1. Sumário 1. Abstract

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Sumário 1. Abstract"

Transcrição

1 DOENÇAS INFECIOSAS NÃO ZOONÓTICAS EM GATOS Vala H Escola Superior Agrária de Viseu, Instituto Politécnico de Viseu. Quinta da Alagoa. Estrada de Nelas Viseu Centro de Estudos em Educação, Tecnologias e Saúde (CI&DETS), Instituto Politécnico de Viseu, Av. Coronel José Maria Vale de Andrade, Campus Politécnico, Viseu 1. Sumário As principais doenças infeciosas felinas não zoonóticas, incluem, entre outras, as doenças de etiologia vírica, designadamente: - a panleucopénia felina, causada pelo vírus da panleucopenia felina (FPV), da família Parvoviridae; - a peritonite infeciosa felina (PIF), causada pelo vírus da peritonite infeciosa felina (FIPV), um biótipo do coronavírus felino (FCoV), da família Coronaviridae; - as retroviroses felinas, leucose e imunodeficiência felina, causadas respetivamente pelo vírus da leucose felina (FeLV) e pelo vírus da imunodeficiência felina (FIV), ambos da família Retroviridae. Os cuidados de enfermagem são fundamentais para a recuperação de felídeos alvo destas viroses e terão que ser adaptados em função da doença em causa mas também do caso individual. Para que se cumpra este objetivo com sucesso, o enfermeiro veterinário deve dispor de conhecimentos exatos e precisos sobre o vírus, seu comportamento e propriedades, melhores meios de desinfeção, vantagens e programas de vacinação, bem como as medidas profiláticas a implementar, conteúdos desenvolvidos no presente trabalho. Palavras chave: gato; felídeo; viroses; doenças infecciosas não zoonóticas; panleucopénia felina; FPV; peritonite infeciosa felina; PIF; retroviroses felinas; Leucose felina, FeLV; Imunodeficiência felina; FIV. 1. Abstract 1

2 The main feline infectious not zoonotic diseases include, among others, diseases of viral aetiology, including: - Feline panleukopenia caused by feline panleukopenia virus (FPV), from Parvoviridae family; - Feline infectious peritonitis (FIP), caused by feline infectious peritonitis virus (FIPV), a biotype of feline coronavirus (FCoV), Coronaviridae family; - The feline retroviruses, feline leukemia and feline immunodeficiency caused by feline leukemia virus (FeLV) and feline immunodeficiency virus (FIV), respectively, both from Retroviridae family. Nursing care is critical to the recovery of cats afected by these viruses and has to be adjusted, according to the disease in question but also to the individual case. In order to successfully meet this goal, veterinary nurses must have exact and precise knowledge about the virus, its behavior and properties, improved means of disinfection, vaccination programs and it s benefits, as well as prophylactic measures to be implemented, topics that will be developed in this work. Key words: at; felid; viruses; non-zoonotic infectious diseases; feline panleukopenia; FPV; feline infectious peritonitis; FIP; feline retroviruses; feline leukemia; FeLV; feline immunodeficiency. 2. Caraterísticas virais, suscetibilidade e transmissão O FPV é muito resistente e ubiquitário no ambiente, devido à sua natureza muito contagiosa e capacidade de persistir nos fomites, ao contrário do FIPV que é relativamente lábil (Gaskell & Dawson, 2000). Os maiores subgrupos do FeLV que existem na natureza, FeLV-A, FeLV-B e FeLV- C, são rapidamente inativados e não sobrevivem muito tempo fora do hospedeiro (Phipps et al., 2000 Jarret & Hosie, 2004; Greene, 2006; Horzinek et al., 2007), caraterística comum ao FIV (Levy et al., 2008). O FPV é resistente aos desinfetantes químicos, exceto solução comercial de hipoclorito de sódio a 6% (Greene & Addie, 2006; Kennedy & Little, 2012), enquanto o FIPV, o FeLV e o FIV são inativados pela maioria dos desinfetantes comerciais (Weiss, 2

3 1994, Gaskell & Dawson, 2000), sendo a prática de desinfeção de grande importância, no que respeita ao controle de infeções indiretas (Lairmore, 2011). O FPV apresenta incidência baixa devido à vacinação massiva (Truyen et al., 2009). A PIF é uma manifestação rara da infeção por coronavírus felino, ocorrendo em apenas 5 a 10% dos gatos infetados (Kennedy, 2010) mas o FeLV e o FIV apresentam incidência elevada (Greene, 2006; Horzinek et al., 2007). No caso das infeções por FPV, são mais suscetíveis os gatos jovens, sendo a maior parte dos gatos expostos ou infetados no 1º ano de vida. A vida em grupo constitui o segundo fator predisponente mais importante, sendo frequente em gatis e colónias (Tilley& Smith, 2004; Truyen et al., 2009; MacLachlan & Dubovi, 2011). Para as infeções com FIPV, também são mais suscetíveis os jovens, maioritariamente antes dos 4 meses, bem como felídeos que apresentem estado imunitário deficitário ou vivam situações de stress, encontrando-se também descrita a predisposição genética, pelo que esta infeção surge mais frequentemente em raças puras e certas linhas familiares (Kennedy, 2010). A vida em grupo, sobretudo em condições de superpovoamento, em gatis e em colónias, bem como infeções concomitantes com FIV e FeLV são também condições predisponentes (Sherding, 2000; Kennedy, 2010). Para as retroviroses felinas são mais suscetíveis gatos com acesso ao exterior e que tenham contacto permanente com animais infetados, bem como gatos machos, uma vez que o principal meio de transmissão são as mordeduras, mais comuns em machos agressivos (Jarret & Hosie, 2004; Grotti, 2007; Lairmore, 2011). Para a leucose felina são também considerados fatores predisponentes as condições de higiene deficitárias, a elevada densidade populacional, a raça cruzada e a idade jovem (Jarret& Hosie, 2004; Ettinger & Feldman, 2010). O FPV transmite-se por contacto direto com gatos infetados. O FIPV e o FeLV transmitem-se através do padrão fecal-oral e o FeLV também por exposição oronasal. O FIPV, o FeLV e o FIV transmitem-se por mordeduras, através da saliva, sendo esta a principal via de transmissão. O FPV e o FIPV transmitem-se ambos através de vetores passivos fómites contaminados, bem como de vetores ativos, geralmente ectoparasitas hematófagos, embora no FIPV esta última via esteja descrita como 3

4 pouco provável (Jarret& Hosie, 2004; Hartmann, 2005; Greene, 2006; Greene & Addie, 2006; Grotti, 2007; Kolenda-Roberts et al., 2007; Horzinek et al., 2007; Addie, 2008; Alcaraz, 2009; Ettinger & Feldman, 2010; Kumar et al., 2010; Lairmore, 2011). A via transplacentária ou a transmissão através do canal do parto encontramse descritas no FPV e nas retroviroses felinas, nestas também se encontra descrita a via de transmissão através da amamentação, pelo leite ou colostro. No FIPV e nas retroviroses felinas também são vias de transmissão as transfusões de sangue e os cuidados de enfermagem. A cópula é considerada como meio de transmissão no FIPV e, ainda que considerada como pouco provável, no FIV (Jarret & Hosie, 2004; Hartmann, 2005; Greene, 2006; Greene & Addie, 2006; Grotti, 2007; Kolenda-Roberts et al., 2007; Horzinek et al., 2007; Addie, 2008; Alcaraz, 2009; Ettinger & Feldman, 2010; Kumar et al., 2010; Lairmore, 2011). 3. Formas clínicas Dado o elevado tropismo do FPV para o núcelo das células que se dividem ativamente, no caso das infeções fetais, o vírus vai ter maior afinidade para o cérebro, seguindo-se a medula óssea, os linfonodos e depois o intestino. Como consequências pode ocorrer a morte fetal ou, no caso de sobrevivência do feto, o desenvolvimento de lesões neurológicas (Greene & Addie, 2006; Horzinek et al., 2007; Alcaraz, 2009). Nas infeções neonatais, o vírus replica-se no timo, ocorrendo atrofia tímica ou replica-se no tecido hematopoiético, desencadeando panleucopénia ou anemia não regenerativa. Pode também replicar-se no tecido linfoide, desencadeando depleção linfoide e, consequentemente, infeções, ou pode replicar-se nas criptas intestinais, dando enterite aguda, dolorosa, com emese, diarreia, desidratação e aumento dos linfonodos (Greene & Addie, 2006; Horzinek et al., 2007; Alcaraz, 2009). As formas clínicas nas infeções por FIPV incluem a forma assintomática, sendo esta a mais frequente, moderada, mais rara, sobretudo em animais mais em jovens e imunodeprimidos, a forma inespecífica, não efusiva, que se caracteriza por vasculite e lesões granulomatosas, por lesões omentais ou serosais focais, fibrinosas, organizadas e menos edematosas, irregularidades nodulares por piogranulomas na superfície das 4

5 vísceras, especialmente os rins mas também no baço, fígado, pâncreas, omento, e serosas, bem como pela forma efusiva ou húmida que se caracteriza por efusões no abdómen, tórax e/ou pericárdio (Hartmann, 2005; Pedersen, 2009). As formas clínicas da leucemia felina incluem a forma citoproliferativa e imunosupressiva. A forma citoproliferativa conduz ao desenvolvimento da forma oncogénica que se carateriza pelo desenvolvimento de neoplasias linfoproliferativas - leucemias, linfosarcomas (tímico, multicêntrico; alimentar) e de fibrossarcomas. A forma citoproliferativa desencadeia também desordens mieloproliferativas que incluem anemia, neutropénia e trombocitopenia (Horzinek et al., 2007; Bichard & Sherding, 2008; Ettinger & Feldman, 2010). A forma imunosupressiva conduz a atrofia linfoide e supressão, principalmente dos linfócitos T, anemia, pancitopenia, imunosupressão e infeções secundárias, que incluem estomatite crónica, gengivite, lesões de pele incuráveis e infeções respiratórias (Greene, 2006; Horzinek et al., 2007). O FIV pode desencadear uma infeção transitória, regressiva, sem declínio das células CD4, com apresentação subclínica, como pode desencadear uma infeção típica, progressiva, com declínio das células CD4 que progride em três estadios clínicos típicos (Kolenda-Roberts et al., 2007) ou caracterizadas em: Fase aguda da doença Fase portador assintomático Fase persistente linfadenopatia generalizada Fase do complexo relacionado à SIDA Fase terminal: síndrome da imunodeficiência adquirida (Kolenda-Roberts et al., 2007). 4. Diagnóstico 5

6 Os principais meios de diagnóstico utilizados nas viroses contempladas neste trabalho incluem os exames serológicos, a histopatologia e o PCR (Greene & Addie, 2006; Grace, 2011; Kennedy & Little, 2012). No FPV e no FIPV a história clínica, os sintomas, o hemograma e os exames bioquímicos são também meios de diagnóstico úteis (Hartmann, 2005; Greene & Addie, 2006; Greene, 2008; Addie et al., 2009; Kennedy, 2010; Grace, 2011). No FIPV são também meios de diagnóstico úteis os exames imagiológicos, o exame e citologia dos exsudados (Addie et al., 2009; Kennedy & Little, 2012). 5. Profilaxia Como em qualquer outra doença vírica, nas quatro doenças víricas abordadas neste trabalho, a profilaxia tem um papel fundamental no controlo da doença, sendo a sua eficácia superior à do tratamento. São eficazes diversas medidas de profilaxia médica e de profilaxia sanitária. No FPV, como medidas de profilaxia médica, estão descritas a administração de colostro, para conferir anticorpos maternos protetores até às 9 a 12 semanas de idade, a vacinação, às 8, 10 semanas, com reforço às 12, 14 semanas e posteriores reforços anuais, a imunização passiva com antisoro parental, para gatos expostos ou desprovidos de colostro (Horzinek et al., 2007; Alcaraz, 2009; Truyen et al., 2009).). Como principais medidas de profilaxia sanitária, encontram-se descritas as seguintes: Isolamento dos doentes; Cuidados de higiene para prevenir infeções secundárias; Limpeza completa dos locais e/ou objetos contaminados com um detergente para remover toda a matéria orgânica, seguida de uma desinfeção; Quarentena de novos animais introduzidos com duração de cerca de 2 semanas (Greene& Addie, 2006; Grace, 2011; Kennedy & Little, 2012). 6

7 No FIPV, a vacinação é considerada de eficácia controversa e as medidas de profilaxia sanitária mais indicadas são de maneio e incluem: Manter as populações com número inferior a 10 animais, de preferência grupos estáveis de 3-4 animais para diminuir o stress; Manter grupos de separados, de acordo com a seropositividade ou a fase excretória; Adotar gatos adultos ou jovens, ao invés de gatinhos novos e manter animais mais velhos (com idade superior 3 anos) na população, uma vez que possuem maior maturidade imunitária que lhes permite resistir melhor às infeções; Isolamento de animais jovens (Hartman, 2005; Addie, 2008; Pedersen, 2009; Kennedy & Little, 2012). As principais medidas de profilaxia sanitária incluem: Limpeza e aspiração diária das liteiras; Desinfeção (lixívia na diluição de 1:32) semanal; Liteiras separadas das zonas de alimentação; Lavar e desinfetar igualmente toda a zona de habitação com as mesmas diluições do produto; Maneio de gatas gestantes (Hartman, 2005; Pedersen, 2009; Kennedy & Little, 2012). A profilaxia das retroviroses felinas inclui, como principal medida de profilaxia médica, a vacinação, no caso do FeLV, num esquema idêntico ao descrito para a o FIP (Grotti, 2007; Hartmann & Ritz, 2008; Ettinger & Feldman, 2010) mas, no caso do FIV, a vacinação é considerada de eficácia variável, devido à variedade de estirpes de vírus que circulam entre populações suscetíveis de gatos (Lairmore, 2011). As principais medidas de profilaxia sanitária, incluem: Testar e isolar os gatos positivos; 7

8 Quarentena de novos animais introduzidos com duração de cerca de 2 semanas (Grotti, 2007; Horzinek et al., 2007; Gunn-Moore, 2008; Hartmann & Ritz, 2008; Mullineaux & Jones, 2007). 6. Tratamento Tal como já referido quanto à profilaxia, o tratamento ministrado nas viroses abordadas neste trabalho, é o geralmente preconizado para qualquer virose e contempla um tratamento de suporte, o mais completo possível, e um tratamento específico anti-viral. 5. Cuidados de enfermagem Os cuidados de enfermagem são fundamentais para a recuperação de felídeos alvo das doenças descritas e terão que ser adaptados em função da doença em causa mas também do caso individual. O enfermeiro veterinário deve atuar em prol da sua segurança individual e da segurança de todos os animais com que lida: saudáveis que vão à consulta e doentes na consulta ou internados, pelo que deve estar convenientemente equipado com luvas, touca, bata descartável e propés (Grace, 2011). No caso da panleucopenia, um tratamento de suporte apropriado e cuidados intensivos de enfermagem são determinantes na taxa de sobrevivência dos pacientes. No caso da peritonite infeciosa felina, é fundamental manter o animal estável, a comer sem perder peso, num ambiente o mais calmo possível, recorrendo, preferencialmente, a uma dieta de elevada qualidade e palatibilidade. Se o animal estiver a perder condição corporal, com sintomas debilitantes e a perder qualidade de vida, requer suporte nutricional por via nasogástrica ou alimentação com sonda e, na ausência de melhorias, recurso à eutanásia (Sherding, 2000). No caso específico da panleucopénia são ainda necessárias monitorizações dos parâmetros hematológicas e do peso, cada 7 a 14 dias, passando a cada mês, se houver melhoria. 8

9 No geral, dependendo da gravidade de cada caso, consideramos que, para as quatro doenças víricas felinas descritas, os cuidados de enfermagem a aplicar podem ser os mesmos e serão descritos seguidamente. 1º O acompanhamento dos internados, principalmente dos gatinhos gravemente afetados, mantendo o ambiente quente e limpo, para evitar agentes oportunistas e imunosupressores que podem levar à progressão da doença; 2º A monitorização, administração de fluidos e do tratamento prescrito; 3º Triagem - ser capaz de avaliar vários animais rapidamente e identificar os mais instáveis, priorizando o atendimento dos pacientes mais graves (Savino et al., 2007); 4º Reavaliações constantes dos parâmetros físicos e laboratoriais, num intervalo de 2 a 12 h, dependendo da gravidade, podendo a frequência desta avaliação diminuir com a melhoria ou só dos parâmetros físicos a cada 2 a 4 horas, dependendo da gravidade e podendo a frequência desta avaliação diminuir com a melhoria (Savino et al., 2007; Grace, 2011). Devem ainda ser monitorizados o peso do animal e a alimentação. Também devem ser efectuadas, regularmente, contagens de plaquetas, avaliação do tempo de coagulação e realizados leucogramas (Grace, 2011; Greene & Addie, 2006; Kennedy & Little, 2012). 5º O enfermeiro, como comunicador privilegiado com o proprietário, deve dispor de conhecimentos exatos e precisos sobre o vírus, seu comportamento e propriedades, melhores meios de desinfeção, vantagens e programas de vacinação e medidas a implementar em casa ou no gatil (Grotti, 2007; Horzinek et al., 2007; Gunn- Moore, 2008; Hartmann & Ritz, 2008; Mullineaux & Jones, 2007). Agradecimentos: à Fundação Portuguesa para a Ciência e Tecnologia, ao Centro de Estudos em Educação, Tecnologias e Saúde e ao projeto estratégico PEst- OE/CED/UI4016/ Bibliografia 9

10 Addie D (2008). Feline coronavirus infectious. Infectious Diseases of the Dog and Cat, (3 rd edition). London: Addie D, Belák S, Boucraut-Baralon C, Egberink H, Frymus T, Gruffydd-Jones T (2009). Feline infectious peritonitis - ABCD Guidelines on prevention and management. Journal of Feline Medicine and Surgery.11: Alcaraz C (2009). La panleucopenie feline: donnees actuelles et diagnostic moleculaire. Thèse de doctorat vétérinaire. Ecole Nationale Veterinaire de Lyon. Lyon: Bichard SJ, Sherding RG (2008). Saunders Manual of Small Animal Practice, With Veterinary Consult Access (3 rd Edition). Elsevier Science Health Science Division: Ettinger SJ, Feldman EC (2010). Textbook of Veterinary Internal Medicine (7 th Edition). Missouri Elsevier Sauders. Volume 1: Grace SF (2011). Panleukopenia (feline parvovirus infection).in Norsworthy GD, Grace SF, Crystal MA, Tilley LP (Eds). The Feline Patient (4 th Edition). Iowa, Blackwell Publishing: 30, Gaskell RM, Dawson S (2000). Other feline viral diseases. In Ettinger SJ, Feldman EC (Eds). Textbook of Veterinary Internal Medicine Diseases of the Dog and Cat (6 th Edition). Missouri, Elsevier Saunders. Volume 1: 157; 670; Greene C (2006). Infectious Diseases of the Dog and Cat (3 rd Edition). Canada, Elsevier Saunders: Greene CE, Addie DD (2006). Feline parvovirus infections. In Greene CE (Eds). Infectious Diseases of the Dog and Cat (3 rd Edition). Missouri, Elsevier Saunders: Grotti CCB (2007). Frequência de Leucemia e Imundeficiência Viral Felina em uma população hospitalar. Tese de Mestrado. Universidade Estadual de Londrina, Londrina: Gunn-Moore D (2008). Management options for cats with retroviral diseases. Proceedings of the 33º World Small Animal Veterinary Congress. Dublin:

11 Hartmann K (2005). Feline Infectious Peritonitis. Veterinary Clinics Small Animal Practice. 35: Hartmann K, Ritz S (2008). Treatment of cats with feline infectious peritonitis. Veterinary Immunology and Immunopathology.123: Horzinek M, Addie D, Bélak S, Hosie MJ (2007). Guidelines on Feline Infections Disease Feline Leukaemia Virus. ABCD European Advisory Board on Cats Diseases: Lamm CG, Rezabek GB (2008). Parvovirus infection in domestic companion animals. Veterinary Clinics Small Animal Practice. 38: Lairmore MD (2011). Retroviridae. In N.J MacLachlan & E.J. Dubovi (Eds.) Fenner s Veterinary Virology (4 th Edition). San Diego, CA, USA: Academic Press of Elsevier: Levy JK, Crawford PC, Kusuhara H, Motokawa K, Gemma T, Watanabe R, Arai S, Bienzle D, Hohdatsu T (2008). Differentiation of feline immunodeficiency virus vaccination, infection, or vaccination and infection in cats. J Vet Intern Med. Mar-Apr;22(2): Kennedy MA (2010). Actualização sobre a peritonite infecciosa dos felinos. Veterinary Medicine. 67: Kennedy M, Little SE (2012). Viral diseases. In Little SE (Eds). The Cat Clinical Medicine and Management. Ottawa, Saunders Elsevier: Kolenda-Roberts HM, Kuhnt LA, Jennings RN, Mergia A, Gengozian N, Johnson CM (2007). Immunopathogenesis of feline immunodeficiency virus infection in the fetal and neonatal cat. Front Biosci. May 1;12: Kumar SB, Leavell S, Porter K, Assogba BD, Burkhard MJ (2010). Prior mucosal exposure to heterologous cells alters the pathogenesis of cell-associated mucosal feline immunodeficiency virus challenge. Retrovirology. May 28;7:49. MacLachlan NJ, Dubovi EJ (2011). Fenner s Veterinary Virology (4 th Edition). Oxford, Academic Press:

12 Mullineaux E, Jones M (2007). BSAVA Manual of Practical Veterinary Nursing. Gloucester, BSAVA: 144. Pedersen NC (2009). A synopsis of feline infectious peritonitis virus infection. University of California: 1-47 Phipps A, Chen H, Hayes K, Roy-Burman P, Mathes LE (2000). Differential Pathogenicity of Two Feline Leukemia Virus Subgroup A Molecular Clones, pfra and pf6a. Journal of Virology. Los Angeles. 13: Savino E, Petrollini EA, Hughes D (2007). Nursing care of the critical patient. In King LG, Boag A (Eds). BSAVA Manual of Canine and Feline Emergency and Critical Care. Gloucester, John Wiley & Sons: Sherding RG (2000). Feline Infectious Peritonitis. In Sherding B (Eds). Saunders Manual of Small Animal Practice (2 nd Edition). Philadephia, WB Saunders Company: Tilley LP, Smith FWK (2004). The 5 Minutes Veterinary Consult Canine and Feline (3 rd Edition). Philadelphia, Lippincott Williams & Wilkins: Truyen U, Addie D, Belák S, Boucraut-Baralon C, Egberink H, Frymus T, Gruffydd-Jones T, Hartmann K, Hosie MJ, Lloret A, Lutz H, Marsilio F, Pennisi MG, Radford AD, Thiry E, Horzinek MC (2009). Feline panleukopenia ABCD guidelines on prevention and management. Journal of Feline Medicine and Surgery. 11: Weiss RC (1994). Feline peritonitis and other coronaviruses. In Sherding RG (Eds). The Cat Diseases and Clinical Management (2 nd Edition). New York, Churchill Livingstone. Volume 1:

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ Veruska Martins da Rosa

Leia mais

[PARVOVIROSE CANINA]

[PARVOVIROSE CANINA] [PARVOVIROSE CANINA] 2 Parvovirose Canina A Parvovirose é uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus da família Parvoviridae. Acomete mais comumente animais jovens, geralmente com menos de 1 ano

Leia mais

Introdução. A cinética da infecção pelo FIV pode ser dividida em 5 fases:

Introdução. A cinética da infecção pelo FIV pode ser dividida em 5 fases: Imunodeficiência viral felina Prof. Msc. Alexandre G. T. Daniel Universidade Metodista de São Paulo H.V. Santa Inês São Paulo SP Consultoria e atendimento especializado em medicina felina Introdução O

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS Doenças Infecciosas e Parasitárias 22 e 23 de julho de 2014 para os animais. pela saúde. por você. 1 O presente material corresponde ao conteúdo das palestras ministradas

Leia mais

Peritonite Infecciosa Felina PIF: A incógnita da medicina felina Introdução ou O que é a PIF?

Peritonite Infecciosa Felina PIF: A incógnita da medicina felina Introdução ou O que é a PIF? Peritonite Infecciosa Felina PIF: A incógnita da medicina felina Introdução ou O que é a PIF? A peritonite infecciosa felina (PIF) é uma doença viral e imunomediada que acomete os gatos. Essa doença é

Leia mais

Introdução. Herpesvírus felino

Introdução. Herpesvírus felino Infecções de vias respiratórias em gatos herpesvirose e calicivirose Prof. Msc. Alexandre G. T. Daniel Universidade Metodista de São Paulo H.V. Santa Inês São Paulo SP Consultoria e atendimento especializado

Leia mais

Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS

Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS 1. Terapêutica Clínica Geral: a. Equilíbrio ácido-básico e hidro-eletrolítico. b. Fluidoterapia. c. Terapêutica hematológica (transfusões). d. Utilização

Leia mais

Capítulo 10. Enterite por Coronavírus Canino. Veterinary Professional Services. Principais Pontos. Introdução

Capítulo 10. Enterite por Coronavírus Canino. Veterinary Professional Services. Principais Pontos. Introdução Capítulo 1 Enterite por Coronavírus Canino Veterinary Professional Services Mais informações da Merial sobre esse tema Eficácia da Vacina RECOMBITEK com Coronavírus Canino Vivo-modificado. M.C. Pardo e

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LUCIANE CAMILA HISCHING 1, FABIOLA DALMOLIN 2, JOELMA LUCIOLI 3, THIAGO NEVES BATISTA 3, JOSÉ EDUARDO BASILIO DE OLIVEIRA GNEIDING 3. 1 Discente Medicina

Leia mais

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina GEAC UFV Grupo de Estudos de Animais de Companhia Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina Cecilia Sartori Zarif, Graduanda do 9 período de Medicina Veterinária da UFV Etiologia Anemia Infecciosa Felina

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

Cuidados a Ter com o seu Gato

Cuidados a Ter com o seu Gato Cuidados a Ter com o seu Gato ALIMENTAÇÃO O Gato é um animal que tem carências nutricionais diferentes das nossas. Por isso a sua dieta deve ser direccionada a atender estas necessidades. A ração ou a

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

SAÚDE.sempre. Gripe. newsletter. medidas de auto cuidado. Secretaria Regional dos Assuntos Sociais

SAÚDE.sempre. Gripe. newsletter. medidas de auto cuidado. Secretaria Regional dos Assuntos Sociais Janeiro * 2014 Instituto de Administração da Saúde e Assuntos Sociais, IP-RAM Gripe medidas de auto cuidado newsletter Secretaria Regional dos Assuntos Sociais Ficha Técnica Newsletter - Janeiro de 2014

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais

M.V. Nathalia Angelo Avilla Especializada em Medicina Felina Email: animalvet@terra.com.br

M.V. Nathalia Angelo Avilla Especializada em Medicina Felina Email: animalvet@terra.com.br M.V. Nathalia Angelo Avilla Especializada em Medicina Felina Email: animalvet@terra.com.br Os Felinos domésticos no geral tem sua domesticação recente quando comparada ao cão; Os gatos de raça pura para

Leia mais

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO Presentemente, a infeçãovih/sida não tem cura e a prevenção é a única medida eficaz. A infeçãovih/sida tem uma história relativamente recente, mas já dramática

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR (UC)

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR (UC) Ano letivo 2014/2015 Ano/Semestre curricular Curso Unidade Curricular [designação e tipo/se é do tipo obrigatório ou optativo] 1º Ano/1º semestre Ano letivo 2013/2014 Língua de ensino ECTS - tempo de trabalho

Leia mais

Diagnóstico diferencial da trombocitopenia em cães e gatos. Leonardo P. Brandão, MV, Msc, PhD

Diagnóstico diferencial da trombocitopenia em cães e gatos. Leonardo P. Brandão, MV, Msc, PhD Diagnóstico diferencial da trombocitopenia em cães e gatos Leonardo P. Brandão, MV, Msc, PhD Gerente de Produto 0peração Animais de Companhia- MERIAL Saúde Animal 2011 Trombopoiese Plaquetas são fragmentos

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Conceitos Básicos Organismo Vivo Conceitos Básicos Organismo Vivo

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

VARICELA ZOSTER VARICELA E GRAVIDEZ

VARICELA ZOSTER VARICELA E GRAVIDEZ ZOSTER E GRAVIDEZ A varicela é uma doença comum da infância considerada habitualmente benigna. Adquirida na idade adulta pode acompanhar-se de complicações que serão ainda mais graves se for uma mulher

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA DISCIPLINA DE PATOLOGIA DE PEQUENOS ANIMAIS PTG 1010 PROFESSOR RAFAEL FIGHERA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA DISCIPLINA DE PATOLOGIA DE PEQUENOS ANIMAIS PTG 1010 PROFESSOR RAFAEL FIGHERA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA DISCIPLINA DE PATOLOGIA DE PEQUENOS ANIMAIS PTG 1010 PROFESSOR RAFAEL FIGHERA BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA Literatura aplicada Módulo I Epidemiologia

Leia mais

Procedimento da Higiene das Mãos

Procedimento da Higiene das Mãos HIGIENE DAS MÃOS Pág. 1/7 Objetivo Melhorar as práticas de higiene das mãos dos profissionais de saúde. Reduzir a transmissão cruzada de microrganismos patogénicos. Âmbito Todos os serviços clínicos e

Leia mais

A Exceção. Ébola INFORMAÇÃO TRIMESTRAL. Edição especial. Afinal, o que é, de onde vem e como se transmite. A EXCEÇÃO Edição Especial

A Exceção. Ébola INFORMAÇÃO TRIMESTRAL. Edição especial. Afinal, o que é, de onde vem e como se transmite. A EXCEÇÃO Edição Especial A Exceção A EXCEÇÃO INFORMAÇÃO TRIMESTRAL Edição especial Ébola Afinal, o que é, de onde vem e como se transmite Tel: (+351) 213913940 / Fax: (+351) 213 913 941 Muito se tem falado e publicado sobre a

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães Ciro José Sousa de Carvalho 1, Sâmmya Roberta Barbosa 2, Francisco Assis Lima Costa 3, Silvana Maria Medeiros

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER

O QUE VOCÊ PRECISA SABER DIAGNÓSTICO DE INFLUENZA E OUTROS VIRUS RESPIRATÓRIOS NO HIAE. O QUE VOCÊ PRECISA SABER Maio de 2013 Laboratório Clínico Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Apenas para lembrar alguns aspectos das

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007.

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio vírus Vírus - Características Gerais Seres acelulares Desprovidos de organização celular Não possuem metabolismo próprio Capazes de se reproduzir apenas no interior de uma célula viva nucleada Parasitas

Leia mais

TROMBOCITOPENIA EM ANIMAIS DOMÉSTICOS

TROMBOCITOPENIA EM ANIMAIS DOMÉSTICOS TROMBOCITOPENIA EM ANIMAIS DOMÉSTICOS LEONEL, Rafael Alves Barbosa MATSUNO, Roldy Marcel Jorge SANTOS, Willian dos VERONEZI, Alfredo Henrique Martins COSTA, Diogo Rodrigo de Discentes do Curso de Medicina

Leia mais

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com VIROSES Prof. Edilson Soares www.profedilson.com CATAPORA OU VARICELA TRANSMISSÃO Saliva Objetos contaminados SINTOMAS Feridas no corpo PROFILAXIA Vacinação HERPES SIMPLES LABIAL TRANSMISSÃO Contato

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Tratamento endodôntico em Gato Doméstico (Felis Catus): Relato de caso Jaime Sardá Aramburú Junior 1, Cristiano Gomes 2, Ney Luis Pippi 3, Paulo

Leia mais

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três Perfil do proprietário de cães e gatos da cidade de Jataí GO em relação aos cuidados odontológicos de seus animais RESENDE, Lara Gisele¹; PAIVA, Jacqueline de Brito¹; ARAÚJO, Diego Pereira¹; CARVALHO,

Leia mais

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR (UC)

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR (UC) FICHA DE UNIDADE CURRICULAR (UC) Ano letivo 2014-2015 Ano/Semestre curricular Unidade Curricular [designação e tipo/se é do tipo obrigatório ou optativo] (máx100 caracteres) 2º ano/1º semestre Curso Enfermagem

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010

ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010 1 ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010 CAIO FERNANDO GIMENEZ 1, TATIANE MORENO FERRARIAS 1, EDUARDO FERNANDES BONDAN 1 1 Universidade

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [DERMATOFITOSE]

www.drapriscilaalves.com.br [DERMATOFITOSE] D [DERMATOFITOSE] 2 A Dermatofitose é uma micose que acomete as camadas superficiais da pele e é causada pelos fungos dermatófitos: Microsporum canis, Microsporum gypseum e Trichophyton mentagrophytes.

Leia mais

Um guia para doentes e suas famílias

Um guia para doentes e suas famílias Primárias: Mantenha-se saudável! Um guia para doentes e suas famílias Imunodeficiências Mantenha-se saudável! Um guia para doentes e suas famílias Imunodeficiências Primárias Imunodeficiências Primárias:

Leia mais

LÍDER NO DESENVOLVIMENTO DA CRIOPRESERVAÇÃO. Garantir o futuro do seu filho com SEGURANÇA e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

LÍDER NO DESENVOLVIMENTO DA CRIOPRESERVAÇÃO. Garantir o futuro do seu filho com SEGURANÇA e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA LÍDER NO DESENVOLVIMENTO DA CRIOPRESERVAÇÃO Garantir o futuro do seu filho com SEGURANÇA e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Apresentação de um serviço único na Europa na área da Biotecnologia Clínica As células estaminais

Leia mais

1. CANDIDATURA A UM DESEJO

1. CANDIDATURA A UM DESEJO 1. CANDIDATURA A UM DESEJO Dados da criança: (dd/mmm/aaaa i.e. 01Jan2000) Nome: Sexo: Masculino Feminino Doença: Data de Nascimento: Telefone: Morada actual: Idade: Desejo da Criança: Língua-materna: Já

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

Curso Nutrição do Recém-Nascido Pré-Termo. Elsa Paulino Hospital dos Lusíadas

Curso Nutrição do Recém-Nascido Pré-Termo. Elsa Paulino Hospital dos Lusíadas Curso Nutrição do Recém-Nascido Pré-Termo Elsa Paulino Hospital dos Lusíadas Leite de mãe CMV positivo Como atuar 1. Aspectos gerais 2. Excreção no leite 3. Infecciosidade 4. Infecção sintomática 5. Processos

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis. Filipe Martinho, DVM

Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis. Filipe Martinho, DVM Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis Filipe Martinho, DVM III Congresso OMV - Novembro 2012 Oncologia e Répteis Aparentemente casos oncológicos são raros; Em colecções zoológicas até 23%

Leia mais

Infermun em parvovirose canina

Infermun em parvovirose canina em parvovirose canina Redução do tempo de recuperação em cães infectados por Parvovirus e tratados com Departamento I+D. Laboratórios Calier, S.A. INTRODUÇÃO: A Parvovirose é uma das enfermidades entéricas

Leia mais

Medidas de Controle de Infecção Hospitalar

Medidas de Controle de Infecção Hospitalar Medidas de Controle de Infecção Hospitalar Seminário Internacional de Pandemia de Influenza Rio de Janeiro, 18 de novembro 2005 Dra. Cristiana M. Toscano Organização Pan-Americana da Saúde Agradecimentos

Leia mais

Cinomose Canina e Vacinação: Vantagens do uso das vacinas recombinantes em comparação às convencionais

Cinomose Canina e Vacinação: Vantagens do uso das vacinas recombinantes em comparação às convencionais Cinomose Canina e Vacinação: Vantagens do uso das vacinas recombinantes em comparação às convencionais Ronald D. Schultz, MS, PHD, DACVM Embora já esteja comprovada e bem estabelecida a segurança das vacinas

Leia mais

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP CENTRO CIRÚRGICO Jardim Japonês Centro Cirúrgico Hospital Maternidade Terezinha de Jesus Juiz de Fora (MG) Queimaduras

Leia mais

Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo

Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1)

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) 1. INTRODUÇÃO Por três vezes no século XX (1918-1919; 1957-1958; 1968-1969) a gripe manifestou-se como uma pandemia, quando um novo subtipo de vírus

Leia mais

Standard da OIE Controle de cães não domiciliados

Standard da OIE Controle de cães não domiciliados Standard da OIE Controle de cães não domiciliados Capítulo 7.7 Lizie Buss Med Vet Fiscal Federal Agropecuário Comissão de BEA/MAPA Conceito de bem-estar animal OIE Como um animal está se ajustando as condições

Leia mais

Nota Técnica de Caxumba

Nota Técnica de Caxumba Nota Técnica de Caxumba Isabella Ballalai Membro do comitê de Saúde Escolar da SOPERJ e presidente da SBIm Tânia Cristina de M. Barros Petraglia Presidente do comitê de Infectologia da SOPERJ e vice presidente

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) AIDS Conceito Doença que manifesta-se por infecções comuns de repetição, infecções

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROPRIETÁRIOS DOS ANIMAIS DE COMPANHIA SOBRE HIGIENE ORAL

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROPRIETÁRIOS DOS ANIMAIS DE COMPANHIA SOBRE HIGIENE ORAL AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROPRIETÁRIOS DOS ANIMAIS DE COMPANHIA SOBRE HIGIENE ORAL ASSESSMENT OF KNOWLEDGE OF OWNERS OF PETS ON ORAL HYGIENE Camila de Castro NEVES 1, Celso Sanches BRACCIALLI 2, Alexandre

Leia mais

HIPERPLASIA DA GLÂNDULA DA CAUDA FELINA Relato de Caso

HIPERPLASIA DA GLÂNDULA DA CAUDA FELINA Relato de Caso ANAIS DA III SEPAVET SEMANA DE PATOLOGIA VETERINÁRIA E DO II SIMPÓSIO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA DO CENTRO OESTE PAULISTA FAMED FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA DA FAEF ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES]

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES] [VERMINOSES] 2 Os cães e gatos podem albergar uma grande variedade de vermes (helmintos) que causam danos como perda de peso, crescimento tardio, predisposição a outras doenças, menor absorção e digestão

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais

Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais Bibliografia e tópicos para a prova de seleção 2013 (Mestrado / Doutorado) Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais Tópicos - Mestrado e Doutorado (prova teórica*) *O candidato poderá excluir um número

Leia mais

AVALIAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA EM CÃES PORTADORES DE LINFOMA.

AVALIAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA EM CÃES PORTADORES DE LINFOMA. 79 AVALIAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA EM CÃES PORTADORES DE LINFOMA. Osimar de Carvalho Sanches, Rogério Giuffrida, Liliane Giroto Pereira, Paula Keiko Anadão Tokawa, Vanessa Cristina Pereira Medicina Veterinária

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DAS ALTERAÇÕES LEUCOCITÁRIAS PARTE II

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DAS ALTERAÇÕES LEUCOCITÁRIAS PARTE II AVALIAÇÃO LABORATORIAL DAS ALTERAÇÕES LEUCOCITÁRIAS PARTE II 1 Paulo César Ciarlini Doutor em Clínica Veterinária pela Universidade Estadual Paulista Professor Adjunto de Laboratório Clínico Veterinário

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 AGRAVOS POR MORDEDURAS DE CÃES EM CAMPUS UNIVERSITÁRIO, CURITIBA-PR INJURIES BY BITING DOGS IN UNIVERSITY CAMPUS, CURITIBA CITY, BRAZIL MAYSA PELLIZZARO 1, GRAZIELA RIBEIRO DA CUNHA 2, ANA CAROLINA YAMAKAWA

Leia mais

Vanguard HTLP 5/CV-L Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Coronavírus, Parainfluenza, Parvovirose e Leptospirose Canina

Vanguard HTLP 5/CV-L Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Coronavírus, Parainfluenza, Parvovirose e Leptospirose Canina Uso Veterinário Usar exclusivamente em cães Indicações: É indicado para vacinação de cães de 6 semanas de idade ou mais velhos como prevenção da cinomose canina, da hepatite infecciosa canina (causada

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

Hepatites Virais 27/07/2011

Hepatites Virais 27/07/2011 SOCIEDADE DIVINA PROVIDÊNCIA Hospital Nossa Senhora da Conceição Educação Semana Continuada de Luta Contra em CCIH as Hepatites Virais 27/07/2011 Enfº Rodrigo Cascaes Theodoro Enfº CCIH Rodrigo Cascaes

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

Vacina pneumocócica polissacárida conjugada (13-valente, adsorvida)

Vacina pneumocócica polissacárida conjugada (13-valente, adsorvida) EMA/90006/2015 EMEA/H/C/001104 Resumo do EPAR destinado ao público Vacina pneumocócica polissacárida conjugada (13-valente, adsorvida) Este é um resumo do Relatório Público Europeu de Avaliação (EPAR)

Leia mais

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Profilaxia Pós-Exposição ao HIV Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Fatores de risco para infecção ocupacional pelo HIV O risco de infecção ocupacional pelo HIV era aumentado quando: A exposição ocupacional

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

Mitos e equívocos sobre sobreviventes de cancro infantil.

Mitos e equívocos sobre sobreviventes de cancro infantil. Mitos e equívocos sobre sobreviventes de cancro infantil. 1 MITO Crianças com cancro e sobreviventes de cancro infantil, representam um risco de saúde para a saúde das outras crianças / adolescentes. Eles

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 MARCELA BENEVENTE [1], LUCIANA MOURA CAMPOS PARDINI [2], ADRIANA CAMARGO FERRASI [1,3], MARIA INES DE MOURA CAMPOS PARDINI [3], ALINE FARIA GALVANI [3], JOSE JOAQUIM TITTON RANZANI [2] 1. Instituto de

Leia mais

GASTROENTERITE HEMORRÁGICA RELATO DE CASO

GASTROENTERITE HEMORRÁGICA RELATO DE CASO GASTROENTERITE HEMORRÁGICA RELATO DE CASO GRANO, Fernanda Grecco HAMZÉ, Abdul Latif PACHECO, Alessandro Mendes Acadêmicos do curso de Medicina Veterinária da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia

Leia mais

Check-list Procedimentos de Segurança

Check-list Procedimentos de Segurança Check-list Procedimentos de Segurança 1. Cultura de Segurança 1.1 1.2 Existe um elemento definido como responsável pelas questões da segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na

Leia mais