O que você deve saber sobre

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que você deve saber sobre"

Transcrição

1 Nome: Nº: Turma: Estudos Literários 3º ano Rev. Gabarito Romantismo Prosa II Wilton Out/10 O que você deve saber sobre ROMANTISMO PROSA II José de Alencar, pelos seus importantes romances urbanos e indianistas, Joaquim Manuel de Macedo, pelo pioneirismo e por sua prosa popular, Visconde de Taunay e Franklin Távora, pelos romances regionalistas, e Manuel Antônio de Almeida, pela subversão ao gênero, compõem o quadro de escritores mais significativos da prosa romântica no Brasil. José de Alencar ( ) O autor é considerado pela crítica o principal romancista do período. A amplitude de sua obra torna clara a existência de um projeto de construção de um painel literário abrangente sobre o Brasil. Tendências indianistas, urbanas, regionalistas e históricas estão presentes na extensa obra do escritor cearense. a) romances indianistas A existência de um consórcio benéfico entre o povo indígena ( detentor e fornecedor de um solo bom e de uma natureza intocada) e o invasor, colonizador europeu (fornecedor da civilidade, da cultura e da religião), é defendida por José de Alencar nesse tipo de romance. Em O Guarani (1857), Ceci (Cecília), filha de um fidalgo português, envolve-se amorosamente com Peri, índio goitacá protagonista da história que tem como pano de fundo a colonização do Vale do Paraíba, no século XVI. Na narrativa poética Iracema (1865), Alencar criou uma lenda para narrar as origens da América. Nela, a índia Iracema se une ao colonizador europeu Martim. No romance Ubirajara (1874), enfocam-se a cultura e os hábitos indígenas anteriores à chegada dos colonizadores ao Brasil. b) romances urbanos nesses romances, Alencar, além de criar enredos marcados por intrigas amorosas, amores impossíveis e surpresas reveladoras num Rio de Janeiro do século XIX também realiza uma análise crítica consistente da (falsa) moral burguesa da época. Estão presentes em alguns desses romances urbanos perfis femininos criados pelo autor. Alencar escreveu as obras Cinco minutos (1856), A viuvinha (1860), Diva (1864), A pata da gazela (1870), Sonhos d ouro (1872), Encarnação (publicação póstuma de 1877), mas destacam-se, nessa tendência, Lucíola (1862) por discutir a prostituição presente na elite carioca da segunda metade do século XIX e Senhora (1875) que trabalha com o tema do casamento por interesse. c) romances regionalistas esses romances apresentavam ao leitor as peculiaridades culturais, lingüísticas e étnicas, esbarrando por vezes em estereótipos, de um povo bastante distante do ambiente urbano da corte. Estão presentes nessa tendência as obras O gaúcho (1870), O tronco do Ipê (1871), Til (1872) e O sertanejo (1875). d) romances históricos essas narrativas enfocam o Brasil-colônia: a aventura dos Bandeirantes está presente em As minas da prata (1865); os conflitos entre Recife e Olinda, ocorridos no início do século XVIII, são tema de A guerra dos mascates (1874); entre outros. e) dramaturgia Alencar escreveu ainda teatro: Demônio familiar (1857), Verso e reverso (1857), As asas de um anjo (1860), Mãe (1862) e O jesuíta (1875).

2 Joaquim Manuel de Macedo ( ) Por optar pela criação de romances marcados pelo humor, pelas aventuras de jovens estudantes casadoiros ricos, pelos desfechos-surpresa, pela apologia ao casamento, pelo sentimentalismo fácil, Macedo tornou-se extremamente popular entre um público essencialmente burguês e obteve êxito em suas dezoito publicações. De sua extensa produção, destaca-se A Moreninha (1844), romance marcado por um duplo pioneirimo: foi a primeira narrativa do gênero a alcançar popularidade e a primeira a introduzir uma personagem morena, muito diferente das brancas heroínas européias com as quais o público brasileiro estava habituado a conviver. No romance A Moreninha, um grupo de amigos viaja para a casa da avó do jovem Filipe, situada numa ilha próxima ao Rio de Janeiro, para passar o Dia de Sant Ana. Filipe aposta com os colegas que eles irão interessar-se por sua irmã Carolina (a Moreninha do título) ou por uma de suas primas, também convidadas para passar o dia na ilha. Quem perder a aposta terá de produzir uma narrativa relatando o fato aos outros. Augusto aceita a aposta e a perde e seu relato será a própria história narrada por ele em A Moreninha. Visconde de Taunay ( ) Alfredo d Escragnolle Taunay mostrou-se um observador atento de um Brasil distante do Rio de Janeiro em que ele nasceu. Sua carreira militar possibilitou ao carioca uma série de viagens pelo país que motivou a escritura de sua obra mais significativa: Inocência. O romance, narrativa mais importante do regionalismo romântico, apresentou ao leitor da corte os costumes, a língua, a cultura, a rusticidade e o rigoroso código moral dos habitantes da região do Mato Grosso. O romance se passa na dos Estados de Mato Grosso, Minas Gerais, Goiás e São Paulo. O enredo está centrado no amor impossível entre Cirino, prático de farmácia que se apresenta como médico, e Inocência, bela e delicada filha de Pereira, a quem o pai prometeu em casamento a Manecao Doca, bruto e rude fazendeiro local. Franklin Távora ( ) O escritor lutou pela afirmação de uma voz literária nordestina distinta daquela que denominou típica da literatura do Sul. Sua obra mais importante é O Cabeleira (1876) na qual antecipou temas que seriam explorados com profundidade pelos regionalistas modernistas como a fome, a seca, a miséria, o cangaço, os deslocamentos populacionais, entre outros. O Cabeleira é um romance que mistura ficção e realidade e trata da vida de José Gomes (o Cabeleira), filho de Joaquim Gomes, um bandido poderoso e muito temido. José e Joaquim, pai e filho, se juntam ao cangaceiro Teodósio e passam a aterrorizar a província de Pernambuco.

3 Manuel Antônio de Almeida ( ) Almeida é considerado um autor particular dentro do panorama da prosa romântica brasileira. Diferentemente de seu contemporâneo Joaquim Manuel de Macedo, Manuel Antônio de Almeida focalizou em sua narrativa um ambiente nada sofisticado: as ruas e os casebre modestos do Rio de Janeiro de sua época. Sua obra mais significativa é Memórias de um sargento de milícias (1855). Esse romance foi inicialmente publicado em forma de folhetim no jornal Correio Mercantil assinado pelo autor com o pseudônimo Um Brasileiro. Memórias de um sargento de milícias é um romance bastante diferente das populares prosas românticas em voga no século XIX. Nele, o autor se utiliza de uma linguagem coloquial, bastante influenciada pela crônica jornalística, para narrar as aventuras de um personagem central construído com pinceladas picarescas. Quem protagoniza a narrativa é um anti-herói malandro e simpático e não há nela grandes idealizações do amor e das figuras femininas. A ironia perpassa toda a obra. Com olhar sarcástico, o autor focaliza a época de D. João VI no Brasil, no início do século XIX. A história se inicia quando o português Leonardo Pataca, em viagem de navio ao Brasil, conhece Maria das Hortaliças, quitandeira das praças de Lisboa, e a engravida. Nasce o protagonista Leonardinho, que será criado mais tarde por um barbeiro e por uma parteira, seus padrinhos.

4 Textos Além, muito além daquela serra, que ainda azula no horizonte, nasceu Iracema. Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna e mais longos que seu talhe de palmeira. (...) Mais rápida que a ema selvagem, a morena virgem corria o sertão e as matas do Ipu, onde campeava sua guerreira tribo, da grande nação tabajara. O pé grácil e nu, mal roçando, alisava apenas a verde pelúcia que vestia a terra com as primeiras águas. Um dia, ao pino do sol, ela repousava em um claro da floresta. Banhava-lhe o corpo a sombra da oiticica, mais fresca do que o orvalho da noite. Os ramos da acácia silvestre esparziam flores sobre os úmidos cabelos. Escondidos na folhagem os pássaros ameigavam o canto. (...) Rumor suspeito quebra a doce harmonia da sesta. Ergue a virgem os olhos, que o sol não deslumbra; sua vista perturba-se. Diante dela e todo a contemplá-la, está um guerreiro estranho, se é guerreiro e não algum mau espírito da floresta. Tem nas faces o branco das areias que bordam o mar; nos olhos o azul triste das águas profundas. Ignotas armas e tecidos ignotos cobrem-lhe o corpo. (ALENCAR, José. Iracema. Rio de Janeiro: Ediouro; São Paulo: Publifolha, (Bibliotec Folha, 3, p. 32-3) A fundação do Ceará, os amores de Iracema e Martim, o ódio de duas nações adversárias, eis o assunto do livro. Há um argumento histórico, sacado das crônicas, mas esse é apenas a tela que serve ao poeta; o resto é obra da imaginação. Sem perder de vista os dados colhidos nas velhas crônicas, criou o autor uma ação interessante, episódios originais, e mais que tudo, a figura bela e poética de Iracema. Apesar do valor histórico de alguns personagens, como Martim e Poti (o célebre Camarão, da guerra holandesa), a maior soma de interesse concentra-se na deliciosa filha de Araquém. A pena do cantor de O Guarani é feliz nas criações femininas; as mulheres dos seus livros trazem sempre um cunho de originalidade, de delicadeza e de graça, que se nos gravam logo na memória e no coração. Iracema é da mesma família. Em poucas palavras descreve o poeta a beleza física daquela Diana selvagem. (ASSIS, Machado. In Iracema. José de Alencar. Rio de Janeiro: Ediouro; São Paulo: Publifolha, (Bibliotec Folha, 3, p. 21) A chegada de Filipe, Fabrício e Leopoldo veio dar ainda mais viveza ao prazer que reinava na gruta. O projeto de casamento de Augusto e D. Carolina não podia ser um mistério para eles, tendo sido como foi, elaborado por Filipe, de acordo com o pai do noivo, que fizera a proposta, e com o velho amigo, que ainda no dia antecedente viera concluir os ajustes com a senhora D. Ana; e, portanto, o tempo que se gastaria em explicações passou-se em abraços.

5 - Muito bem! muito bem! - disse por fim Filipe -, quem pôs o fogo ao pé da pólvora fui eu, que obriguei Augusto a vir passar o dia de Sant'Ana conosco. - Então estás arrependido?... - Não, por certo, apesar de me roubares minha irmã. Finalmente para este tesouro sempre teria de haver um ladrão: ainda bem que foste tu que o ganhaste. - Mas, meu maninho, ele perdeu ganhando... - Como?... - Estamos no dia 20 de agosto: um mês! - É verdade! um mês!... - exclamou Filipe. - Um mês!... - gritaram Fabrício e Leopoldo. - Eu não entendo isto! - disse a senhora D. Ana. - Minha boa avó - acudiu a noiva - isto quer dizer que finalmente está presa a borboleta. - Minha boa avó - exclamou Filipe - isto quer dizer que Augusto deve-me um romance. - Já está pronto - respondeu o noivo. - Como se intitula? - A Moreninha. (MACEDO, Joaquim Manuel. A Moreninha. São Paulo: Moderna, 1994 (Coleção Travessias), p. 135) Corta extensa e quase despovoada zona da parte sul oriental da vastíssima província de Mato Grosso a estrada que da Vila de Sant'Ana do Paranaíba vai ter ao sítio abandonado de Camapuã. Desde aquela povoação, assente próximo ao vértice do ângulo em que confinam os territórios de São Paulo, Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso até ao Rio Sucuriú, afluente do majestoso Paraná, isto é, no desenvolvimento de muitas dezenas de léguas, anda-se comodamente, de habitação em habitação, mais ou menos chegadas umas às outras, rareiam, porém, depois as casas, mais e mais, e caminham-se largas horas, dias inteiros sem se ver morada nem gente até ao retiro de João Pereira, guarda avançada daquelas solidões, homem chão e hospitaleiro, que acolhe com carinho o viajante desses alongados páramos, oferece-lhe momentâneo agasalho e o provê da matalotagem precisa para alcançar os campos de Miranda e Pequiri, ou da Vacaria e Nioac, no Baixo Paraguai. Ali começa o sertão chamado bruto. (TAUNAY, Visconde. Inocência. 16ª edição. Série Bom livro. São Paulo: Ática, 1988, p. 9) Há anos raiou no céu fluminense uma nova estrela. Desde o momento de sua ascensão ninguém lhe disputou o cetro; foi proclamada a rainha dos salões. Tornou-se a deusa dos bailes; a musa dos poetas e o ídolo dos noivos em disponibilidade. Era rica e formosa. Duas opulências, que se realçam como a flor em vaso de alabastro; dois esplendores que se refletem, como o raio de sol no prisma do diamante. Quem não se recorda da Aurélia Camargo, que atravessou o firmamento da Corte como brilhante meteoro, e apagou-se de repente no meio do deslumbramento que produzira o seu fulgor?

6 (..) Aurélia era órfã; e tinha em sua companhia uma velha parenta, viúva, D. Firmina Mascarenhas, que sempre a acompanhava na sociedade. Mas essa parenta não passava de mãe de encomenda, para condescender com os escrúpulos da sociedade brasileira, que naquele tempo não tinha admitido ainda certa emancipação feminina. (...) Assaltada por uma turba de pretendentes que a disputavam como o prêmio da vitória, Aurélia, com sagacidade admirável em sua idade, avaliou da situação difícil em que se achava, e dos perigos que a ameaçavam. (...) Na sala, cercada de adoradores, no meio das esplêndidas reverberações de sua beleza, Aurélia bem longe de inebriar-se da adoração produzida por sua formosura, e do culto que lhe rendiam; ao contrário parecia unicamente possuída de indignação por essa turba vil e abjeta. (...) Convencida de que todos os seus inúmeros apaixonados, sem exceção de um, a pretendiam unicamente pela riqueza, Aurélia reagia contra essa afronta, aplicando a esses indivíduos o mesmo estalão. Assim costumava ela indicar o merecimento de cada um dos pretendentes, dando-lhes certo valor monetário. Em linguagem financeira, Aurélia cotava os seus adoradores pelo preço que razoavelmente poderiam obter no mercado matrimonial. (ALENCAR, José. Senhora. Rio de Janeiro: Ediouro; São Paulo: Publifolha, 1997 Biblioteca Folha; 19, p ) Há no Romantismo certas obras de ficção que poderíamos chamar de excêntricas em relação à corrente formada pela outras. Num conjunto de livros que exprimem, de modo mais ou menos simultâneo, as diversas tendência da ficção romântica para o fantástico, o poético, o cotidiano, o pitoresco, o humorístico, elas encarnam de modo quase exclusivo uma ou outra dentre elas, ficando assim meio à parte, como as Memórias de um sargento de milícias. Consideremos, porém, que nem o seu ponderado realismo nem o satanismo d A noite da taverna ou a poesia em prosa de Iracema se afastam ou se opõem à corrente romântica: apenas decantam alguns dos seus aspectos. (CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos, ª edição revista pelo autor. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul 2006, p. 531)

7 Romantismo Prosa nos VESTIBULARES Retome os objetivos de José de Alencar ao escrever suas obras indianistas. Segundo o autor, Iracema pertence à fase primitiva (...) que se pode chamar aborígene, são as lendas e mitos da terra selvagem e conquistada; são as tradições que embalaram a infância do povo, e ele escutava como o filho a quem a mãe acalenta no berço com as canções da pátria, que abandonou. Para Alencar, Iracema pertence a essa literatura primitiva, cheia de santidade e enlevo, para aqueles que veneram na terra da pátria a mãe fecunda alma mater, e não enxergam nela apenas o chão onde pisam. Essas considerações foram feitas por José de Alencar no prefácio que escreveu para a obra Sonhos d ouro, em 1872, e são reveladoras de sua visão. Antes de partir para a resolução da questão 1, retome essas idéias do romancista cearense. 1) (PUC-SP 2007) Considere os dois fragmentos extraídos de Iracema, de José de Alencar. I. Onde vai a afouta jangada, que deixa rápida a costa cearense, aberta ao fresco terral a grande vela? Onde vai como branca alcíone buscando o rochedo pátrio nas solidões do oceano? Três entes respiram sobre o frágil lenho que vai singrando veloce, mar em fora. Um jovem guerreiro cuja tez branca não cora o sangue americano; uma criança e um rafeiro que viram a luz no berço das florestas, e brincam irmãos, filhos ambos da mesma terra selvagem. II. O cajueiro floresceu quatro vezes depois que Martim partiu das praias do Ceará, levando no frágil barco o filho e o cão fiel. A jandaia não quis deixar a terra onde repousava sua amiga e senhora. O primeiro cearense, ainda no berço, emigrava da terra da pátria. Havia aí a predestinação de uma raça? Ambos apresentam índices do que poderia ter acontecido no enredo do romance, já que constituem o começo e o fim da narrativa de Alencar. Desse modo, é possível presumir que o enredo apresenta a) o relacionamento amoroso de Iracema e Martim, a índia e o branco, de cuja união nasceu Moacir, e que alegoriza o processo de conquista e colonização do Brasil. b) as guerras entre as tribos tabajara e pitiguara pela conquista e preservação do território brasileiro contra o invasor estrangeiro. c) o rapto de Iracema pelo branco português Martim como forma de enfraquecer os adversários e levar a um pacto entre o branco colonizador e o selvagem dono da terra.

8 d) a vingança de Martim, desbaratando o povo de Iracema, por ter sido flechado pela índia dos lábios de mel em plena floresta e ter-se tornado prisioneiro de sua tribo. e) a morte de Iracema, após o nascimento de Moacir, e seu sepultamento junto a uma carnaúba, na fronde da qual canta ainda a jandaia. O romance Iracema constitui uma alegoria da formação do povo brasileiro. Iracema (índia) une-se a Martim (colonizador) e ambos geram Moacir, o primeiro cearense. Resposta: alternativa A Aproveite a questão 2 para revisar as seguintes figuras de linguagem: comparação, antítese, pleonasmo, hipérbole, metonímia, prosopopéia e metáfora. 2) (PUC-SP 2007) Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna, e mais longos que seu talhe de palmeira. O favo da jati não era doce como seu sorriso; nem a baunilha recendia no bosque como seu hálito perfumado. (...) Cedendo à meiga pressão, a virgem reclinou-se ao peito do guerreiro, e ficou ali trêmula e palpitante como a tímida perdiz (...) A fronte reclinara, e a flor do sorriso expandia-se como o nenúfar ao beijo do sol (...). Em torno carpe a natureza o dia que expira. Soluça a onda trépida e lacrimosa; geme a brisa na folhagem; o mesmo silêncio anela de opresso. (...) A tarde é a tristeza do sol. Os dias de Iracema vão ser longas tardes sem manhã, até que venha para ela a grande noite. Os fragmentos acima constroem-se estilisticamente com figuras de linguagem, caracterizadoras do estilo poético de Alencar. Apresentam eles, dominantemente, as seguintes figuras: a) comparações e antíteses. b) antíteses e inversões. c) pleonasmos e hipérboles. d) metonímias e prosopopéias. e) comparações e metáforas. Resposta: alternativa E

9 Utilize a questão 3 para retomar o enredo de Memórias de um sargento de milícias, de Manuel Antônio de Almeida. Trabalhe o conceito de homem cordial, defendido por Sérgio Buarque de Hollanda em Raízes do Brasil, e o associe ao romance de Almeida. Outro texto muito importante para a análise da principal obra de Manuel Antônio de Almeida é Dialética da malandragem, de Antonio Candido. Nele, o crítico defende que Leonardo não é um pícaro propriamente dito, mas o primeiro malandro presente num romance brasileiro: Digamos então que Leonardo não é um pícaro, saído da tradição espanhola; mas o primeiro grande malandro que entra na novelística brasileira, vindo de uma tradição quase folclórica e correspondendo, mais do que se costuma dizer, a certa atmosfera cômica e popularesca de seu tempo, no Brasil. Malandro que seria elevado à categoria de símbolo por Mário de Andrade em Macunaíma e que Manuel Antônio com certeza plasmou espontaneamente, ao aderir com a inteligência e a afetividade ao tom popular das histórias que, segundo a tradição, ouviu de um companheiro de jornal, antigo sargento comandado pelo major Vidigal de verdade. O malandro, como o pícaro, é espécie de um gênero mais amplo de aventureiro astucioso, comum a todos os folclores. Já notamos, com efeito, que Leonardo pratica a astúcia pela astúcia (mesmo quando ela tem por finalidade safá-lo de uma enrascada), manifestando um amor pelo jogo-em-si que o afasta do pragmatismo dos pícaros, cuja malandragem visa quase sempre ao proveito ou a um problema concreto, lesando freqüentemente terceiros na sua solução. Essa gratuidade aproxima "o nosso memorando" do trickster imemorial, até de suas encarnações zoomórficas - macaco, raposa, jabuti -, dele fazendo, menos um "anti-herói" do que uma criação que talvez possua traços de heróis populares, como Pedro Malasarte. É admissível que modelos eruditos tenham influído em sua elaboração; mas o que parece predominar no livro é o dinamismo próprio dos astuciosos de história popular. Por isso, Mário de Andrade estava certo ao dizer que nas Memórias não há realismo em sentido moderno; o que nelas se acha é algo mais vasto e intemporal, próprio da comicidade popularesca. Dialética da Malandragem (caracterização das Memórias de um sargento de milícias). in: Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, nº 8, São Paulo, USP, 1970, pp ) (Unicamp 2008) O trecho abaixo pertence ao capítulo XXII ( Empenhos ), de Memórias de um Sargento de Milícias. Isto tudo vem para dizermos que Maria-Regalada tinha um verdadeiro amor ao Major Vidigal; o Major pagava-lho na mesma moeda. Ora, D. Maria era uma das camaradas

10 mais do coração de Maria-Regalada. Eis aí porque falando dela D. Maria e a comadre se mostraram tão esperançadas a respeito da sorte do Leonardo. Já naquele tempo (e dizem que é defeito do nosso) o empenho, o compadresco, era uma mola real de todo o movimento social. (Manuel Antonio de Almeida, Memórias de um Sargento de Milícias. Mamede a) Explique o defeito a que o narrador se refere. Mustafá Jarouche (org.). Cotia: Ateliê Editorial, 2000, p. 319.) O narrador se refere ao hábito da utilização de relações pessoais para obtenção de benefícios e privilégios. Segundo ele, trata-se de um defeito nosso, ou seja, do povo brasileiro. b) Relacione o defeito com esse episódio, que envolveu o Major Vidigal e as três mulheres. A comadre, ajudada por D. Maria, procura o auxílio de Maria-Regalada, de modo que esta utilize suas influências amorosas em favor de Leonardo, preso pelo Major Vidigal. A canção presente na questão proposta pela UNICAMP foi composta por Chico Buarque e estabelece intertextualidade evidente com o romance alencariano Iracema. Aproveite para retomar o conceito de intertextualidade. 4) (UNICAMP 2009) Leia, abaixo, a letra de uma canção de Chico Buarque inspirada no romance de José de Alencar, Iracema uma lenda do Ceará: Iracema voou Iracema voou Para a América Leva roupa de lã E anda lépida Vê um filme de quando em vez Não domina o idioma inglês Lava chão numa casa de chá Tem saído ao luar Com um mímico

11 Ambiciona estudar Canto lírico Não dá mole pra polícia Se puder, vai ficando por lá Tem saudade do Ceará Mas não muita Uns dias, afoita Me liga a cobrar: É Iracema da América (Chico Buarque, As Cidades. Rio de Janeiro: Marola Edições Musicais Ltda.,1998.) a) Que papel desempenha Iracema no romance de José de Alencar? E na canção de Chico Buarque? Os papéis desempenhados pelas personagens são bastante distintos. No romance de Alencar, a personagem Iracema está inserida harmonicamente na natureza tropical em que vive. Além disso, é filha do pajé, apresenta conduta moral irrepreensível e ocupa lugar de destaque na hierarquia de sua tribo, pois está destinada ao importante culto de Tupã. A Iracema apresentada por Chico Buarque, por sua vez, abandona sua terra para viver nos Estados Unidos e vive de subempregos na América por não falar inglês. Diferentemente do forte amor que Iracema mostrar nutrir por Martim no romance de Alencar, a personagem de Chico Buarque mostra descompromisso com seu relacionamento. Além disso, a Iracema de Chico encontra-se marginalizada na terra em que vive, diferentemente do status que ocupa a de Alencar. b) Uma das interpretações para o nome da heroína do romance de José de Alencar é de que seja um anagrama de América. Isto é, o nome da heroína possui as mesmas letras de América dispostas em outra ordem. Partindo dessa interpretação, explique o que distingue a referência à América no romance daquela que é feita na canção. No romance de José de Alencar, a América se refere ao continente americano. Na canção Iracema voou, o termo se refere aos Estados Unidos da América Aproveite a questão 5, proposta pela UFG-PS, para estabelecer um contraponto entre a idealização do índio, feita por José de Alencar, e a desconstrução desse modelo, proposta por Chico Buarque na canção Iracema voou. Iracema de Chico Buarque está tão descaracterizada que sequer pode ser chamada de índia.

12 5) (UFG-PS 2007) No tocante à descrição dos costumes indígenas, José de Alencar, em Ubirajara, retoma um procedimento já utilizado nos relatos dos cronistas do século XVI. No romance, o tratamento das informações referentes à cultura indígena resulta na (A) transformação do passado colonial do Brasil. (B) idealização da figura do indígena nacional. (C) indicação dos sentidos da cultura autóctone. (D) apresentação dos primeiros habitantes do Brasil. (E) introdução do índio na literatura brasileira. Resposta: alternativa B 6) (FUVEST 2009) Leia o trecho de abertura de Memórias de um sargento de milícias e responda ao que se pede. Era no tempo do rei. Uma das quatro esquinas que formam as ruas do Ouvidor e da Quitanda, cortando-se mutuamente, chamava-se nesse tempo O canto dos meirinhos ; e bem lhe assentava o nome, porque era aí o lugar de encontro favorito de todos os indivíduos dessa classe (que gozava então de não pequena consideração). Os meirinhos de hoje não são mais do que a sombra caricata dos meirinhos do tempo do rei; esses eram gente temível e temida, respeitável e respeitada; formavam um dos extremos da formidável cadeia judiciária que envolvia todo o Rio de Janeiro no tempo em que a demanda era entre nós um elemento de vida: o extremo oposto eram os desembargadores. Manuel Antônio de Almeida. Memórias de um sargento de milícias. a) A frase Era no tempo do rei refere-se a um período histórico determinado e possui, também, uma conotação marcada pela indeterminação temporal. Identifique tanto o período histórico a que se refere a frase quanto a mencionada conotação que ela também apresenta. O tempo do rei a que o narrador faz menção na abertura do livro refere-se ao período em que D. João VI esteve no Brasil, entre 1808 e A expressão Era no

13 tempo do rei dialoga também com o universo atemporal dos contos de fadas ( Era uma vez ). b) No trecho aqui reproduzido, o narrador compara duas épocas diferentes: o seu próprio tempo e o tempo do rei. Esse procedimento é raro ou frequente no livro? Com que objetivos o narrador o adota? Esse procedimento é bastante freqüente na obra. O narrador parece se utilizar desse recurso para mostrar o quanto a sociedade do Rio de Janeiro de seu próprio tempo era semelhante àquela do tempo do rei (período joanino). Não havia, portanto, grandes progressos. Por outro lado, o narrador, adotando tal procedimento, pode tomar certa liberdade para criticar um tempo que já passou. A questão a seguir utiliza um fragmento da obra Senhora, um dos romances mais importantes do Romantismo. Utilize a questão para retomar alguns elementos típicos da tendência urbana da prosa romântica: o casamento, os dramas amorosos, os desfechos felizes etc. Trabalhe a crítica que Alencar faz em relação ao casamento por interesse, tão típico no século XIX. (UFBA 2009) Texto para as questões 7 e 8: Então nunca amou a outra? Eu lhe juro, Aurélia. Estes lábios nunca tocaram a face de outra mulher, que não fosse minha mãe. O meu primeiro beijo de amor, guardei-o para minha esposa, para ti... Soerguendo-se para alcançar-lhe a face, não viu Seixas a súbita mutação que se havia operado na fisionomia de sua noiva. Aurélia estava lívida, e a sua beleza, radiante há pouco, se marmorizara. Ou para outra mais rica!... disse ela retraindo-se para fugir ao beijo do marido, e afastando-o com a ponta dos dedos. A voz da moça tomara o timbre cristalino, eco da rispidez e aspereza do sentimento que lhe sublevava o seio, e que parecia ringir-lhe nos lábios como aço. Aurélia! Que significa isto? Representamos uma comédia, na qual ambos desempenhamos o nosso papel com perícia consumada. Podemos ter este orgulho, que os melhores atores não nos excederiam. Mas é tempo de pôr termo a esta cruel mistificação, com que nos estamos escarnecendo mutuamente, senhor. Entremos na realidade por mais triste que ela seja; e resigne-se cada um ao que é, eu, uma mulher traída; o senhor, um homem vendido. Vendido! Exclamou Seixas ferido dentro d alma.

14 ALENCAR, J. de. Senhora. In: José de Alencar: ficção completa e outros escritos. 3. ed. Rio de Janeiro: Aguilar, 1965, v. 1, p. 714.

15 7) Constitui uma afirmativa verdadeira sobre esse fragmento destacado do romance: (01) Aurélia e Seixas são caracterizados como seres movidos pela razão. (02) Os termos ti e esposa, em O meu primeiro beijo de amor, guardei-o para minha esposa, para ti..., equivalem-se semanticamente. (04) A expressão com a ponta dos dedos acentua a delicadeza de Aurélia em relação ao marido. (08) Aurélia, ao referir-se à sua relação matrimonial como comédia, nega o drama por ela vivenciado. (16) Constata-se, no fragmento, que Aurélia considera Seixas um marido interesseiro, um objeto de comércio. (32) O fragmento reproduzido põe em cena as duas personagens como se vivessem numa representação, segundo avaliação da protagonista. Resposta: =50 8) Quanto ao uso da linguagem utilizada no fragmento apresentado, é correto afirmar: (01) outra e outra referem-se a diferentes seres. (02) o em guardei-o e isto em Que significa isto? completam ações verbais. (04) lhe em alcançar-lhe e lhe em lhe sublevava expressam idéia de posse. (08) que refere-se a face. (16) eco da rispidez e aspereza do sentimento que lhe sublevava o seio esclarece a expressão timbre cristalino. (32) eu, uma mulher traída; o senhor, um homem vendido é um fragmento cujas vírgulas são facultativas. Resposta: =21 9) (FUVEST) Iracema faz parte da tríade indianista de José de Alencar, juntamente com outros dois romances; a) Quais? Os outros dois romances são O Guarani e Ubirajara.

16 b) Cada um desses romances teria uma finalidade histórica. Qual teria sido a intenção do autor com Iracema. José de Alencar intencionava criar uma lenda indígena, mostrando, por meio da união de uma índia com um europeu, a origem do povo brasileiro. 10) (CEFET-PR) O Romantismo brasileiro foi (...) tributário do nacionalismo; embora nem todas suas manifestações concretas se enquadrassem nele, ele foi o espírito diretor que animava a atividade geral da literatura. (Antonio Candido: Formação da Literatura Brasileira) Analise os fragmentos a seguir, extraídos de romances românticos: I) A casa da farinha não era mais do que um vasto alpendre aberto por todos os lados e coberto de palhas de pindoba. No centro via-se o forno onde tinha de ser cozida a massa já apertada pela prensa e livre da manipueira. Parte dela, porém, tanto que saía do pé das rodas, era lavada em gamelas e alguidares onde deixava o resíduo ou goma para os beijus e tapiocas. A prensa estava armada a um dos lados do alpendre; no outro viam-se as duas ordas que não cessavam de girar. Quando cansavam os matutos ou escravos que as moviam, eram logo substituídos por gente fresca. Os dois matutos, ali bem conhecidos, foram saudados pelas pessoas que estavam trabalhando, e, como é costume em tais ocasiões ainda hoje, trataram eles de concorrer gratuitamente com o auxílio dos seus braços descansados, o que a muitos não deixou de ser agradável. (Franklin Távora) II) Naquele tempo é certo que o gado barbatão multiplicava-se com prodigiosa rapidez; e os vastos campos incultos, bem como as florestas ainda virgens, ofereciam às manadas selvagens refúgios impenetráveis. Daí provinham essas famosas correrias tão celebradas nas cantigas sertanejas, e nas quais os vaqueiros gastavam semanas e meses à caça de um boi mocambeiro, que eles perseguiam com uma tenacidade incansável, menos pelo interesse, do que por satisfação de seus brios de campeadores. (José de Alencar) III) Corria um belo tempo; a vegetação reanimada por moderadas chuvas ostentava-se fresca, viçosa e luxuriante; a água do rio ainda não turvada pelas grandes enchentes, rolando com majestosa lentidão, refletia em toda a pureza os esplêndidos coloridos do

17 horizonte, e o nítido verdor das selvosas ribanceiras. As aves, dando repouso às asas fatigadas do contínuo voejar pelos pomares, prados e balsedos vizinhos, começavam a preludiar seus cantos vespertinos. A) I, II e III. Confirma(m) a afirmação do crítico: B) somente III. C) somente II e III. D) somente II. E) somente I e II. Resposta: a (Bernardo Guimarães)

A PROSA ROMÂNTICA BRASILEIRA

A PROSA ROMÂNTICA BRASILEIRA A PROSA ROMÂNTICA BRASILEIRA Introdução A ficção no Brasil: romances, contos e novelas aparecem na literatura brasileira no período romântico. Folhetins (romances publicados semanalmente em jornais ou

Leia mais

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA AULA 12 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA Na aula passada nós estudamos as principais características da poesia romântica no Brasil.Vimos o fenômeno das três gerações românticas:

Leia mais

Além, muito além daquela serra, que ainda azula no horizonte, nasceu Iracema. Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros

Além, muito além daquela serra, que ainda azula no horizonte, nasceu Iracema. Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros Além, muito além daquela serra, que ainda azula no horizonte, nasceu Iracema. Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna e mais longos que seu talhe de palmeira.

Leia mais

IRACEMA (Lenda do Ceará)

IRACEMA (Lenda do Ceará) IRACEMA (Lenda do Ceará) ROMANTISMO Homem burguês sensível x Mundo burguês Livro-síntese: FRANKENSTEIN criador x criatura Escapismo / Exótico IDEALIZAÇÃO Maniqueísmo Nacionalismo ROMANTISMO Europa: nacionalismo/medievalismo

Leia mais

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha Ensino Fundamental Turma: PROJETO INTERPRETA AÇÂO (INTERPRETAÇÃO) Nome do (a) Aluno (a): Professor (a): DISCIPLINA:

Leia mais

Prova bimestral 5 o ano 3 o Bimestre

Prova bimestral 5 o ano 3 o Bimestre Prova bimestral 5 o ano 3 o Bimestre língua portuguesa Escola: Nome: Data: / / Turma: 1. Leia o trecho da letra da música a seguir. migrante Tantos sonhos são desfeitos Uma mãe que afaga o peito Seu filho

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

O Pequeno Mundo de Maria Lúcia

O Pequeno Mundo de Maria Lúcia Eric Ponty O Pequeno Mundo de Maria Lúcia Pinturas de Fernando Campos [2005] Virtual Book s Numa noite de outubro a pequena Maria Lúcia viu o azul do céu escuro da tarde um homem andando de bicicleta.

Leia mais

NOVEMBRO/2012 OUTUBRO/2012. A Bandeira

NOVEMBRO/2012 OUTUBRO/2012. A Bandeira NOVEMBRO/2012 Salve, salve nossa bandeira Impõe respeito em qualquer fronteira Suas cores são brilhantes Brilha tanto como diamantes. Respeitada em todo mundo Nos momentos da vida Essa Bandeira é sempre

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

Teatro O Santo e a Porca ( 1957)

Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Modernismo Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Biografia Ariano Suassuna (1927-2014) foi um escritor brasileiro. "O Auto da Compadecida", sua obra prima, foi adaptada para a televisão e para o cinema. Sua

Leia mais

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA Nenhuma questão com problema no gabarito. Nenhuma falha mais clamorosa. Logo, podemos considerar excelente

Leia mais

Introdução ao Realismo

Introdução ao Realismo Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 2 Disciplina: Literatura Data da prova: 15/02/2014. Introdução ao Realismo P1-1 BIMESTRE Os textos seguintes

Leia mais

Palavras-chave: Música caipira. Literatura. Valores. Imaginário. Cultura.

Palavras-chave: Música caipira. Literatura. Valores. Imaginário. Cultura. A MÚSICA CAIPIRA E A LITERATURA: do imaginário à representação cultural Meire Lisboa Santos Gonçalves Resumo: As manifestações sobre a tradição e cultura caipira e o seu reconhecimento são temáticas muito

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 O ANJO Hans Christian Andersen 3 Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em 1875.

Leia mais

Atividade extra. Lingua falada. Lingua escrita e gêneros textuais. Questão 1. Língua Portuguesa e Literatura

Atividade extra. Lingua falada. Lingua escrita e gêneros textuais. Questão 1. Língua Portuguesa e Literatura Atividade extra Lingua falada. Lingua escrita e gêneros textuais Questão 1 Sabemos que linguagem é todo sistema de signos que serve de meio de comunicação entre indivíduos, e pode ser percebido pelos diversos

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO.

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ALUNO: Victor Maykon Oliveira Silva TURMA: 6º ANO A ÁGUA A água é muito importante para nossa vida. Não devemos desperdiçar. Se você soubesse como ela é boa! Mata a sede de

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Enquanto vogas assim à discrição do vento, airoso barco, volva às brancas areias a saudade, que te acompanha, mas não se parte da terra onde revoa.

Enquanto vogas assim à discrição do vento, airoso barco, volva às brancas areias a saudade, que te acompanha, mas não se parte da terra onde revoa. CAPÍTULO I Verdes mares bravios de minha terra natal, onde canta a jandaia 1 nas frondes da carnaúba; Verdes mares, que brilhais como líquida esmeralda aos raios do sol nascente, perlongando as alvas praias

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL AULA 10 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL I - CONTEXTO HISTÓRICO Na aula passada nós estudamos as principais características do Romantismo e vimos que a liberdade era a mola

Leia mais

A amizade abana o rabo

A amizade abana o rabo RESENHA Leitor iniciante Leitor em processo Leitor fluente ILUSTRAÇÕES: Marina relata, nessa história, seu encontro com cães especiais, que fazem parte de sua vida: Meiga, Maribel e Milord. A história

Leia mais

E.E.I.E.F SÃO FRANCISCO ROTEIRO DO CURTA METRAGEM TEMA: A LENDA DA PEDRA DA BATATEIRA- MITO E REALIDADE 1ª PARTE

E.E.I.E.F SÃO FRANCISCO ROTEIRO DO CURTA METRAGEM TEMA: A LENDA DA PEDRA DA BATATEIRA- MITO E REALIDADE 1ª PARTE E.E.I.E.F SÃO FRANCISCO ROTEIRO DO CURTA METRAGEM TEMA: A LENDA DA PEDRA DA BATATEIRA- MITO E REALIDADE 1ª PARTE De inicio nos reunimos com alguns monitores do Programa Mais Educação para realizarmos a

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

- ANÁLISE: - A MORENINHA JOAQUIM MANUEL DE MACEDO - LUCÍOLA JOSÉ DE ALENCAR - PROSA ROMÂNTICA:

- ANÁLISE: - A MORENINHA JOAQUIM MANUEL DE MACEDO - LUCÍOLA JOSÉ DE ALENCAR - PROSA ROMÂNTICA: - ANÁLISE: - A MORENINHA JOAQUIM MANUEL DE MACEDO - LUCÍOLA JOSÉ DE ALENCAR - PROSA ROMÂNTICA: O romance romântico: o texto em prosa predominou no Romantismo, sendo a forma de expressão mais significativa

Leia mais

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS ROMANTISMO O Romantismo foi uma estética artística surgida no início do século XVIII, que provocou uma verdadeira revolução na produção literária da época. Retratando a força dos sentimentos, ela propôs

Leia mais

SAUDAÇÃO À BANDEIRA NOVEMBRO/2008 A BANDEIRA DO BRASIL

SAUDAÇÃO À BANDEIRA NOVEMBRO/2008 A BANDEIRA DO BRASIL SAUDAÇÃO À BANDEIRA 2008 NOVEMBRO/2008 A BANDEIRA DO BRASIL Quando Dom Pedro I ergueu a espada E independência pediu O povo gritou com força E liberdade conseguiu. Foram feitas outras bandeiras Para o

Leia mais

GUARDAS DE BELO HORIZONTE USAM TAPA-OUVIDOS

GUARDAS DE BELO HORIZONTE USAM TAPA-OUVIDOS CLUBE EDUCACIONAL GESTAR NA ESCOLA TRAJETÓRIA II Atividades da I Unidade 7º ano / 6ª série António Manuel Couto Viana (poeta português). Versos de palmo e meio (1994). (Fragmento). Questão 1 - A expressão

Leia mais

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: Querida criança, Além desta revisão, estude, em seu Material Didático, os conteúdos do Volume III. Leia este texto: ASA BRANCA

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus.

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. JÓ Lição 05 1 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. 2. Lição Bíblica: Jô 1 a 42 (Base bíblica para a história e o professor)

Leia mais

Edição: Rodrigo Amorim DESENHOS: Lavínya Vieira CORDEL: 1º ANO A 02

Edição: Rodrigo Amorim DESENHOS: Lavínya Vieira CORDEL: 1º ANO A 02 O Cordel, Paixão e Poesia: Castro Alves o poeta da Bahia foi feito pelos alunos do 1º ano A (IF Baiano campus Itapetinga). O cordel é uma grande homenagem ao grande poeta baiano Castro Alves, conhecido

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro.

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. Resumo: Doutoranda Juliana Maia de Queiroz 1 (UNICAMP). Em 1868, Joaquim Manuel de Macedo publicou o romance

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro As festas juninas fazem parte da tradição católica, mas em muitos lugares essas festas perderam essa característica.

Leia mais

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Bíblia para crianças apresenta AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da

Leia mais

JOSÉ DE ALENCAR: ENTRE O CAMPO E A CIDADE

JOSÉ DE ALENCAR: ENTRE O CAMPO E A CIDADE JOSÉ DE ALENCAR: ENTRE O CAMPO E A CIDADE Thayanne Oliveira Rosa LUCENA¹, Dr. Gustavo Abílio Galeno ARNT² 1. Bolsista PIBIC/IFB - Instituto Federal de Brasília- Campus: São Sebastião- DF thayanne.001@gmail.com

Leia mais

Desafio para a família

Desafio para a família Desafio para a família Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da espiritualidade. O sonho de Deus para a família é que seja um

Leia mais

DESABAFO DE QUEM ESTÁ LÁ

DESABAFO DE QUEM ESTÁ LÁ DESABAFO DE QUEM ESTÁ LÁ Segue um relato de uma pessoa conhecida e séria, que passou recentemente em um concurso público federal e foi trabalhar em Roraima: Trata-se de um Brasil que a gente não conhece.

Leia mais

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU MULHER SOLTEIRA REFRÃO: Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir (Essa música foi feita só prás mulheres

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

YEMANJA 01 MÃE DÁGUÁ RAIMHA DAS ONDAS SEREIA DO MAR MÃE DÁGUA SEU CANTO É BONITO QUANDO FAZ LUAR..(.BIS)

YEMANJA 01 MÃE DÁGUÁ RAIMHA DAS ONDAS SEREIA DO MAR MÃE DÁGUA SEU CANTO É BONITO QUANDO FAZ LUAR..(.BIS) YEMANJA 01 MÃE DÁGUÁ RAIMHA DAS ONDAS SEREIA DO MAR MÃE DÁGUA SEU CANTO É BONITO QUANDO FAZ LUAR..(.BIS) YEMANJA, YEMANJA...(BIS) RAINHA DAS ONDAS SEREIA DO MAR...BIS É BONITO O CANTO DE YEMANJA SEMPRE

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 6 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao segundo bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

Abril Literatura 2ª Série

Abril Literatura 2ª Série Abril Literatura 2ª Série 01. Texto I Vinte anos! derramei-os gota a gota Num abismo de dor e esquecimento... De fogosas visões nutri meu peito... Vinte anos!... não vivi um só momento! Contudo, no passado

Leia mais

Quem tem boca vai a Roma

Quem tem boca vai a Roma Quem tem boca vai a Roma AUUL AL A MÓDULO 14 Um indivíduo que parece desorientado e não consegue encontrar o prédio que procura, aproxima-se de outro com um papel na mão: - Por favor, poderia me informar

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CÓDIGOS E LINGUAGENS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CÓDIGOS E LINGUAGENS Título do Podcast Área Segmento Duração Elementos do texto descritivo Códigos e Linguagens Ensino Fundamental / Ensino Médio 5min21seg SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CÓDIGOS E LINGUAGENS Habilidades:

Leia mais

copyright Todos os direitos reservados

copyright Todos os direitos reservados 1 2 Espaço das folhas 3 copyright Todos os direitos reservados 4 Autor Jorge Luiz de Moraes Minas Gerais 5 6 Introdução Folha é apenas uma folha, uma branca cor cheia de paz voltada para um querer, um

Leia mais

"A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste"

A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste "A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste" John Ruskin "O Instituto WCF-Brasil trabalha para promover e defender os direitos das crianças e

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UNIDADE III PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS

AVALIAÇÃO DA UNIDADE III PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS DA UNIDADE III PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS QUESTÃO 01 (1,0 ponto) Leia atentamente a proposição. O Romantismo era a apoteose do sentimento; O Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte

Leia mais

Turma: 3º ano FG e ADM

Turma: 3º ano FG e ADM COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2013 Disciplina: Literatura Ano: 2013 Professor (a): Felipe Amaral Turma: 3º ano FG e ADM Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

Casamento. Curiosidades, Tradições e Superstições

Casamento. Curiosidades, Tradições e Superstições Casamento Curiosidades, Tradições e Superstições Nesta publicação estaremos mostrando as origens do casamento cristão. Note que o casamento cristão tem suas origens no paganismo. Basta ler e comprovar.

Leia mais

PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO

PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO. Atividade 1 Antes de você iniciar a leitura

Leia mais

ATIVIDADE DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D

ATIVIDADE DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D Nome: n.º 3ª série Barueri, / / 2009 Disciplina: ESTUDOS SOCIAIS 1ª POSTAGEM ATIVIDADE DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D Querido aluno, segue a orientação para esta atividade. - Ler com atenção, responder

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

DEDICATÓRIA. Dedico esta obra a todos os leitores de Uma. Incrível História Euro-Americana no período em

DEDICATÓRIA. Dedico esta obra a todos os leitores de Uma. Incrível História Euro-Americana no período em DEDICATÓRIA Dedico esta obra a todos os leitores de Uma Incrível História Euro-Americana no período em que esta foi postada no blog Dexaketo, tornando-a o folhetim mais lido na história do blog até meados

Leia mais

Consternação. Beija-me mais uma vez. Tudo e nada Eu quero Um dilema Em que vivo!

Consternação. Beija-me mais uma vez. Tudo e nada Eu quero Um dilema Em que vivo! Amor perfeito À noite, o mar desponta Nos teus olhos doces No teu corpo, O doce brilho do luar Mexe a brisa Em teus cabelos negros E nessas mãos Tão cheias de carinho Encontro esse amor perfeito Que tens

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

1) Considere os dois fragmentos extraídos de Iracema, de José de Alencar.

1) Considere os dois fragmentos extraídos de Iracema, de José de Alencar. ROMANTISMO PROSA II Retome os objetivos de José de Alencar ao escrever suas obras indianistas. Segundo o autor, Iracema pertence à fase primitiva (...) que se pode chamar aborígene, são as lendas e mitos

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL SUGESTÃO DE CELEBRAÇÃO DE NATAL 2013 ADORAÇÃO Prelúdio HE 21 Dirigente: Naqueles dias, dispondo-se Maria, foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá, entrou na casa de Zacarias e saudou

Leia mais

ECBR PROFESSORA PRISCILA BARROS

ECBR PROFESSORA PRISCILA BARROS CANTATA DE NATAL 2015 ECBR PROFESSORA PRISCILA BARROS 1. O PRIMEIRO NATAL AH UM ANJO PROCLAMOU O PRIMEIRO NATAL A UNS POBRES PASTORES DA VILA EM BELÉM LÁ NOS CAMPOS A GUARDAR OS REBANHOS DO MAL NUMA NOITE

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

Atividade extra. Fascículo 1 História Unidade 2 A diversidade cultural na História do Brasil. Questão 1. Questão 2

Atividade extra. Fascículo 1 História Unidade 2 A diversidade cultural na História do Brasil. Questão 1. Questão 2 Atividade extra Fascículo 1 História Unidade 2 A diversidade cultural na História do Brasil Questão 1 É comum ouvirmos que a formação da sociedade brasileira foi o resultado da mistura de três etnias (indígenas,

Leia mais

Músicas Para Casamento

Músicas Para Casamento Músicas Para Casamento 01. Você e Eu - Eliana Ribeiro 7M 7M C#m7 F#7/5+ F#7 Bm7 Quero estar com você, / Lembrar de cada momento bom; C#m7 m7 C#m7 #m7 Em7 7/9 Reviver a nossa história, nosso amor. 7M #m7/5-

Leia mais

Vestibular Comentado - UVA/2010.2

Vestibular Comentado - UVA/2010.2 LÍNGUA PORTUGUESA Comentários: Profs. Evaristo, Crerlânio, Vicente Júnior Texto 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Flor voltara a embalar-se

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. O PORCO-ESPINHO

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. O PORCO-ESPINHO ENSINO FUNDAMENTAL Conteúdos do 6º Ano 3º/4º Bimestre 2014 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Monique Data: / /2014 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara Redação Resultado

Leia mais

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes Árabes Componentes: Sabrina, Lucille,Giovana, M, Lucas C, João Vitor Z, Samuel. Disciplina: Estudos Sociais, Informática Educativa, Língua Portuguesa. Professores: Uiliam Michael, Cristiane Keller, Daniele

Leia mais

6 Estimular a Criatividade

6 Estimular a Criatividade OZARFAXINARS N.2 DEZEMBRO 2005 121 6 Estimular a Criatividade Como aspecto menos valorizado pela Escola, a criatividade pode estimular novas formas de o jovem se relacionar com o mundo, desenvolvendo atitudes

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

BRASIL. Edição especial para distribuição gratuita pela Internet, através da Virtualbooks, com autorização do Autor.

BRASIL. Edição especial para distribuição gratuita pela Internet, através da Virtualbooks, com autorização do Autor. 1 BRASIL Fernando Ribeiro Alves Edição especial para distribuição gratuita pela Internet, através da Virtualbooks, com autorização do Autor. O Autor gostaria imensamente de receber um e-mail de você com

Leia mais

Koinonia, descobrindo a alegria de pertencer.

Koinonia, descobrindo a alegria de pertencer. ESTUDO 24 SIRVAM UNS AOS OUTROS Sinônimos: Ajudem-se mutuamente. Cada um use o seu próprio dom para o bem dos outros. O nosso mundo emprega vários critérios para avaliar a grandeza de alguém. É grande

Leia mais

1. A TRADIÇÃO REALISTA

1. A TRADIÇÃO REALISTA 1. A TRADIÇÃO REALISTA Se você alguma vez passou os olhos por um livro chamado Raízes do Brasil (1936)*, talvez tenha lido uma passagem famosa, que refere uma característica portuguesa que Sérgio Buarque

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E ESPORTES PROCESSO SELETIVO PARA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E ESPORTES PROCESSO SELETIVO PARA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E ESPORTES PROCESSO SELETIVO PARA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Não deixe de preencher as informações a seguir: PRÉDIO SALA NOME Nº DE IDENTIDADE ÓRG.

Leia mais

Índice Geral. Índice de Autores

Índice Geral. Índice de Autores Victor Fernandes 1 Índice Geral A perua-galinha 3 A vida de um porco chamado Ricky 4 Um burro chamado Burro 5 O atrevido 6 O Burro que abandonou a família por causa de uma rã 7 A burra Alfazema 8 Índice

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

FUVEST 2003. Língua Portuguesa Segunda Fase 05/01/2003

FUVEST 2003. Língua Portuguesa Segunda Fase 05/01/2003 FUVEST 2003 Língua Portuguesa Segunda Fase 05/01/2003 Q.01 BR. Contribuindo para o cinema brasileiro rodar cada vez melhor. A Petrobras Distribuidora sempre investiu na cultura do País e acreditou no potencial

Leia mais

A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era?

A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era? A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Era Colonial Era Nacional Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era? Evolução Política Evolução Econômica Essas eras apresentam

Leia mais

Informações e instruções para os candidatos

Informações e instruções para os candidatos A preencher pelo candidato: Nome: N.º de inscrição: Documento de identificação: N.º: Local de realização da prova: A preencher pelo avaliador: Classificação final: Ass: Informações e instruções para os

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 CINDERELA 3 CINDERELA Cinderela era uma moça muito bonita, boa, inteligente e triste. Os pais tinham morrido e ela morava num castelo. A dona do castelo era uma mulher

Leia mais

E alegre se fez triste

E alegre se fez triste Manuel Alegre Manuel Alegre nasceu em 1936 e estudou na Faculdade de Direito de Coimbra, onde participou activamente nas lutas académicas. Cumpriu o serviço militar na guerra colonial em Angola. Nessa

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE FÉRIAS

CADERNO DE ATIVIDADES DE FÉRIAS CADERNO DE ATIVIDADES DE FÉRIAS Disciplina: Língua Portuguesa UD Ensino Fundamental 2 Prof.: 6º ano Aluno(a): ATIVIDADE DE FÉRIAS CADERNO DE QUESTÕES INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: Pode dizer-se que a presença

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

O PATINHO QUE NÃO QUERIA APRENDER A VOAR

O PATINHO QUE NÃO QUERIA APRENDER A VOAR Numa bela manhã, nasceram seis lindos patinhos que encheram de encanto seus pais. Eram amarelinhos e fofinhos. Um dos patinhos recebeu o nome de Taco. Mamãe e papai estavam muito felizes com seus filhotes.

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA EM IRACEMA E MACUNAÍMA

A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA EM IRACEMA E MACUNAÍMA 1 A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA EM IRACEMA E MACUNAÍMA Isaac Santos Cajé (UNIT) INTRODUÇÃO Os estudos recentes da literatura portuguesa alargaram as fontes, possibilitando um novo olhar para velhos

Leia mais

*Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século

*Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século *Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século XX; * É quando surge uma literatura social, através de

Leia mais