DIVULGAÇÃO TÉCNICA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA LEUCEMIA BOVINA (BLV) NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIVULGAÇÃO TÉCNICA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA LEUCEMIA BOVINA (BLV) NO BRASIL"

Transcrição

1 DIVULGAÇÃO TÉCNICA Infecção pelo vírus da leucemia bovina (BVL) no Brasil. 1 INFECÇÃO PELO VÍRUS DA LEUCEMIA BOVINA (BLV) NO BRASIL C. Del Fava & E.M. Pituco Instituto Biológico, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Sanidade Animal, Av. Cons. Rodrigues Alves, 1252, CEP , São Paulo, SP, Brasil. RESUMO A espécie bovina é a principal fonte de infecção do Vírus da Leucemia Bovina (BLV). A patogenia deste agente é bastante conhecida em bovinos, causando soroconversão, linfocitose persistente e linfossarcoma. A importância crescente do comércio internacional de bovinos, sêmen e embriões tem exigido a certificação sanitária para o BLV. O presente artigo apresenta a situação epidemiológica desta doença no Brasil. São descritos também alguns aspectos clínicos, patológicos, modernas técnicas diagnósticas e prevenção do BLV. PALAVRAS-CHAVE: Bovino, leucose enzoótica bovina, leucemia bovina epidemiologia, patogenia, ocorrência, prevenção, Brasil. ABSTRACT BOVINE LEUKAEMIA VIRUS INFECTION IN BRAZIL. Cattle are the usual reservoir of the Bovine Leukaemia Virus (BLV). The pathogenesis of this agent is well known, it causes seroconversion, persistent lymphocytosis and lymphosarcoma. The international trade of cattle, semen and embryos requires sanitary certification for BLV. This article presents the epidemiological situation of BLV in Brazil, and describes some clinical and pathological aspects, as well the modern methods for the diagnosis and prevention of this disease. KEY WORDS: Cattle, bovine leukaemia virus, pathogenesis, occurrence, prevention, Brazil. O Vírus da Leucemia Bovina (BLV) está classificado na Família Retroviridae, Subfamília Orthoretrovirinae, gênero Deltaretrovirus (VAN REGENMORTEL et al., 2000). Sua importância econômica reside nas perdas devido ao descarte de bovinos sororeagentes e de animais com linfossarcoma e às barreiras ao comércio internacional de animais e de sêmen e embriões, onde a maior parte dos países importadores exige que os animais não estejam infectados (OIE, 2003a). As portas de entrada do BLV, comprovadas por inoculação experimental, são a intradérmica, intramuscular, subcutânea, intravenosa (EVERMAN et al., 1986), oral, intraperitoneal (MILLER et al., 1972), intratraqueal, intra-uterina (ROBERTS et al., 1982) e intra-retal (HOPKINS et al., 1988). As vias de eliminação contêm linfócitos contaminados pelo vírus e a mais importante é o sangue de bovino infectado, tendo o leite importante papel na transmissão do BLV para animais lactentes (JOHNSON & KANEENE, 1992). LUCAS et al. (1980) identificaram partículas do BLV no sêmen de um touro infectado, no entanto ressaltam que o ejaculado deste animal foi colhido por massagem retal das glândulas sexuais acessórias, sugerindo procedimento traumático que possa ter contaminado o sêmen com sangue. Por este motivo FERRER (1979) recomenda que o sêmen de touros de centrais de inseminação artificial seja colhido com precaução, evitando sua contaminação com sangue ou pus, que contêm linfócitos contaminados com o BLV. KAJA & OLSON (1982) afirmaram que técnicas de colheita de sêmen inapropriadas, resultando em trauma e inflamação associados, podem causar infiltração leucocitária e, no caso de um touro infectado pelo BLV, resultarem em uma partida de sêmen contaminada pelo vírus. CHOI et al. (2002) reforçaram a importância de um bom manejo da colheita do sêmen e demonstraram pela PCR, que os ejaculados obtidos de touros sororeagentes seguindo esta condição estavam livres de BLV. A forma de transmissão mais importante é a horizontal (HÜBNER et al., 1997). Tendo em vista que o BLV infecta exclusivamente linfócitos, a transmissão iatrogênica através de fômites contaminados com

2 2 C. Del Fava & E.M. Pituco sangue, tais como agulhas e seringas, instrumental cirúrgico, instrumentos de castração e descorna, luvas de palpação retal e de procedimentos cirúrgicos, tatuadores e aplicadores de brincos podem transmitir o BLV (JOHNSON & KANEENE, 1992). A premunição contra Anaplasma e Babesia sp. também desempenha um importante papel na difusão da infecção pela LEB, quando animais infectados são utilizados como doadores de sangue (FLORES et al., 1992). Estudos experimentais e de campo indicam que a cópula ou a inseminação artificial não são vias significativas de transmissão do BLV de touros infectados para fêmeas, porém se os mesmos instrumentais utilizados para a inseminação artificial, como bainhas de pipetas e luvas de palpação retal forem reutilizados para várias fêmeas, pode resultar na transmissão do agente de um animal infectado para um não infectado (HOPKINS & DI GIACOMO, 1997). A transmissão vertical em bovinos pode ser demonstrada pela soropositividade de bezerros recémnascidos antes da ingestão do colostro. Estima-se que a transmissão vertical do BLV possa chegar a 20% (FERRER, 1979). A Leucemia Bovina (LEB) é uma doença de caráter crônico. Bovinos podem apresentar anticorpos a partir da segunda semana após infecção e o estágio mais usualmente encontrado em um rebanho é o animal sororeagente, que será portador do BLV por toda a vida (EMANUELSSON et al., 1992). Cerca de 30 a 70% dos bovinos infectados apresentam linfocitose persistente e dentre estes, menos de 5% desenvolverão o linfossarcoma. Sabe-se que a susceptibilidade a linfocitose persistente e ao linfossarcoma está associada ao controle genético do hospedeiro, sendo assim, a freqüência de animais que apresentem estas condições pode variar consideravelmente de um rebanho para outro. O estágio tumoral é mais freqüentemente encontrado em animais de 4 a 8 anos de idade (FERRER, 1979). A sintomatologia clínica depende da localização do tumor e incluem distúrbios digestivos, cárdio-respiratórios, reprodutivos, inapetência, perda de peso, fraqueza, debilidade geral, e às vezes, manifestações neurológicas. Linfonodos superficiais podem estar aumentados de tamanho e linfonodos internos podem ser palpados por exame retal. Os órgãos mais acometidos são o coração, abomaso e linfonodos. Lesões nos órgãos reprodutores são pouco freqüentes, podendo acometer útero e vagina, sem causarem distúrbios significativos na fertilidade (PARODI, 1987; EMANUELSSON et al., 1992). Com relação à interferência do BLV na reprodução de fêmeas, diversos autores não puderam comprovar diferenças estatisticamente significativas ao compararem grupos de vacas reagentes com não reagentes, no que diz respeito aos seguintes parâmetros estudados: idade no primeiro parto (LANGSTON et al., 1978; HUBER et al., 1981; D ANGELINO, 1991) e número de serviços (REINHARDT et al., 1988). Pelo contrário, BRENNER et al. (1989) comprovaram que ocorreu maior intervalo interpartos em vacas sororeagentes. Com relação à fertilidade do macho reprodutor, RICHARDSON et al. (1986) não reportaram diferença estatisticamente significativa entre o espermograma de touros sororeagentes e não sororeagentes ao BLV. A LEB foi relatada no Brasil há mais meio século. RANGEL & MACHADO (1943), no Estado de Minas Gerais, registraram pela primeira vez a ocorrência de linfossarcoma em bovinos. O Tabela 1 apresenta a soroprevalência da LEB em bovinos, com variáveis taxas de soropositividade em diversos Estados brasileiros. As diferenças entre as taxas de prevalência encontradas nas diversas regiões do Brasil podem ser explicadas considerando as diferentes técnicas diagnósticas utilizadas, os diferentes tipos raciais, manejo e tecnologia empregada na criação (BIRGEL JUNIOR et al., 1995). Observa-se que a enfermidade está bastante disseminada, principalmente nos rebanhos leiteiros de raças especializadas, com sistema de criação intensivo e que a ocorrência da LEB é baixa em rebanhos de corte, por serem animais criados sob manejo extensivo. Com o objetivo de avaliar a ocorrência da LEB em touros doadores de sêmen de diversas Centrais de Inseminação Artificial no Brasil, PITUCO et al. (2001) submeteram 230 soros ao ELISA teste, encontrando 17,4% (40/230) animais sororeagentes. HÜBNER et al. (1997) encontraram em rebanho leiteiro no Estado do Rio Grande do Sul, Brasil, 4,8% (2/ 41) bezerros congenitamente infectados pelo BLV, ao detectarem anticorpos pela IDGA, antes que estes animais tivessem mamado o colostro. Com relação à ocorrência da infecção viral em diferentes faixas etárias, a taxa de animais infectados aumenta com o avançar da idade, porque a infecção viral é de caráter crônico. BIRGEL et al. (1988a), em granjas produtoras de leite B da região de Campinas, encontraram crescentes taxas de soropositividade ao BLV pela IDGA, variando de 35,6% (26/73) na faixa de um a dois anos, até 78,6% (33/42) nos animais acima de sete anos. BIRGEL JÚNIOR et al. (1995) examinaram 709 bovinos da raça Jérsey pela IDGA e encontraram crescentes taxas de sororeatividade, 24,6% (30/ 122) nos animais de 12 a 24 meses até 86,2% (106/ 123) nos animais com idade superior a 72 meses. OLI- VEIRA et al. (1997) examinaram bovinos da raça Holandesa pela IDGA e constataram elevação seqüencial na porcentagem de machos infectados dos 49 aos 54 meses (33,3%), dos 73 aos 78 meses (55,6%) e 103 a 114 meses (66,7%) e para fêmeas dos 13 aos 18 meses (34,5%), dos 31 aos 36 meses (35,5%), dos 49 aos 54 meses (59,5%) e dos 109 aos 114 meses (66,7%).

3 Infecção pelo vírus da leucemia bovina (BVL) no Brasil. 3 Tabela 1 Ocorrência da LEB no Brasil nas regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste, Nordeste e Norte, segundo o autor, ano, local, técnica, raças ou aptidão zootécnica dos animais. Autores Ano Estado N o total Total de % de Técnica Raça ou aptidão de soros Positivos positivos zootécnica dos animais Região Sul KANTEK et al PR ,7 IDGA* Leiteira CARVALHO et al PR ,4 IDGA Holandesa ,0 IDGA Nelore LEUZZI J ÚNIOR et al PR ,7 IDGA Leiteira tipo B SCARCI et al RS ,9 IDGA Não foi citado GOMES et al RS ,6 IDGA Leiteira FLORES et al RS ,2 IDGA Leiteira FLORES et al RS ,2 IDGA Leiteira MORAES et al RS ,2 IDGA Leiteira VAN DER LAAN et al RS ,3 IDGA Leiteira Região sudeste LEITE et al MG ,9 IDGA Leiteira MODENA et al MG ,6 IDGA Leiteira ,6 IDGA Corte SANTOS et al MG ,4 IDGA - ROMERO & ROWE 1981 RJ ,3 IDGA Leiteira CUNHA et al RJ ,9 IDGA Mestiço e holandês Zebu ALENCAR FILHO 1978 SP ,0 IDGA Holandesa ALENCAR FILHO et al SP ,64 IDGA Leiteira e corte BIRGEL et al SP ,8 IDGA Leiteira BIRGEL et al. 1988a SP ,6 IDGA Leiteira tipo B BIRGEL et al. 1988b SP ,9 IDGA Leiteira BIRGEL et al SP ,9 IDGA Leiteira ARITA et al SP ,2 IDGA Leiteira BIRGEL et al SP ,15 IDGA Nelore BIRGEL JUNIOR et al SP ,2 IDGA Jersey OLIVEIRA et al SP ,8 IDGA Holandesa MEGID et al SP ,4 IDGA Holandesa, Nelore e mestiços Região Centro-Oeste ANDRADE & ALMEIDA 1991 GO ,0 IDGA Holandês ,5 IDGA Mestiço, holandes e Zebu ,9 IDGA Gir ,2 IDGA Comum ,2 IDGA Nelore Região Nordeste TÁVORA & BIRGEL 1991 BA ,1 IDGA Leiteira MELO et al PE ,1 IDGA Holandesa ,4 IDGA Mestiço, holandês e Zebu SIMÕES 1998 PB ,3 IDGA Leiteira SILVA 2001 PI ,9 IDGA Mestiço, holandês, Zebu e raça pé-duro ABREU et al CE ,5 IDGA Zebu x raças taurinas Região Norte ABREU et al RO ,0 IDGA Carne, leite e misto AC ,7 IDGA Carne, leite e misto MOLNÁR et al PA ,0 IDGA Leiteira e corte PA ,8 ELISA** Leiteira e corte CARNEIRO et al AM ,6 IDGA Leiteira *IDGA imunodifusão em gel de agar. **ELISA Ensaio Imunoenzimático.

4 4 C. Del Fava & E.M. Pituco A demonstração do quanto esta doença pode ser disseminada em rebanhos que não tomam nenhuma conduta profilática foi realizada por SAMARA et al. (1997), no Município de Pitangueiras, SP, em 7 propriedades leiteiras no período de 1992 a 1995, utilizando a IDGA. A prevalência de soropositivos aumentou durante o período: ano ,1% (24/ 140), ano ,5% (25/122), ano ,3% (45/135) e ano ,4% (60/119). A importação de animais infectados tem sido incriminada como um dos fatores responsáveis pela entrada da doença no Brasil e sua disseminação nos rebanhos de alta linhagem genética. Os seguintes autores relataram a LEB em rebanhos importados do Uruguai e Argentina (GARCIA LIMA et al., 1980), do Uruguai (KANTEK et al., 1982; FLORES et al., 1992; VAN DER LAAN, 1999) e dos Estados Unidos e Canadá (MODENA et al., 1983). O desconhecimento da importância desta enfermidade contribui para a sua disseminação no Brasil, uma vez que usualmente não era realizado exame diagnóstico no momento da compra de animais reprodutores e tampouco este é exigido rotineiramente em feiras e exposições. O diagnóstico da enfermidade e o combate da mesma nos rebanhos são realizados de forma voluntária e isoladamente. Centrais de Inseminação Artificial ou de Transferência de Embriões investem na certificação sanitária de partidas de sêmen e de embriões. Técnicos que trabalham com transferência de embrião, alertas à possibilidade de transmissão vertical do BLV, realizam o diagnóstico da LEB e selecionam somente receptoras livres da infecção, para evitar a transmissão vertical do BLV destas para o embrião. A investigação do risco que o sêmen de touro sororeagente representa para a transmissão da LEB para fêmeas foi estudada por alguns pesquisadores. Demonstrou-se que fêmeas não reagentes, quando inseminadas artificialmente com sêmen de touros reagentes, ou quando copulavam com touros reagentes, não se infectavam com o BLV (MONKE, 1986; HOPKINS & DI GIACOMO, 1997), o que demonstra que a dose de BLV no sêmen deve ser tão baixa que não infecta as vacas, sendo praticamente inexistente o risco de transmissão da LEB por esta via. Apesar desta forte evidência, alguns países exigem a certificação de partidas para movimentação internacional de sêmen de touros infectados pelo BLV (CHOI, 2002). Isto se deve basicamente ao fato de que países que erradicaram a LEB, para manterem a qualidade total do programa sanitário implantado, proíbem a entrada em suas fronteiras de sêmen infectado pelo BLV, evitando o risco de transmissão da LEB pela inseminação artificial, mesmo que este seja considerado desprezível. Para atender o comércio internacional de embriões e oócitos bovinos, as autoridades sanitárias do país importador podem exigir a apresentação de um certificado veterinário internacional, o qual atesta que os embriões e oócitos foram colhidos, processados e armazenados em conformidade as recomendações da OIE (2003a) e da Sociedade Internacional de Transferência de Embriões (IETS, 2003). Para o comércio internacional de sêmen bovino, as autoridades sanitárias do país importador podem exigir a apresentação de um certificado veterinário internacional atestando que o touro doador foi residente, durante todo o período de colheita do sêmen, em um rebanho livre de BLV; ou se o animal tiver menos de dois anos de idade, o touro é filho de mãe soronegativa; ou ainda, que o touro foi submetido ao teste diagnóstico da LEB em amostras sanguíneas em duas ocasiões, com resultado negativo, o primeiro teste realizado pelo menos 30 dias antes e o segundo teste pelo menos 90 dias após a colheita do sêmen (OIE, 2003a). As Centrais de Inseminação Artificial que exportam sêmen para o Mercosul devem atender a resolução Mercosul/XLVII GMC/RES nº 43/2002, na qual o touro doador de sêmen deverá ser examinado pela IDGA ou ELISA, realizada no dia da 1 a coleta e novamente no mínimo trinta dias após a última coleta de sêmen, devendo ambas coletas apresentar resultado negativo, ou ainda, uma amostra de 0,5 ml do sêmen processado de cada partida poderá ser submetida a prova de PCR e apresentar resultado negativo. Partidas de sêmen industrializado com finalidade de comércio, oriundas de touros sororeagentes são submetidas a Reação em Cadeia pela Polimerase (PCR), para comprovar a condição livre de BLV (CHOI et al., 2002). Merece ser estudada a frequência de ocorrência de partidas infectadas com o BLV, bem como ser avaliado o impacto econômico desta situação. As técnicas para pesquisa de anticorpos (prova indireta) recomendadas pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) são a IDGA e o ELISA, que detectam anticorpos contra a glicoproteína do envelope viral de peso molecular daltons, denominada gp51. O soro sanguíneo é o material preferencial a ser enviado ao laboratório para diagnóstico indireto (OIE, 2003b). A IDGA, quando comparada com o ELISA, apresenta menor sensibilidade para detectar infecção porque depende dos níveis de anticorpos induzidos pelo BLV (MAMMERICKX, 1987). Este fato foi demonstrado por MAMMERICKX et al. (1980) em bovinos inoculados, experimentalmente, quando os níveis de anticorpos subiram e atingiram elevadas concentrações, onde o ELISA detectou a infecção mais precocemente que a IDGA. Animais podem apresentar resultados falso-negativos durante o período de incubação da doença que pode variar de semanas a meses após a exposição ao

5 Infecção pelo vírus da leucemia bovina (BVL) no Brasil. 5 vírus (JOHNSON & KANEENE, 1992), pois o animal infectado ainda não terá tido tempo para responder à infecção, através da "soroconversão". Entende-se por soroconversão a passagem de ausência de anticorpos no soro sanguineo do animal para presença destes. Outra situação em que o animal pode ser considerado falso negativo é no período pré e pós-parto, quando ocorre a passagem de anticorpos do sangue para o colostro. Desta maneira, vacas podem ter anticorpos contra o BLV em níveis não detectáveis no sangue nos períodos pré e pós-parto (BURRIDGE et al., 1982), por isso os resultados negativos de testes sorológicos de vacas cujas amostras de sangue tenham sido colhidas duas a seis semanas antes e pós-parto devem ser interpretados com extrema cautela e esses animais devem ser retestados (JOHNSON & KANEENE, 1992). Por outro lado, a técnica para pesquisa de antígeno viral (prova direta) para detecção do BLV, recomendada pela Organização Internacional de Saúde Animal é a PCR, sendo capaz de detectar o DNA proviral integrado no genoma da célula hospedeira em diversos tipos de material clínico, como sangue total, linfócitos, órgãos e tecidos neoplásicos e sêmen (OIE, 2003b). Os métodos diretos e os indiretos disponíveis para o diagnóstico do BLV possuem vantagens e desvantagens. Segundo MARTIN et al. (2001), para pesquisa de anticorpos tanto o ELISA quanto a IDGA são adequados para a rotina diagnóstica, no entanto, observaram que o ELISA detectou 12% mais indivíduos sororeagentes que a IDGA. Para pesquisa de antígeno estes autores verificaram que a PCR detectou 6% mais animais positivos do que o ELISA, porém salientam que pode ocorrer resultado negativo ao PCR em animais sororeagentes ao IDGA e ELISA. De acordo com esses resultados, estes autores recomendam realizar tanto teste direto quanto indireto, isto é, os animais seriam inicialmente submetidos à triagem pela IDGA ou ELISA, por último, submetê-los ao PCR e interpretar os resultados conjuntamente, porém salientam que não há 100% de concordância, por este motivo os testes diretos e indiretos se complementam e algumas vezes os resultados interpretados de uma maneira isolada são difíceis de se comparar. Outros autores, comparando as 3 técnicas, IDGA, ELISA e PCR demonstraram que a PCR diagnostica mais precocemente a infecção que o ELISA e a IDGA. NAIF et al. (1992) inocularam oito bovinos com o BLV, sendo que a PCR foi capaz de detectar em todos os animais o DNA próviral duas semanas após a infecção, enquanto que a IDGA foi capaz de revelar anticorpos apenas algumas semanas após a infecção em qualquer um dos animais. KLINTEVALL et al. (1994) verificaram também em animais inoculados, que a PCR detectou por volta do 7 o dia pós-infecção o DNA pró-viral em linfócitos sanguíneos; os anticorpos foram detectados primeiro pelo ELISA a partir do 26 o dia após inoculação, enquanto que pela IDGA, a soroconversão ocorreu em média a partir do 28 o dia. Países que controlam ou até mesmo erradicaram esta enfermidade possuem programas oficiais que se baseiam no imunodiagnóstico e política de isolamento e descarte dos animais soropositivos. A vigilância epidemiológica após a erradicação deve ser mantida, para garantir a condição de zona ou país livres de BLV (OIE, 2003a). As medidas preventivas para eliminar a doença em um rebanho baseiam-se na cria e recria de bezerros livres de infecção e na prevenção da transmissão iatrogênica entre o gado jovem e adulto. Como no Brasil não existe a certificação de propriedades livres de BLV, para diminuir os riscos da compra de bovinos infectados, preceder exame (sorodiagnóstico ou PCR) antes de introduzir o animal no rebanho. Lembramos que a PCR é a técnica mais sensível, capaz de detectar a infecção antes da soroconversão, ou seja, quando a doença ainda se encontra no período de incubação. Trabalhos recentes demonstram a utilização da PCR para selecionar bezerros livres do BLV, pois mesmo que tenham mamado o colostro, podem ser submetidos à detecção do DNA pró-viral, uma vez que esta técnica não sofre a interferência dos anticorpos colostrais. O sorodiagnóstico para detectar a transmissão intrauterina só tem significado se o sangue do bezerro for colhido antes que ele mame o colostro, porém este manejo em uma fazenda apresenta dificuldades quando os bezerros nascem à noite ou durante a madrugada. Alternativa consiste na colheita do soro sanguíneo do bezerro seis meses após seu nascimento, quando a imunidade passiva colostral desaparece, facilitando a interpretação do resultado sorodiagnóstico (KUSMAK et al., 1999; PAVLENKO et al., 2002). Recomenda-se fornecer o colostro e leite de vacas não infectadas pelo BLV (JOHNSON & KANEENE, 1992). Uma forma de inativar o BLV do leite ou colostro é submetê-los a um tratamento térmico de 56º C por 30min, pois este procedimento não inativa os anticorpos virusneutralizantes (FERRER, 1979). Podem ser fornecidos substitutos do leite para bezerros, que são livres do vírus. O BLV é sensível aos desinfetantes à base de iodo ou cloro, desta forma, sempre deve ser realizada a desinfecção de instrumentos cirúrgicos e equipamentos como seringas, agulhas, tatuadores, aplicadores de brincos, instrumentos de castração e descorna, luvas, após sua utilização em um animal (JOHNSON & KANEENE, 1992). Utilizar, de preferência, seringas, agulhas e luvas descartáveis. Caso o objetivo do pecuarista seja implantar um programa de erradicação em sua propriedade, deve ser estudada uma política de descartes gradual dos animais infectados, de maneira que viabilize economicamente a continuidade da atividade.

6 6 C. Del Fava & E.M. Pituco REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABREU, V.L.V.; MODENA, C.M.; SILVA, J.A.; MOREIRA, E.C. Prevalência da Leucose Enzoótica Bovina nos Estados de Rondônia e Acre. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.42, n.3, p , ABREU, J.M.G.; ARAUJO, W.P.; BIRGEL, E.H. Prevalência de Anticorpos Séricos anti-vírus da Leucose Bovina em animais criados na bacia leiteira de Fortaleza, Estado do Ceará. Arq. Esc. Méd. Vet. Univ. Fed. Bahia, v.17, n.1, p.67-90, ALENCAR FILHO, R.A.A. A imunodifusão como recurso diagnóstico da Leucemia Linfática Crônica em bovinos. Biológico, São Paulo, v.44, n.1, p.27-28, ALENCAR FILHO, R.A.; MAZANTI, M.T.; SAAD, A.D.; POHL, R. Levantamento preliminar da infecção pelo Vírus da Leucemia Linfática Crônica (L.L.C.) dos Bovinos no Estado de São Paulo. Biológico, São Paulo, v.45, n.3/4, p.47-54, ANDRADE, J.R.A. & A LMEIDA, M.M.R. Prevalência da Leucose Enzoótica Bovina na Bacia Leiteira de Goiânia, Goiás. Hora Vet., v.10, n.60, p.49-53, ARITA, G.M.M.; GONÇALVES, C.D.; SABER, A.F.; GERMANO, P.M.L.; DEAK, J.G.; KOTAIT, I. Estudo epidemiológico da Leucose Enzoótica dos Bovinos no Vale do Paraíba, São Paulo, Brasil. In: REUNIÃO ANUAL DO INSTITUTO BIOLÓGICO DE SÃO PAULO, 5., 1992, São Paulo. Resumos. São Paulo: Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo p.30. BIRGEL, E.H.; D'ANGELINO, J.L.; BENESI, F.J.; HAGIWARA, M.K.; PRADO, M.S.S. Considerações sobre a Leucose Enzoótica dos bovinos adultos em rebanho leiteiro criado no Estado de São Paulo. I - Prevalência de soro-reagentes. In: SEMANA DE VETERINÁRIA DA FMVZ/USP, 2., 1983, São Paulo. Anais. São Paulo: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Univ. São Paulo, p.70. BIRGEL, E.H.; D'ANGELINO, J.L.; GARCIA, M.; MARÇAL, W.S. Estudo preliminar sobre a ocorrência da Leucose dos Bovinos adultos criados na Região de Campinas. In: CONFERÊNCIA ANUAL DA SOCIEDADE PAULISTA DE MEDICINA VETERINÁRIA, 43., 1988, Campinas, SP. Resumos. Campinas: SPMV, 1988a. p. 30. BIRGEL, E.H.; D'AGELINO, J.L.; GARCIA, M.; ZOGNO, M.A. Ocorrência da infecção causada pelo vírus da Leucose Bovina em gado leiteiro criado no Estado de São Paulo. Avaliação pela detecção de anti-corpos séricos por imunodifusão com antígeno viral. In: CONFERÊN- CIA ANUAL DA SOCIEDADE PAULISTA DE MEDI- CINA VETERINÁRIA, 43., 1988b, Campinas, SP. Resumos. Campinas: SPMV, p.31. BIRGEL, E.H.; D'ANGELINO, J.L.; G ARCIA, M.; B ENESI, F.J.; ZOGNO, M.A. Ocorrência da Infecção causada pelo vírus da Leucose Bovina no Estado de São Paulo. Braz. J. Vet. Res. Anim. Sci., v.28, n.1, p.67-73, BIRGEL, E.H.; BENESI, F.J.; D'ANGELINO, J.L.; AYRES, M.C.C.; COSTA, J.N.; BARROS FILHO, I.R.; BIRGEL JÚNIOR, E.H. Prevalência da Leucose Enzoótica dos Bovinos em zebuínos da raça Nelore, criados no Estado de São Paulo. Arq. Esc. Méd. Vet. Univ. Fed. Bahia, v.17, n.1, p.55-66, BIRGEL JÚNIOR, E.H.; D'ANGELINO, J.; BENESI, F.J.; BIRGEL, E.H. Prevalência da Infecção pelo Vírus da Leucose dos Bovinos, em animais da raça Jersey, criados no Estado de São Paulo. Pesqui. Vet. Bras, v.15, n.4, p.93-99, BRENNER, J.; VAN HAAM, M.; SAVIR, D.; TRAININ, Z. The implication of BLV infection in the productivity, reproductive capacity ans survival rate of a dairy cow. Vet. Immunol. Immunopathol. v.22, n.3, p , BURRIDGE, M.J.; THURMOND, M.C.; MILLER, J.M.; SCHMERR, M.J.F.; VAN DER MAATEN, M.J. Fall in antibody titer to Bovine Leukemia Virus in the periparturient period. Can. J. Comp. Med., v.46, n.3, p , CARNEIRO, P.A.M.; ARAUJO, W.P.; BIRGEL., E.H.; SOUZA, K.W. Prevalência da infecção pelo Vírus da Leucose dos Bovinos em rebanhos leiteiros criados no Estado do Amazonas, Brasil. Acta-Amazonica, v.33, n.1, p , CARVALHO, L.; BENESI, J.F.; B IRGEL JÚNIOR, E.H.; BIRGEL, E.H. Prevalência de anticorpos aéricos anti-vírus da Leucose dos Bovinos em animais da raça Holandesa Preto e Branca e zebuínos da raça Nelore, criados no Pólo Regional de Londrina Estado do Paraná. Semin. Ciênc. Agrar., v.17, n.1, p.53-57, CHOI, K.Y.; MONKE, D.; S TOTT, J.F. Absence of bovine leukosis virus in semen of seropositive bulls. J. Vet. Diagn. Invest., v.14, p , CUNHA, R.G.; TEIXEIRA, A.C.; SOUZA, D.M. Antígenos do Vírus da Leucose Bovina e anticorpos precipitantes em soros de bovinos. Pesqui. Agropecu. Bras. v.17, n.9, p , D'ANGELINO, J.L. Leucose Enzoótica dos Bovinos estudo retrospectivo da performance produtiva e reprodutiva de animais infectados e não infectados. São Paulo: p. [Tese (Livre Docência) - Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Univ. São Paulo]. EMANUELSSON, U.; SCHERLING, K.; PETTERSSON H. Relationship between herd bovine leukemia virus infection status and reproduction, disease incidence, and productivity in Swedish dairy herds. Prev. Vet. Med., v.12, p , EVERMANN, J.F.; DIGIACOMO, R.F.; FERRER, J.F.; PARISH, S.M. Transmission of Bovine Leukosis Virus by blood inoculation. Am. J. Vet. Res., v.47, n.9, p , FERRER, J.F. Bovine leukosis: natural transmission and principles of control. J. Am. Vet. Med. Assoc., v.175, n.12, p , FLORES, E.F.; WEIBLEN, R.; PEREIRA, N.M.; PORTOLAN, J.A.B.; CHIELLE, L.L. Prevalência de anticorpos contra o vírus da Leucose Bovina (VLB) no rebanho leiteiro de Santa Maria, RS. Rev. Cent. Ciênc. Rurais Univ. Fed. Santa Maria, v.18, n.1, p.67-73, FLORES, E.F.; WEIBLEIN, R.; REBELATTO, M.C. Aspectos epidemiológicos da infecção pelo Vírus da Leucose Enzoótica Bovina (BLV) na região central do Rio Grande do Sul, Brasil. Hora Vet., v.10, n.58, p.25-29, FLORES, E.F.; WEIBLEIN, R.; OLIVEIRA, C.; KREUTZ, L.C. Anticorpos contra o vírus da leucose bovina (VLB) em soro de bovinos provenientes da República Oriental do Uruguai. Hora Vet., v.12, n.68, p.5-8, GARCIA LIMA, E.; HAYSSAKA, I.M.; PEINADO, M. Inquérito sorológico para Leucose Bovina em gado importado. Rev. Patol. Trop., v.9, n.3-4, p , 1980.

7 Infecção pelo vírus da leucemia bovina (BVL) no Brasil. 7 GOMES, M.; MOOJEN, V.; FERNANDES, J.C.T.; FERREIRO, L. Detecção de anticorpos séricos contra o Vírus da Leucose Enzoótica Bovina (VLEB) em bovinos no Estado do Rio Grande do Sul. Arq. Fac. Vet. Univ. Fed. Rio Grande Sul, v.13, p.15-22, HOPKINS, S.G.; EVERMANN, J.F.; DIGIACOMO, R.F.; PARISH, S.M.; FERRER, J.F.; SMITH, S.; BANGERT, R.L. Experimental transmission of Bovine Leukosis Virus by simulated rectal palpation. Vet. Rec., v.122, n.16, p , HOPKINS, S.G. & DI GIACOMO, R.F. Natural transmission of bovine leukemia virus in dairy and beef cattle. Vet. Clin. North Am., v.13, n.1, p , HUBER, N.L.; DI GIACOMO, R.F.; EVERMANN, J.F.; STUDER, E. Bovine leukemia virus infection in large Holstein herd. Prospective comparison of production and reproductive performance in antibody-negative and antibody-positive cows. Am. J. Vet. Res., v.42, n.9, p , HÜBNER, S.O.; WEIBLEN, R.; M ORAES, M.P.; S ILVA, A.M.; CARDO- SO, M.J.L.; PEREIRA, N.M.; ZANINI, M. Infecção intrauterina pelo vírus da leucose bovina. Rev. Bras. Reprod. Anim., v.21, n.4, p.8-11, INTERNATIONAL EMBRYO TRANSFER SOCIETY. Disponível em: <http://iets.org/>. Acesso em: 1 mar JOHNSON, R. & KANEENE, J.B. Bovine leukaemia virus and enzootic bovine leukosis. Vet. Bull., v.62, n.4, p , KAJA, R.W. & O LSON, C. Non-infectivity of semen from bulls infected with bovine leukosis virus. Theriogenology, v.18, p , KANTEK, C.E.; KRUGER, E.R.; W ELTE, V.R. Infecção com o vírus da leucose enzoótica bovina em um lote de vacas produtoras de leite importadas do Uruguai. Pesqui. Vet. Bras., v.2, n.3, p , KANTEK, C.E.; KRUGER, E.R.; WELTER, V.R. Prevalência do vírus da Leucose Enzoótica Bovina no rebanho leiteiro do Paraná. Pesqui. Vet. Bras., v.3, n.4, p ,1983. KLINTEVALL, K.; BALLAGI-PORDÁNY, K.; NÄSLUND, K.; BELÁK, S. Bovine leukaemia virus: rapid detection of proviral DNA by nested PCR in blood and organs of experimentally infected calves. Vet. Microbiol., v.42, n.2/3, p , KUZMAK, J.; KOZACZYNSKA, B.; BICKA, L. Diagnosis of bovine leukemia virus (BLV) infection in newborn calves by use of PCR. Bull. Vet. Inst. Pulawy, v.43, n.2, p , LANGSTON, A.; FERDINAND, G.A.A.; R UPPANER, R.; THEILEN, G.H.; DRLICA, S.; BEHYMER, D. Comparison of production variables of bovine leukemia virus antibody-negative and antibody-positive cows in two California dairy herds. Am. J. Vet. Res., v.39, n.7, p , LEITE, R.C.; MODENA, C.M.; MOREIRA, E.C.; ABREU, J.J. Evolução clínica da Leucose Enzoótica Bovina. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.36, n.1, p.47-57, LEUZZI JÚNIOR, L.A.; GUIMARÃES JÚNIOR, J.S.; FREIRE, R.L.; A LFIERI, A.F.; ALFIERI, A.A. Influência da idade e do tamanho do rebanho na soroprevalência da Leucose Enzoótica Bovina em rebanhos produtores de leite tipo B, na região norte do Estado do Paraná. Rev. Bras. Ciênc. Vet., v.10, n.2, p.93-98, LUCAS, M.H.; D AWSON, M.; C HASEY, D.; W IBBERLEY, G.; ROBERTS, D.H. Enzootic bovine leucosis virus in semen. Vet. Rec., v.106, n.6, p.128, MAMMERICKX, M.; PORTETELLE, D.; BURNY, A.; LEUNEN, J. Detection by immunodiffusion and radioimmunoassay tests of antibodies to Bovine Leukemia Virus antigens in sera of experimentally infected sheep and cattle. Zentralbl. Vet. Med. Reihe B., v.27, n.4, p , MAMMERICKX, M. The immunodiffusion test for the detection of Bovine Leukemia Virus infected animals. In: BURNY, A. & MAMMERICKX, M. (Eds.). Enzootic bovine leukosis and bovine leukemia virus. Boston: Martinus Nijhoff, p MARTIN, D.;ARJONA, A.; SOTO, I.; BARQUERO, N.; VIANA, M.; GÓMEZ-LUCÍA, E. Comparative study of PCR as direct assay and ELISA and AGID as indirect assays for the detection of Bovine Leukaemia Virus. J. Vet. Méd. B., v.48, p , MELO, L.E.H. Leucose Enzoótica dos Bovinos. Prevalência da infecção em rebanhos leiteiros criados no Agreste Meridional do Estado de Pernambuco. São Paulo: p. [Tese (Mestrado) Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Univ. São Paulo]. MEGID, J.; NOZAKI, C.N.; KURODA, R.B.S.; CRUZ, T.F.; LIMA, K.C. Ocorrência de Leucose Enzoótica Bovina na Microrregião da Serra de Botucatu. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec, v.55, n.5, p , MILLER, L.D.; MILLER, J.M.; OLSON, C. Inoculation of calves with particles resembling C-type virus from cultures of bovine lymphosarcoma. J. Natl. Cancer Inst., v.48, n.2, p , MODENA, C.M.; A BREU, V.L.V.; S ILVA, J.A.; MOREIRA, E.C.; AZE- VEDO, N.A.; REHFELD, O.A.M. Ocorrência de infecção pelo Vírus da Leucose Enzoótica Bovina em animais importados. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.35, n.4, p , MODENA, C.M.; GOUVEIA, A.M.G.; A ZEVEDO, N.A.; SILVA, J.A.; VIANA, F.C.; REHFELD, O.A.M. Leucose Enzoótica Bovina: I - prevalência em rebanhos de alta linhagem no Estado de Minas Gerais. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.36, n.1, p.39-45, MONKE, D.R. Noninfectivity of semen from bulls infected with bovine leukosis virus. J. Am. Vet. Med. Assoc., v.188, p , MOLNÁR, E.; MOLNÁR, L.; DIAS, H.T.; S ILVA, A.O.A.; V ALE, W.G. Ocorrência da Leucose Enzoótica dos Bovinos no Estado do Pará, Brasil. Rev. Bras. Med. Vet., v.21, n.4, p , MORAES, M.P.; WEIBLEN, R.; FLORES, E.F.; OLIVEIRA, J.C.D.; REBELATTO, M.C.; ZANINI, M.R.; HÜBNER, S.O.; PEREIRA, N.M. Levantamento sorológico da infecção pelo Vírus da Leucose Bovina nos rebanhos leiteiros do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Ciênc. Rural, v.26, n.2, p , NAIF, H.M.; DANIEL, R.C.W.; COUGLE, W.G.; LAVIN, M.F. Early detection of Bovine Leukemia Virus by using an enzyme linked assay for polymerase chain reaction amplified proviral DNA in experimentally infected cattle. J. Clin. Microbiol., v.30, n.3, p , OFFICE INTERNATIONAL DES EPIZOOTIES. International Animal Health Code. Paris: OIE, Disponível em: <http:// Acesso em: 1 mar 2003a.

8 8 C. Del Fava & E.M. Pituco OFFICE INTERNATIONAL DES EPIZOOTIES. Manual of standards for diagnostic tests and vaccines. 4.ed. Paris: OIE, Disponível em:<http://www.oie.int/eng/norms/ mmanual/htm>. Acesso em: 1 mar. 2003b. OLIVEIRA, A.R.; BARRETO, C.S.F.; MERICHELLO, D.; SANQUENTIN, W.M. Epidemiologia da Leucose Bovina: Ocorrência de anticorpos em várias faixas etárias. Rev. Bras. Med. Vet., v.19, n.6, PARODI, A.L. Pathology of Enzootic Bovine Leukosis. Comparison with the sporadic form. In: BURNY, A. & MAMMERICKX, M. (Eds.). Enzootic bovine leukosis and bovine leukemia virus. Boston: Martinus Nijhoff, p PAVLENKO, S.; OKPATTAKH, G.K.; MIROLUBOVA, A.; ALEXEEVA, V.; KOVALENKO, A. Investigating the possibilities of diagnosing bovine leukosis virus (BLV) among carriers younger than 6 months. Mezhdunarodnyi Sel skokhozyaistvennyi Zhurnal, n.4, p.53-58, PITUCO, E.M.; OKUDA, L.H.; R OSA, F.A.; STEFANO, E.; D EL FAVA, C.; GREGORY, L. Aspectos sanitários da Leucose Enzoótica Bovina em reprodutores de Centrais de Inseminação Artificial do Brasil. In: CONGRESSO BRA- SILEIRO DE BUIATRIA, 4., 2001, Campo Grande. Resumos. Campo Grande: Sociedade Brasileira de Buiatria, n.47. [CD-ROM.]. RANGEL, N.M. & MACHADO, A.V. Contribuição à oncologia comparada em Minas Gerais. Arq. Esc. Super. Vet. Est. Minas Gerais, v.1, p.83-96, REINHARDT, G.; HOCHSEIN-MINTZEL, V.; REIDEMANN, H.; LEAL, H.; NIEDDA, M. Estudio serologica de leucosis enzootica bovina en un predio de la provincia de Valdivia y su relación a parametros productivos y reproductivos. J. Vet. Med., series B, v.35, n.3, p , RICHARDSON, G.F.; SEGER, C.L.; BRAUN, W.F.; ARCHBALD, L.F.; LINGARD, D.R.; AMBORSKI, G.F.; C ORSTVET, R.E.; M ALONE, J.B.; CARAKOSTAS, M.C. Characterization of infertility and bovine leukemia virus infection in beef bulls on southwestern Louisiana coastal range. Theriogenology, v.26, n.4, p , ROBERTS, D.H.; LUCAS, M.H.; WIBBERLEY, G.; CHASEY, D. Investigation into the susceptibility of cattle to Bovine Leukosis Virus following inoculation by various routes. Vet. Rec., v.110, n.6, p , ROMERO, C.H. & ROWE, C.A. Enzootic bovine leukosis virus in Brazil. Trop. Anim. Hlth. Prod., v.13, n.2, p , SAMARA, S.I.; LIMA, E.G.; NASCIMENTO, A.A. Monitoração da Leucose Enzoótica Bovina no gado leiteiro da região de Pitangueiras/SP. Braz. J. Vet. Res. Anim. Sci., v.34, n.6, , SANTOS, J.L.; FARIA, J.E.; RIBEIRO, M.F.B.; SALCEDO, J.H.P. Epidemiologia da Leucose Enzoótica Bovina no Estado de Minas Gerais.I Prevalência de anticorpos na Zona da Mata. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec, v.37, n.4, p , SCARCI, R.M.; BENTO, C.L.; MEDEIROS, E.L.; GUARENTI, P.J. Avaliação dos testes sorológicos e hematológicos no diagnóstico da Leucose Bovina. In: CONGRESSO BRASI- LEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA, 17., 1980, Fortaleza. Anais. Fortaleza: p.137. SILVA, S.V. Leucose Enzoótica dos Bovinos. Prevalência de anticorpos séricos anti-vírus da Leucose dos Bovinos em rebanhos cruzados holandês/zebu e em animais da raça Pé-duro, criados no Estado do Piauí. São Paulo: p. [Tese (Doutorado) - Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Univ. São Paulo]. SIMÕES, S.V.D. Leucose Enzoótica dos Bovinos. Prevalência de anticorpos séricos anti-vírus da Leucose dos Bovinos em rebanhos leiteiros criados no Estado da Paraíba. São Paulo: p. [Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Medicina Veterinária e Zotecnia, Univ. São Paulo]. TAVORA, J.P.F. & BIRGEL, E.H. Prevalência da infecção pelo vírus da leucose bovina em rebanhos leiteiros criados na região de Pólo Itabuna, Estado da Bahia. Arq. Esc. Med. Vet. Univ. Fed. Bahia, v.14, n.1, p , VAN DER LAAN, C.W.; VIDOR, T.; BRAGA, F.M.; HALFEN, D.; HUBNER, S.O. Leucose Enzoótica Bovina em bovinos produtores de leite importados do Uruguai. Pesqui. Agropecu. Gaúcha, v.5, n.1, p , VAN REGENMORTEL, M.H.V.; FAUQUET, C.M.; BISHOP, D.H.L.; CARSTENS, E.B.; ESTES, M.K.; LEMON, S.M.; MANILOFF, J.; MAYO, M.A.; MCGEOCH, D.J.; P RINGLE, C.R.; W ICKNER, R.D. (Eds.). Virus taxonomy: the classification and nomenclature of viruses. 7th Report. San Diego: Academic Press, p. Chapter : Family Retroviridae. Recebido em 10/4/03 Aceito em 10/6/03

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Leucose enzoótica bovina: Revisão literária

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Leucose enzoótica bovina: Revisão literária PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Leucose enzoótica bovina: Revisão literária Pozzatti, P.N. 1 ; Valentim, T.P. 1 ; Bissi, B. 1 ; Casagrande; F.P. 2 ; Martins C. B. 3 1 Aluno graduando

Leia mais

SOROPREVALÊNCIA DA LEUCOSE ENZOÓTICA BOVINA REVISÃO DE LITERATURA SEROPREVALENCE OF ENZOOTIC BOVINE LEUKOSIS REVIEW

SOROPREVALÊNCIA DA LEUCOSE ENZOÓTICA BOVINA REVISÃO DE LITERATURA SEROPREVALENCE OF ENZOOTIC BOVINE LEUKOSIS REVIEW SOROPREVALÊNCIA DA LEUCOSE ENZOÓTICA BOVINA REVISÃO DE LITERATURA SEROPREVALENCE OF ENZOOTIC BOVINE LEUKOSIS REVIEW PEREIRA, Admilson Luiz Modesto Mestrando em Ciência Animal Tropical Fundação Universidade

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

LEUCOSE ENZOÓTICA BOVINA REVISÃO DE LITERATURA ENZOOTIC CATTLE LEUKOSIS - REVIEW

LEUCOSE ENZOÓTICA BOVINA REVISÃO DE LITERATURA ENZOOTIC CATTLE LEUKOSIS - REVIEW LEUCOSE ENZOÓTICA BOVINA REVISÃO DE LITERATURA ENZOOTIC CATTLE LEUKOSIS - REVIEW Renan de Mello SPADETTO Discente, Curso de Medicina Veterinária, Facastelo Castelo ES Email: renanspadeto@hotmail.com Anderson

Leia mais

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Prevenção, controle e erradicação de doenças e pragas animais e vegetais de interesse econômico e de importância para a saúde pública. Assegurar a sanidade,

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h.

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Vigilância Epidemiológica de Febre Chikungunya No Brasil, a febre chikungunya é uma doença de notificação compulsória e imediata,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DANIELLA SPONCHIADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DANIELLA SPONCHIADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DANIELLA SPONCHIADO PREVALÊNCIA DE ANTICORPOS SÉRICOS ANTI -VÍRUS DA LEUCOSE ENZOÓTICA BOVINA EM REBANHOS DA RAÇA HOLANDESA PRETA E BRANCA, CRIADOS NO ESTADO DO PARANÁ CURITIBA

Leia mais

Agrárias. Universidade Federal do Estado do Espírito Santo (CCA- UFES). * E-mail: renancostastarling@hotmail.com

Agrárias. Universidade Federal do Estado do Espírito Santo (CCA- UFES). * E-mail: renancostastarling@hotmail.com Soroepidemiologia da leucose enzoótica bovina em propriedades leiteiras do município de Alegre, estado do Espírito Santo, Brasil Seroepidemiology of enzootic bovine leukosis properties in the city of Alegre,

Leia mais

Sanidade de Equinos e seus Prejuízos: Pitiose, Anemia Infecciosa Eqüina e Tripanossomíase. Raquel S. Juliano

Sanidade de Equinos e seus Prejuízos: Pitiose, Anemia Infecciosa Eqüina e Tripanossomíase. Raquel S. Juliano Sanidade de Equinos e seus Prejuízos: Pitiose, Anemia Infecciosa Eqüina e Tripanossomíase Raquel S. Juliano Fonte: IBGE / PPM (2008) MT 307.900 MS 357.675 60% Pantanal 84.588 Fonte: IBGE (2005) Eqüinos

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

Leucose enzoótica bovina e vírus da leucemia bovina 1. Enzootic bovine leukosis and Bovine leukemia virus

Leucose enzoótica bovina e vírus da leucemia bovina 1. Enzootic bovine leukosis and Bovine leukemia virus REVISÃO / REVIEW Leucose enzoótica bovina e vírus da leucemia bovina 1 Enzootic bovine leukosis and Bovine leukemia virus Luis Álvaro Leuzzi Junior 2 ; Alice Fernandes Alfieri 3 ; Amauri Alcindo Alfieri

Leia mais

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de d e b e z e r r o d e c o r t e INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de produção. As técnicas utilizadas

Leia mais

Monitoramento sorológico para avaliação da eficiência da vacinação contra a febre aftosa na zona livre. Relatório final

Monitoramento sorológico para avaliação da eficiência da vacinação contra a febre aftosa na zona livre. Relatório final Monitoramento sorológico para avaliação da eficiência da vacinação contra a febre aftosa na zona livre Relatório final Brasília, novembro de 2011 Monitoramento sorológico para avaliação da eficiência da

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS Doenças Infecciosas e Parasitárias 22 e 23 de julho de 2014 para os animais. pela saúde. por você. 1 O presente material corresponde ao conteúdo das palestras ministradas

Leia mais

Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento

Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento Vinicius Emanoel Carvalho 1, Thiago Paim Silva 1, Marco Antônio Faria

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais

Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose e Brucelose Bovídea - PROCETUBE

Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose e Brucelose Bovídea - PROCETUBE Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio Departamento de Defesa Agropecuária Divisão de Defesa Sanitária Animal Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose

Leia mais

Perguntas frequentes. 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão?

Perguntas frequentes. 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão? Perguntas frequentes 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão? A febre aftosa é uma doença infecciosa aguda que causa febre, seguida do aparecimento de vesículas (aftas), principalmente,

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht... Página 1 de 6 Pecuária Inseminação Artificial em Bovinos Nome Inseminação Artificial em Bovinos Produto Informação Tecnológica Data Agosto - 2000 Preço - Linha Pecuária Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS MINISTÉRIO DA SAÚDE Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS Brasília DF 2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Hanseníase no

Leia mais

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA Janete Lane Amadei 1 ; Deborah Cristiny Dantas Moreti 2 ; Diego Montanhei 2 ; Dennis Armando

Leia mais

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade.

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade. OUTUBRO 2006 Para chegar ao novo animal, os criadores contaram com a ajuda do superintendente do laboratório de inseminação artificial Sersia Brasil, Adriano Rúbio, idealizador da composição genética

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Normas e Procedimentos do PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA BRUCELOSE E DA TUBERCULOSE ANIMAL (PNCEBT)

Perguntas e Respostas sobre Normas e Procedimentos do PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA BRUCELOSE E DA TUBERCULOSE ANIMAL (PNCEBT) Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Perguntas e Respostas sobre Normas e Procedimentos do PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA BRUCELOSE E DA TUBERCULOSE ANIMAL (PNCEBT) Colaboradores:

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Código da Disciplina: ZOO 05453 Disciplina: Bovinocultura de Leite PROGRAMA DA DISCIPLINA CAMPUS: Alegre CURSO:

Leia mais

PREVALÊNCIA DO VÍRUS DA LEUCOSE ENZOÓTICA BOVINA EM REBANHOS DE GADO LEITEIRO DO MUNICÍPIO DE CONCÓRDIA, SC

PREVALÊNCIA DO VÍRUS DA LEUCOSE ENZOÓTICA BOVINA EM REBANHOS DE GADO LEITEIRO DO MUNICÍPIO DE CONCÓRDIA, SC I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE- Campus Concórdia PREVALÊNCIA DO VÍRUS DA LEUCOSE

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 05 DE ABRIL DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 05 DE ABRIL DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 05 DE ABRIL DE 2004 O SECRETARIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO L 194/12 Jornal Oficial da União Europeia 21.7.2012 DECISÕES DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 17 de julho de 2012 que altera os anexos I a IV da Decisão 2006/168/CE no que se refere a certos requisitos

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Serviços em Pecuária de Leite Avaliação Ginecológica e Diagnóstico de Gestação com Aparelho de Ultrassonografia Exames Laboratoriais IATF Inseminação

Leia mais

DE CRIADOR PARA CRIADOR

DE CRIADOR PARA CRIADOR DE CRIADOR PARA CRIADOR No clima para a máxima produção com qualidade. Altitude e temperatura perfeitas. O resultado são rebanhos com máxima produção de sêmen com qualidade, para você vender sempre mais.

Leia mais

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue é uma doença endêmica que afeta mais de 100 países, incluindo as regiões de clima tropical e subtropical da África, Américas, Leste do Mediterrâneo,

Leia mais

Boletim eletrônico. Anemia Infecciosa Equina. Ano1-Nº2 30 de Dezembro de 2010. IDAF/DDSIA/SEAR (Dados de janeiro a outubro de 2010) INTRODUÇÃO

Boletim eletrônico. Anemia Infecciosa Equina. Ano1-Nº2 30 de Dezembro de 2010. IDAF/DDSIA/SEAR (Dados de janeiro a outubro de 2010) INTRODUÇÃO Boletim eletrônico Epidemiológico Anemia Infecciosa Equina Ano-Nº 3 de Dezembro de. IDAF/DDSIA/SEAR (Dados de janeiro a outubro de ) EDITORIAL O boletim epidemiológico eletrônico é uma iniciativa do Departamento

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

[PARVOVIROSE CANINA]

[PARVOVIROSE CANINA] [PARVOVIROSE CANINA] 2 Parvovirose Canina A Parvovirose é uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus da família Parvoviridae. Acomete mais comumente animais jovens, geralmente com menos de 1 ano

Leia mais

EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA

EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA ZANATTA, Guilherme Machado 1 ; SCHEEREN, Verônica Flores da Cunha 2 ; ARAUJO, Laurence Boligon de 3; PESSOA, Gilson Antônio 4 ; RUBIN, Mara

Leia mais

Febre do Nilo Ocidental em Portugal Plano de Vigilância

Febre do Nilo Ocidental em Portugal Plano de Vigilância Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas Febre do Nilo Ocidental em Portugal Plano de Vigilância Maria Rita Ramos Amador Direcção Geral de Veterinária, DSSPA-DPPS Fórum Internacional

Leia mais

Ano V - Edição 34 Agosto 2014

Ano V - Edição 34 Agosto 2014 da pecuária de leite Ano V - Edição 34 Agosto 2014 PODER DE COMPRA AUMENTA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014 Por Pedro de Lima, equipe Gado de Leite Cepea O poder de compra do pecuarista de leite esteve maior,

Leia mais

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Ronaldo Lazzarini Santiago 1 INTRODUÇÃO As fazendas Calciolândia e Colonial, de Gabriel Donato de Andrade, sempre foram a referência na seleção do

Leia mais

PRIORIDADES PARA A REDE DE LABORATÓRIOS E O DE REFERÊNCIA NACIONAL

PRIORIDADES PARA A REDE DE LABORATÓRIOS E O DE REFERÊNCIA NACIONAL PRIORIDADES PARA A REDE DE LABORATÓRIOS E O DE REFERÊNCIA NACIONAL O SISTEMA NACIONAL DE LABORATÓRIOS DE SAÚDE PÚBLICA (SNLSP) FOI INSTITUIDO ATRAVÉS DA PORTARIA MINISTERIAL Nº 280/BSB DE 21/07/77 E FOI

Leia mais

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS Disciplina: Exterior e raças Prof. Mauricio van Tilburg

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014

EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014 EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014 De acordo com a portaria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento n.º 162/94,

Leia mais

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE Guilherme Augusto Vieira, MV, MSc gavet@uol.com.br 1 Danilo Gusmão de Quadros, Eng.Agro,DSc - uneb_neppa@yahoo.com.br

Leia mais

.Art. 1º Aprovar as Normas para o Controle e a Erradicação do Mormo..Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

.Art. 1º Aprovar as Normas para o Controle e a Erradicação do Mormo..Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 5 DE ABRIL DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES IDOSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA/PB

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES IDOSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA/PB RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES IDOSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA/PB Fernanda Laísy Pereira de Sousa Graduanda do curso de Enfermagem; Bolsista do Programa de Educação pelo Trabalho

Leia mais

1. Aspectos Epidemiológicos

1. Aspectos Epidemiológicos 1. AspectosEpidemiológicos A influenza é uma infecção viral que afeta principalmente o nariz, a garganta, os brônquiose,ocasionalmente,ospulmões.sãoconhecidostrêstiposdevírusdainfluenza:a,b e C. Esses

Leia mais

O sucesso do Gir Leiteiro

O sucesso do Gir Leiteiro O sucesso do Gir Leiteiro The success of Dairy Gir Por/Text Silvio Pinheiro Queiroz 50_Animal Business-Brasil Sumário Fruto de rigoroso e persistente trabalho de seleção genética, o Gir Leiteiro vem alcançando

Leia mais

Como controlar a mastite por Prototheca spp.?

Como controlar a mastite por Prototheca spp.? novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE marcos veiga dos santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP www.marcosveiga.net O diagnóstico da mastite causada por Prototheca spp.

Leia mais

DETECÇÃO DO VIRUS DA MANCHA BRANCA (WSSV) EM CAMARÕES MARINHOS CULTIVADOS E HOSPEDEIROS NATURAIS NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SANTA CATARINA, BRASIL

DETECÇÃO DO VIRUS DA MANCHA BRANCA (WSSV) EM CAMARÕES MARINHOS CULTIVADOS E HOSPEDEIROS NATURAIS NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SANTA CATARINA, BRASIL 1 DETECÇÃO DO VIRUS DA MANCHA BRANCA (WSSV) EM CAMARÕES MARINHOS CULTIVADOS E HOSPEDEIROS NATURAIS NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SANTA CATARINA, BRASIL ROBERT LENOCH 1, CAMILA YAMAGUTI LENOCH 1, JONAS CUNHA

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa Reação Ag-Ac in vitro Testes sorológicos Uso de soro ou outros fluidos biológicos de paciente p/ diagnóstico laboratorial Demonstração de anticorpos específicos

Leia mais

Capítulo 2. Janice Reis Ciacci Zanella Nelson Morés Rejane Schaefer Paulo Augusto Esteves Liana Brentano

Capítulo 2. Janice Reis Ciacci Zanella Nelson Morés Rejane Schaefer Paulo Augusto Esteves Liana Brentano Capítulo 2 Clonagem, expressão de antígenos recombinantes do vírus da Doença de Aujeszky dos suínos: desenvolvimento e validação de teste de diagnóstico diferencial para monitoria em área livre Janice

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DE MÉDIAS PROPRIEDADES LEITEIRAS

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DE MÉDIAS PROPRIEDADES LEITEIRAS www.ueg.br www.prp.ueg.br AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DE MÉDIAS PROPRIEDADES LEITEIRAS André Luiz de Lima Filho 1 ; Reinaldo Cunha de Oliveira Junior 2 ; Daiane Aparecida Fausto 3 ; Juliano José

Leia mais

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Parceria entre Alta Genetics, Pfizer e Sérgio Nadal promete acelerar os rebanhos comerciais do país. A carne

Leia mais

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução Capítulo 34 Gestão da pecuária bovina de Minas Gerais PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS Hélio Machado Introdução Minas Gerais tem uma área de 58

Leia mais

Agrárias (CCA) da Universidade Federal da Paraíba, Areia, PB, Brasil;

Agrárias (CCA) da Universidade Federal da Paraíba, Areia, PB, Brasil; 1 MARIA DA CONCEIÇÃO GONÇALVES MACÊDO 1, SEBASTIÃO RODRIGO DE LIMA NASCIMENTO 1, NATAN MEDEIROS GUERRA 2, ANNE CAROLINE CÂMARA DE ALMEIDA 3, LUDMILA DA PAZ GOMES DA SILVA 4. 1 Graduanda (o) em Medicina

Leia mais

Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1

Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1 Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1 Sebastião Teixeira Gomes 2 Estima-se que 80% das vacas ordenhadas, no Brasil, são mestiças de raças européias e zebuínas. Dentre as européias,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE DEFESA ANIMAL

DEPARTAMENTO DE DEFESA ANIMAL Serviço Público Federal Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária DEPARTAMENTO DE DEFESA ANIMAL INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA Nº 06/03 ASSUNTO: Reconhecimento de

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO DA PRECOCIDADE SEXUAL NA RAÇA NELORE

MELHORAMENTO GENÉTICO DA PRECOCIDADE SEXUAL NA RAÇA NELORE MELHORAMENTO GENÉTICO DA PRECOCIDADE SEXUAL NA RAÇA NELORE Fábio Dias 1 ; Joanir P. Eler 2 ; José Bento S. Ferraz 2 ; Josineudson A. II de V. Silva 3 1 Zootecnista, MSc. Agro Pecuária CFM Ltda, Av. Feliciano

Leia mais

PLANO DE ENSINO Unidade: UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ (UFPA) / EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL / UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA (UFRA).

PLANO DE ENSINO Unidade: UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ (UFPA) / EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL / UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA (UFRA). PLANO DE ENSINO Unidade: UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ (UFPA) / EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL / UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA (UFRA). Curso: MESTRADO EM CIÊNCIA ANIMAL ( ) ESPECIALIZAÇÃO ( x ) MESTRADO

Leia mais

Ampliação da zona livre de febre aftosa

Ampliação da zona livre de febre aftosa Ampliação da zona livre de febre aftosa Plínio Leite Lopes Coordenação de Febre Aftosa Coordenador Secretaria de Defesa Agropecuária/SDA Departamento de Saúde Animal /DSA Coordenação de Febre Aftosa Diretrizes

Leia mais

Padrões hematológicos de vacas leiteiras no período de transição

Padrões hematológicos de vacas leiteiras no período de transição 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Padrões hematológicos de vacas leiteiras no período de transição João Paulo Meirelles Graduando em Medicina Veterinária Samanta

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA UNIDADE PRÉ-REQUISITO CH SEMANAL CH SEMESTRAL TEO PRA TEO PRA 1. Administração Rural EA Economia Rural 2 1 32 16 48

Leia mais

estação de monta Escolha do Leitor

estação de monta Escolha do Leitor estação de monta Realmente existe importância na gestão da fazenda e benefício para o produtor que se utiliza do período reprodutivo? Luís Adriano Teixeira* 32 - ABRIL 2015 A Estação de monta (EM) período

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO HEPATITES Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO Hepatites virais: agentes etiológicos A B C D E Vírus hepatotrópicos G TT Herpes vírus EBV CMV Enterovírus Adenovírus Febre

Leia mais

Técnicas Moleculares

Técnicas Moleculares Biologia Molecular no Diagnóstico de Infecção :HPV Maria Elizabeth Menezes,MSc;Ph.D e-mail:melmenezes@dnanalise.com.br DNAnálise Laboratório Técnicas Moleculares HIBRIDIZAÇÃO IN SITU SEQÜENCIAMENTO PCR

Leia mais

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata.

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR Novembro Azul Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. NOVEMBRO AZUL Mês de Conscientização,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar

Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar ISSN 0103-376X Setembro, 2006 Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar 57 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite Árvore da informação do agronegócio do leite identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite 1. Introdução Claudio Nápolis Costa 1 A exposição dos mercados dos diversos países às pressões

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 2010

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 21 A Secretaria de Vigilância em Saúde, em trabalho

Leia mais

Circuito Feicorte NFT

Circuito Feicorte NFT Circuito Feicorte NFT 2012 Perfil da Carne Bovina Brasileira (2010) Rebanho Bovino Brasileiro por Estado (mi cab.) Rebanho Bovino (mi cab.) Var. % Var. % % do Total Estado 1999 (a) 2008 (b) 2009 (c) (b)/(a)

Leia mais

PLANEJANDO A GRAVIDEZ

PLANEJANDO A GRAVIDEZ dicas POSITHIVAS PLANEJANDO A GRAVIDEZ Uma pessoa que vive com HIV/aids pode ter filhos biológicos? Pode. As pessoas que vivem com HIV/aids não devem abandonar seus sonhos, incluindo o desejo de construir

Leia mais