A GESTÃO DA ÁGUA NO BRASIL: UMA PRIMEIRA AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO ATUAL E DAS PERSPECTIVAS PARA 2025

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A GESTÃO DA ÁGUA NO BRASIL: UMA PRIMEIRA AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO ATUAL E DAS PERSPECTIVAS PARA 2025"

Transcrição

1 A GESTÃO DA ÁGUA NO BRASIL: UMA PRIMEIRA AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO ATUAL E DAS PERSPECTIVAS PARA 2025 Carlos E. M. Tucci, Ivanildo Hespanhol e Oscar de M. Cordeiro Netto Janeiro/2000

2 A GESTÃO DA ÁGUA NO BRASIL: UMA PRIMEIRA AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO ATUAL E DAS PERSPECTIVAS PARA 2025 Carlos E. M. Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas IPH Universidade Federal do Rio Grande do Sul Av. Bento Gonçalves, 9500 Porto Alegre-RS Brasil fone Ivanildo Hespanhol Universidade de São Paulo - USP R. Prof. Guilherme Milward, 469 São Paulo SP - Brasil fone Oscar de M. Cordeiro Netto Universidade de Brasília UnB UnB/FT/ENC Campus Universitário Darcy Ribeiro Brasília DF Brasil fone ext21

3 SUMÁRIO 1. SUMÁRIO EXECUTIVO Histórico Situação Atual Cenários e tendências Cenários Metas Conclusões e Recomendações INTRODUÇÃO E CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PAÍS Introdução Características gerais do país População Poderes Economia Relevo e vegetação MANEJO INTEGRADO DOS RECURSOS HÍDRICOS As bacias hidrográficas do Brasil Disponibilidade de recursos hídricos Características climáticas Disponibilidade hídrica dos recursos superficiais Disponibilidade hídrica dos recursos subterrâneos Caracterização da qualidade da água Rede de monitoramento hidrometeorológico Uso e aproveitamento de recursos hídricos Usos consuntivos Usos não-consuntivos Balanço e situações ambientais críticas extremas Balanço disponibilidade demanda Inundações Outras situações de degradação ambiental Calamidades Aspectos institucionais da gestão dos recursos hídricos Administração da água Mecanismos de participação dos usuários Legislação das águas Aspectos econômicos e sociais da gestão dos recursos hídricos Sistema tarifário Mecanismos de financiamento Aspectos sociais Análise de desafios, conflitos e elementos críticos para o 83 desenvolvimento sustentável dos recursos hídricos a longo prazo Aspectos institucionais Água no desenvolvimento urbano Energia Navegação interior Desenvolvimento rural Enchentes e secas i

4 3.7.7 Desenvolvimento regional e meio ambiente Formação de recursos humanos e pesquisa ÁGUA POTÁVEL E SANEAMENTO Estrutura organizacional Formulação de políticas e planejamento Legislação e controle Gestão dos serviços Análise operacional Cobertura de abastecimento de água potável e saneamento Qualidade e condição do serviço Deficit de serviços e impactos sobre a saúde Gestão operacional de empresas operadoras Financiamento do setor Necessidade de financiamento Principais fontes de financiamento Capacidades e deficiências Capacidades e deficiências institucionais Capacidades e deficiências de regulação Capacidade e deficiências das operadoras CENÁRIOS PARA SITUAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EM Os Cenários-possíveis Tendência CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES GERAIS REFERÊNCIAS ii

5 Abreviaturas ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental ABRH - Associação Brasileira de Recursos Hídricos ANA Agência Nacional de Águas ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento CEF - Caixa Econômica Federal CESBs - Companhias Estaduais de Saneamento Básico CNPq Conselho Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente DESAN - Departamento de Saneamento DNAEE - Departamento Nacional de Águas e Energia Elétrica FGTS - Fundo de Garantia por Tempo de Serviço FINEP Financiadora de Estudos e Projetos GWP Global Water Parternship IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada MBES - Ministério do Bem Estar Social MPO - Ministério do Planejamento e Orçamento MS - Ministério da Saúde ONGs Organizações Não Governamentais PADCT/CIAMB Programa de Apoio ao Desenvolvimento de Ciência e Tecnologia/Ciências Ambientais PLANASA - Plano Nacional de Saneamento PMSS - Projeto de Modernização do Setor de Saneamento PNAD - Pesquisa Nacional de Domicílios SEPURB - Secretaria de Política Urbana SMAEs - Serviços Municipais de Água e Esgoto SNS - Secretaria Nacional de Saneamento WHO - World Health Organization WRI - World Resources Institue iii

6 Definições e Conceitos Adotados Custo do Serviço: Soma de despesas de exploração, serviço da dívida, depreciação, amortizações, provisões e outros custos, no ano de referência, expressa em Reais, dividido pelo volume total faturado. Despesa de Exploração: Despesas necessárias à prestação dos serviços, compreendendo despesas com pessoal e encargos, produtos químicos, materiais de consumo e conservação, energia elétrica, serviços de terceiros, despesas gerais e despesas físicas e tributárias (exclusive imposto de renda), dividido pelos volumes de água e esgotos faturados. Expressa em Reais por metro cúbico. Índice de Evasão de Receita: Relação entre a receita faturada por todos os serviços prestados, menos os valores efetivamente recebidos no ano de referência, relacionados com a prestação dos serviços, divididos pela soma dos volumes de água produzido e comprado. Expresso em porcentagem. Índice de Faturamento de Água: Relação entre o volume médio de água, debitado ao total das economias medidas e não medidas, dividido pelos volumes de água produzido e comprado. Expresso em porcentagem. Perdas de Faturamento e Índice de Perdas de Faturamento: Relação entre a soma dos volumes de água produzido e comprado, menos o volume de água faturado, divididos pela soma dos volumes de água produzido e comprado. Expresso em porcentagem. Tarifa Média Praticada: Soma da receita anual faturada pela prestação dos serviços de abastecimento de água e coleta de esgotos, expressa em Reais, dividido pelo volume total faturado. Volume de Água Macromedido: Volume médio de água tratada e produzida, medido na saída das Estações de Tratamento de Água ou Unidades Simplificadas de Tratamento, por meio de macromedidores permanentes. Expresso em mil metros cúbicos por dia. Volume de Água Micromedido: Volume médio de água apurado pelos medidores de vazão instalados nos ramais prediais. Expresso em mil metros cúbicos. Volume Total Faturado: Corresponde à soma dos volumes faturados de água e esgoto. Expresso em mil metros cúbicos por dia. iv

7 1. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação e a análise dos recursos hídricos do Brasil, considerando-se o cenário atual e a tendência de seu desenvolvimento até 2025, no âmbito da World Water Vision, faz parte de um esforço mundial, baseado na iniciativa de várias entidades internacionais. Na América do Sul, a iniciativa coube ao SAMTAC (South America Technical Advise Comitee) do GWP (Global Water Parternship) que contratou uma empresa para o desenvolvimento do documento básico da região baseado em um documento de cada país preparado por consultores escolhidos pelo SAMTAC, sugerindo um mesmo roteiro para desenvolvimento do trabalho. Este documento faz parte deste conjunto de avaliações e trata dos Recursos Hídricos do Brasil. A avaliação e o prognóstico do desenvolvimento sustentável dos Recursos Hídricos de um país trata da integração dos componentes dos sistemas naturais com o socioeconômico. Esses elementos foram analisados, considerando-se cenários de desenvolvimento econômico e social, buscandose, assim, identificar a Visão esperada para o país. Neste documento, são apresentados os dados gerais do Brasil, buscando propiciar uma idéia básica de alguns elementos físicos e socioeconômicos. No capítulo 3, são apresentados todos os aspectos de recursos hídricos, destacando-se disponibilidade, demanda e aspectos institucionais. No capítulo 4, é destacada a área de água potável e saneamento, dada a relevância do setor na sustentatibilidade de países em desenvolvimento como os da América do Sul. No capítulo 5, é analisado, de forma global, o desenvolvimento dos cenários de análise para a primeira metade do próximo século. Enquanto que, no capítulo 6, são apresentadas as conclusões e as recomendações dos consultores. Deve-se destacar que este documento não deve ser considerado como exaustivo na abordagem do tema, mas seletivo, devido às suas características de análise mais global. Não se buscou aqui propor plano de atividades algum, mas destacar tendências e recomendar ações globais. Além disso, o presente documento foi elaborado em um exíguo período em função do calendário da World Water Vision. Desse modo, consideram os autores bem-vindas críticas e sugestões ao presente texto. 1.1 Histórico O desenvolvimento do setor de gestão dos recursos hídricos, em países em desenvolvimento como os da América do Sul, passou por estágios semelhantes aos dos países desenvolvidos, mas em períodos diferentes. Após a segunda guerra mundial, houve um grande desenvolvimento econômico e a construção de muitas obras hidráulicas, principalmente de geração de energia elétrica. Nessa época, países em desenvolvimento como o Brasil estavam na fase de inventariar seus recursos, desenvolvendo a construção de obras hidráulicas de menor porte (Tabela 1.1).

8 Tabela 1.1 Características da visão histórica de aproveitamentos da água (adaptado de Tucci, 1994) Período Países desenvolvidos Brasil Início da pressão ambiental controle ambiental Interações do Ambiente Global Desenvolvi mento Sustentável Engenharia com pouca preocupação ambiental Ênfase na água Uso dos recursos hídricos: abastecimento, Inventário dos recursos hídricos navegação hidreletricidade, etc Início dos empreendimentos Qualidade da água dos rios hidrelétricos e projetos de Medidas estruturais de controle da grandes sistemas. enchentes Controle de efluentes; Medidas não estruturais para enchentes Legislação para qualidade da água dos rios Usos múltiplos; Contaminação de aqüíferos; Deterioração ambiental de grandes áreas metropolitanas; Controle na fonte de drenagem urbana Controle da poluição doméstica e industrial; Legislação ambiental Impactos Climáticos Globais; Preocupação com conservação das florestas; Prevenção de desastres; Fontes pontuais e não pontuais; Poluição rural; Controle dos impactos da urbanização sobre o ambiente Contaminação de aqüíferos Desenvolvimento Sustentável; Aumento do conhecimento sobre o comportamento ambiental causado pelas atividades humanas; Controle ambiental das grandes metrópoles; Pressão para controle da emissão de gases, preservação da camada de ozônio; 2 Início da construção de grandes empreendimentos hidrelétricos; Deterioração da qualidade da água de rios e lagos próximos a centros urbanos. Ênfase em hidrelétricas e abastecimento de água; Início da pressão ambiental; Deterioração da qualidade da água dos rios devido ao aumento da produção industrial e concentração urbana. Redução do investimento em hidrelétricas devido à crise fiscal e econômica; Piora das condições urbanas: enchentes, qualidade da água; Fortes impactos das secas do Nordeste; Aumento de investimentos em irrigação; Legislação ambiental Legislação de recursos hídricos Investimento no controle sanitário das grandes cidades; Aumento do impacto das enchentes urbanas; Programas de conservação dos biomas nacionais: Amazônia, Pantanal, Cerrado e Costeiro; Controle da contaminação dos aqüíferos e Início da privatização dos e das fontes não-pontuais; serviços de energia e saneamento; Desenvolvimento da Visão Mundial da Avanço do desenvolvimento dos Água; aspectos institucionais da água; Uso integrado dos Recursos Hídricos; Privatização do setor Melhora da qualidade da água das fontes energético; não pontuais: rural e urbana; Aumento de usinas térmicas Busca de solução para os conflitos para produção de energia; transfronteriços; Privatização do setor de Desenvolvimento do gerenciamento dos saneamento; recursos hídricos dentro de bases Aumento da disponibilidade de sustentáveis água no Nordeste; Desenvolvimento de Planos de Drenagem urbana para as cidades.

9 Na etapa seguinte, observou-se o início da pressão ambiental nos países desenvolvidos devido, principalmente à degradação das águas superficiais, resultando nas primeiras legislações restritivas quanto ao despejo de efluentes. Em face desses controles, houve melhora da qualidade da água, mas os resíduos foram transferidos para o sub-solo, contaminando a água subterrânea. Nesse período, os países em desenvolvimento geralmente não possuíam nenhuma legislação de controle ambiental. Nos anos 70, observou-se o início da pressão ambiental em países em desenvolvimento, enquanto esse processo de controle se acelerava nos países desenvolvidos. No Brasil, nos anos 80, foi aprovada a legislação ambiental e os critérios de controle de sistemas hídricos e hidrelétricos. Nesse período, os países desenvolvidos enfatizaram a consideração dos impactos globais, da contaminação de aqüíferos e da poluição difusa. O efeito das preocupações sobre o clima global e a pressão sobre áreas como Amazônia contribuiu para diminuir o investimento internacional no Brasil, que enfatizava a energia por meio das hidrelétricas. Nesse momento, foram eliminados os financiamentos internacionais para construção de hidrelétricas, com grande impacto na capacidade de expansão do sistema no Brasil. Os anos 90 foram marcados pela idéia do desenvolvimento sustentável que busca o equilíbrio entre o investimento no crescimento dos países e a conservação ambiental. Nesse sentido, os investimentos internacionais que, no período anterior, financiaram aproveitamentos hidrelétricos, voltaram-se para apoiar a melhoria ambiental das cidades, iniciando com as grandes metrópoles brasileiras. O final dos anos 90 e o início do novo século (e milênio) está marcado internacionalmente pelo movimento pela busca de uma maior eficiência no uso dos recursos hídricos dentro de princípios básicos aprovados na Rio 92. A água é um dos fatores ambientais que têm suscitado grande preocupação dos planejadores. Os grandes desafios que se vislumbram hoje no Brasil são a consolidação dos aspectos institucionais do gerenciamento dos recursos hídricos, o controle dos recursos hídricos nas grandes metrópoles brasileiras, a preservação ambiental, o uso e controle do solo rural e o controle da poluição difusa, no âmbito de uma visão racional de aproveitamento e preservação ambiental Situação atual O desenvolvimento dos recursos hídricos e a conservação dos sistemas naturais constituem um desafio da sociedade brasileira, que deve levar em conta vários fatores relacionados com as condições sociais e econômicas do País. A seguir, foram destacados os principais elementos. Institucional O desenvolvimento institucional encontra-se em uma fase de transição. A lei de recursos hídricos foi aprovada em 1997, estando sua regulamentação em curso. Ocorrem, também, a instituição da Agência Nacional da Água 3

10 (legislação no Congresso), a aprovação das legislações de parcela importante dos Estados e o início do gerenciamento por meio de comitês e agências de bacias. No entanto, ainda não foi aprovado o suporte institucional básico que permita a tomada de decisão pelos comitês, os recursos para execução e as agências para implementação. O processo institucional brasileiro apresentou uma evolução muito importante nos últimos anos, o que tem sido promissor para o gerenciamento dos recursos hídricos. No setor de água potável e saneamento, ocorre uma transição institucional, que envolve a privatização de serviços de empresas e instituições que são públicas. Esse processo depende, em parte, do encaminhamento de uma questão econômico-institucional, já que há empresas que são estaduais, que operam em cidades em que não possuem o direito de concessão dos serviços. Esse direito é prerrogativa dos municípios, o que pode pulverizar as atribuições e reduzir o valor econômico das empresas estaduais. Disponibilidade e demanda As condições atuais de disponibilidade x demanda mostram que, na média, e na maior parcela do território brasileiro, não existe deficit de recursos hídricos. No entanto, observam-se condições críticas em períodos de estiagem no Semi-Árido Nordestino e, em algumas regiões, onde o uso da água é intenso como na vizinhança das cidades médias e principalmente das regiões metropolitanas. O Nordeste brasileiro apresenta condições hídricas desfavoráveis que combinam: evapotranspiração alta durante todo ano, baixa precipitação, subsolo desfavorável em muitas regiões (água salobra ou formação cristalino) e baixo desenvolvimento econômico social. A falta de água em grande parte do ano compromete seriamente as condições de vida da população em áreas extensas do Semi-Árido. As grandes concentrações urbanas brasileiras apresentam condições críticas de sustentabilidade devido ao excesso de cargas de poluição doméstica, industrial e à ocorrência de enchentes urbanas, que contaminam os mananciais, associado a uma forte demanda de água. A tendência de redução de disponibilidade hídrica dessas áreas é significativo dados os dois fatores citados. Já se observam freqüentes racionamentos em Recife e São Paulo. A Região Metropolitana de São Paulo, que importa a maior parte da água da bacia do rio Piracicaba devido à contaminação dos mananciais vizinhos, está praticamente sem opções de mananciais. No entanto, possui uma perda não faturada de cerca de 40% de água tratada. A racionalização do uso da água e o reúso poderão permitir uma solução mais sustentável. Outro conflito é observado entre água potável e irrigação nas regiões críticas como o Nordeste, em regiões de forte demanda agrícola do Sul do Brasil. Esses conflitos localizados necessitam de soluções específicas, com discussão dos interessados no âmbito de comitês e associações de bacias. O Ceará, que possui reduzida disponibilidade hídrica durante a estiagem, tem apresentado soluções criativas para os conflitos de uso nas áreas de baixa disponibilidade sazonal. A falta de água em anos mais secos, que ocorre em algumas regiões, tanto para a agricultura como para o abastecimento é muitas vezes fruto de uma 4

11 falta de regularização e de programas preventivos para redução dos impactos das secas ocasionais. Desenvolvimento urbano O Brasil apresenta 80% da população em áreas urbanas. Nos estados mais desenvolvidos, esses números chegam à vizinhança de 90%. Devido a essa grande concentração urbana, vários conflitos e problemas têm sido gerados neste ambiente, tais como: (a) degradação ambiental dos mananciais; (b) aumento do risco das áreas de abastecimento com a poluição orgânica e química; (c) contaminação dos rios por esgotos doméstico, industrial e pluvial; (d) enchente urbana gerada pela inadequada ocupação do espaço e pelo gerenciamento inadequado da drenagem urbana; (e) falta de coleta e disposição do lixo urbano. Esse processo ocorre, entre outros fatores, porque os municípios não possuem capacidade institucional e econômica para administrar o problema, enquanto os Estados e a União estão distantes para buscar uma solução gerencial adequada para apoiar os municípios. Cada um dos problemas citados é tratado de forma isolada, sem um planejamento preventivo ou mesmo curativo dos processos. Com conseqüência, observam-se prejuízos econômicos, forte degradação da qualidade de vida, com retorno de doenças de veiculação hídrica, mortes, perdas de moradias e bens, interrupção de atividade comercial e industrial em algumas áreas, entre outras conseqüências. Esse fenômeno está agravado nas grandes cidades, exigindo recursos significativos para minimização dos impactos. O custo de controle na fase de planejamento é muito menor que o curativo depois que os problemas ocorrem. A tendência urbana atual é de redução do crescimento das metrópoles em detrimento das cidades médias. Nesse sentido, os impactos tenderiam a se disseminar para esse tipo de cidade, que ainda não possui degradação ao nível das metrópoles, existindo espaço para prevenção. No entanto, não existe capacidade gerencial e nenhum programa de apoio às cidades para busca de melhoria quanto ao seu desenvolvimento sustentável. Desenvolvimento rural Existe um conflito natural entre o uso da água para agricultura e o abastecimento humano em algumas regiões brasileiras, principalmente quando a demanda é muito alta como para irrigação de arroz por inundação. A solução desse tipo de conflito passa pelo aumento da eficiência dos sistemas de irrigação e o gerenciamento adequado dos efluentes agrícolas quanto à contaminação. A água é fator essencial de desenvolvimento rural em regiões de pouca disponibilidade sazonal de água e em regiões secas como o Nordeste, onde a viabilidade do desenvolvimento econômico depende, muitas vezes, da disponibilidade de água. Existe uma importante expansão de empreendimentos voltados para a fruticultura irrigada, que apresenta alta rentabilidade econômica. Esse processo se desenvolve na bacia do São Francisco, em que a disponibilidade hídrica é maior, enquanto que nas 5

12 áreas distantes dos rios perenes persiste uma agricultura de subsistência que sofre freqüentes perdas. Nas regiões Sul e Sudeste, o uso da irrigação ainda depende de redução do custo dos projetos de irrigação para a maioria das culturas, à exceção do arroz por inundação no Sul. Grande parte do setor agrícola prefere assumir os riscos, que ocorrem somente em alguns anos, do que o investimento em irrigação. No entanto, na irrigação do arroz existem conflitos do uso da água na bacia do rio Uruguai e ambientais na região do lagoa Mirim. Além do atendimento hídrico à produção agrícola, deve-se ressaltar a necessidade de conservação do solo já que solo mal conservado é fonte da poluição difusa. Em grande parte do Sul do Brasil, tem-se observado uma mudança de prática agrícola no sentido de troca de plantio conservacionista para plantio direto, com importantes benefícios que são: redução da erosão, aumento da contribuição do freático para os rios e maior regularização das vazões. No entanto, existem várias regiões do Brasil onde a erosão e a degradação do solo são importantes como na bacia do rio Paraguai, onde o gado e a soja têm produzido importante alteração na geração de sedimentos que se desloca para o Pantanal, principalmente no leque do rio Taquari. Em face das grandes demandas agrícolas, o reúso pode, também, constituirse em alternativa adequada, reservando água de boa qualidade para abastecimento público e outros usos benéficos. Hidroenergia O sistema de produção energética brasileiro depende 91% da energia hidrelétrica e tem planejado a sua diversificação com termelétricas a gás para os próximos anos. Mas, mesmo assim, essa diversificação até 2002 ainda manterá em 83% a parcela das hidrelétricas. Associado ainda ao risco de falha, deve-se considerar que, desde 1970, as regiões Centro-Oeste, Sul e Sudeste (onde se encontra grande parte da capacidade instalada) apresentam vazão média cerca de 30% maior que a do período anterior, o que significa que, para a mesma capacidade instalada, é possível gerar mais energia, com menor risco de falha. O sistema, mesmo com o período de vazões altas, está no limite de atendimento da demanda. Considerando que períodos longos climáticos abaixo e acima de determinados patamares podem ocorrer, o sistema, dessa forma, apresenta forte dependência da climatologia. Em condições climáticas mais desfavoráveis, mantidas as tendências de aumento da demanda e com reduzida ampliação da oferta, pode criar condicionantes desfavoráveis ao desenvolvimento econômico brasileiro pela limitação no fornecimento d energia. O sistema está passando por um processo de privatização, com venda dos empreendimentos existentes e instalação de novos empreendimentos, na sua grande parte parques térmicos a gás. Além disso, nos próximos anos, deverá ocorrer a regulação dos processos de compra e venda de energia, determinando o funcionamento de empresas da geração, transmissão e distribuição. 6

13 Enchentes e Secas As enchentes urbanas têm sido uma das grandes calamidades a que a população brasileira tem sido sujeita como resultado de: (a) ocupação inadequada do leito maior dos rios; ou (b) urbanização das cidades. O País perde, anualmente, somas altas, provavelmente superiores a 1 bilhão dólares. Não existe nenhuma política de controle e as que existem são totalmente equivocadas, o que tem aumentado os prejuízos nas cidades. Normalmente, existe uma combinação de falta de conhecimento e de interesse na solução desses problemas, na medida em que, ocorrendo o evento, é declarado estado de calamidade pública. Nesse caso, o município recebe recursos a fundo perdido, sem que seja necessário concorrência pública para o dispêndio. Com esse tipo de ação, dificilmente serão implementados programas preventivos eficientes, que, na sua maioria, não envolvem obras estruturais, mas regulamentação do uso do solo, o que geralmente é politicamente pouco rentável. Uma potencial calamidade devido às enchentes é o rompimento de barragens, apesar do pequeno risco. Atualmente, não existe regulamentação para bacias de grande porte quanto à programa preventivo de segurança das barragens. Essa situação é preocupante na medida em que um evento dessa natureza em um sistema de cascata de barragens poderá produzir um cenário desastroso caso não existam programas preventivos de minimização de impactos. As secas, principalmente no Nordeste brasileiro, são eventos freqüentes. Existem programas específicos e ações isoladas ou pontuais, mas não há um programa regional preventivo de minimização dos seus impactos para a população, seja na sua própria subsistência, como alternativa econômica. Um dos projetos em curso, que poderá contribuir para minimizar esse problema, é o ProÁgua, que possui um expressivo volume de recursos planejado para diferentes Estados do Nordeste. A aferição dos resultados das iniciativas deverá ser realizada a partir de indicadores sociais e de saúde da população. A construção de açudes ou de poços nem sempre beneficia diretamente a população, mas certamente interessa às empresas responsáveis pelas obras. Como as enchentes e secas geram prejuízos, mas não geram receitas como outros setores de recursos hídricos, a gestão desses fenômenos não está adequadamente prevista na estrutura institucional vigente. O grande desafio, nesse sentido, é o de buscar criar programas nacionais preventivos de redução do impacto das inundações e das secas que orientem a população com educação, alternativas de sobrevivência e planos para se antecipar às emergências, por meio de ações efetivamente descentralizadas. Recursos Humanos e Desenvolvimento Tecnológico O desenvolvimento e a preservação dos recursos hídricos dependem de profissionais qualificados tanto para a execução de vários tipos de atividades, 7

14 como para a tomada de decisões. A maioria dos profissionais que trabalha na área adquiriu seu conhecimento no próprio trabalho, sendo que apenas um grupo reduzido se capacitou por meio de Mestrado e Doutorado. Atualmente, existe falta de pessoal qualificado no setor, principalmente na medida em que ocorrer a implementação da regulamentação com a criação de comitês e agências para as bacias. No entanto, a falta de institucionalização dos mecanismos de gerenciamento dos recursos hídricos resulta em um mercado de trabalho ainda indefinido, por mais paradoxal que possa parecer essa situação. O desenvolvimento tecnológico e científico tem sido incentivado por programas especiais do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), PADCT/CIAMB, CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) e FINEP (Financiadora de Projetos) por meio de programas como PROSAB e REHIDRO. Existem grupos qualificados no país, mas a sua maioria com visão setorizada dos recursos hídricos. Devido às características continentais do País e à grande variabilidade dos ambientes, é necessário um maior enfoque na especialização de conhecimento interdisciplinar em regiões do País como a Amazônia, o Cerrado, o Pantanal e o Semi-Árido (entre outros), onde as características e os problemas são diversos exigindo pesquisas de médio longo prazo que apóiem o desenvolvimento e a conservação ambiental dessas regiões. Monitoramento A coleta de dados hídricos é essencial para qualquer planejamento adequado. Observa-se que, no país, a coleta de dados está concentrada em entidades federais com atribuições que envolvem um território muito extenso. As bacias de pequeno porte, essenciais para o gerenciamento de demandas como abastecimento de água, irrigação, conservação ambiental, etc., praticamente não são monitoradas, o que pode induzir a decisões que gerem conflitos. Observa-se, também, que existe a necessidade de modernização do sistema de monitoramento tradicional, por meio de automação, revisão das práticas hidrométricas e aumento de coleta de dados de qualidade da água e sedimentos. 8

15 1.3 Cenários Cenários metas No processo de construção de cenários de uso da água para a World Water Vision, Gallopin e Rijsberman (1999) identificaram 3 cenários de análise. Por questão de coerência com o trabalho desenvolvido em outros países os autores optaram por adotar os mesmos cenários. São cenários evolutivos. O primeiro representa uma mera reprodução no futuro da situação atual de uso e aproveitamento da água. O segundo cenário privilegia uma abordagem do recurso hídrico como bem econômico e se apresenta como uma solução rápida aos graves problemas associados a um aproveitamento ineficiente da água. O terceiro cenário se caracteriza por incluir objetivos coletivos de uso e aproveitamento da água, definidos a partir de valores sociais e de considerações de qualidade de vida. Trata-se, em parte, de uma reação ao cenário anterior, em que a gestão da água se processaria levando-se em conta, prioritariamente, condicionantes econômicos, financeiros e tecnológicos. Cenário 1 - Situação crítica (business-as-usual) Este cenário envolve a tendência de exploração dos recursos sem um planejamento adequado. Este cenário admite a política atual de desenvolvimento dos recursos hídricos no mundo, ou seja, sem mudança significativa quanto à melhora nos diferentes preceitos de um adequado gerenciamento. Trata-se de uma visão crítica da exploração dos recursos hídricos do País. Nessas condições, a crise da água pode e deve ocorrer em diferentes regiões do País. Cenário 2 - Econômico, tecnológico e de privatização (Economics, Technology and the Private Sector) Este é o cenário em que todas as ações estarão baseadas no conceito de mercado e investimento do setor privado. É uma visão otimista das leis econômicas de mercado e das novas tecnologias, que atuam no sentido de limitar as condições indesejáveis do desenvolvimento dos recursos hídricos e os impactos no meio ambiente. A cobrança pelo uso da água permitirá a introdução de tecnologias eficientes e a redução da demanda ineficiente; a participação pública no gerenciamento, realizado em nível das bacias hidrográficas; descentralização das ações; e o equilíbrio entre as forças de mercado, sociais e ambientais. 9

16 A base deste cenário considera que, para atingir o desenvolvimento sustentável, é necessário adotar as leis de mercado e inovações tecnológicas. O desenvolvimento se baseia em uma efetiva colaboração entre o público e o privado, na busca dos padrões adequados para a sociedade e o ambiente. Cenário 3 - Valores sociais e padrões básicos de qualidade de vida (The values and Lyfestiles) Este cenário parte do princípio segundo o qual existe uma verdadeira vontade coletiva em reavivar os valores da vida humana (liberdade, amor, respeito pela vida humana, responsabilidade, tolerância, solidariedade, entre outros) e de busca em nível global de qualidade de vida. O desenvolvimento dessas metas envolve o fortalecimento de cooperação internacional, ênfase na educação, na solidariedade e na busca de padrões ideais de qualidade de vida. Para o período 2000 a 2005, é previsto que os três cenários apresentem resultados semelhante devido ao curto período transcorrido. Na Tabela 1.2, são apresentados alguns aspectos de recursos hídricos e as suas características no âmbito desses cenários. Essa análise é superficial, tratando-se apenas de um ensaio, que necessitaria de um maior detalhamento. Tendência De acordo com as tendências apresentadas e discutidas no item anterior, no item anterior para cada um dos aspectos analisados pode-se observar que, isoladamente, dificilmente cada um desses cenários poderá ser atingido. A seguir, é apresentada a visão tendencial dentro do horizonte previsto, segundo os autores. Devido à dinâmica das mudanças de um país como o Brasil, a previsão para um horizonte de 25 anos é temerária e sujeita a grandes distorções. No entanto, acreditam os autores que esse exercício é válido até para, eventualmente, permitir influir na evolução dos próprios cenários. Institucional As condições nas quais está ocorrendo a implementação institucional em nível federal levam a crer que ocorrerá uma avanço importante na legislação. A etapa seguinte, não menos importante, dependerá da forma como a Agência Nacional da Água desenvolverá suas ações na implementação institucional. A tendência é de que a agência necessite de, pelo menos dois anos para criar uma estrutura mínima de pessoal, com qualificação para atingir suas metas de longo período, coordenar as primeiras ações junto aos estados e estabelecer um plano realista de Recursos Hídricos para o País. O próprio desenvolvimento institucional, nas diferentes bacias, seguramente apresentará diferentes evoluções em função das condições já existentes em Estados como o Ceará, São Paulo e Rio Grande do Sul, onde o processo institucional muito avançou nos últimos anos. 10

17 A implementação da cobrança pelo uso da água e de outros mecanismos de controle gerencial passará por uma negociação política muito intensa nos próximos anos. Dada a natureza dessa negociação, característica do País, acredita-se que esse sistema de gestão poderá ser estabelecido, em maior ou menor grau, de acordo com a região, as condições específicas das bacias hidrográficas, a situação crítica dos usos e a capacidade econômica. Não existindo um acordo entre os agentes (membros do comitê, agência e grupos taxados), o risco é de que toda ação de cobrança pelo uso da água fique sujeita a ações judiciais intermináveis, o que inviabilizaria o gerenciamento da bacia. Como conseqüência, o comitê não teria força de decisão e recursos para implementar a Agência da bacia e desenvolver os programas necessários. De fato, a população brasileira está cansada de pagar tributos. O Brasil é um dos países em desenvolvimento que mais arrecadam com tributos (30% do PIB) e de forma muito injusta, já que a distribuição dos valores arrecadados é muito desigual. Dessa forma, com a implantação de outra forma de taxação e com a tradição pública de desperdício de recursos, é possível que ocorra uma reação organizada à cobrança. Portanto, a ampla negociação, o esclarecimento da opinião pública e um processo transparente de gasto dos recursos são fundamentais para a viabilidade do sistema e da cobrança. 11

18 Tabela 1.2 Características dos Possíveis Cenários Dimensão Crítico (business-as-usual) Eficiência Econômica (Economics, Technology and the Private Sector) Institucional regulamentação da legislação implementada, regulamentação da legislação porém com resistência à implementada cobrança pelo uso da água e com sistema de cobrança pelo uso da água ausência de mecanismos econô-micos e implementado de instituições atuantes, mantendo-se o comitês e agências são criados cenário atual sem gerenciamento bacias hidrográficas administradas por integrado poder público e usuários, com pouca limitada ação estadual e municipal no participação da sociedade civil gerenciamento dos recursos hídricos privatização apenas dos serviços rentáveis Desenvolvimento urbano Desenvolvimento Rural agravamento da falta de água nas grandes metrópoles e nas cidades médias onde se deve concentrar o aumento da urbanização aumento da incidência das doenças de veiculação hídrica e contaminação química aumento dos índices de mortalidade infantil e decréscimo na expectativa de vida em regiões críticas agravamento sanitário dos rios próximos das cidades e de toda rede de drenagem aumento da poluição difusa perda de solo dessertificação e aumento do desmatamento limitada expansão da irrigação para fruticultura devido à baixa disponibilidade agravamento dos conflitos com uso da irrigação do arroz no sul sistemas de água potável e de saneamento privatizados pagamento pela população dos serviços e do aumento da disponibilidade e controle dos efluentes melhoria dos indicadores sociais e redução das doenças recuperação da qualidade da água de rios contaminados uso de práticas agrícolas adequadas utilização de tecnologia para racionalização do uso da água e controle de efluentes aumento de produtividade ampliação das práticas de conservação do solo Valores sociais (The values and Lyfestiles) regulamentação da legislação implementada sistema de cobrança pelo uso da água implementado, considerando os condicionantes sociais comitê e agências criados bacias hidrográficas administradas por usuários e poder público, com participação intensa da sociedade civil sistemas de água potável e saneamento parcialmente privaizados atuação do poder público para garantir o atendimento independente da capacidade de pagamento de parte da população melhoria dos indicadores sociais e redução das doenças uso de práticas agrícolas adequadas disseminado pela melhor rentabilidade das safras uso de tecnologia para racionalização do uso da água apoio técnico rural às pequenas propriedades educação, saúde e tecnologia associadas a políticas fundiárias sustentáveis 12

19 Tabela 1.2 Características dos Possíveis Cenários (cont.) Dimensão Crítico (business-as-usual) Eficiência Econômica (Economics, Technology and the Private Sector) Energia matriz energética pouco diversificada diversificação da matriz energética falta de energia com estrangulamento privatização da produção e distribuição econômico das regiões produtivas da energia impacto de variabilidade climática plano emergencial para períodos racionamento energético climáticos de reduzida oferta energética Eventos extremos aumento de perdas econômicas devido às enchentes e aos gastos inadequados com a construção de canais urbanos permanência da falta de água no semiárido com baixo desenvolvimento e gastos paliativos falta de água em regiões de baixa regularização medidas não-estruturais de controle de enchentes e controle na fonte dos impactos da urbanização por meio de planos de drenagem urbana investimentos econômicamente rentáveis de regularização em locais críticos Valores sociais (The values and Lyfestiles) diversificação da matriz energética privatização da produção e distribuição da energia plano emergencial para períodos climáticos de reduzida oferta energética manutenção de subsídios sociais na energia medidas não-estruturais de controle de enchentes e controle na fonte dos impactos da urbanização por meio de planos de drenagem urbana plano de ampliação da disponibilidade hídrica no semiárido implementado aumento da regularização em locais críticos 13

20 O desenvolvimento institucional é a condição básica para todo processo de gerenciamento do País. No âmbito do cenário de 2025, provavelmente haverá um conjunto legal instituído consolidado, mas com grandes variações regionais quanto à sua implementação. A tendência é que, nas áreas onde o conflito pelo uso da água seja mais intenso, sejam estabelecidos acordos devido à necessidade de se chegar a soluções. Nas regiões sem um aparente conflito, poderão ocorrer discussões mais prolongadas com processo decisório pouco efetivo. Essa situação, por um lado, é benéfica por seu caráter didático, mas, por outro, não favorece o processo de planejamento. No entanto, o fator de demonstração poderá alterar esta tendência. No tocante às metas seguramente existirá a tendência de alguns setores em acompanhar o cenário econômico e, de outro, o cenário de valores sociais em função da região, das condições econômicas e da politização da população. Desenvolvimento Urbano Além dos problemas associados à sua grande extensão territorial e da grande diversidade das condições socioeconômicas prevalentes em suas múltiplas regiões, o Brasil vem sofrendo, na última década, os efeitos de alguns processos, que tendem a alterar significativamente o cenário dos recursos hídricos nacionais, particularmente no setor de abastecimento de água e saneamento. São características da situação atual a fase de transição entre o regime estabelecido pelo extinto PLANASA e os novos modelos de gerenciamento do setor saneamento e de gestão de recursos hídricos, que estão sendo desenvolvidos, bem como o crescente surto de privatização de serviços públicos de água e esgoto. Há que se considerar, também, o significativo desenvolvimento tecnológico que vem ocorrendo no setor, principalmente no que tange a sistemas de tratamento de água e de esgotos. Como conseqüência, verifica-se o aumento dos níveis de cobertura devido à melhoria da relação benefício/custo na execução de sistemas de abastecimento de água e de coleta de esgotos. Essas características apontam para um significativo desenvolvimento do setor de saneamento no Brasil, mas embora as ações estejam orientadas para a gestão sustentável dos recursos hídricos nacionais, é pouco provável que transformações radicais ocorram, até Acredita-se que as regiões do Brasil evoluirão de forma diferenciada no que se refere à dimensão de desenvolvimento urbano. No início do período, é provável que as regiões Norte, Nordeste e Centro-oeste manterão grande parte de suas estruturas no primeiro cenário (crítico), sendo que as regiões Sudeste e Sul apresentariam características do primeiro e segundo cenários. A situação reinante em cada uma desses grupos distintos tenderá, ao final do período considerado, a consolidar situações correspondentes aos cenários subseqüentes observados no início do período, isto é, as regiões Norte e Nordeste tenderão a evoluir para uma situação correspondente ao segundo cenário, enquanto que as regiões Sudeste e Sul poderão apresentar, em áreas delimitadas, características do terceiro cenário. A Região Centro-Oeste deverá assumir uma posição intermediária. Com a aprovação dos novos modelos de gerenciamento de recursos hídricos, onde são introduzidos os conceitos de usuário-pagador e de poluidor-pagador, bem como o sistema de gerenciamento por bacias 14

21 hidrográficas, que deverá contar com a participação de diversos atores sociais, nas regiões menos desenvolvidas do País, irá ocorrer uma melhoria significativa dos recursos hídricos, principalmente no que tange ao controle da poluição. Essa condição proporcionará melhoria de qualidade de mananciais de água potável facilitando as condições de tratamento e abastecimento de água. Entretanto, a melhoria dos serviços de abastecimento de água e coleta de esgotos sanitários dependerá de dois fatores básicos. Em primeiro lugar, a criação de um orgão regulador específico, que possa ordenar e monitorar o setor, estabelecendo padrões de qualidade, bases tarifárias, inclusive em relação à solidariedade social, áreas de cobertura, sistema de informação e mecanismos de proteção aos usuários. É imprescindível, também, integrar o planejamento das atividades das companhias estaduais e municipais de saneamento com os planos de gestão das bacias hidrográficas correspondentes, particularmente aos associados ao controle da poluição de corpos receptores de efluentes. A tendência para o terceiro cenário dar-se-á apenas quando os critérios para tratamento e disposição de efluentes líquidos estiverem associados às políticas vigentes de proteção ambiental, permitindo a evolução dos conceitos anteriores de saneamento básico para o atual, de saneamento ambiental. No que tange à tendência de privatização dos serviços de água e saneamento básico, há que se controlarem os interesses associados às áreas de cobertura quando da preparação dos contratos de licitação, pois haverá maior interesse em investir nas grandes regiões urbanas, onde já existe uma infra-estrutura para o abastecimento de água, que atende a mais de 90% da população e, em menor escala, de esgotamento sanitário, que dependendo da região, pode ser superior a 50% da população total. Nessa situação, as regiões mais ricas do país, bem como os grandes centros urbanos, irão atrair grandes investimentos do setor privado, compartilhando com o governo, a responsabilidade pelo atendimento às necessidades de abastecimento de água e esgotamento sanitário. Caberá ao governo, portanto, por meio do órgão regulador específico para o setor, exercer com maior eficiência, as funções, que realmente lhe compete, de agente fiscalizador e controlador, podendo exigir e fazer cumprir com rigor, as normas de controle ambiental e de gerenciamento de recursos hídricos, resultando em uma melhoria significativa das condições sanitárias e ambientais dessas regiões. A experiência, auferida em países em estágio de maior desenvolvimento e industrialização acelerada, demonstra que os benefícios oriundos da tecnologia moderna ocorrem muito mais rapidamente nos grande centros urbanos e regiões metropolitanas, onde se concentram os maiores níveis de renda e de maior capacitação técnica e empresarial. Essa condição levará, também, a um retardamento das regiões menos favorecidas, ou seja as do Norte e Nordeste e, eventualmente, Centro-Oeste, a evoluir para as características predominantes no segundo cenário, até o ano Com a melhoria das condições sanitárias das regiões mais ricas (Sul e Sudeste), a possibilidade de ocorrência de crises associadas ao uso da água, torna-se menos provável, bem como o surgimento de epidemias associadas às doenças de veiculação hídrica. Esses aspectos levam, 15

22 implicitamente, a uma melhoria de qualidade de vida, o que representa uma tendência para a evolução na direção do terceiro cenário. No entanto, não havendo uma atuação eficaz do governo e dos demais setores da sociedade, no sentido de atender às necessidades das populações menos favorecidas, por meio do investimento de recursos em educação, saúde, segurança e saneamento básico, bem como pelo desenvolvimento de uma política para melhorar a distribuição de renda, no sentido de se eliminar a exclusão social, as diferenças que são observadas hoje, entre o hemisfério norte e sul do Planeta, bem como aquelas que já existem no Brasil, entre as regiões Sul e Sudeste e demais regiões do país, irão acentuar-se. Como resultado, continuará a ocorrer no Brasil um fluxo migratório das regiões mais pobres para as mais ricas, assim como do campo e pequenas cidades para as grandes e médias cidades. Ao contrário dos processos de imigração entre os países, essa é uma situação é mais difícil de ser controlada. Este êxodo populacional para as áreas urbanas associado à falta de infraestrutura urbana irá resultar na ocupação de áreas não adequadas, como, por exemplo, áreas de proteção de mananciais, encostas de morros e margens de córregos e rios, o que comprometerá todo trabalho desenvolvido para a melhoria das condições sanitárias da região, aumentando o risco do surgimento de todos os problemas associados à ocupação inadequada do solo, tais como enchentes, deslizamento de encostas, poluição dos corpos d água e surto de doenças de veiculação hídrica, além de acirrar problemas de escassez de água. Pelas razões expostas, o que se constata, mesmo com a possibilidade de ocorrência de condições mais favoráveis, caso não haja um comprometimento de toda a sociedade, principalmente o das classes mais favorecidas, a tendência a longo prazo, é que haja a predominância do cenário em que tudo permanece como está Ou seja, os benefícios e avanços que serão obtidos em decorrência do desenvolvimento de políticas adequadas de gerenciamento de recursos hídricos, participação do setor privado no setor de saneamento, utilização de tecnologia moderna e maior conscientização da população, em relação às questões relacionadas à importância da água e do meio ambiente, poderão ser anulados pelos processos de degradação da qualidade ambiental, desencadeados pela população menos favorecida, que, em uma legítima busca por melhores condições de vida, ou fugindo das calamidades que assolam a sua região, irá migrar para as áreas urbanas das regiões mais desenvolvidas. Em suma, pode-se inferir que até o ano 2025, o Brasil apresentará, basicamente, no setor de água e saneamento nas cidades, as características correspondentes aos dois primeiros cenários, com a ocorrência pontual, nas regiões Sul, Sudeste e, talvez, Centro-Oeste, de algumas características específicas do cenário associado a valores sociais e estilos de vida. A extensão em que cada um desses cenários será estabelecido e o período de ocorrência dependerão, basicamente, da ação governamental no sentido de proporcionar recursos financeiros adequados, implementar as políticas de gestão necessárias para o controle das agências prestadoras de serviço e promover o desenvolvimento tecnológico do setor. 16

23 Desenvolvimento rural Com a implementação da regulamentação do uso da água e da cobrança, poderão ocorrer dois processos opostos na área rural: (a) redução da demanda da irrigação nos projetos existentes devido à cobrança e à racionalização do uso da água, criando melhores oportunidades para a sustentatibilidade regional da atividade, com obediência aos acordos e às decisões dos comitês de bacia; (b) aumento de conflitos, com dificuldades na implementação das decisões dos comitês e de restrições de diferentes naturezas. Provavelmente, o País deverá registrar os dois tipos de processos, mas é esperado que o primeira predomine. A tendência é de que na região Semi-Árida o uso agrícola na vizinhança dos grandes mananciais seja voltado para produtos de maior rentabilidade, voltando-se para agricultura de subsistência nas áreas de pouca disponibilidade de água. A fruticultura e o café em algumas regiões têm mostrado rentabilidade que tornam viáveis o investimento, principalmente pela maior número de safras em um mesmo ano. Por outro lado, esses empreendimentos exigem uma regularização da água sem falhas durante períodos longos, já que o plantio é permanente. Pode-se, assim, esperar uma tendência de investimento de empresas agrícolas na região do São Francisco, com importante crescimento econômico da região por meio de investimentos privados. A sustentatibilidade desse processo a longo prazo dependerá do uso tecnológico. Nas áreas agrícolas fora da cobertura da disponibilidade hídrica sem riscos, onde os rios não foram perenizados, o potencial de água é pequeno, sendo pouco eficiente e conflituoso o recurso sistemático à irrigação de baixo valor agregado. De acordo com as condições atuais, o desenvolvimento se dará muito mais no sentido de buscar a sustentatibilidade social da população por meio da melhora dos indicadores sociais a partir de investimentos sociais não necessariamente relacionados à água. O cenário para o horizonte 2025 previsto é de gradual solução de alguns problemas críticos de sustentabilidade social, como mencionado, por meio de investimentos externos à região, proporcionando atendimento a uma maior demanda por água para irrigação, sobretudo para a fruticultura irrigada praticada no raio de ação dos rios perenes ou perenizados. Quanto aos programas de conservação do solo, deve-se observar que ainda ocorrerão grandes discrepâncias regionais de ações. As regiões em que o agricultor é mais bem treinado e em que há uma ação mais presente da extensão rural deverão apresentar resultados bons como já acontece hoje (no Paraná, por exemplo). Em outras regiões, prevê-se uma ação federal mais efetiva para garantir investimentos em capacitação do homem do campo, em pesquisa aplicada e em extensão rural. Os grandes desafios deverão envolver o controle da ocupação dos limites da Amazônia, o desenvolvimento do Cerrado, que depende fortemente da disponibilidade hídrica e o aproveitamento do Semi-Árido. Esse processo dependerá muito das políticas governamentais de apoio de investimento, que atualmente estão limitadas pela capacidade econômica do País. 17

24 Hidroenergia Com a regulamentação do setor com relação à privatização dos serviços de geração, transmissão e distribuição, a tendência de curto prazo será de expansão das Usinas térmicas a gás (dentro dos limites disponíveis dos gasodutos) em função do retorno mais rápido dos investimentos. O comprometimento da produção baseado em hidrelétricas deve diminuir permitindo reduzir o risco de racionamento, diversificando a matriz energética. No entanto, poderão ocorrer riscos de racionamento devido às incertezas da variabilidade climática, em um sistema, como o brasileiro, em que a demanda está no limite da oferta. Por outro lado, a tendência de privatização do setor de energia levará a uma dinamização maior do sistema na medida em que os condicionantes legais de ação privada na distribuição, transmissão e geração estiverem mais bem definidos. O sistema privatizado tenderá a aumentar a geração por térmicas dentro da capacidade de fornecimento de gás importado da Bolívia e da Argentina, diversificando a matriz energética. O risco de um sistema hidrelétrico com pouca folga de oferta é o de ocorrência de externalidades climáticas, cíclicas e de longo prazo, que podem comprometer as atividades econômicas durante um longo período, dada a inércia de ajuste do sistema. Como é impossível prever as condições climáticas de longo prazo, torna-se necessário conceber e planejar o sistema não só para que ele possa ter um plano de emergência para esta situação como também incorporar duas premissas para planejamento: diversificação das fontes e diversificação da localização dos sistemas hidrelétricos. No cenário tendencial espera-se que na matriz energética tenda a aumentar as térmicas, mas no horizonte previsto deverá possuir ainda grande predominância das Usinas Hidrelétricas (> 70%) devido ao potencial disponível. O mercado atacadista de energia, que entrará em funcionamento nos próximos anos, dependerá de forma significativa da previsão das condições climáticas de curto e médio prazo. Provavelmente haverá um importante desenvolvimento tecnológico no setor em função do benefício associado a um prêmio do conhecimento prévio dos condicionantes que norteiam os preços. Enchentes e secas: Enchentes: A elaboração recente dos Planos de Drenagem Urbana de algumas cidades brasileiras provavelmente permitirá mitigar os impactos das enchentes urbanas dessas cidades até transcorrer todo horizonte de 25 anos do Cenário. No entanto, acredita-se que haverá um ponderável fator de perdas, já que será necessário mudar a concepção de projeto e planejamento adotada pela grande maioria dos engenheiros que atuam em drenagem, o que representa toda uma geração de profissionais. Deve-se modificar, principalmente, a visão técnica e política equivocada das obras de controle enchentes. Essas ações requerem um processo lento de educação de diferentes segmentos profissionais, muitos dos quais ainda em 18

25 fase incipiente de organização. Portanto, apesar de eventuais evoluções positivas, somente existirão melhoras concretas se houver uma forte mudança de atitude de técnicos e decisores nos próximos anos. Caso contrário, as perspectivas desse setor serão as piores possíveis. Quanto aos sistemas de alerta e de prevenção de riscos das barragens brasileiras, espera-se que sejam desenvolvidos mecanismos legais e programas preventivos para as bacias onde o impacto pode ser significativo. Como a maioria das barragens tenderá a ser privatizada, espera-se que as agências reguladoras tratem dessa questão, controlando a gestão dessas barragens. Em países, como Estados Unidos e França, esse aspecto só foi regulamentado depois da ocorrência de grandes desastres. Na Argentina, a regulamentação dessa questão ocorreu, no entanto, após a privatização. Os efeitos das secas de grandes proporções no Brasil já começam a ser mitigados com a adoção de medidas preventivas. De fato, as previsões de médio prazo meteorológica têm permitido avaliar o evento com antecedência de alguns meses. Torna-se necessário, no entanto, que programas preventivos sejam aperfeiçoados, aproveitando essas informações nas áreas mais críticas. À medida em que metodologias de previsão sejam desenvolvidas e soluções para as áreas críticas sejam implementadas, o impacto das secas será minimizado. Considerando, no entanto, as secas inter-anuais de período de retorno de 30 a 40 anos que atuam sobre seqüência de anos, como na década de 60 no Pantanal, nos anos no rio Uruguai, nos anos 50 no Sudeste e em parte da década de 80 no Nordeste, deve-se ressaltar que os efeitos desses fenômenos dificilmente serão mitigados pela infra-estrutura existente, tratando-se de eventos que, provavelmente, continuarão a ser tratados sem prevenção. Tanto para o trato das enchentes como das secas é necessária a mudança de atitude por meio da implementação de programas preventivos. Uma ameaça real à evolução no trato dessas questões é a verdadeira economia que se formou para administrar os efeitos dessas calamidades. Os municípios atingidos por enchentes têm uma liberdade administrativa muito maior para fazer gastos e contratar projetos quando é decretado o estado de calamidade pública. No que se refere à seca, são por demais conhecidos os enormes interesses envolvidos na denominada indústria da seca: desde o pagamento de frentes de trabalho até verbas para construção de açudes de eficiência duvidosa, passando pela existência do lucrativo mercado dos carros-pipa. 1.4 Conclusões e Recomendações O desafio deste estudo foi de identificar e destacar as principais questões de Recursos Hídricos do Brasil. Levando-se me cona o reduzido prazo para redação e as informações disponíveis, os elementos aqui apresentados apresentam uma dimensão da visão dos autores, no âmbito da estrutura planejada para o documento da América do Sul. No entanto, as informações e os dados descritivos da realidade atual foram provenientes de fontes que permitem caracterizar de forma razoável a realidade. 19

26 Considerando que a base institucional é a condição necessária para o gerenciamento dos recursos hídricos, julgam os autores que as prioridades nacionais do setor de recursos hídricos devem incluir: Proteção de mananciais e tratamento de esgotos; Preservação e aumento da disponibilidade de água nas áreas críticas; Adequado controle das enchentes urbanas; Conservação do solo rural. Para que o processo de planejamento do uso da água nas bacias e regiões hidrográficas seja desenvolvido de forma eficiente, é necessário prever, entre outras ações, a revisão do Plano Nacional de Recursos Hídricos, a implementação dos comitês com as suas respectivas agências e o desenvolvimento de programas nacionais e regionais que atuem sobre os principais problemas emergentes identificados. 20

27 2. INTRODUÇÃO E CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PAÍS 2.1 Introdução A avaliação e a análise dos recursos hídricos do Brasil, considerando-se o cenário atual e a tendência de seu desenvolvimento até 2025, no âmbito da World Water Vision, faz parte de um esforço mundial, baseado na iniciativa de várias entidades internacionais. Na América do Sul, a iniciativa coube ao SAMTAC (South America Technical Advise Comitee) do GWP (Global Water Parternship) que contratou uma empresa para o desenvolvimento do documento básico da região baseado em um documento de cada país preparado por consultores escolhidos pelo SAMTAC, sugerindo um mesmo roteiro para desenvolvimento do trabalho. Este documento faz parte deste conjunto de avaliações e trata dos Recursos Hídricos do Brasil. A avaliação e o prognóstico do desenvolvimento sustentável dos Recursos Hídricos de um país trata da integração dos componentes dos sistemas naturais com o socioeconômico. Esses elementos foram analisados, considerando-se cenários de desenvolvimento econômico e social, buscandose, assim, identificar a Visão esperada para o país. Neste capítulo, são apresentados os dados gerais do Brasil, buscando propiciar uma idéia básica de alguns elementos físicos e socioeconômicos. No capítulo 3, são apresentados todos os aspectos de recursos hídricos, destacando-se disponibilidade, demanda e aspectos institucionais. No capítulo 4, é destacada a área de água potável e saneamento, dada a relevância do setor na sustentatibilidade de países em desenvolvimento como os da América do Sul. No capítulo 5, é analisado, de forma global, o desenvolvimento dos cenários de análise para a primeira metade do próximo século. Enquanto que, no capítulo 6, são apresentadas as conclusões e as recomendações dos consultores. Deve-se destacar que este documento não deve ser considerado como exaustivo na abordagem do tema, mas seletivo, devido às suas características de análise mais global. Não se buscou aqui propor plano de atividades algum, mas destacar tendências e recomendar ações globais. 2.2 Características gerais do Brasil O Brasil é o maior país da América do Sul, ocupando quase metade da superfície do continente. Limita ao norte com a Venezuela, Guiana, Suriname, Guiana Francesa e Oceano Atlântico; ao sul com o Uruguai; a oeste com Argentina, Paraguai, Bolívia e Peru e ao noroeste com a Colômbia, sendo seu litoral leste banhado pelo Atlântico. O país tem fronteiras comuns com todas as nações da América do Sul, à exceção do Chile e do Equador. A superfície total é de km 2, quinto maior país do mundo, depois da Rússia, China, Canadá e Estados Unidos. Suas maiores distâncias são, no sentido norte-sul, de km, e, no sentido leste-oeste, de km. A 21

28 maior parte da população vive junto ao litoral, em grandes metrópoles, como São Paulo, Rio de Janeiro, Recife e Salvador. Brasília, a capital, fica situada no interior do Planalto Central, com população estimada de 1,015 milhão de habitantes (1,705 milhão para todo Distrito Federal) em A localização de 92 % das terras do País entre os dois trópicos, aliada às relativas baixas altitudes do relevo, explica a predominância de climas quentes, com temperaturas médias anuais acima dos 20 o C. Ocorrem no País os seguintes os tipos de clima: equatorial, tropical, tropical de altitude, tropical atlântico, semi-árido e sub-tropical. Adota-se uma divisão em cinco regiões administrativas no País, levando-se em conta, basicamente, características climáticas e fisiográficas. São as regiões: Norte, Nordeste, Sudeste, Sul e Centro-Oeste. São 26 Estados e 1 Distrito Federal (Figura 2.1). Figura 2.1 Divisão geográfica do Brasil e seus Estados Fonte: Almanaque Abril (1999) O Norte, a maior região do País, conta com 3,87 milhões de km 2 (45,3% do território nacional) e abriga uma população de quase 13 milhões de habitantes (7,8% da população do País). A região compreende a maior parcela do trópico úmido brasileiro e a maior parte da Floresta Amazônica. É uma região muito rica em água, porém pouco ocupada e desenvolvida. São, ao total, 7 estados que compõem a Região: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. 22

29 O Nordeste, com 1,56 milhão de km 2 (18,2% do território nacional), inclui a maior parte da região Semi-Árida do Brasil. A população da região ultrapassa os 46 milhões de habitantes (28,7% da população do País). Os 9 estados que compõem a região são: Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe. As áreas úmidas se restringem à fronteira com a região Norte (Estado do Maranhão) e à faixa litorânea. O Semi-Árido é uma região com precipitações médias anuais muito irregulares, com médias que podem variar de 200 a 700 mm por ano. Essa região abriga a parcela mais pobre da população brasileira, com graves problemas sociais. A região Sudeste, que se estende, aproximadamente entre a latitude 14 o Sul e o Trópico de Capricórnio (23 o 30 Sul), conta com 927 mil km 2 (10,9% do território nacional), abrigando a maior parcela da população brasileira (68,4 milhões, o que corresponde a 42,2% da população brasileira). É a região mais industrializada e de maior produção agrícola no País, formada pelos estados do Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. A região Sul, com 577 mil km 2 (6,8% do território nacional) tem clima subtropical, com invernos frios e secos e verões quentes e úmidos. Os três Estados que compõem a região (Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina) abrigam uma população de quase 24 milhões de habitantes (14,6% da população brasileira). É a região de maior desenvolvimento social no Brasil. O Centro-Oeste é a região de expansão da fronteira agrícola no País. Com 1,61 milhão de km 2 (18,9% do território nacional) e quase 11 milhões de habitantes (6,7% da população brasileira), a região se desenvolve entre as latitudes 8 o e 24 o Sul, tendo ao norte a região Amazônica, a leste as regiões Sudeste e Nordeste e a oeste, Bolívia e Paraguai. A região é formada pelos Estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, além do Distrito Federal. A Tabela 2.1, a seguir, apresenta Indicadores demográficos, sociais e econômicos do Brasil, de suas Regiões e dos Estados. 2.3 População A população do Brasil era em 1998, estimada em 161,8 milhões de habitantes. A densidade da população média é de 18,9 hab/km 2. O crescimento populacional vem caindo nas últimas décadas estando, atualmente, na vizinhança de 1%, mas tendendo à estabilização, já que a taxa de fecundidade, que era de 2,3 filhos por mulher em 1996, diminuiu para cerca de 2,14 filhos, segundo dados deste ano do IBGE 1. 1 Com 2,1 de taxa, decorrido certo período inercial, a população de um país se estabiliza. 23

30 Tabela 2.1 Indicadores demográficos, sociais e econômicos - Brasil, Regiões e Estados País Superfície População Densidade Arrecadação Renda Médicos IDH Mortal. População Região Demogr. ICMS per capita por mil (0-1) inf. por mil Urbana Estado (km 2 ) (habitantes) (hab/km 2 ) (R$/hab.) (US$) habitantes nasc. vivos % (1998) (1997) (1997) (1998) (1996) (1996) (1996) Brasil , ,32 0,830 36,7 78,37 Região Norte , ,11 0,728-62,43 Acre , ,75 0,754 49,48 65,20 Amapá , ,75 0,786 27,92 87,12 Amazonas , ,80 0,775 35,37 73,92 Pará , ,80 0,703 36,45 53,51 Rondônia , ,69 0,820 34,74 61,97 Roraima , ,90 0,818 38,87 70,52 Tocantins , ,38 0,587 37,48 70,66 Região Nordeste , ,21 0,608-65,20 Alagoas , ,38 0,538 82,80 63,11 Bahia , ,65 0,655 51,96 62,41 Ceará , ,56 0,590 58,22 69,21 Maranhão , ,85 0,547 65,40 51,92 Paraíba , ,76 0,557 70,95 68,43 Pernambuco , ,63 0,615 61,80 74,02 Piauí , ,57 0,534 53,85 58,21 Rio Grande do Norte , ,55 0,668 63,24 72,05 Sergipe , ,32 0,731 54,82 70,22 Região Sudeste , ,25 0,851-89,30 Espírito Santo , ,89 0,836 29,61 77,64 Minas Gerais , ,36 0,823 26,06 78,42 Rio de Janeiro , ,18 0,844 25,60 95,53 São Paulo , ,88 0,868 24,89 93,11 Região Sul , ,76 0,859-77,21 Paraná , ,34 0,847 28,47 77,88 Rio Grande do Sul , ,18 0,869 21,32 78,66 Santa Catarina , ,56 0,863 23,37 73,13 Região Centro-Oeste , ,69 0,808-84,45 Distrito Federal , ,42 0,869 23,60 92,88 Goiás , ,06 0,786 27,12 85,78 Mato Grosso , ,91 0,767 28,57 75,84 Mato Grosso do Sul , ,73 0,848 23,20 83,22 24

