Vinte e cinco anos de adesão à UE A primeira década

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vinte e cinco anos de adesão à UE A primeira década"

Transcrição

1 Vítor Martins Consultor para os Assuntos Europeus da Casa Civil do Presidente da República Secretário de Estado da Integração Europeia ( ) Vinte e cinco anos de adesão à UE A primeira década 31 Reflexão sobre as principais fases e marcos históricos da adesão de Portugal à CEE, com referência aos principais protagonistas desse tempo. A orientação portuguesa nos primeiros anos após a integração centrou-se em: i) conquistar a credibilidade junto dos nossos parceiros e das instituições europeias e afirmar a participação de Portugal de forma empenhada, plena, solidária; ii) tirar partido dos fundos estruturais; iii) colocar Portugal no pelotão da frente da integração europeia; iv) defender as especificidades portuguesas; v) alavancar a nossa projecção no mundo. Contrariamente às previsões negativas de alguns, a adesão à União Europeia permitiu reforçar os laços de Portugal com os países e regiões com que temos relações privilegiadas. A nossa vocação universal saiu reforçada pela integração europeia, o nosso valor geoestratégico foi acrescentado e a nossa voz no mundo resultou amplificada.

2 32 Reflexion on the main stages and historical landmarks of Portugal s adhesion to the EEC, with references to the main protagonists of the time. The Portuguese orientation in the first years after integration has been centred upon: a) gaining credibility among our partners and European institutions and establishing the participation of Portugal in a committed, wholehearted and solidary way; b) taking advantage of structural funds; c) putting Portugal in the front line of European integration; d) defending Portuguese specificities; e) enhancing our projection in the world. Contrary to the negative expectations of some, Portugal s adhesion to the European Union allowed us to reinforce the bonds we have with the countries and regions with which we have privileged relations. Our universal vocation has been reinforced through the European integration, our geostrategic value has been increased and our voice in the world has been amplified.

3 Aintegração de Portugal nas Comunidades Europeias foi o facto mais relevante do pós-25 de Abril de Foi âncora política para a democracia. Foi alavanca de reformas. Foi factor-chave para o progresso económico e social do país. Tendo integrado a equipa que negociou a adesão de Portugal e assumido responsabilidades governamentais nessa área de 1985 a 1995, é com entusiasmo que faço uma apreciação da participação de Portugal na integração europeia. Concentro-me, naturalmente, na primeira década da adesão, pois desse tempo posso dar um testemunho de experiência directa. Tempo em que cada passo era um desafio novo. Tempo em que o país estava debaixo de um apurado escrutínio dos nossos parceiros e das instituições europeias, nomeadamente a Comissão Europeia e o Parlamento Europeu. Escrutínio que era feito com rigor e nos encorajava, mas que não escondia uma latente desconfiança sobre as nossas capacidades. E aí esteve logo, nos primeiros anos, o nosso maior desafio: superar as desconfianças, ganhar a auto- estima, credibilizar o País como um parceiro por inteiro nas Comunidades Europeias. É, pois, essa apreciação, agora temperada pela distância do tempo, que me proponho fazer num testemunho necessariamente resumido. Falar desse tempo é falar, incontornavelmente, dos protagonistas desse tempo. Quando Portugal aderiu pontificavam na Europa líderes políticos como François Miterrand, Margareth Thatcher, Giulio Andreotti, Helmut Köll, Felipe Gonzalez, Cavaco Silva. E na Comissão emergia então um grande Presidente: Jacques Delors. Conservadores e democratas cristãos uns, social democratas e socialistas outros, mas todos possuídos de uma inesgotável energia política, de uma formidável capacidade visionária e, acima de tudo, de um intenso sentido de comunidade. Todos eles com as diferenças naturais de visão e de projecto empenhados em construir uma Europa moderna, forte, progressiva. Os Conselhos Europeus de então eram encontros de uma extraordinária dimensão e densidade políticas, com debates vivos e acalorados, mas enquadrados sempre por uma atmosfera a que Jacques Delors chamou um dia «o espírito de família». Só assim, mau grado as diferenças políticas muito consideráveis entre esses notáveis líderes, foi possível acelerar a integração europeia nessa década de ouro que marcou a realização do grande mercado único europeu, lançou a União Económica e Monetária e projectou o alargamento. Felipe Gonzalez costuma chamar- lhe o período da «cavalgada europeia». E os líderes que mencionei foram, de facto, os sete magníficos dessa «cavalgada»! Para além desses líderes, outros protagonistas houve que não posso deixar de destacar. Apesar de não terem estado debaixo dos holofotes mediáticos foram personalidades decisivas para o processo de construção europeia e foram bons amigos de Portugal, em particular nesses primeiros anos. Cito apenas três: Emile Nöell (infelizmente já desaparecido), Niels Ersböll e David Williamson. Emile Nöell foi, durante muitos anos, secretário-geral da Comissão Europeia, que serviu com a inteligência fina, aguda e discreta que o caracterizava. O seu conselho, sempre habilmente ponderado, foi precioso para nos ajudar a superar os primeiros embates após a adesão. Recordo-o com sincero respeito e admiração e sei que foi um grande construtor da integração europeia. Sucedeu-lhe David Williamson, um talentoso alto funcionário da escola inglesa, que se revelou um excelente secretário-geral, sempre disponível para ponderar as causas portuguesas. Niels Ersböll, o dinamarquês que liderava o Secretariado-Geral do Conselho, apoiou a nossa integração no Conselho de Ministros e, em inúmeras ocasiões, ajudou-nos a fazer vingar os interesses por que legitimamente nos batíamos em Bruxelas. Foi também um admirável companheiro de jornada na primeira Presidência portuguesa, em Devo também recordar alguns comissários europeus que muito colaboraram connosco nos primeiros anos. Lembro os conselhos, algo paternalistas, mas sempre pertinentes, do saudoso Lorenzo Natali. E o apoio de Peter Sutherland, de Lord Cockfield, de Martin Bangeman, comissários que marcaram a Comissão Europeia. No Parlamento Europeu lembro o Presidente Pierre Pflimlin que nos acolheu, bem como Simone Veil que, em vários momentos, disponibilizou conselho à delegação portuguesa. 33

4 34 Por outro lado, e nesse período, nos governos dos 12, nas áreas dos negócios estrangeiros e da integração europeia, pontificavam figuras como Geoffrey Howe, Fernandez Ordoñez, Edith Cresson, Elisabeth Guigou, Xavier Solana, Pedro Solbes, Genscher, Roland Dumas, Catherine Lalumiére, Douglas Hurd. A dimensão política, o sentido estratégico e a qualidade humana desses líderes ajudou muito à nossa integração harmoniosa nas Comunidades Europeias. Portugal beneficiou indiscutivelmente dessa liderança visionária que conduziu a Europa nessa década de europeísmo virtuoso e frutuoso. Do lado português foi particularmente relevante a estabilidade política e de governação que, durante uma década, sob a liderança do Prof. Aníbal Cavaco Silva, então primeiro-ministro, tornou possível prosseguir consistentemente um rumo estratégico para a sociedade e para a economia portuguesa. Recordo que foi esse o período de maior estabilidade política e maior progresso económico e social após a instauração da democracia. Pesou também o empenho, o rigor e a convicção com que Portugal participou no processo de integração europeia desde o princípio. É oportuno e justo referir a importância que teve a escola da EFTA para preparar um conjunto de diplomatas e de técnicos que formaram o núcleo central dos negociadores da adesão e asseguraram depois o bom desempenho de Portugal no pós-adesão. A escola do inesquecível embaixador Rui Teixeira Guerra foi decisiva para o sucesso do nosso primeiro embate com as Comunidades Europeias. Também o facto das negociações de adesão terem sido não só longas, mas acima de tudo muito exigentes (no que contrastaram, por exemplo, com as negociações de adesão da Grécia), permitiu a criação de núcleos de especialistas de assuntos europeus nas várias áreas da Administração do Estado, o que contribuiu para uma elevada qualidade na prestação portuguesa após a adesão. Nos primeiros anos, Portugal foi confrontado com uma dupla obrigação: gerir a transição negociada no Tratado de Adesão e, ao mesmo tempo, acompanhar o ritmo de aprofundamento da integração europeia que então se acelerava como nunca antes ocorrera. Por um lado, impunha-se tirar partido dos mecanismos transitórios para assegurar uma integração suave e sem rupturas. Por outro lado, era imperativo não ficar para trás no preciso momento em que a Europa se projectava decisivamente para o futuro. Recordo, a propósito, que o Acto Único Europeu, para muitos (e nesse grupo me incluo) o tratado mais desafiante e estruturante desde o Tratado de Roma, foi negociado em Dezembro de 1985 (a primeira Cimeira europeia do Prof. Aníbal Cavaco Silva, como primeiro-ministro de Portugal) e assinado no início de Em cinco pontos posso condensar a orientação portuguesa nos primeiros anos após a integração: i) conquistar a credibilidade junto dos nossos parceiros e das instituições europeias e afirmar a participação de Portugal de forma empenhada, plena, solidária; ii) tirar partido dos fundos estruturais; iii) colocar Portugal no pelotão da frente da integração europeia; iv) defender as especificidades portuguesas; v) alavancar a nossa projecção no mundo. Em primeiro lugar, o reconhecimento de credibilidade só poderia resultar da nossa capacidade de participar plena e coerentemente no processo de decisão comunitária, de afirmar a identidade portuguesa e de apresentar um bom desempenho económico e social. A adesão implicou uma decisiva mudança de registo na nossa participação. Se é verdade que se tratava, como se trata ainda hoje, de defender primacial e objectivamente os interesses portugueses, não é menos verdade que, com a adesão, passámos a ser actores na definição e realização dos interesses comuns europeus. Em última análise, o que passou a guiar a nossa participação era a capacidade de fazer incluir no interesse comum o interesse nacional. Nos primeiros tempos houve que preparar os representantes portugueses para essa nova atitude de participação, mais exigente, mais desafiante, mas por isso mesmo mais estimulante. A participação activa e consequente obrigava a conhecer bem os interesses portugueses e a defendê-los di-

5 rectamente nas diversas instâncias comunitárias. Mas obrigava também a conhecer profundamente as políticas comunitárias, os mecanismos de decisão (incluindo aquilo a que costumo chamar a liturgia institucional) e as posições dos outros parceiros. Só assim a defesa dos nossos interesses poderia ser efectiva e bem sucedida. A adesão colocou Portugal num quadro de negociação permanente que nunca antes tinha experimentado. Desde logo foi muito importante a definição de um sistema de forte coordenação, quer a nível político, quer a nível técnico. O primeiro-ministro assumiu, de facto, a coordenação efectiva de todas as grandes questões de integração europeia. A criação do Conselho de Ministros para os Assuntos Europeus consolidou essa coordenação. No plano técnico a Comissão de Integração Europeia desempenhou bem o seu papel coordenador das posições portuguesas, assegurando os interfaces negociais e maximizando as sinergias da negociação multifacetada. A Representação Portuguesa junto das Comunidades Europeias (REPER) era (e é) a linha avançada chamada a enfrentar a negociação nas primeiras instâncias. A qualidade da sua prestação é fundamental e por isso houve que dotá-la com as equipas qualificadas para representar o país nos diferentes níveis do processo de decisão. A sua acção foi muito meritória e por ela passou, em boa parte, a conquista da credibilidade junto dos parceiros e das instituições comunitárias. Por outro lado, a Direcção-Geral dos Assuntos Comunitários (DGAC) constituía uma espécie de retaguarda negocial. Aí se preparavam as posições técnicas, se coordenavam os dossiers, se filtravam os contenciosos. A DGAC integrou na altura um conjunto de diplomatas e técnicos de altíssima qualidade que muito, mas mesmo muito, contribuíram para o sucesso da integração de Portugal. A DGAC foi também uma escola que projectou muitos dos seus colaboradores para outros voos profissionais e também isso a fez destacar como unidade de referência que foi da administração pública de então. No primeiro embate houve também que afirmar a identidade portuguesa no contexto do processo de construção europeia. Apesar da identidade da nação ser velha de séculos, das mais antigas da Europa, a verdade é que, à data da adesão, alguns equívocos pairavam em Bruxelas sobre o nosso país, senão expressos, pelos menos implícitos. Equívocos como a ideia de que Portugal era «mais ou menos» um prolongamento de Espanha (o que valer para Espanha vale também para Portugal). Ou como a ideia de que Portugal era um país de algum modo apadrinhado pelo Reino Unido e, por isso, especialmente influenciado pelas orientações britânicas. Como as instituições europeias tendem a agir debaixo de padrões pré-programados, esse tipo de equívocos poderia ser altamente nefasto para a defesa dos nossos legítimos interesses. Daí também o empenho posto, desde o início, em vincar as nossas orientações, o nosso carácter, o nosso perfil, a nossa atitude. Com naturalidade, mas com firmeza, afirmámos a nossa identidade. Não foi por acaso que, escassos meses após a adesão, um conflito entre Portugal e Espanha sobre o dossier das «regras de origem» foi levado até à última instância do Conselho de Ministros dos Assuntos Gerais. Os 12 debateram as divergências dos dois países e ouviram as propostas da Comissão Europeia e a decisão final acabou por nos ser favorável. Mas o mais importante do ponto de vista político, foi o facto de ter resultado claro, à mesa do Conselho de Ministros, que Portugal e Espanha não eram «gémeos siameses» indissociáveis e com absoluto overlaping de interesses e perfis. Isso não impediu, como é óbvio, que os dois países viessem, como vieram, a construir uma fortíssima concertação de posições quando a convergência de interesses o recomendava, como tem acontecido tantas vezes ao longo dos últimos 25 anos. Nesses primeiros anos ressaltou também para os nossos parceiros que Portugal não ia a reboque de nenhum outro Estado-Membro. A histórica aliança luso-britânica, velha de mais de seis séculos, não travou a divergência de orientações de Portugal e do Reino Unido em múltiplos e decisivos dossiers comunitários, como por exemplo a livre circulação de pessoas, a moeda única, a coesão económica e social. Demonstrámos que a orientação europeia de Portugal não estava prisioneira de nada, nem de ninguém, e seguia tão só, de forma independente, os interesses de Portugal no contexto do projecto comum europeu. Mas é claro que o nosso desempenho nas Comunidades Europeias nunca seria só por si suficiente para garantir o bom escrutínio de par- 35

6 36 ceiros e instituições. A condição era necessária, mas não suficiente. Indispensável era também ter um bom desempenho a nível nacional, quer a nível político, quer a nível económico-social e administrativo. Ora, esses primeiros anos foram marcados por uma prestação portuguesa muito positiva. Para além da estabilidade política e governativa, Portugal encetou um período de crescimento económico sustentado que garantiu um salto na convergência real, tendo ultrapassado, em termos de PIB per capita, a Grécia que estava à nossa frente quando aderimos. Também a absorção do direito comunitário na ordem interna decorreu então de forma célere e eficaz, incluindo as normas que decorriam da progressiva implementação do mercado interno. A boa resposta da economia e a capacidade para adaptar o ordenamento jurídico ao acervo comunitário reforçaram muito a nossa voz no contexto comunitário. Ao contrário, sabe-se que, quando o desempenho de um país é fraco, também a sua margem de manobra negocial se enfraquece. Há exemplos eloquentes que o demonstram. Uma outra orientação assumida como prioritária desde o princípio foi a de maximizar a utilização dos fundos comunitários. A síndroma da incapacidade para o fazer pairava no ar. Vários economistas portugueses consideravam como provável o cenário de Portugal vir a ser um contribuinte líquido das Comunidades Europeias, após a adesão. Essa síndroma foi, contudo, superada. Portugal foi sempre, desde o primeiro ano, beneficiário líquido do orçamento comunitário. A uma bem conseguida negociação, aliou-se uma forte coordenação assente no Ministério do Planeamento (ministério que acabou diluído, nos últimos anos, em vários departamentos do Estado), uma capacidade de programar e mobilizar os promotores de projectos (públicos e privados) e uma intensa colaboração (quase diria cumplicidade) com a Comissão Europeia. O resultado traduziu-se numa intensa captação e execução de fundos comunitários. Um estudo do Banco Mundial de 1994, que analisou os casos de Portugal, Espanha e Grécia em matéria de aplicação de fundos comunitários, concluiu que o caso português foi o de maior sucesso, nomeadamente pelos resultados de convergência real alcançados e pela atracção de investimento directo estrangeiro. Na negociação dos Pacotes Delors I e II, Portugal foi um dos protagonistas e um dos principais beneficiários. Aqui, a concertação de Portugal e Espanha funcionou em pleno. Mas é preciso sempre sublinhar que o conceito de coesão económica e social, um pilar da integração europeia, hoje tantas vezes subestimado, só foi consolidado graças à visão estratégica e à capacidade negocial de Jacques Delors. O binómio integração/desenvolvimento, apresentado tantas vezes como a grande referência para a nossa adesão, cumpriu-se plenamente nesses primeiros anos. Desde o princípio compreendi que, para melhor defender os interesses fundamentais de Portugal e maximizar os benefícios da adesão, se impunha acompanhar na linha da frente a aceleração da integração europeia que, entre 1985 e 1992, foi intensíssima. Ficar para trás teria um impacto político, económico e social muito negativo para o país. Depois do esforço e empenho para consumar a adesão era então primacial enfrentar o desafio do aprofundamento da integração europeia. Essa orientação foi assumida pelo Governo com férrea determinação política e realizada com incansável empenho diplomático e técnico. Integrar o pelotão da frente da integração europeia foi a expressão consagrada pelo primeiro-ministro de então, o Prof. Cavaco Silva. Essa expressão ilustra exemplarmente a vontade que acompanhou os primeiros anos após a adesão. Para além da rápida convergência real foi possível colocar Portugal no centro do processo de construção europeia. Desde logo na implementação do mercado único, que foi o verdadeiro driver de integração europeia e permitiu arrancar a Europa à esclerose e estagnação em que mergulhara na primeira metade dos anos 80 do século passado. Portugal foi um parceiro muito activo na realização dos objectivos do Acto Único Europeu e, em particular, na construção do grande espaço sem frontei-

7 ras. Acompanhou o ritmo de adopção das directivas comunitárias e daí resultou crédito negocial para influenciar a nosso favor muitas políticas e acções comunitárias. Em 1991, Portugal foi o sétimo país das Comunidades Europeias a aderir aos Acordos de Schengen, acordos que almejavam a livre circulação de pessoas, objectivo que, embora integrante do Acto Único Europeu, estava na prática bloqueado pela oposição do Reino Unido. Portugal pôde assim participar no núcleo de vanguarda que levou por diante essa tarefa, verdadeiramente histórica, de eliminar as barreiras nacionais à mobilidade dos cidadãos europeus. De novo se impôs a determinação do governo português para que tivesse sido possível superar muitas resistências, quer técnicas, quer políticas que se levantaram nessa época à participação em Schengen. Uns entendiam, por razões ideológicas e dogmáticas, que Portugal não devia abrir as suas fronteiras à Europa, exprimindo um nacionalismo serôdio que vinha da direita e da esquerda. Até o risco da invasão do País por imigrantes indonésios chegou a ser esgrimido! Outros, num registo soit disant mais pragmático, consideravam que Portugal não conseguia dispor de estruturas policiais e de informação capazes de integrar os sistemas de cooperação Schengen. A verdade é que Portugal foi capaz de superar esse desafio a um tempo político e técnico, e, em 1993, fez parte do núcleo de sete países que iniciou a livre circulação de pessoas na Europa. Desse núcleo não fizeram parte, por não terem conseguido preparar-se a tempo, países como a Itália e a Grécia. Quando em 1989, ainda antes da queda do Muro de Berlim o relatório Delors sobre a União Económica e Monetária foi aprovado na Cimeira de Madrid debaixo do fogo de alguns Estados, como o Reino Unido e a Dinamarca, Portugal esteve ao lado da Comissão e de todos os Estados que entendiam que a oportunidade de caminhar para a moeda única não podia ser desperdiçada. Aí começou uma aposta portuguesa que culminou com a nossa participação na zona euro desde o início. Portugal conseguiu, de facto, integrar a linha da frente da integração europeia que dinamizou o mercado único, realizou a livre circulação de pessoas e lançou a moeda única. A orientação portuguesa na Europa privilegiou sempre a introdução do interesse nacional no interesse europeu. Isto é: procurou, sempre que possível, dar às questões portuguesas uma dimensão europeia. Essa é sempre a melhor e mais consistente via para defender os interesses nacionais. Contudo, nem sempre isso é possível. Nesses casos, Portugal não hesitou em defender soluções específicas para questões particularmente sensíveis que relevavam do interesse nacional. De um modo naturalmente selectivo e criterioso foi possível fazer vingar medidas específicas para o nosso país. A título de exemplo recordo algumas dessas medidas. Em 1988, o Conselho Europeu aprovou o programa específico de desenvolvimento da indústria portuguesa, vulgarmente conhecido por PEDIP. Foi a primeira vez na história da integração europeia que se firmou um programa para a modernização da indústria de um Estado-Membro. A semente desse programa, é certo, vinha já do Tratado de Adesão que tinha, em anexo, uma declaração sobre a indústria portuguesa escrita, como bem acompanhei, pelo próprio punho de Jacques Delors. Todavia, para levar o Conselho Europeu a aprovar o PEDIP foi preciso vencer muitas resistências políticas e burocráticas, o que só foi possível com a tenaz persistência do primeiro-ministro Cavaco Silva. Este foi também um bom exemplo de concertação com a Comissão Europeia. A aplicação do FEDER aos investimentos no sector da educação foi outro exemplo de uma especificidade conquistada por Portugal na implementação dos quadros comunitários de apoio. Mas, a meu ver, o exemplo mais expressivo dessa procura de soluções para as especificidades portuguesas esteve no programa para as regiões ultraperiféricas. Foi no Conselho Europeu de Rodes, em 1988, que Portugal propôs que as regiões ultraperiféricas da Europa pudessem beneficiar de um tratamento específico, que tivesse em conta os seus handicaps estruturais permanentes. Visavase, assim, alcançar um conjunto de medidas especiais para a Madeira e para os Açores. Com o apoio da Espanha e da França, que dessa orientação também beneficiaram (Canárias, PTOM e DOM) e o suporte da Comissão Europeia, essa 37

8 38 proposta portuguesa foi aprovada, superando resistências, nomeadamente britânicas e a perplexidade da Grécia que, à última hora, tentou fazer incluir as suas ilhas do mar Egeu nas regiões ultraperiféricas. Daí nasceu o POSEIMA, programa de que muito beneficiaram, embora com resultados desiguais, a Madeira e os Açores. O nível de desenvolvimento alcançado pela Região Autónoma da Madeira, impensável havia 20 anos, tem muito a ver com a aplicação do POSEIMA, não só pelos fundos financeiros canalizados para a região, mas também pela discriminação positiva, nomeadamente na área fiscal e dos transportes, de que pode beneficiar. Contrariamente às previsões negativas de alguns, a adesão à União Europeia permitiu reforçar os laços de Portugal com os países e regiões com que temos relações privilegiadas. A nossa vocação universal saiu reforçada pela integração europeia, o nosso valor geoestratégico foi acrescentado e a nossa voz no mundo resultou amplificada. De resto, essa foi também uma orientação voluntariamente assumida por Portugal desde o início: por um lado, capitalizar a nossa adesão junto dos nossos parceiros privilegiados (PALOP, Brasil, etc.); por outro lado, pugnar pelos interesses dessas regiões em Bruxelas. Também aqui os resultados foram expressivos. O nosso papel em África e na América Latina alavancou com a integração europeia. Por exemplo: teria sido possível Portugal ser o primeiro investidor estrangeiro no Brasil, como chegámos a ser nos anos 90, se não estivéssemos na União Europeia? A atenção externa sobre Portugal ajudou também ao crescimento exponencial do investimento directo estrangeiro que foi, como é reconhecido, um dos mais importantes factores de crescimento económico entre 1985 e Por iniciativa portuguesa ou com o nosso empenhado apoio, a Europa reforçou os seus laços com várias regiões do mundo. A título de exemplo, refiro os acordos CEE-Macau e CEE- Brasil que tiveram marca portuguesa. E a causa de Timor-Leste que levou à sua independência, após uma dura e trágica resistência, beneficiou muito do facto de Portugal poder ter usado a União Europeia como amplificador dessa causa no mundo e, em particular, em sede das Nações Unidas. Teria esta causa tido o mesmo percurso se Portugal fosse um país fora do processo de integração europeia? O atlantismo, que constitui uma marca de carácter do nosso país, de par com as afinidades mediterrânicas, não se deteriorou com a adesão. Sem prejuízo de uma orientação profundamente europeísta que foi sempre a nossa, Portugal esteve sempre na primeira linha de defesa da vertente euro-atlântica no processo de construção europeia. Com a adesão à União Europeia não voltámos as costas ao Atlântico! A 1 de Janeiro de 1992, Portugal assumiu, pela primeira vez, a Presidência do Conselho de Ministros das Comunidades Europeias. Foi o culminar de uma primeira fase da integração de Portugal. Tratou-se de um teste maior. Por ter sido a primeira vez que exercíamos essa responsabilidade, sem dúvida. Mas também porque se tratou de um ano emblemático para a integração europeia: 1992 foi o ano-meta do mercado único e o Tratado da União Europeia, negociado no Conselho Europeu de Maastricht, viu a luz do dia a 7 de Fevereiro desse mesmo ano! As presidências são sempre avaliadas em função de dois critérios: por um lado, o rigor, o empenho e a seriedade com que são exercidas e, por outro lado, os resultados alcançados. O primeiro critério depende só da presidência, mas o segundo depende de muitos factores que a transcendem, desde logo, a atitude e a orientação dos outros parceiros e das instituições. Felizmente para Portugal, a primeira Presidência portuguesa foi exercida com sucesso, como foi unanimemente reconhecido, à luz da qualidade do desempenho e dos resultados alcançados. A Presidência foi milimetricamente programada, quer quanto às agendas e conteúdos, quer quanto à logística e organização. Com antecedência, foi realizado um vasto programa de formação e de treino para os diversos segmentos dos funcionários envolvidos.

9 A coordenação foi sistemática e intensa durante esse semestre e exercida aos níveis político, diplomático e técnico. A cooperação com a Comissão Europeia e o Secretariado-Geral do Conselho fluiu em pleno. E a relação com o Parlamento Europeu, sempre sensível, não podia ter corrido melhor. Nesse semestre, a Presidência confrontou-se também com situações de crise imprevistas, como foi o caso dos conflitos agudizados na ex-jugoslávia e, sobretudo, o não da Dinamarca quando referendou o Tratado de Maastricht, umas semanas antes do Conselho Europeu de Lisboa. Contudo, o programa da primeira Presidência portuguesa, significativamente intitulado «Rumo à União Europeia», foi cumprido em pleno. O saldo final da Presidência apontava avanços no aprofundamento da integração europeia e, acima de tudo, um clima de convergência dos 12 que superava as divergências e as clivagens. O mercado interno conheceu um avanço irreversível, com um número de aprovações no Conselho muito acima das expectativas. O Pacote Delors II, cuja proposta a Comissão apresentara a meio da nossa Presidência, avançou no Conselho de Lisboa, o que permitiu que, na Presidência seguinte, fosse fechado na Cimeira de Edimburgo. O Fundo de Coesão foi mesmo criado na Cimeira de Lisboa e teve, na sua origem, uma proposta portuguesa. No plano externo, houve vários marcos de primeira relevância como os já referidos Acordos CEE-Macau e CEE-Brasil. Em Guimarães teve lugar o primeiro encontro ministerial entre a CEE e o Mercosul que dava então os primeiros passos. E foi portuguesa a condução do Conselho de Cooperação com a região do Golfo realizada no Koweit que tinha sido libertado após a invasão pelo Iraque de Saddam Hussein. O exercício da primeira Presidência foi um marco na conquista da credibilidade de Portugal junto dos parceiros e das instâncias comunitárias. Algumas notas finais. A experiência portuguesa demonstra que a persistência e a coerência da nossa política europeia dão bom retorno. Demonstra também que Portugal defende melhor os seus interesses no quadro comunitário, do que no quadro intergovernamental. A Comissão Europeia é, em regra, o principal e o melhor aliado cuja cumplicidade tem de se saber conquistar. A experiência portuguesa também demonstra que a administração e a diplomacia respondem muito bem perante causas e desafios, mesmo os mais exigentes, quando verdadeiramente mobilizadas e orientadas debaixo de padrões de rigor, de responsabilidade e de transparência. Abril de

10

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL Intervenção de Sua Excelência o Presidente da República Portuguesa na Comissão Económica para a América Latina e Caraíbas - CEPAL Santiago do Chile, 7 de Novembro de 2007 Senhor Secretário Executivo da

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira O Plano e o Orçamento constituem documentos de grande importância para a economia

Leia mais

Apreciação Parlamentar n.º 130/XII

Apreciação Parlamentar n.º 130/XII Apreciação Parlamentar n.º 130/XII Decreto-Lei n.º 181-A/2014, de 24 de dezembro, que «aprova o processo de reprivatização indireta do capital social da TAP, Transportes Aéreos Portugueses, S. A.» Foi

Leia mais

Integração de Portugal na Comunidade Europeia Vinte Anos Depois

Integração de Portugal na Comunidade Europeia Vinte Anos Depois Integração de Portugal na Comunidade Europeia Vinte Anos Depois Integração de Portugal na Comunidade Europeia Vinte Anos Depois Luís Amado Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros Celebraram-se no

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a Migração no Mediterrâneo Ocidental Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Diálogo 5 + 5 Quinta Conferência Ministerial sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Conclusões da Presidência Nos dias 12 e 13 de Dezembro de 2006 teve lugar

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA 1952 CECA (TRATADO DE PARIS 18 de Abril 1951) Países aderentes: França Alemanha Bélgica Holanda Luxemburgo Itália Objectivos do Tratado de Paris: Criação do Mercado Comum

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

Comunidade Europeia do Carvão e Aço. Comunidade Económica Europeia

Comunidade Europeia do Carvão e Aço. Comunidade Económica Europeia Processo de Integração Europeia Comunidade Europeia do Carvão e Aço Comunidade Económica Europeia Mercado Único Europeu União Europeia 60 anos União Económica e Monetária Europa dos 12... Sudoeste Portugal

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27

Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27 Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27 Disciplina de: Área de Projecto Nome do Professor: Hélder Baião 1 Este trabalho foi proposto pelo professor de

Leia mais

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar 2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar Nome: N.º: Classificação: Ass.Professor: GRUPO I Este grupo é constituído

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

SEMINÁRIO 'AS NOVAS FRONTEIRAS E A EUROPA DO FUTURO' (24.11.2006) Braga

SEMINÁRIO 'AS NOVAS FRONTEIRAS E A EUROPA DO FUTURO' (24.11.2006) Braga 24.11.2006 SEMINÁRIO 'AS NOVAS FRONTEIRAS E A EUROPA DO FUTURO' (24.11.2006) Braga 'A EUROPA DO FUTURO NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS' A Europa cada vez é mais requisitada no mundo em todos os domínios: cooperação

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde

Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde (No Âmbito das Comemorações dos 10 Anos da Assinatura do Acordo de Cooperação Cambial) SESSÃO DE ABERTURA Intervenção

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

Lei de Bases da Economia Social

Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados A proposta do Orçamento

Leia mais

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas.

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas. Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues; Senhor Vice-Presidente do Conselho Diretivo da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas e Presidente da Comissão Organizadora

Leia mais

Cimeira do Fórum Índia África

Cimeira do Fórum Índia África REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU Presidência da República Cimeira do Fórum Índia África Intervenção de Sua Excelência Senhor José Mário Vaz Presidente da República Nova Delhi, 29 de Outubro de 2015 Excelência,

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores CONTRIBUTO DA ASSOCIAÇÃO REGIONAL PARLAMENTO EUROPEU DOS JOVENS NÚCLEO AÇORES PARA O LIVRO BRANCO DO COMITÉ DAS REGIÕES SOBRE GOVERNAÇÃO A VÁRIOS NÍVEIS A (PEJ-A) responde ao desafio do Comité das Regiões

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Transportes e do Turismo PROJECTO DE RELATÓRIO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Transportes e do Turismo PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão dos Transportes e do Turismo 2008/2136(INI) 1.12.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o desenvolvimento de um Espaço de Aviação Comum com Israel (2008/2136(INI)) Comissão

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 471/X

Projecto de Resolução n.º 471/X Projecto de Resolução n.º 471/X Recomenda ao Governo a adopção de medidas de excepção de apoio aos alunos do ensino superior com dificuldades económicas, face ao momento de recessão económica que o País

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações

II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações O Futuro é hoje: visões e atitudes para um Portugal sustentável Introdução 1.Sustentabilidade e Responsabilidade Social; 2. O Desenvolvimento Sustentável;

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2012 Boa noite, A todos os Portugueses desejo um Bom Ano Novo, feito de paz e de esperança. O ano que

Leia mais

Steinmeier, MNE da Alemanha: Sabemos que o caminho tem sido difícil

Steinmeier, MNE da Alemanha: Sabemos que o caminho tem sido difícil ESPECIAIS Steinmeier, MNE da Alemanha: Sabemos que o caminho tem sido difícil 27 Maio 2015 Nuno André Martins MNE alemão diz que Portugal "é um exemplo para a Europa", admite que só a negociação deu à

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

As prioridades da Presidência Portuguesa do Conselho da UE (Julho-Dezembro 2007)

As prioridades da Presidência Portuguesa do Conselho da UE (Julho-Dezembro 2007) As prioridades da Presidência Portuguesa do Conselho da UE (Julho-Dezembro 2007) Source: Presidência Portuguesa do Conselho. Uma União mais forte para um mundo melhor (Julho a Dezembro de 2007). [s.l.]:

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções. Documento de trabalho

Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções. Documento de trabalho Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções Documento de trabalho Para pedir às pessoas que colaborem activamente na sustentabilidade

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

Senhor representante do Secretariado Geral da União do Magrebe Árabe. Senhor Secretário Geral Adjunto da União para o Mediterrâneo

Senhor representante do Secretariado Geral da União do Magrebe Árabe. Senhor Secretário Geral Adjunto da União para o Mediterrâneo Senhores Ministros Senhores Embaixadores Senhor representante do Secretariado Geral da União do Magrebe Árabe Senhor Secretário Geral Adjunto da União para o Mediterrâneo Senhora representante da Comissão

Leia mais

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe.

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe. Conselho Europeu Bruxelas, 18 de dezembro de 2015 (OR. en) EUCO 28/15 CO EUR 13 CONCL 5 NOTA DE ENVIO de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações Assunto: Reunião do Conselho Europeu (17 e 18 de

Leia mais

O papel do amigo crítico no apoio à autoavaliação como mecanismo de introdução de melhoria Vitor Alaiz

O papel do amigo crítico no apoio à autoavaliação como mecanismo de introdução de melhoria Vitor Alaiz O papel do amigo crítico no apoio à autoavaliação como mecanismo de introdução de melhoria Vitor Alaiz (com a colaboração de José Borges Palma) Lisboa, DGIDC, Webinar, 18 Maio2011, 16:30 h http://webinar.dgidc.min-edu.pt

Leia mais

DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA

DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA INTRODUÇÃO O sector da segurança privada, na União Europeia, está em

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS A Assembleia da República, reunida em Plenário para um debate de urgência sobre as propostas da Comissão Europeia de reforma

Leia mais

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu SPEECH/10/21 José Manuel Durão Barroso Presidente da Comissão Europeia Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu Sessão plenária do PE: votação do novo Colégio Bruxelas, 9 de Fevereiro

Leia mais

11 Forum Panafricano sobre Modernização dos Serviços Públicos e Instituições do Estado

11 Forum Panafricano sobre Modernização dos Serviços Públicos e Instituições do Estado Reino de Marrocos Ministério da Função Pública e Modernização da Administração Centro Africano de Formação e Resquisa em Administração para o Desenvolvimento Fundação para o Reforço de Capacidades em Africa

Leia mais

Senhora Presidente da Assembleia Legislativa da RAA Senhoras e senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhora e Senhores membros do Governo

Senhora Presidente da Assembleia Legislativa da RAA Senhoras e senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhora e Senhores membros do Governo Senhora Presidente da Assembleia Legislativa da RAA Senhoras e senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhora e Senhores membros do Governo Em primeiro lugar, quero saudar a Senhora Presidente

Leia mais

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional Intervenção do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional

Leia mais

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA ACQUALIVEEXPO Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA Lisboa, 22 de Março de 2012 1 1. Introdução A diplomacia económica é um

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2014-2016) 4ª Conferência Ministerial Preâmbulo

Leia mais

Graphicsleader Packaging: Preparar o negócio para um mercado global

Graphicsleader Packaging: Preparar o negócio para um mercado global Graphicsleader Packaging: Preparar o negócio para um mercado global Parceiro de Graphicsleader Packaging Indústria Gráfica Produtos e Serviços Embalagem de cartão e rótulos para a indústria alimentar,

Leia mais

COMISSÃO DOS ASSUNTOS ECONÓMICOS E MONETÁRIOS

COMISSÃO DOS ASSUNTOS ECONÓMICOS E MONETÁRIOS PARLAMENTO EUROPEU COMISSÃO DOS ASSUNTOS ECONÓMICOS E MONETÁRIOS Comunicação aos Membros nº 26/2002 Objecto: Audição de 10 de Julho: Depois da Enron: supervisão financeira na Europa Temas sugeridos para

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Orientações para as políticas de emprego

Orientações para as políticas de emprego C 87 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 1.4.2010 23. Considera que, com a liderança da UE no provimento de apoio financeiro e técnico aos países em desenvolvimento, as probabilidades de sucesso nas

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Vice - Presidência do Governo Gabinete do Vice-Presidente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Vice - Presidência do Governo Gabinete do Vice-Presidente Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente Senhora e Senhores Membros do Governo Permitam-me que, pela primeira vez que tenho a honra de intervir nesta Assembleia,

Leia mais

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA Por iniciativa da Confederação Empresarial da CPLP e das associações empresariais dos PALOP, realizou-se em Luanda, República de Angola, a 17 de Julho de 2014, o Fórum

Leia mais

ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, KAY RALA XANANA GUSMÃO, NA TERCEIRA CONFERÊNCIA

ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, KAY RALA XANANA GUSMÃO, NA TERCEIRA CONFERÊNCIA ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, KAY RALA XANANA GUSMÃO, NA TERCEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE PEQUENOS ESTADOS-ILHA EM VIAS DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Recomendação de Bruxelas, 16.10.2009 COM(2009) 570 final 2009/0158 (CNB) DECISÃO DO CONSELHO sobre o parecer a adoptar pela Comunidade Europeia relativamente

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO 2. INOVAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO O objectivo está adquirido, como está adquirida a consciência da sua importância. O que não está adquirido é a forma de

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento. Sessão Pública ABERTURA

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento. Sessão Pública ABERTURA MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento Sessão Pública 19.01.2011 Assembleia da República ABERTURA Senhor Presidente da Comissão dos Negócios Estrangeiros

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

XV CONGRESSO REGIONAL DO PARTIDO SOCIALISTA AÇORES. Moção Sectorial

XV CONGRESSO REGIONAL DO PARTIDO SOCIALISTA AÇORES. Moção Sectorial XV CONGRESSO REGIONAL DO PARTIDO SOCIALISTA AÇORES Moção Sectorial Investigação, Desenvolvimento e Inovação (ID&I) - Potenciar a Sociedade do Conhecimento nos Açores O trinómio Investigação, Desenvolvimento

Leia mais

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007)

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Excelentíssimos membros do Conselho Directivo, excelentíssimos professores, caríssimos alunos, É com enorme satisfação que

Leia mais

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe.

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe. Conselho Europeu Bruxelas, 26 de junho de 2015 (OR. en) EUCO 22/15 CO EUR 8 CONCL 3 NOTA DE ENVIO de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações Assunto: Reunião do Conselho Europeu (25 e 26 de junho

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa No próximo dia 12 de Junho, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. O PETI e o Escritório da OIT Organização Internacional do Trabalho em

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL Exposição de motivos A necessidade de função de mediação sócio-cultural surgiu da vontade de melhorar a relação entre

Leia mais

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM?

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM? Entrevista com Klaus Regling, Diretor Executivo do Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM) Valor Econômico, 16 de julho de 2013 Valor: Por que buscar investidores no Brasil agora? Klaus Regling: Visitamos

Leia mais

A Engenharia Portuguesa no Mundo. Internacionalização e Exportação

A Engenharia Portuguesa no Mundo. Internacionalização e Exportação A Engenharia Portuguesa no Mundo Internacionalização e Exportação CARLOS MATIAS RAMOS, Bastonário da Ordem dos Engenheiros Começo por citar um texto da autoria do Eng. Ezequiel de Campos, que consta do

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Definição estrutural operacional de Salamon e Anhheir (1996)

Definição estrutural operacional de Salamon e Anhheir (1996) José Alberto Reis Definição estrutural operacional de Salamon e Anhheir (1996) 1) têm um relativo nível de organização; 2) são privadas, i.e. separadas do governo; 3) não distribuem lucros; 4) são auto

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo With the support of the European Commission and the Belgian Presidency of the European Union Porquê Enterprise 2020? Os desafios económicos, sociais e

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais