PROPRIEDADE INTELECTUAL INDÍGENA E SUA DIVISÃO DE BENEFÍCIOS NO UNIVERSO KRAHÓ.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPRIEDADE INTELECTUAL INDÍGENA E SUA DIVISÃO DE BENEFÍCIOS NO UNIVERSO KRAHÓ."

Transcrição

1 PROPRIEDADE INTELECTUAL INDÍGENA E SUA DIVISÃO DE BENEFÍCIOS NO UNIVERSO KRAHÓ. INTRODUÇÃO Suyene Monteiro da Rocha Diniz Universidade Federal do Tocantins A relação homem natureza no mundo moderno ocidental é meio conturbada. Se remontarmos os primórdios da colonização americana teremos uma narrativa exaustiva de degradação ambiental, como a extração de pau Brasil. O homem ocidental sempre enxergou a natureza como sua serva, e que toda a sua produção existia e existe com o fim único e exclusivo de satisfazê-lo. Assim caminhamos numa história de depredação do ambiente de forma inconteste, o que hoje reflete em resultados muitas vezes irreversíveis. O homem a que nos referimos acima é o ocidental de origem européia que, a partir do século XV com o início da expansão marítima tinha como objetivo o acumulo de riquezas e a pilhagem de metais preciosos. Os meios empregados para a obtenção dessa riqueza era guiado, na a maioria das vezes, pela força, o que desembocava em um grande número de morte dos colonizados, que eram tidos como primitivos ou selvagens, isto porque a concepção de civilização e por conseqüência, de ser civilizado, era ser membro integrante da cultura do Velho Mundo. Fazer um paralelo dessa concepção civilizada com a concepção indígena e seu olhar sobre o ambiente e suas formas de interação é que faremos, mais precisamente sobre as relações Krahó com o meio. Remetendo-nos à história dos Krahó temos que o primeiro contato com os cupem (termo indígena para denominar os não índios) foi na segunda metade do século XVIII. Viviam no Maranhão, mais precisamente, como nos narra Melatti (1978, p. 22) (...) na região banhada pelo curso inferior do rio Balsas e sues afluentes que é um dos tributários do Parnaíba. A medida que os civilizados ocupavam a região, iam empurrando os Krahó para oeste, na direção do Rio Tocantins Vários foram os conflitos e problemas enfrentados pelos Krahó, até que em 1848 fossem transferidos para o aldeamento de Pedro Afonso, cidade atualmente situada na confluência do rio do Sono com o Tocantins. Desde a pacificação dos Krahó, inicialmente em Carolina-MA, até a transferência dos mesmos para Pedro Afonso, esses serviram de tropa de choque dos fazendeiros de gado contra os demais índios, Timbira ou Akuen. Por essa razão eram tolerados pelos civilizados.

2 Contudo, com o avanço dos criadores de gado tiveram que disputar novos territórios com outros índios entrando em conflito com eles, com os Apinajé e os Nhyrkwãjê. Melatti (1978, p.21) descreve a localização dos Krahó no território nacional. os índios Krahó habitam um território de quase quilômetros quadrados, cujo uso e gozo lhes foi concedido pelo governo do Estado de Goiás em Esse território está situado nos municípios de Goiatins (cujo antigo nome era Piacá) e Itacajá entre os rios Manoel Alves Pequeno (afluente da margem direita do Tocantins) e Vermelho (afluente do Manoel Alves Grande, que por sua vez, também desemboca no Tocantins), no norte do referido Estado. OS KRAHÓ E SEU MEIO AMBIENTE. Depois desse breve panorama sobre a história dos Krahó vamos analisar a relação desses com o ambiente. Sua alimentação é baseada no consumo de beijú (alimento feito a base de mandioca), arroz, fava, carne cozida com água e o bolo tradicional (paparuto), que é assado com o auxílio de pedras aquecidas. A procura de frutos silvestres comestíveis é tarefa das mulheres, que a executam geralmente em grupos. As principais frutas consumidas são: buriti, bacaba, oiti, caju do cerrado. Há, ainda, as que não possuem em grande quantidade na área, tais como: buritirana, mangaba, bacuri. Já a coleta do mel é tarefa dos homens da aldeia. Para a obtenção da carne praticam a caça, que antes era feita com arco e flecha e foi substituído pela espingarda. Os animais comumente encontrados são os de pequeno porte tais como: manbira (tamanduá mirim), coati, macacos, tatu, tatu peba, e diversas variedades de veado. No período da seca preferem caçar na mata. Já durante as chuvas, preferem o cerrado, em função da grande quantidade de cobras que se encontra nesse período na mata. A pesca não ocupa lugar relevante na alimentação Krahó. Essa é realizada, de maneira expressiva, no período da seca, quando as águas dos ribeirões estão baixas e correm vagarosamente, através do uso do tingui que entorpece os peixes. A relação com o ambiente os faz ter conhecimento de quais os animais freqüentam a mata e quais freqüentam o cerrado, quais andam à noite, e quais se movimentam durante o dia. Conhecem, ainda, quais as plantas consumidas pelos animais, o que parece servir de fundamento para certos rituais para a captura da espécie. Na agricultura, sua relação é de subsistência plantando milho branco, inhame, batata doce, amendoim, arroz, fumo, fava e mandioca. A forma de suas casas indicam uma forte influência do convívio com os civilizados. Externamente são muito similares a dos sertanejos. O teto das casas é de duas águas, coberto com folhas de buriti ou de piaçava, as paredes são feitas de estacas fincadas no chão uma ao lado da outra, que são preenchidas com palha de buriti ou barro. Porém, as casas são dispostas

3 tradicionalmente ao redor do grande pátio central, formando um círculo, se observado num anglo superior. Para os Krahó, os homens, os animais, os vegetais e mesmo os minerais e objetos manufaturados tem uma Karõ, que se pode traduzir aproximadamente com alma. Ao morrer a alma humana vaga por algum tempo (ou vai para uma aldeia dos mortos, situada a oeste) até que se transforma num animal de grande ou médio porte; quando esse animal morre, transforma-se num animal inferior; quando esse outro morre, transforma-se em um cupinzeiro ou toco de pau. Quando o fogo queima esse cupinzeiro ou toco, o aniquilamento é completo. No que diz respeito aos ritos, cada aldeia Krahó dispõe de uma padré. Trata-se do diretor dos ritos. É a pessoa que sabe como realizar os diversos ritos dos Krahó. Todos aqueles que exercem ou exerceram as tarefas de padré nas diversas aldeias Krahó, de que se tem notícia, foram ou são considerados também como líderes políticos, sem dúvida por causa do conhecimento que possuem das tradições Krahó. No que diz respeito ao xamanismo entre os Krahó, relata Melatti (1978, p. 92) que: [...] assim como o xamã tem poder de provocar a doenças, pode também cura-las. O xamã recebe seus poderes mágicos de um animal, vegetal ou algum outro processo. A maior parte dos indivíduos, entretanto, conhece alguns vegetais que podem ser utilizados para curar determinadas doenças ou aplicados magicamente de modo a facilitar a captura de certos animais de caça. Conhecem também as restrições alimentares que tem a fazer para obter boa colheita de certas plantas cultivadas. Para os indígenas o ambiente é mais que uma forma de se alimentar, é um local sagrado. É onde se estabelecem a suas relações totêmicas, há um vínculo estreito entre eles e os elementos formados da natureza. É da fauna e da flora que tiram seu sustento. É na crença de serem parte do meio que se desenvolve sua cultura. É na junção de tudo isso que os faz detentores do conhecimento de todo o sistema que os envolve. Cada planta que os rodeia tem um valor. Eles sabem qual é nociva ou não. Sabem se é amassada ou fervida que deve ser utilizada para curar determinado mal. São as comunidades tradicionais os portadores do saber, mesmo que esse saber seja tido como empírico, do potencial e variedade da diversidade biológica que nos rodeia, pois o olhar que eles debruçam sobre a natureza é outro. Como exemplo dessas formas diferentes de olhar o ambiente tomamos a passagem citada por Leff em seu livro Saber Ambiental (2001, p. 30) que foi a resposta dada pelo Chefe Seattle em 1854, à oferta do Grande Chefe Branco de Washington para comprar as terras dos índios e transferi-los para uma reserva : Como se pode comprar ou vender o firmamento ou o calor da terra? Se não somos donos

4 do ar nem do brilho das águas, como poderiam vocês compra-los? Cada parcela desta terra é sagrada para o meu povo. Cada floresta reluzente de pinheiros, cada grão de areia das praias, cada gota de orvalho nos bosques fechados, cada outeiro e até o som de cada inseto é sagrado à memória e ao passado do meu povo. A seiva que circula pelas veias das árvores leva consigo as memórias dos peles-vermelhas. Somos parte da terra e ela é parte de nós. As flores perfumadas são nossas irmãs. Os penhascos escarpados, os prados úmidos, o calor do corpo do cavalo e do homem, todos pertencem à mesma família (...) A água cristalina que corre nos rios e regatos não é simplesmente água, mas também representa o sangue de nossos antepassados. O murmúrio da água é a voz do pais do meu pai (...) e cada reflexo fantasmagórico nas claras águas dos lagos conta os fatos e memórias das vidas de nossa gente. Sabemos que o homem branco não compreende nosso modo de vida. Ele não sabe distinguir entre um pedaço de terra e outro, pois é um estranho que chega de noite e toma da terra o que precisa. A terra não é sua irmã, mas sua inimiga, e uma vez conquistada, segue o seu caminho, deixando para trás a tumba de seus pais. Seqüestra a terra, arranca-a de seus filhos. Pouco lhe importa. Tanto a tumba de seus pais como o patrimônio de seus filhos são esquecidos. Trata sua mãe, a terra, e o seu irmão, o firmamento, como objetos que se compram, se exploram e se vendem como ovelhas ou como contas coloridas. Seu apetite devorará a terra deixando atrás de si só um deserto. [...] Mas vocês caminharão para a destruição, rodeados de glória, inspirados na força de Deus que os trouxe a esta terra e que por algum desígnio especial lhes deu domínio sobre ela e sobre os peles-vermelhas. Onde está a floresta? Onde está a águia? Termina a vida e começa a sobrevivência. MEIO AMBIENTE, BIODIVERSIDADE E LEGISLAÇÃO. É sobre esse aspecto de preservação e interação com o meio que segue nossa reflexão sobre a proteção da propriedade intelectual das comunidades tradicionais. Um dos passos mais expressivos dessa defesa foi a Convenção sobre Diversidade Biológica, que passou a vigir em nosso sistema jurídico a partir do Decreto N o 2.519, de 16 de Março de 1998, trazendo uma nova consideração ao sistema jurídico, a da preservação dos conhecimentos tradicionais como patrimônio de caráter intelectual. Essa Convenção tem em seu preâmbulo a seguinte afirmativa: [...] Reconhecendo a estreita e tradicional dependência de recursos biológicos de muitas comunidades locais e populações indígenas com estilos de vida tradicionais, e que é desejável repartir eqüitativamente os benefícios derivados da utilização do conhecimento tradicional, de inovações e de práticas relevantes à conservação da diversidade biológica e à utilização sustentável de seus componentes[...] Já no artigo primeiro, que é o dos objetivos, a redação fica bem clara: Os objetivos desta Convenção, a serem cumpridos de acordo com as disposições pertinentes, são a conservação da diversidade biológica, a utilização sustentável de seus componentes e a repartição justa e eqüitativa dos benefícios derivados da utilização dos recursos genéticos, mediante, inclusive, o acesso adequado aos recursos genéticos e a transferência adequada de tecnologias pertinentes, levando em conta todos os direitos sobre tais recursos e tecnologias, e mediante financiamento adequado. E mais a diante o artigo 8º na alínea j define: [...] j) Em conformidade com sua legislação nacional, respeitar, preservar e manter o

5 conhecimento, inovações e práticas das comunidades locais e populações indígenas com estilos de vida tradicionais relevantes à conservação e à utilização sustentável da diversidade biológica e incentivar sua mais ampla aplicação com a aprovação e a participação dos detentores desse conhecimento, inovações e práticas, e encorajar a repartição eqüitativa dos benefícios oriundos da utilização desse conhecimento, inovações e práticas.[...] O Brasil foi um dos países a assinar a Convenção se comprometendo a proteger tal conhecimento. Todavia, como tudo no nosso país, grande parte de nosso arcabouço legal não cumprido. Em que pese toda essa tentativa de se normatizar o tema por vias normais, foi o mesmo regulado, primeiramente, pela Medida Provisória nº2.052 de 29 de julho de 2000, sendo que em face desse foi impetrado uma ação de inconstitucionalidade, que teve como decisão final a inconstitucionalidade de alguns dispositivos. Este fato ocasionou a reedição da MP se adequando as normativas da Carta Magna. Mas inúmeras foram as reedições da medida provisória. Sendo a última, e derradeira, regulamentação a Medida Provisória nº de 23 de agosto de 2001 que hoje possui força de lei em virtude da Emenda Constitucional 32, de 11 de setembro de Em lugar de termos passado pelos tramites normais de uma lei, todo o esforço de muitos que acreditam na possibilidade de se ter o sistema moralizado, tivemos a edição de uma medida provisória. Entretanto, a época tramitavam no Congresso Nacional quatro projetos legislativos acerca da mesma matéria: 1) uma proposta de ementa constitucional encaminhada pelo Poder Executivo que pretende incluir os recursos genéticos entre os bens da União arrolados no art. 29 da Constituição; 2) projeto de lei encaminhado pelo Poder Executivo ao Congresso, que dispõe sobre o acesso ao patrimônio genético e ao conhecimento tradicional associado e sobre a repartição de benefícios derivados de sua utilização ; 3) projeto de lei apresentado pela então, Senadora Marina da Silva que já havia sido aprovado pelo Senado Federal na forma de substituto apresentado pelo relator deste na Comissão de Assuntos Sociais, Senador Osmar Dias; 4) projeto de lei apresentado pelo Deputado Jacques Wagner, que à época tramitava na Câmara dos Deputados. Assim, por forma da emenda Constitucional acima citada, em 28 de setembro de 2001 o decreto nº 3.945/01 regulou o assunto disciplinando a composição do Conselho de Gestão do Patrimônio Genético e estabelecendo sua forma de funcionamento, bem como dispondo sobre o acesso ao patrimônio genético, a proteção e o acesso ao conhecimento tradicional associado, a repartição de benefícios e o acesso à tecnologia e transferência de tecnologia para a sua conservação e utilização. Foi editado o decreto nº em 31 de dezembro de 2003 que alterou algumas disposições do decreto n 3.945/01.

6 O intuito ao normatizar tal questão está no fato de que a concepção hoje é de que cada país é soberano sob sua biodiversidade, ou seja, todo o patrimônio genético de nossa fauna e flora, é protegida e se ameaçado por terceiros sejam nacionais ou não, estes sofrerão sanções. A medida provisória define como conhecimento tradicional associado: a informação ou prática individual ou coletiva de comunidade indígena ou de comunidade local, com valor real ou potencial, associada ao patrimônio genético; e como bioprospecção a atividade que visa identificar componente do patrimônio genético e informação sobre conhecimento tradicional associado, com potencial de uso comercial. Os projetos que envolvam seres humanos devem passar pelo Comitê de Ética em pesquisa, que deve preencher os requisitos da Res. CNS 196/96 que estabelece as normas e diretrizes regulamentadoras da pesquisa envolvendo seres humanos. E quando o estudo envolva áreas de povos indígenas, há a Res. 304, específica para o assunto, sendo o projeto em apresso enviado para a Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Que somente, após a apreciação do CONEP e, conseqüente aprovação do mesmo, se faz possível o desenvolvimento da pesquisa. OS KRAHÓ, PATRIMÔNIO GENÉTICO E CONHECIMENTO TRADICIONAL. O grande problema é que a fiscalização é precária. Vejamos o caso Krahó. Uma pesquisadora adentrou as terras indígenas, como a própria relata, de julho de 1999 a julho de Tteve a autorização de determinados índios de algumas aldeias, para entrar na reserva. Foi arrolado pela pesquisadora como instrumento probatório e legitimador para seu ingresso na área, uma carta redigida por um Krahó consentindo com a pesquisa, com data de junho de Outra, de julho de 2000 e uma carta de consentimento da Associação Makraré de março de Todavia, o protocolo de intenções foi assinado em 2001 pelo então presidente da Associação VYTY-CATY A autorização da FUNAI para ingresso na terra indígena foi expedida em julho de 2001 e essa permitia o acesso de junho de 2001 a julho de No que cinge os procedimento previsto para as questões éticas em pesquisa o parecer do CONEP foi emitido em junho de A tese da pesquisadora foi apresentada à instituição a que estava vinculada em Portanto, os procedimentos empregados pela pesquisadora não coadunam com os apropriados, o que gerou um problema junto aos Krahó. Ao se direcionar somente a Associação VYTY-CATY e a Makraré pedindo anuência das mesmas para o desenvolvimento da pesquisa, sob a argumentação de representarem a nação Krahó, a pesquisadora equivoca-se na colocação uma vez que existe uma terceira associação

7 (KAPEY) que integra um número expressivo de aldeias Krahó, as quais não foram consultadas quanto a concordância ou não de terem suas praticas ritualísticas, que envolvem plantas medicinais pesquisadas. Desta forma, o conjunto do povo Krahó não anuiu com a pesquisa, mas apenas parte daquele povo. Essa questão vai além da anuência ou não. Como bem prevê o protocolo de intenções os Krahó, no caso do desenvolvimento e patenteamento de algum medicamento fitofármaco ou fitoterápico oriundo das informações por eles prestadas, teriam garantida a parcela de royalties. O valor seria revertido a favor da Associação VYTY-CATY. Há que se ponderar no que diz respeitos às praticas ritualísticas. Se essas práticas e as plantas utilizadas são conhecimentos dominados por todo o povo Krahó, a divisão dos benefícios deveria ser para todos e não destinado a uma parte somente. Há quem faça a reflexão de que o informante é que faz juz aos benefícios oriundos da relação. Mas quando se fala de conhecimento coletivo a discussão direciona-se numa outra vertente, que ainda não possui posições definidas seja entre os pesquisadores, seja na lei. Na busca de uma solução para o empasse surgido, foi feito em meados dos de setembro de 2002, uma reunião na KAPEY, em que se fizeram presentes representantes de várias aldeias Krahó, as advogadas da KAPEY, um Representante da FUNAI e uma Representante Ministério Público Federal de São Paulo que colheu depoimento dos índios, e redigiu uma carta com a solicitação dos mesmos para que a pesquisa fosse paralisada com pedido do pagamento da taxa de bioprospecção, que ao final foi assinada pelos caciques e pajés presentes. Atualmente, o caso encontra-se sob a esfera da FUNAI que já realizou algumas reuniões entre os Krahó e a Universidade para que se chegasse a um consenso, mas esse caso está longe de ter fim. No fato em exposição, não se trata de imputar ou não uma pratica delitiva a pesquisa desenvolvida, mas isto sim, em se fazer uma reflexão tanto sobre os mecanismos implementados pelos instrumentos normativos na proteção da propriedade intelectual indígena, quanto ao objetivo do instrumento legal em preservar o conhecimento tradicional associado ao patrimônio genético, que é mecanismo relevante na conservação da diversidade biológica, e conseqüente integridade do patrimônio genético do País. CONSIDERAÇÕES FINAIS É instituto basilar do direito o equilíbrio das prestações a serem ofertadas pelas partes envolvidas no contrato. E é a partir dessa análise que se desenvolve nossa pesquisa. A entrada indevida de pesquisadores em terras indígenas tem sido um grande problema

8 para as entidades protetoras dos direitos indígenas. O caso Krahó é só mais um a integrar um universo de ocorrências. Mas o preocupante é a inoperabilidade do sistema normativo de proteção a esses. Observamos que se a exploração do ambiente permanecer no compasso que estamos, ou seja, sem se preocupar de forma expressiva com quem depende do mesmo (tendo como referência existencial o dinheiro), continuará a pilhagem da natureza, como forma de engrandecimento de enriquecimento de grupos ou nações, mesmo que isso venha a significar o fim de culturas, espécies animais e vegetais. REFERENCIAS BRASIL, Decreto N o 2.519, de 16 de Março de 1998 Convenção sobre Diversidade Biológica. Disponível em:< 51&url=http://www.mma.gov.br/port/sbf/chm/cdb/cdb.html.> Acesso em: BRASIL, Medida Provisória nº2.052 de 29 de julho de 2000, Disponível em:< https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/mpv/antigas/ htm> Acesso em: BRASIL, Medida Provisória nº , 26 de abril de 2001.Disponível em:< https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/mpv/ htm> Acesso em: BRASIL, Medida Provisória nº de 23 de agosto de Disponível em:<. https://www.plantal.gov.br//ccivil 03/MPV/ htm> Acesso em: Capobianco, João Paulo R. et alli (orgs) - Biodiversidade na Amazônia Brasileira. São Paulo. Editora Estação Liberdade/Instituto Socioambiental, LEFF, Enrique. Saber Ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Tradução de Lúcia Mathilde Endlich Orth. Petrópolis, RJ: Vozes, LEVI-STRAUSS, Claude, O pensamento selvagem. Campinas, SP: Papirus, MELATTI, J. C. O sistema Social Krahó. Brasília, MELATTI, Júlio Cezar. Ritos de uma Tribo Timbira. São Paulo: Ática, ROCHA, Ana Flávia- org. A defesa dos direitos socioambientais no judiciário. São Paulo: Instituto Socioambiental, RODRIGUES, E. Usos rituais de plantas que indicam ações sobre o sistema nervoso central pelos índios krahó, com ênfase nas psicoativas. São Paulo: UNIFESP, 2001 (tese de doutorado).

Carta do Chefe índio Seattle ao Grande Chefe de Washington, Franklin Pierce, em 1854, em resposta à proposta do Governo norte-americano de comprar grande parte das terras da sua tribo Duwamish, oferecendo

Leia mais

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios;

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; CTA na indústria e instituições de pesquisa; Propriedade industrial e

Leia mais

Legislação nacional e internacional

Legislação nacional e internacional Legislação nacional e internacional CDB Convenção sobre Diversidade Biológica A CDB foi estabelecida durante a ECO -92, no Rio de Janeiro, em junho de 1992. Esse tratado das Nações Unidas é um dos mais

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988...

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988... CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VIII DOS ÍNDIOS Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

DIVERSIDADE BIOLÓGICA QUESTÕES CONTROVERTIDAS NA PROTEÇÃO DO CONHECIMENTO TRADICIONAL

DIVERSIDADE BIOLÓGICA QUESTÕES CONTROVERTIDAS NA PROTEÇÃO DO CONHECIMENTO TRADICIONAL DIVERSIDADE BIOLÓGICA QUESTÕES CONTROVERTIDAS NA PROTEÇÃO DO CONHECIMENTO TRADICIONAL ELA WIECKO V. DE CASTILHO A 6ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF, preocupada com a vulnerabilidade do conhecimento

Leia mais

genético e, em seu lugar, propõe um mecanismo binário, que diferencia entre o acesso por empresas nacionais e estrangeiras.

genético e, em seu lugar, propõe um mecanismo binário, que diferencia entre o acesso por empresas nacionais e estrangeiras. NOTA PÚBLICA CONJUNTA MUSEU GOELDI / INSTITUTO MAMIRAUÁ / INPA PROJETO DE LEI DE ACESSO À BIODIVERSIDADE, PATRIMÔNIO GENÉTICO E PROPRIEDADE INTELECTUAL Em face às recentes discussões concernentes ao processo

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, ao Projeto de Lei do Senado nº 238, de 2007, que transfere ao domínio do Estado do Amapá terras pertencentes

Leia mais

Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios

Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS

Leia mais

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde 14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde O licenciamento ambiental e o licenciamento urbanístico no Projeto de Lei nº 3.057/2000 Lei de responsabilidade

Leia mais

CIÊNCIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Anderson Orzari Ribeiro

CIÊNCIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Anderson Orzari Ribeiro CIÊNCIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Anderson Orzari Ribeiro INTRODUÇÃO A interação do homem com a natureza sempre teve um viés científico/analítico, e suas consequências, bastante visíveis nos dias atuais,

Leia mais

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO INDÍGENA Gonçalves,Emily 1 Mello,Fernanda 2 RESUMO: Falar da educação dos índios nos dias atuais requer uma breve análise histórica deste povo. Precisamos reconhecer que nesses 508 anos, os povos

Leia mais

Padrão de Desempenho 8:

Padrão de Desempenho 8: Visão Geral dos Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental 1. A Estrutura de Sustentabilidade da IFC articula o compromisso estratégico da Corporação com o desenvolvimento sustentável

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004 Estabelece procedimentos para o transporte de amostra de componente do patrimônio genético existente

Leia mais

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra Greenpeace/Daniel Beltra www.desmatamentozero.org.br Chega de desmatamento no Brasil As florestas são fundamentais para assegurar o equilíbrio do clima, a conservação da biodiversidade e o sustento de

Leia mais

A biodiversidade e as comunidades tradicionais

A biodiversidade e as comunidades tradicionais A biodiversidade e as comunidades tradicionais Os duzentos e cinqüenta povos indígenas com que partilhamos o Brasil são o testemunho de que nossa sociodiversidade nada fica a dever à nossa biodiversidade,

Leia mais

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA AS ÁGUAS DE SUPERFÍCIE Os rios são cursos naturais de água doce. Eles podem se originar a partir do derretimento de neve e de geleiras, de um lago ou das águas das

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO N o 20, DE 29 DE JUNHO DE 2006 Estabelece procedimentos para remessa de amostra de componente do patrimônio genético existente

Leia mais

ULTÍMAS NOVIDADES EM BIODIVERSIDADE NO BRASIL

ULTÍMAS NOVIDADES EM BIODIVERSIDADE NO BRASIL ULTÍMAS NOVIDADES EM BIODIVERSIDADE NO BRASIL Rana Gosain O Brasil detém aproximadamente 23% dos recursos biológicos do planeta - território fértil para abuso e exploração de valores biotecnológicos. Rana

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2006 Regulamenta o 4º do art. 225 da Constituição Federal, para instituir o Plano de Gerenciamento da Floresta Amazônica. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 Institui o Programa Nacional de Apoio aos Produtos Nativos do Cerrado e dá outras providências. Autor: Deputado

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 1, DE 8 DE JULHO DE 2002 (*)

RESOLUÇÃO N o 1, DE 8 DE JULHO DE 2002 (*) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO N o 1, DE 8 DE JULHO DE 2002 (*) Estabelece procedimentos para a remessa, temporária ou definitiva, de amostra de componente

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 Altera os arts. 1º, 8º e 9º da Lei nº 5.197, de 3 de janeiro de 1967, que dispõe sobre a proteção

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO N o 25, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2005 Estabelece procedimentos para a remessa de amostra de componente do patrimônio genético

Leia mais

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa.

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa. Biodiversidade Introdução Na Estratégia Nacional para a Biodiversidade, desenvolvida pelo Ministério do Meio Ambiente, acordou-se que o Brasil deve dar ênfase para seis questões básicas: conhecimento da

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS TEMA Conhecimentos Tradicionais RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Tema Conhecimentos Tradicionais RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais

2 - Quem autoriza o acesso é o CGEN ou o povo detentor do conhecimento tradicional?

2 - Quem autoriza o acesso é o CGEN ou o povo detentor do conhecimento tradicional? Dúvidas e pontos polêmicos levantados na discussão sobre o Anteprojeto de Lei de Acesso ao Material Genético e seus Produtos, de Proteção aos Conhecimentos Tradicionais Associados e de Repartição de Benefícios

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 19, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 19, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 19, DE 2012 Biodiversidade Conservação e Uso Sustentável Carmen Rachel Scavazzini Marcondes Faria O principal instrumento jurídico internacional para a conservação e o uso sustentável

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Saúde Indígena no Brasil

Saúde Indígena no Brasil PAINEL I Particularidades genéticas das populações amazônicas e suas possíveis implicações Coordenação de Mesa: Wim Degrave. Saúde Indígena no Brasil Mário R. Castellani Abordarei um pouco do que estamos

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DO PROGRAMA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA KRAHÔ/CAPES/INEP/UFT

EXPERIÊNCIAS DO PROGRAMA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA KRAHÔ/CAPES/INEP/UFT 269 EXPERIÊNCIAS DO PROGRAMA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA KRAHÔ/CAPES/INEP/UFT Joilda Bezerra dos Santos (UFT) joildabezerra@uol.br 1 Raylon da Frota Lopes (UFT) railonfl@hotmail.com 2

Leia mais

Cerrado em foco. Ecossistema. Pequi

Cerrado em foco. Ecossistema. Pequi Cerrado em foco Ecossistema Pequi O Ecossistema é o conjunto formado por dois grandes grupos, os seres que tem vida e os que não tem. Tudo o que tem vida, é chamado de ser biótico. São as plantas, os animais,

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 259, de 2010 Complementar, que altera a Lei Complementar nº 126, de 15 de janeiro de 2007, que dispõe sobre a

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA. Anexo 5 27 Projeto revitalização cultura Arara

CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA. Anexo 5 27 Projeto revitalização cultura Arara CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA Anexo 5 27 Projeto revitalização cultura Arara Projeto Resgate do Artesanato Arara do Laranjal Consultor responsável: Francisco Fortes

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

MANUTENÇÃO DE ILHAS NA FLORESTA EN KATOONARIB PAKAWAN WATAAPAN WA KATONARUN KIDA DA'A'A WA WIZI'I KATONARUBA'A.

MANUTENÇÃO DE ILHAS NA FLORESTA EN KATOONARIB PAKAWAN WATAAPAN WA KATONARUN KIDA DA'A'A WA WIZI'I KATONARUBA'A. MANUTENÇÃO DE ILHAS NA FLORESTA EN KATOONARIB PAKAWAN WATAAPAN WA KATONARUN KIDA DA'A'A WA WIZI'I KATONARUBA'A. O que são ilhas de floresta? Uma isla de floresta é semelhante a ter uma ilha no meio do

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

ESTRUTURA DE METAS E INDICADORES DA CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA. Braulio Dias, coordenador de Conservação da Biodiversidade, MMA/SBF

ESTRUTURA DE METAS E INDICADORES DA CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA. Braulio Dias, coordenador de Conservação da Biodiversidade, MMA/SBF ESTRUTURA DE METAS E INDICADORES DA CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA Braulio Dias, coordenador de Conservação da Biodiversidade, MMA/SBF O único tema da pauta da CONABIO desde 2003 que não foi concluído

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.747, DE 5 DE JUNHO DE 2012 Institui a Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas PNGATI,

Leia mais

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução.

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. RESUMO ESPANDIDO O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. Alcione Adame 1 INTRODUÇÃO Ao contrário do que a mídia a muita gente pensa a lei 12.651/12, conhecida como Novo Código Florestal, não

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. Carlos Souza) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO. (Do Sr. Carlos Souza) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Carlos Souza) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Defesa, sugerindo que sejam adotadas providências determinativas para o combate à biopirataria na Amazônia. Senhor Presidente:

Leia mais

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA António Gonçalves Henriques CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA CONCEITOS DE BASE Biodiversidade ou Diversidade Biológica é o conjunto das diferentes

Leia mais

Padrão de Desempenho 5 V2a Aquisição de Terra e Reassentamento Involuntário

Padrão de Desempenho 5 V2a Aquisição de Terra e Reassentamento Involuntário Introdução 1. O Padrão de Desempenho 5 reconhece que o processo de aquisição de terra vinculado a um projeto e as restrições ao uso da terra relacionadas a projetos específicos podem ter impactos adversos

Leia mais

OIT COP 12, COP- MOP 7, COP-MOP

OIT COP 12, COP- MOP 7, COP-MOP Protocolo Comunitário de Raizeiras do Cerrado direito consuetudinário da medicina tradicional por raizeiras no Brasil; E a experiência brasileira sobre consulta e consentimento prévio e informado da CDB

Leia mais

MANIFESTO PÚBLICO CONTRA A PEC 215/2000

MANIFESTO PÚBLICO CONTRA A PEC 215/2000 MANIFESTO PÚBLICO CONTRA A PEC 215/2000 Brasília (DF), junho de 2015. No dia 19 de maio de 2015, na Câmara dos Deputados, organizações e movimentos sociais, indígenas, indigenistas e ambientalistas, junto

Leia mais

Competência dos Entes Federativos na Legislação Ambiental

Competência dos Entes Federativos na Legislação Ambiental Competência dos Entes Federativos na Legislação Ambiental Abril 2009 Prof. Dr. Roger Stiefelmann Leal nas Constituições Anteriores Constituição de 1946 Art 5º - Compete à União: XV - legislar sobre: l)

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.602, DE 2010 Susta os efeitos do Decreto nº 7.154, de 9 de abril de 2010. Autora: Deputado SARNEY FILHO Relator:

Leia mais

18. EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E SAÚDE: RECONHECENDO ESPAÇOS SOCIAIS E RESSIGNIFICANDO CONCEITO

18. EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E SAÚDE: RECONHECENDO ESPAÇOS SOCIAIS E RESSIGNIFICANDO CONCEITO 18. EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E SAÚDE: RECONHECENDO ESPAÇOS SOCIAIS E RESSIGNIFICANDO CONCEITO Não podemos deixar de considerar que o que a sociedade admite por saúde também está sempre presente na sala

Leia mais

1 O número concreto. Como surgiu o número? Contando objetos com outros objetos Construindo o conceito de número

1 O número concreto. Como surgiu o número? Contando objetos com outros objetos Construindo o conceito de número Página 1 de 5 1 O número concreto Como surgiu o número? Contando objetos com outros objetos Construindo o conceito de número Como surgiu o número? Alguma vez você parou para pensar nisso? Certamente você

Leia mais

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis Diálogo com a Comunidade Um balanço das ações sustentáveis Veracel Celulose É uma empresa 100% baiana, presente em dez municípios do Extremo Sul do estado: Eunápolis, Porto Seguro, Santa Cruz Cabrália,

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO DEPARTAMENTO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO DEPARTAMENTO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO DEPARTAMENTO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RELATÓRIO FINAL SOBRE A CONSULTA PÚBLICA Nº 02 DO CGEN

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

GRUPO VIII 3 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO VIII 3 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 15/9/2010 PROVA GRUPO GRUPO VIII 3 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

PRONUNCIAMENTO SOBRE PARCERIA DO GOVERNO BRASILEIRO E DO BID PARA INVESTIMENTOS NO SETOR DE TURISMO NA REGIÃO AMAZÔNICA

PRONUNCIAMENTO SOBRE PARCERIA DO GOVERNO BRASILEIRO E DO BID PARA INVESTIMENTOS NO SETOR DE TURISMO NA REGIÃO AMAZÔNICA PRONUNCIAMENTO SOBRE PARCERIA DO GOVERNO BRASILEIRO E DO BID PARA INVESTIMENTOS NO SETOR DE TURISMO NA REGIÃO AMAZÔNICA DEPUTADO MARCELO SERAFIM (PSB-AM) Senhoras Deputadas, Senhores Deputados, Povo do

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil (RCNEI) parte 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Biologia da Conservação. Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida

Biologia da Conservação. Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida Biologia da Conservação Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO Ciência multidisciplinar que foi desenvolvida como resposta à crise

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 398, de 2012, do Senador Pedro Taques, que

Leia mais

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências Nome: Ano: 5º Ano 1º Etapa 2014 Colégio Nossa Senhora da Piedade Área do Conhecimento: Ciências da Natureza Disciplina:

Leia mais

PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006

PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006 PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006 O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO FUNAI, no uso das atribuições que lhes são conferidas pelo Estatuto, aprovado pelo Decreto n. 4.645, de 25 de

Leia mais

MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA RURAL

MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA RURAL MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA RURAL Mensagem do Ministério Público do Estado de Goiás O Ministério Público do Estado de Goiás MPGO tem a missão de defender a ordem jurídica, o regime democrático e

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM.

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 30 DE MAIO DE 2011 Normatiza a atividade de silvicultura econômica com espécies nativas

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010 (Do Sr. Eduardo Barbosa) Susta a aplicação do 1º do art. 29 da Resolução CNE/CEB nº 4, de 13 de julho de 2010, da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS TEMA Acesso e Repartição de Benefícios RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS

Leia mais

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei.

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei. LEI MUNICIPAL Nº. 947/2010 Institui a Política Municipal de Meio Ambiente, cria o Conselho e Fundo Municipal de Meio Ambiente e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado

Leia mais

Aula 3 de 4 Versão Aluno

Aula 3 de 4 Versão Aluno Aula 3 de 4 Versão Aluno As Comunidades Indígenas Agora vamos conhecer um pouco das características naturais que atraíram essas diferentes ocupações humanas ao longo dos séculos para a Região da Bacia

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 2.123, DE 2003 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

PROJETO DE LEI N o 2.123, DE 2003 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 2.123, DE 2003 Acrescenta expressão ao parágrafo único do art. 2º da Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965. Autor: Deputado

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia OS RECURSOS NATURAIS E A SUSTENTABILIDADE: UM ESTUDO DOS MODOS DE VIDA NA COMUNIDADE SÃO FRANCISCO DE ASSIS - BAIXO

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena

Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena Série Movimentos Sociais Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena Entre os dias 22 e 25 de abril, houve a IV Festa Nacional do Índio, na Praia da Enseada, em Bertioga. Trata-se

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE AGRONÔMICA ESTADO DE SANTA CATARINA

PREFEITURA MUNICIPAL DE AGRONÔMICA ESTADO DE SANTA CATARINA EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2014 JULGAMENTO DOS RECURSOS CONTRA QUESTÕES E GABARITO DAS PROVAS ESCRITAS Número de recursos Prova/Conteúdo Questão Despacho Decisão Dois candidatos impetraram recurso

Leia mais

@ D @ LI Fei* Sub-director da Comissão da Lei Básica da RAEM do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional, RP da China

@ D @ LI Fei* Sub-director da Comissão da Lei Básica da RAEM do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional, RP da China Estudar a Fundo o Sistema da Região Administrativa Especial e Promover a Grande Prática de Um País, Dois Sistemas : Discurso no Fórum de Alto Nível sobre Um País, Dois Sistemas de 6 de Dezembro de 2011

Leia mais

COMISSÃO MISTA SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS

COMISSÃO MISTA SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS COMISSÃO MISTA SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS VALORAÇÃO DA BIODIVERSIDADE E PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Deputado Arnaldo Jardim Brasília Março de 2013 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA Política Nacional

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

Considerando, ainda, a necessidade de serem designadas Autoridades Administrativas e Científicas nos países signatários da Convenção; e

Considerando, ainda, a necessidade de serem designadas Autoridades Administrativas e Científicas nos países signatários da Convenção; e DECRETO N o 3.607, DE 21 DE SETEMBRO DE 2000. Dispõe sobre a implementação da Convenção sobre Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção - CITES, e dá outras providências.

Leia mais

PSA 2009. I Seminário Paulista sobre pagamento por serviços ambientais. JORGE KHOURY Deputado Federal. 3 de novembro de 2009 Auditório Augusto Ruschi

PSA 2009. I Seminário Paulista sobre pagamento por serviços ambientais. JORGE KHOURY Deputado Federal. 3 de novembro de 2009 Auditório Augusto Ruschi PSA 2009 I Seminário Paulista sobre pagamento por serviços ambientais JORGE KHOURY Deputado Federal 3 de novembro de 2009 Auditório Augusto Ruschi 1 PSA 2009 PROJETO DE LEI NACIONAL SOBRE SERVIÇOS AMBIENTAIS

Leia mais

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO Em resposta à questão de ordem apresentada pelo Senador

Leia mais

Curso de Desenvolvimento. sustentável.

Curso de Desenvolvimento. sustentável. 50 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 Curso de Desenvolvimento Sustentável Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras proferidas sobre

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Direito Ambiental Internacional e Interno: Aspectos de sua Evolução Publicado na Gazeta Mercantil em 12 de dezembro de 2002 Paulo de Bessa Antunes Advogado Dannemann Siemsen Meio

Leia mais

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador MARCELO CRIVELLA

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador MARCELO CRIVELLA PARECER Nº, DE 2009 Da COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 117, de 2006, que regula o exercício profissional de Geofísico e altera

Leia mais

EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA. Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2

EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA. Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2 37 EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2 Resumo: Com a urbanização, o tráfico nacional e internacional de espécies e exploração dos recursos naturais de maneira mal planejada

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador CRISTOVAM BUARQUE I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador CRISTOVAM BUARQUE I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2009 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 157, de 2002, do Senador Carlos Bezerra, que acrescenta art. 392-B à Consolidação das Leis

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

Código Florestal a serviço do latifúndio e do agronegócio

Código Florestal a serviço do latifúndio e do agronegócio Código Florestal a serviço do latifúndio e do agronegócio 10 de novembro de 2011 Por Djoni Roos* A cobertura vegetal brasileira vem desde muito tempo sendo destruída. Desde a invasão portuguesa no século

Leia mais

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 Editora F-5MA2 Rua Floriano Peixoto Santos, 55 Morumbi CEP 05658-080 São Paulo - SP Tel.: (11) 3749 3250 Apresentação A população crescendo, florestas sumindo, calor aumentando,

Leia mais