Peritonite Infecciosa Felina PIF: A incógnita da medicina felina Introdução ou O que é a PIF?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Peritonite Infecciosa Felina PIF: A incógnita da medicina felina Introdução ou O que é a PIF?"

Transcrição

1 Peritonite Infecciosa Felina PIF: A incógnita da medicina felina Introdução ou O que é a PIF? A peritonite infecciosa felina (PIF) é uma doença viral e imunomediada que acomete os gatos. Essa doença é caracterizada pela infiltração de um liquido inflamatório nas cavidades corporais ou a presença de granulomas em um ou vários órgãos. As lesões granulomatosas que ocorrem no organismo se devem às tentativas do sistema imunológico em eliminar o vírus, que infecta as células de defesa que não conseguem eliminá-lo. A inflamação pode resulta na falência dos órgãos acometidos. É causada por certas cepas de um vírus chamado Coronavírus. Existem varias cepas desse vírus variando entre si sua capacidade de virulência, mas a maioria são considerados avirulentos, o que significa que eles não causar doença. O Coronavirus mais comum nos gatos é o Coronavírus entérico felino (FCoV), que é um vírus restrito do intestino, esse vírus pode sofrer uma mutação no seu genoma dentro do organismo do animal e a partir dessa mutação o vírus passa a se chamar Vírus da peritonite infecciosa felina (VPIF). Essa alteração é que vai fazer com que a infecção progrida para a FIP clínica.

2 Na maioria dos casos o animal permanece com o Coronavirus de forma assintomática com o vírus apenas no intestino sem causar sinais clínicos, o animal permanece saudável sem manifestar alterações porém eliminará o vírus no ambiente, em alguns momentos o animal infectado poderá apresentar quadro diarréia leve e transitória sem necessidade de tratamento. E na minoria dos casos são os que desenvolvem a mutação e consecutivamente desenvolvem a PIF. Alguns fatores predisponentes ajudam na manifestação da PIF como sistema imunológico comprometido ou animais que não tenham o sistema imune completamente eficiente. Pode infectar gatos de ambos os sexos e de todas as idades porem é mais freqüente em gatos mais jovens entre três meses a três anos e raramente pode acontecer em idosos devido à estimativa de vida mais longa entre anos em razão de um declínio na resposta imune relacionada com a idade. Esse vírus é altamente infeccioso e muito disseminado mais comum entre os felinos do que se imagina. Não existe vacina e possui um diagnóstico muito difícil, portanto a profilaxia é a principal forma de evitar a doença. Classificação do vírus O Coronavirus entérico felino (FCoV) e o vírus da peritonite infecciosa felina (VPIF) são muito parecidos que acomete todas as espécies de felídeos. Apresentam estrutura de RNA vírus envelopado, sensíveis a condições normais de temperatura e umidade (sendo inativado em 2 a 48 horas em temperatura ambiente). Já em condições de temperatura baixa, podem permanecer ativos por ate sete semanas. Fisiopatogenia da PIF Fonte da Imagem: O FCoV vai sofrer uma mutação em seu genoma viral a partir dessa mutação o vírus é então denominado vírus da peritonite infecciosa felina (VPIF). O resultado da infecção é influenciado pela resposta imune do animal e por isso é considerada uma doença imunomediada. Os anticorpos são infectados com o vírus, e essas células, em seguida, transportar o vírus em todo o corpo do gato. Uma intensa reação inflamatória ocorre ao redor dos vasos nos tecidos onde essas células infectadas se localizam, muitas vezes, no abdômen, rins ou cérebro. É esta interação entre o próprio sistema imunológico e o vírus que é responsável pela doença, quanto menor a resposta, maior será a taxa de replicação viral. Uma vez que o gato desenvolve a PIF comprometendo

3 um ou vários sistemas do corpo, a doença é progressiva e é quase sempre fatal apresentando uma mortalidade de quase 100%. Epidemiologia A PIF é uma doença de distribuição mundial extremamente comum em locais de superpopulação como abrigos e gatis. A faixa etária mais comum para os animais mais acometidos é de três meses a três anos de idade. Como ocorre a Transmissão? A transmissão é oral-fecal, ou seja, ocorre pela ingestão do Coronavirus presente nas fezes de gatos contaminados. O vírus é adquirido por meio do contato direto de gatos não infectados com fezes de um felino portador. Raramente ocorre transmissão por lambedura, compartilhamento de vasilhas e bebedouros. Ainda não foi comprovada a infecção via transplacentária, ou seja, da mãe para o feto ainda na vida uterina ou transmamária pela ingestão do leite materno de fêmeas infectadas. Fatores Predisponentes A mutação ocorre com mais frequência em animais jovens que não tenham um sistema imunológico eficiente e idosos, imunosuprimidos por outras doenças como Imunodeficiência viral felina (FIV) e a Leucemia viral felina (FeLV), fazendo com que o vírus se multiplique mais rapidamente. Animais com retroviroses, desnutridos, com alta taxa de estresse, em tratamento com uso de glicocorticoides ou pós-cirúrgico e internados, também podem adquirir a doença mais facilmente.

4 Devido aos hábitos de higiene os felinos estão sempre se lambendo e quanto mais animais no mesmo ambiente maior vai ser a chance de disseminação do agente, principalmente para os suscetíveis como filhotes e imunocomprometidos. Acima de seis gatos em um mesmo local já é considerada superpopulação muito comum em Gatis e abrigos e quase 100% dessa população apresenta o Coronavirus, mas também pode ocorrer em residências com poucos animais principalmente se o ambiente não tiver higiene e estrutura adequada como, por exemplo, deixar o recipiente de água e ração no chão ou próxima a caixa de areia facilitando assim a contaminação do alimento levando a infecção. Surtos não são comuns de acontecer, mas pode acontecer no caso de ter muito filhotes. Estresse também pode propiciar a infecção da PIF, pois diminui a imunidade. Sintomas Os animais que não desenvolvem a doença são chamados de hospedeiros portadores. Já nos animais que desenvolvem a doença os sintomas são variados, pois existem duas formas de PIF, a forma efusiva ou úmida e a forma não efusiva ou seca, que vai ser determinada pela resposta imunológica de cada felino acometido. Raramente podem apresentar as duas formas. O período de incubação da doença é muito variável e difícil de determinar, significa que pode levar de semanas a alguns meses para começar a aparecer os sinais clínicos que são considerados inespecíficos, no geral os felinos apresentam febre, anorexia, perda de peso diarréia e desidratação por isso é considerada inespecífica porque pode ser confundida com muitas outras doenças. Na forma efusiva (úmida) ocorre um processo inflamatório nos vasos gerando um acumulo de liquido na região do abdômen e ou do tórax. Esse liquido tem uma coloração amarelo-palha a âmbar, viscoso, estéril, rico em proteína, com capacidade de engrossar ao ar livre em temperatura ambiente, com celularidade variável, normalmente elevada. Os gatos com essa forma apresentam febre não responsiva aos tratamentos antibióticos, pleurite e edema na região acometida (aumento de volume decorrente do acumulo de liquido) freqüentemente na região abdominal e tórax.

5 Na forma não efusiva (seca) é mais difícil o diagnostico, pois pode acometer vários órgãos e causar diversos sintomas. O animal vai apresenta granulomas disseminados e pontos de necrose em múltiplos órgãos abdominais torácicos acometendo também sistema nervoso central SNC e olhos causando anisocoria.

6 Os granulomas são estruturas microscópicas compostas por diversas células que englobam o agente causador, no caso da PIF o Coronavírus, na tentativa de conter a disseminação da doença. Os sintomas ocorrem de acordo com o local afetado, portanto podem variar desde hepatite granulomatosa se o fígado for acometido causando icterícia (mucosas amareladas). Na maioria das vezes em que o gato apresenta icterícia esta relacionada à PIF, nefrite granulomatosa, iridociclite, intestino nodular com piogranulomas multifocais, ate mesmo cegueira quando granulomas se desenvolvem nos olhos, entre outros sintomas sempre dependendo de onde os granulomas se formarem. Pode acontecer tosse no caso dos felinos desenvolverem pneumonias. Quando o SNC é acometido causando encefalomielite granulomatosa o felino apresentara alterações neurológicas, como dificuldade de locomoção, tremores, incontinência fecal e urinária, mudança de comportamento e ate convulsões. Nesse caso o prognostico é ruim.

7 Como dito anteriormente todas as formas podem estar diversamente associada à coinfecções como a FeLV Leucemia viral felina e ou FIV Imunodeficiência viral felina. Como é feito o Diagnostico O diagnóstico da PIF pode ser muito difícil pelo fato do animal apresentar diferentes sintomas, que são semelhantes aos de outras doenças. Para um diagnóstico mais preciso o veterinário deve se basear em um conjunto de informações começando pelo histórico do animal(filhote, idoso, superpopulação, se veio de abrigo), junto dos sinais clínicos e acompanhado de exames laboratoriais como hemograma, ultrasom, testes sorológicos pouco usado pois não é feito no Brasil isso acaba ficando caro e é pouco informativo só dirá se o animal teve ou não contato com o Coronavirus sem dizer se é o mutado ou não, então esse teste é inviável, teste de reação cadeia polimerase (PCR) que vai buscar o DNA do vírus, mas o diagnostico definitivo só pode ser feito através de uma biopsia ou necropsia que ira revelar o quadro lesional sob a forma de numerosos granulomas nos órgãos acometidos. É importante salientar que testes positivos para o Coronavirus não caracteriza obrigatoriamente a PIF, pois nem todo animal com este vírus terá a doença e isso pode dificultar a conclusão do diagnostico ou falsamente comprometer gatos soropositivos, mas que nunca terão PIF. Existe Tratamento? Infelizmente não existe tratamento eficaz por isso não tem cura o animal infectado pode viver no máximo 12 meses com PIF, a única coisa que pode ser feita pelo medico veterinário é fazer um tratamento paliativo onde não se resolve o problema, mas melhora a condição do animal, baseando-se no uso de antiinflamatórios em altas doses, quimioterápicos e antibióticos para evitar infecções secundarias. Estudos com drogas antivirais e imunomoduladores estão sendo realizados na tentativa de minimizar os efeitos adversos da PIF. Em casos de sofrimento tem indicativo de eutanásia. Quais são as Profilaxias? A profilaxia pode ser um desafio já que a vacina não esta atualmente disponível no Brasil apenas no exterior porem pouco utilizada, porque na PIF a produção de anticorpos é ruim por isso não protege o animal contra a PIF e se o animal já estiver infectado vai acelerar o quadro da doença, por isso não vale à pena. Não existe erradicação do Coronavirus, sendo assim as medidas preventivas, sendo a principal forma de conter a doença. Higiene do local sempre iniciando a limpeza onde vivem os filhotes; Manter a caixinha de areia sempre limpa 1 a 2 x por semana trocar a areia e lavar a caixa; Escolhendo areia que de preferência não grude nas patinhas; Uma boa noticia é que o vírus é sensível a desinfetantes comuns como o hipoclorito (água sanitária, cândida), sendo uma parte do produto e 9 partes de água e deixar imerso os utensílios dos gatos por 15 a 30 min. ex: caixa de areia, bebedouro,comedouro;

8 Porem o vírus resiste muito bem há ambientes úmidos, por isso muita atenção ao fazer a limpeza do local; Distanciar os recipientes de água e ração da caixa de areia; O numero de caixa de areia é o numero de gatos mais um ex: 4 gatos 5 caixas de areia espalhadas no ambiente; Diminuir estresse porque diminui a imunidade; Isolamento dos animais novos; Determinação de seu status e da matriz sanitária dos reprodutores e dos felinos alojados no gatil; Quarentena para introduzir novos animais, sendo não recomendado introduzir novos animais em locais onde haja soropositivos. Referências LAPPIN M. R. Doenças infecciosas in. NELSON, R. W.; COUTO, C. G. Medicina interna de pequenos animais. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, P MIRAILLON, Robert. et. al. Manual Elsevier de Veterinária diagnóstico e tratamento de Cães, gato e animais exóticos. 7. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, p SOUZA, Silva Silveira, Djenane. Peritonite Infecciosa Felina f.. Trabalho de conclusão de curso (Licenciamento CMCPA em Medicina Veterinária) - Universidade Castelo Branco, Campo Grande, Nov RIBAS, Laila Massad. Peritonite infecciosa feline (PIF). Disponível em: <http://portalmedicinafelina.com.br/peritonite-infecciosa-felina-pif/>. Acesso em: 11 setembro Associação Americana de Feline Practitioners e do Centro de Saúde Cornell Feline, Cornell University, College of Veterinary Medicine, Ithaca, New York. Disponivel em: <http://www.vet.cornell.edu/fhc/health_resources/brochure_ftp.cfm>. Acesso em: 11 setembro 2014.

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

[PARVOVIROSE CANINA]

[PARVOVIROSE CANINA] [PARVOVIROSE CANINA] 2 Parvovirose Canina A Parvovirose é uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus da família Parvoviridae. Acomete mais comumente animais jovens, geralmente com menos de 1 ano

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS Doenças Infecciosas e Parasitárias 22 e 23 de julho de 2014 para os animais. pela saúde. por você. 1 O presente material corresponde ao conteúdo das palestras ministradas

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ Veruska Martins da Rosa

Leia mais

Vanguard HTLP 5/CV-L Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Coronavírus, Parainfluenza, Parvovirose e Leptospirose Canina

Vanguard HTLP 5/CV-L Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Coronavírus, Parainfluenza, Parvovirose e Leptospirose Canina Uso Veterinário Usar exclusivamente em cães Indicações: É indicado para vacinação de cães de 6 semanas de idade ou mais velhos como prevenção da cinomose canina, da hepatite infecciosa canina (causada

Leia mais

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada.

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada. Influenza A H1N1 /GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: PERGUNTA 1. Quanto tempo o vírus da gripe suína permanece vivo numa maçaneta ou superfície lisa? 2. O álcool em gel é útil para limpar as mãos? 3. Qual

Leia mais

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares.

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Dengue Dengue Agente Infectante Arbovirus Vetor / Transmissão Picada do mosquito Aedes Aegypti Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Profilaxia

Leia mais

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina GEAC UFV Grupo de Estudos de Animais de Companhia Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina Cecilia Sartori Zarif, Graduanda do 9 período de Medicina Veterinária da UFV Etiologia Anemia Infecciosa Felina

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

Introdução. Herpesvírus felino

Introdução. Herpesvírus felino Infecções de vias respiratórias em gatos herpesvirose e calicivirose Prof. Msc. Alexandre G. T. Daniel Universidade Metodista de São Paulo H.V. Santa Inês São Paulo SP Consultoria e atendimento especializado

Leia mais

RAIVA. A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado.

RAIVA. A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado. RAIVA A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado. RAIVA PRINCIPAIS VETORES - Furão (ferrets) - Raposas - Coiotes - Guaxinins

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC)

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) 1 Quando é que se deve suspeitar de leishmaniose visceral num cão? Sempre que o cão apresentar o conjunto de sintomas da doença, ou seja, emagrecimento,

Leia mais

AVICULTURA ALTERNATIVA

AVICULTURA ALTERNATIVA AVICULTURA ALTERNATIVA Principais doenças e métodos de prevenção São várias as doenças que atacam as aves, a maioria são doenças respiratórias. Aspergilose é uma infecção que ataca as aves, sendo provocada

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Streptococcus sp. Boletim Técnico

Streptococcus sp. Boletim Técnico Boletim Técnico S Streptococcus sp. C A Estreptococose é uma doença causada por bactérias gram positivas do gênero Streptococcus sp. e S. agalactiae. Esta é considerada a enfermidade de maior impacto econômico

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

Introdução. A cinética da infecção pelo FIV pode ser dividida em 5 fases:

Introdução. A cinética da infecção pelo FIV pode ser dividida em 5 fases: Imunodeficiência viral felina Prof. Msc. Alexandre G. T. Daniel Universidade Metodista de São Paulo H.V. Santa Inês São Paulo SP Consultoria e atendimento especializado em medicina felina Introdução O

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

EPM Mieloencefalite Protozoária Equina (Bambeira)

EPM Mieloencefalite Protozoária Equina (Bambeira) Apoio: Escrito por: Faculdade de Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi. São Paulo Maio/2013 Sumário Resumo... 3 Introdução... 3 Etiologia... 3 Epidemiologia... 5 Sinais clínicos... 5 Diagnóstico...

Leia mais

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica.

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica. Hepatites Virais O FÍGADO E SUAS FUNÇÕES. O fígado é o maior órgão do corpo humano, está localizado no lado superior direito do abdômen, protegido pelas costelas (gradio costal). É responsável por aproximadamente

Leia mais

Nota Técnica de Caxumba

Nota Técnica de Caxumba Nota Técnica de Caxumba Isabella Ballalai Membro do comitê de Saúde Escolar da SOPERJ e presidente da SBIm Tânia Cristina de M. Barros Petraglia Presidente do comitê de Infectologia da SOPERJ e vice presidente

Leia mais

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS ORIENTAÇÃO AOS PEDAGOGOS Todas as informações constantes nesta cartilha devem ser levadas ao conhecimento de todos os alunos,

Leia mais

Cinomose Canina e Vacinação: Vantagens do uso das vacinas recombinantes em comparação às convencionais

Cinomose Canina e Vacinação: Vantagens do uso das vacinas recombinantes em comparação às convencionais Cinomose Canina e Vacinação: Vantagens do uso das vacinas recombinantes em comparação às convencionais Ronald D. Schultz, MS, PHD, DACVM Embora já esteja comprovada e bem estabelecida a segurança das vacinas

Leia mais

Informativo Empresarial Especial

Informativo Empresarial Especial Informativo Empresarial Especial Gripe Suína Plano de Contingência Empresarial A Gripe Influenza A H1N1 e o Transporte Rodoviário A gripe que ficou conhecida como gripe suína é causada por vírus que se

Leia mais

Como controlar a mastite por Prototheca spp.?

Como controlar a mastite por Prototheca spp.? novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE marcos veiga dos santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP www.marcosveiga.net O diagnóstico da mastite causada por Prototheca spp.

Leia mais

FEBRE AMARELA: Informações Úteis

FEBRE AMARELA: Informações Úteis FEBRE AMARELA: Informações Úteis Quando aparecem os sintomas? Os sintomas da febre amarela, em geral, aparecem entre o terceiro e o sexto dia após a picada do mosquito. Quais os sintomas? Os sintomas são:

Leia mais

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio vírus Vírus - Características Gerais Seres acelulares Desprovidos de organização celular Não possuem metabolismo próprio Capazes de se reproduzir apenas no interior de uma célula viva nucleada Parasitas

Leia mais

Capítulo 10. Enterite por Coronavírus Canino. Veterinary Professional Services. Principais Pontos. Introdução

Capítulo 10. Enterite por Coronavírus Canino. Veterinary Professional Services. Principais Pontos. Introdução Capítulo 1 Enterite por Coronavírus Canino Veterinary Professional Services Mais informações da Merial sobre esse tema Eficácia da Vacina RECOMBITEK com Coronavírus Canino Vivo-modificado. M.C. Pardo e

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES]

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES] [VERMINOSES] 2 Os cães e gatos podem albergar uma grande variedade de vermes (helmintos) que causam danos como perda de peso, crescimento tardio, predisposição a outras doenças, menor absorção e digestão

Leia mais

DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) CIEVS/COVISA Novembro/2014

DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) CIEVS/COVISA Novembro/2014 DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) CIEVS/COVISA Novembro/2014 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA INFORMAÇÃO MEDIDAS DE BIOSEGURANÇA Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Descoberta: 1976 Dois focos simultâneos, emnzara, Sudão

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com VIROSES Prof. Edilson Soares www.profedilson.com CATAPORA OU VARICELA TRANSMISSÃO Saliva Objetos contaminados SINTOMAS Feridas no corpo PROFILAXIA Vacinação HERPES SIMPLES LABIAL TRANSMISSÃO Contato

Leia mais

vacina hepatite A (inativada)

vacina hepatite A (inativada) vacina hepatite A (inativada) Forma farmacêutica e apresentações: Suspensão injetável. Cartucho contendo uma seringa de uma dose de 0,5 ml. Cartucho contendo 5 seringas de uma dose de 0,5 ml. Cartucho

Leia mais

Verdades e mentiras sobre a Toxoplasmose

Verdades e mentiras sobre a Toxoplasmose Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Verdades e mentiras sobre a Toxoplasmose Muito se tem falado sobre a Toxoplasmose e seus perigos,

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425. A Importância da Diarréia Epidêmica Suína. Grupo: Novembro, 2014

Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425. A Importância da Diarréia Epidêmica Suína. Grupo: Novembro, 2014 Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425 A Importância da Diarréia Epidêmica Suína Novembro, 2014 Grupo: Alexandre Nunes Mendes Bruno Bracco Donatelli Carlos Eduardo Cardoso Consentini

Leia mais

Hepatite C Grupo Vontade de Viver

Hepatite C Grupo Vontade de Viver Hepatite C Grupo Vontade de Viver De apoio aos Portadores de Hepatite C Apresentação Data de Fundação : 19 Maio de 2002 Formação do Grupo: Portadores e ex-portadores do vírus C Trasplantados de fígado

Leia mais

LEPTOSPIROSE X ENCHENTES

LEPTOSPIROSE X ENCHENTES LEPTOSPIROSE X ENCHENTES Durante os temporais e inundações, a bactéria leptospira, presente na urina do rato, se espalha nas águas, invade as casas e pode contaminar, através da pele, os que entram em

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

Importância das Vacinas inativadas contra Clostridioses

Importância das Vacinas inativadas contra Clostridioses Importância das Vacinas inativadas contra Clostridioses Introdução As clostridioses são consideradas as maiores causas de mortes em bovinos no Brasil, seguidas das intoxicações causadas por plantas tóxicas

Leia mais

L E P T O S P I R O S E

L E P T O S P I R O S E L E P T O S P I R O S E Elaborado por: Francisco Pinheiro Moura Médico Veterinário E-mail: bergson.moura@saude.ce.gov.br bergson.moura@live.com Definição Leptospirose é uma doença infecciosa que causa

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 INTRODUÇÃO DDA Síndrome causada por vários agentes etiológicos (bactérias, vírus e parasitos) 03 ou mais episódios com fezes líquidas

Leia mais

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html VÍRUS Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html RESUMO -Os vírus não pertencem a nenhum reino específico, são estudados como um caso à parte. -Os vírus são

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

39 Por que ferver a água antes de beber?

39 Por que ferver a água antes de beber? A U A UL LA Por que ferver a água antes de beber? Todo ano seu Antônio viaja para o litoral com a família e enfrenta sempre os mesmos problemas: congestionamento na estrada, praias lotadas e sujas que,

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

Gripe por Influenza A H1N1 *

Gripe por Influenza A H1N1 * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, maio de 2009. Gripe por Influenza A H1N1 * Informações básicas O que é Gripe por Influenza A H1N1? A gripe por Influenza A H1N1 (Suína) é uma doença

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese Retrovírus e oncogênese. Um pouco de história: 1904: Ellerman and Bang, procurando por bactérias como agentes infecciosos para leucemia em galinhas,

Leia mais

altura 28,58 Prof. Bruno Pires

altura 28,58 Prof. Bruno Pires Prof. Bruno Pires HERPES BUCAL Herpes simplex tipo I (DNAdf). Vias aéreas (oral e respiratória); contato pessoapessoa; contato com objetos contaminados com o vírus. Formação de bolhas e feridas no tecido

Leia mais

Raiva. Replicação no citoplasma - corpúsculo de inclusão

Raiva. Replicação no citoplasma - corpúsculo de inclusão Família Rhabdoviridae forma de bala 70 x 170 nm -RNA envelope Proteina G Ac neutralizantes Proteína N grupo Vírus fixo/rua Perfil G-N= Origem do vírus Raiva Raiva Raiva Replicação no citoplasma - corpúsculo

Leia mais

Cuidados a Ter com o seu Gato

Cuidados a Ter com o seu Gato Cuidados a Ter com o seu Gato ALIMENTAÇÃO O Gato é um animal que tem carências nutricionais diferentes das nossas. Por isso a sua dieta deve ser direccionada a atender estas necessidades. A ração ou a

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS

Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS 1. Terapêutica Clínica Geral: a. Equilíbrio ácido-básico e hidro-eletrolítico. b. Fluidoterapia. c. Terapêutica hematológica (transfusões). d. Utilização

Leia mais

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS D.S.T D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS CANCRO MOLE Agente: bactéria Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral

Leia mais

Hepatites Virais 27/07/2011

Hepatites Virais 27/07/2011 SOCIEDADE DIVINA PROVIDÊNCIA Hospital Nossa Senhora da Conceição Educação Semana Continuada de Luta Contra em CCIH as Hepatites Virais 27/07/2011 Enfº Rodrigo Cascaes Theodoro Enfº CCIH Rodrigo Cascaes

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

ESTRUTURA VIRAL. Visualização: apenas ao ME. Não apresentam estrutura celular (acelulares) Estrutura básica: Cápsula protéica (capsídeo)

ESTRUTURA VIRAL. Visualização: apenas ao ME. Não apresentam estrutura celular (acelulares) Estrutura básica: Cápsula protéica (capsídeo) VÍRUS CARACTERÍSTICAS Organismos acelulares Não possuem metabolismo Características vitais: Reprodução Evolução Possui grande capacidade proliferativa Só se reproduz no interior de células que estejam

Leia mais

GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: Até 10 horas.

GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: Até 10 horas. GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: PERGUNTA 1.- Quanto tempo dura vivo o vírus suíno numa maçaneta ou superfície lisa? 2. - Quão útil é o álcool em gel para limpar-se as mãos? 3.- Qual é a forma de contágio

Leia mais

Mycobacterium sp. Classe Actinomycetes. Família Mycobacteriaceae. Gêneros próximos: Nocardia, Rhodococcus e Corynebacterium

Mycobacterium sp. Classe Actinomycetes. Família Mycobacteriaceae. Gêneros próximos: Nocardia, Rhodococcus e Corynebacterium Mycobacterium sp. Classe Actinomycetes Família Mycobacteriaceae Gêneros próximos: Nocardia, Rhodococcus e Corynebacterium Mycobacterium sp. Complexo M.tuberculosis M.tuberculosis M.bovis M.africanum Micobactérias

Leia mais

COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS

COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Veterinária Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS Adivaldo Henrique da Fonseca Prof. Titular de Doenças

Leia mais

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção A gripe é uma doença causada pelo vírus da Influenza, que ocorre predominantemente nos meses mais frios do ano. Esse vírus apresenta diferentes subtipos que produzem a chamada gripe ou influenza sazonal.

Leia mais

Adultos e idosos também precisam se vacinar

Adultos e idosos também precisam se vacinar ANO VII N.º 10 Abril 2013 Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Adultos e idosos também precisam se vacinar Na hora de cuidar da própria saúde, muitos adultos e idosos não dão importância

Leia mais

DOENÇAS VIRAIS EM CÃES

DOENÇAS VIRAIS EM CÃES DOENÇAS VIRAIS EM CÃES Cinomose Etiologia Doença que acomete vários sistemas do animal, sendo altamente contagiosa aos cães domésticos e muitos carnívoros selvagens (raposa, coiote, lobo, furão, etc, mas

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Considerações sobre o diagnóstico de doenças transmitidas pelo sangue Ms. Paulo Germano de Carvalho O sangue é uma porta de entrada para

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características Vírus Virulogia Características Vírus- latim veneno - agentes filtráveis Parasita intracelular obrigatório Extracelular: virion Intracelular: vírus Possuem alta especificidade Vírus Características Alta

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Aspectos epidemiológicos da peritonite infecciosa felina Carolina de Alvarenga Cruz 1, Fernanda Cassioli de Moraes 1, Raphaella Barbosa Meirelles-Bartoli

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP CENTRO CIRÚRGICO Jardim Japonês Centro Cirúrgico Hospital Maternidade Terezinha de Jesus Juiz de Fora (MG) Queimaduras

Leia mais

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br A Doença Do Boletim Epidemiológico, Vol 22, nº 3, setembro de 2001 Influenza: Aspectos Epidemiológicos Básicos para o Desenvolvimento de Vacinas A influenza (a flu ) é uma dos mais notórios achaques (doença

Leia mais

Veículo: Site DN Online Data: 27/02/2011. Assunto: Doenças aumentam no carnaval, alertam médicos

Veículo: Site DN Online Data: 27/02/2011. Assunto: Doenças aumentam no carnaval, alertam médicos Veículo: Site DN Online Data: 27/02/2011 Seção: Notícias Pág.: www.dnonline.com.br Assunto: Doenças aumentam no carnaval, alertam médicos Doenças aumentam no carnaval, alertam médicos O carnaval é, para

Leia mais

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO HEPATITES Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO Hepatites virais: agentes etiológicos A B C D E Vírus hepatotrópicos G TT Herpes vírus EBV CMV Enterovírus Adenovírus Febre

Leia mais

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Enfrentamento da Influenza A H1N1 elaborou esta cartilha com

Leia mais

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida?

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Para NÃO APANHAR nas relações intimas e sexuais: 1. Não fazer sexo enquanto não se sentir preparado para usar o preservativo (pode experimentar primeiro

Leia mais

VIRUS O QUE SÃO VIRUS São as menores entidades biológicas: têm DNA e proteínas. Medem entre 15 e 300 nm. São seres acelulares: São parasitas intracelulares obrigatórios: Só se reproduzem dentro de células.

Leia mais

INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS

INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS Fazer de cada dia um dia melhor Informe-se e proteja a sua saúde e a de sua família. Talvez você esteja inseguro com tantas informações

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais