Herbicida 1. CULTURAS PLANTAS DANINHAS ESTÁDIO DOSE (L/ha)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Herbicida 1. CULTURAS PLANTAS DANINHAS ESTÁDIO DOSE (L/ha)"

Transcrição

1 COMPOSIÇÃO: PROPAQUIZAFOPE 100 g/l CLASSE: Herbicida GRUPO QUÍMICO: Ácido Ariloxifenoxipropiônico TIPO DE FORMULAÇÃO: Concentrado Emulsionável CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA III - MEDIANAMENTE TÓXICO INSTRUÇÕES DE USO : O ACERT é um herbicida seletivo com ação na pós-emergência das gramíneas, indicado nas culturas de soja e algodão. Sua utilização na cultura da soja, poderá ser feita tanto no sistema de plantio convencional como no plantio direto. Culturas em que é indicado, plantas daninhas controladas e dose de emprego: CULTURAS PLANTAS DANINHAS ESTÁDIO DOSE (L/ha) ALGODÃO E SOJA Capim-braquiária (Brachiaria decumbens) Capim-marmelada (Brachiaria plantaginea) Capim-colchão (Digitaria horizontalis) Capim-carrapicho (Cenchrus echinatus) Capim-pé-de-galinha (Eleusine indica) Capim-custódio (Pennisetum setosum) 3-4 folhas a 4 perfilhos 3-4 folhas a 4 perfilhos 1,00-1,00-1,00-1,00 - SOJA Arroz-vermelho (Oryza sativa) Capim-arroz (Echinochloa crusgalli) RESTEVAS: Milho (Zea mays) Trigo (Tritium aestivum) Aveia (Avena sativa) Aveia-preta (Avena strigosa) Cevada (Hordeum vulgare) 2-3 folhas a 1 perfilho 2-3 folhas a 1 perfilho 4-8 folhas - 20 a 40 cm 4 folhas a 3 perfilhos 07-1,00 Aplicação na dose total: As doses de ACERT deverão ser definidas segundo o estádio de desenvolvimento das invasoras, bem como da sensibilidade das espécies. Herbicida 1

2 Aplicação seqüencial Nesta modalidade de aplicação o tratamento com ACERT deve ser realizado em duas etapas: FASES DE TRATAMENTO ÉPOCA DE APLICAÇÃO ESTÁDIO DA ERVA DOSES L/ha 1ª aplicação Definida pelo estádio Capim-marmelada até 2 0,70 da erva perfilhos 2ª aplicação 10 a 15 dias após o 1 tratamento Capim-marmelada até 2 perfilhos 0,50 a 0,70 Observação: L de produto comercial/ha = 125 gramas de ingrediente ativo/ha. Adicionar sempre o óleo mineral nas doses recomendadas pelo fabricante nos tratamentos com ACERT. Usar a menor dose para as situações de infestações menores e ervas daninhas menos desenvolvidas. Modo de ação: Absorção: Quando pulverizado sobre as folhas, o ACERT é absorvido com muita rapidez, a ponto de que a incidência de chuvas após 1 hora da aplicação, não afeta mais a eficiência do tratamento. Translocação: O ingrediente ativo Propaquizafop é translocado nas plantas através do xilema e floema, vindo a acumular-se nas regiões meristemáticas (pontos de crescimento), local de sua ação. Efeito Biológico: Um a dois dias após o tratamento, as gramíneas têm seu crescimento paralisado. Gradualmente ocorre a degeneração dos tecidos meristemáticos, fenômeno que se pode constatar arrancando as hastes das plantas afetadas. Normalmente, após cinco dias ocorre a mudança de coloração nas folhas das gramíneas que se tornam inicialmente amareladas e, posteriormente, necrosadas. A morte total da planta observa-se após 10 a 20 dias da aplicação do produto e depende da sensibilidade da espécie, bem como da condição climática. Características das Áreas de Utilização/Objetos dos Tratamentos: O ACERT caracteriza-se pela sua ação graminicida pós-emergente, por excelência, sobretudo nas espécies anuais, sendo recomendado nas seguintes situações: a) Como tratamento básico pós-emergente: Nas infestações predominantes de gramíneas como por exemplo: Capim-marmelada (Brachiaria plantaginea), Capim-carrapicho (Cenchrus echinatus), Capim-colchão (Digitaria horizontalis), Capimbraquiária (Brachiaria decumbens) e outras. b)como tratamento complementar: Nas infestações mistas de invasoras, gramíneas e folhas largas visando o controle das gramíneas nas áreas que receberam tratamento para o controle das folhas largas. Na ocorrência de reinfestações nas altas infestações de gramíneas que receberam tratamento préemergente, onde um tratamento apenas não é capaz de atender as necessidades da cultura. NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO: Desde que aplicado nas condições adequadas, e com a observância dos parâmetros recomendados, normalmente, uma aplicação é suficiente para atender as necessidades das culturas. No caso de tratamentos com aplicação sequencial cuja aplicação se inicia mais cedo dependendo do nível de infestação (como por exemplo, nas altas infestações de Capim-marmelada) haverá necessidade de realizar reaplicações para o controle das reinfestações. O ACERT é aplicado após a semeadura da soja ou algodão na pós-emergência das culturas e das invasoras. A época da aplicação do ACERT é definida basicamente pelo estádio de desenvolvimento das gramíneas. O produto é indicado, exclusivamente, para o tratamento pós-emergente, e não apresenta nenhuma ação residual no solo, por isso não tem nenhuma atividade para as germinações posteriores das infestantes. Deve-se manter um intervalo mínimo de 10 dias, após o tratamento da cultura com herbicida latifolicida pós-emergente, para aplicar o ACERT, de modo a assegurar o pleno funcionamento do produto e eficácia no controle das plantas daninhas. Herbicida 2

3 MODO DE APLICAÇÃO: Aplicar o ACERT na forma de pulverização através de tratamento em área total ou localizada, na pósemergência da cultura e das invasoras com auxílio de pulverizadores terrestres convencionais, costais ou tratorizados e aplicação aérea. Alternativas de aplicação: a) Tratamento único com utilização da dose integral - recomendado na maioria das aplicações do produto com a pulverização da dose total, em uma única aplicação. b) Aplicação sequencial - Esta modalidade de tratamento é recomendada particularmente nas altas infestações de Capim-marmelada, cuja espécie germina em diferentes fluxos, e consiste na aplicação do produto em dose fracionada, repetindo-se o tratamento 10 a 15 dias após a 1ª aplicação. Deve-se atentar para o estádio recomendado para as ervas, estando as mesmas no máximo até 2 perfilhos. Recomendações: Culturas de soja/algodão - O ACERT é aplicado com auxílio de pulverizadores convencionais tratorizados e aplicação aérea, através de tratamento com área total. Na cultura de algodão, eventualmente, na necessidade da reaplicação com plantas muito desenvolvidas, poderá ser realizada aplicação dirigida para evitar o efeito guarda-chuva, observando-se o estádio recomendado para as ervas. Neste caso recomenda-se a utilização de pulverizadores costais pressurizados ou manual. ACERT deve ser aplicado com equipamentos convencionais terrestres, pulverizadores costais, manual ou pressurizado e pulverizadores tratorizados adaptados com barras e nas áreas extensivas poderá ser feita também através de aplicação aérea, com a utilização de avião-agrícola ou helicópteros. Pulverizadores terrestres parâmetros recomendados: - Bicos: utilizar bicos leque 80.02, 80.03, 80.04, , , ou similares; - Pressão de bomba: 30 a 60 libras por polegada quadrada; - Volume de calda: 150 a 300 litros de calda por hectare. Observações: 1) No caso da utilização de pulverizadores costais, no tratamento de áreas menores, os bicos de pulverização mais recomendados são os de leque 80.02, 80.03, , ou similares. 2) Nas regiões sujeitas a ventos constantes, a pulverização com equipamento tratorizado poderá ser realizada com uso de bicos anti-deriva do tipo Full-Jett, como o FL5, FL6.5 e FL8 e a pressão de 20 a 25 libras por polegada quadrada com o que se obtém melhor performance do produto. Aplicação aérea - Parâmetros recomendados para o avião Ipanema: - Bicos: utilizar bicos 80.10, e Volume de calda: 40 a 50 litros/ha - Altura de voo: 4 a 5 m - Temperatura ambiente: até 27ºC - Umidade relativa do ar: mínimo de 55% - Velocidade do vento: máximo de 10 km/hora - Faixa de aplicação: 15m - Diâmetro das gotas: 200 a 400 micrômetros Observação importante - Nas operações com aeronaves, atender às normas da Portaria 009 de da Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura. As culturas indicadas na recomendação, são tolerantes ao ACERT nas doses aplicadas e modalidade em que é utilizado - aplicação na pós-emergência em área total - com jato de pulverização atingindo toda a parte aérea das plantas. Herbicida 3

4 Por ocasião da aplicação do produto estas culturas encontram-se aproximadamente nos seguintes estádios de desenvolvimento: Culturas Estádio de desenvolvimento Soja 2 a 3 trifólios Algodão 25 a 30 cm PREPARO DA CALDA Despejar a quantidade pré-determinada do produto diretamente no tanque do pulverizador parcialmente cheio com o sistema de agitação em funcionamento. Completar o tanque mantendo-se a agitação. USO DE ADJUVANTES O ACERT deve ser aplicado sempre adicionado de um adjuvante - o óleo mineral - nas doses indicadas pelo fabricante, como por exemplo, o OPPA-BR a 0,5% v/v. Durante o preparo da calda o óleo mineral deve ser adicionado no final, como último componente da calda de pulverização, antes porém, de completar o tanque mantendo-se a agitação. INTERVALO DE SEGURANÇA: Culturas Intervalo de Segurança (dias) Algodão dias Soja dias INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS: Até 48 horas após a aplicação, utilizar equipamento individual recomendado para o produto. LIMITAÇÕES DE USO: O ACERT não deve ser aplicado após longo período de seca, com as plantas daninhas no estado de stress por deficiência hídrica, devendo aguardar alguns dias, após a normalização das chuvas até a retomada de crescimento das plantas daninhas para o reinício da aplicação. Não aplicar o ACERT sobre as plantas daninhas muito desenvolvidas, além do estádio recomendado. Não aplicar o produto sem a adição de adjuvante - óleo mineral - com prejuízos na eficiência de controle. Não aplicar o produto associado ao herbicida latifolicida pós-emergente tanto nas aplicações terrestres quanto nas aplicações aéreas. A aplicação aérea do ACERT não é recomendada nas áreas altamente infestadas de capim-marmelada (Brachiaria plantaginea). Não aplicar o ACERT com plantas de culturas muito desenvolvidas, próximo ao fechamento, devido ao efeito guarda-chuva, pois haverá pobre controle das invasoras, principalmente, na linha das plantas. Esta influência é mais acentuada nas aplicações aéreas. Nas altas infestações de gramíneas e nos tratamentos precoces, realizados com a cultura jovem, uma única aplicação do ACERT, normalmente, não é suficiente para conduzir a cultura até o fechamento devido reinfestação, pois o produto não apresenta efeito residual no solo. Recomenda-se aguardar um intervalo de 10 dias após a aplicação do herbicida latifolicida pósemergente, para o início do tratamento com ACERT. Recomenda-se um intervalo mínimo de 3 dias após a aplicação do ACERT para aplicar o herbicida pós-emergente latifolicida. Não aplicar o ACERT logo após a ocorrência de chuvas ou após intenso orvalho, com plantas excessivamente úmidas (molhadas), pois a eficiência do produto poderá ser afetada pelo escorrimento. Aplicação do ACERT via Pivot (Quimigação) não é recomendada pela falta de maiores informações sobre esta técnica de tratamento para o produto. Herbicida 4

5 Seletividade: ACERT é um herbicida específico no controle das gramíneas. O produto apresenta boa seletividade para as culturas indicadas - soja, algodão, mesmo em plantas jovens. Algumas variedades de cultivos mencionados, poderão manifestar ligeiros sintomas de fitotoxicidade, aproximadamente 5 a 6 dias após a aplicação do produto, com manifestação de pequenas pontuações cloróticas e leve necrose, porém, estes sintomas desaparecem no decorrer de alguns dias. Estes sintomas estão restritos às folhas superiores e não afetam no desenvolvimento e produtividade normais da cultura. Fitotoxicidade: Na ocorrência de algum efeito sobre a cultura, o sintoma de fitotoxicidade se manifesta através de clorose, pontuações cloróticas, após o intervalo aproximado de 5 a 6 dias de aplicação que poderá desenvolver para uma necrose, nos casos extremos. O efeito, porém, é mais de contato localizado e praticamente não evolui; algumas plantas, entretanto, dependendo da sensibilidade varietal poderão apresentar retenção temporária no seu crescimento, mas gradativamente retoma o desenvolvimento normal. Não tem sido registrado nenhum caso de quebra de produtividade pela utilização do produto.fatores relacionados com aplicação do ACERT na pós-emergência: Visando assegurar a máxima eficiência do produto e pleno controle das invasoras, o usuário deve atentar para os seguintes aspectos: ESTÁDIO DAS PLANTAS DANINHAS: Observar, rigorosamente, o estádio de desenvolvimento indicado para as espécies na Tabela (Recomendações de uso), durante a aplicação do ACERT. CONDIÇÕES DE CAMPO: Durante a aplicação do ACERT o solo deverá apresentar condições de umidade que mantenham a vegetação normal da cultura e também das invasoras. Não aplicar o produto após longo período de seca, principalmente, se as invasoras estiverem no estado de murcha. INFLUÊNCIA DOS FATORES AMBIENTAIS: Umidade relativa do ar: Condições ambientais com umidade relativa acima de 60% são favoráveis para aplicação do produto. Temperatura: Condições de temperaturas excessivamente altas (acima de 32 C) são inadequadas por dificultar a absorção do produto via foliar, e as temperaturas abaixo de 15 C interferem negativamente na atividade do produto. Horário de aplicação: Nos dias ensolarados, recomenda-se aplicar pela manhã até as 10:00 horas, e à tarde a partir das 16:00 horas, quando as condições ambientais são as mais favoráveis para a atividade do produto. Orvalho/Chuva: Nas condições de plantas excessivamente molhadas após uma chuva ou orvalho intenso não aplicar o produto, pois estará sujeito ao escorrimento e consequentemente, controle pobre das invasoras. Ventos: Ventos fortes acima de 10 km/hora são impróprios para aplicação do produto, devido a fortes derivas. Herbicida 5

N-(1-ethypropyl)-2,6-dinitro-3,4-xylidine (PENDIMETALINA)...500 g/l (50% m/v) Ingredientes inertes...500 g/l (50% m/v)

N-(1-ethypropyl)-2,6-dinitro-3,4-xylidine (PENDIMETALINA)...500 g/l (50% m/v) Ingredientes inertes...500 g/l (50% m/v) Composição N-(1-ethypropyl)-2,6-dinitro-3,4-xylidine (PENDIMETALINA)...500 g/l (50% m/v) Ingredientes inertes...500 g/l (50% m/v) Classe Herbicida seletivo, de ação não sistêmica do grupo químico das dinitroanilinas.

Leia mais

COMPOSIÇÃO: CLASSE: GRUPO QUÍMICO: TIPO DE FORMULAÇÃO:

COMPOSIÇÃO: CLASSE: GRUPO QUÍMICO: TIPO DE FORMULAÇÃO: COMPOSIÇÃO: Glifosato 480 g/l CLASSE: Herbicida GRUPO QUÍMICO: Glicina Substituída TIPO DE FORMULAÇÃO: Concentrado Solúvel CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA III - MEDIANAMENTE TÓXICO INSTRUÇÕES DE USO: CULTURA:

Leia mais

Herbicida 1. Acanthospermum hispidum Acanthospermum australe. Carrapicho-de-carneiro

Herbicida 1. Acanthospermum hispidum Acanthospermum australe. Carrapicho-de-carneiro COMPOSIÇÃO: Diurom 800 g/kg CLASSE: Herbicida GRUPO QUÍMICO: Ureia TIPO DE FORMULAÇÃO: Granulado Dispersível (WG) CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA III - MEDIANAMENTE TÓXICO INSTRUÇÕES DE USO DO PRODUTO: CULTURAS:

Leia mais

Nome Comum Nome Científico Estágio de Crescimento Dose(litro*/ha) 0,5. Reaplicar se houver Capim marmelada Brachiaria plantaginea

Nome Comum Nome Científico Estágio de Crescimento Dose(litro*/ha) 0,5. Reaplicar se houver Capim marmelada Brachiaria plantaginea FUSILADE 250 EW Dados técnicos Nome comum do ingrediente ativo: FLUAZIFOP P BUTIL Registro no Ministério da Agricultura e do Abastecimento: nº 005796 Classe: herbicida graminicida sistêmico do grupo químico

Leia mais

Estádio de Crescimento. até 4 perfilhos 4 6 perfilhos. até 4 perfilhos 4 6 perfilhos. até 4 perfilhos 4 6 perfilhos. 20 50 cm.

Estádio de Crescimento. até 4 perfilhos 4 6 perfilhos. até 4 perfilhos 4 6 perfilhos. até 4 perfilhos 4 6 perfilhos. 20 50 cm. FALCON 250 WG Dados técnicos Nome comum do ingrediente ativo: BUTROXYDIM Registro no Ministério da Agricultura e do Abastecimento: nº 01597 Classe: herbicida graminicida sistêmico Composição: 2 [1 (etoxiamino)

Leia mais

Inseticida 1. Doses. Modalidade de aplicação. Culturas. Pragas controladas

Inseticida 1. Doses. Modalidade de aplicação. Culturas. Pragas controladas COMPOSIÇÃO: Imidacloprido 200 g/l CLASSE: Inseticida GRUPO QUÍMICO: Neonicotinoide TIPO DE FORMULAÇÃO: Suspensão Concentrada (SC) CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA III - MEDIANAMENTE TÓXICO INSTRUÇÕES DE USO:

Leia mais

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Engº. Agrº. M. Sc. Aldemir Chaim Laboratório de Tecnologia de Aplicação de Agrotóxicos Embrapa Meio Ambiente História da aplicação de defensivos Equipamento de aplicação

Leia mais

Tecnologias de Manejo Manejo do Milho Tiguera com a Tecnologia Milho Roundup Ready 2

Tecnologias de Manejo Manejo do Milho Tiguera com a Tecnologia Milho Roundup Ready 2 Importante Com o foco no controle de plantas daninhas e lagartas, as culturas geneticamente modificadas ganharam espaço na preferência do produtor rural, pela redução nos custos de produção, comodidade

Leia mais

Sistemas de Produção com Milho Tolerante a Glifosato RAMIRO OVEJERO

Sistemas de Produção com Milho Tolerante a Glifosato RAMIRO OVEJERO Sistemas de Produção com Milho Tolerante a Glifosato RAMIRO OVEJERO PERÍODO CRÍTICO DE PREVENÇÃO DA INTERFERÊNCIA NA CULTURA DO MILHO P.T.P.I. Manejo préplantio Mato-competição Pós-colheita S VE V1 V2

Leia mais

Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos

Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos PONTOS CRÍTICOS NA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos Pesquisador Científico Laboratório de Proteção e Clínica Vegetal E-mail: santosjmf@biologico.sp.gov.br Fone/Fax: (11)

Leia mais

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO 1. Um agricultor relata que não está tendo controle satisfatório na aplicação de um herbicida. Afirma estar aplicando conforme recomendação do fabricante do produto (x litros p.c./ha

Leia mais

300 a 500 Cana-deaçúcar Diatraea saccharalis Broca-da-cana 100 a 150-300. - 50 Maçã. da-folha

300 a 500 Cana-deaçúcar Diatraea saccharalis Broca-da-cana 100 a 150-300. - 50 Maçã. da-folha COMPOSIÇÃO: Novalurom 100 g/l CLASSE: Inseticida GRUPO QUÍMICO: Benzoilureia TIPO DE FORMULAÇÃO: Concentrado Emulsionável (EC) CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA I - EXTREMAMENTE TÓXICO INSTRUÇÕES DE USO: O RIMON

Leia mais

Uso Profissional. www.saudeambiental.com.br. Um grupo de negócios operacionais da Bayer CropScience. Consulte um Profissional

Uso Profissional. www.saudeambiental.com.br. Um grupo de negócios operacionais da Bayer CropScience. Consulte um Profissional Assessoria de Propaganda Bayer Um grupo de negócios operacionais da Bayer CropScience Consulte um Profissional Uso Profissional www.saudeambiental.com.br Produto de venda restrita à empresa especializada

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

caruru-de-mancha caruru-verde (Amaranthus viridis) falsa-serralha bela-emilia (Emilia sonchifolia) caruru-de-mancha caruru-verde (Amaranthus viridis)

caruru-de-mancha caruru-verde (Amaranthus viridis) falsa-serralha bela-emilia (Emilia sonchifolia) caruru-de-mancha caruru-verde (Amaranthus viridis) METRIMEX 500 SC Ficha Técnica Nome Comum: Ametrina Nome Comercial: Metrimex 500 SC Grupo Químico: Triazina Concentração: 500 g/l Formulação: SC - Suspensão Concentrada Classe tóxicológica: III - Medianamente

Leia mais

HERBICIDA DE TRANSLOCAÇÃO E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO LUCIANO BICALIO FONSECA DANIEL CAMPOSILVAN

HERBICIDA DE TRANSLOCAÇÃO E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO LUCIANO BICALIO FONSECA DANIEL CAMPOSILVAN HERBICIDA DE TRANSLOCAÇÃO E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO LUCIANO BICALIO FONSECA DANIEL CAMPOSILVAN INDÚSTRIAS MONSANTO S/A RUA PAES LEME, 524 05424 - SÃO PAULO-SP 1. HERBICIDA DE TRANSLOCAÇÃO O Glyphosate [N

Leia mais

PROTEÇÃO DE CULTIVOS. Manejo de plantas daninhas IMPORTÂNCIA DA CORRETA APLICAÇÃO DO GLIFOSATO PARA O DESENVOLVIMENTO E A PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS

PROTEÇÃO DE CULTIVOS. Manejo de plantas daninhas IMPORTÂNCIA DA CORRETA APLICAÇÃO DO GLIFOSATO PARA O DESENVOLVIMENTO E A PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS Observar os corretos parâmetros para uma boa pulverização (utilizar pontas, filtros e volumes de calda e DMV de gota adequados para cada situação). A utilização do glifosato, desde a implantação das culturas

Leia mais

FUSILADE 250 EW. Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) sob nº: 005796

FUSILADE 250 EW. Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) sob nº: 005796 FUSILADE 250 EW Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) sob nº: 005796 COMPOSIÇÃO: Ingrediente ativo: butyl (R) 2 [4 (5 trifluoromethyl 2 pyridyloxy) phenoxy]propionate

Leia mais

GALLANT*R LEIA O RÓTULO E A BULA ANTES DE UTILIZAR O PRODUTO E CONSERVE-A EM SEU PODER. É OBRIGATÓRIO O USO DE EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA. PROTEJA-SE.

GALLANT*R LEIA O RÓTULO E A BULA ANTES DE UTILIZAR O PRODUTO E CONSERVE-A EM SEU PODER. É OBRIGATÓRIO O USO DE EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA. PROTEJA-SE. (MODELO DE BULA - TEXTO) GALLANT*R LEIA O RÓTULO E A BULA ANTES DE UTILIZAR O PRODUTO E CONSERVE-A EM SEU PODER. É OBRIGATÓRIO O USO DE EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA. PROTEJA-SE. 1. DADOS GERAIS 1.1. Composição:

Leia mais

Controle Plantas Infestantes

Controle Plantas Infestantes Controle de Plantas Infestantes ',' Domingo Haroldo R. C. Reinhardt Francisco Alissonda Silva Xavier Aristóteles Pires de Matos Getúlio Augusto Pinto da Cunha 118 Quais são os problemas provocados pelas

Leia mais

Indicações Registradas

Indicações Registradas Marca Comercial Titular do Registro Nº Registro MAPA Topik 240 EC SYNGENTA PROTEÇÃO DE CULTIVOS LTDA. - 1506.744.463/0001-90 Classe Herbicida Ingrediente Ativo (I.A.) Clodinafope-Propargil Nome Químico

Leia mais

QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS

QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS 1 QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Prof. Dr. Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP Caixa Postal 237-18603-970 - Botucatu/SP - Fone: (14) 96711604 ulisses@fca.unesp.br 1. Conceitos básicos

Leia mais

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes 1. O que é DERIVA? DERIVA é o deslocamento horizontal que sofrem as gotas desde o seu ponto de lançamento até atingirem o seu

Leia mais

O HERBICIDA PARAQUATE

O HERBICIDA PARAQUATE O HERBICIDA PARAQUATE Girabis Envangelista Ramos Brasília/DF, 04 de novembro de 2015 HISTÓRICO E USO Primeiro registro:1962 na Inglaterra (ICI) Nos Estados Unidos da América: 1964 No Brasil: década de

Leia mais

Aspectos técnicos da Pulverização aérea

Aspectos técnicos da Pulverização aérea Aspectos técnicos da Pulverização aérea a Semana da Citricultura 06 a 10 de junho de 2011. Eng. Agr. Yasuzo Ozeki Celular > (11) 9629-919 Telef.Fixo > (11) 021-415 E-mail > yasuzo@uol.com.br Princípios

Leia mais

Eng. Agr. Luís César Pio Diretor Herbicat

Eng. Agr. Luís César Pio Diretor Herbicat II Simpósio Stab Sobre Plantas Daninhas em Cana-de-Açúcar Manejo químico de plantas daninhas e as MPBs. Tecnologia de aplicação em pós-emergência. O que pode trazer melhores resultados à não intoxicação

Leia mais

POSICIONAMENTO DO PORTFÓLIO PARA A CULTURA DA CANA.

POSICIONAMENTO DO PORTFÓLIO PARA A CULTURA DA CANA. POSICIONAMENTO DO PORTFÓLIO PARA A CULTURA DA CANA. Dessecante icida Inseticida DOSE: 5,0 6,0L/ha (dessecação) ALVOS: GRAMÍNEAS E FOLHAS LARGAS CARACTERÍSTICAS E BENEFÍCIOS: Dessecação/eliminação de soqueiras

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Eng Agr MS.c. Henrique B N Campos Consultor Sabri em Tecnologia de Aplicação ADVERTÊNCIA Todas as opiniões e recomendações presentes neste material são

Leia mais

UM PULVERIZADOR BEM REGULADO E CALIBRADO É A CERTEZA DE UMA APLICAÇÃO EFICIENTE E SEGURA!!

UM PULVERIZADOR BEM REGULADO E CALIBRADO É A CERTEZA DE UMA APLICAÇÃO EFICIENTE E SEGURA!! DE PULVERIZADORES AGRÍCOLAS Este material faz parte da apostila do Curso de Tecnologia de Aplicação da Comam Ltda Carlos Alberto Magalhães Cordeiro Paulo Otavio Coutinho Fabiano de Matino Motta Engs Agrônomos

Leia mais

DUAL GOLD VERIFICAR RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

DUAL GOLD VERIFICAR RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ DUAL GOLD VERIFICAR RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA sob nº 08499 COMPOSIÇÃO: Ingrediente ativo: mistura de

Leia mais

Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná

Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná Capim-marmelada e leiteiro são exemplos de grandes problemas que aconteceram nas lavouras de soja no início dos anos 80. Nesta mesma década, foram

Leia mais

APLICAÇÃO AÉREA E TERRESTRE: VANTAGENS E LIMITAÇÕES COMPARATIVAS.

APLICAÇÃO AÉREA E TERRESTRE: VANTAGENS E LIMITAÇÕES COMPARATIVAS. 1 APLICAÇÃO AÉREA E TERRESTRE: VANTAGENS E LIMITAÇÕES COMPARATIVAS. Introdução: José Maria F. dos Santos Eng.º Agr.º Pesq. Científico, Instituto Biológico, São Paulo-SP santosjmf@biologico.sp.gov.br O

Leia mais

Formulações de Adjuvantes Agrícolas

Formulações de Adjuvantes Agrícolas ADJUVANTES Formulações de Adjuvantes Agrícolas ADJUVANTES: - Substância inerte adicionados à formulação ou à calda para melhorar a eficiência da aplicação. Podem ser divididos em 2 grupos: a) Surfatantes:

Leia mais

INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO

INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO LEANDRO CARLOS FERREIRA 1,3 ; ITAMAR ROSA TEIXEIRA 2,3 RESUMO: O sistema de cultivo

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA I - EXTREMAMENTE TÓXICO CLASSIFICAÇÃO DO POTENCIAL DE PERICULOSIDADE AMBIENTAL II - PRODUTO MUITO PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE

CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA I - EXTREMAMENTE TÓXICO CLASSIFICAÇÃO DO POTENCIAL DE PERICULOSIDADE AMBIENTAL II - PRODUTO MUITO PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE Clincher 1501 VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ ANTES DE USAR O PRODUTO LEIA O RÓTULO, A BULA E A RECEITA E CONSERVE-OS EM SEU PODER. É OBRIGATÓRIO O USO DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO ORIVALDO BRUNINI- JOÃO PAULO DE CARVALHO VANESSA BANCHIERI CIARELLI ANDREW PATRICK C,BRUNINI INSTITUTO AGRONÔMICO

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas

Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas A aplicação de produtos químicos ou biológicos para controle de pragas pode ser feita com tratores equipados com pulverizadores de barra com bicos

Leia mais

carrapicho-de-carneiro espinho-de-carneiro (Acanthospermum hispidum) mentrasto picão-roxo (Ageratum conyzoides)

carrapicho-de-carneiro espinho-de-carneiro (Acanthospermum hispidum) mentrasto picão-roxo (Ageratum conyzoides) SIPTRAN 500 SC Ficha Técnica Nome Comum: Atrazina Nome Comercial: Siptran 500 SC Grupo Químico: Triazina Concentração: 500 g/l Formulação: SC - Suspensão Concentrada Classe tóxicológica: III - Medianamente

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT Antonio César Bolonhezi (1), Edivaldo André Gomes (2) (1)UNESP-Ilha Solteira(SP) E-mail: bolonha@agr.feis.unesp.br.

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

TIPOS DE HERBICIDAS PARA USO EM FLORESTAS

TIPOS DE HERBICIDAS PARA USO EM FLORESTAS TIPOS DE HERBICIDAS PARA USO EM FLORESTAS RICARDO VICTORIA FILHO Departamento de Agricultura e Horticultura - ESALQ/USP Caixa Postal 09 13400 - Piracicaba- SP 1. INTRODUÇÃO As plantas daninhas competem

Leia mais

Plantas Daninhas na 07 Cultura da Soja

Plantas Daninhas na 07 Cultura da Soja ecnologia e Produção: oja e Milho 0/0 Plantas Daninhas na 07 Cultura da oja Ricardo Barros 7.. Manejo da cobertura do solo Uma das táticas mais eficazes no sistema de Manejo Integrado de Plantas Daninhas

Leia mais

APLICAÇÃO CORRETA: EFICIÊNCIA, PRODUTIVIDADE E BAIXO CUSTO EM CULTURAS AGRÍCOLAS. José Maria Fernandes dos Santos

APLICAÇÃO CORRETA: EFICIÊNCIA, PRODUTIVIDADE E BAIXO CUSTO EM CULTURAS AGRÍCOLAS. José Maria Fernandes dos Santos APLICAÇÃO CORRETA: EFICIÊNCIA, PRODUTIVIDADE E BAIXO CUSTO EM CULTURAS AGRÍCOLAS. José Maria Fernandes dos Santos Instituto Biológico, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Sanidade Vegetal. Av. Cons.

Leia mais

Conceitos e aplicações dos adjuvantes

Conceitos e aplicações dos adjuvantes ISSN 1518-6512 Agosto, 2006 56 Conceitos e aplicações dos adjuvantes Leandro Vargas 1, Erivelton Scherer Roman 1 Introdução Os herbicidas, até mesmo aqueles com ação de contato como paraquat, necessitam

Leia mais

AGROTEC TECNOLOGIA AGRÍCOLA E INDUSTRIAL LTDA

AGROTEC TECNOLOGIA AGRÍCOLA E INDUSTRIAL LTDA Aplicação aérea no controle de doenças em Soja Eduardo Cordeiro de Araújo 1 As doenças que afetam a cultura da Soja sempre estiveram presentes mas quase sempre foram subestimadas em sua importância. O

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Soja

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

A diversidade de vida no planeta. Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem?

A diversidade de vida no planeta. Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem? A diversidade de vida no planeta Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem? Domínios naturais terrestres São extensas áreas geográficas com

Leia mais

CONVERT* HD364. Acelere seus resultados com a pecuária de corte e de leite.

CONVERT* HD364. Acelere seus resultados com a pecuária de corte e de leite. CONVERT* HD364. Acelere seus resultados com a pecuária de corte e de leite. Origem O CONVERT* HD364 foi obtido pelo Projeto de Forragens Tropicais do CIAT (Centro Internacional de Agricultura Tropical),

Leia mais

CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS ATRAVÉS DE HERBICIDAS EM CONDIÇÕES DE SAFRINHA

CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS ATRAVÉS DE HERBICIDAS EM CONDIÇÕES DE SAFRINHA CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS ATRAVÉS DE HERBICIDAS EM CONDIÇÕES DE SAFRINHA Hugo de Almeida Dan 1, Alberto Leão de Lemos Barroso 2, Lilian Gomes de Moraes Dan 3, Alaeste Diniz da Silva Júnior 3, Cleriston

Leia mais

(*) IMPORTADOR DO PRODUTO FORMULADO FABRICANTE DO PRODUTO TÉCNICO:

(*) IMPORTADOR DO PRODUTO FORMULADO FABRICANTE DO PRODUTO TÉCNICO: Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento/MAPA sob nº 01404 COMPOSIÇÃO: Methyl 4-iodo-2-[3-(4-methoxy-6-methyl-1,3,5-triazin-2-yI)ureidosulfonyl] benzoate (IODOSULFUROM-METÍLICO)...

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

NO TRATAMENTO FITOSSANITÁRIO DO ALGODOEIRO.

NO TRATAMENTO FITOSSANITÁRIO DO ALGODOEIRO. TECNOLOGIA BVO NO TRATAMENTO FITOSSANITÁRIO DO ALGODOEIRO. Marcos Vilela de Magalhães Monteiro 1 Palestra proferida no V Congresso Brasileiro de Algodão - Salvador BA, 29/Ago/2005. Para abordar este tema

Leia mais

Treinamento. Arbus 400 Golden

Treinamento. Arbus 400 Golden Arbus 400 Golden Treinamento Arbus 400 Golden Prof. Brandão - Operação - Manutenção - Regulagem da pulverização Arbus 400 Golden Arbus 400 Maçã 33 Apresentação da máquina Tanque de Defensivos Aplicação

Leia mais

Controle Fitossanitário na Cana de Açúcar : Formação do Grupo de. Dib Nunes Jr.

Controle Fitossanitário na Cana de Açúcar : Formação do Grupo de. Dib Nunes Jr. Gestão do Controle Fitossanitário na Cana de Açúcar : Formação do Grupo de Combate ao Mato. Dib Nunes Jr. O QUE É O GRUPO DE COMBATE AO MATO (GCM)? GESTÃO DO CONTROLE DO MATO É UMA ESTRATÉGIA OPERACIONAL

Leia mais

CAMPO DE PROVA DA FUNDAÇÃO CHAPADÃO

CAMPO DE PROVA DA FUNDAÇÃO CHAPADÃO CAMPO DE PROVA DA FUNDAÇÃO CHAPADÃO TECNOAGRO Rodovia BR 060, km 11 - Condominio Rural Fundação Chapadão Casas 4, 5 e 6 - Caixa postal 39 - CEP 79.560-000 Chapadão do Sul, MS - www fundacaochapadao.com.br

Leia mais

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO F1 DESCRIÇÃO DO PRODUTO USO EM SOLO NATURAL No solo natural o Photogenesis F1 irá complementar os nutrientes

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

AVIAÇÃO AGRÍCOLA E O MEIO AMBIENTE

AVIAÇÃO AGRÍCOLA E O MEIO AMBIENTE AVIAÇÃO AGRÍCOLA E O MEIO AMBIENTE. INTRODUÇÃO Eng. Agr. Eduardo C. de Araújo As discussões relacionadas à proteção ao meio ambiente, em que pese sua inquestionável importância, são, infelizmente, frequentemente

Leia mais

Logomarca do produto GRAMOCIL Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) sob nº: 01248498.

Logomarca do produto GRAMOCIL Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) sob nº: 01248498. Logomarca do produto GRAMOCIL Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) sob nº: 01248498. COMPOSIÇÃO: 1,1'-dimethyl-4,4'-bipyridium (PARAQUATE)...... 200 g/l (20% m/v) 3-(3,4-dichlorophenyl)-1,1-dimethylurea

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Marcelo C. Picanço Prof. de Entomologia Universidade Federal de Viçosa Telefone: (31)38994009 E-mail: picanco@ufv.br Situação do Controle de Pragas de Grandes

Leia mais

A evolução do WeedSeeker para catação química na cana de açúcar. Eng. Agr. Luís César Pio Herbicat Versão 140529

A evolução do WeedSeeker para catação química na cana de açúcar. Eng. Agr. Luís César Pio Herbicat Versão 140529 A evolução do WeedSeeker para catação química na cana de açúcar Eng. Agr. Luís César Pio Herbicat Versão 140529 Herbicat Nasce de um projeto baseado em acreditar que sempre é possível realizar as aplicações

Leia mais

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS EM SPD. Dionisio Luiz Pisa Gazziero Embrapa Soja

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS EM SPD. Dionisio Luiz Pisa Gazziero Embrapa Soja MANEJO DE PLANTAS DANINHAS EM SPD Dionisio Luiz Pisa Gazziero Embrapa Soja ( e de informações) É TER VISÃO DE SISTEMA, MANEJO DA ÁREA/DA PROPRIEDADE - VISÃO EMPRESARIAL É UMA DE TRABALHO É gerenciar -

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 73 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes O plantio de algodão

Leia mais

x- Novas e futuras alternativas de controle de plantas

x- Novas e futuras alternativas de controle de plantas x- Novas e futuras alternativas de controle de plantas daninhas Décio Karam I IPesquisador da Embrapa Milho e Sorgo e Presidente da Sociedade Brasileira da Ciência das Plantas daninhas, biênio 2006/2008.

Leia mais

BORAL 500 SC VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

BORAL 500 SC VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ BORAL 500 SC VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA sob o nº 07495. COMPOSIÇÃO: 2,4 -dichloro-5-(4-difluoromethyl-4,5-dihydro-3-methyl-5-oxo-1h-1,2,4-triazol-1-yl)

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO Nº do Processo SUSEP: 15414.001178/2005-04 CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro

Leia mais

Passo a passo na escolha da cultivar de milho

Passo a passo na escolha da cultivar de milho Passo a passo na escolha da cultivar de milho Beatriz Marti Emygdio Pesquisadora Embrapa Clima Temperado (beatriz.emygdio@cpact.embrapa.br) Diante da ampla gama de cultivares de milho, disponíveis no mercado

Leia mais

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo.

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

Mas que negócio é esse de resistência de insetos?

Mas que negócio é esse de resistência de insetos? O milho Bt é obtido por meio da transformação genética de plantas de milho com genes da bactéria Bacillus thuringiensis, os quais promovem a expressão de proteínas com ação inseticida. Um trabalho que

Leia mais

FISCALIZAÇÃO DO COMÉRCIO E USO DE AGROTÓXICOS NO RIO GRANDE DO SUL. Departamento de Defesa Agropecuária Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários

FISCALIZAÇÃO DO COMÉRCIO E USO DE AGROTÓXICOS NO RIO GRANDE DO SUL. Departamento de Defesa Agropecuária Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários FISCALIZAÇÃO DO COMÉRCIO E USO DE AGROTÓXICOS NO RIO GRANDE DO SUL Departamento de Defesa Agropecuária Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários 1 O que são agrotóxicos e afins? DEFINIÇÃO (Art. 1, inciso

Leia mais

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS)

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) 1. INTRODUÇÃO Uma outra praga que vem assumindo um certo grau de importância é conhecida como o bicudo da cana-de-açúcar de ocorrência restrita no Estado de São Paulo,

Leia mais

Como formar seu Gramado

Como formar seu Gramado Como formar seu Gramado Nada menos que mil pés de grama convivem em cada metro quadrado de um gramado. E, ao contrário de uma horta ou canteiro, onde o solo pode ser revolvido, corrigido e enriquecido

Leia mais

APLICAÇÃO DE ELASTRON EM CONCRETO 1,5

APLICAÇÃO DE ELASTRON EM CONCRETO 1,5 APLICAÇÃO DE ELASTRON EM CONCRETO 1,5 1.0 - DESCRIÇÃO Esta literatura tem por finalidade servir de guia de aplicação do Elastron sobre Estruturas de Concreto e a Preparação do Substrato. O Sistema consistirá

Leia mais

Serviço Social do Comércio DEPARTAMENTO NACIONAL Estância Ecológica SESC-Pantanal CONCORRÊNCIA N.º 15/0009 - CC

Serviço Social do Comércio DEPARTAMENTO NACIONAL Estância Ecológica SESC-Pantanal CONCORRÊNCIA N.º 15/0009 - CC Serviço Social do Comércio DEPARTAMENTO NACIONAL Estância Ecológica SESC-Pantanal CONCORRÊNCIA N.º 15/0009 - CC ANEXO IV MEMORIAL DE MANUTENÇÃO PAISAGISMO HOTEL SESC MEMORIAL DE MANUTENÇÃO DE JARDIM HOTEL

Leia mais

Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um

Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um Algumas noções sobre a umidade relativa do ar Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um ambiente. A capacidade do ar de reter vapor de água é tanto maior

Leia mais

ADVANCE VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

ADVANCE VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ ADVANCE VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento / MAPA sob nº 001595 COMPOSIÇÃO: 3-(3,4-diclorofenil)-1,1-dimetiluréia(DIURON)...533

Leia mais

MODDUS VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

MODDUS VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ MODDUS VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA sob nº 00296 COMPOSIÇÃO: Ingrediente ativo: ethyl

Leia mais

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

Energia para pulverização

Energia para pulverização BICOS DE PULVERIZAÇÃO ALTO VOLUME GOTAS PEQUENAS Energia para pulverização Diferentes Tipos de Bicos Classificação em função da energia gerada para pulverização a) Centrífuga b) Pneumática c) Eletrostática

Leia mais

FORDOR 750 WG VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS NO PARANÁ

FORDOR 750 WG VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS NO PARANÁ FORDOR 750 WG VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS NO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA sob º 02604 Composição: 5-ciclopropil-1,2-oxazol-4-yl,α,α,α-trifluoro-2-mesil-p-tolil

Leia mais

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Edgar Rodrigues Marques 1 ; Paulo César

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra!

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra! GUIA DE CULTIVARES A semente é a base do sucesso de uma lavoura. Sua qualidade é essencial para os bons resultados de cada safra, garantindo maior produtividade, competitividade e o lucro do produtor.

Leia mais

Influênciada camadade palha no manejode plantasdaninhas emcanaviais. Marcos Kuva Herbae C. P. AgrícolasLtda

Influênciada camadade palha no manejode plantasdaninhas emcanaviais. Marcos Kuva Herbae C. P. AgrícolasLtda Influênciada camadade palha no manejode plantasdaninhas emcanaviais Marcos Kuva Herbae C. P. AgrícolasLtda Sedeadministrativa Estaçãoexperimental credenciadano MAPA Laboratóriode manipulaçãode agrotóxicos

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII REQUISITOS MÍNIMOS PARA DETERMINAÇÃO DO VALOR DE CULTIVO

Leia mais

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA Marco Antônio Ferreira Varanda 1 ; Aurélio Vaz de Melo 2 ; Rubens Ribeiro da Silva³ 1 Aluno do Curso de Agronomia; Campus

Leia mais

AGRONOMIA. Questão 1 Padrão de resposta esperado:

AGRONOMIA. Questão 1 Padrão de resposta esperado: Questão 1 O Controle Biológico de pragas pode ser vantajoso em relação ao Controle Químico : Protegendo a biodiversidade. Não deixando resíduos nos alimentos, na água, no solo. Sendo específicos. Evitando

Leia mais

Imidacloprid 700WG TRIPLA AÇÃO NA PROTEÇÃO DE CULTIVOS

Imidacloprid 700WG TRIPLA AÇÃO NA PROTEÇÃO DE CULTIVOS Imidacloprid 700WG TRIPLA AÇÃO NA PROTEÇÃO DE CULTIVOS Imidacloprid 700WG Inseticida de tripla ação: sistêmico, de contato e ingestão Galeão é um inseticida sistêmico, do grupo dos neonicotinóides que

Leia mais

Joint* Oil ANTES DE USAR O PRODUTO, LEIA O RÓTULO, A BULA E A RECEITA E CONSERVE-OS EM SEU PODER.

Joint* Oil ANTES DE USAR O PRODUTO, LEIA O RÓTULO, A BULA E A RECEITA E CONSERVE-OS EM SEU PODER. Joint* Oil 1012 ANTES DE USAR O PRODUTO, LEIA O RÓTULO, A BULA E A RECEITA E CONSERVE-OS EM SEU PODER. É OBRIGATÓRIO O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL. PROTEJA-SE. É OBRIGATÓRIA A DEVOLUÇÃO

Leia mais

MINER OIL. Verificar as restrições de uso constantes na lista de agrotóxicos do Paraná

MINER OIL. Verificar as restrições de uso constantes na lista de agrotóxicos do Paraná MINER OIL Verificar as restrições de uso constantes na lista de agrotóxicos do Paraná Registrado Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA sob Nº 05400 COMPOSIÇÃO: Mistura de hidrocarbonetos

Leia mais

PACTO VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

PACTO VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ PACTO VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA sob nº 07398 Composição: Methyl-3-choro-2-(5-ethoxy-7-fluorol[1,2,4]triazolo[1,5c]pyrimidin-2-yl

Leia mais

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

08/04/2013 PRAGAS DO FEIJOEIRO. Broca do caule (Elasmopalpus legnosellus) Lagarta rosca (Agrotis ipsilon)

08/04/2013 PRAGAS DO FEIJOEIRO. Broca do caule (Elasmopalpus legnosellus) Lagarta rosca (Agrotis ipsilon) Pragas que atacam as plântulas PRAGAS DO FEIJOEIRO Pragas que atacam as folhas Lagarta enroladeira (Omiodes indicata) Pragas que atacam as vargens Lagarta elasmo (ataca também a soja, algodão, milho, arroz,

Leia mais

P ROTEÇÃO E A ÇÃO DE P ROFUNDIDADE EM TODAS AS FASES DA CULTURA

P ROTEÇÃO E A ÇÃO DE P ROFUNDIDADE EM TODAS AS FASES DA CULTURA P ROTEÇÃO E A ÇÃO DE P ROFUNDIDADE EM TODAS AS FASES DA CULTURA Fungicida com ação de profundidade tem nome e sobrenome: Cimox WP Helm Cimox WP Helm é um fungicida composto por 80g de Cymoxanil e 640g

Leia mais

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO AMARAL, Kevin Bossoni do 1 ; CAMPOS, Ben-Hur Costa de 2 ; BIANCHI, Mario Antonio 3 Palavras-Chave:

Leia mais

Diagnose de doenças não parasitárias em trigo

Diagnose de doenças não parasitárias em trigo Diagnose de doenças não parasitárias em trigo Erlei Melo Reis, Sandra Maria Zoldan e Beatriz Coelho Germano Equipe de fitopatologia da OR Melhoramento de Sementes Ltda 1. Introdução. A diagnose (determinação

Leia mais