PELOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE. Relatório Anual

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PELOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE. Relatório Anual"

Transcrição

1 PELOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Relatório Anual 2004

2 MISSÃO Promover a defesa dos direitos e o exercício da cidadania das crianças e dos adolescentes VISÃO Uma sociedade justa e responsável pela proteção e pleno desenvolvimento de suas crianças e adolescentes VALORES Ética Transparência Solidariedade Diversidade Foco na criança e no adolescente Autonomia e independência FOCOS DE AÇÃO Educação com ênfase na participação da família e da comunidade na educação Proteção especial Funcionamento do Sistema de Garantia de Direitos, com ênfase em Conselhos Tutelares ESTRATÉGIAS Propor e influenciar políticas públicas Disseminar concepções e metodologias Mobilizar e se articular com outros setores e atores da sociedade Atuar em rede Fortalecer a sociedade para exercer o controle social Atuar de forma inovadora Relatório Anual

3 PALAVRA DA DIRETORIA Dos primeiros 15 anos aos próximos 15 4 A Fundação Abrinq pelos Direitos da Criança e do Adolescente completa 15 anos em 2005 mesma idade que tem o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Aqui está uma coincidência que muito nos agrada e que gostamos de frisar, pois o ECA é uma legislação progressista, que propõe a corresponsabilidade entre Estado, família e sociedade na proteção aos brasileiros que não completaram 18 anos. São seres em formação, cidadãos donos de direitos nem sempre observados, sobre os quais repousam nossas esperanças futuras. O ECA foi fruto de uma ampla mobilização da sociedade e no bojo desse movimento de cidadania e participação política nasceu a Fundação Abrinq. Durante o ano de 2004, tal qual um adolescente que faz planos para o futuro, a Fundação Abrinq também decidiu pensar no longo prazo, pensar longe, pensar grande. E no horizonte dos próximos 15 anos o que mais se destaca é a necessidade de atuarmos nos municípios. Nossa base de ação terá de ser a cidade, pois é nela que vive hoje a maioria das crianças e adolescentes. Esse estimulante, complexo e por vezes tortuoso processo de repensar nosso papel e nossa forma de atuação fez com que chegássemos a três grandes áreas de ação prioritárias: educação, com ênfase na participação da família e da comunidade na escola; proteção especial, com ênfase nas medidas socioeducativas previstas pelo ECA (e quase sempre não implementadas por completo); e funcionamento do Sistema de Garantia de Direitos, com especial atenção aos Conselhos Tutelares. Definir esses focos foi de grande valia para uma organização que aprendeu a abraçar múltiplas ações que tinham como fim último a proteção de nossas crianças. Intensos debates internos reforçaram nossa convicção de que as organizações do Terceiro Setor precisam, cada vez mais, saber claramente o que querem, como querem e por quê. A definição desses focos também implicou a escolha das melhores estratégias para atingi-los. Algumas já se encontram em execução, como a tentativa de influenciar as políticas públicas. O Programa Prefeito Amigo da Criança, estabelecido como um programa de acompanhamento e qualificação das gestões municipais, caminha nesse sentido. Da mesma forma, o Projeto Presidente Amigo da Criança, que gerou o relatório Um Brasil para a Criança e o Adolescente, elaborado pela Rede de Monitoramento Amiga da Criança. O documento é um verdadeiro marco zero da situação da infância e da adolescência, produto da ação conjunta de dezenas de organizações da sociedade civil, que avaliaram dados e as propostas do governo Federal para as áreas de Educação, Saúde, Proteção, combate ao HIV/Aids e o próprio orçamento da União. Outra estratégia definida em nosso planejamento de longo prazo foi a de disseminar concepções e metodologias que pudessem servir, pelo poder do exemplo, para governos, outras organizações não-governamentais e empresas. As quatro publicações dos vencedores do Prêmio Criança 2004 são prova e fruto disso.

4 Também buscamos fortalecer os instrumentos de controle que a Constituição Federal criou, como os Conselhos Tutelares e os Conselhos Municipais de Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCAs). Entendemos que quanto mais atuantes e presentes na vida do município eles forem, melhor as crianças ali viverão. Temos claro que o caminho a ser percorrido é longo. Um capítulo deste Relatório é dedicado a mostrar o quadro nada tranqüilizador da infância e da adolescência em nosso País. Mas as páginas que se seguem a ele pretendem mostrar que existem soluções. Também mostrarão depoimentos de vida, de esperança, de superação. Histórias de pessoas que, lá na ponta final da cadeia de ajuda, tiveram algum ganho, algum proveito, uma ação concreta de nossos 15 programas que tenta desmentir o cotidiano de descaso e abandono em que a maioria de nossas crianças e adolescentes se encontra. Este Relatório Anual de nossas atividades se dedica a elas, aos nossos parceiros e apoiadores e aos que nunca deixam de acreditar que um Brasil mais justo e solidário é possível, desde que deixemos de apenas sonhar e cada um tome para si a parte que lhe cabe nessa tarefa. E se essa tarefa parece ser tão gigantesca quanto nosso próprio País, gigantesca também deve ser a nossa força para executá-la. Rubens Naves Diretor-presidente 2004 Carlos Tilkian Relatório Anual 5 Presidente do Conselho de Administração

5 6 DIRETORIA EXECUTIVA Diretor-presidente: Rubens Naves Diretora Vice-presidente: Isa Maria Guará Diretor-tesoureiro: Synésio Batista da Costa CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Presidente: Carlos Antonio Tilkian Secretário: Ismar Lissner Membros efetivos: Aloísio Wolff,Audir Queixa Giovani, Carlos Rocha Ribeiro da Silva, Daniel Trevisan, Emerson Kapaz, Guilherme Peirão Leal, Hans Becker, José Berenguer, José Eduardo P. Pañella, Lourival Kiçula, Maria Ignês Bierrenbach, Oded Grajew, Ricardo Sayon, Sérgio E. Mindlin e Therezinha Fram Membros suplentes: Antônio Carlos Ronca, João Nagano Júnior, Márcio Ponzini, Natânia do Carmo Sequeira e Ricardo Vacaro CONSELHO FISCAL Membros efetivos: José Francisco Gresenberg Neto, Mauro Antônio Ré e Vitor Aruk Garcia Membros suplentes: Alfredo Sette, Érika Quesada Passos e Rubem Paulo Kipper CONSELHO CONSULTIVO Presidente: Therezinha Fram Vice-presidente: Isa Maria Guará Membros efetivos: Aldaíza Sposati, Aloísio Mercadante Oliva, Âmbar de Oliveira Barros, Antônio Carlos Gomes da Costa, Araceli Martins Elman, Benedito Rodrigues dos Santos, Dalmo de Abreu Dallari, Edda Bomtempo, Helena M. Oliveira Yazbeck, Hélio Pereira Bicudo, Ilo Krugli, João Benedicto de Azevedo Marques, Joelmir Beting, Jorge Broide, Lélio Bentes Corrêa, Lídia Izecson de Carvalho, Magnólia Gripp Bastos, Mara Cardeal, Marcelo Pedroso Goulart, Maria Cecília C. Aranha Lima, Maria Cecília Ziliotto, Maria Cristina de Barros Carvalho, Maria Cristina S.M. Capobianco, Maria de Lourdes Trassi Teixeira, Maria Machado Malta Campos, Marlova Jovchelovitch Noleto, Marta Silva Campos, Melanie Farkas, Munir Cury, Newton A. Paciulli Bryan, Norma Jorge Kyriakos, Oris de Oliveira, Pedro Dallari, Rachel Gevertz, Ronald Kapaz, Rosa Lúcia Moysés, Ruth Rocha, Sandra Juliana Sinicco, Sílvia Gomara Daffre,Tatiana Belinky,Valdemar de Oliveira Neto e Vital Didonet SECRETARIA EXECUTIVA GERÊNCIA EXECUTIVA OPERACIONAL Gerente: Ely Harasawa Equipe: Cristiane de Oliveira Aureliano GERÊNCIA EXECUTIVA DE RELACIONAMENTO Gerente: Luis Vieira Rocha Equipe: Ana Rita Peres da Silveira, Eliane Helena de Souza e Fernanda Guarita ÁREA ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA Gerente: Victor Alcântara da Graça Equipe: Cosmo dos Santos, Élida Gomes, Jefferson Lopes Viana, Maria Cristina Brito, Maria Dolores de Oliveira, Mariane Konder Comparato, Marli Bispo de Oliveira, Paulo Rogério Pires e Valéria do Nascimento G. Borazo ÁREA DE COMUNICAÇÃO Gerente: Renata Cook Equipe: Ricardo Prado (Coordenador), Amanda Kartanas, Andrea Sarubby, Fernanda Favaro, Larissa Martins, Solange Tassotti e Vilma Amaro ÁREA DE INFORMAÇÃO Gerente: Walter Meyer Karl Equipe: Daniela Maria Fonseca, Erina Yoshizawa, Fabiana de Lima Loures, Felipe Martins Pereira, Marcelo Martins, Marco Antonio Martins Jr., Pablo Finotti e Christina Almeida (consultora) ÁREA DE MOBILIZAÇÃO E POLÍTICAS PÚBLICAS Gerente: Itamar Batista Gonçalves Equipe: Alejandra Meraz Velasco, Daniela Rodriguez de Castro, Maria de Lourdes Rodrigues e Nádia Alves ÁREA DE MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Gerente: Lygia Fontanella-Deadman Equipe: Agnes Miyuki Nakyama, Danillo Kott, Fernando Dourado Costa, Milene de Oliveira Sousa Silva, Pricila Yamada e Silvia Rosa ÁREA DE PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO Coordenador: José Cláudio da Costa Barros Equipe: Edson Maurício Cabral e Silvia Kawata ASSESSORIA DA PRESIDÊNCIA Assessora: Ana Maria Wilheim PROGRAMAS E PROJETOS Programa Adotei um Sorriso Equipe: Denise Cesário (Coordenadora), Isabel Rego e Márcia Thomazinho Programa Biblioteca Viva Coordenadora: Ely Harasawa Execução: A Cor da Letra - Centro de Estudos, Assessoria e Pesquisa em Leitura e Literatura Infantil Programa Crer Para Ver Equipe: Celso Seabra Santiago (Coordenador), Amélia Isabeth Bampi Paines, Catiane Gomes Silva e Tatiana M.Viana da Silva Programa de Educação Infantil Equipe: Márcia Quintino (Coordenadora) e Nelma dos Santos Silva Execução: Instituto Avisalá Programa Empresa Amiga da Criança Equipe: Marisa Tardelli de Azevedo (Coordenadora), Andrea Santoro Silveira, Daniela Queiroz Lino, Edmilson Selarin Jr., Elaine Cristina Rodrigues Barros e Flávia Lotito Cardoso Programa Garagem Digital Equipe: Roseni Aparecida dos Santos Reigota (Coordenadora), Arlete Felício Graciano Fernandes, Fátima Aparecida da Silva, Hérica dos Santos Aires, Karen Alonso Horn e Renata Lopes Projeto Geração Jovem Equipe: Márcia Quintino (Coordenadora), Maria do Carmo Krehan e Nelma dos Santos Silva Projeto Mudando a História Equipe: Márcia Quintino (Coordenadora) e Nelma dos Santos Silva Execução: A Cor da Letra - Centro de Estudos, Assessoria e Pesquisa em Leitura e Literatura Infantil Programa Nossas Crianças Equipe: Denise Cesário (Coordenadora), Angela Matoso, Angélica Domingues e Daniela Florio Projeto De Olho no Orçamento Criança Equipe: Itamar Batista Gonçalves (Coordenador) e Alejandra Meraz Velasco Programa Prefeito Amigo da Criança Equipe: Raul de Carvalho (Coordenador), Abgail Silvestre Torres, Ana Valim, Ivone Silva, José Carlos Bimbatte Jr., Mônica Takeda, e Rosana Paula Orlando Programa Prêmio Criança Equipe: Leila Midlej (Coordenadora), Maria do Carmo Krehan e Nelma dos Santos Silva Projeto Presidente Amigo da Criança Equipe: Itamar Batista Gonçalves (Coordenador), Alejandra Meraz Velasco, Amanda Kartanas, Ana Maria Wilheim e Daniela Rodriguez de Castro Projeto Virada de Futuro Equipe: Márcia Quintino (Coordenadora), Maria do Carmo Krehan e Nelma dos Santos Silva

6 SUMÁRIO 1. MISSÃO,VISÃO,VALORES, FOCOS E ESTRATÉGIAS...pg PALAVRA DA DIRETORIA...pg CENÁRIO DA INFÂNCIA NO BRASIL...pg RESULTADOS DA FUNDAÇÃO ABRINQ EM PROGRAMAS E PROJETOS...pg AÇÃO POLÍTICA......pg COMUNICAÇÃO...pg DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL......pg SUSTENTABILIDADE......pg DEMONSTRATIVO FINANCEIRO...,......pg Relatório Anual 7

7 CENÁRIO DA INFÂNCIA NO BRASIL O controle social e a criança 8 Uma análise sobre o alcance das Metas do Milênio para a Infância e a Adolescência no Brasil

8 Relatório Anual

9 CENÁRIO DA INFÂNCIA NO BRASIL Prioridade orçamentária no centro das discussões E m maio de 2002, durante a Sessão Especial da Assembléia Geral das Nações Unidas sobre a Criança, mais de 180 países se comprometeram com as 21 metas do documento Um Mundo para as Crianças. Inspiradas nos Objetivos do Milênio, da ONU, estas metas trouxeram para os países o desafio de melhorar, significativamente, até 2010, os indicadores de saúde, proteção e educação das crianças e adolescentes. Com base neste documento, no segundo semestre de 2002, a Fundação Abrinq iniciou o Projeto Presidente Amigo da Criança, com o qual os quatro principais candidatos à presidência de então se comprometeram com uma gestão que desse absoluta prioridade a estas 21 metas. Formalizando esse compromisso, todos os candidatos assinaram um termo que, além de comprometê-los com a elaboração de um plano com metas anuais, previa a inclusão, nas leis orçamentárias, dos recursos necessários para o cumprimento das ações e o não-contingenciamento desses recursos. Em 2003, o presidente Luis Inácio Lula da Silva, que assinou o termo enquanto candidato, entregou o seu Plano Presidente Amigo da Criança, com um orçamento de R$ 56 bilhões de reais para executar cerca de 200 ações que envolvem as crianças e os adolescentes. A Fundação Abrinq, então, propõe a formação da Rede de Monitoramento Amiga da Criança (RMAC),* composta por organizações não-governamentais nacionais e internacionais especialistas em saúde, educação, proteção especial, entre outros temas, para acompanhar as ações 10 *Rede formada por mais de 30 organizações não-governamentais brasileiras e internacionais para monitorar o cumprimento das metas do milênio para a infância pelo governo brasileiro.

10 governamentais. Em 2004, a RMAC lançou seu primeiro relatório, analisando a situação das crianças e adolescentes brasileiros por meio de quase 60 indicadores nos eixos Saúde, Educação, Proteção e HIV/Aids. Nele, a RMAC apresenta um prognóstico em relação ao cumprimento das metas, tendo como referência o Plano Presidente Amigo da Criança. Os resultados principais são apresentados a seguir: SAÚDE Na área da saúde o relatório mostra que, sem dúvida, o destaque na última década é a redução de 41% sobre a taxa de mortalidade infantil. Entretanto, fortes desigualdades regionais ainda são identificadas no combate à mortalidade infantil, como no caso do Alagoas, onde a taxa de 58 por mil nascidos vivos é bem superior a média nacional de 28. A meta estabelecida pelo governo Federal é reduzir a taxa para 24 por mil nascidos vivos até 2007, metade do caminho em direção a meta estabelecida pelo Um Mundo para as Crianças, de 19,8 para ser atingida em Com relação às políticas previstas, o Plano destina 40% do orçamento da saúde e 95% dos recursos de segurança alimentar e combate à fome para programas de transferência de renda para famílias em situação de pobreza extrema e para a distribuição da merenda escolar. Entretanto, a RMAC considera que essas ações não compõem uma estratégia eficaz no combate à desnutrição, que pode ter sua origem em outros fatores além da fome, como o desmame precoce e dieta e higiene inadequadas. Acreditamos ainda que a desnutrição deve estar no centro das discussões sobre saúde por ser a base de várias causas de mortalidade infantil que envolvem questões relativamente simples como infecções respiratórias ou parasitárias. EDUCAÇÃO De acordo com o relatório, o Brasil avançou significativamente, promovendo o acesso ao ensino fundamental. O percentual de crianças de 7 a 14 anos fora da escola entre 1992 e 2002 caiu de 13,4% para 3,1%. Entretanto, o acesso não é igual para todos: 14,2% das crianças indígenas nessa faixa etária estão fora da escola. O Plano Presidente Amigo da Criança prevê uma meta de universalização do ensino fundamental e infantil para 2007, que só será possível com estratégias diferenciadas para as populações menos favorecidas. Apesar do maior acesso à educação, a evolução das notas nas provas de proficiência do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb) é preocupante. Entre 1995 e 2001, o percentual de crianças na 4ª série do ensino 11

11 CENÁRIO DA INFÂNCIA NO BRASIL fundamental em um nível muito crítico de proficiência, ou seja, praticamente analfabetos, passou de 9,1% para 22,2%. Apesar de a Constituição não atribuir ao governo Federal a responsabilidade pelo ensino fundamental, espera-se que use sua liderança para coordenar esforços junto aos governos estaduais e municipais para melhorar esses indicadores. Os principais investimentos previstos no Plano Presidente Amigo da Criança no eixo educação se destinarão à produção de livros didáticos (17%) e à transferência de renda condicionada à freqüência escolar (44%). PROTEÇÃO ESPECIAL A proteção de crianças e adolescentes contra todo tipo de violência e abuso estabelece um desafio adicional para o monitoramento devido à deficiência de dados que permitam estabelecer metas. No entanto, o avanço do Brasil no combate ao trabalho infantil merece destaque. O percentual de crianças com idade entre 10 e 15 anos trabalhando caiu de 23,6% para 13,5% (dos 20 milhões nessa faixa etária, ou seja, 2,7 milhões de crianças e adolescentes) entre 1992 e Porém, as perspectivas para a área da proteção, como um todo, não são alentadoras, considerando o reduzido número de recursos públicos disponíveis. O orçamento dedicado às ações de proteção para o quadriênio corresponde a apenas 2% do orçamento total do Plano Presidente Amigo da Criança, com preponderância de gasto no combate ao trabalho infantil. A atual situação de violações no Brasil, onde a taxa de mortalidade por homicídio de crianças e adolescentes passou de 3,9 por 100 mil habitantes em 1990, para 7,1 em 2002, aponta para uma necessidade cada vez maior de investir em políticas de prevenção e atendimento. HIV / AIDS Nessa área, o efetivo combate à doença no Brasil deve ainda alcançar crianças e adolescentes vítimas do vírus ou cujas famílias foram vitimadas pela doença, e que ainda não têm programas que atendam suas necessidades específicas. Entre 1990 e 2001, a taxa de novos casos de Aids notificados passou de 4,2 para 8 por 100 mil habitantes na faixa etária de 15 a 24 anos. 12 RECURSOS ORÇAMENTÁRIOS Para um país com aproximadamente 64 milhões de crianças e adolescentes, o Plano apresenta ações com um orçamento total de 55,9 bilhões de reais para o quadriênio , dos quais mais de 30% se destinam a programas de transferência de renda vinculados principalmente à atenção à saúde e à

12 freqüência escolar. Sirva como referência que, segundo estimativas do governo Federal, o gasto social no Brasil alcançou 14% do PIB em 2001, sendo que, desse total, apenas 7,6% se gasta com crianças e adolescentes. Assim, para alcançar as metas até 2010, a RMAC, com base em metodologia do Unicef e Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal), estima que na primeira década do século XXI serão gastos apenas 56% dos recursos necessários para alcançar as metas. Identificou-se ainda que a maior brecha de gasto, de 1% do PIB ao ano, está na educação infantil e no ensino médio onde, durante o período , o governo federal gastará apenas 20% dos recursos necessários. Vale lembrar que no Brasil, em 2002, 47% das crianças e adolescentes entre 0 e 17 anos viviam em famílias com renda per capita inferior a meio salário mínimo. Esse percentual se manteve praticamente inalterado desde 1992, quando era 50,4%. Esse dado mostra o quanto é importante uma melhor distribuição dos recursos públicos para o efetivo alcance das metas. Verificamos assim que, se não forem tomadas medidas específicas, o Brasil alcançará apenas três metas: acesso a saneamento básico, redução da mortalidade infantil e acesso ao ensino fundamental. A Fundação Abrinq, por meio do Projeto Presidente Amigo da Criança e do Projeto de Olho no Orçamento Criança, atua ao lado de outros parceiros no necessário controle social, monitorando e cobrando do governo Federal ações e recursos que conduzam ao cumprimento dos Objetivos do Milênio relativos a crianças e adolescentes. Esperamos, assim, contribuir para que o governo Federal se esmere não apenas na execução das políticas públicas da sua competência, mas também no seu papel fundamental de articulador e incentivador das unidades da Federação, da sociedade civil e da comunidade internacional para somar esforços e alcançar as metas até

13 RESULTADOS DA FUNDAÇÃO ABRINQ Programas e projetos 14 Canais de participação da sociedade na defesa dos direitos da criança e do adolescente

14 2004 Relatório Anual 15

15 ADOTEI UM SORRISO programas E PROJETOS CAPACITAÇÃO DE VOLUNTÁRIOS E EXPANSÃO PELO BRASIL SÃO DESTAQUES Primeiro, a doutora Ednice fez uma limpeza nos meus dentes e eles ficaram muito mais clarinhos... todo mundo percebeu. Depois, me ensinou a escovar os dentes direitinho e, então, eu ensinei para o meu pai, minha mãe e outro irmão meu, que fazia tudo errado. Quero ser médica porque deve ser muito legal ver uma pessoa ficar alegre quando fica boa de uma doença. E quero ser igual à doutora Ednice. Mayara de Cássia Lins, 9 anos, da Associação Cristã de Moços, atendida pela Dra. Ednice Boscaratto, voluntária do Programa Adotei um Sorriso. A Fundação Abrinq acredita que, assim como a Mayara, todas as crianças e os adolescentes do nosso país deveriam ter seus sorrisos adotados por pessoas como a Dra. Ednice. Esse é o trabalho do Programa Adotei um Sorriso: fazer com que cada vez mais voluntários adotem os sorrisos de cada vez mais crianças. Para isso, o programa mobiliza profissionais de oito categorias (dentistas, médicos pediatras, enfermeiros, nutricionistas, psicólogos, fonoaudiólogos, advogados e arquitetos) para que assumam um compromisso com a melhoria da qualidade de vida de crianças vindas de organizações sociais. Por suas condições de vida, muitos desses meninos e meninas nunca tiveram acesso aos cuidados que precisam e têm direito: tratamento odontológico, acompanhamento pediátrico, orientação psicológica e nutricional etc. Quando integram o programa, os voluntários passam a oferecer-lhes todos esses direitos, seja atendendo no consultório, realizando palestras educativas sobre saúde ou repassando orientações técnicas para organizações sociais ligadas ao programa. PARCERIA FINANCEIRA 16

16 RESULTADOS DE 2004 Em 2004, voluntários do Adotei um Sorriso, entre dentistas, advogados, fonoaudiólogos, médicos pediatras, arquitetos, enfermeiros, psicólogos e nutricionistas adotaram o sorriso de crianças e adolescentes vindos de organizações sociais de 127 cidades em 20 estados do País. Para fortalecer o impacto dessa ação, durante o ano o Adotei um Sorriso capacitou voluntários e organizações sociais para atualizar constantemente suas informações no sistema eletrônico do programa, rede virtual que conecta demandas e ofertas de trabalho voluntário. As organizações passaram a identificar de forma muito mais rápida os voluntários disponíveis e, por conseguinte, o encaminhamento das crianças aos atendimentos tornou-se mais ágil e eficiente. NÚMEROS DE voluntários crianças e adolescentes atendidos com ações clínicas crianças e adolescentes atendidos com ações institucionais 200 organizações sociais 127 cidades em 20 estados do País (AM, AP, BA, CE, DF, ES, MG, MS, MT, PA, PB, PE, PI, PR, RJ, RO, RS, SC, SE e SP) Também buscou a valorização do voluntário por meio de encontros para troca de experiências e eventos de reconhecimento em que pais, educadores e crianças puderam mostrar sua gratidão a esses profissionais. No dia do reconhecimento, muitos voluntários relataram que nunca haviam tido uma sensação tão intensa de gratificação. Em entrevista ao Informativo Adotei um Sorriso, a médica pediatra Solange Maria de Sabóia resumiu esse sentimento: De repente, a gente se sente fundamental para a criança. A mobilização de novos voluntários e a expansão do programa pelo Brasil também foram focos de trabalho. Os coordenadores locais voluntários que representam o Adotei um Sorriso em várias regiões do país conseguiram parcerias com veículos de imprensa, que publicaram matérias sobre o programa, e lideraram eventos locais, conseguindo a adesão de mais profissionais à iniciativa. Por fim, uma primeira experiência de expansão de sete categorias profissionais para outras cidades do país, além da região metropolitana de São Paulo, foi iniciada em Araxá (MG), a partir da parceria com dois profissionais da região, um deles ligado ao Programa Empresa Amiga da Criança. 17

17 CRER PARA VER programas E PROJETOS EDUCAÇÃO DE JOVENS GANHA ESPAÇO ENTRE OS BONS PROJETOS JÁ APOIADOS Gosto do programa porque com ele temos acesso a filmes que não passam na TV, nem no cinema. Agora, minha escola faz mostras de cinema e os professores utilizam filmes em classe. Outro dia, por exemplo, eu assisti a um documentário muito legal sobre lixo e preservação ambiental. Foi participando desse projeto que comecei a sonhar em ser diretora de cinema. É um mundo fascinante. Participei do curso de leitura audiovisual e no ano que vem vou participar de um curso de produção. Não vejo a hora. Depois vou tentar prestar um vestibular para cinema. Tabata Ribeiro Lemes, 17 anos, aluna da Escola Estadual Madre Paulina, Itaim Paulista, e participante do Projeto Cinema e Vídeo Brasileiro nas Escolas, apoiado pelo Programa Crer para Ver, São Paulo (SP) Todas as crianças e adolescentes têm o direito de freqüentar uma escola pública boa de aprender, brincar, crescer e conviver. Uma escola que tenha professores preparados e que gostem de ensinar, com instalações e equipamentos limpos e completos, com conteúdos e pedagogia adequados às necessidades e à realidade dos seus alunos e com recursos modernos para as aulas. Em 1995, a Fundação Abrinq e a Natura Cosméticos decidiram fazer a sua parte para que esse direito se torne realidade para mais crianças e adolescentes a cada dia. Juntas, iniciaram o Programa Crer para Ver, que oferece apoio técnico e financeiro a projetos de educação que contribuam para melhorar a qualidade do ensino público no país. Para fazer isso, o programa mobiliza profissionais de escolas, comunidades e organizações não-governamentais para que mostrem seus projetos de melhoria da educação, e então seleciona e apóia estes projetos. Mais de 300 mil consultoras Natura são envolvidas na divulgação do programa e de suas idéias, bem como na venda dos produtos com a marca Crer para Ver, como camisetas, embalagens e cartões, cuja renda é destinada ao financiamento dos projetos. PARCERIA ESTRATÉGICA 18

18 Pedro Rubens e Sendi Moraes Casa do Aprender Até 2004, 148 projetos aplicados em escolas públicas do país haviam recebido apoio do programa, totalizando alunos beneficiados. Alguns deles, como o Projeto Chapada, desenvolvido em 911 escolas rurais e urbanas de 12 municípios da Chapada Diamantina (BA), tornaram-se referência e provocaram uma mudança de estratégia no programa: apoiar projetos com maior abrangência e duração, criando as condições para se transformarem em políticas públicas. RESULTADOS DE 2004 EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Em 2004, o programa iniciou uma campanha pela melhoria da qualidade da Educação de Jovens e Adultos (EJA), modalidade prevista na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB). A campanha nasceu de um levantamento sobre a situação da EJA no país. Cerca de 16 milhões de jovens pararam seus estudos, ou nunca chegaram a freqüentar a escola, em grande parte, para poder trabalhar em atividades subqualificadas, comprometendo sua formação e seu futuro. Fazem parte da campanha três ações A primeira envolve o apoio a cinco projetos de formação de professores de EJA. O primeiro, Compartilhando Experiências, Organizando Propostas Educativas, desenvolvido pela Ação Educativa Assessoria Pesquisa e Informação em Cajamar (SP), é um projeto-piloto iniciado em 2004 que beneficia jovens entre 15 e 24 anos. Os outros quatro terão início em 2005: Educadores em EJA em Ação, será desenvolvido pelo Centro de Formação Profissional de Ribeirão Preto (SP); Em Cada Saber um Jeito de Ser, será realizado pelo Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada em Juazeiro (BA); Projeto CAAPIÁ, desenvolvido pela Associação Latino-Americana de Pesquisa e Ação Cultural no Rio de Janeiro (RJ); e o Roda Gaúcha, que será realizado pelo Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente de Ijuí (RS). 19

19 CRER PARA VER programas E PROJETOS 20 A segunda ação é o Prêmio Crer para Ver Inovando a EJA, realizado em parceria com o Ministério da Educação (MEC), que vai identificar e premiar, em 2005, práticas inovadoras de escolas e professores pela boa qualidade do ensino supletivo de jovens e adultos. E a terceira é uma ação em que as consultoras Natura identificarão e encaminharão, de volta à escola, jovens que não terminaram seu ciclo de escolarização. ENSINO FUNDAMENTAL Em 2004, três projetos de ensino fundamental, selecionados em anos anteriores, continuaram sendo apoiados pelo Crer para Ver. São eles: Projeto Janelas Cruzadas Fruto de uma parceria com o Instituto Pé no Chão e a Secretaria Municipal do Rio de Janeiro, o projeto tem como eixo central o resgate e a valorização da memória. O desenvolvimento e a valorização da formação dos professores em diferentes linguagens artísticas é um dos destaques do projeto. O público beneficiado pela iniciativa abrange alunos e 190 professores. Escolas Indígenas na Floresta Apoiado pelo Crer para Ver desde 2003, o projeto, desenvolvido pela ONG Comissão Pró-Índio (CPI), vem aprimorando o acompanhamento pedagógico de 31 escolas localizadas em 16 terras indígenas de oito municípios do interior do Acre, propiciando a capacidade de reflexão do professor indígena sobre sua prática escolar e a elaboração dos projetos políticos pedagógicos das escolas indígenas. A população indígena e estudantil beneficiada até hoje soma pessoas. Cinema e Vídeo Brasileiro nas Escolas O projeto em parceria com a ONG Ação Educativa utiliza a produção audiovisual brasileira para contribuir com a aprendizagem em escolas públicas do município de São Paulo. Iniciado em 2003, o projeto tem como público-alvo professores, supervisores e técnicos das secretarias de educação de escolas da zona leste de São Paulo e aproximadamente alunos. DESTAQUE: PROJETO CHAPADA Além das ações de apoio financeiro, o programa realizou uma avaliação externa dos quatro anos do Projeto Chapada. Entre os principais resultados, estão: Melhorou consideravelmente o desempenho escolar dos alunos, passando de um dos piores índices da região para um dos melhores do país; Obteve índice de quase 100% de alfabetização de crianças de 1ª a 4ª séries; Reduziu a praticamente zero o índice de evasão escolar; Possibilitou que todas as escolas participantes do projeto estabelecessem um processo de formação continuada dos professores, que passaram a ser regularmente acompanhados em sala de aula por coordenadores; Incentivou a participação da população (pais e comunidade) nas escolas. Junto com os idealizadores do Projeto Chapada e o Programa Prefeito Amigo da Criança, o Crer para Ver participou da campanha Chapada pela Educação, que comprometeu os candidatos a prefeito da região, durante o processo eleitoral, com a melhoria da qualidade da educação oferecida por suas gestões.

20 NÚMEROS DE projetos apoiados alunos escolas adolescentes beneficiados pelo Projeto EJA 21

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Municípios participantes Adrianópolis Bocaiúva do Sul Cerro Azul Doutor Ulysses Rio Branco do Sul Tunas do Paraná Itaperuçu Campo Magro Colombo Almirante Tamandaré

Leia mais

Primeiro escritório de inclusão social da América Latina

Primeiro escritório de inclusão social da América Latina Primeiro escritório de inclusão social da América Latina 18 de setembro Nós do Centro: mais uma ação para a comunidade do Grupo Orsa O Grupo Orsa, por meio da Fundação Orsa, inaugura um espaço inovador

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Promovendo o autodesenvolvimento para as pessoas viverem melhor

Promovendo o autodesenvolvimento para as pessoas viverem melhor Promovendo o autodesenvolvimento para as pessoas viverem melhor para as pessoas Promover o autodesenvolvimento viverem melhor é a missão do Instituto Walmart www.iwm.org.br O Instituto Walmart é uma organização

Leia mais

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração e acompanhamento das políticas públicas na área de cidadania, em nível municipal, estadual e nacional, promovendo

Leia mais

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO Este documento é resultado do chamado do Ministério da Educação à sociedade para um trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL FICHA TÉCNICA Instituição executora: Fundação Euclides da Cunha / Núcleo de Pesquisas, Informações e Políticas Públicas

Leia mais

Diretoria Diretor Presidente: Rubens Naves Diretora Vice-presidente: Isa Maria Guará Diretor Tesoureiro: Synésio Batista da Costa

Diretoria Diretor Presidente: Rubens Naves Diretora Vice-presidente: Isa Maria Guará Diretor Tesoureiro: Synésio Batista da Costa Diretoria Diretor Presidente: Rubens Naves Diretora Vice-presidente: Isa Maria Guará Diretor Tesoureiro: Synésio Batista da Costa Conselho de Administração Presidente: Carlos Antonio Tilkian Secretário:

Leia mais

Sua empresa é CIDADÃ?

Sua empresa é CIDADÃ? Sua empresa é CIDADÃ? A Câmara de Comércio e Indústria do Estado do Rio de Janeiro (CAERJ) em uma iniciativa inédita está compilando informações corporativas de todos os segmentos: indústria, comércio

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Projeto ViraVida oferece alternativas para jovens e adolescentes em situação de exploração sexual

Projeto ViraVida oferece alternativas para jovens e adolescentes em situação de exploração sexual Projeto ViraVida oferece alternativas para jovens e adolescentes em situação de exploração sexual Desde 2008, o Conselho Nacional do SESI, em parceria com o empresariado, promove a inserção desse público

Leia mais

BrazilFoundation abre edital para de projetos e negócios sociais

BrazilFoundation abre edital para de projetos e negócios sociais Financiamento e apoio técnico BrazilFoundation abre edital para de projetos e negócios sociais Estão abertas inscrições online até 30 de novembro para o edital bianual da BrazilFoundation que selecionará

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

Nossas conquistas 2013

Nossas conquistas 2013 Nossas conquistas 2013 O ano de 2013 foi especial para a Fundação e para as comunidades onde desenvolvemos ações sociais. Alcançamos o marco de 25 anos de atuação social e de 7 milhões de beneficiários,

Leia mais

Missão. fortaleçam a segurança no transporte rodoviário e que qualifiquem o capital humano no setor logístico.

Missão. fortaleçam a segurança no transporte rodoviário e que qualifiquem o capital humano no setor logístico. O Instituto Julio Simões foi criado em 2006 com o objetivo de fortalecer o trabalho social que a JSL realizava junto às comunidades do entorno de suas operações. Seguindo a vocação de sua mantenedora de

Leia mais

Escolas comunicadoras

Escolas comunicadoras Comunicação e Cultura Local de atuação: Ceará, Pernambuco, Pará e Bahia Data de fundação: 1996 Escolas comunicadoras No Ceará, quase quinhentas mil crianças da rede pública estudam em escolas que unem

Leia mais

Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA. Comunicação de Progresso - 2006

Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA. Comunicação de Progresso - 2006 Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA Comunicação de Progresso - 2006 Quem somos: Número de funcionários: 781 Número de empresas listadas: 391 Volume financeiro diário: R$ 2,4 bilhões Market Cap: R$

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL (arquivo da Creche Carochinha) Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil é dever do Estado e direito de todos, sem qualquer

Leia mais

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual Somando forças até o fim da pobreza CARE Brasil Relatório Anual 2012 CARE Internacional Em 2012, a CARE apoiou 997 projetos de combate à pobreza em 84 países, beneficiando estimadamente 84 milhões de pessoas.

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

Relatório Anual. CADI Centro de Assistência e Desenvolvimento Integral de SC

Relatório Anual. CADI Centro de Assistência e Desenvolvimento Integral de SC Resumo da ONG O CADI Palhoça é uma instituição não governamental cujo objetivo é executar, articular e fomentar ações e projetos que facilitem o desenvolvimento de comunidades. Desenvolve projetos em 6

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

EDUCAÇÃO GRUPO POSITIVO

EDUCAÇÃO GRUPO POSITIVO EDUCAÇÃO 38 GRUPO POSITIVO Contribuição para o desenvolvimento Positivo trabalha para que sua contribuição ao ensino de O qualidade extrapole suas unidades e alcance de forma construtiva toda a sociedade.

Leia mais

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Marcos da Política de Combate à Pobreza Antecedentes: Assistência

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Na escola. Para saber mais, visite: www.objetivosdomilenio.org.br www.nospodemos.org.br www.educardpaschoal.org.br

Na escola. Para saber mais, visite: www.objetivosdomilenio.org.br www.nospodemos.org.br www.educardpaschoal.org.br Na escola "Precisamos, mais do que nunca, do engajamento dos voluntários para que o nosso desejo de um mundo melhor para todos se transforme em realidade. Kofi Annan, Secretário-Geral da ONU Para saber

Leia mais

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação Mostra de Projetos 2011 Projovem em Ação Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal Santa Cecilia

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

A vez e a voz das crianças

A vez e a voz das crianças 119 outubro de 2010-ESPECIAL CRIANÇA PARA LER NO AR A vez e a voz das crianças Às vésperas de 12 de outubro, Dia das Crianças, eu convido você, ouvinte, a refletir sobre os direitos das meninas e meninos

Leia mais

Guia Prefeito Amigo da Criança Propostas de políticas e ações para as gestões municipais 2001-2004

Guia Prefeito Amigo da Criança Propostas de políticas e ações para as gestões municipais 2001-2004 Guia Prefeito Amigo da Criança Propostas de políticas e ações para as gestões municipais 2001-2004 parceria 1 2 Guia Prefeito Amigo da Criança Propostas de políticas e ações para as gestões municipais

Leia mais

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Nós promovemos o desenvolvimento sustentável de diversas maneiras Uma delas é por meio do Investimento Social INVESTIMENTO INVESTIENTO SOCIAL - Estratégia

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

Núcleo da Criança e do Adolescente: Uma Proposta de Transetorialidade

Núcleo da Criança e do Adolescente: Uma Proposta de Transetorialidade Núcleo da Criança e do Adolescente: Uma Proposta de Transetorialidade ROBERTO AUGUSTO CARVALHO DE ARAÚJO ELIETE DE OLIVEIRA COELHO NATALINA DE FÁTIMA BERNARDO RONCADA SILVIA BEZ CAMARGO SOARES DE ALVARENGA

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS O seguinte edital tem por objetivo convidar organizações da sociedade civil a participarem do processo de seleção de projetos para obtenção de apoio

Leia mais

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Histórias de Comunidade de Aprendizagem Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Introdução O projeto Comunidade de Aprendizagem é baseado em um conjunto de atuações de êxito voltadas para a transformação

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

Educação e desenvolvimento. Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013.

Educação e desenvolvimento. Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013. Educação e desenvolvimento Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013. Circuito de influencia Fatores do desenvolvimento Ampliação da participação política e social Consumo (Novo padrão

Leia mais

Educação no Brasil. Aloizio Mercadante. São Paulo, 30 de novembro de 2012

Educação no Brasil. Aloizio Mercadante. São Paulo, 30 de novembro de 2012 Educação no Brasil Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação São Paulo, 30 de novembro de 2012 Educação Infantil Taxas de atendimento Creches 36,3 23,6 9,4 12,2 Brasil Carinhoso: 2,8 milhões de

Leia mais

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA CONCEPÇÃO DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS: UM UNIVERSO AINDA DESCONHECIDO

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA CONCEPÇÃO DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS: UM UNIVERSO AINDA DESCONHECIDO EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA CONCEPÇÃO DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS: UM UNIVERSO AINDA DESCONHECIDO Resumo SANTA CLARA, Cristiane Aparecida Woytichoski de- UEPG-PR cristianesclara@yahoo.com.br PAULA, Ercília Maria

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

olescente APOIO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE

olescente APOIO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE 46 CRIANÇAd olescente APOIO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE criança APOIO à e ao adolescente Chegamos ao século XXI e ainda nos defrontamos com um mundo de profundos contrastes. Os imensos avanços tecnológicos,

Leia mais

Vamos Cuidar do Brasil com Escolas Sustentáveis

Vamos Cuidar do Brasil com Escolas Sustentáveis IV Conferência Nacional Infanto-Juvenil pelo Meio Ambiente Vamos Cuidar do Brasil com Escolas Sustentáveis Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI Coordenação Geral

Leia mais

Plano Nacional de Educação

Plano Nacional de Educação Plano Nacional de Educação Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Brasília, 29 de novembro de 2012 Educação Infantil Meta 1 PNE: Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para

Leia mais

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO CONTEXTUALIZAÇÃO DOUTRINA DA SITUAÇÃO IRREGULAR DOUTRINA DA PROTEÇÃO INTEGRAL. Código de menores;. Menores em situação irregular;. Carentes, abandonados,

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

NÚCLEO DE ENSINO ATRIBUIÇÕES DA SUPERVISÃO EDUCACIONAL

NÚCLEO DE ENSINO ATRIBUIÇÕES DA SUPERVISÃO EDUCACIONAL NÚCLEO DE ENSINO O Núcleo de Ensino tem por função apoiar pedagogicamente às unidades escolares da REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE GARANHUNS, executando atividades específicas de planejamento, supervisão,

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55 Planejamento Estratégico Criança e Adolescente 2010 PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 56 INTRODUÇÃO Tema: Criança e Adolescente A questão da infância

Leia mais

P R O J E T O ALVORADA

P R O J E T O ALVORADA P R O J E T O ALVORADA O Projeto Alvorada foi idealizado pelo Presidente Fernando Henrique Cardoso para reduzir as desigualdades regionais e elevar a qualidade de vida das populações mais carentes do País.

Leia mais

Gestão da Política da Infância e da Adolescência no Brasil Programa Prefeito Amigo da Criança e as possibilidades de transformação

Gestão da Política da Infância e da Adolescência no Brasil Programa Prefeito Amigo da Criança e as possibilidades de transformação Coleção Compromisso é Ação 3 Gestão da Política da Infância e da Adolescência no Brasil Programa Prefeito Amigo da Criança e as possibilidades de transformação Organizador Luiz A. Palma e Silva DIRETORIA

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA ELAINE CRISTINA TOMAZ SILVA (FUNDAÇÃO PALAVRA MÁGICA). Resumo A Oficina Palavra Mágica de Leitura e Escrita, desenvolvida pela Fundação Palavra Mágica, é um

Leia mais

MDS: principais resultados e perspectivas

MDS: principais resultados e perspectivas MDS: principais resultados e perspectivas Patrus Ananias de Sousa Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal Brasília-DF, 22 de abril de

Leia mais

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário.

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário. 1. Apresentação O Voluntariado Empresarial é um dos canais de relacionamento de uma empresa com a comunidade que, por meio da atitude solidária e proativa de empresários e colaboradores, gera benefícios

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

Quinta-feira, 24.03.11

Quinta-feira, 24.03.11 Quinta-feira, 24.03.11 Pensamento do dia Não pondero, sonho. Não me sinto inspirado, deliro. Fernando Pessoa A frase é: Espero que não haja obstáculos à realização das provas, daqui HÁ ou A uma semana?

Leia mais

A Fundação Abrinq pelos Direitos da Criança e do Adolescente é uma organização sem fins lucrativos, de utilidade pública federal, criada e mantida

A Fundação Abrinq pelos Direitos da Criança e do Adolescente é uma organização sem fins lucrativos, de utilidade pública federal, criada e mantida A Fundação Abrinq pelos Direitos da Criança e do Adolescente é uma organização sem fins lucrativos, de utilidade pública federal, criada e mantida por indivíduos e empresas. Sua missão é promover a defesa

Leia mais

Programa Lixo e Cidadania

Programa Lixo e Cidadania Programa Lixo e Cidadania São Bernardo do Campo (SP) Elisabeth Grimberg e Sonia Lima in Segurança Alimentar e Nutricional: a contribuição das empresas para a sustentabilidade das iniciativas locais Fechar

Leia mais

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNCIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNCIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO 1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 004/2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PESSOAL PARA ATENDER A RECENSEAMENTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA E A DIVERSOS OUTROS PROGRAMAS E SERVIÇOS

Leia mais

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos EDUCAÇÃO CONTRA O TRABALHO INFANTOJUVENIL: CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODO E VULNERABILIDADES Felipe Pitaro * Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos de partida. O primeiro diz

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

Perguntaram à teóloga alemã. Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade?

Perguntaram à teóloga alemã. Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade? Perguntaram à teóloga alemã Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade? Não explicaria, Daria uma bola para que ele jogasse... ESPORTE EDUCAÇÃO CULTURA QUALIFICAÇÃO PLACAR

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Estratégias para o desenvolvimento humano

Estratégias para o desenvolvimento humano ofício Estratégias para o desenvolvimento humano A Olhar Cidadão é uma empresa de planejamento estratégico, gestão e inovação, na qual se desenvolvem soluções integradas, projetos e ideias que contribuam

Leia mais

Brasileiros Incluídos em Tecnologia Digital e Social

Brasileiros Incluídos em Tecnologia Digital e Social - 1 Brasileiros Incluídos em Tecnologia Digital e Social Empresa: BIT Company Araxá Fundação: Inaugurada em 01/10/1998 Número de Funcionários: 15 Localização: Araxá Minas Gerais Tempo como franqueado:

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE Carta Aberta aos candidatos e candidatas às Prefeituras e Câmaras Municipais: Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos,

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Projeto. Avaliação do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte

Projeto. Avaliação do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte Projeto Avaliação do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte Objetivo apresentar uma série de resultados da avaliação do Programa Escola Integrada, por intermédio da análise de indicadores de diferenciais

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL EM TEMPO INTEGRAL NO BRASIL: contribuições do Programa Mais Educação

CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL EM TEMPO INTEGRAL NO BRASIL: contribuições do Programa Mais Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Currículos e Educação Integral CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL EM TEMPO INTEGRAL NO BRASIL: contribuições do Programa Mais

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO O que buscamos Proporcionar educação com qualidade social para todas as crianças. Erradicar o analfabetismo, ampliar o nível

Leia mais

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador Workshop da FAEL aborda direitos humanos e papel do educador No 15 workshop da Faculdade Educacional da Lapa - FAEL, os acadêmicos do curso de pedagogia tiveram a oportunidade de aprender e praticar os

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Brasília, 22 de novembro de 2012 É uma honra recebê-los

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

AMPLIAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA NOVE ANOS

AMPLIAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA NOVE ANOS AMPLIAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA NOVE ANOS RELATÓRIO DO PROGRAMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Básica A ampliação do Ensino Fundamental para nove anos vem sendo discutida pela Secretaria

Leia mais

CANDIDATOS DA MICRORREGIÃO 9

CANDIDATOS DA MICRORREGIÃO 9 CANDIDATOS DA MICRORREGIÃO 9 Nome de urna: Jacque Pache Número: 9011 Experiência na Área da Infância: - conselheira tutelar 2008/2011. - assistente direção: fundação de proteção especial RS. FPE - Coordenadora

Leia mais

GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL

GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL Nº PROPOSTA UF e Nº Original da Proposta 01 Garantir os 20% das vagas, e a efetivação das condições de acesso e permanência AC/08 necessárias para pessoas

Leia mais

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO ID:862 PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA AMPLIANDO AS AÇÕES DE PREVENÇÃO EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS JUNTO À POPULAÇÃO ESCOLAR: UM ESPAÇO PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE Carvalho Goretti

Leia mais

CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO

CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO ExpedieNte TEXTO Kátia Regina Gonçalves Paulo de Camargo Priscila Cruz COORDENAÇÃO DO PROJETO Sílnia Nunes Martins Prado PROJETO GRÁFICO Linea Creativa ILUSTRAÇÃO

Leia mais

SUMÁRIO. 1ª edição / Setembro 2011

SUMÁRIO. 1ª edição / Setembro 2011 APRESENTAÇÃO O conceito de Responsabilidade Social Empresarial está relacionado com a ética e a transparência na gestão dos negócios e obrigatoriamente deve estar refletivo nas decisões cotidianas de todas

Leia mais

9 anos acreditando na comunidade! 05.05 - RELATÓRIO GERAL DE ATIVIDADES 2012 / 2013

9 anos acreditando na comunidade! 05.05 - RELATÓRIO GERAL DE ATIVIDADES 2012 / 2013 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO ESPERANÇA BRASIL OSCIP ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO 9 anos acreditando na comunidade! 05.05 - RELATÓRIO GERAL DE ATIVIDADES 2012 / 2013 Janeiro de 2014.

Leia mais

Seu imposto pode beneficiar Crianças, Adolescentes e Idosos

Seu imposto pode beneficiar Crianças, Adolescentes e Idosos Seu imposto pode beneficiar Crianças, Adolescentes e Idosos Índice Compromisso com o futuro... 03 Muito a avançar na garantia dos direitos das crianças e adolescentes...05 Como fazer a diferença...07 Mecanismos...

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2008

PLANO DE TRABALHO 2008 PLANO DE TRABALHO 2008 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1.1. NOME DA ENTIDADE: Casa de Nazaré Centro de Apoio ao Menor 1.2. Endereço: Rua Coronel Timóteo nº 350 1.3. Bairro: Cristal 1.4. Região CORAS: 05 1.5.

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

14/11: DIA NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO ATIVIDADE 1: CARTAZES DE APOIO À ALFABETIZAÇÃO

14/11: DIA NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO ATIVIDADE 1: CARTAZES DE APOIO À ALFABETIZAÇÃO ATIVIDADE 1: CARTAZES DE APOIO À ALFABETIZAÇÃO 1. PASSO-A-PASSO DA AÇÃO 1.1 PROPOSTA Divulgação na comunidade de cartazes com dicas de como apoiar a alfabetização das crianças. 1.2 CRONOGRAMA Ajuste esta

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 LINHAS DE AÇÃO... 4 AÇÕES ESPECÍFICAS... 5 CAMPANHAS... 6

Leia mais

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS A Copagaz A Copagaz, primeira empresa do Grupo Zahran, iniciou suas atividades em 1955 distribuindo uma tonelada de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP por dia nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato

Leia mais

CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO

CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO O Movimento Nós Podemos Paraná, articulado pelo Sistema Fiep, visando reconhecer e divulgar boas práticas para o alcance dos Objetivos de

Leia mais

Programa Mais Educação Avaliação de Impacto e Estudo Qualitativo

Programa Mais Educação Avaliação de Impacto e Estudo Qualitativo Programa Mais Educação Avaliação de Impacto e Estudo Qualitativo *** Esta apresentação propõe-se a trazer um breve panorama do trabalho realizado e, para isso, omite diversos pontos metodológicos e de

Leia mais