PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ"

Transcrição

1 PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ Fevereiro/2005

2 2 PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROGRAMA ESTADUAL DE ATER Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado do Pará (FETAGRI) Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (EMATER) Banco da Amazônia (BASA) Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (CEPLAC) Grupo de Trabalho de ATER da Articulação Nacional de Agroecologia (GT ATER-ANA) Instituto de Desenvolvimento e Assistência Técnica da Amazônia (IDATAM ) Fundação Sócio-Ambiental do Nordeste Paraense (FANEP) Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) Centro de Defesa do Negro do Estado do Pará (CEDENPA) Movimento dos Pescadores do Estado do Pará (MOPEPA) Federação dos Pescadores do Estado do Pará (FEPA) Universidade Federal do Pará (UFPA/NEAF) Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) COORDENAÇÃO ESTADUAL SAGRI/SEE PRONAF - Deusimar Miranda Rodrigues e Marlene Naoyo Abe FETAGRI - Valdivino Cunha da Silva IDATAM Antônio Raifson da Fonseca CEPLAC - Raul Guimarães EMATER - Wildes Brito

3 3 COLABORADORES: ALTAMIRA Ilce Cabreira (EMBRAPA) Jailson Rocha Brandão (CEPLAC) João Batista Uchôa Pereira (FVPP) Miquéias Freitas Calví (FVPP) Dino Getúlio Barile Filho (SAGRI) Valdecir Maia (EMATER) Elizabete Fernandes Bis (CEPLAC) CAMETÁ Eraldo Carvalho (STR) Geoval Santos de Carvalho (CART) Iraci de Freitas Nunes (CP Z-16) José Danúzio Pinto Pompeu (IBGE) Lázaro Batista Ferreira (COOMAC) Marcelo da Silva Alves (CFR) Osvaldo Barros (SPR) Pedro Nolasco Rodrigues de Leão (SEMAGRI) Ruth Corrêa da Silva (APACC) CAPANEMA Alcirene Corexa (Emater) Arnaldo Henrique (Emater) Jairo Eiras (Emater) Jean Martins (ACI) Maria Conceição F. da Silva (Semagri) Martins (Emater) Oscar Schie (Secretário Municipal de Agricultura) Maria da Conceição Reis Sampaio (EMATER) Mauro Pina (EMATER) CURRALINHO Edel de Moraes Tenório (FAEC) Edival de Matos Barreiros (FAER e STR) Geoval Matos (COGED) José Válveres de Oliveira (Semagri) Marcos Baratinha (APRERC) Marinaldo Gemaque (EMATER) Raimundo Luiz Santana da Silva (SECULT) MÃE DO RIO Jorge Luiz dos Santos Medeiros (EMATER) Claudina Rita Pires (EMATER) Francisco Gabriel R. de Azevedo (EMATER) Eduardo Lima de Oliveira (FANEP) Iracildo Cordeiro (STR Mãe do Rio) Aliézio Cordeiro (Central das Associações de Mãe do Rio) Andrelino José Neto (Central das Associações de Aurora do Pará) MARABÁ Dvandro Pedro de Oliveira (LASAT) Fábio L. Halmenschlager (LASAT) Lívia Navegantes Alves (LASAT) Maria Sueli F. Gomes (LASAT) Valdir da Cruz Rodrigues (LASAT) Francisca Nívia Costa (INCRA SR 027) REDENÇÃO Domingos Dias (FETAGRI - Sul) Humberto B. Reale Filho (EMATER) Lucileide Souza Bezerra (STR) Valmisória S. Moraes (FETAGRI - Sul) SANTARÉM Ana Pereira Colares (Fetagri-BAM) Francisco de Moura Lima (CEPLAC-Stm) José Venilson da Silva (Fetagri-BAM) Josué Linhares Carvalho (CEAPAC) Maria José F. Alves (CEFT-BAM) Pedro Aparício D. Q. de Sousa (EMATER) Djelma Tanaka (EMATER) Lauriano Neto da Silva (SAGRI) BELÉM Aliomar Arapiraca da Silva (CEPLAC) Iran Veiga Júnior (NEAF/UFPA) Edna Nóbrega (UFRA) Gilberta C. Souto (EMATER) Gutemberg Guerra (NEAF/UFPA) Osvaldo Kato (EMBRAPA) Socorro Kato (EMBRAPA) Telmo Pinon (INCRA SR 01)

4 4 COMISSÃO DE SISTEMATIZAÇÃO DA PROPOSTA DO PROGRAMA DE ATER Deusimar Miranda (Sagri/Pronaf) Marlene Naoyo Abe (Sagri/Pronaf) Valdivino Cunha (Fetagri) Dvandro Oliveira (Lasat/Ufpa) Nívea Costa (Incra SR 027) Wildes Brito (Emater) Marluce Shimpo (Idatam) AGRADECIMENTOS Banco da Amazônia S.A.-BASA Secretaria Executiva de Agricultura SAGRI Secretaria Executiva Estadual do PRONAF SEE do PRONAF Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira CEPLAC Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará EMATER Universidade Federal Rural da Amazônia UFRA Núcleo de Estudos Integrados sobre Agricultura Familiar -NEAF/CAP/UFPA Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado do Pará FETAGRI Instituto de Desenvolvimento e Assistência Técnica da Amazônia IDATAM Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária EMBRAPA Centro de Apoio a Projetos de Ação Comunitária CEAPAC Centro de Estudos, Pesquisa e Formação de Trabalhadores Rurais do Baixo Amazonas- CEFT-BAM Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Redenção STR Laboratório Sócio-Agranômico do Tocantins - LASAT/UFPA Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária INCRA INCRA SR 01 e SR 027 Fundação Viver, Produzir, Preservar - FVPP

5 5 PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1 - ANÁLISE SITUACIONAL DA ATER NO ESTADO DO PARÁ 2 - PRINCÍPIOS 3 DIRETRIZES 4 OBJETIVOS GERAL 4.2 -ESPECÍFICOS 5 PLANO DE AÇÃO AÇÕES ESTRATÉGICAS 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS

6 6 APRESENTAÇÃO O Estado do Pará, a exemplo de que vive o Brasil, passa por um período histórico no que diz respeito à construção de sua Política de Assistência Técnica e Extensão Rural pois pela primeira vez os segmentos envolvidos com a agricultura familiar, estão participando no processo de elaboração de uma proposta de Ater, (ATER) baseado num processo coletivo, envolvendo esferas dos governos Federal, Estadual e Municipal, além dos distintos segmentos da sociedade civil organizada como os STRs, associações, cooperativas, pescadores artesanais, extrativistas, quilombolas entre outros, que vêm apresentando suas idéias e debatendo as propostas num processo de criação conjunta da de uma nova ATER que seja pública, gratuita e em quantidade e qualidade suficiente para atender a agricultura familiar do estado do Pará, tendo como referencial os princípios Agroecológicos, a sustentabilidade e a melhoria da qualidade de vida com respeito às diferenças de gênero, raça e etnia. O Governo Federal, através do Ministério do Desenvolvimento Agrário -MDA, Secretaria da Agricultura Familiar -SAF, em atendimento a uma antiga reivindicação da Sociedade Civil Organizada, está democratizando a construção de ATER nos estados. No Estado do Pará, o processo foi iniciado com a realização do I Seminário Estadual de ATER, no dia 26 de agosto de 2004 que contou com a participação de 124 pessoas, representantes de 42 instituições e entidades representativas dos diferentes segmentos envolvidos com a questão da Assistência Técnica e extensão Rural. O I Seminário de ATER realizado no Estado do Pará no dia 26 de agosto de 2004, teve como objetivo apresentar a Política nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural e estabelecer uma agenda para a elaboração do programa estadual e ainda divulgação das linhas norteadoras da Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural. No final do Seminário foi definida em plenário uma comissão encarregada de discutir os encaminhamentos para a construção coletiva de uma proposta de criação do Programa Estadual de ATER para o estado do Pará. Essa comissão, por sua vez, elegeu uma coordenação constituída por representantes da CEPLAC, EMATER, SAGRI e FETAGRI-PA. Objetivando possibilitar maior participação dos diversos segmentos, a coordenação encaminhou a realização de oito seminários regionais, em atendimento ao indicativo dos

7 7 trabalhos de grupos realizados durante o I Seminário Estadual. Assim a coordenação encaminhou a realização dos seguintes seminários: Nordeste Paraense - 02 seminários (Capanema e Mãe do Rio), Baixo Amazonas - 01 Seminário (Santarém), Transamazônica -01 seminário (Altamira), Sul do Pará - 01 seminário (Redenção), Sudeste do Pará - 01 seminário (Marabá), Regional Tocantina - 01 seminário (Cametá),e Regional Marajó -01 seminário (Curralinho). Para que esses seminários ocorressem de maneira participativa e democrática, foram envolvidos todos os atores que constroem localmente os serviços de ATER. Em cada regional foi constituída uma coordenação que se encarregou de mobilizar, sensibilizar e encaminhar a realização dos seminários regionais. Nestes seminários participaram 38 representante de Secretarias Municipais de Agricultura, 68 associações, 20 prestadoras de serviços, 08 escritórios locais da CEPLAC, 29 Sindicatos de Trabalhadores Rurais, 48 instituições públicas, 28 ONGs, 56 Escritórios Locais da EMATER, e 22 outras instituições. A metodologia dos seminários consistiu na apresentação de três palestras, uma delas apresentando a Política Nacional de ATER, a outra fazendo uma abordagem agroecológica e a terceira introduzindo discussão do texto que abordava as linhas de da Nova Ater Pública. O ponto central dos seminários foi as discussões em grupo onde cada grupo apresentava os principais problemas de suas respectivas regiões. Essas discussões vinham posteriormente à plenária que fazia os adendos, supressões e os acréscimos. Depois de todo o processo de discussão submetia-se a plenária aprovação das propostas. No que diz respeito à representatividade, foi garantido que vinte por cento dos presentes poderiam participar do II seminário regional. Em todos os seminários foi buscado a maior representação das entidades presentes. A definição dos nomes deu-se através de indicação dos representantes dos segmentos presentes. Em seguida os nomes eram submetidos à aprovação da plenária. A realização do II Seminário Estadual que tem como objetivo a apresentação sistematizada das propostas apresentadas nos seminários regionais que serão discutidas e submetidas à aprovação final.

8 8 2 - ANÁLISE SITUACIONAL DA ATER NO ESTADO DO PARÁ A dinâmica aplicada às políticas públicas até então vigentes, pouco ou quase nada se preocuparam com os impactos que tais políticas causariam ao meio ambiente e a agricultura familiar. Como se sabe, ao longo dos anos sempre privilegiou os grandes projetos, em detrimento à agricultura familiar, que sempre foi o contraponto à revolução verde. Documentos da FETAGRI-PA. apontam que... desde a década de 70 a agricultura familiar vem ocupando grandes espaços rurais em todo o estado do Pará. Nesse período o acesso a terra, geralmente ocorria através de ocupações. Muitas das vezes sobre forte conflitos, impulsionados pela existência de grandes áreas desocupadas ( realidade não muito diferente da atual). Dessa forma, esta categoria produtiva enfrentou (e enfrenta) muitas dificuldades do ponto de vista econômico e de infraestrutura. Mantendo-se durante mais de duas décadas uma situação bem marginal no setor agrícola, se adaptando ao modelo capitalista através de atividades ou da profissionalização das diversas atividades como o extrativismo, a pesca artesanal ou atividade mista. Mesmo assim ela sempre manteve um papel decisivo no abastecimento dos mercados consumidores locais regionais e estaduais. A partir da década de 90 as ações, notadamente do movimento dos trabalhadores rurais, passaram a ser mais consistentes e propositivas junto às instituições públicas e graças à capacidade organizativa dos trabalhadores e trabalhadoras rurais, houve uma flexibilização quer do ponto de vista do diálogo, quer do ponto de vista do acesso a terra (muitas vezes através de ocupações) ou ainda do acesso ao crédito que culminou com a abertura de uma linha especial de crédito à agricultura familiar construída durante os Gritos do Campo e posteriormente nos Gritos da Terra Brasil, que culminaram com a criação do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - PRONAF, institucionalizado através do decreto presidencial nº 1946 de 18 de junho de Torna-se necessário a ampliação desses avanços, agora relativos à Assistência Técnica e Extensão Rural de maneira participativa em sintonia com os diversos segmentos governamentais e as organizações representativas dos agricultores, dos pescadores artesanais, extrativistas, quilombolas e demais público envolvidos com a questão da Assistência Técnica e Extensão Rural que são importantes para sua consolidação Para que os avanços apontados aconteçam de fato, torna-se necessário encontrar soluções para os principais problemas apontados nos diversos seminários que indicaram entre outros problemas a má qualidade nos serviços de ATER, o não comprimento do

9 9 calendário agrícola, notadamente no que diz respeito a liberação dos financiamentos dos projetos, o direcionamento para projetos produtivos à monocultura, a falta de identidade dos técnicos com a agricultura familiar equipes multidisciplinar e a falta de infra-estrutura, entre outros. Foi apontado, ainda, como um dos maiores entraves nos serviços de ATER a quantidade insuficiente de técnicos para atender toda a demanda da agricultura familiar no Estado do Pará. No que diz respeito às metodologias a serem aplicadas, as discussões nos seminários orientaram no sentido de envolver as instituições que têm experiências de sucessos que buscam a implantação de uma agricultura sustentável, portanto, de natureza sistêmica da produção de alimentos buscando o equilíbrio ambiental, a justiça social e a viabilidade econômica, assim adotar ações que permitam a transição dos atuais modelos de desenvolvimento econômico para estilos de desenvolvimento rural e de agricultura sustentáveis (CAPORAL e COSTABEBER. 2004). Essas metodologias, de acordo com os rumos apontados nos seminários, deverão envolver os governos Federal, Estadual e Municipais, garantindo o controle social na aplicação e gerência dos recursos com um modelo de assistência técnica que atenda aos anseios da agricultora familiar. 2- PRINCÍPIOS Assegurar, com exclusividade aos agricultores familiares, assentados por programas de reforma agrária, extrativistas, ribeirinhos, indígenas, quilombolas, pescadores artesanais e aqüicultores, povos da floresta, seringueiros, e outros públicos definidos como beneficiários dos programas do MDA/SAF, incluindo os posseiros e antigos assentamentos, bem como áreas da colonização tradicional, o acesso a serviço de assistência técnica e extensão rural pública estatal ou não, gratuita, de qualidade e em quantidade suficiente, visando o fortalecimento da agricultura familiar. Contribuir para a promoção do desenvolvimento rural sustentável, com ênfase em processo endógeno, apoiando os agricultores familiares e demais públicos descritos anteriormente, na potencialização do uso sustentável dos recursos naturais. Adotar uma abordagem multidisciplinar e interdisciplinar, estimulando a adoção de novos enfoques metodológicos participativos e de um paradigma tecnológico baseado nos princípios da Agroecologia.

10 10 Estabelecer um modo de gestão capaz de democratizar as decisões, contribuir para a construção da cidadania e facilitar o processo de controle social no planejamento, monitoramento e avaliação das atividades, de maneira a permitir a análise e melhoria no andamento das ações. Desenvolver processos educativos, permanentes e continuados, a partir de um enfoque dialético, humanista e construtivista, visando a formação de competências, mudanças de atitudes e procedimentos dos atores sociais, que potencializem os objetivos de melhoria da qualidade de vida e de promoção do desenvolvimento rural sustentável, através da segurança alimentar e nutricional das famílias. Fortalecer a inclusão da temática de gênero no processo de construção do desenvolvimento rural sustentável. 3 DIRETRIZES Apoiar ações múltiplas e articuladas de Assistência Técnica e Extensão Rural, que viabilizem o desenvolvimento econômico eqüitativo e solidário, nas comunidades e territórios rurais, levando em conta a dimensão ambiental; Garantir a oferta permanente e contínua de serviços de ATER, que sejam presentes e atuantes em todo o Estado, de modo a atender a demanda de todos os agricultores familiares do Estado do Pará; Viabilizar serviços de ATER que promovam parcerias entre instituições federais, estaduais, municipais, organizações não-governamentais e organizações de agricultores familiares e demais públicos anteriormente citados, estimulando a elaboração de planos de desenvolvimento municipal, territorial e/ou regional, assim como a formação de redes solidárias de cooperação interinstitucional. Apoiar ações destinadas à qualificação e aumento da produção agropecuária, pesqueira, extrativista, artesanal e turismo rural, com ênfase à produção de alimentos básicos e com a utilização de práticas ecologicamente corretas e economicamente viáveis; Assegurar que as ações de ATER contemplem todas as fases das atividades econômicas, da produção à comercialização e abastecimento, observando as peculiaridades das diferentes cadeias produtivas e/ou arranjos produtivos locais;

11 11 Desenvolver ações que levem à conservação e à recuperação dos recursos naturais dos agroecossistemas e à proteção dos ecossistemas e da biodiversidade; Realizar a capacitação baseada na formação integral dos componentes do grupo familiar em todas as modalidades da agricultura familiar como sujeitos do processo de transformação social. 4 OBJETIVOS 4.1 GERAL Implementar a Política Nacional de ATER de acordo com as especificidades vigentes no Estado, com a participação da sociedade civil, respeitando as diversidades microregionais, por intermédio da valorização das experiências endógenas da agricultura familiar, visando a melhoria da qualidade de vida das famílias, tendo como foco principal da ação os princípios agroecológicos. 4.2 ESPECÍFICOS Visa além dos objetivos especificados no Plano Nacional de ATER: Potencializar e sistematizar as experiências de cunho agroecológicos existentes nas diferentes microrregiões; Proporcionar a interação entre as diversas modalidades (extrativistas, pescadores, ribeirinhos, artesãos, quilombolas, indígenas, etc) da agricultura familiar, visando a troca de saberes e estimulando a implementação de atividades múltiplas; Estimular a integração entre as instituições de ATER estatais ou não nos seus diversos programas, com a finalidade de atender a totalidade da agricultura familiar, respeitando as diferentes formas de ação da ATER de cada instituição, desde que não contrariem os princípios e diretrizes da Política Nacional de ATER e do Programa Estadual de ATER; Mudar a concepção da ATER baseada no projeto da revolução verde, direcionando-as para a utilização de metodologias participativas, para a produção de alimentos sadios, para a valorização de experiências endógenas propulsora do desenvolvimento ambiental e socioeconômica, respeitando as formas associativistas e cooperativistas adotadas pelos agricultores familiares;

12 12 Estadualizar as ações da Política Nacional do ATER, criando um dispositivo estadual de gestão da Ater considerando o acúmulo teórico e prático dos atores e instituições vinculadas à agricultura familiar; Incentivar as instituições de pesquisa e ensino governamentais e não-governamentais a priorizarem suas ações para as atividades demandadas pela agricultura familiar, utilizando-se de metodologias participativas em meio real com o envolvimento das famílias; Fomentar a diversificação das atividades dos estabelecimentos familiares, de acordo com as modalidades da agricultura familiar e realidades micro-regionais, proporcionando a distribuição da mão-de-obra familiar e a geração de novos postos de trabalhos; Readequar o quadro de pessoal das instituições de ATER, visando atingir patamares crescentes de sustentabilidade em conformidade com a Política Nacional de ATER e o Programa Estadual de ATER. - Que o Estado desenvolva ações que possibilitem a continuidade da formação, capacitação e qualificação permanente de jovens no meio rural, por intermédio da ampliação das escolas que utilizam a pedagogia da alternância, e a contratação de quadros profissionais estimulando os jovens a fazerem parte da construção e implementação da Política Nacional de ATER e do Programa Estadual de ATER; - Realizar estudos de mercado de cadeias produtivas de modo a potencializar os arranjos produtivos da agricultura familiar; - Fomentar a pesquisa e difusão de manejo florestal madeireiro e não-madeireiro e sistemas agro-florestais por intermédio das diferentes instituições de pesquisa e de ATER,??????

13 13

14 5 - RESULTADOS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS PROBLEMAS AÇÕES OBJETIVOS METODOLOGIAS INDICADORES METAS RESPONSAB. CO-RESPONSA. PRAZOS Desestruturação da ATER - Instituições prestadoras de ATER desarticuladas por falta de apoio do poder executivo municipal, Estadual e outros segmentos acarretando má qualidade dos serviços de Ater -Articulação entre as instituições de ATER e alinhamento das ações desenvolvidas. - Criação de fórum permanente de ATER -Promover a integração entre os atores envolvidos. TBAM- - Potencializar os serviços de ATER nos municípios Planejar estratégias de atuação da ATER, nos coletivos municipais - Realizar reuniões e/ou encontros periódicos com a participação das instituições de ATER, objetivando a integração e troca de experiências. - Nº de Reuniões, Encontros, Oficinas, intercâmbios, Seminários. Planejamento participativo das ações de ATER nos municípios. - Anual: 06 reuniões e 04 intercâmbios; - Fóruns Regionais e coletivos municipais em todos os municípios - Instituições prestadoras de ATER -Câmaras técnicas - Conselhos municipais 12 - Sociedade civil organizada Um ano Quantidade de técnicos insuficiente para atender a demanda da Agricultura familiar -Adequação dos quadros de ATER à demanda da agricultura familiar do Estado. Com atendimento do piso salarial de acordo com a legislação vigente -Ampliar o atendimento dos agricultores familiares e respectivas organizações, obedecendo a relação técnicoagricultor, de acordo com a realidade local Levantamento real de demanda através de diagnóstico Seleção/Contrataç ão de equipes técnicas para atender a demanda das regiões, desde que a ampliação ou convênios de novas instituições passem pelo crivo da fiscalização e controle social. Além da contratação promover intercâmbio com outras regiões do -Levantamento Demanda -Técnicos contratados para o serviço de Ater; -Nº de técnicos envolvidos em Ater Atendimento de 50% da demanda até dez/2005; 70% em 2006 e 100% em Instituições governamentais e Nãogovernamentais de Ater, Universidades, Sociedade civil organizada. Três anos (verificação permanente das metas)

15 13 Equipes técnicas formadas sem obedecer o caráter da multidisciplinarid ade Os técnicos e os agricultores conhecem pouco sobre a agricultura de base ecológica Projetos produtivos, na maioria das vezes direcionados à monocultura (padronização dos projetos) Criação de quadros técnicos multidisciplinar es de acordo com a demanda Formar equipes multidisciplinare s segundo a natureza das ações locais com visão global/sistêmica país afim de substituir metodologias tradicionais Exigência às prestadoras de Ater de obedecer os critérios de muldisciplinaridad e no ato do cadastramento/cre denciamento Nº de equipes multidisciplinare s Associada aos projetos Realização de -Capacitação -Contribuir para oficinas, Nº de eventos - 12 cursos de de técnicos, o encontros, técnicos de curta duração e 06 agricultores e desenvolvimento treinamentos e capacitação; cursos de agricultoras da agricultura cursos Nº de projetos especialização, familiares, e familiar em bases Incluir a temática elaborados além do formação de agroecológicas agroecológica nas respeitando os atendimento da agentes de grades princípios demanda local. desenvolviment curriculares do agroecológicos o rural, no ensino formal, enfoque agroecológico. fundamental, médio e superior Desenvolvimen -Sistemas to da -Promover a produtivos de Agricultura transição origem extrativa Sustentável agroecológica, -Criar e aprimorar e - Definição de tendo como arranjos agrosilvopastoril De acordo com os atividades parâmetros o produtivos locais criados / projetos produtivas a agroecossistema e/ou sistemas aprimorados; partir de e a diversificação sócio-- produtivos análise de atividades adequados ao -Percentual de socioeconômic produtivas meio ambiente renda obtido por a prévia, (agrícolas e nãoagrícolas). das regiões do sistema coletiva. Pará -números de - Revisão dos projetos procedimentos implantados com bancários e do SAF, criação de crédito de peq. E médios modo a animais MDA, prestadoras de ATER, Governos Federal, Estadual, Municipal, movimentos sociais, etc. MDA UFPA UFRA Escolas agrotécnicas, ex: EAFC (Escola Agrotécnica Federal de Castanhal), CFR, EFA e outros. Instituições de pesquisa e desenvolvimento em, parceria MDA, Universidades (Capacitação dos quadros profissionais) Embrapa, Ceplac, Emater, Senar, entidades de Ater, Incra e outros. Agentes Financeiros De imediato Até Dez/2007 Imediato

16 14 adequá-los a proposta de transição para a agricultura agroecológica. Falta de planejamento estratégico das ações de ATER Instituições prestadoras de ATER não são fiscalizadas, monitoradas e acompanhadas. Adequação dos serviços de Ater às novas demandas, para fortalecimento da agricultura familiar -Controle e Supervisão das ações de ATER, por intermédio dos Conselhos e outros fóruns. Desenvolvimen to humano, social e Melhorar o desempenho socioeconômico dos agricultores familiares -Efetuar trabalhos de M&A das ações de Ater com participação de representantes dos agricultores familiares. -Melhorar a qualidade de vida Produção e adequação de conhecimento tecnológico e sócio-econômicos de acordo com as demandas dos agricultores familiares e compromisso das instituições de pesquisa, de Ater, fomento, crédito no desenvolvimento da unidade familiar, tendo como princípio a Agroecologia -Realização de Seminários, estudos de caso, estudos de controle e comparação, avaliação tecnológica. -Capacitação e assessoramento. Unidade familiar/comunid ades;.processos tecnológicos e sócioeconômicos introduzidos;.empresas geradas;.percentual de produção total, destinados ao consumo e à comercialização;.variação da renda total da unidade familiar. -Nº de instituições fiscalizadas -Famílias capacitadas e assessoradas; -Organizações De acordo com os projetos De acordo com o projeto MDA, Governo do Estado, Instituições de Ater, pesquisa, Ufra, Ufpa, Instituições de fomento e crédito CREA, Câmaras Técnicas, CIAT, Conselho Estadual, Consultorias Independentes, - Prestadoras De ATER; Representantes Dos Trabalhadores Rurais E Poder Público Sociedade civil organizada Conselhos Municipais - Criar 12 cooperativas de Instituições de MDA, MAPA, 03 anos Imediato

17 15 Deficiências na estrutura organizacional dos agricultores familiares. Projetos elaborados não estão voltados à comercialização da produção. organizacional dos agricultores familiares. - Redefinição do modelo de associativismo e cooperativismo - Criação de cooperativas de crédito e prestação de serviços de ATER Desenvolvimen to da cadeia produtiva e/ou arranjos produtivos locais (APLs). - Gestão e capacitação tecnológica - implantar e reforçar a infraestrutura de escoamento e fortalecer as organizações da agricultura familiar. - Viabilizar o acesso dos produtores familiares aos recursos disponíveis - Elaborar e executar o planejamento que contemple a comercialização da produção, no contexto das cadeias produtivas e APLs. de agricultores nos aspectos de associativismo e cooperativismo, saúde, educação, saneamento básico, cultura. - Capacitação e formação agrícola adequada a realidade da agricultura familiar pedagogia da alternância - Realizar estudos de mercado que contemple os agentes de fluxo de comercialização, margens econômicas de apropriação dos produtos. - Mapear as cadeias produtivas existentes que trabalham com a comercialização coletiva da produção e verticalização da produção; -Moradia, educação, saúde, cultura e lazer; -Nº de pessoas que participam de atividades culturais; -Nº de famílias que participam de organizações; - Organizações criadas. - Estudo de mercado endógeno e exógeno; -Volume de produção comercializada; - redes de comercialização fortalecidas; - inserção dos agricultores no mercado crédito e prestação de serviços de ATER; -De acordo com o projeto -2 estudos de mercado por região Ater governamentais e nãogovernamentais e Movimentos Sociais Sagri, Universidades Entidades representantes dos agricultores, entidades de ATER, ARCASU, cooperativas OCB/SESCOOP -PA, Governo do Estado, Prefeituras Municipais e organizações representativas dos agricultores familiares Movimentos Sociais Até Dez/2007 Até Dez/2007 Descumprimento do calendário agrícola quando das liberações dos - Adequação do calendário de liberação de recursos bancários ao calendário - Envolver as instituições afins nas etapas que antecedem as -Realizar Oficinas de trabalho com a participação de representantes de agentes financeiros, - Nº de Instituições envolvidas De acordo com projetos Organizações de Ater; Agentes Financeiros; organizações de Movimentos Sociais Imediato

18 16 financiamentos dos projetos produtivos, bem como adaptação do projeto. Precariedade no setor de infraestrutura básica Falta de planejamento das propriedades familiares em consonância com o ZEE agrícola; - Adequação das políticas de financiamento às realidades regionais; - Reelaboração e flexibilização das planilhas dos bancos. - Promoção da Infra-estrutura básica. Planejamento conforme o ZEE liberações dos financiamentos. - Recuperação e/ou construir redes elétricas, estradas, pontes e outras vias de acesso; escolas, postos de saúde, telefonia rural; objetivando viabilizar a produção, o escoamento da produção, bem como os serviços de ATER. - Levantamento das necessidades de infra-estrutura básica, física e social Melhor utilização dos recursos da propriedade INCRA, IBAMA, técnicos de ATER e movimentos sociais chamando cada um às responsabilidades que lhes são cabíveis. -Envolver Governo do Estado (Pará Rural), Prefeituras e INCRA; PPP; Pronaf Infraestrutura, Luz para Todos, na prestação de serviços de infraestrutura associados aos projetos produtivos. - Envolver CMDRs - Fazer plano de uso da propriedade familiar, com visão holística; - Realizar planos de -Vias de acesso construídas e/ou recuperadas. - Redes elétricas construídas; - Postos de saúde, escolas, - Nº de estradas, pontes e nº de telefones rurais. Propriedades familiares planejadas Planos de desenvolvimento sustentáveis - Para atendimento das demandas existentes. De acordo com o diagnóstico realizado produtores familiares INCRA, IBAMA e Conselhos MDA-INCRA; Governo do Estado; Prefeituras; PPPs; BNDES; ADA e agentes financeiros Organizações de ATER; Organizações de produtores familiares MAPA-DFA; CMDRs Sociedade Civil Organizada; UFRA, UFPA Até Dez/2007 Até Dez/2007

19 17 Falta de compromisso das instituições financeiras Falta de uma metodologia didádicopedagógica para Ater Deficiente infraestrutura das entidades de ATER não governametais Insuficiência de recurso financeiro para ATER Avaliação de desempenho das instituições financeiras Criar um sistema de avaliação metodológica da ATER Estruturação de entidades de ATER Criação de um fundo de apoio à agricultura familiar - FAAF Melhorar o atendimento dos agricultores familiares Facilitar o alcance dos objetivos do Programa Disponibilizar recursos financeiros e/ou materiais (equipamentos etc) às entidades de ATER não governamentais conforme a necessidade Fortalecer a implementação da política estadual de ATER por intermédio das semagri s e outras instituições desenvolvimento do município e da região Cruzamento das informações dos beneficiários Por intermédio de seminários Por meio de convênios ou repasse de bens materiais (doação, empréstimos etc) Recolher percentual de imposto da produção agropecuária e dos recursos naturais municipais/ regionais Estabelecimento de conceitos Número de técnicos capacitados; Agricultores atendidos Quantidade de recursos financeiros e/ou materiais repassados entidades às - Quantidade de recurso no fundo - número de municípios acessando. Avaliação de todos os bancos O1 seminário regional, 01 estadual e 02 cursos de capacitação - Criar o fundo até ao final de Que 60% das semagri s acessando o fundo até e 100% até o final de 2008 MDA CEstadual e Municipais Fetagri Instituições de Ater, ensino e ong`s INCRA, MDA, Bancos, Governo estadual, municipais etc MDA, Governo do Estado, MAPA, Indústrias, empresas estatais, FAO e governos municipais Prestadoras de Serviços de Ater Parlamentares, consórcios e sociedade civil. 1 ano 1 ano Descontinuidade dos convênios de ATER (programa de ATES) Permanência dos convênios contínuos do programa de ATES Proporcionar a ATER (programa de ATES) de qualidade Celebração de convênios de acordo com os PPA s (plano plurianuais) Não interrupção dos convênios sem justificativa - Melhoria de atendimento as famílias- - A partir do ano de 2005 MDA Movimentos sociais, INCRA, prestadoras de serviços, universidades, etc. contínuo.

20 AÇÕES ESTRATÉGICAS Fortalecer as escolas de Ensino Médio/ou Superior no sentido de redirecionar o processo educativo para a agricultura familiar, tendo como princípio básico o enfoque Agroecológico; Descentralizar as decisões das políticas públicas a nível regional; Adequar a Agricultura Familiar à lógica da sustentabilidade ambiental; Promover a gestão da propriedade rural; Ampliar e fortalecer as escolas que praticam a pedagogia da alternância; Cumprimento do Calendário Agrícola por parte das instituições envolvidas diretamente na elaboração dos projetos e na liberação dos recursos financeiros; Envolver todos os atores sociais nos fóruns de discussões que objetivam planejar as ações voltadas para cada região; Proporcionar a universalização da ATER a todos os agricultores e agricultoras familiares; Fortalecer e garantir uma estrutura de ATER pública gratuita e com controle social; Que o PROAMBIENTE seja adotado como programa estratégico e indispensável ao desenvolvimento da produção familiar em bases agroecológicas; Regularização e ordenamento fundiário em todo o Estado do Pará (INCRA e ITERPA); Desburocratização, revisão da legislação pertinente em vigor e adequação do crédito à transição agroecológica, com criação de uma comissão interinstitucional para, junto com os agentes financeiros, avaliar e propor possíveis mudanças; Vinculação das políticas públicas municipais de desenvolvimento rural à apreciação e parecer dos CMDRS, como mecanismo de fortalecimento dos coletivos municipais; Criação urgente de um banco de dados da agricultura familiar, em cada região, para subsidiar eventuais tomadas de decisão, ou elaboração de projetos de desenvolvimento local/regional. Criação de fundos de desenvolvimento rural, constituídos pelo Governo Federal, Estadual e governos Municipais, com controle social.

21 19 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS A abordagem sistêmica capaz de fortalecer o capital social, estimular a capacidade e a criatividade dos atores sociais, a partir do reconhecimento e efetivação da eqüidade e da inclusão social, além de estimular também adoção de processos de bases tecnológicas e componentes culturais capazes de convergir para dinâmicas ecológicas; a Nova ATER Pública propõe apoiar um modelo compatível com os ideais de desenvolvimento sustentável, em que seus agentes intervêm de forma democrática, através da utilização de metodologias participativas e da adoção de processos construtivistas e humanistas a partir do conhecimento e da realidade das práticas locais. O referido modelo pressupõe que os agricultores familiares possam potencializar o uso sustentável dos recursos naturais, produzindo alimentos saudáveis e acessíveis ao conjunto da população, ao tempo em que proporcionará melhoria na qualidade de vida das famílias rurais e urbanas. Neste contexto, a ATER Pública sugere uma nova postura institucional e um novo profissionalismo por parte dos agentes envolvidos, que devem desempenhar um papel educativo, como facilitadores do processo do desenvolvimento rural sustentável, a partir de dimensões endógenas das aprendizagens geradas nos processos de formação permanentes e continuadas. Intencionalmente a idéia é construir estratégias participativas de implementação dos instrumentos de políticas públicas, sobretudo, os processos de mobilização, sensibilização, articulação, monitoramento e avaliação das ações de ATER por meio da capacitação de seus agentes. Ademais, através da formação de equipes multidisciplinares e interdisciplinares, os serviços de ATER devem ser executados, mediante a adoção de estratégias, metodologias e práticas que se adeqüem aos requisitos desse novo processo e de um paradigma tecnológico, baseado nos princípios da Agroecologia, que surge com enfoque cientifico destinado a apoiar a transição dos atuais modelos de desenvolvimento rural e de agricultura convencionais para estilos de desenvolvimento rural e de agricultura sustentáveis (CAPORAL E COSTABEBER).

22 20 Encaminhamentos Finais: - Instituir um fórum de discussão continuada da Política Estadual de Ater, que se reúna periodicamente para avaliação, discussão, modificação e reorientação necessária; - Fazer um glossário de termos utilizados no texto; - Fazer uma cartilha explicativa para os beneficiários do Programa Estadual de Ater; - Fazer um diagnóstico da ATER: nº de técnicos, de instituições que trabalham com Ater, nº de agricultores... Encaminhamentos da comissão de coordenação - Questão: Qual o termo a ser utilizado: política, programa ou plano?

Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER

Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER Termo de Referência para Redes de Organizações de Ater da Sociedade

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens em todo o território nacional.

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens em todo o território nacional. TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) especializado(a) para atuação na área de suporte técnico e avaliação das políticas de fortalecimento da agricultura familiar, com enfoque nos princípios da

Leia mais

A EXTENSÃO RURAL NA REGIÃO SUL: PERSPECTIVA E SITUAÇÃO DOS PAÍSES BRASIL

A EXTENSÃO RURAL NA REGIÃO SUL: PERSPECTIVA E SITUAÇÃO DOS PAÍSES BRASIL A EXTENSÃO RURAL NA REGIÃO SUL: PERSPECTIVA E SITUAÇÃO DOS PAÍSES BRASIL Argileu Martins da Silva Secretário Adjunto/Diretor do DATER A FASE DA INOVAÇÃO Um Jeep, um homem, uma mulher desafiam os costumes

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014 NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL PARCERIA MDA / CNPq Brasília, 13 de maio de 2014 A política de desenvolvimento territorial Desde 2004 a SDT implementa a estratégia de desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA POR QUE O PROJETO Decisão Estratégica do Governo do Estado da Bahia Necessidade de avançar na erradicação da pobreza rural Existência de

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural

Assistência Técnica e Extensão Rural Assistência Técnica e Extensão Rural A EXTENSÃO RURAL CONTEMPORÂNEA DA CEPLAC Concepção, Estrutura e Projetos Sergio Murilo Correia Menezes Ceplac / Cenex Base - Fundamentos ANATER Agenda Estratégica da

Leia mais

LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010.

LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010. Vigência Institui a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura

Leia mais

8º. Congresso Brasileiro de educação Agrícola Superior 53ª. Reunião Anual da ABEAS. Tendências de Educação e Extensão Rural no Brasil

8º. Congresso Brasileiro de educação Agrícola Superior 53ª. Reunião Anual da ABEAS. Tendências de Educação e Extensão Rural no Brasil 8º. Congresso Brasileiro de educação Agrícola Superior 53ª. Reunião Anual da ABEAS Tendências de Educação e Extensão Rural no Brasil Ednaldo Michellon Professor, Pesquisador e Extensionista da Universidade

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

Harmonização entre Demanda e Oferta de Cursos Técnicos de Nível médio Orientações às CREs

Harmonização entre Demanda e Oferta de Cursos Técnicos de Nível médio Orientações às CREs Departamento Pedagógico Coordenação de Gestão do Ensino Médio e da Educação Profissional CGEMEP Núcleo de Política e Ações Pedagógicas da Educação Profissional - NEP Harmonização entre Demanda e Oferta

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Relatório Preliminar

Relatório Preliminar Relatório Preliminar O V Seminário Nacional do Crédito Fundiário, realizado no período de 11 a 14 de dezembro de 2012, em Pirenópolis-Go, teve por objetivos a avaliação de propostas e a construção de estratégias

Leia mais

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA TERRITÓRIOS RIOS DA CIDADANIA Objetivos Os Territórios TERRITÓRIOS RIOS Os Territórios Rurais se caracterizam por: conjunto

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012

A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012 A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012 Contexto Retomada dos Serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural no país em 2003;

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria da Agricultura Familiar Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria da Agricultura Familiar Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria da Agricultura Familiar Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL Brasília, maio -

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Publicada no D.O.U. de 20/12/2001, Seção 1, Página 36 CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Dispõe sobre a aprovação do Programa Jovem Agricultor

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais

Implantação de Sistema Integrado de Gerenciamento da Execução da Reforma Agrária e Agricultura Familiar

Implantação de Sistema Integrado de Gerenciamento da Execução da Reforma Agrária e Agricultura Familiar Programa 0139 Gestão da Política de Desenvolvimento Agrário Objetivo Coordenar o planejamento e a formulação de políticas setoriais e a avaliação e controle dos programas na área de desenvolvimento agrário

Leia mais

DOCUMENTO FINAL. Propostas da juventude do RS!

DOCUMENTO FINAL. Propostas da juventude do RS! DOCUMENTO FINAL Propostas da juventude do RS! Com a finalidade de fortalecer a organização e mobilização da juventude rural no Rio Grande do Sul diante dos desafios e das perspectivas da questão da sucessão

Leia mais

Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável

Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável Sumário Agricultura familiar no Brasil Importância e aspectos positivos da palma de óleo Programa Palma de Óleo e sinergia com o

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Meta e Estratégias. Meta

EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Meta e Estratégias. Meta EDUCAÇÃO AMBIENTAL Meta e Estratégias Meta Universalizar a educação socioambiental em todos os níveis e modalidades de ensino, como uma prática inter, multi e transdisciplinar, contínua e permanente nos

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Fórum de debates sobre a pobreza e a segurança alimentar Campinas, 13 de outubro

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

Silvia do Amaral Rigon DNUT/UFPR CONSEA CORESAN - RMC

Silvia do Amaral Rigon DNUT/UFPR CONSEA CORESAN - RMC Silvia do Amaral Rigon DNUT/UFPR CONSEA CORESAN - RMC Lei federal 11.346 de 2006 (LOSAN): assessoria à Presidência da República Controle Social Monitoramento das políticas/ controle social com base nas

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO DOCUMENTO PROPOSITIVO Página 1 1. IMPORTÂNCIA DO TEMA PARA A II CONFERÊNCIA NACIONAL 1.1. A construção de um novo Brasil pautado na justiça, equidade e

Leia mais

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL O Seminário Sul Brasileiro vem sendo organizado desde 2005, como um evento paralelo a Suinofest, festa gastronômica de derivados da carne suína, por um grupo formado pela UERGS, ACI-E, EMATER e Secretaria

Leia mais

CAMPO FORMAÇÃO PROFISSIONAL PARA O FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR E O DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL EM BASES TERRITORIAIS E AGROECOLÓGICAS

CAMPO FORMAÇÃO PROFISSIONAL PARA O FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR E O DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL EM BASES TERRITORIAIS E AGROECOLÓGICAS PRONATEC CAMPO FORMAÇÃO PROFISSIONAL PARA O FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR E O DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL EM BASES TERRITORIAIS E AGROECOLÓGICAS PRONATEC CAMPO O PRONATEC O Programa Nacional

Leia mais

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011.

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Mapa Visão e Missão Funai Mapa Estratégico: Proteger e promover

Leia mais

Carta de São Paulo 1º FEIRATUR Feira Nacional de Turismo Rural

Carta de São Paulo 1º FEIRATUR Feira Nacional de Turismo Rural Carta de São Paulo 1º FEIRATUR Feira Nacional de Turismo Rural No período compreendido entre os dias 16 e 19 do mês de setembro de 2004, realizou-se a Primeira Feira Nacional do Turismo Rural - 1º FEIRATUR,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 426/2008

RESOLUÇÃO Nº 426/2008 RESOLUÇÃO Nº 426/2008 Regulamenta a Educação Básica na Escola do Campo, no âmbito do Estado do Ceará. O Conselho Estadual de Educação - CEE, no uso de suas atribuições contidas na Lei Estadual nº 11.014,de

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Princípios ref. texto nº de votos N

Princípios ref. texto nº de votos N Princípios N G A E Estimular os processos de articulação de políticas públicas nos territórios, garantindo canais de diálogo entre os entes federativos, suas instituições e a sociedade civil. Desenvolvimento

Leia mais

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa PMS-MT Cartilha Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes Fortalecimento da gestão ambiental municipal Contexto e benefícios Tarefas Regularização ambiental e fundiária

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

PPAG 2016-2019 EM DISCUSSÃO

PPAG 2016-2019 EM DISCUSSÃO PPAG 2016-2019 EM DISCUSSÃO EIXO: EDUCAÇÃO E CULTURA RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO TEMA: NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO O grupo discutiu o Programa 214 DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA. O grupo entendeu

Leia mais

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010 PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS Propósito da Coopaer Identificar problemas oriundos da Cadeia produtiva leite;

Leia mais

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária Edital de Seleção de Pontos Fixos de Comercialização Solidária Candidatos para Participar da Rede Brasileira de Comercialização Solidária - Rede Comsol (Edital - Ubee/Ims N. 01/2014) 1. Apresentação A

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental Câmara Municipal de Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental PROJETO DE LEI Nº /2008 Dispõe sobre a Política Municipal de Educação Ambiental e dá outras providências.

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

ACORDO DE DOAÇÃO TF 91.515. TERMO DE REFERÊNCIA nº 009/2009

ACORDO DE DOAÇÃO TF 91.515. TERMO DE REFERÊNCIA nº 009/2009 PROJETO NACIONAL DE AÇÕES INTEGRADAS PÚBLICO-PRIVADAS PARA BIODIVERSIDADE PROBIO II FUNDO NACIONAL PARA O MEIO AMBIENTE (Global Environmental Facility - GEF) ACORDO DE DOAÇÃO TF 91.515 TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia PORTARIA Nº 14/2009 Aprova o Regulamento da I Conferência Municipal de Cultura de Eunápolis-BA e dá outras providências. A SECRETÁRIA

Leia mais

Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial. Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011

Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial. Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011 Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011 Apresentação: Território Rural de Identidade; Programa Territórios

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA MTE/SENAES FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO/EDUCAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM

Leia mais

XLV PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE

XLV PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE XLV PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE Belém PA, 27 de dezembro de 2015 Um Plano orientador da ação estatal amplamente discutido CONAE 2010 3.000 pessoas, entre delegados,

Leia mais

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Seminário A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável e Mário Augusto Ribas do Nascimento Presidente da EMATER/RS Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Pauta do Grito da Terra Brasil GTB Estadual 2014 APRESENTAÇÃO

Pauta do Grito da Terra Brasil GTB Estadual 2014 APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O ano de 2014 foi eleito oficialmente pela FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura) como o Ano Internacional da Agricultura familiar. Tendo como objetivo aumentar

Leia mais

SEMINÁRIO. Agricultura Familiar no Amazonas: Desafios para Inovação e Sustentabilidade. 25 a 27 de novembro de 2014. Felipe Santos da Rosa

SEMINÁRIO. Agricultura Familiar no Amazonas: Desafios para Inovação e Sustentabilidade. 25 a 27 de novembro de 2014. Felipe Santos da Rosa SEMINÁRIO Agricultura Familiar no Amazonas: Desafios para Inovação e Sustentabilidade 25 a 27 de novembro de 2014 Felipe Santos da Rosa APRESENTAÇÃO A agropecuária do Estado do Amazonas é desenvolvida

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário -MDA- Secretaria da Agricultura Familiar -SAF- Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural -DATER-

Ministério do Desenvolvimento Agrário -MDA- Secretaria da Agricultura Familiar -SAF- Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural -DATER- Ministério do Desenvolvimento Agrário -MDA- Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural Secretaria da Agricultura Familiar -SAF- -DATER- Lei 12.188 Assistência Técnica e Extensão Rural para a

Leia mais

Programas 2013. Abril de 2013

Programas 2013. Abril de 2013 Programas 2013 Abril de 2013 A nova SUDENE -Lei Complementar n 125, de 03 de janeiro de 2007 -Decreto n 6.219/2007 Autarquia especial, administrativa e financeiramente autônoma,... vinculada ao Ministério

Leia mais

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012 GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY Oficina de Planejamento 2010-2012 Paraty, agosto de 2010 Objetivo da oficina Elaborar o Direcionamento Estratégico da Gastronomia Sustentável de Paraty para os próximos

Leia mais

Nome: Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará -EMATERCE

Nome: Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará -EMATERCE MODELO DE INSCRIÇÃO DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará -EMATERCE Endereço: Avenida Bezerra de Menezes, 1900 Executora de Chamada pública de Ater ( x ) Sim

Leia mais

Carta da Região Sudeste

Carta da Região Sudeste I FÓRUM ESTADUAL DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES I SEMINÁRIO SUDESTE DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES Carta da Região Sudeste Gestores da Saúde, Servidores da Saúde, Representantes de

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

Política Nacional de Educação Ambiental

Política Nacional de Educação Ambiental Política Nacional de Educação Ambiental Diretoria de Educação Ambiental Secretaria Executiva Coordenação da PNEA Ministério do Meio Ambiente Órgão Gestor da PNEA Ministério da Educação Diretoria de Educação

Leia mais

Programa Nacional de Apoio a Fundos Solidários

Programa Nacional de Apoio a Fundos Solidários Programa Nacional de Apoio a Fundos Solidários Elementos de uma Proposta REDE? SISTEMA? Beneficiários do Bolsa Família não conseguem financiamento para iniciar atividades produtivas Os Fundos Solidários

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo CAPÍTULO I Artigo 1o. A construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo realizar-se-á entre fevereiro e junho

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

INCLUSÃO PRODUTIVA. 3 - O governo estadual desenvolve ações, programas ou projetos de inclusão produtiva para a geração de trabalho e renda?

INCLUSÃO PRODUTIVA. 3 - O governo estadual desenvolve ações, programas ou projetos de inclusão produtiva para a geração de trabalho e renda? 1 - Existe algum tipo de estudo setorial e/ou diagnóstico socioeconômico do estado que tenha sido realizado no período entre 2010 e 2014? 1 Sim 1.1 - Ano do diagnóstico: Não (passe para 2 o quesito 3)

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

no Desenvolvimento dos

no Desenvolvimento dos A Importância do Secretaria de Cooperativismo de Crédito no Desenvolvimento dos Territórios rios Rurais do Brasil (Tema X: O Cooperativismo de Crédito Como Agente Transformador) 5º Seminário Banco Central

Leia mais

LEI Nº 9.265 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

LEI Nº 9.265 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL LEI Nº 9.265 Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. Lei: O GOVERNADOR DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte Art.

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais