1. INTRODUÇÃO. Campo Grande, 25 a 28 de julho de 2010, Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. INTRODUÇÃO. Campo Grande, 25 a 28 de julho de 2010, Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural"

Transcrição

1 MENSURAÇÃO DE SUSTENTABILIDADE ATRAVÉS DO GRID DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL (GSE): UM ESTUDO NO SETOR VINÍCOLA APRESENTACAO ORAL-Agropecuária, Meio-Ambiente, e Desenvolvimento Sustentável ALDO LEONARDO CUNHA CALLADO 1 ; JAIME EVALDO FENSTERSEIFER 2. 1.PPG-AGRONEGÓCIOS/CEPAN/UFRGS, PORTO ALEGRE - RS - BRASIL; 2.PPGA/UCS (PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL) E CEPAN/UFRGS, CAXIAS - RS - BRASIL. Mensuração de Sustentabilidade através do Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE): Um Estudo no Setor Grupo de Pesquisa: Agropecuária, Meio-Ambiente, e Desenvolvimento Sustentável Resumo O presente artigo teve o objetivo de aplicar em empresas agroindustriais um modelo de mensuração de sustentabilidade empresarial por meio de uma integração de aspectos das dimensões ambiental, social e econômica. O objetivo do modelo utilizado é categorizar os resultados de sustentabilidade empresarial através de uma representação tri-dimensional da sustentabilidade, denominada Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE). A operacionalização do modelo é realizada a partir do desenvolvimento de seguintes etapas: cálculo de Escores Parciais de Sustentabilidade (EPS); cálculo de Escore Sustentabilidade Empresarial (ESE); e integração de Escores Parciais de Sustentabilidade por meio de localização da(s) empresa(s) investigada(s) no GSE. Para fins desta pesquisa, o modelo foi aplicado em três vinícolas localizadas na região do Vale do São Francisco. Após integração de resultados obtidos, foi observado que apenas uma agroindústria analisada apresentou um bom desempenho em aspectos econômicos e sociais de sustentabilidade, enquanto que as outras duas agroindústrias analisadas apresentaram baixos desempenhos em todos os três aspectos considerados. Palavras-Chave: Sustentabilidade empresarial. Modelo de mensuração. Teste empírico. Setor vinícola. Abstract This paper aims to apply a sustainability agricultural industries measurement model from a business perspective. The model integrates results from environmental, social and economic dimensions. Model s empirical application follows these steps: sustainability indicators selection; Partial Sustainability Scores quantifying (EPS); Corporate Sustainability Score quantifying (ESE); and score s Partial integration of Sustainability by location of each company surveyed in the Sustainability Grid Enterprise (GSE). The proposed model was applied in three Wineries located in the São Francisco river basin. 1

2 After results integration only one agribusiness sample has a good economic and social sustainability performance. Other two companies have low performance regarding environmental, social and economic aspects. Key-words: Corporate sustainability. Measuremeant model. Empirical test. Wine industry. 1. INTRODUÇÃO Um dos principais resultados da Conferência Eco-92 realizada na cidade do Rio de Janeiro em 1992 foi a elaboração de um documento chamado Agenda 21. Trata-se de um plano de ação que deve ser adotado global, nacional e localmente, por organizações do sistema das Nações Unidas, governos e pela sociedade civil em todas as áreas em que a ação humana impacta o meio ambiente. A Agenda 21 é considerada por muitos a mais abrangente tentativa já realizada para orientar a adoção de um novo padrão de desenvolvimento para o Século XXI, cujo alicerce é a sinergia entre aspectos ambientais, sociais e econômicos, ou seja, a sustentabilidade. Dentre inúmeros fatores que influenciam a adoção de comportamento e ações voltadas à sustentabilidade, Hart e Milstein (2004) apontam quatro importantes conjuntos de motivadores globais para a sustentabilidade. Um primeiro conjunto relaciona-se com a crescente industrialização e suas conseqüências correlatas, tais como um aumento no consumo de matérias-primas, na poluição e na geração de resíduos. Um segundo conjunto de fatores motivadores está associado à proliferação e interligação dos stakeholders da sociedade civil. Um terceiro conjunto relaciona-se às tecnologias emergentes que oferecem soluções que podem tornar obsoletas as bases de muitas das atuais indústrias que utilizam energia e matérias-primas de forma intensiva. Finalmente, um quarto conjunto de motivadores está associado ao aumento da população, da pobreza e da desigualdade associado à globalização. As empresas são desafiadas a minimizar as perdas das operações correntes (combate à poluição), reorientando seus portfólios de competências em direção a tecnologias e habilidades mais sustentáveis (tecnologia limpa), bem como a se engajarem em uma ampla interação e diálogo com os stakeholders externos, atentando para as ofertas atuais (responsabilidade por produto), assim como para o modo como poderiam desenvolver soluções economicamente interessantes para os problemas sociais e ambientais do futuro (HART e MILSTEIN, 2004; NESS et al., 2007). Investidores a procura de empresas que possuam uma boa governança corporativa, consumidores questionando empresas sobre origens de produtos, empregados em busca de empregos em empresas que consideram suas responsabilidades sociais e ambientais e a crescente pressão exercida por governantes e pela sociedade civil para que empresas apresentem relatórios com informações de desempenhos sociais e ambientais são exigências que dizem respeito às formas pelas quais as empresas estão alinhando as suas atividades com os princípios da sustentabilidade (KEEBLE, TOPIOL e BERKELEY, 2003). De acordo com Epstein e Roy (2001) e Krajnc e Glavic (2005), muitas empresas que até então apenas utilizavam indicadores financeiros para acompanhar os resultados de suas atividades operacionais, passaram a utilizar práticas sustentáveis devido às exigências de diferentes agentes, tais como, consumidores, fornecedores, empregados, agências 2

3 reguladoras nacionais e internacionais, bancos, companhias de seguros, acionistas, associações comerciais e comunidade local. Esse novo posicionamento foi motivado principalmente pelo fato de que o reconhecimento por parte das empresas de que a lucratividade por si só não mais garante a continuidade de suas atividades e que, através da adoção de princípios e ações de sustentabilidade, é possível estender suas atividades por um maior período e gerar, através de ações sustentáveis, um aumento no valor de mercado de suas ações. Através da criação e do acompanhamento de resultados de indicadores de sustentabilidade, torna-se possível analisar e acompanhar as mudanças que ocorreram no processo produtivo e identificar até que ponto estas mudanças estão sendo eficazes no que diz respeito ao alcance da sustentabilidade social, econômica e ambiental. Os indicadores de sustentabilidade são utilizados como ferramentas simplificadas de análise, monitoramento e comunicação. A sua utilização tem por objetivo avaliar um determinado sistema dentro de uma realidade conceitual e, dessa forma, permitir a quantificação de fenômenos complexos (CLARO e CLARO, 2004). De acordo com Veleva e Ellenbecker (2000) e Potts (2006), o desenvolvimento de indicadores de sustentabilidade que possam ser aplicados em empresas vem ganhando continuadamente espaço, visto que diversas organizações, independente do setor de atividade, têm direcionado esforços em avaliar o desempenho social, econômico e ambiental. A incorporação de sustentabilidade na gestão por empresas brasileiras é recente e ainda não está sendo igualmente implantada para todos os setores e regiões, uma vez que a demanda de partes interessadas sobre as empresas pode variar segundo o setor, o mercado e a localização da empresa (BARATA, 2007). A agroindústria ocupa um papel central no debate da sustentabilidade, segundo Bell e Morse (2008). Essa importância é atribuída principalmente a dois fatores: a extensão de área ocupada pelos sistemas agroindustriais e os produtos que são gerados por esses sistemas. Em relação à ocupação da terra, as atividades agroindustriais ocupam extensões de terra bem maiores que os demais setores industriais, gerando com isso atenção e cuidado nos possíveis impactos que essas atividades possam causar ao meio ambiente. E quanto ao produto fabricado, sendo geralmente o produto de suas atividades alimentos ou derivados, os resultados destas atividades são observados e acompanhados por diversos atores da sociedade. O objetivo deste artigo foi aplicar em agroindústrias um modelo que mensure a sustentabilidade empresarial por meio de uma integração de aspectos das dimensões ambiental, social e econômica. Como teste do modelo foi escolhida a agroindústria vitivinícola da região do Vale do São Francisco. O artigo possui mais quatro seções, além desta seção introdutória. Na seção seguinte são apresentados os aspectos metodológicos do desenvolvimento desta pesquisa. Na terceira seção é apresentado o modelo de mensuração de sustentabilidade empresarial, denominado Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE). Na quarta seção são apresentados e discutidos os resultados da pesquisa. E por fim são apresentadas as considerações finais desta pesquisa. 2. ASPECTOS METODOLÓGICOS 3

4 Essa seção apresenta os aspectos metodológicos que nortearam a realização desta pesquisa. Inicialmente é definido o escopo da pesquisa, em seguida são apresentadas as variáveis investigadas e, por ultimo, são apresentados os procedimentos utilizados na coleta de dados. 2.1 Escopo da pesquisa A delimitação deve ser utilizada para restringir o escopo de um estudo, que pode focar em variáveis específicas ou em um fenômeno central, delimitado, para participantes ou locais específicos, ou ser restrito a um tipo de projeto de pesquisa (CRESWELL, 2007). A Região do Vale do São Francisco foi escolhida devido à sua importância para a produção de vinhos do país. De acordo com o IBRAVIN (2010), essa é a principal região produtora de vinhos tropicais brasileira, apresentando cerca de hectares de vinhedos, distribuídos nos Estados de Pernambuco e Bahia. Nesta região estão localizadas as vinícolas Garziera, Botticelli, Bianchetti, Ducos, Miolo e Vinibrasil. A região geográfica em que as vinícolas estão localizadas está apresentada na Figura 1. Figura 1 Mapa da região vinícola do Vale do São Francisco Fonte: A justificativa de escolha de vinícolas localizadas nesta região está associada à representatividade desta industria à região. Segundo dados publicados no Site do Vinho Brasileiro (2010), essa região do Vale do São Francisco caminha para ser uma importante produtora vitivinícola do país, pois além de ser responsável por 99% da uva de mesa exportada pelo Brasil e pela produção de 5 milhões de litros de vinho por ano, o Vale do São Francisco vem se destacando como modelo de desenvolvimento para o Nordeste. A vinicultura pernambucana/baiana já detém 15% do mercado nacional e emprega diretamente 30 mil pessoas no Vale do São Francisco. 2.2 Variáveis investigadas 4

5 Diante do objetivo proposto para esta pesquisa, foram investigados os seguintes indicadores de sustentabilidade: Indicadores ambientais (I 1 ) Sistemas de Gestão Ambiental (SGA), (I 2 ) quantidade de água utilizada, (I 3 ) processos decorrentes de infrações ambientais, (I 4 ) treinamento, educação de funcionários em aspectos associados ao meio ambiente, (I 5 ) economia de energia, (I 6 ) desenvolvimento de tecnologias equilibradas, (I 7 ) ciclos de vida de produtos e serviços, (I 8 ) quantidade de combustível fóssil utilizado por ano, (I 9 ) reciclagem e reutilização de água, (I 10 ) acidentes ambientais, (I 11 ) fontes de recursos utilizados, (I 12 ) redução de resíduos, (I 13 ) produção de resíduos tóxicos, (I 14 ) ISO 14001, (I 15 ) qualidade do solo e (I 16 ) qualidade de águas de superfície. Indicadores econômicos (I 17 ) Investimentos éticos, (I 18 ) gastos em saúde e em segurança, (I 19 ) investimento em tecnologias limpas, (I 20 ) nível de endividamento, (I 21 ) lucratividade, (I 22 ) participação de mercado, (I 23 ) passivo ambiental, (I 24 ) proteção ambiental, (I 25 ) auditoria, (I 26 ) avaliação de resultados da organização, (I 27 ) volume de vendas, (I 28 ) retorno sobre capital investido, (I 29 ) geração de trabalho e renda e (I 30 ) selos de qualidade. Indicadores sociais (I 31 ) Padrão de segurança de trabalho, (I 32 ) ética organizacional, (I 33 ) interação social, (I 34 ) empregabilidade e gerenciamento de fim de carreira, (I 35 ) políticas de distribuição de lucros e resultados entre funcionários, (I 36 ) conduta de padrão internacional, (I 37 ) projetos sociais, (I 38 ) acidentes fatais, (I 39 ) contratos legais, (I 40 ) stress de trabalho e (I 41 ) segurança do produto. 2.3 Procedimentos de coleta de dados Para a realização desta pesquisa foram coletados dados em 3 (três) vinícolas localizadas na região do Vale do São Francisco. Para a Coleta de dados foi utilizada a técnica de entrevista estruturada através de aplicação de questionários estruturados. A entrevista estruturada é um tipo de comunicação entre um pesquisador que pretende coletar informações sobre fenômenos e indivíduos que detenham essas informações e possam emiti-las (CHIZZOTTI, 1991). Ela se desenvolve a partir de uma relação fixa de perguntas conforme conforme um roteiro preestabelecido, que pode constituir-se de um formulário/questionário que será aplicado da mesma forma a todos os informantes/sujeitos da pesquisa, para que se obtenham respostas para as mesmas perguntas (GIL, 2002). O questionário, por sua vez, é um conjunto de questões pré-elaboradas, sistemáticas e seqüencialmente dispostas em itens que constituem o tema da pesquisa, com o objetivo de suscitar dos informantes respostas por escrito ou verbalmente sobre o assunto que os informantes saibam opinar (CHIZZOTTI, 1991). A elaboração do questionário consiste basicamente em traduzir os objetivos específicos da pesquisa em itens bem redigidos (GIL, (2002) A coleta de dados foi realizada através das seguintes etapas: 5

6 Seleção da amostra de vinícolas: os critérios utilizados para selecionar as empresas participantes desta pesquisa foram acessibilidade e disponibilidade de informações. Embora todas as 6 (seis) vinícolas localizadas na Região do Vale do São Francisco tenham sido contatadas, apenas 3 (três) aceitaram participar desta pesquisa; contato com as vinícolas: o primeiro contato feito com as vinícolas selecionadas foi conduzido por . Esse contato inicial teve a finalidade de conseguir a autorização para agendar uma visita para fins de entrevistar os diretores e proprietários das agroindústrias contatadas; realização de entrevistas: as entrevistas foram realizadas junto aos profissionais responsáveis pela gestão das vinícolas selecionadas durante o período entre 01/03/2010 e 05/03/2010, sendo conduzidas pelo próprio pesquisador e tiveram uma duração média de oitenta minutos. 3. GRID DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL (GSE) Esta seção apresenta a estrutura operacional do modelo de mensuração de sustentabilidade empresarial denominado Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE). A análise de sustentabilidade proposta pelo GSE considera uma perspectiva integradora de três dimensões (ambiental, econômica e social) da sustentabilidade. As dimensões ambiental, econômica e social, quando analisadas conjuntamente, assumem uma representação tri-dimensional que integra estes aspectos. A partir da tridimensionalidade destes componentes analisados, é possível localizar espacialmente uma ou mais empresas por meio de resultados de indicadores de desempenho. A Figura 2 apresenta a representação do GSE formada a partir das dimensões de sustentabilidade analisadas. Econômica Ambiental Social Representação tri-dimensional da sustentabilidade Representação do Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE) Figura 2 - Representações de sustentabilidade empresarial As empresas, quando analisadas através do GSE, são classificadas a partir de diferentes posicionamentos espaciais, que representam os resultados de ações empresariais em função do desenvolvimento sustentável. Essas ações são mensuradas por meio de indicadores ambientais, sociais e econômicos. 6

7 A operacionalização do GSE é realizada a partir do desenvolvimento das seguintes etapas: cálculo de Escores Parciais de Sustentabilidade (EPS); cálculo de Escore de Sustentabilidade Empresarial (ESE); integração de Escores Parciais de Sustentabilidade por meio de localização da(s) empresa(s) investigada(s) no GSE. Cálculo dos Escores Parciais de Sustentabilidade (EPS) Os Escores Parciais de Sustentabilidade (EPS) relativos às dimensões ambiental, econômica e social são obtidos através de somatórios de desempenhos do conjunto de indicadores. Esses escores são calculados através da seguinte equação: Escore Parcial de Sustentabilidade Onde: n = W p i=1 i i W i = indicador de desempenho i; p i = fator que representa o peso atribuído ao indicador i. Os fatores de pesos dos indicadores foram atribuídos por especialistas consultados através do método top-down. Após definição de fatores de pesos (p i ) aos indicadores, foram elaboradas categorias de resultados para os indicadores. As categorias de resultados são: valor mínimo, valor médio e valor máximo, onde valor mínimo é quando a empresa analisada apresenta resultados insatisfatórios em um determinado indicador, valor médio é quando a empresa está em uma situação intermediária, ou seja, apresenta bons resultados, mas ainda podem ser melhorados, e valor máximo é quando a empresa apresenta resultados plenamente satisfatórios em um determinado indicador. O Quadro 1 apresenta os indicadores de sustentabilidade que integram o modelo proposto, com os respectivos fatores de pesos e categorias de resultados dos indicadores (mínimo, médio e máximo). Quadro 1 Dimensões e indicadores do Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE) Indicadores (W i ) DIMENSÃO AMBIENTAL Fator de peso atribuído ao indicador (p i ) Categorias de resultados Médio (p i ) x 2 Mínimo (p i ) x 1 Máximo (p i ) x 3 Sistemas de Gestão Ambiental (SGA) 2,250 2,250 4,500 6,750 Quantidade de água utilizada 2,500 2,500 5,000 7,500 Processos decorrentes de infrações 2,250 2,250 4,500 6,750 ambientais Treinamento, educação de funcionários em aspectos associados ao meio ambiente 2,750 2,750 5,500 8,250 Economia de energia 2,250 2,250 4,500 6,750 Desenvolvimento de tecnologias 2,286 2,286 4,572 6,858 7

8 equilibradas Ciclos de vida de produtos e serviços 1,857 1,857 3,714 5,571 Quantidade de combustível 2,000 2,000 4,000 6,000 fóssil utilizado por ano Reciclagem e reutilização de água 2,500 2,500 2,500 5,000 Acidentes ambientais 2,571 2,571 5,142 7,713 Fontes de recursos utilizados 2,000 2,000 4,000 6,000 Redução de resíduos 2,000 2,000 4,000 6,000 Produção de resíduos tóxicos 2,143 2,143 4,286 6,429 ISO ,714 1,714 3,428 5,142 Qualidade do solo 2,286 2,286 4,572 6,858 Qualidade de águas de superfície 2,286 2,286 4,572 6,858 Indicadores (W i ) DIMENSÃO ECONÔMICA Fator de peso atribuído ao indicador (p i ) Categorias de resultados Médio (p i ) x 2 Mínimo (p i ) x 1 Máximo (p i ) x 3 Investimentos éticos 2,500 2,500 5,000 7,500 Gastos em saúde e em segurança 2,000 2,000 4,000 6,000 Investimento em tecnologias limpas 2,250 2,250 4,500 6,750 Nível de endividamento 1,857 1,857 3,714 5,571 Lucratividade 2,143 2,143 4,286 6,429 Participação de mercado 2,000 2,000 4,000 6,000 Passivo ambiental 2,000 2,000 4,000 6,000 Proteção ambiental 2,143 2,143 4,286 6,429 Auditoria 1,857 1,857 3,714 5,571 Avaliação de resultados da organização 2,286 2,286 4,572 6,858 Volume de vendas 2,000 2,000 4,000 6,000 Gastos com saúde e demais benefícios 2,000 2,000 4,000 6,000 Retorno sobre capital investido 2,143 2,143 4,286 6,429 Selos de qualidade 2,000 2,000 4,000 6,000 DIMENSÃO SOCIAL Indicadores (W i ) Fator de peso atribuído ao indicador (p i ) Categorias de resultados Médio (p i ) x 2 Mínimo (p i ) x 1 Máximo (p i ) x 3 Geração de trabalho e renda 2,429 2,429 4,858 7,287 Auxílio em educação e treinamento 2,000 2,000 4,000 6,000 Padrão de segurança de trabalho 2,250 2,250 4,500 6,750 Ética organizacional 2,375 2,375 4,750 7,125 Interação social 2,250 2,250 4,500 6,750 Empregabilidade e gerenciamento de fim 1,750 1,750 3,500 5,250 de carreira Políticas de distribuição de lucros e 2,429 2,429 4,858 7,287 resultados entre funcionários Conduta de padrão internacional 1,714 1,714 3,428 5,142 Capacitação e desenvolvimento de 2,429 2,429 4,858 7,287 funcionários Acidentes fatais 2,571 2,571 5,142 7,713 Contratos legais 2,286 2,286 4,572 6,858 Stress de trabalho 2,143 2,143 4,286 6,429 8

9 Segurança do produto 1,857 1,857 3,714 5,571 Fonte: Pesquisa de campo, Para cada dimensão de sustentabilidade considerada (ambiental, econômica e social), são propostos intervalos de valores associados aos respectivos Escores Parciais de Sustentabilidade (EPS). Estes intervalos têm três pontos referenciais relevantes, Escore mínimo (E mín ), Escore médio (E méd ) e Escore máximo (E mín ). Os Escores (mínimo, médio e máximo) referenciais são obtidos através da seguinte equação: Escores (mín;méd;máx ) Onde: = n i= 1 W i = indicador de desempenho i da dimensão d W i O Escore mínimo é calculado a partir de valores mínimos possíveis de indicadores de desempenho de uma determinada dimensão. O Escore médio é calculado a partir de valores médios possíveis, e o Escore máximo é calculado a partir de valores máximos assumidos pelos indicadores de uma determinada dimensão. Os grupos de Escores mínimos, médios e máximos são calculados independentemente do número de indicadores integrantes de uma determinada dimensão. Para cada dimensão de sustentabilidade investigada, o Escore Parcial de Sustentabilidade (EPS) calculado assumirá um valor que representa o resultado obtido por uma empresa em uma determinada dimensão. Os Escores Parciais de Sustentabilidade (EPS) assumirão dois valores: 0 (zero), quando a empresa analisada apresentar um desempenho menor ao Escore médio de uma determinada dimensão; e 1 (um), quando a empresa analisada apresentar um desempenho igual ou maior ao Escore médio de uma determinada dimensão. Cálculo do Escore de Sustentabilidade Empresarial (ESE) A construção de índices agregados de sustentabilidade apresenta resultados obtidos através de somatórios de indicadores de desempenho pertencentes às diferentes dimensões de sustentabilidade (ambiental, social, econômica, cultural, e outras.). Este modelo investigou as dimensões ambiental, econômica e social e propõe o cálculo de índice agregado de sustentabilidade, aqui denominado de Escore de Sustentabilidade Empresarial (ESE). O ESE é definido a partir da soma dos valores referentes aos Escores Parciais de Sustentabilidade (EPS) das dimensões ambiental, econômica e social. ESE = EPS A + EPS E + EPS S Onde, 9

10 ESE Escore de Sustentabilidade Empresarial; EPS A Escore Parcial de Sustentabilidade Ambiental; EPS E Escore Parcial de Sustentabilidade Econômica; EPS S Escore Parcial de Sustentabilidade Social. A Figura 3 apresenta a estrutura do Escore de Sustentabilidade Empresarial (ESE). ESE EPS A EPS E EPS S I 1 I 2 I n I 1 I 2 I n I 1 I 2 I n Figura 3 Escore de Sustentabilidade Empresarial O ESE classifica a Sustentabilidade Empresarial a partir de diferentes combinações entre os Escores Parciais de Sustentabilidade (EPS) das dimensões ambiental, social e econômica. O ESE é composto por 41 indicadores de sustentabilidade, sendo 16 ambientais, 14 econômicos e 11 sociais. O modelo proposto classifica as empresas analisadas por meio do ESE, a partir de quatro faixas distintas de sustentabilidade empresarial, a saber: Sustentabilidade Empresarial Satisfatória, Sustentabilidade Empresarial Relativa, Sustentabilidade Empresarial Fraca e Sustentabilidade Empresarial Insuficiente. O Quadro 2 apresenta os possíveis resultados do ESE, com os respectivos significados e interpretações. Quadro 2 Resultado, interpretação e significado dos Escores de Sustentabilidade Empresarial (ESE) Resultado Interpretação Significado 10

11 ESE = 3 ESE = 2 ESE = 1 ESE = 0 Sustentabilidade Empresarial Satisfatória Sustentabilidade Empresarial Relativa Sustentabilidade Empresarial Fraca Sustentabilidade Empresarial Insuficiente Empresas que conseguem conciliar bons desempenhos nas três dimensões de sustentabilidade, sugerindo certo equilíbrio de ações com relação ao desenvolvimento sustentável. Empresas que possuem bons resultados em duas das três dimensões sustentabilidade, mas que ainda precisam aprimorar seus esforços em busca de um melhor ajuste quanto ao desenvolvimento sustentável. Empresas que possuem bons resultados em apenas uma das três dimensões sustentabilidade, mas que precisam direcionar esforços para melhorar sua posição com relação ao desenvolvimento sustentável. Empresas que não possuem bons resultados em nenhuma das dimensões sustentabilidade e que precisam desenvolver ações significativas em busca do desenvolvimento sustentável. As distintas faixas de sustentabilidade propostas devem ser utilizadas como referências genéricas de reflexão para os responsáveis pelo processo de gestão, operação e tomada de decisão das empresas analisadas por este modelo, como critério de posicionamento destas empresas em relação ao desenvolvimento e como base para a elaboração e implementação de práticas sustentáveis. Integração dos Escores Parciais de Sustentabilidade: Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE) A mensuração da sustentabilidade empresarial proposta pelo Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE) considera uma perspectiva integradora de três dimensões (ambiental, econômica e social) da sustentabilidade, que, ao ser associada às quatro faixas distintas de sustentabilidade empresarial propostas, é utilizada para a concepção de um Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE). Através deste GSE torna-se possível posicionar espacialmente uma ou mais empresas, a partir de resultados de Escores de Sustentabilidade Empresarial (ESEs). A partir de interações entre os possíveis Escores Parciais de Sustentabilidade (EPSs) e das quatro faixas de sustentabilidade empresarial resultantes dos Escores de Sustentabilidade Empresarial (ESE), são obtidos 8 (oito) posicionamentos espaciais que compõem o Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE). O Quadro 3 apresenta as composições de resultados que definem os diferentes posicionamentos espaciais do GSE. 11

12 Escore Parcial de Sustentabilidade Econômica (EPS E ) Quadro 3 Composições de resultados e posicionamentos espaciais do Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE) Escore Parcial de Sustentabilidade Social (EPS S ) Resultados Escore Parcial de Sustentabilidade Ambiental (EPS A ) Escore de Sustentabilidade Empresarial (ESE) Posicionamento no Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE) I II III IV V VI VII VIII Os diferentes posicionamentos espaciais representados a partir do Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE) são apresentados na Figura 4. VII VIII III IV V VI I II Figura 4 Representação gráfica do Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE). As características que representam os posicionamentos espaciais que compõem o Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE) são as seguintes: posicionamento I representa empresas com baixo desempenho econômico que não possuem boa interação social e não estão comprometidas com aspectos ambientais; 12

13 posicionamento II representa empresas com baixo desempenho econômico que estão comprometidas com aspectos ambientais, mas possuem boa interação social; posicionamento III representa empresas com bom desempenho econômico, mas que não possuem boa interação sócia e que também não estão comprometidas com aspectos ambientais; posicionamento IV representa empresas com baixo desempenho econômico, que estão comprometidas com aspectos ambientais, mas não possuem boa interação social; posicionamento V representa empresas com bom desempenho econômico e que possuem boas interações sociais, mas não estão comprometidas com aspectos ambientais; posicionamento VI representa empresas com baixo desempenho econômico, mas possuem boa interação social e que também estão comprometidas com aspectos ambientais; posicionamento VII representa empresas com bom desempenho econômico, não possuem boa interação social, mas estão comprometidas com aspectos ambientais; posicionamento VIII representa empresas com bom desempenho econômico que possuem boa interação social e que estão comprometidas com aspectos ambientais. A perspectiva integradora deste modelo possibilita localizar empresas de acordo com os diferentes níveis de resultados de sustentabilidade apresentados, ou seja, empresas que ainda já possuem ações, práticas e programas associados a sustentabilidade serão classificadas com um bom desempenho, e empresas que ainda não possuem ou estão em fase de desenvolvimento de sustentabilidade deverão ser classificadas com baixo desempenho sustentável. 4. APLICAÇÃO DO GRID DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAl (GSE) Essa seção apresenta os resultados da aplicação do Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE) nas três vinícolas pesquisadas. Inicialmente são apresentadas as características das vinícolas e em seguida são apresentados seus respectivos desempenhos à luz do modelo analítico utilizado. 4.1 Apresentação das vinícolas investigadas 1 A 1 está localizada no município de Lagoa Grande, no Estado de Pernambuco. A estrutura societária desta empresa é Companhia Limitada, tendo iniciado suas atividades operacionais no ano de A empresa elabora seus vinhos a partir de uvas produzidas em fazendas próprias bem como de uvas produzidas por outros produtores da região do Vale do São Francisco, tendo produzido no último ano aproximadamente litros de vinhos. Os vinhos produzidos são comercializados exclusivamente na região nordeste do Brasil. Atualmente a empresa possui 13 funcionários fixos. 2 13

14 A 2 também está localizada no município de Lagoa Grande, no Estado de Pernambuco. A estrutura societária desta empresa é Sociedade Anônima de capital fechado, tendo iniciado suas atividades operacionais no ano de A empresa utiliza unicamente uvas produzidas em fazendas próprias para a elaboração de seus vinhos, tendo produzido no último ano aproximadamente litros de vinhos. Os vinhos são comercializados principalmente nas regiões sul, sudeste e nordeste do Brasil. Além destes mercados, esta vinícola comercializa seus produtos para outros países, como Portugal, Espanha, Angola, Estados Unidos e Canadá. Atualmente a empresa possui 95 funcionários fixos. 3 A 3 está localizada no município de Santa Maria da Boa Vista, no Estado de Pernambuco. A estrutura societária desta empresa é Sociedade Anônima de capital fechado, tendo iniciado suas atividades no ano de A empresa elabora seus vinhos utilizando unicamente uvas produzidas em fazendas próprias, tendo produzido no último ano aproximadamente litros de vinhos. Os produtos são comercializados nas principais regiões do Brasil. Atualmente a empresa possui 60 funcionários fixos. 4.2 Resultados da pesquisa Esta seção apresenta os resultados das 3 (três) vinícolas analisadas segundo a metodologia proposta pelo Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE). Inicialmente são apresentados resultados associados aos indicadores de desempenho da dimensão ambiental. Os resultados de desempenhos das agroindústrias investigadas são apresentados no Quadro 4. Quadro 4 Pesos e categorias de resultados de indicadores ambientais e desempenhos de empresas analisadas. Indicadores (W i ) Fator de peso atribuído ao indicador (p i ) DIMENSÃO AMBIENTAL Categorias de resultados Mínimo (p i ) x 1 Médio (p i ) x 2 Máxim o (p i ) x 3 Desempenho de vinícolas (I 1 ) 2,250 2,250 4,500 6,750 2,250 6,750 2,250 (I 2 ) 2,500 2,500 5,000 7,500 5,000 5,000 5,000 (I 3 ) 2,250 2,250 4,500 6,750 6,750 6,750 6,750 (I 4 ) 2,750 2,750 5,500 8,250 2,750 2,750 5,500 (I 5 ) 2,250 2,250 4,500 6,750 2,250 4,500 4,500 (I 6 ) 2,286 2,286 4,572 6,858 2,286 2,286 2,286 (I 7 ) 1,857 1,857 3,714 5,571 1,857 1,857 1,857 (I 8 ) 2,000 2,000 4,000 6,000 6,000 2,000 6,000 (I 9 ) 2,500 2,500 2,500 5,000 2,500 2,500 2,500 (I 10 ) 2,571 2,571 5,142 7,713 7,713 7,713 7,713 14

15 (I 11 ) 2,000 2,000 4,000 6,000 6,000 6,000 6,000 (I 12 ) 2,000 2,000 4,000 6,000 6,000 6,000 2,000 (I 13 ) 2,143 2,143 4,286 6,429 4,286 2,143 4,286 (I 14 ) 1,714 1,714 3,428 5,142 1,714 1,714 1,714 (I 15 ) 2,286 2,286 4,572 6,858 4,572 4,572 2,286 (I 16 ) 2,286 2,286 4,572 6,858 6,858 6,858 6,858 Fonte: Pesquisa de campo, Em relação aos resultados apresentados pelas empresas investigadas em indicadores da dimensão ambiental, as seguintes considerações podem ser feitas: as três vinícolas analisadas apresentaram desempenhos semelhantes em 9 (nove) indicadores ambientais; em 7 (sete) indicadores, cada vinícola analisada apresentou desempenho mínimo; e foram observados que a 1 e 2 apresentaram desempenhos máximos em 6 (seis) indicadores cada, enquanto que a 3 obteve desempenho máximo em 5 (cinco) indicadores ambientais. Em relação aos indicadores da dimensão econômica, o Quadro 5 apresenta os desempenhos das agroindústrias pesquisadas. Quadro 5 Pesos e categorias de resultados de indicadores econômicos e desempenhos de empresas analisadas. Indicadores (W i ) Fator de peso atribuído ao indicador (p i ) DIMENSÃO ECONÔMICA Categorias de resultados Mínimo Médio Máximo (p i ) x 1 (p i ) x 2 (p i ) x 3 Desempenho de vinícolas (I 17 ) 2,500 2,500 5,000 7,500 2,500 5,000 2,500 (I 18 ) 2,000 2,000 4,000 6,000 2,000 2,000 2,000 (I 19 ) 2,250 2,250 4,500 6,750 2,250 2,250 2,250 (I 20 ) 1,857 1,857 3,714 5,571 1,857 1,857 3,714 (I 21 ) 2,143 2,143 4,286 6,429 6,429 4,286 4,286 (I 22 ) 2,000 2,000 4,000 6,000 4,000 6,000 2,000 (I 23 ) 2,000 2,000 4,000 6,000 2,000 6,000 2,000 (I 24 ) 2,143 2,143 4,286 6,429 2,143 2,143 4,286 (I 25 ) 1,857 1,857 3,714 5,571 3,714 5,571 1,857 (I 26 ) 2,286 2,286 4,572 6,858 4,572 6,858 6,858 (I 27 ) 2,000 2,000 4,000 6,000 2,000 6,000 4,000 (I 28 ) 2,143 2,143 4,286 6,429 2,143 2,143 2,143 (I 29 ) 2,429 2,429 4,858 7,287 7,287 7,287 7,287 (I 30 ) 2,000 2,000 4,000 6,000 2,000 6,000 2,000 Fonte: Pesquisa de campo, Em relação aos resultados apresentados pelas empresas investigadas em indicadores da dimensão econômica as seguintes considerações podem ser feitas: as três vinícolas analisadas apresentaram desempenhos semelhantes em 3 (três) indicadores econômicos; dentre os 14 (quatorze) indicadores analisados, a 1 obteve desempenho mínimo 15

16 em 9 (nove) indicadores, a 3 em 8 (oito) e a 2 em apenas 4 (quatro) indicadores; a vinícola que obteve um melhor desempenho em indicadores econômicos foi a 2, obtendo resultados máximos em 6 (seis) indicadores, enquanto que as outras duas vinícolas analisadas apresentaram resultados máximos em apenas 2 (dois) indicadores econômicos em cada vinícola. Por último foram investigados os indicadores sociais. O Quadro 6 apresenta os indicadores desta dimensão que integram o modelo proposto, com os respectivos fatores de pesos atribuídos, as categorias de resultados e o desempenho obtidos pelas vinícolas investigadas. Quadro 6 Pesos e categorias de resultados de indicadores sociais e desempenhos de empresas analisadas. Indicadores (W i ) Fator de peso atribuído ao indicador (p i ) DIMENSÃO SOCIAL Categorias de resultados Mínimo Mínimo Mínimo (p i ) x 1 (p i ) x 1 (p i ) x 1 Desempenho das vinícolas (I 31 ) 2,250 2,250 4,500 6,750 2,250 6,750 4,500 (I 32 ) 2,375 2,375 4,750 7,125 2,375 2,375 4,750 (I 33 ) 2,250 2,250 4,500 6,750 4,500 6,750 4,500 (I 34 ) 1,750 1,750 3,500 5,250 1,750 1,750 1,750 (I 35 ) 2,429 2,429 4,858 7,287 2,429 7,287 2,429 (I 36 ) 1,714 1,714 3,428 5,142 1,714 1,714 1,714 (I 37 ) 2,286 2,286 4,572 6,858 6,858 6,858 6,858 (I 38 ) 2,571 2,571 5,142 7,713 2,571 7,713 7,713 (I 39 ) 2,286 2,286 4,572 6,858 6,858 6,858 6,858 (I 40 ) 2,143 2,143 4,286 6,429 2,143 2,143 2,143 (I 41 ) 1,857 1,857 3,714 5,571 3,174 5,571 3,714 Fonte: Pesquisa de campo, Em relação aos resultados apresentados pelas empresas investigadas em indicadores da dimensão social, as seguintes considerações podem ser feitas: as três vinícolas analisadas apresentaram desempenhos semelhantes em 5 (cinco) indicadores sociais; dentre os 11 (onze) indicadores analisados, a 1 obteve desempenho mínimo em 7 (sete) indicadores, enquanto que as s 2 e 3 obtiveram resultados mínimos em apenas 4 (quatro) indicadores sociais cada; a vinícola que obteve um melhor desempenho em indicadores sociais foi a 2, obtendo resultados máximos em 7 (seis) indicadores, a vinícola que apresentou o segundo melhor desempenho foi a 3, seguida pela 1, apresentando desempenhos superiores em 3 e 2 indicadores sociais, respectivamente. Em seguida foram calculados os Escores Parciais de Sustentabilidade (EPS) das dimensões consideradas a partir dos resultados apresentados pelas agroindústrias analisadas. O Quadro 7 apresenta os desempenhos das empresas investigadas, bem como os intervalos de valores de Escores Parciais de Sustentabilidade (EPS) das dimensões analisadas pelo Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE). 16

17 Quadro 7 Resultado de Escores Parciais das Dimensões da Sustentabilidade Dimensão Intervalos de Escores Parciais de Sustentabilidade (EPS) Escore Médio da dimensão Escore Mínimo da dimensão Escore Máximo da dimensão Desempenho das vinícolas Ambiental 35,643 71, ,929 68,786 (zero) 69,393 (zero) 59,643 (zero) Econômica 29,608 59,216 88,824 44,895 (zero) 63,395 (um) 47,181 (Zero) Social 23,911 47,822 71,733 39,412 (zero) Fonte: Pesquisa de campo, ,769 (um) 46,929 (zero) De acordo com os resultados apresentados, foi observado que as s 1 e 3 não apresentaram desempenhos satisfatórios nas dimensões ambiental, econômica e social, visto que os resultados obtidos foram inferiores aos Escores Médios das dimensões investigadas. Por outro lado, tem-se a 2 que apresentou desempenhos satisfatórios em duas dimensões de sustentabilidade analisadas, econômica e social. Quanto aos resultados obtidos pelas vinícolas investigadas, tem-se que apenas uma apresentou um bom resultado de sustentabilidade. Os resultados das empresas são apresentados no Quadro 8. s Escore Parcial Econômico (EPS E ) Quadro 8 Resultado das vinícolas analisadas Escore Parcial Social (EPS S ) Resultados Escore Parcial Ambiental (EPS A ) Escore de Sustentabilidade Empresarial (ESE) Posicionamento no Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE) I V I Fonte: Pesquisa de campo,

18 Após a integração dos Escores Parciais de Sustentabilidade ambiental (EPS A ), social (EPS S ) e econômica (EPS E ) das vinícolas investigadas, por meio do cálculo do Escore de Sustentabilidade Empresarial (ESE), tem-se que as s 1 e 3 apresentaram o Escore de Sustentabilidade Empresarial igual a 0 (Sustentabilidade Empresarial Insuficiente), o que significa que estas empresas não possuem bons resultados em nenhuma das dimensões sustentabilidade e precisam portanto desenvolver ações significativas em busca do desenvolvimento sustentável. Por outro lado, a 2 apresentou o Escore de Sustentabilidade Empresarial igual 2 (Sustentabilidade Empresarial Relativa), sendo uma empresa que possui bons resultados em duas das três dimensões de sustentabilidade, mas que ainda precisa aprimorar seus esforços em busca de um melhor ajuste quanto ao desenvolvimento sustentável, particularmente na dimensão ambiental. O posicionamento das vinícolas investigadas a partir do Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE) é apresentado na Figura 5. I V Figura 5 Posicionamento das vinícolas investigadas Foi observado que as agroindústrias investigadas 1 e 3 estão localizadas no posicionamento I, visto que ambas apresentaram baixo desempenho em resultados econômicos, sociais e ambientais, logo, o Escore de Sustentabilidade Empresarial (ESE) alcançado por essas empresas foi 0 (zero). Já a agroindústria investigada 2 está localizada no posicionamento V, visto que essa empresa apresentou bom desempenho em aspectos econômicos e sociais, apenas não apresentando resultados satisfatórios em aspectos ambientais, sendo o Escore de Sustentabilidade Empresarial (ESE) apresentado por essa empresa foi 2 (dois). 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS 18

19 O presente artigo propôs e aplicou, em agroindústrias vinícolas, um modelo para mensurar a sustentabilidade empresarial a partir de integração de aspectos ambientais, econômicos e sociais. A operacionalização do Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE) foi realizada a partir do desenvolvimento de seguintes etapas: cálculo de Escores Parciais de Sustentabilidade (EPS); cálculo de Escore Sustentabilidade Empresarial (ESE); integração de Escores Parciais de Sustentabilidade por meio de localização da(s) empresa(s) investigada(s) no Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE). Esse modelo pode ser aplicado em empresas de diferentes setores e com diferentes características. O GSE considerou 41 indicadores de sustentabilidade, sendo 16 indicadores ambientais, 14 econômicos e 11 sociais. A partir dos resultados obtidos, verificou-se que o modelo detectou diferentes níveis de resultados de sustentabilidade apresentados pelas empresas analisadas, visto que dentre as empresas investigadas, não foi identificado um padrão de resultados entre os diferentes indicadores de sustentabilidade. É importante ainda destacar que apesar de as empresas obterem resultados superiores em alguns indicadores de desempenho de uma determinada dimensão de sustentabilidade, os resultados parciais desta dimensão não foram considerados satisfatórios, visto que os diferentes Escores Parciais de Sustentabilidade (EPS) são calculados a partir de grupos de indicadores, não sendo influenciado por desempenhos superiores em indicadores isolados. Sugere-se que o modelo proposto seja aplicado em empresas que não sejam agroindustriais, para fins de confirmar a sensibilidade do modelo proposto às diferentes características existentes entre os setores industriais. Além disso, sugere-se que as aplicações realizadas sejam confrontadas aos resultados obtidos por esta pesquisa, buscando com isso comparar resultados de diferentes empresas de diferentes atividades ou que estejam localizadas em diferentes regiões geográficas. Apesar de os resultados gerados a partir da aplicação do Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE) serem considerados satisfatórios, espera-se que sejam propostas novas e diferentes possibilidades analíticas a partir dos resultados de sustentabilidade mensurados por este modelo. Desta forma, esta avaliação é considerada importante visto que o conhecimento associado à mensuração de sustentabilidade no contexto empresarial, ainda encontra-se em fase de amadurecimento e desenvolvimento científico. Finalmente, considerando que os aspectos teóricos associados à tridimensionalidade da sustentabilidade empresarial não foram amplamente discutidos e investigados, sugere-se que em futuras pesquisas sejam incorporados novos aportes teóricos relacionados a estes aspectos. REFERÊNCIAS BARATA, M. M. L. O setor empresarial e a sustentabilidade no Brasil. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, n.1, p , BELL, S.; MORSE, S. Sustainability indicators: measuring the immeasurable? London: Earthscan,

20 CHIZZOTTI, A. A Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. São Paulo: Cortez, CLARO, P. B. O; CLARO, D. P. Desenvolvimento de indicadores para monitoramento da sustentabilidade: o caso do café orgânico. Revista de Administração, v.39, n.1, p.18-29, CRESWELL, J. C. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, EPSTEIN, M. J.; ROY, M-J. Sustainability in Action: identifying and measuring the key performance drivers. Long Range Planning, v.34, n.5, p , GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, HART, S. L.; MILSTEIN, M. B. Criando valor sustentável, RAE, v.3, n.2, p.65-79, IBRAVIN. Instituto Brasileiro do Vinho. Regiões produtoras. Disponível em: <http://www.ibravin.org.br/regioesprodutoras.php>. Acesso em 14 mar KEEBLE, J. J.; TOPIOL, S.; BERKELEY, S. Using indicators to measure sustainability performance at a corporate and project level. Journal of Business Ethics, v.44, n.2-3, p , KRAJNC, D.; GLAVIC, P. A model for integrated assessment of sustainable development. Resources, Conservation and Recycling, v.43, n.2, p , NESS, B.; URBEL-PIIRSALU, E.; ANDERBERG, S.; OLSSON, L. Categorising tolls for sustainability assessment. Ecological Economics, v.60, n.3, p , POTTS, T. A framework for the analysis of sustainability indicator systems in fisheries. Ocean and Coastal Management, v.49, n.5-6, p , SITE DO VINHO BRASILEIRO. Vale do São Francisco. Disponível em <http://www.sitedovinhobrasileiro.com.br/folha.php?pag=mostra_regiao.php&num=vsf>. Acesso em 04 abr VELEVA, V.; ELLENBECKER, M. A proposal for measuring business sustainability, Greener Management International, n.31, p , VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 10. ed. São Paulo: Atlas,

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 24 e 25 de outubro de 2013 Campo Grande-MS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO ANÁLISE DA SUSTENTABILIDADE DO SETOR CERAMISTA DO NORTE DO MATO GROSSO DO SUL Yasmin Gomes Casagranda

Leia mais

ANAIS INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE: UMA ABORDAGEM EMPÍRICA A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA DE ESPECIALISTAS

ANAIS INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE: UMA ABORDAGEM EMPÍRICA A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA DE ESPECIALISTAS INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE: UMA ABORDAGEM EMPÍRICA A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA DE ESPECIALISTAS ALDO LEONARDO CUNHA CALLADO ( aldocallado@yahoo.com.br ) DEPARTAMENTO DE FINANÇAS E CONTABILIDADE/CCSA/UFPB

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo Conteúdo O Instituto Ethos Organização sem fins lucrativos fundada em 1998 por um grupo de empresários, que tem a missão de mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de forma socialmente

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Relembrando conceitos de sustentabilidade Desenvolvimento Econômico Responsabilidade Social Maximização do retorno do

Leia mais

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias Sustentabilidade no Grupo Boticário Atuação com a Rede de Franquias Mais de 6.000 colaboradores. Sede (Fábrica e Escritórios) em São José dos Pinhais (PR) Escritórios em Curitiba (PR) e São Paulo (SP).

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli Café com Responsabilidade Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro Vitor Seravalli Manaus, 11 de Abril de 2012 Desafios que o Mundo Enfrenta Hoje Crescimento Populacional Desafios que o Mundo

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

O USO DE INDICADORES DE DESEMPENHO NO ÂMBITO DAS EMPRESAS DO PORTO DIGITAL

O USO DE INDICADORES DE DESEMPENHO NO ÂMBITO DAS EMPRESAS DO PORTO DIGITAL O USO DE INDICADORES DE DESEMPENHO NO ÂMBITO DAS EMPRESAS DO PORTO DIGITAL Antônio André Cunha Callado UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Aldo Leonardo Cunha Callado UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDO

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS Os Indicadores Ethos são uma ferramenta de gestão, de uso gratuito, que visa apoiar

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Rita Almeida Dias 18 Setembro de 2012 2012 Sustentare Todos os direitos reservados Anterior Próximo www.sustentare.pt

Leia mais

SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL: UMA ANÁLISE EM UMA EMPRESA INDUSTRIAL

SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL: UMA ANÁLISE EM UMA EMPRESA INDUSTRIAL SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL: UMA ANÁLISE EM UMA EMPRESA INDUSTRIAL JAQUELINE CARLA GUSE Universidade Regional de Blumenau drjaquelinecarla@yahoo.com.br SABRINA GASPARETTO UFSM drjaquelineguse@gmail.com

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004

A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004 A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004 São Paulo, 17 de junho de 2010 1 Retrospectiva Dezembro de 2003 - Criado o ABNT/GTRS para discutir posição brasileira em relação ao desenvolvimento de uma norma

Leia mais

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco Gestão Ambiental Aula 5 Prof. Pablo Bosco Proposito da aula ISO 14001 2 ISO 14001 O que é a ISO 14001? A ISO 14001 é uma Norma pertencente a família das ISO 14000 que trata de Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Fórum de Governança Tecnologia e Inovação LabGTI/UFLA Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Pamela A. Santos pam.santos91@gmail.com Paulo H. S. Bermejo bermejo@dcc.ufla.br

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos

ABNT NBR 16001:2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos FUNDAÇÃO VANZOLINI ABNT NBR 16001:2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos 1 Das 100 maiores economias do mundo, 51 são empresas 1 2 5 11 14 23 24 25 27 28 29 31 37 38 40 42 43 PAÍS/EMPRESA

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Conteúdo da apresentação Breve contexto Indutores da Gestão da Sustentabilidade Gestão

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

CURSO AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE: CONTEXTOS, FUNDAMENTOS E PRÁTICAS

CURSO AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE: CONTEXTOS, FUNDAMENTOS E PRÁTICAS CURSO AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE: CONTEXTOS, FUNDAMENTOS E PRÁTICAS Ana Júlia Ramos Pesquisadora Sênior AIII CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL: RAC Modelos Internacionais de Normas

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Fundamentos

Gerenciamento de Projetos Fundamentos Gerenciamento de Fundamentos MBA EM GESTÃO DE PROJETOS - EMENTAS Definição de Projeto. Contexto e Evolução do Gerenciamento de. Areas de conhecimento e os processos de gerenciamento do PMI - PMBoK. Ciclo

Leia mais

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS Branding Corporativo O que é Branding. O que é uma marca. História da Marcas. Naming. Arquitetura de Marcas. Tipos de Marcas. Brand Equity. Gestão de Marcas/Branding.

Leia mais

O papel da empresa na relação com o meio natural

O papel da empresa na relação com o meio natural Gestão Ambiental O papel da empresa na relação com o meio natural Visão Tradicional Empresa Consumidor Compreensão Básica: - Relações econômicas determinadas pela Oferta/Procura -Visão do lucro como o

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

O Desafio da Sustentabilidade no Setor Petroquímico

O Desafio da Sustentabilidade no Setor Petroquímico Seminário Nacional de Gestão Sustentável nos Municípios Relato de Experiências O Desafio da Sustentabilidade no Setor Petroquímico Porto Alegre, 28 de Março de 2008 Roteiro Empresa Cenários Conceitos Dimensão

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

QUALITY ASSURANCE. Com a Auditoria Interna da Telefônica Vivo se Estruturou para Obter a Certificação Internacional do IIA

QUALITY ASSURANCE. Com a Auditoria Interna da Telefônica Vivo se Estruturou para Obter a Certificação Internacional do IIA QUALITY ASSURANCE Com a Auditoria Interna da Telefônica Vivo se Estruturou para Obter a Certificação Internacional do IIA Viviane Souza Miranda CCSA Diretora de Auditoria Interna Telefônica Vivo Índice

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

3 Metodologia e Objeto de estudo

3 Metodologia e Objeto de estudo Metodologia e Objeto de estudo 36 3 Metodologia e Objeto de estudo Neste capítulo, através da explanação da metodologia de pesquisa e do objeto de estudo, serão definidas as questões centrais de estudo,

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS

9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS 9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS Autor(es) GIOVANNI BECCARI GEMENTE Orientador(es) FERNANDO CELSO DE CAMPOS 1. Introdução No

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO A unidade BIC Amazônia está localizada na cidade de Manaus, no Estado do Amazonas, onde são produzidos canetas, lápis,

Leia mais

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de aperfeiçoamento do setor Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de

Leia mais

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES Profa. Dra. Priscila Borin de Oliveira Claro priscila.claro@insper.edu.br 05/02/2015 Apoio: Agenda Apresentação Parceria CDP e Insper

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

CONTABILIDADE AMBIENTAL COMO FONTE DE INFORMAÇÃO

CONTABILIDADE AMBIENTAL COMO FONTE DE INFORMAÇÃO CONTABILIDADE AMBIENTAL COMO FONTE DE INFORMAÇÃO MARIA ROSANA DANTAS LOPES RESUMO Este trabalho teve como objetivo mostrar a importância da contabilidade como fonte de informação de uma empresa, e o seu

Leia mais

Michel Epelbaum ellux consultoria

Michel Epelbaum ellux consultoria Michel Epelbaum ellux consultoria 70 s e 80 s: controle e auditorias ambientais 1987: Relatório Brundtland 1991: ICC - Carta Empr. p/ o Des. Sust. 1992: ECO 92 Agenda 21 1992: WBCSD conceito de eco-eficiência

Leia mais

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Cristiane Kelly F. da Silva(UFPB) criskfsilva@yahoo.com.br Derylene da Fonseca Ferreira (UFPB)

Leia mais

Caracterizando a Utilização de Indicadores de Desempenho no Setor Hoteleiro

Caracterizando a Utilização de Indicadores de Desempenho no Setor Hoteleiro Caracterizando a Utilização de Indicadores de Desempenho no Setor Hoteleiro Aldo Leonardo Cunha Callado Antônio André Cunha Callado Fernanda Marques de Almeida Holanda Carla Renata Silva Leitão Resumo:

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL

ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL JOSÉ, Clodoaldo SILVA, Gabriel de Oliveira da PROENÇA, Leandro Gomes JUNIOR, Luiz Antonio Martins RESUMO ISO 14000 é uma norma desenvolvida pela ISO e que estabelece diretrizes

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

PROPRIEDADE REGISTRADA. O que fazer para alcançar ar o Desenvolvimento Empresarial Sustentável?

PROPRIEDADE REGISTRADA. O que fazer para alcançar ar o Desenvolvimento Empresarial Sustentável? . O que fazer para alcançar ar o Desenvolvimento Empresarial Sustentável? . Conceitos: Responsabilidade Social Ecoeficiência Conceitos Responsabilidade Social - é a relação ética e transparente da organização

Leia mais

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL É proibida a reprodução total ou parcial deste documento por quaisquer meios

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO 2014 GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE O modelo de Gestão da Sustentabilidade do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE é focado no desenvolvimento de

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UM ESTUDO COM OS EMPREENDEDORES INCUBADOS NA INCTECh

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UM ESTUDO COM OS EMPREENDEDORES INCUBADOS NA INCTECh RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UM ESTUDO COM OS EMPREENDEDORES INCUBADOS NA INCTECh TEMA: PARQUES TECNOLÓGICOS MODELANDO NOVAS CIDADES AUTOR: Andreici Daiani Vitor Vedovatto RESUMO ESTRUTURADO: Frente

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda Guia para iniciar a certificação EDITORIAL Os desafios do desenvolvimento sustentável ampliam a importância das iniciativas da

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Apresentar benchmarks considerando: Como os auditores internos avaliam suas competências atuais Quais competências necessitam de aprimoramento Como

Apresentar benchmarks considerando: Como os auditores internos avaliam suas competências atuais Quais competências necessitam de aprimoramento Como 1ª Pesquisa Protiviti/Audibra sobre as Tendências da Auditoria Interna no Brasil Junho, 2010 Objetivo da Pesquisa Apresentar benchmarks considerando: Como os auditores internos avaliam suas competências

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Especialistas em impostos indiretos

Especialistas em impostos indiretos Impostos indiretos IMPOSTOS INDIRETOS Especialistas em impostos indiretos POR MEIO DE UM CONJUNTO ABRANGENTE DE SERVIÇOS DE SUPORTE CONTÍNUOS QUE OFERECEM RESPOSTAS IMEDIATAS ÀS DÚVIDAS SOBRE IMPOSTOS,

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS Prover uma compreensão básica : do desenvolvimento da abordagem das empresas com relação às questões ambientais, dos benefícios provenientes de melhorias

Leia mais

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008/2010. Vonpar - Divisão Bebidas

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008/2010. Vonpar - Divisão Bebidas RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 200/200 Neste documento você terá o extrato em números dos dados contidos no Relatório de Sustentabilidade 200/200 da Vonpar. Conforme a versão digital animada (disponível

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Dimensão Econômico-Financeira

Dimensão Econômico-Financeira Dimensão Econômico-Financeira 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO... 3 INDICADOR 2. ATIVOS INTANGÍVEIS... 5 INDICADOR 3. DEFESA DA CONCORRÊNCIA... 6 CRITÉRIO II GESTÃO...

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

Observação: Aqui não esta sendo exposto a questão da estratégia competitiva e os fatores internos e externos à companhia.

Observação: Aqui não esta sendo exposto a questão da estratégia competitiva e os fatores internos e externos à companhia. Avaliação de Desempenho- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Alinhamento do desempenho humano ao organizacional Veremos agora o alinhamento do desempenho humano ao organizacional. Segundo Souza (2005),

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL E EMPRESAS

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL E EMPRESAS RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL E EMPRESAS RESUMO DIADOSK, A.; FERREIRA, A. H. Valendo-se da real mudança de valores, as empresas estão engajadas à ideia de desenvolvimento sustentável e à preservação

Leia mais

O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações

O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações Webinar O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações Juliana Scalon 4 de Setembro de 2013 Aprimore o desempenho dos fornecedores Para se sobressair no mercado atual

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Qualidade em Institutos de Estatística: a experiência internacional e iniciativas no IBGE

Qualidade em Institutos de Estatística: a experiência internacional e iniciativas no IBGE Qualidade em Institutos de Estatística: a experiência internacional e iniciativas no IBGE Zélia Magalhães Bianchini (Diretoria de Pesquisas) Helena Piccinini (Diretoria de Informática) Gestão da Qualidade

Leia mais

Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT

Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT A Responsabilidade Social Corporativa no Contexto da Internacionalização Abril, 2014 AGENDA QUEM SOMOS SUSTENTABILIDADE A IMPORTÂNCIA

Leia mais