano foi apenas para categoria de motos, 38,25%, se atribui, principalmente, ao aumento do número de acidentes envolvendo as motocicletas a sinistralidade cresceu 114%, segundo a autarquia. Na verdade a Susep abrandou o aumento, que segundo cálculos atuariais, deveria ser de 55%, informou. O superintendente destacou ainda a necessidade de se investir cada vez mais em campanhas de educação no trânsito e a melhoria das estradas para se combater os acidentes, que causam, segundo o Denatran, 35 mil mortes anualmente no Brasil. 50 anos de profissão O contador do Sindicato das Seguradoras no RS, Carlos Arthur Weber, recebeu uma placa alusiva aos seus 50 anos de profissão, durante a reunião-almoço realizada no mês de novembro. Desde janeiro de 1970 ele responde pela parte contábil e fiscal do sindicato no RS.

7 Novembro/Dezembro 2007 Seguros-RS 7 Palestras Apresentação da Previdência do Sul encerra ciclo de encontros de 2007 Múcio Novaes A Companhia de Seguros Previdência do Sul encerra o ano de 2007 com um crescimento de 12% em prêmios em relação a 2006, e ocupando a 23ª posição no ranking nacional de empresas de seguros. A informação é do presidente do Conselho de Administração da empresa, Ernesto Luis Pedroso Júnior, palestrante convidado na reunião almoço de dezembro de 2007 do Sindicato das Seguradoras no Rio Grande do Sul. A Previdência do Sul fechou o ano de 2007 com um montante de R$ 120 milhões em prêmios, num lucro líquido de R$ 10 milhões. A empresa investe em tecnologia, gestão de processos, novos produtos e serviços para obter esses resultados, declarou. Segundo ele, o consumidor está cada vez mais exigente, o que obriga as seguradoras a aprimorarem seus serviços. A Previdência do Sul atua no ramo de seguro de pessoas, vida, acidentes pessoais, prestamista e outros, investindo constantemente na preparação de suas equipes de corretores para obter bons resultados. Como empresa centenária, uma das mais antigas em atuação no país, a Previdência do Sul mantém 100% de seu capital nacional e independente, atuando nos três Estados do Sul, além de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Distrito Federal e Bahia. O presidente do Conselho de Administração disse ainda que o mercado segurador teve um crescimento superior a 2% do PIB em 2007, o que coloca o segmento numa posição privilegiada no mercado. Em 2007 arrecadamos R$ 70 bilhões em prêmios, Presidente do Sindiseg fala de sua atuação no Norte e Nordeste No mês de novembro de 2007, o mercado segurador gaúcho recebeu Múcio Novaes de Albuquerque Cavalcanti, Diretor Presidente da Companhia Excelsior de Seguros e Presidente do Sindicato das Seguradoras do Norte e Nordeste (Sindiseg). Ele falou aos empresários de sua experiência junto aos 13 Estados de representação do sindicato, que engloba o Norte e o Nordeste, menos os Estados da Bahia e Sergipe. Essa nova representação surgiu esse ano, com as mudanças verificadas no sistema institucional do mercado segurador. segundo a Fenaseg, o que nos fornece boas perspectivas para 2008, destacou. Ele também acrescentou que o setor verificou importantes modificações em 2007 e fez uma aposta no novo superintendente da Susep, Armando Vergílio, que teve bom senso em ampliar os prazos para a nova normatização das empresas de seguros. Presidente do Conselho de Administração Ernesto Luis Pedroso Júnior, falou sobre a empresa De acordo com Novaes, a arrecadação do ramo de seguros nesses 13 Estados chegou a R$ 7 bilhões em 2006, com a perspectiva de incremento nesse ano. Para administrar nas regiões, o sindicato, que tem sede em Pernambuco, estabeleceu bases territoriais contando com o apoio de empresas filiadas nos diversos Estados. Com o apoio de três vices-presidente e da criação de canais de comunicação eficientes, o sindicato vêm atuando de forma direta, ouvindo seus associados e estruturando as reivindicações, como informou Múcio Novaes.

8 8 Seguros-RS Novembro/Dezembro 2007 Artigo As Novas Regras do Seguro NO CPC Com o advento da Lei , em vigor 45 dias após a sua publicação (DOU), novas regras foram implementadas pelo legislador, em relação ao contrato de seguro, modificando o tratamento anterior no que tange a execução de títulos extrajudiciais e a substituição do bem penhorado pelo exeqüente. De fato. O anterior inciso III do artigo 585 do Código de Processo Civil outorgava o caráter de força executiva aos contratos de seguro de vida e de acidentes pessoais de que resultasse morte ou incapacidade do segurado. Humberto Theodoro Júnior, advertiu, ao azo: Com a reforma, a força executiva ficou limitada ao contrato de seguro de vida. Perdeu tal eficácia, portanto, o contrato de acidentes pessoais. Deve-se ponderar, todavia, que se o contrato de acidente cobre o risco de morte, não pode deixar de ser tratado, para fins executivos, como um seguro de vida. Mesmo, portanto, após a supressão efetuada pela Lei nº , de , continua, a meu ver, o beneficiário do seguro de acidente cujo sinistro acarretou a morte do segurado com o direito de exigir o pagamento da respectiva indenização por via de execução forçada. (In, A Reforma da Execução do Título Extrajudicial, Forense, 2007, pág. 19). Penso, data vênia, de modo diverso do douto processualista. Assim, quando do acidente pessoal ocorrido com o segurado resultar apenas incapacidade total e permanente o segurado poderá se valer, como estava na disposição anterior do CPC, da execução por título extrajudicial? Afirmo, que não. Pois, se a nova redação da lei adjetiva foi de afastar o acidente pessoal das hipóteses de execução, em sede de título extrajudicial, é lógico que o segurado incapacitado, ou seu beneficiário não poderão se valer deste procedimento para obter o bem da vida. Também, assim entendo, venia concessa, se deste acidente resultar morte do segurado, pois o acidente pessoal é todo o evento súbito e involuntário tendo como resultado um evento imprevisível ao segurado. Diferente, data vênia, quando se cuida, exclusivamente, de morte natural do segurado na qual os beneficiários designados na apólice de seguro, ou na sua falta o valor previsto na apólice de seguro será pago por metade ao cônjuge Sindicato das Seguradoras no Rio Grande do Sul Av. Otávio Rocha, 115/7º Andar Porto Alegre - RS não separado judicialmente, e o restante aos herdeiros do segurado, obedecida a ordem da vocação hereditária, ex vi legis, 2ª parte do artigo 792 do Código Civil. Esta, também, é a doutrina esposada por Theotonio Negrão e José Roberto F. Gouvêa, quando, em nota explicativa a este inciso do dispositivo processual em comento, dizem: A Lei 6.194, de (no CCLCV, tít SEGUROS, int), art 10, mandando observar o procedimento sumaríssimo (atualmente, procedimento sumário) nas ações decorrentes de danos pessoais causados por veículos, retirou a executividade ao seguro de acidentes pessoais a que se refere o n. III supra (STF-RT 489/254; 1º TASP Pleno: JTA 41/61; JTA 105/142). ( In, Código de Processo Civil, 39ª edição, Editora Saraiva, 2007, pág. 784). A outra novidade, em sede de contrato de seguro, diz respeito a substituição da penhora por fiança bancária ou seguro-garantia prevista no 2º do artigo 656 do Código de Processo Civil, que enuncia: Art A parte poderá requerer a substituição da penhora: 2º A penhora pode ser substituída por fiança bancária ou seguro garantia judicial, em valor não inferior ao do débito constante da inicial, mais trinta por cento (30%). Em comentários a este dispositivo legal, sob o Título A Alternativa do Seguro-Garantia Judicial, os Drs. Célia Maria Nicolau Rodrigues e Giuliano Pretini Bellinatti, no Caderno Legislação & Tributos do Valor Econômico, datado de 18 de outubro do corrente ano, ensinaram: Em relação ao seguro-garantia, a pessoa ou empresa responsável por garantir judicialmente o cumprimento de uma obrigação pecuniária (tomador) contrata uma companhia especializada (seguradora), que se responsabiliza pelo cumprimento da referida obrigação em favor do credor (segurado), até decisão definitiva sobre a questão. Para tanto, o interessado deve pagar um prêmio à seguradora que geralmente varia de 1% a 5% do valor contratado, dependendo do perfil do tomador a ser analisado individualmente pela seguradora. Em termos práticos, o devedor deve apresentar nos autos do processo uma apólice correspondente ao valor reclamado judicialmente, acrescido de 30%, para desonerar um bem de sua titularidade que tenha sido penhorado. No entender desses juristas, com escólios em entendimentos doutrinários, segundo o artigo acima enunciado, do qual, data vênia, discordo neste particular, o seguro-garantia judicial não exige penhora anterior, podendo ser utilizado como única e primeira garantia. ( Caderno citado, Opinião Jurídica, E2). Humberto Theodoro Júnior, diz que ambos (a fiança bancária ou o seguro garantia judicial) se prestam, portanto, a substituir qualquer modalidade de penhora trazendo à colação entendimentos do Superior Tribunal de Justiça, exarados no Recurso Especial nº PR, relatora Ministra Eliana Calmon, DJU. De , pág. 285, em relação à fiança bancária.(obra e autor citado, pág 285). Enfim, como a defesa do executado se faz através de embargos do devedor, independentemente da segurança do juízo, pois o exeqüente poderá, no ato de distribuição, obter certidão comprobatória do ajuizamento da execução, com identificação das partes e valor da causa, para fins de averbação no registro de imóveis, registro de veículos ou registro de outros bens sujeitos à penhora ou arresto, ex vi, artigo 615- A do Código de Processo Civil, se dessume que a indicação é ato próprio do exeqüente. Portanto, somente após a constrição judicial levada a cabo pelo credor é que, posteriormente, vale dizer, depois da penhora é que o devedor terá a faculdade de substituílo por outro(s), consoante expressa disposição do já referenciado parágrafo segundo do artigo 656 do Código de Processo Civil. Antes deste ato judicial, entendo que o devedor não possa se antecipar oferecendo, no caso em comento, seguro de garantia judicial. Porém, acredito que a evolução pretoriana poderá, com o decorrer da nova sistemática, se firmar no sentido de que o seguro de garantia judicial tratando-se de um terceiro garantidor ( 1º, do artigo 655 do CPC) tenha sua assunção no elenco dos bens penhoráveis com amplo conhecimento das partes envolvidas na relação processual. Estas são algumas reflexões que julgo oportunas externar com a nova alteração do Código de Processo Civil, que estão imbricadas ao contrato de seguro propriamente dito. Voltaire Giavarina Marensi (Castro Mendes) Advogado e Professor no DF

A representação institucional do mercado segurador

A representação institucional do mercado segurador A representação institucional do mercado segurador A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização CNseg é a entidade de representação

Leia mais

Deputado Adroaldo Loureiro cria lei que regula desmanche de carro

Deputado Adroaldo Loureiro cria lei que regula desmanche de carro IMPRESSO Julho/Agosto de 2007 - Nº 383 Deputado Adroaldo Loureiro cria lei que regula desmanche de carro Conheça o programa Pátio Legal do Rio de Janeiro Pág. 02 Criada a Comissão de Assuntos Especiais

Leia mais

Primeira Resseguradora brasileira

Primeira Resseguradora brasileira Janeiro/Fevereiro de 2008 - Nº 386 Primeira Resseguradora brasileira O ano de 2008 começa bem na indústria de Seguros. Com a abertura do resseguro no país, o Paraná Banco está a frente da primeira Resseguradora

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Seguro-caução Nas Execuções Trabalhistas Bruno Landim Maia DIREITO DO TRABALHO O seguro-garantia é centenário no mundo, mas recentemente operacionalizado no Brasil, é decorrente

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 637, DE 2011 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 637, DE 2011 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI N o 637, DE 2011 Altera a Lei nº 6.830, de 22 de setembro de 1980, para incluir o segurogarantia dentre os instrumentos de garantia nas ações de execução

Leia mais

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA AGRAVO DE INSTRUMENTO. DECISÃO MONOCRÁTICA. AÇÃO DE COBRANÇA DE SEGURO OBRIGATÓRIO. DPVAT. LEGITIMIDADE PASSIVA. RESPONSABILIDADE DE QUALQUER SEGURADORA INTEGRANTE DO CONSÓRCIO. INCLUSÃO DA SEGURADORA

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO. Palestrante Vera Cataldo

WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO. Palestrante Vera Cataldo 1 WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO Palestrante Vera Cataldo Seguro DPVAT Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre ou por sua carga, a pessoas transportadas

Leia mais

Crianças da Creche Comunitária Jerusalém receberam doações da campanha solidária

Crianças da Creche Comunitária Jerusalém receberam doações da campanha solidária IMPRESSO Maio/Junho de 2007 - Nº 382 Crianças da Creche Comunitária Jerusalém receberam doações da campanha solidária Educação é a Salvação é o tema do editorial dessa edição Pág. 02 Saiba mais sobre os

Leia mais

RESOLUÇÃO AGE Nº 279, DE 6 DE OUTUBRO DE 2011. (Texto Consolidado)

RESOLUÇÃO AGE Nº 279, DE 6 DE OUTUBRO DE 2011. (Texto Consolidado) RESOLUÇÃO AGE Nº 279, DE 6 DE OUTUBRO DE 2011. (Texto Consolidado) Regulamenta o oferecimento e a aceitação de seguro garantia e da carta de fiança no âmbito da Advocacia Geral do Estado - AGE. O ADVOGADO-GERAL

Leia mais

Entrevista CADERNOS DE SEGURO

Entrevista CADERNOS DE SEGURO Entrevista 6 Marco Antonio Rossi Presidente da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) POR Vera de Souza e Lauro Faria

Leia mais

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania PROJETO DE LEI N o 6.332, DE 2005 Dá nova redação aos arts. 20 e 123 do Decreto-Lei nº 73, de 21 de novembro de 1966, que dispõe sobre o Sistema Nacional

Leia mais

Empresas de. 5 Capitalização. Melhores Práticas das. 2 Apresentação 4 Introdução 5 Composição do Sistema de Capitalização.

Empresas de. 5 Capitalização. Melhores Práticas das. 2 Apresentação 4 Introdução 5 Composição do Sistema de Capitalização. Melhores Práticas das Empresas de Capitalização 2 Apresentação 4 Introdução 5 Composição do Sistema de Capitalização 5 Capitalização 6 Missão da Capitalização 7 Valores da Capitalização 7 Melhores Práticas

Leia mais

Projeto Institucional Seguro em todo Estado foi lançado em Caxias do Sul

Projeto Institucional Seguro em todo Estado foi lançado em Caxias do Sul IMPRESSO Setembro/Outubro de 2007 - Nº 384 Projeto Institucional Seguro em todo Estado foi lançado em Caxias do Sul Campanha do Brinquedo movimentou o mercado segurador gaúcho Pág. 04 Escola Nacional de

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A RPV. (Requisição de Pequeno Valor)

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A RPV. (Requisição de Pequeno Valor) BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A RPV (Requisição de Pequeno Valor) Hugo Soares Porto Fonseca O caput do art. 100 da Constituição Federal 1 determina que os pagamentos de valores devidos pelas Fazendas Federal,

Leia mais

CONHEÇA O NOVO CENTAURO-ON NEWS. MAIS MODERNO E VERSÁTIL, PARA VOCÊ.

CONHEÇA O NOVO CENTAURO-ON NEWS. MAIS MODERNO E VERSÁTIL, PARA VOCÊ. Ano VII Nº 37 Outubro/Dezembro 2015 CONHEÇA O NOVO CENTAURO-ON NEWS. MAIS MODERNO E VERSÁTIL, PARA VOCÊ. LEIA TAMBÉM 2015: Ano de grandes realizações Pág. 02 Seguro Vida Individual: Tranquilidade para

Leia mais

Horário Atividades Descrição Informações Importantes Visitação dos participantes ao Complexo Portuário de SUAPE e Abertura Oficial do CONSEG

Horário Atividades Descrição Informações Importantes Visitação dos participantes ao Complexo Portuário de SUAPE e Abertura Oficial do CONSEG C o n g r e s s o d e S e g u r o s Horário Atividades Descrição Informações Importantes 13h às 22h Visitação dos participantes ao Complexo Portuário de SUAPE e Abertura Oficial do CONSEG Ônibus sairá

Leia mais

Seguro Garantia Judicial em Execução Fiscal: condições e autorização legal. Íris Vânia Santos Rosa Mestre e Doutora PUC/SP

Seguro Garantia Judicial em Execução Fiscal: condições e autorização legal. Íris Vânia Santos Rosa Mestre e Doutora PUC/SP Seguro Garantia Judicial em Execução Fiscal: condições e autorização legal Íris Vânia Santos Rosa Mestre e Doutora PUC/SP 1. Como podemos incluir o Seguro Garantia Judicial como válida hipótese de Penhora

Leia mais

DELPHOS INFORMA DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999

DELPHOS INFORMA DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999 DELPHOS INFORMA ANO 6 - Nº 23 DEZEMBRO / 99 DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999 Ementa: As sociedades seguradoras estão obrigadas a incluir na apuração da base de cálculo mensal

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CDURP COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CDURP COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO ANEXO 2 MODELOS DE CARTAS E DECLARAÇÕES Modelo de Pedido de Esclarecimentos Ref.: Concorrência Pública nº [ ]/2011 Pedido de Esclarecimentos, [qualificação], por seu(s) representante(s) legal(is), apresenta

Leia mais

SINDICATO DOS CORRETORES DE SEGUROS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

SINDICATO DOS CORRETORES DE SEGUROS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SINDICATO DOS CORRETORES DE SEGUROS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Diretoria PRESIDENTE Ricardo Pansera - Canoas VICE PRESIDENTES Celso Marini Passo Fundo Roseli de Castro Viamão Sérgio Petzhold Porto

Leia mais

ANEXO VII MODELOS DE DECLARAÇÕES

ANEXO VII MODELOS DE DECLARAÇÕES ANEXO VII MODELOS DE DECLARAÇÕES SUMÁRIO I - MODELO DE SOLICITAÇÃO DE ESCLARECIMENTOS... 3 II - TERMOS E CONDIÇÕES MÍNIMOS DO SEGURO-GARANTIA PARA GARANTIA DE PROPOSTA... 4 III - MODELO DE FIANÇA-BANCÁRIA

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 259, de 2010 Complementar, que altera a Lei Complementar nº 126, de 15 de janeiro de 2007, que dispõe sobre a

Leia mais

Seguro Garantia Judicial. Aon Risk Solutions

Seguro Garantia Judicial. Aon Risk Solutions Seguro Garantia Judicial Aon Risk Solutions Produtos Financeiros 2013 Seguro Garantia Mercado de Garantias Evolução Mercado Garantia Prêmio 900.000.000 800.000.000 PAC 700.000.000 600.000.000 500.000.000

Leia mais

como parceiro o IRB; - Ênfase especial no seguro de pessoas; - Adequar a carteira de Multirrisco, buscando uma melhor comercialização e resultados;

como parceiro o IRB; - Ênfase especial no seguro de pessoas; - Adequar a carteira de Multirrisco, buscando uma melhor comercialização e resultados; Maio/Junho de 2008 - Nº 388 Confiança tem nova diretoria e se destaca na pesquisa Marcas de Quem Decide A Confiança Companhia de Seguros está com uma nova diretoria, com Antonio Carlos Pereira Lopes, como

Leia mais

MAIS MÉDICOS MP 621 Uma visão jurídica

MAIS MÉDICOS MP 621 Uma visão jurídica MAIS MÉDICOS MP 621 Uma visão jurídica Em 8 de julho de 2013, entrou em vigor no sistema jurídico posto a Medida Provisória 621 Mais Médicos - com a finalidade de formar recursos humanos na área médica

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL Projeto BRA 06/024 - PREMEF 1 I. INTRODUÇÃO A missão do Tesouro Nacional é

Leia mais

LEI 4594 de 1964 - Seguros - Regulamentação da Profissão de Corretor

LEI 4594 de 1964 - Seguros - Regulamentação da Profissão de Corretor LEI 4594 de 1964 - Seguros - Regulamentação da Profissão de Corretor LEI Nº 4.594, DE 29 DEZEMBRO DE 1964 (DOU 05.01.1965) Regula a Profissão de Corretor de Seguros. Nota: Ver Resolução SUSEP nº 81, de

Leia mais

Mercado Segurador em 2015 - Uma Visão Executiva

Mercado Segurador em 2015 - Uma Visão Executiva Mercado Segurador em 2015 - Uma Visão Executiva Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Maio/2009 Sumário 1) Situação Atual 2) Mercado Segurador em 2015?? (1ª Pesquisa Dezembro/2008) 3) Mercado Segurador

Leia mais

Belo Horizonte, 21 de maio de 2013.

Belo Horizonte, 21 de maio de 2013. Belo Horizonte, 21 de maio de 2013. Esta empresa tem bons motivos para oferecer o PASI aos trabalhadores. Segurados, eles trabalham tranquilos e a própria empresa obtém vantagens exclusivas. As Empresas

Leia mais

ESECS-PJ. Estudo Socioeconômico das

ESECS-PJ. Estudo Socioeconômico das ESECS-PJ Estudo Socioeconômico das Empresas Corretoras de Seguros A G O S T O / 2 0 1 3 O Estudo Socioeconômico das Empresas Corretoras de Seguros Pessoa Jurídica (ESECS-PJ) é fruto de um trabalho de

Leia mais

LEI Nº 4.594, DE 29 DE SETEMBRO DE 1.964

LEI Nº 4.594, DE 29 DE SETEMBRO DE 1.964 Regula a profissão de Corretor de Seguros. CAPÍTULO I Do Corretor de Seguros e da sua Habilitação Profissional Art. 1º O corretor de seguros, seja pessoa física ou jurídica, é o intermediário legalmente

Leia mais

SEGUROGARANTIA NAMODALIDADEJUDICIAL FUNDAMENTOS, RECEPTIVIDADE PELOPODER JUDICIÁRIOE NOVASPERSPECTIVAS

SEGUROGARANTIA NAMODALIDADEJUDICIAL FUNDAMENTOS, RECEPTIVIDADE PELOPODER JUDICIÁRIOE NOVASPERSPECTIVAS SEGUROGARANTIA NAMODALIDADEJUDICIAL FUNDAMENTOS, RECEPTIVIDADE PELOPODER JUDICIÁRIOE NOVASPERSPECTIVAS Gladimir Adriani Poletto Poletto & Possamai Sociedade de Advogados SUMÁRIO: I. INTRODUÇÃO II. ESTRUTURA

Leia mais

A legitimidade da CNseg

A legitimidade da CNseg 18 A legitimidade da CNseg Para provocar o controle abstrato de constitucionalidade pelo Supremo Tribunal Federal FELIPE MONNERAT 19 A Constituição Federal de 1988 prevê mecanismos de controle da compatibilidade

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 2003, João ingressou como sócio da sociedade D Ltda. Como já trabalhava em outro local, João preferiu não participar da administração da sociedade. Em janeiro

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 Dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DESTINADA A DISCUTIR PROPOSTAS QUE INTERESSAM À CLASSE TRABALHADORA E AOS EMPRESÁRIOS EMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL

Leia mais

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural Fundo de Catástrofe do Seguro Rural O Presidente da República submete hoje à apreciação do Congresso Nacional Projeto de Lei Complementar autorizando a constituição do Fundo de Catástrofe do Seguro Rural.

Leia mais

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito Instituto de Ensino Superior de Goiás Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito 1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO: DIREITO TURMA: 6º SEMESTRE - NOTURNO DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL

Leia mais

PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO

PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO Análise acerca das últimas discussões sobre o Projeto de Lei 4330, que regula o contrato de prestação de serviços terceirizados e as relações de trabalho

Leia mais

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010 Normas Internacionais de Supervisão 8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária Rio de Janeiro Agosto - 2010 Sumário: 1. Solvência II 2. International Association of Insurance Supervisors IAIS 3.

Leia mais

EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI MANUTENÇÃO E PERDA DA QUALIDADE DE SEGURADO À LUZ DA FIGURA DO DESEMPREGO

EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI MANUTENÇÃO E PERDA DA QUALIDADE DE SEGURADO À LUZ DA FIGURA DO DESEMPREGO EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI MANUTENÇÃO E PERDA DA QUALIDADE DE SEGURADO À LUZ DA FIGURA DO DESEMPREGO CURITIBA 2013 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 MANUTENÇÃO DA QUALIDADE DE SEGURADO PERÍODO DE GRAÇA...

Leia mais

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social As Entidades Fechadas de participantes desta pesquisa, conhecidas como Fundos de Pensão, fazem parte do Sistema de. Os Fundos de Pensão desenvolveram-se e modernizaram-se ao longo dos últimos anos graças

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.143. INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 22.143. INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº 22.143 INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Caputo Bastos. Dispõe sobre pesquisas eleitorais. O Tribunal Superior Eleitoral, usando das atribuições

Leia mais

MARCA BRADESCO RECURSOS HUMANOS

MARCA BRADESCO RECURSOS HUMANOS ATIVOS INTANGÍVEIS Embora a Organização não registre seus ativos intangíveis, há evidências da percepção de sua magnitude pelos investidores e que pode ser encontrada na expressiva diferença entre o Valor

Leia mais

SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS

SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS Marco Antonio Rossi Presidente da Fenaprevi Presidente da Bradesco Seguros Agenda Mercado Segurador Nacional Os direitos dos Segurados e Participantes Legislação O Brasil

Leia mais

PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS

PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO ESPECÍFICA SOBRE PARTICIPAÇÃO DOS EMPREGADOS NOS LUCROS OU RESULTADOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS PRIVADOS E DE CAPITALIZAÇÃO EM 2013. SINDICATO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE

Leia mais

Uma Visão do Setor de Seguros no Brasil. Alexandre H. Leal Neto Superintendente de Regulação

Uma Visão do Setor de Seguros no Brasil. Alexandre H. Leal Neto Superintendente de Regulação Uma Visão do Setor de Seguros no Brasil Alexandre H. Leal Neto Superintendente de Regulação Pauta da apresentação 1º Estrutura do Setor 2º Representação Institucional do Setor 3º Arrecadação Visão por

Leia mais

ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009

ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 São Paulo, 25 de fevereiro de 2005 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia hoje seus

Leia mais

ATA DA REUNIÃO DE DIRETORIA EM 03.04.2014

ATA DA REUNIÃO DE DIRETORIA EM 03.04.2014 ATA DA REUNIÃO DE DIRETORIA EM 03.04.2014 Ao terceiro dia de abril do ano de dois mil e quatorze, às dez horas, reuniu-se, ordinariamente, a diretoria da AJUT Associação dos Servidores na Justiça do Trabalho

Leia mais

Todo início de ano é a mesma coisa: fazemos a

Todo início de ano é a mesma coisa: fazemos a Entre nós www.marinhodespachantes.com Novas oportunidades! de todos nossos clientes, parceiros, amigos e colaboradores em 2012 e renovar nosso contrato de amizade para 2013 Elza Aguiar Presidente Todo

Leia mais

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 4.594, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1964. Regula a profissão de corretor de seguros. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

ANEXO VI MODELOS DAS DECLARAÇÕES E DOS COMPROMISSOS PREVISTOS NO EDITAL

ANEXO VI MODELOS DAS DECLARAÇÕES E DOS COMPROMISSOS PREVISTOS NO EDITAL ANEXO VI MODELOS DAS DECLARAÇÕES E DOS COMPROMISSOS PREVISTOS NO EDITAL ANEXO VI MODELOS DAS DECLARAÇÕES E DOS COMPROMISSOS PREVISTOS NO EDITAL p. 1 / 13 ANEXO VI MODELOS DAS DECLARAÇÕES E DOS COMPROMISSOS

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

ANEXO II MODELOS DO EDITAL

ANEXO II MODELOS DO EDITAL ANEXO II MODELOS DO EDITAL 1 SUMÁRIO MODELO N.º 1 - CARTA DE CREDENCIAMENTO... 3 MODELO N.º 2 - PROPOSTA COMERCIAL... 4 MODELO N.º 3 - DECLARAÇÃO DE PLENO ATENDIMENTO AOS REQUISITOS DE HABILITAÇÃO....

Leia mais

CONVÊNIO DE RECIPROCIDADE E COOPERAÇÃO TÉCNICA OFERTA DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ODONTOLÓGICA

CONVÊNIO DE RECIPROCIDADE E COOPERAÇÃO TÉCNICA OFERTA DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ODONTOLÓGICA CONVÊNIO DE RECIPROCIDADE E COOPERAÇÃO TÉCNICA OFERTA DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ODONTOLÓGICA BELO DENTE FAMILIAR E INDIVIDUAL Registro Produto nº. 455.668/06-2. SINCOR-MG, Sindicato dos Corretores

Leia mais

Fachesf de FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL www.fachesf.com.br

Fachesf de FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL www.fachesf.com.br Fachesf de Você está em nossos planos Criada em 10 de abril de 1972, pela Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), sua patrocinadora, a Fundação Chesf de Assistência e Seguridade Social é uma

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 7.181, DE 2010 Dispõe sobre a regulamentação da atividade das Empresas de Gerenciamento de Riscos em Operações Logísticas.

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News INSURANCE Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Junho 2008 SUSEP Questionário Trimestral Carta-Circular DECON 05, de 09.06.2008 - Demonstrações contábeis e questionário trimestral A presente

Leia mais

Marco Antonio Rossi. FenaPrevi e o Mercado de Seguros e Previdência

Marco Antonio Rossi. FenaPrevi e o Mercado de Seguros e Previdência Marco Antonio Rossi FenaPrevi e o Mercado de Seguros e Previdência 1 Agenda 1. Linha do Tempo 2. Mercado Brasileiro 3. Indicadores de Desenvolvimento 4. Cenários 5. O Agregado de Oportunidades 6. Seguros

Leia mais

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº 31, DE 2004. RELATÓRIO PRÉVIO (reformulado)

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº 31, DE 2004. RELATÓRIO PRÉVIO (reformulado) PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº 31, DE 2004. RELATÓRIO PRÉVIO (reformulado) Propõe que a Comissão de Finanças e Tributação realize ato de fiscalização e controle, por meio de órgão competente, acerca

Leia mais

ENVIAR APÓLICE POR E-MAIL CORREIO INFORMAÇÕES DE PAGAMENTO

ENVIAR APÓLICE POR E-MAIL CORREIO INFORMAÇÕES DE PAGAMENTO PROPOSTA DE SEGURO EMPRESARIAL ORIGEM: 39 Nº PROPOSTA: RAZÃO SOCIAL ESTIPULANTE: CNPJ: ¹Pessoa Politicamente Exposta: Sim Não Relacionamento Próximo Nacionalidade: Reside no Brasil: Sim Não ¹Pessoa Politicamente

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Há quase três décadas, o O PRAZER DO RECONHECIMENTO. inside

Há quase três décadas, o O PRAZER DO RECONHECIMENTO. inside O PRAZER DO RECONHECIMENTO Por Fabiane Abel Há quase três décadas, o Prêmio Anefac Profissional do Ano escolhe anualmente os melhores executivos das áreas de Finanças, Administração e Contabilidade, levando

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News kpmg Agosto 2005 SUSEP SETOR DE APOIO REGULAMENTAR (SAR) Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Destaque do mês Aplicação de recursos Resolução CMN 3.308, de 31.08.2005 Alteração A Resolução

Leia mais

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos.

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos. SEGURADO: Sócio Administrador (Pessoa Física) Limite: São 6 opções entre R$ 100.000 e R$ 500.000. O limite do seguro poderá ser utilizado para um ou uma série de sinistros indenizados durante a vigência

Leia mais

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES Ilmos. Srs. Diretores e Acionistas de BVA Seguros S/A Rio de Janeiro - RJ RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Examinamos as demonstrações financeiras individuais

Leia mais

REGIMENTO DOS GRUPOS NACIONAIS E REGIONAIS DE TRABALHO DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DO DIREITO DO SEGURO AIDA/Brasil

REGIMENTO DOS GRUPOS NACIONAIS E REGIONAIS DE TRABALHO DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DO DIREITO DO SEGURO AIDA/Brasil REGIMENTO DOS GRUPOS NACIONAIS E REGIONAIS DE TRABALHO DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DO DIREITO DO SEGURO AIDA/Brasil Artigo 1. Os Grupos Nacionais de Trabalho e os Grupos Regionais de Trabalho terão por

Leia mais

5ª Conferência de Proteção do Consumidor de Seguros

5ª Conferência de Proteção do Consumidor de Seguros 5ª Conferência de Proteção do Consumidor de Seguros Meios de solução de controvérsias na relação de consumo de seguro Silas Rivelle Junior Ouvidor da Unimed Seguradora e Presidente da Comissão de Ouvidoria

Leia mais

PRÊMIO PORTO MARAVILHA CULTURAL. EDITAL de PRÊMIO Nº 01/2013 EDITAL DO PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROJETOS

PRÊMIO PORTO MARAVILHA CULTURAL. EDITAL de PRÊMIO Nº 01/2013 EDITAL DO PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROJETOS PRÊMIO PORTO MARAVILHA CULTURAL EDITAL de PRÊMIO Nº 01/2013 EDITAL DO PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROJETOS 1. INTRODUÇÃO 1.1. A COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO ( CDURP

Leia mais

Visão panorâmica do processo falimentar. O processo de falência tem 3 fases:

Visão panorâmica do processo falimentar. O processo de falência tem 3 fases: FALÊNCIA (LEI 11.101/05) Visão panorâmica do processo falimentar O processo de falência tem 3 fases: 1. Fase pré falencial Vai da petição inicial até a sentença, já que até antes da sentença ainda não

Leia mais

CONFEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONDSEF

CONFEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONDSEF Nota Técnica AJN/CONDSEF n. 07/2011 CONDSEF. Possibilidade de conversão de tempo de serviço prestado em condições especiais em tempo de serviço comum após o advento da Medida Provisória n. 1.663, posteriormente

Leia mais

JARDINE LLOYD THOMPSON. JLT Re Palestra sobre Seguro Garantia

JARDINE LLOYD THOMPSON. JLT Re Palestra sobre Seguro Garantia JARDINE LLOYD THOMPSON JLT Re Palestra sobre Seguro Garantia Seguro Garantia - Definição O Seguro Garantia é um ramo de seguro destinado a garantir o cumprimento de uma obrigação contratual, seja ele de

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Falência. Continuação. 1.1) Da realização ativo. Art. 108, Lei 11.101/05. O administrador Judicial providenciará a realização do ativo. Pode ser por: leilão; proposta fechada ou pregão O porduto

Leia mais

Relatório de Atividades 2014. Comissão de Ética

Relatório de Atividades 2014. Comissão de Ética Comissão de Ética Introdução As ações desenvolvidas pela Comissão de Ética em 2014 foram pautadas nos parâmetros do Questionário de Avaliação da Ética elaborado pela Comissão de Ética Pública (CEP) que

Leia mais

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos.

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos. SEGURADO: Diretor, Conselheiro, CEO, CFO ou cargo Equivalente (pessoa física) Limite: São 6 opções entre R$ 100.000 e R$ 500.000. O limite do seguro poderá ser utilizado para um ou uma série de sinistros

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça II Encontro Nacional do PJe (Brasília, 5 de agosto de 2015) O novo CPC: o papel do Conselho Nacional de Justiça nas disposições sobre o processo eletrônico Luciano Athayde

Leia mais

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Faculdade de Comunicação e Artes Habilitação em Jornalismo Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Economia Brasileira Professora Eleonora Bastos Horta Dayse dos Santos Frederico

Leia mais

Associação Itaú Unibanco Holding S.A. e Porto Seguro S.A.

Associação Itaú Unibanco Holding S.A. e Porto Seguro S.A. Associação Itaú Unibanco Holding S.A. e Porto Seguro S.A. www.itauunibancori.com.br www.portoseguro.com.br/ri As Companhias A Porto Seguro S.A. continuará listada no Novo Mercado da BM&Fbovespa (PSSA3);

Leia mais

Marcas do profissionalismo e eficiência

Marcas do profissionalismo e eficiência Marcas do profissionalismo e eficiência Advogados gaúchos possuem expertise em serviços prestados às seguradoras Escritório Müller & Moreira, que agora completa 20 O anos de fundação, iniciou suas atividades

Leia mais

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo.

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo. Classificação das Sociedades - Existem 2 categorias : Conglomerados financeiros Concentram se em público-alvo, que são os clientes do próprio conglomerado, pertence a uma sociedade participativa liderada

Leia mais

Resseguros sem fronteiras

Resseguros sem fronteiras Resseguros sem fronteiras Ernesto Borges do Rio O dia 17 de abril já entrou para a história do setor de seguros no Brasil. Depois de 70 anos de monopólio estatal, o segmento de resseguros foi finalmente

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA- REPOSIÇÃO SALARIAL

CLÁUSULA TERCEIRA- REPOSIÇÃO SALARIAL 1 O anos de Benefícios ao Servidor e seus dependentes. Empresas de Sociedades de Consultorias de Seguros, Auditoria e Consultoria Atuarial; em Empresas de Inspeções e Vistorias Prévias de Seguros; em Empresas

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Instituto Lojas Renner Instituto Lojas Renner Promover a inserção de mulheres no mercado de trabalho por meio de projetos de geração de renda é o objetivo do Instituto Lojas

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 477, DE 30 DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre o Seguro Garantia, divulga Condições Padronizadas e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA Lei 5764/71 de 16/12/1971 COOPERATIVA DE 3º GRAU CONFEDERAÇÃO COOPERATIVA DE 2º GRAU FEDERAÇÃO OU CENTRAL COOPERATIVA DE 1º GRAU

Leia mais

ANEXO VII - MODELO DE GARANTIA E SEGURO-GARANTIA DE OFERTA. Concorrente R$ XXX / / / /

ANEXO VII - MODELO DE GARANTIA E SEGURO-GARANTIA DE OFERTA. Concorrente R$ XXX / / / / ANEXO VII - MODELO DE GARANTIA E SEGURO-GARANTIA DE OFERTA PARTE 2 - MODELO DE SEGURO-GARANTIA PARA OFERTA APÓLICE N.º A ( nome da seguradora ), através desta apólice de Seguro-Garantia, garante ao SEGURADO

Leia mais

TERMO DE ADESÃO. Para participação em Projetos de Promoção de Exportação

TERMO DE ADESÃO. Para participação em Projetos de Promoção de Exportação TERMO DE ADESÃO Para participação em Projetos de Promoção de Exportação A empresa..., de CNPJ n.º..., por seu(s) representante(s) legal(is), adere ao projeto BRAZILIAN PUBLISHERS, proposto à APEX-Brasil

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

PROVA TÉCNICAS BANCÁRIAS BANCO DO BRASIL 2007

PROVA TÉCNICAS BANCÁRIAS BANCO DO BRASIL 2007 PROVA TÉCNICAS BANCÁRIAS BANCO DO BRASIL 2007 RESOLUÇÃO DE QUESTÕES PARTE 05 (ÚLTIMA) FONTE: http://www.cespe.unb.br/concursos/bb12007/ E-BOOK SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Este e-book é recomendado para

Leia mais

REFORMA SINDICAL: PORTA PRINCIPAL PARA A TÃO FALADA REFORMA TRABALHISTA.

REFORMA SINDICAL: PORTA PRINCIPAL PARA A TÃO FALADA REFORMA TRABALHISTA. REFORMA SINDICAL: PORTA PRINCIPAL PARA A TÃO FALADA REFORMA TRABALHISTA. INTRODUÇÃO Recentemente o Governo Federal, por seu Ministro do Trabalho e Emprego, Ricardo Berzoini, um mineiro de Juiz de Fora

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TECNICA Nº 017 /2015-MPSP

TERMO DE COOPERAÇÃO TECNICA Nº 017 /2015-MPSP TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA QUE ENTRE SI CELEBRAM O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO E A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA. CONSIDERANDO que a assistência em saúde mental, prestada por meio

Leia mais

LEI Nº 12.546/2011 (MP 540/2011) ORIENTAÇÕES PRÁTICAS - DESONERAÇÃO FOLHA DE PAGAMENTO TI/TIC

LEI Nº 12.546/2011 (MP 540/2011) ORIENTAÇÕES PRÁTICAS - DESONERAÇÃO FOLHA DE PAGAMENTO TI/TIC LEI Nº 12.546/2011 (MP 540/2011) ORIENTAÇÕES PRÁTICAS - DESONERAÇÃO FOLHA DE PAGAMENTO TI/TIC 1 INTRODUÇÃO Em 15 de dezembro de 2011 a Presidente da República SANCIONOU a Lei nº 12.546/2011 (decorrente

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 265, de 16 de agosto de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 265, de 16 de agosto de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 265, de 16 de agosto de 2004. Disciplina os procedimentos relativos à adoção, pelas sociedades seguradoras, das condições contratuais e das respectivas disposições tarifárias e notas

Leia mais

ANEXO VIII MODELOS DE DECLARAÇÕES E CARTAS. (Modelos sugeridos)

ANEXO VIII MODELOS DE DECLARAÇÕES E CARTAS. (Modelos sugeridos) ANEXO VIII MODELOS DE DECLARAÇÕES E CARTAS (Modelos sugeridos) Conteúdo dos envelopes: a) ENVELOPE DE CREDENCIAMENTO (i) Documentos do REPRESENTANTE LEGAL; (ii) Documentos da CORRETORA CREDENCIADA; (iii)

Leia mais

Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA

Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA Vamos agora iniciar a sessão de perguntas e repostas. Nossa primeira pergunta vem do Senhor do Bradesco. Por favor, você pode ir em frente.,

Leia mais