O TRATAMENTO DA LEUCEMIA VIRAL FELINA ATRAVÉS DA ACUPUNTURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O TRATAMENTO DA LEUCEMIA VIRAL FELINA ATRAVÉS DA ACUPUNTURA"

Transcrição

1 INSTITUTO HOMEOPÁTICO JACQUELINE PEKER CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ACUPUNTURA VETERINÁRIA O TRATAMENTO DA LEUCEMIA VIRAL FELINA ATRAVÉS DA ACUPUNTURA ANDRÉA DE CASTRO ROSA COUTINHO CAMPINAS 2008

2 INSTITUTO HOMEOPÁTICO JACQUELINE PEKER CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ACUPUNTURA VETERINÁRIA O TRATAMENTO DA LEUCEMIA VIRAL FELINA ATRAVÉS DA ACUPUNTURA Monografia apresentada à Banca Examinadora do Instituto Homeopático Jacqueline Peker para a obtenção do título de Especialista em Acupuntura Veterinária, sob a orientação do Prof. Msc. Jean G. F. Joaquim e da professora Cecilia M.R.T.Groke. ANDRÉA DE CASTRO ROSA COUTINHO CAMPINAS 2008

3 Dedico este trabalho aos meus pais, por terem investido suas vidas na minha vida, aceitando e, hoje, admirando minha profissão.

4 AGRADECIMENTOS Agradeço à Deus pelo fabuloso dom da boa vida. Agradeço ao Dr. Sebastião Prata pela receptividade. Agradeço a todos os professores que, cada um, à sua maneira, contribuiu para a construção do meu conhecimento. Agradeço de forma especial aos professores Cecília Groke, Jean e Diniz, por me ensinarem que temos duas ferramentas muito importantes: as agulhas e o coração.

5 "Quem é generoso ao aprender,é generoso ao ensinar;mas nunca haverá de exceder-se nessa generosidade, pretendendo ensinar antes de haver aprendido. Do livro Introdução ao conhecimento Logosófico

6 COUTINHO, A. C. R. TRATAMENTO DA LEUCEMIA VIRAL FELINA ATRAVÉS DA ACUPUNTURA. Campinas, p. Monografia apresentada para obtenção do título de Especialista em Acupuntura Veterinária do Instituto Homeopático Jacqueline Peker. RESUMO A Leucemia viral felina é uma das patologias mais comuns entre os gatos, principalmente naqueles que têm acesso à rua e contato com outros animais, como nos gatís. Esta enfermidade, na maioria das vezes, quando diagnosticada, apresenta aos animais um prognóstico reservado devido as suas manifestações clínicas severas, as quais acabam por comprometer a diversos órgãos. O Linfoma, uma manifestação importante da Leucemia viral felina é a mais freqüente das neoplasias hematopoéticas dos gatos, sendo considerada condição de desafio para o clínico de pequenos animais. A Acupuntura, técnica milenar da Medicina Tradicional Chinesa, tem mostrado ser uma grande aliada para o tratamento quimioterápico convencional, reduzindo os efeitos colaterais e melhorando o equilíbrio geral do paciente. Neste trabalho apresenta-se o estudo de caso de um animal da espécie felina siamês, macho, de 3 (três) anos de idade, com 4,6 quilogramas de peso, com aproximadamente 20 dias de evolução dos sintomas, o qual foi tratado com uma associação da técnica de acupuntura associada a medicação homeopática, o Viscum álbum MD4, medicamento de uso humano e cuja indicação é para os casos de neoplasia. Palavras-chave: Linfoma, gatos, quimioterapia, farmacopuntura, viscum álbum, homeopatia.

7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA - LINFOMAS MEDIASTÍNICOS MÉTODOS DE DIAGNÓSTICOS Aspirado de Medula óssea Análise de fluido pleural Citologia aspirativa Exame radiográfico LEUCEMIA VIRAL FELINA, LINFOMA E MEDICINA TRADICIONAL CHINESA (MTC) Tratamento convencional Drogas Quimioterápicas Corticosteróides Drogas imunomoduladoras Curso da doença esperado e prognóstico Tratamento MTC Farmacopuntura Viscum Álbum Conscientização do proprietário RELATO DE CASO DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 34

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Ilustração 1 Raio-X, projeção latero-lateral Ilustração 2 Raios-X, projeção ao ventro-dorsal Ilustração 3 Líquido drenado por toracocentese Ilustração 4 Raio-X de projeção latero-lateral pós tratamento Ilustração 5 Raio-X de projeção ventro-dorsal pós tratamento... 31

9 1 INTRODUÇÃO 8 A infecção pelo vírus da Leucemia felina é a causa melhor estabelecida de disfunções imunes e infecções oportunistas em gatos naturalmente e laboratorialmente infectados (QUACKENBUSH et al., 1990). Causada por um onconavírus do tipo C, a leucemia viral felina tem como forma mais importante de transmissão a excreção pela saliva (SHERDING, 2003; WOLF, 2000), transmissão esta que pode ser efetuada desde o contato íntimo entre os felinos como convívio social, brigas assim como através de comedouros e bebedouros em comum (JUSTEM, 2003). Levando-se em consideração a transmissão vertical, os animais neonatos que escapam à infecção via uterina ou pelo leite materno acabam se infectando durante os cuidados de higiene da mãe virêmica (JUSTEM, 2003). No diagnóstico diferencial deve-se descartar a infecção pelo vírus da imunodeficiência viral felina, outras infecções bacterianas, virais ou fúngicas e ainda outras doenças neoplásicas não virais (TILLEY & SMITH, 2000). Um resultado positivo para a infecção pelo FELV demonstra que o animal está infectado, mas não se sabe se já ocorreu ou não a viremia. Os gatos que apresentam positividade para ELISA estão sob infecção transitória (estágios um a quatro) ou estão persistentemente infectados. Animais que não apresentam sinais clínicos de doenças relacionadas com FELV e apresentam positividade para ELISA,é aconselhável a quarentena e a realização de novo teste de ELISA após a quarta a oitava semanas para determinar se a viremia é transitória ou persistente (JUSTEM, 2003).

10 9 Manifestações oportunistas devido à imunossupressão podem ser divididas em neoplásicas e não neoplásicas. As não neoplásicas mais comuns vão desde febre, diarréias crônicas conjuntivites, rinites até leucemias mielóides e neuropatias periféricas (TILLEY & SMITH, 2000). O linfoma felino é uma das manifestações da infecção com o vírus da leucemia felina. É a mais freqüente das neoplasias hematopoéticas dos gatos sendo que esses animais sofrem uma incidência mais elevada que os demais animais domésticos. Quase todos os linfomas são multicêntricos, mas um número praticamente igual tem origem entérica ou mediastínica (tímica). O linfoma felino também pode ocorrer nos rins, nos olhos, pele e outros tecidos e em sua maioria apresentam - se como um padrão difuso e podem estar compostos de células clivadas e não clivadas (JONES et al., 2000). Em relação aos linfomas, a forma mediastinal foi a mais freqüente entre os felinos FELV positivos (RECHE et al., 2007).

11 10 2 REVISÃO DE LITERATURA LINFOMAS MEDIASTÍNICOS Linfoma mediastínico pode ser definido como neoplasia linfóide que se origina em órgão hematopoético sólido que envolve os linfonodos mediastinais (TILLEY & SMITH, 2000). Seus sinais clínicos são muito variáveis, mas compreendem principalmente dispnéia, letargia, anorexia, regurgitação, febre, gengivite, estomatite e abscessos que não se curam (FOSHEE, 2000). As anormalidades estão quase sempre associadas à cavidade torácica em função do deslocamento pulmonar e cardíaco pela massa e presença de efusão torácica contendo linfócitos neoplásicos. À percussão se observa som maciço da cavidade torácica ventral. Os felinos apresentam diminuição dos sons respiratórios. O Exame radiográfico do tórax na posição lateral demonstra o colapso dos lobos pulmonares craniais e deslocamento dos lobos caudais, elevação da traquéia e a presença de efusão pleural. De um modo geral, na posição ventro- dorsal a imagem radiográfica revela uma radiopacidade na região do mediastino anterior,obscurecendo parcialmente ou totalmente a silhueta cardíaca (JUSTEM, 2003).

12 Métodos de diagnósticos Aspirado de Medula óssea normal. Pode revelar displasia medular mesmo quando o sangue periférico está Análise de fluido pleural Freqüentemente revela linfoblastos num fluido com alto teor protéico e alta contagem de células totais Citologia aspirativa Freqüentemente demonstra linfoblastos em órgãos aumentados e em massas abdominais não identificáveis (ETTINGER & FELDMAN, 1997) Exame radiográfico Um exame radiográfico na posição lateral demonstra geralmente, um colapso dos lobos pulmonares craniais e deslocamento dos lobos caudais, elevação da traquéia e a presença de efusão pleural. De um modo geral, na posição ventro

13 12 -dorsal a imagem radiográfica revela uma radiopacidade na região do mediastino anterior, obscurecendo parcialmente ou totalmente a silhueta cardíaca (JUSTEM, 2003).

14 3 LEUCEMIA VIRAL FELINA, LINFOMA E MEDICINA TRADICIONAL CHINESA (MTC) 13 Uma infecção viral está relacionada na MTC a um fator patogênico exterior, normalmente, no caso de vírus, ao vento e calor. Este vento calor afeta especialmente a imunidade o que então permite o aparecimento de todos os sinais clínicos observados quando de uma infecção viral (BIERMAN & THOMPSON, 2001). Os antigos chineses acreditavam que, no curso da luta entre Zheng Qi (Qi anti-patogênico) e Xie Qi (Qi patogênico), a firmeza ou fraqueza do Zheng Qi decide diretamente a ocorrência, o desenvolvimento, os processos e os resultados da invasão desses fatores patogênicos externos. Essa é a teoria na qual ainda se baseia o tratamento dos distúrbios do sistema imunológico (BIERMAN & THOMPSON, 2001). A MTC enfatiza que o equilíbrio é a chave para a saúde, sendo que a doença ocorre quando há desarmonia neste equilíbrio (BIERMAN & THOMPSON, 2001). Se a função de dispersão dos pulmões estiver comprometida, o Wei Qi não será distribuído por igual no espaço entre a pele e os músculos e o corpo ficará propenso às invasões de fatores patogênicos externos (SHOEN, 2006). A Essência também determina a força constitucional e resistência aos fatores patogênicos externos (embora o Wei Qi seja primariamente responsável pela proteção contra eles, ele extrai sua força e tem sua raiz na Essência dos Rins). Portanto, a Essência tem um importante papel na manutenção da função imune, já que leva a produção de células de defesa. Seu declínio ou deficiência resulta em

15 14 falha do sistema imune no reconhecimento e eliminação de células neoplásicas (CONKLIN, 2002). A proliferação celular incontrolável e disfunção do sistema imune podem ser atribuídas a um declínio da deficiência de Essência (Jing). A Essência, armazenada nos Rins, governa a reprodução, crescimento e desenvolvimento. Portanto, exerce o controle primário do processo de diferenciação e proliferação celular. A falta de controle desses processos pode resultar em crescimento celular descontrolado, que se manifesta como câncer (CONKLIN, 2002). Em termos de patogênese, o linfoma pode ser devido ao vento e calor transformando os líquidos em Fleugma. Essa ênfase na Fleugma é devido ao fato de que, na Medicina Chinesa, todos os nódulos linfáticos aumentados são vistos como um tipo de Fleugma e uma estagnação de Xue. Em geral, a raiz desta doença é vista como vazio, ao passo que a sua ponta ou sucursais são do tipo cheio (FLAWS, 2002). A causa primária da formação de Fleuma é Deficiência de Baço. Se o Baço falhar em transformar e transportar fluidos corporais, eles irão se acumular e formar Fleuma. Embora a Deficiência de Baço seja causa primária na formação de Fleuma, a falha do Pulmão em dispersar e abaixar os fluidos ou a falha dos Rins transformarem e excretarem os fluidos também pode também resultar no seu acúmulo dentro da Fleuma (MACIOCIA, 1996). Os sinais essenciais da fleuma são: a língua com saburra pegajosa e escorregadia, pulso escorregadio e em corda (MACIOCIA, 1996). Com base no que precede os mecanismos patogênicos, existem cinco principais padrões médicos chineses discriminados em doentes com linfoma: 1) Frio, Fleugma congelado e estagnação;

16 15 2) Deficiência de Qi e Fleugma; 3) Vento calor e secura no Sangue; 4) Deficiência de Fígado e Rim; 5) Deficiência de Qi e Sangue Da mesma forma, o padrão de deficiência de Fígado e Rim, descreve os efeitos colaterais da quimioterapia e radiação. Os sinais e sintomas desta fase observados em humanos incluem o alargamento progressivo de nódulos, que são imóveis, acompanhados por emaciação corporal; perda de brilho da pele; calor nos cinco corações (um irritante calor em uma ou todas as palmas das mãos, plantas dos pés e região precordial), suores noturnos; uma língua vermelha, descascada e um pulso flutuante-vazio ou agitado. Na verdade, este não é apenas uma deficiência de Fígado e Rim, mas um padrão de deficiência de Qi e Yin agravado pela Fleugma. Observa-se também nos doentes com este padrão, deficiência de Qi do Baço, pois há também fadiga; lassitude do espírito; falta de força, perda de apetite e náuseas (FLAWS, 2002). 3.1 Tratamento convencional A terapia convencional da leucemia felina é feita por uma terapia primária com quimioterapia e transfusão sanguínea (quando necessária) e com uma terapia suporte com fluidoterapia, suplementação nutricional, controle das infecções oportunistas, imunoestimulantes e corticóides (WOLF, 2000; FOSHEE, 2000; TILLEY & SMITH, 2000).

17 16 Muitos casos de linfoma em gatos positivos para FELV têm sido tratados com êxito pela quimioterapia combinada. São mais comumente utilizados os regimes que usam a vincristina, ciclofosfamida e predinisona. Os períodos de remissão se prolongam, em média por 3 a 4 meses, mas alguns gatos podem permanecer em remissão por período muito mais prolongado (ETTINGER & FELDMAN, 1997) Drogas Quimioterápicas A Ciclofosfamida: tem sido administrada para a neoplasia linforreticular, diversos sarcomas, carcinomas, mastocitomas, e tumores venéreos transmissíveis, como medicação única e associado a outros agentes. Ciclofosfamida necessita da ativação até seu metabólito ativo 4-hidroxiciclofosfamida pelo sistema de oxidadase microssômica hepática, devendo ser administrado VO (via oral) ou IV (intravenosa). A leucopenia é mais grave dentro de uma ou duas semanas após a administração. Comumente a recuperação ocorre dentro de 10 dias. A anemia e a trombocitopenia são menos comuns (ETTINGER & FELDMAN, 1997; BERNARDI et al., 1999). Um problema singular e importante, associado à administração da ciclofosfamida, é a cistite hemorrágica estéril (ETTINGER & FELDMAN, 1997). - Vincristina: é um alcalóide extraído de Vinca rósea. A hipoplasia linfóide e a constipação são complicações potenciais, ocasionalmente observadas em cães e gatos (ETTINGER & FELDMAN, 1997; BERNARDI et al., 1999). É usado como agente antineoplásico por interromper a divisão celular na metáfase, interferindo nos microtúbulos que formam os fusos, responsáveis pela mobilização dos cromossomos.

18 17 Após a administração do Sulfato de Vincristina, alguns pacientes podem apresentar queda na contagem de leucócitos e plaquetas, particularmente quando a terapia previa ou a própria doença reduziu a função da medula óssea. Recomendase fazer um hemograma completo antes da administração de cada dose (PFIZER, 2002) Corticosteróides Os corticosteróides têm uso importante na terapia do linfoma e possuem um efeito benéfico para neoplasias do sistema nervoso central, por sua capacidade de cruzamento da barreira hematoencefálica (ETTINGER & FELDMAN, 1997). Suas ações benéficas em outros tumores sólidos provavelmente estão relacionadas mais aos efeitos antiinflamatórios do que a efeitos anti-tumorais diretos (ETTINGER & FELDMAN, 1997) Drogas imunomoduladoras Imunomoduladores são substâncias que atuam no sistema imunológico conferindo, entre outros, aumento da resposta orgânica contra determinados microrganismos, incluindo vírus, bactérias e protozoários, mediante principalmente a produção de interferon e seus indutores. Determinados imunomoduladores têm a capacidade de aumentar a resistência do hospedeiro a certos tumores. Nos últimos anos, os imunomoduladores vêm sendo empregados no tratamento de

19 18 determinadas enfermidades humanas, especialmente de origem viral e neoplásicas (SANTANA et al., 1979; DESIDÉRIO & RANKIN, 1988). As drogas imunomoduladoras são as medicações largamente utilizadas em gatos infectados pelo FELV. Acredita-se que elas restauram a função imunológica comprometida, permitindo ao paciente controlar a carga viral e se recuperar das síndromes clínicas associadas (ETTINGER & FELDMAN, 1997). Os agentes imunomoduladores incluem o interferon alfa, Staphylococcus proteína A, Propionibacterium acnes, acemannan e dietilcarbamazina, que levam a uma melhora do estado clínico geral do animal (JUSTEM, 2003) Curso da doença esperado e prognóstico Duração média de remissão completa de Linfoma localizado semanas (TILLEY & SMITH, 2000). O prognóstico do linfoma depende da resposta inicial a quimioterapia, localização anatômica, carga tumoral e se o animal é FELV positivo. - Sobrevivência com remissão completa - 7 meses Tempo médio de sobrevivência com remissão parcial é de 2,5 meses - Tempo médio de sobrevivência sem resposta ao tratamento - 1,5 meses Mediastino - cerca de 10% dos pacientes com vida maior que 2 anos. - O tempo médio de sobrevivência com forma digestiva - 8 meses - FELV- positivos, 4 meses (TILLEY & SMITH, 2000).

20 Tratamento MTC O tratamento básico na MTC é de aumentar esta imunidade através do fortalecimento dos órgãos que na medicina chinesa são caracterizados como responsáveis pela imunidade, no caso o Rim em primeiro lugar, os Pulmões e o BP (Baço-Pancrêas). Harmonizar e fortalecer o Qi do BP, fortalecer o Xue, Qi e harmonizar o mar do Xue, bem como harmonizar o Qi do Chong Mai (responsável pela formação de Yong Qi e de Wei Qi). A circulação e a distribuição dessas energias estão relacionadas com a atividade do Chong Mai (YAMAMURA, 2001). A escolha de pontos tem como objetivo harmonizar o Qi do Estômago e do tórax, harmonizar a energia essencial, promover a desobstrução da estagnação de Qi nos canais de energia. Regularizar e tonificar o Qi do pulmão, tonificar o Qi dos Rins e o Yuan Qi, tonificar o Wei Qi restaurar o Yang Qi e formar o Jin Ye. Exteriorizar calor, fazer transitar as energias perversas nos três canais yang do corpo. E por último, fazer a limpeza do fogo e do calor perverso. A Acupuntura, associada a drogas para prevenir as náuseas e vômitos, parece aliviar estes sintomas induzidos pela quimioterapia. Apesar do advento de novas drogas que controlam os efeitos colaterais relacionados à quimioterapia, muitos doentes com câncer continuam a sentir estes efeitos desagradáveis, o que pode prejudicar a qualidade de vida, causando sofrimento emocional, e agravando os sintomas relacionados com câncer - como a perda de peso, letargia e fraqueza (MAK,1997). A remissão espontânea do câncer apenas ocorre quando o sistema imune do paciente age para limpar o câncer. A acupuntura pode além de aliviar a dor dos tumores e equilibrar o fluxo de energia do animal para que o sistema imunológico

21 20 possa equilibrar a produção das células cancerígenas e eventualmente induzir a remissão do tumor (CLEMMONS,1997). Em um estudo realizado em ratos com câncer mamário transplantado observou-se que a acupuntura pode aumentar a resposta imunológica e inibir o crescimento do câncer, reforçando o nível de diferenciação das células tumorais mamárias e infiltração linfocitária e ainda eventualmente reduzir a malignidade das células cancerosas (LIU et al.,1995) Farmacopuntura A injeção de soluções em pontos de acupuntura é facilmente realizável e pode ser em muitos casos o único modo de tratar um animal, principalmente em casos em que esse demonstra dificuldade para contenção e prática da acupuntura. Alguns exemplos dessas substâncias cujo uso é definido para injeção são: água destilada, soluções eletrolíticas, vitaminas, antibióticos, extratos vegetais, anestésicos locais e analgésicos (ETTINGER & FELDMAN,1997). Dependendo do tamanho do animal e do local de aplicação são injetados 0,25 a 2 ml de substâncias nos acupontos. Podem ser utilizadas agulhas hipodérmicas ou até mesmo um Dermo-Jet para a realização da farmacopuntura (SCHOEN, 2006) Viscum Album Na medicina antroposófica, o extrato total do Viscum Álbum foi desenvolvido para tratar doentes com câncer. O mais antigo desses produtos é Iscador. Embora

22 21 Iscador seja considerado como uma terapia complementar é a droga oncológica mais comumente utilizada na Alemanha (ZIEGLER et al., 2001). Mistletoe (Viscum album L.) é uma planta semiparasita que cresce em vários tipos de árvores, incluindo macieiras, carvalhos, pinheiro, vidoeiro do norte da Europa ao noroeste da África, estendendo-se à Ásia Central e Japão (LEFEBVRE & BONAMIN, 2007). Os estudos sobre os mecanismos de ação desse medicamento sugerem que a citotoxicidade do viscum ocorre por inibição da síntese celular protéica, apoptose, danos à membrana plasmática resultando em morte celular, efeito tóxico no aparato de Golgi da célula e efeito antiangiogênico no endotélio venoso das células (prevenindo o desenvolvimento do sistema vascular venoso para sobrevivência tumoral). A lectina é o principal componente responsável pela ação citotóxica, com viscotoxinas contribuindo em alguma extensão (efeito citotóxico em culturas celulares contra células cancerosas humanas). Viscotoxinas foram descobertas intercaladas com DNA, protegendo o da desnaturação pelo calor (AL-ACHI, 2005). A composição química dos produtos de Viscum varia dependendo de muitos fatores como: - O tipo de árvore em que o Viscum cresce; - A época do ano em que a planta é colhida; - A espécie do Viscum; - Se o extrato foi fermentado ou não; - Se o extrato é preparado com métodos homeopáticos; - A empresa que faz o produto (MANSKY, 2007). A concentração de insumo ativo, também chamada de preparação básica, obedece à escala Decimal (D). Na primeira dinamização, D1 ou DX tem-se uma

23 22 diluição correspondente a uma parte de insumo ativo em nove partes de insumo inerte também chamado de excipiente. Na segunda dinamização decimal, D2 ou 2X, tem-se uma diluição correspondente a uma parte de D1 em nove partes do insumo inerte. E assim, na mesma seqüência para as seguintes diluições, D3, D4 e D5 (LEFEBVRE & BONAMIN, 2007). Extratos de Viscum tem mostrado matar células cancerígenas em laboratório e estimular o sistema imunológico. Por esta razão, o Viscum tem sido classificado como um tipo de substância que estimula o organismo a responder a infecções e doenças, e que protege o DNA das células brancas do sangue, incluindo células que são expostas à quimioterapia. Alcalóides, visco toxinas e lecitinas são alguns ingredientes presentes no Viscum (MANSKY, 2007). 3.3 Conscientização do proprietário O paciente FELV positivo deve ser mantido dentro de casa tanto para evitar a transmissão para outros gatos com para poupá-lo de ter acesso às doenças oportunistas como às dermatofitoses, diarréias entre outras. Assim como as fêmeas sabidamente positivas devem ser excluídas da reprodução devido às formas de transmissão (TILLEY & SMITH, 2000).

24 23 4 RELATO DE CASO O presente trabalho relata o caso de um animal da espécie felina siamês, macho, de 3 (três) anos de idade, com 4,6 quilogramas de peso, com histórico de apatia, hiporexia, emagrecimento, perda de pêlos generalizada e incômodo ao ser manuseado, com sintomas aproximadamente 20 dias de evolução. Ao exame clínico foi possível observar uma discreta dispnéia. A inspeção direta da cavidade oral revelou presença de gengivite. Foram solicitados exames radiográficos. As radiografias torácicas em posições lateral, e ventro-dorsal demonstraram presença de grande área radiopaca em campos pulmonares com maior expressão em antímero direito. Foi então realizada uma toracocentese e em seguida as radiografias foram repetidas e demonstraram presença de grandes áreas radiopacas circunscritas em campos pulmonares. Cem mililitros de efusão pleural de coloração vermelha foram retirados através da toracocentese e enviados para análise citopatológica e demonstraram presença de inúmeros linfócitos atípicos, apresentando vacuolização intensa, alto grau de pleiomorfismo, atipia e anisocariose. Figuras de mitose presentes em grande quantidade, visualização eventual de linfoblastos, quadro citológico compatível com linfoma. Além desses achados, o exame para FIV/FELV (imunodeficiência viral felina) revelou ser positivo para FELV. Não foram detectadas alterações no hemograma. Na contagem de plaquetas foi identificada trombocitopenia.

25 24 Os achados da anamnese, sinais clínicos e resultados dos exames laboratoriais levaram-nos ao diagnóstico de linfoma mediastinal decorrente da infecção pelo vírus da FELV. O protocolo quimioterápico adotado constou de sulfato de vincristina intravenosa na dose de 0,5 mg/m 2 semanalmente; prednisona via oral na dose de 2 mg/kg por dia sempre no final da tarde e ciclofosfamida via oral na dose de 50mg/m 2 a cada 24 horas, quatro vezes por semana. Foram realizadas semanalmente sessões de farmacopuntura com Viscum Álbum MD4. Os pontos utilizados durante as sessões foram: BP4 (Gong Sun) Localização: Na depressão rasa do aspecto medial da base do primeiro osso metatarsiano, que é bastante reduzido (ergot); ou então, deve se identificar o ponto no aspecto medial da base do segundo osso metatarsiano. Indicação: Gastrite, diarréia, constipação. PC6 (Nei Guan) Ponto de conexão para o meridiano do triplo aquecedor, Ponto confluente (de abertura) para o canal Yin Wei. Localização: No sulco muscular, caudalmente ao músculo flexor e cranialmente ao músculo flexor superficial digital, a cerca de 1/6 do carpo até a fossa cubital, abaixo desse ponto esta o nervo mediano e a artéria mediana; ou a 2 cun acima da prega transversa do punho, entre os tendões do flexor superficial dos dígitos e flexor radial do carpo. Indicações: Distúrbios cardiovasculares, neurose, epilepsia. Distúrbios do abdome cranial, úlceras gástricas, gastrite, vômitos, mal estar gástrico.

26 25 Chong mai Vaso Penetrador Começa entre os rins, aparece no VC 1, se divide e segue para cima em cada lado do abdômen paralelo ou em conjunto com o Canal principal do Rim. Antes do canal sair do abdomen ele se aprofunda e envia um ramo ventralmente para a coluna espinhal. A partir do ponto E 30 tem um ramo secundário que desce pelo aspecto Yin do membro posterior, penetra no calcâneo e corre pela fíbula, aparece de novo no maléolo lateral e manda ramos ao pé. Pontos: VC1, E30*, R11 a R15, VC7, R16 a R21 Ponto Mestre BP4 Ponto associado Pc6 Funções Regular a circulação do Yin e Yang pelo Zang Fu Faz conexão entre : Sangue e Qi Du Mai e Ren Mai Qi pré e pós celestial ( BP e R) Regular o Qi e Xue em tórax e abdome (movimentar), regularizar a menstruação Movimentar sangue de C, BP e acalmar as emoções Patologias Associado com mal-funcionamento geral da circulação com nutrição diminuída do Yin do corpo. É geralmente associado com anormalidades na circulação do sangue e do útero

27 26 Fluxo contracorrente de Qi Condições tratáveis Estagnação de sangue no peito Massas devido a estagnação de sangue Estagnação de alimento Estagnação no esôfago Dor crônica nos dois olhos Borburigmos e arrotos Diarréia e dor abdominal Sangramento pós-parto Desequilíbrios entre Fígado e BP IG10 (Shou San Li) - Localização: Na extremidade lateral da fossa cubital; quando a articulação do cotovelo é fletida em ângulo reto, localiza-se no ponto médio entre o tendão do bíceps braquial e o epicôndilo lateral do úmero. Indicações: Dor no cotovelo e no membro anterior, neurodermatite, distúrbios cutâneos distúrbios endócrinos. Ponto homeostático e estimulador do sistema imunológico. Freqüentemente usado nos distúrbios alérgicos e infecciosos. Importante ponto de tonificação. E36-(Zu San Li)-Localização: 3/16 da distancia entre o ponto E35 até o tarso cranial ou 3 cun abaixo de E35, cerca de um digito de largura

28 27 lateralmente à crista tibial, na porção lateral do músculo tibial cranial. É conhecido como Hou San Li na acupuntura tradicional. Indicações: Distúrbios gastrointestinais, ponto de tonificação geral para qualquer condição de deficiência, paralisia do membro pélvico, doenças metabólicas e endócrinas, analgesia por acupuntura. VG14 (Da Zhui) - Localização: No plano mediano entre os processos espinhosos da sétima vértebra cervical e da primeira vértebra torácica. Indicações: Febre, imunodeficiência, epilepsia espondilose cervical, asma brônquica. Importante para estimular o sistema imunológico. O tratamento foi iniciado com a prednisona e a farmacopuntura devido à dificuldade de aquisição do quimioterápico ciclofosfamida, sendo que a primeira quimioterapia foi realizada duas semanas após a confirmação do diagnóstico. Na primeira semana de quimioterapia o animal apresentou vômito, anorexia, a medicação quimioterápica foi suspensa e iniciou-se o uso de omeprazol via oral na dose de 1 mg/kg a cada 24 horas. Na semana seguinte, foi realizado hemograma e contagem de plaquetas e constatou-se leucopenia e trombocitopenia, sendo por isso suspensa à quimioterapia e mantida a farmacopuntura. Duas semanas após a primeira quimioterapia, realizou-se a segunda semana de quimioterápicos, o que novamente provocou discreta leucopenia, sendo também por isso apenas mantido a farmacopuntura. O animal recebeu, portanto, duas semanas de quimioterapia com intervalo de duas semanas e quatro sessões de farmacopuntura a intervalos semanais seguidas.

29 Quarenta e três dias após o diagnóstico realizaram-se novas radiografias torácicas nas posições lateral e ventro-dorsal, e nelas não foram observadas 28 evidências radiograficamente detectáveis em estruturas avaliáveis. Devido aos efeitos colaterais da quimioterapia, a proprietária optou em não fazer mais e continuar apenas com as sessões de farmacopuntura. No quarto mês de tratamento, o paciente ficou 4 semanas sem receber a farmacopuntura. No quinto mês, voltou a apresentar dispnéia, vômitos e hiporexia, foi radiografado novamente e foi observado presença de grande área radiopaca em campos pulmonares. Foi então realizada novamente uma toracocentese de onde foram drenados 25 mililitros de efusão pleural de coloração avermelhada. As sessões de quimioterapia e farmacopuntura voltaram a ser feitas. Vinte dias após a realização da toracocentese o animal voltou a apresentar dispnéia e apatia. O animal foi radiografado e mais uma vez foi observada presença de grande área radiopaca em campos pulmonares. Ao hemograma pode-se observar pela primeira vez anemia, leucopenia, linfocitose e trombocitopenia acentuadas. Devido às complicações, a proprietária optou pela eutanásia.

30 29 Ilustração 1 Raio-X, projeção latero-lateral Ilustração 2 Raios-X, projeção ao ventro-dorsal

31 30 Ilustração 3 líquido drenado por toracocentese Ilustração 4 Raio-X de projeção latero-lateral pós tratamento

32 Ilustração 5 Raio -X, de projeção ventro dorsal pós tratamento. 31

33 32 5 DISCUSSÃO A leucopenia e a trombocitopenia observadas demonstram a citotoxidade esperada causada pela quimioterapia. A literatura cita que os períodos de remissão se prolongam, em média por 3 a 4 meses, mas alguns gatos podem permanecer em remissão por período muito mais prolongado. O tratamento com a farmacopuntura com o fármaco o Viscum Álbum MD4 associado ao protocolo quimioterápico convencional diminuiu efeitos colaterais pois ao tratar a doença sob a ótica da MTC, procurou-se restabelecer o equilíbrio do individuo, estimulando a imunidade através do fortalecimento dos órgãos que na MTC têm esta função, poupando o paciente de doenças oportunistas e dando condições para que o próprio organismo pudesse combater as células cancerígenas.

34 33 6 CONCLUSÃO A leucemia felina é uma patologia grave, onde o animal quando não sofre de doenças oportunistas que levam a um maior consumo energético pode apresentar linfomas os quais também irão acarretar serias complicações no organismo como um todo. O tratamento convencional normalmente conduz a efeitos colaterais muitas vezes tão graves quanto os sintomas da doença propriamente dita. Levando em consideração esses efeitos colaterais e os períodos de remissão e sobrevida dos pacientes, o presente caso teve um tempo de remissão bastante abaixo do esperado, apesar de ter tido um tempo de sobrevida dentro do esperado,observou-se uma diminuição considerável dos efeitos colaterais do tratamento com a quimioterapia enquanto recebia as sessões de farmacopuntura, bem como não se constatou a presença de outras enfermidades oportunistas. Considerando-se também que o paciente não fez uso de nenhuma outra droga imunoestimulante que não fosse o próprio Viscum Álbum sugere-se assim que a associação da farmacopuntura com Viscum como um tratamento complementar ao tratamento quimioterápico é benéfica.

35 34 7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AL-ACHI, A. Mistletoe (Viscum Album).US Pharm. v.30, p. BERNARDI, M.M.; GÓRNIAK, L.S; SPINOSA, S.H. Agentes antineoplasicos. In: Farmacologia aplicada a Medicina Veterinária. 2 a ed., Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. BIERMAN, N.; THOMPSON, C.; Acupuncture for Immunologic Disorders in veterinary acupuncture, Panciente Art to Modern Medicine. Saint Luis: Mosby, p. CLEMONS, R.M. Integrative treatment of cancer in dogs. University of Florida: 1997.Disponível em: < htpp://neuro.vetmed.ufl.edu/neuro/cancer/canceraltmed.htm>. Acesso em 10 Out CONKLIN, K. A. Acupuncture And The Cancer Patient : Medical Acupuncture. v. 14, p. DESIDERIO, J.D.; RANKIN, B.M. Imunomoduladores. In: KIRK, R.W - Atualização terapêutica veterinária: pequenos animais. São Paulo: Manole, v.1, p. ETTINGER, S. J.; FELDMAN, E. C. Moléstias virais felinas. In: BARR, M.C.; OLSEN, C.W.; SCOTT, F.W.-Tratado de Medicina Interna Veterinária. 4ª ed., v 2, São Paulo: Manole,

36 35 FLAWS, B. Chinese Medical Treatment of Malignant Lyphoma. In: Acupuntcure Today. v.3, Disponivel em:<htpp://www.acupuncturetoday.com.mpac/at/article.php?id=28009>. Acesso 10 Out FOOSHEE, S. K. Infeccion com virus de inmunodefeciência felina, Virus de leucemia felina. In: El Paciente Felino. São Paulo : Intermédica, , p. JONES, T.C.; HUNT, R.D.; KING, N.W. Patologia Veterinária. 6ª ed., São Paulo: Manole, p. JUSTEM, H. Leucemia Viral Felina. In: JUSTEM, H.; TEIXEIRA, C.H.R.- Coletâneas em Medicina e Cirurgia Felina. 1ª ed., Rio de Janeiro: LF, p. LEFEBVRE, G.N.F.; BONAMIN, L.V OLIVEIRA, C.M. Tratamento de tumor venéreo transmissível (TVT) canino utilizando Viscum allbum em associação á quimioterapia. Revista Clinica Veterinária. Ano XII, n.70, p. LIU, L.J.; GUO,C.J.; JIAO, X.M. Zhongguo Zhong Xi Yi Jie He Za Zhi [Effect of acupuncture on immunologic function and histopathology of transplanted mammary]. 1995, 15 (10): Disponivel em: <htpp:// w&indered=google>. Acesso em 10 Out MACIOCIA, G. Os fundamentos da medicina chinesa. 1ª ed., São Paulo: Roca, p.

37 MAK, E. Acupuncture in Cancer Treatment Disponivel em: <htpp://www.leukemialymphoma.org>. Acesso em : 10 de Out de MANSKY, P.J. National Center for Complementary and Alternative Medicine: Phase I Study of Gemcitabine and Mistletoe in Patients With Advanced Solid Tumors, NCCAM-02-AT-260, Clinical trial, Closed, National Câncer Institute, Disponivel em :<http//:www.cancer.gov>. Acesso em: 10 Out PFIZER. São Paulo, Disponível em : <http::\\backoffice.pfizer.com.br/bula Pfizer/VincristinaCS.pdf>. Acesso em : 10 Out QUACKENBUSH, P.R.; DONAHUE, G., A.; DEAN, M. H.; MYLES, C.D.; ACKLEY, M.D.; COOPER, J.; IMULLINS, N.A.; HOOVER, E.A. Lymphocyte subset alterations and viral determinants of immunodeficiency disease induction by the feline leukemia virus FeLV-FAIDS. J. VIROL. 1990, n p. Disponivel em:<htpp://www.pubmedcentral.nhi.gov/artclerender.fcgi?&artid=248598>. Acesso 10 Out RECHE JUNIOR, A; HAGIWARA, M. K; LUCAS, S. R. R. Estudo clínico da síndrome de imunodeficiência adquirida em gatos domésticos de São Paulo / Clinical study of acquired immunodeficiency syndrome in domestic cats in São Paulo. Braz. J. Vet. Res. Anim.Sci. n.34, v.3, p. SANTANA, C.F., ASFORA, J.J., LINS, L.P. Efeitos imunoestimulantes do Corynebacterium parvum em pacientes portadores de neoplasias malígnas. Rev. Inst. Antib., v.19, p.

38 37 SHERDING, R. G. Doenças infecciosas: virus da Imunodeficiencia felina, virus da leucemia felina. In: Manual Sauders clinica de pequenos animais. 2ª ed., São Paulo: Roca, 2003, p. SHOEN, A. M. Acupuntura veterinária: da arte antiga à medicina moderna. Tradução por Maria Inês Garbino Rodrigues. São Paulo: Roca, p. TILLEY, L.P.; SMITH, F. W. K. Feline Leukemia vírus(felv). In: The 5- minute veterinary consult. Lippincott Williams & Wilkins Copyright 2000All Rights Reserved. ZIEGLER, R.; BAUMGARTHER, S.M; KIENE,H.; GROSSARTH-MATICEK, R.Use of Iscador, an extract of European mistletoe (Viscum album), in cancer treatment: prospective nonrandomized and randomized matched-pair studies nested within a cohort study. Journal alternative therapies in health an medicine. v.7, , 68-72, p. Disponível em: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/ ?ordinalpos=6&itool=entrezsystem2.pentrez.pubmed.pubmed_resultspanel.pubmed_rvdocsum>. Acesso em 10 Out WOLF, A. M. CVT. Update: Feline Leucemia Vírus. In: KIRK S, C. - Veterinary Therapy Small Animal Practice. W. B. Saunders Company, Filadélfia : 2000, p. YAMAMURA, Y. Acupuntura tradicional: a arte de inserir. ed.rev. e ampliada. São Paulo: Roca, p.

CENTRO DE ESTUDOS FIRVAL CURSO DE ACUPUNTURA CORPO ENERGÉTICO. Elaborado por Profa. Romana de Souza Franco. 1

CENTRO DE ESTUDOS FIRVAL CURSO DE ACUPUNTURA CORPO ENERGÉTICO. Elaborado por Profa. Romana de Souza Franco. 1 CENTRO DE ESTUDOS FIRVAL CORPO ENERGÉTICO 1 CENTRO DE ESTUDOS FIRVAL INTRODUÇÃO: O corpo energético humano, às vezes chamado de corpo etéreo permeia e cerca o corpo físico sólido. É a soma dos campos de

Leia mais

Problemas Gastro-Intestinais

Problemas Gastro-Intestinais Problemas Gastro-Intestinais Parâmetros Ocidentais Vômito; Dor na região abdominal, gástrica, etc. Gastrite, Úlcera, Diarréia, Prisão de ventre (constipação) Cólica, Vermes. Anamnese: Tipo de dor ou desconforto:

Leia mais

SANGUE (XUE) NA MTC, O XUE É UMA FORMA DE QI, MUITO DENSO E MATERIAL

SANGUE (XUE) NA MTC, O XUE É UMA FORMA DE QI, MUITO DENSO E MATERIAL SANGUE (XUE) NA MTC, O XUE É UMA FORMA DE QI, MUITO DENSO E MATERIAL SANGUE É INSEPARÁVEL DO QI, JÁ QUE O QI PROPORCIONA VIDA AO XUE, SEM O QUAL ELE SERIA UM FLUIDO INERTE XUE DERIVA EM SUA MAIORIA DO

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LUCIANE CAMILA HISCHING 1, FABIOLA DALMOLIN 2, JOELMA LUCIOLI 3, THIAGO NEVES BATISTA 3, JOSÉ EDUARDO BASILIO DE OLIVEIRA GNEIDING 3. 1 Discente Medicina

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

CANAIS E COLATERAIS (JING-LUO)

CANAIS E COLATERAIS (JING-LUO) CANAIS E COLATERAIS (JING-LUO) A TEORIA DE JING-LUO ESTUDA AS ALTERAÇÕES FISIOPATOLÓGICAS DOS CANAIS E COLATERAIS E A RELAÇÃO ENTRE ESTES E OS ÓRGÃOS INTERNOS DO CORPO JING-LUO É O NOME DADO AO CONJUNTO

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

Prof. Carolina C. T. Haddad. Instituto Bioethicus. Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária PULSOLOGIA

Prof. Carolina C. T. Haddad. Instituto Bioethicus. Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária PULSOLOGIA Instituto Bioethicus Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária PULSOLOGIA A arte da palpação é de extrema importância dentro do exame semiológico da Medicina Veterinária Tradicional Chinesa e a

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

Dor segundo a Medicina Chinesa

Dor segundo a Medicina Chinesa XII Simpósio Brasileiro de Aperfeiçoamento em Acupuntura e Terapias Orientais Dor segundo a Medicina Chinesa Introdução Definição A IASP- International Association for the Study of Pain (Associação Internacional

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC Documentário Despertar Para a Vida Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC RESUMO A leucemia atinge grande parte da população mundial. Em 2008

Leia mais

Título Resumido. Poço (Jing)

Título Resumido. Poço (Jing) Analgesia Tendinomuscular pelo Ponto Poço (Jing) Material elaborado pelo corpo docente da EBRAMEC / CIEFATO Para os cursos da Escola Brasileira de Medicina Chinesa Direção Geral: Dr. Reginaldo de Carvalho

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

Tratamento das patologias vestibulares segundo a MVTC. Carolina C. T. Haddad Congresso da ABRAVET Março de 2012

Tratamento das patologias vestibulares segundo a MVTC. Carolina C. T. Haddad Congresso da ABRAVET Março de 2012 Tratamento das patologias vestibulares segundo a MVTC Carolina C. T. Haddad Congresso da ABRAVET Março de 2012 Sistema Vestibular Introdução Função: transmitir a informação do ouvido interno até o cérebro

Leia mais

Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS

Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS 1. Terapêutica Clínica Geral: a. Equilíbrio ácido-básico e hidro-eletrolítico. b. Fluidoterapia. c. Terapêutica hematológica (transfusões). d. Utilização

Leia mais

A ESTAGNAÇÃO DO QI DO FÍGADO (GAN) E SUA RELAÇÃO COM O MIOMA

A ESTAGNAÇÃO DO QI DO FÍGADO (GAN) E SUA RELAÇÃO COM O MIOMA A ESTAGNAÇÃO DO QI DO FÍGADO (GAN) E SUA RELAÇÃO COM O MIOMA Frederico César Especialista em Acupuntura e Farmacologia Chinesa Mestrando em Patologia pela UFMG Útero e seus aspectos sociais. A menarca,

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

TRATAMENTO PARA MIOMA. INSTITUTO Long Tao

TRATAMENTO PARA MIOMA. INSTITUTO Long Tao TRATAMENTO PARA MIOMA INSTITUTO Long Tao Mioma Uterino DEFINIÇÃO: É UM TUMOR BENIGNO QUE SURGE QUANDO UMA CÉLULA DO ÚTERO DA MULHER COMEÇA A SE MULTIPLICAR DE FORMA DESORDENADA. Definição na MTC: O mioma

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN Gânglio Linfático O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É O LINFOMA DE HODGKIN? O linfoma de Hodgkin é um cancro do sistema linfático, que surge quando as células linfáticas se alteram

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

HEMANGIOSSARCOMA ESPLÊNICO EM CÃO DA RAÇA BOXER - RELATO DE CASO

HEMANGIOSSARCOMA ESPLÊNICO EM CÃO DA RAÇA BOXER - RELATO DE CASO HEMANGIOSSARCOMA ESPLÊNICO EM CÃO DA RAÇA BOXER - RELATO DE CASO ARYENNE KAROLYNNE DE OLIVEIRA 1, GABRIELA RODRIGUES SAMPAIO 2, JOSÉ ARTHUR DE ABREU CAMASSA 3, FERNANDO YOITI KITAMURA KAWAMOTO 4, PAULA

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

OITO PRINCÍPI P O I S

OITO PRINCÍPI P O I S OITO PRINCÍPIOS TEM COMO FUNÇÃO IDENTIFICAR, ATRAVÉS DOS DADOS OBTIDOS DO PACIENTE: A LOCALIZAÇÃO DA DESARMONIA A NATUREZA DA DESARMONIA AS CONDIÇÕES DOS FATORES PATOGÊNICOS E DE RESISTÊNCIA DO ORGANISMO

Leia mais

Infermun em parvovirose canina

Infermun em parvovirose canina em parvovirose canina Redução do tempo de recuperação em cães infectados por Parvovirus e tratados com Departamento I+D. Laboratórios Calier, S.A. INTRODUÇÃO: A Parvovirose é uma das enfermidades entéricas

Leia mais

Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal

Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal Metastatis (grego) Transferência, mudança de lugar Disseminação da doença Sinal de doença avançada Qual a via preferencial de metástase

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2004 HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Este manual tem como objetivo fornecer informações aos

Leia mais

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina GEAC UFV Grupo de Estudos de Animais de Companhia Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina Cecilia Sartori Zarif, Graduanda do 9 período de Medicina Veterinária da UFV Etiologia Anemia Infecciosa Felina

Leia mais

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA Acupuntura Profa. Alessandra Barone. Histórico Teoria Yin Yang Teoria dos Cinco Elementos Substâncias Vitais

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA Acupuntura Profa. Alessandra Barone. Histórico Teoria Yin Yang Teoria dos Cinco Elementos Substâncias Vitais MEDICINA TRADICIONAL CHINESA Acupuntura Profa. Alessandra Barone Histórico Teoria Yin Yang Teoria dos Cinco Elementos Substâncias Vitais Medicina Tradicional Chinesa Histórico Antes de 2000 a.c Origem

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ Veruska Martins da Rosa

Leia mais

ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DE CEFALÉIAS. Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO

ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DE CEFALÉIAS. Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DE CEFALÉIAS Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO Se o problema tem solução, não esquente a cabeça, porque tem solução. Se o problema não tem solução, não esquente a cabeça,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

PADRÕES DO FÍGADO (GAN)

PADRÕES DO FÍGADO (GAN) PADRÕES DO FÍGADO (GAN) ESTAGNAÇÃO DO QI DO FÍGADO (GAN) SENSAÇÃO DE DISTENSÃO E DOR NOS HIPOCÔNDRIOS - NO NÍVEL FÍSICO A ESTAGNAÇÃO DE FÍGADO SE MANIFESTA PRINCIPALMENTE NESTA REGIÃO, EM AMBOS OS LADOS.

Leia mais

Antes de imprimir este material, considere a possibilidade de apreciá-lo no computador ou leitor de textos. Preserve o meio ambiente

Antes de imprimir este material, considere a possibilidade de apreciá-lo no computador ou leitor de textos. Preserve o meio ambiente Antes de imprimir este material, considere a possibilidade de apreciá-lo no computador ou leitor de textos. Preserve o meio ambiente SHEN LONG Curso de ACUPUNTURA TRADICIONAL CHINESA = ZANG FU = Coordenador

Leia mais

Medicina Tradicional Chinesa

Medicina Tradicional Chinesa Medicina Tradicional Chinesa Os Chineses acreditam que a vida e a saúde estão relacionadas diretamente ao fluxo de energia pelo corpo: "CHI". A doença se manifesta quando a energia é bloqueada. A MTC se

Leia mais

XI Simpósio Brasileiro de Aperfeiçoamento em Acupuntura e Terapias Orientas EBRAMEC - CIEFATO

XI Simpósio Brasileiro de Aperfeiçoamento em Acupuntura e Terapias Orientas EBRAMEC - CIEFATO XI Simpósio Brasileiro de Aperfeiçoamento em Acupuntura e Terapias Orientas EBRAMEC - CIEFATO Material elaborado pela Direção e Coordenação da EBRAMEC Direção Geral: Reginaldo de Carvalho Silva Filho Coordenação

Leia mais

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto Imunologia dos Transplantes Dayse Locateli Transplante: ato de transferir células, tecidos ou órgãos de um lugar para outro. Indivíduo doador Receptor Dificuldades: Técnicas Cirúrgicas Quantidade de doadores

Leia mais

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA) NT 101/2013 Solicitante: Juiz de Direito NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Número do processo: 0119213-86.2013.8.13.0525 Data: 22/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado de Minas

Leia mais

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA A Doença, ou Linfoma de Hodgkin, é uma forma de câncer que se origina nos linfonodos (gânglios) do sistema linfático, um conjunto

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

Aula de Localização de Pontos e Meridianos do Movimento Metal. Pulmão e Intestino Grosso. Instituto Quallitas. Novembro de 2009.

Aula de Localização de Pontos e Meridianos do Movimento Metal. Pulmão e Intestino Grosso. Instituto Quallitas. Novembro de 2009. Aula de Localização de Pontos e Meridianos do Movimento Metal Pulmão e Intestino Grosso Instituto Quallitas Novembro de 2009 Funções do Pulmão 1. Governar Qi e a Respiração Controla o Qi da respiração

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal O QUE É? O NEUROBLASTOMA Coluna Vertebral Glândula supra-renal O NEUROBLASTOMA O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O NEUROBLASTOMA? O neuroblastoma é um tumor sólido maligno, o mais frequente em Pediatria

Leia mais

Inicio: 30/31 de maio de 2015 VIDA E BEM ESTAR NA TERCEIRA IDADE Ter qualidade de vida e bem estar na terceira idade depende de vários fatores, mas principalmente da forma como nos percebemos em cada fase

Leia mais

EMBRIOLOGIA ENERGÉTICA

EMBRIOLOGIA ENERGÉTICA EMBRIOLOGIA ENERGÉTICA FECUNDAÇÃO: ovócito + espermatozóide multiplicação celular durante os primeiros dias o embrião tem forma arredondada (fase de mórula) por volta do 12 º dia, vai passando para uma

Leia mais

6/22/2015. Prof. Gustavo Vilela da Silveira, MSc

6/22/2015. Prof. Gustavo Vilela da Silveira, MSc Acupuntura na Osteoartrose Prof. Gustavo Vilela da Silveira, MSc Osteoartrose 1 Osteoartrose Outras denominações ; Artrose; Doença Articular Degenerativa; Artrite Degenerativa. 2 É a doença articular mais

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ACUPUNTURA E MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

AVALIAÇÃO DE ACUPUNTURA E MEDICINA TRADICIONAL CHINESA AVALIAÇÃO DE ACUPUNTURA E MEDICINA TRADICIONAL CHINESA Ficha No.: Data: Nome: Data Nasc.: Naturalidade: Estado civil: Filhos: Endereço: Profissão: Fone(s): 1. Queixa Principal (QP): 2. História da Moléstia

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 Fisiopatologia do Processo Maligno As células são conhecidas desde o século XVII, quando foram observadas com microscópios muito

Leia mais

A Vesícula Biliar (DAN)

A Vesícula Biliar (DAN) A Vesícula Biliar (DAN) 44 pontos bilaterais Natureza YANG Elemento Madeira Acoplado ao Fígado (GAN) A Vesícula Biliar (DAN) A Vesícula Biliar (DAN) é considerada uma víscera de comportamento particular,

Leia mais

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio vírus Vírus - Características Gerais Seres acelulares Desprovidos de organização celular Não possuem metabolismo próprio Capazes de se reproduzir apenas no interior de uma célula viva nucleada Parasitas

Leia mais

FLUIDOS CORPÓREOS (JIN YE) YE = FLUIDO DE ORGANISMOS VIVOS (DAS FRUTAS, POR EXEMPLO)

FLUIDOS CORPÓREOS (JIN YE) YE = FLUIDO DE ORGANISMOS VIVOS (DAS FRUTAS, POR EXEMPLO) FLUIDOS CORPÓREOS (JIN YE) OU FLUIDOS ORGÂNICOS JIN = ÚMIDO = ALGO LÍQUIDO YE = FLUIDO DE ORGANISMOS VIVOS (DAS FRUTAS, POR EXEMPLO) JIN - FLUIDOS YE - LÍQUIDOS PUROS, CLAROS, AQUOSOS, DILUÍDOS TURVOS,

Leia mais

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Oncologia Aula 2: Conceitos gerais Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Classificação da Quimioterapia Em relação ao número de medicamentos usados; Em relação ao objetivo; Em relação à via de administração;

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

Prof. Henrique Adam Pasquini

Prof. Henrique Adam Pasquini Segundo a MTO Prof. Henrique Adam Pasquini RSRSRSRSRSRS... Prof. Henrique Adam Pasquini 2 INSPEÇÃO DA LÍNGUA MTC A Língua é o broto do Coração. Embriologia A Língua e o coração se originam de um mesmo

Leia mais

Acupuntura em Cardiologia Funcional. Prof. Ms. Jean Luis de Souza. Diretor Geral: IPGU

Acupuntura em Cardiologia Funcional. Prof. Ms. Jean Luis de Souza. Diretor Geral: IPGU Acupuntura em Cardiologia Funcional Prof. Ms. Jean Luis de Souza Presidente SOBRAFISA NACIONAL Diretor Geral: IPGU Acupuntura em Cardiologia Energética Funcional * PROGRAMA * SISTEMA CARDIOVASCULAR * ELEMENTOS

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

PONTOS ESPECIAIS PARA DIVERSOS TRATAMENTOS. Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO

PONTOS ESPECIAIS PARA DIVERSOS TRATAMENTOS. Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO PONTOS ESPECIAIS PARA DIVERSOS TRATAMENTOS Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO "A saúde é o resultado não só de nossos atos como também de nossos pensamentos." (Mahatma Gandhi) SHIATSU TERAPIA Terapia

Leia mais

Anhanguera - Uniderp

Anhanguera - Uniderp Anhanguera - Uniderp CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA A SELEÇÃO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICO- VETERINÁRIA - PRMV R1 / TURMA 2012 ÁREA DE CLÍNICA E CIRURGIA DE PEQUENOS ANIMAIS 1. Terapêutica Clínica Geral

Leia mais

Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina

Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina Termo de Esclarecimento e Responsabilidade Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina Eu, (nome do paciente(a) abaixo identificado(a) e firmado(a)), declaro ter sido

Leia mais

O fígado e a deficiência de alfa-1. antitripsina (Alfa-1) 1 ALPHA-1 FOUNDATION

O fígado e a deficiência de alfa-1. antitripsina (Alfa-1) 1 ALPHA-1 FOUNDATION O fígado e a deficiência de alfa-1 antitripsina (Alfa-1) 1 ALPHA-1 FOUNDATION O que é deficiência de alfa-1 antitripsina? Alfa-1 é uma condição que pode resultar em graves doenças pulmonares em adultos

Leia mais

RADIOLOGIA DO ESÔFAGO

RADIOLOGIA DO ESÔFAGO RADIOLOGIA DO ESÔFAGO Esofagograma : administração de substância com densidade diferente do órgão. São elas sulfato de bário (rotina) e soluções iodadas (casos de suspeita de ruptura) na dose de 2 a 6

Leia mais

INSTITUTO HOMEOPÁTICO JACQUELINE PEKER CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ACUPUNTURA VETERINÁRIA USO DA ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DE IMUNODEFICIÊNCIA FELINA

INSTITUTO HOMEOPÁTICO JACQUELINE PEKER CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ACUPUNTURA VETERINÁRIA USO DA ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DE IMUNODEFICIÊNCIA FELINA INSTITUTO HOMEOPÁTICO JACQUELINE PEKER CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ACUPUNTURA VETERINÁRIA USO DA ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DE IMUNODEFICIÊNCIA FELINA REVISÃO DE LITERATURA LAURA FERNANDA CONDOTA BORBA DE

Leia mais

Princípios Gerais de Anatomia Veterinária

Princípios Gerais de Anatomia Veterinária Princípios Gerais de Anatomia Veterinária Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional I juliana.pinheiro@kroton.com.br DEFINIÇÃO A anatomia é a ciência que estuda o corpo animal no que se refere á sua

Leia mais

Citostal. Cápsulas. 10mg e 40mg

Citostal. Cápsulas. 10mg e 40mg Citostal Cápsulas 10mg e 40mg APRESENTAÇÕES CITOSTAL (lomustina) é apresentado na forma farmacêutica de cápsulas nas concentrações de 10mg e 40mg em frascos com 5 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007.

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

** Pessoas jovens com má alimentação e estresse emocional que também geram vento no Fígado também estão propícios a ter Parkinson.

** Pessoas jovens com má alimentação e estresse emocional que também geram vento no Fígado também estão propícios a ter Parkinson. Doença de Parkinson A Doença de Parkinson é uma síndrome caracterizada por lentidão de movimento, rigidez e tremor resultante de disfunção nos glânglios da base, com diminuição da dopamina e aumento da

Leia mais

dr-cesar TERAPIAS ENERGÉTICAS CURSOS AMBULATÓRIO E CONSULTORIA

dr-cesar TERAPIAS ENERGÉTICAS CURSOS AMBULATÓRIO E CONSULTORIA PRINCIPAIS SÍNDROMES Autor - Wanderley Rocha Casalecchi PADRÕES DO FÍGADO (GAN) ESTAGNAÇÃO DO QI DO FÍGADO (GAN) MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: SENSAÇÃO DE DISTENSÃO E DOR NOS HIPOCÔNDRIOS - NO NÍVEL FÍSICO A

Leia mais

巴 西 中 医 学 院 bāxī zhōngyī xuéyuàn

巴 西 中 医 学 院 bāxī zhōngyī xuéyuàn CRONOBIOLOGIA CHINESA Luci Aquemi Hayashi Machado Luci.hayashi@onda.com.br Nei Su Wen (Questões Simples) os ritmos impostos pelas horas, dias, meses, anos, influenciam todos os seres vivos, inclusive os

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Guia para o doente Informação de segurança sobre o seu tratamento com Xalkori (crizotinib)

Guia para o doente Informação de segurança sobre o seu tratamento com Xalkori (crizotinib) Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Guia para o doente Informação de segurança sobre o seu tratamento com Xalkori (crizotinib) Este guia destina-se a doentes a quem tenha sido receitado

Leia mais

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um Um tumor é uma massa anormal em qualquer parte do corpo. Ainda que tecnicamente ele possa ser um foco de infecção (um abcesso) ou de inflamação; o termo habitualmente significa um novo crescimento anormal

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

BULA PARA PACIENTE PARAPLATIN (carboplatina) 50 mg ou 150 mg ou 450 mg solução injetável

BULA PARA PACIENTE PARAPLATIN (carboplatina) 50 mg ou 150 mg ou 450 mg solução injetável BULA PARA PACIENTE PARAPLATIN (carboplatina) 50 mg ou 150 mg ou 450 mg solução injetável BRISTOL-MYERS SQUIBB PARAPLATIN carboplatina Uso intravenoso somente APRESENTAÇÃO PARAPLATIN 50 mg, 150 mg e 450

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS Doenças Infecciosas e Parasitárias 22 e 23 de julho de 2014 para os animais. pela saúde. por você. 1 O presente material corresponde ao conteúdo das palestras ministradas

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL

AVALIAÇÃO LABORATORIAL AVALIAÇÃO LABORATORIAL Escolha das análises a serem realizadas Realização da coleta de forma adequada domínio da técnica reconhecimento de eventuais erros de procedimento escolha do recipiente, acondicionamento

Leia mais

TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) - REVISÃO DE LITERATURA TRANSMISSIBLE VENERAL TUMOR (TVT) REVIEW

TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) - REVISÃO DE LITERATURA TRANSMISSIBLE VENERAL TUMOR (TVT) REVIEW TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) - REVISÃO DE LITERATURA TRANSMISSIBLE VENERAL TUMOR (TVT) REVIEW SANTOS, Mariana Soares Pereira dos Acadêmica do curso de Medicina Veterinária da Faculdade de Medicina

Leia mais

MASSAGEM DO-IN. Claudio Prieto - Elza Rodrigues Pinheiro Prieto. Site: www.massagemdoin.net. E-Mail: contato@massagemdoin.net

MASSAGEM DO-IN. Claudio Prieto - Elza Rodrigues Pinheiro Prieto. Site: www.massagemdoin.net. E-Mail: contato@massagemdoin.net MASSAGEM DO-IN Claudio Prieto - Elza Rodrigues Pinheiro Prieto Site: www.massagemdoin.net E-Mail: contato@massagemdoin.net O QUE É? O DO-IN é uma técnica de automassagem aplicada nos pontos energéticos

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

A Lesão. A Lesão. A lesão provoca congestão local causada por obstrução de QiE XUE nas articulações

A Lesão. A Lesão. A lesão provoca congestão local causada por obstrução de QiE XUE nas articulações Acupuntura Acupuntura e Traumatologia e Traumatologia É o estudo das patologias próprias do sistema esquelético, causadas principalmente por traumatismos utilizando a especialidade de acupuntura como recurso

Leia mais

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA? A Leucemia Mieloblástica Aguda (LMA) é o segundo tipo de leucemia mais frequente na criança.

Leia mais

ANEMIAS UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES FUNÇÃO SANGUÍNEA COMPOSIÇÃO SANGUÍNEA REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA

ANEMIAS UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES FUNÇÃO SANGUÍNEA COMPOSIÇÃO SANGUÍNEA REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA ANEMIAS SISTEMA HEMATOLÓGICO MEDULA ÓSSEA SANGUE LINFONODOS Volume: 7 a 10 % do peso corporal (cerca de 5 litros)

Leia mais

Leucemias. Claudia witzel

Leucemias. Claudia witzel Leucemias Claudia witzel Introduçao MEDULA ÓSSEA fabrica CÉLULAS (células mães imaturas). célula sanguínea pode tornar-se uma célula mielóide ou uma célula linfóide. que se desenvolvem em células sanguíneas

Leia mais

Rinite Bilateral Crônica em Felino da Raça Persa

Rinite Bilateral Crônica em Felino da Raça Persa O Sucesso da Terapêutica Homeopática VII Rinite Bilateral Crônica em Felino da Raça Persa Profa. Dra. Maria Luiza Delavechia HUVET UFF; IHB; ABRAH Rinite Bilateral Crônica Rino Sinusite Trato respiratório

Leia mais

Pontos e Meridianos em Eqüinos Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária

Pontos e Meridianos em Eqüinos Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária Instrutor: Jean G. Fernandes Joaquim, DVM, Msc., Dr., LAC. IVAS, ABRAVET, IVAPM, Neurolatinvet member. Assunto: Pontos do Meridiano do Intestino Grosso em Eqüinos. Data: 2011 Estudo dos pontos do Meridiano

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo

Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais