CADERNO DE PROVAS. Cargo PROFESSOR ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CADERNO DE PROVAS. Cargo PROFESSOR ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO INCLUSIVA"

Transcrição

1 Concurso Público para provimento de vagas em cargos do quadro permanente de pessoal, e emprego público vinculado ao Programa de Saúde da Família, da CADERNO DE PROVAS Cargo PROFESSOR ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO INCLUSIVA Domingo, 18 de abril de 2010

2 1. A Educação Especial na Antiguidade, Idade Média e parte da Idade Moderna tinha as seguintes concepções: demonológica, indivíduos possessos, doença provinda de castigo de Deus. No final do século XIX passou a ser segregada em instituições para cuidado, proteção, tratamento médico. No Brasil, com a primeira LDBN (Lei de Diretrizes e Bases Nacional), Lei n o 4.024/61, reafirmou o direito dos excepcionais à educação, indicando em seu artigo 88 que, para integrá-lo à comunidade, sua educação deveria, dentro do possível, enquadrar-se no sistema geral de educação. A LDBN 5.692/71 em seu artigo 9º diz que os alunos que apresentam deficiências físicas ou mentais, os que se encontram em atraso considerável quanto à idade regular de matrícula e os superdotados deverão receber tratamento especial, de acordo com as normas fixadas pelos competentes Conselhos de Educação. A LDBN 9.394/96 apresenta os artigos 58, 59 e 60, específicos da Educação Especial, apontando a necessidade de currículos, métodos e técnicas específicas para atender estes educandos entre outros. Com base no texto acima, assinale a principal mudança ocorrida em relação à Educação Especial contida na LDBN vigente (Lei no 9.394/96): ( A ) Prestar assistência médica a crianças deficientes mentais e não propriamente atendimento educacional. ( B ) Oferecer educação literária e ensino profissionalizante a todos os educandos portadores de necessidades especiais. ( C ) Assegurar o acesso igualitário dos alunos com necessidades especiais aos programas de assistência ao educando, que forem executados no ensino regular. ( D ) Criar classes específicas nas escolas de ensino regular, para o atendimento dos educandos com necessidades especiais. ( E ) Realizar convênios com órgãos públicos e privados, nacionais e estrangeiros, para o atendimento dos educandos especiais. 2. A LDBN 9.394/96 também altera a faixa etária do início de atendimento da Educação Especial (Art. 58). Assinale a resposta correta: ( A ) Atendimento a partir de 6 anos (início do Ensino Fundamental); ( B ) Atendimento de crianças maiores de 7 anos; ( C ) Atendimento de crianças ingressantes no 6º ano do Ensino Fundamental; ( D ) Atendimento iniciando na faixa de zero a seis anos; ( E ) Atendimento iniciando na faixa de três a seis anos. 3. A LDBN 9.394/96 (Art. 59) ressalta a importância de promover especialização adequada aos professores de classes especiais que atenderão os alunos com necessidades especiais. Quanto a essa formação específica, o professor deve: ( A ) Possuir especialização adequada em nível médio ou superior, para atendimento especializado, bem como professores do ensino regular serem capacitados para a integração desses educandos nas classes comuns; ( B ) Possuir especialização em nível superior (graduação); ( C ) Possuir especialização em nível superior com pós-graduação específica; ( D ) Possuir exclusivamente o ensino médio específico; ( E ) Possuir qualquer graduação.

3 4. O Art. 60 da LDBN 9.394/96, em seu parágrafo único, diz: O Poder público adotará, como alternativa preferencial, a ampliação do atendimento aos educandos com necessidades especiais na própria rede pública regular de ensino, independentemente do apoio às Instituições previstas neste artigo. A que instituições se refere esse parágrafo? ( A ) Secretarias Municipais e Estaduais; ( B ) Conselho Estadual de Educação; ( C ) Instituições específicas, APAES, programas de atendimento a superdotados e outros; ( D ) Instituições particulares; ( E ) Empresas preocupadas com a filantropia. 5. Importante discussão sobre a educação especial, acontecida na Espanha em ( A ) Declaração Mundial sobre Educação para Todos; ( B ) Convenção sobre os Direitos da Criança; ( C ) Declaração de Salamanca; ( D ) Normas de acessibilidade NBR 9050; ( E ) Diretrizes Internacionais sobre a Educação Especial. 6. Os Pressupostos Viabilizadores do Processo de Inclusão da Proposta de Santa Catarina, nos seus diferentes saberes, tais como: educação infantil, alfabetização, avaliação, educação e trabalho, tecnologia educacional, disciplinas do curso de magistério e todas as demais áreas do conhecimento constituir-se-ão nos mecanismos que darão sustentação a uma prática pedagógica inclusiva. De que forma a escola pode organizar e estruturar sua prática pedagógica no sentido de viabilizar a apropriação do conhecimento? Como superar mecanismos de avaliação baseados em requisitos prévios e classificatórios? Que relações de ensino-aprendizagem devem ser estabelecidas a fim de formar cidadãos atuantes no processo de transformação da sociedade? Qual a função do professor no espaço de sala de aula? (PROPOSTA CURRICULAR DO ESTADO DE SANTA CATARINA) Essas são algumas indagações da Proposta Curricular de Santa Catarina e, ao mesmo tempo, o documento propõe algumas sugestões que podem ser delineadas na perspectiva de constituírem-se no eixo condutor do redimensionamento da prática pedagógica da Educação Inclusiva. Que sugestões seriam essas? ( A ) Apoiar a Inclusão exclusivamente nas primeiras séries do Ensino Fundamental; ( B ) Utilizar conteúdos pré-estabelecidos para as séries regulares; ( C ) Oportunizar a construção e reconstrução do conhecimento permanente, produzido em conjunto por alunos e professores, como tentativa de responder aos desafios de suas realidades e de lutar por uma sociedade igualitária. Selecionar conteúdos. Contar com a discussão coletiva e participação ampla de todos; ( D ) Realizar avaliações conforme os padrões utilizados no ensino regular; ( E ) Encaminhar os educandos para as instituições especializadas. 7. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo são de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB), dos Organismos de Normalização Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais Temporárias (ABNT/CEET), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros). A ABNT NBR 9050 foi elaborada

4 no Comitê Brasileiro de Acessibilidade (ABNT/CB 40), pela Comissão de Edificações e Meio (CE 40:001.01). O Projeto circulou em Consulta Pública conforme Edital nº 09 de , com o número Projeto NBR Essa Norma substituiu a ABNT NBR 9050:1994. O que estabelece a norma NBR 9050? ( A ) Esta Norma estabelece diretrizes gerais a serem observadas para acessibilidade em comunicação na televisão, consideradas as diversas condições de percepção e cognição, com ou sem a ajuda de sistema assistido ou outro que complemente necessidades individuais. ( B ) Esta Norma fixa os critérios e parâmetros técnicos de acessibilidade a serem observados quando do projeto, construção, instalação e localização de equipamentos destinados à prestação de informações e serviços de autoatendimento bancário. ( C ) Esta Norma estabelece os padrões e critérios que visam propiciar às pessoas portadoras de deficiência condições adequadas e seguras de acessibilidade autônoma ao espaço aeroportuário e às aeronaves das empresas de transporte aéreo público regular, regional e suplementar. ( D ) Esta Norma estabelece os critérios e parâmetros técnicos a serem observados para acessibilidade no sistema de trem urbano ou metropolitano, de acordo com os preceitos do Desenho Universal. ( E ) Esta Norma estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quando do projeto, construção, instalação e adaptação de edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos às condições de acessibilidade. 8. A Educação Especial está contemplada em muitas leis nacionais e internacionais (Constituição Brasileira, Estatuto da Criança e do Adolescente, LDBN, decretos, outras Leis e declarações importantes em nível nacional e internacional, que lutam pelos direitos dos portadores de necessidades especiais). Essa classificação de portadores de necessidades especiais contempla os comprometidos cognitivamente e os não comprometidos cognitivamente, como por exemplo os portadores de algum tipo de deficiência física. Quando a deficiência é mental, pode ser em consequência de muitos fatores: genéticos (hereditários ou não), fatores ambientais e outros. Também pode estar relacionada a fatores neurológicos, como é o caso das doenças desmielinizantes, que impedem a passagem de informações ao Sistema Nervoso Central. De que forma as doenças desmielinizantes impedem a passagem de informações ao Sistema Nervoso Central? ( A ) O córtex sensitivo, também denominado córtex granular, por possuir camadas celulares com abundantes grânulos, responsáveis pela recepção das fibras nervosas comunica-se com o córtex motor e, dessa forma, interpreta as informações. Caso isso não ocorra as informações não são processadas. ( B ) As fibras nervosas localizadas no interior e fora do cérebro são envoltas por uma membrana isolante denominada bainha de mielina e forma muito semelhante ao isolamento de um fio elétrico. A bainha de mielina permite que impulsos elétricos sejam conduzidos ao longo da fibra nervosa, com velocidade e precisão. Quando a mielina é lesada, os nervos não conduzem os impulsos nervosos de modo adequado. ( C ) A hipófise, também chamada de glândula mestra do organismo, é um órgão pequeno. Situa-se no interior da caixa craniana. Ela coordena o funcionamento das demais glândulas, obedece a estímulos do hipotálamo e interpreta as informações recebidas. Se isso não ocorrer as informações não são decodificadas.

5 ( D ) O tronco cerebral serve como retransmissor para os sinais provenientes de centros neurais superiores, que lhe ordenam que inicie ou modifique algumas funções especiais de controle e, desta forma, realiza o processo de recepção das informações que chegam ao SNC (Sistema Nervoso Central). Se ocorrer algum impedimento isto não acontece. ( E ) O tálamo recebe informações sensoriais do corpo e as passa para o Córtex cerebral. O córtex cerebral envia informações motoras para o tálamo que, posteriormente, as distribui pelo corpo. Alguma falha nessa comunicação impede o processamento das informações. 9. O professor deve entender que qualquer atividade física ou psicomotora desenvolvida com seu aluno estimula funções cognitivas que facilitam o processo de aprendizagem. O cérebro em desenvolvimento é plástico, ou seja, capaz de reorganização de padrões e sistemas de conexões sinápticas com vistas à readequação do crescimento do organismo às novas capacidades intelectuais e comportamentais da criança. As células em desenvolvimento têm maior capacidade de adaptação do que as maduras; por isso, com o avanço da idade e diminuição da plasticidade, a aprendizagem requer o emprego de muito mais esforço para se efetivar. Logo, as pessoas não deixam de aprender quando amadurecem, mas perdem um pouco das vantagens naturais. Ao educador cabe lembrar que a eficácia de uma aprendizagem se relaciona fortemente com a sua continuidade (repetição), aplicação e construção de processos dinâmicos de pensamento (discussão, problematização, e argumentação) (FACCHINI, 2001, p. 100). Esse processo neurológico denomina-se plasticidade neural ou neuronal. Que atividades o educador pode realizar, para estimular a reabilitação do cérebro, a fim de promover reconexão de circuitos neuronais lesados? ( A ) Encaminhar o educando para sessões de fisioterapia; ( B ) Realizar exercícios fonoarticulátórios, envolvendo movimento da boca, lábios, bochechas, língua; ( C ) Desenvolver o potencial respiratório mediante atividades de sopro, com bolinhas de sabão, assoprar com canudos de refrigerante; ( D ) Estimular o educando a discriminar sons. Ouvir sons diferenciados, comparar sons semelhantes, identificar sons de animais; ( E ) Desenvolver atividades psicomotoras que envolvam o equilíbrio, a coordenação dos movimentos, a orientação espacial, entre outros, além da brincadeira e dos jogos de regras que estimulam a participação dos educandos. 10. O cérebro está dividido em: lobo frontal, temporal, parietal, occipital, cerebelo e tronco encefálico. Qual seria a função do lobo frontal? ( A ) Controla os reflexos e funções automáticas (frequência cardíaca, pressão arterial), movimentos dos membros e funções viscerais (digestão, micção); ( B ) Integra informações do sistema vestibular que indicam posição e movimento e utiliza essas informações para coordenar os movimentos dos membros; ( C ) Está envolvido no planejamento de ações e movimento. Tem a ver com estratégia. A sua função parece incluir o pensamento abstrato e criativo, respostas afetivas e capacidade para ligações emocionais, julgamento social, vontade e determinação para ação e atenção seletiva. ( D ) Está envolvido na recepção e processamento das informações sensoriais do corpo ( E ) Está relacionado à memória, à audição, ao processamento e percepção de informações sonoras, capacidade de entender a linguagem e ao processamento visual de ordem superior.

6 11. Até há pouco tempo, os neurocientistas acreditavam que, uma vez completado seu desenvolvimento, o cérebro era incapaz de mudar, particularmente, em relação às células nervosas, ou neurônios. Aceitava-se o dogma segundo o qual os neurônios não podiam se autorreproduzir ou sofrer mudanças significativas quanto às suas estruturas de conexão com os outros neurônios. As pesquisas dos últimos 10 anos têm revelado um quadro inteiramente diferente. Em resposta aos jogos, estimulações e experiências, o cérebro exibe o crescimento de conexões neuronais. Em experiências realizadas com ratos, que foram criados em um ambiente enriquecedor - uma gaiola cheia de brinquedos e dispositivos tais como bolas, rodas, escadas, rampas, etc. - desenvolviam um córtex cerebral significativamente mais espesso do que aqueles criados em um ambiente mais limitado, sem os brinquedos ou vivendo isolados. O aumento da espessura do córtex não era devido apenas a um maior número de células nervosas, mas havia também um aumento expressivo de ramificação de seus dendritos e das interconexões com outras células. Se o resultado se mantém positivo com ratos, há uma grande possibilidade de acontecer o mesmo com humanos, principalmente, crianças que estejam em processo inicial de aprendizagem e também aqueles que sofreram algum tipo de lesão cerebral. Com base nessa teoria, o que seria necessário para que ocorresse o crescimento das conexões neurais em humanos? ( A ) Ingerir complementos vitamínicos à base de zinco e cálcio, a fim de fortalecer as células do Sistema Nervoso Central; ( B ) Praticar atividades físicas exclusivamente com orientação médica, respeitando a capacidade física individual; ( C ) Interagir com atividades lúdicas, música, exercícios corporais e mentais; ( D ) Praticar exercícios fonoarticulatórios, e dormir pelo menos oito horas diárias; ( E ) Ingerir substâncias anticoagulantes, a fim de melhorar a circulação sanguínea nos tecidos cerebrais. 12. A síndrome de Down, síndrome de Klinefelter, síndrome de Cri Du Chat e síndrome de Huntchinson-Gilford, quanto à causa são classificadas como síndromes de ordem: ( A ) Neurológica; ( B ) Paraneoplásica; ( C ) Cromossômica; ( D ) Traumatológica; ( E ) Fenotípica. 13. Algumas deficiências mentais têm como causa a má formação do Sistema Neurológico da criança. Em que fase infantil forma-se o sistema nervoso da criança? ( A ) No primeiro semestre de gestação; ( B ) No primeiro trimestre de gestação; ( C ) Ao longo da gestação; ( D ) No momento da concepção; ( E ) Nos últimos três meses de gestação.

7 14. A causa mais comum das deficiências mentais está relacionada à anoxia sofrida pelas crianças durante o parto. O teste APGAR é realizado no primeiro minuto do nascimento e repetido aos cinco minutos de vida do bebê, é realizado tendo em vista detectar a probabilidade de a criança ter problemas neurológicos. Quais são os aspectos avaliados no teste APGAR? ( A ) Frequência cardíaca, respiração, movimento de apreensão dos dedos, cor das unhas, reflexos; ( B ) Frequência cardíaca, respiração, movimento dos membros inferiores e superiores, cor das bochechas, choro; ( C ) Frequência cardíaca, respiração, aparência muscular, cor da pele, movimento de marcha; ( D ) Frequência cardíaca, inspiração, expiração, movimento da cabeça, cor da pele; ( E ) Frequência cardíaca, respiração, tônus muscular, cor, irritabilidade reflexa. 15. Doença hemolítica do recém-nascido causada pela incompatibilidade sanguínea do Fator RH entre o sangue materno e o sangue do bebê. O problema se manifesta durante a gravidez de mulheres RH negativo que estejam gerando um filho RH positivo. Para que isso aconteça, o pai da criança precisa necessariamente ter o Fator RH positivo. As hemácias do feto, que carregam o Fator RH positivo, desencadearão um processo no qual o organismo da mãe começará a produzir anticorpos. Esses anticorpos chegarão até a circulação do feto, destruindo as suas hemácias. É dessa maneira que a doença se origina. Outras consequências da doença podem ser deficiência mental, surdez, paralisia cerebral e icterícia, causada pelo excesso de bilirrubina no sangue - pigmento gerado pelo metabolismo das células vermelhas do sangue - e caracterizada pela cor amarelada da pele. Que nome recebe essa doença, causada por essa incompatibilidade sanguínea? ( A ) Icterícia do metabolismo; ( B ) Bilirrubina no sangue; ( C ) Eristoblastose fetal; ( D ) Paralisia de bilirrubina; ( E ) Hemacitose. 16. A deficiência auditiva traz muitas limitações para o desenvolvimento do indivíduo. Considerando que a audição é essencial para a aquisição da linguagem falada, sua deficiência influi no relacionamento social da criança e cria lacunas nos processos psicológicos de integração de experiências, afetando o equilíbrio e a capacidade normal de desenvolvimento da pessoa. Os fatores ambientais que levam à surdez podem atuar no período pré-natal ou pós-natal. Quais seriam os fatores ambientais significativos que levam à surdez no período pré-natal? ( A ) Rubéola, sífilis e toxoplasmose; ( B ) Medicamentos, toxoplasmose, doença de chagas; ( C ) Toxoplasmose, diabetes melito, icterícia; ( D ) Macrossomia fetal, toxoplasmose e varicela; ( E ) Hipotireoidismo, listeriose, toxoplasmose. 17. Quais seriam as doenças significativas que levam à surdez no período pós-natal? ( A ) Traumatismo craniano, febre maculosa, meningite; ( B ) Drogas ototóxicas, convulsões, pneumonia; ( C ) Febre tifóide, meningite, intoxicações; ( D ) Sarampo, caxumba, meningite; ( E ) Rubéola, meningite, diabetes melito.

8 18. Quanto aos alunos com deficiência visual há os educandos cegos e os portadores de baixa visão. A baixa visão é caracterizada pela impossibilidade de ver a distância, devido a alterações decorrentes de lesões ou outras afecções na retina, no nervo óptico ou no campo visual, mesmo após intervenção cirúrgica ou tratamento. Em muitos casos, há uma perda progressiva e irreversível da visão, cujo processo pode ser lento e provocar efeitos emocionais e outros impactos em todas as esferas de vida do sujeito. Existem alguns recursos não ópticos, que podem ser utilizados pelo educador para auxiliar esse educando. Que recursos seriam esses? ( A ) Carteira adaptada, com a mesa inclinada para que o aluno possa realizar as atividades com conforto visual e estabilidade da coluna vertebral. Lápis 4B ou 6B, canetas de ponta porosa, suporte para livros, cadernos com pautas pretas espaçadas, tiposcópios (guia de leitura, gravadores, Softwares com magnificadores de tela e programas com síntese de voz. ( B ) Telescópio, usado para leitura no quadro-negro, restringem muito o campo visual; lunetas, óculos especiais com lentes de aumento que servem para melhorar a visão de perto. (óculos bifocais, lentes esferoprismáticas, lentes monofocais esféricas, sistemas telemicroscópicos). Lupas manuais ou lupas de mesa e de apoio: úteis para ampliar o tamanho de fontes para a leitura. ( C ) Uso de óculos, lentes de contato ou cirurgia refrativa que procura modificar a curvatura da córnea, provocando achatamento da parte central, para que a imagem se forme na retina. ( D ) Acompanhar o envelhecimento do olho, pois o cristalino perde aos poucos a sua elasticidade. Com isso, o olho fica sem capacidade de acomodar-se, ou seja, conseguir foco para ler. ( E ) Oferecer tratamento clínico contínuo, com medicação que evita a dilatação da pupila; ou a perfuração da íris com LASER, permitindo o escoamento do humor aquoso. 19. O baixo rendimento em sala de aula, muitas vezes, está relacionado a algum problema de visão e o estudante, pais e professores nem se dão conta disso. E, quanto menor a idade desse aluno, maior é a dificuldade para identificar essa deficiência, porque a criança não sabe avaliar que enxerga mal. Ao propormos as seguintes situações, procure identificar que tipo de problema de visão a criança apresenta: Situação 1 uma criança, ao realizar a leitura, aproxima o livro dos olhos, quer sentar-se sempre nas primeiras carteiras para copiar do quadro, abaixa a cabeça bem próximo do caderno quando escreve. Situação 2 um educando, ao realizar a leitura de um jornal, afasta-o mais longe possivel para lê-lo. Situação 3 um aluno, ao copiar suas atividades do quadro, tem a sensação de que as palavras estão embaçadas ou distorcidas. ( A ) Hipermetropia (que será corrigida com lentes divergentes), miopia (que será corrigida com lentes convergentes), astigmatismo (que será corrigido com lentes cilíndricas); ( B ) Miopia (que será corrigida com lentes convergentes), Hipermetropia (que será corrigida com lentes divergentes), astigmatismo (que será corrigido com lentes cilíndricas); ( C ) Miopia (que será corrigida com lentes divergentes), Hipermetropia (que será corrigida com lentes convergentes), astigmatismo (que será corrigido com lentes cilíndricas); ( D ) Astigmatismo (que será corrigido com lentes cilíndricas), Hipermetropia (que será corrigida com lentes convergentes, Glaucoma (que será corrigido com tratamento oftalmológico); ( E ) Presbiopia (que será corrigida com exercícios oftalmológicos), Hipermetropia (que será corrigida com lentes divergentes), astigmatismo (que será corrigido com lentes cilíndricas).

9 20. Doença genética, de caráter autossômico recessivo decorrente da deficiência da enzima fenilalanina-hidroxilase. Em consequência, a fenilalanina acumula-se no sangue do recém-nascido, com efeitos tóxicos do sistema nervoso central, podendo causar até a deficiência mental severa. O tratamento precoce previne essas alterações. Portanto o exame a ser solicitado é a dosagem da Fenilalanina (PKU). Qual é o nome desta principal doença detectada pelo teste do pezinho que pode ocasionar doença mental? ( A ) Galactosemia; ( B ) Deficiência da G6 PD; ( C ) Fenilcetonúria; ( D ) Hemoglobinopatias; ( E ) Citomegalovirose. 21. Doença congênita que se caracteriza pela deficiência de hormônios tireoidianos detectada em bebês no momento do nascimento, também por meio do teste do pezinho, que causa deficiência mental, atraso no crescimento e apatia, se não tratada de imediato. ( A ) Distúrbios dos ácidos orgânicos; ( B ) Aminoacidopatias; ( C ) Hipertireoidismo Congênito; ( D ) Hipotireoidismo Congênito; ( E ) Tireoidismo Congênito. 22. "Dificuldades de Aprendizagem é um termo genérico que se refere a um grupo heterogêneo de desordens manifestadas por dificuldades significativas na aquisição e uso da audição, fala, leitura, escrita, raciocínio ou habilidades matemáticas. Esses transtornos são intrínsecos ao indivíduo e presume-se que são devido à disfunção do Sistema Nervoso Central. Apesar de que uma dificuldade de aprendizagem pode ocorrer concomitantemente com outras condições incapacitantes (por exemplo, deficiência sensorial, retardo mental, distúrbio social e emocional) ou influências ambientais (por exemplo, diferenças culturais, instrução insuficiente/inadequada, fatores psicogênicos), não é o resultado direto dessas condições ou influências. Dessa forma verifica-se que as dificuldades de aprendizagem provêm de fatores: orgânicos, cognitivos, psicológicos, ambientais e pedagógicos. Identifique nas respostas abaixo quais seriam as causas das dificuldade de aprendizagem que correspondem a fatores ambientais: ( A ) Desorganização das funções perceptivo-motoras; ( B ) Neuropatologias, lesões cerebrais na linguagem; ( C ) Privação sociocultural, nível de escolaridade dos pais,carência de estimulação; ( D ) Exposição a temperaturas oscilantes, ambientes pouco motivadores; ( E ) Disfunções intelectuais como a percepção e a atenção. 23. Ao propormos as três situações seguintes, procure identificar a que fatores correspondem as dificuldades de aprendizagem: Situação 1 - uma criança chega à escola com um vocabulário restrito e rudimentar, muitas vezes aprendido dos irmãos mais velhos e com uma fraca estrutura sintática e apresenta dificuldades na aprendizagem da leitura e escrita.

10 Situação 2 uma criança chega à escola com má nutrição, sistema imunológico baixo, com frequentes doenças e processos de internação hospitalar, e apresenta dificuldade de aprendizagem relacionada a cálculos matemáticos. Situação 3 uma criança chega ao primeiro ano do Ensino Fundamental, na metade do ano letivo, com uma história escolar de muitas transferências anteriores de estabelecimentos de ensino. ( A ) Cognitivo, orgânico, psicológico; ( B ) Ambiental, orgânico, psicológico; ( C ) Cognitivo, orgânico, ambiental; ( D ) Ambiental, orgânico, pedagógico; ( E ) Psicológico, orgânico, ambiental. 24. As crianças com dificuldades de aprendizagem apresentam as seguintes características: problemas de atenção, problemas perceptivos, problemas emocionais, problemas de memória (de curto, médio e longo prazo; memória auditiva e memória visual), problemas psicolinguísticos, problemas psicomotores. Ao propormos as situações seguintes procure identificar que característica esta criança com dificuldade de aprendizagem está apresentando: Situação 1 - ao realizar um pequeno ditado <A faca furou a vela> - o aluno escreveu - <A vaca vurou a fela>. Situação 2 uma criança se confunde com a presença de estímulos simultâneos, se distrai com barulhos externos. Situação 3 uma criança foi à escola com a tia porque a mãe estava doente. Situação 4 uma criança tem dificuldade em recontar a história que ouviu porque não teve a compreensão de todas as palavras. ( A ) Memória visual, problema perceptivo, problemas emocionais, memória auditiva; ( B ) Memória auditiva, problemas de atenção, problemas emocionais, problemas psicolinguísticos; ( C ) Problemas psicolinguísticos, problemas de memória, problemas emocionais, problemas de memória auditiva; ( D ) Memória auditiva, problema perceptivo, problemas emocionais, memória visual; ( E ) Problemas psicolinguísticos, problemas de atenção, problemas emocionais, problemas psicolinguísticos. 25. Crianças com dificuldades de aprendizagem apresentam, em alguns casos, problemas psicomotores. Ao propormos as situações seguintes, procure identificar que problema psicomotor está sendo apresentado: Situação 1 a criança copia uma frase do quadro - <O dado caiu no dedão do pé> - e o resultado de sua cópia é - < O babo caiu no bebão bo qé>. Situação 2 a criança apresenta dificuldade em recontar a história relatada pela professora e a inicia pelo final. Situação 3 a criança, ao copiar uma frase do quadro, usa desordenadamente as linhas de seu caderno.

11 ( A ) Problema de acuidade auditiva, problema de memória, problema de atenção; ( B ) Problema perceptivo, problema de noção espacial, problema de lateralidade; ( C ) Problema de equilíbrio, problema de fala, problema de espaço; ( D ) Problema de coordenação motora, problema de praxia ampla, noção de tempo; ( E ) Problema de lateralidade, noção de tempo, noção de espaço. 26. Quando se fala das dificuldades de leitura e escrita, e especificamente do processo de alfabetização, é importante que sejam questionadas as condições da criança que o inicia, verificando se ela já adquiriu suficiente desenvolvimento físico, intelectual e emocional, bem como todas as habilidades e funções necessárias para aprender. Ao alfabetizador cabe a responsabilidade de, mediante situações concretas, envolvendo objetos e o próprio corpo do aluno, com atividades motoras, preparar a criança, antes de expô-la a atividades gráficas. Quais seriam esses pré-requisitos para a aquisição da leitura e da escrita? ( A ) Maturação biológica, ambiente cultural, idade, grau de estimulação, influência dos meios de comunicação, repetição de sinais gráficos; ( B ) Memória, soletração, discriminação auditiva, escrever números, segurança, usar lápis de diâmetro grande; ( C ) Associação de sons aos símbolos, reproduzir graficamente a palavra no papel, postura, obedecer às margens do papel; ( D ) Possuir perfeito domínio motor para os traçados gráficos, copiar as palavras letra por letra, saber colorir com pincel; ( E ) Percepção, noção de esquema corporal, noção de lateralidade, orientação espacial e temporal, coordenação visomotora, noção de ritmo, análise e síntese visual e auditiva, memória cinestésica, linguagem oral. 27. Qualquer problema de aprendizagem implica amplo trabalho do professor junto à família da criança, para analisar situações e levantar características, visando descobrir o que está representando dificuldade ou empecílho para que o aluno aprenda. Quanto às dificuldades de escrita existem alguns tipos de distúrbios específicos. Denomina-se Disgrafia o distúrbio em que o educando: ( A ) Apresenta traçado de má qualidade, distorção de letras, separações inadequadas das letras, espaço irregular entre as palavras e linhas; ( B ) Não apresenta o desenvolvimento da coordenação visomotora, não movimenta adequadamente os olhos, braços, e não apresenta movimento de preensão, tem problemas de fala; ( C ) Apresenta problemas de discriminação auditiva e visual, tem postura errada do tronco, cabeça e braços ao escrever, é canhota; ( D ) Observa as palavras escritas, mas não compreende a linguagem falada ou a linguagem escrita; ( E ) Apresenta todas as formas de linguagem afetadas. 28. A dificuldade em aprender matemática pode ter várias causas: pedagógicas, capacidade intelectual limitada e disfunções do sistema nervoso central. Essas desordens têm sido consideradas como formas de Discalculia. No entanto, devido à complexidade dos símbolos aritméticos envolvidos, há vários tipos de Disalculia: Verbal - dificuldade para nomear as quantidades matemáticas, os números, os termos, os símbolos e as relações. Discalculia Practognóstica - dificuldade para enumerar, comparar e manipular objetos reais ou em imagens matematicamente. Discalculia Léxica - Dificuldades na leitura de símbolos matemáticos. Discalculia Gráfica - Dificuldades na escrita de

12 símbolos matemáticos. Discalculia Ideognóstica Dificuldades em fazer operações mentais e na compreensão de conceitos matemáticos. Discalculia Operacional - Dificuldades na execução de operações e cálculos numéricos. De acordo com as situações seguintes, aponte qual o tipo de discalculia que o educando apresenta: Situação 1 uma criança, quando questionada sobre as operações matemáticas, resolve todas as propostas de intervenção, sabe a tabuada, porém quando tem que resolver uma expressão numérica, não consegue seguir os passos para a resolução desta. Situação 2 uma criança realiza os cálculos de um problema matemático, por meio de contas escritas, mas tem dificuldade em realizá-lo mediante representação mental. Situação 3 uma criança tem dificuldade em ler o valor de um cheque. ( A ) Discalculia ideognóstica, Discalculia gráfica, Discalculia operacional; ( B ) Discalculia gráfica, Discalculia practognóstica, Discalculia verbal; ( C ) Discalculia léxica, Discalculia ideognóstica, Discalculia operacional; ( D ) Discalculia operacional, Discalculia ideognóstica, Discalculia léxica; ( E ) Discalculia gráfica, Discalculia operacional, Discalculia ideognóstica. 29. Outro problema enfrentado na escolarização das crianças é a Dislexia. Este distúrbio é uma dificuldade primária do aprendizado abrangendo: leitura, escrita e soletração ou uma combinação de duas ou três destas dificuldades. Aponte qual a alternativa que apresenta os possíveis sintomas da criança que possui dislexia: ( A ) Demora a aprender a fazer laços no sapato; a reconhecer as horas;tem dificuldade em reconhecer esquerda/direita; dificuldade em reconhecer os dias da semana; lê, mas não compreende; ( B ) Apresenta baixa inteligibilidade da fala devido à má articulação; ( C ) Possui sentimentos, emoções ou atitudes perturbadoras, baixa visão; ( D ) Apresenta fala acompanhada de sons, gestos e tiques que perturbam; ( E ) Apresenta comportamento impaciente, acompanhado de gagueira. 30. O diagnóstico de dislexia não é simples de ser realizado, exige competência, dedicação, estudo e paciência. É necessária a participação de uma equipe multidisciplinar, na qual profissionais especializados farão avaliações minuciosas para excluir patologias psicológicas, deformidades congênitas ou adquiridas e problemas emocionais. A equipe deve ser formada por um neuropsicólogo ou psicólogo, um psicopedagogo e um fonoaudiólogo. Em alguns casos há a necessidade de consultar um psiquiatra ou um neurologista. São pedidos exames oftalmológicos específicos e audiométricos. Quando necessário, exames neurológicos também se integram à avaliação. É importante averiguar, por meio de questionários, o nível social em que está inserido o examinando. Um profissional, apenas, não deve fechar o diagnóstico de dislexia. Um erro na avaliação poderá levar a tratamentos medicamentosos desnecessários, causando sérias consequências. Como o diagnóstico da dislexia é bastante complexo, ao professor compete observar alguns comportamentos e levantar hipótese, para em seguida sugerir uma avaliação mais apurada. Quais seriam as possíveis situações que a criança supostamente com dislexia poderia apresentar?

13 ( A ) Comete muitos erros de ortografia. Escreve de forma confusa. Não consegue ler palavras simples e monossilábicas, tais como rei ou bom ; ( B ) Ouve e vê, mas não compreende a linguagem falada ou a linguagem escrita. É canhota. Apresenta gagueira; ( C ) Não consegue formular conceitos. É portadora de baixa visão; ( D ) É tímida e não lê em público. Apresenta ansiedade. É muito organizada; ( E ) Realiza todas as tarefas de casa, sem ajuda. Sabe administrar o tempo para as atividades de casa. 31. Um aluno de sete anos, no segundo ano do Ensino Fundamental relata a sua professora as seguintes dificuldades: < eu demoro muito para copiar do quadro, eu me perco durante a cópia e demoro a encontrar a palavra que estava copiando, levo muito tempo para verificar cada palavra, pois preciso copiar letra por letra, quando a professora verifica meus cadernos encontra muitos erros, eu não gosto de ficar por último durante a cópia do quadro, eu não consigo juntar as sílabas para ler, e depois que eu escrevo eu nunca sei o que escrevi, eu tenho dificuldade para localizar as palavras no quadro, principalmente se ele for branco, parece que elas mudam de lugar>. Qual deverá ser a prática pedagógica do professor deste aluno? ( A ) Encaminhá-lo para avaliação com equipe multidisciplinar e para a classe especial; ( B ) Fazer que repita as frases copiadas do quadro, em voz alta, para que possa assimilá-las por meio da memória auditiva, utilizar o método de cópia para as palavras que têm maior dificuldade; ( C ) Usar uma régua vazada para ocultar outras palavras que não são necessárias no momento da leitura. Levá-lo a decorar a tabuada por meio da repetição; ( D ) Usar giz de cor diferente para cada linha, realizar a escrita bem espaçada, ler em voz alta para ele, estabelecer passos para a realização das atividades, estimular o uso da calculadora e do computador para escrever textos, encaminhá-lo para uma avaliação com uma equipe multidisciplinar; ( E ) Realizar atividades que reforcem a noção de tempo e espaço, incluir atividades psicomotoras nas atividades diárias, encaminhá-lo para a classe especial. 32. O TDA/H (transtorno por déficit de atenção com hiperatividade) pode ser definido como um transtorno de conduta crônica, com um substrato biológico muito importante, mas não devido a uma única causa, com uma forte base genética, e formada por um grupo heterogêneo de crianças. Inclui crianças com inteligência normal, ou muito próxima do normal, que apresentam dificuldades significativas, para adequar seu comportamento e/ou aprendizagem à norma esperada para sua idade (CONDEMARÍN, 2006). Os fatores que predispõem ao TDA/H podem ser de ordem genética (interação entre fatores genéticos e ambientais), não genético, nutricionais, neuroanatômicos. Que fatores estão relacionados às causas genéticas (interação entre fatores genéticos e ambientais) do TDA/H? ( A ) O TDA/H vem sempre acompanhado de outra doença; ( B ) O TDA/H provém do parto prematuro da criança; ( C ) A criança com TDAH utiliza-se somente do lobo frontal de seu cérebro; ( D ) Filhos de pais com TDA/H tem até 50% de possibilidade de sofrer do mesmo problema; ( E ) O TDA/H provém da alimentação da criança.

14 33. Que fatores estão relacionados às causas não genéticas do TDAH? ( A ) Filhos gêmeos, de pais TDA/H, apresentam entre 50% e 70% dos Sintomas; ( B ) Os genes parecem ser responsáveis, não pelo transtorno em si, mas por uma predisposição ao TDAH; ( C ) 50% das crianças com TDA/H têm pais afetados com o transtorno; ( D ) Crianças prematuras com baixo peso que sofreram anóxia. Efeitos secundários de anticonvulsivantes. Exposição a tóxicos no pré ou pós- natal. Traumatismo crânio- encefálico; ( E ) Uma combinação de vários genes, muitos dos quais afetam o transporte de dopamina. 34. Que fatores neuroanatômicos estão envolvidos no desenvolvimento do TDA/H? ( A ) Alterações nas áreas pré- frontais provocam falta de atenção, distração e incapacidade para inibir uma resposta; ( B ) A região parietal do cérebro foi afetada; ( C ) O nervo óptico não consegue realizar a conexão com a região occipital do cérebro; ( D ) A plasticidade neural não foi estimulada; ( E ) O processo de mielinização está completo. 35. Problemas emocionais podem estar associados ao TDA/H, e são denominados de comorbidade. Que problemas são estes? ( A ) Transtorno bipolar. Transtorno de ansiedade generalizada. Transtorno Obsessivo Compulsivo.Transtorno Desafiante de Oposição. Transtornos de conduta; ( B ) Transtorno mental; ( C ) Transtorno Nutricional (desnutrição); ( D ) Transtorno do sistema circulatório; ( E ) Transtorno mielinizante. 36. Autores como Maria Lúcia Weiss e Jorge Visca propõem um roteiro para avaliação da criança com dificuldade de aprendizagem que consiste na seguinte estrutura: entrevista inicial, E.O.C.A (Entrevista Operativa Centrada na Aprendizagem), Avaliação Pedagógica, Avaliação Cognitiva, Avaliação Afetiva, Avaliação Psicomotora, Devolutiva com os pais e a escola. Em que consiste a E.O.C.A (Entrevista Operativa Centrada na Aprendizagem) no momento do diagnóstico do educando com Dificuldade de Aprendizagem? ( A ) É o momento em que se observa a Linguagem Oral do educando (Pronúncia, entonação, prolação...); ( B ) É o momento em que se observa o discurso verbal do sujeito enquanto realiza atividades de colagem, pintura, recortes, construção de maquetes. Observa-se a postura do aluno, o vínculo que o educando possui com a aprendizagem; ( C ) É o momento em que se verifica os conceitos matemáticos adquiridos anteriormente; ( D ) É o momento em que se observa como o aluno escreve, se comete erros, se repete ou omite palavras; ( E ) É o momento em que se observa o comportamento do educando, se tem tolerância a frustrações, se é paciente/ impaciente.

15 37. Em que consiste a Avaliação Pedagógica no momento do diagnóstico do educando com Dificuldade de Aprendizagem? ( A ) Verificar as notas que o aluno recebeu durante suas atividades escolares; ( B ) Realizar uma prova dos conteúdos que a criança já teve durante sua frequência na escola; ( C ) Realizar uma verificação da leitura, escrita e dos conceitos matemáticos adquiridos; ( D ) Oportunizar uma situação em que a criança exponha suas habilidades motoras por meio de atividades de recortes, colagem, pintura; ( E ) Solicitar o desenho da dupla educativa. 38. Em que consiste a Avaliação Cognitiva no momento do diagnóstico do educando com Dificuldade de Aprendizagem? ( A ) Aplicar as Provas Operatórias de Piaget, a fim de verificar o estágio de desenvolvimento no qual o educando se encontra; ( B ) Verificar o raciocínio matemático, colocando desafios lúdicos e problemas formalizados; ( C ) Promover uma interação com o lúdico, a fim de construir um espaço de experimentação de transição entre o mundo interno e externo; ( D ) Avaliar o desenvolvimento da leitura, utilizando-se de diversos materiais; ( E ) Verificar os vínculos positivos ou inadequados com a matemática. 39. Em que consiste a Avaliação Afetiva no momento do diagnóstico do educando com Dificuldade de Aprendizagem? ( A ) Utilizar técnicas de regressão, a fim de resgatar conflitos que ficaram no subconsciente dos educandos; ( B ) Possibilitar viver o sofrimento psíquico com um outro, para poder gradativamente se apropriar dos meios de suportá-lo e transformá-lo; ( C ) Revelar o inconsciente infantil; ( D ) Revelar a influência do ambiente escolar e o desenvolvimento moral nos educandos; ( E ) Utilizar-se de instrumentos que deixem transparecer as relações que a criança possui em relação aos familiares, à escola, ansiedades e frustrações que estejam impedindo o processo de aprendizagem (entrevistas, textos, desenhos). 40. Em que consiste a Avaliação Psicomotora no momento do diagnóstico do educando com Dificuldade de Aprendizagem? ( A ) Verificar a compreensão da leitura mediante atividades Psicomotoras; ( B ) Verificar a compreensão da escrita mediante atividades psicomotoras; ( C ) Verificar a compreensão de conceitos matemáticos mediante atividades psicomotoras; ( D ) Verificar através de atividades variadas, a dominância dos elementos psicomotores que são habilidades necessárias para que aconteça o processo de aprendizagem; ( E ) Verificar por meio de atividades variadas, a dominância dos elementos psicomotores que são habilidades necessárias para que aconteça o processo de aquisição da linguagem oral.

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010 PROJETO DE LEI Nº 157/2010 A semana de conscientização sobre transtornos de aprendizagem, no âmbito do Estado do Espírito Santo. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Fica

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 O QUE É DEFICIÊNCIA MENTAL OU INTELECTUAL http://www.apaesp.org.br/sobreadeficienciaintelectual A Deficiência Intelectual, segundo a Associação Americana sobre Deficiência Intelectual do Desenvolvimento

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo.

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. Porém, traz para o surdo consequências sociais, educacionais e emocionais amplas e intangíveis.

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior)

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) Dispõe sobre o diagnóstico e o tratamento da dislexia na educação básica. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA;

Leia mais

DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA

DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA LINGUAGEM A linguagem é um sistema de signos que possibilita o intercâmbio

Leia mais

Transtornos de Aprendizagem

Transtornos de Aprendizagem Transtornos de Aprendizagem Web conferencista: Fga Maristella Abdala O ato de aprender ocorre no SNC - Complexa rede de funções: sensitivo-sensorial, motora-práxica, afetiva, cognitiva e coordenação -

Leia mais

Dificuldades de aprendizagem

Dificuldades de aprendizagem Dificuldades de aprendizagem Dificuldades versus distúrbios Dificuldades escolares ou de aprendizagem Origem externa: no ambiente e no outro. Distúrbios/transtornos Origem interna: disfunção do Sistema

Leia mais

DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ERONICE DE SOUZA LEÃO PSICOPEDAGOGA

DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ERONICE DE SOUZA LEÃO PSICOPEDAGOGA DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ERONICE DE SOUZA LEÃO PSICOPEDAGOGA DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NEM TODAS AS DIFICULDADES DE APRENDER SÃO TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia Artigo original: Fga: Profª Telma Pântano Adaptação: Fgas: Profª Lana Bianchi(CRFª: 2907/ SP) e Profª Vera Mietto(CFFª

Leia mais

Educação Especial. 5. O que é a Sala de Recursos Multifuncionais?

Educação Especial. 5. O que é a Sala de Recursos Multifuncionais? Educação Especial 1. Qual a definição de pessoa com deficiência? De acordo com a ONU, pessoa com deficiência é aquela que tem impedimentos de natureza física, intelectual ou sensorial, os quais, em interação

Leia mais

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas CEGUEIRA E CATARATA Perguntas e respostas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira 14. O que torna a pessoa cega? Somado aos acidentes e defeitos

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Julho de 2010

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Julho de 2010 Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Julho de 2010 Deficiência Múltipla A Deficiência Múltipla refere-se à associação de duas ou mais deficiências, conforme o Decreto nº 5.296, art. 5º (BRASIL,

Leia mais

Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de. Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010

Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de. Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010 Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de Aprendizagem Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010 Transtornos Globais do Desenvolvimento São consideradas pessoas com TGD

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Autor: Telma Pantano Data: 30/12/2009 Releitura realizada por Lana Bianchi e Vera Lucia Mietto. A identificação precoce de um

Leia mais

Desenvolvimento cognitivo e motor na infância: necessidades de jogos e brincadeiras

Desenvolvimento cognitivo e motor na infância: necessidades de jogos e brincadeiras Desenvolvimento cognitivo e motor na infância: necessidades de jogos e brincadeiras XVIII Semana de Estudos Pedagógicos, FAFICA Prof. Marcelo Velloso Heeren Catanduva, 2012 Sistema Nervoso Neurônio Neurônio

Leia mais

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Atendimento Educacional Especializado (AEE) O Atendimento Educacional Especializado (AEE) é um serviço da Educação Especial que organiza atividades, recursos pedagógicos

Leia mais

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal.

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. Entre os gregos e romanos antigos, havia divergências quanto à maneira de ver e considerar

Leia mais

Sistema Nervoso Organização Geral

Sistema Nervoso Organização Geral Sistema Nervoso Organização Geral O encéfalo é o centro da razão e da inteligência: cognição, percepção, atenção, memória e emoção, Também é responsável pelo controle da postura e movimentos, Permite o

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS

A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS Polyana Lucena Camargo de Almeida (G-UEL) poly_uel@yahoo.com.br Viviane Boneto Pinheiro (G-UEL) vivianeboneto@hotmail.com

Leia mais

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso Funções: Coordena o funcionamento dos outros sistemas. Controla os movimentos (voluntários e involuntários). É responsável pela recepção de estímulos externos e pela resposta

Leia mais

Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) em sala de aula

Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) em sala de aula Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) em sala de aula Quem são estas crianças? SISTEMA NERVOSO SISTEMA NERVOSO ORDENADOR QUE ASSEGURA A INTEGRAÇÃO RECEBIDA DO MUNDO EXTERIOR E DO PRÓPRIO

Leia mais

ATENDIMENTO DAS CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO-PR

ATENDIMENTO DAS CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO-PR ATENDIMENTO DAS CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO-PR Emylaine Maria Graciano de Souza (PIBIC Jr/CNPq), Gyovana Persinato Inoue (PIBIC Jr/CNPq), Heloísa

Leia mais

Visão Subnormal. Guia do Apresentador

Visão Subnormal. Guia do Apresentador Visão Subnormal Guia do Apresentador SLIDE 1 Introdução do apresentador. O propósito desta apresentação é oferecer informações sobre o que é a visão subnormal, o que pode ser feito sobre ela e onde se

Leia mais

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso Aula Programada Biologia Tema: Sistema Nervoso 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas,

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE)

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) Aleksandra Debom Garcia 1 Fatima Gomes Nogueira Daguiel 2 Fernanda Pereira Santana Francisco 3 O atendimento educacional especializado foi criado para dar um

Leia mais

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular Entrevistas PARTICIPAÇÃO, DIREITOS E CIDADANIA Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular 1 DE JUNHO DE 2015 A inclusão da pessoa com deficiência na escola regular está prevista

Leia mais

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down.

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Conceituando a Síndrome de Down (SD) Pedromônico; Perissinoto; Ramalho

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Hernandes Santos, Amarílis Alfabetização na inclusão

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Junho de 2010 Dificuldades de Aprendizagem (CORREIA;MARTINS, 2010, p.06) Desordens neurológicas que interferem na recepção, integração ou expressão de informação,

Leia mais

ADAPTAÇÃO CURRICULAR INDIVIDUALIZADA DE ALUNOS DISLÉXICOS EM ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE ESTEIO/RS

ADAPTAÇÃO CURRICULAR INDIVIDUALIZADA DE ALUNOS DISLÉXICOS EM ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE ESTEIO/RS 644 IV Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS ADAPTAÇÃO CURRICULAR INDIVIDUALIZADA DE ALUNOS DISLÉXICOS EM ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE ESTEIO/RS Aluna: Neuza Barbosa Michel,

Leia mais

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INFANTIL E PSICOMOTRICIDADE CLÍNICA

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INFANTIL E PSICOMOTRICIDADE CLÍNICA Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INFANTIL E PSICOMOTRICIDADE CLÍNICA ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Educação Infantil e Psicomotrocidade

Leia mais

Coordenação Motora. Acadêmicas: Ana Laura Maciel Francieli de Abreu Shayda Muniz

Coordenação Motora. Acadêmicas: Ana Laura Maciel Francieli de Abreu Shayda Muniz Coordenação Motora Acadêmicas: Ana Laura Maciel Francieli de Abreu Shayda Muniz É compreendida como resultado da relação entre o indivíduo que realiza o movimento, o ambiente e a tarefa realizada por este,

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem AUTISMO 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem Quem somos? Professoras das SRMF / AAE - Contagem Raquel Shirley Stella

Leia mais

O CÉREBRO DA CRIANÇA

O CÉREBRO DA CRIANÇA O CÉREBRO DA CRIANÇA Documentário da série A vida secreta do cérebro SINOPSE Uma professora de psicologia discute e apresenta uma proposta de atividade sobre o documentário Com a sílaba do som o cérebro

Leia mais

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula Introdução O corpo humano é coordenado por dois sistemas: o nervoso e o endócrino. O sistema nervoso é o que coordena, por meio da ação dos neurônios, as respostas fisiológicas, como a ação dos músculos

Leia mais

CAPÍTULO II: REVISÃO DE LITERATURA. 2.1 Conceito de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade

CAPÍTULO II: REVISÃO DE LITERATURA. 2.1 Conceito de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade CAPÍTULO I: INTRODUÇÃO O Transtorno de Déficit de Atenção (TDAH) pode ser definido como um transtorno neurobiológico, normalmente detectado ainda na infância. Podendo ser caracterizada pela desatenção,

Leia mais

Epilepsia e distúrbio de aprendizagem: tem relação?

Epilepsia e distúrbio de aprendizagem: tem relação? Epilepsia e distúrbio de aprendizagem: tem relação? Apresentação: Daniele Istile (2º ano) Maria Gabriela Cavalheiro (4ºano) Orientação: Doutoranda Thaís dos Santos Gonçalves Local: Anfiteatro da Biblioteca

Leia mais

25 de fevereiro 04-11-18 e 25 de março 08-15 e 22 de abril. 29 de abril 06-13 e 20 de maio. 27 de maio 03-10 e 17 de junho

25 de fevereiro 04-11-18 e 25 de março 08-15 e 22 de abril. 29 de abril 06-13 e 20 de maio. 27 de maio 03-10 e 17 de junho CURSOS 2013 CURSOS PROFISSIONAL DIA DA SEMANA DATAS HORÁRIO CARGA HORÁRIA INVESTIMENTO Boleto Bancário LEITURA DO DESENHO INFANTIL Esp. Juliane Feldmann 2ªs Feiras 25 de fevereiro 04-11-18 e 25 de março

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso

SISTEMA NERVOSO. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso SISTEMA NERVOSO Nos organismos menos complexos as funções de comunicação entre as várias

Leia mais

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219)

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219) Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219) Raios de Luz - Alguns filósofos gregos pensavam que nossos olhos emitiam raios que permitiam enxergar os objetos; - Só nos é possível ver quando há luz

Leia mais

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar Communication for All - In Search of the Social and Pertaining to School Inclusion Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS Carolina

Leia mais

Assumir a prevenção de perturbações de comunicação e linguagem e despiste no sentido da deteção precoce;

Assumir a prevenção de perturbações de comunicação e linguagem e despiste no sentido da deteção precoce; Definição de Terapeuta da Fala segundo o Comité Permanente de Ligação dos Terapeutas da Fala da União Europeia (CPLO),1994 O Terapeuta da Fala é o profissional responsável pela prevenção, avaliação, diagnóstico,

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM FOCO. PALAVRAS-CHAVE: avaliação dificuldades de aprendizagem contexto escolar

A AVALIAÇÃO EM FOCO. PALAVRAS-CHAVE: avaliação dificuldades de aprendizagem contexto escolar A AVALIAÇÃO EM FOCO Beatriz Biss Telles 1 Dalila Maria De Paula Antoneche 2 Maria Daiane Baranhuke Budzilo 3 RESUMO: O presente apresenta os resultados pesquisa de caráter exploratório, desenvolvida como

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando: RESOLUÇÃO Nº 07/2015. Estabelece normas para Educação Especial na perspectiva de educação inclusiva para Alunos com necessidades educacionais especiais durante o período escolar em todas as etapas e modalidades

Leia mais

PROJETO DE LEI N DE 2009 (Do Sr. Marcondes Gadelha) O Congresso Nacional Decreta:

PROJETO DE LEI N DE 2009 (Do Sr. Marcondes Gadelha) O Congresso Nacional Decreta: PROJETO DE LEI N DE 2009 (Do Sr. Marcondes Gadelha) Dispões sobre o reconhecimento e definição da dislexia e dá outras providências. O Congresso Nacional Decreta: Artigo 1º - Esta lei reconhece a dislexia

Leia mais

Elementos Estruturais e Funcionais do Sistema Nervoso

Elementos Estruturais e Funcionais do Sistema Nervoso CÉREBRO Cérebro O ser humano define-se por uma multiplicidade de caraterísticas que o distinguem dos outros animais. O seu organismo é constituído por um conjunto de orgãos e sistemas que se relacionam

Leia mais

BAIXA VISÃO (parte 2)

BAIXA VISÃO (parte 2) BAIXA VISÃO (parte 2) Juliana Moraes Almeida Silva O terapeuta Ocupacional tem um importante papel no processo de inclusão do aluno com baixa visão no ensino regular, pois além de confeccionar e se preocupar

Leia mais

FOLHA DE DADOS DEFICIÊNCIA VISUAL CORTICAL O QUE É A DEFICIÊNCIA VISUAL CORTICAL?

FOLHA DE DADOS DEFICIÊNCIA VISUAL CORTICAL O QUE É A DEFICIÊNCIA VISUAL CORTICAL? FOLHA DE DADOS DEFICIÊNCIA VISUAL CORTICAL O objetivo deste folheto: Folha de Dados é: 1- Para quem ler este folheto ter um entendimento sobre: O que é a deficiência visual cortical (DVC) Causas da DVC

Leia mais

AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA

AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA Laboratório de Psicofísica e Percepção AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA Fga. Joseane dos Santos Piola Doutoranda do Programa de Pós graduação em Psicobiologia 2009 AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA CLÍNICA: sentimentos-k-sinto-no-coraxao.blogspot.com

Leia mais

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente.

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e identificar as condições ambientais externas e as condições internas do organismo 1 LOCALIZAÇÃO: SISTEMA NERVOSO - CORPOS CELULARES:

Leia mais

Apresentadoras: Ana Paula Corrêa Julia Tognozzi Orientação: Profa. Dra. Mariza R. Feniman Co-orientação: Maria Renata José

Apresentadoras: Ana Paula Corrêa Julia Tognozzi Orientação: Profa. Dra. Mariza R. Feniman Co-orientação: Maria Renata José Apresentadoras: Ana Paula Corrêa Julia Tognozzi Orientação: Profa. Dra. Mariza R. Feniman Co-orientação: Maria Renata José "Você já pensou o porquê das crianças irem mal na escola, mesmo sendo inteligentes

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 24/01/2013 15:10. Centro de Ciências da Educação

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 24/01/2013 15:10. Centro de Ciências da Educação /1/13 15:1 Centro de Ciências da Educação Curso: 166 Educação Especial (Noturno) Currículo: 11/ 1 EDU.175.-1 Educação Inclusiva Educação Inclusiva: contextualização histórica, fundamentos e concepções.

Leia mais

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a seguir. COLÉGIO NOTRE DAME FONOAUDIOLOGIA PREVENTIVA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE PSICOLOGIA DISCIPLINA DE PSICOMETRIA TURMA B 2010.1 PROF. FÚLVIO ROCHA ATIVIDADE II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE PSICOLOGIA DISCIPLINA DE PSICOMETRIA TURMA B 2010.1 PROF. FÚLVIO ROCHA ATIVIDADE II UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL UFC CURSO DE PSICOLOGIA DISCIPLINA DE PSICOMETRIA TURMA B 2010.1 PROF. FÚLVIO ROCHA ATIVIDADE II 1- Esta atividade corresponderá à 2ª avaliação da disciplina

Leia mais

PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES.

PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES. PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES. TÍTULO: INSERÇÃO DO LÚDICO (BRINCAR) AO PROCESSO DA INCLUSÃO PRODUTIVA. INTRODUÇÃO Verifiquei a importância

Leia mais

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM O que o sistema processamento auditivo

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 As Instituições de Ensino Superior se vêem, cada vez mais, diante do desafio de criar estratégias eficazes que promovam a inclusão,

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA: ADAPTAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR PARA O ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

ORIENTAÇÃO TÉCNICA: ADAPTAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR PARA O ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL ORIENTAÇÃO TÉCNICA: ADAPTAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR PARA O ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL EDUCAÇÃO ESPECIAL LDB 9394/96 art. 58 Entende-se por educação especial, para os efeitos desta Lei, a modalidade

Leia mais

Dislexia Atenção aos Sinais

Dislexia Atenção aos Sinais Dislexia Atenção aos Sinais Aurea M. Stavale Gonçalves Psicopedagoga clínica e neuropsicóloga Credenciada pelo Centro de Avaliação e Encaminhamento da Associação Brasileira de Dislexia ABD O percurso até

Leia mais

Definições. Classificação. Atendimento educacional especializado - Educação Especial. Escolas especializadas Escolas da rede regular de ensino

Definições. Classificação. Atendimento educacional especializado - Educação Especial. Escolas especializadas Escolas da rede regular de ensino Conteúdos abordados Prof. Ivan Lima Schonmann CREF 082406-G/SP Deficiência intelectual e motora Definição Classificação Características Estratégias de trabalho Deficiência Intelectual (DI) IBGE 2010 Censo

Leia mais

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras.

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras. A Acomodação Capacidade do olho em focar a várias distâncias, desde o perto ao longe, por alteração da potência dióptrica do cristalino. Acuidade Visual Capacidade de discriminar dois pontos próximos como

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Julho de 2010

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Julho de 2010 Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Julho de 2010 Deficiência intelectual De acordo com o Decreto nº 5.296, a deficiência mental, atualmente denominada deficiência intelectual, refere-se ao

Leia mais

Capacitação docente para atendimento educacional especial:

Capacitação docente para atendimento educacional especial: Capacitação docente para atendimento educacional especial: Dislexia e TDAH Profa. Dra. Ednéia Hayashi Departamento de Psicologia Geral e Análise do Comportamento Membro do NAC 2012 e 2014 *material elaborado

Leia mais

Fga. Maria Aurélia de F. Coimbra Amatucci. out/2012

Fga. Maria Aurélia de F. Coimbra Amatucci. out/2012 Fga. Maria Aurélia de F. Coimbra Amatucci out/2012 É o que fazemos com que ouvimos. (Katz, 1996) É como a orelha conversa com o cérebro. (Musiek, 1994) Compreensão de como as orelhas comunicam-se com o

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

Índice. 1. Inclusão Teoria e Prática...3. 2. Crianças com Deficiência Visual...6

Índice. 1. Inclusão Teoria e Prática...3. 2. Crianças com Deficiência Visual...6 GRUPO 5.2 MÓDULO 4 Índice 1. Inclusão Teoria e Prática...3 1.1. Inclusão Escolar: Definição e Procedimentos de Intervenção... 3 1.1.1. Definição... 3 1.2. Movimentos Internacionais e Nacionais a Favor

Leia mais

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Biologia FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA NERVOSO Tem por função receber, associar, armazenar ou emitir informações garantindo assim

Leia mais

USANDO O ALFABETO MÓVEL COMO RECUSO DE RECUPERAÇÃO

USANDO O ALFABETO MÓVEL COMO RECUSO DE RECUPERAÇÃO USANDO O ALFABETO MÓVEL COMO RECUSO DE RECUPERAÇÃO Vera Lucia de Souza 1 ; Monique de Campos Ribeiro 2 ; Maria Rosa Leite da Silva 3; Kátia Nakamura 4; Maria de Lourdes dos Santos 5 1Bolsista/PIBID/PEDAGOGIA/UFGD.

Leia mais

DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE?

DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE? DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE? Lívia Ferreira da Silveira 1 Tatiana Azevedo de Souza da Cunha Lima 2 Resumo: O presente trabalho apresenta algumas reflexões acerca da historicidade e do conceito de dislexia

Leia mais

Programa de Promoção da Acessibilidade PPA

Programa de Promoção da Acessibilidade PPA Programa de Promoção da Acessibilidade PPA O que é o Programa de Promoção da Acessibilidade? É um programa institucional que tem como objetivo criar condições de acesso ao conhecimento as pessoas com deficiência

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM As dificuldades podem advir de fatores orgânicos ou emocionais. É importante descobri-las a fim de auxiliar o aluno no processo educativo. Além disso, é essencial que todos

Leia mais

Capitulo VI. 6.1 Intervenção Precoce. 6.1.1 - Da teoria à prática

Capitulo VI. 6.1 Intervenção Precoce. 6.1.1 - Da teoria à prática Capitulo VI 6.1 Intervenção Precoce 6.1.1 - Da teoria à prática Análogo ao que vem deliberado no despacho conjunto n.º 891/99, a intervenção precoce é uma medida de apoio integrado, centrado na criança

Leia mais

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA Angela T. Zuchetto Departamento de Educação Física, Centro de Desportos Universidade Federal de Santa Catarina Fone: 3318558 zuchetto@cds.ufsc.br Introdução O programa

Leia mais

Deficiência Auditiva. Definição. Definição, Classificação, Características e Causas

Deficiência Auditiva. Definição. Definição, Classificação, Características e Causas Deficiência Auditiva Definição, Classificação, Características e Causas Definição Impossibilidade total ou parcial de ouvir, e possui níveis de graduação que vão do leve ao profundo. Diferença existente

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Tecido Nervoso Compreende basicamente dois tipos celulares Neurônios unidade estrutural e funcional

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Pearson Education do Brasil. Orientações aos Municípios para Solicitação de. Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais

Pearson Education do Brasil. Orientações aos Municípios para Solicitação de. Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais Pearson Education do Brasil Orientações aos Municípios para Solicitação de Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais Outubro de 2012 Apresentação Este documento oferece orientações para que os gestores

Leia mais

Dislexia. O que é? Distúrbios de Aprendizagem Prof. Dorival Rosa Brito

Dislexia. O que é? Distúrbios de Aprendizagem Prof. Dorival Rosa Brito Dislexia O que é? A dislexia é um distúrbio na leitura afetando a escrita, normalmente detectado a partir da alfabetização, período em que a criança inicia o processo de leitura de textos. Seu problema

Leia mais

Avaliação ocupacional da pessoa. Renata Pavão Moreira Médica do trabalho Reunião Científica APAMT - 25/10/2014

Avaliação ocupacional da pessoa. Renata Pavão Moreira Médica do trabalho Reunião Científica APAMT - 25/10/2014 Avaliação ocupacional da pessoa com deficiência -casos práticos Renata Pavão Moreira Médica do trabalho Reunião Científica APAMT - 25/10/2014 Papel do médico do trabalho Análise enquadramento Adaptações

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação

Secretaria Municipal de Educação Secretaria Municipal de Educação Processo Seletivo (edital 002/2006) Caderno de Prova Educação Especial na Rede Municipal de Ensino e Entidades Conveniadas Educação Especial (9915) Secretaria Municipal

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Educação Especial. OBJETIVO DO CURSO: Formar especialistas

Leia mais

PROJETO OLHAR BRASIL Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa

PROJETO OLHAR BRASIL Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa Assessora Técnica da Diretoria de Atenção Especializada Oftalmologia/SESAB Reconhecendo as dificuldades do acesso da população brasileira, não só à consulta oftalmológica,

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO -AEE SALAS MULTIFUNCIONAIS LEGISLAÇÃO Considerando o Decreto 6949/2009 que promulga a convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência, assegurando um

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

20/08/2010 REABILITAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA NA PESSOA COM TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM

20/08/2010 REABILITAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA NA PESSOA COM TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM I Seminário de Reabilitação Cognitiva nos Transtornos de REABILITAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA NA PESSOA COM TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM Marina Nery 1 Conceito Transtorno de Transtorno de Dificuldade de Inteligência

Leia mais

Neuropsicologia da aprendizagem PAULO NASCIMENTO NEUROPSICOLOGO NEUROTERAPEUTA PSICÓLOGO

Neuropsicologia da aprendizagem PAULO NASCIMENTO NEUROPSICOLOGO NEUROTERAPEUTA PSICÓLOGO Neuropsicologia da aprendizagem PAULO NASCIMENTO NEUROPSICOLOGO NEUROTERAPEUTA PSICÓLOGO Conceito de Neuropsicologia É o campo de conhecimento interessado em estudar as relações existente entre o sistema

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM CAROLINE SILVA DE OLIVEIRA Discente do Curso de Licenciatura Plena do Curso de Educação Física das Faculdades Integradas

Leia mais