31 Tem aumentado, assim, a população adulta e idosa. O número de pessoas com mais de 60 anos era de 4,06% do total da população em 1940, passando para 7,89% em A expectativa de vida para homens é, hoje, de 64,8 anos e de 71,2 anos para as mulheres. Há, hoje, também, 20,81% das famílias que são chefiadas por mulheres. No Brasil, para cada 100 mulheres existem, em média, cerca de 97 homens, segundo o IBGE (1996), com grandes disparidades regionais e entre as áreas urbanas e rurais. O percentual de população urbana sobre a total é de 78,37% (de um mínimo de 51,92% no Maranhão até 95,53% no estado do Rio de Janeiro). A taxa de natalidade é de 18,81 por mil habitantes (1998) e a de mortalidade de 58 por mil habitantes (1996). A mortalidade infantil é de 36,7 por nascidos vivos. Há, também, nesses casos, grandes variações regionais: para a mortalidade infantil, tem-se desde 21,32 no Rio Grande do Sul até 82,80 no estado de Alagoas (na região Nordeste). Mesmo com essas diferenças regionais, o que pode ser constatado, é que esses indicadores sociais mostraram uma melhora na qualidade de vida da população, observando-se que a esperança de vida ao nascer passou de 61,9 para 67,8 anos, no período entre 1980 e 1997, enquanto a taxa bruta de mortalidade foi reduzida de 9,0 %o, para 7,0 %o, nesse mesmo período. Dados da Organização Mundial da Saúde indicam que o índice de desnutrição no Brasil, para crianças abaixo de cinco anos de idade, é igual a 12 % para os meninos e 9 % para as meninas, dados referentes ao ano de 1995 O índice de analfabetismo era de 14,7% em 1996, com variações de 6,29% no Distrito Federal até 36,28% no estado de Alagoas. O número de médicos por habitante também varia muito regionalmente: desde 3,85 por mil habitantes no estado do Maranhão até 31,18 no estado do Rio de Janeiro. O IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), definido pela ONU, alcançado pelo Brasil em 1996 foi de 0,830. Esse índice coloca o Brasil na 60 a posição mundial e na 6 a posição em termos de América do Sul. Há, do mesmo modo, grandes variações entre os estados brasileiros: de 0,534 para o estado do Piauí (IDH próximo ao do Iraque) até 0,869 para o Rio Grande do Sul e o Distrito Federal. Em 1990, a população do Brasil era composta de 54% de brancos, 39% de mestiços (mulatos, caboclos e cafuzos), 6% de negros, 0,8% de asiáticos e 0,2% de indígenas americanos. Para a composição dessa população contribuíram originariamente indígenas, portugueses e negros, aos quais se somaram, através do fluxo imigratório, italianos, espanhóis, alemães, eslavos e japoneses. No país, a população urbana está próxima de 80%. Na Tabela 2.2 é apresentada a tendência de urbanização e aglomeração em grandes cidades. 25

32 Como mencionado anteriormente, a federação brasileira é composta por 26 Estados e um Distrito Federal. O Distrito Federal inclui Brasília, que substituiu o Rio de Janeiro como capital do país em A maior cidade é São Paulo, centro industrial brasileiro, com uma população de 9,8 milhões de habitantes (1996). Outras cidades importantes, quanto a número de habitantes, são: Rio de Janeiro (5,5 milhões de habitantes em 1996); Porto Alegre (1,29 milhão de habitantes segundo estimativas de 1994); Salvador, cidade portuária localizada em uma região agrícola fértil (2,2 milhões de habitantes em 1994); Belém, o principal porto na Região Norte (1,14 milhão de habitantes em 1994); Recife (1,32 milhão de habitantes em 1994); Curitiba (1,39 milhão de habitantes em 1994); Belo Horizonte (2,1 milhões de habitantes em 1996) e Manaus, um porto no rio Negro na Amazônia (1,1 milhão de habitantes em 1994). Esses números não consideram as regiões metropolitanas dessas cidades. Tabela 2.2 Urbanização no Brasil (fonte: Banco Mundial, 1999) Períodos % do total da população do país População em cidades com mais de 1 milhão População em grandes cidades Poderes O Brasil é uma república constitucional de 26 estados federativos e o Distrito Federal. A atual constituição foi promulgada em outubro de 1988, substituindo a um documento de Os estados da federação têm seus próprios governos, com competências em todas as matérias não especificamente reservadas à União. A Constituição de 1988 proibiu a tortura, previu várias formas de plebiscitos populares, iniciativas e referendos; proibiu virtualmente todas as formas de censura; garantiu os direitos individuais e a propriedade privada, além de estender o direito de greve a todos os trabalhadores. Segundo a Constituição vigente, o presidente é eleito de forma direta durante um período de quatro anos renováveis. O Congresso Nacional bicameral brasileiro é composto pelo Senado Federal de 81 membros, eleitos para um período de oito anos (três representantes por Unidade da Federação), e pela Câmara de Deputados, com 503 membros eleitos para um período de quatro anos. O número de deputados eleitos por cada estado depende da população, com um mínimo de 8 deputados e um máximo de 50 deputados por Unidade de Federação. A votação é realizada por meio de voto secreto, sendo obrigatória para os cidadãos alfabetizados maiores de 26

33 18 anos e facultativo para os maiores de 65 aos, os jovens entre 16 e 18 anos e os analfabetos. O Supremo Tribunal Federal, composto de onze juízes, está sediado em Brasília. Os tribunais federais estão instalados em cada estado e no Distrito Federal. Outros órgãos judiciais importantes são os tribunais eleitorais federais, criados para garantir os processos eleitorais, e os tribunais do trabalho. O cargo de juiz federal é vitalício. A justiça nos estados é administrada por tribunais específicos. Os 26 estados e o Distrito Federal têm seus próprios órgãos legislativos e executivos, estes últimos representados pelos governadores, eleitos democraticamente. Os prefeitos, eleitos pelo povo, são as autoridades máximas municipais, e sua gestão é fiscalizada pelas câmaras de vereadores, que atuam como um corpo legislativo em nível local. 2.5 Economia Considerando-se esses indicadores, no contexto mundial, o Brasil é um país que não pode ser desprezado economicamente, pois apresenta o oitavo maior Produto Nacional Bruto, sendo a maior economia da América Latina (WRI, 1998). Por outro lado, quando se avalia a distribuição per capita do PNB, a situação brasileira não é uma das melhores, pois o seu desempenho, mesmo na América Latina, é inferior ao desempenho de países como Argentina, Uruguai e Chile. Essa situação é agravada pela problemática associada às desigualdades sociais encontradas no Brasil, que, por sua vez, têm efeito direto sobre o setor de saneamento básico. Dados mais atuais sobre a economia brasileira demonstram uma melhoria relacionada ao PNB, tanto global, como per capita. No entanto, com o processo de globalização, a economia brasileira e a dos demais países da América Latina estão sujeitas a oscilações que geram reflexos diretos sobre os indicadores econômicos e sociais da região. A variação real do PNB foi de 1,03 %, - 0,54 %, 4,92 %, 5,85 %, 4,22 % e 2,76 %, para os anos de 1991, 1992, 1993, 1994, 1995 e 1996 respectivamente (IBGE, 1998), o que mostrou uma evolução positiva para o Brasil. Um problema que é sintomático nos países em desenvolvimento, que está associado à má distribuição de renda, refere-se ao índice de pobreza, que no Brasil chega a 27,21 %. Uma melhor compreensão da situação vivenciada pelo Brasil pode ser obtida pela análise dos dados apresentados na Tabela 2.3. O PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil em 1997 foi de US$ 804 bilhões de dólares o que o coloca entre as 10 maiores economias do mundo. O crescimento do PIB em 1997 foi de 3,2%, mas, devido à crise financeira mundial ocorrida nos dois últimos, que atingiu particularmente o Brasil, o crescimento do PIB no biênio 1998 e 1999 deve alcançar só 1%. 27

34 A renda per capita do País em 1997 era de US$ 5,029, com grandes variações regionais. Essa renda varia de US$ 1,153 no estado do Piauí até US$ 8,245 no estado de São Paulo. Em 1997, as importações alcançaram US$ 61 bilhões e as exportações US$ 53 bilhões. Os principais parceiros comerciais são os países do Mercosul (Argentina, Paraguai e Uruguai), Estados Unidos, Japão e países da Comunidade Européia. No que se refere à composição do PIB, o setor agropecuário é responsável por 12% da geração da riqueza nacional. A indústria e os serviços são responsáveis, respectivamente, por 34,3 e 53,7%. Tabela 2.3 Evolução do Produto Nacional Bruto do Brasil (IPEA, 1999) PERÍODO PNB calculado PNB calculado PNB per pela PPC pelo câmbio médio POPULAÇÃO Capita (em US$ milhões (em US$ milhões RESIDENTE (US$/Hab.) correntes) correntes) (em hab.) não determinado não determinado Alguns dos indicadores econômicos atuais (final de 1999) do país são apresentados na Tabela 2.4. A renda per capita do país é da ordem de 6,1 mil reais com um PIB de cerca de R$ 975 bilhões. Existe uma grande variabilidade regional e social dentro do país, no qual este indicador não é muito representativo. Algumas das principais características econômicas do País são apresentadas a seguir: Agricultura e pecuária: Cerca de 25% do café do mundo são cultivados nas plantações de São Paulo, Paraná, Espírito Santo, Minas Gerais e, mais recentemente, na Bahia. A produção de café anual em meados da década de noventa foi de 2,6 milhões de toneladas, das quais a maioria foi exportada. O Brasil está entre os principais produtores mundiais de cana-de-açúcar (utilizada para produzir açúcar refinado e álcool para combustível), cacau, milho e laranjas. Outros cultivos importantes são: a soja, o tabaco, a batata, o algodão, o arroz, o trigo, a mandioca e a banana. A produção anual de grãos é da ordem de 80 milhões de toneladas. 28

35 O gado de corte é criado em quase todas as partes do País, especialmente em Mato Grosso do Sul, São Paulo e nos estados do sul, onde há uma grande quantidade de gado leiteiro, porcos, aves, ovelhas, cabras, cavalos, burros, mulas e bois. Tabela 2.4 Indicadores econômicos no final de 1999 (Fontes: The Economist e Gazeta Mercantil) Indicador Janeiro de 2000 US dólar R $ 1,86 Taxa de juros anual de curto prazo % 19,04 Variação do PIB (%) -0,3 PIB em R$ bilhões (outubro, 1999) 1 975,9 Arrecadação da receita federal R$ bilhões 1 151,516 Investimento estrangeiro direto 1 (US$ bilhões 29,976 Produção industrial (%) 4,3 (Nov) Taxa anual de Preços ao consumidor (%) 8,1 (Nov) Comércio exterior US$ bilhões 1,2 Reservas US $ billhões 42,4 Indicador Big-Mac -27% 1 fluxo corrente de 12 meses, fonte: Gazeta Mercantil Silvicultura e pesca: Entre os produtos mais valiosos das florestas brasileiras se contam o tungue, a borracha, a cera de carnaúba, a fibra de algarobo, plantas medicinais, óleos vegetais, resinas, castanhas e madeiras para construção e móveis. Constituem importantes recursos madeireiros o pinheiro-do-paraná, o mais importante comercialmente, e a aroeira-vermelha. A indústria madeireira se desenvolveu rapidamente durante as décadas de setenta e oitenta ao mesmo tempo em que as florestas eram desmatadas para os assentamentos. A indústria pesqueira cresceu consideravelmente na década de setenta. Em meados da década de 1990 a pesca produziu toneladas anuais, incluindo camarões, lagostas e sardinhas. Mineração: Os recursos minerais do Brasil são grandes, mas a escassez de capital e uma infra-estrutura inadequada de transporte refrearam seu desenvolvimento até a década de setenta. O carvão é extraído no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e em outras regiões. A febre do ouro na selva amazônica, que ocorre desde 1979, tornou o Brasil um dos maiores produtores mundiais desse minério. Os depósitos de ferro do país, localizados no Pará, em Minas Gerais e em outras áreas, estão entre os mais ricos do mundo. A produção de minério de ferro foi de 205 milhões de toneladas no início da década de noventa. Ricos depósitos de estanho tornaram o Brasil um produtor líder desse metal. O País também é um grande exportador de cristais de quartzo, monazita e berílio. Manganês, diamantes, cromo, zircônio, petróleo bruto, gás natural, prata, bauxita e mica são extraídos em grandes quantidades. Os depósitos conhecidos de magnesita, grafite, titânio, cobre, zinco, mercúrio e platina não são ainda explorados em grande escala. Embora tenha uma produção significativa de petróleo (superior a 1 milhão de barris por dia) seja um recurso natural disponível, o Brasil ainda não é autosuficiente, dependendo da importação de petróleo e de seus derivados para atender às suas necessidades. Como exemplo, tem-se que no ano de 1996, o 29

36 Brasil importou toneladas de combustíveis e óleos minerais, produtos da destilação desses e materiais betuminosos (IBGE, 1998). Indústria: Existe grande diversificação na produção industrial como alimentos processados, ferro e aço, cimento, tecidos, confecção, veículos automotores, produtos químicos, papel, navios e equipamentos elétricos. São Paulo é o principal estado industrial, com fábricas que produzem aproximadamente um terço da quantidade total de produtos industriais do Brasil; as cidades do Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre e Fortaleza também são grandes centros industriais. Nos últimos anos, devido aos incentivos fiscais, existe uma grande movimentação de instalações industriais no sentido do Nordeste, Centro Oeste e Sul. Energia: Cerca de 91% da produção anual de eletricidade do Brasil é assegurada por hidrelétricas. As grandes usinas hidrelétricas estão situadas nos rios Paraná, Tocantins e São Francisco, além do rio Grande. No rio Paraná, o complexo hidrelétrico de Itaipu, Jupiá, Ilha Solteira e Foz do Areia produz um total de MW de potência instalada. Itaipu representa uma capacidade de MW, com ampliação prevista para mais duas turbinas. A hidrelétrica de Tucuruí, no rio Tocantins, tem uma potência instalada de mais de MW, com previsão de uma segunda etapa que atingiria MW. No São Francisco, o complexo Paulo Afonso-Sobradinho soma MW, e no rio Grande, o complexo Embarcação, Furnas e Marimbondo gera um total de MW aproximadamente. O Brasil tem uma capacidade de produção elétrica aproximada de cerca de MW. Comércio exterior: Atualmente, o comércio exterior representa cerca de US$ 100 bilhões, com pequena diferença a favor das importações. No entanto, para 2000, está previsto um acréscimo no comércio com superavit nas contas de pelo menos 2,5 bilhões. Os tradicionais principais compradores dos produtos brasileiros no começo dessa década eram os Estados Unidos, Argentina, Alemanha, Japão, Itália, França, Países Baixos e Grã-Bretanha. As maiores exportações foram: soja, suco de laranja, café, minério de ferro, aço, equipamentos de transporte, carnes, maquinaria, sapatos e tecidos. Transporte: O sistema ferroviário do Brasil constava, em 1993, de km de linhas, implantado, principalmente, nas regiões Sudeste e Sul. As ferrovias do país são utilizadas, principalmente, para o transporte de mercadorias. As estradas e rodovias, concentradas nas regiões Sul, Sudeste e Nordeste do Brasil, tinham uma extensão de km em 1993; mais de 11% de extensão das estradas brasileiras estavam pavimentadas. As vias fluviais do interior, que totalizam aproximadamente km em torno do Amazonas e seus afluentes, ligam o Brasil com outros países da América do Sul. No interior de muitas áreas da bacia do Amazonas, as vias fluviais são o principal meio de transporte. Por volta de 40 portos ao largo da costa brasileira servem ao comércio de cabotagem e internacional. Os principais portos são Santos, Rio de Janeiro, Paranaguá, Recife e Vitória. As ligações aéreas nacionais são numerosas e existem várias companhias de transporte aéreo. Trabalho: A força de trabalho brasileira economicamente ativa é estimada em cerca de 55,4 milhões de pessoas; as mulheres compõem um terço da força de trabalho. Aproximadamente 23% dos trabalhadores estão ocupados na agricultura; 53% estão empregados no setor dos serviços e 21% trabalham na 30

37 indústria e na construção civil. Ao redor de 3% se dedicam a outras atividades. 2.5 Relevo e Vegetação O relevo brasileiro é de formação antiga, resultante da ação de processos orogênicos e da alternância de ciclos climáticos, o que favoreceu o processo de erosão. Segundo classificação de Ross (1995), as unidades de relevo encontradas no Brasil podem ser divididas em planaltos, planícies e depressões. A Figura 2.2 traz o mapa de relevos do País. Os Planaltos são formas de relevo mais altas que ofereceram maior dificuldade à erosão. São encontrados em todas as regiões do Brasil. O pico da Neblina, com m, é o ponto mais alto do relevo brasileiro e se situa nos planaltos residuais Norte-Amazônicos, no estado do Amazonas. Outros pontos elevados do relevo no País se acham localizados nas serras da Região Sudeste. As Depressões são áreas rebaixadas em conseqüência da atividade erosiva, que se formam entre as áreas sedimentares e as estruturas geológicas mais antigas. Elas, também, ocorrem em todas as regiões do Brasil, destacando-se a Depressão da Amazônia Ocidental (Norte), a depressão da borda leste da bacia do rio Paraná (Sul e Sudeste) e a depressão da bacia do São Francisco (Nordeste). As Planícies são unidades de relevo geologicamente recentes, formadas por deposição de material de origem marinha, lacustre e fluvial em áreas planas. Há importantes planícies em território brasileiro, como a planície do rio Amazonas e as planícies da lagoa dos Patos e lagoa Mirim, no litoral do Rio Grande do Sul. Essas diversas formas de relevo, associadas aos solos e climas existentes no Brasil, propiciaram o aparecimento de uma grande variedade de formações vegetais. As formações mais importantes são a floresta Amazônica (40% do território brasileiro), a mata Atlântica (florestas costeiras), a caatinga (no Semi-Árido do Nordeste), o pantanal matogrossense (maior planície inundável do País, na região Centro-Oeste), o cerrado (na região central do País), os campos e a mata de araucária (na Região Sul). Essa variedade geográfica confere ao país uma grande biodiversidade calcula-se que o Brasil abrigue de 15 a 20% de todas as espécies animais e vegetais do planeta. 31

38 Figura 2.2 Relevo do Brasil Fonte: Almanaque Abril (1999) 32

39 3. MANEJO INTEGRADO DOS RECURSOS HÍDRICOS 3.1 As Bacias Hidrográficas do Brasil De acordo com a divisão adotada pela Secretaria de Recursos Hídricos do Ministério do Meio Ambiente, são oito as grandes bacias hidrográficas no País: a do rio Amazonas, a do rio Tocantins, as do Atlântico Sul, trechos Norte e Nordeste, a do rio São Francisco, as do Atlântico Sul, trecho Leste, a do rio Paraná, a do rio Paraguai, e as do Atlântico Sul, trecho Sudeste. Na Figura 3.1, é apresentada a localização das referidas bacias dentro do país. Figura 3.1 Bacias Hidrográficas Fonte: Almanaque Abril (1999) As principais nascentes dos rios brasileiros são: a Cordilheira dos Andes, onde nascem os formadores do rio Amazonas; o Planalto das Guianas, que dá origem aos rios da margem esquerda da bacia Amazônica; o Planalto Central Brasileiro, de onde se originam os rios das mais importantes bacias brasileiras: a Amazônica (rios da margem direita), a Platina, e a do São Francisco. Algumas das principais características da rede de bacias hidrográficas do país são as seguintes: 33

RELATÓRIO NACIONAL SOBRE O GERENCIAMENTO DA ÁGUA NO BRASIL

RELATÓRIO NACIONAL SOBRE O GERENCIAMENTO DA ÁGUA NO BRASIL RELATÓRIO NACIONAL SOBRE O GERENCIAMENTO DA ÁGUA NO BRASIL Janeiro/2000 RELATÓRIO NACIONAL SOBRE O GERENCIAMENTO DA ÁGUA NO BRASIL Carlos E. M. Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas IPH Universidade

Leia mais

CENÁRIOS DA GESTÃO DA ÁGUA NO BRASIL: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A VISÃO MUNDIAL DA ÁGUA. Carlos E. M. Tucci

CENÁRIOS DA GESTÃO DA ÁGUA NO BRASIL: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A VISÃO MUNDIAL DA ÁGUA. Carlos E. M. Tucci CENÁRIOS DA GESTÃO DA ÁGUA NO BRASIL: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A VISÃO MUNDIAL DA ÁGUA Carlos E. M. Tucci IPH - Instituto de Pesquisas Hidráulicas UFRGS Av. Bento Gonçalves, 9500 CEP 91501-970 - Porto Alegre,

Leia mais

Cenários da gestão da água no Brasil: uma contribuição para a Visão Mundial da Água

Cenários da gestão da água no Brasil: uma contribuição para a Visão Mundial da Água Cenários da gestão da água no Brasil: uma contribuição para a Visão Mundial da Água Carlos E. M. Tucci *, Ivanildo Hespanhol **, Oscar de M. Cordeiro Netto *** Resumo A gestão dos recursos hídricos no

Leia mais

RELATÓRIO NACIONAL SOBRE O GERENCIAMENTO DA ÁGUA NO BRASIL

RELATÓRIO NACIONAL SOBRE O GERENCIAMENTO DA ÁGUA NO BRASIL RELATÓRIO NACIONAL SOBRE O GERENCIAMENTO DA ÁGUA NO BRASIL Carlos E. M. Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas IPH Universidade Federal do Rio Grande do Sul Av. Bento Gonçalves, 9500 Porto Alegre-RS

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO BRASIL. Carlos E. M. Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas UFRGS SAMTAC - GWP

DESENVOLVIMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO BRASIL. Carlos E. M. Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas UFRGS SAMTAC - GWP DESENVOLVIMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO BRASIL Carlos E. M. Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas UFRGS SAMTAC - GWP Janeiro- 2004 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. VISÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS...5 2.1 Institucional...5

Leia mais

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro 3º Congresso Científico do Projeto SWITCH Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro Gestão Integrada de Águas Urbanas em Diferentes Escalas Territoriais: a Cidade e a Bacia Hidrográfica

Leia mais

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO Esta síntese objetiva apresentar de forma resumida o que foi produzido na fase B do plano de bacia, permitindo uma rápida leitura das principais informações sobre

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Recursos Hídricos na Região Sudeste: Segurança Hídrica, Riscos, Impactos e Soluções São Paulo, 20-21 de novembro de 2014 Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Rhama Consultoria Ambiental

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Reconhecer a água como bem econômico e dar ao usuário uma indicação de seu real valor Incentivar

Leia mais

CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina

CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina Apoio financeiro e técnico no setor água O CAF apoia os esforços que os países da região realizam para garantir que toda a população

Leia mais

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Mierzwa, José Carlos Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Garo Batmanian Banco Mundial Seminário Latino Americano de Avaliação Ambiental Estratégica Brasília, 28 de agosto de 2006 Estratégia

Leia mais

PLANO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS

PLANO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO ESTUDO PLANO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS José de Sena Pereira Jr. Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

DIRETRIZES ESTRATÉGICAS DO CTHIDRO. Prof. Dr. Carlos Eduardo Morelli Tucci

DIRETRIZES ESTRATÉGICAS DO CTHIDRO. Prof. Dr. Carlos Eduardo Morelli Tucci DIRETRIZES ESTRATÉGICAS DO CTHIDRO Prof. Dr. Carlos Eduardo Morelli Tucci Abril 2013 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 INSTRUMENTOS LEGAIS PARA A CRIAÇÃO DO CTHIDRO... 3 1.2 OBJETIVOS DO CT-HIDRO... 3 1.3

Leia mais

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós Graduação Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil 1

Leia mais

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL 1 O PACTO FEDERATIVO E A QUESTÃO FISCAL As dificuldades oriundas do federalismo brasileiro vêm ganhando cada vez mais espaço na

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL I ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE SANEAMENTO RURAL INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL Ernani Ciríaco de Miranda Diretor SNSA/MCIDADES

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

PROBLEMÁTICA DA GESTÃO DAS ÁGUAS NAS GRANDES CIDADES DO BRASIL

PROBLEMÁTICA DA GESTÃO DAS ÁGUAS NAS GRANDES CIDADES DO BRASIL PROBLEMÁTICA DA GESTÃO DAS ÁGUAS NAS GRANDES CIDADES DO BRASIL Carlos Magno de Souza Barbosa 1 & Arthur Mattos 2 RESUMO As grandes concentrações urbanas brasileiras apresentam condições críticas de sustentabilidade

Leia mais

A Evolução do Sistema Brasileiro de Gestão de Recursos Hídricos

A Evolução do Sistema Brasileiro de Gestão de Recursos Hídricos França Brasil Uma Colaboração Científica A Evolução do Sistema Brasileiro de Gestão de Recursos Hídricos Luiz Gabriel T. Azevedo gazevedo@odebrecht.com Fortaleza, Junho 2009 Alguns Marcos Importantes Primeiro

Leia mais

Nome da operação. Região País Setor. Número da operação Instrumento de crédito Mutuário(s) Entidade executora

Nome da operação. Região País Setor. Número da operação Instrumento de crédito Mutuário(s) Entidade executora Nome da operação Região País Setor DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DO PROGRAMA (PID) ETAPA CONCEITUAL Relatório nº: AB7437 (O número do relatório é gerado automaticamente pelo IDU e não

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS Prof. Demetrios Christofidis EDUCAÇÃO PARA MUDANÇA DE TRAJETÓRIA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei nº 9.984/2000 Criação da ANA 1988 1997 2000 2002

Leia mais

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2 professor Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas:. Mapa conceitual sobre Água: Água no cotidiano - Módulo que são em três estados físicos A oferta de água - Módulo 2 é encontrada

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água Maria de Fátima Chagas 23 de novembro de 2009 23 de novembro de 2009 Campo Grande - MS A Água e Meio Ambiente -

Leia mais

A Privatização do Saneamento Básico

A Privatização do Saneamento Básico A Privatização do Saneamento Básico por Victor Carvalho Pinto 1 Considerações Gerais O setor de saneamento 1 encontra-se na interface entre diversas políticas públicas de grande repercussão social, como

Leia mais

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades A água

Leia mais

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro Ana

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS MERCOSUL MEIO AMBIENTE - SGT6 - Gestão de Recursos Hídricos em Bacias Compartilhadas Gisela Forattini Superintendente de Fiscalização Brasília DF setembro/2002 Bacia Amazônica

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

Desenvolvimento regional

Desenvolvimento regional Desenvolvimento regional Água e terra irrigada para o Nordeste No Nordeste, onde a seca representa o grande obstáculo para o desenvolvimento, o Governo Federal está realizando o maior programa de construção

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR

MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR Introdução Em 2000 havia no mundo mais de 1 bilhão de pessoas sem suficiente disponibilidade de água para consumo doméstico e se estima que, em

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Programa de Modernização do Setor Saneamento

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Programa de Modernização do Setor Saneamento PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Programa de Modernização do Setor Saneamento SEMINÁRIO SOBRE PROGRAMAS DE REDUÇÃO DE PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS, SAÚDE E PROTEÇÃO AMBIENTAL

RECURSOS HÍDRICOS, SAÚDE E PROTEÇÃO AMBIENTAL RECURSOS HÍDRICOS, SAÚDE E PROTEÇÃO AMBIENTAL Ananda Helena Nunes Cunha 1 1 Engenheira Agrônoma, mestranda Engenharia agrícola. UEG/Anápolis GO Amarildo Roque Ferrari 2 2 Professor especialista CENED-Porto

Leia mais

10TT - Monitoramento da Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera de Santa Catarina. Unidade de Medida: % de execução física Especificação do Produto

10TT - Monitoramento da Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera de Santa Catarina. Unidade de Medida: % de execução física Especificação do Produto Programa 2067 - Resíduos Sólidos 10TT - Monitoramento da Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera de Santa Catarina Tipo: Projeto Número de Ações 10 Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função: 18 - Gestão

Leia mais

MINUTA DE PROJETO DE LEI

MINUTA DE PROJETO DE LEI MINUTA DE PROJETO DE LEI DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL E O PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL DE PENÁPOLIS O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PENÁPOLIS, no uso de suas atribuições

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

12. SISTEMA DE GESTÃO DO PERH/PB 12.1 ASPECTOS INSTITUCIONAIS DOS PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS

12. SISTEMA DE GESTÃO DO PERH/PB 12.1 ASPECTOS INSTITUCIONAIS DOS PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS 12. SISTEMA DE GESTÃO DO PERH/PB 12.1 ASPECTOS INSTITUCIONAIS DOS PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS Os Planos de Recursos Hídricos estão previstos nos Artigos 6 a 8 da Lei Federal N 9.433, de 08.01.97, onde

Leia mais

Gestão Participativa e os Comitês de Bacias

Gestão Participativa e os Comitês de Bacias Novembro de 2009. Gestão Participativa e os Comitês de Bacias Suraya Modaelli DAEE 1,2 bilhão de pessoas sem acesso a água potável no mundo 2 bilhões sem infra-estrutura de saneamento milhões de crianças

Leia mais

WWDR4 Resumo histórico

WWDR4 Resumo histórico WWDR4 Resumo histórico Os recursos hídricos do planeta estão sob pressão do crescimento rápido das demandas por água e das mudanças climáticas, diz novo Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE LEI Nº 354/2014 Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico e o Fundo Municipal de Saneamento de Básico, e dá outras providências. A Prefeita

Leia mais

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol Vice Presidente de Gestão e Assuntos Institucionais Resumo Planejamento das atividades de Infraestrutura de Saneamento

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 SALVADOR, BAHIA - QUARTA-FEIRA 12 DE MARÇO DE 2014 ANO - XCVIII - N O 21,375 RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 Estabelece diretrizes e critérios gerais para a outorga do direito de uso dos recursos

Leia mais

Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas

Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas Congresso Internacional de Segurança da Água Brasília,

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH Objetivo Geral PROPOR PROGRAMAS, AÇÕES E ESTRATÉGIAS, INTERSETORIAIS E INTERINSTITUCIONAIS, VISANDO ASSEGURAR O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL DOS USOS

Leia mais

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO; 2. OBJETIVO; 3. LOCALIDADES BENEFICIADAS;

Leia mais

Sistemas integrados de tratamento e reciclagem de águas servidas na América Latina: realidade e potencial

Sistemas integrados de tratamento e reciclagem de águas servidas na América Latina: realidade e potencial Sistemas integrados de tratamento e reciclagem de águas servidas na América Latina: realidade e potencial Julio Moscoso Cavallini - jmoscoso@cepis.ops-oms.org Luis Egocheaga Young - legochea@cepis.ops-oms.org

Leia mais

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DO CONSÓRCIO PRÓ-SINOS PRODUTO 4 CONCEPÇÃO DOS PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES NECESSÁRIAS. AÇÕES PARA

Leia mais

Ministério das Cidades MCidades

Ministério das Cidades MCidades Ministério das Cidades MCidades Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS São Paulo, 02 de junho de 2014 Roteiro 1. O processo de urbanização no Brasil: histórico. 2. Avanços institucionais na promoção

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Washington Reis) Institui a Política Nacional de Transporte Rodoviário de Combustíveis, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A.

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A. Introdução AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A. A Tractebel Energia, isoladamente ou por meio da APINE, vem estudando e discutindo o tema

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 27/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 47/2015

PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 27/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 47/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 47/2015 PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 27/2015 ASSUNTO: INTERESSADO: REAJUSTE EXTRAORDINÁRIO DAS TARIFAS DE ÁGUA E DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ DAE S/A ÁGUA E I. DO OBJETIVO

Leia mais

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas Adaptação em Gestão das Águas Meta e objetivos da sessão Meta considerar como a adaptação às mudanças climáticas pode ser incorporada na gestão

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens

Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens Mesa redonda: Mudanças Climáticas (ClimateChanges) XXVIII Seminário Nacional de Grandes Barragens Rio de Janeiro.

Leia mais

XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos

XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos SECRETARIA DE SANEAMENTO E ENERGIA XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos Mesa redonda: Marco Regulatório do Setor Saneamento Desafios do Saneamento e Regulação dos Serviços no Estado de São Paulo

Leia mais

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 A Carta das Águas do Acre 2015 é o documento resultado do Seminário Água e Desenvolvimento Sustentável realizado pelo Governo do Estado do Acre, através da Secretaria de Estado

Leia mais

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte IGARN Natal maio/2014 BASE LEGAL PARA A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Art. 1º Fundamentos: LEI 9.433/1997 a água é bem de domínio

Leia mais

Os participantes concordaram em nove tópicos-chave nos quais houve semelhanças em problemas de água e gestão. São estes:

Os participantes concordaram em nove tópicos-chave nos quais houve semelhanças em problemas de água e gestão. São estes: A Academia Brasileira de Ciências (ABC), em parceria com o Instituto Internacional de Ecologia (IIE) - e com o suporte da Rede Interamericana de Academias de Ciências (IANAS), da Rede Africana de Academias

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO. Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos

EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO. Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos Organização da Secretaria de Saneamento e Recursos Hidricos Gabinete do Secretario Saneamento

Leia mais

2. Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí

2. Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Nota Informativa nº 03/2011/SAG Documento nº 030178/2011-46 Em 23 de novembro de 2011 Ao Senhor Superintendente de Apoio à Gestão de Recursos Hídricos Assunto: Resumo dos resultados da pesquisa de impacto

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

INSTRUMENTOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS PARA GIRH. Aplicação de instrumentos financeiros

INSTRUMENTOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS PARA GIRH. Aplicação de instrumentos financeiros INSTRUMENTOS FINANCEIROS E ECONÔMICOS PARA GIRH Aplicação de instrumentos financeiros Metas e objetivos da sessão Examinar em maior detalhe o que foi apresentado no Capítulo 5 em relação às principais

Leia mais

Saneamento Básico e Saúde

Saneamento Básico e Saúde Conferência Nacional de Segurança Hídrica Uberlândia - MG Saneamento Básico e Saúde Aparecido Hojaij Presidente Nacional da Assemae Sobre a Assemae A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento

Leia mais

Planejamento da fiscalização no TCU. Um novo paradigma em prática

Planejamento da fiscalização no TCU. Um novo paradigma em prática Planejamento da fiscalização no TCU Um novo paradigma em prática Competências do TCU(art. 70 e 71 da CF) Art. 70 - A fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial da União

Leia mais

Constituição Estadual CAPÍTULO IV Do Meio Ambiente, dos Recursos Naturais e do Saneamento

Constituição Estadual CAPÍTULO IV Do Meio Ambiente, dos Recursos Naturais e do Saneamento Constituição Estadual CAPÍTULO IV Do Meio Ambiente, dos Recursos Naturais e do Saneamento O SEÇÃO I Do Meio Ambiente Art. 191. O Estado e os Municípios providenciarão, com a participação da coletividade,

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

- SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

- SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS - SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Eng. Mário Cicareli Pinheiro POTAMOS Engenharia e Hidrologia Ltda. mario.cicareli@potamos.com.br Belo Horizonte, 27 de março de 2014 SUMÁRIO

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins BASE LEGAL Lei Federal 11.445/2007 e Decreto 7.217/2010 Lei Federal

Leia mais

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996. Súmula: Instituída a Área de Proteção Ambiental na área de manancial da bacia hidrográfica do rio Pequeno, denominada APA Estadual do Pequeno.. O GOVERNADOR DO

Leia mais

Ailton Francisco da Rocha 2 ; Genival Nunes Silva 3

Ailton Francisco da Rocha 2 ; Genival Nunes Silva 3 ESTUDO DE CASO D0 PROJETO DE GESTÃO INTEGRADA DE ÁGUAS URBANAS DO MUNICÍPIO DE ARACAJU/SE 1 Ailton Francisco da Rocha 2 ; Genival Nunes Silva 3 RESUMO: A definição de saneamento básico dada pela Lei nº

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA A hidrosfera fonte para a vida A superfície do planeta Terra é constituída predominantemente de água. Os continentes e ilhas constituem cerca de 30% da superfície

Leia mais

Informativo Eletrônico do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Guandu, da Guarda e Guandu-Mirim

Informativo Eletrônico do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Guandu, da Guarda e Guandu-Mirim BOLETIM DIGITAL Edição 5 - Julho 2014 Informativo Eletrônico do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Guandu, da Guarda e Guandu-Mirim Estresse hídrico na Bacia do Paraíba do Sul preocupa Comitê Foto:

Leia mais