Sistema Intermunicipal de Capacitação em Planejamento e Gestão Local Participativa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema Intermunicipal de Capacitação em Planejamento e Gestão Local Participativa"

Transcrição

1 Sistema Intermunicipal de Capacitação em Planejamento e Gestão Local Participativa MÓDULO BÁSICO 1. Objetivos Conforme previsto no Projeto Sistema Intermunicipal de Capacitação em Planejamento e Gestão Local Participativa, um dos produtos a serem gerados é o Módulo Básico, juntamente com os demais módulos das cidades sócias. O módulo básico deve ser um elemento articulador e de introdução a cada um dos módulos, evitando, assim a atomização das ofertas. Isto significa que as ofertas dos módulos devem ser acompanhadas de um marco teórico-prático mais amplo sobre planejamento e gestão local participativa. Este marco pretende ter um caráter conceitual acessível e se, possível, ilustrativo. Isto é, deve apresentar os conteúdos embasados em seus conceitos fundamentais possibilitando, aos que cursarão os módulos, obter uma visão coerente e de conjunto dos temas relativos à gestão local e ao planejamento participativo, que auxiliarão a discussão posterior sobre a especificidade temática de cada um dos módulos a serem demandados. O caráter conceitual pretendido não implica apenas teoria. Serão utilizadas experiências ilustrativas e estudos de casos preferencialmente extraídos das cidades sócias do sistema. O conteúdo proposto não representa uma simples soma dos temas desenvolvidos em cada um dos módulos. Ao contrário disso ele contém as principais questões presentes no desafio de implantar e/ou fortalecer processos de gestão local participativos. Estas questões, de certa forma, foram selecionadas na própria representação das experiências que fazem parte do Projeto B. São questões complementares e articuladas (como por exemplo: transversalidade, informação, co-resposabilidade, medição de impactos e avaliação), que constituem, por meio do módulo básico, a arquitetura do sistema de capacitação. Como elemento introdutório aos futuros demandantes, espera-se que contribuam para construir uma consciência sobre a complexidade e a multidimencionalidade dos processos participativos proporcionando maior qualidade na capacitação.

2 2. Resultados pedagógicos esperados - Aquisição de bases teóricas e críticas sobre democracia participativa. - Compreensão dos conceitos usados nos diferentes módulos oferecidos pelo sistema de capacitação. - Conhecimento dos conteúdos dos diferentes módulos especializados. - Exposição a perguntas transversais. 3. Duração do curso extra-classe. O módulo básico tem uma duração de 18 horas. O restante das atividades serão 4. Trabalho individual de final de módulo. O participante terá opção de escolher entre duas modalidades: - Ensaio a partir de um dos textos de referência (bibliografia base). Esta análise critica terá um caráter analítico e crítico, de no máximo 1500 palavras (5 páginas). Este trabalho é individual. - Perfil de uma experiência participativa, se fosse possível em sua cidade de residência, atual ou passada. Uma guía para documentar o caso será entregue no início do curso. A preparação do perfil de experiência será coletivo (duas a três pessoas).

3 5. Certificação A base de avaliação do participante será a partir de três critérios - Presença nas sessões. Será aceito somente uma ausência justificada (40% do valor da nota final) - Participação durante as sessões (30%) - Trabalho final (30%) O participante que não passar na média requerida não receberá o certificado e não estará habilitada para os módulos especializados. 6. Modalidades pedagógicas de cada sessão - Introdução ao tema da sessão de forma presencial, ou filmada, ou através de uma videoconferência. - Discussão entre os participantes, o conferencista e o instrutor local do módulo. - Cada sessão será teórico-práctica e construída a partir de estudos de caso. Os estudos de caso serão fundamentalmente sobre as demais cidades que fazem parte do Sistema de Capacitação: Córdoba, Porto Alegre, Rosário, Barcelona, Quito, Cuenca, San Salvador, Região Toscana e Belo Horizonte. 8. Descrição de cada uma das sessões SESSÃO 1. DEMOCRACIA PARTICIPATIVA, DEMOCRACIA DELIBERATIVA e GOVERNANÇA Introdução aos conceitos de democracia representativa, deliberativa e democracia direta. Apresentação do conceito de Governança a nível global e contribuição de algumas cidades ao conceito (em particular governança solidária).

4 Relações entre governabilidade, formas de democracia e debates políticos sobre estas relações. Um debate com os participantes sobre as relações entre planejamento, orçamentos participativos e formas de democracia. SESSÃO 2. PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO E GESTÃO DO TERRITÓRIO: POTENCIAIS E LIMITES A legislação da Região Toscana em matéria de Gestão do Território (lei 2005/1) e de Participação (lei 69/2007) será apresentada em termos de conteúdos, finalidades e instrumentos. Durante o debate ou do trabalho em grupo as relações existentes e desejáveis entre participação e Território serão discutidas. A segunda parte da sessão aborda os princípios, base do planejamento estratégico, principalmente a partir de dois ângulos: participativo e territorial. A experiência de Rosário será analisada, e discutida durante a sessão, mostrando seus alcances e as dificuldades encontradas. O módulo oferecido por Rosário será apresentado durante a sessão. SESSÃO 3. MÉTODOS, TÉCNICAS E INSTRUMENTOS DE PARTICIPAÇÃO Nesta sessão do módulo será apresentado a metodologia participativa aplicável a diversos níveis institucionais e a diversos casos de política local e territorial. Com particularidade e profundidade sobre uma recente experiência, havidas inclusive após a aplicação da normativa regional. Apresentação de política de participação e dos canais de participação de San Salvador. Experiências ilustrativas: Toscana e San Salvador, Córdoba. Módulo específico que será introduzido durante a sessão: San Salvador SESSÃO 4. ORÇAMENTOS PARTICIPATIVOS - INTRODUÇÃO Contextos internacional e nacional do Brasil que ambientaram o surgimento dos Orçamentos Participativos como novas formas de gestão pública que se expande no mundo a partir dos anos 1990.

5 Destaque para alguns elementos da realidade brasileira, onde brotaram as principais experiências desde o final da década de Histórico do surgimento do OP de Porto Alegre e seu funcionamento atual, como ilustração e estudo de caso. Discussão dos principais elementos que estão em jogo na construção dos Orçamentos Participativos e as principais condições e variáveis que interferem na construção dessa forma de democracia participativa. Exemplos ilustrativos Apresentados: Porto Alegre, principalmente; os demais de forma secundária ou comparativa. Módulo específico que será introduzido durante a sessão: Porto Alegre SESSÃO 5. COMO DIFERENCIAR ENTRE OS ORÇAMENTOS PARTICIPATIVOS (OPs) - ANÁLISE CRÍTICA Uma das dificuldades, porém também uma das riquezas dos Orçamentos Participativos, é de que nenhuma experiência se parece exatamente com outra. Possuem diferenças, as vezes qualitativas, que as fazem totalmente diferentes, e em certas ocasiões, estas diferenças são somente quantitativas. Para facilitar a compreensão das experiências que se autodenominam como Orçamentos Participativos, se propõe 18 variáveis organizadas em quatro dimensões consideradas chaves: a) Participativa, que considera tanto a participação cidadã como a participação do governo local. Trata-se da dimensão mais analisada na literatura existente e nos debates atuais; b) Financeira, fiscal e orçamentária; c) Normativa, legal e d) Territorial. Para cada uma das variáveis se tentou identificar ajustes mínimos, ajustes medianos e ajustes avançados. A proposta de diferenciação será ilustrada e experimentada a partir das experiências das cidades de Belo Horizonte e de Córdoba. Ao final da sessão, será discutido de forma crítica os riscos relacionados com a modernização dos OPs e com a vontade de unificar os OPs. Módulo específico que será introduzido durante a sessão: Córdoba. SESSÃO 6. INFORMAÇÃO, COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO A modalidade participativa de gestão reserva um papel especial para a informação e a comunicação. Para que uma discussão se torne verdadeiramente pública faz-se necessário a máxima igualdade de condições de informações, seja das informações sobre o

6 que está em jogo na decisão, seja sobre as alternativas possíveis ou sobre os conhecimentos técnicos necessários. A Região Toscana, por exemplo, tem fornecido aportes teóricos e práticos que ressaltam a relação direta entre a qualidade democrática do processo decisional e certas características organizativas, estruturais e metodológicas, para garantir a máxima inclusividade dos cidadãos Considerando-se as experiências latino-americanas, a informação adquire o estatuto de comunicação inclusiva quando consegue adotar linguagens específicas e procedimentos que levem em consideração as condições desiguais e assimétricas do público, em especial em contextos de forte desigualdade social em termos de nível de ensino. A valorização do saber-fazer das classes populares é um poderoso instrumento de construção de decisões públicas que reconhece os diversos tipos de conhecimento existente. Conectar e interagir, democraticamente, os diversos tipos de conhecimento é um grande desafio para o avanço da democracia participativa, no contexto atual onde cada vez mais se fazem presentes os elementos e o discurso da ciência e da tecnologia. - Exemplos ilustrativos: Lei Toscana de participação, Belo Horizonte, Porto Alegre SESSÃO 7. FINANÇAS MUNICIPAIS E DIMENSÃO FINANCEIRA DOS OPs Estrutura de um orçamento municipal e das finanças municipais: valores, entradas, saídas, origem dos recursos. Ciclo anual de formulação, aprovação, execução e prestação de contas de um orçamento não participativo. Aprofundamento da dimensão financeira dos OPs, tanto em sua fase de programação/aprovação acontecendo no ano 1 (um), como em sua fase de execução (desembolsos, controle financeiro, regras de licitação, etc) que podem acontecer no ano 2 (dois). Os pontos nevrálgicos para facilitar um bom desenvolvimento do OP serão identificados e discutidos coletivamente. A apresentação será ilustrada com dois casos, um da Europa e outro da América Latina (Barcelona e San Salvador). SESSÃO 8. ASSIMETRIA E INIQUIDADES DA PARTICIPAÇÃO Um dos maiores mitos da democracia participativa, mesmo das formas mais diretas, é supor a igualdade de condições da participação de todos os indivíduos e atores

7 sociais. Outro equívoco é entender que a desigualdade é basicamente de ordem material, como se essa dimensão uma vez resolvida estabelecesse níveis de homogeneidade social. Ao contrário desses supostos, as práticas de participação (mesmo as mais diretas, isto é, sem delegação comunitária), apresentam atores variados, com histórias, interesses, motivações, trajetórias e, sobretudo, recursos (sociais, políticos, culturais e simbólicos) desiguais entre si. A participação, portanto, deve ser assumida como um processo que coloca em jogo as desigualdades, as iniquidades, as assimetrias e as exclusões de variada ordem que existem nas sociedades e nos contextos específicos onde elas ocorrem. É fundamental a adoção de métodos que objetivem incorporar os valores do pluralismo, da heterogeneidade, da transversalidade das políticas e da equidade em termos de participação e de seus resultados. A experiência de Quito é uma das que mais avançou no sentido prático de promover a equidade entre gêneros. Pelo destaque que Quito vem obtendo, tanto em termos teóricos quanto práticos, será adotada como exemplo que ilustra as possibilidades da participação com equidade e transversalidade das políticas públicas a partir desse enfoque. Exemplo ilustrativo: Quito SESSÃO 9. RISCOS E TENSÕES INERENTES AOS PROCESSOS PARTICIPATIVOS Os processos participativos, embora sejam específicos a uma série de variáveis que interagem entre si, geralmente enfrentam resistências tanto de origem cultural e ideológica, como também decorrentes das condições objetivas que conformam a historicidade do seu contexto local e do entorno nacional e internacional. A vontade política dos dirigentes é uma variável chave. Todavia, o sucesso da criação de um novo modelo participativo em geral é confrontado com restrições inerentes às tensões dos processos de criação de novas instituições democráticas, seja no plano técnico, político, administrativo, cultural, etc. Trata-se de tensões que não podem ser resolvidas de forma unilateral. Isto é, precisam ser gerenciadas, bem administradas e negociadas para que não se tornem empecilhos à participação. Por outro lado, a participação popular não é panacéia para todos os problemas. Colocá-la em movimento supõem estar aberto para as incertezas e os diversos tipos de riscos que todo inovador processo democrático contêm, tais como a cooptação, a burocratização, novas formas de clientelismo, o reforço à cultura paternalista, etc.

8 SESSÃO 10. AVALIAR, MONITORAR E CONTROLAR PROCESSOS PARTICIPATIVOS Uma das aprendizagens mais importantes das experiências participativas diz respeito às formas, métodos e procedimentos adotados para monitorar os processos de participação e, ao mesmo tempo, controlá-los. O primeiro aspecto a ser ressaltado na seção é a construção da consciência sobre a importância de avaliar as práticas como parte do próprio ciclo da participação. Porém, avaliar pode adquirir aspectos complexos: o que se avalia, para que se avalia, como se avalia, quem avalia. Trata-se de métodos mais políticos ou mais instrumentais ou metodológicos? Avaliar requer marcos conceituais, tipologias e indicadores que possam auxiliar o procedimento das ações e o controle das decisões por parte dos atores e dos agentes governamentais. A elaboração do Guia Prático coordenado por Barcelona e pelo OIDP é uma contribuição para a rede URB-AL e para todas as práticas que queiram adotar a avaliação como forma sistemática dos processos participativos. Nos marcos do trabalho do OIDP, a criação do Observatório da Cidade de Porto Alegre e a produção de informações sobre bens públicos, sejam georeferenciadas, sejam por estudos acadêmicos sobre o perfil social, associativo e a avaliação dos participantes do Orçamento Participativo, também ilustram as possibilidades das funções de monitoramento e de controle do próprio movimento participante. Da mesma forma, a criação de uma metodologia específica para avaliar os impactos distributivos das decisões, por parte da Prefeitura de Belo Horizonte, tem se revelado como uma inovação de grande significado para o aperfeiçoamento dos casos de participação. Exemplos ilustrativos: Barcelona; Belo Horizonte; Porto Alegre Módulo específico introduzido durante a sessão: Barcelona SESSÃO 11. RELACÕES ENTRE OPS E O SISTEMA DE PLANEJAMENTO. DIMENSÃO TERRITORIAL DOS OPS Um dos conceitos centrais estudados será de inversão de prioridades, em particular a nível territorial. Breve introdução dos OPs existindo diversas escalas territoriais (Inframunicipal, provincial y regional) e suas especificidades. As múltiplas pontes entre OPs e sistema de planejamento (físico, setorial, estratégico, etc.) serão abordados e os problemas e soluções serão discutidos. Uma atenção especial será dados aos OPs dos pequenos municípios e

9 dos municípios rurais. Os OPs em áreas rurais de municípios são detalhados a partir da experiência de Cuenca. Módulo específico que será introduzido durante a sessão: Cuenca. SESSÃO 12. LIÇÕES APRENDIDAS Breve descrição da sessão: Formulário de avaliação; discussão dos temas mais importantes; retomada de temas que não forem suficientemente trabalhados. Possível entrega e apresentação dos trabalhos finais por parte dos participantes. BIBLIOGRAFIA SESSÃO 1. DEMOCRACIA PARTICIPATIVA, DEMOCRACIA DELIBERATIVA e GOVERNANÇA SANTOS, Boaventura Souza (org). Democratizar a democracia. Os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro:Civilização Brasileira, Cabannes, Y. La democracia en la ciudad, Documento base, Red Tematica 3 URB-AL, Issy Les Moulineaux, (disponível em 5 idiomas). Pp 5 a 30. SILVA, Filipe Carreira. Democracia deliberativa: avaliando seus limites (www.ces.uc.pt/publicacoes/oficina/203/203.pdf) FEDOZZI, Luciano. Presupuesto Participativo y esfera pública: Elementos para un debate conceptual. In: FISCHER, Nilton e MOLL, Jaqueline (orgs.) Por uma nova esfera pública. Rio de Janeiro: Vozes, SESSÃO 2. PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO E GESTÃO DO TERRITÓRIO: POTENCIAIS E LIMITES Leyes Region Toscana 2005/1 sobre Gestión del Territorio y Ley 69/2007 sobre Participación. Extractos del Plan Estratégico de Rosario (la dimensión participativa) Relaciones entre Plan estratégico y descentralización SESSÃO 3. MÉTODOS, TÉCNICAS E INSTRUMENTOS DE PARTICIPAÇÃO

10 Extractos de la ley Toscana de participación. Ordenanza de San Salvador sobre Participación y Transparencia. Manual sobre S. Salvador SESSÃO 4. ORÇAMENTOS PARTICIPATIVOS - INTRODUÇÃO FEDOZZI, Luciano. Orçamentos Participativos: potencialidades, limites e principais dilemas dessa invenção democrática contemporânea. Cabannes, Yves. Preguntas frecuentes sobre OP (portugués). UN Habitat. BANCO INTERNACIONAL DE RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO. Rumo a um Orçamento Participativo mais inclusivo e efetivo em Porto Alegre. Washington, DC, (versão completa ) SESSÃO 5. COMO DIFERENCIAR ENTRE OS ORÇAMENTOS PARTICIPATIVOS (OPs). ANÁLISE CRÍTICA. Cabannes, Yves. Presupuestos Participativos: Marco conceptual y análisis de su contribución a la Gobernanza Urbana y a los objetivos de Desarrollo del Milenio. Documento Conceptual. Quito, 2004, PGU-ALC, UN-HABITAT, UNDP, 44p. (cap 1, pp 7 a 23, Diferencias entre los presupuestos participativos) FERNÁNDEZ, Ernesto Ganuza y FORTES Braulio Gomes. Control político y participación en democracia: los presupuestos participativos. Fundación Alternativas, 2008 SESSÃO 6. INFORMAÇÃO, COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO Libro comunicar para informar Documento Observatório da Cidade de Porto Alegre SESSÃO 7. FINAÇAS MUNICIPAIS E DIMENSÃO FINANCEIRA DOS OPs Cabannes, Yves. Presupuesto participativo y finanzas locales. Documento Base. PP 42 a 64, sección finanzas y presupuesto participativo. Segunda versão ampliada, Ayuntamiento Municipal de Porto Alegre, Red Urbal N 9, Porto Alegre, Mayo 2005, 183p. Bajar en (disponível em cinco idiomas) SESSÃO 8. ASSIMETRIA E INIQUIDADES DA PARTICIPAÇÃO

11 FEDOZZI, Luciano. Democracia participativa, lutas por igualdade e iniqüidades da participação. Rio de Janeiro:CEBES, 2009 (prelo). SESSÃO 9. RISCOS E TENSÕES INERENTES AOS PROCESSOS PARTICIPATIVOS FEDOZZI, Luciano. A invenção permanente da democracia. Contribuições à discussão sobre o presente e o futuro do OP de Porto Alegre. In: VERLE, J. e BRUNET, L. Construindo um novo mundo. Porto Alegre: Guayí, DOC BASE URBAL: PARTE DE LOS DESAFIOS NAVARRO, Zander. O Orçamento Participativo de Porto Alegre ( ): Um conciso comentário crítico. In: Avritzer e Navarro. A inovação democrática no Brasil. Ed. Cortez, 2002, p SESSÃO 10. AVALIAR, MONITORAR E CONTROLAR PROCESSOS PARTICIPATIVOS EVALUACION DE PROCESSOS PARTICIPATIVOS. Guia Prática. Documento de apoyo Observatorios Locales de Democracia Participativa. Octubre-Novembre OIDP. URB- AL. Acciones afirmativas en beneficio de áreas más necesitadas. El IQVU de Belo Horizonte. Instrumentos de Articulación entre Presupuesto Participativo y Ordenamiento Territorial. URBA-AL (2007, p, 20-34) FEDOZZI, Luciano. Observando o Orçamento Participativo de Porto Alegre. Análise histórica de dados: perfil social e associativo, avaliação e expectativas. Tomo Editorial e Observapoa (2007) (estudo de caso) SESSÃO 11. RELACÕES ENTRE OPS E O SISTEMA DE PLANEJAMENTO. DIMENSÃO TERRITORIAL DOS OPS. Cabannes, Yves. Presupuesto participativo y finanzas locales. Documento Base. Segunda versión ampliada, Alcaldía Municipal de Porto Alegre, Red Urbal N 9, Porto Alegre, Mayo 2005, 183p. Download (disponible en cinco idiomas) Cabannes, Y. Instrumentos de Articulación entre Presupuesto Participativo y Ordenamiento Territorial, CIGU, marzo Proyecto URBAL. Una síntesis basada en las experiencias de Ariccia (Italia), Belo Horizonte y Guarulhos (Brasil) y Córdoba, España (disponible en español, inglés, portugués),

Sistema Intermunicipal de Capacitação em Planejamento e Gestão Local Participativa. Projeto B - URB-AL Prefeitura Municipal de Porto Alegre

Sistema Intermunicipal de Capacitação em Planejamento e Gestão Local Participativa. Projeto B - URB-AL Prefeitura Municipal de Porto Alegre Sistema Intermunicipal de Capacitação em Planejamento e Gestão Local Participativa Projeto B - URB-AL GUIA FINANCEIRO O projeto aprovado pela Comunidade Européia corresponde a 1.201.085 Euros O projeto

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO

CURSO DE CAPACITAÇÃO CURSO DE CAPACITAÇÃO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA REDE 9 - URB-AL FINANCIAMENTO LOCAL E ORÇAMENTO PARTICIPATIVO MÓDULO DE BARCELONA: AVALIAÇÃO DA PARTICIPAÇÃO

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

SEMINÁRIO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PORTO ALEGRE - 21 A 23 DE NOVEMBRO/2007

SEMINÁRIO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PORTO ALEGRE - 21 A 23 DE NOVEMBRO/2007 SEMINÁRIO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PORTO ALEGRE - 21 A 23 DE NOVEMBRO/2007 Informações gerais da cidade Ofertas de capacitação Demandas de capacitação

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA 16 a 20 de junho de 2014 CE154.R17 Original: inglês RESOLUÇÃO CE154.R17 ESTRATÉGIA PARA COBERTURA UNIVERSAL DE SAÚDE A 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO,

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Linha 2- Desenvolvimento e Conflitos Sociais:

Linha 2- Desenvolvimento e Conflitos Sociais: UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL Edital 01/2014 CREDENCIAMENTO DE DOCENTES 1. PREÂMBULO A Coordenação do Programa

Leia mais

TEMÁRIO PROVISÓRIO ANOTADO

TEMÁRIO PROVISÓRIO ANOTADO Distr. LIMITADA LC/L.3659(CRM.12/2) 2 de agosto de 2013 PORTUGUÊS ORIGINAL: ESPANHOL Décima Segunda Conferência Regional sobre a Mulher da América Latina e do Caribe Santo Domingo, 15 a 18 de outubro de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento A construção da Base Nacional Comum para garantir Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Política pública de Educação ESTADO dever de educar legislação planejamento instituições CIDADÃO

Leia mais

GESTÃO PÚBLICA RELACIONAL. Antecedentes e contexto

GESTÃO PÚBLICA RELACIONAL. Antecedentes e contexto GESTÃO PÚBLICA RELACIONAL. Antecedentes e contexto O presente curso de capacitação está inserido no sistema intermunicipal de capacitação em planejamento e gestão local participativa a partir da experiência

Leia mais

URB-AL B Sistema Intermunicipal de Capacitação em Gestão Local Participativa

URB-AL B Sistema Intermunicipal de Capacitação em Gestão Local Participativa De l'aula d'acollida a l'aula Ordinària: les transicions de l'alumnat estranger URB-AL B Sistema Intermunicipal de Capacitação em Gestão Local Participativa Módulo de Barcelona Bellaterra, 30 de junho

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Módulo 4: Melhores práticas e lições aprendidas 4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Oficinas de capacitação do LEG para 2012-2013 - Oficina dos PMDs de língua portuguesa

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Fortalecimento da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior

Leia mais

Por que Projetos Sociais?

Por que Projetos Sociais? PROJETOS SOCIAIS Por que Projetos Sociais? Projetos são resultado de uma nova relação entre Estado e Sociedade Civil; Mudanças no que se relaciona à implantação de políticas sociais; Projetos se constroem

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil)

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil) TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS E AUTORIDADES DE OEA/Ser.K/XXXVII.3 ALTO NÍVEL RESPONSÁVEIS PELAS POLÍTICAS DE REDMU-III/INF. 4/05 DESCENTRALIZAÇÃO, GOVERNO LOCAL E PARTICIPAÇÃO 28 outubro 2005 DO CIDADÃO

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

CE150/INF/6 (Port.) Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE. Introdução

CE150/INF/6 (Port.) Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE. Introdução Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE Introdução 1. A Assembleia Mundial da Saúde, mediante a Resolução WHA62.14 (2009), Reduzir as desigualdades de saúde mediante ações sobre os determinantes

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

Documento referencial: uma contribuição para o debate

Documento referencial: uma contribuição para o debate Documento referencial: uma contribuição para o debate desenvolvimento integração sustentável participação fronteiriça cidadã 1. Propósito do documento O presente documento busca estabelecer as bases para

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HOSPITAL DE ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO DR. WASHINGTON ANTÔNIO DE BARROS DEZEMBRO DE 2013 SUMÁRIO MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO...

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida empresas e consultores

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE BRASÍLIA 2013 1 1. CAPITALISMO E A BAIXA INTENSIDADE DEMOCRÁTICA: Igualdade apenas Jurídica e Formal (DUSSEL, 2007), Forma

Leia mais

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Comissão Nacional de Energia Nuclear Instituto de Engenharia Nuclear Ministério da Ciência e Tecnologia Responsável: Isaac José Obadia - Coordenador-Geral

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

Programa Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Territórios Rurais PRONAT. Gestão Social e Desenvolvimento Territorial

Programa Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Territórios Rurais PRONAT. Gestão Social e Desenvolvimento Territorial Programa Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Territórios Rurais PRONAT Gestão Social e Desenvolvimento Territorial Antecedentes Questões relevantes (últimas décadas) Esgotamento do modelo de desenvolvimento

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1734 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1734 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 14/09/2012-16:47:15 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1734 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente

ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO I ÁREAS DE INTERESSE Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente a) Capacitação para implantação dos planos estaduais

Leia mais

Os meios da Universidade em projetos com financiamento externo: um olhar da Extensão

Os meios da Universidade em projetos com financiamento externo: um olhar da Extensão Os meios da Universidade em projetos com financiamento externo: um olhar da Extensão REUNI VII SEMINÁRIO NACIONAL A UNIVERSIDADE E SUAS RELAÇÕES COM O MEIO EXTERNO Profa. Dra. Eunice Sueli Nodari Universidade

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

Sugestões e críticas podem ser encaminhadas para o email: nape@ufv.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS:

Sugestões e críticas podem ser encaminhadas para o email: nape@ufv.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS: UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA ORIENTAÇÕES GERAIS PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Neste ano o processo seletivo será realizado por meio de um sistema

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

MODELO TOR CONSULTOR PESSOA FÍSICA

MODELO TOR CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODELO TOR CONSULTOR PESSOA FÍSICA PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO E DO PLANEJAMENTO DOS ESTADOS BRASILEIROS E DO DISTRITO FEDERAL - PNAGE Subexecutor: Secretaria do Estado do... Componente:

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

Princípios ref. texto nº de votos N

Princípios ref. texto nº de votos N Princípios N G A E Estimular os processos de articulação de políticas públicas nos territórios, garantindo canais de diálogo entre os entes federativos, suas instituições e a sociedade civil. Desenvolvimento

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: BRA/ 09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos luziele.tapajos@ufsc.br PLANEJAR O SUAS Definir horizontes da proteção

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Cursos a Distância com Tutoria Turmas com mínimo de 60 participantes

Cursos a Distância com Tutoria Turmas com mínimo de 60 participantes Cursos a Distância com Tutoria Turmas com mínimo de 60 participantes Análise e melhoria de processos - MASP Servidores públicos federais interessados em conhecer a gestão da qualidade e utilizá-la na melhoria

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO NA SAÚDE 1- Introdução: contextualização a iniciativa O curso

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme RESPONSÁVEIS Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme - 3350-8628 - ajayme@pmc.curitiba.pr.gov.br - SEPLAN

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social. Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis

Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social. Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis O que é? Um mecanismo (ou processo) pelo qual a população

Leia mais

Desafios e Perspectivas para o Orçamento Participativo

Desafios e Perspectivas para o Orçamento Participativo Desafios e Perspectivas para o Orçamento Participativo A Experiência de Belo Horizonte Claudinéia Ferreira Jacinto Secretaria Municipal Adjunta de Planejamento, Orçamento e Informação Prefeitura de Belo

Leia mais

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS TERMOS DE REFERÊNCIA Versão 17/07/2012 No âmbito de um processo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 Objeto da contratação Consultor sênior Título do Projeto Projeto BRA 07/010 Designação funcional Duração do contrato Consultoria por produto 04 meses Data limite para envio

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

A Introdução dos Domínios Adicionais no Departamento de Ciências Sociais

A Introdução dos Domínios Adicionais no Departamento de Ciências Sociais A Introdução dos Domínios Adicionais no A implantação de Domínios Adicionais em diversos cursos de graduação da PUC-Rio tem como objetivo estimular a formação interdisciplinar, capacitando os estudantes

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

GESTÃO PARTICIPATIVA E TECNOLOGIA: UMA ABORDAGEM NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA LOCAL

GESTÃO PARTICIPATIVA E TECNOLOGIA: UMA ABORDAGEM NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA LOCAL GESTÃO PARTICIPATIVA E TECNOLOGIA: UMA ABORDAGEM NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA LOCAL Ana Paula Magalhães Maciel 1 A Administração Pública brasileira enfrentou a partir da década de 80 um processo

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais