ASPECTOS ÉTICOS LEGAIS DO EXERCICIO DA ODONTOLOGIA: o relacionamento profissional/paciente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASPECTOS ÉTICOS LEGAIS DO EXERCICIO DA ODONTOLOGIA: o relacionamento profissional/paciente"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, POLITICAS E SOCIAIS CEJURPS CURSO DE DIREITO ASPECTOS ÉTICOS LEGAIS DO EXERCICIO DA ODONTOLOGIA: o relacionamento profissional/paciente PAULA GOACIRA MARIA PADILHA POLICARPO Itajaí/SC- outubro de 2009

2 2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, POLITICAS E SOCIAIS CEJURPS CURSO DE DIREITO ASPECTOS ÉTICOS LEGAIS DO EXERCICIO DA ODONTOLOGIA: o relacionamento profissional/paciente PAULA GOACIRA MARIA PADILHA POLICARPO Monografia submetida à universidade do Vale do Itajaí- UNIVALI, como requisito parcial à obtenção do grau de Bacharel em Direito. Orientadora: Maria de Lourdes Alves de Lima Zanatta,MSc Itajaí/SC- outubro de 2009

3 3 AGRADECIMENTO Primeiramente, meus sinceros agradecimentos aos Meus pais Arini de Paula Padilha e José Cota, irmãos Jucini, Paulo Sergio (cunhado), Graci e Ivan, minhas amigas Adriana, Eliane, Luciane e Francielli pelo incentivo durante toda minha vida acadêmica, com quem sempre pude contar desde o inicio fazendo inúmeros sacrifícios para que eu pudesse concluir este curso. Ao Ives, meu namorado e amigo, por ter sempre me incentivado. A todos os meus familiares, em especial a minha filha, Ana Paula Santos que compreendeu a minha ausência, me deu apoio psicológico e incentivo, sem a qual não teria conseguido concluir mais uma etapa da minha vida acadêmica. A minha orientadora, Maria de Lourdes Alves Zanatta, com quem realmente contei durante a elaboração deste trabalho, que me prestou, incansavelmente auxilio, à realização do mesmo. Aos meus professores que, de uma forma ou de outra, contribuíram para o meu aprimoramento intelectual, meus sinceros agradecimentos. E a todos aqueles, que, em função do escasso espaço, aqui não posso nominar, mas que, de uma forma ou de outra, colaboraram para com a conclusão do presente trabalho.

4 4 DEDICATÓRIA Dedico a meus pais que tanto sonharam com esta conquista em minha vida. Igualmente a minha filha que foi compreensiva quando não pude esta junto dela em momentos importantes de sua vida. A meus irmãos, que de forma singela e distante, me incentivaram com palavras de ânimo a continuar meus estudos. E jamais deixaria de reconhecer o apoio de minhas amigas Adriana, Luciana, Eliane e Francielli que, desde o início de minha vida acadêmica, estiveram sempre presentes, me incentivando e apoiando nos momentos mais difíceis desta longa caminhada. Eu vejo a vida melhor no futuro! Eu vejo isso por cima de um muro, De hipocrisia que insiste em nos rodear. Hoje o tempo voa amor, Escorre pelas mãos! Mesmo sem se sentir, Não há tempo que volte amor, Vamos viver tudo que há pra viver! Vamos nos permitir!! (LULU SANTOS, Tempos Modernos).

5 5 TERMO DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE Declaro para todos os fins de direito, que assumo total responsabilidade pelo aporte ideológico conferido ao presente trabalho, isentando a Universidade do Vale do Itajaí/SC, a coordenação do Curso de Direito, a Banca Examinadora e o Orientador de toda e qualquer responsabilidade acerca do assunto. Itajaí-SC, outubro de Paula Goacira Maria Padilha Policarpo Graduando

6 6 PÁGINA DE APROVAÇÃO A presente monografia de conclusão do Curso de Direito da Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, elaborada pela graduanda Paula Goacira Maria Padilha Policarpo, sob o título ASPECTOS ÉTICOS LEGAIS DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL, NO RELACIONAMENTO PROFISSIONAL/PACIENTE NA ÁREA DA ODONTOLOGIA, foi submetida em 2009 à Banca Examinadora composta pelos seguintes Professores: MSc. Maria de Lourdes Alves Zanatta (Orientadora e Presidente da Banca),Dr. MSc. Túlio Del Conte Valcanaia, Dr. MSc. Profª Maria Fernanda Gugelmim Girardi e aprovada com a nota (...). Itajaí (SC),19 de novembro de Prof. Antonio Lapa Coordenação de Monografia Profª. MSc. Maria de Lourdes Alves Zanatta Orientadora

7 7 ROL DE ABREVIATURAS E SIGLAS ART. Artigo CC/1916 Código Civil Brasileiro de 1916 CC/2002 Código Civil Brasileiro de 2002 CC CDC CFO CRFB CRO OMS STF STJ SUS Código Civil Código de Defesa do Consumidor Conselho Federal de Odontologia Constituição da República Federativa do Brasil Conselho Regional de Odontologia Organização Mundial da Saúde Superior Tribunal Federal Superior Tribunal de Justiça Sistema Único de Saúde

8 8 ROL DE CATEGORIAS Rol de categorias que a Autora considera estratégicas à compreensão do seu trabalho, com seus respectivos conceitos operacionais. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE A Organização Mundial da Saúde (OMS) é uma agência especializada em saúde, fundada em 7 de abril de 1948 e subordinada à Organização das Nações Unidas. Segundo sua constituição, a OMS tem por objetivo desenvolver ao máximo possível o nível de saúde de todos os povos. A saúde sendo definida nesse mesmo documento como um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não consistindo somente da ausência de uma doença ou enfermidade. CONSELHO REGIONAL DE ODONTOLOGIA Órgão regional que agremia e fiscaliza o exercício da profissão de odontólogo e correlatos. Está subordinado diretamente ao Conselho Federal de Odontologia. CONSTITUIÇÃO Conjunto das leis fundamentais que rege a vida de uma nação, geralmente elaborado e votado por um congresso de representantes do povo, e que regula as relações entre governantes e governados, traçando limites entre os poderes e declarando os direitos e garantias individuais CIRURGIAO DENTISTA E o profissional habilitado em curso superior para que possam tratar e prevenir afecções dentaria e bucais.

9 9 CULPA Culpa se refere à responsabilidade dada à pessoa por um ato que provocou prejuízo material, moral ou espiritual a si mesma ou a outrem. DIREITO SANITÁRIO Direito Sanitário é um conjunto de normas federais, estaduais ou municipais que, visando a eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde ou a intervir nos problemas sanitários decorrentes do meio ambiente, regulam a produção e a circulação de bens de consumo que, direta ou indiretamente, se relacionam com a saúde, compreendidas todas as etapas e processos, da produção ao consumo, bem como o controle da prestação de serviços que se relacionam direta ou indiretamente com a saúde. ÉTICA A ética é a teoria ou ciência do comportamento moral dos homens em sociedade, ou seja, é ciência de uma forma específica de comportamento humano ODONTOLOGIA É a área da saúde humana que estuda e trata o sistema estomatognático - compreende a face, pescoço e cavidade bucal, abrangendo ossos, musculatura mastigatória, articulações, dentes e tecidos. PACIENTE Pessoa que procura um meio de tratamento ou avaliação/prevenção com um profissional de saúde. PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS São aqueles que guardam os valores fundamentais da ordem jurídica. [...] aqueles valores albergados pelo texto Maior a fim de dar sistematização ao documento

10 10 constitucional, de servir como critério de interpretação e finalmente, o que é mais importante, espraiar os seus valores, pulveriza-los sobre todo o mundo jurídico. RECIPROCIDADE reciprocidade refere-se a responder uma ação positiva com outra ação positiva, e responder uma ação negativa com outra negativa RESPONSABILIDADE CIVIL É a obrigação imposta por lei, a cada um, de responder pelo dano que causar a outrem. A responsabilidade civil pode provir de ação praticada pelo próprio indivíduo ou por pessoas sob sua dependência. SAÚDE PÚBLICA A arte e a ciência de prevenir a doença, prolongar a vida, promover a saúde e a eficiência física e mental mediante o esforço organizado da comunidade. Abrangendo o saneamento do meio, o controle das infecções, a educação dos indivíduos nos princípios de higiene pessoal, a organização de serviços médicos e de enfermagem para o diagnóstico precoce e pronto tratamento das doenças e o desenvolvimento de uma estrutura social que assegure a cada indivíduo na sociedade um padrão de vida adequado à manutenção da saúde.

11 11 SUMÁRIO RESUMO INTRODUÇÃO...14 CAPÍTULO O PRINCÍPIO DA ODONTOLOGIA EVOLUÇÃO DA ODONTOLOGIA MUNDIAL ODONTOLOGIA NO BRASIL A ÉTICA NO TRATO DA SAÚDE ATOS E ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS...24 CAPÍTULO DA RESPONSABILIDADE CIVIL HISTÓRICOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA RESPONSABILIDADE CONTRATUAL E EXTRACONTRATUAL OBRIGAÇÕES E MEIO E RESULTADO RESPONSABILIDADE CIVIL DO CIRURGIÃO-DENTISTA DOCUMENTAÇÃO ODONTOLÓGICA CAPITULO DAS RELAÇÕES JURIDICAS CÓDIGO DE ÉTICA ODONTOLÓGICA... 51

12 CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR EM RELAÇÃO AO CIRURGIÃO DENTISTA RELAÇÕES ENTRE PROFISSIONAL LIBERAL E PACIENTE FORMAS DE ISENÇÃO DA REPARAÇÃO DO DANO ODONTOLÓGICO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIA DAS FONTES CITADAS... 63

13 13 RESUMO A presente monografia trata de discutir a responsabilidade civil do cirurgião, em razão da atividade praticada, considerando para tanto que a sociedade brasileira entenda as modificações quanto ao conhecimento e defesa dos seus direitos, enquanto consumidor. Verificou-se, no estudo que o interesse no assunto é pouco encontrado na literatura, quando em comparação ao profissional médico, o que tende-se a modificar nos próximos anos,o que se pode constatar através dos julgados dos tribunais. Observou-se que não se pode exigir do profissional cirurgião-dentista um resultado determinado. O que se pode exigir é um trabalho dentro dos padrões legais e éticos, com qualificação e rigoroso exercício profissional. A responsabilidade civil do dentista é caracterizada pela presença dos elementos agentes, ato profissional apontado como seus causadores. Da mesma forma, podemos observar as causas de irresponsabilidade que isentam o profissional, sendo caracterizada pela presença dos elementos culpa da vítima, fato de terceiro, caso fortuito, força maior e cláusula de não indenizar. Constatou-se através da história até sua legalização e, deste contexto, da investigação necessária sobre a Responsabilidade Civil do Profissional Cirurgião- Dentista, com a verificando da natureza da sua obrigação, de meio ou de resultado, analisando ainda quais situações que o torna imprudente em sua profissão.

14 14 INTRODUÇÃO A presente monografia se situa na área do Direito de Civil e tem como objeto a responsabilidade civil na relação Cirurgião Dentista./Paciente, ou seja, demonstrar à responsabilidade de ambas as partes, através de análise doutrinária e jurisprudencial, realizando um estudo voltado à proteção da dignidade humana no que tange ao direito à saúde e ao exercício profissional, instituída pela Constituição da República Federativa do Brasil de Os objetivos são: 1º institucional: confecção de monografia para obtenção de Título de Bacharel em Direito, pela Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI; 2º geral: contextualizar e analisar, com base legal e doutrinária, o instituto da garantia da saúde bucal pública ou privada, enfatizando sua aplicabilidade no atual Direito Brasileiro; 3º específicos: identificar e analisar dados sobre os institutos jurídicos da saúde, no viés da saúde bucal, nas relações dentistas-pacientes, segundo a legislação e doutrinas pátrias; verificar juridicamente, as formas de prevenção à saúde bucal, com base na doutrina brasileira, artigos correspondentes ao tema, caracterização e aplicabilidade na concepção da Organização mundial da Saúde, nos Sistema único da Saúde, no Conselho Regional de Odontologia, CFO, e na doutrina vigente. A opção pelo tema deu-se pelo fato histórico no âmbito do Direito Brasileiro, especificamente no Direito Sanitário, ante a observação do reconhecimento das relações entre pacientes e dentistas que enormemente crescem no âmbito da sociedade brasileira e buscam soluções jurídicas para verem resguardados seus direitos e obrigações da saúde e por estar inserida nesse contexto. Para tanto, principia-se a pesquisa, no Capítulo 1, tratando da origem e evolução do direito à saúde. Neste capítulo, foi feito uma análise na evolução histórica da odontologia aplicados ao direito brasileiro, vislumbrando

15 15 examinar os tipos de relações entres ambos. Foram trabalhados, neste capítulo, a definição e a natureza jurídica das relações profissionais e pacientes na área da odontologia. O Capítulo 2 trata do estudo sobre a responsabilidade, discorrendo, ainda que sucintamente, sobre a evolução doutrinária, conceito, requisitos legais, efeitos e considerações sobre a denominada sociedade de fato e, principalmente, verificando a possibilidade jurídica, acerca das relações entre pessoas que lidam com a saúde bucal, diante de decisões jurisprudenciais dos Tribunais reconhecendo as relações de reciprocidade, como empecilho para um desenvolvimento profícuo nas relações supra citadas e verificando, o uso dos devidos documentos, como o contrato de prestação de serviços, a anamnese, ou seja, preenchimento de toda documentação necessária, feita com o paciente. No Capítulo 3, abordou-se a responsabilidade do profissional da Odontologia, conceituando a responsabilidade de ambos, utilizando como fundamento basilar à pretensão, as disposições doutrinárias e jurisprudenciais acerca da matéria. Também, será feito uma análise sobre a questão da segurança e saúde do paciente quanto do profissional, a natureza jurídica dessas relações. O presente estudo doutrinário e jurisprudencial encerra-se com as considerações finais nas quais são apresentados pontos conclusivos destacados, seguidos da estimulação à continuidade dos estudos e das reflexões sobre a constituição, evolução e conceito da saúde, deveres do paciente e da reflexão sobre as devidas responsabilidades. hipóteses: Para a presente monografia foram levantadas as seguintes 1) Partindo-se do principio que o cirurgião-dentista, não fica alheio a estas hipóteses.

16 16 a) Do principio de que cada pessoa, por ação ou omissão, deve ser responsabilizado pelos danos que vier causar, verifica-se que o cirurgião dentista não fica alheio a esta obrigação devendo ser responsabilizado, caso causar dano ao paciente; b) A conduta profissional do cirurgião-dentista, que configura uma obrigação de meio e de resultado, não é a do resultado em si, mas sim da prudência e diligência empregadas na prestação de serviço. 2) Compreender a relação entre o profissional da odontologia e o paciente. Que se relacionam, dividem e auxiliam-se mutuamente tanto no material quanto no âmbito espiritual, utilizando-se dos princípios gerais do direito. 3) E quanto à adoção de medidas que visam a sanar problemas futuros em consonância com legislação legal, doutrinas e jurisprudências que supri aquilo que não está expressamente previsto em lei, considerando que as mesmas refletem as mudanças sociais, prevenindo problemas futuras nas relações entre ambos. Quanto à Metodologia empregada, registra-se que, na fase de investigação foi utilizado o método dedutivo, procurando, a partir do preceito de responsabilidade, ver as suas peculiaridades frente à atividade odontológica.

17 17 CAPÍTULO 1 DA ODONTOLOGIA 1.1 EVOLUÇÃO DA ODONTOLOGIA MUNDIAL Historicamente no estágio pré-hominídeo, centro do processo evolutivo da humanidade, o primeiro cuidado de atenção com o semelhante, para os males que aconteciam com seu corpo. O homem acreditava que estes males, poderiam ser provenientes de maus espíritos, o que levou os feiticeiros e pajés serem os primeiros a tratarem das doenças, sendo considerados os precursores de Médicos e também de Dentistas. Destaca-se que para a realização deste estudo histórico, baseou-se na obra de Marcelo Leal de Oliveira. 1 No que tange exclusivamente à Odontologia, que é o foco deste estudo, existem relatos antigos de tratamentos bucais, em várias localidades do mundo, desde as áreas mais remotas, na data de A.C. manuscritos egípcios mencionando alguns malefícios dentais como dor de dente, feridas gengivais. Os documentos mais antigos de Odontologia e Medicina que se tem notícia vêm dos povos da Mesopotâmia, hoje Iraque. Pode se dizer que ocorreu aí o início rudimentar da arte odontológica, onde os tratamentos eram efetuados com determinadas drogas, onde os profissionais eram bem remunerados pela eficiência e quando fracassavam, acabavam sendo punidos severamente, tendo previsão até pelo célebre Código de Hamurabi. O primeiro a conhecer a arte dentaria no Egito chamava-se Hesi-Re (3.000 a.c.), da corte do faraó Zoser. 1 OLIVEIRA, Marcelo Leal de Lima. Responsabilidade civil odontológica. Belo Horizonte: Del Rey, 1999.

18 18 Entre povos antigos, bem se destacou a intervenção Odontológica entre os fenícios e os hebreus, sendo mais marcante no antigo Egito. Na terra dos Faraós, pesquisas foram feitas em múmias embalsamadas, onde se foi percebendo a evolução da prática da odontologia. Já na América Pré- Colombiana, estudos recentes comprovaram a existência de restauração em dentes cariados e pequenas cirurgias bucais executadas pelos Maias Hipócrates, o Pai da Medicina, na Grécia, já demonstrava interesse em como os dentes cresciam e se desenvolviam, tendo efetuado escritos na área dos métodos de tratamento a afecções dentárias. Neste mesmo período se passou a adotar hábitos de higiene bucal, a fim de evitar doenças, utilizando-se pó de coral, alabastro e menta. Em Roma não existia distinção entre a Medicina e a Odontologia, que eram dois braços da mesma ciência. Porém, foi nessa época que se começou a utilizar restaurações em ouro, a fim de preservar o dente ainda íntegro, evitando, destarte, a extração de elementos dentários sadios. A Idade Média trouxe consigo os barbeiros verdadeiros profissionais multidisciplinares, que atuavam no corte de cabelos e barba, e ainda, com o tratamento dentário, de forma precária. Foram eles que ajudaram para o desenvolvimento da Odontologia. A profissão de cirurgião-dentista surgiu na França, no século XVI, da separação da atividade do barbeiro, desta forma aparecendo os primeiros dentistas, ou seja, propriamente ditos. No século XVIII, Pierre Fauchard ( ) com a obra Tratado dos dentes para os cirurgiões dentistas proporcionou um salto para a ciência da odontologia, sendo considerado o Pai da Odontologia moderna. O livro abrangia anatomia, fisiologia, entre outros assuntos, e citava a piorréia alveolar, que recebeu o nome de enfermidade de Fauchard (doença periodontal). Foi ele que

19 19 cunhou o termo cirurgião dentista para a profissão, criou o pivot e iniciou o desenvolvimento de dentaduras. Reconheceu também a intima entre as condições orais e a saúde em geral. A regulamentação do profissional se deu pelo edito de 10 de maio de 1768, sendo vedado o exercício da profissão aos que não tivessem o título de perito-dentista, conferido pelo Colégio de Cirurgia de Paris. Os Estados Unidos, a propósito, começaram a desenvolver mais marcante a odontologia principalmente pela estagnação causada pela Revolução, na França. Os norte-americanos, no período compreendido entre 1800 e 1840 tiveram um grande avanço nesta ciência, deixando-se livre a atuação na área da saúde para qualquer um, até mesmo para muitos charlatães, que de alguma forma tentavam tirar proveito da situação. Porém com a Lei 27 Ventose, do ano revolucionário XI, de 10 de março de 1803, passou-se a exigir o diploma de Medicina para o exercício da cura. Conforme nos traz Oliveira 2 Esta lei, no entanto, esqueceu-se do dentista, tornando controvertido o exercício da profissão, até 26 de junho de 1848, quando a Corte de Cassação de Paris decidiu-se pela autonomia do exercício desta profissão, desvinculado-a da medicina. No entanto, apenas em 30 de novembro de 1892, criou-se uma lei proibindo o exercício da profissão de dentista pro quem não fosse diplomado, expurgando os charlatães que, até então, as exerciam impunemente. A inauguração da primeira escola dental do mundo deu-se em 06 de março de 1840, criada por Harris e Hayden no Estado de Marilândia, na cidade de Baltimore, EUA ( Baltimore College of Dental Surgery ). O curso tinha 16 semanas, a classe possuía cinco alunos. 2 OLIVEIRA, Marcelo Leal de Lima, Responsabilidade civil odontológica. p.24.

20 20 Deve-se destacar que o avanço mais significativo da medicina moderna, e consequentemente da Odontologia, deram-se a partir da descoberta da anestesia, por um dentista americano chamado Horace Wells, no ano ODONTOLOGIA NO BRASIL Os indígenas acumularam através das gerações, o conhecimento dos efeitos das plantas medicinais nativas e das formas de intervenções nas moléstias. Praticavam a Odontologia de forma empírica e suas técnicas cirúrgicas eram rudimentares (amputações de membros com cipó arrancavam os dentes com instrumentos de madeira ao primeiro indício de cárie ou dor). No século XVIII, a Odontologia ainda era rudimentar, sendo praticada pro médicos e barbeiros. Somente após a chegada da Família Real, em 1808, a Odontologia começou a se desenvolver, sendo expedida a primeira carta de dentista no dia 15 de fevereiro de Mas a grande revolução ocorrida no país, na área da saúde, deu-se com a Criação da Junta de Higiene Pública, em 14 de setembro de Esta instituição exigia para o dentista a apresentação de diploma habilitante, bem como a inscrição na respectiva junta, a fim de exercer regularmente a profissão de dentista. Foi em 25 de outubro de 1884, através do Decreto nº que anexou aos cursos de Odontologia. Já em 15 de novembro de 1921, o Decreto Federal nº permitiu o exercício da profissão aos profissionais habilitados nas faculdades de Medicina. Finalmente, com a Lei nº 5.081, de agosto de 1966, que regulamenta o exercício da Odontologia em território brasileiro. Com a reforma do regimento em 12 de dezembro de 1631 os barbeiros ou tiradentes que não possuíam licença para tirar dentes, poderiam ser presos e teriam que pagar multa de réis. Essa licença especial era conferida pelo cirurgião-mor Mestre Gil. Nos exames de habilitação tinham que provar que

21 21 durante dois anos sangraram e fizeram as demais atividades de barbeiro, e depois pagaram uma taxa. A palavra dentista foi citada pela primeira vez no Plano de Exames da Real Junta do Pronto-medicato, em 23 de maio de 1800, assinado pelo príncipe regente D. João IV, documento que estabeleceu que o aspirante à profissão dentaria deveria se submeter a uma avaliação de conhecimento parcial de anatomia, métodos operatórios e terapêuticos para estar legalizado, apto e pagar pesadas taxas. A primeira carta (licença) de dentista no Brasil foi concedida ao português Pedro Martins de Moura, em 15 de fevereiro de 1811, e o primeiro brasileiro que recebeu o documento foi Sebastião Fernandez de Oliveira 23 de julho do mesmo ano. Em março de 1808, fugindo das forças francesas, o príncipe regente D. João VI e sua corte (cerca de pessoas) chegaram a Salvador, tornando-se o Brasil, por contingência sede do reino. Antes do final de1808, D. João VI transfere-se para o Rio de Janeiro e em 07 de outubro de 1809 aboliu a Real Junta do Pronto-medicato. Todas as responsabilidades ficaram ao encargo do físico-mor do reino Manoel Vieira da Silva, encarregado do controle do exercício da Medicina e Farmácia e do cirurgiãomor do exército, José Correia Picanço encarregado da cirurgia, controlando o exercício das funções realizadas por sangradores, dentistas, parteiras e outros. Em 1820, o cirurgião-mor concedeu ao francês doutor Eugênio Frederico Guertin a carta para exercer sua função no Rio de Janeiro. Ele foi o primeiro autor da obra de odontologia feita no Brasil, de acordo com os registros, em 1829, Avisos Tendentes à Conservação dos Dentes e sua Substituição. Outros dentistas franceses vieram a seguir trazendo o que havia de melhor na Odontologia mundial. As dentaduras eram constituídas de duas fileiras de dentes, esculpidas em marfim ou adaptadas em base metálica, e as arcadas ligadas por molas elásticas.

22 22 No dia 30 de agosto de 1828, D. Pedro I suprime o cargo de cirurgião-mor, cujas funções passam a ser exercidas delas Câmaras Municipais e Justiças Ordinárias. A partir de 1840 começaram a chegar dentistas dos Estados Unidos que pouco a pouco suplantaram os colegas franceses. Luiz Burdell foi o primeiro, seguindo-se Clintin Van Tuyl, o primeiro a usar clorofórmio (em casos excepcionais) para anestesia, conforme cita em seu livro: Guia dos Dentes Sãos (1849). Em 1850, em substituição a fiscalização exercida pela Câmara Municipal foi criada a Junta de Higiene Pública, que possibilitou à Medicina uma enorme evolução, principalmente pelas medidas saneadoras. Em setembro de 1869 surgi à primeira revista Odontológica, publicada por João Borges de Linz: Arte Dentária. Em 25 de outubro de 1884, foi criado oficialmente o curso de Odontologia na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro e Bahia, através do decreto Esta data ficou marcada e passou a ser comemorada como Dia do Cirurgião-Dentista. Em 1900, início do século XX, Augusto Coelho e Souza Pai da Odontologia Brasileira publicou o Manual Odontológico, que muito contribuiu para consolidação da profissão como prática científica. Contudo, podemos salientar que a Odontologia e um dos campos que mais esta se desenvolvendo ultimamente, tanto no setor teórico, como no setor tecnológico, bem como as possibilidades de tratamento, com a desnecessidade da extração do dente, isto causa um grande avanço à saúde publica. Como ciência, a Odontologia é um dos campos que mais se desenvolve atualmente, tanto no saber teórico, como principalmente no campo tecnológico, no qual notadamente a evolução dos materiais utilizados, bem como as possibilidades de tratamento, com a consequente desnecessidade da retirada do dente, causando um grande avanço à saúde pública.

23 23 Concluindo que o estado de completo bem-estar não existe, mas que a saúde deve ser entendida como a busca constante de tal estado. 1.3 A ÉTICA NO TRATO DA SAÚDE A ética constitui-se no princípio e fim da própria vida, na medida em que se torna o próprio sentido da existência, a razão essencial de ser e haver, o motivo pelo qual a existência se relaciona com o todo, pelo qual se transforma e por sua vez transforma o próprio meio como agente e sujeito dessa mudança. Comenta-nos Julio César Meirelles Comes 3 que: As razões ditas antigas na modelagem ética do profissional de saúde estão ligadas à necessidade de formar uma consciência ética de relação ou imprimir na personalidade um forte acento de respeito incondicional aos direitos fundamentais. Essas razões estão ligadas, ainda, à necessidade de oferecer ao profissional de saúde a postura ética aprendida e estimulada, saudável e proveitosa na relação com o paciente, outros profissionais e a sociedade em geral. A ética vem a ser, sob este prisma interessante, o tecido conjuntivo da Medicina e da Odontologia, ou o plasma germinativo da conduta que oferece o sentido benemerente da ação e preenche os vazios do conhecimento aplicado à Medicina, além de resguardar o bem maior da vida, acima da própria vontade humana. Nos ensina também Julio César Meirelles Comes 4 que: E afinal o que vem a ser ética senão um conjunto de princípios que sob a forma de idéia, ação ou sentimentos traduz a necessidade da preservação ou aprimoramento da espécie? É o sistema imunológico da espécie, assim como cada indivíduo tem seu conjunto peculiar de defesa imunológica ou não-imunológica. 3 COMES, Júlio César Meirelles. O atual ensino da ética para profissionais de saúde e seus reflexos no cotidiano do povo brasileiro. Disponível em: Acesso em 13 ago.09 4 COMES, Júlio César Meirelles. O atual ensino da ética para profissionais de saúde e seus reflexos no cotidiano do povo brasileiro. Disponível em: Acesso em 14 ago.09

24 24 A Odontologia, então, vem a ser a ética na sua expressão de cuidado com o semelhante, torna-se uma das possibilidades éticas de zelo com a espécie e com a própria unidade (indivíduo). No reino animal as espécies inferiores são desprovidas desse recurso refinado e intelectualizado de preservação, dispondo quase apenas do forte instinto de reprodução e proteção à prole como fator de preservação. Como ciência normativa ou como esforço intelectual para interpretação da conduta humana, surge na Grécia, com os filósofos do iluminismo helênico, empenhados no estudo do comportamento humano e na origem do universo, mas ganha corpo com Hipócrates, o Pai da Medicina, que demonstra o seu interesse na Odontologia humana. A profissão do cirurgião-dentista tem como origem remota à função tribal do barbeiro. A ética, como ciência normativa do certo e do errado no comportamento humano, torna-se quase indissociável da religião com a qual se confunde nas origens remotas, tal como representa um capítulo da filosofia aberto para a reflexão sobre o sentido da conduta e da existência humanas. Ética e Odontologia são indissociáveis na origem, não havendo plano de clivagem para saber onde começa uma e termina outra. 1.4 ATOS E ESPECIALIDADES ODONTOLOGICAS Com a modernidade, a Odontologia começou a ter seu desenvolvimento, dividindo-se em varias especialidades, como forma de aprimorar mais os seus conhecimentos. Com estes novos conhecimentos, surge também o aumento de responsabilidade em caso de algum erro.

25 25 Os atos Odontológicos latu sensu são considerados aqueles praticados por profissional com graduação em odontologia, podendo ter sido cursado em instituição nacional, assim como estrangeira. Estes atos devem ser utilizados pelo dentista, para que tenha um melhor resultado no tratamento aos seus pacientes. Cabe ao cirurgião-dentista, além de todos os atos específicos, os que também sejam inerentes a sua profissão e que se aperfeiçoam através das especializações, a praticarem atos não específicos, como prescrever medicamentos na esfera odontológica, atestar atestados mórbidos, proceder à perícia odonto-legal a fim de verificação em sede civil, criminal, trabalhista e administrativa, bem como anestesia local e tronco mandibular. A Odontologia moderna, com a evolução tecnológica que lhe é inerente, divide-se em várias áreas em que o cirurgião-dentista pode se especializar como forma de melhor prestar os seus serviços. Esta especialização pode significar um serviço diferenciado e que, como chamariz, pode aumentar a responsabilidade em caso de algum erro. Para que seja feito o entendimento acerca da responsabilidade civil do dentista, se faz necessário conhecer cada uma das especialidades odontológicas, elencadas na Resolução nº 185, de 26 de abril de 1.993, que aprovou a Consolidação das Normas para Procedimentos nos Conselhos Regionais de Odontologia, a fim de verificar as suas peculiaridades e os seus riscos para o paciente. Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial. Esta é a especialidade que mais se aproxima da atuação do profissional da medicina, uma vez que não atua sobre a área que não é apenas restritiva à cavidade oral e aos dentes, mas sim avança para atuar sobre a estrutura óssea da região facial. Tem como objetivo o tratamento das infecções odontogênicas e cirurgias da ATM, assim como traumatismos, lesões e anomalias congênitas e adquiridas do aparelho mastigatório, e estruturas crânios-faciais associadas.

26 26 É lícito, no consultório ou em ambientes ambulatoriais, realizar cirurgias de que se utilize apenas de anestesia local. Quando houver a necessidade de anestesia geral para a cirurgia, esta deverá ser realizada em ambiente hospitalar e com o acompanhamento do médico anestesista competente. Defeso é ao profissional da área da Odontológica a expedição de Atestado de Óbito, quando ocorrer o êxito letal da intervenção, sendo este fornecido pelo médico que acompanhou os procedimentos, ou pelo Instituto Médico Legal. Dentística Restauradora. Esta é a especialidade que, objetivos o estudo e a aplicação de procedimentos educativos, preventivos, operatórios e terapêuticos para preservar e desenvolver ao dente a integridade anátomo-funcional e estética. Tem como objetivo o cuidado com o elemento dentário, cuidando do seu desenvolvimento e combatendo as afecções que possam prejudicar a saúde. Endodontia. È a especialidade que objetiva a preservação do dente por meio de prevenção, diagnósticos, prognósticos e controle das alterações da polpa e dos tecidos peri radiculares. Visa os cuidados com o interior do dente, sendo o conhecido tratamento de canal. Estomatologia. È a área que no qual o dentista visa a prevenção, o prognóstico e o tratamento das doenças próprias da boca, das manifestações bucais de doenças sistêmicas, bem como o diagnóstico e a prevenção de doenças que possam interferir no tratamento odontológico. Implantodontia. È a especialidade que visa à implantação, na mandíbula e na maxila, de materiais aloplásticos, destinados a suportar próteses. Porém, é uma das áreas em que a responsabilidade civil mais costuma se apresentar. Odontologia Legal. E a especialidade em que a profundo interesse para o direito, é nesta especialidade, que se visa à pesquisa de fenômenos

27 27 psíquicos, químicos e biológicos que podem atingir ou ter atingido o homem, vivo, morto ou até mesmo a sua ossada, além de estudar as causas, autoria e evolução parciais ou totais, reversíveis ou não, através de fragmentos e vestígios. Odontologia em Saúde Coletiva. Esta especialidade objetiva o estudo dos fenômenos que incidem sobre a saúde bucal coletiva, por meio de análise, planejamento, execução e avaliação de serviços, projetos ou programas de saúde bucal, dirigida a grupos populacionais, com ênfase nos aspectos primitivos. Os profissionais que atuam nesta especialidade trabalham em cima de estatísticas, com o intuito de realizar levantamentos a respeito da qualidade da saúde oral e que seja relativo a uma determinada região. Odontopediatria. Esta especialidade está ligada, diretamente com o atendimento de crianças. Tem como objetivo o diagnóstico, a prevenção, o tratamento e o controle dos problemas de saúde bucal da criança, a educação para a saúde bucal e, é relativo a todas as especialidades. Ortodontia. Esta especialidade tem como objetivo a prevenção, a supervisão e a orientação do desenvolvimento do aparelho mastigatório e correção das estruturas dento-faciais, incluindo as condições que requeiram movimentação dentária, bem como harmonização da face no complexo maxilo-mandibular. Patologia Bucal. Esta área tem como objetivo o estudo laboratorial das alterações muitas vezes patológicas da cavidade bucal, visando o diagnóstico final e prognóstico dessas alterações. Neste mesmo contexto, é atribuído ao especialista, a atuação a execução de exames laboratoriais microscópicos, bioquímicos e outros, bem como a interpretação de seus resultados. Periodontia. Tal especialização fornece ao odontólogo subsídio para o estudo, diagnóstico, a prevenção e o tratamento das doenças gengivais e periodontais, visando seu tratamento.

28 28 Prótese dentaria. Esta especialidade objetiva o restabelecimento e a manutenção das funções do sistema estomatognático, visando a proporcionar conforto, estética e saúde pela recolocação dos dentes destruídos ou perdidos e dos tecidos contíguos. Radiologia. Esta especialidade tem como objetivo aplicar métodos exploratórios por imagem com finalidade de diagnosticar problemas na região bucomaxilofacial, fazendo uso da radiação e raios-x. Dando seqüência passa-se a enfocar a responsabilidade do profissional. Dando seqüência no próximo capítulo enfocar a responsabilidade civil do profissional odontológico na prática profissional.

29 29 CAPÍTULO 2 DA RESPONSABILIDADE CIVIL 2.1 HISTÓRICOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL O instituto da responsabilidade civil é quase tão antigo quanto à história da humanidade, porquanto sempre houve ações ou omissões por parte dos seres humanos, que de alguma forma vieram a ocasionar dano a outrem, surgindo, por conseguinte, a subseqüente necessidade de ressarcimento. Não resta dúvida de que o instituto da responsabilidade civil é bastante antigo. Sobre isto, podemos citar a contribuição dos romanos para a evolução histórica desse instituto, que foi, à época, desenvolvido no desenrolar de casos de espécie, decisões de juízes e pretores, respostas de jurisconsultos e constituições imperiais, de onde foram extraídos princípios e sistematizados conceitos. Entre os romanos, não havia distinção entre responsabilidade civil e responsabilidade penal, constituindo-se, ambas, numa pena imposta ao causador do dano. Gagliano e Rodolfo Pamplona Filho 5 : Como podemos citar a seguinte doutrina de Pablo Stolze De fato, nas primeiras formas organizadas de sociedade, bem como nas civilizações pré-romanas, a origem do instituto está calcada na concepção da vingança privada, forma por certo rudimentar, mas compreensível do ponto de vista humano como lídima reação pessoal contra o mal sofrido. 5 GAGLIANO, Pablo Stolze. PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Novo Curso de Direito Civil Responsabilidade Civil. São Paulo: Saraiva v. 3.

30 30 Nos códigos da região da Mesopotâmia, já havia a previsão da reparação do dano. No Código de Hamurabi, por exemplo, o causador do dano era punido com igual sofrimento; na civilização Helênica, o dano era reparado independentemente de qualquer violação que a norma preexistente e assim por diante. De fácil observação é a ligação que pode ser feita entre o dano e o tempo em que vigorava a lei da vingança privada, ou seja, à vítima ou seus familiares, cabia fazer justiça com suas próprias mãos. Era o que se conhecia por Lei do Talião; com a Lei das XII Tábuas, o poder público interveio no direito da vítima, fixando em que condições ele poderia responder, encerrando, por conseguinte, a fase do olho por olho, dente por dente. José Santana 6, A idéia de responsabilidade, portanto, segundo lembrou Heron Ingressa na órbita jurídica após ultrapassada, entre os povos primitivos, a fase da reação imediata, inicialmente grupal, depois individual, passando pela sua institucionalização, com a pena do talião, fundada na idéia de devolução da injúria e na reparação do mal com mal igual, já que qualquer dano causado a outra pessoa era considerado contrário ao direito natural. Após a Revolução Francesa, surgiu a necessidade de disciplinar o poder legislativo, causado pela queda da monarquia vigente, o que fez com que os juristas voltassem a ler os textos romanos, realizados pelos glosadores, adotando a noção de culpado da Lei Aquela. É dentro deste contexto que Domat e Photier estabeleceram a categoria da culpa de que prover o dano como sendo de três modalidades: a) a que acarreta, a um tempo, a responsabilidade penal do agente, perante o Estado, e a responsabilidade civil perante a vítima; b) a das pessoas que descumprem as obrigações, culpa 6 SANTANA, Heron José. Responsabilidade Civil por Dano Moral ao Consumidor. Minas Gerais: Edições Ciência Jurídica, p.23

31 31 contratual; e c) a que não liga nem a crime nem a delito, mas se origina da negligência ou imprudência. 7 A concepção de pena foi, então, aos poucos, sendo substituída pela idéia de reparação do dano sofrido, finalmente incorporada ao Código Civil de Napoleão, que exerceu grande influência no Código Civil brasileiro de Deste modo, o Código de Napoleão estabeleceu os princípios da responsabilidade civil moderna, principalmente no que diz à teoria subjetiva da responsabilidade, onde deveriam estar presentes três requisitos para a sua existência, quais sejam: a) o dano; b) a culpa; e c) o nexo de causalidade entre a ação culposa do agente e o dano. Já agora, o nosso ordenamento jurídico reconhece, expressamente, tanto a responsabilidade subjetiva (estribada na culpa), quanto à responsabilidade objetiva (independente de culpa). Posteriormente, passou-se a admitir, ao lado do dever de indenizar independente de culpa, a tutela coletiva dos prejudicados e a prevenção de danos ao meio social. Sente-se o surgimento de tendências socializantes, abraçadas aos direitos individuais homogêneos, coletivos e difusos. Já a Constituição de 1988 trouxe tendências socializantes, como a defesa dos consumidores, a reparação de danos imateriais ou morais, o conceito de função social da propriedade e os direitos naturais da pessoa humana. Sendo que um dos campos que mais demonstra crescimento dentro do direito privado é o ramo da responsabilidade civil, ou seja, as questões relativas às indenizações patrimoniais frente a dano. Diante dessa nova realidade, a nova codificação não poderia cometer o grave equívoco de não regular a responsabilidade independentemente de culpa, sendo certo que o art. 927, parágrafo único do Código Civil, passou a prever 7 OLIVEIRA, Marcelo Leal de Lima, Responsabilidade civil odontológica. Belo Horizonte: Del Rey, p. 45.

32 32 em sentido amplo a responsabilidade objetiva nos casos previstos em lei e quando houver um risco criado para os direitos de outrem. Responsabilidade exprime um entendimento de encargo, obrigação, contraprestação. Relativamente para o Direito, responsabilidade quer dizer o dever que alguém possui em reparar um prejuízo decorrente de violação de um outro dever jurídico. 8 Assim, podemos verificar que a responsabilidade civil surge em face do descumprimento obrigacional, pela desobediência de uma regra estabelecida em um contrato, ou por deixar, determinada pessoa, de observar um preceito normativo que regula a vida. Segundo Maria Helena Diniz 9, ao discorrer sobre responsabilidade civil A responsabilidade civil está relacionada com a aplicação de medidas que obriguem alguém a reparar dano moral ou patrimonial causado a terceiros, em razão de ato próprio imputado, de pessoas por quem ele responde, ou de fato de coisa ou animal sob sua guarda (responsabilidade subjetiva) ou, ainda, de simples imposição legal (responsabilidade objetiva). Com efeito, a responsabilidade civil surgiria a partir do momento em que o indivíduo deixa de cumprir determinada obrigação, ou ainda, que sua atitude venha a ocasionar dano a outrem, surgindo daí o de que se trataria de um dever jurídico sucessivo vindo somente a existir após a violação de um dever jurídico originário (contratual ou extracontratual). Neste sentido, Carlos Roberto Gonçalves 10 ensina que: 8 GOMES, José Eduardo Cerqueira. Responsabilidade das Condutas Médicas. Brasília: OAB Editora, ed. p DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro: responsabilidade civil. São Paulo: Editora Saraiva 12ª Edição, 1998, Volume VII. p GONÇALVES, Carlos Roberto. Comentários ao Código Civil. Editora Saraiva. São Paulo, 2003, Volume XI, p. 07.

33 33 Responsabilidade civil é, assim, um dever jurídico sucessivo que surge para recompor o dano decorrente da violação de um dever jurídico originário. Portanto, a responsabilidade civil deve ser encarada como fato humano, ou seja, a necessidade de se proporcionar à devida reparação em virtude de ato causador de dano. 2.2 RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA Sempre houve ações ou omissões por parte dos seres humanos, que de alguma forma vieram a ocasionar dano a outrem, surgindo, por conseguinte, a subseqüente necessidade de ressarcimento. O Direito Civil moderno consagra o princípio da culpa como basilar da responsabilidade extracontratual, abrindo, entretanto, exceções para a responsabilidade por risco, criando-se, assim, um sistema misto de responsabilidade. subjetiva ou objetiva. A responsabilidade civil, conforme o seu fundamento, pode ser A lei impõe, entretanto, em determinadas situações, a obrigação de reparar o dano independentemente de culpa. É a teoria dita objetiva ou do risco, que prescinde de comprovação da culpa para a ocorrência do dano indenizável. Basta haver o dano e o nexo de causalidade para justificar a responsabilidade civil do agente. Em alguns casos presume-se a culpa (responsabilidade objetiva imprópria), noutros a prova da culpa é totalmente prescindível (responsabilidade civil objetiva propriamente dita). Tratando da distinção entre a responsabilidade subjetiva e objetiva, o insuperável José de Aguiar Dias 11, com absoluta precisão, discorreu: No sistema da culpa, sem ela, real ou artificialmente criada, não há responsabilidade; no sistema objetivo, responde-se sem culpa, ou, melhor, esta indagação não tem lugar. 11 DIAS, José de Aguiar. Da responsabilidade civil. Rio de Janeiro, V.1, Ed. Forense, 1944.p.37

34 34 Conclui-se, assim, que a variação dos sistemas da obrigação indenizatória civil se prende, principalmente, à questão da prova da culpa, ao problema da distribuição do ônus probatório, sendo este o centro em que tem gravitado a distinção entre a responsabilidade civil subjetiva e a responsabilidade civil objetiva. Diz-se subjetiva a responsabilidade quando se baseia na culpa do agente, que deve ser comprovada para gerar a obrigação indenizatória. A responsabilidade do causador do dano, pois, somente se configura se ele agiu com dolo ou culpa. Trata-se da teoria clássica, também chamada teoria da culpa ou subjetiva, segundo a qual a prova da culpa lato sensu (abrangendo o dolo) ou stricto sensu se constitui num pressuposto do dano indenizável. O causador do dano é responsável pela reparação porque agiu diretamente com negligência (descaso, ou omissão dos cuidados devidos), ou imprudência (afoiteza sem medir os risos), ou imperícia (procedimento técnico imperfeito). 12 ( Sebastião Jurandir.1998, p.22) A responsabilidade subjetiva continua sendo o fundamento básico de toda a responsabilidade civil: o agente só será responsabilizado, em princípio, se tiver agido com culpa. Civil: Conforme nos traz os artigos 186 e , caput, do Código Art Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito. Art Aquele que, por ato ilícito, causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo. 12 SEBASTIÃO, Jurandir. Responsabilidade médica civil, criminal e ética. Belo Horizonte: Del Rey Ver p BRASIL. Código Civil Brasileiro. Lei n de 10 de janeiro de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10406.htm > Acesso em: 31 ago. 09.

35 35 Assim considerando, a teoria da responsabilidade subjetiva demonstra a obrigação de indenizar, ou de reparar o dano, o comportamento culposo do agente, ou simplesmente a sua culpa, abrangendo no seu contexto a culpa propriamente dita e o dolo do agente. Todavia, fato é que a responsabilidade subjetiva há muito tempo já não vinha sendo uma forma satisfatória de se proceder à entrega da tutela jurisdicional, dado que em muitos casos era impossível à vítima fazer prova da conduta faltosa do autor do dano, como o caso do paciente, ou do cirurgião-dentista que de certa forma tem dificuldade em muitas vezes de demonstrar a má fé da outra parte. Segundo a teoria da responsabilidade subjetiva, para que haja a obrigação de indenizar é necessário que seja demonstrada a culpa do suposto violador do direito da vítima, sendo desta última à incumbência de provar tal situação para que tenha direito à indenização. Utiliza-se, novamente, do ensinamento de Carlos Roberto Gonçalves: Conforme o fundamento que se dê à responsabilidade, a culpa será ou não considerada elemento da obrigação de reparar o dano. Em face da teoria clássica, a culpa era fundamento da responsabilidade. Essa teoria, também chamada teoria da culpa, ou "subjetiva", pressupõe a culpa como fundamento da responsabilidade civil. Em não havendo culpa, não há responsabilidade. Diz-se, pois, ser subjetiva a responsabilidade quando se esteia na idéia de culpa. A prova da culpa do agente passa a ser pressuposto necessário do dano indenizável. Dentro dessa concepção, a responsabilidade do causador do dano somente se configura se agiu com dolo ou culpa. 14 A responsabilidade objetiva, diferentemente da responsabilidade subjetiva, é aquela que independe da existência de culpa do agente, bastando para surgir o dever de indenizar ser demonstrado o nexo causal e o dano. A vítima não precisa provar o agente, causador dos danos, agiu culposamente para ter direito a receber indenixação pelos prejuízos sofridos. 14 GONÇALVES, Carlos Roberto. Comentários ao Código Civil. Volume XI, p. 28.

36 36 Essa teoria é aplicada em situações nas quais a culpa do agente, provocador do dano, é de difícil demonstração pela vítima, o que resultaria em deixar sem reparação os danos causados a esta, caso houvesse a exigência de demonstração de culpa. A fundamentação da responsabilidade objetiva está na teoria de risco. O risco existe quando, pela natureza da atividade econômica desenvolvida pelo agente normalmente provoca risco de dano a outrem nos casos expressamente definidos em lei, como no artigo 37, parágrafo 6 da CF e no Código de Defesa do Consumidor. O risco é o perigo e a probabilidade do dano, onde aquele que pratica uma atividade perigosa deve assumir os riscos e reparar os danos dela decorrentes. 1 ) Teoria do risco-proveito.a responsabilidade teria uma relação direta com o proveito decorrente da atividade realizada, de tal modo que o responsável seria aquele que obtivesse os frutos gerados pela atividade que provocou o dano, é dizer, "onde está o ganho, aí reside o encargo ubi emolumentum, ibi onus". 15 Diz o referido autor que tal linha de pensamento encontra críticas pela dificuldade de definir-se o que seja proveito, especialmente porque, se vinculado proveito ao fator lucro ou vantagem econômica, haveria exclusão de responsabilização de todos aqueles que não fossem industriais ou comerciantes. Por outro lado, se mantido à vítima o ônus de provar a existência de proveito, teríamos um retorno ao sistema subjetivo, com todas as dificuldades a ele inerentes, não resultando, portanto, tal concepção, em real evolução. 2 ) Teoria-risco profissional. A teoria do risco profissional cuida do risco pertinente à atividade laboral na relação jurídica de vínculo empregatício que se forma entre o empregador e o empregado CAVALIERI FILHO, Sérgio. Programa de responsabilidade civil. 6ª ed., São Paulo: Malheiros, 2005, p ALONSO, Paulo Sérgio Gomes. Pressupostos da responsabilidade civil objetiva. São Paulo: Saraiva, p. 60.

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES 21/06/2014 A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora vinculada ao Ministério da Saúde

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PERSONAL TRAINER DOUTOR PAQUITO RESUMO

A RESPONSABILIDADE DO PERSONAL TRAINER DOUTOR PAQUITO RESUMO A RESPONSABILIDADE DO PERSONAL TRAINER DOUTOR PAQUITO RESUMO O presente artigo traz a concepção da responsabilidade civil aplicada ao personal trainer, um estudo que merece atenção tanto do profissional

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Obrigações de meio e de resultado Publicado desde 8/8/2005 Érica Novas Da formação do contrato odontológico é que derivam obrigações para as partes contratantes. Todavia, apenas

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 51/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ODONTÓLOGO

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ODONTÓLOGO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ODONTÓLOGO Dra. Thaissa Taques A responsabilidade civil tem o seu nascimento sempre que houver violação de um dever jurídico preexistente, e dessa violação resultar um certo dano

Leia mais

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA A responsabilidade civil tem como objetivo a reparação do dano causado ao paciente que

Leia mais

29 a 30 de maio de 2008 RESPONSABILIDADE CIVIL E RELAÇÕES TRABALHISTAS. Fraiburgo Santa Catarina

29 a 30 de maio de 2008 RESPONSABILIDADE CIVIL E RELAÇÕES TRABALHISTAS. Fraiburgo Santa Catarina 29 a 30 de maio de 2008 RESPONSABILIDADE CIVIL E RELAÇÕES TRABALHISTAS Fraiburgo Santa Catarina A responsabilidade civil é a aplicação de medidas que obriguem uma pessoa a reparar o dano moral ou patrimonial

Leia mais

Dados e Informações Sobre as Especialidades Odontológicas no Brasil

Dados e Informações Sobre as Especialidades Odontológicas no Brasil Dados e Informações Sobre as Especialidades Odontológicas no Brasil José Mário Morais Mateus Conselheiro Federal - MG Julho/2014 Histórico das Especialidades Odontológicas Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Faciais

Leia mais

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS Prof. Dr. Eduardo Daruge Titular de Odontologia Legal e Deontologia da FOP-UNICAMP Prof. Medicina Legal da Faculdade de Direito da UNIMEP DEFINIÇÃO: PERÍCIAS

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

Especialidades Odontológicas

Especialidades Odontológicas Especialidades Odontológicas Urubatan Medeiros Doutor (USP) - Professor Titular do Departamento de Odontologia Preventiva e Comunitária (UERJ/UFRJ) - Consultor do Ministério da Saúde I - Introdução A Odontologia

Leia mais

ROJETO DE LEI Nº, de 2015. (Do Sr. Deputado Marcos Rotta)

ROJETO DE LEI Nº, de 2015. (Do Sr. Deputado Marcos Rotta) ROJETO DE LEI Nº, de 2015 (Do Sr. Deputado Marcos Rotta) Dispõe sobre segurança, danos materiais, furtos e indenizações, correspondentes a veículos nos estacionamento de estabelecimentos comerciais, shoppings

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS CIRURGIÕES-DENTISTAS EM RAZÃO DE PROCEDIMENTOS ESTÉTICOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS CIRURGIÕES-DENTISTAS EM RAZÃO DE PROCEDIMENTOS ESTÉTICOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS CIRURGIÕES-DENTISTAS EM RAZÃO DE PROCEDIMENTOS ESTÉTICOS HERIBERTO PAIVA ALBUQUERQUE JÚNIOR 1 1. NOÇÕES BASILARES O Direito, ciência na qual a razão transforma-se em lógica,

Leia mais

Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa).

Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa). Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa). Pressupostos da responsabilidade civil subjetiva: 1) Ato ilícito; 2) Culpa; 3) Nexo causal; 4) Dano. Como já analisado, ato ilícito é a conduta voluntária

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Dentistas-Consolidação das Normas para Procedimentos nos Conselhos de Odontologia-Alteração RESOLUÇÃO

Leia mais

Profilaxia das alegações de erro médico. Paulo Afonso - BA

Profilaxia das alegações de erro médico. Paulo Afonso - BA Profilaxia das alegações de erro médico Paulo Afonso - BA Princípios Fundamentais do CEM I - A Medicina é uma profissão a serviço da saúde do ser humano e da coletividade e será exercida sem discriminação

Leia mais

www.estudodeadministrativo.com.br

www.estudodeadministrativo.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO I - CONCEITO - A responsabilidade civil se traduz na obrigação de reparar danos patrimoniais, sendo que com base em tal premissa podemos afirmar

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Responsabilidade civil do cirurgião-dentista Por Ricardo Emilio Zart advogado em Santa Catarina 1. Introdução Tendo em vista a quantidade cada vez mais crescente de ações judiciais

Leia mais

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha MANUAL DE DIREITOS E RESPONSABILIDADES DOS PACIENTES www.ocm.mar.mil.br MARINHA DA BRASIL ODONTOCLÍNICA

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA. Reconhece a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas.

CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA. Reconhece a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas. CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA RESOLUÇÃO CFO-160, DE 2 DE OUTUBRO DE 2015 Reconhece a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas. O presidente do Conselho Federal

Leia mais

Aula 1 Responsabilidade Civil. Bibliografia recomendada:

Aula 1 Responsabilidade Civil. Bibliografia recomendada: Aula 1 Responsabilidade Civil. Bibliografia recomendada: GONÇALVES, Carlos Roberto. Responsabilidade civil. 11 ed. São Paulo: Saraiva, 2009. CAVALIERI FILHO, Sérgio. Programa de responsabilidade civil.

Leia mais

O O CONFLITO ENTRE O PODER DE DIREÇÃO DA EMPRESA E A INTIMIDADE/PRIVACIDADE DO EMPREGADO NO AMBIENTE DE TRABALHO. Adriana Calvo

O O CONFLITO ENTRE O PODER DE DIREÇÃO DA EMPRESA E A INTIMIDADE/PRIVACIDADE DO EMPREGADO NO AMBIENTE DE TRABALHO. Adriana Calvo O O CONFLITO ENTRE O PODER DE DIREÇÃO DA EMPRESA E A INTIMIDADE/PRIVACIDADE DO EMPREGADO NO AMBIENTE DE TRABALHO Adriana Calvo Professora de Direito do Trabalho do Curso Preparatório para carreiras públicas

Leia mais

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho O Conceito de Acidente de Trabalho (de acordo com a Lei 8.213/91 Art. 19) Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço

Leia mais

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL SÍLVIO DE SALVO VENOSA 1 Para a caracterização do dever de indenizar devem estar presentes os requisitos clássicos: ação ou omissão voluntária, relação

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

CURSO DE PERÍCIA ODONTOLÓGICA

CURSO DE PERÍCIA ODONTOLÓGICA ] CURSO DE PERÍCIA Apresentação O Código de Defesa do Consumidor trouxe maior consciência à população sobre seus direitos. Nota-se que há maior exigência, por parte dos usuários, quanto aos serviços prestados

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002 Define o currículo do Curso de Graduação em Odontologia. O REITOR

Leia mais

Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social

Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social Novo Código de Ética Médico e Saúde do Trabalhador Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social Realização: DIESAT Apoio: Fundacentro São Paulo, 22 jun 2010 Os dilemas, os sensos, os consensos,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O objeto social e os limite da atuação do administrador da sociedade empresarial. A teoria do ato ultra vires Amanda Alves Moreira* 1. INTRODUÇÃO As sociedades comerciais, na situação

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20/2001

RESOLUÇÃO CFO-20/2001 16 de agosto de 2001 RESOLUÇÃO CFO-20/2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324, de 14 de abril

Leia mais

Sumário. Manual do Responsável Técnico Conselho Regional de Odontologia do Paraná

Sumário. Manual do Responsável Técnico Conselho Regional de Odontologia do Paraná Sumário A Importância da Responsabilidade Técnica... 1 1.. Quem pode assumir a função de Responsável Técnico?... 2 2.. Um TPD (Técnico em Prótese Dentária) pode ser responsável técnico por um estabelecimento

Leia mais

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 Marcela Furtado Calixto 1 Resumo: O presente artigo visa discutir a teoria

Leia mais

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 CAPÍTULO I... 25 1. Novos riscos, novos danos... 25 2. O Estado como responsável por danos indenizáveis... 26 3.

Leia mais

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva.

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Responsabilidade Civil / Aula 01 Professora: Andréa Amim Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Bibliografia. Estrutura da Responsabilidade

Leia mais

A p s e p c e t c os o s Ju J r u ídi d co c s o s n a n V n e t n ilaç a ã ç o ã o M ec e â c n â i n ca

A p s e p c e t c os o s Ju J r u ídi d co c s o s n a n V n e t n ilaç a ã ç o ã o M ec e â c n â i n ca Aspectos Jurídicos na Ventilação Mecânica Prof. Dr. Edson Andrade Relação médico-paciente Ventilação mecânica O que é a relação médico-paciente sob a ótica jurídica? Um contrato 1 A ventilação mecânica

Leia mais

A RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR NOS ACIDENTES DO TRABALHO: APLICAÇÃO DA TEORIA DA PERDA DE UMA CHANCE

A RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR NOS ACIDENTES DO TRABALHO: APLICAÇÃO DA TEORIA DA PERDA DE UMA CHANCE A RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR NOS ACIDENTES DO TRABALHO: APLICAÇÃO DA TEORIA DA PERDA DE UMA CHANCE CHAMORRO, N. A. A. Resumo: O estudo baseia-se na responsabilidade civil do empregador pela perda

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO

RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO ROBERVAL CASEMIRO BELINATI Desembargador do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Membro da 2ª Turma Criminal Professor

Leia mais

Teoria das nulidades dos atos de advocacia. Dispõe o Estatuto da Advocacia (Lei Federal n.º 8.906/94):

Teoria das nulidades dos atos de advocacia. Dispõe o Estatuto da Advocacia (Lei Federal n.º 8.906/94): Thiago d Ávila Membro da Advocacia-Geral da União. Procurador Federal. Procurador do INCRA em Natal/RN. Ex-Procurador do INSS. Ex-Procurador do Órgão de Arrecadação da Procuradoria-Geral Federal. Dedica-se

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) CAPÍTULO I. Disposições Preliminares

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) CAPÍTULO I. Disposições Preliminares PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) Regulamenta o exercício das profissões detécnico em Higiene Dental e de Atendente de Consultório Dentário. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS. Palavras-chaves: Sociedade de Advogados, quotas de serviço, OAB.

POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS. Palavras-chaves: Sociedade de Advogados, quotas de serviço, OAB. POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS Diogo Dória Pinto 1 RESUMO A previsão do art.2º, XIII do provimento nº 112/06 do Conselho Federal da Ordem dos Advogados

Leia mais

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. RESPONSABILIDADE CIVIL É A OBRIGAÇÃO QUE INCUMBE A ALGUÉM DE

Leia mais

CÓDIGO DE ETICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL (APROVADO A 8 DE MAIO DE 1965)

CÓDIGO DE ETICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL (APROVADO A 8 DE MAIO DE 1965) CÓDIGO DE ETICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL (APROVADO A 8 DE MAIO DE 1965) INTRODUÇÃO Considerando que: A formação da consciência profissional é fator essencial em qualquer profissão e que um Código

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ODONTOPEDIATRIA 1. ODONTOPEDIATRIA PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O direito à saúde na Constituição Federal de 1988: caracterização e efetividade Alexandre Gonçalves Lippel* 1. Caracterização do direito à saúde O direito à saúde emerge no constitucionalismo

Leia mais

Deontologia Médica. Deontologia Médica. Conceito

Deontologia Médica. Deontologia Médica. Conceito Medicina Legal Professor Sergio Simonsen Conceito A deontologia médica é a ciência que cuida dos deveres e dos direitos dos operadores do direito, bem como de seus fundamentos éticos e legais. Etimologicamente,

Leia mais

Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02

Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02 60 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02

Leia mais

CONSULTA Nº 91.404/2012

CONSULTA Nº 91.404/2012 1 CONSULTA Nº 91.404/2012 Assunto: Dificuldades com internações de pacientes dependentes químicos, encaminhados por ordem judicial Relator: Conselheiro Mauro Gomes Aranha de Lima. Ementa: Hospital psiquiátrico.

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Psicopedagogo, cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicopedagogia

Leia mais

O Dano Moral no Direito do Trabalho

O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 - O Dano moral no Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 Objetivo 1.3 - O Dano moral nas relações de trabalho 1.4 - A competência para julgamento 1.5 - Fundamentação

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho.

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. O propósito dessa aula é reconhecer quais os lugares de onde se originam os direitos trabalhistas, onde procurá-los

Leia mais

DA RESPONSABILIDADE CIVIL EM ODONTOLOGIA

DA RESPONSABILIDADE CIVIL EM ODONTOLOGIA DA RESPONSABILIDADE CIVIL EM ODONTOLOGIA Autor: Neri Tadeu Camara Souza Para se responsabilizar juridicamente um cirurgião-dentista por um fato danoso a um paciente, deve-se concluir pela presença dos

Leia mais

PROCESSO CONSULTA Nº 10/2014 PARECER CONSULTA Nº 04/2015

PROCESSO CONSULTA Nº 10/2014 PARECER CONSULTA Nº 04/2015 PROCESSO CONSULTA Nº 10/2014 PARECER CONSULTA Nº 04/2015 Solicitantes: DR. M. L. B. CRM/GO XXXX Conselheiro Parecerista: DR. PAULO ROBERTO CUNHA VENCIO Assunto: RESPONSABILIDADE ÉTICA E LEGAL DE PROFESSOR

Leia mais

Código de Ética do Administrador

Código de Ética do Administrador Código de Ética do Administrador Júlio Cesar Andrade de Abreu Fonte: CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO ADMINISTRADOR (Aprovado pela Resolução Normativa CFA nº 353, de 9 de abril de 2008) Dos Deveres (Art

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GEFIS Nº31/ 2010 Instrumentação Cirúrgica. Curso de Instrumentação Pareceres CEE-SP 288/2000 e 241/1998. Instrumentação Cirúrgica na Grade Curricular do Curso de Enfermagem. Profissional

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos $ 5(63216$%,/,'$'( &,9,/ '2 3529('25 '( $&(662,17(51(7 Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos A Internet se caracteriza

Leia mais

Conflitos entre o Processo Penal E o Processo Administrativo sob O ponto de vista do médico. Dr. Eduardo Luiz Bin Conselheiro do CREMESP

Conflitos entre o Processo Penal E o Processo Administrativo sob O ponto de vista do médico. Dr. Eduardo Luiz Bin Conselheiro do CREMESP Conflitos entre o Processo Penal E o Processo Administrativo sob O ponto de vista do médico Dr. Eduardo Luiz Bin Conselheiro do CREMESP PRÁTICA MÉDICA A prática médica se baseia na relação médicopaciente,

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC Nº 6566/08 ASSUNTO: RESPONSABILIDADE MÉDICA PARECERISTA: CÂMARA TÉCNICA DE AUDITORIA DO CREMEC EMENTA O ato médico é responsabilidade

Leia mais

A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal

A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal Art. 204 do CPM e outros diplomas legais Por: Euclides Cachioli de Lima. Muitos são os doutrinadores que

Leia mais

Responsabilidade Civil do Engenheiro. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil do Engenheiro. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil do Engenheiro Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola as previsões legais

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2014.1

PLANO DE ENSINO 2014.1 FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA CENTRO DE CIENCIAS JURIDICAS PLANO DE ENSINO 2014.1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Disciplina/Módulo: Responsabilidade Civil Código/Turma: J774-81 Pré-requisito:J557

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL DECORRENTE DE ACIDENTES DE TRABALHO Constituição Federal/88 Art.1º,III A dignidade da pessoa humana. art.5º,ii

Leia mais

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde 254 Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde Luiz Eduardo de Castro Neves 1 Nos dias atuais, em que há cada vez mais interesse em bens de consumo, é, sem dúvida, nos momentos em que as pessoas se

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL: DEFINIÇÃO, POSIÇÃO LEGISLATIVA E ASPECTOS HISTÓRICOS Kamila NUNES 1 Gilberto LIGERO 2

RESPONSABILIDADE CIVIL: DEFINIÇÃO, POSIÇÃO LEGISLATIVA E ASPECTOS HISTÓRICOS Kamila NUNES 1 Gilberto LIGERO 2 RESPONSABILIDADE CIVIL: DEFINIÇÃO, POSIÇÃO LEGISLATIVA E ASPECTOS HISTÓRICOS Kamila NUNES 1 Gilberto LIGERO 2 RESUMO: O presente artigo é resultado de pesquisa realizada tendo em vista o trabalho de conclusão

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR

REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR O Coordenador do Curso de Medicina Veterinária da Universidade de Marília UNIMAR, no uso de suas atribuições legais, expede o presente regimento, regulamentando

Leia mais

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004.

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE EMPRESAS BRASILEIRAS E ESTRANGEIRAS DE NAVEGAÇÃO PARA TROCA DE ESPAÇOS NO TRANSPORTE MARÍTIMO

Leia mais

PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DA EFICIÊNCIA E O PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO DO ICMS

PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DA EFICIÊNCIA E O PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO DO ICMS UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO, EXTENSÃO E CULTURA PROPPEC CENTRO DE EDUCAÇÃO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E JURÍDICAS CEJURPS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

Leia mais

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE A MODALIDADE DE INTERVENÇÃO DE TERCEIROS: DENUNCIAÇÃO DA LIDE

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE A MODALIDADE DE INTERVENÇÃO DE TERCEIROS: DENUNCIAÇÃO DA LIDE II ANAIS DO CURSO DE EXTENSÃO EM TEORIA DO DIREITO: A Tríplice perspectiva do Direito e a relação teórica, prática e ética. Cáceres: Unemat Editora, Vol.1. n. 01 (2013). ISSN 2317-3478 ASPECTOS IMPORTANTES

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências Decreto Nº 94.406 / 1987 (Regulamentação da Lei nº 7.498 / 1986) Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências O Presidente da

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2015. (Do Sr. Ricardo Izar)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2015. (Do Sr. Ricardo Izar) PROJETO DE LEI N.º, DE 2015 (Do Sr. Ricardo Izar) Proíbe o uso de animais não-humanos vivos nos estabelecimentos de ensino público e privado em todo o Território Nacional. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Direitos e Deveres do Pesquisado

Direitos e Deveres do Pesquisado Comitê de Ética em Pesquisa CEP- Faciplac Registrado na SIPAR- Ministério da Saúde sob o nº 147057/2007 Direitos e Deveres do Pesquisado Direitos do Pesquisado I- Em caso de danos ao pesquisado por ato

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 14 13 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 296 - Data 14 de outubro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA FÍSICA - IRPF DESPESA MÉDICA. DEDUÇÃO.

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função:

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS 1. Princípios do Direito do Trabalho 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: a) Função informativa/inspiradora: informam

Leia mais

Responsabilidade civil do médico e processo civil

Responsabilidade civil do médico e processo civil SIMPÓSIO MEDICINA E DIREITO Responsabilidade civil do médico e processo civil Jorge R. Ribas Timi 1, Patrick G. Mercer 2 Atualmente, a responsabilidade civil do médico é um tema que preocupa tanto médicos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Arthur Oliveira Maia) Altera a redação do art. 3º da Lei nº 8.650, de 20 de abril de 1993, para suprimir qualquer restrição ou preferência legal na contratação de treinador

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR Atuação e conceitos da Odontologia Hospitalar e Medicina Oral A Odontologia exercida pela grande maioria dos dentistas brasileiros enfoca

Leia mais

LEI Nº 6.686, DE 11 DE SETEMBRO DE 1979

LEI Nº 6.686, DE 11 DE SETEMBRO DE 1979 LEI Nº 6.686, DE 11 DE SETEMBRO DE 1979 Dispõe sobre o exercício da Análise Clínico- Laboratorial. Art. 1º Os atuais portadores de diploma de Ciências Biológicas, modalidade médica, bem como os diplomados

Leia mais

Publicidade na Odontologia: como fazer. Um guia de como evitar penalidades e divulgar seus serviços de acordo com a legislação.

Publicidade na Odontologia: como fazer. Um guia de como evitar penalidades e divulgar seus serviços de acordo com a legislação. Publicidade na Odontologia: como fazer Um guia de como evitar penalidades e divulgar seus serviços de acordo com a legislação. Você sabia que nos anúncios, placas e impressos publicitários, por exemplo,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

QUANTO AO SEU VÍNCULO

QUANTO AO SEU VÍNCULO OBRIGAÇÕES QUANTO AO SEU VÍNCULO GUSTAVO GUSMÃO OBRIGAÇÕES QUANTO AO SEU VÍNCULO 1. INTRODUÇÃO Dentre as diferentes modalidades das obrigações, encontramos as obrigações atinentes ao vínculo que liga seus

Leia mais

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Corretagem Corretagem O vocábulo "corretor", vem do verbo correr, em seu significado semântico quer dizer: O que anda, procura, agencia negócios comerciais ou civis, serve de intermediário

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e a atuação da Secretaria de Controle Interno e dá outras

Leia mais

Cré d. Cód Sem Módulo Ementa Créd

Cré d. Cód Sem Módulo Ementa Créd Conselho Universitário - CONSUNI Câmara de Ensino Curso de Graduação em Odontologia da UNIPLAC Quadro de Equivalência para Fins de Aproveitamento de Estudos entre duas Estruturas Curriculares Modulares

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 7.181, DE 2010 Dispõe sobre a regulamentação da atividade das Empresas de Gerenciamento de Riscos em Operações Logísticas.

Leia mais

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas PL 5196/2013 Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas Medidas Corretivas: natureza jurídica. [redação original do PL] Art. 60-A. Sem prejuízo da sanções

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC)

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC) 1 A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR 2 CONCEITOS 3 SAÚDE SUPLEMENTAR: atividade que envolve a operação de planos privados de assistência à saúde sob regulação do Poder

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 Suponha se que Maria estivesse conduzindo o seu veículo quando sofreu um acidente de trânsito causado por um ônibus da concessionária do serviço público

Leia mais

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro PRÁTICA ODONTOLÓGICA= FATORES EXTERNOS + FATORES INTERNOS CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA RECURSOS HUMANOS AMBIENTES RECURSOS HUMANOS

Leia mais

Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE

Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE Etimologia Termo Auditoria deriva: Palavra inglesa audit que significa examinar, corrigir, certificar. Do latim auditore O que ouve; ouvinte. Definição

Leia mais